A PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA INDEPENDENTE Uma Visão Panorâmica e Crítica O objetivo do presente texto é apresentar de forma resumida uma

visão ampla e critica da psicologia contemporânea. Recentemente surgiu o conceito de ciência para psicologia, e mais recente ainda que começaram a elaborar os primeiros projetos de psicologia como ciência independente, ela surgiu a partir da segunda metade do séc. XIX. Só então passou a existir a figura do psicólogo, e assim foram criadas as instituições voltadas para a produção e transmissão de conhecimento psicológico. É preciso lembrar que a psicologia tem um objetivo próprio e métodos adequados ao estudo desse objeto, que é o homem, ou seja, ela é capaz de firmar-se como uma ciência independente das outras áreas do saber. Embora todas as demais ciências estudem o comportamento humano dentro de sua própria área, a psicologia como ciência procura compreender, entender o comportamento da mente num parâmetro abrangente. Portando a sua situação é firmar-se como uma ciência entre as ciências: biológicas, exatas, sociais etc.; ou seja, a principal função é tentar compreender as origens e as implicações dessa disciplina, por mais caótica que ela seja ou nos pareça.

O objetivo da Psicologia

A Psicologia como Ciência Independente

A situação da Psicologia Científica

PRECONDIÇÕES SOCIOCULTURAIS PARA O APARECIMENTO DA PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA NO SÉCULO XIX Condições de Conhecimento Psicológico As duas condições necessárias para conhecer cientificamente o psicológico , são: (A) Uma experiência muito clara da subjetividade privatizada. (B) A experiência da crise dessa subjetividade. Ter uma experiência da subjetividade privatizada bem nítida, para nós é muito fácil e natural (experiência íntima que ninguém tem acesso) Ex: Sentimos como, alegrias e tristezas intensas que às vezes procuramos escondê-las. Ainda com a maior freqüência, temos a sensação de que aquilo que estamos vivendo nunca foi vivido antes por ninguém, de que a nossa vida é única e o que sentimos e pensamos é totalmente original e quase incomunicável, isto pode se denominar como

A experiência e a crise da Subjetividade Privatizada

explicando os fenômenos não por reflexões ou mitos. O Renascimento foi por tudo isto. admitindo como realidade apenas a matéria. O surgimento da imprensa proporcionou uma das experiências mais decisivas da modernidade: A DIFUSÃO DA LEITURA. que nos momentos de crise de desagregação sociocultural surgem novos sistemas religiosos. um período muito rico em variedade de formas.crise da subjetividade privatizada. podemos dizer que nossa noção de subjetividade data aproximadamente dos últimos três séculos: da passagem do Renascimento para a Idade Moderna. ou seja. substituindo Deus pela razão ou pelo homem. e absurdos que enfatizam a responsabilidade individual e atribuem a consciência e as intenções mais valor do que aos próprios atos e obras. surgindo assim à reforma protestante. em geral não estamos dispostos a por em risco nossos valores. e uma das tarefas da psicologia será talvez a de revelar essa ilusão. lançando o homem numa condição de desamparo. O indivíduo expressa seus sentimentos e desejos muitas vezes opostos ao que a sociedade dele espera. No Campo Religioso O pensamento acompanha esse processo de subjetivação e individualização. Uma das principais possibilitações foi o acesso da leitura aos textos sagrados. mas se distanciou e colocou-se sobre o mundo. com isto contribuíram também para a construção da particularidade dos leitores. O sujeito moderno teria se constituído nessa passagem e sua crise viria a se consumar no final do século XIX. O Renascimento nos trouxe a perda de referências. * Michel de Montaigne (1533 1592) Ele trouxe o Sujeito Moderno A importância do Renascimento (mudança na atitude do homem) O que foi o Renascimento E Deus onde fica? Difusão da Leitura Silenciosa As Influências dos Pensadores . resistimos a ideia de que não temos controle de nossas vidas. essa imagem é completamente ilusória. experiências e de produção intensa do conhecimento A crença em Deus não desapareceu. No Campo Pessoal Boa parte de nós. donos de um mundo interno rico e profundo. e deram importância ao materialismo. através de Martinho Lutero. sentimos bastante incômodo quando esta crença é colocada em dúvida. essa experiência fazia com que o homem se sentisse parte de uma ordem superior que o amparava e o constrangia ao mesmo tempo. CONSTITUIÇÃO E DESDOBRAMENTOS DA NOÇÃO DE SUBJETIVIDADE NA MODERNIDADE No Campo das Artes Noção de Subjetividade De forma simples. ou variantes de antigos. mas pela observação da realidade. No século XVI surgem diversos personagens reais e fictícios. que antes eram apenas permitidos aos sacerdotes.

Este movimento surgiu na França do século XVII e defendia o domínio da razão sobre a visão teocêntrica que dominava a Europa desde a Idade Média. o racional de Descartes ou o empírico de Bacon acabou por ser criticado no século seguinte. A modernidade é complexa e longa. *Francis Bacon (1561 1626) Fundador do moderno empirismo. estabelecer bases seguras para o conhecimento válido. Iluminismo Romantismo Nasceu no final do século XVIII. logo existo! . *René Descartes (1596 1650) os estudos sobre a modernidade se identificam com os pensamentos de Descartes. tomando como realidade a capacidade de que o homem pensa. o fundador do racionalismo moderno. Atribuíram as suas obras como um fruto de sua própria vaidade. eram justificadas somente pela fé.e se pensa ele existe. esta forma de pensamento tinha o propósito de iluminar as trevas em que se encontrava a sociedade. A CRISE DA MODERNIDADE E DA SUBJETIVIDADE MODERNA EM ALGUMAS DE SUAS EXPRESSÕES FILOSÓFICAS Expondo o assunto A crença de que o homem pode atingir a verdade absoluta e indubitável.surgimento da valorização de cada indivíduo. Uma de suas frases mais conhecidas é Penso. * Pico Della Mirandola (1463 1494) Chegou à concepção de que a liberdade teria sido o grande e exclusivo dom que Deus teria dado ao homem. . e ao mesmo tempo Montaigne denunciava a grande ilusão do homem de possuir o conhecimento do mundo. até então. O homem deveria ser o centro e passar a buscar respostas para as questões que. desde que siga estritamente os preceitos do método correto. a verdade reside dentro dele. e isto fez renascer os valores céticos. segundo eles. bloqueavam a evolução do homem. exatamente como uma crítica ao Iluminismo. mas ele foi um marco estabelecendo condições de possibilidade para obtermos um conhecimento seguro da verdade. sua preocupação era a mesma que Descartes. da construção de individualidade única. na Alemanha. e existindo. que. pois ele valorizava o seu eu . * Os ideais iluministas: Os pensadores que defendiam estes ideais acreditavam que o pensamento racional deveria ser levado adiante substituindo as crenças religiosas e o misticismo. Segundo os filósofos iluministas.

Pensar acerca das causas e do significado de tudo que fazem. livres. quando se descobre a presença forte.Sistema Mercantil e Individualização *Ideais do Romantismo: é a ideia confiante de que o homem é essencialmente um ser racional. é a contraposta de que o homem é um ser passional e sensível. pesquisar o melhor preço entre os valores estabelecidos pelos fornecedores. Todos devem ser solidários uns com os outros. Partindo desta idéia de pensamento o individuo que não tem sua especialidade. com esta crise surgiu à psicologia. das Disciplinas em todas as esferas da vida. Pondo em prática o pensamento . ilusões. A CRISE DA SUBJETIVIDADE PRIVATIZADA OU A DECEPÇÃO NECESSÁRIA Por dentro do assunto A subjetividade privatizada entra em crise quando se descobre que a liberdade e a diferença são. em grande medida. afim de que a liberdade não se transforme em um caos. mas sempre disfarçada. desenvolveram-se na cultura ocidental duas formas de pensamento do subjetivo privado numa sociedade mercantil em pleno processo de desenvolvimento. IDEOLOGIA LIBERAL ILUMINISTA. inclusive nas mais íntimas e profundas. ou seja. Ideologia liberal Iluminista Suas principais idéias manifestaram-se na Revolução Francesa (liberdade. porém todos que compram ou vendem precisam ter um lucro sobre a negociação. igualdade e fraternidade). O Romantismo representa uma crítica a modernidade e uma saudade de um estado anterior perdido. ROMANTISMO E REGIME DISCIPLINAR Formas de pensamento Nos séculos XVIII e XIX. gerando assim um processo individual para que não saia no prejuízo perante o sistema mercantil. O ideal principal deste contexto é o seguinte: Vender o seu melhor e comprar aquilo que necessita para sobrevivência. Os tempos estão ficando maduros para uma psicologia cientifica. isto é. usa de sua mão de obra a fim de conseguir sustento para suas necessidades. sentem e pensam sobre eles mesmos. os homens sendo iguais em capacidade e direitos. trazendo a experiência de que o homem possui níveis de profundidade que ele mesmo no entanto desconhece.

de suas conveniências e interesses. experiências e produção intensa de conhecimento. Epistemologia (teoria do conhecimento) e a Metodologia (regras e procedimentos da produção do conhecimento válido) são ferramentas da psicologia.A PRÁTICA CIENTÍFICA E A EMERGÊNCIA DA PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA Conhecimento Científico: Privacidade e diferença Contradições nas práticas científicas modernas Ponto de Vista da Ciência Moderna A experiência subjetiva individualizada O progresso da Ciência As condições socioculturais deram base para elaborar os projetos de psicologia como ciência independente. Visa elaborar suas crenças e avaliá-las a partir de suas experiências pessoais. por mais caótica que ela seja ou nos pareça. Ela está baseada na suposição de que o homem é o senhor que tem o poder e o direito de colocar a natureza seu serviço. dominá-los. o sujeito individual. independentemente da conclusão a que cheguemos. XIX. manipulá-los em experimentos bem controlados. Para compreender com mais clareza o começo da psicologia científica devemos analisar o que se passava entre os cientistas e os filósofos do séc. O cientista sente-se com o poder e direito de lidar com os fenômenos naturais para conhecê-los. deixa de ser apenas um possível pesquisador para vir a se tornar um possível objeto da ciência. mudança na atitude do homem. ou seja. com suas pretensões de autonomia e. o que é importante tentar compreender? O importante é tentar compreender as origens e as implicações da existência dessa disciplina. . livres das restrições impostas pelas tradições. Questões relacionadas aos temas abordados: 1)O que foi o Renascimento? Um período muito rico em variedade de formas. etc. 2)A psicologia esta ai. Assim que o homem. pois eles iniciaram a demarcação desse novo domínio de conhecimento: ciência. desvendar seus mistérios.

Pedro Luiz Roberto. Mª Eufrásia. Fizemos um fichamento sobre as páginas 13 à 57. 2003.FIGUEIREDO. Psicologia Uma nova introdução. conforme foi solicitado pela Profª. Miranda Março/2011 . P. Luis Claudio M. Borges Sarah G. Alunos do 1º Semestre de Psicologia: Franciele Verzenhassi Lucas Ant. docente da disciplina Epistemologia da Psicologia das Faculdades Integradas Einstein de Limeira (FIEL).. SANTI. São Paulo: EDUC.

EPISTEMOLOGIA DA PSICOLOGIA .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful