You are on page 1of 75
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI “Plínio

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

Escola de Educação Profissional SENAI “Plínio Gilbe rto Kröeff”

MECÂNICA TÉCNICA Professor: Dilmar Cordenonsi Martins Curso: Mecânica de Precisão
MECÂNICA TÉCNICA
Professor: Dilmar Cordenonsi Martins
Curso: Mecânica de Precisão

São Leopoldo

2009

1

SUMÁRIO

1CÁLCULO APLICADO

03

1.1 UNIDADES DE MEDIDAS

03

 

1.2 SISTEMAS DE UNIDADES

04

1.3 NOTAÇÃO CIENTÍFICA

06

 

1.4 PREFIXOS SI

07

 

1.5 TEOREMA DE PITÁGORAS

07

 

1.6 TRIGONOMETRIA

09

1.7 REGRA DE TRÊS

11

1.7.1 Regra de Três Direta

11

1.7.2 Regra de Três

12

1.8 SISTEMA DE EQUAÇÕES

14

1.8.1 Método da Adição

14

1.8.2 Método da Substituição

16

1.9 ÁREA DE SUPERFÍCIES PLANAS

18

 

1.10 VOLUME

20

 

2 VETORES

27

2.1 GRANDEZAS FÍSICAS

27

 

2.2 CONCEITO DE VETOR

27

 

2.3 VETORES IGUAIS E VETORES OPOSTOS

28

2.4 ADIÇÃO DE VETORES

28

 

2.4.1 Método do Paralelogramo

28

2.4.2 Método do Polígono

30

2.4.3 Casos particulares da adição de vetores

30

 

2.5 PROJEÇÃO DE UM VETOR NUM EIXO

32

2.6 COMPONENTES DE UM VETOR

33

2.7 ADIÇÃO DE VETORES PELO MÉTODO DAS PROJEÇÕES

34

 

3 INTRODUÇÃO À CINEMÁTICA

40

3.1 VELOCIDADE MÉDIA ( v m )

40

 

3.2 ACELERAÇÃO MÉDIA ( a m )

41

4LEIS DE NEWTON

43

 

4.1 INÉRCIA

43

 

2

4.2 PRIMEIRA LEI DE NEWTON OU PRINCÍPIO DA INÉRCIA

44

 

4.3 SEGUNDA LEI DE NEWTON OU PRINCÍIPIO FUNDAMENTAL

45

4.4 TERCEIRA LEI DE NEWTON - PRINCÍPIO DA AÇÃO E REAÇÃO

47

5 FORÇA DE ATRITO

49

5.1 FORÇA DE ATRITO ESTÁTICO

50

 

5.2 FORÇA DE ATRITO DINÂMICO

51

5.3 INFLUÊNCIA DA RESISTÊNCIA DO AR

52

6 PLANO INCLINADO

54

7 EQUILÍBRIO DE UM PONTO MATERIAL

57

8 MOMENTO DE UMA FORÇA OU TORQUE

60

 

8.1CONCEITO

60

8.2 CONVENÇÃO DE SINAIS DO MOMENTO

61

8.3 BINÁRIO

63

9 VÍNCULOS

67

 

9.1 CLASSIFICAÇÃO DOS VÍNCULOS

67

 

9.2 EFICÁCIA VINCULAR

68

 

9.3 CLASSIFICAÇÃO ESTRUTURAL

69

 

10 EQUILÍBRIO DE UM CORPO EXTENSO

71

 

10.1 CONDIÇÕES DE EQUILÍBRIO

71

 

10.2 CÁLCULO DE REAÇÕES EM ESTRUTURAS ISOSTÁTICA

POR APLICAÇÃO DAS EQUAÇÕES DE EQUILÍBRIO DA MECÂNICA

71

REFERÊNCIAS

76

3

1 CÁLCULO APLICADO 1.1 UNIDADES DE MEDIDAS Medir uma grandeza física significa compará-la com outra
1
CÁLCULO APLICADO
1.1
UNIDADES DE MEDIDAS
Medir uma grandeza física significa compará-la com outra grandeza de mesma
espécie, tomada como padrão. Este padrão é a unidad e de medida.
Unidades de comprimento
Nome quilômetro hectômetro decâmetro metro decímetro centímetro milímetro Símbolo km hm dam
Nome
quilômetro
hectômetro
decâmetro
metro
decímetro
centímetro
milímetro
Símbolo
km
hm
dam
m
dm
cm
mm
Unidades de Área
Nome
quilômetro
hectômetro
decâmetro
metro
decímetro
centímetro
milímetro
quadrado
quadrado
quadrado
quadrado
quadrado
quadrado
quadrado
Símbolo
km²
hm²
dam²
dm²
cm²
mm²
Unidades de Volume

Nome

quilômetro

hectômetro

decâmetro

metro

decímetro

centímetro

milímetro

cúbico

cúbico

cúbico

cúbico

cúbico

cúbico

cúbico

Símbolo

km³

hm³

dam³

 

dm³

cm³

 

mm³

 

Nome

quilolitro

hectolitro

decalitro

litro

decilitro

centilitro

mililitro

Símbolo

kl

hl

dal

l

dl

 

cl

 

ml

 

4

Unidades de Massa

Nome quilograma hectograma decagrama grama decigrama centigrama miligrama Símbolo kg hg dag g
Nome
quilograma
hectograma
decagrama
grama
decigrama
centigrama miligrama
Símbolo
kg
hg
dag
g
dg
cg
mg
1.2
SISTEMAS DE UNIDADES
Sistema Internacional de Unidades

No Brasil, o sistema de unidades adotado oficialmen te é o Sistema Internacional (SI).

De acordo com o SI, sete unidades fundamentais, conforme o quadro abaixo.

UNIDADES FUNDAMENTAIS DO SI

 

GRANDEZA

NOME

SÍMBOLO

comprimento

metro

m

massa

quilograma

kg

tempo

segundo

s

intensidade de corrente elétrica

ampère

A

temperatura termodinâmica

kelvin

K

quantidade de matéria

mol

mol

intensidade luminosa

candela

cd

A partir das unidades fundamentais, derivam-se as u nidades de outras grandezas, que

recebem, então, a denominação de unidades derivadas.

No estudo da Mecânica, adota-se um subconjunto do SI conhecido como sistema

MKS.
MKS.

5

 

SISTEMA MKS

 

comprimento

massa

 

S

 

M

K

 

m

(metro)

kg (quilograma)

s

Sistema CGS Na Mecânica também é utilizado o sistema CGS.
Sistema CGS
Na Mecânica também é utilizado o sistema CGS.
 

SISTEMA CGS

 

comprimento

massa

 

S

 

C

 

G

cm

(centímetro)

g

(grama)

s

EXERCÍCIOS - CONVERSÃO UNIDADES DE MEDIDAS 1) Converter: a) 6,316 m cm b) 56 dm
EXERCÍCIOS - CONVERSÃO UNIDADES DE MEDIDAS
1) Converter:
a) 6,316 m
cm
b) 56 dm
hm
c) 45 000 000 mm²
m² d) 8,91 5 dam²
dm²
e)
1538,7 cm³
dm³ f) 6 d am³
g)
832000 mm³
ml h) 7510 0 cl
i) 6,43 kg
g j) 3817,3 dg
dag
2) Converter para o Sistema Internacional de Unidad
es (SI) as unidades abaixo:
a)
2,37 cm
b ) 8 000 dm²
c)
82 dam³
d ) 34781,6 dg

6

3) Utilizando os fatores de conversão das tabelas, converter:

a) 50 in em cm b) 25 cm em in c) 75 kg em onça
a) 50 in em cm
b) 25 cm em in
c) 75 kg em onça
d) 240 lb em kg
e) 40 kgf em N
f) 6 atm e m N/m²
1.3
NOTAÇÃO CIENTÍFICA
Uma maneira prática de escrevermos números com gran de quantidade de zeros é a
notação científica, na qual se utilizam as potência de dez .Qualquer número real pode ser
escrito como o produto de um número, cujo módulo está entre 1 e 10 (incluindo o 1), por
outro, que é uma potência de dez com expoente inteiro (10 x ).
Notação Científica ( 1 ≤ N < 10 ). 10 x
N
= número compreendido entre 1 e 10

x = expoente inteiro

Exemplos:

caso : O número maior que 1

35 000 000 = 3,5.10 7

O expoente do dez indica o número de vezes que deve mos deslocar para a direita a vírgula.

caso : O número é menor que 1

0,000469 = 4,69. 10 -4

O expoente negativo do dez indica o número de veze s que devemos deslocar a vírgula para a

esquerda. EXERCÍCIOS
esquerda.
EXERCÍCIOS

Coloque os números seguintes em forma de notação científica.

1) 358 000 2) 0,001 5 3) 0,000000095 7

-2

-2

4) 8 341 000 000 5) 141.10 3 6) 0,0064.10

7) 8752,4 9) 265, 7. 10 5 10) 45000.10

7

cateto b

1.4 PREFIXOS SI

Nome

Símbolo

Fator de Multiplicação

exa

E

 

10

18

peta

P

 

10

15

tera

T

 

10

12

giga

G

 

10

9

mega

M

 

10

6

quilo

k

 

10

3

hecto

h

 

10

2

deca

da

 

10

deci

d

 

10

-1

centi

c

10

-2

mili

m

 

10

-3

micro

µ

 

10

-6

nano

n

 

10

-9

pico

p

 

10

-12

femto

f

10

-15

atto

a

 

10

-18

TEOREMA DE PITÁGORAS

a   10 - 1 8 TEOREMA DE PITÁGORAS Essa relação vale para todos os

Essa relação vale para todos os triângulos retângulos.

vale para todos os triângulos retângulos. O quadrado da hipotenusa é igual a

O quadrado da hipotenusa é igual a soma do quadrado dos catetos.

hipotenusa a

ca teto c

8

Hipotenusa : lado maior do triângulo retângulo

a 2 = b 2 + c 2
a 2 = b 2 + c 2
EXERCÍCIOS
EXERCÍCIOS

1) A diagonal "d" de um retângulo cujos lados medem 16 cm e 12 cm é: a) 17 cm b) 18 cm

c) 19cm d) 20 cm e) 21 cm

16 cm

cm c) 19cm d) 20 cm e) 21 cm 16 cm d 12 cm   2)

d

12

cm

 

2)

O valor de x do triângulo abaixo é igual a:

a) 3

3

3

b) c) 4 d) 5 5 3 cm 10 cm

b) c) 4

d) 5 5 3 cm 10 cm

b) c) 4 d) 5 5 3 cm 10 cm
.

.

3) Uma torre vertical é presa por cabos de aço fix os no chão, em um terreno plano

horizontal, conforme mostra a figura. Se A está a 15 m da base B da torre e C está a 20 m de

x

altura, o comprimento do cabo AC é:

a) 15 m

b) 20 m c) 25 m d) 35 m

C
C

e) 40 m

A B

9

1.6 TRIGONOMETRIA

C a

α
α

c

A b B

Hipotenusa lado maior do triângulo retângulo = a

Cateto adjacente ao ângulo α: lado que forma o ângulo α juntamente com a hipotenusa = b

Cateto oposto ao ângulo α = c

Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo

SENO DE UM ÂNGULO

cateto oposto = a hipotenusa

c

sen  = sen α =

sen  = seno do ângulo  ou

sen α = seno do ângulo α

CO-SENO DE UM ÂNGULO

cateto adjacente

b

= a

cos  = cos α = hipotenusa

10

TANGENTE DE UM ÂNGULO

tg  = tg α = cateto oposto = b c cateto adjacente EXERCÍCIOS 1)
tg  = tg α =
cateto
oposto
= b
c
cateto
adjacente
EXERCÍCIOS
1) Determine o valor de X dos triângulos retângulos abaixo.
a) b) 53º 20 cm X X 30º 2) Um fio vai ser esticado do
a)
b)
53º
20 cm
X
X
30º
2) Um fio vai ser esticado do topo de um prédio até um ponto no chão, conforme indica a
12
cm

figura. Considerando sen 37º = 0,6 ; cos 37º = 0,8 e tg 37º = 0,75, determine o comprimento

do fio.

37º
37º

42 m

11

3) Qual é a altura da igreja, sabendo-se que a dis tância do ponto A até o ponto B é 100 m.

B 37º
B
37º

A 4) No triângulo retângulo abaixo, é verdadeira a igualdade:

s

a) sen α = t

t

r . α
r
.
α

t

b) sen α = r

s

c) cos α =

r

s

t

d) cos α = r

s

e) tg α = r

1.7 REGRA DE TRÊS 1.7.1 Regra de Três Direta Exemplo: Em 12 m 2 de
1.7
REGRA DE TRÊS
1.7.1
Regra de Três Direta
Exemplo:
Em 12 m 2 de parede foram utilizados 540 tijolos. Quantos tijolos serão necessários
para construir 20 m 2 de parede ?
Relação: mais m 2 de parede mais tijolos - Relação MAIS - MAIS

12

A relação Mais-Mais ou Menos-Menos caracteriza a regra de três direta. Na regra

de três direta multiplicamos cruzado.

12

m 2 540 tijolos

m 2 540 tijolos m 2 X

m 2 X

20

X . 12 = 20 . 540 X . 12 = 10800

 

X =

900 tijol.os.

1.7.2

Regra de Três

Inversa

X =

10800

12

Exemplo: Uma casa é construída por 20 pedreiros em 30 dias. Em quantos dias será

construída a mesma casa se o número de pedreiros au mentar para 50?

Relação: mais operários menos dias

A relação Mais - Menos ou Menos Mais caracteriza a regra de três inversa.

Na regra de três inversa multiplicamos lada a lado .

20

operários

30 dias

50

operários

X

50 . X = 20 . 30 50X = 600 X = 600 X = 12 dias

50

EXERCÍCIOS 1) Uma máquina produz 100 peças em 5 horas. Quantas peças produz em 2
EXERCÍCIOS
1) Uma máquina produz 100 peças em 5 horas. Quantas peças
produz em 2 horas?
2) Uma ponte é feita em 120 dias por 16 trabalhadores. Se o número de trabalhadores for
reduzido para 10, qual o número de dias necessári os para a construção da mesma ponte ?
3) Duas polias, ligadas por uma correia, têm raios 20 cm e 50 cm. Supondo que a polia
maior efetua 100 rpm, qual a rotação da polia meno r ?

13

1.8 SISTEMA DE EQUAÇÕES

1.8.1 Método da Adição Elimina-se uma das incógnitas somando algebricamente a equação de cima com
1.8.1 Método da Adição
Elimina-se uma das incógnitas somando algebricamente a equação de cima com a
equação de baixo.
Exemplo 1
- 3X + Y = 14
4X – Y = 8

Adicionando as equações membro a membro, temos: - 3X + Y = 14 4X Y = 8

X + 0Y = 22

Achando X, podemos determinar o valor de Y na ou na equação.

-3X + Y = 14 X = 22 - 3. (22) + Y = 14 - 66 + Y = 14 Y = 14 + 66 Y = 80

Exemplo 2

X = 22
X
= 22
14 + 66 → Y = 80 Exemplo 2 X = 22 4X + 3Y =
14 + 66 → Y = 80 Exemplo 2 X = 22 4X + 3Y =

4X + 3Y = 6 2X + 5Y = -4

Nesse exemplo não adianta somar as equações, pois nem

Devemos preparar o sistema de modo que os coeficien tes de uma das incógnitas

X nem Y serão cancelados.

fiquem simétricos, por

podemos multiplicar a

exemplo X. Para

2 ª equação por (-2) .

conseguir que os coeficientes fiquem simétricos,

Obs. :

Uma igualdade não se altera quando multiplicamos to dos os seus temos

pelo mesmo número

não se altera quando multiplicamos to dos os seus temos pelo mesmo número

14

4X + 3Y = 6

2X + 5Y =

4X + 3Y = 6 -4X - 10Y= +8 Somando-se as equações, encontramos:

-4 multiplican do todos os termos da equação por (-2), temos:

14

7

da equação por (-2), temos: − 14 7 - 7 Y = 14 → - 14

- 7 Y = 14 - 14 = 7Y

Substituindo-se o valor de Y na equação, tem-se:

4X + 3(-2) = 6 4X 6 = 6 4X = 6+ 6 4X = 12 X = 4

= Y Y = -2

12

12 → X = 4 = Y → Y = -2 12 X = 3 Exemplo

X = 3

Exemplo 3
Exemplo 3

2a + 4b = 9

3a - 5b = 7

Para ajustar as equações para que uma das incógnita se anule podemos multiplicar a

equação por -3 e a equação por 2.

2a + 4b = 9 x (-3)

3a - 5b = 7 x (2)

- 6a - 12b = -27 6a - 10b = 14

0a - 22b = - 13

13 = 22b

13 b = 22
13
b =
22

13

52

52

2a + 4b = 9 2a + 4( 22 ) = 9 2a + 22 = 9 2a = 9 - 22

15

73

2a = 11 73 a = 2

11

15 73 2a = 11 7 3 → a = 2 11 → a = 22

a = 22 73

1.8.2 Método da Substituição

X + Y = 11 2X 4Y = 10

Escolhemos uma das equações, a equação, por exem plo, e isolamos uma das incógnitas.

X + Y = 11 X = 11 - Y

Tomamos a outra equação do sistema (2ª equação) e substituindo X pela expressão que

obtivemos anteriormente, temos:

2X 4Y = 10

2 ( 11

12 = 6Y

Substituindo-se Y pelo seu valor na equação X = 11 Y , encontramos:

X = 11 Y X = 11 2 X = 9

Y → X = 11 – 2 → X = 9 Y ) – 4Y =

Y ) 4Y = 10 22 2Y 4Y = 10 22 6Y = 10 22 10 = 6Y

12

6

= Y

4Y = 10 → 22 – 6Y = 10 → 22 – 10 = 6Y 12

Y = 2

4Y = 10 → 22 – 6Y = 10 → 22 – 10 = 6Y 12

16

EXERCÍCIOS Resolva os sistemas seguintes pelo método que achar mais conveniente. 1. - X +
EXERCÍCIOS
Resolva os sistemas seguintes pelo método que achar mais conveniente.
1.
- X + 4Y = 3
6X – 2Y = 26

2.

3a + 6b = -15

2a + b = -4

2X + 3Y = 3. 14 3X + 2Y = 11
2X + 3Y =
3.
14
3X + 2Y = 11

17

1.9

ÁREA DE SUPERFÍCIES PLANAS

A = a.b A = a 2 a.h A= 2 A = a.h ( B
A = a.b
A
= a 2
a.h
A= 2
A =
a.h
( B +
b ).h
D.d
A =
A = 2
2
α
em graus
α em radianos
2
2
α π R
.
.
α R
.
A = π.R 2
A =
A =
360
2
α em radianos
2
A = π.(R 2 – r 2 )
R
A =
.(
α
senα
)
2

18

EXERCÍCIOS 1) Na figura AB = 2,0 cm; CF = 8,0 cm; DE = 5,0
EXERCÍCIOS
1) Na figura AB = 2,0 cm; CF = 8,0 cm; DE = 5,0 cm; AF = 3,0 cm e FE = 3 cm.
Determine a área do polígono ABCDE, em cm 2 .
C

B

a área do polígono ABCDE, em cm 2 . C B D A 2) Um terreno

D

A

2) Um terreno tem a forma e as dimensões especificada s na figura abaixo. A área desse

F E

terreno é:

a) 1200 m² b) 1000 m² c) 600 m² d) 500 m² e) 360 m²
a) 1200 m²
b) 1000 m²
c) 600 m²
d) 500 m²
e) 360 m²
24 m
3) Calcule a área das superfícies planas pintadas abaixo.
Raio r = 10 cm
18 cm
A)
B)
r
30 cm
10 cm
20 m
30 m

34 cm

42 cm
42 cm

19

1.10

VOLUME

a c a a a b V = a.b.c V = a 3 r d
a
c
a
a
a
b
V
= a.b.c
V = a 3
r
d
3
π d
.
V
= π. r 2 . h
V= 6
r
r
r
2
π r
.
.
V=
h
3
π
. h
2
2
V =
.(
R
+
r
+
R r
.
)
3
A
b
A
B
A b
h
1
V=
.(
A
+
A
+
A
.
A
)
V = 3
.
A b . h
B
b
B
b
3
h
h
h
h
h
b A B A b h 1 V= .( A + A + A . A

20

1) Quantos litros de água cabem num reservatório q ue tem a forma de um bloco retangular

com dimensões de 3 m x 1,5 m x 1,2 m.

de 3 m x 1,5 m x 1,2 m. 1,5 m 1,2 m 3 m 2)

1,5 m

1,2 m

3 m

2) O cilindro representado na figura tem raio de 3 m e altura igual a 4m. Determine o seu volume.

igual a 4m. Determine o seu volume. 3) Um cubo X tem 2 m de aresta

3) Um cubo X tem 2 m de aresta e um cubo Y tem 1 m de aresta. Então, o volume do cubo

a
a

a) duas vezes o volume de Y b) três vezes o volume de Y a c) quatro vezes o volume de Y

a

d) seis vezes o volume de Y e) oito vezes o volume de Y

21

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

1) Efetue as conversões:

 

a)

12,781 m =

cm

b) 2595,4 dm 2 =

dam 2

 

m

2 d) 57000 mm 3 =

cm 3

e)

28 cm³ =

cl f) 135,1 mg =

g

g) 15 in =

cm

h) 40 lb =

kg

i) 40 kgf =

N

j) 6 atm =

Pa

2) Converter para o Sistema Internacional de Unidades (SI) as unidades abaixo: a) 1,947 hm
2) Converter para o Sistema Internacional de Unidades (SI) as unidades abaixo:
a)
1,947 hm
b) 527 000
litros
c)
76500 cm 2
d) 2456,9 dg
3)
Escreva os números abaixo na forma de notação c ientífica
a) 0,0058
b) 65 000 000
4)
De acordo com os dados da figura, determine a m edida do segmento Y.
80 cm
60 c m
.
Y
5)
Qual é o valor da medida
X
no triângulos abaixo.

30 cm

X X 53º

30º

15 cm

Y 5) Qual é o valor da medida X no triângulos abaixo. 30 cm X X

Y 5) Qual é o valor da medida X no triângulos abaixo. 30 cm X X

a)

b)

22

6)

Uma pessoa está distante 60 m da base de