P. 1
Analise de Poemas Camonianos

Analise de Poemas Camonianos

|Views: 2,433|Likes:
Published by Nana1995

More info:

Published by: Nana1995 on May 05, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/07/2014

pdf

text

original

Análise de Poemas Camonianos

Aquela Triste e Leda Madrugada Aquela triste e leda madrugada, cheia toda de mágoa e de piedade, enquanto houver no mundo saudade, quero que seja sempre celebrada. Ela só, quando amena e marchetada saía, dando ao mundo claridade, viu apartar-se d`ua outra vontade, que nunca poderá ver-se apartada. Ela só viu as lágrimas em fio, que duns e doutros olhos derivadas, s`acrescentaram em grande e largo rio; Ela viu as palavras magoadas, que puderam tornar o fogo frio, e dar descanso as almas condenadas.

Este texto é constituído por duas quadras e dois tercetos em metro decassilábico, com esquema rimático, ABBA/ABBA/CDC/DCD, verificando-se a existência de rima interpolada em A, emparelhada em B e cruzada em CD. O soneto aborda a separação de dois sujeitos que estiveram juntos e o sofrimento que essa separação provocou, utilizando o termo anafórico “Ela”, que substitui a palavra madrugada ao longo do poema, referindo-a como única testemunha desse afastamento. O sentimento predominante neste soneto é a tristeza. A madrugada é personificada e testemunhou até ao fim a separação dos amantes: “Ela só viu…”, ocorrida no momento em que o dia nascia, trazendo luz e beleza à terra: “…quando amena e marchetada/ saía, dando ao mundo claridade”. A esta beleza de uma madrugada primaveril opõe-se o sofrimento dos amantes que se separam, e que surge apresentado em metáfora que se transforma em hipérbole: “… as lágrimas em fio” que se acrescentaram em “grande e largo rio”. O soneto termina com a separação definitiva dos amantes, que é acompanhada por palavra “magoadas” que metaforicamente vão atenuar o fogo da paixão, tornando-o frio, e proporcionando, de certa forma, alívio às almas condenadas ao inferno do sofrimento.

honesto. brandura. e o mágico veneno Que pôde transformar meu pensamento. cabelos louros. Um longo e obediente sofrimento: Esta foi a celeste fermosura Da minha Circe. manifesto Indício da alma. Esta visão da mulher traduz também a concepção platónica do amor ideal e inacessível. É um retrato. que funcionaria como um “mágico veneno” que o subjugou. Um despejo quieto e vergonhoso. a doçura. medo sem ter culpa). uma brandura. Esta escassa referência a características físicas e a predominância das qualidades morais remetem-nos para a ideologia platónica. modesto. a idealização da mulher concretizase sobretudo em retratos em que o aspecto físico atinge a impessoalidade do convencional: olhos sempre claros. Um medo sem ter culpa. O texto é constituído por duas quadras e dois tercetos.). Este soneto tematiza a beleza da mulher e o fascínio por ela exercido no sujeito. Quase forçado. Brando e Piedoso Um mover de olhos. etc. emparelhada em b e interpolada em cde. um doce e humilde gesto. expressas por uma adjectivação abundante: (brando. o recato. É sobretudo nítida a influência petrarquista no ideal de beleza feminina (a graça. e nas qualidades morais atribuídas à mulher. Um encolhido ousar. um ar sereno. quieto e vergonhoso. mais espiritual do que físico. Sem ver de quê. Note-se que os aspectos focados têm um elevado nível de abstracção. piedoso. tez muito alva e faces rosadas. a brandura. somatório de determinados aspectos. humilde. todos eles qualificados. com um esquema rimático : ABBA///ABBA//CDE//CDE verificando-se a existência de rima interpolada em a. e conclui com uma referência à transformação do seu pensamento provocada pela formosura. etc. um riso brando e honesto. Na poesia camoniana. Esta concretização se verifica ainda através do aspecto espiritual que se caracteriza pela serenidade. brando e piedoso. Uma pura bondade. O poeta traça o retrato da sua amada. em metro decassilábico. Um repouso gravíssimo e modesto.Um Mover de Olhos. . De qualquer alegria duvidoso.) e por substantivos abstractos (bondade. pela doçura do riso e pela brandura dum gesto (rosto) sossegado. limpo e gracioso.

A dor intensa e aniquilante de Camões era moral. na esteira de Petrarca. para quem tantas vezes teve o coração dilacerado pela saudade de um amor perdido. De si em nova glória a alma se esquece. com um esquema rimático ABBA // ABBA // CDE // CDE. emparelhada em “B” e interpolada em “CDE”. Observa-se. É fato que o poeta padeceu muitos infortúnios. maldiga ou menoscabe a mulher. Se de cá me levais alma e sentidos. Para quem tanto sofreu as penas do amor. agora da mão bela recolhidos. Se. da beleza espiritual (a celeste formosura). se de vós não fora ausente? Honesto riso. inacessível ou não correspondido. Que será quando a vir? Ah! Quem a visse! O texto é constituído por duas quadras e dois tercetos em metro decassilábico. verificando-se a existência de rima interpolada em “A”. que. é um espanto que nunca censure. Nota-se que. portanto. sua tragédia era existencial. Se na alma em doces ecos não o ouvisse. Ondados Fios De Ouro Reluzente Ondados fios de ouro reluzente. Agora sobre as rosas estendidos.(reforçado pela utilização do artigo indefinido e constituem dois conjuntos. mas a sua dor mais profunda não vinha da experiência amorosa. quando fala na mulher. Que. as qualidades morais predominam sobre as físicas e o fascínio resulta. Fazeis que sua graça se acrescente. Em mil divinos raios encendidos. . Camões abre um campo de intensa beleza. Que fora. ainda. que entre a mor fineza De perlas e corais nasce e parece. de delicadeza e de irresistível poder de sedução. Olhos. imaginando só tanta beleza. que vos moveis tão docemente.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->