PAULINHO DA VIOLA

André Diniz e Juliana Lins

SUPLEMENTO DIDÁTICO
Elaborado por Maria Clara Wasserman, mestre em História, professora do ensino fundamental e médio e pesquisadora de música brasileira.

Professor Neste suplemento você encontrará sugestões de projeto pedagógico para desenvolver no ensino fundamental com turmas de 1a a 4a série (ou 1o e 2o ciclos) e turmas de 5a a 8a série (ou 3o e 4o ciclos). Com essa divisão buscamos criar projetos adequados para cada fase do desenvolvimento do aluno. Tomando como referência o livro estudado, organizamos um plano de atividades para os quatro ciclos: — antes da leitura sugerimos um trabalho de sensibilização sobre o tema central, em que a classe se organiza em equipes para pesquisa e produção de material; — durante a leitura, feita com a mediação do professor, propõe-se o levantamento e a análise de questões sobre o tema; — depois da leitura, o professor pode avaliar a absorção do conhecimento por meio de trabalhos em múltiplas linguagens (dramatizações, fóruns, textos, painéis). Para as atividades deste suplemento tomamos como ponto de partida, além do livro estudado, os Parâmetros Curriculares Nacionais, que possibilitam ao educador atuar como mediador na produção do conhecimento. Os PCNs de História, Geografia e Arte, de modo geral, têm como objetivo levar o aluno a conhecer e respeitar o modo de vida de grupos sociais diversos em suas atividades culturais, econômicas, políticas e sociais, identificando semelhanças e diferenças entre eles. Outro ponto não menos importante é fazer o educando reconhecer mudanças e permanências nas sociedades humanas, presentes na sua e nas demais comunidades. A área de Arte é um campo privilegiado para o tratamento dos temas transversais, uma vez que as manifestações artísticas são exemplos vivos da diversidade cultural e expressam a riqueza criadora dos povos de todos os tempos e lugares. Em contato com tais produções, o aluno pode exercitar suas capacidades cognitivas, sensitivas, afetivas e imaginativas, organizadas em torno da aprendizagem. E, no campo da música popular, nosso objeto de estudo, ele é levado a desenvolver a sensibilidade e a consciência estéticocrítica por meio da percepção de elementos da linguagem musical. Fica a critério do professor aproveitar as atividades para outros projetos, adaptando-as ao perfil de cada turma.

qual o léxico e a sintaxe predominantes. Radamés Gnattali. Ismael Silva e muitos outros músicos que formaram a bagagem musical do jovem compositor. Historicamente. Gilberto Gil e Elis Regina. História & Música — história cultural da música popular. paródia etc. professor. Opinião. sugerimos ao professor o roteiro a seguir. Paulinho recebeu as bases do choro. como falsete ou vibrato. 2. A música popular é hoje matéria presente em várias disciplinas. Garoto. que imagens poéticas foram usadas. os quais resgataram a tradição do samba na música brasileira: os espetáculos Rosa de Ouro. Parâmetros poéticos ◗ Identificar o tema geral da canção. Convidamos você. com Nara Leão. Belo Horizonte: Autêntica. levando-se em conta a intensidade (volume). Parâmetros musicais ◗ Melodia: pontos de tensão/repouso melódico. da seresta e do samba. ◗ Andamento: rápido ou lento. ◗ Identificar a possível ocorrência de intertextualidade musical (citação de outras músicas). Além da história de Paulinho da Viola. há sempre algo mais. ◗ Gênero musical (geralmente confundido com estilo ou ritmo): samba. ROTEIRO PARA ANÁLISE DE UMA CANÇÃO 1. Seu disco instrumental Memórias chorando é considerado um dos melhores discos de choro de todos os tempos e também o preferido dele próprio. ◗ Arranjo: instrumentos predominantes e sua função no clima geral da canção. metonímia. participando de temas transversais e possibilitando desenvolvimento de projetos interdisciplinares. Para facilitar a análise da canção popular com os alunos. Na sua formação. pelo ressurgimento do choro carioca. a tessitura atingida (graves/agudos) e a ocorrência de ornamentos vocais. nomes como Chico Buarque. na década seguinte. ◗ Identificar os tipos de rima e as formas poéticas. ◗ Observar se foram utilizados recursos como alegoria. além do próprio Paulinho. a partilhar a história do artista com seus alunos e entrar nesse universo de grandes possibilidades musicais. participou dos grandes acontecimentos musicais da década de 1960. metáfora. Caetano Veloso.) 2 . Marcos. que revelaram para o grande público. Experimentá-la é reconhecer que a identidade cultural brasileira não é única. (Adaptado de: NAPOLITANO. Zé Kéti e João do Vale. ◗ Desenvolvimento: qual a narrativa. podemos trabalhar também com várias de suas canções. pop. Bebeu de fontes como Pixinguinha. Jacob do Bandolim. ◗ Entoação: tipos e efeitos de interpretação vocal. A escolha do compositor e cantor Paulinho da Viola para participar das atividades curriculares e extracurriculares é particularmente fundamental para entendermos tanto a história da música popular brasileira quanto a história do Brasil contemporâneo. com Elizeth Cardoso e Clementina de Jesus. 2002. ◗ Identificar o eu poético e seus possíveis interlocutores (quem fala através da letra e para quem fala).POR QUE TRABALHAR COM PAULINHO DA VIOLA? A música de Paulinho da Viola representa um universo particular dentro da cultura brasileira. Foi responsável. e também os festivais da canção. rock etc.

confeccionava seus próprios brinquedos. Coloque uma de suas músicas para os alunos ouvirem (sugerimos uma bastante famosa. brinquedos antigos. Num outro momento. ◗ Trabalho interdisciplinar: História. Arte. abra um debate sobre a diferença entre brinquedos comprados e confeccionados à mão. ◗ A importância dos parceiros na vida de Paulinho. Faça primeiramente um passeio fotográfico e identifique lugares e pessoas que aparecem nas imagens. 2. ATIVIDADES PARA DEPOIS DA LEITURA ◗ Após a leitura do livro. Termine a atividade chamando-os para conhecer melhor a vida e a obra de Paulinho da Viola com o livro de André Diniz e Juliana Lins. Organize uma pequena fábrica de brinquedos e deixe-os um tempo brincando com os objetos produzidos por eles mesmos. Leia o livro em conjunto com seus alunos. inicie um processo de identificação com a figura de Paulinho. Cartola e Pixinguinha. Pecado capital ou Onde a dor não tem razão) e explique a importância do cantor e compositor para a cultura brasileira. ◗ Temas transversais: Pluralidade cultural e Cidadania. Em seguida. A partir desse roteiro. ATIVIDADE PARA ANTES DA LEITURA Inicie os trabalhos com uma atividade de sensibilização para a obra de Paulinho da Viola. ◗ Os seus principais sucessos. leve para a sala de aula músicas dos artistas acima citados para os alunos identificarem afinidades com a obra de Paulinho da Viola. desenvolva um debate com seus alunos sobre os seguintes temas: ◗ O que é uma escola de samba? ◗ As principais diferenças entre o samba e o choro. Ismael Silva. ◗ Encontros importantes do artista no início de sua carreira: Hermínio Bello de Carvalho. papelão etc. Zé Kéti. Cartola. ◗ Como Paulo César Faria ganhou o apelido que levaria para toda a vida. peça para os alunos trazerem de casa material para reciclagem. como Foi um rio que passou em minha vida. Pixinguinha. ◗ Como nasceu o interesse de Paulinho pela música. que. ◗ A influência que o compositor sofreu dos grandes chorões e sambistas: Garoto. Em seguida. ◗ O encontro de Paulinho com o pessoal da escola de samba Portela. Com uma certa antecedência. como os que sugerimos a seguir: ◗ A infância do compositor e seus principais passatempos. ATIVIDADES PARA DURANTE A LEITURA 1. Se possível.SUGESTÃO DE PROJETO PEDAGÓGICO PARA TURMAS DE 1a A 4a SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL: CANTANDO E “CHORANDO” COM PAULINHO ✦ Objetivos Conhecer a vida e a obra de Paulinho da Viola no contexto da história do Brasil contemporâneo. chame a atenção deles para alguns pontos. Identificar o samba e o choro como estilos musicais e reconhecer a importância do compositor na música brasileira. como copos plásticos. quando criança. principalmente pelo samba e o choro. Geografia e Português. convide seus alunos a continuarem se divertindo com os 3 .

que estava longe dos palcos desde a morte do fundador Jacob do Bandolim. Argumento ou Timoneiro. Sugerimos Leva meu samba. com participação especial do grande flautista Copinha. naquele recital de 1973. ao som de Paulinho da Viola. mais precisamente no dia 16. da imprensa e dos próprios músicos pelo gênero carioca. inicie um debate com seus alunos sobre o gosto musical de cada um: gêneros que conhecem.brinquedos produzidos por eles. Paulinho da Viola. ATIVIDADE PARA ANTES DA LEITURA Leia o seguinte texto com seus alunos: Uma andorinha não faz verão. Na versão contemporânea o pretexto era homenagear o violonista César Faria. em 1969. por terem um andamento mais rápido. como A Fina Flor do Samba. uma mistura de choro e samba que acompanhava a cantora Beth Carvalho e o Galo Preto […] e o inesquecível Os Carioquinhas. então um menino de 13 anos. do qual fazia parte a maior promessa do violão brasileiro: Raphael Rabello. terra.com. 4 4/17/06 12:37:11 PM . ◗ Escolha uma música de Paulinho e monte uma brincadeira.br/jb/online/musicalidade) Após a leitura do texto acima. e o jornalista Sérgio Cabral reativaram o Conjunto Época de Ouro. Foi o suficiente: o gênero não saiu mais de cartaz. Em 1973. como a dança das cadeiras. Arte. Em outubro de 2001. criarem um desenho a partir das sensações que a música lhes despertou. num contexto favorável ao choro e aos novos chorões. 82 anos. em 1975. comente sobre Paulinho da Viola. Ética e Pluralidade cultural. de alguns conjuntos de choro. Peça para eles fecharem os olhos para ouvir a música e. mas quando muitas voam juntas é sinal de que a nova estação está chegando. identificam ou gostam. que marcou a volta do choro às vitrolas brasileiras. Sarau. Paulinho da Viola. em seguida. Quais compositores da música popular brasileira eles conhecem? Quais dentre os citados no texto? A seguir. ◗ Trabalho interdisciplinar: História. […] anos se passaram entre o primeiro show. SUGESTÃO DE PROJETO PEDAGÓGICO PARA TURMAS DE 5a A 8a SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL: SINAL ABERTO ✦ Objetivos Identificar gêneros musicais e seus representantes Análise das metáforas nas canções de Paulinho da Viola Análise do contexto sociopolítico do Brasil no início da carreira de Paulinho da Viola ◗ Temas transversais: Cidadania. nos anos seguintes. E foi mais ou menos isso que aconteceu no cenário musical da década de 1970. e o reencontro dos craques que estavam lá. Português e Geografia.jbonline. Época de Ouro e Sérgio Cabral reeditaram […] o concerto que reacendeu o interesse do público. ◗ Trabalhe com a canção Foi um rio que passou em minha vida. no Teatro Casa Grande. num espetáculo memorável: o show Sarau. no auge da carreira. (Mônica Ramalho no site: www. um dos compositores mais importantes da música brasileira e que também foi responsável pelo ressurgimento do choro carioca. O espetáculo incentivou a formação.

convide-os para conhecer melhor a vida e a obra de Paulinho. Sinal fechado retratava o sentimento de impotência em relação aos 1 rumos que o Brasil tinha tomado sob o Regime Militar. ◗ Tradição: “A relação do compositor com a tradição na música popular”. O criador de imagens Paulinho da Viola faz uso constante de metáforas em suas canções: por motivos poéticos ou políticos. Peça para seus alunos formarem duplas e escreverem suas impressões. dois ou mais amigos. Utilize nosso roteiro para análise de uma canção. faça uma explanação para os seus alunos sobre o contexto sociopolítico do Brasil no início da carreira de Paulinho da Viola. ◗ Choro e samba: “Os gêneros. de maneira singela. Essa atividade vai fazer com que os alunos leiam com prazer todo o livro e se preparem para a disputa. organize duas atividades: ◗ Peça para os alunos criarem um esquete com a canção. ATIVIDADES PARA DURANTE A LEITURA Organize o livro em grandes blocos temáticos e depois divida a sala em grupos correspondentes a tais temas. Nossa sugestão para a divisão temática: ◗ Infância: “A infância de Paulinho da Viola e sua ligação com o futebol e os brinquedos”. de ir e vir (fim do habeas corpus). A liberdade de expressão. Inicie uma pequena gincana. Depois cada grupo diz o que percebeu na audição da música. Foi um rio que passou em minha vida.paulinhodaviola. Sinal fechado Vencedora do Festival da Canção de 1969. ◗ Obra: “As composições de Paulinho da Viola”. Relacione e analise com seus alunos as metáforas utilizadas por ele nas canções Sinal fechado. O Ato Institucional no 5 (AI-5). dois ou mais ex-parceiros políticos etc. 2. ◗ A composição de Paulinho retratava o ambiente político do fim da década de 1960. ATIVIDADES PARA DEPOIS DA LEITURA 1. ◗ Rosa de Ouro. os chorões e os sambistas. ou peça para eles elaborarem uma pesquisa sobre o tema “Regime militar” (é importante que esse trabalho seja organizado de maneira interdisciplinar. desfaça os grupos.com. coloque os alunos em círculo e debata sobre os assuntos que aprenderam.). como é sua característica musical. através de um diálogo travado às pressas em meio ao caos urbano. Influências sofridas pelo artista”. Paulinho da Viola. Após a gincana. Opinião e os festivais da canção: “Os grandes eventos musicais de que Paulinho participou”.br. com várias possibilidades de interpretação para a situação do encontro no sinal (casal de namorados. de 13 de dezembro de 1968. Coloque a canção para os alunos ouvirem e siga o roteiro de análise no início deste suplemento.1 As letras dessas canções estão disponíveis no site www. transportou essas questões para um sinal de trânsito. de pensamento.Escolha uma composição dele (pode ser um choro ou um samba) e analise com os alunos. A seguir. 5 . A partir do texto acima. de livre associação partidária. elas traduzem a sensibilidade e a versatilidade do artista. junto com o professor de História). Como esta canção poderia ser reescrita na atualidade? Peça para os seus alunos elaborarem possíveis metáforas políticas e sociais para o tempo presente. Argumento e Coração leviano. Após a audição. em que cada equipe formula perguntas para outra sobre o tema pelo qual cada equipe ficou responsável. também chamado de “golpe dentro do golpe”. havia fechado o sinal para a liberdade.

explicando como alguém do presente pode fazer seus antecessores se harmonizarem. Como diz o samba De Paulo da Portela a Paulinho da Viola. meu tempo é hoje. 6 . nem a nostalgia proustiana. O marceneiro Paulinho gosta de restauração. não é essa moda pós-moderna de. no amor à Portela e ao Vasco. Ele recupera e revitaliza o passado. da Velha Guarda da Portela. que se baseou num texto de Jorge Luis Borges sobre Kafka. que me enriqueceu profissional. • Levantamento da ficha técnica do filme. numa roda de chorinho. locações. “Sua obra modifica nossa concepção do passado. e agora numa peixada na casa da Surica. Sua visão não é nem aquela profética “saudade do futuro” tão forte em Fernando Pessoa. e a Velha Guarda passou a ter um pouco a cara de Paulinho. que usa o presente como álibi. tanto quanto o compositor se compraz em resgatar velhos sons e tanto quanto a pessoa física se diverte em manter vivos alguns hábitos em extinção. no feijão da Tia Vicentina antes. no site www. O nosso compositor usa o passado como coisa do presente. o lado de lá e o de cá. trilha sonora etc. fotografia. mas sei que poderia dizer também pela diretora do filme.paulinhodaviola.. como ponto de partida para chegar ao passado. • Sinopse. o samba de morro e o do asfalto. Participar desse documentário foi em suma viver uma experiência única. como haverá de modificar o futuro. na cachacinha. • Análise de roteiro. sem falar no papo.br) Exibir em sala de aula o filme Paulinho da Viola. É outra coisa. figurino. […] O ponto de partida conceitual do documentário nasceu de uma afirmação do próprio compositor — “não sinto saudades” — e de sua interpretação por João Moreira Salles. • Valores éticos passados no filme. (Zuenir Ventura. gosta de dar nova forma e vida às coisas. e Paulinho passou a se parecer com a Velha Guarda. Depois os alunos poderão desenvolver as seguintes atividades: • Pesquisa sobre as origens do samba carioca e sua evolução até a atualidade. Participar do documentário sobre Paulinho da Viola […] foi uma experiência extraordinária. Paulinho na verdade é uma ponte. diz Borges. intelectual e existencialmente. Digo por mim. de Izabel Jaguaribe. Sua obra modificou nossa concepção do que se fez antes em matéria de samba.. Ele descobriu a Velha Guarda. Na verdade. de Monarco. não é isso. e Chico Santana: “Antigamente / Era Paulo da Portela / Agora / É Paulinho da Viola / Paulo da Portela / Nosso professor / Paulinho da Viola / O seu sucessor (. Não quer cancelá-lo e revogar a História.” Dizer que Paulinho não tem saudade pode parecer contraditório em quem cultiva tanto o passado. Paulinho criou suas influências e seus precursores. as raízes e as antenas.).SUGESTÕES DE ATIVIDADE EXTRA Paulinho da Viola — Meu tempo é hoje. ele tem um modo todo especial de rejuntar os tempos.com. não uma ruptura. foi realizar uma viagem extraordinária numa espécie de rio passando na vida e na obra de Paulinho da Viola. como jogar sinuca ou assistir a uma partida de jongo. “Todo escritor cria seus precursores”. abolir os pretéritos perfeitos e imperfeitos. É um craque (vascaíno) de ligação entre a tradição e o novo. em nome da ditadura do presente.

A. Geraldo Vandré. BARBOSA. HOBSBAWM. São Paulo: Annablume/Fapesp. R. 1985. HERNANDEZ. COUTINHO. 1980. 1993. Nada será como antes. São Paulo: Autores Associados/Cortez. Paulinho da Viola. 1988. JEANDOT. 1998. São Paulo: Cortez. Festivais da canção. Marcos Augusto. 1978. Como usar a música em sala de aula. Música na escola. Educação artística. Ana Maria.d. M. O nome também se aplica ao repertório lançado por João Gilberto ou composto em seu estilo e. no 1. a um fenômeno carioca ocorrido entre 1958 e 1962. 1995. BIBLIOGRAFIA BAHIANA. Edições Veja. que expressava o engajamento do artista com questões sociais e políticas. Porto Alegre: Iochpe. Recorte e colagem. Eric. MÁXIMO. ao mesmo tempo. marcado pelo combate às ideologias de esquerda e um realinhamento com a política externa norte-americana. Explorando o universo da música. 7 . Organização do currículo por projetos de trabalho. MPB nos anos 70. A. São Paulo: Brasiliense. teatro e pensamento. FERNANDES. Seguindo a canção. ORTIZ.PARA SABER MAIS Bossa nova. 1993. Festivais de música popular promovidos pela tevê Record de São Paulo. 2ª ed. Terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental. 1994. 1992. Ministério da Educação e do Desporto. São Paulo: Abril. 2002. COURTNEY. HOLLANDA. São Paulo: Contexto. Como usar o cinema em sala de aula. Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo. de jovens seguidores do novo estilo. Heloísa Buarque de & GONÇALVES. FERREIRA. Rio de Janeiro: Elo. 1997. História e música — História cultural da música popular. A. Renato. entre 1964 e 1985. _______. São Paulo: Scipione. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. NAPOLITANO. Fernando & VENTURA. 1991.). A era dos extremos. Charles. memórias futuras. Canção de protesto. _______. 1980. O breve século XX (1914-1991). São Paulo: Contexto. Na década de 1970 a canção toma outra forma de protesto contra a Ditadura. Regime militar. Belo Horizonte: Autêntica. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS — ARTE. _______. Estilo musical criado em 1958 por João Gilberto. Porto Alegre: Artes Médicas. A imagem no ensino da Arte. de caráter nacionalista. Eduardo Granja. s. 1982. caracterizado por sonoridade original e recriação do ritmo do samba. 5ª ed. In: FDE/APEOESP (org. São Paulo: FDE/Apeoesp. Produção musical predominante nos anos 1960. Porto Alegre: UFRGS. São Paulo: Brasiliense. dentre outros. Nicole. 2002. Montserrat. _______. Marcos. Fundamentos da educação musical. Elis Regina. São Paulo: Perspectiva. Martins. João. PERRONE. São Paulo: Perspectiva. Das origens ao modernismo. Brasília. Engajamento político e indústria cultural na MPB. Série Perfis do Rio. mais restritamente. Período de exceção na vida política brasileira. Influências de John Dewey no ensino da Arte no Brasil. 2001. Série Fundamentos. O sentido da tradição na obra de Paulinho da Viola. I. M. São Paulo: Companhia das Letras. Arte-educação: leitura no subsolo. Jogo. Cultura brasileira e identidade nacional. OLIVEIRA. OS ANOS 60. menos explícita por causa da censura e. Arte-educação no Brasil. a década que mudou tudo. Cultura e participação nos anos 60. Letras e letras da MPB. 1998. Rio de Janeiro: UERJ. Edu Lobo. sambista e chorão. mais metafórica e combativa. nos quais despontaram nomes como Chico Buarque. São Paulo: Perspectiva/Secretaria da Cultura. _______. 2001. cujo potencial estético conferiulhe condição de “escola”. Velhas histórias. Rio de Janeiro: Relume Dumará. B. 2002. 2004.

com.br/aloescola/artes • www.RIBEIRO.paulinhodaviola.samba-choro.letras. Cartola (Acontece) e Monarco (Passado de glória). Rio de Janeiro: Ed. Nelson Sargento. discografia musical) • www. Nesse disco Paulinho da Viola faz uma homenagem ao samba. Gravadora: EMI. Jair Costa.uol. cantando algumas das canções que mais o influenciaram e gravando canções suas que remetem a memórias afetivas. Roda de samba vol.tvcultura. Paulinho faz uma homenagem ao samba de raiz. com o conjunto A Voz do Morro (Paulinho. Gravadora: EMI. • Memórias chorando (1976).com/altafidelidade • www. Aos trancos e barrancos.br.br • www. Primeiras gravações em disco de Paulinho. com. Gravadora: Musidisc.org. São Paulo: Unesp. 1 (1965).br Discografia recomendada para ouvir em sala de aula2 • Roda de samba vol. 1991. Nesse disco. em que mais grava músicas de outros compositores.itaucultural. M.com. • Bebadosamba (1996). • Foi um rio que passou em minha vida (1970). Gravadora: RCA. Zé Kéti. Nesse disco Paulinho da Viola começa a criar sua própria linguagem dentro do 2 samba. 2 (1966) e Roda de samba vol.paulinho-da-viola. Darcy. A versão em CD foi lançada com duas faixas extras: a histórica Sinal fechado. José da Cruz). como Wilson Batista (Meu mundo é hoje).geocities. • Dança da solidão (1972).br (música. como o Brasil deu no que deu.com. Anescarzinho. Guanabara.com. Paulinho presta uma homenagem ao choro em um disco totalmente instrumental. A canção Timoneiro é o carro-chefe do disco. Um dos melhores discos de Paulinho.com. Elton Medeiros. • Memórias cantando (1976). 4/17/06 12:37:16 PM . 3 (1967). Informações retiradas do site www.com.br/radiouol • www.terra. SCHAFER. renovando-o e expandindo-o.br • www. Links de pesquisa na Internet • www. 1985.br • www.cliquemusic. Vários choros são compostos pelo próprio Paulinho. e Ruas que sonhei. Gravadora: EMI. Nelson Cavaquinho (Duas horas da manhã). R.samba-choro. O ouvido pensante. Gravadora: EMI. que foi regravada por Chico Buarque.