Navio Plataforma tipo FPSO

Universidade Estadual da Zona Oeste - UEZO Disciplina: Embarcações Especiais Alunos: Flávio Masson Flávio Henrique Carolina Santos Anderson Batista Rafael Garcia

1

Floating Production Storage Offloading
 

Conversão dos tipos de navio em petroleiro; Um FPSO consiste em uma unidade estacionária de produção que utiliza um navio ancorado, o qual suporta no seu convés uma planta de processo que faz o armazenamento do óleo produzido e permite o escoamento da produção para outro navio, chamado aliviador, que periodicamente é amarrado no FPSO para receber e transportar o óleo até os terminais petrolíferos.

2

Floating production submersibles (FPSS) – unidade flutuante de produção submersível. atualmente. os sistemas flutuantes de produção abrange uma grande quantidade de profundidade de água e ambientes. armazenamento e transferência. 3 - - . storage. Tension legs platforms (TLPs) – plataformas flutuantes com sistema de ancoragem.Floating Production Storage Offloading Atualmente. Existem quatro tipos principais de FPS foram desenvolvidos em diferentes partes do mundo: Floating production. No Brasil. um dos principais tipos de plataforma utilizado para a produção de óleo são as unidades do tipo FPSO. Spars. and offloading vessel (FPSO) – unidade flutuante de produção.

Desenvolvimento dos FPSO’s  A primeira unidade de produção flutuante a operar em águas brasileiras foi a unidade marítima P-34. projetados para instalação permanente. batizado de “Presidente Juscelino”.   4 . construído no estaleiro de Verolme na Holanda. foi convertido em unidade de processamento e produção entrando em operação em 1979 no campo de Garoupa na Bacia de Campos com uma lâmina d’água de 100 (cem) metros.. Avanço da tecnologia e necessidade de exploração. uma vantagem desta tecnologia. normalmente. No ano de 1976. sendo. a possibilidade de movimentação para outra locação ao término da exploração de uma reserva. Originalmente a unidade P-34 era um navio petroleiro. Os FPSO’s não são.

5 . um alguns casos. para processamento da mistura óleo e gás importada dos poços de produção ou. incluindo sistemas auxiliares. Esta planta de produção normalmente consiste em sistemas de processo. controle.Função A função mais importante de um FPSO é processar o óleo e gás através da planta de processo instalada em seu convés principal. segurança e equipamentos. recebida de outras unidades de produção.

  PD FPSO ( Desconectável).  6 . FPSO LPG (Gás liquefeito). FPSO baseado em Monocoluna.Modelos de FPSO  FPSO Box (Fixo).

FPSO Box Shaped 7 .

FPSO baseado em Monocoluna 8 .

DP) Os navios com Posicionamento Dinâmico (Dynamic Positioning . que ficam expostos sob o casco e podem girar 360o (durante a navegação estes propulsores azimutais são recolhidos ou rebatidos no casco).Posicionamento Dinâmico (Dynamic Positioning .DP) são dotados de propulsores complementares para auxiliar durante as manobras de aproximação e na manutenção de posição. que são propulsores inseridos em um túnel transversal (bombordo-boreste) no casco ou azimutais. 9 . Estes propulsores são geralmente do tipo tunnel thruster.

PD FPSO ( Desconectável) FPSO que navegam (uso de turret desconectável): 10 .

LPG FPSO A plataforma Sanha foi a primeira FPSO de Gás Liquefeito de Petróleo. 11 .

facilitando o arranjo dos equipamentos de produção e utilidades. Riscos de vazamento de óleo equiparados aos de outras unidades marítimas. Grande disponibilidade de volume de tanque para armazenamento da produção. Integração. dentro de um único sistema. dentre outras. tais como: semissubmersíveis. com inúmeros estaleiros habilitados em todo o mundo. Simplicidade de construção. principalmente no caso de conversão de navios existentes. armazenamento e posterior descarregamento do óleo para um navio aliviador. 12 . Custo de investimento reduzido e curto prazo entre o projeto e o início da produção. de todas as funções necessárias à produção e processos. Área livre com grandes dimensões. FSO.Vantagens        As maiores vantagens dos sistemas do tipo FPSO são: Grande versatilidade na escolha do tipo do navio a ser usado e facilidade de instalação e recolocação.

quando comparado com plataformas semissubmersíveis. Risco de vazamentos durante as operações de transferência para navios aliviadores.Desvantagens    As principais desvantagens dos sistemas tipo FPSO são: Grande amplitude de movimentos. Redução periódica da capacidade de armazenamento para a realização de inspeções na estrutura do casco. 13 . no caso de condições ambientais extremas.

afim de instalar a planta de produção. Instalações dos módulos de produção ( Separação / Tratamento / Compressão e Geração). 14 . Criação dos pontos fortes.Conversão “Depena do navio petroleiro”     Retirada das máquinas do sistema de propulsão. Sistemas de tubulação (Gás / Óleo / Água).

Esquematização da planta Utilidades Geração Compressão Processo Acomodação/Office EPC (Conversão + Integração) 15 .

Planta Navio FPSO 16 .

em situações transientes podem receber as ondas de direções desfavoráveis.Sistema de Ancoragem Quanto ao sistema de ancoragem destas plataformas. 17 . a correnteza e as ondas. o casco tem a liberdade de sofrer rotação em torno do eixo do turret possibilitando o alinhamento do casco com a força resultante entre o vento. há dois tipos mais comuns que são a amarração através de um ponto único a partir de um turret e a amarração em múltiplos pontos do casco (“spread mooring”). Por isso. Portanto. do ponto de vista operacional pode ocorrer interrupções na produção por conta de movimentos com amplitudes excessivas. Para as plataformas que operam com o sistema de amarração por turret. Entretanto. as ondas e a correnteza. Já as plataformas com amarração em vários pontos do casco possuem pouca liberdade de se alinhar com a força resultante entre o vento. estão sujeitas à direção de incidência de ondas não controlável.

devido a interligação com o FSO. 18  . existe maior impacto que o turret. No caso de não existência de oleoduto de exportação.Impacto no Layout Submarino  Turret: pequeno impacto pois as linhas podem vir de todas as direções (o impacto fica por conta das âncoras). O turret tem maior limitação para o recebimento de um grande número de risers.  Spread Mooring e DICAS: existe maior impacto no arranjo devido ao fato da maioria das linhas entrarem pelas laterais do navio. Semisub: semelhante ao turret (exceto limitação devido ao número de risers) .

O óleo é transferido do turret para o navio através de tubulações dotadas de destorcedores (swivels). viabilizando a chegada dos risers e linhas de ancoragem. consiste em um sistema de amarração cujas linhas de ancoragem e os risers estão conectados ao turret.Turret A amarração com turret (torreta). TURRET INTERNO TURRET EXTERNO 19 . e o navio gire ao seu redor. que é um sistema dotado de mancais que permitem que este fique solidário ao solo marinho. alinhando-se à resultante das condições ambientais.

RISERS Trecho de linha de fluxo responsável pela condução do fluido de produção desde o leito marinho até à plataforma de produção. 20 .

FPSO   Unidade Estacionária Ancorada Desafio: Reduzir os movimentos Soluções para Ancoragem: Ponto Único (Single Point Mooring) Distribuída (Spread Mooring) 21 .

Informações técnicas de uma plataforma de referência Comprimento Total 346.9 m Profundidade Máxima 28.5 m .0 m 22 Boca 26.5 m Calado de Operação 16.0 m Velocidade de Trânsito 10 nós Dimensões do Tanque de Estabilização Comprimento 35.2 m Comprimento entre Perpendiculares 333.9 m Boca 57.3 m Pontal 28.

A transferência por navio aliviador tem menor investimento inicial porém maior custo operacional. pois podemos aumentar a frequência de alívio ou o tamanho do aliviador e também entregar o óleo em qualquer terminal petrolífero no Brasil ou no exterior. a vazão máxima de escoamento também está determinada e o ponto de entrega do óleo em terra é fixo. a produção tem que ser continuamente escoada. etc).Escoamento da Produção A transferência do óleo produzido por uma FPSO depende do tipo de unidade. A flexibilidade operacional também é maior. A transferência por oleoduto tem o menor custo operacional porém maior investimento inicial e menor flexibilidade operacional. 23 . pois uma vez fixado seu diâmetro. Para as FPSO’s sem armazenamento do óleo produzido (SS. seja por um oleoduto seja para um Terminal Oceânico (TO). As FPSO’s com armazenamento. TLP. por sua vez. são seu próprio TO.

que somente podem ser abertas depois de devidamente conectadas a seus respectivos flanges fixos. de válvulas automáticas de engate rápido. mesmo porque. em operação que leva aproximadamente 31 horas. vazamentos por ocasião das conexões e desconexões. que periodicamente acorrem à unidade e que ficarão atracados pela proa da mesma. ao final do processo de alívio.000 toneladas de porte bruto. a 30 metros de distância. Os navios aliviadores serão conectados ao FPSO numa periodicidade de 15 dias. Este mangote é dotado.A operação denominada offloading. em média. é feita através de navios aliviadores de até 30. buscando a transferência do óleo armazenado. 24 . nas duasextremidades. A transferência do produto entre as duas embarcações será realizada através de mangote flutuante flexível de 12 polegadas de diâmetro com 360 metros de comprimento. em processo denominado intandem. não permitindo assim. todo o conteúdo do mangote (água de lavagem) permanece retido por essas válvulas. existentes nas duas embarcações.

Sistemas de alívio – Offloading systems 1) Side by Side Standard Tanker 2) Tandem Tug Spread or Turret Moored 3) CALM Standard Tanker Spread Moored Tug 25 .

Esquematização de Escoamento da Produção FPSO Navio Aliviador LDA de 1.240 a 1.350m Poços: . 15 produtores . 7 injetores Sistema de Escoamento e Tratamento Ancoragem Linhas de poços produtores Linhas de poços injetores Gasoduto flexível 26 .

manobra e governo do aliviador Thruster Azimutal de proa Leme de alta performance Thruster de túnel na proa 27 .Sistema de propulsão.

Referências O complemento foi por meio de arquivos pessoais. 28 .