You are on page 1of 36

1

LUIZ MACHADO, Ph. D.


Doutor (Ph. D.) e Livre-docente pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
Ex-Coordenador do Projeto Especial do Desenvolvimento da Inteligência e Criatividade (PEDIC,
UERJ). Formado também em Didática nas disciplinas Biologia Educacional, Psicologia
Educacional e Sociologia Educacional, pela Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras, da
UERJ. Fundador da Cidade do Cérebro. Administrador.

O
SEGREDO
DA
INTELIGÊNCIA
O SISTEMA
DE AUTOPRESERVAÇÃO
E PRESERVAÇÃO DA ESPÉCIE
E O PROCESSO
ENSINO / APRENDIZAGEM

© Copyright by LUIZ José MACHADO de Andrade


Edifício Cidade do Cérebro
Rua General Espírito Santo Cardoso, 41
Esquina da Rua Uruguai, 306
CEP 20530-500 – Tijuca, Rio de Janeiro, RJ
Tel.: (21) 3435-3741 - Telefax: (21) 2571-3859
atendimento@cidadedocerebro.com.br
www.cidadedocerebro.com.br

Uma publicação para construção da Cidade do Cérebro - 1ª Edição no Brasil: 1992

O Segredo da Inteligência
2

Índice
Apresentação – 3

Eu tenho um Sonho - 4

Introdução - 5

Hipótese - 9

Discussão - 13

A comunicação com o SAPE - 18

Funções que envolvem primordialmente o SAPE - 22

Conclusões - 24

Professor Luiz Machado - 26

Bibliografia - 30

Livros do Prof. Luiz Machado na biblioteca virtual Cidade do Cérebro – 36

O Segredo da Inteligência
3

Apresentação
O título deste livro carrega consigo, pelo menos, duas intenções do autor: a primeira, dizer
a maneira pela qual uma pessoa pode desenvolver suas capacidades como elemento de
autorealização; a segunda, como pode o Homem fazer jus ao adjetivo “racional”,
empregando o seu intelecto no sentido de conhecer a si mesmo, de entender seu sistema
de autopreservação e preservação da espécie (SAPE) *, repositório de toda a sabedoria
da espécie, compondo um todo harmônico com suas estruturas cerebrais.

A maioria das pessoas crê que o intelecto, com sua “razão”, seja o mais alto progresso
mental. Essa atitude, que procura a “certeza científica” de tudo, acaba por coisificar o
Homem. A estrutura do cérebro, que torna possível o intelecto, parece ser a mais recente
na evolução do homem, com cerca de 200 milhões de anos, e seu desenvolvimento é
quase nulo se comparado com o do SAPE. Mas o homem com a crença no exclusivo
poder de seu intelecto é uma aberração da Natureza; por isso, volta-se contra ela, contra
si mesmo – pelo menos é o que tem demonstrado, com a destruição do seu ambiente,
com o aperfeiçoamento da guerra. Sabemos todos que o processo de racionalização dos
acontecimentos é destituído de emoções e sentimentos.

Que sabedoria, que ciência é esta que levou o homem à preparação de artefatos
nucleares que põem em risco a sua própria espécie?

“Que é inteligência?” é uma pergunta que ainda não obteve resposta satisfatória.
Inteligência tem sido confundida com memória, com capacidade de aprender e até com a
“capacidade de resolver testes de inteligência”...; todavia, no sentido em que estamos
usando a palavra, ela indica resposta do ser às suas necessidades.

Apresentamos, nas páginas seguintes, aquilo que conseguimos identificar como as bases
científicas das realizações humanas, quer ligadas à inteligência, quer relacionadas a
fenômenos psíquicos.

O Homem, ao saber como funcionam os sistemas de suas capacidades, pode usá-los


para crescer como gente e como profissional, transformando conhecimento em sabedoria
para uma vida melhor.

*Consideramos o sistema de autopreservação e preservação da espécie como composto do sistema límbico


e do sistema glandular.

O Segredo da Inteligência
4

Eu tenho um Sonho...
Que as pessoas sejam melhores, como profissionais e como gente;

Que não acreditem no impossível;

Que aqueles que duvidam de suas capacidades, se arrependam diante de suas


conquistas;

Que a ciência não seja usada como instrumento de dominação, como ainda é por aqueles
que teimam em não reconhecer que o Ser Humano é corpo, mente e espírito;

Que a farsa do Q.I. não sirva aos interesses daqueles que desejam substituir a idéia de
“sangue azul” pela de “cérebro azul”;

Que as pessoas saibam que a inteligência é uma faculdade que pode ser desenvolvida e
não algo que vem pronto com o nascimento e não pode ser alterado;

Que as pessoas despertem algo que talvez nem saibam que possuem e muita gente faz
questão que elas não saibam: um gênio interior;

Que todos saibam que têm o direito de ser inteligentes.

Prof. Luiz Machado

O Segredo da Inteligência
5

Introdução
A Humanidade tem testemunhado os fenômenos mais intrigantes a respeito do Homem e,
na falta de explicação de ciência certa, as pessoas os têm atribuído a fatores
sobrenaturais, a deuses e ao demônio... Tratar-se-ia, então, de “mistérios deste e do outro
mundo”... Ora são curas espetaculares, ora são realizações que parecem transcender o
limite das capacidades humanas, ora são feitos de inteligência que assombram a
Humanidade.
O chamado “efeito mágico”, quer nas curas espetaculares, quer em quaisquer outras
manifestações, como, por exemplo, da aprendizagem acelerativa, resultado da
mobilização de reservas mentais normalmente não usadas, é sempre obtido diante do
prestígio, da autoridade (entenda-se “competência profissional”) e do processo; em outras
palavras, o “feiticeiro”, a “palavra mágica” e o “ritual”. Assim foi com os cultos primitivos,
assim ainda é nas religiões e crenças e o mesmo ocorre com os mágicos modernos, os
cientistas. Em qualquer ciência, encontramos esses elementos e, mais, os “mitos” em que
certas “verdades cientificas” foram transformadas.
O chamado “efeito mágico” não pertence ao campo do querer intelectual, mas, sim, da
representação mental daquilo que se saiba querer, sem esforço de vontade (pois a idéia
do “esforço” traz em si a representação mental da dificuldade), sem vacilações. A
vacilação (hesitação, incerteza de propósito) confunde a comunicação com o sistema de
autopreservação e preservação da espécie (doravante designado pelo acrônimo SAPE
neste livro), que então percebe imagens concorrentes.
O homem ao conhecer-se, verificará que os chamados “milagres” são a aplicação da
sabedoria do seu SAPE.
A mente do Homem não aceita o mistério; aliás, a mente abomina o mistério. Mas o
mistério a provoca, talvez porque o desconhecido aguça a imaginação que faz funcionar o
sistema glandular e facilita ou inibe a produção de neurotransmissores. Por isso, o
Homem apela para o terreno do sobrenatural, quando não pode explicar algo com seus
próprios recursos. O “sobrenatural” é o limite do que ainda não podemos explicar; pelo
menos, é a essa conclusão a que se chega em virtude do que não se sabia anteriormente
e hoje se torna corriqueiro... Em nossos dias, diminui muito o número de fenômenos
relacionados com a mente que não se podem explicar. E a linguagem conceitual tem sido
cúmplice do Homem para ajudá-lo a forjar explicações. A própria escrita surgiu com rituais
sagrados e continua a manter ares de sacralidade e todo um mundo, toda uma realidade
virtual foi construída com sistemas verbais, até que, na Renascença, começaram os
traços da ciência experimental. “Está no livro”, “saiu no jornal” são frases que evidenciam
a autoridade conferida a esses veículos de informações com a sacralidade da escrita.
Quanto ao fato de que o cérebro tem enorme potencial normalmente não explorado não
há dúvida. Não se trata de criar nada. Tudo está ali pronto para ser mobilizado. Por

O Segredo da Inteligência
6

observação e experiência, sabemos que, ao enfrentar situações de extrema dificuldade, o


Homem tem recorrido a si mesmo e em si tem encontrado as forças de que necessita. O
cérebro dos iogues, o sistema nervoso dos monges do Tibet, as estruturas cerebrais dos
gigantes da inteligência não são diferentes das contrapartidas encontradas no mais
comum dos homens. Na verdade, o trabalho dos feiticeiros, dos pajés, dos benzedeiros e
rezadores nada mais é do que a mobilização das capacidades humanas para a realização
de seus feitos. Uma pessoa hipnotizada mostra bem as capacidades humanas: pode
utilizar enorme força física, pode conseguir grande rigidez muscular, pode demonstrar a
hipermnésia (supermemória) hipnótica, etc. E numa pessoa hipnotizada, estamos em
maior contato com seu SAPE. Hoje sabemos, cientificamente, que, com toda
possibilidade, o ser humano utiliza muito pouco de suas reservas cerebrais ¹. PENFIELD
(1966) assinala que, enquanto nos outros animais a maior parte do cérebro está
comprometida com funções sensoriais e motoras, no homem o mesmo não ocorre. As
áreas dedicadas aos processos superiores de pensamento não estão comprometidas.
Precisamos verificar, então, como o “eu sápico” ² pode ser construído ou reconstruído
para fazer uso das estruturas cerebrais.
A nós, o fato de o homem ter muito mais capacidade do que usa, há bastante tempo vem
intrigando. Há mais de 40 anos vimos estudando as capacidades humanas e como
mobilizá-las. Inicialmente, seguimos os passos da psicologia tradicional, estudando a
inteligência via operações intelectuais. Com a leitura do livro “Psychic Discoveries Behind
the Iron Curtain”, de Sheila Ostrander e Lynn Schroeder, copyright de 1970,
especialmente no capítulo que trata de Sugestologia, mudamos o rumo de nossas
investigações. Mais tarde, na esteira de sucesso desse livro, as mesmas autoras, agora
com Nancy Ostrander, publicaram “Superlearning", traduzido em português como
“Superaprendizagem pela Sugestologia”. Destaca-se, nessa última obra, em questões de
aprendizagem, o trabalho de Georgi Lozanov e a aplicação da sugestão no ensino. Num
estudo mais aprofundado sobre o assunto, chegamos à conclusão de que o uso da
sugestão é inadequado em educação ³, uma vez que “sugerir”, no caso, significa “pôr uma
idéia, uma crença, uma tendência na cabeça de uma pessoa sem que ela decida”. De
fato, não é a sugestão que produz os fenômenos a ela atribuídos em relação ao ensino e,
sim, a mobilização do SAPE. A supermemória relatada por Lozanov e seguidores nada
mais é que a “hipermnésia hipnótica”, cuja explicação consta em qualquer livro sobre
hipnose, e que deve ser também resultado da mobilização do SAPE.
Ora, sendo a sugestão e a hipnose inadequadas quando usadas em educação e,
sabendo-se que elas atuam no SAPE para conseguirem seus efeitos de mobilização de
capacidades humanas, podemos, por outros meios, que não a sugestão e a hipnose,
envolver o SAPE para mobilizar capacidades, sem interferir na vontade das pessoas.
Esse efeito de mobilização de capacidades humanas consegue-se pelo envolvimento do
SAPE, como demonstraremos nas páginas seguintes. Na falta de certeza quanto à
finalidade da existência do homem4, fiquemos com sua destinação biológica: crescer
(sobreviver, autopreservar-se) e multiplicar-se (preservação de espécie).

O Segredo da Inteligência
7

Nesse seu desígnio, dois aspectos assumem destaque especial, o processo de aprender,
compreender e explicar, que envolve funções sob o nome de “inteligência”, e um estado
de equilíbrio orgânico e psíquico, ou um nível de desarmonia tolerável, que o mantenha
vivo, denominado de saúde. Assim, saúde e educação são básicas na destinação
biológica do homem, para não falar dos outros animais. Direito à vida e direito à educação
se confundem.
Antes de ser admitido como estrutura capaz de controlar outras funções do corpo, de ser
responsável pela inteligência, o cérebro era considerado em plano inferior ao coração e
até ao fígado. Para Aristóteles, o coração era o órgão central e o cérebro era uma espécie
de mecanismo de refrigeração para quando o sangue saía do coração. Para os sumérios
e assírios, o fígado era o repositório da alma e a base física da personalidade (RESTAK,
1980). Na língua, nós encontramos expressões que denunciam como esses órgãos eram
considerados. Nós dizemos saber “de cor” (de coração), inimigos “figadais” (de fígado, de
grande ódio), aqui se identifica o fígado como sede das emoções. Realmente, certas
representações mentais são capazes de fazer as glândulas segregar hormônios e levam à
produção de neuro-hormônios (neurotransmissores) e outras substâncias, com reflexos
somáticos. Quando falamos em certas frutas, como, por exemplo, o tamarindo, o limão, se
o interlocutor fizer uma representação mental dessas frutas e de sua acidez, ficará com “a
boca cheia de água”. Ocorre que as glândulas salivares foram acionadas a partir da
imagem criada.
Sempre houve uma busca de explicação para se determinar qual a estrutura orgânica que
tornava possível a mobilização das funções superiores do Homem. Hoje, tudo parece
indicar que tal estrutura seja o SAPE.
Mesmo quando se descobriram algumas localizações cerebrais: BROCA (1861),
WERNICKE (1876) pouco se sabia a respeito do cérebro. E ainda sabemos pouco. Em
1953, GRAY WALTER escreveu: “quase não há fatos firmemente estabelecidos sobre a
função do cérebro; tudo permanece para ser descoberto, todos os problemas estão ainda
para serem definidos”.
Todavia, nos últimos trinta anos, temos avançado muito nos estudos do cérebro e tais
conhecimentos têm implicações sociais, culturais e educacionais, que não podem ser
ignoradas por professores, médicos, psicólogos, homens de empresas, pais; enfim, todos
aqueles que conseguem resultados com pessoas.
Desses estudos, de Psiconeurofisiologia e Psiconeurolinguística, formulamos a hipótese
de que a inteligência depende mais do SAPE (cérebro paleomamífero) que da estrutura
que propicia o intelecto (cérebro neomamífero). É claro que a inteligência depende do
todo, não só da integração das três estruturas cerebrais, para usar a terminologia da
Teoria do Cérebro Triuno de Paul Maclean: Complexo R (cérebro reptiliano), Cérebro
paleomamífero e Cérebro neomamífero, como também do próprio organismo como um
todo, que é maior que a soma das partes. O SAPE fornecerá a energia para o
funcionamento do intelecto, podendo inibi-lo ou desbloqueá-lo. O “eu sápico” será como
um ponto irradiante, a partir do que se constituirá a atitude da pessoa em relação à vida,
na determinação de sua inteligência inclusive. Evidentemente, não estamos nos referindo

O Segredo da Inteligência
8

a acidentes genéticos, a casos patológicos, que fogem ao escopo deste trabalho. Nossos
estudos a respeito do cérebro referem-se à aprendizagem acelerativa, à mobilização de
capacidades humanas normalmente não usadas. Nós estudamos o órgão sadio, aquilo
que ele é capaz de realizar e como mobilizar seu potencial. O cérebro é uma
potencialidade. Primeiro, nós mobilizamos o potencial e, em seguida, tornamos realidade
esse potencial.
Quem procura a inteligência no cérebro terá uma grande decepção. Inteligência não é
algo que existe pronto e, por isso mesmo, não tem sede. A inteligência é uma virtualidade,
um virtualismo do organismo e, principalmente, do encéfalo.
A inteligência depende de três fatores principais: - berço (o ambiente em que a pessoa
vem ao mundo, a cultura em que ela se cria; - educação (a maneira pela qual são tratadas
as capacidades da pessoa) e o fator genético. Há quem se refira ao fator em termos
porcentagem, atribuindo-lhe uma grande participação na formação da inteligência;
todavia, “qualquer afirmação de que X% se deve a fatores genéticos e Y% a fatores
ambientais deve ser tratada com reserva” (BUTCHER).

¹ Embora achemos aleatório citar qualquer porcentagem a esse respeito, vale mencionar que o Prof. V. N.
Banchthikov, no dia 30 de junho de 1969, durante o “V Congresso Pansoviético de Neurologistas e
Psiquiatras”, realizado em Moscou, declarou que, com toda possibilidade, o ser humano usa apenas 4% de
suas reservas cerebrais. (Apud Jean Lerède, Suggérer pour Apprendre).

² “Sápico” é o adjetivo que criamos para indicar ”relativo ao SAPE” e é o resultado das crenças, das
impressões, das condições do meio, das sugestões recebidas e aceitas, dos reflexos imaginativos. É o
produto de experiências passadas, vividas ou vividamente imaginadas, sucessos e fracassos, triunfos e
humilhações, de como os outros reagem à pessoa, tudo isso dependente do efeito dominante. O carinho,
como forma de construir auto-imagem positiva, pode ser um elemento básico na formação do “eu sápico”.

³ Ver nossa conferência, proferida em Estocolmo, Suécia, em maio de 1984, na “1st European Salt
Conference” e também “Contágio Mental ou Sugestão?”, publicadas no livro “O Cérebro do Cérebro – A
chave dos mistérios do homem”, do mesmo autor deste trabalho.
4
Evitamos o terreno das discussões filosóficas e religiosas.

O Segredo da Inteligência
9

Hipótese
Nossa hipótese, de que a inteligência depende mais do SAPE que do intelecto, está
situada dentro daquele espaço existente entre as características do Homem estudadas
pelas neurociências e as realizações humanas. “Intelecto” está aqui usado no sentido do
domínio cognitivo, em que se dá ênfase às operações tornadas possíveis pela estrutura
do neocórtex. Não se pense que, então, entre os domínios cognitivo, afetivo e psicomotor,
queira privilegiar-se o afetivo. Na verdade, a aprendizagem sápica abrange o que se vem
chamando de “afetivo” e, não, o contrário.
A faixa de estudos entre as neurociências e as realizações do Homem denominamos de
Emotologia (do latim e(x), para fora; motus, movimento e do grego – logos, estudo,
tratado, mais o sufixo – ia). A Emotologia é a disciplina que estuda o SAPE e como
envolvê-lo para a mobilização das capacidades humanas. A aplicação dos conhecimentos
de Emotologia ao processo ensino / aprendizagem denominamos de Emotopedia. Os
conhecimentos das neurociências, aprendidos com os especialistas dessas áreas,
usamo-los como argumento em defesa da hipótese por nós formulada.
Sendo o SAPE o regulador da autopreservação e preservação da espécie, ele será o
maior responsável pela aprendizagem e pela manutenção e restauração da saúde no
organismo.
Procuramos colocar as idéias em linguagem acessível; todavia, as pessoas não
familiarizadas com os termos técnicos encontrarão explicações que se complementam em
outros trabalhos de nossa autoria, tais como “Princípios de Emotologia e Emotopedia”,
“Implicações das Neurociências para o Processo Ensino-Aprendizagem; conseqüências
sociais, culturais e educacionais”; “Toda Criança Nasce Gênio” e em nossos cursos,
palestras, seminários ou atendimento personalizado, realizados na Cidade do Cérebro*.
A inteligência tem sido um dos mitos da ciência, um tabu ao qual poucos se aproximaram
sem atitudes pré-concebidas. A inteligência passou a ter um tratamento político, todas as
vezes que certos governantes desejaram estimular a ignorância. Com esse propósito,
chega-se mesmo a afirmar, ainda hoje, que “quem é inteligente já nasce, nada se
podendo fazer para desenvolver a inteligência”. Existem outras frases, com o mesmo ou
semelhante teor, que traduzem preconceitos, desconhecimento ou má fé. A cortina de
fumaça em torno do assunto impediu que certos estudos fossem realizados, até que
alguns estudiosos5 desmitificaram o tema. Não obstante, mesmo esses que mais se
dedicaram a estudar a inteligência, como, por exemplo, TERMAN, PIAGET, GUILFORD,
SPEARMAN e outros, o fizeram apenas por uma faceta, o lado intelectual ou a ele deram
ênfase.
Com as novas teorias e comprovações a respeito dos nossos três cérebros, conforme a
Teoria do Cérebro Triuno 6 (PAUL MacLEAN) e seu funcionamento, e os estudos de
lateralização 7 (ROGER SPERRY) podemos ir além e arriscar novos rumos.

O Segredo da Inteligência
10

Inicialmente, como vemos a inteligência? Para os nossos estudos, nós a temos


considerado como a resposta do ser às suas necessidades, como já se disse.
O homem, ao dominar o uso da linguagem conceitual e o uso de ferramentas, ao liberar
seu pescoço e suas mãos, ao tornar-se bípede, evoluiu com o pensamento lógico-
dedutivo. Há mais de dois mil anos, com Aristóteles, o Homem reforçou sua convicção
lógica, no raciocínio, no intelecto, de tal sorte que a inteligência passou a ser definida em
termos de operações intelectuais, de abstração, embora, na prática, o homem sempre
tenha utilizado formas de pensamento que fugiam a esses padrões. Na formação do
homem moderno, temos também de destacar a pedagogia de Descartes, que diz, no
Discurso do Método: “Nunca atribuí grande valor às coisas que provêm do meu espírito e
enquanto que não tinha tirado do método de que me sirvo outro fruto senão o de
encontrar a resolução de algumas dificuldades pertencentes às ciências especulativas, ou
o de levar adiante o regramento de meus costumes, em conformidade com as razões que
esse método me ensinava, não me julguei obrigado a escrever nada sobre ele”
O cartesianismo influenciou de tal forma a disciplina do pensamento que hoje podemos
identificar dois pólos contrastantes: Descartes e Henri Bérgson, este último valorizando o
“espírito”, o intuicionismo, como forma de percepção globalizada.
Com os novos estudos de Psiconeurofisiologia, que integram os conhecimentos da
Biologia com os da ciência do comportamento, com os novos estudos de
Psiconeurolinguística, que tratam das relações das palavras com a Psicologia e Biologia,
novos caminhos se abriram ao estudo da inteligência. Sabemos hoje que o homem possui
três estruturas cerebrais8 que podem ser consideradas três cérebros, formadas ao longo
da evolução: o Complexo R (cérebro reptiliano), o Cérebro Paleomamífero e o Cérebro
Neomamífero. Em termos de fisiologia, o paleomamífero corresponde ao Sistema
Límbico. É a esta última estrutura, componente do SAPE, principalmente por ser mais
responsável pela autopreservação e preservação da espécie, que atribuímos maior
responsabilidade quanto à inteligência e ela constitui o assunto que, basicamente, é
discutido nestas páginas.
É a reciprocidade entre as três estruturas (superficial, do córtex; profunda, do sistema
límbico e complexo R) que produzirá nossas atitudes diante da vida.
A ênfase que veio sendo dada ao terceiro cérebro leva-nos também à ênfase na busca da
solução de problemas e não na formulação deles e criação de hipóteses. A busca da
“certeza” pela ciência, com ênfase no terceiro cérebro, pode coisificar o Homem, torná-lo
um objeto, tirar suas características de ser com emoções, despersonalizá-lo, de tal modo
que não será o Homem que poderá destruir-se, mas, sim, a “coisa” restante que pode
destruir ou está destruindo o Homem. Deste modo, o Homem fica sendo uma aberração
da Natureza.
No processo científico, devemos criar hipóteses a fim de se instigarem as mentes para a
busca de soluções.
Ao autor desta hipótese não importa quem esteja certo e, sim, o que está certo. Com tal
disposição submetemos este trabalho aos colegas que, com sua ciência, saberão reduzi-

O Segredo da Inteligência
11

lo às suas reais dimensões. Desejamos aprender com as críticas dos doutos, certamente
capacitados para fazê-las e, por isso, já lhes agradecemos os ensinamentos que,
esperamos, virão.
No campo científico, as hipóteses são as propostas iniciais, um passo no escuro em
estrada mais ou menos conhecida, admissão provisória da verdade para que se tenha um
caminho para pesquisar. Muitas vezes, nessa trajetória, muitas outras descobertas são
feitas, deixando para segundo a hipótese inicial. Deste modo, esperamos que nossa
contribuição seja pesquisada por outros estudiosos, certamente com mais recursos
materiais, intelectuais e sápicos que nós, além de tudo que vimos fazendo para
comprová-la ou aprender com os erros a que ela nos conduziu. De fato, consideramos
que fomos possuídos pela idéia que ora defendemos e, não, que nós a tenhamos
possuído, tal o número de anos, quase meio século, que já lhe dedicamos, e empenho
com que vimos pesquisando o assunto, do qual há muito a ser aprendido.
“Na sua evolução”, escreve Paul Maclean, “o cérebro do homem retém a organização
hierárquica dos três tipos básicos que podem ser rotulados, de modo conveniente, de
reptiliano, paleomamífero e neomamífero”, conforme explica ARTHUR KOESTLER, em
seu livro “The Ghost in the Machine” (O Fantasma da Máquina).
Ainda uma imagem de Maclean: como numa casa em que uma estrutura é superposta à
outra, as estruturas cerebrais vieram se desenvolvendo para atender às necessidades
das funções nas quais o organismo veio se especializando.
A mais recente estrutura surgiu para atender às necessidades detectadas pelo Complexo-
R e Sistema Límbico, em termos de operações intelectuais, isto é, ações com efeitos
sobre o ambiente, conhecendo-o, armazenando e recuperando dados e informações da
memória, produzindo pensamento de maneira divergente e convergente e avaliando
(GUILFORD) para emitir comportamentos.
Ao contrário do SAPE, que guarda a sabedoria da espécie e do organismo, o intelecto é
limitado.
O uso da linguagem conceitual levou o homem a uma realidade externa, fora de si
mesmo, uma realidade constituída com sistemas de palavras. O homem considerou-se
racional (do latim ratio, “razão”, “inteligência”, “relação”, “proporção”) capaz de agir
logicamente, combinando dados e informações, extraindo conclusões. Talvez o Homem
tenha visto nisso, equivocadamente, o traço que o identificaria com Deus (“não fora ele
feito à imagem e semelhança de Deus?”). A linguagem impregnou-se de lógica. Essa
influência é sentida a cada instante da vida intelectual. Todavia, ao termos atingido um
momento que podemos chamar de “impasse lógico”, em que a Humanidade enfrenta
problemas até de sua continuidade ou não, tal a ameaça de uma guerra nuclear global,
precisamos repensar nossa atitude em relação à inteligência, às capacidades humanas.
Com os conhecimentos que hoje possuímos dos cérebros e seu funcionamento,
verificamos que o SAPE parece ser mais responsável pela inteligência que o terceiro
cérebro, no sentido em que cria as condições, ou não, para o desenvolvimento do
intelecto, como estamos demonstrando.

O Segredo da Inteligência
12

A estrutura em cada um de nós que pode servir à identificação com Deus é o SAPE,
conforme se pode concluir de tudo que se diz neste trabalho.
Na defesa de nossa hipótese usamos, também como abonação, os estudos e as práticas
de sugestão nas curas, como resultado de mobilização de capacidades humanas,
realizadas, por exemplo, pela Escola de Nancy (Liébeault, Bernheim, Baudouin) e pela
Escola de Salpetrière (Charcot). É de se destacar, na Escola de Nancy, o médico Èmile
Coué, cujo movimento de cura pela sugestão se expandiu tanto que ficou conhecido
internacionalmente como “coueísmo”.
O uso da sugestão em educação também vem de muitos anos. Charles Baudouin cita que
J.M. Guyau (Educação e Hereditariedade) parece ter inaugurado a idéia. Outros nomes
citados por Baudouin: Walter Rose (Die hypnotische Erziehung der Kinder, Berlin, 1898),
Horn (Suggestion als pädagogischer Faktor, Neue Bahnen, 1900, Heft 5), Rausch (Die
Suggestion in Dienst der Schule, Zeitschrift für Philosophie und Pädagogik, 1901, Heft 4),
Carl Picht (Hipnose, Suggestion und Erziehung, edições Klinkhardt, Leipzig, 1913).
De 1929, temos o livro “L´Art d´Apprendre par I´Autosuggestion ou la Méthode
Suggestive”, publicado por Paul Leymarie, Librairie-Éditeur, Paris.
Em 1942, publicado pela Presses Universitaires de France, temos o livro “L´Éducation par
La Suggestion”, de Leon et Frédéric SAISSET.
Estamos destacando alguns livros, que julgamos mais expressivos. Existem outros
trabalhos esparsos sobre o assunto.
Na década de 60, Georgi Lozanov, psiquiatra búlgaro, revive, no “Instituto de
Sugestologia”, de Sófia, o ensino de línguas pela sugestão e, em 1978, aparece seu livro
“Suggestology and Outlines of Suggestopedy”.

* Visite o site: http://www.cidadedocerebro.com.br


5
Por exemplo, o psicólogo J.P. Guilford escreveu um manual para desenvolver-se a inteligência, apenas
deu ênfase unicamente às operações intelectuais. (Ver “Bibliografia”).
6
Usamos a Teoria do Cérebro Triuno porque didaticamente ela expressa as estruturas cerebrais, sem que a
aceitemos totalmente.
7
Acreditamos que o fato não seja que determinado hemisfério aja desta ou daquela maneira. Temos de
levar em conta o SAPE e, então, o processamento das informações no hemisfério esquerdo ou direito.
8
Mesmo que uma pessoa não aceite o evolucionismo, o fato é que as estruturas existem.

O Segredo da Inteligência
13

Discussão
O homem é um organismo cibernético (WIENER, 1948), tem um servomecanismo para
controlar a sua existência. O sistema cibernético recebe retroalimentação de sistemas
interceptivos e exteroceptivos. Interceptivo (de intero, de dentro e ceptivo, “que percebe”,
“que apanha”) qualifica o que é relativo aos interoceptores, categoria de receptores cujas
excitações habituais provêm de estímulos internos, e que são o ponto de partida de
reflexos vegetativos. “Exteroceptivo” (de extero, de fora e ceptivo) indica o que se refere
ao funcionamento dos exteroceptores, categoria dos receptores habitualmente
estimulados por agentes externos ao organismo. Para que ocorra o controle de suas
atividades psíquicas e orgânicas, é preciso que haja, no organismo, uma estrutura
responsável pela retroalimentação. Ora, o SAPE é o regulador da autopreservação e
preservação da espécie e desempenha essas funções por seu caráter cibernético
(“sabedoria do organismo”).
O organismo do homem, desde a origem da espécie, veio-se complicando pela
especialização de funções.
As estruturas cerebrais se desenvolveram para atender a essas necessidades.
Nossos três cérebros têm cada um sua própria subjetividade, sua própria inteligência e
sua própria memória. Para que sejam mobilizadas, cada qual exige uma abordagem
diferente. Na prática, a Emotologia e a Emotopedia usam procedimentos, atividades e
exercícios que atendem a essas exigências.
O mundo do Complexo R era o de matar ou morrer; era o mundo da cobiça, do egoísmo,
do medo e do ódio, emoções estas nas quais o instinto de conservação se baseava. Este
cérebro era estruturado para isso. Na evolução, a Natureza de nada se desfaz; por isso,
possuímos, ainda, aquelas estruturas primitivas. A vida primitiva fez do homem um ser
instintivamente predatório, que não mede as conseqüências pra satisfazer os desejos de
seu cérebro mais antigo, quando não canaliza seus impulsos para realizações
socialmente úteis.
Das necessidades básicas existem as derivadas, formando uma verdadeira rede como
ramos de uma árvore, de tal modo que um pequeno galho no topo da copa (determinado
comportamento) terá relações com o tronco ou primeiros galhos do tronco
(comportamentos que, aparentemente, não estão ligados às necessidades básicas).
Assim, certos comportamentos e impulsos poderão ser explicados em termos de
necessidades do Complexo R.
O segundo cérebro – paleomamífero – que, em termos de funções, se chama sistema
límbico é o cerne do organismo cibernético dentro de nós, é o cérebro da vida, podemos
dizer, uma que é o responsável pelo sistema nervoso autônomo, que controla nossos
órgãos vitais, mantendo a comunicação e controle (ajuste dos meios aos fins) entre os
elementos do organismo para conservar a pessoa viva. Na verdade, o centro do homem,

O Segredo da Inteligência
14

a sua “alma”, é o sistema límbico, mais precisamente, o SAPE, controlador desta fábrica
química, que é o organismo. Para desempenhar suas funções, o sistema límbico tem de
valer-se de um sistema de comunicação que vai além de sentidos aguçados, percepções
despertas, sensos desenvolvidos.
Aprender é um processo tão natural como o processo de sobreviver, pois é por este meio
que o Homem vai se adaptando às novas situações, chegando mesmo a confundirem-se
aprendizagem e sobrevivência. A criança, ao nascer, quer no útero, quer fora dele,
aprende pelas sensações. Tais sensações correspondem a imagens visuais, auditivas,
gustativas, cinestésicas, olfativas, etc.
As sensações (imagens) vão-se desenvolvendo à medida que se desenvolve o sistema
nervoso, culminando com as operações intelectuais, considerando-se o homem no
estágio atual de evolução.
A percepção do mundo exterior, com toda sua extensão de vibrações, é da maior
relevância para a principal função do SAPE, ou seja, autopreservação não se limita aos
sentidos mais comuns, abrangendo também aquela que se denomina “extrasensorial”.
Na falta de um conhecimento mais exato sobre o fenômeno de uma percepção de
sentidos não físicos, de fato, uma pré-percepção (intuição, pressentimentos), essa
percepção foi denominada genericamente de “sexto sentido”, PES (percepção
extrasensorial), função Psi (letra grega usada para indicar todos os tipos de fenômenos
psíquicos) e outros nomes.
O Dr. Charles Richet, Prêmio Nobel de Medicina em 1913, escreveu, em seu livro “Notre
Sixième Sens” (Nosso Sexto Sentido), no qual comprova a existência desse sentido, o
seguinte: “Ora, falar de um sentido cujos órgãos desconhecemos, de um sentido que nem
o vulgo, nem os sábios admitem, de um sentido que reveste as formas mais diversas e
estranhas, é realmente uma revolução. Mas, quando se trata de ciência, convém ser
francamente revolucionário, contanto que se apóie essa revolução sobre as duas bases
inabaláveis de toda ciência biológica: a observação e a experiência”.
Hoje, juntando-se os conhecimentos oriundos da observação, da experiência com os da
Psiconeurofisiologia, podemos concluir que o segmento do cérebro que parece receber as
vibrações do pensamento (o sexto sentido) são os núcleos anteriores do tálamo que
fazem parte do sistema límbico. O Dr. Richet escreveu, ainda, sobre o sexto sentido, em
seu “Traité de Métaphysique”, décima segunda edição refundida, de 1923.
O SAPE pode estabelecer comunicações sem participação dos chamados “cinco
sentidos”: audição, visão, gustação, olfato e tato; todavia, o treinamento destes sentidos
mais comuns é parte de como se pode desenvolver o intelecto na sua função de
compreender e explicar.
As sensações do organismo infantil passam para uma etapa da fantasia e, antes do
processo de intelectualização, a criança aprende mais de dois terços de tudo o que vai
aprender durante toda a sua vida. Ao entrar na escola, a criança inicia seu processo de
intelectualização, isto é, vai desenvolver suas operações intelectuais e lhe vão dizer e
mostrar, na didática tradicional que “imaginar é coisa feia”, “que é preciso ser lógico”, “que

O Segredo da Inteligência
15

é preciso reduzir os conhecimentos a fórmulas”, “é preciso ser objetivo”, etc. A criança


passa para a ênfase no processo de abstração, criando um mundo com palavras. Quando
nós estabelecemos como um dos princípios de aprendizagem acelerativa o “aprender
brincando e brincar aprendendo”, propomo-nos a fazer a pessoa voltar à fase anterior à
intelectualização, quando aprendia com facilidade. Quando se diz que o homem é lúdico
(HUIZINGA), devemos interpretar que ele é basicamente 16 sápico, evitando o que lhe
causa dor, e buscando o que lhe dá prazer (satisfação do sistema límbico). Quando
desenvolvemos a “representação mental”, “a visualização”, despertando sensações,
estamos reeducando o organismo para voltar à fase quando a pessoa aprendia mais
depressa e melhor. Essa é, sucintamente, uma linha geral do que ocorre, embora cada
ser tenha sua conduta de desenvolvimento, cada qual tenha sua maneira mais cômoda de
entrar em contato com a realidade e de elaborar os dados dessa realidade, surgindo,
então, os “estilos de aprendizagem”, isto é, a maneira mais adequada de aprender para
cada pessoa individualmente.
Sentidos, sensos e percepções não têm igual desenvolvimento em todos os seres, daí as
diferenças que fazem a individualidade de cada um.
O que caracteriza o organismo vivo é que ele constrói a si mesmo pela aprendizagem.
Mesmo quando um médico prescreve um medicamento, ao tomá-lo, o paciente está
ensinando ao seu organismo, por intermédio da química. Quando realiza uma cirurgia, o
cirurgião está ensinando ao organismo por meios mais drásticos. Em relação ao ser, tudo
o que lhe ocorre é ensino / aprendizagem.
Quando bebês, nós nos acostumamos a “ler” as expressões do organismo materno, pois
toda nossa vida então depende do que ele demonstra. Essa é uma comunicação sápica.
O sistema límbico é de extrema delicadeza nas suas percepções diretas. Quando
aprendemos a fazer uso da linguagem conceitual, temos um sistema indireto de
comunicação, mas nosso sistema de percepção direta (o sistema límbico) continua
existindo e funcionando. Ele vai além das palavras, das exteriorizações e capta os
mínimos sinais, gestos, tom de voz, entoação, enfim, todas as vibrações dos ambientes
físico, cultural, psicológico, etc. Essa é mais uma função de suas responsabilidades de
organismo cibernético.
O sistema límbico é especialmente hábil na detecção daquilo que lhe pareça “ameaça”, e
não poderia ser diferente, uma vez que sua principal responsabilidade é a sobrevivência.
Ao perceber algo como ameaça, o sistema límbico aciona o sistema glandular para criar
os mecanismos de defesa, orgânicos e psicológicos. Quando pressente, sente, vive a
ameaça (ao comando do sistema límbico), prepara o organismo para enfrentá-lo, ou para
fugir dela, o que passa a ser sua primeira preocupação e não a aprendizagem.
Para certas atividades, uma dose de tensão é necessária; todavia, para a aprendizagem,
para o envolvimento do sistema límbico, a tensão é produto do que ele percebeu como
ameaça e a aprendizagem fica prejudicada, ou melhor, aprende-se com muito custo.
O sistema límbico não avalia. Ele percebe o todo, não vai de passo em passo,
seqüencialmente, para fazer deduções. Por isso, ele recebe as informações em seu

O Segredo da Inteligência
16

próprio código como verdadeiras; aliás, para ele não há verdadeiro ou falso, há
informações. O sistema límbico é, sem dúvida, a estrutura que torna possíveis os
processos mais delicados e sutis do organismo. O organismo é um sistema, as partes
interagem para atingir fins. O sistema límbico sintetiza o princípio dos sistemas, de que o
todo é maior que a soma das partes, e então comanda não só os órgãos vitais para a
autopreservação como para a preservação da espécie.
O sistema límbico, o cerebelo e o hemisfério direito compõem uma estrutura que pode
tratar a informação na velocidade de 1 a 10 milhões de bits por segundo, sem noção
espaço-temporal, sem limitações seqüenciais e cria o “eu sápico”, que vai determinar a
atitude do indivíduo perante a vida, inclusive na determinação de sua inteligência, como
processo sócio-cultural. O intelecto (hemisfério esquerdo) processa informações na
velocidade de 40 bits por segundo (MIGUEL MARTINEZ, 1985). Deste modo, o sistema
límbico cuida das informações em bloco, holisticamente, e quando algo vai daí para o
intelecto tem de ser sob a forma de discernimento súbito do tipo “hêureca!”, “Aha!”...
O sistema límbico acumula a memória do ser que evoluiu no Homem, sem que possamos
ainda determinar quando teve início esse processo, na origem da espécie. Esse
conhecimento é a sabedoria da espécie, que dá a “sabedoria do organismo”. Aí está o
verdadeiro gênio dentro de nós. Vemos que a lenda da Lâmpada de Aladim bem pode ser
alegoria desse poder dentro de nós. O gênio precisa ser libertado para servir naquilo para
que o enviarmos, de acordo com nossa escolha, para o bem ou para o mal.
Do ponto-de-vista animal, os dois primeiros cérebros, reptiliano e paleomamífero
desempenham as funções mais importantes. O terceiro cérebro surgiu para atender a
necessidades das estruturas anteriores, principalmente as do sistema de autopreservação
e preservação da espécie (tendo em vista os fins da existência do Homem) e este
continuou comandando o organismo.
O terceiro cérebro é uma estrutura que nos torna “humanos”, no sentido de podermos
fazer uso das palavras, da linguagem conceitual, embora pareça ser o sistema límbico a
estrutura que nos pode humanizar, no sentido mais abrangente desta palavra. Dizer-se
que é o terceiro cérebro que nos torna inteligentes é reduzir muito essa função de todos
os seres. A não ser que só se considerasse inteligência as operações supostamente
avaliadas por testes de Q.I, (quociente de inteligência). Mas isso nada tem de científico ou
de real. Existem muitas controvérsias a respeito desses testes, mesmo entre os que
consideram a inteligência unicamente função do intelecto (KAMIN, BLOCK).
Todo ser é inteligente, uma vez que nasce para sobreviver, autopreservar-se e preservar
a espécie.
Digamos que há tipos de inteligência, aspectos em que a pessoa se sinta mais confortável
para aprender, para agir, para viver. Há maneiras diferentes de codificar as informações
de modo a atingir as pessoas, que são diferentes. É até uma violência, uma violação da
pessoa, insistir-se em ensinar-lhe por um estilo que não seja o dela.
A evidência de muitos fenômenos não explicáveis racionalmente (pelo terceiro cérebro)
levou o homem a admitir a Parapsicologia, paralelamente à Psicologia, à Psiquiatria, à

O Segredo da Inteligência
17

Psicanálise, todas ligadas à alma (em grego psychê), embora sem se preocuparem com a
estrutura do organismo que torna possível a alma. A estrutura no organismo que torna
possível a “alma” parece ser o sistema límbico. É preciso que se compreenda essa
afirmação dentro do contexto deste livro, evitando-se extrapolações religiosas, teológicas
e filosóficas.
O sistema límbico torna possível ao homem o exercício da hipnose, da sugestão, da
clarividência, da clariaudiência, dos efeitos das técnicas de ioga, etc., uma vez que opera
por meio de recursos que nós chamamos de “sexto sentido”.
Podemos dizer que o sistema límbico age por resultados. Se soubermos dar-lhe a
imagem emotizada do resultado, sem vacilações (visto que estas acionam representações
mentais que vão confundir o sistema límbico), ele encontrará o meio de atingir o resultado
(Lei Teleológica do Sistema Límbico). É por isso que muitos autores apresentam esse
fenômeno como “poder do subconsciente” (Joseph Murphy), “poder do pensamento
positivo” (Norman Vincent Peale), “Psicocibernética” (Maxwell Maltz), “Dianética” (L. Ron
Hubbard), “Treinamento Autógeno” (Schultz), “Controle Mental” (José Silva) e outros. As
técnicas de ioga também envolvem o sistema límbico.

O Segredo da Inteligência
18

A comunicação com o SAPE


O sistema nervoso entra em contato com meio o ambiente por meio de vibrações, daí a
importância do ambiente (físico, cultural, psicológico) no desenvolvimento da pessoa. O
ambiente comunica-se com o sistema límbico, com o qual podemos entrar em contato por
meio de representações mentais emotizadas (contágio mental e emotivo).
Em todos os rituais de feiticeiros, de medicinas chamadas de alternativas, vemos como as
práticas ritualísticas são usadas para distrair o intelecto, propiciando a comunicação com
o sistema límbico. Ainda mais, as ervas queimadas, os incensos, as ervas fumadas agem
também sobre o sistema límbico, assim como as cores das vestes dos sacerdotes. Tudo
isso parece ser feito para aumentar o ritmo das vibrações captadas possivelmente pelos
núcleos anteriores do tálamo (no sistema límbico).
Dos três cérebros, apenas o neomamífero tem o poder da fala. O sistema límbico dá-nos
informações sob várias formas: pressentimentos, intuições, “meu coração não pede”,
“sinto que isso não vai dar certo”, “algo me diz que não devo fazer isso” etc.
A memória mais forte, de longo prazo, é a que envolve o sistema límbico, isto é, a
memória emocional. Aprender com o sistema límbico envolve todo o ser. Na verdade, ele
aí não se lembra apenas, revive... Sistema límbico e intelecto funcionando juntos
produzem a aprendizagem acelerativa, que surge como resultado da mobilização de
reservas mentais normalmente não usadas.
Qualquer pessoa pode realizar esta experiência: fazer um retrospecto de sua vida e
verificar os fatos de que mais se lembra e as situações que os envolvem. O
experimentador verificará que são as situações emotizadas9 as provocam as impressões
(registro, químico de moléculas) mais fortes. Na verdade, as pessoas se lembram de
situações, dentro das quais poderá estar o item isolado que ela lembrar.
O intelecto alimenta-se de relações. O sistema límbico alimenta-se das sensações das
relações. Vejamos um exemplo na literatura. A linguagem denotativa é do intelecto,
enquanto a linguagem conotativa envolve o sistema límbico. A lógica (estabelecimento de
relações para tirar conclusões) é do terceiro cérebro, enquanto a analogia (a semelhança
nas relações, às vezes sem que tomemos consciência do processo) é do sistema límbico.
Muitas vezes, chamamos a atividade do sistema límbico de não consciente, uma vez que
o segundo cérebro não tem o poder da palavra, o meio próprio da consciência.
O cérebro neomamífero alimenta-se de relações – um item leva ao outro. As relações do
sistema límbico são de emotização – uma emotização conduz a outra. Aqui não há
associação de idéias e, sim, das sensações produzidas pelas idéias.
Muitas descobertas científicas transformam-se em crenças, em mitos, em tabus e
conhecemos o poder contagiante da crença, a força da tradição.

O Segredo da Inteligência
19

É tal a influência da crença da ciência grega antiga, que, embora não estudemos lógica
formalmente, estamos impregnados do pensamento seqüencial, dedutivo, de
comparações para deduções, do silogismo, que não leva a nada de novo, pois a
conclusão está contida na premissa maior.
O intelecto criou um mundo monstruoso, um impasse lógico onde se delineiam seres
dentro da mesma pessoa: um fala de paz, o outro prepara a guerra. Esta dualidade
mostra bem as estruturas primitivas do cérebro, destacando-se o cérebro do réptil a
pensar em violência, com medo de perder seu território, e na ânsia de conquistar outros, e
na idéia de hierarquização. No romance “O Médico e o Monstro”, de Robert Louis
Stevenson, o bondoso médico Dr. Jekill convive com o monstruoso Mr. Hyde sem se
encontrarem. Como vivem afastados, um vive preparando a guerra e o outro, digamos
assim, as conferências de paz – entre eles está o sistema límbico.
O intelecto enganou o sistema límbico com o ardil de criar armas poderosas para evitar
que a Humanidade fosse destruída e as armas criadas agora ameaçam a destruição da
Humanidade. Jekill precisa conhecer Hyde para encontrarem uma forma de continuar o
mundo, de construí-lo e não destruí-lo. A nova aprendizagem é para isso. O sistema
límbico tem de assumir o seu papel, de equilíbrio entre os dois outros cérebros; tem de
harmonizar as tendências do monstro e a estrutura do intelecto que aumentou de muito a
inteligência lógica do homem, ampliando o poder do monstro dentro de si. O intelecto
pode ser a arma mais poderosa de todas a serviço do Complexo R, para a destruição, se
não houver intermediação do sistema límbico, para a construção de uma vida melhor,
compartilhada por todos. As estruturas cerebrais próprias da violência, herança de nossos
antepassados longínquos na evolução, podem ser canalizadas para realizações úteis na
preservação da espécie. O homem só encontra o equilíbrio de seus três cérebros
participando da edificação da sociedade em que vive.
Em muitos processos de comunicação, vemos o processo de “despersonalização” com o
propósito de melhor atingir as estruturas mais antigas do cérebro. Certas técnicas de
ensino procuram, por meio de ênfase na ritualização, por meio de inibição do terceiro
cérebro, mobilizar as estruturas cerebrais mais primitivas a fim de conseguir um
comportamento fanático.
Como os dois primeiros cérebros não têm o poder de linguagem conceitual, os símbolos
não verbais atuam sobres eles (formas, arquitetura, artes plásticas, sensações
provocadas por certas músicas, etc.).
O terceiro cérebro é um órgão de emergência; só funciona quando não pode delegar
tarefas a outras estruturas e quando o que vinha fazendo foge da rotina. Assim, por
exemplo, as repetições procuram bloquear o julgamento (função própria do intelecto).
Vejamos, para exemplificar, qual é o mecanismo do “slogan”: (1) o cérebro percebe o
estímulo, (2) transforma-o em imagem, (3) compara com imagens armazenadas (por
semelhança ou analogia (semelhança das relações), (4) avalia (neste ponto, a repetição
de algo igual, no caso do slogan e outras práticas monótonas, leva o cérebro a deixar de
avaliar, de julgar, passando a aceitar o conteúdo) e (5) emite comportamento. Repitamos:

O Segredo da Inteligência
20

quando o mesmo estímulo é repetido várias vezes, o cérebro suprime a fase de avaliação
e emite comportamento sem julgar. Esse é o poder de os slogans influenciarem as
pessoas.
Ainda o fenômeno da despersonalização. A escola foi construída com base na
despersonalização, como são as prisões, os hospícios e os hospitais. A pior coisa para o
ser humano é a morte, seja física ou social. A despersonalização implica morte social.
Destruindo-se a auto-imagem da pessoa, a situação do sistema límbico no cérebro dessa
pessoa vai gerar atitudes negativas diante da vida.
A idéia da intelectualização despersonalizante parece ter sido a de que seria mais fácil
treinar, adestrar o intelecto sem a interferência do sistema límbico. Isso provou ser
desastroso para a Humanidade.
A hipnose mostra, por exemplo, o alto valor da palavra como fator fisiológico e
terapêutico. Pela palavra, levamos a pessoa a fazer representações mentais que vão agir
no sistema límbico, provocando fenômenos erradamente chamados de hipnóticos (do
grego hýpnos, sono), uma vez que não são da natureza do sono.
Com medo também acontece que a pessoa faz uma representação mental da situação do
perigo que mobiliza o sistema límbico. Uma vez mobilizado para o ataque ou para a fuga,
por mais que racionalmente analisemos a situação, os efeitos físicos e psíquicos
deflagrados perduram por algum tempo (tremedeira, respiração ofegante, extremidades
frias, problemas no aparelho digestivo, etc.).
O sistema límbico, diante da representação mental do perigo, mobiliza o sistema
glandular e o sangue aflui para as vísceras e as extremidades ficam frias, ocorrendo a
tremedeira para produzir o calor que falta aos músculos.
A primeira reação é límbica, glandular, uma vez que a glândula hipófise (pituitária), que
comanda o sistema glandular, situa-se em região íntima ao sistema límbico e recebe
influência deste. Atualmente, a tendência é incluir a hipófise no sistema límbico.
A primeira forma de aprender é por meio das sensações / imagens. Depois, as imagens
serão criadas por mecanismo lingüístico, que poderá desemotizar as situações, mas o
processo é o mesmo; apenas, sem a emotização, as impressões ficam menos intensas.
Aprender mobilizando o sistema límbico é também emotizar as situações.
As descobertas científicas são normalmente propiciadas pelo cérebro paleomamífero
(sistema límbico, hemisfério direito), o chamado trabalho inconsciente, “incubação”, que
antecede a “iluminação”, no processo criativo, mas são apresentadas com a lógica do
cérebro neomamífero (hemisfério esquerdo). O caminho que conduziu às descobertas foi
pela analogia (do grego ana, que aqui indica "de acordo com" e -logos que aqui indica
"proporção"), que é um processo típico do sistema límbico, quando inconsciente. Em
geral, os descobridores e inventores não relatam qual o processo que os conduziram aos
achados. Ás vezes, nem mesmo sabem.
O trabalho inconsciente, a incubação, como alguns autores chamam uma fase do
processo criativo, a partir de Wallas (1926), é o trabalho do sistema límbico. Jacques

O Segredo da Inteligência
21

Hadamard, analisando o relato de como Henri Poincaré chegou à descoberta das funções
fuchsianas, mostra bem a importância desse trabalho preliminar “consciente”.
Na verdade, “consciente”, “subconsciente”, “pré-consciente”, “consciente marginal”,
“inconsciente” não elucidam o que ocorre com as estruturas cerebrais. Que é
“consciente”? (bewusst, de Freud) Aquilo que é capaz de ser compreendido em palavras?
E “inconsciente”? (unbewusst, de Freud) O que não podemos tender em palavras? Assim,
não obstante essa crítica à terminologia, reconhecemos o valor de Sigmund Freud no que
ele se antecipou, por observação e experiência, ao que hoje sabemos, em laboratório das
estruturas cerebrais. Assim, “consciente” é, grosso modo, o que se passa no nível de
terceiro cérebro e “inconsciente” abrange os dois cérebros, sem o poder da palavra.

9
“Emotização”, ato de “emotizar”, verbo cunhado pelo Autor para indicar o processo de mobilizar o sistema
límbico por meio de situações criadas.

O Segredo da Inteligência
22

Funções que envolvem


primordialmente o SAPE
 autopreservação e preservação da espécie (Klüver-Bucy, Olds, Heath);

 “A teoria de Maclean (“Esquizofisiologia”) dos sistemas límbicos e neocortical,


baseado no fato de que pacientes com epilepsia límbica podem apresentar todos
os sintomas da esquizofrenia, o que possivelmente seria de importância no estudo
da patogênese desta doença. A teoria de Maclean foi a que maior contribuição
trouxe ao estudo das emoções, demonstrando que o sistema límbico recebe
informações de todos os sistemas intero e exteroceptivos, elaborando-as
posteriormente em sensações emocional”; 10

 “Fulton, em 1953, veio trazer contribuições adicionais a estes achados,


demonstrando que o complexo órbito-ínsulo-têmporo-cingular está primariamente
relacionado com a expressão emocional, enquanto as porções mais laterais do
“neopallium” estão relacionadas principalmente com o aprendizado, memória e
funções intelectuais”;

 além da função de manter o córtex desperto, a área mesencefálica está


intimamente relacionada com os processos de aprendizagem, reflexos
condicionados e com todas as atividades do sistema límbico;

 os núcleos talâmicos representam importante papel para a atenção, aprendizado e


reflexos condicionados (Thompson, 1963);

 o substrato anatômico que estabelece o íntimo elo entre afeto e pensamento


depende do fato de que a amígdala e o hipocampo, fazendo parte do grande
circuito límbico, são responsáveis pelo amalgamento de afetividade e ideação
numa “programação conjunta” de comportamento se quisermos usar a linguagem
cibernética;

 o sistema límbico se revela como responsável pelas modificações do meio interno,


controlando as reações entre o corpo e o mundo externo e, através de seu
comando sobre o sistema autônomo e endócrino, controla também as funções
relacionadas à autopreservação;

 as experimentações laboratoriais em anima vili e as observações clínicas em


pacientes neurológicos e psiquiátricos têm demonstrado à sociedade que a atitude,

O Segredo da Inteligência
23

tanto do animal como do homem em relação ao mundo, depende


fundamentalmente do estado do sistema límbico nesse cérebro;

 “O sistema límbico representa um centro de convergência a uma via final comum


para os impulsos mais importantes e representativos dos meios externo e interno.
A maior parte das “informações” que circulam através do sistema nervoso central é
“filtrada” por estas estruturas de origem primitiva que devem arcar com pesada
carga, pois têm a função de proporcionar uma permanente adaptação do
organismo às contínuas mudanças, desafios e “stress” do meio ambiente”;

 “Somente há algumas décadas se chegou à conclusão de que apenas o SISTEMA


LÍMBICO poderia preencher todos esses requisitos – o de substrato neural dos
processos mentais – das emoções, do intelecto, da motivação, do aprendizado, da
memória, do comportamento e muitas outras funções cerebrais do mais alto nível,
que representam um elo essencial entre mente e corpo”.

10
Transcritas do livro “Princípios de Emotologia e Emotopedia”, do mesmo autor deste trabalho.

Nota: Fiz questão de transcrever acima alguns trechos do Dr. Raul Marino Jr., professor de Medicina,
especialista em Neurologia, e neurocirurgião, tendo em vista que seu livro “Fisiologia das Emoções” é
“Introdução à Neurologia do Comportamento, Anatomia e Funções do SISTEMA LÍMBICO”, conforme se lê
no subtítulo. O Dr. Marino Jr. escreveu, em 1975, esse livro da maior importância para a
psiconeurofisiologia, combinação das ciências do comportamento com as neurociências e compreende o
que sabemos sobre o cérebro, como ele funciona e sua influência na conduta das pessoas. É por esse
caminho que cheguei à Psiconeurolinguística, acrescentando o fator de a palavra ser um elemento
fisiológico e até terapêutico.

O Segredo da Inteligência
24

Conclusões
• A inteligência, quer como resposta do ser às suas necessidades, quer como uso das
operações intelectuais, depende mais do sistema límbico que do intelecto (tornado
possível pela estrutura do terceiro cérebro) porque é do sistema límbico que parte a
energia capaz de mobilizar o cérebro como um todo para a autopreservação e
preservação da espécie.
• O sistema límbico pode ser dirigido por meio de representação mental, por imagens
emotizadas daquilo que saibamos querer, sem esforço de vontade intelectual, para que
não haja imagens concorrentes, que causam vacilação, hesitação. Por isso que as
religiões asseguram que acreditar, crer sem vacilação, é uma graça.
• O sistema límbico nos ajuda na cura de doenças, na aquisição de conhecimentos, na
transformação de nós mesmos.
• A representação mental emotizada tem o poder de acionar o sistema glandular da
mesma forma que as emoções. A menção do tamarindo, do limão, por exemplo, desde
que a pessoa represente mentalmente o que as palavras indicam, produzem grande
salivação. Aqui, vê-se como a representação mental tem a força de acionar o sistema
glandular.
• Se o Homem, através dos tempos, veio agindo com sentido das coisas, já empregando
muito do que hoje a ciência comprova, é porque sua “intuição”, do sistema límbico, assim
o orientou. “Intuição” vem de “intuir”, “ver” e, metaforicamente, podemos dizer que “intuir é
ver com os olhos do sistema límbico”.
• Os religiosos têm suficientes razões para considerar que o sistema límbico é o nosso
Cristo Interno, o Deus dentro de cada um de nós, o ponto que nos liga ao Universo. Muita
gente exerce a prática de entregar ao seu Cristo Interno a solução de dificuldades e
prosseguir seguro da solução, afastando as preocupações. Na verdade, a pessoa está
recorrendo ao seu sistema límbico.
• A oração, quando consegue a fusão emotizada da prece com o sistema límbico, opera
os milagres, pois mobiliza as capacidades do Homem para atender suas necessidades.
• O ambiente (físico, cultural, psicológico) tem forte poder de comunicação com o sistema
límbico, por isso, de acordo com o que a pessoa deseje alcançar deve cuidar para que o
meio ambiente seja propício aos seus interesses.
• Se os grandes argumentos em favor da aprendizagem pela sugestão, reavivada no
ensino, por LOZANOV (1978), são no sentido de que ela mobiliza capacidades, sabendo-
se que a sugestão opera no sistema límbico para liberar essas capacidades, o problema
está em como se mobiliza o sistema límbico para conseguir os resultados de mobilização
de capacidades, sem interferir na vontade das pessoas. A resposta é a emotização. Por
esse processo, atuamos no sistema límbico conseguindo resultados de mobilização de

O Segredo da Inteligência
25

capacidades, sem uso da sugestão e hipnose, processos esses por nós condenados por
interferirem na vontade das pessoas, tirando-lhes o poder de decisão.
• O ensino, para mobilização de capacidades, deve ser feito com base no sistema límbico.
A publicidade, que atua na mudança de comportamentos sabe bem disso e jamais apela
para o racional e, sim, para o sistema límbico.
• Muitas pessoas perguntam como se põe tudo isso em prática. Existem procedimentos,
atividades, exercícios; enfim, práticas a partir dos princípios que guiam os conhecimentos
de Emotologia e Emotopedia. Os mais importantes são os princípios informativos das
técnicas que vão torná-los operativos.*
• A memória será tão mais duradoura e abrangente quanto diversas situações emotizadas
para memorizar. Os acontecimentos cuja reprodução é mais facilmente obtida são
aqueles acompanhados de maior emotização.
• Na nova aprendizagem, teremos de dar ênfase ao sistema límbico, não só para uma
aprendizagem melhor e mais rápida como para a preservação do Homem no Universo.
• A aprendizagem acelerativa, que surge como resultado da mobilização de reservas
mentais normalmente não usadas, é possível com o envolvimento do sistema límbico no
processo ensino / aprendizagem.
• A principal tarefa de professores é criar as condições para que seus alunos mobilizem e
desenvolvam suas capacidades, para aprender melhor e mais rápido as disciplinas
específicas.

*Conheça essas técnicas participando do Curso de Emotologia oferecido pela Cidade do Cérebro.
Para detalhes clique no link: http://www.cidadedocerebro.com.br/curso_de_emotologia.asp

O Segredo da Inteligência
26

Prof. Luiz Machado

Uma história de paixão pelo conhecimento e contribuição à humanidade


Mais de 40 anos dedicados a estudos das potencialidades do cérebro humano.
O fascínio do Professor Luiz Machado pelo funcionamento do cérebro humano surgiu nas
indagações da adolescência – fase na qual o ser humano se dá conta de que está se
tornando ator principal da sua vida e, por conseqüência, adquiri a capacidade para mudar
o mundo mudando a si mesmo.
Os anos seguintes fariam com que os interesses do Professor Luiz Machado pela
natureza da inteligência se tornassem objetos de pesquisas científicas que trariam aos
seres humanos benefícios jamais imaginados.
“Meu grande interesse foi sempre pelo cérebro que realiza coisas, o cérebro sadio.
Quando eu comecei a estudar o assunto, não havia muitos livros sobre o tema. O
que havia eram estudos sobre doenças do cérebro, o cérebro doente.”
Em 1964, na condição de visiting scholar da Universidade de Colúmbia, uma das mais
prestigiadas instituições de ensino superior dos EUA, ao lado da Universidade de
Harvard, Yale, o Professor Luiz Machado desenvolveu estudos e pesquisas de como se
dá a inteligência, que fatores a compõem e como desenvolvê-los. Desses estudos, como
um caminho natural, foi levado a estudar o desenvolvimento das potencialidades
humanas como elemento de autorealização, com a orientação do professor Anísio
Teixeira.
Em 1984 o Professor Luiz Machado cunhou o termo Emotologia, utilizado atualmente por
estudiosos do mundo inteiro no campo do desenvolvimento das potencialidades humanas.
Os estudos da Emotologia aplicados ao processo de ensino/aprendizagem deram
origem à Emotopedia, metodologia de aprendizagem acelerativa, hoje empregada
em universidades e instituições de ensino de vários países.
As técnicas desenvolvidas pelo Professor Luiz Machado têm contribuído
significativamente para a evolução do segmento de ensino de idiomas. No Brasil, essas
técnicas são aplicadas com exclusividade nos cursos do CLC IDIOMAS.
Por intermédio da Cidade do Cérebro, pessoas de todo mundo têm acesso aos estudos,
cursos, palestras, livros e outros frutos da visão de um homem que acredita que “a razão

O Segredo da Inteligência
27

de viver, o objetivo de vida de cada um deve ser o de melhorar sempre e, sabendo como
isso pode ocorrer, as pessoas certamente terão melhor qualidade de vida”.
O Professor Luiz Machado é Ph.D. e Livre Docente pela Universidade do Estado do Rio
de Janeiro (UERJ), na qual foi coordenador do Programa Especial de Desenvolvimento da
Inteligência e da Criatividade (PEDIC), por 26 anos completados em 2003.
Diplomou-se em Didática pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, da UERJ, nas
disciplinas Biologia Educacional, Psicologia Educacional, Didática Geral, Didática Especial
e Administração Escolar.
Em 1964, foi visiting scholar na Universidade de Colúmbia, Nova York, Estados Unidos,
na qual deu início, em companhia do Prof. Anísio Teixeira, a pesquisas de assuntos como
a Inteligência e a Criatividade.
Em 1966, obteve o grau de Doutor em Letras e, na Alemanha, conquistou o Diploma de
Professor de Alemão.
Luiz Machado é autor de vários livros no campo das potencialidades humanas, entre os
quais destacamos: “Auto-Estimulação da Inteligência”, “Toda Criança Nasce Gênio”, “O
Cérebro do Cérebro”, “Introdução à Aprendizagem Acelerativa”, “O Segredo da
Inteligência”, “Descubra e Use Sua Inteligência Emocional”.
Como conferencista, Luiz Machado tem feito palestras nos Estados Unidos, Inglaterra,
Suécia, Holanda, África do Sul, Venezuela e Alemanha.
Luiz Machado é ainda Administrador, área em que é autor de um bestseller “Se Funciona
é Obsoleto”, “Criatividade na Administração” (seis meses na relação dos livros mais
vendidos em 1974, conforme publicação do “Jornal do Brasil”) e bacharel em Direito.
Conheça a repercussão internacional das pesquisas do Professor Luiz Machado,
criador do conceito de INTELIGÊNCIA EMOCIONAL:
Em 1984, em congresso de cientistas em Estocolmo, Suécia, ele apresentou sua teoria de
que a inteligência depende mais do sistema límbico (estruturas do cérebro mais
responsáveis pelas emoções) que do intelecto. Seus estudos tiveram grande repercussão
internacional e vários autores, de diferentes países, ficaram entusiasmados com as
conclusões do professor brasileiro. Essa teoria deu origem ao conceito de inteligência
emocional, divulgado mundialmente pelo americano Daniel Goleman, com seu livro
“Inteligência Emocional”.
 Colin Rose, um pesquisador inglês, presente no referido congresso, escreveu, em
seu livro “Accelerated Learning”, de 1985: “Em 1971 Rappoport concluiu que a
emoção não está somente envolvida com a memória, mas é realmente a base em
que a memória é organizada. Recentemente, Luiz Machado, da Universidade do
Estado do Rio de Janeiro, um dos primeiros impulsionadores do movimento da
aprendizagem Acelerativa, afirmou que se o novo material fosse apresentado de tal
modo a produzir excitação emocional, isto é, envolvesse o sistema límbico, ele
ativaria poderes mentais normalmente não usados”.

O Segredo da Inteligência
28

 Win Wenger, Ph.D., pesquisador americano, também presente ao referido


congresso, autor do livro "How to Increase your Intelligence" (Como Aumentar sua
Inteligência) e "Beyond Teaching and Learning" (Para lá de Ensinar e Aprender),
escreveu, em 1986: "A tese do papel predominante do cérebro límbico no
desempenho intelectual parece encontrar sua origem nos estudos do Prof.
Machado, ainda que se possa encontrar alguns antecedentes como a "pausa
córtico-talâmica" de Programa de Semântica Geral, de Alfred Korzybski e a
tradição psicanalítica que tende a encarar o processo racional humano como uma
leve espuma no topo de fortes ondas de racionalização emocionalmente
condicionadas".
 Daniel Goleman, autor do livro "Inteligência Emocional", 12 anos depois da
publicação do livro do Prof. Luiz Machado "O Cérebro do Cérebro", enviou o
seguinte texto por correio eletrônico:
"Sua teoria de uma 'inteligência límbica' corresponde em quase todos os aspectos à
minha própria concepção de inteligência emocional. Enquanto a teoria de Salovey e
Mayer, que eu usei em meu livro, trata mais detidamente das competências envolvidas
em tal Inteligência, sua obra muito contribui para descrever a base neural subjacente
dessa Inteligência."
 Em 1994, Luiz Machado ganhou o Prêmio Salt, de Membro Exponencial, nos
Estados Unidos.
 Peter Salovey, Professor de Psicologia e Epidemiologia e Saúde Pública e Diretor
de Estudos de Pós-graduação em Psicologia, da Universidade de Yale, que foi
apresentado por Daniel Goleman como o criador do conceito de inteligência
emocional, escreveu a Luiz Machado em carta de 14 de julho de 1997: “O artigo de
1990 com D. Mayer, chamado “Inteligência Emocional” foi nosso primeiro artigo
sobre o assunto. Entretanto, nós nunca alegamos que ele era a primeira coisa já
escrita sobre inteligência emocional. Ele certamente influenciou Daniel Goleman
em seu livro popular, mas eu sei que outros, como você mesmo, escreveram sobre
inteligência emocional e conceitos similares também” (O grifo é do original).
 Colin Rose, anteriormente citado, em seu livro “Accelerated Learning for the 21st
Century” (Aprendizagem Acelerativa para o Século 21), publicado em 1997,
escreveu: “Em Aprendizagem Acelerada nós conscientemente usamos exercícios
de relaxamento antes de uma sessão para reduzir o estresse e aumentar os níveis
de energia. Luiz Machado de Andrade, um pesquisador da área educacional de
classe mundial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, trouxe a lume já em
1984 que o sistema límbico efetivamente controla os mecanismos de nossa
autopreservação – as forças mais poderosas dentro de nós. Quando se envolve o
sistema límbico na aprendizagem e ensino, isto é, deliberadamente envolve as
emoções, se mobilizam forças poderosas que tornam o aprendizado muito mais
eficaz.
Em seu livro “O Cérebro do Cérebro” ele caracteriza o sistema límbico com o controlador
central do cérebro todo, isto é, a forma primária de inteligência. “Ele procedeu no tempo

O Segredo da Inteligência
29

todo o debate convocando educadores para envolver emoções na sala de aula a fim de
capacitar os alunos a usar mais de seu potencial”. (O grifo é da presente transcrição).
 Os estudos de Luiz Machado sobre as estruturas cerebrais mais responsáveis pela
autopreservação e preservação da espécie levaram-no a um aprofundamento na
área da psicolinguística e conduziram-no a importantes conclusões a respeito da
inteligência e da criatividade, dentro do âmbito de estudos do que ele denominou
de Emotologia; a saber, o estudo do desenvolvimento das capacidades humanas
como elemento de auto-realização.
Luiz Machado é um pioneiro dos estudos do ensino compatível com o cérebro e seu
sistema de ensino de Aprendizagem Acelerativa, com base nos conhecimentos mais
recentes sobre a mente e o cérebro, a Emotopedia, foi classificado entre os seis mais
avançados, conforme pesquisa realizada nos Estados Unidos pelos professores Donald
Schuster e Charles Gritton, publicada no livro "Suggestive Accelerative Learning
Techniques", Gordon and Breach Science Publishers, New York, 1986.
O Professor Luiz Machado foi o pioneiro na introdução do conceito de Inteligência
Emocional. A principal contribuição dos seus estudos está na busca de explicação
estritamente científica de fenômenos da aprendizagem acelerativa, da hipermnésia
(memória altamente desenvolvida) e de fenômenos tidos até como sobrenaturais.
“Através dos meus estudos sobre o funcionamento do cérebro e das técnicas por mim
desenvolvidas desejo que todas as pessoas façam da vida uma obra de arte, tirando
delas o que é bom, belo, harmonioso, mesmo nas situações adversas”

Professor Luiz Machado - Ph.D.

O Segredo da Inteligência
30

Bibliografia
ARNOLD, Magda B. Emotion and Personality. Volume 1 – Psychological Aspects. Volume
2 – Neurological and Psychological Aspects. Columbia University Press, New York, 1960.
BAUDOUIN, Charles. Suggestion et Autosuggestion, troisième edition, augmentée.
Éditions Delachaux & Niestlé, S.A., Paris, 1922.
__________. Haverá uma Ciência da Alma? (Y a-t-il une science de l`âme?). Tradução de
Maria Luisa Toselli. Flamboyant, 1958.
BERGSON, H. L´Énergie Spirituelle. Dix-neuvième édition, Librairie Félix Alcan, Paris,
1936.
BERNHEIM, H. L´Aphasie. Conception psychologique et clinique. Octave Doin et Fils,
Éditeurs, Paris, 1914.
__________. De lá Suggestion et dês Applications à la Thérapeutique, Octave Doin,
Éditeur, Paris, 1886.
__________. De la Suggestion, Albin Michel, Éditeur, Paris, 1916.
__________. Hypnotisme Suggestion Psychothérapie, Études Nouvelles, Octave Doin,
Éditeur, Paris, 1891.
BENDIT, Laurence J. Paranormal Cognition. Faher and Faber, London, 1943.
BIBLIOTECA ORIENTALISTA. Cartas Rosacruzes. Traduzidas do Alemão por F.H. e do
Inglês pro Nemo. Barcelona, 1901.
BLALKESLEE, Thomas. The Right Brain. The Macmillan Press Ltd., 1980.
BLAVATSKY, H.P.B. Les Origines du Rituel dans I´Église et dans la Maçonnarie. Traduit
de I´Anglais. Edition du “Message”.
BLOCK, N.J. & DWORKIN, Gerald, Editors, The I.Q. Controversy, Pantheon Books, New
York, 1976.
BOIRAC, Émile. La Psychologie Inconnue. Librairie Félix Alcan, Paris, 1912.
BONNET, M. Géraud. Traité Pratique d´Hypnotisme & de Suggestion Thérapeutique –
Procedes d´hipnotisation simples, rapides, inoffensifs à l´usage dês médecins,
pharmaciens, professeurs, instituteurs et dês gens du monde. Librairie Médicale et
Scientifique Jules Rousset, Paris, 1905.
BOURRU, H. et BUROT, P. La Suggestion Mentale et l´action à Distance des Substances
Toxiques et Médicamenteuses. Librairie J.B. Baillière et Fils, Paris, 1887.
BOZZANO, Ernest, La Médiumnité Polyglotte (Xénoglossie). Les Éditions Jean Meyer
(B.P.S.) – Paris, 1934.

O Segredo da Inteligência
31

BUTCHER, H.J. A Inteligência Humana (Human Intelligence). Traduzido por Dante


Moreira Leite. Editora Perspectiva. São Paulo, 1972.
CANNABRAVA, Euryalo. Descartes e Bérgson, Livraria “Amigos do Livro”, São Paulo.
CARREL, Aléxis. L´Homme, Cet Inconnu, Librairie Plon, Pars, 1935.
__________. La Prière. Editions Universitaires, Les Presses de Belgique, 1944.
__________. Milagres de Lourdes Seguidos de Fragmentos dum Diário e de Meditações
(Lê Voyage de Lourdes). Editores Educação Nacional, Porto.
CARREL, Aléxis. O Homem perante a Vida (La réflexion sur la conduite de la vie).
Tradução deCry Malpiqué. Editora Educação Nacional, Porto.
CHANGEAUX, Jean Pierre. L´Homme Neuronal. Fayard, Paris, 1983.
CHARCOT, J.M. La Foi qui Guérit. Aux Bureaux du Progrès Médical, Félix Alcan Éditeur,
Paris, 1897.
COUÉ, Émile. Ce que je Dis. (Extraits de mês Conférences). Édition de l´auteur, Paris,
1926.
DESCARTES, René. Discours de la Méthode. Éditions Garnier Frères, Paris, 1950.
DOLONNE, A. L´art d`Apprendre par l´Autosuggestion ou la Méthode Suggestive. Paulo
Leymarie Librairie-Éditeur, Paris, 1929.
DOUCET, Friedrich W. Treinamento da Intuição (Intuitionstraining). Tradução de Richard
Paul Neto. Editora Tecnoprint, Rio, 1981.
DUMAS, André. La Science de l´Âme – iniciation méthodique à l´étude des phénomenes
supranormaux et aux théories de la metaphysique. Ocia, 1947.
ECCLES, J.C. Brain and Conscious Experience, Springer-Vbrlag, Berlin, New York,
Heidelberg, 1966.
EINSTEIN, Albert. Aus Meinen Späten Jahren. Deutsche Verlags-Anstalt, Stuttgart, 1979.
FERRERO, Guilherme. Les Lois Psychologiques du Symbolisme. Traduit de l´Italien avec
de nombreuses modifications. Félix Alcan, Paris, 1895.
FRANCA, Leonel. A Psicologia da fé, 5ª edição, Agir, 1946.
FULTON, J.F. The Limbic System: A Study of the Visceral Brain in Primates and Man.
Yale J. Biol. Med. 26: 107-118, 1953.
GHSELIN, Brewster. (Editor) The Creative Process. A Mentor Book, 1952.
GREY WALTER, W. The Living Brain, W.W. Norton & Company, Inc. New York, 1963.
GUILFORD, J.P. Structure of the Intellect. Psychol. Bull., 53, 267-293, 1956.
__________. The Nature of Human Intelligence, McGraw-Hill Book Company, New York,
1967.
__________. Way beyound the I.Q. – A Guide to Improving Intelligence and Creativity The

O Segredo da Inteligência
32

Creative Education Foundation, Inc. in Association with Creative Synergetic Associates,


Ltd., Buffalo, New York, 1977.
HADAMARD, Jacques. The Psychology of Invention in the Mathematical Field. Dover
Publications, Inc., 1954.
HAMPDEN-TURNER, Charles. Maps of the Mind. Collier Books, New York, 1981.
HUIZINGA, Johan. Homo Ludens – O Jogo como Elemento de Cultura (Homo Ludens –
vom Ursprung der Kultur im Spiel). Trad. De João Paulo Monteiro, Perspectiva, Editora da
Universidade de São Paulo, 1971.
IVANOV, V.V. Gerade und Ungerade, die Asymmetrie des Gehirns und der
Zeichensysteme (Cet I necet, Asimmetrija mosga I snakoych sistem), Sovjetskoe radio,
Moskau, 1978. Aus d. Russ. übers. Von Winfried Petri. Stuttgart, Hirzel, 1983.
JAMES, William. Psychology. The World Publishing Company, 1948.
JANET, Pierre. La Médecine Psychologique. Ernest Flammarion, Éditeur, Paris, 1923.
JUNG, C.G. L´Âme et la Vie. Edition Buchet/Chastel, 1963.
KAMIN, Leon J. The Science and Politics of I.Q. John Wiley and Sons, 1974.
KLEIN, Melanie & RIVEIERE, Joan. A vida Emocional dos Civilizados (Love, Hate and
Reparation). Tradução de Octavio Alves Velho, Rio de Janeiro, 1962.
KLUVER, H. & BUCY, P.C. Preliminary Analysis of Functions of the Temporal Lobes in
Monkeys. Arch. Neurol. Psychiat. (Chicago) 42: 979-1000, 1939.
KOESTLER, Arthur. The Act of Creation. New York, Dell Publishing Co., Inc., 1967.
__________. The Ghost in the Machine. Danuhe Edition, London, 1976.
LANGE, Les Émotions (traduit d´après l´éditon allemande du Dr. Kurella par Georges
Dumas). Librairie Félix Alcan, Paris, 1911.
LEADBEATER, C.W. Clarividencia y Clariaudiencia. Traducido del original inglés por J.M.
y Ch., tercera édición. Biblioteca Orientalista, Editorial Maynadé, Barcelona, 1929.
LERÈDE, Jean. Sugerir para Ensinar (Suggérer pour Apprendre). Trad. de Anita Leocádia
Prestes. Editora Record, Rio, 1982.
LHERMITTE, Jean. Le Problème des Miracles, 6e édition. Gallimard, 1956.
LIÉBEAULT, A.A. Thérapeutique Suggestive son Mécanisme, Propriétés, Diverses du
Sonmmeil Provoqués et des États Analogues. Octave Doin, Éditeur, Paris, 1891.
LIUNGMAN, Carl G. El Mito de la Inteligencia (Mytem om Intelligensen). Tradução de
Deerie Person. Ediciones Martinez Roca S.A., 1972.
LONG, Max Freedom. The Secret Science at Work. DeVorss & Company, Marina del Rey,
California 90291.

O Segredo da Inteligência
33

__________. Milagres da Ciência Secreta (Secret Science behind Miracles). Traduzido


por Prof. Izilda C. Pina e Odete Nascimento Caldeira, Grupo Editorial Monismo Ltda.,
1978.
LOZANOV, Georgi. Suggestology and Outlines of Suggestopedy. Gordon and Breach,
New York, 1978.
LUPASCO, Stéphanie. Du Devenir Logique et de l´Affectivité – Le Dualisme Antagoniste.
Librairie Philosophique J. Vrin, 1973.
LUYS, J. Les Émotions dans l´État d´Hypnotisme. Librairie J.B. Baillière et Fils, Paris,
1890.
MACHADO de Andrade, LUIZ José. A Atitude Consciente para a Criatividade. Edição do
Autor, Rio, 1972.
__________.O Desenvolvimento das Capacidades Humanas como Elemento de Auto-
Realização. Edição do Autor, Rio, 1972.
__________.Pode-se Desenvolver a Criatividade e a Inteligência? Edição do Autor, Rio,
1980.
__________. Toda Criança Nasce Gênio, Edição do Autor, Rio, 1982. Edition in English:
Every Child is Born a Genius, Private Edition, Rio, 1985.
__________. Princípios de Emotologia e Emotopedia, Edição do Autor, 1985. Edition in
English: Principles of Emotology and Emotopedia, Private Edition, 1985. Edition in
Spanish: Princípios de Emotologia y Emotopedia.
MACHADO de Andrade, LUIZ José. Implicações das Neurociências para o Processo
Ensino / Aprendizagem, 2a edição do Autor, Rio, 1986. Edition in English: Implications of
the Neurosciences for the Teaching / Learning Process cultural, social and educational
consequences – Private edition, Rio, 1986.
MacLEAN, Paul. Man and his Animal Brain, in Modern Medicine, 95-106, 2-3-64.
__________.The Limbic system with respect to self preservation and the preservation of
the species. J.Nerv. & Ment. Dis. CSSVII: 1-10, 1958.
MARINO JR., Raul. Fisiologia das Emoções. Sarvier, São Paulo, 1975.
MARTINEZ, Miguel. Implicaciones de la Neurociencia para la Creatividad y el
Autoaprendizaje, Caracas, 1985.
MARTINS, Diamantino. Bergson – A Intuição como Método na Metafísica. Livraria
Tavares Martins, Porto, 1957.
MAYER, Charles Léopold. La Sensation Crée la vie. Librairie Marcel Rivière et Cie, Paris,
1959.
MOYANO, Horacio Ferreira. Cerebro y Agresión. Ediciones Nueva Visión, Buenos Aires,
1972.

O Segredo da Inteligência
34

ORSTEIN, Robert & THOMPSON, Richard F. The Amazing Brain. Houghton Mifflin
Company, Boston, 1984.
OSTRANDER, Sheila & SCHROEDER, Lynn. Phychic Discoveries behind the Iron
Curtain, Prentice-Hall, Inc., Englewood Cliffs, New Jersey 07632, 1970.
__________.Handbook of Psi Discoveries. Berkley Publishing Corporation, 1974.
OSTRANDER, Sheila, SCHROEDER, Lynn and OSTRANDER, Nancy. Superlearning,
New York, Dell Publishing, Co., 1979.
PACKARD, Vance. The Hidden Persuaders, David Mckay Company, Inc., New York,
1957.
PANCHADASI, Swami. Telepatia y Clarividencia. Editorial Kliar, Buenos Aires, 1946
PAPUS, Considérations sur les Phénomènes du Spiritisme. Librairie des Sciences
Psychologiques, Paris, 1890.
PENFIELD, W. Speech and Perception – the uncommitted cortex – Apud Eccles, 1966.
PIAGET, Jean. La Psychologie de l´Intelligence. Librairie Armand Colin, Paris, 1949.
PIÉRON, Henri. La Sensation Guide de Vie. Gallimard, 1945.
RAMIREZ, José Artigas. Descartes y la Formación del Hombre Moderno. Consejo
Superior de Invetigaciones Científicas, Instituto “San Jose de Calasanz” de Pedagogía,
Madrid, 1951.
RESTAK, Richard M. The Brain – The Last Frontier. Warner Books, 1980.
RIBOT, Th. La psychologie des Sentiments, douzième edition, Librairie Félix Alcan, Paris,
1896.
RICHET, Charles. L´Avenir et la Premonition. Éditions Montaigne, Paris.
__________. O Sexto Sentido (Notre Sixième Sens). Tradução de Yolanda Vieira Martins.
Sociedade Metapsíquica de São Paulo, São Paulo, 1940.
__________. L`Intelligence et l´Homme – Études de Psychologie et de Physiologie.
Nouvelle Édition, Librairie Félix Alcan, Paris, 1936.
__________. Trate de Métapsychique, deuxième édition Refoundue, Librairie Félix Alcan,
Paris, 1923.
RHINE, J.B. Fenômenos Psi e Psiquiatria (Psi Phenomena and Psychiatry). Tradução de
E. Jacy Monteiro, Hemus – Livraria Editora Ltda., São Paulo, 1966.
__________. Novas Fronteiras da Mente (New Frontiers of the Mind). Tradução de
Leonidas Gontijo de Carvalho, Ibrasa, São Paulo, 1965.
ROSTAND, Jean. L´Évolution des Espèces. Librairie Hacheette, 1932.
SAGAN, Carl. The Dragons of Eden – Speculations on the Evolution of Human
Intelligence. Coronet Books. 1979.

O Segredo da Inteligência
35

__________.Broca´s Brain, Coronet Books, 1980.


SAISSET, L. et F. L´Éducation par la Suggestion. Presses Universitaires de France, Paris,
1942.
SILVA MELO, A. da Mistérios e Realidades deste e do Outro Mundo. Livraria José
Olympio Editora, 1948.
SPEARMAN, Charles. Las Habilidades Del Hombre, su Naturaleza y Medición (The
Abilities of Man, their Nature and Measurement). Trad. do Prof. Eduardo Loldel. Editorial
Paidós, Buenos Aires, 1955.
STEINER, Rudolf. Praktische Ausbildung des Denkens, Der Kommende Tag. A.G. Verlag,
Stuttgart, 1922.
TARCHANOFF, Jean de. Hypnotisme et Suggestion – Lecture des Pensées, Second
edition, G. Masson, Éditeur, Paris, 1892.
TERMAN, L.M. (Ed) Genetic Studies of Genius. Stanford University Press.
I· Mental and Physical Traits of a Thousand Gifted Children, L.M. Terman and others.
II· Early Mental Traits of Three Hundred Geniuses, Catherine M. Cox.
III· The Promise of Youth. Barbar S. Burks, Dortha W. Jensen and Lewis M. Termans.
IV· The Gifted Child Grows Up: Twenty-five Years´Follow-up of a Superior Group. Lewis
Terman and Lelita H. Oden.
V· The Gifted Group at Mid-life: Thirty-five Years´Follow-up of the Superior Child. Lewis
Terman and Lelita H. Oden.
TRUC, Gonzague. L´Avenir de la Raison. La Renaissance du Livre, Paris.
WALLAS, C. The Art of Thought, Harcourt, Brace, New York, 1926.
WERTHEIMER Max. Productive Thinking. Tavistock Publications and Social Science
Paperbacks, Great Britain, 1968.
WESTON, Walter Newell. A Intuição. Seu papel, suas leis, sua psicologia, seus triunfos e
sua divindade. 3ª edição, Editora “O Pensamento”. São Paulo.
WIENER, Norbert. Cybernetics: or Control and Communication in the Animal and the
Machine, 2 nd edition. The M.I.T. Press, Cambridge, Massachusetts, 1961.
__________. Cibernética e Sociedade (The Human Use of Human Beings). 2a edição.
Tradução de José Paulo Paes. Editora Cultrix, São Paulo, 1968.

O Segredo da Inteligência
36

Livros escritos pelo Prof. Luiz Machado, CD e DVDs disponíveis na


biblioteca virtual da Cidade do Cérebro

LIVROS
 Toda Criança Nasce Gênio
 O Cérebro do Cérebro
 Auto-Estimulação da Inteligência
 Descubra e Use sua Verdadeira Inteligência Emocional
 O Segredo da Inteligência
 Breve Introdução à Emotologia
 Princípios de Emotologia e Emotopedia

DVDs
 Como Lidar com as Crianças de Hoje
 A Revelação do Grande Segredo

CD
 A Revelação do Grande Segredo

Consulte nossa Biblioteca Virtual, no site:


http://www.cidadedocerebro.com.br/loja.asp

O Segredo da Inteligência