Expansão marítima e comercial européia: descoberta de novos continentes e surgimento de um mercado mundial. Fatores motivacionais a expansão 1.

Procura de especiarias: Gênova e Veneza detinham o monopólio do Mar Mediterrâneo Oriental. Os mercadores italianos iam aos portos de Constantinopla e Alexandria em busca de especiarias orientais e as revendiam na Europa por preços e juros altíssimos. Surgiu então um desejo da burguesia européia de quebrar o monopólio italiano. 2. Escassez de metais preciosos na Europa: as minas européias não conseguiam mais manter a demanda que a Europa pedia, então foi necessário procurar por novas fontes de metais preciosos. A única maneira de quebrar o monopólio comercial italiano era descobrir um novo caminho marítimo para as Índias. No entanto, até o século XV, isto era impossível, porque as técnicas de navegação eram muito rudimentares e não permitiam a navegação em alto mar. A partir do século XV, houve um grande avanço técnico na Europa Ocidental. O desenvolvimento da cartografia; que possibilitou a elaboração de mapas mais exatos, os estudos de astronomia, etc. Expansão Marítima e Comercial Portuguesa Portugal pretendia se livrar do monopólio italiano sobre as especiarias orientas e decidiu então começar sua própria expansão a procura de riquezas. Em 1415 Portugal começa seu processo de conquista de colônias com a Conquista de Ceuta (Marrocos) na costa africana e algumas ilhas do Atlântico. A expansão marítima portuguesa alcança seu ápice quando Bartolomeu Dias ultrapassa o Cabo das Tormentas (Cabo da Boa Esperança), até então conhecido como um dos limites do mundo que eles tinham conhecimento na época. A EMCP vê-se ameaçada pela Expansão Marítima e Comercial Espanhola. Em 1494 é estabelecido o Tratado de Tordesilhas. Em 1497 Vasco da Gama encontra as Índias, via a circunavegação do continente africano. Em 1500 Pedro Álvares Cabral anuncia a descoberta de terras brasileiras. Expansão Marítima e Comercial Portuguesa