You are on page 1of 6

MARCOS ROBERTO ROSA

Faculdade Municipal de Palhoça (FPM)


Administração – 5ª fase
Prof.: Murialdo Loch, Esp.
Administração Financeira I

Análise do projeto de investimento: POSTO DE GASOLINA

PALHOÇA – SC

2009
Página 2 de 6

1. Introdução
O presente trabalho tem por objetivo analisar a viabilidade econômica de
um projeto de investimento em um posto de gasolina na cidade de Palhoça, onde o
investidor precisará realizar um investimento físico (terreno, equipamentos, prédio etc)
no valor de $ 480.000,00, dividido em quatro meses consecutivos.
O parecer final levará em consideração opção do investidor de vender o
negócio após três anos a partir do investimento inicial, ou seja, no 37º mês, pelo mesmo
valor investido inicialmente ($ 480.000,00), sendo que a Taxa Mínima de Atratividade
(TMA) do investidor é de 8% ao mês (retorno obtido com outro posto que possui).
Os dados para análise do investimento fornecidos pelo investidor são:
• margem de contribuição unitária: gasolina $0,20 por litro, álcool 0,15 por litro e
diesel 0,10 por litro;
• estimativa de demanda mensal nos próximos três anos: gasolina 110.000 litro,
álcool 50.000 litro e diesel 230.000 litro;
• gastos fixos mensais do posto após iniciar as atividades: $ 22.000,00.

2. Fundamentos de investimento de capitais


Os métodos quantitativos de análise econômica de investimentos podem
ser classificados em dois grandes grupos: os que não levam em conta o valor do
dinheiro no tempo e os que consideram essa variação por meio do critério do fluxo de
caixa descontado. Em razão do maior rigor conceitual e da importância para as decisões
de longo prazo, dá-se atenção preferencial para os métodos que compõem o segundo
grupo: taxa interna de retorno (TIR) e valor presente líquido (VPL).
De modo geral, seis métodos-chave são utilizados para classificar
projetos e para decidir se eles devem ou não ser aceitos pelos investidores: (1) payback,
(2) payback descontado, (3) valor presente líquido, (4) taxa interna de retorno, (5) taxa
interna de retorno modificada, e (6) índice de lucratividade.
(1) Payback
O método do payback representa o período de recuperação do
investimento inicial. É obtido calculando-se o número de anos que será necessário para
que os fluxos de caixa futuros acumulados igualem o montante do investimento inicial.
Esta alternativa pressupõe inicialmente a definição de um limite de
tempo máximo para retorno do investimento. Após a definição deste prazo é analisado o
fluxo de recursos do projeto, comparando o volume necessário de investimento com os
resultados a serem alcançados futuramente, verificando o período onde o saldo tornou-
se igual a zero. Se este prazo de recuperação for um período aceitável pelos
proprietários, então o projeto será efetivado, caso contrário será descartado.
(2) Payback descontado
O payback descontado é semelhante ao payback, exceto que os fluxos de
caixa esperados são descontados pelo custo de capital do projeto. Assim, o período de
payback descontado é definido como o número de anos necessários para recuperar o
investimento dos fluxos de caixa líquidos descontados.
Página 3 de 6

(3) Valor presente líquido


O valor presente líquido (VPL) surgiu como uma opção para suprir as
falhas reconhecidas no payback, visando melhorar a eficiência na avaliação de projetos.
Basicamente é calculado como sendo a diferença entre o valor inicial
investido no projeto e o valor presente dos fluxos de caixa projetados deste mesmo
projeto. Se um projeto tiver uma VPL positivo, ele estará gerando mais caixa do que é
necessário para pagar a dívida e fornecer a taxa de retorno requerida aos acionistas.
(4) Taxa interna de retorno
A TIR é uma medida de retorno que depende exclusivamente do
montante e da data de ocorrência dos fluxos de caixa do projeto. O custo de
oportunidade do capital é um padrão de retorno para o projeto que utilizamos para
calcular o valor do investimento. O custo de oportunidade do capital é estabelecido nos
mercados de capitais. É a taxa de retorno esperada e oferecida por outros ativos com
risco equivalente ao do projeto em avaliação.
(5) Taxa interna de retorno modificada
A taxa interna de retorno modificada (MTIR) é uma evolução da TIR,
pois pressupõe que os fluxos de caixa de todos os projetos sejam reinvestidos ao custo
de capital. Como o reinvestimento ao custo de capital é em geral mais correto, a MTIR é
um indicador melhor da verdadeira lucratividade de um projeto.
(6) Índice de lucratividade
O índice de lucratividade (IL), também conhecido como índice de valor
presente (IVP), mede a lucratividade em relação ao custo de um projeto – ele mostra o
retorno por unidade monetária. Um projeto é aceitável se seu IL for maior que 1,0, e
quanto maior for o IL, maior será a classificação do projeto.
Margem de contribuição é o valor, ou percentual, que sobra das vendas,
menos o custo direto variável e as despesas variáveis. A margem de contribuição
representa o quanto a empresa tem para pagar as despesas fixas e gerar o lucro líquido.
A margem de contribuição é calculada da seguinte forma:
Preço de Venda - Custo da Mercadoria Vendida - Despesas Variáveis.
Exemplo: Preço de Venda = R$ 20,00 (100%) - Custo das Mercadorias Vendidas = R$
12,00 (60%) - Despesas Variáveis = R$ 2,00 (10%) = Margem de Contribuição = R$
6,00 (30%).

3. Projeção do fluxo de caixa

Projeção do fluxo de caixa


(+) gasolina = $ 0,20 x 110.000 = R$ 22.000,00
(+) alcool = $ 0,15 x 50.000 = R$ 7.500,00
(+) diesel = $ 0,10 x 230.000 = R$ 23.000,00
(=) Total das receitas R$ 52.500,00
(-) gastos fixos mensais R$ 22.000,00
(=) Receita líquida R$ 30.500,00
Página 4 de 6

4. Técnicas de avaliação de investimento


Payback Simples

Fluxo de Caixa mensal


mês F.C. mensal F.C. acum. (PRS)
00 R$ (120.000,00) R$ (120.000,00)
01 R$ (120.000,00) R$ (240.000,00)
02 R$ (120.000,00) R$ (360.000,00)
03 R$ (120.000,00) R$ (480.000,00)
04 R$ 30.500,00 R$ (449.500,00)
05 R$ 30.500,00 R$ (419.000,00)
06 R$ 30.500,00 R$ (388.500,00)
07 R$ 30.500,00 R$ (358.000,00)
08 R$ 30.500,00 R$ (327.500,00)
09 R$ 30.500,00 R$ (297.000,00)
10 R$ 30.500,00 R$ (266.500,00)
11 R$ 30.500,00 R$ (236.000,00)
12 R$ 30.500,00 R$ (205.500,00)
13 R$ 30.500,00 R$ (175.000,00)
14 R$ 30.500,00 R$ (144.500,00)
15 R$ 30.500,00 R$ (114.000,00)
16 R$ 30.500,00 R$ (83.500,00)
17 R$ 30.500,00 R$ (53.000,00)
18 R$ 30.500,00 R$ (22.500,00)
19 R$ 30.500,00 R$ 8.000,00
20 R$ 30.500,00 R$ 38.500,00
21 R$ 30.500,00 R$ 69.000,00
22 R$ 30.500,00 R$ 99.500,00
23 R$ 30.500,00 R$ 130.000,00
24 R$ 30.500,00 R$ 160.500,00
25 R$ 30.500,00 R$ 191.000,00
26 R$ 30.500,00 R$ 221.500,00
27 R$ 30.500,00 R$ 252.000,00
28 R$ 30.500,00 R$ 282.500,00
29 R$ 30.500,00 R$ 313.000,00
30 R$ 30.500,00 R$ 343.500,00
31 R$ 30.500,00 R$ 374.000,00
32 R$ 30.500,00 R$ 404.500,00
33 R$ 30.500,00 R$ 435.000,00
34 R$ 30.500,00 R$ 465.500,00
35 R$ 30.500,00 R$ 496.000,00
36 R$ 480.000,00 R$ 976.000,00
Página 5 de 6

Payback Descontado

Fluxo de Caixa mensal (TMA=8% a.m.)


mês F.C. mensal Valor presente F.C. acum. (PRD)
00 R$ (120.000,00) R$ (120.000,00) R$ (120.000,00)
01 R$ (120.000,00) R$ (111.111,11) R$ (231.111,11)
02 R$ (120.000,00) R$ (102.880,66) R$ (333.991,77)
03 R$ (120.000,00) R$ (95.259,87) R$ (429.251,64)
04 R$ 30.500,00 R$ 22.418,41 R$ (406.833,23)
05 R$ 30.500,00 R$ 20.757,79 R$ (386.075,44)
06 R$ 30.500,00 R$ 19.220,17 R$ (366.855,27)
07 R$ 30.500,00 R$ 17.796,46 R$ (349.058,81)
08 R$ 30.500,00 R$ 16.478,20 R$ (332.580,61)
09 R$ 30.500,00 R$ 15.257,59 R$ (317.323,02)
10 R$ 30.500,00 R$ 14.127,40 R$ (303.195,61)
11 R$ 30.500,00 R$ 13.080,93 R$ (290.114,69)
12 R$ 30.500,00 R$ 12.111,97 R$ (278.002,72)
13 R$ 30.500,00 R$ 11.214,79 R$ (266.787,93)
14 R$ 30.500,00 R$ 10.384,06 R$ (256.403,87)
15 R$ 30.500,00 R$ 9.614,87 R$ (246.789,00)
16 R$ 30.500,00 R$ 8.902,66 R$ (237.886,34)
17 R$ 30.500,00 R$ 8.243,20 R$ (229.643,13)
18 R$ 30.500,00 R$ 7.632,60 R$ (222.010,54)
19 R$ 30.500,00 R$ 7.067,22 R$ (214.943,32)
20 R$ 30.500,00 R$ 6.543,72 R$ (208.399,60)
21 R$ 30.500,00 R$ 6.059,00 R$ (202.340,60)
22 R$ 30.500,00 R$ 5.610,19 R$ (196.730,41)
23 R$ 30.500,00 R$ 5.194,62 R$ (191.535,80)
24 R$ 30.500,00 R$ 4.809,83 R$ (186.725,97)
25 R$ 30.500,00 R$ 4.453,55 R$ (182.272,42)
26 R$ 30.500,00 R$ 4.123,65 R$ (178.148,77)
27 R$ 30.500,00 R$ 3.818,20 R$ (174.330,57)
28 R$ 30.500,00 R$ 3.535,37 R$ (170.795,20)
29 R$ 30.500,00 R$ 3.273,49 R$ (167.521,71)
30 R$ 30.500,00 R$ 3.031,01 R$ (164.490,70)
31 R$ 30.500,00 R$ 2.806,49 R$ (161.684,22)
32 R$ 30.500,00 R$ 2.598,60 R$ (159.085,61)
33 R$ 30.500,00 R$ 2.406,11 R$ (156.679,50)
34 R$ 30.500,00 R$ 2.227,88 R$ (154.451,62)
35 R$ 30.500,00 R$ 2.062,85 R$ (152.388,77)
36 R$ 480.000,00 R$ 30.059,80 R$ (122.328,97)
Página 6 de 6

Valor Presente Líquido (VPL), Taxa Interna de Retorno (TIR), Taxa


Interna de Retorno Modificada (MTIR) e Índice de Lucratividade (IL) ou Índice de
Valor Presente (IVP).

VPEC= R$ 306.922,67
VPSC= R$ (429.251,64)
VPL= R$ (122.328,97)
IVP= 0,7150
TIR= 5,68%
MTIR= 8,16%
PRS= 18,74 meses

5. Recomendações
O payback simples, por não considerar o valor do dinheiro no tempo,
apresenta um prazo de retorno do investimento (PRS) de 18,74 meses. No payback
descontado o prazo de 36 meses não é suficiente para retornar o investimento. O valor
presente líquido apresenta um resultado negativo de R$ 122.328,97, mesmo com a
venda do empreendimento no 37° mês. A taxa interna de retorno é de 5,68%, bem
abaixo dos 8% esperados pelo empreendedor. A taxa interna de retorno modificada,
considerando-se uma taxa de reinvestimento de 10%, apresenta um índice de 8,16%. O
índice de lucratividade apurado foi de 0,715.
Pelos dados observados nas análises apresentadas o projeto, da forma
como está concebido, não é interessante para o investidor. Os resultados de todos os
indicadores são desfavoráveis ao ambiente em questão, com exceção da taxa interna de
retorno modificada (MTIR), que numa situação de reinvestimento do valor gerado pelo
fluxo de caixa no decorrer do projeto, a uma taxa de 10%, em um outro projeto. Mesmo
nesta situação o resultado fica muito próximo dos 8% da TMA e distante dos 10% da
taxa de reinvestimento.
Desta forma, desaconselha-se o investimento neste projeto da forma
como está concebido.

6. Referências bibliográficas
BRIGHAM, Eugene F. EHRHARDT, Michael C.. Administração Financeira Teoria e
prática. Thomson Learning, 2007.
NETO, Alexandre Assaf. LIMA, Fabiano Guasti. Curso de Administração
Financeira. São Paulo: Atlas, 2009.
FONSECA, Yonara Daltro da. Técnicas de Avaliação de Investimentos: Uma
Breve Revisão da Literatura. Disponível em: http://www.desenbahia.ba.gov.br/
recursos/news/video/%7B1FB86F7F-2888-482A-B9AA-D9525E1AF7A2%7D_Artigo
_05.pdf. Acesso em 24/11/2009.