You are on page 1of 17

APOSTILA SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA / DF Especialista em Assistência Social - Psicologia 2010

- REPRODUÇÃO PROIBIDA –

..50 ....... Reabilitação psicossocial...... 2...............06 Introdução / O que é Saúde? / Doença: duas perspectivas / Psicossomática / Resgatando o histórico da Doença Mental / O surgimento da Psiquiatria..... Reforma psiquiátrica no Brasil............ O Psicólogo na construção e desenvolvimento do projeto políticopedagógico: atuação multidisciplinar.........................21 Definição de Saúde Pública / Histórico da Saúde Pública no Brasil / Sistema Único de Saúde – SUS / Programa Nacional de Avaliação do Sistema / Política Nacional de Assistência Social (PNAS) 2004.. Política de saúde no Brasil.............. A saúde mental no contexto da Saúde Pública.... 7...................................... Atuação do Psicólogo em equipes multiprofissionais nas instituições públicas de saúde e reintegração social..... 4............ Nova lógica assistencial em Saúde Mental....................ÍNDICE 1................................37 O trabalho em equipes multiprofissionais / Trabalho em equipe e saúde........... 6. Trabalho Multidisciplinar (Ver capítulo 6).......14 A Reforma Psiquiátrica / A Reforma Psiquiátrica depois da Lei Nacional (2001-2005) / NAPS e CAPS / Os Serviços Residenciais Terapêuticos ou Moradias Assistidas / Leitos Psiquiátricos em Hospital Geral.......................31 Níveis de assistência e sua integração................... Princípios da intersetorialidade.....................................................50 9... Concepções sobre grupos e instituições........................................... clínica da subjetividade.....32 Conceito / Classificação dos grupos / Fundamentos da Técnica de Grupos Psicoterápicos............................................. 3...48 8............. 5......................... concepção de saúde e doença mental....................... compreensão do sofrimento psíquico e interdisciplinaridade................ Critérios de normalidade.....

... Psicologia Social.. 16.......... Álcool..........................................................................61 As Drogas / Psicodinâmica do Adolescente Envolvido com Drogas / Redução de Danos / Exemplos de Proposta de Redução de Danos / Redução de danos: Pode ser feita no Brasil?. Mediação de Conflitos.... 14................ Noções sobre desenvolvimento psicológico e psicodinâmica.......................................................51 O que são as redes? / Tipos de redes / Rede de atenção à saúde mental / Apoio Matricial........................................................ Cultura juvenil. Trabalho em Rede......................................... 15.......... outras drogas e redução de danos..........................55 Psicoterapia de família / Classificação do funcionamento familiar / Plano terapêutico / Técnicas psicoterapêuticas..111 .......60 13.......................... segundo as principais teorias.................................... Fundamentos e técnicas de exame psicológico e psicodiagnóstico.............77 Introdução / Técnicas de resolução de conflitos / O processo de mediação / Legislação sobre mediação de conflitos...................... Orientação Familiar....................................67 Breve Resgate das práticas em Psicologia Social no Brasil / O Papel do Psicólogo Social / A Ação dos (as) Psicólogos (as) na Área Social...........................................10...................... tabagismo........ 17................................................... 11......................................................82 Psicologia do Desenvolvimento: histórico e diferentes concepções / A Psicologia Histórico Cultural de Vygotsky / A Psicologia Genética de Jean Piaget / Abordagens Psicanalistas do Desenvolvimento / A Psicanálise Kleiniana / Winnicott: o ambiente suficientemente bom / A Teoria do Apego de John Bowlby / Os “elementos de psicanálise” de Bion / Spitz: efeitos nocivos da privação materna....................................... 12................................

.................... 22........................................... estatutos e demais resoluções do trabalho profissional do Psicólogo (Link) ........ 21............................... final do sec........... Estudo de caso (Link) ... 19.................193 Psicoterapia individual na infância / Psicoterapia individual na adolescência / Psicoterapia de família Existencialismo Comportamental............................234 25....... Leis.........................................................236 ........................................... XIX até 1950 / Psicoterapia Psicodinâmica Breve após 1950... / / Psicoterapia de grupo / / Fenomenologia / Terapia Comportamental Terapia Cognitivo- 20..................................................................219 Normatização... Resoluções / Código de processamento disciplinar / Projetos de Lei..............219 Código de ética profissional dos Psicólogos....... Conceitos e procedimentos básicos de Psicoterapia......................152 Introdução a Psicopatologia / DSM............................................................ Elaboração de Relatórios e Pareceres Psicossociais.......229 Princípios para redação dos documentos / Relatório ou Laudo Psicológico / Parecer Psicológico.......... Ato Médico / Outros de interesse do Psicólogo.Eixo II............................ regulamentações..............................................IV: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais / Características sintomáticas e diagnóstico dos principais transtornos do Eixo I / Características sintomáticas e diagnóstico diferencial: Transtornos do Eixo I e Transtornos de Personalidade .211 Antecedentes Históricos da Psicoterapia Psicodinâmica Breve... Psicopatologias............. Ética profissional... Terapia Breve......... 24.................................... Bibliografia .. 23..Definição e Caracterização / Objetivos do Psicodiagnóstico / Etapas do processo de Psicodiagnóstico / Os Testes Psicológicos / Plano de Avaliação e Bateria de Testes / Testes Psicométricos / Testes/Técnicas Projetivos (as) 18...........

que o sistema imunológico influencia e é influenciado pelo cérebro (URSIN. devemos iniciar com a contextualização do que é saúde e doença. por exemplo. nutricionistas entre outros atuantes na área da saúde e que por sua vez concebe . variáveis psicossociais em interação com os biológicos. 2006). Corroborando com uma visão holística da saúde e doença. e a alma era o local de valores supremos e espirituais. Andrade e Muller (2006) retomando a evolução desta definição remontam a Hipócrates de Cós (460 a. MULLER. C) cuja compreensão de saúde estava baseada no equilíbrio de fluídos presentes no corpo humano: bile amarela. Essa postura dualista influenciou o pensamento médico reforçando a etiologia da doença em uma perspectiva reducionista e organicista (CASTRO. Castro. As ciências naturais avançam e tomam espaço em detrimento da religião. e o corpo à medicina. Também temos a medicina psicossomática que agrega aos fatores que levam ao adoecimento. Com o Renascimento. assistentes sociais. 1992).1.CRITÉRIOS DE NORMALIDADE. 1989). CONCEPÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA MENTAL Introdução Para melhor compreender as terminologias e conceitos que abaixo trabalharemos. sofrimento. 2006. 2000 apud CASTRO. visto que o autor relacionou intimamente a mente com o corpo. A visão dualística torna-se mais difícil de ser aceita. No final do século XIX e início do século XX. Sua discussão nos permite acompanhar o processo histórico e compreender a participação da psicologia na utilização destes termos. psicólogos. Para ele o homem era uma unidade organizada e a doença estava associada à desorganização. Ao longo da história temos que a definição do que é saúde e doença está atrelada à visão de mundo e de homem de quem a define. no sentido de produzir prazer. Descartes passa a divulgar a concepção de homem numa perspectiva dualista. ALEXANDER. Freud (1986-1939) traz a influência da psicanálise nas abordagens do que são doença e saúde na medicina. sendo o estudo da mente destinado à religião e filosofia. Em seguida as autoras salientam que durante a idade média a doença estava relacionada ao corpo e era atribuída ao pecado. agregando importância ao trabalho interdisciplinar com médicos. bile negra. o homem passa a ser o centro das definições de saúde e doença. ANDRADE e MULLER. tem-se o desenvolvimento das neurociências. fleuma e sangue. ANDRADE. lesão ou doença (EKSTERMAN. saúde. que descobre.

43-52. Entretanto. com características presentes para se considerar uma pessoa saudável. têm gerado reações contra a expropriação da saúde e. em colaboração com o paciente. . janeiro/abril 2004. pois o termo gera controvérsias na literatura.BIBLIOGRAFIA ALCHIERI. n. (2004). Estudos em Psicologia. a divisão do corpo humano. culturais e sociais. O que é Saúde? Para responder a esta questão não podemos deixar de citar a fonte da resposta. Para Épinay (1988) a saúde seria responsabilidade de cada um e ao médico competiria. Avançado para além da díade médicopaciente. 2002). Por outro lado. v. p. C e NORONHA. vêm propiciando um movimento que busca ressuscitá-la como objeto científico (COELHO. Czeresnia (1999) coloca que tanto a saúde como o adoecer são manifestações subjetivas e singulares. condições adequadas para que ela ocorra. juntamente com os sintomas. em que a experiência da doença relatada pelo doente se transforma em queixas que são traduzidos.saúde. Do ponto de vista epistemológico. sentir-se bem estar. criando. como por exemplo. ALMEIDA-FILHO. A carência de estudos sobre o conceito de saúde propriamente definido parece indicar uma dificuldade da ciência em abordar o termo de uma maneira positiva. J. mas tratar a saúde. para outros nas variáveis econômicas. com o surgimento das várias especialidades médicas. 25. 21. tal pobreza conceitual pode ter sido resultado da influência da indústria farmacêutica e de certa cultura. Para alguns autores a definição está sob o foco do indivíduo. Continua. PUC-Campinas. A. para uma linguagem técnica e objetiva pertinente a área médica. a tecnologização das práticas e a fragmentação do saber. E é nesse contexto que atualmente construímos os conceitos abaixo. a dificuldade de conceituar saúde é reconhecida desde a Grécia antiga. 1. como ausência de dores. que têm restringido o interesse e os investimentos de pesquisa a um tratamento teórico e empírico da questão da saúde como mera ausência de doença. Conhecimento em avaliação psicológica. P. doença em uma perspectiva multidisciplinar.. porém com características individuais. desde a década de 1970. e não de forma negativa.. não curar. P.

/dez. BECHELLI. Viver Mente e Cérebro.org/doaj?func=searchArticles&q1=desenvolvimento+humano&f1=all& b1=and&q2=&f2=all> Acesso em: 22 jul. 2008. Disponível em <http://www. 2002.3. Latino-Am. J. Disponível em: <http://macedonia. Significado de Melanie Klein. (2002). L. v.ALEXANDER. SP. (1995) Diagnóstico e Classificação dos Transtornos Mentais. M.. M. (2008) Efeitos sobre o comportamento do rompimento dos vínculos afetivos. São Paulo. E. S. Rev. G. v. E. Espírito Santo de Pinhal.R.1590/S0104-11692004000200014.htm>.. A. abr. Ribeirão Preto.scielo. (Originalmente publicado em 1987). (2004). P. Trad. 2. 2009. M. n. E. 12. J. Petrópolis. Artes Médicas. AMARAL.php?script=sci_arttext&pid=S010411692004000200014&lng=pt&nrm=iso>. BAFFI.4/5. Enfermagem. Porto Alegre. Disponível em: <http://www.br/gppp03. BARDUCHI.pt/RompimentoV%C3%ADnculosAfectivos. ARZENO. doi: .com. AUGUSTO. jan. Medicina Psicossomática: princípios e aplicações. JERÔNIMO. Artes Médicas.(1995) Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. de C. (1995) Psicodiagnóstico Clínico: novas contribuições. A. Disponível em: <http://www. acessos em 22 jul. L.pro. 4a edição. v. da R. F. SANTOS. 10. Projeto Pedagógico: um estudo introdutório. BARROS.br/scielo. A.pedagogiaemfoco. 6-15. (2006). Pedagogia em Foco. n.pdf>. J. G.T. da R. (1989). 2004 . Acesso em: Fevereiro de 2010. Psicoterapia de grupo: como surgiu e evoluiu. Porto Alegre: Artes Médicas. 2006. M. Movimento e Percepção. 2008. (2004). Acesso em: 22 jul. Porto Alegre.Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV). Beatriz Affonso Neves. Edição especial. 20ª ed. Rio de Janeiro: SDE/ENSP.4. BARROS.doaj. T. dos. AMARANTE P.. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget. In: American Psychiatric Association . p. L.

H-T-P Manual e Guia de interpretação. doi: 11692005000200018&lng=pt&nrm=iso>.php?script=sci_arttext&pid=S0104acessos em22 jul. (2001).com>. (2005). abr. J. BOURGUIGNON. São Paulo: Livraria Santos Editora. V 25 (6). Os CAPS e o trabalho em rede: tecendo o apoio matricial na atenção básica IN Psicologia: Ciência e Profissão ISSN 14149893 versão impressa V. CANOVA. & DIMENSTEIN. 2004. dos. (2008). A. L.htm acessado em Fevereiro de 2010.1590/S0104-11692005000200018.asp?codigo=30 acessado em Dezembro de 2009.br/pdf/epc/v21n3/v21n3a06. p.bvs-psi.tripod. (2003). BÖING. (Acesso em 31/08/2008). Latino-Am. V. 2008. Rev. V.uepg.php?pid=S1414-98932008000300015&script=sci_arttext acessado em Fevereiro de 2010. 2009. E. MEDIAÇÃO. E. C. 13.org. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O que é psicossomática.. BEZERRA. Saúde Pública. . P. BORUCHOVITCH. v. CABALLO. v. E. O terapeuta na psicoterapia de grupo. CREPALDI.br/nupes/intersetor. Campinas. n. FELIX-SOUSA.scielo. Disponível em: http://pepsic. CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM Disponível em http://www. Disponível em <http://www. E. A. 1ª reimpressão. SANTOS. de C.418-425.org.pdf. Manual de técnicas de terapia e modificação do comportamento. (1991) Conceito de doença e preservação da saúde de população de professores e escolares de Primeiro Grau.3 Brasília Set 2008 Disponível em http://scielo.3.T. (2002). I. R. Estudos de Psicologia. A.sesconms. 10. CONCEPÇÃO DE REDE INTERSETORIAL disponível em http://www. p. BUCK.21. J. Acesso em 22 jul. Disponível: <http://psicopatologia. M. (2004). Ribeirão Preto. M. 1991.br/scielo. BULGARELLI. (2004).. A (S/D).br/scielo.BECHELLI.bvspsi.. N.. M.br/artigo_ler. Rev. 2.28 n. São Paulo: Vetor. Enfermagem.org. n. Os efeitos do abandono para o desenvolvimento psicológico de bebês e a maternagem como fator de proteção.211-226. SCHALL. C. 2005 .

. 1998. (1999). MULLER. et al. J. A. de. R. Conceito Mente e Corpo através da História. O. CUNHA. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. 5.nom. ALMEIDA-FILHO. CFP. Cadernos de Saúde. n 1. T. Psicologia em Estudo. 2002.br/ecp-renespitz. ANDRADE. Rio de Janeiro.cfm?id_area=300. Porto Alegre: Artmed. CZERESNIA.br/atualidades/materias. M.v 9 (2).pages.2. Conceitos de saúde em discursos contemporâneos de referência científica. CINTRA. Rio de Janeiro.G. (2008) René Spitz.html. D. 2003. Q.htm. E. COBRA. COELHO.. p. Disponível em: http://www.. Resolução no 02/2003. Brasília. Ciências.. revisada e ampliada. Disponível em: http://www. Conceito de Saúde e a diferença entre prevenção e promoção. (2008). Acesso em 9 de set. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. C. p 39-43. (2007) Referências Técnicas para a atuação do (a) psicólogo (a) no CRAS/SUAS. Revista Percurso.pol. Notas à margem do pensamento de Bion.com. Disponível em: http://www2. N. A. M. Maringá. M. (2003). M. Acesso em 22 jul. 2008. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA.CASTRO. CFP (2003) Conselho Federal de Psicologia . Resolução no 025/2001.br/percurso/main/pcs02/artigo0210. História. (2000) Psicodiagnóstico – V.cobra. n. 2008. 11. Saúde.org. D. . (2003) Manual de Elaboração de Documentos Decorrentes de Avaliações Psicológicas. (2002). T. (2006). R. Manguinhos. 315-333. Relatório final da pesquisa sobre o perfil do psicólogo brasileiro.uol. V. M.ed. (2001). 39-53. p. CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS (CREPOP). U.

2009. J. doi: 81082008000200003&lng=pt&nrm=iso>. Porto Alegre: Artmed. rev. Porto Alegre: Artes Médicas. et al. DOBSON. 57. Vol. 4ª ed. 14. Psicodiagnóstico V.com/doc/2437175/Desenvolvimento-na- primeira-infancia-Perspectiva-de-Rene-Spitz. V. 171-186. DUQUE. L. FIORI.br/abp/> Acesso em 22 jul. FALCETO. DELL’AGLIO. Rev. psiquiatr. O. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. São Paulo: EPU. 2008. 2008. ÉPINAY.R. In: RAPPAPORT.III. L. Clara Regina (coord. ed. DSM-IV. v. K. A. p.php?script=sci_arttext&pid=S0101acessos em 09 ago. Psicologia do desenvolvimento.DALBEM. DEAKIN.). (2000).ufrj. (1992). A. (2006). 1998. São Paulo: Artmed.).scielo. C. n. NUNES. Porto Alegre. p. Investigação em psicoterapia com crianças: uma revisão.1590/S0101-81082008000200003.. Desenvolvimento emocional. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. ampliada. K. São Paulo: Papirus. Arquivos Brasileiros de Psicologia. 1992. . Terapia de família. M. Medicina Psicossomática no Brasil. n. v. W. 10. (1998). In: CUNHA. M. J. A. 30. . 5ªed. WISC. T. Acesso em 22 jul. J. Sul. E. Rio Gd. Desenvolvimento na primeira infância: perspectiva de René Spitz. FIGUEIREDO. In: CORDIOLI. (2008). D. M (1988). Groddeck: a doença como linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas. (Org.). (1982). V.scribd. 2002. cap. S. 2. Disponível em: <http://www.psicologia. 12-24. In: MELLO-FILHO.(Org. Psicossomática hoje. 1. Manual de técnicas cognitivo-comportamentais. (2005) Teoria do apego: bases conceituais e desenvolvimento dos modelos internos de funcionamento. D. Disponível em: http://www. EKSTERMAN. 28-34.br/scielo. Disponível em <http://www. p.G. X. 4. 2008 . (2008). 1. Psicoterapias: abordagens atuais.

In: CUNHA. conforme o modelo interpretativ o de Murray. Edição especial.vilabol. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Porto Alegre. In: CUNHA. (1989) Manual de Psicologia Médica. HUTZ. abri. (2004).php?pid=S0102-9722006000100017&script=sci_abstract&tlng=pt -. J. FREITAS. FUNDAMENTOS de Melanie Klein. Disponível em: <http://psicanalisekleiniana. 1. ampliada. N. (2000). M.. Psicodiagnóstico V. M. S. (2006) A música da fala. V. V. Desenho da Casa. 5ªed. 2009. Teoria e Técnicas Psicoterápicas.. (2000). JEAMMET. 25. rev. Acesso em 17 jun. Porto Alegre.M. ampliada. FREITAS. 5ªed. 1. J. FREITAS. São Paulo: Casa do Psicólogo.html>. (S/D).br/fundamentos.K. In: Psicologia e Sociedade. rev. 615. ampliada. et al. J. Psicoterapia Breve. . Revista de psiquiatria do Rio Grande do Sul. Viver Mente e Cérebro. GEVERTZ. M. R.uol. et al. Acesso em: 6 ago. CUNHA. F. v. 19. REYNALD.3. A. KESSLER.. Porto Alegre: Artmed. S.J. F. C.A. 2008.. rev. Psicologia reflexão e crítica. n. Contribuições da psicologia social e psicologia política ao desenvolv imento da psicologia comunitária.br/scielo. Porto Alegre: Artmed. Árvore e Pessoa (HTP) In: CUNHA. S. N. Desenho da Figura Humana. 8(1): 63-82.A.A. D. (2003). (2000). P.com. GUARESCHI. Disponível em: www. Psicodiagnóstico V. et al. 2003. jan – jun. (1995). 5ªed.FIORINI. São Paulo. BANDEIRA. Psicodinâmica do adolescente envolvido com drogas. Q. n. São Paulo: Massom. (1996). et al. p. N. CONOLLI.scielo. HEGENBERG.K. Discussões sobre violência: trabalhando a produção de sentidos.F. J. TAT – Teste de Apercepção Temática. Porto Alegre: Artmed. H. Psicodiagnóstico V.

B. T.br/portal/arquivos/pdf/curso_indicadores. L. São Paulo: Brasiliense: EDUC. (1996). Porto alegre: Artes Medicas. Disponível em: http://portal.. Porto Alegre: Artmed. Brasília. T. P. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estudos de Psicologia. LANE. M. 2.. 7-27. (org.pdf MINISTÉRIO DA SAÚDE/ BRASIL.saude. Bauru: CECEMCA/UNESP. (1984). M. (1998). Brasília: Ministério da Saúde. São Paulo: Manole. MICHELLON. Relatório Final da 2a Conferência Nacional de Saúde Mental (1992). 1..Disponível em: http://www. A Psicologia Social e uma nova concepção do homem para a Psicologia. H. Psicossomática hoje. n. MARTINS. 2009. J. 1995. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. MARTÍN-BARÓ.php?pid=S0101- 81082003000400005&script=sci_arttext.) Psicoterapias abordagens atuais. Coordenação de Saúde Mental/MS. Acesso em 17 jun.scielo. MELLO-FILHO.B. . (1988).V. In: Novas veredas da psicologia social. PALMA. M. Manual de Psicoterapia Comportamental. V. M. LETTNER. & RANGÉ. S. Intervenções breves e focais na infância e adolescência. In: Psicologia Social: o homem em movimento. A. 2008. v. LEMGRUBER. S. R. O papel do Psicólogo. Avanços da Psicologia Social na América Latina. (1994). In: CORDIOLI. LANE. (2008) Indicadores da Saúde – aspectos conceituais.B. CAVALVANTI.p.br/scielo. Psicoterapia Breve: a técnica focal. W.N. M. 1984. (2005) Saberes Pedagógico em Educação Infantil. São Paulo: Brasiliense. I. (1992).gov. R.

Psicoterapia Cognitivo-Comportamental – Possibilidades em clínica e saúde. Campinas: Editorial Psy. Lacan. (1995) Introdução à obra de Winnicott.Atual. NEVES NETO. WAIS – III. M. aplicações e problemas. Dolto. 2001 .T.. J. B. rev. N. 10. PASQUALINI. E. In: RANGÉ. AMARAL. p. 235-244. ARZENO. p. Psicoterapia comportamental e cognitiva: pesquisa. J-D. Santo André. Tese (Mestrado) – Faculdade de Ciências e Letras. (2003). MASTROPIETRO. E. Klein. FERREIRA. Repercussões Psicológicas do transplante de medula óssea no doador relacionado. Filosofia Básica.B. (2001). A. C. L S. São Paulo. NASCIMENTO. (2001). J. Diferentes sistemas de aplicação e interpretação do Teste gestáltico Visomotor de Bender. L. V. M. In: CUNHA. v. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1ª ed.. 41-49. G. 5ªed. Universidade Estadual Paulista. (2007). VOLTARELLI. São Paulo: Ed.ed. et al. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. NUNES. E. prática. (2007). SP: ESETec Editores Associados. (2000). Leontiev e Elkonin. E.. NASIO.. C. 27 (3). OCAMPO. P. PEDUZZI. In: Psicologia Ciência e Profissão. Saúde Pública. PICCOLO. Available from . n. A. O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. R.MIYAZAKI. J. G. (1995). LOPES. São Paulo: Martins Fontes. Araraquara. (org). et al. Psicodiagnóstico V. 1995. Ferenczi. (1986). OLIVEIRA. Porto Alegre: Artmed. M. Groddeck. PSIC – Revista de Psicologia da Vetor Editora (São Paulo). M. Rev. v. 430-445. 1. das. M. R. M. Winnicott. (2006) Contribuições da Psicologia Histórico-Cultural para a educação escolar de crianças de 0 a 6 anos: desenvolvimento infantil e ensino em Vigotski. 2007. 35. SANTOS. A. H. NIELSEN. Tradução de Miriam Felzenszwalb. A. S. A.L..8. Instituições de saúde. C. R. 2007. F. Feb. In: Introdução às obras de Freud. ampliada.

php?script=sci_arttext&pid=S00349102001000100016&lng =en&nrm=iso>. C. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.ufrn. Escala Colúmbia de Maturidade Intelectual / adaptação de A. Vol.scielo.org. RODRIGUES. Pio da Rocha. (Org. 1992. Trabalho em equipe de saúde: limites e possibilidades de atuação eficaz. (coord. A psique do corpo: uma compreensão simbólica do corpo. Uma perspectiva psicossocial em Psicossomática: v ia estresse e trabalho. RODRIGUES. São Paulo: Summus. (2006). PINHO. (1992).<http://www. B. RIPSA: REDE INTERAGENCIONAL DE INFORMAÇÕES PARA A SAÚDE (2002). C. D e E. São Paulo: Casa do Psicólogo. Ano 03. Ciências & Cognição. B. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. (1994).). Rio de Janeiro: CEPA. P. 2009. Disponível em www.. (1999). D.br/sites/engenhodesonhos/hipertexto/oquerede. R. F. ROMANO. Vol 08. RAVEN. doi: 10. W. J. (2006). V. 1. A. .htm acessado em Fevereiro de 2010. Indicadores básicos de saúde no Brasil: conceitos e aplicações. J. M. São Paulo: Pearson Prentice Hall.br/scielo. Psicossomática hoje.cienciasecognicao. São Paulo: EPU. access on13 Sept. O que é trabalho em rede? disponível em http://www. 93-107. Rodrigues e J. RAPPAPORT. Rio de Janeiro: CEPA. Comportamento organizacional. Princípios para a Prática da Psicologia Clínica em Hospitais. P. ROBBINS.) (1981) Psicologia do desenvolvimento. RITS – Rede de Informação para o Terceiro Setor. C. C. (1994). GASPARINI. M. L. In: MELLO-FILHO. RAMOS. (1997). A. A. C. S. Testes das Matrizes Progressivas Escala Geral – séries A.1590/S0034-89102001000100016.

SIMÕES. v. J. F. SEGRE. Disponível em <http://www. M. (2008) A construção do conhecimento segundo Piaget. (s/d) Os Testes Psicológicos e as suas Práticas. SOUZA.C. v. DFH – Escala Sisto e Matrizes Progressivas Coloridas de Raven: estudos de validade. et al . Paradigmas em psicologia: compreensões acerca da saúde e dos estudos epidemiológicos.1590/S0034-89102006000600004. SANTANA. Rev. (2003).com/psicologia/psicologia-do-desenvolvimento. Curso de Saúde Pública em um semestre: algumas considerações. 113-132. (1998).br/paideia/artigos/23/08. C. SILVA.htm> Acesso em: 19 ago. & PLON. Disponível em: Acesso <http://www. Saúde Pública. 2008. Disponível em < http://www. 2006 .doc >. (2005).org. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade São Francisco. J.J. 2008. et al (2006). Acesso em: 21 jul. out. 40. )Dicionário de Psicanálise.php?script=sci_arttext&pid=S0034acessos em29 jun.algosobre. (1997). .. 10. v. Psicol. 2009. doi: 89102006000600004&lng=pt&nrm=iso>. 2005.br/n08/mente/construtivismo/construtivismo. 5. M. G. Utilizações da WISC-III na avaliação neuropsicológica de crianças e adolescentes.br/psicologia/os-testes-psicologicos-e-as-suas-praticas.cerebromente. 12.htm> em: 22 jul.ROUDINESCO. Itatiba. M. 2008. 31 (5). Porto Alegre. Acesso em 18/02/2009. R. F. Rio de Janeiro: Ed. Rev. n.usp.com. Saúde Pública.html >. Paidéia. M.ffclrp. (2002). TAFNER. São Paulo. P. O conceito de saúde. Soc.M. J. (2008) A Psicologia do Desenvolvimento. E.scielosp.brasilescola.org/scielo. M. Disponível em: <http://www. São Paulo. Zahar. FERRAZ. Disponível em: < http://sites. . V. 15 (2). SARRIERA. RUEDA.

São Paulo. W. 59-66. S. (2003) Aprendizagem e desenvolv imento intelectual na idade escolar. YOSHIDA. Psicoterapia na adolescência. Psicoterapias Psicodinâmicas Breves e Critérios Psicodiagnósticos. (org. TRINCA. p. O procedimento de desenhos-estórias: características e fundamentação. L. M. M.L. E.V. VYGOTSKY. S. et al. TARDIVO. São Paulo: Casa do Psicólogo. D. et al. M.TARDIVO./Jun. Pinto. Vetor Editora. 2005. Santos. S. & LIMA. In: CUNHA. 3(1). ampliada. et al. L. L. A. ZAVASCHI. S. J.) Psicoterapias abordagens atuais. In: CORDIOLI. 6. Porto Alegre: Artmed. L. WISC-III: Escala de Inteligência Wechsler para Crianças: Manual. VYGOTSKY. SP: EPU.M.. São Paulo: Martins Fontes. A. L. TRINCA. B.P. A. .S. A.S. Psicodiagnóstico V. Bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. São Paulo: Centauro. (1987). et al. In: CORDIOLI. VYGOTSKI. In: Revista Brasileira de Pesquisa em Psicologia. A. 1989. Jan. C. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda. (1989). L. Avaliação psicológica de crianças v ítimas de violência doméstica por meio do teste das fábulas de Düss. W. (2002). C. (1998) A formação social da mente. 6 ed. Desenvolv imentos do Procedimento de Desenhos-Estórias (D-E). O desenvolvimento dos processos psíquicos superiores. S. (2000). TRINCA. (org. 5ªed.V. 1998. (2001) A construção do Pensamento e da Linguagem. In: PSIC . rev. (2005). Porto Alegre: Artmed. S. L. Investigação clínica da personalidade: o desenho livre como estímulo da apercepção temática. C. 3ª ed. (1998). (1990). P. 78-84. J. v. ZAVASCHI. São Paulo: Martins Fontes. Porto Alegre: Artmed. W.L. nº 1.Revista de Psicologia.) Psicoterapias abordagens atuais. (1998). L. In: VYGOTSKY. WECHSLER. R. Psicoterapia de orientação analítica na infância.

pol.V. técnica e clínica.(2001) Vocabulário Contemporâneo de Psicanálise. ZIMERMAN. E. SITES: Câmara de legislação.ZIMERMAN. D.) Psicoterapias abordagens atuais.org. Porto Alegre: Artmed. E. ZIMERMAN.infojovem. D. (1999) Fundamentos Psicanalíticos.br/crp/ Psicologia OnLine http://www. Porto Alegre: Artmed. D. Porto Alegre: Artmed.laudum. conciliação e arbitragem http://www. In: CORDIOLI. A. (1998) Psicoterapias de grupo.crpsp.org. (org.br/pol/cms/pol/ Info Jovem http://www. E.org.br/infopedia/tematicas/tempo-livre/cultura-juvenil/ .com.br Conselho Regional de Psicologia 6ª Região http://www. Teoria.