Egito Atual Sociedade A sociedade egípcia atravessa, nos últimos anos, uma das suas piores fases e o povo

deste país desconhece ± e, por isso, desvaloriza ± a sua própria cultura, mal trata-a e nutre por si mesmo uma auto-estima faminta. É impressionante ver como um dos países mais ricos do mundo ± em cultura, em História, em recursos naturais, em metais, em produções agrícolas, em estruturas turísticas, etc ± pode ser tão pobre e tenha de recorrer a ³ajudas´ de países estrangeiros. A geração MTV avança em força por todo o país, a Internet e os filmes americanos passam uma imagem de libertinagem e ilusória liberdade que aqui não se vive claramente, muito por pressão da religião muçulmana que esculpe carácteres e mentes.

A Revolução no Egito em 2011, também conhecida como Dias de Fúria, Revolução de Lótus e Revolução do Nilo,[1][2] foi uma série de manifestações de rua, protestos e atos de desobediência civil que ocorreram no Egito de 25 de janeiro até 11 de fevereiro de 2011. Os organizadores das manifestações contaram com a recente revolta da Tunísia para inspirar as multidões egípcias a se mobilizar, assim como ocorreu em grande parte do mundo árabe. Os principais motivos para o início das manifestações e tumultos foram a violência policial, leis de estado de exceção, o desemprego, o desejo de aumentar o salário mínimo, falta de moradia, inflação, corrupção, falta de liberdade de expressão e más condições de vida.[3] O principal objetivo dos protestos era derrubar o regime do presidente Hosni Mubarak, que está no poder há quase 30 anos.[4] Enquanto protestos localizados já eram comuns em anos anteriores, grandes protestos e revoltas eclodiram por todo o país a partir do dia 25 de janeiro, que ficou conhecido como o "Dia da Ira", a data estabelecida por grupos de oposição do Egito e outros para uma grande manifestação popular.[3] Os protestos de 2011 foram chamados de "sem precedentes" para o Egito[5] e "a maior exposição de insatisfação popular na memória recente" no país,[6] sendo que o Cairo está sendo descrito como "uma zona de guerra"[7] por um correspondente local do jornal The Guardian. Pela primeira vez, os egípcios de todas as esferas sociais, com diferentes condições socioeconômicas se juntaram aos protestos.[6][8] Estas foram as maiores manifestações já vistas no Egito desde 1977.[6] Mubarak dissolveu seu governo e nomeou o militar e ex-chefe da Direção Geral de Inteligência Egípcia, Omar Suleiman, como vice-presidente, na tentativa de sufocar a dissidência. Mubarak pediu ao ministro da aviação e ex-chefe da Força Aérea do Egito, Ahmed Shafik, para formar um novo governo. A oposição ao regime de Mubarak tem se aglutinaram em torno de Mohamed ElBaradei, com todos os principais grupos de oposição apoiando o seu papel de negociador de alguma forma de governo transitório.[9] Muitos estrangeiros procuraram sair do país, enquanto os egípcios realizaram manifestos ainda maiores.[10] Em resposta à crescente pressão Mubarak anunciou que não vai tentar a reeleição em setembro.[11]

o que causou a comemoração da população na Praça Tahrir. acreditavam em vários deuses. o incentivo à violência. mais ou menos curtos. que hoje em dia. tanto social e política como artística. Período ptolemaico e vários períodos intermédios.000 anos antes de Cristo e demarcando diferentes épocas que auxiliam na clarificação das diferentes variedades estilísticas adoptadas: Período Arcaico. seja através das músicas de rock ou dos filmes americanos na televisão. pode-se observar as duras críticas feitas ao modus vivendi do Ocidente . no centro do Cairo. enfim. A arte egípcia refere-se à arte desenvolvida e aplicada pela civilização do antigo Egipto na beira do vale do rio Nilo no Norte de África. pela emissora estatal de televisão. Esta manifestação artística teve a sua supremacia na região durante um longo período de tempo. o Egito procura preservar a cultura árabe e a religião muçulmana com bastante rigor. É impossível falar da cultura do Egito sem antes pagar um justo tributo a um factor natural que foi preponderante para o desenvolvimento da civilização egípcia em uma estreita faixa de terras cercadas por desertos: a água. O processo de mumificação era tão complexo. A Cultura do Egito envolve muitas nuances. seja através das parabólicas que se multiplicam nos telhados das residências. poucos egípcios sabem como mumificar alguém Na República Árabe do Egito Egito destaca-se. identidade e fusão nem sempre bem conseguida entre aquilo que é egípcio e aquilo que os ouvidos das novas gerações querem escutar. Suas crenças eram tão grandes que eram capazes de mumificar seus deuses. Podese dizer que é uma guerra de cultura que está apenas começando: Ocidente versus Oriente. atravessa o deserto e deságua no Mar Mediterrâneo. e em várias outras cidades do Egito. No período das cheias. foi atingido no dia 11 de fevereiro de 2011. . O rio nasce no coração da África.O objetivo principal dos protestos. influenciados pelos video-clips americanos representantes de atitudes provocatórias e censuradas neste país. Império Novo.principalmente dos EUA -. as águas do rio Nilo transbordavam o leito normal e inundavam as margens. que separam as grandes épocas. quando o vice-presidente egípcio Omar Suleiman anunciou. ou seja. principalmente a questão de serem politeístas. Império Antigo. onde existe a degradação dos costumes. por serem tão difíceis. Mesmo nos jornais mais liberais. e que se denotam pela turbulência e obscuridade. de acordo com cada período histórico do país.[12] Cultura Embora haja muita influência do Ocidente. a renúncia do presidente Hosni Mubarak. Época Baixa. drogas e apelo sexual. depositando ali uma camada riquíssima de húmus. Império Médio. aproveitada com sabedoria pelos egípcios para o cultivo tão logo o período de enchentes passava. estendendo-se aproximadamente pelos últimos 3. Era o Nilo que fornecia a água necessária à sobrevivência e ao plantio no Egipto. O Rio nilo é a base de tudo.

foi possível redescobrir algo do seu legado no século XIX. cadeiras e balcão não primam pela higiéne mas ninguém parece importar-se muito com isso. Esta manifestação artística teve a sua supremacia na região durante um longo período de tempo. O tempo e os acontecimentos históricos encarregaram-se de ir eliminando os vestígios desta arte ancestral. Segundo dados oficiais. Império Médio. Caras e atitudes. 90% dos egípcios são muçulmanos sunitas. que separam as grandes épocas. estendendo-se aproximadamente pelos últimos 3000 anos antes de Cristo e demarcando diferentes épocas que auxiliam na clarificação das diferentes variedades estilísticas adoptadas: Período Arcaico. outros estridentes. Mesas. Período ptolemaico e vários períodos intermédios. Império Antigo. Alguns agradáveis .A chamada modernidade luta com todas as suas forças com a típica sonoridade egípcia e ganha terreno numa batalha que já não é apenas cultural mas comercial. modo de vida e naturalmente da motivação artística dos antigos egípcios. Império Novo. Mas embora sejam reais estes diferentes momentos da história. um ou outro olho passam pela televisão e comentam entre si ³antigamente é que era bom´! Arte A arte egípcia refere-se à arte desenvolvida e aplicada pela civilização do antigo Egipto localizada no vale do rio Nilo no Norte da África. Aromas e sons. 8% são cristãos. tanto social e política como artística. história. mais ou menos curtos.Entre um trago de chá e um fuminho de ³shisha´. A partir do momento em que se decifram os hieróglifos na Pedra de Roseta é possível dar passos seguros a caminho da compreensão da cultura. Época Baixa. O amor e o romantismo cantados pelos egípcios pairam pela televisão onde se encontram dezenas de cabecinhas coladas. Detalhes sem importância numa vida tão cheia de coisas simples para usufruír. coleccionadores e mesmo o olhar amador. Passo por um café onde homens de todas as idades fumam ³shisha´ e bebem chá com muito. em que escavações sistemáticas trouxeram à luz obras capazes de fascinar investigadores. mas. e que se denotam pela turbulência e obscuridade. mentalidade. Religiao Uma das numerosas mesquitas egípcias.[carece de fontes?] . de um modo geral. e menos de 1% muçulmanos xiitas. mesmo assim. segue sempre uma vincada continuidade e homogeneidade. muito açucar que é para animar os espíritos! O café está forrado de ³posters´ e quadros de cantores antigos e actrizes com ares tão diáfanos que parecem ter morrido no instante seguinte à tiragem da fotografia. a verdade é que incutem somente pequenas nuances na manifestação artística que. Caminho por uma rua do Cairo.

não são reconhecidas pelo estado. criação de animais. Hosni Mubarak é o presidente egípcio desde 14 de Outubro de 1981. ou pagavam tributos na forma de bens para o estado. com o método de produção asiático. e minas No Egito predominava o regime de servidão coletiva. sandálias. a economia do Egito era à base de trocas História da economia Economia é toda baseada na agricultura. Também administrava as construções. . finalmente o papiro natural do delta do Nilo. servia para fabricar cordas. embora presentes no território. organizando todo trabalho agrícola. A maioria destes cristãos pertencem à Igreja Ortodoxa Copta. Em seguida vem os impostos e as taxas alfandegárias que são cobradas sobre os navios que passam pelo canal de Suez.A população cristã egípcia habita sobretudo no sul do país e nas cidades do Cairo e de Alexandria. e em último vem as ajudas que são arremetidas por egípcios que vão para outros países e mandam dinheiro para suas famílias. O faraó era o dono de todas as terras do país. a católica. segundo o método PPC. O Egito tem quatro principais fontes econômicas. bebida. O Egipto é uma república. faziam cerveja. As principais atividades econômicas exercidas no Egito eram a agricultura. a grega ortodoxa e a síria ortodoxa. comércio externo e forjamento de metais. e. As Testemunhas de Jeová e a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. e o litoral do Mar Mediterrâneo. muito usado até a Idade Média. e de um sistema dominado pelo Partido Democrático Nacional. barcos e principalmente papel (papiro). Em segundo lugar vem a extração e a exportação de petróleo. onde todos eram obrigados a trabalhar para sustentar o faraó. Setor primário Agricultura Na agricultura destacaram-se no cultivo cevada. O Egipto foi o primeiro país árabe a estabelecer a paz com Israel depois da assinatura dos acordos de Camp David. No tempo antigo. Outras comunidades cristãs presentes no país são a arménia apostólica. Politica O governo do Egito consiste de uma república semi-presidencial. Economia A economia do Egito tem um PIB de aproximadamente 200 bilhões de dólares. que tem como atrações as pirâmides. segundo o qual o presidente do Egito é de fato tanto chefe de estado quanto chefe de governo. que gera emprego e lucros para o governo. O Poder executivo é exercido pelo governo e o Poder legislativo é investido tanto no governo e na Assembleia do Povo. Os protestantes incluem dezesseis denominações. em primeiro lugar vem o turismo.

barcos. A . Essa prática se tornou mais intensa no novo Império. presos à popa. A criação de cavalos só começou no Egito quando os hicsos invadiram o país em 1750 a. Além disso. Esses navios eram dirigidos com a ajuda de grandes remos. Este variou desde a insuficiência de recurso para o financiamento da pesquisa. couro e metais. armas e jóias. perfumes e outros utensílios usados pelos ricos. para atravessar o Nilo. os egípcios faziam as pedras flutuar até a orla do deserto. cabras. Forjavam ferramentas. Mas. que copiou a estratégia depois da invasão. A população pobre só comia carne em ocasiões festivas e especiais. cerâmica. Já no novo Império. Todos esses produtos que eram produzidos pelos artesãos eram exportados. O metal derretido era despejado em formas. pois não conheciam o dinheiro naquela época.Pecuária No Egito se criavam: bois. os homens comuns do Egito utilizavam barcos de junco para pescar e caçar. quando as importações e exportações se intensificaram com os contatos comercias com a ilha de Creta. só os ricos podiam desfrutar dos prazeres das carnes. carneiros. Esses navios eram construídos de madeira do Líbano. inclusive dos cientistas. Setor secundário Metalurgia Os egípcios primitivos aprenderam a usar o cobre e o ouro. e muitas vezes prejudicial.. Os produtos mais importados pelos egípcios eram o marfim. Os egípcios foram os primeiros a usar velas.C. Setor terciário Comércio O comércio no Egito funcionava a base de trocas. Depois começaram a fabricar bronze mais duro de cobre e estanho em fornalha. A carne era um alimento de luxo. moldada para servir ao ditador e ao seu regime. Ciencia Os 30 anos de repressão do regime autoritário no Egito tiveram seu impacto sobre vida de todos os cidadãos. Transportes Com as construções das pirâmides era necessário transportar as pedras de navio. à produção científica em si. Fenícia e a Síria. inventaram foles que eram operados com o pé. a Palestina. Aos cientistas e às instituições foi imposto um conceito de produção de conhecimento superficial e falso. tijolos. Durante as cheias do Nilo. tecidos. peles de animais. porcos. com produção de armas. que usaram os cavalos contra o exército egípcio. desenvolveram uma indústria bastante artesanal. aves e asnos. objetos de vidro.

por exemplo. à imprensa e à comunicação. Nagib Mahfouz produziu sua trilogia. até a Biblioteca de Alexandria! A lealdade ao ditador foi o único mérito. elas aparecem como tendo aumentado! Isso foi aplicado a cada campo e a cada atividade científica pelo Ministério da Ciência. é quase nula. que caem drasticamente. A única qualificação e critério para suas seleções eram a obediência. Neste regime repressivo. durante o regime de repressão. El Baradei e Zoel foram premiados pelos seus feitos realizados fora do Egito. como. que lhes permitissem atuar como cidadãos livres. sobre o aumento de áreas de cultivo. de sua família e de seus conselheiros. As limitações foram impostas à expressão de opinião. mas elas aparecem nos relatórios como se tivessem aumentado! Ainda nos relatórios anuais sobre a produtividade de culturas tradicionais como o algodão e o arroz. os cientistas deixaram o país à procura de um lugar pacífico e digno. . de mentes livres. lealdade e fidelidade para o ditador. porque não agüentaram o regime autocrático. e suas principais e notáveis obras. são testemunhas de tudo isso. Na ausência de um país democrático. O modelo de ciência e de sociedade criado serviu apenas aos propósitos do ditador. sem qualquer habilidade em planejamento ou que tivessem uma visão científica para o desenvolvimento em longo prazo. deixando-os incapazes de decidir sobre o seu destino ou até mesmo de viver em paz. levando consigo habilidades que o Egito necessita para construir seus quadros e instituições. A evolução da produção científica em si. Os três Egípcios ganhadores do prêmio Nobel na última década. Todos viveram fora do Egito ou geraram os seus trabalhos no período préMubarak. Elas eram qualificadas somente para atender aos requisitos do ditador.liberdade de pensamento foi contida e se chocou com as políticas científicas do regime. de sua família e de seus conselheiros. A mesma política se estende a todos os demais ramos. que apenas visavam em se beneficiar do ditador. A qualidade da produção científica no Egito nos últimos 30 anos atingiu um índice não compatível com a sua história científica na era democrática dos anos anteriores. os recursos foram mal utilizados. produzindo estatísticas falsas que ninguém podia contestar. Isso pode ser confirmado pela citação e em análises a bancos de dados. Os jovens manifestantes desempregados foram um simples produto da política científica errônea e corrupta. O que é dito sobre a dicotomia entre a democracia e a ciência é claramente vista na crise do Egito e em todo o mundo árabe. onde na realidade elas estavam diminuindo. Aqueles que escolheram viver no Egito foram proibidos de criar organizações liberais. durante o período democrático anteriormente vivido pelo Egito. Assim. Eles não suportaram viver sob um regime que os proíbe de liberdade de pensamento. da Agricultura e particularmente no Departamento Nacional de pesquisa agropecuária. As instituições científicas no Egito nos últimos trinta anos foram conduzidas por pessoas sem qualquer mérito científico. destribuídos ao próprio quadro que serviu ao regime. e dos políticos. muitos cientistas qualificados imigraram do Egito. onde pudessem decidir sobre o seu futuro.

Os antigos egípcios foram. Sendo a vida agrícola inteiramente dependente da inundação.[110] A agricultura e a criação eram complementadas pela pesca (. usando-se para tal o cão.Egito Antigo Economia A economia do Antigo Egito era baseada na agricultura. fiação e tecelagem do linho. objetos de uso doméstico etc. estátuas votivas e reais. tecnológicas e artísticas. indústrias de couro. produção de vinho de uma e de tâmara. e capturando-se aves selvagens com redes. A gestão da terra foi crucial no Antigo Egito. capazes de produzir uma abundância de alimentos.) O Egito era um dos "formigueiros humanos" do mundo antigo. cebola. objetos decorativos. Agricultura Uma combinação de características geográficas favoráveis contribuiu para o sucesso da cultura egípcia.[110] O Nilo proporcionou uma fonte abundante de peixes. também eram plantadas árvores frutíferas e videiras. assim.. fabricação de pão e da cerveja de cereais. Caça e pesca Os egípcios caçavam lebres. Também a caça era praticada no deserto e nos pântanos. utilização do papiro e da madeira . caça. hipopótamos e crocodilos. em primeiro lugar. (. Artesanato Joias. antílopes. sendo produzidos alho. outras atividades como pecuária. artesanato.[107] Em teoria todas as terras pertenciam ao rei. perfumes. pescada e tilápia. tecidos. quando esta faltava ou era insuficiente ocorria a fome .). a mais importante das quais era o solo rio e fértil resultante de enchentes anuais do Rio Nilo. móveis. Boa parte dos peixes era secado ao sol. Assim era praticada a horticultura. onde eles pescavam carpa.. o arco e o laço. porque os impostos foram avaliados com base na quantidade de terras em posse de uma pessoa. pepino. em função das matériasprimas fornecidas pelo rio e pelas atividades agrícolas e de coleta: fabricação de tijolos e de vasilhame com argila úmida do Nilo. pedras. são alguns dos exemplos de produtos fabricados. comércio e extração mineral também foram importantes. alface e outras verduras e legumes. pesca. nassa e arpão.e morriam milhares de pessoas. praticada no Nilo. anzol. permitindo que a população dedicasse mais tempo e recursos para as atividades culturais. recolhida logo depois da inundação. madeira e metais. nos pântanos e nos canais com rede.[106] no entanto. armas.apesar das reservas acumuladas pelo Estado .. em virtude da sua extraordinária fertilidade renovada anualmente pelos aluviões [cheias] do Nilo.[123][124] As matérias-primas empregadas foram argila. marfim.[110] A atividade artesanal desenvolvia-se. mas a propriedade privada foi uma realidade..

[139] O Egito realizou comércio ¦ ¥ ¤ £ ¢ ¡ ¡ ¡   . cobre e minérios dechumbo. No período pré dinástico.[127] Formações rochosas de minérios foram encontradas a dist ncia. um simples operário podia ganhar 5½ sacas (250 kg ou 400 lb) de grãos por mês.C. o comércio com Punt abasteceu o Egito com ouro. plumas de avestruz. Embora os antigos egípcios não utilizassem moedas até a Época Baixa. móveis. exigindo grandes expedições controladas pelo Estado para obter os recursos naturais ali encontrados. um peso de cerca de 91 gramas (3 oz) de cobre ou prata.[137] Narmer [138] havia produzido cerâmica egípcia em Canaã e exportou de volta para o Egito. formando um denominador comum.para produções di ersas (material para es rever.[126] Os embalsamadores utilizavam sais de Wadi El Natrun (natrão) para mumificação. ouro e pedras semipreciosas. mas nos séculos seguintes trocas internacionais passaram a depender das moedas. o dinheiro foi introduzido no Egito por estrangeiros. marfim. Estes recursos naturais permitiram aos egípcios construir monumentos. ébano. e um dos primeiros mapas conhecidos é de uma mina de ouro na região. estabeleceram o comércio com a Núbia para a obtenção de ouro. Grãos podiam ser [133] trocados por outras mercadorias. animais silvestres. Durante o século V a. como por exemplo uma camisa custa [133] cinco deben de cobre.[133] Os trabalhadores foram pagos com grãos. em barrancos inóspitos do Deserto Oriental e no Sinai. Os preços foram fixados em tod o país e o registrados e listas para facilitar a negociação.[132] com sacas de grãos com padrão e o deben. mesmo depois do cobre ser usado para essa finalidade. que também proporcionou a gipsita necessária para fazer gesso. Havia extensas minas de ouro na Núbia. Wadi Hammamat foi uma notável fonte de granito. grauvaque e ouro. enquanto uma vaca custa 140 deben. embar ações. Uma col nia egípcia estacionada no sul de Canaã data para pouco antes da primeira dinastia. ordas. portas etc Mi Ver arti o pri cipal Indústria de mineração do Egito O Egit é ri em pedras de decoração e construção.[135] Eles também estabeleceram o comércio com a Palestina. Pela quinta dinastia. O mais tardar pela segunda dinastia. como macacos e babuínos. resinas aromáticas. eles fizeram uso de um sistema de troca de dinheiro. fazer ferramentas e j ias fashions. de acordo com a lista de preço fixo. o comércio do Antigo Egito com Biblos rendeu uma fonte crítica de madeira de boa qualidade não encontrada no Egito. Sílex foi o primeiro mineral coletado e usado para fazer ferramentas e machadinhas de pedra e as primeiras evidências de habitação no Vale do Nilo. Nódulos do mineral foram cuidadosamente lascados para fazer l minas e pontas de flechas. como evidenciado por jarros de óleos de estilo palestino [136] encontrados nos sepultamentos dos faraós da primeira dinastia.[134] Os antigos egípcios estiveram envolvidos no comércio com seus vizinhos estrangeiros para obter mercadorias raras e exóticas não encontradas no Egito. as peles de leopardo. esculpir est tuas. As primei as moedas r eram usadas como peças padronizadas de metais preciosos e não como dinheiro verdadeiro. enquanto um capataz podia ganhar 7½ sacas (250 kg ou 550 lb).[128] Comércio Grande parte da economia estava organizada a nível central estritamente controlada. redes. incenso e marfim.

suprimentos de azeite. Conhece-se hoje em dia esta matemática graças ao Papiro Rhind e ao Papiro de Moscovo. além de outros produtos acabados. No campo das matemáticas. dois metais que são necessários para a fabricação de bronze. entre outras mercadorias. O conhecimento entre os antigos Egípcios estava associado aos escribas. e os depósitos de documentos. Os templos formavam a espinha dorsal da economia. O encarregado da administração foi o segundo no comando.[98] O rei era o comandante militar supremo e chefe do governo. dente de porco ou pó de natrão. exercia o controle total da terra e seus recursos. A partir daqui vinham as dezenas. pílula ou em cataplasma. A classe médica dividia-se entre médicos do povo e médicos reais. Tendo em vista que a religião era um dos pontos no qual assentava a civilização do Antigo Egipto. cada uma governada por um nomarca.14. Politica Administração O faraó era o monarca absoluto do país e. o Egito exportava principalmente grãos.com a Anatólia para adquirir quantidades essenciais de estanho bem como para o fornecimento suplementar de cobre. dando origem à numeração decimal que se tornaria a base da aritmética egípcia. pelo menos em teoria. Os antigos egípcios valorizaram a pedra azul lápis-lazúli. astronómico e matemático. que não surgia como autónoma. Os remédios eram compostos por vários elementos. linho e papiro. em particular entre os Gregos. a tesouraria. os egípcios utilizavam um sistema de cálculo baseado na mão (cinco dedos).[99] Ao nível regional. que fornecia. Eles não só eram edifícios de culto.[100] que era responsável pela jurisdição do vizir. incluindo objetos de vidro e pedra. Eram aplicados sob a forma de poção. o sistema legal.[140] Em troca de suas importações de luxo e de matérias-primas. Numa parte destes encontravam-se as "Casas de Vida" (Per Ankh). sendo famosa na Antiguidade. que contou com uma burocracia de funcionários para gerenciar seus negócios. As escolas médicas mais famosas eram as das cidades de Heliópolis e a de Sais. às classes sacerdotais e aos templos. que atuou como conselheiro. o vizir. ouro. Calcularam a superfície dos rectângulos e o volume da esfera. alguns médicos trabalhavam como clínicos gerais. mas recorria-se também a elementos que do ponto de vista contemporâneo parecem estranhos. que tinha de ser importada do distante Afeganistão. o sangue de lagarto. o país foi dividido em 42 regiões administrativas chamadas nomos. a sua influência estende-se e mistura-se com a esfera do saber. representante e coordenou levantamentos fundiários. projetos de construção. nome dado a uma área do templo que funcionava como biblioteca e arquivo. como os excrementos dos animais. A medicina foi a disciplina que mais se desenvolveu entre os egípcios. na maioria oriundos do reino vegetal. mas também foram responsáveis por coletar e armazenar a riqueza da nação em um sistema de celeiros e . Os parceiros do Egito no comércio Mediterrâneo também incluem Creta e a Grécia. enquanto que outros eram especialistas em determinada área.[141] Ciencia Não se pode falar em ciência no Antigo Egipto (e em geral na Antiguidade) tendo como referência o conceito actual. onde também se ministravam conhecimentos e se copiavam os textos de carácter médico. dando a pi o valor de 3.

afogamento ou impalamento do criminoso em uma estaca. os oráculos desempenharam um papel importante no sistema jurídico. documentos da corte mostram que as leis egípcias foram baseadas em uma visão de censo comum de certo e errado. e o veredicto do caso era guardado para referência futura. o Estado assumiu tanto o papel de acusador como o de juiz. que redistribuíram os grãos e os bens. O processo foi pedir a Deus um "sim" ou "não" sobre o que é certo ou errado de um problema. um conceito que os egípcios antigos denominavam Ma'at. proferia a sentença. dependendo da gravidade do delito.[101] Como não era possivel para o faraó estar em todos os templos para realizar as cerimônias.[99] Os casos mais graves envolvendo assassinato.[105] . conhecidos como Kenbet no Império Novo. ou apontando para uma das respostas escritas em um pedaço de papiro ou de óstraco. Em alguns casos.[103] Conselhos locais de anciãos.[102] Sistema jurídico A cabeça do sistema jurídico foi oficialmente o faraó. Demandantes e demandados eram esperados para representar a si próprios e eram obrigados a jurar que eles tinham dito a verdade. movendo para frente ou para trás. e mantendo a lei e a ordem. escribas da corte documentavam a denúncia. O deus.[99] Apesar de não haver códigos legais sobreviventes do Antigo Egito. e ele poderia torturar os acusados com espancamento para obter uma confissão e os nomes dos co-conspiradores.[104] Punição para crimes menores envolviam imposição de multas. mutilações faciais ou exílio. dispensando a justiça nos processos civis e criminais.[99] A partir do Império Novo. Se as acusações foram triviais ou sérias. testemunhavam. que foi responsável pela promulgação de leis. ele delegava o seu poder religioso aos sacerdotes que conduziam as cerimônias em seu nome. foram responsáveis pela decisão em casos judiciais de pequenas causas e disputas menores. transações de terrenos grandes. sobre o qual o vizir ou o faraó presidiu. Crimes sérios como homicídio e roubo de túmulos foram punidos com execução. entregando justiça. escolhendo um ou outro. e o roubo de túmulos foram encaminhados para o Grande Kenbet. A punição também podia ser estendida à família do criminoso. espancamentos. decapitação.tesourarias administradas por superintendentes. transportando por um número de sacerdotes. que enfatizou a celebração de acordos e resoluções de conflitos ao invés de cumprir rigorosamente um conjunto complicado de estatutos.