You are on page 1of 24

27-11-2010

NCRF 22
Esta norma tem por base a IAS 20

CONTABILIZAÇÃO DOS SUBSÍDIOS
DO GOVERNO E DIVULGAÇÃO DE
APOIOS DO GOVERNO
Trabalho Elaborado por:

Gabi Almeida, N.º 58094
Sofia Figueiredo, N.º 58137
Joaquim Costa, N.º 61843
Joana Puga, N.º 61844

OBJECTIVO (§1) 
Determinar os procedimentos que uma entidade deve
aplicar na contabilização e divulgação de subsídios e
apoios do Governo.

APLICABILIDADE (§2) 
Contabilização e divulgação de Subsídios do Governo 

Divulgação de outras formas de apoio do Governo.

2

1

27-11-2010

FORA DO ÂMBITO DESTA NORMA (§3) 

Problemas especiais que surgem da contabilização dos
subsídios do Governo em demonstrações financeiras; 

Isenções temporárias do imposto sobre o rendimento; 

Créditos de impostos por investimentos; 

Permissão de depreciações aceleradas;

3

FORA DO ÂMBITO DESTA NORMA (§3) 

Taxas reduzidas de impostos sobre o rendimento; 

A participação do Governo no capital das entidades; 

Os subsídios do Governo cobertos pela NCRF 17 - Agricultura.

4

2

 Melhoramento ou implementação de redes de águas em benefício de toda uma comunidade local.  Constrangimentos de restrições comerciais sobre concorrentes. 5 CONCEITOS BÁSICOS  Não são apoios do Governo (§4):  O fornecimento de infra-estruturas em áreas de desenvolvimento. 27-11-2010 CONCEITOS BÁSICOS Apoio do Governo:  São benefícios económicos específicos atribuídos a uma entidade ou a uma categoria de entidades que a eles se propõem segundo certos critérios. subvenções ou prémios.  O propósito pode ser o de encorajar uma entidade a seguir um certo rumo que ela normalmente não teria tomado se o apoio não fosse proporcionado.  Podem ainda ser dominados de dotações. 6 3 . Exemplo:  Melhoria da rede de transportes e das comunicações gerais.

 Concessão de garantias. 27-11-2010 CONCEITOS BÁSICOS  Não são apoios do Governo (§4):  Formas de apoio que não conseguem ter um valor razoavelmente atribuído (§26). Exemplo:  Conselhos técnicos e de comercialização gratuitos. 7 CONCEITOS BÁSICOS Subsídios do Governo:  São auxílios do Governo na forma de transferências de recursos para uma entidade em troca do cumprimento passado ou futuro de certas condições relacionadas com as actividades operacionais da entidade. 8 4 .

Exemplo:  Política de aquisições do Governo a qual seja responsável por parte das vendas da entidade. A entidade beneficiada pode ter que proceder ao reembolso total ou parcial. 9 RECONHECIMENTO (§8)  Pelo justo valor após existir segurança de que:  A entidade cumprirá as condições a eles associadas.  Os subsídios serão recebidos Nota: O recebimento de um subsídio não prova que as condições associadas tenham sido ou serão cumpridas. 27-11-2010 CONCEITOS BÁSICOS  Não são considerados subsídios do Governo (§4):  As transacções com o Governo que não possam ser distinguidas das operações comerciais normais da entidade (§27). 10 5 .

27-11-2010 OS SUBSÍDIOS PODEM SER:  Não Monetários (§21): Exemplo:  AFT .Patentes e Marcas  Monetários 11 OS SUBSÍDIOS PODEM SER:  Não Reembolsáveis  Reembolsáveis: é mais frequente aquando do incumprimento dos pressupostos que deram origem à sua atribuição.Equipamento Básico  AI . Exemplo:  Exercício 5 12 6 .

o reembolso deverá ser registado como um gasto. 27-11-2010 Inicialmente reconhecidos no Capital TIPOS DE SUBSÍDIOS Próprio e posteriormente como Rendimento Subsídios durante os períodos relacionados com necessários para Activos ou ao balanceá-los com os Investimento gastos relacionados que se pretende que eles compensem. 14 7 . excepto se a respectiva quantia for necessária Activos Fixos Tangíveis não para compensar uma Depreciáveis e Perda por Imparidade. Activos Fixos Tangíveis Depreciáveis e Intangíveis com Reconhecidos no Vida Útil Definida Capital Próprio. 13 Intangíveis com Excepção: § 16 Vida Útil Indefinida REEMBOLSOS  Relacionados com Activos:  Deverá ser efectuado por contrapartida do crédito diferido não amortizado (debitar a 593 e creditar a conta de disponibilidades).  Nos casos em que o reembolso é superior ao crédito diferido (ou se este não existir).

§18 e §19 e §20 Recebidos para dar suporte financeiro imediato e sem qualquer custo futuro relacionado Devem ser reconhecidos como Rendimentos nos períodos a que Recebidos para deficits dizem respeito. de exploração de 15 períodos futuros §24 REEMBOLSOS  Relacionados com Rendimentos:  Deve ser efectuado por contrapartida dos rendimentos diferidos. ou na insuficiência dos mesmos. 16 8 . deverá ser contabilizado como um gasto. 27-11-2010 Subsídios relacionados com Rendimentos ou à TIPOS DE SUBSÍDIOS Exploração Devem ser Recebidos como compensação por reconhecidos como gastos ou perdas Rendimentos no incorridos em períodos período em que se anteriores tornar recebível.

00€ (recebido de imediato)  Aquisição da máquina .000.000. incluindo os métodos de apresentação adoptados nas DF’s. 17 EXERCÍCIO 1: AFT DEPRECIÁVEIS  Uma determinada sociedade candidatou-se à obtenção de um subsídio governamental não reembolsável com vista à aquisição de um equipamento de produção:  Valor de aquisição . 27-11-2010 DIVULGAÇÕES  A política contabilística adoptada para os subsídios. 2010 18 9 .210.  A natureza e extensão dos subsídios reconhecidos nas DF’s e indicação de outras formas de apoio do Governo de que a entidade tenha directamente beneficiado. 2010) .00€ (acresce IVA à taxa normal 20%)  Atribuição do Subsídio (11 Jun.11 Jun.420.  Condições não satisfeitas e outras contingências ligadas ao apoio do Governo que tenham sido reconhecidas.

00€ 2432 Estado e outros entes públicos / IVA dedutível 84. 2010  Vida útil .PE NCRF 22 .§§ 12 § 14.000.00€ 11 Junho 2010 (2) – Aquisição do equipamento de produção Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 433 Activos fixos tangíveis / Equipamento básico 420.Subsídios 210. da depreciação do activo. Problemática:  Esta resolução implica o reconhecimento: do subsídio. da aquisição do AFT.8 anos  Método de depreciação .000.linha recta.000. da imputação do subsídio a rendimentos nos períodos subsequentes.000.1 Jul.000.00€ 20 10 . 27-11-2010 EXERCÍCIO 1: AFT DEPRECIÁVEIS  Entrada em funcionamento .00€ 593 Outras variações no capital próprio . 19 RESOLUÇÃO 1: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF .00€ 2711 Fornecedores de investimentos – contas gerais 504.5 11 Junho 2010 (1) – Recebimento do Subsídio Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à ordem 210.

00€ Subsídios para Investimentos 22 11 . 27-11-2010 RESOLUÇÃO 1:  Cálculo da depreciação  Depreciação anual = 420.00€ / 8 = 52.00€  Depreciação referente aos 6 meses de uso = 52.00€*50% = 13.00€ 21 RESOLUÇÃO 1:  Cálculo do subsídio a reconhecer em 2010:  Relação entre o valor do subsídio e o valor da aquisição = 210.125.00€ 7883 Outros Rendimentos e Ganhos – Imputação de 13.250.00€ 438 AFT / Depreciações acumuladas 26.500.00€ / 12*6 = 26.00€ 31 Dezembro 2010 (3) – Depreciação anual Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 642 Gastos de depreciação e de amortização / AFT 26.125.00€ 31 Dezembro 2010 (4) – Imputação do subsídio a rendimentos Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 593 Outras variações no capital próprio .125.500.000.000.000.00€ / 420.250.Subsídios 13.00€ * 100 = 50%  Parcela do subsídio a reconhecer como rendimento 26.250.250.

data em que efectuou a aquisição da referida marca.75. 2010.000. no intuito de subsidiar a aquisição de uma marca com direito de utilização perpétuo:  Custo . 2010 .15 Abr.37. da aquisição do activo. da imputação do subsídio a rendimentos nos períodos subsequentes.  Quantia Recuperável em 31 Dez. 27-11-2010 EXERCÍCIO 2: AI COM VIDA ÚTIL INDEFINIDA  Uma determinada entidade obteve um apoio do Governo.000. 23 EXERCÍCIO 2: AI COM VIDA ÚTIL INDEFINIDA Problemática:  Esta resolução implica o reconhecimento: do subsídio recebido.00€. da perda por imparidade (caso exista).00€ (acresce IVA à taxa normal 20%)  Subsídio não reembolsável .00€  Recebimento do Subsídio .60.500. 24 12 .

00€ 26 13 .5 15 Abril 2010 (1) – Recebimento do subsídio Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à Ordem 37.500.000.00€ .00€ 2432 Estado e outros entes públicos / IVA dedutível 15.00€ 15 Abril 2010 (2) – Aquisição da marca Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 446 Outros activos intangíveis 75.00€  Quantia recuperável – 60.00€ 2711 Fornecedores de investimentos – contas gerais 90.00€) 31 Dezembro 2010 (3) – Reconhecimento da perda por imparidade Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 656 Perdas por imparidade / Activos intangíveis 15.500.PE NCRF 22 .000.000.000.00€ 593 Outras Variações no Capital Próprio/Subsídios 37.00€ 25 RESOLUÇÃO 2:  Cálculo da perda por imparidade:  Quantia escriturada – 75.000.000.00€ (75.00€  Perda por imparidade – 15.000. 27-11-2010 RESOLUÇÃO 2: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF .000.000.00€ 449 AI / Perdas por imparidade acumuladas 15.§§ 12 § 14.000.60.

00€ *50%) 27 RESOLUÇÃO 2: 31 Dezembro 2010 (4) – Imputação do subsídio a rendimentos Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 593 Outras variações no capital próprio .000.00€ Outros rendimentos e ganhos / Imputação do 7883 7.00€ (15.00€  Perda por imparidade correspondente a 20% do valor do activo  Parcela do subsídio a imputar a rendimento = 7.000.00€ subsídio para investimentos 28 14 .000.500.Subsídios 7.00€  Perda por imparidade – 15.500.500.00€  Custo de aquisição – 75. 27-11-2010 RESOLUÇÃO 2:  Cálculo da quantia do subsídio a imputar como rendimento do período:  Valor do subsídio – 37.500.

15 . SA pretende adquirir uma fórmula que possibilita a produção de uma bebida natural.100. 2010) .000. 29 EXERCÍCIO 3: AI COM VIDA ÚTIL INDEFINIDA  Valor Aquisição (1 Jul. 27-11-2010 EXERCÍCIO 3: AI COM VIDA ÚTIL INDEFINIDA  A sociedade Ideias e Negócios. apenas seria viável se apoiada em 50% por um subsídio não reembolsável. 2010 Problemática:  Esta resolução implica o tratamento contabilístico relativo à aquisição de direitos de utilização de uma patente em associação com a atribuição de um subsídio 30 governamental. negociada para a sua utilização a título perpétuo. de grande benefício para os doentes de diabetes.15% (isento de IVA)  Recebimento do subsídio – 1 Jul.  Um estudo de mercado permitiu verificar que a aquisição da referida patente.00€ (PP)  Retenção na fonte de IRC .

1 e 14.§§ 8 e 12 § 14.000.00€ Subsídio Atribuído = 50% do custo de aquisição do activo = 50%*100.000.00€ = 50.000.00€ 31 RESOLUÇÃO 3: 01 Julho 2010 – (2) Recebimento do subsídio relacionado com a aquisição do activo intangível (50% dos custos suportados pela empresa) Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à ordem 50.000.00€ 593 Outras variações no capital próprio .Subsídios 50.4 (com remissão para o §7.00€ 2711 Fornecedores de Investimento – contas gerais 100.000.PE NCRF 06 .000.000.000.00€ 242 Retenção de impostos sobre o rendimento 15.00€ 12 Depósitos à ordem 85.00€ 31 Julho 2010 – (3) Pagamento ao fornecedor Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 2711 Fornecedores de Investimento – contas gerais 100.00€ 32 16 .6) NCRF 22 .5 01 Julho 2010 – (1) Custo de aquisição do activo intangível Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 444 Propriedade industrial 100.§§ 27 § 8.000. 27-11-2010 RESOLUÇÃO 3: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF .

500.5 Jan.30 Nov. promove. 34 17 . através de um organismo ligado ao MTSS. Lda.  Do total das inscrições. de entre outros projectos. com início em 1 Dez. 2010  Recebimento do subsídio . 27-11-2010 EXERCÍCIO 4: SUBSÍDIOS À EXPLORAÇÃO  A sociedade de Educação e Formação Profissional. 40 foram efectuadas por pessoas abrangidas pelo RSI. cursos de desenvolvimento profissional para pessoas abrangidas pelo rendimento social de inserção. tendo como base o valor de referência do mesmo curso oferecido para o público em geral.00€ (duração de 2 meses. O Estado. 2011. 33 EXERCÍCIO 4: SUBSÍDIOS À EXPLORAÇÃO  Curso oferecido para o público em geral . suportou em 70% o valor da inscrição de cada aluno. 2010)  Aprovação do início do curso (numeros clausus) .

§§ 24 § 14.000.000.00€ 282 Rendimentos a Reconhecer 14. RESOLUÇÃO 4: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF . 27-11-2010 EXERCÍCIO 4: SUBSÍDIOS À EXPLORAÇÃO Problemática:  Na base desta resolução está o reconhecimento de rendimentos associados a um subsídio à exploração concedido por um organismo público.000.§§ 14 e 15 Aplicação não comtemplados.00€ 31 Dez.00€ Subsídios a imputar durante o 1º mês do desenvolvimento do curso = (total do subsídios reconhecido) / número de períodos de desenvolvimento do custo = 14.00€ 500€ * 40 inscritos * 0.10 35 RESOLUÇÃO 4: 30 Nov. 2010 – (2) Imputação do Subsídio a rendimento do período (1º mês do desenvolvimento do curso) Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 282 Rendimentos a Reconhecer 7.000. 2010 – (1) Reconhecimento do Subsídio a reconhecer do Estado Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 278 Outros Devedores e Credores 14.00€ / 2 = 7.PE NCRF 22 .3 NCRF 22 . Aplicação supletiva do § 2.7 subsídio =14.000.00€ 36 18 .000.000.00€ 751 Subsídios do EOEP 7.

00€ 751 Subsídios do EOEP 7.  Pagamento em três parcelas anuais.000. 2010  O recrutamento foi efectuado em 2010 com um custo de 20.000.00€ 31 Jan.000.000. 2011 – (3) Recebimento do subsídio: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à Ordem 14.00€ / 2 = 7. Lda. 27-11-2010 RESOLUÇÃO 4: 5 Jan.000.000. com início em 31 Dez.00€ 37 EXERCÍCIO 5: SUBSÍDIOS À EXPLORAÇÃO  Em Nov.00€.000.00€ Subsídios a imputar durante o 2º mês do desenvolvimento do curso = (total do subsídios reconhecido) / número de períodos de desenvolvimento do custo = 14.00€ 278 Outros Devedores e Credores 14. 2011 – (4) Imputação do subsídio a rendimento do período (2º mês do desenvolvimento do curso): Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 282 Rendimentos a Reconhecer 7. 2010 a empresa EXPLORAÇÃO.000. 38 19 . viu aprovado pelo IEFP a atribuição de um subsídio de 45.00€ contingente à criação de 5 novos postos de trabalho e à sua manutenção por 3 anos.

00€ = 61.000.00€ + 6.95% Ano 2011 = 61.00€ em 2010 e aumentem 6.00€ = 33% 20 .000.000.00€ + 6.000.00€ Percentagens: Ano 2010 = 75.000. NCRF 4 Exigências de divulgação de informação menores . tendo sido a empresa obrigada a reembolsar 8.00€ / 203.00€ = 75.00€ / 203.000.PE NCRF 22 Tratamento contabilístico similar. Problemática:  Reconhecimento e mensuração dos subsídios à 39 exploração. RESOLUÇÃO 5: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF .00€ + 20.00€ / 203.000.00€ em cada ano subsequente.000.000.  Em 2012 verificou-se o incumprimento da manutenção de 2 postos de trabalho.00€ Ano 2011 = 55.000.000.00€ = 30.00€.00€ = 36.000.05% 40 Ano 2012 = 67.00€ Ano 2012 = 61. 27-11-2010 EXERCÍCIO 5: SUBSÍDIOS À EXPLORAÇÃO  Estima-se que os gastos salariais ascendam a 55.000.000. Cálculos Auxiliares: Gastos com Pessoal: Ano 2010 = 55.000.00€ = 67.000.000.00€ Total = 203.000.000.

000. 27-11-2010 RESOLUÇÃO 5: Reconhecimento anual do Subsídio: Ano 2010 = 45.00€ x 30.627.627. 2010 – (3) Reconhecimento parcial do subsídio em Resultados: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 282 Rendimentos a Reconhecer 16.05% = 13.522. 2011 – (5) Reconhecimento parcial do subsídio em resultados: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 282 Rendimentos a Reconhecer 13.50€ Dez.00€ RESOLUÇÃO 5: Dez.00€ Dez.50€ 752 Subsídios de Outras Entidades 16.000.00€ x 33% = 14.000.850.00€ Dez. 2011 – (4) Recebimento da 2ª parcela do subsídio: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à Ordem 15.95% = 16.522.000.00€ 41 278 Outros Devedores e Credores 15.50€ 752 Subsídios de Outras Entidades 13.50€ 42 21 .00€ 282 Rendimentos a Reconhecer 45.000.00€ Nov.000.50€ Ano 2011 = 45.00€ 278 Outros Devedores e Credores 15.000.000. 2010 – (2) Recebimento da 1ª parcela do subsídio: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à Ordem 15.50€ Ano 2012 = 45.00€ Total = 45.000.522. 2010 – (1) Reconhecimento do subsídio: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 278 Outros Devedores e Credores 45.627.000.00€ x 36.

00€ 43 12 Depósitos à Ordem 8.000.00€ Dez. 44 22 .00€ .00€ = 6. Para fazer face a este defit de exploração. 2012 – (8) Reembolso Parcial do Subsídio: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 282 Rendimentos a Reconhecer 8. 27-11-2010 RESOLUÇÃO 5: Dez. – 14. a empresa candidatou-se em 2009 a um subsídio.000.00€ a reembolsar em duas prestações anuais ignorando a NCRF 27 (actualizações Obrigatórias porque estamos a diferir). tendo-o recebido em 01 de Junho do decorrente ano.000.000.00€ Dez.000.650.00€ EXERCÍCIO 6: SUBSÍDIOS TOTALMENTE REEMBOLSÁVEIS  A sociedade AMARGURA teve uma queda de %50 nas suas vendas nos últimos anos devido a uma crise financeira que se instalou a nível mundial. 2012 – (7) Reconhecimento parcial do subsídio em Resultados: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 282 Rendimentos a Reconhecer 8.8.00€ 278 Outros Devedores e Credores 15.000.850.A.00€ 752 Subsídios de Outras Entidades 8.650.00€ C.850. 500. 2012 – (6) Recebimento da 3ª parcela do subsídio: Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à Ordem 15.

00€ 12 Depósitos à ordem 50.000.00€ 12 Depósitos à ordem 50. 2010 – Reembolso da 1ª prestação do Subsídio Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 271 Fornecedores de investimentos 50.000.11 NCRF 4 01 Jun.000. 2011 – Reembolso da 2ª prestação do Subsídio Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 271 Fornecedores de investimentos 50.000.00€ 01 Jun.00€ 500.Recebimento do Subsídio : Nº Conta Nome da Conta Débito Crédito 12 Depósitos à ordem 500.000.00€ 258 258 Outros financiadores 500.PE NCRF 22 . 27-11-2010 RESOLUÇÃO 6: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF .00€ 45 RESOLUÇÃO 6: 01 Jun.000. 13 e 25 14.§§ 12.00€ A conta 258 encontra-se saldada! 46 23 .00€ / 2 Anos = 250.000.000. 2009 .

uma vez que o valor dos subsídios é transferido faseadamente para rendimentos.  A contabilização de ambos os tipos de subsídios aumenta o Resultado do Período. como preconizado no art. 22º do CIRC. sendo este um dos rácios privilegiados pela banca para a atribuição de crédito. como tal tributável. nomeadamente o rácio da Autonomia Financeira (CP/A). são contudo imputados ao Lucro Tributável de forma faseada. embora sendo enquadrados como uma variação patrimonial positiva e não excepcionada. 48 24 . 27-11-2010 ENQUADRAMENTO FISCAL  Os subsídios ao investimento. 47 CONCLUSÃO  A contabilização dos subsídios relacionados com os AFT e AI permite melhorar alguns indicadores financeiros das empresas.