You are on page 1of 40

| 

|
 




& '  ($

Psicopedagogia

Alunas:
'
 
|
  $)
*

São Paulo
2010

= !" # $" %


È STÓR 

 ermo auismo vem do grego ³˜ D ue significa ³de


si mesmoD
m 1906, Plouller inroduziu o ermo auisa na lieraura
psi uiárica
A palavra "auismo" foi criada por ugênio Bleuler,
em 1911, para descrever um sinoma da es uizofrenia,
ue definiu como sendo uma "fuga da realidade"

| !" + ±


anner e Asperger usaram a palavra para dar nome aos
sinomas ue observavam em seus pacienes ue
apresenavam caracerísicas fenoípicas semelhanes, e
nomeou esse grupo com crianças com auismo infanil
om isso o ermo auismo passou as ser uilizado para
designar uma enidade nosográfica (descrição
sisemáica das doenças) e não apenas um sinoma da
es uizofrenia

| !" + ü


=oi descrio pela primeira vez em 1943, pelo médico
ausríaco Leo anner, rabalhando no Johns Èopkins
Èospial, em seu arigo Auisic disurbance of affecive
conac, na revisa Nervous hild, vol 2, p 217-150 No
mesmo ano, o ambém ausríaco Èans Asperger
descreveu, em sua ese de douorado, a psicopaia auisa
da infância mbora ambos fossem ausríacos, devido à
Segunda Guerra Mundial não se conheciam

| !" + o


Por anos esabeleceu-se uma confusão enre os ermos
auismo/ransorno e auismo/sinomaologia da
es uizofrenia, possivelmene por fala de informações
dos profissionais
Muias foram as descrições apresenadas por anner
com crianças desde anes dos rês anos de idade, mas o
ue lhe chamou mais a aenção foi o desineresse pelo
convívio social

| !" + ‰


om a evolução das pes uisas cieníficas, concluiu-se
ue o auismo não é um disrbio do conao afeivo, mas
sim um disrbio do desenvolvimeno
m 1976, Lorna Wing relaou ue os indivíduos com
auismo apresenam déficis específicos em rês áreas:
imaginação, socialização e comunicação, o ue ficou
conhecido como ³Tríade de WingD

| !" +


U ADR LÍN  / T LG A
"    ,  -
, .  " /  #   
  0 &  )/  "  &  
  -
  &" # "& &&   
    # #  1  +

2TR A DA MNT
2TR A DA RÊN A NTRAL
2D S= NÇÕS  T AS
| !" +
   &    +
2Linguagem
2=unções execuivas
2Acompanhameno visual de objeos
2 neligência social
.# 3,    &"3, &  #
   #   # ,  #
/  -

| !" +


PR N PA S S NTMAS

"   4Y   


Y  X0 & 
  . #      5
   " +
6-        37
%-  # # 7
±- '  )  &7
ü- #   8  7
o- '  1 # ,7   7
‰- 3,  97

| !" +


- # #  .3,  97
:- ' #& )# &  .  &7
;- 1  #  <    7
6=- 1  #3,0 1 8 3  7
66- ,     # " 41  3>
 && # "X7
6%- '   # $  4. 9  
! 7  5  #<  #  !7 # 
#" #  # 0   5 #! 
        X7

| !" +


6±-  4 # #&      "  ""
 X0
6ü-    "0
6o- "   &  0
6‰-   .#   5  " 
#  "  #& 0
6-   & 5   .  3,  $,
# 0
6:-  " )   5 # ,   ) 
0  #   0

| !" +


BSRAÇÃ:
É relevane salienar ue nem odos os indivíduos com
auismo apresenam odos eses sinomas, porém a
maioria dos sinomas esá presene nos primeiros anos
de vida da criança ses variam de leve a grave e em
inensidade de sinoma para sinoma Adicionalmene,
as alerações dos sinomas ocorrem em diferenes
siuações e são inapropriadas para sua idade

| !" +


PR N PA S MPRTAMNTS

| !" +


PSU SAS RNTS

RNÈ MNT D =AS


M PSSAS M A T SM

| !" +


6 /  )  $
  "1 4?X   ""7
6 @   &  A"$ A-

| !" +


6 A"$ A &  "  "
& &"7
2  ##

  )

#&+BBB-A"$-CC 5#

| !" +


2 $3,  )  # ) 7
2  )     3,
#   $  3,  #-

#&+BBB-& --

| !" +


AANÇS N
NTND MNT DAS
BASS N RLÓG AS

| !" +


NS ST DS SBR ÈRD TAR DAD

Aumeno na oncordância
  axa de em gêmeos
)   auismo em monozigóicos
parenes (ambos com
próximos auismo) em 60%
dos casos
esudados
4|  D-0
6;;oX

| !" +


Sugesão de vidências voladas a
inmeros genes possíveis genes
ue esariam candidaos localizados
envolvidos nese nos cromossomos 2, 7
ransorno e 16
4  0%==6X

Acredia-se ue se raa de uma aleração


envolvendo mliplos genes (enre 5 e 10) para a
manifesação do uadro caracerísico observado
em pessoas com auismo
4 E-0%==6X

| !" +


ST DS M  TRS AMPS (4  

isudos de neuroimagem Aleração do lobo fronal


esruural e funcional medial, emporal medial,
gânglios da base e álamo
isudos neuroanamicos 4   06;:X0
iniciais realizados com redução no nmero de células
pessoas com auismo de Purkinje no cerebelo
posmorem feios na década 4@-06;:‰X0alerações
de 80 anamicas no sisema límbico,
região da oliva inferior do bulbo
4|  F'06;:oX-

| !" +


S STMA LÍMB 

| !" +


ST DS SBR ANATM A M S AANÇS DAS
TÉN AS DA N R MAGM
#!  G "< 5 
  <   &"3>   
 3> H  # .# 
 "  -

= #& &  +


-   &   <  0      
 & -7
-I##     7
| !" +
-  )    #  
     &3,  ! .     0
   #     &3>
   /    "  #  #     
! . & -
-' < )/  &<   0 #   "
#  )   ,  /  &&
      0  /   
"  7   3, .   ">0 
<   J &&0  , < #& 
8 3>  <- 4  I D  -0%===X
| !" +
A AMÍGDALA

| !" +


"   #  #  #  
# ,    !"  0 & 
 3> 5 8   # >
-

 / <     # G   


  K  L0      
& #      -

| !" +


  
    ˜
˜


˜ 
  ˜   ˜˜

˜  
  ˜˜ ˜˜˜  ˜

  


˜ 
  ˜  ˜

     



   ˜      ˜
 ˜

˜ 
 ˜     ˜˜   ˜ ˜
˜    
˜˜ 
  ˜


    ˜ 

˜ 

| !" +


R=RÊN AS

 D-10 C          "$3,   J-


 3,+   J "- '  " +  <0 6;;-  "
"1-

 D-10  "$3,   J-  3,+      


#   3,  3  ' "1- :M -- , '+   
&   , '0 %===-  " "1-

NSL, T R Y      


     Y       
 !"# $ %% 

ANNR L Y     


     & )- 6;ü±7%+%65


o=-

| !" +


Minshew NJ, Payon JB &       '(       

  '  ' - 6;::76:+o‰65‰6=-

Minshew NJ, Payon JB &       ''(  

   
      
  '  ' - 6;::76:+‰6±5;ü-

MLL, A M S R0 Y ( )   *0 ±M 3,0 , '+  7 | +


 0 %==ü0 ;±#-

AALANT, A  , RÈA, P S7 Y 0 %M 3,0 , ' N C  


0 %==%0 6o=#-

hp://wwwauismocombr/siehm-  3  H   =%   


 %=6=-
hp://wwwuniversoauisacombr/auismo/modules/aricles/ariclephp?id=12
 3  H   =±     %=6=-

| !" +


ANS

| !" +


ALG NS = LMS
1- 3, 7
2-  )7
3-  ) 7
4-  "  ) 7
Relação de filmes
5- )17 disponível em:
6- 9# <7 hp://wwwauismo-
brcombr/home/filmescgi
7- A7
8- #" 7
9- "  7
10- "1&5"7
11- ') 7
12- "F# I 7

13- <7
| !" +
=AMSS M SÍNDRM D ASPRGR
6 Thomas Jefferson 5   &  "" * 0   
"0   #&    # " 0  #  
   6:==  6:=:-

6 Alber insein 5   )  6:;  )    


# " - =  "    &&      & 4
    " X-

6 saac Newon 5 <    /     # " -
3  &    " &  %± 0  .   # 1
     & < & &$   0  $ 
)  3,   !# #   -

6 Michelangelo -   # 0  0 #     -

| !" +


6 Leonardo da inci - # 0 /0  0  0 0   0
") 0 #0 0 G  J   - O
      "1  )!   I-
6 Ludwig van Beehoven 5 #   ,0  #    3,
       O     #   J
-
6 Wolfgang Amadeus Mozar - #    .  J
   '  /-
6 Alfred Èichcock -   GC 5 0     
   #-
6 Sanley ubrick -     #   < PP0
#/& #    #<0   "$   . #3,
 -
6 Bobby =ischer -  . $  "  5 0  $
1  .5#,   . $-
| !" +
=AMSS M A T SM

6 Dra Temple Grandin 5   6;ü   "   

 - O 'I  1   #    &    -
6 Mahew Savage  "   4' && &#

  X  )  1   - I90  660  #>
J       9$$- Q )  &"  Q
6 Ryan Wilson <      4QI") ="QX  &

 &    &     &  Q) " A |)( Q-

6 Ludwing Wigensein 5  "  # & (      3  

 Q)")5="Q   -    -   


/     # 6= -

6 Bill Gaes 5 4  &  Q)("  # Q  #   

   X        &  RB-

| !" +


6 Donna Willians 5 O         " 
  .  0   J  0 $ &/   
 $- I9  < 0  )      0 # # 
#      <  & J0 #  $  -
6 Tio Rajarshi Mukhopadhyay 5      S  

"   /   1 -  <   "1 
" 4  #     #   &    <
 / #    &  # X 1  &  #+ |A )
+ A 0 ) B 0    )   +   )  (
)   -
incen an Gogh 5 4 # #   &  Q)("  # Q
     X   "  # 0   & !
" &  # -
=one: hp://omundodepeublogspocom/2008/09/auisas-famososhml
hp://www2uolcombr/vivermene/reporagens/arredios_e_geniais_imprimirhml

| !" +


DSNÈS AN MADS
Turma da Mnica e o Auismo
"A urma da Mnica em um amiguinho muio especial ± o André! om ele podemos aprender
um pouco mais sobre o auismo
˜˜
 ˜˜˜  !  ˜   ˜
"˜
Para conhecer a sua hisória basa clicar nas várias imagens"

| !" +


=ala Menino!
" =ala Menino! nos cona de diferenças físicas ou sociais, de superação de limies, de inclusão, de

RSPNSAB L DAD S AL com a nauralidade das lições ue apenas a infância sabe darD

˜˜
 ˜˜˜ 
  # ˜   

˜
$%

˜ 
˜˜ & ˜
˜ ˜ ˜"˜˜ 4 '(˜ )  ˜ 
  *+
˜
 ˜ 4˜ 

 ,& &-/#  0   "3,


- 0), )08&$0# <0#  -  
#  0/# # # #& 
Q..Q&$  / -0&&  ,, )5
# &<---=ala Menino! Produções wwwfalameninocombr

| !" +


ÍD: A T SM RRT D
F .# 1 # 3,-
=#   3' " 5)9<  .&  
   < -

nrevisa concedida ao anal =ox m 20 de Seembro de 2008

| !" +


R=LÃ
1- Pensando nas dificuldades de ineração social,
comunicação, linguagem e comporameno, como a
erapia psicopedagógica pode auxiliar esa criança?

2- Uual é a relação enre o reconhecimeno de faces e


as relações e comporamenos sociais enre as crianças
auisas?

3- Uual a relação enre Auismo e neligência?

| !" +