P. 1
01 - Tesouros peculiares[1]

01 - Tesouros peculiares[1]

|Views: 414|Likes:
Published by mmarques1

More info:

Published by: mmarques1 on Aug 17, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/09/2013

pdf

text

original

Isto, seu primeiro encontro com Rick em duas semanas, fez o coração de Katie
bater de um jeito que ela nunca tinha sentido. Ela pulou da sua cadeira e se
apressou para encontrá-lo no meio do caminho, cumprimentando-o com um
enorme abraço e um alegre gritinho.

Rick deixou escapar uma leve risada e levantou seus óculos de sol.

- Bom te ver, Raio de Sol, ele sussurrou. E quanto ao babraço?

Katie riu.

- O babraço foi ótimo. Mas me diga que você não trouxe esse apelidinho
insolente com você do Arizona.

- Você gostou?

Ela se ergueu para passar a parte de cima da sua mão no maxilar dele, que
estava com a barba por fazer.

- Eu acho que você pode definitivamente enviar o "Raio de Sol" de volta para o
Arizona, Cactus Boy.

- Cactus Boy, huh?

- Sim. Não era esse visual que você estava querendo?

- Não. Eu tinha que pegar um vôo cedo.

- É tão bom te ver, scruff and all.

- Você também, unscruffed and all. Rick olhou por cima da cabeça de Katie e
disse:

- Parece que vocês estão muito ocupadas aqui. É melhor eu deixar que você
volte. Me ligue quando puder, ok? Eu estou a caminho do trabalho agora.

- Ok. Vejo você mais tarde. Ela deu uma olhada de perto no rosto de barba-por-
fazer dele. É muito bom olhar pra você, você sabe, Sr. Lenhador.

- Lenhador definitivamente não é o que eu estava procurando.

- E quanto a Agente Secreto?

- Melhor. Rick se inclinou para mais perto e sussurrou no ouvido de Katie: Você, a
propósito, está absolutamente deslumbrante.

Ele se virou para ir, mas quando fez isso, Carley chamou:

- Rick, espere! Você tem que me ajudar. Está tudo uma bagunça.

Rick olhou para Carley e novamente para Katie. Ela tentou dizer com os olhos
que ele realmente não precisava se envolver nisso. Mas o complexo heróico de
Rick Doyle assumiu e ele passou por Katie para ouvir o problema de Carley.

A única coisa boa sobre Rick se interessar pelo problema do quarto de Carley foi
que ele a colocou de lado, longe da fila de ouvidos atentos. Katie e Nicole
estavam preparadas para ver a próxima jovem e registrá-la sem complicações.

Elas processaram a papelada de mais três mulheres na fila antes de Rick voltar à
mesa.

- Estou indo agora, Katie. Carley disse que ela precisa fazer mais algumas
ligações e voltar para se registrar hoje depois do trabalho. Suponho que ela
tenha uma amiga em outro dormitório com quem ela possa trocar ou algo assim.

Ele terminou a frase com uma expressão suave ao redor dos olhos e Katie sentiu-
se enrubescer lembrando-se de como ele dissera mais cedo que ela parecia
deslumbrante.

- Obrigada por ajudá-la. Nós ajeitaremos tudo, Katie disse.

- Eu sei que vocês vão. Rick a alcançou e deu um aperto no antebraço dela.
Então ele sorriu o seu clássico sorriso mais-charmoso-do-universo somente para
ela.

Katie não podia acreditar em como estar perto dele depois desse tempo
separados estava despertando suas emoções.

Rickster o que você está fazendo comigo?

Nicole e Katie registraram o restante das mulheres na fila sem qualquer
obstáculo e depois de meia hora tiveram algum tempo livre. Nicole se inclinou
para trás na cadeira dobrável.

- Mama mia!

- Sem brincadeira – Katie disse – Que loucura!

- Eu não estava dizendo 'mamma mia' pelas pessoas se registrando. Eu estava
fazendo uma referência a você e ao seu namorado.

- Ele não é meu namorado. Eu já expliquei pra você antes. Nós estamos apenas
flutuando. Sem compromisso. Apenas 'quase'. Katie podia sentir a sua face
enrubescer.

Nicole sorriu abertamente e balançou a cabeça:

- Eu não acho que você está convencendo alguém disso. Muito menos a você
mesma. Katie, eu estou achando que é melhor vocês dois terem outra DR logo.
Vocês são o 'quase' casal mais apaixonado que eu já vi.

- Apaixonados. A frase saltou da boca de Katie como quando um pássaro
enjaulado encontra a porta de saída entreaberta. Ela estava contente por não
haver ninguém por perto naquele momento para ouvir a conversa delas.

- Katie, vocês estavam queimando.

- Queimando? Ah, por favor.

Nicole concordou, parecendo desfrutar daquele momento muito mais do que
Katie estava.

- Eu estou te dizendo, Katie, se eu tivesse um cabide e alguns marshmallows
perto de você há uns dois minutos, eu teria feito uns s'mores1

agora mesmo.

Katie gargalhou do comentário de Nicole. Ela pensou em como ela usara a
palavra com "A" quando ela estava contando a Cris como ela se sentia com
relação ao Rick quando os dois começaram sair no outono passado. Mas aquilo foi
no começo de tudo isso e ela estava conversando com a Cris; Katie podia
exagerar tudo o quanto quisesse com Cris.

Agora que ela e Rick estavam mais alguns meses dentro desse relacionamento,
Katie não queria exagerar em nada. Ela queria que todas as decisões e promessas
estivessem claras e não sujeitas a ondulações, da mesma maneira como eles
estiveram procedendo nos últimos meses.

Outro grupo de estudantes chegou. Katie afastou seus pensamentos sobre Rick.

Algumas das mulheres que haviam se registrado mais cedo estavam voltando à
mesa com perguntas e problemas. Duas delas tinham chaves que não

1

s'mores - uma tradição americana de acampamentos em que as pessoas torram os marshmallows no espeto
sobre a fogueira e fazem "sanduíche" com as bolachas, os marshmallows derretidos e o chocolate. (N. da T.)

funcionavam em seus quartos, então Katie teve que enviá-las para o Serviço dos
Estudantes.

Uma jovem mulher trouxe todas as suas roupas literalmente em um guarda-
roupas. A bela, grande peça de mobiliário foi descarregada de um trailer no
estacionamento e navegava para a porta da frente em uma dolly. A dolly perdeu
uma de suas rodas direitas em frente à porta dupla principal onde dúzias de
estudantes estavam tentando trazer para dentro suas caixas. Fazendo
uma ligação para a manutenção do campus, Katie foi para a frente para ajudar a
redirecionar o tráfego.

Um dos cambaleantes carros de golfe verdes do campus parou e um cara de boné
veio em direção à Katie com uma caixa de ferramentas.

- Obrigada por vir tão rápido, ela disse.

O empregado da manutenção do campus olhou para ela sob o boné e rompeu em
um largo sorriso. Era o Cara do Cavanhaque. Katie tinha quase se esquecido dele.

- Eu estava querendo saber quando iria vê-la novamente, ele disse. Como foi o
seu verão?

- Bem, obrigada. Katie respondeu brevemente. Ela não podia acreditar que ele
estava tentando iniciar uma conversa. Você deve ter percebido que nós temos
um engarrafamento aqui. Você se importa se nós pularmos a parte da conversa?

Ele olhou para Katie mais de perto.

- Claro. Mas eu tenho que te contar algo.

- Você pode me contar depois?

- Não, eu acho que não. Eu esperei para vir até você de novo e eu disse a mim
mesmo que quando eu a visse eu lhe diria isso.

- Ok, Katie disse impacientemente.

- Você deve saber que você é inesquecível. Isso é um problema meu e não seu,
nesse ponto, mas eu achei que você deveria saber.

Ele se virou e deixou Katie olhando à direita e à esquerda para ver se ninguém
tinha ouvido o que ele disse.

O que? O que foi isso? O que eu supostamente faço com uma declaração como
essa? É a minha nova blusa ou o quê? Isso é louco!

Deixando de lado o encontro desajeitado com o Cara do Cavanhaque, Katie se
apressou a voltar para a mesa onde Nicole estava mais uma vez ocupada com
mulheres esperando para se registrar. Não houve nenhum outro intervalo no
fluxo de trabalho até por volta das quatro horas.

Nicole foi procurar alguma coisa para elas beberem enquanto Katie tentava
entender o problema do quarto de Carley. Até aqui, quarenta e três das suas
cinqüenta e duas mulheres tinham se registrado. Infelizmente, Katie não tinha se
familiarizado com nenhuma das que restavam para se registrar, então ela não
sabia se alguma delas seria uma boa companheira para Emily.

Por que eu comecei isso? Craig nos disse no treinamento para não inventar mais
trabalhos para nós mesmas, rearranjando qualquer coisa nas inscrições. Talvez
seja idéia de Deus desde o princípio para Carley e Emily serem colegas de
quarto. E se eu estiver bagunçando as coisas?

Katie achou estranho Carley ter selecionado o Crown Hall e não ter contado a
Katie sobre a sua decisão exceto pela sua afirmação codificada sobre estar no
204. Embora Carley fosse alguém que Katie não queira exatamente ter por perto,
Carley estava designada para o dormitório delas. Ela era uma das mulheres que
Katie estaria supostamente "assistindo" como uma assistente dos residentes.

Eu realmente preciso que você me dê uma direção aqui, Deus. Você quer Carley
e Emily no mesmo quarto? Porque se você quiser, eu vou voltar atrás.

Katie não sentiu nenhuma paz sobre voltar atrás. Ela não tinha segurança de que
as duas mulheres pudessem estar juntas no 204. De qualquer forma, ela se sentia
mais determinada a encontrar uma diferente companheira de quarto para Emily
depois que ela orou.

Julia chegou poucos minutos depois e se desculpou por não ter checado mais
cedo como Katie e Nicole estavam indo. Aparentemente o andar dos
calouros tinha experimentado desafios o dia todo e Julia tinha sido a resolvedora
de problemas.

Já que ninguém mais estava por perto no momento, Katie contou a Julia sobre a
sua decisão de fazer uma troca de última hora. Julia parecia ler nas entrelinhas
as declarações que Katie não fazia. Ela já tinha bagagem suficiente
proveniente da conversa que Katie e ela tiverem na balsa de Catalina para
preencher as peças faltantes.

- Como estão os seus pensamentos sobre isso no momento? Julia perguntou.

- Eu orei a respeito - Katie disse – e eu realmente não tenho paz sobre desistir da
minha busca por uma companheira de quarto diferente. Eu sei que nós não

devemos ouvir os nossos sentimentos para questões como essa, mas isso é tudo o
que eu tenho neste momento.

- Quem disse que você não deve ouvir os seus sentimentos? Julia perguntou.
Ouvir, obviamente, é a palavra chave. Ouvir os seus sentimentos. Não ser
dominada por eles.

Katie acenou com a cabeça e tentou entender como seria possível não deixar
seus fortes sentimentos dominá-la. Antes que ela tivesse qualquer pista sobre
com o que isso poderia se parecer, a próxima estudante chegou carregando uma
capa de violão em uma mão e um telefone celular em outra.

Abaixando o telefone, ela disse:

- Oi! Como "cês tão"? Eu sou Emilee Monroe.

- Eu sou Katie. Esta é Julia. Bem vinda ao Crown Hall.

- Nós estamos realmente contentes por você estar aqui, Julia disse.

- Caraca! Você vai me fazer chorar! Disse Emilee.

- Chorar?

- Você não tem idéia de como essas doces palavras soam para mim. Eu esperei
por um longo tempo para estar aqui. Isso é como um sonho se tornando
realidade.

- Eu senti o mesmo quando eu cheguei aqui, Katie disse.

- Então você sabe o privilégio que é.

Katie concordou. Ela olhou para baixo na sua lista e colocou um 'Ok' perto do
nome de Emilee Monroe, do Alabaster, Alabama. Sem verificar sua atribuição
original de quarto, Katie tomou uma decisão imediatamente e.

- Você está no quarto 204.

- Isso está certo? Porque eu acho que o papel que eu recebi dizia que eu estava
em um quarto diferente. Aqui, espere. Jared? Eu vou ter que te ligar de volta. Eu
estou me registrando no meu quarto agora. Eu sei. Sim, você também. Diga oi
para mamãe por mim.

- Você requisitou uma colega de quarto específica? Katie perguntou depois de
Emilee desligar o seu telefone.

- Não. Está brincando? Eu não conheço ninguém aqui.

- Então você está definitivamente no quarto 204, Julia disse.

- Nós tivemos que fazer alguns ajustes com as atribuições, Katie explicou. Espero
que você entenda. Sua carta pode ter listado um quarto diferente, mas você está
no 204.

- Caraca! Você poderia me colocar na cabina do campo de baseball que eu não
me importaria. Eu já estou nas nuvens só por estar aqui. Mais, eu não me importo
de te contar que eu orei muito com relação à minha colega de quarto e eu tenho
certeza de que ela vai ser ótima.

- Ela é, Katie sorriu largamente. Só que tem um pequeno detalhe que eu tenho
que te contar sobre a sua colega de quarto.

- O que? Ela ronca? Porque eu trouxe tampões de ouvido em todo caso. Claro, eu
os coloquei originalmente pensando que minha colega poderia querer alguns
tampões de orelha logo que ela me ouvisse no violão.

- Você terá que descobrir com ela sobre o ronco e as preferências musicais, mas
pelo menos você não levará muito tempo para se lembrar do nome dela, porque
é Emily.

- Não brinca!

- Ela já se registrou e você pode encontrá-la no quarto de vocês.

- Isso é ótimo. Muito obrigada. Emilee estendeu a sua mão para cumprimentar
Katie e então Julia. Ela era a primeira estudante a agradecer Katie com tamanho
gesto de apreço.

- Vai ser um ótimo ano. Emilee disse enquanto passava sob o banner de Tesouros
Peculiares. Seus louros cabelos cacheados estavam presos em um rabo de cavalo
que subia e descia como um grupo de dentes-de-leão nas mãos de uma criança.

- Sim, Katie disse suavemente. Está para se tornar um ótimo ano com mulheres
como você nesse dormitório, Senhorita Emilee Monroe, de Alabaster, Alabama.

Julia colocou uma mão no ombro de Katie.

- Às vezes ouvir os sentimentos é o melhor caminho a seguir.

As mudanças restantes se encaixaram no lugar como peças de um quebra-cabeça.
Nicole resolveu o enigma de Katie colocando-a no quarto 203, no corredor de
Emily e Emilee e junto com a antiga colega de quarto de Selena, Vicki. Selena

ainda estava no Brasil e tudo o que Vicki havia requisitado em seu formulário de
inscrição era que estivesse no mesmo quarto onde ela e Selena estiveram no
último ano.

Quando VIcki se registrou, perto de 17:30, ela estava com um ótimo humor e deu
a Katie uma bronca com relação aos sapatos derretidos na última primavera.
Vicki apontou para os pés dela e disse:

- Esses são os sapatos que você trouxe para substituir os meus derretidos, e
adivinhe? Eu gostei muito mais desses.

Katie esperava que Vick tivesse os mesmos sentimentos felizes com relação à
colega de quarto que Katie "substituiu" para ela. Ela explicou que Carley
provavelmente seria a companheira de Vicki, mas elas não tinham recebido
nenhum retorno de Carley se ela estava se mudando para um outro dormitório.

- Ok, Vicki disse sem hesitação. Eu não a conheço bem, mas está tudo bem
porque eu estou com esperança de me juntar a alguma pessoa nova. Selena e eu
fomos ao ensino médio juntas e apesar de ter sido ótimo sermos colegas de
quarto ano passado, eu quero uma chance para me expandir os horizontes e me
fazer novos círculos de amizade.

Nicole e Katie trocaram rápidos olhares.

- Obrigada por ser tão flexível, Nicole disse.

Quando Carley retornou e verificou que ela estava, em suas palavras, "presa" ao
Crown Hall, ela estava feliz pelo menos por saber que ela estaria se alojando
com Vicki.

- Bem, Katie fechou a sua pasta depois que a última garota se registrara. Nós
provemos um quarto para todos sem derramamento de sangue. Eu acho que nós
estamos nos encaminhando para um bom ano.

- Estamos nos encaminhando para um ótimo ano, Nicole disse.

Agora tudo o que Katie queria era a chance para se sentar e ter uma longa
conversa de reconexão com Rick.

Ela tinha que esperar.

Entre os compromissos de Rick no trabalho e os compromissos dela na escola,
quatro dias se passaram antes que os dois finalmente se encontrassem. Rick
trouxe almoço para Katie e os dois se encontraram na fonte do centro do
campus.

Em vez de morder seu sanduíche de rosbife, Katie iniciou a conversa com:

- Antes de nós falarmos sobre qualquer outra coisa, nós temos que discutir algo.

- Discutir? Sobre o quê?

- Não tem que ser uma discussão, mas pode ser, então eu só estou te avisando.

- Ok, então qual é o problema? Você não gosta de rosbife?

- Não é o sanduíche. É Carley.

- Ela não fez o sanduíche. Carlos fez.

- Rick, não é o sanduíche ou quem fez o sanduíche. Ela colocou a comida de lado
para ganhar a atenção total dele. Umas duas semanas atrás eu ouvi que você foi
ao cinema com Carley.

- Isso mesmo. Você e eu nunca tivemos chance de conversar sobre isso, não é?

- Não. Não foi minha novidade preferida. Eu ouvi sobre isso na balsa em Catalina.

Rick olhou atentamente para Katie.

- Sinto muito. Aquela noite toda foi estranha. Carley disse que ela ia encontrar
com o namorado ao cinema e me perguntou se você e eu queríamos nos juntar a
eles. Foi por isso que eu fiquei te mandando mensagens de texto. Ted disse que
ele e Cris poderiam ir também, então eu fui ao cinema pensando que seria um
grupo. Ao sair estava só Carley e ela já tinha comprado as entradas. Eu deveria
ter pago a ela pela entrada e ido pra casa. Ele balançou os ombros. Foi um
grande nada. O filme, a coisa toda.

- Ok, foi o que eu pensei que tivesse acontecido. Um plano em grupo dando
errado. Isso é tudo. Fim da discussão.

- Essa foi fácil.

Katie deu uma mordida no seu sanduíche, seu apetite retornava.

- Hmm, Carlos se lembrou da mostarda. É perfeito.

- Ele disse que sabia como você gosta de seus sanduíches.

- Você gosta de mostarda em seu rosbife? Katie perguntou.

- Não muito. Rick segurou o seu sanduíche. Eu vou de peru e abacate.

Katie balançou a sua cabeça.

- Nunca te frustra sermos tão diferentes?

- Não, diferente é bom. Talvez seja a hora de você ter paz com a noção de que
os opostos se atraem, porque se eu tenho isso de forma perfeitamente clara, eu
estou muito atraído por você, Katie Girl.

Ela sorriu. O apelido 'Katie Girl' não a incomodava muito. Talvez tenha sido
porque Rick o colocou no final de uma sentença tão deliciosa. Uma jovem mulher
poderia construir um castelo inteiro de sonhos em naquela fala.

Rick avançou e tocou no canto dos lábios de Katie. Ela pensou que fosse uma
tenra expressão de corações derretidos até ele mostrar a ela o seu dedo e a
mancha de mostarda que ele tinha removido dela.

Katie procurou na sacola por um guardanapo. O que sua mão tocou não foi um
suave guardanapo, mas papel duro.

- O que é isto?

Katie arrancou as duas entradas para o jogo de baseball em San Diego.

- Rick!

Ela passou os braços em torno do pescoço dele e deu a ele um aperto,
aconchegando o nariz na curva cheirando a loção pós-barba do pescoço dele.
(Essa parte ta estranha mas ainda não consegui pensar em nada melhor... vamos
pensando. ok?)

- Eu pensei que você estivesse pronta para um pequeno evento social. Só nós
dois. Eu sei o quanto você gosta de baseball e cachorros-quentes.

- Com mostarda, Katie adicionou.

- Com mostarda, Rick repetiu.

- Isso é ótimo! Tão divertido! Eu não posso esperar.

- Eu também não. Eu acho que eu tenho que sair mais cedo do trabalho sexta-
feira e nós podemos dirigir ao longo da costa. Colocar uma boa música. Tirar um
tempo pra nós.

Katie gelou.

Rick leu alguma coisa que ele precisava saber na expressão dela.

- Sexta à noite é um problema para você.

- Oh, Rick, eu não posso acreditar nisso. É o nosso Evento de Volta à Escola de
Todos os Dormitórios. Nicole e eu estamos encarregadas da coisa toda. Cada par
de companheiras de dormitório pegou um dos quatro eventos principais do ano e
esse é o que eu e Nicole escolhemos. Nós pensamos que poderíamos ir primeiro
pra ficar livre disso logo. Eu sinto muito.

- Eu também. Ele pegou os tickets de volta da mão dela e os colocou no bolso. Eu
deveria ter perguntado a você antes, mas então não teria sido uma surpresa.

- Eu adorei que você tentou me surpreender.

- Bom – ele disse – pelo menos essa parte funcionou.

- Nós dois podemos tentar fazer alguma coisa no sábado? Katie tentava soar
esperançosa e não muito "destruída" como ela se sentia.

- Claro, nós podemos planejar alguma coisa. O tom de voz de Rick deixava claro
que ele estava desapontado porque sua surpresa não funcionara.

- Parece que tem sido semanas, meses, desde que nós fizemos alguma coisa
juntos, Katie disse.

- Eu sei. Isso não está funcionando tão calmamente como supomos que fosse, não
é?

- Você quer dizer, meu cargo de AR?

- Não é só o seu cargo, Rick disse. É o meu trabalho, esse projeto no Arizona e o
seu calendário de aulas. É tudo de uma vez. Nós vamos fazer alguma coisa no
sábado e isso é o que importa a essa altura, certo?

- Certo. Sábado. O que você quer fazer?

- Nós podemos jantar no novo restaurante tailandês em Temecula.

- Parece bom. Isso quer dizer que nós iremos usar uma gravata?

- Eu poderia – ele disse, aparentemente não notando a escolha de palavras dela.
Eu não tenho certeza que é um lugar formal, mas...

Katie riu.

- Foi uma piada, Doyle. Restaurante tailandês? Gravata? Pegou?

- Oh, peguei.

Katie deu outra mordida no seu sanduíche com um sorriso presunçoso em sua
face. Ela não viu o esguicho de água que Rick tirava e mandava na direção dela,
mas ela definitivamente sentiu o efeito.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->