You are on page 1of 3

Aminoglicosídeos

Estreptomicina, gentamicina, canamicina, amicacina, netilmicina, neomicina e tobramicina
Mecanismo de ação: inibem a síntese de proteínas bacterianas. Se ligam a sítios da subunidade
30s do ribossomo bacteriano  leitura incorreta do RNA mensageiro e numa produção de
uma proteína defeituosa. (atividade bactericida)
Sua penetração na célula depende do transporte ativo de oxigênio.
Resistência: - inativação do medicamento por enzimas bacterianas
- impossibilidade de penetração da droga
- impossibilidade de ligação a subunidade 30s, por causa de uma mutação
Uso clínico: bactérias Gram-negativos entéricas; junto com penicilina para Streptococcus e
Listeria; tuberculose (estreptomicina); raramente contra Gram-positivos.
Mais utilizada é a gentamicina, e a mais resistente é a amicacina.
Efeitos indesejados: Ototoxicidade, nefrotoxicidade, bloqueio neuromuscular (raro) e
disfunção do nervo óptico (raro)
Interações medicamentosas: cefalosporinas, aminoglicosídeos e antibióticos nefrotóxicos 
aumentam a toxicidade dos aminoglicosídeos
Anestésicos e relaxantes musculares  aumentam risco de bloqueio neuromuscular
Cloranfenicol  diminui o efeito da droga, pois bloqueia o mecanismo de transporte de
oxigênio

Tetraciclinas
Tetraciclina, metaciclina, doxiciclina, minociclina, clomociclina e limeciclina
Mecanismo de ação: bloqueia a ligação do RNAm com o RNAt  inibindo a síntese de
proteínas (atividade bacteriostática)
Uso clínico: riquétsias, micoplasmas (em especial, pneumonias) e clamídias
Efeitos adversos: - náuseas, vômitos e diarréia
- ligam-se ao cálcio e causando hiperpigmentação e deformidades ósseas  contraindicado
para mulheres gravidas, que amamentam ou crianças em crescimento
- hepatotoxicidade, nefrotoxicidade e fototoxicidade
Interações medicamentosas: - leite, bicarbonato de sódio, antiácidos, suplementos de cálcio,
salicilatos de colina ou magnésio, ferro e laxantes contendo magnésio  diminui a absorção
- Potencializa efeitos de anticoagulantes

Cloranfenicol
Palmitato de cloranfenicol, succinato sódico de cloranfenicol
Mecanismo de ação: liga-se a subunidade 50s do ribossomo  inibe síntese protéica
(atividade bacteriostática)
Uso clínico: em infecções no qual o benefício da droga é maior que sua toxicidade  H.
Influenzae, B. fragilis, meningite e febre tifóide (amoxicilina é mais indicado)
Efeitos adversos: - depressão da medula óssea com pancitopenia, anemias e leucopenias
- Síndrome do bebe cinzento  vômitos, diarréia, flacidez, hipotermia e cor cinza
- Hipersensibilidade e distúrbios gastrointestinais
Interações medicamentosas: - vitaminas, paracetamol  aumentam o efeito
- Fenobarbital, fenitoína e rifampicina  diminui efeito
- Aumenta toxicidade de  closporina, varfarina, clozapina

algumas bactérias resistentes a penicilina e vancomicina e alguns anaeróbios Efeitos indesejados: .sinergia com aminoglicosideos e rifampicina .Hidrocortizona precipita a vancomicina .Antiácidos reduzem efeitos das sulfas (quelação) Vancomicina Cloridrato de vancomicina Mecanismo de ação: ligação ao terminal D-alanil-D-alanina  inibe a síntese da parede celular Uso clínico: cocos e bacilos Gram-positivos  infecções estafilocócicas resistentes ou quando paciente é alérgico a penicilina Efeitos indesejados: febre. carbapenéns e monobactâmicos Mecanismo de ação: interferem na síntese de peptideoglicanos da parede celular fixando-se em sítios de ligação → inibem a enzima de transpeptidação que atua na ligação cruzada das cadeias peptídicas ligadas ao eixo principal do peptideoglicano (atividade bactericida) . nefrotoxicidade. Pneumonia por Pneumocystis Efeitos indesejados: .Não possui efeitos adversos graves Interações medicamentosas: . vômitos. diarréia. cefaléia e hipersensibilidade (pruridos. cefalosporinas. ototoxicidade.Sulfonamidas Sulfadoxina.Distúrbios do trato urinário Interação medicamentosa: .náuseas.Antibióticos ototoxicos ou nefrotoxicos potencializam a toxicidade da vancomicina. exantemas e dermatites) . vômitos. exantema.Reduz efeito anticoncepcionais e ciclosporinas . bactérias entéricas. infecções por Nocardia. flebite.Anemia megaloblastica .Náuseas. hipersensibilidade e agranulocitose (rara) Interações medicamentosas: .Anestésicos locais antagonizam efeito. sulfasalazina. sulfadiazina. sulfametoxazol. sulfacetamida e sulfatiazol Mecanismo de ação: competem com enzimas que sintetizam ácido fólico a partir do pABA.Atua em sinergismo com trimetoprima . cefaléia e mielossupressão . que é necessário para síntese de DNA (atividade basteriostática) Uso clínico: infecções agudas do trato urinário. .Álcool aumento risco de crise hipertensiva Betalactâmicos Penicilinas. Linezolida Mecanismo de ação: liga-se a subunidade 50s do ribossomo  inibe a síntese protéica inibindo o complexo de formação 70s Uso clinico: cocos Gram-positivos.Tramadol aumenta risco de convulsão .inibe discretamente a MAO-B  não usar com antidepressivos (serotonina) e causadores de mielossupressão .

Monobactâmicos → hipersensibilidade. gatifloxacina Mecanismo de ação: inibem a atividade das DNA-girases (atividade bactericida) Uso clínico: bacilos aeróbios Gram-negativos. Superior. meningites. dor abdominal. aumenta a concentração plasmatica de teofilina causando intoxicação . pneumonias. alcool pode diminuir o seu efeito. ofloxacina. diminuem o efeito de contraceptivos orais.Uso clínico: penicilina → infec. ITU. betabloquedores adrenérgicos aumentam risco de convulsões. antiinflamatorios não esteroidais podem aumentar sua meia-vida. toxicidade cardiovascular e artropatias. Carbapenéns → pacientes hospitalizados com infecções graves não sensíveis a outros tratamentos. choque anafilático. vasculites. vomitos. Nalidíxico. Cefalosporinas → cocos Gram-positivos e bacilos Gram-negativos. Interações medicamentosas: penicilina → aminoglicosideos podem inativa-la. choque anafilático. norfloxacina. contra alguns Gram-positivos. febre. baixo risco de convulsão. Efeitos indesejados: penicilina → hipersensibilidade. Interações medicamentosas: antiácidos diminuem sua absorção. alcool pode causar intolerancia alcoolica aguda. Carbapenéns → náuseas. ciprofloxacina. broncoespasmo. cefaleia. disturbios gastrointestinais e alterações metabolicas e hematologicas. leptospirose. angioedema e hepatotoxicidade. convulsões e insuficiencia renal. Cefalosporinas → hipersensibilidade. do trato resp. Cefalosporinas → aminoglicosideos aumentam a nefrotoxicidade. vômitos. Efeitos indesejados: nauseas. sonolencia. Monobactâmicos → aeróbios Gram- negativos resistentes a outros tratamentos. infecções estafilocócicas e genito-urinarias e por Haemophilus. cinoxacina. trovafloxacina. Quinolonas Ac. Riscos em pacientes com insuficiencia hepatica ou renal. insonia. prostatites e algumas infecções urinarias. dermatites. exantema e nefrotoxicidade. diarréia. Clostridium e cocos anaeróbios → pielonefrites. levofloxacina.