POLÍTICA TERRA DE VOCAÇÃO FLORESTAL: Mais simples e eficiente para todos

J. Rente Nascimento, Ph.D. Consultor em Economia de Recursos Naturais
jrenten@gmail.com

Apresentado ao MAPA - MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, ABASTECIMENTO E PECUÁRIA
Brasília – DF - 21.Maio.2009 1

CONTEÚDO

1. 2.

VISÃO DA POLÍTICA PROBLEMA-OPORTUNIDADE • • POLÍTICA ATUAL NOVO PARADIGMA

3. 4. 5. 6. 7. 8. 9.

ÂMBITO DA POLÍTICA TVF DEFINIÇÃO DE TVF DIRETIVA DA POLÍTICA TVF VANTAGENS E DESVANTAGENS FERRAMENTA ESPECIALIZADA PARA O PROBLEMA SIMPLICIDADE E CUSTO BAIXO TVFs E SERVIÇOS AMBIENTAIS

10. PRESERVAR BIODIVERSIDADE 11. INSTRUMENTOS PARA IMPLEMENTAÇÃO 12. PROPOSIÇÃO DE MUDANÇA
2

VISÃO DA POLÍTICA

TVF COM FLORESTA PLANTADA

3

VISÃO DA POLÍTICA

TVF COM REGENERAÇÃO NATURAL
4

VISÃO DA POLÍTICA

TVF E TVnF COM COBERTURA SUSTENTÁVEL

5

VISÃO DA POLÍTICA

“BOM” DESMATAMENTO

“MAU” DESMATAMENTO ?

6

VISÃO DA POLÍTICA

TVF COM USO SUSTENTÁVEL AJUDA A PREVENIR INUNDAÇÕES CAUSADAS POR CHUVAS NORMAIS

7

PROBLEMA-OPORTUNIDADE

•EROSÃO •ESCORRIMENTO SUPERFICIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

•PERDA DE FERTILIDADE, MAIORES CUSTOS, PERDA DE COMPETITIVIDADE •POUCA ÁGUA NA SECA •INUNDAÇÕES •ASSORIAMENTO

•ÁGUA POTABLE •IRRIGAÇÃO •HIDROELETRICIDADE
8

PROBLEMA-OPORTUNIDADE

PARADIGMA ATUAL CÓDIGO FLORESTAL (LEI 4.771/65)
• ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) • RESERVA LEGAL (RL)

• OUTRAS LEIS E REGULAMENTOS

POUCA BASE CIENTIFICA, NÃO INTUITIVO, DISCRECIONAL, CARO PARA APLICAR E OBEDECER.

GRAVES CONSEQUENCIAS AMBIENTAIS, FINANCEIRAS, FISCAIS, ECONOMICAS ALEM DE GERAR CONFLITOS SOCIAIS
9

PROBLEMA-OPORTUNIDADE

NOVO PARADIGMA

POLÍTICA FLORESTAL BASEADA NO CONCEITO DE TERRA DE VOCAÇÃO FLORESTAL

10

ÂMBITO DA POLÍTICA TVF

2 TIPOS DE POLÍTICAS FLORESTAIS PARA CONTRIBUIR AO BEM ESTAR SOCIAL:
1. BENS E SERVIÇOS PRIVADOS 2. SERVIÇOS AMBIENTAIS (EXTERNALIDADES)
POLÍTICA TVF

TVF – EXTERNALIDADES RELACIONADAS COM ÁGUA E SOLO (PROBLEMAS CRÍTICOS)

11

DEFINIÇÃO DE TVF

TERRAS QUE DEVIDO SUAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS IMUTÁVEIS DE TOPOGRAFIA, PRECIPITAÇÃO E SOLO, DEVEM SER MANTIDAS SOB COBERTURA FLORESTAL OU OUTRO USO SUSTENTÁVEL

PARA EVITAR A OCORRÊNCIA DE EXTERNALIDADES NEGATIVAS AO SOLO E ÁGUA

12

DIRETIVA DA POLÍTICA TVF

TERRAS DE VOCAÇÃO FLORESTAL DEVEM ESTAR COBERTAS POR FLORESTAS OU UM USO SUSTENTÁVEL PARA EVITAR QUE EXTERNALIDADES NEGATIVAS DE SOLO E ÁGUA REDUZAM O BEM ESTAR SOCIAL

O DESCUMPRIMENTO SERIA PUNIDO PELO ESTADO ATRAVÉS DE MULTAS SUFICIENTES PARA ESTIMULAR A MUDANÇA DESEJÁVEL

13

DIRETIVA DA POLÍTICA TVF

O USO OU COBERTURA A SER DADA A TVF DEPENDE SOMENTE DA CONVENIENCIA DO DONO DA TERRA, SEMPRE QUE NÃO GENEREM EROSÃO OU ESCORRIMENTO SUPERFICIAL

USO SUSTENTÁVEL: Tipos de usos de solo que não geram externalidades negativas relacionadas com o solo ou a água. Ex.: agricultura com medidas de conservação de solo e água, caminhos, edifícios, cobertura florestal, etc.
14

VANTAGENS
SIMPLES E INTUITIVA CUSTO EFICAZ PARA O ESTADO APLICAR APLICA O PRINCIPIO POLUIDOR PAGADOR FLEXÍVEL E BARATA PARA O CUMPRIMENTO PELOS PROPRIETÁRIOS DE TVF SIMPLIFICA O MARCO LEGAL, DIMINUI A ILEGALIDADE E A CORRUPÇÃO CONCENTRA A AÇÃO DO ESTADO EM ÁREAS CRÍTICAS PARA A EROSÃO E O ESCORRIMENTO SUPERFICIAL CRIA INCENTIVOS PARA RESTAURAÇÃO DE TVFs DEGRADADAS (SEQÜESTRO) IDENTIFICA ÁREAS PRIORITÁRIAS AO MANEJO DE BACIAS (CONTRIBUI AO MANEJO DE RISCO DE INUNDAÇÃO) MELHORA A QUALIDADE, QUANTIDADE E OPORTUNIDADE DAS ÁGUAS

15

VANTAGENS
continuação ... CONTRIBUIÇÃO A MITIGAÇÃO DA MUDANÇA CLIMÁTICA AO PROMOVER A COBERTURA SUSTENTÁVEL DAS TVFs IDENTIFICA ÁREAS QUE PODEM TER FLEXIBILIDADE DE COBERTURA SEM RISCO DE EROSÃO DIMINUI CONFLITOS SOBRE O USO DA TERRA

DESVANTAGENS
FERRAMENTA ESPECIALIZADA PARA MITIGAR EXTERNALIDADES DE SOLO E ÁGUA PODE CONTRIBUIR PORÉM NÃO TEM O PROPÓSITO DE PROMOVER OUTROS SERVIÇOS AMBIENTAIS COMO BIODIVERSIDADE E PAISAGÍSTICOS PODE IDENTIFICAR TVnF COM COBERTURA FLORESTAL. SE O USO FLORESTAL EM TAIS TERRAS NÃO FOR COMPETITIVO, AS MESMAS PODEM SER CONVERTIDAS PARA OUTROS USOS MAIS LUCRATIVOS
16

Ferramenta especializada para o problema

Ponto Alavanca

Política TVF é simples, mais precisa, intuitiva, e custo efetiva porque identifica áreas criticas com altos riscos de erosão e atua sobre elas.

Estrategia Tradicional

Espingarda

Estrategia TVF

Precisão

17

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

IDENTIFICAÇÃO DE TVF SEM COBERTURA
– TRÊS ETAPAS SEQÜENCIAIS
ETAPA 2 – DEFINIÇÃO DA COBERTURA FLORESTAL

ETAPA 1 - IDENTIFICAÇÃO DE TVF

ETAPA 3 – IDENTIFICAÇÃO DAS TVF SEM COBERTURA FLORESTAL

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS CRÍTICAS* COM POLÍGONOS GEORREFERENCIADOS

* TVF sem cobertura florestal

18

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

IDENTIFICAÇÃO DE TVF
- DEFINIÇÃO DA ÁREA PILOTO

MATO GROSSO

19

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

IDENTIFICAÇÃO DE TVF
- ELIMINAÇÃO DE OUTRAS ÁREAS

Proteção

Urbana

MATO GROSSO

20

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

IDENTIFICAÇÃO DE TVF
– CRUZAMENTO DOS MAPAS

+
DECLIVIDADE
(Entre 8%-30%)

+
EROSIVIDADE DA CHUVA SOLOS

=

MATO GROSSO

SEGUNDO CRITÉRIOS DA “ÁRVORE DE DECISÃO”
21

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

1 - IDENTIFICAÇÃO DE TVF
– MAPA DE TVF e TVnF

Outras* TVnF

TVF

MATO GROSSO
* Área urbana, protegida, desertos, outras. 22

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

2 - DEFINIÇÃO DA COBERTURA FLORESTAL

Área Sem Cobertura Florestal

Área Com Cobertura Florestal

MATO GROSSO
23

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

3 - IDENTIFICAÇÃO DE TVF SEM COBERTURA FLORESTAL

+
MAPA DE TVF MAPA DE COBERTURA FLORESTAL

MATO GROSSO
24

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

MAPA DE TVF E LINHA DE BASE DE COBERTURA (ano t)

TVF Com Cobertura Florestal

TVF Sem Cobertura Florestal

+ TVnF

MATO GROSSO

25

TVF E SERVIÇOS AMBIENTAIS
TVF E BIODIVERSIDADE
•POLÍTICA TVF NÃO PREVÊ PRESERVAÇÃO DE BIODIVERSIDADE, QUE PARA SER EFICAZ REQUER EXTENSAS ÁREAS COM ECOSSISTEMAS INTOCADOS (PROVISÃO PÚBLICA) •TVF PODE TRAZER BENEFÍCIOS MENORES PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

TVF E CO2 / MUDANÇA CLIMÁTICA
•TVF PODE BENEFICIAR A PROVISÃO DE CARBONO UMA VEZ QUE PRESSUPÕE A COBERTURA FLORESTAL •SINERGIA ENTRE POLÍTICAS QUE PROMOVEM O SEQÜESTRO E ESTOQUE DE CO22 E A POLÍTICA TVF (COMPENSAÇÃO)

TVF E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA)
•POLÍTICA TVF NÃO REQUER O PAGAMENTO ASSOCIADO AOS SERVIÇOS DE ÁGUA E SOLO. APLICA O PRINCIPIO POLUIDOR PAGADOR (PPP) •OUTROS SERVIÇOS AMBIENTAIS PODEM TER MÉRITO DE PAGAMENTO

26

PRESERVAR BIODIVERSIDADE

IMPOSSIVEL EM AREAS FRAGMENADAS. EFEITO BORDA

POSSIVEL EM AMOSTRAS SUSTENTAVEIS E REPRESENTATIVAS DE CADA ECOSSISTEMA. SNAP
27

INSTRUMENTOS PARA IMPLEMENTAÇÃO INSTRUMENTOS PRINCIPAIS
IDENTIFICAÇÃO DE TVF E LINHA DE BASE DE SUA COBERTURA SISTEMA DE MONITORAMENTO DE MUDANÇA NA COBERTURA DAS TVF ADEQUAÇÃO DO MARCO LEGAL

ADEQUAÇÃO INSTITUCIONAL

DISSEMINAÇÃO, APOIO AOS DONOS DE TVF, E PROMOÇÃO DOS RESULTADOS

INSTRUMENTOS COMPLEMENTARES
ANÁLISE AMBIENTAL, ECONÓMICA, FISCAL, FINANCEIRA (POLÍTICA ACTUAL x POLÍTICA TVF) APTIDÃO DA TERRA PARA PLANTIOS FLORESTAIS COMERCIALES CORRELAÇÃO ENTRE TVF E RISCO DE DESASTRES NATURAIS (Ex: INUNDAÇÕES)

28

PROPOSIÇÃO DE MUDANÇA

• IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA TVF NO BRASIL • ANÁLISE DA POLÍTICA ATUAL X POLÍTICA TVF • ADEQUAÇÃO NO MARCO LEGAL
• LEI DE TERRAS DE VOCAÇÃO FLORESTAL (22 ARTIGOS) • ALTERAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL (15 ARTIGOS) • MODIFICAÇÃO DE OUTROS INSTRUMENTOS

• AJUSTES INSTITUCIONAIS E DE PROCEDIMENTOS • CAPACITAÇÃO E PROMOÇÃO: SOCIEDADE, DONOS DE TERRAS, ETC. • TRANSIÇÃO NA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA (TEMPO/ GEOGRÁFICA)

29

OBRIGADO

J. Rente Nascimento Consultor em Economia de Recursos Naturais
jrenten@gmail.com

30

IDENTIFICAÇÃO DE TVF

REALIDADE DE CAMPO
EXTERNALIDADES DO SOLO E ÁGUA
>>>

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO SOLO E DE SU COBERTURA DE USO

AS EXTERNALIDADES ESTÃO PRESENTES : • TOPOGRAFIA ACIDENTADA • SOLO COM EROSÃO • PLUVIOSIDADE QUE CAUSA EROSÃO (EROSIVA) • COBERTURA DA TERRA NÃO É PROTETORA • USO DA TERRA SEM MEDIDAS DE CONSERVAÇÃO (SOLO E ÁGUA).

31

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

IDENTIFICAÇÃO DE TVF
– MAPA: DECLIVIDADE

Curvas de Nível

MATO GROSSO
32

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

IDENTIFICAÇÃO DE TVF
– MAPA: EROSIVIDADE DA CHUVA

MATO GROSSO
33

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

IDENTIFICAÇÃO DE TVF
– MAPA: SOLOS

+
MATO GROSSO
1. 2. 3. 4.

MEMORIAL DESCRITIVO DE SOLOS

CARACTERÍSTICAS DE SOLO: PEDREGOSIDADE DRENAGEM INTERNA TEXTURA PROFUNDIDADE
34

SIMPLICIDADE E BAIXO CUSTO

ÁREAS QUE NECESSITAM VERIFICAÇÃO (ANV)
ANV (Foco)

Mudança Positiva na Cobertura Florestal

Sem Mudança na Cobertura Não-Florestal Sem Mudança na Cobertura Florestal

Mudança Negativa na Cobertura Florestal

MATO GROSSO
35

MONITORAMENTO DA COBERTURA TVF

ETAPA 4 – CLASSIFICAÇÃO DA COBERTURA TVF E MUDANÇAS
– INSPEÇÃO DE CAMPO NAS ANV

Fonte: Nascimento (2005).

36

ANÁLISE DA POLÍTICA ATUAL X TVF

POLÍTICA

COMPARATIVO DAS VANTAGENS
• PROTEÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DO CONCEITO DE APP E OUTROS • MAIOR NÚMERO DE INSTRUMENTOS • SINERGIA ENTRE AS POLÍTICAS FLORESTAL E AMBIENTAL • PRINCÍPIOS DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE • POLÍTICA MENOS BUROCRÁTICA (SIMPLES/INTUITIVA) E CUSTO EFICAZ • POSSUI FUNDAMENTO CIENTIFICO E TÉCNICO • INSTRUMENTOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS • IDENTIFICA ÁREAS PRIORITÁRIAS AO MANEJO DE BACIAS (CONTRIBUI AO MANEJO DE RISCO DE INUNDAÇÃO) • ADMITE VARIOS USOS SUSTENTÁVEIS E NÃO SE PREOCUPA COM AS TVnF • FLEXÍVEL E BARATA PARA CUMPRIMENTO PELOS PROPRIETÁRIOS • POSSUI PROCEDIMENTO SIMPLES DE IMPLEMENTAÇÃO • AÇÃO DO ESTADO EM ÁREAS CRÍTICAS (EROSÃO E O ESCORRIMENTO SUPERFICIAL)

ATUAL

TVF

37

ANÁLISE DA POLÍTICA ATUAL X TVF

POLÍTICA

COMPARATIVO DAS DESVANTAGENS
• POLÍTICA BUROCRÁTICA, COMPLEXA E CARA • EXIGE MUITOS PROCEDIMENTOS DOS PROPRIETÁRIOS • INSTRUMENTOS DE MAIOR COMPLEXIDADE

ATUAL

• EXTREMAMENTE RESTRITIVA AO USO (SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO, APP E BIOMA MATA ATLÂNTICA) •SEM FUNDAMENTO TÉCNICO (EX: APP E RL) E REDUZIDA EFICÁCIA • RISCO DE INVIABILIDADE ECONÔMICA DA PROPRIEDADE • POLÍTICA ESPECÍFICA SOBRE SOLO E ÁGUA (SEM O PROPÓSITO DE PROMOVER OUTROS SERVIÇOS AMBIENTAIS) • NECESSIDADE DE APROVAR INSTRUMENTO LEGAL POR TRÂMITE COMPLEXO (LEI)

TVF

• REQUER CONVIVÊNCIA COM OUTRAS POLÍTICAS (PNMA E PNRH) • POR NÃO CONTEMPLAR BENEFÍCIOS SOCIAIS (AMBIENTAIS) EM ÁREAS PRIVADAS, PODE ACARRETAR EM MAIOR CUSTO DE OUTRAS POLÍTICAS (PSA, DESAPROPRIAÇÃO DE ÁREAS PARA CRIAR UCs) •EFICÁCIA AINDA NÃO VERIFICADA

38

ECONOMIA DA POLÍTICA TVF

RENDA SOCIAL DA TERRA CUSTO DE OPORTUNIDADE I II USO AGRÍCOLA

RENDA DO USO AGRÍCOLA

RENDA SOCIAL DA PRESERVAÇÃO

RENDA DO USO FLORESTAL

USO SUSTENTÁVEL DA TERRA

III

IV

V

VI VII VIII CAPACIDADE AGRÍCOLA DECRESCENTE

TERRA DE VOCAÇÃO NAO FLORESTAL

TERRA DE VOCAÇÃO FLORESTAL USO FLORESTAL

39

40

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful