Agosto de 2008 # 00 - Página 5

[telecom]
A
GSA Association, entidade
que reúne os fabricantes de
dispositivos móveis de última
geração, confrma em seu mais re-
cente relatório que 180 operadoras
de 70 países iniciam o ano de 2011
com seus projetos de lançamento
de serviços da quarta geração da
telefonia móvel, a LTE – Long Term
Evolution.

Segundo a entidade, este é o maior
crescimento da história deste mer-
cado. O número de operadoras
com investimento em LTE cresceu
mais de 140% nos últimos 12 me-
ses, enquanto que o número de
países onde os projetos LTE estão
em implantação cresceu 85% no
mesmo período.

O relatório cobre os projetos em
andamento em LTE FDD (Frequency
Division Duplex) e LTE TDD (Time
Division Duplex) e aponta que ou-
tras 128 operadoras já anuncia-
ram o compromisso de lançamento
comercial de suas redes LTE para
breve em 52 países e outros 52 es-
tão com testes ou projetos em an-
damento, em 18 países, entre eles
Argentina, Brasil, Chile, Colômbia,
México e Peru.

As redes já em funcionamento co-
mercial estão na Alemanha, Áus-
tria, Dinamarca, Estados Unidos,
Estônia, Finlândia, Hong Kong, Ja-
Projetos para redes móveis LTE
crescem 140%
pão, Noruega, Polônia, e Uzbequis-
tão. Sessenta e quatro projetos es-
tão previstos para serem lançados
ao fnal de 2012.

Alan Hadden, presidente da GSA
Association, afrma que as operado-
ras estão mais rápidas nos projetos
LTE que com os projetos HSPA an-
teriores, e que tem sido o sistema
de telecomunicação móvel mais ve-
loz em funcionamento atualmente.
Comparando o número de compro-
missos de lançamentos das redes
nos seis meses ou 12 meses após
o primeiro lançamento de sistemas
comerciais para HSDPA, HSUPA,
HSPA + e LTE, respectivamente, a
Long Term Evolution mostra ter o
desenvolvimento mais rápido entre
os sistemas de comunicações mó-
veis. “A ano de 2010 foi excelente
para a LTE e esperamos que man-
tenha o ritmo de crescimento em
2011”, afrma o executivo.

Os dispositivos móveis que compõem
o ecossistema LTE chegam ao mer-
cado com inúmeras funcionalidades,
incluindo USB modems/dongles,
PC cards, conexão WiFi, envolven-
do os smartphones e tablets, além
de inúmeros serviços e aplicações,
com grande destaque aos games.

O relatório completo, incluindo seus
gráfcos, pode ser obtido pelo ende-
reço http://www.gsacom.com
Publicação: FonteMidia Americas
Redação: Cristiane Geminiano
Arte: Wilians Geminiano / Pedro Paulo
Multimídia: Pedro Paulo
Av. Eng. Soares de Camargo, 489
03556-000 - São Paulo - SP
contato@itportal.com.br
www.fontenews.com.br
______________________
www.itportal.com.br
www.fontemidia.com.br
[nesta edição]
Página 04
Os pontos críticos das redes
sociais

Página 05
Mais de 3,9 mi pagamentos com
celulares

Página 05
Hackers podem atacar sites de
compras coletivas
Página 07
Usuários de TI gostam de
whitepapers
Página 08
Abismo tecnológico entre o
Fisco e os contribuintes
Página 09
SPED: qualidade dos dados é
fundamental

Página 09
Obrigações tributárias não dão
trégua

Páginas 10 a 13
Produtos / Serviços / Produtos
Página 14
Artigo - Por favor, apertem os
cintos!
Página 15
uniPaaS gratuito para pequenos
desenvolvedores
Página 17
Curtas: as novidades do setor
Agosto de 2008 # 00 - Página 6
[mídias sociais]
Fevereiro / Março de 2011 # 11 - Página 04

Os pontos críticos das redes sociais
Gartner identifca sete pontos críticos a serem questionados antes da implementa-
ção de políticas voltadas às mídias sociais
A
queles que participam das
redes sociais precisam de
orientação de seu emprega-
dor sobre as regras, responsabili-
dades, normas e comportamentos
que deles se espera.

Desta forma, os responsáveis pela
concepção das políticas para as
redes sociais devem estar atentos
às seguintes questões, segundo o
Gartner:

Estratégias
É fundamental que as lideranças
para a área de mídias sociais de-
terminem o objetivo de suas ini-
ciativas antes de implementá-las.
Além disso, é essencial que expli-
quem de que maneira a missão
da organização, bem como suas
estratégias e valores, impactam
nas iniciativas. Um plano de es-
tratégia para este meio colabora-
tivo é um meio de monitorar es-
sas informações.

Responsabilidade
Algumas organizações determi-
nam que os CIOs devem escrever
neste tipo de mídia dentro das or-
ganizações. Em outros casos, esta
tarefa é direcionada ao conselho
geral ao às comissões próprias,
criadas para elaborar estas políti-
cas. A defnição é muito importan-
te antes do alinhamento das polí-
ticas para as redes sociais. Outro
quesito a que as empresas devem
estar atentas é diferença sobre o
que pode ou não ser postado e
os processos operacionais, que
envolvem recrutamento e supor-
te ao cliente. Os processos ope-
racionais precisam ser fexíveis e
aderir à política, porém cada um
dos departamentos da companhia
precisará trabalhar com diretrizes
específcas de governança e pro-
cesso.


Diagnóstico das políticas
Obter um feedback geral sobre
este quesito serve a dois propó-
sitos. Primeiro, para garantir que
os interesses como segurança,
privacidade e exposição da marca
sejam tratadas de forma adequa-
da. Em segundo plano está au-
mentar a quantidade de adesões
quando um grupo de pessoas é
convidado a analisar e comentar
os pontos principais da política.
Isto signifca que o processo pelo
qual esta visão será revista e dis-
cutida, juntamente com o feed-
back, será incorporado àquilo que
deve ser aplicada.

Comunicação
Algumas companhias confundem
a criação de políticas com a co-
municação delas. Os padrões a
serem seguidos devem ser bem
escritos e de fácil compreensão,
porém eles, por si só, não con-
seguem instruir os funcionários
sobre a sua responsabilidade em
relação às mídias sociais. Um pla-
no de comunicação bem concebi-
do, apoiado por um programa de
treinamento, ajuda o empregado
a entender melhor a política de-
terminada e como ela impacta no
cotidiano de cada um deles.

Monitoramento
Um programa bem estruturado
de treinamento e conscientiza-
ção pode contribuir para que os
funcionários saibam exatamente
quais são os seus limites ao aces-
sarem uma rede social. Porém, as
lideranças da companhia para esta
área colaborativa precisam estar
atentas. Os líderes devem de fato
entender as políticas e seus pres-
supostos e identifcar acessos ina-
propriados. Porém, o papel deles
deve estar muito mais centrado
em ajudar as diversas áreas da
empresa a terem um compromis-
so, por si próprias, de moderarem
seus acessos às redes.

Capacitação
É preciso haver um plano de como
a organização vai oferecer aos
gestores as habilidades necessá-
rias para enfrentar e, ao mesmo
tempo, aconselhar os funcionários
sobre este assunto sensível.

Compartilhamento
Utilização das experiências mal
sucedidas na melhoria da política
e treinamento – As organizações
que baseiam a utilização das mí-
dias sociais de forma organizada
e planejada, coerente com sua
missão, estratégia e valores, se-
rão capazes de analisar como es-
sas iniciativas cumprem com os
seus objetivos. Além disso, pode-
rão usar este conhecimento para
melhorar os esforços existentes
ou projetos futuros dentro dessas
políticas.
Agosto de 2008 # 00 - Página 7
de mensagens destes serviços. O
risco, segundo o executivo, é acre-
ditar que todas as mensagens são
verdadeiras e o usuário acabar cli-
cando em uma mensagem que car-
rega um phishing (isca) e acabar
sendo direcionado a um site falso,
criado para obter dados pessoais
ou descarregar códigos maliciosos
no computador, com a fnalidade
de monitorar o uso do equipamen-
to e, assim, capturar dados, como
número de cartões de crédito ou
senha bancária.
Fevereiro / Março de 2011 # 11 - Página 05
Hackers podem atacar os sites de compras coletivas
O meio de comunicação
mais efciente entre os
sites de compras e usu-
ários de computador é o
email. Nada mais opor-
tuno para que os cyber
criminosos, que todos os
dias se debruçam em es-
tratégias para enganar as
pessoas cadastradas nes-
te tipo de site de compra,
que se tornou uma febre
no Brasil.
A Nodes Tecnologia, que
representa as soluções
de segurança Avira no
Brasil, tem acompanhado
a movimentação deste
mercado e faz um aler-
ta aos usuários: tomar muito
cuidado a receber um e-mail de
seus sites de compras preferidos
e garantir que o seu computador
possua a versão atualizada de
seu software antivírus e também
do sistema operacional.
Segundo Eduardo Lopes, diretor
da Nodes, as pessoas, ávidas por
bons descontos se cadastram em
um grande número de sites de
compra e acabam por ter sua
caixa postal eletrônica entupida
Usuários não devem confar plenamente em todas as mensagens que recebem e devem também man-
ter seu software antivírus e o sistema operacional atualizados
“ O ano passado ter-
minou com quase 300
sites de compras co-
letivas, sendo 18 de-
les responsáveis por
mais de 7,4 milhões
de visitantes únicos,
segundo levantamen-
to do Ibope Nielsen
Online. De fato, um
universo enorme de
possibilidades para
os criadores de vírus
de computador”, co-
menta o executivo.
“Temos uma equipe
aqui na Nodes atenta
a quaisquer tentati-
vas dos cyber crimi-
nosos. Até o momen-
to não registramos qualquer
ocorrência grave, mas acre-
ditamos que isto é uma ques-
tão de tempo para acontecer”.

O melhor, sugere Lopes, é o
usuário não confar plenamen-
te em todas as mensagens de
email que receber sobre este
tema e manter seu software an-
tivírus atualizado.
Apesar do grande número de
telefones celulares no Brasil, o
mercado de pagamentos mó-
veis ainda é incipiente. Em 2010,
o número de transações feitas
com os aparelhos chegou a 3,9
milhões, resultado insignifcante
perto do número de transações
feitas com cartões de crédito e
débito: 5,8 bilhões. Este é o re-
sultado do estudo realizado pela
consultoria Frost&Sullivan.
Até o fnal deste ano, o volume
de transações de compra feitas
com telefones celulares deve au-
mentar 30%, segundo a consul-
toria, para 5,1 milhões.
Segundo a Frost&Sullivan,
existem fatores que podem ala-
vancar o uso deste modelo de
[mobilidade]
Mais de 3,9 mi pagamentos com celulares
pagamentos no Brasil, como
o elevado número de pessoas
sem acesso aos serviços ban-
cários e o desenvolvimento de
novas tecnologias.
Pesa a favor do modelo, tam-
bém, a grande penetração
dos telefones celulares no
País, que já passa de 100%
da população.”Há fatores com
grande impacto no curto e
médio prazos que podem ala-
vancar o uso deste modelo de
pagamento no país. O núme-
ro signifcante de pessoas sem
acesso a bancos no Brasil é um
deles, assim como o aumento
em soluções de pagamento mó-
vel e as vantagens de agregar
esse a outros serviços”, explica
Marcelo Kawanami, Gerente de
Mercado da Frost & Sullivan.
Novembro / Dezembro de 2010 # 10- Página 06
Agosto de 2008 # 00 - Página 9
Fevereiro / Março de 2011 # 11- Página 07
[carreira]
A
IDC liberou novo estudo sobre
o comportamento e as prefe-
rências online dos usuários de
TI na América Latina, que revela que
58% dos entrevistados leem White
Papers relacionados às suas profs-
sões, sendo que 44% deste universo
faz isso semanalmente, 12% em pe-
ríodo entre três e cinco meses, ou-
tros 2% consultam os White Papers
anualmente.

No Chile, 64% dos usuários de TI
utilizam essa ferramenta; Colômbia,
Venezuela e México, aparecem com
63%, 62,5% e 61%, respectivamen-
te. Na Argentina, esse número é de
53%, no Brasil, 45%.

O White Paper é um instrumento
fundamental para o fornecimento de
análises técnicas e informações sobre
as principais tendências do mercado.
É um recurso que permite a defnição
de estratégias. Em geral, ilustram es-
tudos de caso, incluindo comentários
e entrevistas com clientes”, declara
Luciana Sario, gerente de marketing
da IDC América Latina.

Para ter sucesso com um White Pa-
per é importante observar uma série
de fatores. “É fundamental escolher
um tema que seja de interesse pú-
Usuários de TI na América Latina leem White Papers
relacionados às suas profissões
blico. O foco não
deve ser apenas
no que a empre-
sa quer comunicar,
mas também no que o público-alvo
está interessado em aprender”, afr-
ma Luciana Sario.

O título que vai ser dado ao White
Paper também é importante, como
convite para a leitura do material, in-
cluindo a veiculação, que é um ponto
que merece cuidado. “Sabemos que
hoje existem vários canais de divul-
gação como e-mail marketing e re-
des sociais, por exemplo, por isso é
essencial tratar de cada detalhe com
muita atenção”.



A importância dos
White Paper durante o
ciclo de compras também é salien-
tada por Luciana: “Os White Papers
nos acompanham nas três etapas
do ciclo de compras, mas merecem
destaque especial na etapa de vali-
dação, que é quando os clientes tem
uma lista de soluções que podem
satisfazer suas necessidades e ele-
gem, eventualmente, um fornecedor
dessa lista. Nesta etapa é comum a
busca pela literatura sobre a tecnolo-
gia em questão, como artigos sobre
a indústria, relatórios de analistas e,
evidentemente, White Papers”.
Este tipo de documento, uma ferramenta de marketing, se destaca em países como
Chile, Colômbia, Venezuela e México
IT Portal: vídeos abordam temas de grande interesse
Lançado há três anos, o IT Portal vem se destacando
como uma das mídias online alternativas para a divul-
gação de notícias do universo da Tecnologia da Informa-
ção, Telecomunicação e Negócios e outros relacionados
a estas áreas, como a Web e Educação.

Uma das áreas mais visitadas, a seção de vídeo do por-
tal, traz uma série de vídeos dos fornecedores de tecno-
logia que patrocinam o IT Portal.
Alí é possível encontrar depoimentos de fabricantes,
personalidades, parceiros comerciais, apresentação de
produtos e serviços, em uma linguagem informal e de
fácil compreensão.
O endereço é www.itportal.com.br
Agosto de 2008 # 00 - Página 10
[SPED]
Fevereiro / Março de 2011 # 11 - Página 08
Abismo tecnológico entre o Fisco e os contribuintes
Q
uando o Fisco ini-
ciou a informatiza-
ção do envio das
declarações do Imposto
de Renda em 1991, já
se imaginava que este
seria um caminho sem
volta rumo à adoção de
meca-nismos efciente
de controle sobre o
pagamento dos impos-
tos no Brasil.

Desde então, diversos
mecanismos foram cria-
dos e o governo acabou
por lançar o Sistema
Público de Escritura-
ção Digital, que evoluiu
muito, mas que, por sua
vez, tem exigido cada
vez mais das empresas
maior atenção e atua-
lização de seus sistemas
de gestão e de fnanças.

O especialista em
Sistema Público de
Escrituração Digital
(SPED), professor Roberto Dias
Duarte, que também coordena
a Escola de Negócios Contábeis
(ENC) e diretor da Mastermaq
Softwares, publicou um estudo
que revela o crescente uso dos
recursos tecnológicos pelas au-
toridades fscais e tributárias
do Brasil e a distância entre o
Fisco e os contribuintes.

O estudo “O maior B2G do pla-
neta e seus paradoxos”, aborda
um cenário em que os con-
tribuintes, especifcamente as
empresas, não acompanham a
evolução tecnológica que en-
volve a nova realidade fscal no
Brasil.

Os arquivos relativos ao SPED
são transmitidos exclusiva-
mente pela Internet e envolve
desde a Nota Fiscal Eletrônica
(NF-e), Conhecimento de Trans-
porte Eletrônica (CT-e), Escritu-
ração Fiscal Digital (EFD), PIS/
Cofns, Livro CIAP (Controle do
Crédito do ICMS do Ativo Per-
manente), entre outras deman-
das fscais. Para gerenciar todas
estas obrigações, as empresas
necessitaram rever seus proces-
sos e atualizar seus sistemas de
gestão fnanceira. É nesta parte
que o estudo aponta a distância
entre o Fisco e as empresas.

No trabalho de Duarte é pos-
sível ver o “descompasso tec-
nológico” existente. “Enquan-
to as autoridades tributárias
brasileiras passaram os últimos
dez anos aprimorando seus con-
troles e o cruzamento de dados
do contribuinte, arsenal hoje
encabeçado pelo SPED e a Nota
Fiscal eletrônica entre as em-
pre sas, boa parte
das nossas empre-
sas sequer introdu-
ziu na rea-lidade do
século 21 seus ERPs
e demais sistemas
corporativos”, diz o
estudo.

Na avaliação do
professor, com o
avanço tecnológico
registrado ao longo
dos últimos anos,
o Fisco brasileiro
construiu o que ele
chama de “o maior
B2B (Business to
Business) do mun-
do globalizado, que
deveria ser mais
bem aproveitado
por nossas orga-
nizações e profs-
sionais.”

O trabalho tam-
bém destaca que
“a maioria dos ge-
stores ainda não percebeu a real
extensão desse quadro, tam-
pouco as muitas oportunidades
por ele trazidas”. Um indicador
deste descompasso tecnológico
é, segundo o estudo, o universo
das que utilizam o sistema de
gestão integrado (ERP), por ex-
emplo.

O professor cita dados da
Fundação Getúlio Vargas rela-
tivos a 2009 para destacar
que menos de 1% das empre-
sas brasileiras é atendido pe-
los fornecedores de ERP (soft-
ware de gestão empresarial).
O trabalho pode ser baixado
gratuitamente no blog:


www.robertodiasduarte.com.
br/fles/omaiorB2Gdoplan-
eta.pdf.
Menos de 1% das empresas brasileiras é atendido pelos fornecedores de ERP
O MAIOR B2GDO PLANETA EE E SEUS PARADOXO PP S OO
2/"%24/$)!3$5!24%
O MAIOR B2G
DO PLANETA
E SEUS PARADOXOS J
A
N
E
I
R
O
D
E
2
0
1
1
2/"%24/$)!3$5!24%
Agosto de 2008 # 00 - Página 11
Fevereiro / Março de 2011 # 11 - Página 09
A equipe de consultores da Sis-
pro - Serviços e Tecnologia para
Administração e Finanças, vê
com grande preocupação o fato
das empresas deixarem para a
última hora a entrega das de-
clarações exigidas por lei, en-
volvendo não somente o SPED,
mas também outras obrigações
tributárias acessórias. Um dos
maiores problemas encontrados
pelos especialistas reside na bai-
xa qualidade dos dados, ou seja,
das informações existentes nos
sistemas legados no gerencia-
mento dos negócios.
A situação se agrava quando
se percebe que as informações
também estão, na maioria dos
casos, distribuídas em diferen-
tes arquivos e sistemas, sendo o
trabalho de saneamento destas
informações um grande desafo.
As empresas necessitam repen-
sar sobre este cenário e estabe-
lecer métodos efcazes de coleta
e tratamento das informações,
formando uma base de dados na
íntegra, capaz de garantir a ge-
ração e entrega dos arquivos di-
gitais ao Fisco de modo efciente
e nos prazos estabelecidos.
“Até pouco tempo, era comum
encontrar empresas com pro-
cessos operacionais descentrali-
zados, sem qualquer integração
Qualidade dos dados é fundamental
As empresas necessitam estabelecer métodos efcazes de coleta e tratamento das informações
entre os departamentos, o que
gerava diversos cadastros com
informações duplicadas. Hoje,
embora a gestão das empre-
sas tenha melhorado muito com
o uso de sistemas integrados
(ERP), ainda encontra-se uma
infnidade de situações que con-
tribuem para que os cadastros
estejam desatualizados, como,
por exemplo, uma organização
que possui uma ferramenta de
gestão patrimonial que controla
o CIAP e, mantém na área fscal
outro controle em planilha Excel.
Os confitos de campos são inevi-
táveis.”, comenta Lourival Vieira,
diretor de Marketing da Sispro.
As inconsistências das informa-
ções, no fnal, resultam no atraso
das declarações, além de um tra-
balho estressante para as equipes
responsáveis por esta tarefa, que
acabam enfrentando um grande
volume de erros e sistemas que
não conversam entre si. “Para
que as empresas não passem por
este problema, é altamente reco-
mendável que o saneamento dos
dados e as consultas periódicas
sejam realizados de forma plane-
jada, para garantir que os riscos
de infrações e futuras autuações
sejam eliminados”, afrma Vieira.
“Boa parte das empresas pode
estar com problemas em seus
dados e não sabe. Para resolver
isso, é necessário iniciar imedia-
tamente este saneamento, evi-
tando, assim, mais problemas”,
alerta o executivo.
Obrigações tributárias não dão trégua
O ano 2011 chegou repleto de
preocupações para as empresas.
Em muitas delas as férias cole-
tivas não foram compartilhadas
com a equipe da contabilidade
justamente porque a pauta de
obrigações é extensa no mês de
dezembro, incluindo o tradicional
“fechamento do balanço”. E ja-
neiro chegou com uma enorme
lista de obrigações acessórias.
A atenção das empresas está
totalmente nas exigências que
envolvem o SPED Contábil,
SPED Fiscal, EFD-PIS/Cofns,
CIAP- Bloco G, Nota Fiscal Ele-
trônica (NF-e) geração 2, Ba-
lanço Patrimonial, entre outras.

“De fato, as obrigações tributá-
[SPED]

rias não dão trégua”, comenta
Lourival Vieira, diretor de Marke-
ting da Sispro. “Nossa equipe de
consultores também não teve fol-
ga e, para garantir o descanso de
todos, temos um rigoroso esque-
ma de revezamento de escalas e
férias. O trabalho tem sido árduo
e equipes responsáveis pela área
fscal e contábil da maioria das
empresas estão em ritmo acele-
rado”.
Para Vieira, a maior difculdade
das empresas está em acompa-
nhar o elevado volume de novas
normas que os organismos tri-
butários emitem a cada dia, que
muitas vezes exigem a reorga-
nização de processos de gestão
para que as obrigações fscais
sejam atendidas. “A cada nova
regra é necessário avisar a to-
dos e garantir que as equipes
responsáveis tenham acesso às
informações atualizadas, tanto
dos cadastros quanto dos pra-
zos. Ter sistemas de gestão que
acompanhem esta movimenta-
ção é outro desafo. Nem sempre
os fornecedores de software con-
seguem atualizar seus sistemas
a tempo de atender aos prazos
das exigências. Por isso, a Sispro
oferece o seu pacote de software
e serviços baseados no outsour-
cing para que as empresas não
se percam ou se atrasem na en-
trega dos arquivos digitais”, des-
taca o executivo.
I
n
f
o
r
m
e

d
o

F
o
r
n
e
c
e
d
o
r
I
n
f
o
r
m
e

d
o

F
o
r
n
e
c
e
d
o
r
N
o
v
e
m
b
r
o


/

D
e
z
e
m
b
r
o

d
e

2
0
1
0

#

1
0
Com o crescimento do uso da mobilidade nas empresas, criar aplicações rápidas se torna vital para o sucesso
Aplicações Móveis Ricas para os Negócios
E
quipes diferentes para os lados Client e Server;
telas de exibição menores; mecanismos de entrada
limitados. Estes são apenas alguns dos desafos
para a construção de aplicações ricas móveis (RIA)
corporativas.

A aplicação também deve ser leve o sufciente para caber
na memória e exigir menos dos dispositivos móveis, mas
necessita ser poderosa o sufciente para permitir que os
usuários corporativos concluam suas tarefas.

O Magic uniPaaS pré-compila e pré-confgura este
processo de trabalho intensivo de escrita de código.
Por fornecer um paradigma único de desenvolvimento
e implantação, a ferramenta proporciona habilidades de
gerenciamento, permitindo a implantação do aplicativo
móvel de forma mais rápida e com menor custo.
Garantia da consistência da performance
Para minimizar o processo técnico de codifcação, o
uniPaaS separa a parte tecnológica da aplicação mó-
vel e sua lógica de negócio. Menos codifcação técnica
signifca um ciclo de desenvolvimento mais interativo e de
prototipagem mais rápida.

Quando a aplicação móvel passa por prototipagem mais
profunda, os desenvolvedores são capazes de descobrir
as defciências antes que elas ocorram durante a implan-
tação total. Após isso, as falhas tornam-se muito mais
difíceis e caras para serem consertadas.
Segurança na Internet
O uniPaaS tem seu próprio módulo dedicado ao lado
Cliente. Então, as aplicações móveis criadas não estão
vulneráveis às ameaças de segurança da Internet. Criar
uma aplicação móvel independente de browser irá levar
um longo caminho para garantir que a aplicação móvel
seja mais segura, permitindo que as empresas concen-
trem seus recursos no aperfeiçoamento das funcionali-
dades da aplicação corporativa.

Combinado todos os dados de sua empresa em uma
única tela móvel.
Ao utilizar as plataformas de desenvolvimento e integração
iBOLT e uniPaas é possível construir uma aplicação móvel
que pode ser integrada a todos os dados dos vários siste-
mas da empresa em uma tela.
A ferramenta permite que se combine as aplicações móveis
aos sistemas de gestão (ERP) com dados de aplicações
baseadas em SaaS e Cloud Computing, como o Salesforce.
com, CRMs, sistemas legados e processos de retaguarda,
possibilitando produzir amplos workfows de negócios, que
podem ser também customizados, ampliados, entregues em
qualquer idioma e gerenciados de forma centralizada.

Consulte pelo código FNF 40
Como eu posso garantir elevados padrões de
segurança para a solução móvel ou Web?
Um ISV (produtor independente de software) pode
garantir a oferta de aplicações na Web, sabendo que
a estratégia de segurança é parte vital de sua solução
baseada em ambientes fora do cliente, como a Cloud
Computing, por exemplo. Mas, a segurança na Web
não é algo que pode ser programado uma única vez no
produto. Ela continua a evoluir devido à proliferação de
novas vulnerabilidades, padrões e tecnologias.

A tecnologia de desenvolvimento de aplicações pro-
porcionada pelo uniPaaS garante padrões de segu-
rança no “core” da aplicação e cuida da evolução dos
padrões necessários para impedir qualquer nível de
vulnerabilidade. Assim, ela libera os desenvolvedores
para focarem na criação e melhorias de funcionalida-
des para os negócios, ao invés de constantemente
perder tempo em melhorar os padrões de segurança
do produto.
O poder da Internet sem a vulnerabilidade do
browser
A ferramenta uniPaaS não é baseada em browser. Ao
contrário, as aplicações uniPaaS fcam dentro de suas
próprias “caixas dedicadas”. Portanto, elas não estão su-
jeitas às ameaças que aplicações baseadas em browser
normalmente sofrem.

Adicionalmente, a mensagem e protocolo utilizado
para comunicação entre Server e Client nas aplicações
uniPaaS são proprietários e seguros. Como o Client não
acessa diretamente a nenhuma base de dados do back-
end, as empresas podem impedir os usuários do front-end
a acessarem diretamente os arquivos de dados sensíveis,
e evitar roubo ou corrupção de dados.
White Page - Informe do Fornecedor
F
e
v
e
r
e
i
r
o


/

M
a
r
ç
o

d
e

2
0
1
1

#

1
1

Agosto de 2008 # 00 - Página 13

I
n
f
o
r
m
e

d
o

F
o
r
n
e
c
e
d
o
r
I
n
f
o
r
m
e

d
o

F
o
r
n
e
c
e
d
o
r
F
e
v
e
r
e
i
r
o


/

M
a
r
ç
o

d
e

2
0
1
1

#

1
1

G&D SecuVOICE
G
rampos telefônicos e a interceptação de mensa-
gens SMS e dados tornam muito fácil que infor-
mações confdenciais caiam nas mãos erradas.

Tornar as ligações de celulares à prova de escu-
ta e roubo de dados confdencias é a proposta
desta solução, que traz versão melhorada da
criptografia, que é adotada pelas autoridades
federais alemãs com o objetivo de proteger as
ligações telefônicas e também enviar mensa-
gens SMS sem qualquer risco de interceptação.

O principal componente desta solução integrada
é o novo Secusmart Security Card, que cripto-
grafa as chamadas e mensagens SMS de ponta-
a-ponta e, também, fornece autenticação segura.

O cartão microSD utilizados no telefone celular
foi desenvolvido especialmente para Secusmart
pela Giesecke & Devrient Flash Secure Solu-
tions (G&D SFS), uma joint venture da G&D e
Phison Electronics Corporation. As autoridades
federais alemãs são as primeiras à implantar
cartões com estas funcionalidades combinadas.

O SecuVOICE possui um módulo de criptografa à
prova de falsifcação e, além oferecer a segu-
rança de voz, SMS e dados (Common Criteria
EAL5), possui memória fash de 4GB, na qual é
possível armazenar dados em um formato crip-
tografado para que não possam ser acessados
por terceiros. Alguns exemplos são as mensa-
gens SMS, os contatos e registros de calendário.

Insigne Security
S
olução modular baseada em software e
hardware com ampla gama de funciona-
lidades que permite a auditoria, monito-
ramento e estatísticas essenciais para avalia-
ção dos ativos da rede corporativa e possibilita
avaliar o comportamento da produtividade das
aplicações, hardware e usuários, tanto na rede
interna quanto na rede mundial de computadores.

A partir do módulo Segurança é possível também
defnir políticas para proteção da rede e estabelecer
as permissões e restrições de acesso, que podem ser
confguradas para cada tipo de usuário ou grupos de
usuários, e de acordo com as necessidades do setor
e as normas da empresa, tais como o bloqueio de
dispositivos USB, leitores e gravadores de mídias di-
gitais, bloqueio ou liberação de programas. O produto
também permite estabelecer os horários específcos
para cada tipo de permissão além de bloquear a insta-
lação e desinstalação de programas não autorizados.

O módulo Inventário permite fazer o levantamento
de todos os softwares, hardwares, impressoras e
periféricos existentes na rede que estão em funcio-
namento ou não. A ferramenta ainda emite alertas
sobre quais programas estão com licenças a vencer
ou sem licença defnitiva. Os alertas também são
Consulte pelo código FNF 43
sobre modifcações ocorridas nas estações de
trabalho, informando quais computadores tiveram
USBs ‘plugados’ e quais atividades foram realiza-
das a partir de cada dispositivo, como arquivos
criados, copiados ou alterados, por exemplo.

No módulo Desempenho é possível realizar a aná-
lise do comportamento de recursos das estações
de trabalho e medir a utilização e capacidade da
CPU, memória, gerando gráfco para avaliação da
necessidade de upgrade do equipamento e seus
componentes.
Consulte pelo código FNF 42
Agosto de 2008 # 00 - Página 14
Consulte pelo código FNF35
I
n
f
o
r
m
e

d
o

F
o
r
n
e
c
e
d
o
r
F
e
v
e
r
e
i
r
o


/

M
a
r
ç
o

d
e

2
0
1
1

#

1
1


Superando as difculdades na gestão de assinaturas de jornais e revistas
AC Solução adota tecnologias Magic para o CRM e integração entre sistemas de gestão e os processos de workfow
à empresa a confança necessária para expandir seu
mercado e mais tarde adotar o IBOLT Integration
Suite, também da Magic Software, para a criação de
uma interface de comunicação entre os assinantes e os
gestores das editoras nesta área dentro da companhia.

O projeto com o iBOLT envolve o recebimento e distri-
buição das solicitações dos assinantes feitas por email
para os gestores, além de permitir que o Módulo de
Workfow do ERP CIGAM (também criada em uniPaaS)
possibilitasse o acompanhamento destas tarefas, desde
o início de uma nova assinatura, passando pelo contro-
le de sua vigência, distribuição e outras ocorrências,
tais como, cancelamento, suspensão de entrega etc.

“Temos, então, um ambiente complexo que não existe
em algumas das maiores editoras do país”, comenta
Cristofoleti. “Hoje nossa carteira de clientes engloba 21
editoras e um universo de mais de 1 milhão e 200 mil as-
sinaturas ativas. A solução para a gestão deste universo
é baseada na tecnologia da Magic Software”, destaca.

Além dos próprios assinantes – que podem acompa-
nhar suas assinaturas - o ambiente de gestão baseado
em uniPaaS/iBOLT oferece uma interface de acesso a
mais de 150 usuários externos (profssionais ligados
às editoras clientes), enquanto que 20 profssionais da
Teletarget AC Soluções possam acompanhar e contro-
lar as ocorrências de atendimento aos assinantes. Os
atendimentos ativos e receptivos são realizados por
outros 70 operadores treinados para esta atividade.

Cristofoleti conta também que quaisquer novas de-
mandas de negócios são plenamente atendidas, tanto
pelo uniPaaS quanto pelo iBOLT, a partir de suas fun-
cionalidades. “A qualidade tecnológica e a velocidade
na criação de uma nova funcionalidade do CRM ou de
integração é facilmente resolvida pelas ferramentas
Magic. Isto nos dá a confança para oferecer e entregar
um projeto de gestão de assinaturas aos nossos clien-
tes e ter uma parceria de sucesso com as principais
editoras do país”, sentencia o executivo.
Deu Certo - Informe do Fornecedor
M
uitos deverão se lembrar do antigo Círculo do
Livro, que nas décadas de 70 e 80 conquistou os
amantes dos livros de todas as idades que tinham
uma opção muito efciente para comprar bons livros a
preços menores, com acabamento de primeira e com
capa dura. A venda era domiciliar e a entrega também.

A gestão do relacionamento com dezenas de milhares
de sócios, fez com que o Círculo do Livro criasse seu
próprio sistema de gestão de assinaturas, com grande
sucesso. O CRM próprio (naquele tempo este termo não
era nem conhecido) garantiu a efciência do projeto.

Hoje esta opção de clube de leitores não existe mais e
a Internet tem se encarregado de oferecer as opções
de compra a partir de uma infnidade de livrarias online.
E hoje a fgura do vendedor porta-a-porta se limita a
algumas boas opções de comercialização de enciclopé-
dias e livros avulsos, mas sem a existência de clube de
leitores, especifcamente. Mas o modelo de entrega é o
mesmo em ambos os casos: em casa, pelos Correios.

A empresa AC Soluções nasceu do antigo Círculo do
Livro para operar com serviços de gestão de assinaturas
para editoras de jornais e revista e conseguiu excelentes
resultados neste mercado a partir da expertise adquirida
naquele tempo. Como herdeira desta história, a empre-
sa oferece às editoras de jornais e revistas uma solução
para a gestão de assinaturas e vendas de suas publica-
ções através de um modelo efciente envolvendo o ser-
viço de televendas, recepção e gestão de assinaturas.

A maioria dos assinantes de revistas e jornais sabe que
o relacionamento com suas editoras não é coisa fácil
quando o assunto envolve problemas com a entrega,
renovação ou o cancelamento de uma assinatura, prazo
de validade, entre outras coisas, isto acontece porque
a gestão de centenas de milhares de informações é
muito complicada, o que demanda o uso de software
especialista – nem sempre disponível no mercado – e de
regras de negócios muito bem defnidas e estabelecidas.

Como a AC Soluções iniciou suas atividades a partir do
uso de um sistema de CRM criado internamente, este
problemas acabou sendo evitado a partir do uso da
ferramenta eDeveloper (atualmente uniPaaS), da Magic
Software. Mais tarde, veio a necessidade de integração
entre sistemas de gestão e os processos de workfow.
Para esta fnalidade, a empresa optou pelo iBOLT, uma
ferramenta, também da Magic Software, que se posi-
ciona entre as líderes de seu mercado e que garante
a integração de sistemas e processos de negócios
em várias plataformas e banco de dados diferentes.

Segundo Renato Cristofoleti, coordenador da área de
TI da AC Soluções, o sucesso obtido com o desenvol-
vimento do CRM a partir da ferramenta uniPaaS, deu
Consulte pelo código FNF 44
Agosto de 2008 # 00 - Página 15
I
n
f
o
r
m
e

d
o

F
o
r
n
e
c
e
d
o
r

Abyara desenvolve projeto de TI Verde com solução de thin clients INIT
Economia no consumo de energia elétrica e na dissipação de calor no ambiente foi o resultado.
Consulte pelo código FNF 45
Todo o sistema de servidor é redundante apesar de não
ser missão crítica, e cada unidade tem seu servidor de-
dicado, proporcionando autonomia em relação à matriz.

A imobiliária, até agora, realizou investimentos su-
periores a R$ 400 mil, incluindo thin clients INIT,
servidores e softwares. Além disso, como resultado
direto da mudança de tecnologia, não precisou mu-
dar o gerador que estava com a capacidade esgotada
e, quando acontece alguma queda de energia, res-
ponde pelas necessidades da principal unidade da
Abyara, localizada na Avenida República do Líbano.

Padronizando a rede

Tudo começou a mudar no início de 2009, quando
a empresa resolveu substituir seu parque de PC
convencional e sem padrão, com link ponto a ponto,
com alto custo de propriedade devido, inclusive, a
falhas constantes, pela tecnologia thin clients INIT,
com servidor HP e Windows Server, mantendo os
PCs apenas nas áreas administrativas, que ne-
cessitam de maior capacidade de processamento.

As mudanças começaram pela unidade santista,
explica o CIO da Abyara, “aproveitando a mudança
de localização e se estendeu às demais unidades.
Além disso, nossos corretores pararam de ter re-
clamações sobre disponibilidade de equipamentos,
pois aumentamos em 25% o número de máquinas
disponíveis para eles. Além disso, como estão sem-
pre funcionando, ao contrário do sistema anterior,
eles não têm desculpa para não virem até a loja”.

O projeto foi desenvolvido e implementado pela Aviv
Solutions, em regime turnkey, incluindo cabeamento
estruturado, no-break, thin clients INIT, servidores,
licenciamento Microsoft e rede de telefonia.
Deu Certo - Informe do Fornecedor
C
erca de 500 thin clients, instalados em pouco mais
de um ano (do início de 2009 até julho de 2010),
levaram a Abyara a ampliar em 25% o número
de equipamentos disponíveis para os 1.500 corretores.

Resultado foi a economia signifcativa no consumo de
energia elétrica e na dissipação de calor no ambien-
te, tornando real o investimento da empresa em TI
Verde e, inclusive, evitando a substituição de gerador
que responde por uma das unidades da imobiliária.

A opção pelos thin clients da INIT, segundo Adriano
Aquino, CIO da Abyara, está fundamentada no consumo
de energia desses equipamentos, que é “10% do consu-
mo de um PC”, e ainda gera “economia de espaço e mais
conforto ao usuário, porque o ambiente fca mais limpo”.

A isso, Aquino soma a redução do calor dissipado
no ambiente, pois, “como o thin client INIT conta
apenas com um adaptador de corrente – dispen-
sando o uso de fonte de energia – reduz signifca-
tivamente a necessidade de ar condicionado. Um
PC, por exemplo, chega a 80ºC, enquanto os equi-
pamentos que implantamos não atingem os 20ºC”.

O CIO ainda alinha como benefícios dos thin clients
INIT em comparação aos sistemas convencionais,
“o fato de terem baixo custo de propriedade, não
quebrarem, pois não têm peças móveis nem HD, e
dispensarem manutenção e suporte”. Além disso,
segundo ele, esses equipamentos são de rápida im-
plementação – “gasta-se 5 minutos para confgurar a
conexão” – e possibilitam gerenciamento centralizado,
com consequente redução de custo de manutenção.

Ressaltando “a qualidade dos produtos INIT, a relação
custo-benefício e a rapidez no atendimento do suporte
do fabricante”, Aquino frisa a pouca incidência de manu-
tenção como diferencial importante: “Hoje, uma equipe
de suporte com 6 pessoas atende 5 lojas, quando antes
tínhamos 8 profssionais para atender apenas 3 lojas”.
Como exemplo, cita as duas unidades da República do
Líbano, onde quatro pessoas fazem help desk de cerca
de 400 hosts, entre thin clients e PCs. Relata, também,
os resultados da unidade Santo André, onde um analista
cuida de uma rede de 100 hosts, entre PCs e thin clients.

As quase 500 unidades de thin clients INIT estão distri-
buídas nas oito lojas da Abyara: duas na Avenida Repú-
blica do Líbano e as demais na Avenida Brasil e Borges
Lagoa, na capital paulista, e também nas cidades de
Santos, São José dos Campos, Santo André e Jundiaí.

Juntos, os thin clients INIT atendem ao redor de 1.500
corretores, que devido à própria atividade não têm po-
sição fxa nas lojas da Abyara. A estrutura atual de ser-
vidor atende em média 120 thin clients por cada frame.
F
e
v
e
r
e
i
r
o


/

M
a
r
ç
o

d
e

2
0
1
1

#

1
1

Por favor, apertem seus cintos!
Glenn Johnson (*)
Q
uem já tentou aprender a
escrever novas aplicações
de software pode avaliar
que a programação de computa-
dores exige uma habilidade es-
pecial. E qualquer um que tenha
prestado atenção à taxa de falha
de projetos de desenvolvimento
de novos softwares sabe que
a média do setor é alarmante.

As linguagens de programação
de computadores evoluíram tan-
to e tão rapidamente que eles
não são utilizáveis pela maioria.
Isso não é uma simples conjec-
tura. Dan Bricklin documentou o
fenômeno em seu artigo “Por que
Johnny não pode programar”, re-
latando que entre 30 a 60% dos
que iniciam um curso de progra-
mação de computadores falham
em seu primeiro curso. Então,
mesmo entre aqueles que dese-
jam aprender programação e a
escolheram como futura carreira
profssional, é muito difícil. Este
fracasso coletivo levou muitos
iniciantes a dizer “deve haver
uma maneira melhor.”

Mas, mesmo entre programado-
res profssionais especializados
em uma linguagem de progra-
mação, as falhas são comuns.
O Standish Group Chaos Report
divulgou que as taxas de sucesso
no desenvolvimento de software
são de apenas 34%.


É claro que eles usaram as me-
didas tradicionais de “prazo,
orçamento e especificações”
para medir o sucesso. Mesmo
quando os próprios progra-
madores estão autorizados a
defnir os critérios de sucesso,
quase 30% dos projetos de
software falham (ver Ambler).

Assim, mesmo programadores
de computador experientes mui-
tas vezes dizem “deveria existir
uma maneira melhor.”

A mais recente tentativa de su-
perar o desafo de formar novos
programadores e retreinar os já
existentes com ferramentas que
superam o dilema de usabilidade
da maioria das plataformas de
desenvolvimento de software é o
uniPaaS Jet. uniPaaS Jet é uma
ferramenta gratuita para desen-
volvimento e implantação de
aplicativos de software. A ideia é
simples: um desenvolvedor – um
usuário - distribuição ilimitada.

Em minha opinião, ele se desti-
na àqueles que procuram uma
maneira fácil para criar aplica-
ções simples. Resta saber se
ele atrai apenas novos progra-
madores da atual geração de
graduados na faculdade ou se
ele vai se tornar uma causa
célebre entre os codifcadores.

Um amigo meu recentemente
criou um vídeo no You Tube
chamado “And So You Code” e
ele colocou o dedo na ferida. A
última vez que verifquei, o vídeo
tinha mais de 500.000 exibições.
Fiquei espantado com a forma
como muitos programadores
odeiam a codifcação linha por
linha, consideram o trabalho
penoso, odeiam seus chefes e
querem um caminho melhor.

Há todos os tipos de defciências
na programação ou codifcação
de computadores tradicional. Por
exemplo, é sabido que um progra-
ma Java pode ser sintaticamente
correto, mas ainda não compila
devido a erros relacionados
com a semântica da linguagem.

E a Microsoft admite em seu pró-
prio website que “a maioria das
[artigo]
Agosto de 2008 # 00 - Página 16
Maio de 2009 # 04 - Página 14
linguagens não suporta a com-
patibilidade binária em tudo e
muitas fazem pouco para facilitar
a compatibilidade de origem. De
fato, algumas linguagens contêm
falhas que tornam impossível,
em geral, a evolução de uma
classe ao longo do tempo sem
quebrar pelo menos algum có-
digo do cliente”.

A meu ver, o uniPaaS Jet é uma
tentativa de passar por cima de
toda toda a confusão, frustração
e fracasso com a programação
de computadores e desenvolvi-
mento de software tradicional
e fornecer uma ferramenta su-
perior que pode ser usada com
metodologias de programação/
desenvolvimento ágil, interativa,
tradicional e outras.

O que isso signifca para usu-
ários de software ERP e outras
aplicações de negócio? Isso sig-
nifca que a criação de interfaces
simplifcadas com base nestes
aplicativos corporativos de re-
taguarda é muito mais fácil. Ao
quebrar a barreira da complexi-
dade, uma abordagem como uni-
PaaS Jet pode tornar acessíveis
as extensões e aprimoramentos
ao ERP, onde antes isso seria in-
controlável, complexo e sujeito a
falhas. Tenho certeza que vou ter
mais a dizer sobre isto no futuro.
Fique atento. Entretanto, “caros
passageiros do uniPaaS Jet, por
favor, apertem os cintos. Vocês
estão prestes a experimentar um
novo nível de poder e facilidade
de uso no desenvolvimento de
software”.

(*) Vice-presidente senior da Magic
Software Americas.
Fevereiro / Março de 2011 # 11 - Página 14
Agosto de 2008 # 00 - Página 17
Pequenos desenvolvedores de aplicações ganham versão
gratuita do uniPaaS
Poderão ser criadas aplicações de negócios em várias arquiteturas, desde software
como serviço, RIA, mobilidade e on premise
[carreira ]
Fevereiro / Março de 2011 # 11 - Página 15
Com o crescimento da procura
por profssionais capacitados e a
constante necessidade de atua-
lização técnica, os cursos de ca-
pacitação ganham cada vez mais
espaço no mercado brasileiro.
Entre os centros de transferência
de tecnologia, a ENG DTP & Multi-
mídia vem se destacando como o
principal centro de treinamento e
certifcação nas tecnologias Ado-
be, Corel, Autodesk e Android.
O principal destaque da empresa
nos últimos anos é a sua grade
de cursos introdutórios gratuitos,
que já benefciou mais de 5 mil
pessoas em três anos de existên-
cia. No ano passado, 2202 alu-
nos participaram dos cursos gra-
tuitos, um crescimento de 30%
em relação ao ano anterior.
Álvaro Venegas, diretor da ENG,
conta que a grande aceitação
desta modalidade de capacitação
superou as expectativas iniciais e
lembra que houve um curso de
web design gratuito que teve que
ser realizado em duas etapas:
“Foram mais de 200 pessoas ins-
critas e o auditório comportava
somente a metade disso, mas
conseguimos resolver a situa-
ção”, destaca.
Cursos gratuitos da ENG benefciam mais de 5 mil pessoas
O executivo conta também que
muitos profssionais buscam en-
contrar nestes cursos algo que
ainda não foi comentado nos
cursos já realizados por eles ou
fazem da atividade um meio para
a troca de idéias com os instru-
tores e até mesmo com mui-
tos dos colegas participantes.

“Acreditamos que a dedicação
aos estudos é fundamental e esta
convivência com as pessoas é
que pode fazer a diferença. Nin-
guém pode viver como se fosse
uma ilha quando o assunto é a
aquisição do conhecimento”, res-
salta Venegas.
O
s profssionais de TI interes-
sados em iniciar uma nova
carreira desenvolvendo apli-
cações de negócios acabam de rece-
ber um apoio de peso: a Magic Sof-
tware liberou uma versão gratuita do
uniPaaS, plataforma de desenvolvi-
mento de aplicações de negócios em
várias arquiteturas, desde software
como serviço, Rich Internet Applica-
tions, aplicações móveis e aplicações
instaladas localmente baseadas em
cliente/servidor.

Com o uniPaaS Jet é possível criar
qualquer tipo de sistema, seja ele
um sistema de gestão simplifcado
ou até mesmo um ERP para micro-
empresas. A proposta do uniPaaS
Jet é a entrega de sistemas mono-
usuários. A versão mantém as mes-
mas vantagens da versão comer-
cial em diversos aspectos e permite
criar qualquer tipo de aplicação em
um tempo signifcativamente me-
nor. Para isso, ela possui um ino-
vador modelo de desenvolvimento
baseado em metadados, que elimi-
na a necessidade do uso de códi-
gos, além de permitir que as apli-
cações criadas possam ser rodadas
em sistemas operacionais diversos:
Windows, Linux, Unix, IBM iSeries.
O UniPaaS Jet inclui uma coletânea
de tutoriais em vídeo, aplicações
exemplos, um livro digital de mil
páginas (uniPaaS Mastering), um
portal dedicado aos desenvolvedores
(http://devnet.magicsoftware.com),
que apresenta recursos adicionais
oferecido pela própria Magic Softwa-
re e por membros da comunidade
global de desenvolvimento uniPaaS.
Também faz parte do projeto a Magic
Software University, que oferece trei-
namento estruturado e avançado.


As cópias de execução das licen-
ças uniPaaS Jet podem ser distri-
buídas livremente, em qualquer nú-
mero de locais, desde que em cada
local a aplicação seja utilizada por
um único usuário. Para implantar
aplicativos para múltiplos usuários,
os desenvolvedores devem contatar
a Magic Software para adquirir a ver-
são comercial do uniPaaS, sem que
ocorra perda do investimento reali-
zado durante o desenvolvimento da
solução com a versão gratuita.
Agosto de 2008 # 00 - Página 18 Fevereiro / Março de 2011 # 11- Página 16
Agosto de 2008 # 00 - Página 19
[curtas]
w w w . e n g . c o m . b r
WEB DESI GN
WEB DEVELOPMENT
DESI GN GRÁFI CO
VÍ DEO DI GI TAL
E- LEARNI NG
Tecnol ogi a FLEX
Tecnol ogi a FLASH
Treinamentos, consultoria,
certificações e
licenciamento de Software
PROJE TO
Aut odesk REVI T
Aut odesk I nvent or
Aut oCAD
ANI MAÇÃO 3D
3ds MAX
Maya
Criação de famílias de fontes
G
a
n
h
e

b
r
i
n
d
e
s

e
m

w
w
w
.
e
n
g
.
c
o
m
.
b
r

/

b
r
i
n
d
e
s
www. eng. com. br
O objetivo da Magic Software Brasil
com a nova função é consolidar as
tecnologias uniPaaS e iBOLT nas co-
munidades de provedores e de de-
senvolvedores no Brasil e América do
Sul.
O novo cargo segue uma tendên-
cia mundial entre os principais pro-
vedores de tecnologia, que reúnem
milhares de seguidores em diver-
sos segmentos da indústria e que
buscam uma referência para tro-
ca de experiência e busca de in-
formações sobre as tecnologias.
Crescente entre as carreiras de TI, o
evangelista é o profssional orienta-
do a difundir o conhecimento de seus
produtos a partir de interação com
Manoel Frederico é o Magic Evangelist
A Corel, por intermédio de uma parceria com a ENG DTP & Multimídia, ofe-
recerá, aos universitários de instituições conveniadas à ENG, licenças de Co-
relDRAW X5 por R$ 150,00. O preço de lista do software é R$ 1.500,00. Ao
todo, serão benefciados mais de 320 mil alunos. Estudantes de universida-
des não conveniadas poderão comprar o programa por R$ 499. Veja lista das
conveniadas em http://bit.ly/hop112
A mais recente universidade a aderir ao convênio com a COREL/ENG DTP &
Multimídia é a Anhanguera, com mais de 180 mil alunos. O convênio também
contempla professores com licenças de CorelDraw X5 e treinamento nesta
última versão do software mais usado no Brasil, para design gráfco.
As instituições de ensino podem aderir ao convênio ENG DTP & Multimídia e
Corel pelo e-mail: eng@eng.com.br ou pelos telefones 11-3816-3000, 41-
3287-3000 ou 61-3224-3000
CorelDRAW com até 90% de desconto
A Insigne lançou no mercado corporativo uma tecnologia que combina har-
dware e software (appliance) que aumenta produtividade e evita uso indevi-
do dos recursos de TI e o desvio das informações de negócios.

Além de bloquear o acesso dos funcionários a sites de vídeo, sexo, redes
sociais, e-mail e webmail pessoal, por exemplo, O Insigne Security possibi-
lita acompanhar o comportamento dos recursos das estações de trabalho,
servidores, recursos da banda, impressoras, dispositivos móveis (notebook e
celulares) e periféricos (USB, leitores de mídia etc). Para isso, necessitam de
ferramenta tecnológica avançada.

Também garante a adoção de políticas de segurança para o controle e moni-
toramento das aplicações e dispositivos em funcionamento ou que apresen-
tam alterações em sua utilização fora da política de segurança da empresa. O
produto é o mais novo integrante das soluções oferecidas pela empresa, que
possui mais de 11 anos de atuação no mercado nacional de TI.

O produto é uma solução modular e oferece uma ampla gama de funcionali-
dades que permite a auditoria, monitoramento e estatísticas essenciais para
avaliação dos ativos da rede corporativa e possibilita avaliar o comporta-
mento da produtividade das aplicações, hardware e usuários, tanto na rede
interna quanto na rede mundial de computadores.
Tecnologia para controle de acesso à Web
vários meios de relacionamento com
os usuários. Geralmente o evange-
lizador tem a função de participar
de fóruns, redes sociais, além de
proferir palestras e ministrar cursos
visando expandir as tecnologias da
sua companhia.
Agosto de 2008 # 00 - Página 20
Liderando para um novo mundo de identificação
Documento de
alta segurança
A emissão de um documento de identificação pessoal não é um processo simples. Com
experiência de longo tempo e a especialização necessária, a G&D possui o que é preciso
para produzir documentos altamente seguros:
º L|de|auca er ¦ecuo|ou|a de |ro|essao de cedu|as e docureu¦os de seuu|auca
º /uos de e·oe||euc|a deseu.o|.eudo ca|¦oes |u¦e||ueu¦es
º '|s¦eras ooe|ac|oua|s de ca|¦oes |u¦e||ueu¦es seuu|os e ¦e·|.e|s.
'orados a ¦ecuo|ou|a o¦e|ec|da oe|o c||o r|c|o·o|ocessado, os |ecu|sos .|sua|s de seuu|auca
¦arber ¦er seu oaoe|. /o o|oje¦a| ca|¦oes de |deu¦|¦cacao, a C80 oode |eco||e| a seus
ru|¦os auos de e·oe||euc|a uo deseu.o|.|reu¦o e |u¦eu|acao de |ecu|sos de seuu|auca.
Dependendo do conceito por trás do cartão de identificação, a G&D pode empregar os
seuu|u¦es e|ereu¦os. ¦uudo de seuu|auca cor uu|||oc|es e r|c|o ¦e·¦os, ¦|u¦as |u.|s|.e|s,
¦|u¦as oo¦|careu¦e .a||a.e|s, |raueus er |e|e.o, deu¦|e ou¦|os.
/ u|a.acao a |ase| dos dados .a||a.e|s e a¦ua|reu¦e cous|de|ada a ¦o|ra ra|s seuu|a de
oe|soua||.a| docureu¦os, ura .e. uue a |u¦o|racao e 'uue|rada' uas ru|¦|o|as caradas
do ca|¦ao. / ¦o¦o do oo|¦ado| e ao||cada oo| |ase| e, oo|¦au¦o, ros¦|a de¦a||es a|¦areu¦e
e·a¦os e o|oo|c|a a |es|s¦euc|a ra·|ra a ¦a|s|¦cacao.
Recursos de segurança do cartão de identificação da G&D
+55 11 5105 6101
GD Burti S/A
Tel: +55 11 5105 6100
Fax:
www.gdburti.com.br
www.gi-de.com