1

FERNANDO FERREIRA FILHO PSICOTERAPEUTA

PSICOFÁRMACOS
Estudo para curso de mestrado ² Strictu Sensu

São Paulo 2005

2

PISCOFÁRMACOS
SUMÁRIO Ansiolíticos...................................................................03 Antidepressivos............................................................12 Antipsicóticos...............................................................27 Antimaníacos................................................................29 Antidemenciais.............................................................33 Hipnóticos.....................................................................3 5 Outros............................................................................ 39
y y y y y y y y y y y

Akineton Antietanol Atensina Campral Concerta Fenergan Propranolol Revia Ritalina Sarcoton Zyban

Fontes consultadas:
PSICOFARMACOLOGIA , LAUREN B. MARANGELL, JAMES M. MARTINEZ, JONATHAN M. SILVER, ET AL. - Editora Artmed
PSICOFARMACOLOGIA CLÍNICA BÁSICA, J. Caruso Madalena ± Fundo Editorial Byk Procienx (1975)

Manual de Psicofarmacologia Clínica , Irismar Reis De Oliveira - Medsi
FARMACOLOGIA DEPRESSÃO E TRANSTORNOS BIPOLARES, Stahl, Stephen M. ± Medsi

Psicofarmacologia e Equipe Multidisciplinar , José Carlos Souza, Duílio A. de Camargo Manual de Psicofarmacologia Clinica 6ed., Alan F. Schatzberg ± Artemed

3

ANSIOLÍTICOS
BROMAZEPAN
O bromazepam é um tranqüilizante do grupo dos benzodiazepínicos. SEU USO Pode ser usado para tratar os distúrbios de ansiedade de forma geral, porém como alguns deles como a fobia social e o Pânico, por exemplo, encontram melhor resposta a outros tranqüilizantes. Por isso sua indicação tem se dirigido mais para o controle dos estados de tensão decorrentes de problemas da vida pessoal do paciente, bem como sintomas psicossomáticos dos aparelhos cardiovasculares, respiratórios, geniturinário, gastrointestinal ou sintomas psicogênicos em geral que se manifestam através de alterações da menstruação ou dores de cabeça. APLICAÇÃO A dose média empregada é de 3 comp. de 3 mg ao dia. Porém de acordo com Acada caso e não tendo o paciente um passado de dependência química a dose pode chegar a 36 mg por dia sob supervisão médica. Não deve ser administrado indefinidamente, mas antes de iniciar o tratamento o médico deve combinar com o paciente como será o tratamento, ou seja, na medida em que os sintomas forem controlados deve-se estabilizar a dose da medicação por um período de 3 meses aproximadamente. EFEITOS MAIS COMUNS Como todo tranqüilizante benzodiazepínico proporciona a agradável sensação de bem estar, juntamente com aumento da sonolência e relaxamento muscular. A dependência química que pode induzir não costuma causar problemas, ou seja, com uma lenta e contínua diminuição da dose o organismo geralmente não se ressente pela saída da medicação, o que caracteriza a dependência química. Quanto mais tempo e mais alta a dose, maiores as chances de se fazer uma dependência química, mas que conforme dita acima não costuma ser problemática. Contudo pacientes com passado de dependência química podem desen volver psicológica também, o que complica a retirada da medicação. Por isso o acompanhamento do seu uso deve ser preferencialmente feito por psiquiatras, que conhecem os tipos de personalidade mais propensos ao desenvolvimento de dependência química. ATENÇÃO Esta medicação não deve ser usado em pacientes com alergia aos benzodiazepínicos, que sofram de miastenia grave ou que estejam por indução de outras medicações, com redução da atividade do sistema nervoso central. Como ela é eliminada pelo fígado, deve-se reduzir sua dose pela metade nos pacientes que sofrem de insuficiência hepática. Devido a falta de informações é recomendável evitar o uso por gestantes durante o primeiro trimestre. Tanto o início como a retirada da medicação deve ser gradual, com intervalo de alguns dias para a redução da dose.

BUSPIRONA
A buspirona é o único ansiolítico não benzodiazepínico, ou seja, é a única medicação específica para a ansiedade cujo grau de dependência é praticamente zero. Assim sendo está indicado para o tratamento de distúrbios de ansiedade. Está especialmente indicado para as pessoas que já sofreram anteriormente com dependência à calmante do grupo dos benzodiazepínicos SEU USO A apresentação é em forma de comprimidos; isto significa que pode ser dividido, permitindo um controle mais preciso da dose. A dose média usada varia entre 15 e 30mg/dia. O fabricante indica como dose máxima 60mg por dia. Acima disso use apenas por estrita orientação do médico.

4
EFEITOS MAIS COMUNS A buspirona é um tranqüilizante que não dá sono, nem atua como relaxante muscular, não podendo ser usado como anticonvulsivante, como os demais tranqüilizantes benzodiazepínicos. Os efeitos colaterais também são diferentes dos outros tranqüilizantes. Os mais comuns são tonteiras, enjôo, inquietação, dor de cabeça, sensação de leveza na cabeça. Estes efeitos acometem aproximadamente 10% dos pacientes. Outros efeitos menos comuns que acometem menos de 1% dos pacientes são dor no peito, aceleração do coração, insônia, pesadelos, confusão mental, visão borrada, fraqueza muscular, zumbidos, vômitos e diarréia. Febre e diminuição das células de defesa podem acontecer; para esta situação devem ser tomadas precauções especiais, como dosar o nível dessas células no sangue. ATENÇÃO O mecanismo de ação dessa medicação é desconhecido. Como a eliminação feita pelo fígado é rápida, em aproximadamente 2 a 3 horas metade da dose é eliminada da circulação. É recomendável administrar a medicação ao longo do dia, por isto também, paciente com insuficiência hepática deve tomar uma dose 25 a 50% abaixo da recomendada para o respectivo peso. O pleno efeito dessa medicação costuma ser alcançado depois de 2 ou 3 semanas de uso contínuo. Esta medicação também provoca elevações dos seguintes exames de laboratório: prolactina, hormônio do crescimento, alanina aminotransferase e aspartato aminotransferase. Não há estudos em mulheres sobre os riscos do uso durante a gestação. O estudo com animais não encontrou nenhum malefício.

CLOZAL
O princípio ativo do clozal é o cloxazolam,O princípio ativo do clozal é o cloxazolam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. A principal finalidade dessa medicação é controlar a tensão nervosa e os sintomas dos transtornos de ansiedade. SEU USO O princípio ativo do clozal é o cloxazolam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. A principal finalidade dessa medicação é controlar a tensão nervosa e os sintomas dos transtornos de ansiedade. Como é usado cloxazolam, O princípio ativo do clozal é o cloxazolam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. A principal finalidade dessa medicação é controlar a tensão nervosa e os sintomas dos transtornos de ansiedade. SEU USO A apresentação em comprimidos permite um fracionamento da medicação e um ajuste mais preciso da dose. Não há uma dose padronizada: a faixa de uso está em torno de 1 a 6mg por dia, podendo ser mais de acordo com a indicação médica. Tanto o começo como o fim do uso deve ser gradual, ou seja, a dose deve ser aumentada com alguns dias de intervalo entre um aumento e outro: o mesmo é realizado na retirada da medicação. EFEITOS MAIS COMUNS A sensação de tranqüilidade proporcionada é rápida, podendo ser sentida a partir das primeiras doses: da mesma forma a sensação de sonolência. Os benzodiazepínicos de uma maneira geral bloqueiam tanto a ansiedade normal como a patológica. Aqueles que sofrem algum distúrbio de ansiedade não podem ficar sem uma medicação para controlar os sintomas; já os que sofrem de um estado de ansiedade devido a uma circunstância passageira podem ficar posteriormente tentados a tomar um tranqüilizante sempre que se sentirem incomodados pela ansiedade. Nesse momento deve-se ter muita cautela para não iniciar uma dependência psicológica ao calmante. Os efeitos colaterais mais comuns são: tonteiras, falhas na memória, sonolência excessiva, diminuição do desejo sexual, cansaço, vertigens. ATENÇÃO A combinação com o álcool não está proibida, mas o usuário deve saber que a se dação e a descoordenação motora ficarão muito aumentadas se junto ao remédio tomarem bebidas

5
alcoólicas. Quanto à gravidez não há comprovação de efeitos maléficos em seres humanos, contudo é recomendável evitá-la durante o primeiro trimestre da gestação.

DIAZEPAN
O princípio ativo do diazepan é o diazepam, um tranqüilizante do grupo dos benzodiazepínicos. SEU USO A principal finalidade de uso dessa medicação é o tratamento dos transtornos de ansiedade, sendo, portanto necessários um diagnóstico e uma indicação feita pelo médico. Pode ser usado, desde que de forma limitada, para controlar a tensão nervosa devida a algum acontecimento estressante, mesmo que não exista um distúrbio de ansiedade pr opriamente dito. APLICAÇÃO A dose da medicação deve ser administrada de acordo com cada paciente, ou seja, a medicação deve promover o máximo de conforto (tranqüilização) com o mínimo de efeitos colaterais, para isso a dose deve começar baixa e ser aumentado aos poucos, ou o comprimido dividido, ajustando-se a dose às necessidades do paciente. A hora da administração da medicação também deve ser avaliada conforme cada cas Os pacientes que o. não estejam dormindo bem podem concentrar os comprimidos a noite, como a eliminação dessa medicação é lenta, durante o dia seguinte ela continuará fazendo efeito. Já as pessoas que se sentem muito tensas durante o dia e não ficam sonolentas, a medicação pode ser administrada ao longo do dia. EFEITOS MAIS COMUNS O principal efeito dos benzodiazepínicos em geral é o relaxamento. Como a ansiedade mesmo quando normal é um efeito desagradável, muitas pessoas sentem vontade de tomar este remédio sempre que se sentem tensas. Isto não é bom, é o primeiro passo para a dependência química, por isso estas medicações devem ser vendidas sob controle médico. A indicação de um tranqüilizante só é feita quando as atividades habituais foram prejudicas, porque certo grau de tensão muitas vezes é benéfico e até necessário na vida. Cabe ao psiquiatra - e apenas ele - determinar se há ou não benefício em controlar a ansiedade com as medicações. Já para os distúrbios de ansiedade a indicação de um tranqüilizante é sempre conveniente. O segundo efeito é o relaxamento da musculatura voluntária, servindo inclusive como anticonvulsivante, é a medicação de primeira escolha para interromper uma convulsão. Outras indicações comuns são para as complicações relacionadas ao alcoolismo como o controle da abstinência alcoólica e do delirium tremens. Os principais efeitos colaterais são: sonolência, tonteiras, prejuízo na memória, fadiga, leve queda da pressão arterial; estes efeitos acometem menos de 10% dos pacientes. Out os r efeitos menos comuns que incidem sobre em menos de 1% das pessoas são: descordenação motora, excitação (efeito paradoxal), insônia, síncope (desmaiar), náuseas, zumbidos, tremores. A questão da dependência aos tranquilizantes deve ser vista com muita moderação. A palavra dependência é muito forte, como geralmente é usada para designar estados muito fortes como os causados por álcool, morfina ou heroína, o público leigo tende a julgar que a dependência causada pelos tranquilizantes é igualmente forte, o que é um engano. A ampla manifestação social desse engano dá a impressão de que é verdade, mas a dependência induzida pelos tranquilizantes é leve e reversível, sendo que o benefício proporcionado por eles supera em muito os efeitos colaterais. O equívoco existente quanto ao poder de dependência dos tranquilizantes é reforçado pelo fato dos transtornos de ansiedade serem crônicos, sempre que se suspende o tratamento os sintomas voltam, o que leva as pessoas a julgarem erradamente que estão dependentes da medicação quando na verdade não se restabeleceram do transtorno. A pior consequência desse engano é ver muitos e muitos pacientes sofrendo desnecessariamente por medo de ficarem dependentes das medicações, tendo sua qualidade de vida prejudicada com base em crenças infundadas e equivocadas. ATENÇÃO A ação dessa medicação assim como dos demais do grupo é aumentar a ação do ácido gama animobutírico no cérebro, através deste mecanismo é que esses tranquilizantes exercem seu efeito terapêutico. Esta medicação é segura, mesmo no caso de intoxicação não costuma

6
haver risco de vida, a menos que outras substâncias que deprimam o cérebro estejam presentes como álcool ou barbitúricos. O uso do álcool concomitante não está proibido, mas o usuário deve ter cautela pois a sedação será maior, prejudicando os reflexos principalmente ao dirigir ou manipular máquinas que apresentem risco em potencial. As únicas contra-indicações são para as pessoas que têm alergia ao seu princípio ativo, sofram de Miastenia grave, ou apresentem algum risco de depressão da atividade do sistema nervoso central como nos traumatismos cranianos. Há evidências de risco em feto humano, embora alguns dos malefícios que antes se pensava existirem, hoje se sabe que não existem, como o lábio leporino, mesmo assim seu uso no primeiro trimestre só deve ser feito se o benefício justificar o risco (que é pequeno, aproximadamente 3%). A medicação quando tomada pela mãe que amamenta, é transmitido para o leite e o lactente acaba tomando-a também.

FRISIUM
O princípio ativo do frisium é o clobazam, um tranqüilizante benzodiazepínico. Além do efeito calmante e sedativo o frisium possui boa eficácia como adjuvante no tratamento da epilepsia SEU USO Como ansiolítico pode ser usado com a dose de até 60mg por dia: acima disso apenas sob supervisão médica constante. Como adjuvante no tratamento da epilepsia a dose empregada costuma ser de 0,5mg/ Kg de peso do paciente adulto e 1mg por quilograma de peso no caso das crianças. EFEITOS MAIS COMUNS Conferem uma sensação de tranqüilidade como as demais medicações desse grupo. Não tem sido escolhido para tratar os transtornos de ansiedade embora não seja errado fazê-lo. Como muitos pacientes epiléticos sentem-se ansiosos quanto à possibilidade de sofrerem uma crise a qualquer momento, esses estados de alerta deixa-os assustados e tensos excessivamente. Nesses casos está indicado o uso do frisium. Além da sedação e do efeito calmante pode induzir aos sintomas típicos dos benzodiazepínicos como tonteiras, vertigens, esquecimentos, descoordenação motora e, em alguns casos especiais, reações dermatológicas. Nesse caso é conveniente trocar o remédio. ATENÇÃO Quando o uso não for estritamente necessário é recomendável suspender durante o primeiro trimestre da gestação.

FRONTAL
O frontal é o alprazolam, um tranqüilizante do grupo dos benzodiazepínicos. Caracteriza-se por ser um tranqüilizante de alta potência sendo bastante eficaz no controle dos sintomas dos transtornos de ansiedade e no controle dos estados tensionais não patológicos (devido a situações normais da vida). Possui também um ótimo efeito sedativo, auxiliando os pacientes com insônia. SEU USO Seu efeito dura aproximadamente 12 horas, por isso pode ser usado na hora que for mais necessário. Caso a dificuldade principal seja para dormir, usa-se à noite: caso os sintomas sejam mais proeminentes de dia pode ser dado pela manhã. Caso tanto o dia quanto a noite estejam comprometidos, a administração pode ser feita duas vezes ao dia. A dose da medicação deve seguir o resultado obtido: considerando sempre os benefícios e prejuízos conferidos pela medicação, ou seja, o máximo de tranqüilização com o mínimo de sedação diurna. EFEITOS MAIS COMUNS A tranqüilidade induzida e o controle dos sinais e sintomas da medicação são marcantes. Da mesma forma ao se retirar a medicação pode ocorrer irritabilidade, insônia, tonteiras, enjôo, dores de cabeça, cansaço, dores musculares. Por isso a retirada deve ser lenta, respeitando um intervalo de alguns dias para a diminuição da dose. Os efeitos colaterais são os mesmos dos demais tranqüilizantes: esquecimento, tonteiras e vertigem além de reações alérgicas na pele numa minoria das pessoas.

7
Considerações importantes Devido a sua grande eficácia e suas características farmacológicas esta medicação possui um risco considerável de indução à dependência física, o que não deve assustar o consumidor. Sob orientação médica a dependência induzida é absolutamente reversível. Esta dependência só se torna mais difícil de ser controlada nos pacientes com passado de dependência química e com certos transtornos de personalidade.

LEXOTAN
SOBRE ELE Os tranquilizantes benzodiazeínicos (praticamente todos os tranqüilizantes usado na prática médica) são medicações bastante seguras que só não tiveram sua utilização mais disseminada devido ao potencial de dependência que pode conferir, e que na prática é bem menos perigoso do que geralmente se supõe. Mas sendo os tranqüilizantes aproximadamente equivalentes porque alguns são mais utilizados que outros? Basicamente devido ao marketing feito sobre eles. Como o princípio ativo do lexotan (o bromazepan) é relativamente suave e como quem mais prescreve tranquilizantes são os clínicos, cardiologistas e ginecologistas, à frente dos psiquiatras, a propaganda realizada com esta medicação proporcionou grande sucesso entre esses profissionais, primeiro pela eficácia conferida, depois pelo baixo potencial de dependência proporcionado. SEU USO Pode ser usado para tratar os distúrbios de ansiedade de uma forma geral, porém como alguns deles como a fobia social e o Pânico, por exemplo, encontram melhor resposta a outros tranqüilizantes. Por isso sua indicação tem se dirigido mais para o controle dos estados de tensão decorrentes de problemas da vida pessoal do paciente, bem como sintomas psicossomáticos dos aparelhos cardiovascular, respiratórios, geniturinário, gastrointestinal ou sintomas psicogênicos em geral que se manifestam através de alterações da menstruação ou dores de cabeça. APLICAÇÃO A dose média empregada é de 3 comp. de 3 mg ao dia. Porém de acordo com acada caso e não tendo o paciente um passado de dependência química a dose pode chegar a 36 mg por dia sob supervisão médica. Não deve ser administrado indefinidamente, mas antes de iniciar o tratamento o médico deve combinar com o paciente como será o tratamento, ou seja, na medida em que os sintomas forem controlados deve-se estabilizar a dose da medicação por um período de 3 meses aproximadamente. EFEITOS MAIS COMUNS Como todo tranquilizante benzodiazepínico proporciona a agradável sensação de bem estar, juntamente com aumento da sonolência e relaxamento muscular. A dependência química que pode induzir não costuma causar problemas, ou seja, com uma lenta e contínua diminuição da dose o organismo geralmente não se ressente pela saída da medicação, o que caracteriza a dependência química. Quanto mais tempo e mais alta a dose, maiores as chances de se fazer uma dependência química, mas que conforme dita acima não costuma ser problemática. Contudo pacientes com passado de dependência química podem desenvolver psicológica também, o que complica a retirada da medicação. Por isso o acompanhamento do seu uso deve ser preferencialmente feito por psiquiatras, que conhecem os tipos de personalidade mais propensos ao desenvolvimento de dependência química. ATENÇÃO Esta medicação não deve ser usado em pacientes com alergia aos benzodiazepínicos, que sofram de miastenia grave ou que estejam por indução de outras medicações, com redução da atividade do sistema nervoso central. Como ela é eliminada pelo fígado, deve-se reduzir sua dose pela metade nos pacientes que sofrem de insuficiência hepática. Devido à falta de informações é recomendável evitar o uso por gestantes durante o primeiro trimestre. Tanto o início como a retirada da medicação deve ser gradual, com intervalo de alguns dias para a redução da dose.

LORAX

8
O lorax é lorazepam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos que possui um forte efeito calmante sendo, portanto eficaz para o tratamento dos distúrbios de ansiedade, para estados tensão ou outras situações que exijam redução do nervosismo para se obter um bom desempenho pessoal. Possui também efeito anticonvulsivante podendo ser usado para interromper uma crise convulsiva, principalmente em substituição de outros anticonvulsivantes que conhecidamente provocam alterações fetais, nas gestantes do primeiro trimestre. Como tem efeito sedativo pode auxiliar a regularizar o sono das pessoas com dificuldade para dormir. Apresenta também um efeito sobre a sensação de enjôo, servindo, portanto como anti-emético (contra o vômito). Muitos pacientes encontram vantagens no efeito de supressão da memória quando aplicado antes de cirurgias. SEU USO A apresentação em comprimidos permite uma dosagem mais apurada, permitindo com que se parta o comprimido quando necessário. A dose deve ser estabelecida pelo psiquiatra, assim como o tempo de tratamento. Para as pessoas que são mais acometidas pela sonolência em prejuízo do rendimento, a dose pode ser fracionada ao longo do dia ou concentrada a noite quando necessário. EFEITOS MAIS COMUNS Sonolência excessiva, prejuízo da memória, sensação de cansaço, dores de cabeça, visão dupla. Paradoxalmente pode induzir a inquietação, agitação e insônia numa freqüência bem pequena de pessoas, isto é mais comum nas crianças, idosos e pessoas com alterações organo-mentais como nos traumatismos cranianos. Tonteiras, zumbidos e descoordenação motora (como se estivesse embriagado) pode ocorrer se a dose for elevada rapidamente. ATENÇÃO Não pode ser guardado em lugares quentes nem ex posto prolongadamente a luz, esses efeitos físicos inativam a medicação. Mesmo não havendo relatos de efeitos diretos sobre o feto no primeiro trimestre de gestação, esta medicação só deve ser usada nessa fase quando os prejuízos provocados pela interrupção forem maiores que os riscos. Como todo benzodiazepínico, este remédio é secretado para o leite materno, devido a alta potência da medicação é conveniente não amamentar durante o aleitamento, salvo nos casos de recomendação médica.

OLCADIL
O princípio ativo do olcadil é o cloxazolam,O princípio ativo do clozal é o cloxazolam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. A principal finalidade dessa medicação é controlar a tensão nervosa e os sintomas dos transtornos de ansiedade. SEU USO O princípio ativo do clozal é o cloxazolam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. A principal finalidade dessa medicação é controlar a tensão nervosa e os sintomas dos transtornos de ansiedade. Como é usado cloxazolam, O princípio ativo do clozal é o cloxazolam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. A principal finalidade dessa medicação é controlar a tensão nervosa e os sintomas dos transtornos de ansiedade. Como é usado ansiedade. APLICAÇÃO A apresentação em comprimidos permite um fracionamento da medicação e um ajuste mais preciso da dose. Não há uma dose padronizada: a faixa de uso está em torno de 1 a 6mg por dia, podendo ser mais de acordo com a indicação médica. Tanto o começo como o fim do uso deve ser gradual, ou seja, a dose deve ser aumentada com alguns dias de intervalo entre um aumento e outro: o mesmo é realizado na retirada da medicação. EFEITOS MAIS COMUNS A sensação de tranqüilidade proporcionada é rápida, podendo ser sentida a partir das primeiras doses: da mesma forma a sensação de sonolência. Os benzodiazepínicos de uma maneira geral bloqueiam tanto a ansiedade normal como a patológica. Aqueles que sofrem algum distúrbio de ansiedade não podem ficar sem uma medicação para con trolar os sintomas; já os que sofrem de um estado de ansiedade devido a uma circunstância passageira podem ficar

9
posteriormente tentados a tomar um tranqüilizante sempre que se sentirem incomodados pela ansiedade. Nesse momento deve-se ter muita cautela para não iniciar uma dependência psicológica ao calmante. Os efeitos colaterais mais comuns são: tonteiras, falhas na memória, sonolência excessiva, diminuição do desejo sexual, cansaço, vertigens. ATENÇÃO A combinação com o álcool não está proibida, mas o usuário deve saber que a sedação e a descoordenação motora ficarão muito aumentadas se junto ao remédio tomarem bebidas alcoólicas. Quanto à gravidez não há comprovação de efeitos maléficos em seres humanos, contudo é recomendável evitá-la durante o primeiro trimestre da gestação.

RIVOTRIL
O rivotril é o clonazepam, um tranqüilizante do grupo dos benzodiazepínicos. Sua alta potência, longo tempo de circulação como forma ativa e peculiaridades farmacodinâmicas o tornam um dos melhores tranqüilizantes disponíveis no mercado. Além disso, é uma medicação antiga o que permite seu conhecimento profundo uma vez que é usada por milhares de pessoas em todo o mundo, há muitos anos, sem nunca ter acontecido nenhum relato de e feitos perigosos. Como é antigo também mais barato e fácil de ser encontrado, o que de forma alguma deve ser interpretado como sendo uma medicação de segunda categoria. A segurança dessa medicação é atestada pelo uso que é feito em crianças há muitos anos, sem nenhum problema decorrente do longo tempo de uso. A indústria que fabrica essa medicação elegeu este produto como antiepilético. De fato é assim, como todos os tranqüilizantes benzodiazepínicos, mas o efeito antiepilético não é sua principal função. Seu efeito tranqüilizante, sim, deve ser considerado sua principal qualidade. SEU USO O Rivotril é eficaz para o controle da Fobia Social, do Distúrbio do Pânico, das formas de ansiedade generalizadas e para ajudar a controlar os sintomas de ansiedade normais decorrentes de situações extremas da vida de qualquer um. Sua alta potência garante quase sempre um bom resultado e sua prolongada eliminação do organismo diminuem bastante o risco de dependência química. A dose comumente empregada varia entre 0,5 e 6mg por dia, podendo chegar a 20mg por dia em certos casos. Recentemente foi lançado a apresentação de 0,25mg de uso sublingual que está indicado para o uso imediato e episódico. Certos pacientes preferem usar a medicação só quando precisam e não o tempo todo como se costuma fazer, para esses casos existe a alternativa a apresentação sublingual. EFEITOS MAIS COMUNS O bloqueio da ansiedade costuma ser sentido logo nos primeiros dias, com isso os pacientes costumam adquirir confiança na medicação. Por outro lado a sedação é também forte, sendo recomendado para quem está com problemas para dormir. Ao longo do uso o efeito sedativo costuma diminuir permitindo que as pessoas que foram prejudicadas pela sonolência causada pela medicação restabeleçam seu rendimento normal. A sedação é muito variável: algumas pessoas com 1mg ficam completamente sedadas enquanto outras com 6mg não sentem sono algum. Isto depende apenas das características pessoais de cada um e é impossível saber como a pessoa reagirá caso esteja tomando pela primeira vez. Doses mais altas podem diminuir o desejo sexual: este efeito colateral desaparece quando a medicação é suspensa. Outros efeitos comuns aos benzodiazepínicos como tonteiras, esquecimentos, fadiga, também podem acontecer. ATENÇÃO Não há relatos de má formação induzida durante a gestação provocada pelo rivotril. Sempre que possível, no entanto é recomendável evitar seu uso no primeiro trimestre. Quanto a esse assunto essa medicação é mais segura que outros tranqüilizantes benzodiazepínicos.

PSICOSEDIN (BOM NO TRATAMENTO DE ALCOÓLICOS)

10
O princípio ativo do psicosedin é o clordiazepóxido, um tranqüilizante do grupo dos benzodiazepínicos. Este foi o primeiro benzodiazepínico a ser sintetizado no ano de 1959, abrindo as portas para os demais hoje existentes. SEU USO o clordiazepóxido é absorvido melhor via oral do que através de injeção intramuscular, assim como o diazepam. Por isso quando se deseja rapidez de ação desta medicação ela deve ser administrada pela boca. A dose recomendada varia de 10 a 150mg por dia dependendo da reação de cada pessoa e a eficácia obtida. O clordiazepóxido é a medicação de primeira linha para a interrupção do abuso de álcool. Como não se pode simplesmente interromper o uso contínuo de álcool o clordiazepóxido é uma ótima escolha para a substituição do álcool. A interrupção do álcool sem nenhum suporte farmacológico pode trazer mais problemas do que a continuidade do abuso de álcool. Para quem está em processo de interrupção do alcoolismo recomenda-se 25mg inicialmente e a cada duas horas enquanto o paciente estiver acordado, interrompendo sua administração quanto ele dorme. A medicação deve ser mantida pelo tempo que for necessário até que se constate o término do período de abstinência alcoólica. EFEITOS COLATERAIS Esta medicação possui poucos efeitos colaterais e esses poucos costumam ser bem tolerados e inofensivos. Os mais comuns são sonolência, fraqueza, tonteiras, falta de coordenação motora, cansaço.

SOMALIUM
O princípio ativo somalium é o bromazepam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. SEU USO Pode ser usado para tratar os distúrbios de ansiedade de uma forma geral, porém como alguns deles como a Fobia Social e o Pânico, por exemplo, encontram melhor resposta a outros tranqüilizantes. Por isso sua indicação tem se dirigido mais para o controle dos estados de tensão decorrentes de problemas da vida pessoal do paciente, bem como sintomas psicossomáticos dos aparelhos cardiovasculares, respiratórios, geniturinário, gastrointestinal ou sintomas psicogênicos em geral que se manifestam através de alterações da menstruação ou dores de cabeça. APLICAÇÃO A dose média empregada é de 3 comp. de 3 mg ao dia. Porém de acordo com acada caso e não tendo o paciente um passado de dependência q uímica a dose pode chegar a 36 mg por dia sob supervisão médica. Não deve ser administrado indefinidamente, mas antes de iniciar o tratamento o médico deve combinar com o paciente como será o tratamento, ou seja, na medida em que os sintomas forem controlados deve-se estabilizar a dose da medicação por um período de 3 meses aproximadamente. EFEITOS MAIS COMUNS Como todo tranquilizante benzodiazepínico proporciona a agradável sensação de bem estar, juntamente com aumento da sonolência e relaxamento muscular. A dependência química que pode induzir não costuma causar problemas, ou seja, com uma lenta e contínua diminuição da dose o organismo geralmente não se ressente pela saída da medicação, o que caracteriza a dependência química. Quanto mais tempo e mais alta a dose, maiores as chances de se fazer uma dependência química, mas que conforme dita acima não costuma ser problemática. Contudo pacientes com passado de dependência química podem desenvolver psicológica também, o que complica a retirada da medicação. Por isso o acompanhamento do seu uso deve ser preferencialmente feito por psiquiatras, que conhecem os tipos de personalidade mais propensos ao desenvolvimento de dependência química. ATENÇÃO Esta medicação não deve ser usado em pacientes com alergia aos benzodiazepínicos, que sofram de miastenia grave ou que estejam por indução de outras medicações, com redução da atividade do sistema nervoso central. Como ela é eliminada pelo fígado, deve-se reduzir sua dose pela metade nos pacientes que sofrem de insuficiência hepática. Devido a falta de informações é recomendável evitar o uso por gestantes durante o primeiro trimestre. Tanto o

11
início como a retirada da medicação deve ser gradual, com intervalo de alguns dias para a redução da dose.

URBANIL
O princípio ativo do urbanil é o clobazam, um tranqüilizante benzodiazepínico. Além do efeito calmante e sedativo o frisium possui boa eficácia como adjuvante no tratamento da epilepsia SEU USO Como ansiolítico pode ser usado com a dose de até 60mg por dia: acima disso apenas sob supervisão médica constante. Como adjuvante no tratamento da epilepsia a dose empregada costuma ser de 0,5mg/ Kg de peso do paciente adulto e 1mg por quilograma de peso no caso das crianças. EFEITOS MAIS COMUNS Confere uma sensação de tranqüilidade como as demais medicações desse grupo. Não tem sido escolhido para tratar os transtornos de ansiedade embora não seja errado fazê-lo. Como muitos pacientes epiléticos sentem-se ansiosos quanto à possibilidade de sofrerem uma crise a qualquer momento, esses estados de alerta deixa-os assustados e tensos excessivamente. Nesses casos está indicado o uso do frisium. Além da sedação e do efeito calmante pode induzir aos sintomas típicos dos benzodiazepínicos como tonteiras, vertigens, esquecimentos, descoordenação motora e, em alguns casos especiais, reações dermatológicas. Nesse caso é conveniente trocar o remédio. ATENÇÃO Quando o uso não for estritamente necessário é recomendável suspender durante o primeiro trimestre da gestação.

VALIUM
O princípio ativo do valium é o diazepam, um tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. SEU USO A principal finalidade de uso dessa medicação é o tratamento dos transtornos de ansiedade, sendo, portanto necessários um diagnóstico e uma indicação feita pelo médico. Pode ser usado, desde que de forma limitada, para controlar a tensão nervosa devida a algum acontecimento estressante, mesmo que não exista um distúrbio de ansiedade propriamente dito. APLICAÇÃO A dose da medicação deve ser administrada de acordo com cada paciente, ou seja, a medicação deve promover o máximo de conforto (tranquilização) com o mínimo de efeitos colaterais, para isso a dose deve começar baixa e ser aumentado aos poucos, ou o comprimido dividido, ajustando-se a dose às necessidades do paciente. À hora da administração da medicação também deve ser avaliada conforme cada caso. Os pacientes que não estejam dormindo bem podem concentrar os comprimidos a noite, como a eliminação dessa medicação é lenta, durante o dia seguinte ela continuará fazendo efeito. Já as pessoas que se sentem muito tensas durante o dia e não ficam sonolentas, a medicação pode ser administrada ao longo do dia. EFEITOS MAIS COMUNS O principal efeito dos benzodiazepínicos em geral é o relaxamento. Como a ansiedade mesmo quando normal é um efeito desagradável, muitas pessoas sentem vontade de tomar este remédio sempre que se sentem tensas. Isto não é bom, é o primeiro passo para a dependência química, por isso estas medicações devem ser vendidas sob controle médico. A indicação de um tranquilizante só é feita quando as atividades habituais foram prejudicas, porque certo grau de tensão muitas vezes é benéfico e até necessário na vida. Cabe ao psiquiatra - e apenas ele - determinar se há ou não benecífio em controlar a ansiedade com as medicações. Já para os distúrbios de ansiedade a indicação de um tranquilizante é sempre conveniente. O segundo efeito é o relaxamento da musculatura voluntária, servindo inclusive como anticonvulsivante, é a medicação de primeira escolha para interromper uma convulsão. Outras indicações comuns

12
são para as complicações relacionadas ao alcoolismo como o controle da abstinência alcoólica e do delirium tremens. Os principais efeitos colaterais são: sonolência, tonteiras, prejuízo na memória, fadiga, leve queda da pressão arterial; estes efeitos acometem menos de 10% dos pacientes. Outros efeitos menos comuns que incidem sobre em menos de 1% das pessoas são: descoordenação motora, excitação (efeito paradoxal), insônia, síncope (desmaiar), náuseas, zumbidos, tremores. A questão da dependência aos tranquilizantes deve ser vista com muita moderação. A palavra dependência é muito forte, como geralmente é usada para designar estados muito fortes como os causados por álcool, morfina ou heroína, o público leigo tende a julgar que a dependência causada pelos tranquilizantes é igualmente forte, o que é um engano. A ampla manifestação social desse engano dá a impressão de que é verdade, mas a dependência induzida pelos tranquilizantes é leve e reversível, sendo que os benefícios proporcionados por eles superam em muito os efeitos colaterais. O equívoco existente quanto ao poder de dependência dos tranquilizantes é reforçado pelo fato dos transtornos de ansiedade serem crônicos, sempre que se suspende o tratamento os sintomas voltam, o que leva as pessoas a julgarem erradamente que estão dependentes da medicação quando na verdade não se restabeleceram do transtorno. A pior conseqüência desse engano é ver muitos e muitos pacientes sofrendo desnecessariamente por medo de ficarem dependentes das medicações,tendo sua qualidade de vida prejudicada com base em crenças infundadas e equivocada . ATENÇÃO A ação dessa medicação assim como dos demais do grupo é aumentar a ação do ácido gama animobutírico no cérebro, através deste mecanismo é que esses tranquilizantes exercem seu efeito terapêutico. Esta medicação é segura, mesmo no caso de intoxicação não costuma haver risco de vida, a menos que outras substâncias que deprimam o cérebro estejam presentes como álcool ou barbitúricos. O uso do álcool concomitante não está proibido, mas o usuário deve ter cautela, pois a sedação será maior, prejudicando os reflexos principalmente ao dirigir ou manipular máquinas que apresentem risco em potencial. As únicas contraindicações são para as pessoas que têm alergia ao seu princípio ativo, sofram de Miastenia grave, ou apresentem algum risco de depressão da atividade do sistema nervoso central como nos traumatismos cranianos. Há evidências de risco em feto humano, embora alguns dos malefícios que antes se pensava existirem, hoje se sabe que não existem, como o lábio leporino, mesmo assim seu uso no primeiro trimestre só deve ser feito se o benefício justificar o risco (que é pequeno, aproximadamente 3%). A medicação quando tomada pela mãe que amamenta, é transmitido para o leite e o lactente acaba tomando-a também.

ANTIDEPRESSIVOS
AMYTRIL
O princípio ativo do amytryl é a amitriplina, um antidepressivo tricíclico, portanto é antigo e um dos mais estudados tipos de antidepressivo SEU USO A apresentação em comprimidos permite um fracionamento da dose quando necessário, mas a dose de 25mg costuma ser pequena não sendo necessário dividí la na maioria das vezes. A dose média recomendada é de150mg/dia, podendo chegar a 300mg caso os efeitos colaterais sejam bem tolerados e os benefícios justifiquem essa dose. É preferível que a dose seja distribuída ao longo do dia sendo a maior parte concentrada a noite, por exemplo: 1/4 da dose pela manhã, 1/4 à tarde e 1/2 à noite, assim os efeitos colaterais deverão incomodar menos, pois se manifestarão com mais intensidade enquanto o paciente estiver dormindo. Para abrandar os efeitos colaterais a dose deve ser elevada lentamente e ao fim do tratamento retirada lentamente também, com alguns dias de intervalo entre uma e outra redução. Em geral o médico retira, aproximadamente, 20% da dose a cada redução. EFEITOS MAIS COMUNS A principal finalidade é o tratamento da depressão o que pode demorar alguns dias para se manifestar, enquanto os efeitos colaterais surgem rapidamente. Teoricamente são requeridas 6

13
semanas de dose plena (mínimo de 150mg/dia) para se dizer que a medicação falhou, mas na prática bem menos tempo é tolerado pelo paciente e pelo médico. Além de antidepressivo, a amitriptilina atua também como bloqueadora das crises de pânico. EFEITOS COLATERAIS : 1. Secura da boca, o que propicia o aparecimento de cáries: para contornar o problema a pessoa deve tomar pequenos e constantes goles de água e evitar gomas de mascar com açúcar. 2. Constipação (prisão de ventre) que deve ser regulado com enriquecimento de fibras na dieta e não com laxantes. 3. Tonteiras, zumbidos ou dores de cabeça, sedação. 4. Ganho de peso e aumento do apetite. 5. Produz leves arritmias cardíacas. 6. Diminuição do desejo sexual. 7. Facilita o surgimento de crises convulsivas em pessoas com epilepsia. 8. Visão embaçada. 9. Sensação de cansaço e fraqueza muscular. Todos esses efeitos são reversíveis e desaparecem quando a medicação é suspensa. Não é possível saber antes de tomar a medicação quais efeitos e com que intensidade eles se manifestarão: alguns pacientes são muito sensíveis à medicação, outros toleram com facilidade. ATENÇÃO Essa medicação deve ser evitada em pacientes com glaucoma de ângulo fechado, durante o primeiro trimestre da gestação (há evidências de risco para o feto). Pacientes em tratamento com tranilcipromina (ou equivalentes) devem ter uma atenção especial. Pacientes com problemas urinários obstrutivos (como o aumento da próstata) devem ter a utilização reavaliada porque a amitriptilina favorece a retenção de urina na bexiga. Pessoas com epilepsia podem estar mais propensas a desenvolver uma crise se estiverem tomando a amitriptilina.

ALCYTAM
O alcytam é o citalopram, um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. SEU USO Sua principal finalidade é tratar todas as formas de depressão, exceto as presentes nos ciclos rápidos do transtorno afetivo bipolar (antiga PMD). Vem sendo recomendado também para tratar problemas de conduta em pacientes demenciados. APLICAÇÃO A dose recomendada é 20 ou 40mg por dia; acima de 60mg só com indicação médica precisa e acompanhamento constante. Como é uma medicação que pode causar problemas no sono é recomendável que seja administrada pela manhã. Para os pacientes que sentem sono recomenda-se a tomada pela noite. Não pode ser usado concomitantemente a um IMAO irreversível. Há aproximadamente cada 36 horas o organismo elimina a metade da medicação, por isso os comprimidos podem ser tomados uma vez ao dia, pois mesmo assim os sintomas da depressão estarão sendo controlados. Depois de uma a duas semanas o organismo elimina a medicação com a mesma velocidade com que ele é reposto pelas doses via oral, alcançando assim o patamar de equilíbrio com uma concentração constante no sangue. Da mesma forma leva pelo menos duas semanas para o organismo eliminar a medicação do corpo Principais efeitos O alcytam é uma medicação bastante específica, atuando muito na inibição da recaptação da serotonina e pouco sobre outros neurotransmissores, isto significa que é uma medicação com poucos, ou quando presente, leves efeitos colaterais. A prática confirma isso. Ao contrário dos antidepressivos tricíclicos ou tetracíclicos sua interferência sobre o ritmo cardíaco é mínima, sendo assim recomendado para pacientes com este tipo de problema cardíaco. Os principais efeitos colaterais encontrados foram: dores de cabeça, insônia, sensação de cansaço, tonteiras, prisão de ventre e visão embaçada

14
ATENÇÃO Apesar de não se ter identificado nenhum problema quanto à formação do feto, é preferível evitar seu uso, quando possível, durante o primeiro trimestre de gestação.

ANAFRINIL
O princípio ativo do anafranil é a clomipramina, um antidepressivo tricíclico, portanto dos mais antigos antidepressivos. SEU USO A apresentação em drágeas de 10 e 25mg não permitem o fracionamento da medicação, o que na verdade não é necessário pois essas doses são relativamente pequenas, tanto que há uma apresentação como 75mg de liberação lenta. A dose média recomendada são 100mg/dia, podendo chegar a 250mg ou 300mg caso os efeitos colaterais sejam bem tolerados pelo paciente e os benefícios justifiquem essa dose. Pode ser usado em crianças na dose de 3mg/Kg de peso por dia. É preferível que a dose seja distribuída ao longo do dia sendo a maior parte concentrada a noite, por exemplo: 1/4 da dose pela manhã, 1/4 a tarde e 1/2 a noite, assim os efeitos colaterais deverão incomodar menos, pois se manifestarão com mais intensidade enquanto o paciente estiver dormindo. Para abrandar os efeitos colaterais a dose deve ser elevada lentamente e ao fim do tratamento retirada lentamente também, com alguns dias de intervalo entre uma e outra redução. Em geral o médico retira aproximadamente 25% da dose a cada redução. EFEITOS MAIS COMUNS Os principais efeitos do anafranil são o combate à depressão e aos sintomas obsessivos. Quanto ao primeiro efeito sua ação é semelhante aos demais do grupo - imipramina, amitriptilina, nortriptilina. Contudo como antiobsessivo destaca-se por ser consideravelmente superior aos do seu grupo, equivalendo-se apenas aos antidepressivos do grupo dos inibidores da recaptação da serotonina. Além desses efeitos possui também eficácia suficiente para bloquear as crises de pânico. Outra situação freqüentemente usada é a dor crônica que encontra em associação de outras medicações com o anafranil bons resultados. A principal limitação dessa medicação está nos efeitos colaterais que muitas vezes não são tolerados pelos pacientes.

1. Secura da boca, que deve ser contornada com pequenos e freqüentes goles de água, 2. 3. 4. 5. 6.
Deve-se evitar gomas de mascas açucaradas. Recomenda-se uma revisão dentária a cada 3 meses. Prisão de ventre que pode ser controlada com uma dieta rica em fibras como farelo de trigo que não engorda e facilita o trânsito intestinal, laranjas com bagaço também são muito úteis e saudáveis. Aumento do apetite e conseqüentemente do peso. Pessoas com tendência a engordar devem estar atentas para essa questão. Visão embaçada, este é um problema que deve ser contornado diminuindo a dose da medicação, não está indicado o uso de colírios. A inibição do desejo sexual é proporcional a dose e mais significativa nas mulheres. Efeitos genéricos como dores de cabeça, tonteiras, zumbidos, queda da pressão arterial ao levantar-se e mesmo alterações do ritmo cardíaco em pessoas com problemas prévios podem acontecer.

Todos esses problemas desaparecem quando a medicação é suspensa e geralmente melhoram quando a dose é reduzida. ATENÇÃO Sob nenhuma circunstância devem ser usados junto à tranilcipromina ou outros inibidores irreversíveis da MAO. O anafranil deve ser evitado em pacientes com glaucoma de ângulo fechado, durante o primeiro trimestre da gestação (há evidências de risco para o feto). Pacientes com problemas urinários obstrutivos (como o aumento da próstata) devem ter a utilização reavaliada porque a Clomipramina favorece a retenção de urina na bexiga. Os testes de glicemia (açúcar no sangue) podem ficar falsamente elevados por causa desse remédio. Pessoas com epilepsia pode estar mais propensas a desenvolverem uma crise se estiverem

15
tomando o anafranil. Devido ao longo período de circulação essa medicação pode levar algumas semanas para ser completamente eliminada do sangue.

ASSERT
O Assert é a sertralina, um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. SEU USO Suas principais indicações são para o tratamento da depressão e do transtorno obsessivocompulsivo. APLICAÇÃO Geralmente da dose de 50mg por dia costuma ser suficiente, menos do que isso não costuma ser usado. Quando necessário a dose diária pode se elevar até 200mg por dia. Como os comprimidos têm 50mg fica fácil fracionar a dose ao longo do dia. Deve-se tomar preferencialmente pela manhã. EFEITOS COLATERAIS Tonteiras e enjôo são os principais efeitos colaterais, além desses os outros que mais perturbam são: palpitações (batimentos do coração desconfortáveis), insônia, inquietação, dores de cabeça, cansaço, retardo da ejaculação, tremores, aumento da quantidade de suor. ATENÇÃO Não deve ser usada nas seguintes situações: primeiro trimestre de gestação o uso de tranilcipromina ou outro IMAO irreversível, alergia a sertralina. Pacientes com prejuízo da função do fígado devem ter a dose diminuída. No início do tratamento com o sercerin os pacientes epiléticos devem ter algum cuidado especial. ATENÇÃO NA GESTAÇÃO Várias trabalhos confirmam a segurança do uso da fluoxetina durante a gestação (qualquer fase da gestação) e amamentação, não elevando o risco de má formações fetais, nem precipitando o parto, nem causando prejuízos aos lactentes em uso de leite materno de mães tratadas com fluoxetina. O acompanhamento das crianças até os 5 anos de idade, cujas mães fizeram uso de fluoxetina durante a gestação, não mostraram prejuízos sobre a inteligência, o desenvolvimento da linguagem, o temperamento pré-escolar. Já nas crianças cujas mães estavam deprimidas e não fizeram uso de nenhuma medicação constatou-se prejuízos no desenvolvimento da linguagem, esses resultados, contudo, precisam ser confirmados. A fluoxetina ultrapassa a barreira placentária em proporções lineares com a dose que a mãe toma, mas em níveis bem inferiores ao da mãe.

BUPRIONA (BOM PARA TRATAMENTO DE FUMANTES)
A bupropiona é um antidepressivo com ação farmacológica primária de inibição da recaptação das monoaminas como a dopamina e a adrenalina SEU USO Suas principais indicações são para o tratamento da depressão e da dependência a nicotina. APLICAÇÃO A dose recomendada é de 300mg por dia distribuído em três tomadas ao longo do dia e não se recomenda doses superiores a 450mg EFEITOS MAIS COMUNS A bupropiona possui um efeito antidepressivo equivalente aos demais antidepressivos mas , seu perfil único permite que seja usado em casos especiais e evitado em outros. As situações em que a bupropiona é especialmente útil são para os casos de depressão em que o paciente sofreu sérios efeitos colaterais de inibição da libido ou sobre o desempenho sexual diretamente. A bupropiona caracteriza-se por não afetar as funções sexuais como os antidepressivos costumam fazer de modo relativamente intenso. Outra vantagem que pode ser obtida com a bupropiona é o efeito inibidor do desejo pela nicotina . Muitas pessoas após

16
várias tentativas fracassadas de interromper o uso do cigarro alcançam bons resultados com relativa facilidade mediante o uso da bupropiona. Por outro lado esta medicação é contra-indicada para pacientes epiléticos, salvo em situação específica sob orientação médica. Para pacientes em uso de antidepressivos do tipo IMAO irreversíveis a contra-indicação é absoluta.

CITALOPRAN
O Citalopram é um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. SEU USO Sua principal finalidade é tratar todas as formas de depressão, exceto as presentes nos ciclos rápidos do transtorno afetivo bipolar (antiga PMD). Vem sendo recomendado também para tratar problemas de conduta em pacientes demenciados. APLICAÇÃO A dose recomendada é 20 ou 40mg por dia; acima de 60mg só com indicação médica precisa e acompanhamento constante. Como é uma medicação que pode causar problemas no sono é recomendável que seja administrada pela manhã. Para os pacientes que sentem sono recomenda-se a tomada pela noite. Não pode ser usado concomitantemente a um IMAO irreversível. Há aproximadamente cada 36 horas o organismo elimina a metade da medicação, por isso os comprimidos podem ser tomados uma vez ao dia, pois mesmo assim os sintomas da depressão estarão sendo controlados. Depois de uma a duas semanas o organismo elimina a medicação com a mesma velocidade com que ele é reposto pelas doses via oral, alcançando assim o patamar de equilíbrio com uma concentração constante no sangue. Da mesma forma leva pelo menos duas semanas para o organismo eliminar a medicação do corpo EFEITOS MAIS COMUNS O citalopram é uma medicação bastante específica, atuando muito na inibição da recaptação da serotonina e pouco sobre outros neurotransmissores, isto significa que é uma medicação com poucos, ou quando presente, leves efeitos colaterais. A prática confirma isso. Ao contrário dos antidepressivos tricíclicos ou tetracíclicos sua interferência sobre o ritmo cardíaco é mínima, sendo assim recomendado para pacientes com este tipo de problema cardíaco. Os principais efeitos colaterais encontrados foram: dores de cabeça, insônia, sensação de cansaço, tonteiras, prisão de ventre e visão embaçada ATENÇÃO Apesar de não se ter identificado nenhum problema quanto à formação do feto, é preferível evitar seu uso, quando possível, durante o primeiro trimestre de gestação.

CLOMIPRAMINA
A clomipramina é um antidepressivo tricíclico, portanto um antidepressivo dos mais antigos. SEU USO A apresentação em drágeas de 25mg não permite o fracionamento da medicação, o que na verdade não é necessário, pois essas doses são relativamente pequenas. A dose média recomendada são 100mg/dia, podendo chegar a 250mg ou 300mg caso os efeitos colaterais sejam bem tolerados pelo paciente e os benefícios justifiquem essa dose. Pode ser usado em crianças na dose de 3mg/Kg de peso por dia. É preferível que a dose seja distribuída ao longo do dia sendo a maior parte concentrada a noite, por exemplo: 1/4 da dose pela manhã, 1/4 a tarde e 1/2 a noite, assim os efeitos colaterais deverão incomodar menos, pois se manifestarão com mais intensidade enquanto o paciente estiver dormindo. Para abrandar os efeitos colaterais a dose deve ser elevada lentamente e ao fim do tratamento retirada lentamente também, com alguns dias de intervalo entre uma e outra redução. Em geral o médico retira aproximadamente 25% da dose a cada redução. EFEITOS MAIS COMUNS Os principais efeitos do clomipramina são o combate à depressão e aos sintomas obsessivos. Quanto ao primeiro efeito sua ação é semelhante aos demais do grupo - imipramina, amitriptilina, nortriptilina. Contudo como antiobsessivo destaca-se por ser consideravelmente

17
superior aos do seu grupo, equivalendo-se apenas aos antidepressivos do grupo dos inibidores da recaptação da serotonina. Além desses efeitos possui também eficácia suficiente para bloquear as crises de pânico. Outra situação frequentemente usada é a dor crônica que encontra em associação de outras medicações com o clomipramina bons resulta dos. A principal limitação dessa medicação está nos efeitos colaterais que muitas vezes não são tolerados pelos pacientes.

1. Secura da boca, que deve ser contornada com pequenos e freqüentes goles de água, 2. 3. 4. 5. 6.
Deve-se evitar gomas de mascas açucaradas. Recomenda-se uma revisão dentária a cada 3 meses. Prisão de ventre que pode ser controlada com uma dieta rica em fibras como farelo de trigo que não engorda e facilita o trânsito intestinal, laranjas com bagaço também são muito úteis e saudáveis. Aumento do apetite e conseqüentemente do peso. Pessoas com tendência a engordar devem estar atentas para essa questão. Visão embaçada, este é um problema que deve ser contornado diminuindo a dose da medicação, não está indicado o uso de colírios. A inibição do desejo sexual é proporcional a dose e mais significativa nas mulheres. Efeitos genéricos como dores de cabeça, tonteiras, zumbidos, queda da pressão arterial ao levantar-se e mesmo alterações do ritmo cardíaco em pessoas com problemas prévios podem acontecer.

Todos esses problemas desaparecem quando a medicação é suspensa e geralmente melhoram quando a dose é reduzida. ATENÇÃO Sob nenhuma circunstância devem ser usado junto à tranilcipromina ou outros inibidores irreversíveis da MAO. O clomipramina deve ser evitado em pacientes com glaucoma de ângulo fechado, durante o primeiro trimestre da gestação (há evidências de risco para o feto). Pacientes com problemas urinários obstrutivos (como o aumento da próstata) devem ter a utilização reavaliada porque a Clomipramina favorece a retenção de urina na bexiga. Os testes de glicemia (açúcar no sangue) podem ficar falsamente elevados por causa desse remédio. Pessoas com epilepsia pode estar mais propensas a desenvolverem uma crise se estiverem tomando o clomipramina. Devido ao longo período de circulação essa medicação pode levar algumas semanas para ser completamente eliminada do sangue

DEPRAMINA
A clomipramina é um antidepressivo tricíclico, portanto um antidepressivo dos mais antigos. SEU USO A apresentação em drágeas de 25mg não permite o fracionamento da medicação, o que na verdade não é necessário, pois essas doses são relativamente pequenas. A dose média recomendada são 100mg/dia, podendo chegar a 250mg ou 300mg caso os efeitos colaterais sejam bem tolerados pelo paciente e os benefícios justifiquem essa dose. Pode ser usado em crianças na dose de 3mg/Kg de peso por dia. É preferível que a dose seja distribuída ao longo do dia sendo a maior parte concentrada a noite, por exemplo: 1/4 da dose pela manhã, 1/4 a tarde e 1/2 a noite, assim os efeitos colaterais deverão incomodar menos, pois se manifestarão com mais intensidade enquanto o paciente estiver dormindo. Para abrandar os efeitos colaterais a dose deve ser elevada lentamente e ao fim do tratamento retirada lentamente também, com alguns dias de intervalo entre uma e outra redução. Em geral o médico retira aproximadamente 25% da dose a cada redução. EFEITOS MAIS COMUNS Os principais efeitos do clomipramina são o combate à depressão e aos sintomas obsessivos. Quanto ao primeiro efeito sua ação é semelhante aos demais do grupo - imipramina, amitriptilina, nortriptilina. Contudo como antiobsessivo destaca-se por ser consideravelmente superior aos do seu grupo, equivalendo-se apenas aos antidepressivos do grupo dos inibidores da recaptação da serotonina. Além desses efeitos possui também eficácia suficiente para bloquear as crises de pânico. Outra situação freqüentemente usada é a dor crônica que encontra em associação de outras medicações com o clomipramina bons resultados. A

18
principal limitação dessa medicação está nos efeitos colaterais que muitas vezes não são tolerados pelos pacientes.

1. Secura da boca, que deve ser contornada com pequenos e freqüentes goles de água, 2. 3. 4. 5. 6.
Deve-se evitar gomas de mascar açucaradas. Recomenda-se uma revisão dentária a cada 3 meses. Prisão de ventre que pode ser controlada com uma dieta rica em fibras como farelo de trigo que não engorda e facilita o trânsito intestinal, laranjas com bagaço também são muito úteis e saudáveis. Aumento do apetite e conseqüentemente do peso. Pessoas com tendência a engordar devem estar atentas para essa questão. Visão embaçada, este é um problema que deve ser contornado diminuind a dose da o medicação, não está indicado o uso de colírios. A inibição do desejo sexual é proporcional a dose e mais significativa nas mulheres. Efeitos genéricos como dores de cabeça, tonteiras, zumbidos, queda da pressão arterial ao levantar-se e mesmo alterações do ritmo cardíaco em pessoas com problemas prévios podem acontecer.

Todos esses problemas desaparecem quando a medicação é suspensa e geralmente melhoram quando a dose é reduzida. ATENÇÃO Sob nenhuma circunstância devem ser usado junto a tranilcipromina ou outros inibidores irreversíveis da MAO. O clomipramina deve ser evitado em pacientes com glaucoma de ângulo fechado, durante o primeiro trimestre da gestação (há evidências de risco para o feto). Pacientes com problemas urinários obstrutivos (como o aumento da próstata) devem ter a utilização reavaliada porque a Clomipramina favorece a retenção de urina na bexiga. Os testes de glicemia (açúcar no sangue) podem ficar falsamente elevados por causa desse remédio. Pessoas com epilepsia pode estar mais propensas a desenvolverem uma crise se estiverem tomando o clomipramina. Devido ao longo período de circulação essa medicação pode levar algumas semanas para ser completamente eliminada do sangue

EQUILIBRA (FITOTERÁPICO ANTIGO) PARA DEPRESSÃO LEVE
O Equilibra é o hypericum perforatum, uma substância extraída da erva de São João utilizada como medicamento há milhares de anos. Recentemente foi introduzida na Psiquiatria com a finalidade de tratar depressão, mas possui também outras indicações para infecções virais, anti-malárico, analgésico (também para uso tópico), diurético e sedativo. Hypericum perforatum é o nome técnico da planta e não da medicação como poderia parecer. É desta planta que se originam as substâncias naturais com efeito medicinal, como são várias substâncias, há também uma diversidade de aplicações. Alguns dos compostos oriundos do hypericum são conhecidos como a melatonina que possui ação sedativa, mas vários ainda não foram isolados, assim por enquanto é necessário administrar todos os compostos da erva, como é feito atualmente. EFEITOS MAIS COMUNS Um dos antigos problemas no tratamento da depressão são os efeitos colaterais, que frequentemente levavam os pacientes a abandonarem o tratamento. O hypericum foi comparado a amitriptilina e obteve resultado semelhante em depressão não graves, com menos efeitos colaterais. Dentre várias utilizações clínicas como para o tratamento tópico de torções, queimaduras, traumas, ou via oral para reumatismo, hemorróidas, menorragias, neuralgias, gastrenterites, diarréias, enurese noturna; a depressão é a condição clínica para qual se obteve melhores resultados. Possível mecanismo de ação antidepressivo Estudos in vitro sugere que os compostos do hypericum atuam sobre a monoamino oxidase inibindo-a, isso, contudo é feito de forma bem menos intensa do que as medicações com ação inibitória da monoamina oxidase disponíveis no mercado realizam. Isso garante, a princípio, a segurança dessa medicação uma vez que a inibição da monoamina oxidase pode levar a crises hipertensivas principalmente se ingeridas concomitantemente a tiramina.

19
EFICÁCIA POSSÍVEL A eficácia do hypericum foi cientificamente demonstrada para o tratamento da depressão leve. Alguns desses estudos, contudo devem ser avaliados cautelosamente uma vez que utilizaram sub-doses de antidepressivos ao compararem com o hypericum. A eficácia clínica não foi satisfatoriamente demonstrada no caso das depressões severas. EFEITOS COLATERAIS O hypericum possui ação fotossensibilizante tornando as pessoas que fazem uso delas sujeitas a alterações de pele caso sejam exposta a Sol forte, principalmente se tiverem pele clara, menos resistente à radiação solar. O escurecimento da pele à exposição solar é uma forma de proteção contra os excessos da radiação, como o hypericum inibe em aproximadamente 20% a capacidade da pessoa de tornar-se morena, deixa-a mais exposta e vulnerável ao Sol, assim é recomendável o uso de protetor solar para quem faz uso de hypericum.

FLUOXETINA
A fluoxetina é um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. SEU USO Suas principais indicações são para o tratamento da depressão, do transtorno obsessivocompulsivo e da bulimia nervosa. APLICAÇÃO A dose geralmente usada varia entre 20 e 80mg ao dia. O ajuste da dose depende dos benefícios e efeitos colaterais que o paciente estiver passando. Pacientes que tenham alcançado um benefício satisfatório com 20mg não terão motivo para elevar a dose. EFEITOS MAIS COMUNS Os efeitos colaterais mais comuns geralmente passageiros são: dores de cabeça, insônia, nervosismo, tonteiras, enjôo ou diarréia. Outros efeitos relatados com menos freqüência foram: sedação, ansiedade, zumbidos, sensação de cansa tremores, aumento da quantidade de ço, suor, inapetência, prisão de ventre, má digestão. ATENÇÃO Sobre a gestação os únicos estudos feitos foram em animais que não apresentaram nenhum problema durante a formação embrionária, também nunca foi relatado nenhum problema de má formação fetal em pacientes que fizeram uso durante os primeiros 3 meses de gestação. Isto, contudo não nos garante a segurança da medicação para a primeira fase gestacional. O daforin não pode ser dado a quem estiver tomando tranilcipromina ou algum similar, o intervalo entre uma medicação e outra deve ser de 2 semanas. Pacientes com problemas atuais ou passados de epilepsia deve ter um cuidado especial durante o uso desse reméd A io. eliminação do daforin é demorada, o organismo leva 2 a 3 dias para reduzir a metade a dose circulante, pacientes com problemas no fígado terão esse período ainda mais prolongado, requerendo portanto doses menores. Pacientes com grave deficiência do funcionamento dos rins poderão ter acúmulo e até intoxicação pela medicação, devendo, portanto tomar especial cuidado. Geralmente o fabricante recomenda não tomar bebidas alcoólicas, contudo quem toma doses baixas de daforin não encontrará muitos problemas se beber pouco, poderá, entretanto, surgir em conseqüência disso maior sonolência e maiores desconfortos gástrico. Aqueles que tiverem experimentado efeitos desagradáveis com essa combinação devem evitá la, mas os que souberem usar com ponderação sem problemas não estão proibidos de beber enquanto toma o daforin, doses altas de álcool com daforin pode ser fatal. ATENÇÃO NA GESTAÇÃO Vários trabalhos confirmam a segurança do uso da fluoxetina durante a gestação (qualquer fase da gestação) e amamentação, não elevando o risco de más formações fetais, nem precipitando o parto, nem causando prejuízos aos lactentes em uso de leite materno de mães tratadas com fluoxetina. O acompanhamento das crianças até os 5 anos de idade, cujas mães fizeram uso de fluoxetina durante a gestação, não mostraram prejuízos sobre a inteligência, o desenvolvimento da linguagem, o temperamento pré-escolar. Já nas crianças cujas mães estavam deprimidas e não fizeram uso de nenhuma medicação constataram-se prejuízos no desenvolvimento da linguagem, esses resultados, contudo, precisam ser confirmados. A

20
fluoxetina ultrapassa a barreira placentária em proporções lineares com a dose que a mãe toma, mas em níveis bem inferiores ao da mãe.

LEXAPRO
O Lexapro é o escitalopram, um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. SEU USO Sua principal finalidade é tratar todas as formas de depressão e transtorno do pânico. APLICAÇÃO As doses recomendadas são de 10 a 20mg por dia, não há estudos feitos com menores de 18 anos, na gestação e amamentação também não, o que não proíbe seu uso que quando feito deverá antes ter sido avaliada a relação do custo x o benefício proporcionado. Não há problemas no uso em pessoas com insuficiência renal leve ou moderada, mas pessoas com insuficiência grave devem ser monitoradas com cautela. Pessoas com insuficiência hepática devem tomar 5mg por 2 a 4 semanas antes de se elevar para a dose terapêutica de 10 ou 20mg. Há medicações que bloqueiam as enzimas que metabolizam o escitalopram como o omeprazol. Como os trombócitos (espécie de "saquinhos" que circulam pelo sangue e contribuem com o estancamento hemorrágico) também utilizam recaptadores da serotonina, esses antidepressivos podem afetar a coagulação, especialmente se dados junto a medicações que interferem nisso como a aspirina e os anticoagulantes em geral. EFEITOS MAIS COMUNS O Lexapro é uma medicação bastante específica, atuando muito na inibição da recaptação da serotonina e pouco sobre outros neurotransmissores, isto significa que é uma medicação com poucos, ou quando presente, leves efeitos colaterais. A prática confirma isso. Ao contrário dos antidepressivos tricíclicos ou tetracíclicos sua interferência sobre o ritmo cardíaco é mínima, sendo assim recomendado para pacientes com este tipo de problema cardíaco. Os principais efeitos colaterais encontrados foram: tonteiras, cefaléia e náuseas. Perda de apetite, tonteiras, tremores, diarréia, boca seca., sensação de cansaço, tonteiras, prisão de ventre e visão embaçada ATENÇÃO Apesar de não se ter identificado nenhum problema quanto à formação do feto, é preferível evitar seu uso, quando possível, durante o primeiro trimestre de gestação.

LIMBITROL (2 EM 1)
Os princípios ativos do limbitrol são a amitriplina e o clordiazepóxido, um antidepressivo tricíclico e um tranquilizante benzodiazeínico respectivamente. SEU USO A apresentação em comprimidos permite um fracionamento da dose quando necessário, mas a dose de 25mg costuma ser pequena não sendo necessário dividí la na maioria das vezes. A dose média recomendada é de150mg/dia, podendo chegar a 300mg caso os efeitos colaterais sejam bem tolerados e os benefícios justifiquem essa dose. É preferível que a dose seja distribuída ao longo do dia sendo a maior parte concentrada a noite, por exemplo: 1/4 da dose pela manhã, 1/4 a tarde e 1/2 a noite, assim os efeitos colaterais deverão incomodar menos, pois se manifestarão com mais intensidade enquanto o paciente estiver dormindo. Para abrandar os efeitos colaterais a dose deve ser elevada lentamente e ao fim do tratamento retirada lentamente também, com alguns dias de intervalo entre uma e outra redução. Em geral o médico retira, aproximadamente, 20% da dose a cada redução. EFEITOS MAIS COMUNS A principal finalidade é o tratamento da depressão o que pode demorar alguns dias para se manifestar, enquanto os efeitos colaterais surgem rapidamente. Teoricamente são requeridas 6 semanas de dose plena (mínimo de 150mg/dia) para se dizer que a medicação falhou, mas na

21
prática bem menos tempo é tolerado pelo paciente e pelo médico. Além de antidepressivo, a amitriptilina atua também como bloqueador das crises de pânico.

EFEITOS COLATERAIS 1. Secura da boca, o que propicia o aparecimento de cáries: para contornar o problema a pessoa deve tomar pequenos e constantes goles de água e evitar gomas demascar com açúcar. 2. Constipação (prisão de ventre) que deve ser regulado com enriquecimento de fibras na dieta e não com laxantes. 3. Tonteiras, zumbidos ou dores de cabeça, sedação. 4. Ganho de peso e aumento do apetite. 5. Produz leves arritmias cardíacas. 6. Diminuição do desejo sexual. 7. Facilita o surgimento de crises convulsivas em pessoas com epilepsia. 8. Visão embaçada. 9. Sensação de cansaço e fraqueza muscular.. Todos esses efeitos são reversíveis e desaparecem quando a medicação é suspensa.Não é possível saber antes de tomar a medicação quais efeitos e com que intensidade eles se manifestarão: alguns pacientes são muito sensíveis à medicação, outros toleram com facilidade. ATENÇÃO Essa medicação deve ser evitada em pacientes com glaucoma de ângulo fechado, durante o primeiro trimestre da gestação (há evidências de risco para o feto). Pacientes em tratamento com tranilcipromina (ou equivalentes) devem ter uma atenção especial. Pacientes com problemas urinários obstrutivos (como o aumento da próstata) devem ter a utilização reavaliada porque a amitriptilina favorece a retenção de urina na bexiga. Pessoas com epilepsia podem estar mais propensas a desenvolver uma crise se estiverem tomando a amitriptilina.

LUDIOMIL
O ludiomil é a maprotilina um antidepressivo tetracíclico SEU USO É indicação para tratar depressão. APLICAÇÃO A dose recomendada varia entre 100 e 150mg por dia, podendo chegar a 200mg quando necessário. Costuma-se dividir a dose ao longo do dia: como só há comprimidos de 25 e 75mg o paciente poderá, por exemplo, tomar 2 comprimidos pela manhã, a tarde e a noite, ou 1 comp de 75 pela manhã e outro a noite. A dose é determinada pelos benefícios alcançados. A ausência de remissão dos sintomas da depressão não justifica a permanência da medicação: ela deverá ser substituída ou potencializada por outra medicação. Crianças de 6 a 14 anos podem tomar até 75mg ao dia de ludiomil. EFEITOS MAIS COMUNS O efeito antidepressivo propriamente dito pode demorar alguns dias a surgir. Juntamente a ele certo efeito ansiolítico também pode beneficiar os pacientes com ansiedade e depressão. Os efeitos colaterais do ludiomil são parecidos aos efeitos dos antidepressivos tricíclicos só que mais brandos. Os principais são tonteiras ao levantar-se, aceleração do coração, secura da boca, aumento do peso, prisão de ventre e visão borrada ATENÇÃO Não há estudos nem evidências de que o ludiomil tenha provocado alguma má formação fetal, o que não justifica seu uso livre durante a fase inicial da gestação. Deve-se ter cuidados especiais no uso do ludiomil nas seguintes situações: pacientes com infarto recente, com glaucoma de ângulo fechado, com epilepsia, com aumento da próstata ou dificuldade para

22
urinar por outros motivos, pacientes com tendência a sofrerem queda da pressão arterial. Não deve ser usado com a tranilcipromina nem com algum similar.

PAMELOR (remédio antigo, portanto, mais barato)
O princípio ativo do pamelor é a nortriptilina, um antidepressivo tricíclico, um dos primeiros grupos e, portanto dos mais antigos (e mais baratos) e estudados tipos de antidepressivo. SEU USO A apresentação em cápsulas impede o fracionamento da dose, o que não é necessário pois existem diversas apresentações 10, 25, 50 e 75mg. A dose média recomendada são 150mg/dia. É preferível que a sode seja distribuída ao longo do dia sendo a maior parte concentrada a noite, por exemplo: 1/4 da dose pela manhã, 1/4 a tarde e 1/2 a noite, ass os im efeitos colaterais deverão incomodar menos, pois se manifestarão com mais intensidade enquanto o paciente estiver dormindo. Para abrandar os efeitos colaterais a dose deve ser elevada lentamente e ao fim do tratamento retirada lentamente também, com alguns dias de intervalo entre uma e outra redução. Em geral o médico retira aproximadamente 25% da dose a cada redução. APLICAÇÃO Suas principais indicações são para tratar depressão, sendo que dos tricíclicos este é o mais recomendável para os idosos. Possui ainda boa eficácia para bloquear as crises de pânico, para inibir a enurese noturna (crianças que urinam enquanto dormem depoi de já terem s adquirido controle). EFEITOS COLATERAIS A principal limitação dessa medicação está nos efeitos colaterais que muitas vezes não são tolerados pelos pacientes.

1. Secura da boca, que deve ser contornada com pequenos e freqüentes goles de água. 2. 3. 4. 5. 6.
Deve-se evitar gomas de mascar açucaradas. Recomenda-se uma revisão dentária a cada 3 meses. Prisão de ventre que pode ser controlada com uma dieta rica em fibras como farelo de trigo que não engorda e facilita o trânsito intestinal, laranjas com bagaço também são muito úteis e saudáveis. Aumento do apetite e conseqüentemente do peso. Pessoas com tendência a engordar devem estar a tentas para essa questão Visão embaçada, este é um problema que deve ser contornado diminuindo a dose da medicação, não está indicado o uso de colírios A inibição do desejo sexual é proporcional a dose. Efeitos genéricos como dores de cabeça, tonteiras, zumbidos, queda da pressão arterial ao levantar-se e mesmo alterações do rítmo cardíaco em pessoas com problemas prévios podem acontecer. Todos esses problemas somem quando a medicação é suspensa e geralmente melhoram quando a dose é reduzida. ATENÇÃO Esta medicação não deve ser usada nas seguintes situações: pacientes com glaucoma de ângulo fechado, durante o primeiro trimestre de gestação ou durante a amamentação, alergia aos antidepressivos tricíclicos. Situações que exigem cuidados especiais são pacientes com arritmias cardíacas, com hipertireoidismo, com insuficiência do fígado, em uso de tranilcipromina ou outros inibidores irreversíveis da MAO, pacientes epiléticos.

PAROXETINA
A Paroxetina é um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. EFEITOS MAIS COMUNS O Paroxetina está indicado para tratar depressão, fobia social, transtorno obsessivo-

23
compulsivo e transtorno do pânico. É uma medicação segura com baixa incidência de efeitos colaterais. Quando comparada a algum dos antidepressivos tricíclicos muito menos pacientes abandonaram o tratamento devido a efeitos indesejáveis com o Paroxetina do que com algum antidepressivo do grupo dos tricíclicos. Os efeitos indesejáveis mais comuns encontrados foram: insônia, náuseas e vômitos, azia (ardência na altura do esôfago ou estômago), falta de apetite, tonteiras, zumbidos, dores de cabeça, retardo da ejaculação, aumento da sudorese, secura da boca, tremores. A dose recomendada é de 20mg/dia podendo chagar a 60mg. EFEITOS COLATERAIS Menos de 10% dos pacientes são acometidos por dores de cabeça, tonteiras, insônia ou sonolência, enjôo, retardo da ejaculação, prisão de ventre ou diarréia, fraqueza muscular ATENÇÃO As precauções que se deve ter são as seguintes: não tomar sob nenhuma circunstância a tranilcipromina ou equivalente dentro de um período de 2 semanas depois de suspenso o Paroxetina. Apesar de não haver indícios de má formação sobre fetos; é mais recomendável evitá-la durante a gestação.

PROZAC
O prozac é a fluoxetina, um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. SEU USO Suas principais indicações são para o tratamento da depressão, do transtorno obsessivocompulsivo e da bulimia nervosa. APLICAÇÃO A dose geralmente usada varia entre 20 e 80mg ao dia. O ajuste da dose depende dos benefícios e efeitos colaterais que o paciente estiver passando. Pacientes que tenham alcançado um benefício satisfatório com 20mg não terão motivo para elevar a dose. EFEITOS MAIS COMUNS Os efeitos colaterais mais comuns geralmente passageiros são: dores de cabeça, insônia, nervosismo, tonteiras, enjôo ou diarréia. Outros efeitos relatados com menos freqüência foram: sedação, ansiedade, zumbidos, sensação de cansaço, tremores, aumento da quantidade de suor, inapetência, prisão de ventre, má digestão. ATENÇÃO Sobre a gestação os únicos estudos feitos foram em animais que não apresentaram nenhum problema durante a formação embrionária, também nunca foi relatado nenhum problema de má formação fetal em pacientes que fizeram uso durante os primeiros 3 meses de gestação. Isto, contudo não nos garante a segurança da medicação para a primeira fase gestacional. O daforin não pode ser dado a quem estiver tomando tranilcipromina ou algum similar, o intervalo entre uma medicação e outra deve ser de 2 semanas. Pacientes com problemas atuais ou passados de epilepsia deve ter um cuidado especial durante o uso desse remédio. A eliminação do daforin é demorada, o organismo leva 2 a 3 dias para reduzir a metade a dose circulante, pacientes com problemas no fígado terão esse período ainda mais prolongado, requerendo portanto doses menores. Pacientes com grave deficiência do funcionamento dos rins poderão ter acúmulo e até intoxicação pela medicação, devendo, portanto tomar especial cuidado. Geralmente o fabricante recomenda não tomar bebidas alcoólicas, contudo quem toma doses baixas de daforin não encontrará muitos problemas se beber pouco, poderá entretanto, surgir em consequência disso maior sonolência e maiores desconfortos gástrico. Aqueles que tiverem experimentado efeitos desagradáveis com essa combinação devem evitá la, mas os que souberem usar com ponderação sem problemas não estão proibidos de beber enquanto toma o daforin, doses altas de álcool com daforin pode ser fatal.

REMERON
O Remedon SolTab foi comprovado como sendo um antidepressivo mais rápido do que o concorrente Efexor XR, isso significa que os pacientes que usam o remeron se recuperam

24
antes. O estudo que demonstrou essa ação foi realizado dentro do padrão de estudo mais confiável que há multicêntrico, duplo-cego e randomizado. Um estudo anterior havia mostrado que o remeron é mais eficaz também do que a sertralina, pelo menos nas primeiras duas semanas. O Remeron é a Mirtazapina, um antidepressivo tetracíclico diferente dos demais de seu grupo, esta medicação aumenta a quantidade de serotonina e noradrenalina entre os neurônios. SEU USO Ao ser comparado a outras medicações obteve uma eficácia antidepressiva equivalente aos seguintes remédios: amitriptilina, clomipramina e a trazodona, o que significa ser um resultado muito bom. APLICAÇÃO A dose inicial deve ser de 15mg nos 4 primeiros dias, depois de 30mg por mais 10 dias. Alcançando efeitos benéficos com esta dose poderá seguir neste patamar, mas poderá ainda ser elevado para 75mg caso seja necessário. O uso concomitante de álcool ou tranquilizantes pode prejudicar os reflexos. Devido ao seu prolongado período de eliminação do organismo pode ser tomado uma vez ao dia, no horário mais conveniente para o paciente. EFEITOS COLATERAIS Tonteiras e sedação são os efeitos colaterais mais freqüentes, secura da boca, aumento do apetite e do peso, sonolência e prisão de ventre vêem depois. Sob uma visão geral, o remeron apresenta-se com menos efeitos colaterais que os antidepressivos tricíclicos. ATENÇÃO Uma minoria dos pacientes pode apresentar uma redução das células de defesa. Até o momento não foi registrado maiores problemas decorrentes desse fato, que não pode ser desprezado. Apresentam também outras alterações como elevação das enzimas TGO e TGP do fígado, fato que não deve causar maiores preocupações, ma quando se dosar essas s enzimas uma possível causa de elevação é o remeron.

SERENATA
O Serenata é a sertralina, um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. SEU USO Suas principais indicações são para o tratamento da depressão e do transtorno obsessivocompulsivo. APLICAÇÃO Geralmente da dose de 50mg por dia costuma ser suficiente, menos do que isso não costuma ser usado. Quando necessário a dose diária pode se elevar até 200mg por dia. Como os comprimidos têm 50mg fica fácil fracionar a dose ao longo do dia. Deve-se tomar preferencialmente pela manhã. Principais efeitos colaterais Tonteiras e enjôo são os principais efeitos colaterais, além desses os outros que mais perturbam são: palpitações (batimentos do coração desconfortáveis), insônia, inquietação, dores de cabeça, cansaço, retardo da ejaculação, tremores, aumento da quantidade de suor. Considerações importantes Não deve ser usada nas seguintes situações: primeiro trimestre de gestação, uso de tranilcipromina ou outro IMAO irreversível, alergia a sertralina. Pacientes com prejuízo da função do fígado devem ter a dose diminuída. No início do tratamento com o sercerin os pacientes epiléticos devem ter algum cuidado especial.

SERTRALINA
A sertralina é um antidepressivo inibidor específico da recaptação da serotonina.

25
SEU USO Suas principais indicações são para o tratamento da depressão e do transtorno obsessivocompulsivo. APLICAÇÃO Geralmente da dose de 50mg por dia costuma ser suficiente, menos do que isso não costuma ser usado. Quando necessário a dose diária pode se elevar até 200mg por dia. Como os comprimidos têm 50mg fica fácil fracionar a dose ao longo do dia. Deve-se tomar preferencialmente pela manhã. EFEITOS COLATERAIS Tonteiras e enjôo são os principais efeitos colaterais, além desses os outros que mais perturbam são: palpitações (batimentos do coração desconfortáveis), insônia, inquietação, dores de cabeça, cansaço, retardo da ejaculação, tremores, aumento da quantdade de suor. i ATENÇÃO NA GESTAÇÃO Não deve ser usada nas seguintes situações: primeiro trimestre de gestação uso de tranilcipromina ou outro IMAO irreversível, alergia a sertralina. Pacientes com prejuízo da função do fígado devem ter a dose diminuída. No início do tratamento com o sercerin os pacientes epiléticos devem ter algum cuidado especial. Efeitos na Gestação Várias trabalhos confirmam a segurança do uso da fluoxetina durante a gestação (qualquer fase da gestação) e amamentação, não elevando o risco de más formações fetais, nem precipitando o parto, nem causando prejuízos aos lactentes em uso de leite materno de mães tratadas com fluoxetina. O acompanhamento das crianças até os 5 anos de idade, cujas mães fizeram uso de fluoxetina durante a gestação, não mostraram prejuízos sobre a inteligência, o desenvolvimento da linguagem, o temperamento pré-escolar. Já nas crianças cujas mães estavam deprimidas e não fizeram uso de nenhuma medicação constataram-se prejuízos no desenvolvimento da linguagem, esses resultados, contudo, precisam ser confirmados. A fluoxetina ultrapassa a barreira placentária em proporções lineares com a dose que a mãe toma, mas em níveis bem inferiores ao da mãe.

TROFANIL
O tofranil é a imipramina, um antidepressivo tricíclico. SEU USO A apresentação em comprimidos permite um fracionamento da dose quando necessário, mas a dose de 25mg costuma ser pequena não sendo necessário dividí la na maioria das vezes. A dose média recomendada são 150mg/dia, podendo chegar a 300mg caso os efeitos colaterais sejam bem tolerados pelo paciente e os benefícios justifiquem essa dose. É preferível que a dose seja distribuída ao longo do dia sendo a maior parte concentrada a noite, por exempl : o 1/4 da dose pela manhã, 1/4 à tarde e 1/2 à noite, assim os efeitos colaterais deverão incomodar menos, pois se manifestarão com mais intensidade enquanto o paciente estiver dormindo. Para abrandar os efeitos colaterais a dose deve ser elevada lentament e ao fim do e tratamento retirada lentamente também, com alguns dias de intervalo entre uma e outra redução. Em geral o médico retira aproximadamente 25% da dose a cada redução. EFEITOS MAIS COMUNS O efeito antidepressivo costuma demorar alguns dias para se manifestar, enquanto os efeitos colaterais surgem rapidamente. Teoricamente são requeridas 6 semanas de dose plena (mínimo de 150mg/dia) para se dizer que a medicação falhou. Mas na prática, hoje em dia bem menos tempo é tolerado pelo paciente e pelo médico, principalmente pelas numerosas outras ofertas de outras medicações, e associações medicamentosas. Além de antidepressivo atua também como bloqueador das crises de pânico. Pode ainda ser usado para controlar certos tipos de dores prolongadas e para tratar enurese noturna (crianças que urinam enquanto dormem depois de já terem adquirido controle). EFEITOS COLATERAIS

26
1. Secura da boca, o que propicia o aparecimento de cáries, para contornar o problema a 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9.
pessoa deve tomar pequenos e constantes goles de água e evitar gomas de mascar com açúcar Constipação (prisão de ventre) que deve ser regulado com enriquecimento de fibras na dieta e não com laxantes Tonteiras, zumbidos ou dores de cabeça, sedação Ganho de peso e aumento do apetite. Pessoas propensas a obe sidade devem estar atentas ao ganho de peso e aos excessos de açúcar na dieta. Possui um leve efeito arrítmico. Pessoas com problemas cardíacos devem fazer um eletrocardiograma antes de começar o tratamento, depois repetir o mesmo exame para avaliar possíveis problemas. Diminuição do desejo sexual. Este problema pode ser controlado com a diminuição da dose do remédio. Facilita o surgimento de crises convulsivas em pessoas com epilepsia. Visão embaçada. Caso esteja prejudicando as tarefas pessoais ou o trabalho a dose deve ser diminuída. Sensação de cansaço e fraqueza muscular.

Todos esses efeitos são reversíveis e desaparecem quando a medicação é suspensa. Não é possível saber quais efeitos e com que intensidade o paciente sofrerá esses efeitos, algun s pacientes são muito sensíveis à medicação, outros toleram com facilidade. ATENÇÃO Essa medicação deve ser evitada em pacientes com glaucoma de ângulo fechado, durante o primeiro trimestre da gestação (há evidências de risco para o feto). Pacientes em tratamento com tranilcipromina (ou equivalentes) devem estar sob estrito acompanhamento das doses dessas medicações. Pacientes com problemas urinários obstrutivos (como o aumento da próstata) devem ter a utilização reavaliada porque a Depramina favorece a retenção de urina na bexiga. Pessoas com epilepsia pode estar mais propensas a desenvolverem uma crise se estiverem tomando a Depramina.

ZETRON (COMBATE A DEPENDÊNCIA DO CIGARRO)
Qual o antidepressivo que não prejudica a função sexual? A maioria dos antidepressivos provoca alterações como diminuição da libido, retardo da ejaculação ou mais raramente dificuldade de ereção nos homens e diminuição da libido nas mulheres. Dependendo das circunstâncias isso pode vir a ser um fator impeditivo de continuidade da medicação mesmo quando o efeito antidepressivo está sendo eficaz. Hoje em dia não se justifica mais a manutenção dos antidepressivos que provocam esses efeitos porque há opções sendo a principal delas a bupropiona, um antidepressivo que além de não interferir na atividade sexual, pode até vir a melhor o desempenho. Há um estudo mostrando eficácia dessa substância para o tratamento da diminuição do desejo sexual. O Zetron é a bupropiona, um antidepressivo com ação farmacológica primária de inibição da recaptação das monoaminas como a dopamina e a adrenalina SEU USO Suas principais indicações são para o tratamento da depressão e da dependência a nicotina. APLICAÇÃO A dose recomendada é de 300mg por dia distribuído em três tomadas ao longo do dia e não se recomenda doses superiores a 450mg EFEITOS MAIS COMUNS A bupropiona possui um efeito antidepressivo equivalente aos demais antidepressivos mas seu perfil único permite que seja usado em casos especiais e evitado em outros. As situações em que a bupropiona é especialmente útil são para os casos de depressão em que o paciente sofreu sérios efeitos colaterais de inibição da libido ou sobre o desempenho sexual diretamente. A bupropiona caracteriza-se por não afetar as funções sexuais como os antidepressivos costumam fazer de modo relativamente intenso. Outra vantagem que pode ser obtida com a bupropiona é o efeito inibidor do desejo pela nicotina. Muitas pessoas após várias

27
tentativas fracassadas de interroper o uso do cigarro alcançam bons resultados com relativa facilidade mediante o uso da bupropiona. Por outro lado esta medicação é contra-indicada para pacientes epiléticos, salvo em situação específica sob orientação médica. Para pacientes em uso de antidepressivos do tipo IMAO irreversíveis a contra-indicação é absoluta.

ANTIPSICÓTICOS
AMPLICTIL
O amplictil é a clorpromazina, um antipsicótico do grupo das fenotiazinas. Sua principal finalidade é o tratamento dos sintomas psicóticos, podendo também ser usado para evitar vômitos e mesmo como anti-hipertensivo quando administrado pela veia. EFEITOS COLATERAIS Tonteiras ao levantar-se (hipotensão postural) principalmente nos idosos. Inquietação, dificuldade de ficar parado: muitos pacientes manifestam isso com movimentos de marcha sem sair do lugar. Prisão de ventre, alterações menstruais, galactorréia (escorrimento mamário), sedação. SEU USO Os adultos podem tomar entre 50 e 800mg por dia, dependendo dos efeitos colaterais e dos benefícios obtidos. Crianças a partir de 6 meses podem tomar com segurança esta medicação: a dose recomendada nesta fase é de 0,5 a 1mg/Kg de peso, 3 a 4 vezes ao dia. A distribuição da dose ao longo do dia ajuda a minimizar os efeitos colaterais e a evitá-los de forma estratégica. Por exemplo, quem tem sonolência a dose deve ser concentrada a noite. Não é recomendado o uso de medicações anticolinérgicas para compensaros efeitos colaterais motores, embora isto não seja proibido. ATENÇÃO Pacientes com hipotensão arterial ou arritmias cardíacas devem evitar essa medicação. Da mesma forma pacientes com a função do fígado prejudicada ou com dificuldade para urinar. Não há relatos de má formação fetal em pacientes que fizeram uso dessa medicação, contudo deve-se evitar seu uso no primeiro trimestre da gestação

HALDOL
O haldol é o haloperidol, um neuroléptico do grupo das butirofenonas. Além da indicação para tratamento dos sintomas psicóticos: pode ser usada também para evitar enjôos e vômitos de qualquer origem, para controlar agitação, agressividade devido a outras perturbações mentais, ou ainda para tratar o distúrbio de Gilles La Tourette. SEU USO A dose mais comum varia entre 5 e 15mg por dia podendo chegar 100mg por dia sem nenhum risco. A dose recomendada para crianças entre 15 e 40 Kg de peso corporal (entre 3 e 12 anos) é de 0,05mg/Kg/dia até o máximo de ,015mg/Kg/dia. A elevação da dose deve ser gradual, respeitando intervalos de 7 dias aproximadamente entre uma e outra elevação, tanto para adultos como para crianças. A aplicação de depósito (Depot) só deve ser realizada depois que o paciente demonstrou ter bons resultados com a administração via oral EFEITOS COLATERAIS Os efeitos sobre o sistema motor, como o enrijecimento muscular, a inquietação (dificuldade de ficar parado) e a vontade de ficar mexendo com as pernas, mesmo estando p arado, assim como movimentos musculares (principalmente na face) são os principais efeitos colaterais. Dentre todas as síndromes neurolépticas malignas é a mais grave e rara de todos os efeitos colaterais.

28
ATENÇÃO Não podem ser usadas em pacientes com doença de Parkinson, com problemas cerebrais orgânicos ou com alergias ao princípio ativo. Deve ser usado com controle em pacientes epiléticos. Apesar de já ter sido usado durante a gestação sem provocar problemas seu uso não é deve ser feito livremente no primeiro trimestre de gestação.

NEULEPTIL (MEDICAMENTO BARATO)
O neuleptil é a periciazina, um neuroléptico do grupo das fenotiazinas. Sua principal indicação é para o tratamento de sintomas psicóticos, podendo também ser usado para controlar problemas no comportamento com agitação, irritabilidade ou agressividade; em outros problemas psiquiátricos como a demência ou retardo mental, por exemplo, SEU USO A dose recomendada varia em torno de 60mg por dia para adultos, as crianças devem tomar 1mg por idade (10 anos=10mg); para elas há a fórmula líquida com 1% de concentração. Os adultos com dificuldade para engolir o comprimido podem tomar a solução a 4%. EFEITOS COLATERAIS Ressecamento da boca, queda da pressão arterial provocando tonteiras no momento em que se levanta alterações do ritmo cardíaco, prisão de ventre, visão borrada, aumento de peso, nas mulheres pode provocar alteração do ciclo menstrual, produção pela mama de substância semelhante ao colostro, diminuição do desejo sexual ATENÇÃO Esta medicação não deve ser dada a pacientes com aumento da prós tata, com problemas de epilepsia de difícil controle, com glaucoma. As mulheres gestantes do primeiro trimestre devem evitar a medicação. Os antiácidos a base de alumínio, cálcio ou magnésio podem piorar a absorção do neuleptil por isso devem ser dados com uma diferença de 2 horas antes ou depois

RISPERIDONA
A Risperidona um neuroléptico do grupo benzisoxazol. Sua principal indicação é para o tratamento de sintomas psicóticos, especialmente os pacientes esquizofrênicos que não melhoraram com outras medicações antipsicóticas. SEU USO As apresentações orais de 1, 2 e 3mg facilitam o uso, na maioria dos casos um a dois comprimidos por dia são suficientes (2 a 6mg/dia). A dose será definida pelos benefícios alcançados pelo paciente. EFEITOS COLATERAIS Insônia ou sedação menos freqüentemente que insônia, dores de cabeça, inquietação e ansiedade. Muitas vezes é difícil saber se isto é devido à doença em tratamento ou se é um efeito colateral da medicação. Alterações do batimento cardíaco e queda da pressão arterial podem acontecer. Apesar de pouco freqüentes e fracos, alguns efeitos motores podem se manifestar como tremores, e contrações involuntárias. Alterações no ciclo menstrual ou no desejo sexual podem acontecer. ATENÇÃO Embora não tenha sido relatada até o momento nenhuma má formação fetal não é recomendável sua utilização durante o primeiro trimestre da gestação. As únicas contraindicações para o seu uso são os pacientes alérgicos ao princípio ativo da medicação

SEROQUEL
O Seroquel é a Quetiapina, um neuroléptico do grupo dibenzotiazepina. Suas principais indicações são para o tratamento da esquizofrenia e do transtorno do humor bipolar tanto em fases maníacas como depressivas, principalmente para os pacientes que não se beneficiaram com os antipsicóticos clássicos. Sua principal indicação é para o tratamento das síndromes

29
psicóticas, principalmente para os pacientes que não se beneficiaram com os antipsicóticos clássicos SEU USO A dose de início depende da patologia mental a ser considerada, conforme abaixo: Esquizofrenia ± dose inicial de 50 mg no primeiro dia, aumento para 100 mg no segundo dia, aumento para 200 mg no terceiro dia e assim sucessivamente até 600 mg; se necessário chegar até a dosagem de 750 mg ao dia, dividida em duas tomadas. .. Transtorno do Humor Bipolar ‡ Mania ± dose inicial de 100 mg no primeiro dia, aumento para 200 mg no segundo dia, aumento para 300 mg no terceiro dia e assim sucessivamente até 600 mg; se necessário chegar até a dosagem de 800 mg ao dia, dividida em duas tomadas. ‡ Depressão ± dose inicial de 50 mg no primeiro dia, aumento para 100 mg no segundo dia, aumento para 200 mg no terceiro dia e, finalmente, 300 mg no quarto dia, em dose única noturna. EFEITOS COLATERAIS São poucos, os principais costumam ser boca seca, sonolência, tonturas. Outros efeitos podem surgir, mas costumam diminuir ao longo do tratamento. ATENÇÃO O risco de anomalias na formação fetal é desconhecido, e até o momento não há relatos de acontecimentos nesse sentido, contudo deve-se sempre pesar riscos versus benefícios.

ZYPREXA
O zyprexa é a olanzapina, um neuroléptico tienobenzodiazepínico. Sua principal indicação é o tratamento dos sintomas psicóticos. SEU USO Por enquanto não foi liberado para usar em menores de 18 anos. A dose de início são 5 a 10mg por dia, sendo a dose máxima recomendada 20mg por dia. EFEITOS COLATERAIS Dores de cabeça, sonolência, insônia, agitação, nervosismo, irritabilidade, zumbidos. De forma menos comum podem surgir contrações musculares, enrijecimento dos músculos, inquietação, aumento de peso. ATENÇÃO Pacientes com problemas cardiovasculares devem usar com precaução, bem como os que sofrem de epilepsia. Pacientes com glaucoma de ângulo fechado também devem evitar esta medicação. Ao contrário de outros neurolépticos, o zyprexa não deve ser usado com pacientes com demência. Como todos os neurolépticos são preferíveis evitá-lo durante o primeiro trimestre da gestação.

ANTIMANÍACOS

CARBAMEZAPINA
A carbamazepina é um anticonvulsivante. SEU USO Foi originalmente usado, e continua sendo, para o tratamento da epilepsia, mas encontra bons resultados para o controle do Transtorno Afetivo Bipolar (antigo PMD). Além desta indicação pode também ser usado para controlar a agressividade em pacientes com outros tipos de

30
transtornos mentais, como a demência, o retardo mental e com pacientes psicóticos. Também pode ser udado para tratar a síndrome das pernas inquietas, a abstinência alcoólica e a neuralgia do trigêmio. APLICAÇÃO A dose recomendada varia entre 400 e 800mg por dia, acima disto apenas com indicação médica. Pela sonolência que pode causar é recomendável dar a maior parte da dose à noite. EFEITOS COLATERAIS Reações alérgicas na pele com pequenas placas avermelhadas é relativamente comum, mas não há necessidade de se interromper o tratamento por isso. Sedação, descoordenação motora, tonteiras, cansaço, enjôo e visão borrada são mais comuns de acontecer. ATENÇÃO Não devem ser usadas durante o primeiro trimestre da gestação, há evidências de má formação fetal. Só deve ser usado quando o médico responsável julgar que os benefícios compensam os riscos. O fato de se ter identificado má formações não significa que isto aconteça sempre, mas somente numa pequena parcela das mães que tomam esse remédio. Não deve ser usado junto a antidepressivos do tipo IMAO irreversível.

CARBOLITIUM
O carbolitium é o carbonato de lítio. O carbolim é um sal semelhante ao sal de cozinha. No início do uso dessa medicação quando descobriram o efeito antimaníaco mas ainda , desconhecia o efeito tóxico da superdosagem, carbolim substituiu o sódio (sal de cozinha) no tempero dos alimentos para tratar os pacientes com transtorno afetivo bipolar (antigo PMD). Com o tempo viu-se que o carbolim era tóxico quando ingerido em grande quantidade, e essa prática foi abolida. SEU USO Até o momento o carbolim tem como principal finalidade o tratamento dos estados afetivos alterados (exaltação e/ou depressão) do transtorno bipolar. Muitos pacientes, porém com depressão unipolar (que não alternam depressão com exaltação) também se beneficiam do carbolim quando associado a um antidepressivo. APLICAÇÃO Para evitar sua toxicidade a dose do carbolim deve ser controlada com precisão. Os exames de laboratório ajudam, mas não são indispensáveis. O psiquiatra experiente poderá usar o carbolim com exames esporádicos ou no começo do tratamento. É conveniente que o carbo lim seja distribuído ao longo do dia (manhã, tarde e noite) para diminuir os efeitos colaterais. Para se fazer o exame laboratorial o sangue do paciente deve ser tirado 12 horas depois da última vez que tomou o remédio, ou seja, se tomou às 8 horas da noite deve tirar o sangue às 8 horas da manhã do dia seguinte. EFEITOS COLATERAIS Enjôo e tremores são os efeitos mais comuns: podem ser controlados com outras medicações como o plasil e o propranolol. Nenhuma medicação se equivale ao carbolim, muito poucos pacientes se beneficiam de outro antimaníaco tanto quanto se beneficiam com o carbolim. Por isso é importante o bom controle dos efeitos colaterais para que o paciente não se recuse a tomar essa medicação tão importante. Outros efeitos que costumam incomodar os pacientes são: diarréia, vômitos, fraqueza muscular, cãibras, alteração do ritmo cardíaco, aumento da glândula tireóide depois de vários meses de uso. ATENÇÃO Várias medicações não devem ser tomadas junto ao carbolim, como determinados tipos de antiinflamatórios. Os diuréticos costumam aumentar a concentração do carbolim no sangue dos pacientes. Este efeito tanto pode ser usado para reduzir a dose junto aos pacientes que não toleram os incômodos causados pelo carbolim, como pode provocar intoxica ção caso não se faça corretamente esse ajuste. Todas as medicações irritantes do estômago potencializarão os efeitos de náuseas e vômitos causados pelo carbolim, como as bebidas alcoólicas. Embora

31
não se tenha provado que o carbolim seja nocivo durante o primeiro trimestre de gestação, é preferível evitá-lo. Existem pesquisas que afirmam que o carbolim causa má formação fetal e existem estudos que afirmam que o carbolim não causa má formação fetal.

LAMITOR
O Lamitor é um novo anticonvulsivante que vem apresentando bons resultados também para a mania. SEU USO A dose de manutenção varia entre 100 e 200mg, podendo quando necessário chegar a 450mg. A introdução da medicação deve ser gradual, iniciando-se com 25mg e elevando-se de acordo com os resultados, os pacientes mais sensíveis devem ter a dose elevada mais lentamente e os demais podem seguir um ritmo mais rápido até se obter o máximo de efeito antimaníaco com o mínimo de dose. EFEITOS COLATERAIS Eventos adversos, relatados durante a monoterapia com lamictal, incluem cefaléia, cansaço, exantema, náuseas, vertigem, sonolência e insônia. Outras reações adversas incluem: diplopia, visão turva, conjuntivite, vertigem, sonolência, cefaléia, cansaço, distúrbios gastrintestinais (incluindo vômitos e diarréia), irritabilidade/agressividade, agitação, confusão e alucinações.

TEGRETOL
A tegretol é a carbamazepina, um anticonvulsivante. SEU USO Foi originalmente usado, e continua sendo, para o tratamento da epilepsia, mas encontra bons resultados para o controle do Transtorno Afetivo Bipolar (antigo PMD). Além desta indicação pode também ser usado para controlar a agressividade em pacientes com o utros tipos de transtornos mentais, como a demência, o retardo mental e com pacientes psicóticos. Também pode ser usado para tratar a síndrome das pernas inquietas, a abstinência alcoólica e a neuralgia do trigêmio. SEU USO A dose recomendada varia entre 400 e 800mg por dia, acima disto apenas com indicação médica. Pela sonolência que pode causar é recomendável dar a maior parte da dose à noite. EFEITOS COLATERAIS Reações alérgicas na pele com pequenas placas avermelhadas é relativamente comum, mas não há necessidade de se interromper o tratamento por isso. Sedação, descoordenação motora, tonteiras, cansaço, enjôo e visão borrada são mais comuns de acontecer. ATENÇÃO Não deve ser usado durante o primeiro trimestre da gestação, há evidências de má formação fetal. Só deve ser usado quando o médico responsável julgar que os benefícios compensam os riscos. O fato de se ter identificado má formações não significa que isto aconteça sempre, mas somente numa pequena parcela das mães que tomam esse remédio. Não deve ser usado junto a antidepressivos do tipo IMAO irreversível.

TOPAMAX
O topamax é o topiramato, um novo antiepilético com forte ação antimaníaca e controlador de agressividade SEU USO O topamax é uma medicação que apresenta forte efeito também sobre a capacidade de concentração, devendo, por isso, ser elevado gradualmente para que o prejuízo nessa área seja o mínimo possível. Quando necessário a elevação da dose pode levar três meses ou mais para atingir a dose adequada, pois, algumas vezes, pode ser necessária uma elevação lenta,

32
dependendo de cada paciente. Recomenda-se o intervalo de uma semana para acrescentar 50mg da medicação, ou 25mg. A dose máxima recomendada é de 1.600mg por dia. Como ele tem um tempo de ação longo pode ser administrado uma vez ao dia, ou distribuído ao longo do dia para diminuir os efeitos colaterais. EFEITOS MAIS COMUNS O mecanismo de ação do topiramato não está completamente esclarecido, mas observa -se uma atuação sobre o GABA elevando sua atividade e bloqueando a ação do glutamato. Por ser uma medicação nova não houve ainda tempo suficiente para se es tudar todas as aplicações dessa medicação, mas a eficácia para a epilepsia e para a mania já está bem definida. Uma área promissora para essa medicação talvez venha a ser para o tratamento do estresse póstraumático que permanece com resultados parciais ou demorados no tratamento.

LAMICTAL
O lamictal é a lamotrigina, um novo anticonvulsivante que vem apresentando bons resultados também para a mania. SEU USO A dose de manutenção varia entre 100 e 200mg, podendo quando necessário chegar a 450mg. A introdução da medicação deve ser gradual, iniciando-se com 25mg e elevando-se de acordo com os resultados, os pacientes mais sensíveis devem ter a dose elevada mais lentamente e os demais podem seguir um ritmo mais rápido até se obter o máximo de efeito antimaníaco com o mínimo de dose. Efeitos Colaterais Eventos adversos, relatados durante a monoterapia com lamictal, incluem cefaléia, cansaço, exantema, náuseas, vertigem, sonolência e insônia. Outras reações adversas incluem: diplopia, visão turva, conjuntivite, vertigem, sonolência, cefaléia, cansaço, distúrbios gastrintestinais (incluindo vômitos e diarréia), irritabilidade/agressividade, agitação, confusão e alucinações.

TRILEPTAL
O Trileptal é a oxcabazepina, um derivado da carbamazepina, ambos são anticonvulsivantes e eficazes na resolução de quadro afetivo, principalmente do tipo maníaco. SEU USO A dose recomendada para o tratamento psiquiátrico varia de 600 a 1.200mg por dia. Os comprimidos de 300mg e a solução com 60mg/ml têm por finalidade facilitar essa dosagem. Efeitos Colaterais Os efeitos colaterais do auram são transitórios e menos intensos do que os da carbamazepina, acontecendo mais no começo do tratamento. Os mais comuns são cansaço, v ertigem, sonolência e dores de cabeça. Outros efeitos colaterais menos comuns são tremores, dificuldades de memória, zumbidos. Outra vantagem dessa medicação é seu baixo potencial de interações, uma vez que não atua sobre o citocromo P450 como os anticonvu lsivantes mais antigos o que resulta numa ampla gama de interações. Isso, contudo, não significa que a oxcabazepina esteja isenta de efeitos colaterais.

VERAPAMIL
O verapamil é o verapamil, um bloqueador de canal de cálcio. SEU USO O verapamil é um remédio usado para tratar hipertensão arterial, mas, casualmente, foi detectada sua eficácia em pacientes com exaltação do humor (mania), sendo, portanto útil para o transtorno afetivo bipolar (antiga PMD). Essa medicação pode ser especialmente útil para tratar os pacientes psiquiátricos com o distúrbio acima e que sejam ao mesmo tempo hipertensos; assim seria possível, em tese, tratar dois problemas médicos com uma só medicação.

33
APLICAÇÃO O principal inconveniente com a dilacoron é o fato de não poder ser usado junto com o lítio, o principal remédio para o tratamento do transtorno afetivo bipolar. Este fato limita muito o uso do dilacoron. EFEITOS MAIS COMUNS Têm ação sobre o sistema cardiovascular, proporcionando dilatação das artérias com conseqüente redução da pressão arterial; é usado, por isso, para tratar também pacientes com dor no peito (por falha do coração) e certos tipos de arritmias cardíacas. Os principais efeitos colaterais são tonteiras, redução do ritmo cardíaco, enjôo, dores de cabeça. ATENÇÃO Têm ação sobre o sistema cardiovascular, proporcionando dilatação das artérias com conseqüente redução da pressão arterial; é usado, por isso, para tratar também pacientes com dor no peito (por falha do coração) e certos tipos de arritmias cardíacas. Os principais efeitos colaterais são tonteiras, redução do ritmo cardíaco, enjôo, dores de cabeça.

ANTIDEMENCIAIS

ALOIS
O Alois e a memantina uma medicação que pode reduzir a deterioração intelectual e a perda de funções em pacientes que sofrem da doença Alzheimer. A memantina é um tratamento sintomático para a doença de Alzheimer, e não a sua cura. Ela produz um retardo na progressão da doença por algum tempo SEU USO Os efeitos são pequenos mas clinicamente evidentes nos pacientes que tomam 20 miligramas de memantina durante 28 semanas.A publicação, da organização Cochrane Collaboration, que avalia as pesquisas médicas, disse que essas conclusões se basearam na análise de nove estudos, dos quais participaram 2.339 pacientes com Alzheimer. A agência reguladora de alimentos e medicamentos nos Estados Unidos, a FDA, aprovou o uso de memantina em casos moderados e graves de Alzheimer em 2003, um ano depois da ratificação pela agência européia de remédios. EFEITOS COLATERAIS Dentre os psicofármacos a memantina é das que menos efeitos colaterais produz tanto no curto quanto no uso de longo prazo, quando comparada ao placebo (pílula de farinha) a memantina provocou menos efeitos colaterais. Os efeitos mais encontroados são: agitação, incontinência urinária, diarréia, insônia, tonteira, dor de cabeça. ATENÇÃO Por ser uma medicação relativamente nova recomendam-se atenção para possíveis efeitos ainda não conhecidos.

EXELON
O exelon é a rivastigmina, um inibidor da acetilcolinesterase. Os estudos feitos com a memória mostram que a acetilcolina é uma substância muito envolvida no processo de armazenamento e resgate das informações no cérebro. A falta dessa substância prejudica as funções da memória. Essa medicação, por inibir a enzima que degrada a acetilcolina, permite que ela permaneça em níveis mais elevados, melhorando a performance mental. Não há indícios de que atue como revigorante da memória para pessoas sem problemas mentais. SEU USO A dose inicial normalmente é iniciada com 1,5 mg duas vezes ao dia, sendo lentamente elevada (intervalo de 2 semanas) até 12mg por dia, distribuídas ao longo do dia. A cápsula não

34
deve ser aberta, esse procedimento é feito muitas vezes para facilitar a ingestão da medicação, mas isso pode comprometer a eficácia. EFEITOS COLATERAIS Os efeitos colaterais costumam ceder com a redução da dose.Pode-se manter a dose esperando até o organismo se acostumar ao remédio. Os efeitos colaterais mais comuns são: náuseas, vômitos, dor abdominal, perda de apetite, agitação, insônia ou sonolência, tonteiras, cefaléia. Poucos pacientes precisam interromper o exelon por intolerância à medicação. ATENÇÃO Como não há muitas medicações disponíveis para as demências, os médicos podem sentir se tentados a prescrevê-los para qualquer diagnóstico de demência, o que não é recomendáv A el. demência multi-infarto, o segundo tipo mais freqüente de demência, não costuma melhorar com o exelon. Por outro lado esses pacientes estão mais sujeitos a terem convulsões devido aos problemas cerebrais, o que pode ser agravado pelo exelon.

REMINYL
O Reminyl é a galantamina, um inibidor reversível da acetilcolinesterase, o grupo de medicações que vem obtendo sucesso no controle da demência do tipo Alzheimer, principalmente nas leves a moderadas. SEU USO A dose terapêutica varia de 8 a 24mg, devendo ser administrada em duas tomadas ao dia, um após o café da manhã e outra após o jantar.

EFEITOS COLATERAIS Há poucos efeitos colaterais provocados pela galantamina, os principais são náuseas, vômitos, diarréia e dor abdominal, perda de apetite, tonteiras, dores de cabeça. Considerações importantes Como as medicações deste grupo farmacológico podem levar a perda de peso, deve -se acompanhar o peso do paciente ao longo do tratamento uma vez que a demência de Alzheimer cursa com emagrecimento.

35

HIPNÓTICOS
DALMADORM
O dalmadorm é o flurazepam, um hipnótico (medicação usada para induzir sono) do grupo dos benzodiazepínicos EFEITOS MAIS COMUNS A indução ao sono começa em 15 a 20 minutos sendo o pico de ação de 3 a 6 horas e o tempo de duração do efeito de 7 a 8 horas. A eliminação completa do organismo leva mais de um dia. Como todo benzodiazepínico possui o efeito de sedação. O motivo pelo qual se diferencia um tranqüilizante de um hipnótico é seu tempo de ação. Os hipnóticos devem possuir as seguintes características: rápido início de ação para que o usuário durma logo depois de tomá-lo, e rápido tempo de eliminação para que o usuário não fique sonolento depois da hora de acordar. Os tranqüilizantes devem agir durante mais tempo e não tão intensamente, permitindo que o efeito de tranqüilização se sobreponha ao hipnótico. APLICAÇÃO O uso da medicação para ajudar a dormir é o modo mais fácil de regularizar o sono, basta tomar um comprimido antes de dormir, mas esta não deve ser a primeira alternativa para se solucionar insônias. Muitas vezes é necessário mudar alguns hábitos como não dormir durante o dia, não tomar mais do que cinco xícaras de café por dia e nenhum café depois das 16:00h; evitar atividades físicas antes de dormir, bem como filmes excitantes. As medicações com possível efeito estimulante devem ser tomadas o mais cedo possível. Antes de tudo isso seja feito é necessário verificar as causas da insônia. É comum um paciente ter como principal queixa a insônia, mas, na verdade, estar deprimido, por exemplo. Nesses casos um remédio para dormir não vai resolver: tem que ser feito o tratamento para a depressão. Na medida em que os sintomas depressivos cedem (e a insônia é um deles) o sono se regulariza. ATENÇÃO Caso dois comprimidos não estejam fazendo efeito significa que está na hora de mudar de medicação. As substâncias que deprimem o cérebro como anti-histamínicos, álcool, barbitúricos potencializam o efeito dos hipnóticos. Não há relatos de má formação do feto devidos a esta medicação: contudo, podendo ser evitada no primeiro trimestre, é preferível

DORMONID
O dormonid é o midazolam, um hipnótico (medicação usada para induzir ao sono) do grupo dos benzodiazepínicos EFEITOS MAIS COMUNS A indução ao sono começa em 15 minutos, sendo o pico de ação de 30 minutos a 1 hora e o tempo de duração do efeito de 2 a 6 horas. Como todo benzodiazepínico possui o efeito de sedação, o motivo pelo qual se usa e classifica o dormire como um hipnótico, é seu tempo de ação. Os hipnóticos devem possuir as seguintes características: rápido início de ação para que o usuário durma logo depois de tomá-lo, e rápido tempo de eliminação para que o usuário não fique sonolento depois da hora de acordar. Por seu curto tempo de ação, apesar de ter efeito calmante não deve ser usado com essa finalidade. APLICAÇÃO O uso da medicação para ajudar a dormir é o modo mais fácil de regularizar o sono: basta tomar um comprimido antes de dormir. Muitas vezes é necessário mudar alguns hábitos, como não dormir durante o dia, não tomar mais do que cinco xícaras de café por dia e nenhum café depois das 16h00minh; evitar atividades físicas antes de dormir bem como filmes excitantes.

36
As medicações com possível efeito estimulante devem ser tomadas o mais cedo possível. Antes que tudo isso seja feito é necessário verificar as causas da insônia. É comum um paciente ter como principal queixa a insônia, mas na verdade estar deprimido, por exemplo. Nesses casos um remédio para dormir não vai resolver: tem que ser feito o tratamento para a depressão. Na medida em que os sintomas depressivos cedam (e a insônia é um deles) o sono se regulariza. ATENÇÃO Pacientes com cirrose hepática terão o tempo de ação dessa medicação prolongada. As substâncias que deprimem o cérebro como anti-histamínicos, álcool, barbitúricos potencializam o efeito do dormire. Há evidências de má formação do feto, quando usado durante o primeiro trimestre: mesmo sendo isso raro só será recomendável seu uso quando os benefícios forem superiores aos potenciais riscos. Pacientes com as seguintes doenças devem receber uma atenção especial para o uso do dormire: pacientes com insuficiência cardíaca, insuficiência renal ou hepática, com problemas respiratórios e idosos.

HALCION
O halcion é o triazolam, um potente benzodiazepínico indutor do sono EFEITOS MAIS COMUNS O triazolam é caracterizado por atuar intensamente durante um curto intervalo de tempo, sendo considerado dos mais fortes soníferos produzidos. Além dos efeitos colaterais comuns aos benzodiazepínicos o trizolam pode provocar lacunas de memória onde a pessoasob efeito dessa medicação adota comportamentos estranhos à sua própria natureza sem que depois venha a se recordar disso. Esse efeito talvez só ocorra em pessoas predispostas a alterações de comportamento quando entorpecidas, uma vez que fatos semelhante podem ser s observados em certas pessoas quando alcoolizadas. Assim não se pode atribuir a essa medicação a característica de induzir a comportamentos anormais. Nem todas as pessoas que tomam essa medicação estão sujeitas a apresentar esta reação indesejáv O trizolam foi el. reintroduzido no mercado por mostrar-se seguro para o uso popular SEU USO A dose empregada costuma ser de 0,125 a 0,25 mg via oral ao deitar-se. Não há testes para o uso em crianças e adolescentes. Os idosos devem fazer o uso de forma cautelosa. Para aqueles que nunca usaram hipnóticos, não é recomendável tomar esse como estréia: o triazolam deve ser administrado para idosos que já venham em uso de outros hipnóticos sem sucesso. Esta medicação é completamente contra-indicada para mulheres grávidas

NEUROLIL
O neurolil é a zopiclona, um hipnótico (medicação usada para induzir ao sono) do grupo das ciclopirrolonas, constituindo a 3ª geração de medicações utilizadas para dormir. Primeiro vieram os barbitúricos, depois os benzodiazepínicos e agora as ciclopirrolonas SEU USO E EFEITOS MAIS COMUNS A dose recomendada varia entre 3,75 e 15mg (1/2 a 2 comp.). O NEUROLIL induz rapidamente ao sono, aumenta a duração do sono e diminui o número de vezes que a pessoa acorda durante a noite. De forma mais fraca que hipnóticos de 1ª e 2ª gerações também possuem efeito ansiolítico, anticonvulsivante e relaxante muscular. O início de sua ação sedativa se dá em aproximadamente 30 minutos, distribui-se rapidamente pelo corpo, sendo, também, rapidamente eliminado, não afetando o despertar no dia seguinte. Aproximadamente metade dessa medicação é eliminada a cada 5 horas, já no idoso esse tempo aumenta para 6 a 8 horas, em pessoas com mais de 80 anos. Da mesma forma pessoas com o fígado com prévio mau funcionamento terá uma eliminação retardada. Em comparação com as medicações dos outros grupos o Imovane modifica menos a fisiologia do sono, induzindo a um sono mais natural. A principal vantagem do neurolil é a capacidade de manter a eficácia ao longo do tempo. Os hipnóticos de primeira e segunda geração tendem a perder o efeito depois de alguns meses de uso. Os testes iniciais mostraram que o Imovane mantém a eficácia mesmo depois de 4 meses. Os pacientes que testaram essa medicação em estudos controlados disseram q o despertar ue

37
não foi comprometido pela medicação. Os efeitos colaterais foram poucos e dificilmente levaram a suspensão do tratamento. Os principais são: boca amarga, boca seca, tonteiras, náuseas, pesadelos, dor abdominal, agitação, dor de cabeça ATENÇÃO Testes feitos com animais mostraram que a potencialidade tóxica é muito baixa; mesmo usando doses bem altas os animais em teste não sofreram conseqüências irreversíveis. Da mesma forma os testes em animais gestantes também não apresentaram nenhuma má formação, o que não significa que o uso no primeiro trimestre de gestação esteja livre: isto só deve ser feito quando os benefícios superarem os riscos

IMOVANE
O imovane é a zopiclona, um hipnótico (medicação usada para induzir ao sono) do grupo das ciclopirrolonas, constituindo a 3ª geração de medicações utilizadas para dormir. Primeiro vieram os barbitúricos, depois os benzodiazepínicos e agora as ciclopirrolonas SEU USO E OS EFEITOS MAIS COMUNS A dose recomendada varia entre 3,75 e 15mg (1/2 a 2 comp.). O Imovane induz rapidamente ao sono, aumenta a duração do sono e diminui o número de vezes que a pessoa acorda durante a noite. De forma mais fraca que hipnóticos de 1ª e 2ª gerações também possui efeito ansiolítico, anticonvulsivante e relaxante muscular. O início de sua ação sedativa se dá em aproximadamente 30 minutos, distribui-se rapidamente pelo corpo, sendo, também, rapidamente eliminado, não afetando o despertar no dia seguinte. Aproximadamente metade dessa medicação é eliminada a cada 5 horas, já no idoso esse tempo aumenta para 6 a 8 horas, em pessoas com mais de 80 anos. Da mesma forma pessoas com o fígado com prévio mau funcionamento terão uma eliminação retardada. Em comparação com as medicações dos outros grupos o Imovane modifica menos a fisiologia do sono, induzindo a um sono mais natural. A principal vantagem do Imovane é a capacidade de manter a eficácia ao longo do tempo. Os hipnóticos de primeira e segunda geração tendem a perder o efeito depois de alguns meses de uso. Os testes iniciais mostraram que o Imovane mantém a eficácia mesmo depois de 4 meses. Os pacientes que testaram essa medicação em estudos controlados disseram que o despertar não foi comprometido pela medicação. Os efeitos colaterais foram poucos e dificilmente levaram a suspensão do tratamento. Os principais são: boca amarga, boca seca, tonteiras, náuseas, pesadelos, dor abdominal, agitação, dor de cabeça ATENÇÃO Testes feitos com animais mostraram que a potencialidade tóxica é muito baixa; mesmo usando doses bem altas os animais em teste não sofreram consequências irreversíveis. Da mesma forma os testes em animais gestantes também não apresentaram nenhuma má formação, o que não significa que o uso no primeiro trimestre de gestação esteja livre: isto só deve ser feito quando os benefícios superarem os riscos

NITRAZEPAM
O Nitrazepam é o nitrazepan, um hipnótico (medicação usada para induzir ao sono) do grupo dos benzodiazepínicos. EFEITOS MAIS COMUNS Como todo benzodiazepínico possui o efeito de sedação, o motivo pelo qual se usa e classifica o nitrapan como um hipnótico é seu tempo de ação. Os hipnóticos devem possuir as seguintes características: rápido início de ação para que o usuário durma logo depois de tomá-lo, e rápido tempo de eliminação para que o usuário não fique sonolento depois da hora de acordar. Algumas pessoas apresentam alteração do paladar enquanto tomam essa medicação. Outros efeitos colaterais que podem perturbar são: boca seca, descoordenação motora, esquecimentos, dor de cabeça, zumbidos.

38
APLICAÇÃO O uso da medicação para ajudar a dormir é o modo mais fácil de regularizar o sono basta tomar um comprimido antes de dormir. Muitas vezes é necessário mudar alguns hábitos como não dormir durante o dia, não tomar mais do que 5 xícaras de café por dia e nenhum café depois das 16:00h, evitar atividades físicas antes de dormir bem como filmes excitantes. As medicações com possível efeito estimulante devem ser tomadas o mais cedo possível. Antes que tudo isso seja feito é necessário verificar as causas da insônia. É comum um paciente ter como principal queixa a insônia, mas na verdade estar deprimido por exemplo. Nesses casos um remédio para dormir não vai resolver, tem que ser feito o tratamento para a depressão, na medida em que os sintomas depressivos cedem (e a insônia é um deles) o sono se regulariza. ATENÇÃO NA GESTAÇÃO Caso dois comprimidos não estejam fazendo efeito significa que está na hora de mudar de medicação. As substâncias que deprimem o cérebro como anti-histamínicos, álcool, barbitúricos potencializam o efeito do nitrapan. Sob nenhuma circunstância o nitrazepan pode ser usado durante o primeiro trimestre de gestação. Pessoas e crianças que apresentem parada respiratória temporária durante a noite não podem tomar essa medicação.

ROHYDORM
O Rohydorm é o flunitrazepan, um hipnótico (medicação usada para induzir ao sono) do grupo dos benzodiazepínicos SEU USO O uso da medicação para ajudar a dormir é o modo mais fácil de regularizar o sono. Basta tomar um comprimido antes de dormir. Muitas vezes é necessário mudar alguns hábitos como não dormir durante o dia, não tomar mais do que cinco xícaras de café por dia e nenhum café depois das 16:00h, evitar atividades físicas antes de dormir, bem como filmes excitantes. As medicações com possível efeito estimulante devem ser tomadas o mais cedo possível. Antes que tudo isso seja feito é necessário verificar as causas da insônia. É comum um paciente ter como principal queixa a insônia, mas na verdade estar deprimido. Nesses casos um remédio para dormir não vai resolver, tem que ser feito o tratamento para a depressão. Na medida em que os sintomas depressivos cedem (e a insônia é um deles) o sono se regulariza. A dose recomendada é de um ou dois comprimidos meia hora antes de deitar aproximadamente. ATENÇÃO O Rohydorm não deve ser tomado por tempo indeterminado. Recomenda-se por um ou dois meses: depois disso pode perder a eficácia. Não há problemas quanto ao uso esporádico, sendo administrado apenas nas noites que surgem insônia. Deve ser evitado em mulheres gestantes durante o primeiro trimestre. O uso concomitante ao álcool, anti-histamínicos de ação sobre o sistema nervoso central, outros sedativos como os barbitúricos aumentam a intensidade do sono proporcionado pelo Rohydorm.

ZOPICLONA
A zopiclona é um hipnótico (medicação usada para induzir ao sono) do grupo das ciclopirrolonas, constituindo a 3ª geração de medicações utilizadas para dormir. Primeiro vieram os barbitúricos, depois os benzodiazepínicos e agora as ciclopirrolonas. SEU USO E EFEITOS MAIS COMUNS A dose recomendada varia entre 3,75 e 15mg (1/2 a 2 comp.). O zopiclona induz rapidamente ao sono, aumenta a duração do sono e diminui o número de vezes que a pessoa acorda durante a noite. De forma mais fraca que hipnóticos de 1ª e 2ª gerações também possuem efeito ansiolítico, anticonvulsivante e relaxante muscular. O início de sua ação sedativa se dá em aproximadamente 30 minutos, distribui-se rapidamente pelo corpo, sendo também rapidamente eliminado, não afetando o despertar no dia seguinte. Aproximadamente metade dessa medicação é eliminada a cada 5 horas, já no idoso esse tempo se aumenta para 6 a 8 horas em pessoas com mais de 80 anos. Da mesma forma pessoas com o fígado mal

39
funcionante terão uma eliminação retardada. Em comparação com as medicações dos outros grupos o zopiclona modifica menos a fisiologia do sono, induzindo a um sono mais natural. A principal vantagem do zopiclona é a capacidade de manter a eficácia ao longo do tempo. Os hipnóticos de primeiras e segundas gerações tendem a perder o efeito depois de alguns meses de uso. Os testes iniciais mostraram que o zopiclona mantém a eficácia mesmo depois de 4 meses. Os pacientes que testaram essa medicação em estudos controlados disseram que o despertar não foi comprometido pela medicação. Os efeitos colaterais foram poucos e dificilmente levaram a suspensão do tratamento. Os principais são: boca amarga, boca seca, tonteiras, náuseas, pesadelos, dor abdominal, agitação, dor de cabeça. ATENÇÃO Testes feitos com animais mostraram que a potencialidade tóxica é muito baixa, mesmo usando doses bem altas os animais em teste não sofreram consequências irreversíveis. Da mesma forma os testes em animais gestantes também não apresentaram nenhuma má formação, o que não significa que o uso no primeiro trimestre de gestação esteja livre, isto só deve ser feito quando os benefícios superarem os riscos.

OUTROS PSICOFÁRMACOS
AKINETON
O akineton é o biperideno, uma medicação anticolinérgica usada para tratar a doença de Parkinson. Os psiquiatras usam para controlar os efeitos colaterais dos antipsicóticos. O akineton não possui nenhum efeito sobre o funcionamento mental, apenas sobre as funções motoras SEU USO A dose depende da quantidade de antipsicótico administrada ao paciente, bem como a sensibilidade aos efeitos motores provocados pelos antipsicóticos. Geralmente os psiquiatras recomendam que seja tomado junto com o antipsicótico. Por exemplo: se um paciente toma um comprimido pela manhã, outro à tarde e outro à noite de algum antipsicótico, o akineton deve ser tomado também pela manhã, à tarde e à noite. Crianças de 1 a 5 anos podem tomar 0,5 a 3mg por dia, de 6 a 12 anos de 4 a 12mg ao dia. A dose prescrita mesmo para adultos costuma variar entre 6 e 12mg ao dia. EFEITOS COLATERAIS Ressecamento das mucosas, principalmente da boca, visão turva, prisão de ventre. No caso de confusão mental a medicação deverá ser suspensa. Essa decisão, contudo, só pode ser tomada pelo psiquiatra, pois só ele sabe com precisão o que está acontecendo com o paciente. ATENÇÃO Não devem ser dadas a pessoas com glaucoma de ângulo fechado nem a pessoas com problemas do trânsito intestinal. Não há evidências de má formação fetal, isso, contudo, não permite o uso livre, e deve ser usado durante a gestação apenas quando necessário

DISSULFIRAM - ANTIETANOL ( PARA O ALCOOLISMO)
O antietanol é o dissulfiram uma substância sem atividade psicotrópica que inibe uma das enzimas de metabolização do álcool, provocando acúmulo desse metabólito no organismo e conseqüentemente forte mal estar mesmo para doses pequenas de álcool. EFEITOS MAIS COMUNS A enzima aldeído-desidrogenase é específica para eliminar o acetaldeído derivado do etanol. Como normalmente não ingerimos quantidade significativa de álcool, a inibição dessa enzima não é percebida por quem faz uso de dissulfiram e não bebe nada contendo álcool. Contudo, o

40
acúmulo no organismo de acetaldeído traz vários efeitos como sensação de calor na face e enrubecimento facial concomitantes, mas que podem atingir outras áreas do corpo. Dores de cabeça latejante, náuseas, vômitos, fraqueza, dor no peito, falta de ar, taquicardia, palpitações, confusão mental, hipotensão e até choque. Reações mais graves como depressão respiratória, arritmias cardíacas e convulsões, podem provocar o óbito no paciente que fizer uso de álcool junto ao dissulfiram.

ATENSINA
A atensina é a clonidina, um tipo de anti-hipertensivo. Além de auxiliar no controle da pressão arterial atua também com outras funções. Na psiquiatria é a terceira alternativa para o tratamento da hipertatividade com défict de atenção nas crianças. Ajuda também a controlar a abstinência à heroína e à nicotina, a controlar a enxaqueca e o glaucoma. SEU USO Crianças devem começar tomando a dose de 5 a 10 microgramas por Kg de peso divididas em 2 a 3 tomadas ao dia. A dose pode ser elevada a cada 5 a 7 dias na quantidade de 25 microgramas por Kg de peso até o máximo de 0,9mg por dia. Adultos podem começar com 0,1mg duas vezes ao dia, sendo a dose máxima recomendada de 2,4mg ao dia . EFEITOS MAIS COMUNS Apesar de não ser tão eficaz quanto a ritalina no controle da hiperatividade, algumas crianças que não obtiveram bons resultados com esta medicação, podem se beneficiar do atensina. Para quem não é hipertenso o principal efeito colateral é a queda da pressão quando o paciente se levanta, causando tonteiras e vertigens nesse momento. Outros efeitos como sonolência, ansiedade dores de cabeça, diminuição do desejo sexual são comuns ATENÇÃO A interrupção deve ser gradual também, não sendo recomendável a interrupção abrupta. Como esta medicação também pode causar diminuição dos reflexos, as pessoas, que operam máquinas potencialmente perigosas, devem redobrar os cuidados, e checarem diariamente se suas condições de atenção são suficientes para o desempenho do trabalho. Mesmo não havendo indícios de má formação do feto, esta medicação não está liberada para uso irrestrito durante o primeiro trimestre da gestação.

CAMPRAL
O campral é o acamprosato, uma medicação cuja principal ação é evitar a recaída alcoólica. Seu mecanismo de ação é o favorecimento da ação gabaérgica, assim como os benzodiazepínicos (tranqüilizantes), contudo o mecanismo de ação do acamprosato ainda não foi esclarecido. A ação do acamprosato é semelhante ao de aminoácidos neurotransmissores como a taurina e o ac. homocisteínico que exercem ação anti-excitatória. EFEITOS MAIS COMUNS O acamprosato não tem ação psicotrópica assim como os antidepressivos ou antipsicóticos. A finalidade do acamprosato é inibir a vontade de ingerir bebidas alcoólicas, portanto inibir uma disfunção, um desejo que não acontece normalmente, mas apenas nos dependentes do álcool. Esta medicação possui muito poucos efeitos indesejáveis, sendo os gastrintestinais os mais comuns como enjôo e náuseas; como isso também pode acontecer por abstinência ao álcool não há como ter certeza se o que se passa é uma reação adversa ou abstinência. A diferenciação entre uma coisa e outra pode ser possível apenas com o aumento da dose: se piorar, provavelmente é por causa da medicação. Somente o clínico assistente poderá ter condições e dados suficientes quanto ao procedimento a ser tomado. APLICAÇÃO A dose da medicação é elevada gradualmente até totalizar seis comprimidos por dia; para pessoas abaixo de 60Kg é recomendável quatro comprimidos por dia.

41

CONCERTA
A Concerta é o metilfenidato, um estimulante do grupo dos anfetamínicos. Suas principais indicações são para o tratamento do défict de atenção com hiperatividade em crianças e depressão no idoso. Existe muito preconceito contra essa medicação, mesmo por parte de médicos. Apesar das substâncias desse grupo serem muitas vezes usadas de forma ilegal por proporcionarem estados alterados de consciência. Sua eficácia e segurança médicas quando são usadas corretamente, estão mais do que comprovadas. SEU USO O concerta apesar de possuir o mesmo princípio ativo da Ritalina (o metilfenidato), apresenta uma forma de liberação prolongada que a diferencia bastante. O metilfenidato é uma substância cujo tempo de ação é curto e rápido, proporcionando ao pacientes picos de s melhora intensos e pouco duradouros, já o metilfenidato do concerta tem um dispositivo em sua cápsula que permite a liberação ao longo de várias horas, produzindo um efeito equivalente a tomar de hora em hora pequenas doses. Com uma dose única diária é proporcionado uma cobertura para todo o dia. A dose varia de 18mg, 36mg e 54mg, este último não está disponível no Brasil. A medicação deve ser administrada pela manhã. ATENÇÃO NA GESTAÇÃO Não deve ser usada em pacientes em uso de tranilcipromina ou equivalente, em pacientes com arritmias cardíacas, com a síndrome de Tourette, em pacientes psicóticos, com distúrbios de movimentos e com problemas na produção de células sanguíneas. É preferível evitar durante o primeiro trimestre da gestação, apesar de nunca ter sido comunicado efeito deletério no feto.

FENERGAN
O fenergan é a prometazina, um anticolinérgico e anti-histamínico. É usado em psiquiatria para combater o efeito colateral dos antipsicóticos e para induzir o sono. SEU USO Só há uma apresentação no mercado com o comprimido com da dose de 25mg. O comprimido pode ser dividido e administrado ao longo do dia acompanhando a dose do antipsicótico; preferencialmente a dose do fenergan deve ser concentrada à noite, pois como é uma medicação que dá muito sono assim é preferível. O efeito anti-histamínico é o responsável pela sonolência. EFEITOS COLATERAIS Como anticolinérgico produz os efeitos clássicos de ressecamento da boca, visão embaçada, prisão de ventre e retenção urinária. A intensidade dos problemas causados devem sempre ser comparadas aos benefícios proporcionados. ATENÇÃO Apesar de nunca se ter identificado problemas de má formação fetal em humanos é recomendável evitá-lo durante o primeiro trimestre de gestação, a menos que o clínico indique seu uso

PROPANOLOL
Os nomes comerciais e genéricos são os mesmos. Esta medicação é um anti-hipertensivo usado em psiquiatria para conter o tremor causado por certos psicotrópicos. SEU USO Para o uso no controle dos tremores o psiquiatra deve acompanhar a pressão arterial do paciente, evitando que ela diminua mais do que 10% dos níveis basais, nem deixando que a freqüência cardíaca caia para valores abaixo de 60 bpm. Esses devem ser os parâmetros de guia para o escalonamento da dose. A quantidade de medicação usada deve estar de acordo com o peso do paciente.

42
EFEITOS COLATERAIS Para quem não tem pressão alta o principal efeito colateral será a queda da pressão, levando a tonteiras no momento em que se levanta. Outros efeitos comuns são: leve sonolência, aumento da produção de catarro, ressecamento das mucosas, enjôo. ATENÇÃO Quando usada dentro dos parâmetros citados, dificilmente essa medicação oferece problemas. Recomenda-se evitar durante o primeiro trimestre da gestação, apesar de nunca se ter identificado uma má formação decorrente do seu uso.

REVIA (PARA O ALCOOLISMO)
O revia é a naltrexona, atualmente está sendo usada para diminuir ou mesmo abolir o desejo pelo álcool em paciente dependentes. É uma medicação antiga usada ainda para bloquear o efeito das substâncias derivadas do ópio, como a morfina e a heroína. O uso da revia após administração prolongada desses agentes opióides, provoca uma imediata reação de abstinência. SEU USO Recomenda-se o uso de 50mg por dia durante três meses para o tratamento da abstinência do álcool, ou sempre que for necessário e indicado pelo médico .EFEITOS COLATERAIS É importante diferenciar os efeitos colaterais causados pela medicação dos efeitos da abstinência ao álcool quando o remédio é administrado durante a retirada do álcool. A dificuldade reside na coincidência que há nos sintomas de ambas as situações, tornando impossível às vezes esta diferenciação. Os mais comuns efeitos são: insônia, nervosismo, dores de cabeça, enjôo, vômitos, falta de apetite, tonteiras.

RITALINA (ANTI ± TDA)
A ritalina é o metilfenidato, um estimulante do grupo dos anfetamínicos. Suas principais indicações são para o tratamento do défict de atenção com hiperatividade em crianças e depressão no idoso. Existe muito preconceito contra essa medicação, mesmo por parte de médicos. Apesar das substâncias desse grupo serem muitas vezes usadas de forma ilegal por proporcionarem estados alterados de consciência. Sua eficácia e segurança médicas quando são usadas corretamente, estão mais do que comprovadas. SEU USO A dose usada em crianças a partir de seis anos varia entre 2,5 a 5mg por dia inicialmente, que pode ser elevada ao máximo de 60mg por dia. A dose, de acordo com o peso da criança, é de 2mg / Kg de peso. As doses devem ser dadas preferencialmente pela manhã e na hora do almoço, para não prejudicar o sono. Esta medicação é retirada rapidamente de circulação pelo fígado. Quando a finalidade é melhorar o desempenho acadêmico não haverá necessidade de tomar a medicação nos fins de semana e nas férias. Apesar dessa medicação induzir a dependência nos usuários sem transtorno de hiperatividade, os estudos nessa área mostram que dificilmente uma criança que tenha feito uso prolongado se tornará dependente. Isto é um dado constatado. Os idosos que não toleram os efeitos colaterais dos antidepressivos podem se beneficiar da ritalina. Estudo feito com esta população mostrou ser uma medicação eficaz com risco de dependência praticamente zero. ATENÇÃO Não deve ser usado em pacientes em uso de tranilcipromina ou equivalente, em pacientes com arritmias cardíacas, com a síndrome de Tourette, em pacientes psicóticos, com distúrbios de movimentos e com problemas na produção de células sanguíneas. É preferível evitar durante o primeiro trimestre da gestação, apesar de nunca ter sido comunicado efeito deletério no feto.

43

SARCOTON (PARA O TRATAR O ALCOOLISMO)
O sarcoton é o dissulfiram uma substância sem atividade psicotrópica que inibe uma das enzimas de metabolização do álcool, provocando acúmulo desse metabólito no organismo e conseqüentemente forte mal estar mesmo para doses pequenas de álcool. EFEITOS MAIS COMUNS A enzima aldeído-desidrogenase é específica para eliminar o acetaldeído derivado do etanol. Como normalmente não ingerimos quantidade significativa de álcool, a inibição dessa enzima não é percebida por quem faz uso de dissulfiram e não bebe nada con tendo álcool. Contudo, o acúmulo no organismo de acetaldeído traz vários efeitos como sensação de calor na face e enrubecimento facial concomitantes, mas que podem atingir outras áreas do corpo. Dores de cabeça latejante, náuseas, vômitos, fraqueza, dor no peito, falta de ar, taquicardia, palpitações, confusão mental, hipotensão e até choque. Reações mais graves como depressão respiratória, arritmias cardíacas e convulsões, podem provocar o óbito no paciente que fizer uso de álcool junto ao dissulfiram.

ZYBAN (AJUDA NO TRATAMENTO CONTRA O CIGARRO)
O zyban é o bupropion, um antidepressivo que atualmente está sendo usado para suprimir os efeitos da abstinência à nicotina e o desejo pelo fumo. SEU USO No tratamento da dependência à nicotina deve ser dado pelo prazo médio de 3 meses, ficando a critério do psiquiatra se este período será prolongado ou encurtado. A dose média empregada é de 300mg por dia, podendo, se necessário, ser elevada para 450mg. O máximo recomendado é de 750mg. EFEITOS COLATERAIS Insônia, nervosismo ou ansiedade, dores de cabeça, tremores, tonteiras e ressecamento da boca. Esses efeitos costumam ser leves e a maioria dos pacientes não tem problemas com o tratamento. ATENÇÃO NA GESTAÇÃO Zyban não deve ser usado nas seguintes circunstâncias: pacientes epiléticos, com passado de problemas de anorexia ou bulimia nervosa, pacientes bipolares (PMD) ou tendo sofrido alguma síndrome psicótica recente. É preferível evitar esta medicação durante o primeiro trimestre da gestação.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful