You are on page 1of 51

UNIFEBE 59574079.

xls
Página 1
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

CÁLCULO DO INVESTIMENTO INICIAL

PROJETOS DE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS:

CUSTO DO NOVO ATIVO INSTALADO =


CUSTO DO NOVO ATIVO
+ CUSTO DE INSTALAÇÃO

(-) RESULTADO APÓS O IR, OBTIDO COM A VENDA DO ATIVO VELHO =


VALOR OBTIDO COM A VENDA DO ATIVO VELHO
(-) IMPOSTO DE RENDA

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL)

* IMPOSTO DE RENDA:
(VALOR RECEBIDO - VALOR CONTÁBIL LÍQUIDO) x ALIQ. IR

* VALOR CONTÁBIL LÍQUIDO:


CUSTO DE AQUISIÇÃO - DEPRECIAÇÃO ACUMULADA

* EXEMPLO:
A Indústria Hudson comprou um ativo por $ 100.000 há dois anos. O prazo de vida útil desse ativo é de 5 anos. A
depreciação é feita pelo método linear. Se a Hudson decidir vender esse ativo por $ 110.000, qual será a
tributação sobre a venda, considerando as alíquotas de IR e CSL de 15% e 9% respectivamente?

CUSTO DO ATIVO 100,000.00


TEMPO DE DEPRECIAÇÃO 2
PRAZO DE VIDA ÚTIL 5
VALOR DE VENDA 110,000.00
ALÍQUOTAS 15% 9%

DEPRECIAÇÃO ACUMULADA.............................. 40,000.00

VALOR LÍQUIDO CONTÁBIL................................. 60,000.00

LUCRO OBTIDO NA VENDA................................. 50,000.00

IMPOSTOS............................................................... 12,000.00

* VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO


A Indústria Hudson tem o objetivo de expandir suas operações. Para tanto, estuda substituir esse ativo por outro,
mais efeciente, que custa $ 180.000 e tem prazo de vida útil de 5 anos. A compra desse novo ativo, além de
aumentar a produção da empresa, resultará num aumento nos seguintes itens patrimoniais:

CAIXA + 4,000.00
DUPLICATAS A RECEBER + 10,000.00
ESTQOUES + 8,000.00
DUPLICATAS A PAGAR + 7,000.00
CONTAS A PAGAR + 2,000.00

CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL) = ATIVO CIRCULANTE - PASSIVO CIRCULANTE

VARIAÇÃO NO CCL = NO ATIVO CIRCULANTE - NO PASSIVO CIRCULANTE

VARIAÇÃO NO CCL = 13,000.00


UNIFEBE 59574079.xls
Página 2
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

* CALCULANDO O INVESTIMENTO INICIAL:

CUSTO DO NOVO ATIVO INSTALADO =


CUSTO DO NOVO ATIVO 180,000.00
+ CUSTO DE INSTALAÇÃO - 180,000.00

(-) RESULTADO APÓS O IR, OBTIDO COM A VENDA DO ATIVO VELHO =


VALOR OBTIDO COM A VENDA DO ATIVO VELHO 110,000.00
(-) IMPOSTO DE RENDA (12,000.00) (98,000.00)

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL) 13,000.00

INVESTIMENTO INICIAL.......................................................................................... 95,000.00

PROJETOS DE EXPANSÃO:

CUSTO DO NOVO ATIVO INSTALADO =


CUSTO DO NOVO ATIVO
+ CUSTO DE INSTALAÇÃO

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL)

Exemplo:
Uma pessoa pretende montar uma pequena empresa, para produção de tapetes. Para isso, precisa adquirir um
tear, no valor de R$ 20.000,00. Além disso, estima que gastará com instalação elétrica para colocar a máquina em
funcionamento um valor aproximado de R$ 1.500,00. Para começar a produção, calcula que precisará de um valor
aproximado de R$ 4.000,00 para capital de giro.

CUSTO DO NOVO ATIVO INSTALADO =


CUSTO DO NOVO ATIVO 20,000.00
+ CUSTO DE INSTALAÇÃO 1,500.00 21,500.00

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL) 4,000.00

TOTAL DO INVESTIMENTO INICIAL......................................... 25,500.00


UNIFEBE 59574079.xls
Página 3
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

EXERCÍCIO Nr. 1.1

A Powell Corporation, deseja substituir uma máquina antiga por um modelo novo e muito mais sofisticado. O
preço de compra da nova máquina é $ 380.000 e $ 20.000 adicionais serão exigidos para instalá-la. Ela será
depreciada pelo método linear durante 5 anos e estima-se que tenha um valor residual ao final desses 5 anos de
$ 35.000. A máquina atual (velha) foi comprada há 3 anos por $ 240.000 e está sendo depreciada pelo método
linear, pelo período de 5 anos. A empresa encontrou um comprador disposto a pagar $ 280.000 pela máquina e
arcar com os custos de sua remoção. A empresa espera ter variações nas suas contas circulantes conforme
apresentado abaixo. Qual será o valor do investimento inicial a ser feito pela empresa, supondo que ela seja
tributada pelo lucro real, com alíquotas de 15% p/ IR e 9% para CSL?

CAIXA + 7,000.00
DUPLICATAS A RECEBER + 15,000.00
ESTQOUES + 13,000.00
DUPLICATAS A PAGAR + 10,000.00
CONTAS A PAGAR + 8,000.00

EXERCÍCIO Nr. 1.2

A Damom Corporation, deseja substituir uma máquina antiga por um modelo novo e muito mais sofisticado. O
preço de compra da nova máquina é $ 320.000 e $ 30.000 adicionais serão exigidos para instalá-la. Ela será
depreciada pelo método linear durante 5 anos. A máquina atual (velha) foi comprada há 6 anos por $ 280.000 e
está sendo depreciada pelo método linear, pelo período de 10 anos. A empresa encontrou um comprador disposto
a pagar $ 100.000 pela máquina e arcar com os custos de sua remoção. A empresa espera ter variações nas
suas contas circulantes conforme apresentado abaixo. Qual será o valor do investimento inicial a ser feito pela
empresa,supondo que ela seja tributada pelo lucro real, com alíquotas de 15% p/ IR e 9% para CSL?

CAIXA + 12,000.00
DUPLICATAS A RECEBER + 8,000.00
ESTQOUES + 15,000.00
DUPLICATAS A PAGAR + 7,000.00
CONTAS A PAGAR + 5,000.00

EXERCÍCIO Nr. 1.3

A Powell Corporation, deseja substituir uma máquina antiga por um modelo novo e muito mais sofisticado. O
preço de compra da nova máquina é $ 250.000 e $ 10.000 adicionais serão exigidos para instalá-la. Ela será
depreciada pelo método linear durante 10 anos e estima-se que tenha um valor residual ao final desses 10 anos
de $ 25.000. A máquina atual (velha) foi comprada há 8 anos por $ 110.000 e está sendo depreciada pelo método
linear, pelo período de 10 anos. A empresa encontrou um comprador disposto a pagar $ 25.000 pela máquina e
arcar com os custos de sua remoção. A empresa espera ter variações nas suas contas circulantes conforme
apresentado abaixo. Qual será o valor do investimento inicial a ser feito pela empresa, supondo que ela seja
tributada pelo Simples, com alíquota de 3,5%?

CAIXA + 5,000.00
DUPLICATAS A RECEBER + 10,300.00
ESTQOUES + 15,500.00
DUPLICATAS A PAGAR + 8,000.00
CONTAS A PAGAR + 3,000.00
UNIFEBE 59574079.xls
Página 4
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

EXERCÍCIO Nr.
Nr. 1.4
1.4

A Irwin S/A está considerando a compra de um novo equipamento para substituir o existente. O novo equipamento
custará $ 75.000 e exigirá $ 5.000 em custos de instalação. Ele será depreciado pelo método linear por 5 anos. O
equipamento existente foi adquirido a um custo total de $ 50.000, quatro anos atrás; ele está sendo depreciado
pelo método linear, por um período de 5 anos. Esse equipamento pode ser vendido hoje por $ 55.000, líquidos de
quaisquer despesas com venda ou remoção. Como resultado dessa proposta de substituição de equipamento,
espera-se que o investimento em capital circulante líquido aumente em $ 15.000. A empresa paga 15% de IR e 9%
de CSL:
a) Calcule o valor contábil para o equipamento existente;
b) Determine os impostos, se devidos, incidentes sobre a venda do equipamento existente.
c) Calcule o investimento inicial associado à proposta de substituição do equipamento.

EXERCÍCIO Nr.
Nr. 1.5
1.5

A Cushing Corporation está considerando a compra de uma nova máquina para substituir a existente. A nova
máquina custará $ 35.000 e exigirá $ 5.000 em custos de instalação. Ela será depreciada pelo método linear por 5
anos. A máquina existente foi adquirida a um custo total de $ 20.000, três anos atrás; ela está sendo depreciado
pelo método linear, por um período de 5 anos, e estima-se que possua ainda mais 5 anos de vida útil. Essa
máquina pode ser vendida hoje por $ 25.000, líquidos de quaisquer despesas com venda ou remoção. Como
resultado dessa proposta de substituição de equipamento, espera-se que o investimento em capital circulante
líquido aumente em $ 10.000. A empresa paga 15% de IR e 9% de CSL:
a) Calcule o valor contábil para o equipamento existente;
b) Determine os impostos, se devidos, incidentes sobre a venda do equipamento existente.
c) Calcule o investimento inicial associado à proposta de substituição do equipamento.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 5
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

CÁLCULO DAS ENTRADAS DE CAIXA OPERACIONAIS

* BENEFÍCIOS EM TERMOS DE "CAIXA" QUE A EMPRESA ESPERA TER COM O PROJETO

* DEVE SER CALCULADO APÓS OS IMPOSTOS.

* NÃO TRATA-SE DO LUCRO CONTÁBIL, MAS SIM, DAS ENTRADAS DE CAIXA.

PROJETOS DE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS:

* EXEMPLO:
A Powell Corporation estimou suas receitas e despesas (excluindo depreciação), com e sem o dispêndio de capital
proposto, descrito no exercício 1.1, conforme a tabela abaixo. O prazo de vida útil esperado da máquina proposta
bem como a prazo de vida útil restante da máquina atual é de 5 anos. No entanto, espera-se que a máquina
proposta tenha um valor residual de $ 35.000 ao final dos 5 anos.

RECEITAS E DESPESAS (EXCLUINDO A DEP)


DA POWELL CORPORATION
ANO RECEITA DESPESA
Com a máquina proposta
1 2,520,000 2,300,000
2 2,520,000 2,300,000
3 2,520,000 2,300,000
4 2,520,000 2,300,000
5 2,520,000 2,300,000
Com a máquina atual
1 2,200,000 1,990,000
2 2,300,000 2,110,000
3 2,400,000 2,230,000
4 2,400,000 2,250,000
5 2,250,000 2,120,000

DESPESA DE DEPRECIAÇÃO DA POWELL CORPORATION


ANO CUSTO % DEPREC.
Com a máquina proposta
1 365,000 20% 73,000
2 365,000 20% 73,000
3 365,000 20% 73,000
4 365,000 20% 73,000
5 365,000 20% 73,000
100% 365,000
Com a máquina atual
4 240,000 20% 48,000
5 240,000 20% 48,000
-
-
-
40% 96,000

CÁLCULO DAS ENTRADAS OPERACIONAIS DE CAIXA ANUAIS:


UNIFEBE 59574079.xls
Página 6
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

RECEITA
(-) DESPESAS (EXCLUINDO DEPRECIAÇÃO)
(=) LUCRO ANTES DA DEPREC E DO IR E CSL
(-) DEPRECIAÇÃO
(=) LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IR E CSL
(-) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIB SOCIAL S/ LUCRO
(=) LUCRO LÍQUIDO APÓS O IR E CSL
(+) DEPRECIAÇÃO
(=) ENTRADA DE CAIXA OPERACIONAL

CÁLCULO DAS ENTRADAS DE CAIXA OPERACIONAIS PARA POWELL CORPORATION


ANO LUCRO DEPREC LUCRO IR/CSL LUCRO ENTRADAS
ANTES DEPR ANTES IR/CSL 24% LÍQUIDO CX OPER.
Com a máquina proposta
1 220,000 (73,000) 147,000 (35,280) 111,720 184,720
2 220,000 (73,000) 147,000 (35,280) 111,720 184,720
3 220,000 (73,000) 147,000 (35,280) 111,720 184,720
4 220,000 (73,000) 147,000 (35,280) 111,720 184,720
5 220,000 (73,000) 147,000 (35,280) 111,720 184,720
Com a máquina atual
1 210,000 (48,000) 162,000 (38,880) 123,120 171,120
2 190,000 (48,000) 142,000 (34,080) 107,920 155,920
3 170,000 170,000 (40,800) 129,200 129,200
4 150,000 - 150,000 (36,000) 114,000 114,000
5 130,000 - 130,000 (31,200) 98,800 98,800

ENTRADAS DE CAIXA OPERACIONAIS INCREMENTAIS PARA A POWELL CORPORATION


ANO MÁQUINA MÁQUINA ENTRADA
PROPOSTA ATUAL INCREMENTAL
1 184,720 171,120 13,600
2 184,720 155,920 28,800
3 184,720 129,200 55,520
4 184,720 114,000 70,720
5 184,720 98,800 85,920

PROJETOS DE EXPANSÃO:

* EXEMPLO:

Uma empresa pretende investir em um novo ramo de atividade. Para isso, estimou suas receitas e despesas
(excluindo depreciação), com essa atividade conforme a tabela abaixo. Para exercer essa atividade, a empresa terá
que adquirir uma máquina que custa $ 150.000, cujo prazo de vida útil é de 5 anos. Espera-se que essa máquina
tenha um valor residual de $ 30.000 ao final dos 5 anos.

RECEITAS E DESPESAS (EXCLUINDO A DEP)


ANO RECEITA DESPESA
1 220,000 132,000
2 250,000 150,000
3 350,000 210,000
4 330,000 198,000
5 240,000 144,000

DESPESA DE DEPRECIAÇÃO DA EMPRESA


ANO CUSTO % DEPREC.
1 120,000 20% 24,000
2 120,000 20% 24,000
3 120,000 20% 24,000
4 120,000 20% 24,000
5 120,000 20% 24,000
UNIFEBE 59574079.xls
Página 7
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

100% 120,000

CÁLCULO DAS ENTRADAS OPERACIONAIS DE CAIXA ANUAIS:


RECEITA
(-) DESPESAS (EXCLUINDO DEPRECIAÇÃO)
(=) LUCRO ANTES DA DEPREC E DO IR E CSL
(-) DEPRECIAÇÃO
(=) LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IR E CSL
(-) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIB SOCIAL S/ LUCRO
(=) LUCRO LÍQUIDO APÓS O IR E CSL
(+) DEPRECIAÇÃO
(=) ENTRADA DE CAIXA OPERACIONAL

CÁLCULO DAS ENTRADAS DE CAIXA OPERACIONAIS


ANO LUCRO DEPREC LUCRO IR/CSL LUCRO ENTRADAS
ANTES DEPR ANTES IR/CSL 24% LÍQUIDO CX OPER.
1 88,000 (24,000) 64,000 (15,360) 48,640 72,640
2 100,000 (24,000) 76,000 (18,240) 57,760 81,760
3 140,000 (24,000) 116,000 (27,840) 88,160 112,160
4 132,000 (24,000) 108,000 (25,920) 82,080 106,080
5 96,000 (24,000) 72,000 (17,280) 54,720 78,720
UNIFEBE 59574079.xls
Página 8
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

EXERCÍCIO Nr.
Nr. 1.6
1.6

A Danton S/A estimou suas receitas e despesas (excluindo depreciação), se substituir uma máquina ultrapassada
por outra mais moderna, conforme a tabela abaixo. O prazo de vida útil esperado da máquina proposta bem como a
prazo de vida útil restante da máquina atual é de 5 anos. A máquina atual tem um prazo de vida útil total de 10
anos.

RECEITAS E DESPESAS (EXCLUINDO A DEP)


DA DANTON S/A
ANO RECEITA DESPESA
Com a máquina proposta
1 1,680,000 1,590,000
2 1,840,000 1,680,000
3 1,840,000 1,680,000
4 1,780,000 1,630,000
5 1,750,000 1,600,000
Com a máquina atual
1 1,230,000 1,110,000
2 1,250,000 1,160,000
3 1,250,000 1,160,000
4 1,200,000 1,170,000
5 1,170,000 1,180,000

A máquina proposta pode ser adquirida por $ 520.000, sendo necessário mais $ 10.000 de frete, $5.000 de
seguro e $ 30.000 de instalação. Estima-se que ela possa ser vendida ao final dos 5 anos por $ 70.000. A
máquina atual custou $ 280.000 e espera-se vendê-la no final de sua vida útil por $ 10.000.

Determine os fluxos de caixa incrementais que poderão ser obtidos pela empresa ao fazer a substituição.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 9
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

EXERCÍCIO Nr. 1.6.1

A Sociedade Computada está estudando a possibilidade de adquirir um computador de


pequenas dimensões. Atualmente, o sistema de escrituração é manual e acarreta, para a
empresa, as seguintes despesas (em forma de saídas de caixa) por mês: ordenados de R$ 500;
material de papelaria de R$ 200; encargos sociais de R$ 325. É necessário considerar que as
atuais máquinas e acessórios de escritório, utilizados na escrituração, são totalmente
depreciados, não se estimando valor residual apreciável (considere como se fosse zero). O
custo do computador, com todos os gastos acessórios e os equipamentos atrelados, é de cerca
de R$ 4.800. O computador deverá estar quase que totalmente obsoleto ao cabo de quatro anos
e seu valor residual será estimado em R$ 300. A empresa costuma, por tradição, considerar os
valores residuais estimados como entradas de caixa, nas datas em que se presume sejam
recebidos.

PEDE-SE:
a) O cálculo das economias em fluxos anuais de caixa, após o imposto. Considere uma taxa de
imposto de 15%.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:
Os custos anuais do sistema computadorizado são estimados em R$ 2.400

EXERCÍCIO Nr. 1.6.2

A Sociedade Maluca está estudando a possibilidade de adquirir uma máquina para produzir
velas. Atualmente, a produção é feita manualmente e acarreta, para a empresa, as seguintes
despesas (em forma de saídas de caixa) por mês: ordenados de R$ 85.000 e encargos sociais
de R$ 55.250. O custo da máquina, com todos os gastos acessórios, é de cerca de R$
1.300.000. A máquina deverá estar quase que totalmente obsoleta ao cabo de 5 anos e seu
valor residual será estimado em R$ 350.000. A empresa costuma, por tradição, considerar os
valores residuais estimados como entradas de caixa, nas datas em que se presume sejam
recebidos. Além das economias com mão-de-obra, a empresa espera obter com a máquina um
ganho de produtividade, que pode representar uma entrada maior de caixa mensal de R$
40.000. Essa produtividade deverá crescer a uma taxa de 10% ao ano.
valores residuais estimados como entradas de caixa, nas datas em que se presume sejam
recebidos. Além das economias com mão-de-obra, a empresa espera obter com a máquina um
ganho
UNIFEBE de produtividade, que pode representar uma entrada maior de caixa mensal de R$Página 10
59574079.xls
40.000. Essa produtividade deverá crescer a Tópico
Prof.: Roberto C. Klann 2 de 10% ao ano.
uma taxa

PEDE-SE:
a) O cálculo das economias em fluxos anuais de caixa, após o imposto. Considere uma taxa de
imposto de 24%.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:
O custo anual de manutenção da máquina está estimado em R$ 460.000, crescendo na ordem
de 5% ao ano

CÁLCULO
CÁLCULO DO
DO FLUXO
FLUXO DE CAIXA RESIDUAL
RESIDUAL

PROJETOS DE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS:

RECBTO PELA VENDA DO NOVO ATIVO APÓS O IR


RECBTO PELA VENDA DO NOVO ATIVO
-/+ IMPOSTOS INCIDENTES S/ A VENDA DO NOVO ATIVO

(-) RECBTO PELA VENDA DO ATIVO VELHO APÓS O IR


VALOR OBTIDO COM A VENDA DO ATIVO VELHO
-/+ IMPOSTOS INCIDENTES S/ A VENDA DO ATIVO VELHO

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL)

* IMPOSTO DE RENDA:
(VALOR RECEBIDO - VALOR CONTÁBIL LÍQUIDO) x ALIQ. IR

* VALOR CONTÁBIL LÍQUIDO:


CUSTO DE AQUISIÇÃO - DEPRECIAÇÃO ACUMULADA

* VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO

"A variação no capital circulante líquido reflete a reversão para sua situação original, de qualquer
investimento no capital circulante líquido, refletido como parte do investimento
inicial."(GITMAN,1997,p. 309).

"Logicamente, podem ocorrer situações nas quais o capital circulante líquido não se altera
devido às propostas de investimentos e, consequentemente, não entrará na análise". (GITMAN,
1997,p. 309).

EXEMPLO:

Continuando com o exemplo da Powell Corporation, vamos supor que a empresa espere ser capaz de vender a
nova máquina no final de seu quinto ano de vida útil pelo valor líquido de $ 50.000, após pagar custos de vendas e
remoção. A máquina velha, ao final desse mesmo quinto ano, não possuirá mais valor comercial. A empresa
espera recuperar os $ 17.000 de investimentos em capital circulante líquido ao término do projeto.
UNIFEBE 59574079.xls
Continuando com o exemplo da Powell Corporation, vamos Página 11
Prof.: Roberto C. Klann Tópicosupor
2 que a empresa espere ser capaz de vender a
nova máquina no final de seu quinto ano de vida útil pelo valor líquido de $ 50.000, após pagar custos de vendas e
remoção. A máquina velha, ao final desse mesmo quinto ano, não possuirá mais valor comercial. A empresa
espera recuperar os $ 17.000 de investimentos em capital circulante líquido ao término do projeto.

VALOR DE CUSTO DA MÁQUINA NOVA 400,000.00


VALOR DE VENDA DA MÁQUINA NOVA 50,000.00
VALOR RESIDUAL DA MÁQUINA NOVA 35,000.00
TEMPO DE DEPRECIAÇÃO 5
PRAZO DE VIDA ÚTIL 5
ALÍQUOTAS 15% 9%

DEPRECIAÇÃO ACUMULADA.............................. 365,000.00

VALOR LÍQUIDO CONTÁBIL................................. 35,000.00

LUCRO OBTIDO NA VENDA................................. 15,000.00

IMPOSTOS............................................................... 3,600.00

VALOR DE CUSTO DA MÁQUINA ATUAL 240,000.00


VALOR DE VENDA DA MÁQUINA ATUAL -
VALOR RESIDUAL DA MÁQUINA ATUAL -
TEMPO DE DEPRECIAÇÃO 5
PRAZO DE VIDA ÚTIL 5
ALÍQUOTAS 15% 9%

DEPRECIAÇÃO ACUMULADA.............................. 240,000.00

VALOR LÍQUIDO CONTÁBIL................................. -

LUCRO OBTIDO NA VENDA................................. -

IMPOSTOS............................................................... -

CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO RECUPERADO 17,000.00

* CALCULANDO O FLUXO DE CAIXA RESIDUAL:

RECBTO PELA VENDA DO NOVO ATIVO APÓS O IR


RECBTO PELA VENDA DO NOVO ATIVO 50,000.00
-/+ IMPOSTOS INCIDENTES S/ A VENDA DO NOVO ATIVO (3,600.00) 46,400.00

(-) RECBTO PELA VENDA DO ATIVO VELHO APÓS O IR


VALOR OBTIDO COM A VENDA DO ATIVO VELHO -
-/+ IMPOSTOS INCIDENTES S/ A VENDA DO ATIVO VELHO - -

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL) 17,000.00

FLUXO DE CAIXA RESIDUAL................................................................................. 63,400.00


UNIFEBE 59574079.xls
Página 12
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

PROJETOS DE EXPANSÃO:

RECBTO PELA VENDA DO ATIVO APÓS O IR


RECBTO PELA VENDA DO ATIVO
-/+ IMPOSTOS INCIDENTES S/ A VENDA DO ATIVO

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL)

EXEMPLO:

Continuando com o exemplo da fábrica de tapetes, vamos supor que a empresa espere ser capaz de vender o tear
no final de seu quinto ano de vida útil pelo valor líquido de $ 3.000, após pagar custos de vendas e remoção. A
empresa espera recuperar os $ 4.000 de investimentos em capital circulante líquido ao término do projeto.

VALOR DE CUSTO DO TEAR 21,500.00


VALOR DE VENDA DO TEAR 3,000.00
VALOR RESIDUAL DA MÁQUINA NOVA -
TEMPO DE DEPRECIAÇÃO 5
PRAZO DE VIDA ÚTIL 5
ALÍQUOTAS 15% 9%

DEPRECIAÇÃO ACUMULADA.............................. 21,500.00

VALOR LÍQUIDO CONTÁBIL................................. -

LUCRO OBTIDO NA VENDA................................. 3,000.00

IMPOSTOS............................................................... 720.00

CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO RECUPERADO 4,000.00

* CALCULANDO O FLUXO DE CAIXA RESIDUAL:


UNIFEBE 59574079.xls
Página 13
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

RECBTO PELA VENDA DO ATIVO


RECBTO PELA VENDA DO ATIVO 3,000.00
-/+ IMPOSTOS INCIDENTES S/ A VENDA DO ATIVO (720.00) 2,280.00

(+/-) VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL) 4,000.00

FLUXO DE CAIXA RESIDUAL................................................................................. 6,280.00

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr. 1.7

A empresa Miller Ltda precisa identificar qual o fluxo de caixa residual resultante de um projeto de substituição de
suas máquinas. As informações necessárias para esse cálculo encontram-se abaixo. Ajude a Miller a efetuar esse
cálculo.

VALOR DE CUSTO DA MÁQUINA NOVA 1,560,000.00


VALOR DE VENDA DA MÁQUINA NOVA 160,000.00
VALOR RESIDUAL DA MÁQUINA NOVA 40,000.00
TEMPO DE DEPRECIAÇÃO 5
PRAZO DE VIDA ÚTIL 5
ALÍQUOTAS 15% 9%

VALOR DE CUSTO DA MÁQUINA ATUAL 820,000.00


VALOR DE VENDA DA MÁQUINA ATUAL 17,300.00
VALOR RESIDUAL DA MÁQUINA ATUAL -
TEMPO DE DEPRECIAÇÃO 9
PRAZO DE VIDA ÚTIL 10
ALÍQUOTAS 15% 9%

CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO RECUPERADO 84,000.00


UNIFEBE 59574079.xls
Página 14
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

FLUXOS
FLUXOS DE
DE CAIXA RELEVANTES
RELEVANTES

APRESENTA-SE AGORA, OS FLUXOS DE CAIXA RELEVANTES PARA A POWELL CORPORATION.

63,400.00
13,600.00 28,800.00 55,520.00 70,720.00 85,920.00
149,320.00

0
1 2 3 4 5

Tempo (anos)

#REF!
UNIFEBE 59574079.xls
Página 15
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr. 1.8

Uma máquina que está sendo usada atualmente foi comprada dois anos atrás por $ 40.000. Ela está sendo
depreciada pelo método linear, por um período de 5 anos, e tem três anos de vida útil remanescente. Essa
máquina pode ser vendida hoje por $ 42.000, líquidos de quaisquer custos de venda ou remoção. Uma nova
máquina, depreciada por três anos, pode ser adquirida por $ 140.000. São necessários $ 10.000 para instalá-la e
ela tem três anos de vida útil. Se a nova máquina for adquirida, espera-se que o investimento em duplicatas a
receber aumente em $ 10.000, o investimento em estoques cresça em $ 25.000 e as duplicatas a pagar cresçam
em $ 15.000. Espera-se que os lucros antes da depreciação e dos impostos sejam de $ 70.000 para cada um dos
três próximos anos, com a máquina existente, e de $ 120.000 no primeiro ano e $ 130.000 no segundo e terceiro
anos, com a nova máquina. Ao final dos três anos, o valor de mercado da máquina existente seria igual a zero,
mas a nova máquina poderia ser vendida por $ 35.000, antes dos impostos. As alíquotas de IR e CSL são 15% e
9% respectivamente.
a) Determine o investimento inicial associado à decisão de substituição proposta.
b) Calcule as entradas de caixa operacionais incrementais para os anos 1 a 3, associadas à proposta de
substituição.
c) Calcule o fluxo de caixa residual associado à decisão de substituição proposta.
d) Trace o diagrama dos fluxos de caixa relevantes encontrados em a, b e c, associados a decisão de substituição
proposta, supondo que seu término seja no final do terceiro ano.

OBS.: PARA FINS DE DEPRECIAÇÃO, A EMPRESA RESOLVEU CONSIDERAR VALOR RESIDUAL = ZERO
UNIFEBE 59574079.xls
Página 16
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr. 1.9

Uma máquina que está sendo usada atualmente foi comprada três anos atrás por $ 62.000. Ela está sendo
depreciada pelo método linear, por um período de 8 anos, e tem cinco anos de vida útil remanescente. Essa
máquina pode ser vendida hoje por $ 54.000, líquidos de quaisquer custos de venda ou remoção. Uma nova
máquina, depreciada por cinco anos, pode ser adquirida por $ 153.000. São necessários $ 18.000 para instalá-la
e ela tem cinco anos de vida útil. Se a nova máquina for adquirida, espera-se que o investimento em duplicatas a
receber aumente em $ 15.000, o investimento em estoques cresça em $ 30.000 e as duplicatas a pagar cresçam
em $ 22.000. Espera-se que os lucros antes da depreciação e dos impostos sejam de $ 70.000 para os três
próximos anos e $ 60.000 e $ 50.000 para os outros dois anos, respectivamente, com a máquina existente; e de $
120.000 no primeiro ano, $ 130.000 no segundo e terceiro anos e $ 110.000 no quarto e quinto anos com a nova
máquina. Ao final dos cinco anos, o valor de mercado da máquina existente seria $ 8.000; a nova máquina poderia
ser vendida por $ 28.000, antes dos impostos. As alíquotas de IR e CSL são 15% e 9% respectivamente. Espera-
se recuperar a variação no CCL no final do projeto.
a) Determine o investimento inicial associado à decisão de substituição proposta.
b) Calcule as entradas de caixa operacionais incrementais para os anos 1 a 5, associadas à proposta de
substituição.
c) Calcule o fluxo de caixa residual associado à decisão de substituição proposta.
d) Trace o diagrama dos fluxos de caixa relevantes encontrados em a, b e c, associados a decisão de substituição
proposta, supondo que seu término seja no final do quinto ano.

OBS.: PARA FINS DE DEPRECIAÇÃO, A EMPRESA RESOLVEU CONSIDERAR VALOR RESIDUAL = ZERO
UNIFEBE 59574079.xls
Página 17
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

ESTUDO
ESTUDO DE
DE CASO
CASO 01
John Welch, diretor financeiro da Clark Corporation, espera que a empresa apresente lucros líquidos após os
impostos, nos próximos cinco anos, de acordo com o quadro a seguir:

anos Lucro líquido após os impostos


1 100,000.00
2 150,000.00
3 200,000.00
4 250,000.00
5 320,000.00

John está começando a elaborar os fluxos de caixa relevantes, necessários para analisar se a Clark reforma ou
substitui seu único ativo depreciável, uma máquina que originalmente custou $ 30.000, tem um valor contábil atual
de zero, e pode agora ser vendida por $ 20.000. Ele estima que ao final de cinco anos a máquina existente poderá
ser vendida por $ 2.000 líquidos, antes dos impostos. John pensa utilizar as informações apresentadas abaixo
para elaborar os fluxos de caixa relevantes para cada uma das alternativas.

ALTERNATIVA 1:
Reforma da máquina existente a um custo total depreciável de $ 90.000. A máquina reformada teria uma vida útil
de cinco anos e seria depreciada pelo método linear. A reforma da máquina resultaria nas seguintes receitas e
despesas projetadas (excluindo a depreciação):

ano receitas despesas


1 1,000,000.00 801,500.00
2 1,175,000.00 884,200.00
3 1,300,000.00 918,100.00
UNIFEBE 59574079.xls
Página 18
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 2

4 1,425,000.00 943,100.00
5 1,550,000.00 968,100.00

A máquina reformada resultaria num acréscimo de $ 15.000 no capital circulante líquido. Ao final dos cinco anos,
a máquina poderia ser vendida por $ 8.000 líquidos, antes dos impostos, e o investimento no CCL seria
recuperado.

ALTERNATIVA 2:
Substituição da máquina existente por uma nova máquina, que custa $ 100.000 e requer custos de instalação de $
10.000. A nova máquina teria uma vida útil de cinco anos e seria depreciada pelo método linear. As receitas e
despesas projetadas pela empresa (excluindo a depreciação) se adquirir a máquina são as seguintes:

ano receitas despesas


1 1,000,000.00 764,500.00
2 1,175,000.00 839,800.00
3 1,300,000.00 914,900.00
4 1,425,000.00 989,900.00
5 1,550,000.00 998,900.00

A nova máquina resultaria num acréscimo de $ 22.000 no capital circulante líquido. Ao final dos cinco anos, a
nova máquina poderia ser vendida por $ 25.000 líquidos, antes dos impostos, e o investimento no CCL seria
recuperado.

PEDE-SE:
a) Calcule o investimento inicial relativo a cada alternativa da Clark.
b) Calcule as entradas de caixa operacionais incrementais, associadas a cada alternativa.
c) Calcule o fluxo de caixa residual associado a cada alternativa.
d) Utilize os resultados obtidos em a, b e c e trace o diagrama do fluxo de caixa relevante, associado a cada
alternativa.
e) Baseando-se apenas na comparação dos fluxos de caixa relevantes, qual alternativa se apresenta como
a melhor? Por quê?

OBS.: PARA FINS DE DEPRECIAÇÃO, A EMPRESA RESOLVEU CONSIDERAR VALOR RESIDUAL = ZERO
UNIFEBE 59574079.xls
Página 19
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

PERÍODO
PERÍODO DE
DE PAYBACK
PAYBACK

* EXEMPLO:
A Benett Company, uma indústria metalúrgica de médio porte está analisando atualmente dois projetos - o projeto A
que exige um investimento inicial de $42.000, e o projeto B, que exige um investimento inicial de $45.000. As
entradas de caixa operacionais incrementais (relevantes) estimadas para os dois projetos são apresentadas
abaixo:

DADOS DE DISPÊNDIO DE CAPITAL PARA


A BENETT COMPANY
Projeto A Projeto B
Investimento
inicial 42,000 45,000
Ano Entradas de caixa operacionais
1 14,000 28,000
2 14,000 12,000
3 14,000 10,000
4 14,000 10,000
5 14,000 10,000
Média 14,000 14,000

* CRITÉRIO DE DECISÃO

SE OS PROJETOS NÃO SÃO MUTUAMENTE EXCLUDENTES, A EMPRESA DEVE ANALISAR


SE ELES ESTÃO DENTRO DO PERÍODO DE PAYBACK MÁXIMO ACEITÁVEL, ESTABELECIDO
PELA EMPRESA.

SE ELES FOREM MUTUAMENTE EXCLUDENTES, A EMPRESA OPTARÁ PELO PROJETO


NO QUAL O INVESTIMENTO É RECUPERADO EM MENOR TEMPO.

* CÁLCULO DO PERÍODO DE PAYBACK

PROJETO A: 42,000 3 ANOS


14,000

PROJETO B: INVESTIMENTO RECUPERAÇÃO SALDO


45,000 (28,000) 17,000 1
17,000 (12,000) 5,000 2
5,000 (10,000) (5,000) 3

NO TERCEIRO ANO, FORAM RECUPERADOS $10.000, MAS BASTAVAM APENAS $5.000


PARA A RECUPERAÇÃO TOTAL DO INVESTIMENTO.
COM ISSO, PODE-SE DEDUZIR QUE O TEMPO NECESSÁRIO PARA A RECUPERÇÃO TOTAL
DO INVESTIMENTO FOI: 2
0.5 (50% DO TERCEIRO ANO)
2.5 ANOS

* Se o período de payback máximo aceitável pela empresa for de 2,75 anos, o projeto A seria rejeitado e o projeto
B seria aceito;

* Se o payback máximo fosse 2,25 anos, ambos os projetos seriam rejeitados;

* Se os projetos tivessem de ser classificados, o projeto B seria preferível ao A, pois possui um período de
payback menor (2,5 anos contra 3 anos do projeto A).
UNIFEBE 59574079.xls
Página 20
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

PRÓS E CONTRAS DO PERÍODO DE PAYBACK

* EXEMPLO:

ANALISE O QUADRO ABAIXO:

CÁLCULOS DE PERÍODOS DE PAYBACK


PARA DOIS PROJETOS ALTERNATIVOS
Projeto X Projeto Y
Investimento
inicial 10,000 10,000
Ano Entradas de caixa operacionais
1 5,000 3,000
2 5,000 4,000
3 1,000 3,000
4 100 4,000
5 100 3,000
Período de Payback 2 anos 3 anos

SEGUNDO A ABORDAGEM ESTRITA EM QUE APENAS O PERÍODO DE PAYBACK É LEVADO EM CONTA,


O PROJETO X SERIA PREFERÍVEL AO PROJETO Y.
CONTUDO, OLHANDO-SE O QUE OCORRE ALÉM DESSE PERÍODO, VÊ-SE QUE O PROJETO X OFERECE
RETORNOS ADICIONAIS DE APENAS $1.200, ENQUANTO QUE O PROJETO Y OFERECE RETORNOS
ADICIONAIS DE $7.000.

* POSSIBILIDADE, NESSES CASOS, DE FAZER UMA MÉDIA DOS RETORNOS DO PERÍODO INTEGRAL DO
PROJETO. 10,000 10,000
2,240 3,400

4.46 2.94 ANOS

VALOR
VALOR PRESENTE
PRESENTE LÍQUIDO
LÍQUIDO (VPL)
(VPL)

* FÓRMULA:

n
F Ct
V P L=∑ t
−II
t=1 1k 
UTILIZANDO-SE O VPL, TODAS AS ENTRADAS COMO AS SAÍDAS DE CAIXA SÃO TRADUZIDAS PARA
VALORES MONETÁRIOS ATUAIS.

* CRITÉRIO DE DECISÃO

SE O VPL FOR MAIOR QUE ZERO, ACEITA-SE O PROJETO.

SE O VPL FOR MENOR QUE ZERO, REJEITA-SE O PROJETO.

PROJETOS MUTUAMENTE EXCLUDENTES:


UNIFEBE 59574079.xls
Página 21
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

ESCOLHE-SE AQUELE QUE PROPICIAR UM VALOR DE VPL MAIOR, DESDE QUE O VPL SEJA POSITIVO.

* EXEMPLO:
Utilizando os dados do exemplo anterior da Benett Company , se ela tiver um custo de capital ou custo de
oportunidade de 10%, o VPL dos projetos pode ser calculado conforme abaixo:

DADOS DE DISPÊNDIO DE CAPITAL PARA


A BENETT COMPANY
Projeto A Projeto B
Investimento
inicial 42,000 45,000
Ano Entradas de caixa operacionais
1 14,000 28,000
2 14,000 12,000
3 14,000 10,000
4 14,000 10,000
5 14,000 10,000
Média 14,000 14,000

COM UMA CALCULADORA HP 12-C PROJETO B


PROJETO A 45,000 CHS, g, Cfo
42,000 CHS, g, Cfo 28,000 g, CFj
14,000 g, CFj 12,000 g, CFj
5 g, Nj 10,000 g, CFj
10 i 10,000 g, CFj
f, NPV 10,000 g, CFj
R$11,071.01 10 i
f, NPV
R$10,924.40

TAXA
TAXA INTERNA
INTERNA DE RETORNO (TIR)

* CRITÉRIO DE DECISÃO

PROJETOS NÃO MUTUAMENTE EXCLUDENTES:


SE A TIR FOR MAIOR QUE O CUSTO DE CAPITAL OU OPORTUNIDADE, ACEITA-SE O PROJETO

SE A TIR FOR MENOR QUE O CUSTO DE CAPITAL OU OPORTUNIDADE, REJEITA-SE O PROJETO.

PROJETOS MUTUAMENTE EXCLUDENTES:

ESCOLHE-SE AQUELE QUE PROPICIAR UMA TIR MAIOR, DESDE QUE SEJA SUPERIOR AO CUSTO DE
CAPITAL OU OPORTUNIDADE.

* EXEMPLO: Utilizando os dados do exemplo anterior da Benett Company, a TIR dos projetos pode ser
calculada conforme abaixo:

DADOS DE DISPÊNDIO DE CAPITAL PARA


A BENETT COMPANY
Projeto A Projeto B
Investimento
inicial 42,000 45,000
Ano Entradas de caixa operacionais
1 14,000 28,000
UNIFEBE 59574079.xls
Página 22
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

2 14,000 12,000
3 14,000 10,000
4 14,000 10,000
5 14,000 10,000
Média 14,000 14,000

COM UMA CALCULADORA HP 12-C


PROJETO A
42,000 CHS, g, Cfo
14,000 g, CFj
5 g, Nj
f, IRR
19.86%
(42,000) 14,000 14,000 14,000 14,000 14,000

PROJETO B
45,000 CHS, g, Cfo
28,000 g, CFj
12,000 g, CFj
10,000 g, CFj
10,000 g, CFj
10,000 g, CFj
f, IRR
21.65%

(45,000) 28,000 12,000 10,000 10,000 10,000

* OBSERVAÇÃO

É INTERESSANTE NOTAR QUE O RESULTADO DA TIR SUGERE QUE O PROJETO B É MELHOR QUE O A

NO ENTANTO, O VPL INFORMA JUSTAMENTE O CONTRÁRIO.

ESSE CONFLITO NÃO É RARO, E SERÁ ESTUDADO ADIANTE.


UNIFEBE 59574079.xls
Página 23
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

COMPARAÇÃO
COMPARAÇÃO ENTRE
ENTRE AS
AS TÉCNICAS
TÉCNICAS VPL
VPL E TIR

PERFIS
PERFIS DE
DE VPL
VPL

0% 5% 10% 15% 20%


Projeto A 28,000 18,613 11,074 4,930 (131)
Projeto B 25,000 17,252 10,914 5,686 1,295

PERFIS DE VPL

30000
25000
20000
VPL ($)

15000 Projeto A
10000 Projeto B
5000
0
-5000 0% 5% 10% 15% 20%
TAXA DE DESCONTO (%)

10.7%
UNIFEBE 59574079.xls
Página 24
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

CLASSIFICAÇÕES
CLASSIFICAÇÕES CONFLITANTES
CONFLITANTES

Os conflitos na classificação de projetos pelo VPL e TIR resultam de diferenças


na magnitude e na época de ocorrência dos fluxos de caixa.

Projeto A Taxa de desconto


Ano Entradas de cx anos de renda 10% Valor futuro 19.86% Valor futuro
1 14,000 4 1.46 20,497 2.06 28,893
2 14,000 3 1.33 18,634 1.72 24,106
3 14,000 2 1.21 16,940 1.44 20,112
4 14,000 1 1.10 15,400 1.20 16,780
5 14,000 0 1.00 14,000 1.00 14,000
85,471 103,891
-42000 0 0 0 0 85,471
-42000 0 0 0 0 103,891
VPL (10%) R$11,071.01 R$22,508.32
TIR 15.27% 19.86%

Projeto B Taxa de desconto


Ano Entradas de cx anos de renda 10% Valor futuro 21.65% Valor futuro
1 28,000 4 1.46 40,995 2.19 61,321
2 12,000 3 1.33 15,972 1.80 21,603
3 10,000 2 1.21 12,100 1.48 14,799
4 10,000 1 1.10 11,000 1.22 12,165
5 10,000 0 1.00 10,000 1.00 10,000
90,067 119,888
-45000 0 0 0 0 90,067
-45000 0 0 0 0 119,888
VPL (10%) R$10,924.40 R$29,440.92
TIR 14.89% 21.65%

QUAL
QUAL É
ÉOO MELHOR
MELHOR MÉTODO
MÉTODO

PERSPECTIVA TEÓRICA

De um ponto de vista puramente teórico, o VPL é a melhor técnica para análise de orçamentos de capital. Isso se
deve a vários fatores, mas, o mais importante é que o uso do VPL supõe, implicitamente, que todas as entradas de
caixa intermediárias geradas pelo investimento sejam reinvestidas ao custo de capital da empresa. O uso da TIR
supõe um reinvestimento a uma taxa frequentemente elevada, dada pela TIR. Já que o custo do capital tende a ser
uma estimativa razoável da taxa à qual a empresa poderia reinvestir hoje suas entradas de caixa intermediárias, o
uso do VPL com sua taxa de reinvestimento mais conservadora e realista é teoricamente preferível.
deve a vários fatores, mas, o mais importante é que o uso do VPL supõe, implicitamente, que todas as entradas de
caixa intermediárias geradas pelo investimento sejam reinvestidas ao custo de capital da empresa. O uso da TIR
supõe um reinvestimento a uma taxa frequentemente
UNIFEBE elevada, dada pela TIR. Já que o custo do capital tende a ser
59574079.xls
uma estimativa razoável da taxa à qual a empresa poderia Página 25 o
Prof.: Roberto C. Klann Tópicoreinvestir
3 hoje suas entradas de caixa intermediárias,
uso do VPL com sua taxa de reinvestimento mais conservadora e realista é teoricamente preferível.

PERSPECTIVA PRÁTICA
Muitos autores afirmam que a despeito da superioridade teórica do VPL, os administradores financeiros preferem
usar a TIR. Essa preferência é atribuível à aceitação, por parte dos empresários, de taxas de retorno, ao invés de
valores monetários. Uma vez que taxas de juros, medidas de lucratividade e outras são, em geral, expressas como
taxas anuais de retorno, o uso da TIR faz sentido para os responsáveis pelas decisões nas empresas.

ABORDAGENS
ABORDAGENS PARA
PARA LIDAR
LIDAR COM
COM O
O RISCO
RISCO

ANÁLISE DE SENSIBILIDADE

* EXEMPLO:

Suponha que o gerente financeiro de uma empresa fizesse estimativas pessimistas, mais prováveis e otimistas,
das entradas de caixa para dois projetos, A e B. As entradas de caixa estimadas e os VPLs resultantes em cada
caso estão resumidos abaixo: (prazo de 15 anos com custo capital de 10%)

ANÁLISE DE SENSIBILIDADE PARA OS PROJETOS A e B


PROJETO A PROJETO B
Investimento inicial 10,000 10,000
Entradas de caixa anuais
Estimativa
Pessimista 1,500 -
Mais provável 2,000 2,000
Otimista 2,500 4,000
Amplitude 1,000 4,000
Valores presentes líquidos
Estimativa
Pessimista 1,409 (10,000)
Mais provável 5,212 5,212
Otimista 9,015 20,424
Amplitude 7,606 30,424

Se a empresa não gosta de correr riscos, ela optaria pelo projeto A.


Caso o empresário seja mais arrojado, poderia optar pelo projeto B, que numa visão otimista, poderia trazer um
melhor retorno.

EQUIVALENTES
EQUIVALENTES À
À CERTEZA
CERTEZA

Representa a porcentagem de uma entrada de caixa estimada, que os investidores ficariam satisfeitos em receber
com certeza, ao invés de entradas de caixa possíveis, a cada ano.

n
 α× FC t 
VPL=∑ t
−II
UNIFEBE 59574079.xls
Página 26
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3
n
 α× FC t 
VPL=∑ t
−II
t=1  1 R F 
Rf = taxa de retorno livre de risco.
É a taxa de retorno que se ganharia em um investimento
virtualmente sem risco, tal como um título do governo.

a = fator de equivalente à certeza no ato t.

* EXEMPLO

Continuando o exemplo da Benett Company, vamos analisar o risco dos projetos A e B, supondo que a empresa
tenha feito um estudo e chegado nos percentuais de equivalentes à certeza conforme apresentado no quadro
abaixo:

DADOS DE DISPÊNDIO DE CAPITAL PARA


A BENETT COMPANY
Projeto A Taxa de desconto livre de risco 6%
Ano Entradas de Cx Fatores Eq. Entradas Cx Cert
1 14,000 0.90 12,600
2 14,000 0.90 12,600
3 14,000 0.80 11,200
4 14,000 0.70 9,800
5 14,000 0.60 8,400
VPL das Entr Cx = R$46,543.97
II = (R$42,000.00)
VPL = R$4,543.97

Projeto B Taxa de desconto livre de risco 6%


Ano Entradas de Cx Fatores Eq. Entradas Cx Cert
1 28,000 1.00 28,000
2 12,000 0.90 10,800
3 10,000 0.90 9,000
4 10,000 0.80 8,000
5 10,000 0.70 7,000
VPL das Entr Cx = R$55,151.19
II = (R$45,000.00)
VPL = R$10,151.19

APÓS O USO DAS TAXAS DE EQUIVALENTES À CERTEZA, O PROJETO B PASSA A SER O PREFERIDO

A ÚNICA DIFICULDADE ENFRENTADA PELO ADMINISTRADOR FINANCEIRO É ENCONTRAR JUSTAMENTE


ESSES PERCENTUAIS.

TAXA
TAXA DE
DE DESCONTO
DESCONTO AJUSTADA
AJUSTADA AO
AO RISCO
RISCO (TDAR)
(TDAR)

Uma abordagem mais prática para o ajuste ao risco envolve a utilização de taxas de desconto ajustadas ao risco
(TDARs). Ao invés de ajustar as entradas de caixa pelo risco, como foi feito na abordagem do equivalente à
certeza, ajusta-se a taxa de desconto.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 27
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

Uma abordagem mais prática para o ajuste ao risco envolve a utilização de taxas de desconto ajustadas ao risco
(TDARs). Ao invés de ajustar as entradas de caixa pelo risco, como foi feito na abordagem do equivalente à
certeza, ajusta-se a taxa de desconto.

FUNÇÃO RISCO-RETORNO DE
MERCADO

20
18
15
14
TDAR

11
10 Taxa de Risco
9
6
5

0
0 0,6 1,0 1,5 2,0
Risco (Coeficiente de
variação) CV
UNIFEBE 59574079.xls
Página 28
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

EXEMPLO:

Continuando o exemplo da Benett Company, vamos utilizar a abordagem da taxa de desconto ajustada ao risco
para decidir entre implementar o projeto A ou o projeto B, usando o VPL. Além dos dados anteriores, a
administração da empresa estimou o coeficiente de variação para o projeto A em 1,5 e para o projeto B em 1,0.

DADOS DE DISPÊNDIO DE CAPITAL PARA


A BENETT COMPANY
Projeto A TDAR = 14%
Ano Entradas de Cx
1 14,000
2 14,000
3 14,000 VPL das Entr Cx = R$48,063.13
4 14,000 II = (R$42,000.00)
5 14,000 VPL = R$6,063.13

Projeto B TDAR = 11%


Ano Entradas de Cx
1 28,000
2 12,000
3 10,000 VPL das Entr Cx = R$54,798.43
4 10,000 II = (R$45,000.00)
5 10,000 VPL = R$9,798.43

APÓS O USO DA TDAR, O PROJETO B PASSA A SER O PREFERIDO

NUMA ANÁLISE SEM RISCO, O PROJETO A SERIA O PREFERIDO, CONFORME VISTO ANTERIORMENTE.

A VERDADEIRA DIFICULDADE DESSA OBORDAGEM CONSISTE EM ESTIMAR A FUNÇÃO RISCO-RETORNO


DE MERCADO.

COMO
COMO COMPARAR
COMPARAR PROJETOS
PROJETOS COM
COM VIDA
VIDA DESIGUAIS
DESIGUAIS

A AT Company, uma empresa regional de TV a cabo, está no curso de um processo de avaliação de dois projetos,
X e Y. Os fluxos de caixa relevantes para cada projeto são dados no quadro. O custo de capital aplicável para a
avaliação desses projetos com riscos iguais, é de 10%.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 29
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

A AT Company, uma empresa regional de TV a cabo, está no curso de um processo de avaliação de dois projetos,
X e Y. Os fluxos de caixa relevantes para cada projeto são dados no quadro. O custo de capital aplicável para a
avaliação desses projetos com riscos iguais, é de 10%.

Projeto X Projeto Y
Investimento inicial 70,000 85,000
ano Entradas de caixa
1 28,000 35,000
2 33,000 30,000
3 38,000 25,000
4 - 20,000
5 - 15,000
6 - 10,000

VPL 11,277 19,013

SE AS DIFERENÇAS NAS VIDAS DOS PROJETOS FOREM IGNORADAS, O DOIS PROJETOS SERIAM
ACEITÁVEIS, POIS OS VPLs SÃO MAIORES QUE ZERO, E O PROJETO Y É PREFERÍVEL AO PROJETO X.
NO ENTANTO, CASO ELES SEJAM MUTUAMENTE EXCLUDENTES, SUAS VIDAS DIFERENTES DEVEM SER
CONSIDERADAS.

MÉTODO DO VALOR PRESENTE LÍQUIDO ANUALIZADO (VPLA)


Uma técnica para avaliar projetos com vidas desiguais que transforma o valor presente líquido de projetos de
vidas desiguais, mutuamente excludentes, num montante anual equivalente (em termos de VPL).

COMO CALCULAR:

PROJETO X: NA HP 12C:
VPL 11,277
CUSTO CAPITAL 10% 11,277 CHS,PV
PERÍODO DO PROJETO 3 10 i
3n
PMT
VPLA = R$4,534.74

PROJETO Y: NA HP 12C:
VPL 19,013
CUSTO CAPITAL 10% 19,013 CHS,PV
PERÍODO DO PROJETO 6 10 i
6n
PMT
VPLA = R$4,365.59

ANALISANDO OS VPLAs CALCULADOS, OBSERVA-SE QUE O PROJETO X SERIA PREFERIDO EM


RELAÇÃO AO PROJETO Y, POIS POSSUI UM MAIOR VPLA.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 30
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

EXERCÍCIO Nr. 2.1

A Nova Produtos tem um período de payback máximo aceitável de cinco anos. A empresa está considerando a
compra de uma nova máquina e deve escolher uma dentre duas alternativas. A primeira máquina exige um
investimento inicial de $ 14.000 e propicia entradas de caixa anuais, depois do IR, de $ 3.000 pelos próximos 7
anos. A segunda máquina requer um investimento inicial de $ 21.000 e gera entradas de caixa anuais, depois do
IR, de $ 4.000 por um período de 20 anos.
a) Calcule o período de payback para cada máquina;
b) Comente sobre a aceitabilidade das máquinas, supondo que são projetos independentes;
c) As máquinas deste problema ilustram alguma das críticas ao uso de payback? Levando esse fato em
consideração, aponte qual das máquinas a empresa deveria comprar.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.2
2.2

A Dane Cosméticos está avaliando uma máquina nova de misturar fragrâncias. O ativo requer um investimento
inicial de $ 24.000 e gerará entradas de caixa após o IR de $ 5.000 por ano, por oito anos. Para cada uma das
taxas de retorno requeridas, listadas abaixo, responda:
a) O valor presente líquido;
b) Indique se a máquina deve ser aceita ou rejeitada;
c) Explique sua decisão.

Taxas de desconto.................. 10%


12%
14%

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.3
2.3

Utilizando uma taxa de custo de capital de 14% ao ano, calcule o valor presente líquido para cada um dos projetos
independentes listados no quadro seguinte e diga quais deles são aceitáveis ou não.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 31
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

Projeto A Projeto B Projeto C Projeto D Projeto E


Invest. Inicial 26,000 500,000 170,000 950,000 80,000
Ano Entradas de Caixa
1 4,000 100,000 20,000 230,000 -
2 4,000 120,000 19,000 230,000 -
3 4,000 140,000 18,000 230,000 -
4 4,000 160,000 17,000 230,000 20,000
5 4,000 180,000 16,000 230,000 30,000
6 4,000 200,000 15,000 230,000 -
7 4,000 14,000 230,000 50,000
8 4,000 13,000 230,000 60,000
9 4,000 12,000 70,000
10 4,000 11,000

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.4
2.4

A Indústria Hook está considerando a substituição de uma de duas velhas máquinas de perfurar. Três alternativas
de substituição estão sendo estudadas. Os fluxos de caixa relevantes associados a cada uma delas são
apresentados no quadro a seguir. O custo de capital da empresa é de 15%.

Máquina A Máquina B Máquina C


Invest. Inicial 85,000 60,000 130,000
Ano Entradas de Caixa
1 18,000 12,000 50,000
2 18,000 14,000 30,000
3 18,000 16,000 20,000
4 18,000 18,000 20,000
5 18,000 20,000 20,000
6 18,000 25,000 30,000
7 18,000 23,000 40,000
8 18,000 20,000 50,000

a) Calcule o valor presente líquido (VPL) para cada máquina;


b) Utilizando o VPL, avalie a aceitabilidade de cada máquina;
c) Faça a classificação das máquinas, da melhor para a pior alternativa, utilizando o VPL.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.5
2.5

A New Corporation tem três projetos em análise. Suas fluxos de caixa são apresentados no quadro a seguir.
A empresa tem um custo de capital de 16%.

Projeto A Projeto B Projeto C


Invest. Inicial 40,000 40,000 40,000
UNIFEBE 59574079.xls
Página 32
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

Ano Entradas de Caixa


1 13,000 7,000 19,000
2 13,000 10,000 16,000
3 13,000 13,000 13,000
4 13,000 16,000 10,000
5 13,000 19,000 7,000

a) Calcule o período de payback para cada projeto. Qual deles é o preferido de acordo com esse método?
b) Calcule o valor presente líquido (VPL) para cada projeto. Qual deles é o preferido de acordo com esse método?
c) Comente os resultados obtidos em a e b, e faça a recomendação de melhor projeto. Explique sua escolha.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.6
2.6

A Bell Manufacturing está fazendo uma análise para escolher o melhor, dentre dois projetos mutuamente
excludentes, para expandir sua capacidade de armazenagem. Os fluxos de caixa relevantes dos projetos são
apresentados a seguir. O custo de capital da empresa é de 15%.

Projeto X Projeto Y
Invest. Inicial 500,000 325,000
Ano Entradas de caixa
1 100,000 140,000
2 120,000 120,000
3 150,000 95,000
4 190,000 70,000
5 250,000 50,000

a) Calcule a TIR de cada projeto.


b) Calcule o valor presente líquido (VPL) para cada projeto.
c) Qual projeto é preferível, com base no VPL e na TIR?

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.7
2.7

A Benson Designs obteve as seguintes estimativas para um projeto a longo prazo que está analisando. O
investimento inicial será de $18.250 e espera-se que o projeto renda entradas de caixa após o IR de $4.000 ao
ano, por sete anos. A empresa tem uma taxa de custo de capital de 10%.
a) Calcule o VPL do projeto;
b) Calcule a TIR do projeto;
c) Você recomendaria a aceitação ou a rejeição do projeto? Justifique sua resposta.
investimento inicial será de $18.250 e espera-se que o projeto renda entradas de caixa após o IR de $4.000 ao
ano, por sete anos. A empresa tem uma taxa de custo de capital de 10%.
a) UNIFEBE
Calcule o VPL do projeto; 59574079.xls
Página 33
Prof.: Roberto C. Klann
b) Calcule a TIR do projeto; Tópico 3
c) Você recomendaria a aceitação ou a rejeição do projeto? Justifique sua resposta.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.8
2.8

A Rieger International está tentando avaliar a viabilidade de investir $95.000 em um equipamento cuja vida útil é
de cinco anos. A empresa estimou as entradas de caixa associadas a essa proposta como segue:

ano entradas de cx
1 20,000.00
2 25,000.00
3 30,000.00
4 35,000.00
5 40,000.00

A empresa tem um custo de capital de 12%.

a) Calcule o período de payback para o investimento;


b) Calcule o VPL;
c) Calcule a TIR;
d) Avalie a aceitabilidade do investimento proposto, utilizando o VPL e a TIR.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.9
2.9

A Thomas Company está considerando dois projetos mutuamente excludentes. Ela tem um custo de capital de
12% e estimou os fluxos de caixa de acordo com o quadro abaixo:

Projeto A Projeto B
Invest. Inicial 130,000 85,000
Ano Entradas de caixa
1 25,000 40,000
2 35,000 35,000
3 45,000 30,000
4 50,000 10,000
5 55,000 5,000

a) Calcule o valor presente líquido (VPL) para cada projeto e avalie a sua aceitabilidade.
b) Calcule a TIR de cada projeto e avalie a sua aceitabilidade.
c) Trace o perfil do VPL para cada projeto em um mesmo gráfico.
d) Avalie e discuta as classificações dos dois projetos com base no que foi encontrado em a, b e c.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 34
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.09.01
2.09.01

A Thomas Company está considerando dois projetos mutuamente excludentes. Ela tem um custo de capital de 9%
e estimou os fluxos de caixa de acordo com o quadro abaixo:
Projeto A Projeto B
Invest. Inicial 223,000 205,000
Ano Entradas de caixa
1 26,000 135,000
2 30,000 85,000
3 66,000 48,000
4 100,000 13,000
5 173,000 7,000

a) Calcule o valor presente líquido (VPL) para cada projeto e avalie a sua aceitabilidade.
b) Calcule a TIR de cada projeto e avalie a sua aceitabilidade.
c) Avalie a aceitabilidade dos projetos, solucionando os conflios de classificação entre a TIR e o VPL.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 35
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.10
2.10

A Sociedade Computada está estudando a possibilidade de adquirir um computador de pequenas dimensões.


Atualmente, o sistema de escrituração é manual e acarreta, para a empresa, as seguintes despesas (em forma de
saídas de caixa) por mês: ordenados de R$ 390.000; material de papelaria de R$ 31.200; encargos sociais de R$
88.400. É necessário considerar que as atuais máquinas e acessórios de escritório, utilizados na escrituração, são
totalmente depreciados, não se estimando valor residual apreciável (considere como se fosse zero). O custo do
computador, com todos os gastos acessórios e os equipamentos atrelados, é de cerca de R$ 5.200.000. O
computador deverá estar quase que totalmente obsoleto ao cabo de três anos e seu valor residual será estimado
em R$ 1.040.000. A empresa costuma, por tradição, considerar os valores residuais estimados como entradas de
caixa, nas datas em que se presume sejam recebidos.

PEDE-SE:
a) O cálculo das economias em fluxos anuais de caixa, após o imposto. Considere uma taxa de
imposto de 35%.
b) Deveríamos, na base do método de valores atuais líquidos, adquirir o computador? Assuma
uma taxa de retorno desejada de 20% ao ano.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:
Os custos anuais do sistema computadorizado são estimados em R$ 1.990.000
(Adaptado de Horngren por Iudícibus).
UNIFEBE 59574079.xls
Página 36
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.11

A Empresa Maior faz uma previsão de que pode economizar R$ 714.000 por ano em despesas operacionais "de
desembolso", se decidir adquirir uma nova máquina, altamente especializada, no valor de R$ 1.683.000. O
horizonte considerado é de dez anos e não pode ser associado ao equipamento um valor residual para um
período tão longo.
A taxa de imposto de renda é de 35%.
A taxa mínima desejada de retorno é de 40%.
Método de depreciação: linha reta.

PEDE-SE:
a) As economias anuais de caixa após o imposto de renda
b) A taxa de retorno interna
c) O valor atual líquido do investimento

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.12
2.12

A Fitch Industries está em um processo de escolha do melhor, dentre dois projetos, M e N, de dispêndio de
capital, mutuamente excludentes e com igual nível de risco. Os fluxos de caixa relevantes para cada projeto são
apresentados a seguir. O custo de capital da empresa é de 14%.

Projeto M Projeto N
Investimento inicial 28,500 27,000
ano Entradas de caixa
1 10,000 11,000
2 10,000 10,000
3 10,000 9,000
4 10,000 8,000

a) Calcule o período de payback para cada projeto.


b) Calcule o valor presente líquido para cada projeto.
c) Calcule a taxa interna de retorno para cada projeto.
d) Faça um resumo das preferências determinadas, de acordo com cada técnica e indique qual projeto você
recomendaria. Explique por quê.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.12.01
2.12.01
UNIFEBE 59574079.xls
Página 37
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.12.01
2.12.01

Uma pessoa deseja comprar um apartamento e lhe é oferecida as seguintes propostas:


a) à vista, pelo valor de ............ R$75,000.00

b) a prazo, com uma entrada de R$25,000.00 e mais ........... 48 prestações mensais de...........
R$1,200.00 , mais quatro reforços anuais nos valores respectivamente de...... R$4,185.00 R$5,000.00
R$5,980.00 R$7,152.00 . Admitindo-se que essa pessoa tenha recursos para comprá-lo à vista, qual
deveria ser a sua decisão, considerando ainda, a apção de aplicar esse montante na Caderneta de Poupança, que
lhe renderia uma taxa de ......... 1.5% ao mês, durante esse período.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.12.02
2.12.02

Uma pessoa pretende comprar um eletrodoméstico vaporetto 2000. Uma determinada loja lhe oferece as seguintes
condições:
a) à vista, por R$399.00
b) a prazo, sendo uma entrada e mais ............. 10 prestações de R$55.30

Qual das opções é economicamente vais vantajosa, considerando uma TMA de 9.0% ao mês?

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.13
2.13

Os dados da relação risco-retorno de mercado e fatores de equivalentes à certeza aplicáveis aos projetos
mutuamente excludentes, A e B, da CBA Company são apresentados a seguir:

Dados da relação risco-retorno de mercado


Coeficiente de variação Taxa de desconto de mercado
0.0 7%
0.2 8%
0.4 9%
0.6 10%
0.8 11%
1.0 12%
1.2 13%
1.4 14%
1.6 15%
1.8 16%
2.0 17%

Fatores de equivalentes à certeza


UNIFEBE 59574079.xls
Página 38
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

Ano Projeto A Projeto B


0 1.00 1.00
1 0.95 0.90
2 0.90 0.85
3 0.90 0.70

A empresa está avaliando dois projetos mutuamente excludentes, A e B. Os dados são apresentados na
sequência:

Projeto A Projeto B
Investimento inicial 15,000.00 20,000.00
Vida do projeto (anos) 3 3
Entradas de caixa anuais 7,000.00 10,000.00
Coeficiente de variação 0.40 1.80

a) Ignorando quaisquer diferenças de risco e supondo um custo de capital da empresa 10%, calcule o valor pre-
sente líquido (VPL) de cada projeto.
b) Use o VPL para avaliar os projetos, aplicando equivalentes à certeza para tratar do risco.
c) Use o VPL para avaliar os projetos, aplicando taxas de desconto ajustadas ao risco para tratar do risco.
d) Compare, contraste e explique os resultados encontrados em a, b e c.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO 2.14
2.14

Uma empresa está analisando dois projetos mutuamente excludentes. Os fatores de risco dos projetos estão
apresentados abaixo:

Fatores de equivalentes à certeza


Ano Projeto A Projeto B taxa de custo de capital .......... 10%
0 1.00 1.00
1 0.93 0.84 taxa livre de risco..................... 7%
2 0.87 0.73
3 0.85 0.68

Projeto A Projeto B
Investimento inicial 45,000.00 62,000.00
Vida do projeto (anos) 3 3
Entradas de caixa anuais 28,000.00 35,000.00

a) Classifique os projetos, usando o VPL, sem considerar os riscos dos projetos.


b) Use o VPL para avaliar os projetos, aplicando equivalentes à certeza para tratar do risco.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 39
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO 2.15
2.15

Uma empresa está avaliando dois projetos, X e Y. Os fluxos de caixa relevantes para cada projeto são dados no
quadro. O custo de capital aplicável para a avaliação desses projetos com riscos iguais, é de 15%.

Projeto X Projeto Y
Investimento inicial 75,000 98,000
ano Entradas de caixa
1 28,000 37,000
2 35,000 32,000
3 42,000 28,000
4 - 20,000
5 - 17,000
6 - 14,000

Qual desses projetos é mais interessante para a empresa, em termos de retorno anual?

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 2.16
2.16

Os dados da relação risco-retorno de mercado e fatores de equivalentes à certeza aplicáveis aos projetos
mutuamente excludentes, A e B, da CBA Company são apresentados a seguir:

Dados da relação risco-retorno de mercado


Coeficiente de variação Taxa de desconto de mercado
0.0 10%
0.2 12%
0.4 14%
0.6 16%
0.8 18%
1.0 20%
1.2 22%
1.4 24%
1.6 26%
UNIFEBE 59574079.xls
Página 40
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 3

1.8 28%
2.0 30%

Fatores de equivalentes à certeza


Ano Projeto A Projeto B
0 1.00 1.00
1 0.95 0.80
2 0.90 0.80
3 0.80 0.70
4 0.75 0.70
5 0.70 0.60

A empresa está avaliando dois projetos mutuamente excludentes, A e B. Os dados são apresentados na
sequência:

Projeto A Projeto B
Investimento inicial 15,000.00 20,000.00
Vida do projeto (anos) 5 5
Entradas de caixa anuais 7,000.00 10,000.00
8,000.00 12,000.00
9,000.00 11,000.00
8,000.00 9,000.00
7,000.00 8,000.00
Coeficiente de variação 0.60 1.60

a) Ignorando quaisquer diferenças de risco e supondo um custo de capital da empresa 12%, calcule o valor pre-
sente líquido (VPL) de cada projeto.
b) Use o VPL para avaliar os projetos, aplicando equivalentes à certeza para tratar do risco.
c) Use o VPL para avaliar os projetos, aplicando taxas de desconto ajustadas ao risco para tratar do risco.
d) Compare, contraste e explique os resultados encontrados em a, b e c.
UNIFEBE 59574079.xls
Página 41
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

CUSTO
CUSTO DE CAPITAL

EXEMPLO:
Uma empresa tem várias oportunidades de investimento. Suponha o seguinte:

O melhor projeto disponível: custo 100,000


prazo (anos) 20
TIR 7%
Custo da fonte de financiamento disponível de menor custo: endividamento: 6%

Como é possível ganhar 7% sobre os investimentos de fundos que custam somente 6%, a empresa aproveita a
oportunidade. Imagine que , uma semana depois, surge uma nova oportunidade.

O melhor projeto disponível: custo 100,000


prazo (anos) 20
TIR 12%
Custo da fonte de financiamento disponível de menor custo: capital próprio 14%

Nesse caso, a empresa rejeitaria a oportunidade, já que o custo de financiamento de 14% é maior do que o retorno
esperado de 12%.

As medidas tomadas pela empresa não visaram aos melhores interesses de seus proprietários. Ela aceitou um
projeto que rendeu 7% e rejeitou um com retorno de 12%. É claro que existe uma alternativa melhor.

Supondo que a empresa tenha um mix de financiamento de 50% de capital de terceiros e 50% de capital próprio,
deve-se usar o custo médio ponderado de capital da empresa, que nesse caso é:

(50% x 6%) + (50% x 14%) = 10%

Utilizando esse custo, a primeira oportunidade seria rejeitada, enquanto que a segunda seria aceita.

CUSTO
CUSTO DA
DA DÍVIDA
DÍVIDA DE
DE LONGO
LONGO PRAZO
PRAZO

É o custo de hoje, após o imposto de renda, para levantar recursos a longo prazo.

EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS:

TAXA DE JUROS COBRADA PELO BANCO.... 8% AO MÊS

ALÍQUOTA DE IR DA EMPRESA...................... 24%

CUSTO DO CAPITAL............... 0,08 x (1- 0,24) = 6,08%

EXEMPLO:
FINANCIAMENTO DO BNDES
PRAZO.......... OITO ANOS, COM DOIS ANOS DE CARÊNCIA
TAXA DE JUROS.................... 6% AO ANO
SPREAD DO SISTEMA BNDES........................ 6% AO ANO
FORMA DE PAGTO: JUROS SEMESTRAIS DURANTE A CARÊNCIA E AMORTIZAÇÃO SEMESTRAL (SAC)
IOF................ 1.50%
OUTRAS DESPESAS............. 1% DO VALOR DO INVESTIMENTO
VALOR FINANCIADO............... R$45,000.00
UNIFEBE 59574079.xls
Página 42
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

TAXA DE JUROS SEMESTRAL........................ 1.0583 5.83%

t SALDO DEV. AMORT. JUROS PRESTAÇÃO TAXAS/IOF FLUXO FINAL


0 45,000.00 - - - (1,125.00) (43,875.00)
1 45,000.00 - 2,623.50 2,623.50 2,623.50
2 45,000.00 - 2,623.50 2,623.50 2,623.50
3 45,000.00 - 2,623.50 2,623.50 2,623.50
4 45,000.00 - 2,623.50 2,623.50 2,623.50
5 41,250.00 3,750.00 2,623.50 6,373.50 6,373.50
6 37,500.00 3,750.00 2,404.88 6,154.88 6,154.88
7 33,750.00 3,750.00 2,186.25 5,936.25 5,936.25
8 30,000.00 3,750.00 1,967.63 5,717.63 5,717.63
9 26,250.00 3,750.00 1,749.00 5,499.00 5,499.00
10 22,500.00 3,750.00 1,530.38 5,280.38 5,280.38
11 18,750.00 3,750.00 1,311.75 5,061.75 5,061.75
12 15,000.00 3,750.00 1,093.13 4,843.13 4,843.13
13 11,250.00 3,750.00 874.50 4,624.50 4,624.50
14 7,500.00 3,750.00 655.88 4,405.88 4,405.88
15 3,750.00 3,750.00 437.25 4,187.25 4,187.25
16 - 3,750.00 218.63 3,968.63 3,968.63

TAXA EFETIVA SEMESTRAL.......................... 6.17%

TAXA EFETIVA ANUAL.................................. 12.72%

CUSTO DO EMPRÉSTIMO = TAXA EFETIVA - IMPOSTOS:


12.72% x (1-0,24) = 9.67%

LANÇAMENTO DE DEBÊNTURES:

EXEMPLO:
Uma empresa está pensando em emitir R$ 10 milhões em debêntures, a serem resgatadas em 20 anos, com uma
taxa anual de juros de 9%, tendo cada debênture o valor nominal de R$ 1.000. Já que títulos com risco semelhante
rendem mais que 9%, a empresa precisa vender as debêntures por R$ 980, para compensar a taxa de juros mais
baixa. Os custos de colocação pagos para a corretora são de 2% do valor nominal da debênture.
Os recebimentos líquidos da empresa, para cada debênture vendida são de R$ 960 (R$980 - R$ 20).

CÁLCULO DO CUSTO DO EMPRÉSTIMO ANTES DOS IMPOSTOS:

960 g, Cfo
90 CHS, g, CFj
19 g, Nj
1090 CHS, g, CFj
f, IRR 9.45

CÁLCULO DO CUSTO DO EMPRÉSTIMO, APÓS OS IMPOSTOS:

Como os juros pagos pela empresa são dedutíveis na apuração do IR e CSL, o custo do empréstimo antes dos
impostos deve ser multiplicado por 1 menos a taxa dos impostos.

9,452 X (1 - 0,24) = 7,1838 %


UNIFEBE 59574079.xls
Página 43
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

EXEMPLO 2:
Seja o caso de uma empresa que pretende lançar $ 100 milhões em debêntures abertas ao público, não
conversíveis em ações.

DADOS:
Valor total das debêntures........ 100,000,000
Prazo............. 3 anos
Amortização.... 33.33% ao final de cada ano
Pagamento de juros................. trimestral
Taxa de juros... 12% ao ano
Taxa de aval do banco avalista.......................... 3% sobre o saldo devedor cobrada antecipadamente
e anualmente
Taxa de garantia de subscrição......................... 3% no ato
Taxa de colocação........................................... 3% no ato
Taxa de coordenação....................................... 2% no ato
Prêmio ao debenturistas remanescentes............ 4% sobre o saldo remanescente ao final do 1o. e
2o. Ano
Não há incidência de IOF

SOLUÇÃO:
Taxa trimestral de juros............ 2.87%

Fluxo de caixa: trimestres $


0 (89,000,000)
1 2,870,000
2 2,870,000
3 2,870,000
4 40,866,900 (2,87 + 66,66 (4% + 3%) + 33,33 = 40,87)
5 1,913,429
6 1,913,429
7 1,913,429
8 37,576,529 (1,91 + 33,33 (4% + 3%) + 33,33 = 37,57
9 956,571
10 956,571
11 956,571
12 34,286,571

TIR DAS DEBÊNTURES 5.52% ao trimestre

TIR DAS DEBÊNTURES 23.96% ao ano

CUSTO DO EMPRÉSTIMO: 23.96% X (1 - 0,24) = 18.21%


UNIFEBE 59574079.xls
Página 44
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.1
3.1

FINANCIAMENTO DO BNDES
PRAZO.......... 10 ANOS COM 2 ANOS DE CARÊNCIA
TAXA DE JUROS.................... 1% AO MÊS
SPREAD DO SISTEMA BNDES........................ 1% AO MÊS
FORMA DE PAGTO: JUROS ANUAIS DURANTE A CARÊNCIA E PAGTOS ANUAIS (SAC)
IOF................ 1.50%
OUTRAS DESPESAS............. 2% DO VALOR DO INVESTIMENTO
VALOR FINANCIADO............... R$80,000.00

PEDE-SE: CALCULAR A TAXA DE JUROS EFETIVA DO EMPRÉSTIMO.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.2
3.2

FINANCIAMENTO DO BNDES
PRAZO.......... 15 ANOS COM 4 ANOS DE CARÊNCIA
TAXA DE JUROS.................... 4% AO TRIMESTRE
SPREAD DO SISTEMA BNDES........................ 3% AO TRIMESTRE
FORMA DE PAGTO: JUROS SEMESTRAIS DURANTE A CARÊNCIA E PAGTOS SEMESTRAIS (SAC)
IOF................ 1.50%
OUTRAS DESPESAS............. 1.50% DO VALOR DO INVESTIMENTO
VALOR FINANCIADO............... R$150,000.00

PEDE-SE: CALCULAR A TAXA DE JUROS EFETIVA DO EMPRÉSTIMO.


UNIFEBE 59574079.xls
Página 45
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.3
3.3

Seja o caso de uma empresa que pretende lançar $ 250.000 em debêntures abertas ao público, não conversíveis
em ações.
DADOS:
Valor total das debêntures........ 250,000
Prazo............. 4 anos
Amortização.... 25.00% ao final de cada ano
Pagamento de juros................. semestral
Taxa de juros... 16% ao ano
Taxa de aval do banco avalista.......................... 2.00% sobre o saldo devedor cobrada antecipadamente
e anualmente
Taxa de garantia de subscrição......................... 2.50% no ato
Taxa de colocação........................................... 3.50% no ato
Taxa de coordenação....................................... 1.50% no ato
Prêmio ao debenturistas remanescentes............ 5.00% sobre o saldo remanescente ao final do 1o.,
2o. e 3o. Anos
Não há incidência de IOF

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.4
3.4

Seja o caso de uma empresa que pretende lançar $ 300.000 em debêntures abertas ao público, não conversíveis
em ações.
DADOS:
Valor total das debêntures........ 300,000
Prazo............. 5 anos
Amortização.... 20.00% ao final de cada ano
Pagamento de juros................. anual
Taxa de juros... 19% ao ano
Taxa de aval do banco avalista.......................... 2.50% sobre o saldo devedor cobrada antecipadamente
Taxa de garantia de subscrição......................... 3.00% no ato
Taxa de colocação........................................... 3.00% no ato
Taxa de coordenação....................................... 2.00% no ato
Prêmio ao debenturistas remanescentes............ 4.00% sobre o saldo remanescente ao final do 1o.,
2o. , 3o. e 4o. Anos
Não há incidência de IOF

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.5
3.5

Uma empresa está analisando os seus procedimentos para tomada de decisões de investimento. Os dois projetos
avaliados pela empresa durante o mês passado foram os projetos 263 e 264. As variáveis básicas relacionadas a
cada projeto analisado, através da utilização da TIR, e as decisões resultantes estão resumidas abaixo:

Variáveis básicas Projeto 263 Projeto 264


Custo 64,000.00 58,000.00
Vida (anos) 15 15
TIR 8% 15%
Menor custo financeiro:
Fonte Empréstimo Capital próprio
Custo (após impostos) 7% 16%
Decisão
UNIFEBE 59574079.xls
Página 46
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

Ação Aceito Rejeitado


Razão TIR > custo TIR < custo

a) Avalie os procedimentos decisórios da empresa e explique por que a aceitação do projeto 263 e a rejeição do
projeto 264 podem não ser favoráveis aos melhores interesses dos proprietários da empresa.
b) Se a empresa mantém uma estrutura de capital contendo 40% de empréstimo e 60% de capital próprio, deter-
mine seu custo médio ponderado usandos os dados do quadro.
c) Se a empresa tivesse usado o custo médio ponderado calculado no item b, quais as providências que deveriam
ser tomadas com relação aos projetos 263 e 264? Explique.

CUSTO
CUSTO DA
DA AÇÃO
AÇÃO PREFERENCIAL
PREFERENCIAL

EXEMPLO:
A Dunches Corporation está pensando em emitir ações preferenciais de 10% (dividendos anuais), que devem ser
vendidas pelo valor nominal de $ 87,00 por ação. O custo de emissão e venda de cada ação deve ser de $ 5,00 por
ação. A empresa deseja determinar o custo da ação.

k= D 8.70 10.61%
PVL 82.00

CUSTO
CUSTO DA
DA AÇÃO
AÇÃO ORDINÁRIA
ORDINÁRIA

MODELO DE AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO CONSTANTE - MODELO DE GORDON

D1
k s= g
Po
Po = preço corrente da ação ordinária

D1 = dividendo por ação esperado no final do ano 1

ks = taxa de retorno exigida sobre a ação ordinária

g = taxa anual de crescimento constante dos dividendos

EXEMPLO:
A Dunches Corporation deseja determinar o custo das ações ordinárias. O preço vigente de mercado de cada ação
ordinária da empresa é de $ 50. A empresa espera pagar um dividendo de $ 4 ao fim do próximo ano, 19x5.
Os dividendos pagos sobre as ações ordinárias, em circulação, durante os últimos seis anos são dados abaixo:

Ano Dividendo
19x4 3.80
19x3 3.62
19x2 3.47
19x1 3.33
19x0 3.12
19x-1 2.97

Qual a taxa anual de crescimento dos dividendos da empresa (g)?


UNIFEBE 59574079.xls
Página 47
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

NA HP12C: 2.97 CHS, PV


5n
3.80 FV
i 5.05%

D1
k s= g Ks = 4.00 + 5,05% = 13.05%
P o 50.00

MODELO DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DE ATIVOS DE CAPITAL (CAPM)

FÓRMULA: Rf = taxa de retorno do ativo livre de risco


k s =R f  [ b×  k m−R f  ] km = retorno de mercado
b = coeficiente beta

Para se usar o CAPM, deve-se proceder da seguinte maneira:

1o.) Estimar a taxa livre de risco, geralmente obtida, seja do título do tesouro norte-americano, seja das taxas das
letras de curto-prazo do Tesouro norte-americano;
2o.) Estimar o coeficiente beta (b) da ação, usando-o como índice do risco da ação;
3o.) Estimar a taxa de retorno esperada no mercado ou de uma ação média;
4o.) Substituir os valores precedentes na equação CAPM.

COEFICIENTE BETA (b)

É uma medida da extensão pela qual os retornos de uma determinada ação se movem com o mercado de ações.

Exemplo: b = 1,00 Se o índice BOVESPA por exemplo, subir 10%, essa ação sobe também 10%.
Se o índice BOVESPA por exemplo, cair 10%, essa ação cai também 10%.

b = 0,50 Se o índice BOVESPA por exemplo, subir 10%, essa ação sobe 5%.
Se o índice BOVESPA por exemplo, cair 10%, essa ação cai 5%.

b = 2,00 Se o índice BOVESPA por exemplo, subir 10%, essa ação sobe 20%.
Se o índice BOVESPA por exemplo, cair 10%, essa ação cai 20%.

EXEMPLO:
A Dunches Corporation deseja também calcular o custo de suas ações ordinárias pelo método CAPM.
Para tanto, ela buscou as seguintes informações:

TAXA DE RETORNO DE TÍTULOS DO TESOURO NORTE-AMERICANO............. 6%

NUMA COMPARAÇÃO DOS ÚLTIMOS CINCO ANOS, ENTRE O PREÇO DE SUAS AÇÕES, E O ÍNDICE DOW
JONES, DA BOLSA DE NOVA YORK, VERIFICOU QUE, EM MÉDIA, O PREÇO DE SUAS AÇÕES OSCILOU
EM MÉDIA...... 70% DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DOW JONES DO MESMO PERÍODO.

A TAXA DE RETORNO DE UMA AÇÃO MÉDIA NO MERCADO, COMO A GENERAL ELECTRIC, POR EXEM-
PLO, É DE ..... 12%

ks = 10.20%
UNIFEBE 59574079.xls
Página 48
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

CÁLCULO DO COEFICIENTE BETA (b)

EXCESSOS DE RETORNO DE MERCADO E DE UMA AÇÃO QUALQUER SOBRE UM TÍTULO LIVRE DE RISCO

PERÍODO AÇÃO MERCADO


1 11% 7%
2 7% 5%
3 10% 6%
4 6% 3%
5 3% 2%
6 14% 9%

CÁLCULO NA HP 12C
PASSO TECLAS DESCRIÇÃO
1 f[ε] limpa os registradores estatísticos
2 11 [enter] 7 [ ε +] entra o primeiro par de dados
3 7 [enter] 5 [ ε +] entra o segundo par de dados
4 10 [enter] 6 [ ε +] ... E assim por diante
5 6 [enter] 3 [ ε +]
6 3 [enter] 2 [ ε +]
7 14 [enter] 9 [ ε +]

0 [g] [x, r] 0.33 (a)

0 [g] [y, r] 0.5 (b)

beta............. 1.50 (b/a)

COMPARAÇÃO ENTRE AS TÉCNICAS CAPM E O CRESCIMENTO CONSTANTE

O CAPM leva em consideração o risco da empresa, refletido pelo beta. Já o Modelo GORDON não leva em conta
o risco. Ao invés disso, utiliza o preço de mercado da ação, como reflexo da preferência risco-retorno.
Apesar das técnicas serem teoricamente equivalentes, de uma maneira prática é diícil demonstrar adequadamente
problemas associados com o crescimento, beta, a taxa livre de risco e o retorno de mercado.

O modelo GORDON é constantemente preferido, pois os dados exigidos são disponíveis mais rapidamente.

CUSTO
CUSTO DE
DE LUCROS
LUCROS RETIDOS
RETIDOS

É IGUAL AO CUSTO DE EMISSÃO DAS AÇÕES ORDINÁRIAS.

EXEMPLO:
A Dunches Corporation deseja determinar o custo das ações ordinárias. O preço vigente de mercado de cada ação
ordinária da empresa é de $ 50. A empresa espera pagar um dividendo de $ 4 ao fim do próximo ano, 19x5.
Os dividendos pagos sobre as ações ordinárias, em circulação, durante os últimos seis anos são dados abaixo:

Ano Dividendo
19x4 3.80
19x3 3.62
19x2 3.47
UNIFEBE 59574079.xls
Página 49
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

19x1 3.33
19x0 3.12
19x-1 2.97

Qual a taxa anual de crescimento dos dividendos da empresa (g)?

NA HP12C: 2.97 CHS, PV


5n
3.80 FV
i 5.05%

D1
k s= g Ks = 4.00 + 5,05% = 13.05%
P o 50.00

CUSTO
CUSTO MÉDIO
MÉDIO PONDERADO
PONDERADO DE
DE CAPITAL
CAPITAL (CMePC)
(CMePC)

EXEMPLO:

Vamos supor que uma empresa possua os seguintes custos para seus vários tipos de capital:

Custo de empréstimos............. 5.60%


Custo de ações preferenciais.... 10.60%
Custo de lucros retidos............. 13.00%
Custo de ações ordinárias........ 13.00%

Observando-se o balanço patrimonial desta empresa, constata-se que sua estrutura de financiamento de capital
apresenta-se da seguinte forma:

Empréstimos a longo prazo...... 40,000.00 40.00%


Ações preferenciais................. 10,000.00 10.00%
Ações ordinárias..................... 50,000.00 50.00%
100,000.00 100.00%

CÁLCULO DO CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (CMePC)


FONTE DE CAPITAL PESO CUSTO CUSTO
PONDERADO
Empréstimos a longo prazo 0.40 5.60% 2.24%
Ações preferenciais 0.10 10.60% 1.06%
Ações ordinárias 0.50 13.00% 6.50%
Totais 1.00 9.80%

ESQUEMAS DE PONDERAÇÃO:

a) VALOR CONTÁBIL VERSUS VALOR DE MERCADO

A proporção de cada tipo de capital pode ser determinada através de valores contábeis ou de mercado. A segunda
opção parece ser a mais indicada, pois os valores de mercado dos títulos aproximam-se mais da quantia a ser
recebida pela sua venda. Além disso, já que os custos dos vários tipos de capital são calculados usando-se os
preços vigentes no mercado, parece mais lógico usar pesos baseados no valor de mercado também.

b) HISTÓRICO VERSUS META


UNIFEBE 59574079.xls
Página 50
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

Os pesos históricos podem ser pesos de valor contábil ou de mercado, baseados nas proporções de estrutura de
capital atual. Já os pesos-metas podem também ser baseados em valores contábeis ou de mercado, mas
refletem as proporções "desejadas" na estrutura de capital da empresa.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.6
3.6

Determine o custo para cada uma das seguintes ações preferenciais:

ação valor nominal preço de custo de dividendo


venda colocação anual
A 100.00 101.00 9.00 11%
B 40.00 38.00 3.50 8%
C 35.00 37.00 4.00 5.00
D 30.00 26.00 5% 3.00
E 20.00 20.00 2.50 9%
* o percentual de custo de colocação da ação D é aplicado sobre o valor nominal
da ação.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.7
3.7

A ação ordinária da J&M Corporation tem os seguintes indicadores:


beta................ 1.2
taxa livre de risco..................... 6%
retorno de mercado.................. 11%

Determine o custo da ação ordinária da J&M.

EXERCÍCIO
EXERCÍCIO Nr.
Nr. 3.8
3.8

A Ross Textiles deseja medir o custo de sua ação ordinária. Para tanto, preparou os seguintes dados abaixo:

preço de venda atual da ação..... 57.50


a empresa espera pagar um dividendo no final do ano 19x5 de .... 3.40
os dividendos os últimos 5 anos são demonstrados a seguir:
ano dividendo
19x4 3.10
19x3 2.92
19x2 2.60
19x1 2.30
19x0 2.12
UNIFEBE 59574079.xls
Página 51
Prof.: Roberto C. Klann Tópico 4

a) Calcule a taxa de crescimento dos dividendos;


b) Calcule o custo das ações ordinárias, usando o modelo de avaliação de crescimento constante.