You are on page 1of 21

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA

SÍNDROME DE PATAU (TRANSPARÊNCIAS)

EVELISE LUCIANO MAUREEN LIANA LADEHOFF PRISCILA MARTINS ROBERTA AGUIAR GOMES

ITAJAÍ (SC), novembro de 2000 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA

SÍNDROME DE PATAU

EVELISE LUCIANO MAUREEN LIANA LADEHOFF PRISCILA MARTINS ROBERTA AGUIAR GOMES

Seminário apresentado à disciplina de Biologia II, sob a orientação do professor Cícero José Marques de Farias.

2

ITAJAÍ (SC), novembro de 2000

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO..........................................................................................................4 SÍNDROME DE PATAU (Trissomia do 13) ..............................................................5 HISTÓRICO MÉDICO ETIOLOGIA ..............................................................................................................6 EVOLUÇÃO..............................................................................................................7 COMENTÁRIOS PADRÕES BIOQUÍMICOS.......................................................................................8 CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS OUTROS CARIÓTIPOS E SÍNDROME DE PATAU ................................................9 DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO.......................................................................10 CURIOSIDADES ....................................................................................................11 ANEXOS.................................................................................................................12 CONCLUSÃO.........................................................................................................20 BIBLIOGRAFIA.......................................................................................................21

3

INTRODUÇÃO

Neste trabalho será apresentado a Síndrome de Patau (trissomia do 13) a qual é clinicamente grave e letal em quase todos os casos que sobrevivem até 6 meses de idade. O cromossomo extra provém de não-disjunção da meiose I materna e cerca de 20% dos casos resultam de uma translocação não-balanceada. O fenótipo inclui malformações graves do sistema nervoso central como arrinencefalia. Um retardamento mental acentuado está presente. Em geral há defeitos cardíacos congênitos e defeitos urogenitais. Com freqüência encontram-se fendas labial e palatina, anormalidades oculares, polidactilia, punhos cerrados e as plantas arqueadas.

4

SÍNDROME DE PATAU (TRISSOMIA DO 13)

Os cromossomos humanos são agrupados conforme o seu tamanho e morfologia. Os do grupo A são grandes e metacêntricos, exceto o nº 2, que é submetacêntrico; os do grupo B são grandes e submetacêntricos; os do grupo C são médios e submetacêntricos; os do grupo D são grandes e acrocêntricos; os do grupo E são pequenos e submetacêntricos; os do grupo F são pequenos e metacêntricos; e os do grupo G são pequenos e acrocêntricos. A variação do número cromossômico, que no homem é 46, acarreta grandes transtornos ao seu portador, podendo, inclusive, ser letal. Essas variações são classificadas em vários tipos, conforme haja aumento ou diminuição no número cromossômico. Disse que ocorre aneuploidia, quando a variação numérica é para mais ou para menos, envolvendo apenas poucos cromossomos. Se for para mais, é chamada hiperdiploidia e para menos, hipodiploidia. Assim, uma célula com 47 cromossomos é chamada hiperdiplóide e uma com 45, de hipodiplóide. Ocorre trissomia de um dito cromossomo, quando ele ocorre em número de três na célula. A síndrome de Patau é causada pela trissomia de um cromossomo do grupo D, de número 13. O termo trissomia D1 foi utilizado para indicar que esta era a primeira entidade clinicamente reconhecida resultando em uma trissomia de um autossomo do grupo D. De acordo com a conferência de Paris (1971), onde foram fixadas normas para os registros das aberrações cromossômicas, a síndrome de Patau é caracterizada pela fórmula: 47, XX, + 13, conforme seja o indivíduo mulher ou homem.

5

HISTÓRICO MÉDICO

Patau e colaboradores (1960) foram os primeiros a descrever a trissomia de um acrocêntrico do grupo 13 – 15, tendo sido esta confirmada por diferentes autores em vários outros casos similares (Smith e colaboradores, 1963). Bartholin foi talvez o primeiro a descrever essa síndrome, em 1657 (Warburg e Mikelsen, 1963). Em 1882, o mesmo padrão de anomalias congênitas foi descrito por Kundrat, sob o nome de poosencefalia. A partir do trabalho de Patau e colaboradores (1960), a síndrome de trissomia do cromossomo – 13 foi intensamente estudada por numerosos autores e, presentemente, ela pode ser caracterizada clinicamente como razoável precisão.

ETIOLOGIA

Trissomia total ou de grande parte de um cromossomo específico do grupo D (cromossomo 13 – 15), geralmente designado como sendo o de número 13. A idade materna avançada tendo sido apontada como fator importante no aparecimento das aneuploidias, sendo que a idade materna média para estes casos é de 30,9 anos. A trissomia do 13 é letal em cerca de metade dos bebês nascidos vivos durante o primeiro mês. É muito rara ou desconhecida em abortos no primeiro trimestre e não é vista com freqüência no diagnóstico pré-natal, mesmo sendo avançada a idade materna média. Cerca de 20% dos casos são produzidos por translocação, bem acima da freqüência de translocação na síndrome de down. Mesmo quando um dos pais é um 6

portador de translocação, o risco empírico do mesmo defeito em um filho subseqüente parece ser inferior a 2 %. O fenótipo da trissomia do 13 inclui várias malformações do sistema nervoso central, tais como arrinencefalia e holoprosencefalia. Estão presentes atraso de crescimento e grave retardo mental. A testa é oblíqua, há hipertelorismo ocular e pode haver microftalmia, coloboma da íris ou mesmo ausência dos olhos. As orelhas são mal formadas. Lábios e palato fendidos estão freqüentemente presentes. As mãos e pés podem exibir polidactilia pós-axial e as mãos se fecham com o segundo e o quinto dedo encobrindo o terceiro e o quarto, como na trissomia do 18. Os pés são arqueados, como “cadeira de balanço”. Os padrões dérmicos são incomuns, com pregas simiescas nas palmas, trirrádios axiais distais e padrões halucais característicos. Internamente, em geral há defeitos cardíacos congênitos ou tipos específicos de defeitos urogenitais que incluem criptorquidismo em homens, útero bicórneo e ovários hipoplásicos em mulheres, além de rins policísticos. Desta constelação de defeitos, o mais característico é o aspecto geral da face, com lábio e palato fendidos e anormalidades oculares, mais polidactilia, mãos fechadas e pés arqueados.

EVOLUÇÃO

Quarenta e quatro por cento destes recém-nascidos morrem durante o primeiro mês de vida; 69% não ultrapassam os primeiros 6 meses e apenas 18% conseguem ultrapassar o primeiro ano de vida. As crianças que sobrevivem apresentam oligofrenia acentuada e não ganham peso; as convulsões são de observação freqüente. Foi descrito um único paciente adulto, de 33 anos de idade. Em vista da elevada mortalidade infantil, recomenda-se renunciar às correções cirúrgicas e ortopédicas durante os primeiros meses, à espera da evolução.

7

COMENTÁRIOS

As anomalias da linha mediana da face, dos olhos e dos lobos frontais do cérebro, observadas em grau variável nos pacientes que apresentam esta síndrome, parecem ser devidas a uma anomalia única que ocorre no início do desenvolvimento (três semanas) do mesoderma pré-cordal. Este não é apenas necessário para a morfogênese da porção mediana da face; é responsável também pela indução do desenvolvimento subseqüente do prosencéfalo, ou seja, da parte anterior do cérebro. Esta variedade de defeitos é conhecida como holoprosencefalia ou arrinencefalia; a sua gravidade varia desde a ciclopia até a cebocefalia e às formas mais benignas.

PADRÕES BIOQUÍMICOS

Características bioquímicas anormais foram observadas por Huehns e outros (1964). O estudo das hemoglobinas revelou a resistência de uma hemoglobina fetal, anormal, chamada hemoglobina Gower-2, e crescentes quantidades da hemoglobina gama4, durante o período pré-natal. Crianças mais velhas, com esta síndrome, mostraram uma quantidade maior de hemoglobina fetal, mais não a Gower-2 ou gama-4. Estas descobertas sugerem que os genes, envolvendo a síntese destas proteínas, são localizados no cromossomo triplicado. Estas anormalidades químicas são de grande importância para o eventual registro dos cromossomos (Patau, 1961).

8

CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS

O Cariótipo mais freqüentemente achado, relacionado com a síndrome de Patau: 47, XX, + 13- mulher; 47, XY, + 13- homem. A origem destes cariótipos pode ser explicada como resultado da não disjunção dos cromossomos – 13 durante a gametogênese. A célula que receber os dois cromossomos – 13, ao ser fecundada, produzirá trissomia do dito cromossomo. A célula que fica sem cromossomo – 13 é provavelmente inviável e degenera. Por isso, a freqüência de filho com síndrome de Patau é mais freqüente em mães com idade superior a 35 anos. A idade paterna não é importante, talvez devido à alta taxa de divisões celulares nos testículos e a não paralisação na meiose. Os estudos feitos ainda não permitem estabelecer uma pré-disposição familiar. A freqüência de crianças com esta síndrome, nascidas vivas, é de 1/14.500. Entre os abortos espontâneos, esta taxa é muito elevada, sendo da ordem de 1/33, segundo o Mc Kusick (1964). A expressividade é variável.

OUTROS CARIÓTIPOS DE SÍNDROME DE PATAU

Outras condições cromossômicas podem estar associadas à síndrome e confere o fenótipo característico. Foram descritos casos em que havia cromossomos do grupo D e três cromossomos –3 apresentando as características da síndrome de Patau. Em estudos posteriores, verificou-se que o cromossomo supernumerário era na realidade um 9

isocromossomo do braço longo do cromossomo – 13. O indivíduo possuía, portanto, uma trissomia parcial do cromossomo – 13. Casos de mosaicismo também foram descritos, nos quais 55% das células cultivadas de vários tecidos possuíam um isocromossomo de número 13 e 45% possuíam um cromossomo – 13 anômalo, telocêntrico, devido à perda do braço curto, chamado telo – D. Noutro caso de mosaicismo, algumas células possuíam o braço curto de um cromossomo – 13, translocado ao braço longo de um cromossomo – 16.

DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO

O diagnóstico é essencialmente dado pela inspeção do fenótipo, baseado nas características da síndrome, já citadas. Para a confirmação, é essencial a requisição do cariótipo e eletroforese para hemoglobinas. O prognóstico é sempre ruim. O tempo de vida raramente atinge dois anos, sendo a morte comum, logo após o nascimento ou dentro dos primeiros meses. Aparentemente, esta síndrome só é encontrada em crianças. Em dezesseis casos relatados na literatura, verifica-se que 69% morrem na idade de três meses. A determinação da frequ6encia dessa trissomia é difícil, devido a letalidade precoce sem identificação da síndrome. Segundo Marden e colaboradores (1964), ela é de 0,2 a 0,4 para 100. Cerca de 40% dos pacientes nasceram de mães com mais de 35 anos.

10

CURIOSIDADES

Nos Estados Unidos da América, acredita-se que um em cada mil indivíduos seja portador de uma translocação equilibrada comprometendo um cromossomo do grupo D. Nestes casos, a freqüência de prole afetada seria suficientemente grande para justificar determinação do cariótipo fetal nos países em que tal tipo de investigação é utilizado de rotina, quando há indicação. A presença de mosaicismo para trissomia 13 já foi verificada e, nestes casos, o prognóstico de sobrevida pode ser melhor.

11

ANEXOS

DISTÚRBIOS DOS AUTOSSOMOS - Trissomia do 13

12

Feto. Processo: Trissomia do cromossomo 13 ou síndrome de Patau (detalhe da face).

13

SÍNDROME DE PATAU FOTOS (TRANSPARÊNCIAS)

14

FOTOS (TRANSPARÊNCIAS)

15

FOTOS (TRANSPARÊNCIAS)

16

FOTOS (TRANSPARÊNCIAS)

17

FOTOS (TRANSPARÊNCIAS)

18

19

CONCLUSÃO

Ao realizarmos esta pesquisa sobre a síndrome de Patau concluímos que o fenótipo clínico depende dos pontos de ruptura. O gene do retinoblastoma está em 13q14, e deleções distais a este ponto não estão sob risco. O diagnóstico não é possível apenas com o exame fenotípico. A única pista para o diagnóstico numa criança dimórfica com retardo do desenvolvimento e traços faciais inespecíficos, mas sugestivos de anormalidade cromossômica, é a hipoclasia dos polegares (como mostra nas fotos em anexo). Os traços faciais são: trigonocefalia, microcefalia, uma raiz nasal ampla, hipertelorismo e pregas epicânticas. Está presente algum defeito cardíaco congênito em cerca de metade de todos os casos, e ocasionalmente tem sido descrito um ânus imperfurado (como foto em anexo). Comumente o retardo é severo. Portanto para aspectos genéticos os casos são basicamente esporádicos, sendo que sempre deverão ser examinados os cromossomos dos pais.

20

BIBLIOGRAFIA

1. BARAITSER, Michel & WINTER, Robin M. Atlas colorido de síndrome da malformação congênita. São Paulo: Manole LTDA, 1998. 2. BEIGUELMAN, Bernardo. Citogenética humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1982. 3. BOLSANELLO, Aurélio. Genética médica prática: Livros técnicos e científicos. Rio de Janeiro/São Paulo, 1978. 4. CARAKUSHANSKY, Gerson. Doenças genéticas na infância. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1979. 5. LIMA, Celso P. de. Genética humana. 3 ed. São Paulo: Harbra, 1996. 6. SMITH, David W. Síndromes de malformações congênitas. 3 ed. São Paulo: Mande, 1989. 7. THOMPSON & THOMPSON. Genética médica. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

21