P. 1
exercicio imunologia

exercicio imunologia

|Views: 2,545|Likes:
Published by Tiago Carvalho

More info:

Published by: Tiago Carvalho on Jul 25, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/25/2013

pdf

text

original

1. Descreva a organização do sistema imune.

O sistema imune é formado por órgãos linfáticos e células que participam da resposta imune. Os órgãos linfáticos são aqueles em que ocorrem a maturação, a diferenciação e a proliferação dos linfócitos. Tais órgãos podem estar divididos em: órgãos linfóides primários, onde ocorre a maturação de linfócitos T e B em linfócitos reconhecedores de antígenos; órgãos linfóides secundários, onde ocorrem a proliferação e a diferenciação dirigidas pelo antígeno. Os órgãos linfóides primários são: a) Timo: é constituído por células epiteliais organizadas nas áreas corticais e medulares, que são infiltradas por timócitos. O córtex é densamente povoado com linfócitos, sendo a maioria imatura, e macrófagos dispersos envolvidos na limpeza de timócitos apoptóticos. Na região medular, os linfócitos T maturados no córtex encontram macrófagos e células dendríticas e sofrem a seleção tímica, que resulta no desenvolvimento de células T maduras e funcionais; b) Medula Óssea: é o órgão responsável pela maturação e pela diferenciação das células B, a partir de células-tronco hematopoiéticas. As células B maduras encontram os órgãos linfóides secundários também pela circulação sangüínea. Os órgãos linfóides secundários consistem em estruturas nas quais linfócitos maduros e específicos para antígenos são estimulados pelos antígenos e submetidos à divisão e diferenciação. Os principais órgãos linfóides secundários são o baço e os linfonodos. Além disso, amídalas, apêndice, grupos de linfócitos distribuídos no revestimento do intestino delgado (Placa de Peyer) e agregados linfóides dispersos por todo o tecido mucoso são considerados órgãos linfóides secundários. Os órgãos linfóides secundários têm duas funções principais: eles são altamente eficientes como armadilhas para substâncias estranhas e nas concentrações das mesmas e são os principais locais de produção de anticorpos e de indução de linfócitos T antígeno-específicos. a) Baço: é o maior órgão linfóide secundário. É altamente eficiente como armadilha para substâncias estranhas presentes na circulação sangüínea e na concentração destas. É o principal órgão do corpo humano no qual anticorpos são sintetizados e a partir do qual são liberados na circulação. O baço é composto de polpa branca, rica em células linfóides, e polpa vermelha, que contém vários seios, assim como grande quantidade de eritrócitos e macrófagos, alguns linfócitos e um menor número de outras células. As regiões da polpa branca estão localizadas principalmente ao redor de arteríolas menores. As regiões periféricas são ricas em células T com células B presentes principalmente em centros germinativos. Aproximadamente 50% das células do baço são linfócitos B; 30 a 40% são linfócitos T. Após a estimulação antigênica, os centros germinativos contêm grandes números de células B e plasmócitos. Estas células sintetizam e secretam anticorpos. b) Linfonodos: são estruturas ovóides pequenas encontradas em várias regiões do corpo. São compostos de uma medula com vários seios e um córtex, envolto por uma cápsula de tecido conectivo. A região cortical contém folículos linfóides primários. Após a estimulação antigênica, estas estruturas se alargam para formar folículos linfóides secundários com centros germinativos que contêm populações densas de linfócitos (na maioria linfócitos B) que estão passando pelo processo de proliferação. Em resposta à estimulação antigênica, as células B antígeno-específicas proliferam no interior destes centros germinativos e sofrem um processo conhecido como maturação e afinidade, para gerar clones de células com receptores de maior afinidade (anticorpos) para o epítopo do antígeno que dispara a resposta inicial. As células B não específicas para o antígeno são empurradas para o lado externo, formando a zona do manto. A área

Os principais componentes da imunidade inata são as barreiras epiteliais. A imunidade adquirida (ou adaptativa) consiste em mecanismos que são estimulados por e adaptados para microorganismos e que também são capazes de reconhecer substâncias não-microbianas chamadas antígenos. mastócitos e basófilos. envolvendo linfoblastos B. regulação da atividade de linfócitos B através da ação da subpopulação T auxiliar. as células NK (natural killers) e proteínas plasmáticas. A imunidade inata é a primeira linha de defesa. As células K (killers) participam da destruição de células estranhas com a cooperação de anticorpos. outras células participam da resposta imune. . Antígenos são trazidos para estas regiões por células dendríticas que apresentam fragmentos do antígeno para células T. Além dos linfócitos e macrófagos. Elas têm a capacidade de lisar células estranhas mesmo que o organismo não tenha sido previamente exposto aos seus antígenos. Os mecanismos responsáveis pela proteção do indivíduo contra patógenos infecciosos podem ser divididos em duas categorias gerais: imunidade inata e imunidade adquirida. as células fagocíticas (principalmente neutrófilos e macrófagos). por estar sempre apta para prevenir e erradicar as infecções. produção de linfócitos que regulam e modulam a função de outras células da resposta imune. transformam-se células maiores. incluindo as do sistema complemento. caracterizando como humoral este tipo de imunidade adquirida. A região medular dos linfonodos contém plasmócitos secretores de anticorpos que passaram do córtex para a medula via vasos linfáticos. Os linfócitos T efetores desempenham as seguintes funções no sistema imune: imunidade mediada por células. interação com linfocinas e produção de citocinas. As células que participam da resposta imune são: a) Linfócitos T: após a ativação pelo antígeno específico ou por substâncias inespecíficas denominadas mitógenos. Estas células são: neutrófilos. c) Macrófagos: originam-se da medula óssea. Estas células diferenciam-se posteriormente em linfócitos T efetores da resposta imune – linfócitos T auxiliares. após uma série de etapas celulares de diferenciação. eventos estes que resultam na ativação de células T. que impedem a entrada dos microorganismos. Comente sobre os tipos de imunidade. em multiplicação ativa. processamento de antígenos. b) Linfócitos B: após ativação pelo antígeno específico ou por mitógenos transformamse em plasmócitos ou em células B de memória. os linfócitos nulos são naturalmente citotóxicos e são denominados de células NK (natural killers). incluindo os anticorpos. A imunidade adquirida desenvolve-se após a exposição aos antígenos e é mais poderosa no combate às infecções. b) Células Nulas (células NK e células K): constituem um grupo heterogêneo de linfócitos que não expressam as propriedades dos linfócitos T e B (linfócitos não T-não B). Os plasmócitos sintetizam os anticorpos específicos contra antígeno. linfócitos T citotóxicos ou assassinos. Os macrófagos apresentam as seguintes funções: fagocitose. linfócitos T de memória. porém sem a capacidade de interagir e de reconhecer especificamente os antígenos. 2. centrócitos. A imunidade inata refere-se a mecanismos de defesa que estão presentes antes mesmo de ocorrer uma infecção e que se desenvolveram para reconhecer microorganismos de maneira específica e para proteger o organismo contra infecções. Freqüentemente. centroblastos e imunoblastos B.cortical profunda ou região paracortical contém células T e células dendríticas. sendo denominados de monócitos no sangue circulante e de histiócitos ou macrófagos nos tecidos. eosinófilos. O sistema imune adaptativo é composto por linfócitos e seus produtos.

considerando os mecanismos efetores. que protege contra micróbios extracelulares e suas toxinas. além de estimular a produção de moléculas de MHC da classe I. possibilitando a apresentação do antígeno às células T auxiliares. e a imunidade humoral. macrófagos e polimorfonucleares. estimulam e atraem os macrófagos e neutrófilos para executarem a eliminação (fagocitose) das partículas virais ou das células infectadas. etapas de reconhecimento e ativação. 3. Estes IFNs difundem-se para as células próximas e ativam genes que interferem em algum estágio da replicação viral. Esses Ac também ligam-se a receptores Fc em células NK. que é responsável pela defesa contra micróbios intracelulares. A imunidade celular é mediada pelos linfócitos T e a imunidade humoral é mediada por linfócitos B e por seus produtos secretados.Há dois tipos de imunidade adaptativa: a imunidade mediada por células (ou celular). Estas. Esquematize a resposta imune contra um agente infeccioso ou parasitário. A resposta do sistema imune adaptativo é capaz de causar danos ao hospedeiro e doenças subseqüentes. possibilitando que estas células fagocitem ou danifiquem as células infectadas. por sua vez. A resposta imune ao vírus (patógenos intracelulares) é subseqüenciada da seguinte maneira: a defesa inicial consiste na produção de vários tipos de interferons (IFN) pelas células infectadas pelos vírus. Os interferons também agem sobre a célula NK e estas reconhecem e matam as células infectadas. . os anticorpos. Os linfócitos T auxiliares também estimulam a produção de anticorpos pela ativação de células B e estes também medeiam a citotoxicidade das células NK e impedem que os vírus invadam outras células (anticorpos neutralizantes). secretam citocinas que ativam.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->