Melhoria contínua

SMED – Single Minute Exchange of Die
Contribuir para a redução do tempo de preparação do sistema produtivo para a execução de um dado lote Aumentar a produtividade e a agilidade da resposta ao mercado

PORQUÊ ?
O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto. A sua redução tem um efeito directo no aumento do tempo disponível para produção e na redução do tempo total do ciclo de produção. Contribuiu para • o incremento da produtividade, • a adaptação das cadências de produção às flutuações da procura (“just-in-time”).

Melhoria contínua
SMED – Single Minute Exchange of Die
Numa perspectiva da história: O problema: O SMED surgiu da experiência real adquirida pelo Sr. Shingo ao resolver os problemas de falta de produtividade de um conjunto de prensas, na fábrica da MAZDA em Hiroshima.

esteja devidamente preparado e disponível junto à máquina no instante exacto da conclusão do lote anterior. que podem ser realizadas com a máquina em produção. que só podem ser executadas com a máquina parada. sistematização de procedimentos e re-engenharia das operações que têm que ser executadas com a máquina parada. como a montagem e desmontagem das ferramentas. Shingo classificou todas as operações em internas ou externas. Operações externas. Para estas últimas definiu procedimentos detalhados. . Esta definição foi referenciada como o primeiro passo do SMED.Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Numa perspectiva da história: O diagnóstico: O Sr. De seguida. no que designou por segundo passo. Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die A resolução: O Sr. ou desta para junto da máquina. dirigiu a análise e o esforço para a transformação de operações internas em operações externas e para a organização. 2. Analisou a forma como os operadores realizavam as mudanças de ferramentas. como o transporte das ferramentas para a área de armazenamento. com o objectivo de garantir que tudo o que fosse necessário para executar eficientemente uma mudança de ferramenta. 1. Operações internas. Shingo verificou que os tempos de não-produção eram elevados e que o motivo eram as demoradas e frequentes actividades de mudança de ferramenta nas prensas para iniciar um novo lote. Descreveu e quantificou em tempo todas as operações efectuadas e apercebeu-se que as operações envolvidas eram de 2 categorias.

pressões. Qual o inconveniente?) 3.Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Sequência básica do procedimento de mudança de ferramentas 1. Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Alguns procedimentos para a redução do tempo de mudança de ferramentas Estudar detalhadamente as condições na área da produção: 1. etc. medições de temperaturas. Os elementos são fisicamente colocados sobre o seu desenho antes que as operações internas comecem. Proceder à desmontagem da ferramenta anterior e à montagem da nova no equipamento de produção. Entrevistar os operadores. Mesa de verificação associada a cada máquina.primas. Lista de verificações. 3. Realizar peças teste e analisar a conformidade. Identificar as operações e aplicar cronometragens às operações efectuadas. (Para quê?. são movimentadas como operação externas. Em função dos resultados proceder aos ajustamentos necessários. caudais…). Montagem e desmontagem de ferramentas. 2. As verificações listadas têm de ser cumpridas pelo operador durante a execução do lote anterior. que são transportadas do seu local de armazenagem para junto das máquinas e que aí regressam após a conclusão do lote. Preparação e ajustamentos. Na mesa estão desenhadas todas os componentes necessários à mudança de lote. Quanto maior for o esforço e a sistematização do trabalho envolvido nos três primeiros passos.. Garantir que as ferramentas. Assegurar que as operações externas são feitas com a máquina a produzir o lote anterior. mais rápido e eficaz se torna o processo de ajustamento final. ajustamentos e calibrações. Realizar medidas e calibrações para que a produção possa começar (centragem. Garantir que tudo o que é necessário está nos seus devidos lugares e em boas condições de funcionamento. verificação de ferramentas. Gravar em vídeo de toda a operação de mudança de ferramenta. tarefas e parâmetros processuais a verificar na operação de mudança de ferramenta. Provas de produção e ajustamentos. matérias. 3. Listagem dos componentes. 2. 4. 2. 1. . Medidas.

Se se proceder ao pré-aquecimento do molde com equipamento próprio (geralmente resistências eléctricas). reduções de cerca de 30 minutos no tempo associado às operações internas de mudança de ferramenta. as primeiras peças injectadas são logo peças “boas”. . são normalmente realizados como parte das operações internas. Os moldes são colocados frios (temperatura ambiente) na máquina de injecção e são aquecidos até à sua temperatura normal de funcionamento. sendo fundidas para posterior re-injecção. o Mas O esforço deve continuar na pesquisa sistemática de soluções com vista a transformar em externas operações que com os métodos tradicionais são efectivamente internas. são peças defeituosas.Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die A experiência evidencia que Transformar o máximo possível de operações internas em externas conduz a reduções entre 30% a 50% no tempo de set-up com a máquina parada. conseguindo-se. através de ciclos de injecção consecutivos. As peças injectadas durante o processo de aquecimento do molde. Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Exemplo: O pré-aquecimento dos moldes de injecção de metal ou de plástico pode ser referenciado como um exemplo de transformação de operações internas em externas As primeiras injecções de metal após a colocação do molde.

organizando a implantação associada ao posto de trabalho.Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Re-engenharia das operações envolvidas. as ferramentas tenderão a estar sobredimensionadas e têm custos aumentados. 350 40 40 80 40 40 Calços para normalizar a altura da ferramenta Altura de aperto normalizada . devem ser soldados blocos com 40 mm nas zonas de fixação da ferramenta A. o ajuste da altura de corte torna-se desnecessário se forem colocados blocos com 40 mm por debaixo da ferramenta B. Não conduz a ferramentas maiores ou mais elaboradas e o seu custo é tendencialmente o mesmo. Nestas condições. uma com uma altura total de 350 mm (A) e outra com uma altura de 310 mm (B). A normalização da função determina apenas a normalização dos componentes das ferramentas e acessórios necessários à mudança de ferramenta. frequentemente. Pa Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Exemplo associado a uma ferramenta de corte por arrombamento. a altura das zonas de fixação da ferramenta A será de 40 mm. Se existirem 2 ferramentas. de centragem e de ajustamento das ferramentas e dispositivos auxiliares. O procedimento de mudança de uma ferramenta de corte por arrombamento requer o ajuste da altura de corte. normalizando e simplificando soluções de posicionamento. implementando soluções automatizadas. definindo. Uma acção de re-engenharia com elevado potencial na redução do tempo envolvido nas operações internas de mudança de ferramenta é a normalização da forma e da função das ferramentas para todas as máquinas. Mesmo que se padronizem as ferramentas com base em famílias de produtos. O ajuste é uma operação interna. Ferramenta A Ferramenta B Logo. enquanto a da ferramenta B será de 80 mm. anti-económica. impossível de transformar em externa. A normalização da forma é. Podem assim ser utilizados os mesmos grampos e parafusos de fixação em ambas as ferramentas. sistematizando e melhorando procedimentos.

. envolvendo mais do que um operador permite acelerar estes trabalhos.Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Paralelização de tarefas.. Nestas condições. Mudanças de ferramentas em grandes equipamentos envolvem trabalho em diferentes zonas das máquinas. Devem utilizarse o mais possível grampos funcionais do tipo aperto em “uma volta” e encastramentos. A realização desse trabalho por um único operador implica o seu constante movimento e constitui um grande desperdício de tempo. . o tempo de operações internas.. o tempo de operações internas para preparação de uma mandriladora para mandrilar blocos de motor com seis cilindros passou de 24 horas para 160 segundos. •Na Mitsubishi. Mas o SMED contribui ainda para: Produção Magra Aumentar a capacidade de produção e a taxa de ocupação das máquinas Reduzir a probabilidade de erro Aumento da qualidade e segurança Reduzir o custo da mão de obra . Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Exemplos dos níveis de sucesso atingidos com o SMED: •Na Toyota. passou de 8 horas para 58 segundos. a paralelização de operações. dispendido na mudança de uma ferramenta para produção de parafusos. A união por parafusos é em si uma ligação demorada e deve ser evitada ou simplificada sempre que possível. Re-engenharia das uniões amovíveis.

Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Apoio de roletes Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Armazém de ferramentas .

Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Pinos de centragem Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Carro com utensílios para a montagem .

Melhoria contínua SMED – Single Minute Exchange of Die Armazém de rolos Rolos junto à prensa Melhoria contínua … na Fórmula 1… .

Melhoria contínua … na INCOMPOL… Fim de produção Chegada operadores instaladores / afinadores Retirar ferramenta usada Acoplar ferramenta na prensa Limpar prensa.50 20. ferramenta e chão Buscar nova ferramenta Sistemas auxiliares Colocar banda na ferramenta Ajustamentos Início de produção Chamar operador Testes Melhoria contínua … na INCOMPOL… Solução 1 .00 0.“«Streamlining» do setup” Tempo interno Tempo externo (de setup) [min] [min] Situação actual Solução 1 Solução 1 + 2 Solução 1 + 2 + 3 87.00 2.00 27.“Conversão do setup interno em externo” Solução 2 .50 Tempo interno Ganho de tempo (de setup) [%] [%] 100% 32% 23% 23% 0% 68% 77% 77% Tempo externo [%] 0% 100% 42% 42% .50 2.00 20.00 6.“Melhoria do setup interno” Solução 3 .