You are on page 1of 6

Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.16, n.2, p.126-31, abr./jun.

2009 ISSN 1809-2950

Avaliação da satisfação dos pacientes atendidos em uma clínica-escola


de Fisioterapia de Santo André, SP
Assessment of patient satisfaction with physical therapy at a college health
clinic in Santo André, SP
Eneida Yuri Suda1, Missae Dora Uemura2, Eliane Velasco1

Estudo desenvolvido na RESUMO: O objetivo deste estudo foi verificar o grau de satisfação com o atendimento
clínica-escola da UniABC – fisioterapêutico de 51 pacientes (idade 47,6±14,8 anos) que estavam recebendo
Universidade do Grande ABC, tal atendimento em uma clínica-escola que atende gratuitamente. O nível de
Santo André, SP Brasil satisfação foi avaliado por um questionário brasileiro, validado, sobre a satisfação
1 dos pacientes com a fisioterapia. A ampla maioria (77%) dos pacientes eram de
Fisioterapeutas; Profas. Ms. do baixo nível socioeconômico. Os resultados mostram que os pacientes apresentam
Depto. de Fisioterapia da um alto nível de satisfação com o atendimento fisioterapêutico quanto à relação
UniABC
paciente-terapeuta, aos membros da equipe de atendimento, à dinâmica e à infra-
2
Fisioterapeuta especialista em estrutura da clínica. Respostas negativas figuraram apenas em algumas questões
Patofisiologia; Profa. do Depto. referentes à infra-estrutura da clínica. A questão relativa à satisfação com o
de Fisioterapia da UniABC atendimento em geral obteve 55% de respostas “excelente”, 27% de “ótimo” e
18% de “bom”. O paciente atendido pela clínica-escola tem a consciência que
ENDEREÇO PARA um aluno/estagiário estará realizando o atendimento. Embora os resultados possam
CORRESPONDÊNCIA ter sido influenciados pelo baixo status socioeconomico da clientela, que em geral
não alimenta altas expectativas, ainda assim apontam para uma opinião homogênea
Eneida Yuri Suda positiva sobre a seriedade e competência do trabalho realizado pela equipe na
R. Masuzo Naniwa 105 ap. clínica.
TA84 Nova Mogilar
08773-535 Mogi das Cruzes SP DESCRITORES: Educação em saúde; Fisioterapia (especialidade); Prática de saúde
e-mail: yurisuda@usp.br pública; Satisfação do paciente

ABSTRACT: The purpose of this study was to measure patient satisfaction at a publicly
offered physical therapy service in a university clinic. Fifty-one patients were
evaluated (mean age 47,6±14,8 years), who were being attended to at the health
clinic. Satisfaction level was assessed by means of a Brazilian-developed and
validated patient satisfaction physical therapy questionnaire. Most subjects (77%)
presented low social-economic status. Results showed a high level of satisfaction
as to therapist-patient relationship, staff, clinic dynamics, and facilities. Some
negative answers were observed as to the clinic’s convenience (location and parking
place). Answers to the question concerning overall satisfaction with the assistance
ranged from 55% “excellent”, 27% “very good”, to 18% “good”. The clinic patients
are aware that they will be attended to by students. Though results may have been
biased by patients’ low social-economic profile, who do not usually have high
APRESENTAÇÃO expectations, still they point to a homogenous, positive evaluation of the seriousness
out. 2008 and competency of the clinic team work.
ACEITO PARA PUBLICAÇÃO KEY WORDS: Health education; Patient satisfaction; Physical therapy (specialty);
maio 2009 Public health practice

126 Fisioter Pesq. 2009;16(2):126-31


2009;16(2)
Suda et al. Fisioterapia e satisfação do paciente

INTRODUÇÃO por quatro componentes relacionados à


satisfação: localização, custo, valorizado-
fisioterapêutico dos pacientes atendidos
na clínica-escola da Universidade do
O sucesso do tratamento no cuidado res (enhancers) e depreciadores (detractors). Grande ABC. A hipótese geral do estu-
do paciente é em geral avaliado por Localização e custo referem-se, respectiva- do é a de que esses pacientes apresen-
medidas clínicas. Questionários e outros mente, à facilidade de acesso à clínica tam um alto nível de satisfação, embora
instrumentos são amplamente utilizados e à compatibilidade entre o valor percebi- o atendimento não seja feito nos moldes
por fisioterapeutas para medir a condi- do do serviço fornecido e seu custo (no caso da assistência particular ou de instituições
ção de saúde do paciente ou os resulta- de serviços pagos), ambos relacionados públicas.
dos do tratamento realizado. Porém, a pois ao dinheiro e à conveniência.
satisfação do paciente é também uma Valorizadores são itens relativos ao am-
das dimensões envolvidas no cuidado de biente físico do serviço e às interações METODOLOGIA
pessoas – e pouco avaliada. A verificação pessoais que enriquecem a experiência
terapêutica, levando-a a um nível acima A amostra incluiu 51 pacientes (ida-
da qualidade do cuidado com o paciente
do minimamente aceitável. Deprecia- de média de 47,6±14,8 anos), sendo 20
vem sendo focada na avaliação do conhe-
dores são elementos ligados ao reconhe- do sexo feminino (39,2%) e 31 do sexo
cimento pessoal, das habilidades e da ex-
cimento das necessidades físicas e masculino (60,8%). Do total de pacien-
periência do profissional da saúde. A sa-
interpessoais do paciente que, se ausen- tes avaliados, 58,8% apresentavam pa-
tisfação está ligada de forma sinérgica à
tes, criam sentimentos negativos, mas, tologias ortopédicas, 3,9% patologias
qualidade técnica no que se refere ao
quando presentes, não necessariamen- reumáticas e 37,3%, neurológicas. Os
sucesso do tratamento1. Pacientes insa-
te geram sentimentos positivos, como as pacientes foram selecionados aleatoria-
tisfeitos apresentam menor adesão ao
percepções sobre o comportamento do mente, independentemente da patologia
tratamento.
terapeuta. O fato de a localização e o apresentada, entre os que estavam em
A satisfação tem natureza multidi- custo apresentarem-se como fatores atendimento fisioterapêutico individual
mensional, ou seja, um indivíduo pode mostra que a satisfação do paciente com durante a coleta de dados na Clínica de
estar extremamente satisfeito com um ou o tratamento fisioterapêutico é bastante Fisioterapia de uma universidade de San-
mais aspectos de uma consulta ou uma influenciada por parâmetros não-clínicos. to André. Foram excluídos pacientes
sessão de tratamento e simultaneamente É importante lembrar que a satisfação com menos de 18 anos de idade, pacien-
pode estar insatisfeito com outros aspec- do paciente com o cuidado recebido é tes que tinham freqüentado menos de
tos2. Goldstein et al.1 definem satisfação no diferente da satisfação com os resulta- cinco sessões de fisioterapia, e pacientes
âmbito da saúde como as reações do re- dos obtidos com o tratamento. A satisfa- que tivessem inabilidade cognitiva para
ceptor dos cuidados de saúde – o paciente ção do paciente com o atendimento re- responder ao questionário de avaliação.
– aos aspectos do serviço recebido. Assim, flete a qualidade do serviço recebido Todos os pacientes avaliados assinaram
a satisfação está sempre relacionada às ex- durante o cuidado4. o termo de consentimento livre e escla-
pectativas do paciente, ou seja, pode recido, aprovado pelo Comitê de Ética
mudar quando as expectativas do pacien- As clínicas-escolas constituem serviços
da Universidade do Grande ABC.
te ou seus padrões comparativos mudam, ligados a instituições de ensino superior
mesmo quando o objeto de compara- em que o atendimento à população é fei- O estudo foi desenvolvido no Centro
ção, no caso, o serviço de saúde recebi- to por alunos que cursam a especialidade Multidisciplinar onde, além da Clínica
do, permaneça constante1. em que é feito o atendimento. No caso de Fisioterapia, encontram-se as clíni-
dos cursos de Fisioterapia, esse atendi- cas de Enfermagem, Psicologia e Nutri-
A satisfação do paciente no âmbito mento é feito por alunos do último ano ção; há aí também um espaço aberto às
da Fisioterapia ainda não é bem enten- de graduação, sempre sob a supervisão de atividades práticas de Educação Física.
dida, pois apenas recentemente têm sido um professor graduado em Fisioterapia e A Clínica de Fisioterapia atende as áreas
desenvolvidos instrumentos para a co- que tenha, no mínimo, título de especia- de Ortopedia, Reumatologia, Neurologia
leta de dados de forma padronizada por lista. Assim, a relação paciente-terapeuta e Neuropediatria no horário das 7h30min
estudos que avaliam o nível de satisfa- apresenta características especiais, pois às 17h50min, horário distribuído depen-
ção de pacientes em atendimento os pacientes se submetem a serem aten- dendo da disponibilidade e atribuição
fisioterapêutico1,3-8. A fisioterapia apre- didos por alunos. Embora a situação da de horas a cada supervisor. Em média
senta uma série de características que saúde pública do Brasil não permita que são realizados anualmente 3642 atendi-
influenciam a satisfação do paciente: a todo cidadão brasileiro tenha acesso aos mentos (anos-base 2006, 2007 e 2008).
interação com o paciente sempre leva cuidados básicos de saúde, o que pode- Os atendimentos variam entre aborda-
mais tempo do que uma consulta médi- ria justificar essa situação – a de o paci- gens terapêuticas individuais e oficinas
ca, a terapia envolve maior contato físico, ente se submeter a ser atendido por aca- de socialização, orientação e prática de
geralmente exige a participação ativa do dêmicos, e não por profissionais já ha- atividades de vida diária.
paciente – e a terapia pode causar dor e bilitados –, a experiência pessoal tem
ser encarada como uma ameaça física5. mostrado que os pacientes parecem es-
tar de certa forma satisfeitos com esse Procedimentos
Rousch e Sonstroem3, que na virada do
modelo de atendimento.
século desenvolveram um questionário Para avaliar o nível de satisfação dos
para aferir a satisfação do paciente com o O objetivo deste estudo é verificar o pacientes foi utilizado o Questionário
atendimento em fisioterapia, concluíram grau de satisfação com o atendimento sobre a satisfação dos pacientes com a

2009;16(2):126-31
Fisioter Pesq. 2009;16(2) 127
Fisioterapia, desenvolvido por Mendon- Tabela 1 Escolaridade e renda familiar 70,6% (n=36) dos pacientes estavam
ça e Guerra7,8 na língua portuguesa, com dos pacientes da amostra sendo atendidos por fisioterapeutas do
confiabilidade e validade constatadas. (n=51) sexo feminino, 13,7% (n=7) do sexo
Dividido em duas partes, a primeira con- masculino e 15,7% (n=8) alternavam o
Variável n %
siste em 12 questões descritivas sobre ida- tratamento entre fisioterapeutas de am-
de, sexo, renda familiar, plano de saúde, Grau de 1o grau incompl. 25 49 bos os sexos.
como o paciente tomou conhecimento escolaridade 1o grau compl. 5 10
2o grau incompl. 5 10 Foi observado ainda que 13,7% (n=7)
da clínica, experiências prévias com fi-
dos pacientes desconheciam o diagnós-
sioterapia, diagnóstico e tratamento 2o grau compl. 11 21
tico apresentado. Um terço do total já
fisioterapêutico atual. A segunda parte Superior 5 10
tinham passado por várias sessões de fi-
consiste em 23 questões sobre a satisfa- Renda familiar 1-3 SM 37 77 sioterapia, não sendo possível o levan-
ção do paciente com diferentes aspectos (em salários- 4-6 SM 8 6 tamento exato do número de sessões; e
do tratamento fisioterapêutico recebido; mínimos, SM) 7-10 SM 3 17 o restante (n=34) realizaram em média
dessas, 20 referem-se a quatro compo- 14 sessões.
>10 SM 0 0
nentes – interação paciente-terapeuta,
acesso e atendimento da recepção e do O Gráfico 1 sintetiza as respostas relati-
pessoal de apoio, conveniência, e am- A adesão à Clínica de Fisioterapia vas à interação paciente-terapeuta. Das oito
biente físico –, uma à satisfação geral aconteceu por duas principais vias – in- perguntas a respeito, nenhum paciente
do paciente e as duas ultimas a inten- dicação dada pelo médico (39%) e indi- apontou a interação paciente-terapeuta
ções futuras do paciente em relação à cação por outro paciente (14%). Outras como ruim ou péssima; verificou-se que a
clínica7. Na segunda parte, as respostas fontes de informação corresponderam a gentileza e o respeito com que os estagiários
são dadas numa escala intervalar (tipo 39% das respostas, e incluíram a indi- e supervisores tratam os pacientes foram
Likert) pontuadas de 1 (péssimo) a 5 (ex- cação pelo posto de saúde (n=6), por um os itens que lograram mais freqüente-
celente). familiar (n=4), autoprocura (n=3) e o mente pontuação máxima.
marketing da instituição – website, pla-
Para a coleta de dados, os pacientes Em relação ao acesso e ao atendimen-
cas e folhetos (n=3).
foram abordados por um dos pesquisa- to da recepcionista e do pessoal de apoio
dores durante o horário em que os paci- Dos 51 pacientes entrevistados, os resultados também variaram entre
entes não estavam em tratamento, sen- 41,3% (n=29) nunca tinham realizado bom, ótimo e excelente (Gráfico 2).
do lhes solicitado que preenchessem o fisioterapia antes; dos 22 que já haviam Nenhum paciente relatou maus tratos ou
questionário; foram também orientados se submetido a tratamento fisioterapêuti- indelicadeza durante o atendimento,
a fazer perguntas ao pesquisador caso co, 7 nunca tinham vindo à Clínica an- porém um relatou dificuldade em mar-
necessitassem de alguma orientação ou tes; 86,3% (n=44) estavam retornando car o primeiro atendimento. Os itens
não tivessem entendido alguma informa- por aconselhamento médico, por agra- relacionados à conveniência – localização
ção do questionário, e os pesquisadores vamento da patologia ou por outro dis- da clínica e disponibilidade de estaciona-
ficaram à disposição para eventuais es- túrbio não mencionado. Verificou-se que mento – apresentaram uma pequena por-
clarecimentos. Os pacientes foram ain-
da orientados a não levar o instrumento Interação paciente-terapeuta
para outro local, respondendo na própria Aprofundamento do fisioterapeuta na 39%
41%
clínica; e a média de tempo de entrega avaliação do seu problema 10%
das respostas foi de aproximadamente Oportunidade dada pelo fisioterapeuta para 49%
29%
15 minutos. expressar sua opinião 14%
Os dados foram analisados de forma Privacidade respeitada durante sua sessão de 47%
27%
qualitativa e foi feita análise estatística fisioterapia 18%
descritiva. O respeito com que você é tratado pelo 59%
22%
fisioterapeuta 12%
69%
RESULTADOS Gentileza do fisioterapeuta
6%
18%

A Tabela 1 resume os dados sociode- Esclarecimento de suas dúvidas pelo 39%


41%
mográficos dos pacientes. Verificou-se fisioterapeuta 12%
que quase a metade do grupo não tinha Segurança transmitida pelo fisioterapeuta 45%
39%
concluído o ensino fundamental; e a gran- durante o tratamento 10%
de maioria apresentou renda familiar de Explicações oferecidas com clareza sobre seu 39%
até três salários mínimos. Dentre os en- 37%
tratamento no primeiro contato 16%
trevistados, 84,3% (n=43) não tinham Bom Ótimo Excelente
tipo algum de convênio de saúde e
15,7% (8), convênios variados. Gráfico 1 Respostas às dimensões de avaliação da interação paciente-terapeuta

128 Fisioter Pesq. 2009;16(2):126-31


2009;16(2)
Suda et al. Fisioterapia e satisfação do paciente

Acesso e atendimento da equipe va, sendo que os demais indicam um


45% percentual de descontentamento que
Tempo de permanência na sala de espera após o 33%
horário marcado 16% não superou a satisfação, mas que me-
0% recem destaque.
37%
Disponibilidade de horários convenientes para 29% Quanto às respostas relativas à satis-
realização de seu tratamento 33%
0% fação com o atendimento em geral, 55%
35% indicaram satisfação máxima, 27% con-
Facilidade na marcação das sessões após o primeiro 39%
atendimento 25% sideraram-no “ótimo” e 18%, “bom”. As
0% respostas “ruim” e “péssimo” não foram
Facilidade na marcação do seu primeiro atendimento
27% marcadas. À pergunta “Você retornaria
37%
após indicação e autorização 33% a essa clínica?” (em caso de necessida-
2%
64,7% de de novo atendimento fisioterapêutico,
27,5% ou continuidade do mesmo), 78% res-
Gentileza dos outros membros da equipe 7,8%
0% ponderam que retornariam “com certe-
39,2%
za”, 18% “sim” e 4%, “possivelmente”.
Gentileza e disponibilidade no atendimento da 39,2% Por fim, 76% (n=39) responderam que
recepcionista 21,6%
0% “sim”, “com certeza” indicariam a clí-
Ruim Bom Ótimo Excelente nica a outra pessoa.

Gráfico 2 Respostas referentes ao acesso e ao atendimento por parte dos membros


da equipe DISCUSSÃO
Ambiente físico
O objetivo deste estudo foi verificar
35% o grau de satisfação com o atendimento
Facilidade para transitar dentro das 37%
22% fisioterapêutico dos pacientes atendidos na
instalações da clínica 2%
0% clínica-escola de uma universidade de San-
49% to André. Observou-se que a população
29%
Condições gerais de higiene da clínica 18% atendida na Clínica é composta principal-
2% mente por indivíduos menor status socioeco-
0%
45%
nômico. O fato de poucos pacientes terem
Conforto do ambiente onde você realiza 33% acesso a convênios médicos pode ser um
18%
a fisioterapia 0% reflexo direto da condição de renda fa-
0%
miliar abaixo de três salários mínimos.
22%
12% A relação entre a qualidade dos ser-
Conforto da sala de espera 37%
16% viços oferecidos na rede pública e pri-
2%
vada é discutida por Saraiva e Capelão9,
Péssimo Ruim Bom Ótimo Excelente que ressaltam a satisfação com o aten-
dimento como o resultado de um pro-
Gráfico 3 Respostas referentes ao ambiente físico da clínica cesso dinâmico de avaliação do produ-
to e dos meios de produção. Segundo
Conveniência os autores, a capacidade de atender bem
é fundamental para a sobrevivência das
Disponibilidade
Disponibilidade do 27%
do 33% instituições públicas que atuam no se-
estacionamento 31%
estacionamento 2% tor de saúde com baixa eficácia. Um
estudo10 verificou que 67% das atividades
Localização da 35%
Localização da 35% do fisioterapeuta estavam correlacionadas
clínica
clínica 24% à promoção da saúde e prevenção de pa-
4%
tologias, realizadas de maneira coleti-
Ruim Bom Ótimo Excelente va, de acordo com a reestruturação das
estratégias promovidas na unidade bá-
Gráfico 4 Respostas referentes à conveniência da clínica
sica de saúde. A promoção da saúde por
palestras e divulgações à comunidade
centagem de resultados negativos (ruim), alcançaram o conceito máximo (Gráfi- acaba por ser o foco das ações dos ór-
mas a resposta predominante foi “ótimo” co 3). O conforto na sala de espera re- gãos de saúde pública. Por esse motivo,
(Gráfico 4). Quanto ao ambiente físico sultou em uma resposta intermediária, as atenções voltadas ao setor de cura e
da clínica, verificou-se que nos itens re- na maioria dos casos. O item relaciona- reabilitação acabam ficando restritas, até
lativos a conforto na sala de terapia e do ao conforto na sala de terapia foi o pela necessidade de tratamento individual.
higiene, quase a metade das respostas único a não apresentar resposta negati- Quanto aos convênios de saúde, a limi-

2009;16(2):126-31
Fisioter Pesq. 2009;16(2) 129
tação do número de sessões restritas ao dos benéficos dentro da conduta reali- menos possível nas rotinas diárias dos
encaminhamento médico e reavaliação zada. A substituição da influência do pacientes.
clínica acaba por não permitir, na maioria paradigma cartesiano, que gerava uma
As respostas à pergunta referente ao
das vezes, a reabilitação adequada do visão mais tecnicista, por um modelo,
nível de satisfação geral mostraram um
paciente. As clínicas-escola represen- sugerido por diretrizes nacionais, de for-
alto nível de satisfação geral. O fato de
tam, portanto, uma alternativa para o mação generalista e humanista, voltada
três quartos dos pacientes se sentirem
atendimento do paciente com seqüela aos princípios bioéticos e culturais do
confortáveis na clínica, para retornar ou
crônica, que exigirá uma atenção maior indivíduo e da coletividade, sugere que
mesmo indicá-la a familiares e amigos,
e um tempo prolongado, ou para aque- a atenção voltada aos pacientes deve
sugere uma visão humanística, crítica e
le que não tem recursos para ser atendi- seguir os mais altos padrões de qualida-
profissional por parte da equipe de es-
do em uma clínica particular. O alto grau de e respeito.
tagiários e terapeutas.
de satisfação encontrado neste estudo, por-
Beattie et al.4 verificaram que a satis-
tanto, também pode ser conseqüência do A formação em saúde deve capacitar
fação do paciente está diretamente re-
baixo nível socioeconômico, pois a falta o aluno a tornar-se um profissional com
lacionada aos elementos que se referem
de recursos financeiros dessa faixa da po- atitudes que valorizem seu cliente como
à interação do paciente com seu
pulação não lhe dá alternativas. Assim, pessoa humana. O acadêmico de fisio-
terapeuta. Assim, fatores como tempo
qualquer oportunidade que apareça em terapia, desde sua entrada no curso su-
adequado gasto na terapia, terapeutas
um momento de necessidade acaba sen- perior, deve compreender os princípios
que demonstram habilidades bem desen-
do recebida com grande satisfação11, de ética profissional, buscando padrões
volvidas de comunicação, explicações
mesmo que a qualidade do serviço não de qualidade de forma crítica e reflexi-
claras sobre o tratamento a ser seguido
seja a ideal. Além disso, a percepção de va. A evolução e progressão dos módu-
seriam mais importantes para a satisfa-
qualidade por parte do cliente está dire- los vinculando prática e teoria, em uma
ção do paciente do que a localização
tamente relacionada a seu nível de ex- rotina de observação, culminando com
da clínica, a disponibilidade de estacio-
pectativa. Quando as expectativas são os estágios supervisionados nos últimos
namento no local, ou a qualidade do
excedidas, a percepção da qualidade do semestres, amplia valores nos alunos,
equipamento disponível. Monnin e
serviço melhora12. Pacientes com menor como o respeito pelo paciente, a que-
Perneger5 verificaram, ainda, que o item
nível socioeconômico tendem por criar bra de preconceitos socioeconômicos e
“sensação de segurança” também deve
menor expectativa devido à discrimina- a necessidade do trabalho em equipe.
ser levado em conta. Beattie et al.6 ob-
ção social, o que pode gerar, portanto,
servaram, em um estudo posterior, que Uma avaliação de caráter qualitativo e
maior percepção de qualidade, pois a
a satisfação do paciente está relacionada a relação do nível de satisfação com o tipo
expectativa acaba sendo mais facilmen-
com o grau com que o fisioterapeuta res- e tempo de patologia se faz necessária em
te excedida.
ponde às perguntas do paciente, fornece estudos futuros, a fim de se entender
Os resultados referentes às questões informações e se mostra respeitoso, re- melhor a percepção do paciente aten-
sobre o conhecimento do diagnóstico velando mais uma vez a importância da dido na clínica-escola, e a relação des-
clínico, a procura do serviço de fisiote- interação entre o terapeuta e o paciente. sa percepção com o nível de satisfação
rapia e a possibilidade de retorno ao Nesta pesquisa os resultados pertinentes apresentado.
setor mostram que muitos ainda não ao respeito, gentileza, segurança e con-
conhecem o papel da fisioterapia e seus fiança demonstraram que, na opinião dos
níveis de atuação. Embora a profissão de pacientes, os estudantes do último semes- CONCLUSÃO
fisioterapeuta seja relativamente nova, o tre e a equipe envolvida na estrutura de
Na Clínica-Escola, desde o primeiro
Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia estágio direcionam sua atenção máxima
momento, o paciente tem a consciência
Ocupacional aponta um crescimento no para a individualidade do paciente, ten-
que um aluno-estagiário estará realizan-
número de faculdades, que passaram de tando desenvolver um trabalho ético e
do o atendimento. Recebe orientação
69, em 2001, para mais de 300 em eficiente.
sobre a conduta traçada, respeito e de-
200713. Mesmo assim, muitos ainda não
Em relação à infra-estrutura, embora dicação durante o tratamento. Esse aco-
conhecem o papel da fisioterapia e seus
a clínica avaliada tenha uma área de 10 lhimento, combinado ao local harmo-
níveis de atuação. Para Nascimento et
mil m2 e atenda aos requisitos do Centro nioso e que transmite confiança, pode
al.14, a importância de entender e teorizar
de Vigilância Sanitária da Secretaria de ter resultado na opinião positiva homo-
sobre a história da estruturação do cam-
Estado da Saúde15, tendo todas as áreas e gênea sobre a seriedade e competência
po da Fisioterapia, compreendendo suas
instalações revestidas com material ade- do trabalho realizado pela equipe, reve-
raízes, torna-se fundamental para definir
quado, ambiente com iluminação unifor- lada por este estudo. A busca do aprimo-
quem é esse profissional e para traçar os
me, boa ventilação, além de organização ramento da acessibilidade, eficiência e
rumos da profissão no país.
e higiene, a obtenção de algumas res- eficácia no atendimento ainda constituem
A avaliação dos itens relacionados à con- postas negativas nas questões referentes um trabalho árduo, quando vinculado a um
duta ética e profissional do fisioterapeuta e à demora na marcação da primeira con- atendimento gratuito, mas continua sen-
da equipe em que está inserido mostrou que sulta, estacionamento e conforto na sala do meta desta equipe, voltada para a
a relação terapeuta-cliente é um dos prin- de espera mostram que a adesão ao pro- excelência na qualidade do atendimen-
cipais pilares para se obterem resulta- grama de tratamento deve interferir o to à saúde da população.

130 Fisioter Pesq. 2009;16(2):126-31


2009;16(2)
Suda et al. Fisioterapia e satisfação do paciente

REFERÊNCIAS

1 Goldstein MS, Elliott SD, Guccione AA. The 9 Saraiva L, Capelão L. A nova administração pública e o
development of an instrument to measure satisfaction foco no cidadão: burocracia x marketing. Rev Adm
with physical therapy. Phys Ther. 2000;80(9):853-63. Publica. 2000;34(2):59-77.
2 Linder-Pelz S, Struening EL. The multidimensionality of 10 Brasil A. O papel do fisioterapeuta do Programa Saúde
patient satisfaction with a clinic visit. J Community da Família do município de Sobral, Ceará. Rev Bras
Health. 1985;10(1):42-54. Promoção Saude. 2005;18(1):3-6.
3 Roush SE, Sonstroem RJ. Development of the physical 11 Oliveira D, Arieta C, Temporini E, Kara-José N. Quality
therapy outpatient satisfaction survey (PTOPS). Phys of health care: patient satisfaction in a university
Ther. 1999;79(2):159-70. hospital. Arq Bras Oftalmol. 2006;69(5):731-6.
4 Beattie PF, Pinto MB, Nelson MK, Nelson R. Patient 12 Souza A, Griebeler D, Godoy L. Qualidade na prestação
satisfaction with outpatient physical therapy: instrument de serviços fisioterápicos: estudo de caso sobre
validation. Phys Ther. 2002;82(6):557-65. expectativas e percepções de clientes. Produção.
5 Monnin D, Perneger TV. Scale to measure patient 2007;17(3):435-53.
satisfaction with physical therapy. Phys Ther. 13 Coffito – Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia
2002;82(7):682-91. Ocupacional. Mercado de trabalho para fisioterapeutas
6 Beattie P, Turner C, Dowda M, Michener L, Nelson R. é muito concorrido. Brasília; 2007 [citado out. 2008].
The MedRisk instrument for measuring patient Disponível em: http://www.coffito.org.br/publicacoes/
satisfaction with physical therapy care: a psychometric pub_view.asp?cod=565&psecao=7.
analysis. J Orthop Sports Phys Ther. 2005;35(1):24-32. 14 Nascimento M, Sampaio R, Salmela J, Mancini M,
7 Mendonça K, Guerra R. Desenvolvimento e validação Figueiredo I. A profissionalização da fisioterapia em
de um instrumento de medida da satisfação do paciente Minas Gerais. Rev Bras Fisioter. 2006;10(2):241-7.
com a fisioterapia. Rev Bras Fisioter. 2007;11(5):369-76.
15 Sebrae-SP – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e
8 Moreira CF, Borba JAM, Mendonça KMPP. Instrumento Pequenas Empresas. Comece certo: clínica de
para aferir a satisfação do paciente com a assistência fisioterapia. São Paulo: Sebrae Biblioteca on line; 2006
fisioterapêutica na rede pública de saúde. Fisioter Pesq. [citado out. 2008]. Disponível em: http://
2007;14(3):37-43. www.biblioteca.sebrae.com.br.

2009;16(2):126-31
Fisioter Pesq. 2009;16(2) 131