You are on page 1of 7

Classificação ABC

Classe A: Representa o grupo de maior valor de consumo e menor quantidade de itens, que
devem ser gerenciados com especial atenção;

Classe B: Representa o grupo de situação intermediária entre as classes A e C;

Classe C: Representa o grupo de menor valor de consumo e maior quantidade de itens,


portanto menos importantes, que justificam menor atenção no gerenciamento.

- Quanto á importância operacional

Classe X: Materiais de aplicação não importante, com possibilidade de uso de similar


existente na empresa;

Classe Y: Materiais de importância média, com ou sem similar na empresa;

Classe Z: materiais de importância vital sem similar na empresa, cuja a falta acarreta a
paralisação de uma ou mais fases operativas.

- Custo de manutenção

São os custos financeiros, de armazenagem (aluguel, impostos, depreciação, mão-de-obra


direta e indireta); de obsolescência; seguros; deterioração física; custo de oportunidade de
capital (retorno do investimento obtido através de uma taxa do valor dos produtos ou
materiais armazenados); roubo etc.

CUSTOS DE ESTOQUES

É usual ouvirmos “estoque custa dinheiro”. A afirmativa é bem verdadeira. A necessidade de


manter estoques acarreta uma série de custos às empresas. Os japoneses, pioneiros do
Just in time, consideram os estoques como uma forma de desperdício.
Podemos classificar os custos de manter estoques em três grandes categorias:
- custos diretamente proporcionais aos estoques;
- inversamente proporcionais aos estoques;
- independentes da quantidade estocada.

CUSTOS DIRETAMENTE PROPORCIONAIS – ocorre quando os custos crescem com o


aumento da quantidade média estocada. Por exemplo, quanto maior o estoque, maior o
custo do capital investido. Do mesmo modo, quanto maior a quantidade de itens
armazenados, maior a área necessária e maior o custo do aluguel.
LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E FABRICAÇÃO

Como já visto, os materiais podem ser de demanda independente ou de demanda


dependente. Para o estudo da determinação dos lotes econômicos de compra e fabricação
estudaremos os itens de demanda independente. Os materiais de demanda dependente são
abordados usualmente no estudo de MRP (Materials Requiremente Planning).

Conforme visto anteriormente, os custos de manter estoques podem ser:


 Diretamente proporcionais à quantidade estocada;
 Inversamente proporcionais à quantidade estocada;
 Custos independentes da quantidade estocada.

Nos custos diretamente proporcionais como estes são decorrentes da necessidade


de a empresa manter ou carregar os estoques, estes são chamados também de custos de
carregamento dos estoques (em analogia a nomenclatura em inglês “carrying costs”).

Estes custos incluem:


 Custo do capital (custo do capital investido);
 Custo de armazenagem (estocagem e manuseio, taxas e seguros, perdas e furtos e
obsolescência)
O custo do capital é dado por:
Custo do Capital = i x P, sendo P o preço de compra do item de estoque.
Se CA indicar o somatório dos custos relacionados à armazenagem (estocagem e
manuseio, taxas e seguros, perdas e furtos e obsolescência), o custo de carregamento dos
estoques será:

CC = CA + i x P

A unidade de medida utilizada no custo de carregamento pode ser:


$ / unidade . ano;
$ / unidade . mês;
U$ / unidade . dia.
Quando dizemos, portanto, que o custo de carregamento é de $ 0,45 / unidade . mês,
estamos dizendo que uma unidade estocada durante um mês custa $ 0,45. É o mesmo que
dizer $ 2,70 / unidade . semestre ou $ 5,40 / um idade . ano.
Exemplo: Um item tem custo de armazenagem anual total de $ 0,60 por unidade e preço
de compra unitário de $ 2,00. Considerando uma taxa de juros de 12% ao ano, calcular o
custo de carregamento do estoque desse item.
Solução: CA = $ 0,60 / unidade.ano
i = 12% a.a. = 0,12 a.a
P = $ 2,00 / unidade
CC = $ 0,60 / unidade.ano + 0,12 / ano x $ 2,00 / unidade
CC = $ 0,60 / unidade.ano + $ 0,24 / unidade.ano
CC = $ 0,84 / unidade.ano

Por meio de um sistema de custeio adequado podemos determinar os diversos


fatores de custos, como armazenagem (valor para o aluguel do almoxarifado), manuseio
(custo de depreciação para os equipamentos como empilhadeiras, carrinhos manuais, talhas
e pontes rolantes), seguros (proporcionais aos valores das apólices), perdas, furtos e
obsolescência (acurácia).
Os custos inversamente proporcionais (custos ou fatores de custo diminuem com o
aumento do estoque médio) são chamados também de custos de obtenção (no caso de
produtos comprados) e custos de preparação (no caso de itens fabricados internamente).
Para um dado consumo (D) anual constante, se a compra for efetuada uma única vez
por ano, o lote (Q) deverá ser de D unidade, e o estoque médio correspondente será Q/2.
Podemos ter então:

Número de vezes que a compra é efetuada Tamanho do lote Estoque Médio


por ano

1 Q=D EM = Q/2 = D/2

2 Q = D/2 EM = Q/2 = D/4

3 Q = D/3 EM = Q/2 = D/6

4 Q = D/4 EM = Q/2 = D/8

Quanto mais vezes se comprar ou se preparar a fabricação, menores serão os


estoques médios e maiores serão os custos decorrentes do processo tanto de compra como
de preparação. Assim os custos de compra e preparação são inversamente proporcionais
aos estoques médios.
Exemplo: Uma empresa computou todas as despesas do departamento de compras
como mão-de-obra e encargos, materiais de escritório, aluguel das salas,
correio, telefone, fax e outros, chegando a um valor médio de R$ 15,00 por
emissão de pedido. Determinar os custos que serão incorridos na obtenção de
um item de estoque cujo consumo anual é de 12.000 unidades para as
seguintes políticas:

a) Comprar uma única vez por ano;


b) Comprar duas vezes por ano;
c) Comprar 10 vezes por ano.

Solução:
Custo do pedido = R$ 15,00
Custo de obtenção = número de pedidos por período X custo do pedido no período

a) Comprar uma única vez por ano: lote = 12.000 unidades


Custo de obtenção = 1 pedido / ano X R$ 15,00/pedido = R$ 15,00 / ano.
b) Comprar duas vezes por ano: lote = 6.000 unidades
Custo de obtenção = 2 pedidos / ano X R$ 15,00 / pedido = R$ 30,00 / ano.
c) Comprar 10 vezes por ano: lote = 1.200 unidades
Custo de obtenção = 10 pedido / ano X R$ 15,00 / pedido = R$ 150,00 / ano.

A variação do custo de obtenção e o estoque médio:

Custo de Obtenção (R$) Estoque Médio (unidade)

15,00 EM = Q/2 = D/2 = 12.000/2 = 6.000

30,00 EM = Q/2 = D/4 = 12.000/4 = 3.000

150,00 EM = Q/2 = D/6 = 12.000/6 = 600

Quando se trata de custos de preparação de ordens de fabricação ou produção


utilizamos o raciocínio análogo. Para calcularmos o número de pedido ou ordens emitidos
por unidade de tempo, consideraremos o consumo por unidade de tempo D, o tamanho do
lote de compras ou fabricação em unidades como Q e o custo de obtenção ou preparação
como CP. Assim, o número de pedido (n) será:
n=D/Q
C(inversamente proporcional) = n X CP ou C (inversamente proporcional) = D / Q X CP

Os custos independentes são aqueles que independem do estoque médio mantido


pela empresa, como por exemplo, o custo do aluguel de um galpão. Geralmente é um valor
fixo. CI
Se somarmos os três fatores de custos analisados, teremos os custos totais
decorrentes da necessidade de se manter estoques (CT):

CT = custos diretamente proporcionais + custos inversamente proporcionais + custos


independentes + custos de material comprado.

Custos diretamente proporcionais: (CA + i X P) X (estoque médio)


Custos inversamente proporcionais: (CP) X (número de pedidos efetuados)
Custos Totais: CT = (CA + i X P) X (estoque médio) + (CP) X (número de pedidos efetuados)
+ custos independentes (CI) + custos do material comprado (D X P)

Se consideramos Q o tamanho (invariável) do lote de compras ou de fabricação em


unidades, o estoque médio será Q / 2. Assim, temos:
CT = (CA + i X P) X ( Q / 2) + (CP) X (D / Q) + CI + D X P

Exemplo: Determinar o custo total anual de manutenção dos estoques de uma empresa
que comercializa um produto cuja demanda anual é de 40.000 unidades. O
produto é comprado por R$ 2,00 a unidade, numa taxa de juros correntes no
mercado de 24% ao ano, os custos anuais de armazenagem são de R$ 0,80
por unidade, e os custos invariáveis anuais para esse item de estoque são
estimados em R$ 150,00. Os custos de obtenção são de R$ 25,00 por pedido.
Calcule o custo total de estocagem para lotes de compra de 1.000, 1.200 e
1.400 unidades.
Solução:
CA = R$ 0,80 / unidade
i = 24% a.a. = 0,24 a.a.
P = R$ 2,00 / unidade
CP = R$ 25,00 / pedido
D = 40.000 unidades / ano
CI = R$ 150,00 / ano
a) Q = 1.000 unidades
CT = (0,80 + 0,24 X 2) X (1.000 / 2) + (25) X (40.000 / 1.000) + 150 + 40.000 X 2
CT = R$ 640,00 / ano + R$ 1.000,00 / ano + R$ 150,00 / ano + R$ 80.000 / ano
CT = R$ 81.790,00 / ano

b) Q = 1.200 unidades
CT = (0,80 + 0,24 X 2) X (1.200 / 2) + (25) X (40.000 / 1.200) + 150 + 40.000 X 2
CT = R$ 768,00 / ano + R$ 833,33 / ano + R$ 150,00 / ano + R$ 80.000 / ano
CT = R$ 81.751,33 / ano

c) Q = 1.400 unidades
CT = (0,80 + 0,24 X 2) X (1.400 / 2) + (25) X (40.000 / 1.400) + 150 + 40.000 X 2
CT = R$ 896,00 / ano + R$ 714,28 / ano + R$ 150,00 / ano + R$ 80.000 / ano
CT = R$ 81.760,28 / ano

Custos dos estoques em função do lote de compra

Tamanho do lote (unidade/pedido) Custo (R$/ano)


1.000 1.790,00
1.200 1.751,33
1.400 1.760,28

Podemos verificar que o custo total para um lote de 1.000 unidades é de R$ 1.790,00
por ano, diminuindo para R$ 1.751,33 quando o lote passa para 1.200 unidades e
novamente aumentando para R$ 1.760,28 quando o lote passa par 1.400 unidades.

Exercício: Determinar o custo total de estoque de um determinado bem fornecido por


terceiros, sabendo-se:
Consumo = 25.000 unidades / ano
Custo do capital = 15% ao ano
Preço do item = R$ 0,15 / unidade
Custo de preparação do pedido de compra = R$ 6,00 / pedido
Custo de armazenagem = R$ 0,08 / unidade.ano
Custos invariáveis = R$ 150,00 / ano
Lote de compra = 5.000, 5.500, 6.000, 6.500 unidades / lote