You are on page 1of 5

Educandário Juvêncio Terra – EJT

Professora: Andréia Menezes Disciplina: Filosofia

Aluno:__________________________ 3º ano do Ensino Médio

Força, Poder, Política.

1. Força e poder.

Embora haja inúmeras definições e interpretações a respeito do
conceito de poder, vamos considerá-lo aqui genericamente, como a
capacidade ou possibilidade e agir, de produzir efeitos desejados sobre
indivíduos ou grupos humanos. O poder supõe dois pólos: o que exercer
poder e o daquele sobre o qual o poder é exercido. Nesse sentindo, o
poder é uma relação ou um conjunto de relações pelas quais indivíduos
ou grupos interferem na atividade de outros indivíduos ou grupos.

Para que alguém exerça poder é necessário que tenha força,
entendida como instrumento para o exercício do poder. Quando
falamos em força, é comum pensar imediatamente em força física,
coerção, violência. Na verdade este é apenas um dos tipos de força.

1.1O fenômeno do poder.

O filósofo Bertrand Russell formulou a seguinte definição para o
fenômeno do poder: “Poder é a posse de meios que levam à produção de
efeitos desejados.” Em outras palavras, o indivíduo que detém esses
meios tem a capacidade de exercer determinada influência ou domínio
e, por seu intermédio, alcançar os efeito que desejar. O fenômeno do
poder costuma ser dividido em duas categorias: o poder sobre a
natureza e o poder do homem sobre outros homens. Frequentemente ,
essas duas categorias de poder estão juntas e complementam.

A filosofia política investiga o poder do homem sobre outros homens,
isto é, o poder social,embora também se interesse pelo poder sobra a
natureza, porque esta categoria de domínio também se transforma em
instrumento de poder social.

1.2As três formas de poder social

O poder ideológico preocupa-se em garantir o domínio sobre o saber controlando a organização do consenso social (por exemplo. poder ideológico. só o uso do poder político. O que estas três formas de poder tem em comum? “ É que elas contribuem conjuntamente para instituir e manter sociedades desiguais divididas em fortes e fracos. genericamente em inferiores e superiores. tribunais etc. o poder supremo.” ( Bobbio. polícia. e levarmos em conta o meio do qual se serve o indivíduo para conseguir os efeitos desejados.83) O poder econômico preocupa-se em garantir o domínio da riqueza controlando a organização das forças produtivas (por exemplo. com base n poder econômico. podemos encontrar três formas básicas de poder social. para impedir a insubordinação ou desobediência dos subordinados. as forças armadas. órgãos de fiscalização.  Poder político: que utiliza a posse dos meios de coerção social. da força física. em toda sociedade de desiguais.  Poder econômico: que utiliza a posse de bens socialmente necessários para induzir aqueles que não os possuem a adotar determinados comportamentos.  Poder ideológico: o que utiliza a posse de certas idéias. como por exemplo.” Bobbio desenvolve o argumento de que o poder econômico é fundamental para que o mais rico subordine o mais pobre. em sábios e ignorantes . o poder ao qual todos os demais estão de algum modo subordinados. Se voltarmos a definição clássica de poder. poder econômico. com base no poder ideológico . em casos extremos. em termos econômicos ou . introduzindo as pessoas a determinados modos de pensar e agir. os meios de comunicação de massa). realizar determinado trabalho. com base no poder político. bem como o poder ideológico é necessário para conquistar a adesão da maioria das pessoas aos valores do grupo dominante. Noberto 1987. No entanto. em ricos e pobres. O poder político preocupa-se em garantir o domínio da força institucional e jurídica. serve. isto é. é o poder político cujo meio específico de atuação consiste na possibilidade de utilizar a força física legalizada para condicionar comportamentos. poder político. Assim “ o poder político é.). valores doutrinas para influenciar a conduta alheia. ou seja.p. E nas relações entre dois ou mais grupos poderosos. Desses três poderes qual seria o principal e mais eficaz? Para Bobbio. controlando os instrumentos de coerção social (por exemplo. o tipo de produção e o alcance de consumo das mercadorias). o uso da fora física considerada legal ou autorizada pelo direito vigente na sociedade.

em seus efeitos. total ou parcialmente. De modo geral . na economia da circulação dos bens e seu modelo formal e.3Poder segundo Focault O que é poder? Ou melhor a questão o que é o poder. transferir.quais são. 1. em domínios e com extensões tão variados? Creio que a questão poderia ser formulada assim: a analise do poder ou dos poderes pode seria de uma maneira ou de outra.94 . o poder político teria na economia sua razão histórica. total ou parcialmente. o principio de sua formação concreta e do seu funcionamento atual. O poder é o poder concreto cada indivíduo detêm que cederia. ou alienar. o instrumento decisivo na imposição da vontade é a guerra. por conseguinte. que eu não quero . em sues mecanismos. Microfísica do poder. em um caso temos um poder político que encontraria no procedimento de troca. Com isso quero dizer o seguinte: no caso de teoria jurídica clássica o poder é considerado como um direito de que se seria possuidor como de um bem e que se poderia. ideológicos. deduzida de economia? Eis por que eu coloco este problema e o que quero dizer com isto. que consiste no recurso extremo do poder político. os diversos dispositivos de poder que exercem a níveis diferentes da sociedade. nada disto é evidente. por um ato jurídico ou um ato fundador do direito. seria uma questão teórica que coraria o conjunto. 1999 p. O poder político teria neste caso encontrado na economia sua razão de ser histórica. Este ponto em comum é o que chamarei o economismo na teoria do poder. Funcionalidade econômica no sentido em que o poder teria essencialmente como papel manter relações de produção e reproduzir uma dominação de classe que o desenvolvimento e uma modalidade própria da apropriação das forças produtivas tornam possível. Não quero abolir as inúmeras e gigantescas diferenças mas. que percorre toda a teoria. analogia manifesta. em suas relações. da funcionalidade econômica do poder. uma soberania política. no outro caso concepção marxista geral do poder. apesar e através destas diferenças. que seria da ordem da cessão do contrato. Neste conjunto teórico a que me refiro a constituição do poder político se faz segundo o modelo de uma operação jurídica que seria a troca contratual. a concepção marxista trata de outra coisa. tal como encontramos nos filósofos do século XVIII – e a concepção marxista. entre o poder e os bens . me parece que existe um ponto em comum entre a concepção jurídica ou liberal do poder político. o poder e a riqueza. no outro. Por conseguinte. para constituir um poder político.

o modo de divisão territorial das cidades. e o terceiro. O primeiro é a forma de propriedade da terra. o fenômeno da urbanização. introduziram uma divisão no território das cidades. o segundo. O poder político romano era. antes deles. para defender e garantir os interesses plebeus junto aos interesses e privilégios dos que participavam diretamente do poder.Apesar das diferenças históricas na formação da Grécia e de Roma. em Roma tribus. independentemente de sua situação econômica. que participava indiretamente do poder tinha o direito de eleger um representante.ou seja que desfizeram as características que havia anteriormente. Política Quando se afirma que gregos e romanos inventaram a política.2. há três aspectos comuns a ambas decisivo para a invenção da política. por alianças matrimoniais. dos artesãos e comerciantes urbanos ricos e satisfazer a reivindicação dos camponeses pobres e dos artesãos assalariados urbanos pobres. não existiam o poder e a autoridade. Quem nasce num demos ou numa tribus. Em Roma os não proprietários ou os pobres formavam a plebe. mas que inventaram o poder e autoridade políticos propriamente ditos. Os primeiros chefes políticos. assim. Em Atenas. No caso de Atenas. também conhecidos como legisladores. de poder despótico ou partriacal exercido pelo chefe de família sobre um conjunto de famílias ligadas por laços de dependência econômica e militar. os patrícios. visando diminuir o poderio das famílias ricas agrárias. que constituíam o populus ramanu. não se quer dizer que. tinha assegurado o direito de participar diretamente das decisões da cidade. o tribuno da plebe. donde o regime ser uma democracia. todos os naturais do demos tinham o direito de participar diretamente do poder. a polis foi subdividida em unidades sociopolíticas denominadas demos. uma oligarquia. por exemplo. Exercício. numa relação pessoal em que o chefe garanta proteção e aos súditos ofereciam lealdade e obediência. .