© 2009 by http://www.zemoleza.com.

br Todos os direitos reservados

Apresentação
Elaborar um trabalho acadêmico pode até parecer, mas não é uma tarefa tão complicada. Para que a pesquisa e a redação se tornem atividades estimulantes, satisfatórias, educativas e até mesmo divertidas, é necessário fazer um planejamento cuidadoso dos passos a serem seguidos até o objetivo final. Três palavras são essenciais neste processo: curiosidade, disciplina e método.

Para ajudar os estudantes que não sabem por onde começar quando o professor solicita uma tarefa, ou aqueles que precisam entregar seus trabalhos de conclusão de curso e não sabem como organizá-los, elaboramos esta apostila que compila informações e dicas que vão auxiliar no conhecimento das principais etapas da elaboração de monografias.

As informações apresentadas neste manual estão fundamentadas nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que é o órgão responsável pela normalização técnica no Brasil. Mas, é importante lembrar que algumas universidades publicam seus próprios manuais e roteiros para elaboração de projetos e trabalhos acadêmicos. Por isso, sempre consulte seu professor ou orientador para saber quais as exigências necessárias para a realização da sua tarefa.

2

Sumário
Apresentação......................................................................................................................2 Capítulo 1: Tipos de Monografias........................................................................................5 O que é uma monografia?...................................................................................................5 1.1 Definições e tipos de monografias: trabalho acadêmico, tese e dissertação ..................5 1.1.1 Trabalhos acadêmicos (TCC e TGI)....................................................................................6 1.1.2 Dissertação........................................................................................................................6 1.1.3 Tese...................................................................................................................................6 1.2 Outros tipos de trabalhos monografias..........................................................................6 1.2.1 Fichamentos ou fichas de leitura......................................................................................7 1.2.2 Resumo.............................................................................................................................8 1.2.3 Resenha (ou Resumo Crítico)............................................................................................9 1.2.4 Ensaio..............................................................................................................................10 1.2.5 Artigo..............................................................................................................................10 1.2.6 Paper...............................................................................................................................11 Capítulo 2: A estrutura do trabalho acadêmico......................................................................13 2.1 Elementos pré-textuais......................................................................................................13 2.1.1 Capa................................................................................................................................14 2.1.2 Lombada.........................................................................................................................16 2.1.3 Folha de rosto.................................................................................................................17 2.1.4 Errata...............................................................................................................................19 2.1.5 Folha de aprovação.........................................................................................................19 2.1.6 Dedicatória......................................................................................................................21 2.1.7 Agradecimentos..............................................................................................................21 2.1.8 Epígrafe...........................................................................................................................21 2.1.9 Resumo em português....................................................................................................21 2.1.10 Resumo em língua estrangeira......................................................................................21 2.1.11 Lista de ilustrações........................................................................................................23 2.1.12 Lista de tabelas..............................................................................................................24 2.1.13 Lista de abreviaturas.....................................................................................................25 2.1.14 Lista de símbolos...........................................................................................................26 2.1.15 Sumário.........................................................................................................................26

3

2.2 Elementos textuais.............................................................................................................28 2.2.1 Introdução.......................................................................................................................28 2.2.2 Desenvolvimento............................................................................................................28 2.2.3 Conclusão........................................................................................................................28 2.3 Elementos pós-textuais......................................................................................................29 2.3.1 Referências......................................................................................................................29 2.3.2 Citações...........................................................................................................................35 2.3.3 Notas de rodapé..............................................................................................................38 2.3.4 Glossário.........................................................................................................................38 2.3.5 Apêndice.........................................................................................................................39 2.3.6 Anexos.............................................................................................................................39 2.3.7 Índice...............................................................................................................................39 Capítulo 3: Apresentação gráfica.......................................................................................40 3.1 Formato..............................................................................................................................40 3.2 Margens.............................................................................................................................40 3.3 Alinhamento e espaçamento.............................................................................................40 3.4 Notas de rodapé.................................................................................................................41 3.5 Parágrafos..........................................................................................................................41 3.6 Numeração das seções.......................................................................................................41 3.7 Títulos das seções..............................................................................................................41 3.8 Paginação...........................................................................................................................43 Capítulo 4: Direitos autorais...................................................................................................44 4.1 O que é plágio? .................................................................................................................44 4.2 Podemos copiar trechos de uma obra literária, artística ou científica para fins didáticos, pessoais ou de estudo? ...........................................................................................................44 4.3 Obras de domínio público..................................................................................................45 Capítulo 5: Diga não ao ”control c + control v” ! ...................................................................46 Referências..............................................................................................................................49

4

Capítulo 1 Tipos de Monografias
O que é uma monografia?

Monografia é um trabalho escrito sobre um de determinado tema. De acordo com a norma da ABNT (P-TB-49/67), é um “documento que apresenta a descrição exaustiva de determinada matéria, abordando aspectos científicos, históricos, técnicos, econômicos, artísticos, etc.” Também pode ser chamado de monografia todo o trabalho que tem um tema delimitado, apresenta uma abordagem analítica, respeita critérios científicos e é elaborado de acordo com as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que é o órgão responsável pela normalização técnica no Brasil. Normalmente, a monografia é exigida como requisito para a obtenção de um título acadêmico, ou para a conclusão de um curso.

1.1

Definições e tipos de monografias: trabalho acadêmico (TCC, TGI e outros), tese e

dissertação

Segundo a ABNT (NBR 1474/2005)1, os termos “trabalhos acadêmicos”, “dissertação” e “tese” possuem os significados distintos.

Esta norma especifica os princípios gerais da elaboração de trabalhos acadêmicos. É complementada pelas normas ABNT NBR 6023:2002, ABNT NBR 6024:1989, ABNT NBR 6027:1989, ABNT NBR 6028:1990, ABNT NBR 6034:1989, ABNT NBR 10520:2002, ABNT NBR 12225:1992, Código de Catalogação Anglo-Americano. 2 ed. São Paulo: FEBAB, 1983-1985, e IBGE. Normas de apresentação tabular. 3 ed. Rio de Janeiro, 1993.

1

5

constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. visando à obtenção do título de mestre. que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina. das dissertações e das teses.1.2 Outros tipos de monografias e trabalhos acadêmicos Além do TCC (trabalho de conclusão de curso). com o objetivo de reunir. existem outros tipos de monografias.1 Trabalhos acadêmicos (trabalhos de conclusão de curso – TCC. A diferença entre eles reside basicamente no nível de 6 . programa e outros ministrados. devendo expressar conhecimento do assunto escolhido. ou similar. 1. estudo independente. 1. 1. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor).1.2 Dissertação A Dissertação é um documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico retrospectivo. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e visa à obtenção do título de doutor.1. módulo.3 Tese A Tese é documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. de tema único e bem delimitado em sua extensão. trabalho de graduação interdisciplinar – TGI e trabalho de conclusão de curso de especialização e aperfeiçoamento e outros) O Trabalho Acadêmico é um documento que representa o resultado de estudo. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador.1. Deve ser elaborado com base em investigação original. analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. curso.

O fichamento nada mais é do que o registro de informações e/ou coleta de dados. redação. nos seus objetivos. bem como a exigência de defesa pública para alguns deles. 7 . Diante de tantas informações. cuja função primordial é auxiliar no processo de pesquisa e na escrita do texto. Entre os modelos mais recorrentes de apresentação de textos. resumo. Elementos para uma ficha de leitura completa: • Indicações sobre o tema da ficha. ensaio e paper. Nelas anotamos as referências bibliográficas das obras consultadas. o estudante precisa desenvolver diversas atividades de pesquisa.1 Fichamentos ou fichas de leitura Toda pesquisa envolve uma consulta a materiais bibliográficos. monografias ou trabalhos acadêmicos e científicos estão: fichamentos ou fichas de leitura. Vale lembrar que um trabalho científico é aquele que é resultado de uma pesquisa conduzida com critério. Ao longo da vida acadêmica. estudos dirigidos e revisões bibliográficas. método e referencial teórico. A forma como o resultado deste trabalho é apresentado pode variar de acordo com o que foi solicitado pelo professor ou orientador. tempo para o desenvolvimento da pesquisa e a redação de um texto final. na originalidade da pesquisa.2.profundidade do texto. registramos resumidamente as principais idéias do autor e transcrevemos citações-chave. documentos e outras fontes escritas. e que requer aprofundamento na bibliografia. é necessário organizá-las para facilitar a sua utilização na hora da redação da monografia. artigo. ou com os itens que citamos logo acima. resenha. Também servem para anotar as nossas observações pessoais. opiniões e idéias que surgem durante a leitura do material pesquisado. 1.

Informações sobre o autor.2. As idéias devem ser apresentadas em ordem lógica e o texto deve ser compreensível. ou a síntese das idéias do seu trabalho. Em trabalhos acadêmicos. Detalhes e dados secundários devem ser deixados de lado e o tema central priorizado. ou citações literais dos trechos que serão utilizados na monografia. apresentando entre 150 e 500 palavras. Principais Tipos de Fichas de Leitura: • • • • Bibliográfica: registram a síntese do conteúdo dos livros. e entre 100 palavras aqueles destinados a indicações breves. É recomendado o uso do verbo na voz ativa 8 . além da versão em português. um resumo é uma seqüência de frases concisas e objetivas escritas em um único parágrafo.• • • Cabeçalho com as referências bibliográficas. Deve ser precedido pela referência do documento. concisa e seletiva.2 Resumo Segundo as normas da ABNT (NBR 6028:2003) vigentes. Resumos ou conteúdo: é uma síntese das principais idéias do autor. no caso de trabalhos acadêmicos. não há limitação de palavras. afinal ele é o resultado da sua leitura de um texto. Corpo ou texto com o resumo das idéias do autor. o abstract. No final do resumo são incluídas palavras-chave que ajudam a definir o assunto do trabalho. entre 100 e 250 palavras. Comentário ou analítica: contém a interpretação das idéias do autor. Em qual local (acervo ou biblioteca) a obra consultada pode ser encontrada. • • Comentários pessoais. também se apresenta a em inglês. No caso de resumos críticos. 1. Citações: é elaborada com a transcrição textual de trechos da obra. no caso de artigos e periódicos. redigido com suas próprias palavras. Qualquer resumo tem como objetivo sintetizar um conteúdo de forma breve.

não apresentando dados qualitativos. analítico e crítico de um trabalho científico ou de uma obra literária. não dispensa a consulta ao original. É o tipo de resumo que deve constar nos elementos pré-textuais dos trabalhos acadêmicos. 2003).3 Resenha (ou Resumo Crítico) De acordo com a ABNT (NBR 6028. deve ser precedido da referência do documento. A resenha também pode ser um resumo descritivo. denomina-se recensão. músicas. Não é apenas um simples resumo.2. Algumas questões são importantes e devem ser apreciadas durante a elaboração de uma resenha. produtos de beleza. séries de TV.e na terceira pessoa do singular. Crítico: (ver Resenha) 1. resultados e conclusões do documento. como a inclusão de informações sobre o autor e suas outras obras. Informativo: Informa ao leitor finalidades. é um resumo redigido por especialistas com a análise crítica de um documento. a distinção do problema/pergunta/tese/hipótese apresentada por ele. Segundo a ABNT (NBR 10520. De modo geral. inclusive. metodologia. quantitativos etc. Quando avalia apenas uma determinada edição entre várias. Existem também resenhas sobre filmes. Quando não está inserido no trabalho. pois implica na interpretação do texto e na avaliação (ou destaque) das suas qualidades e seus pontos fracos. 2000). a definição do tema tratado por ele na obra resenhada. dispensar a consulta ao original. entre outros temas e assuntos. a identificação do seu 9 . existem três tipos de resumos: Indicativo: Indica apenas os pontos principais do documento. de tal forma que este possa.

teses e relatórios de pesquisa. 1. há liberdade para o autor expor suas idéias.posicionamento diante deste problema e quais os argumentos centrais e complementares utilizados para defender sua posição. Exatamente por permitir esse alto nível de liberdade de interpretação. espírito crítico e originalidade. acaba exigindo do autor conhecimento e maturidade intelectual para que não fuja do rigor lógico e mantenha-se coerente em suas argumentações. interpretações e posicionamentos sem ter que necessariamente se apoiar na documentação empírica e/ou bibliográfica. 1. são trechos ou partes de monografias.apesar de ser formal. dissertações.5 Artigo O artigo científico é um texto que expressa os resultados parciais ou finais de uma pesquisa.4 Ensaio O ensaio é um tipo de texto em que . não se deve deixar de lado a coerência na discussão das idéias. é um texto em que apesar de ter as reflexões do autor como foco principal. avaliação pessoal.2. Ou seja. Por se tratar de um resumo analítico-crítico. opiniões. No caso de um ensaio científico. Normalmente. são publicados em periódicos e em anais de eventos 10 .2. a fim de despertar a curiosidade e o interesse de outros pesquisadores. ele serve também para divulgar dados preliminares de pesquisas que ainda não foram concluídas. Deve ser objetivo. Em geral. discursivo e argumentativo -. com uma boa descrição das características do trabalho resenhado e uma clara abordagem crítica sobre seu conteúdo. estudantes e interessados no tema. que é um texto mais formal e que deve considerar os elementos essenciais de um trabalho acadêmico. a resenha não deve ser um texto muito longo.

clareza e coerência. A forma do artigo científico pode variar na sua apresentação de acordo com as exigências dos veículos de publicação. Em geral. discussão dos resultados. mestrado e doutorado. seminários. Deve apresentar análises e argumentações. resumo. 1.2. introdução. É um trabalho acadêmico conciso. introdução. teoria e método. que aborda de forma crítica e 11 . autores. Neste caso. conclusão e referências bibliográficas.acadêmicos e científicos. metodologia. resultados e discussões.6 Paper O paper é um texto mais simples e resumido do que um artigo científico. normalmente o paper é composto por título. O artigo científico torna o resultado de uma pesquisa público e permite o debate sobre o conhecimento construído por ela. É muito utilizado nas comunicações em congressos. resumo e/ou abstract. compõem um artigo os itens: título. apesar de se parecerem muito na forma e na estrutura. com objetividade. simpósios e outros tipos de eventos científicos e acadêmicos. exige-se que o paper apresente reflexões e interpretações do estudante acerca de um determinado tema. Sendo assim. revisão da literatura. Por ser mais objetivo e curto que os demais tipos de trabalhos. ou objeto em específico. nome completo do (s) autor (es). Além de ser utilizado para apresentação em eventos e publicações científicas. instituição na qual os autores desenvolvem suas pesquisas. é uma ferramenta essencial para a divulgação e desenvolvimento da pesquisa científica. normalmente com o objetivo de divulgar a idéia geral e o andamento/resultados de um projeto de pesquisa. Apesar de muitos editores de periódicos e comitês de eventos científicos especificarem modelos e critérios para a apresentação de textos. conclusão e bibliografia. o paper tem sido muito solicitado por professores de pós-graduação como trabalho final de disciplinas de cursos como especialização. o ideal é que tenha entre 15 e 25 páginas.

desenvolvimento e conclusão) compõem um corpo único e não são separados em subtítulos. 12 .analítica um único problema ou questão. Normalmente. nesta modalidade os elementos do texto (introdução.

Capítulo 2 A estrutura do trabalho acadêmico A estrutura do trabalho acadêmico deve respeitar a seguinte disposição dos elementos: Elementos Pré-Textuais Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de Rosto (obrigatório) Errata (opcional) Folha de Aprovação (obrigatório) Dedicatória (opcional) Agradecimentos (opcional) Epígrafe (opcional) Resumo na Língua Portuguesa (obrigatório) Resumo na Língua Estrangeira (obrigatório) Lista de Ilustrações (opcional) Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de símbolos (opcional) Sumário (obrigatório) Introdução Desenvolvimento Conclusão Referências (obrigatório) Glossário (opcional) Apêndice (opcional) Anexo (opcional) Índice (opcional) Elementos Textuais Elementos Pós-Textuais 2.1 Elementos pré-textuais São aqueles que antecedem o trabalho em si e tem como objetivo fornecer informações para a identificação e utilização do trabalho. 13 .

• Título e subtítulo. Entre os elementos essenciais da capa estão: • Instituição. • Data (ano). 14 . • Número de volumes (se necessário).1 Capa A capa do trabalho deve apresentar as informações que permitam identificar o trabalho e o autor. • Local (cidade) da instituição onde ocorrerá a apresentação do trabalho.1.2. • Nome completo do autor.

Figura 1 – Capa 15 .

Elementos alfanuméricos de identificação de volume. A lombada deve apresentar os seguintes elementos: • • • Nome do autor.1. fascículo e data. Figura 2 – Lombada 2 A lombada deve ser impressa de acordo com a norma ABNT NBR 12225.2. Título do trabalho.2 Lombada É a parte da capa do trabalho que reúne as margens internas das folhas2. 16 .

2. nome da instituição. 17 . O verso da folha de rosto deve conter a ficha catalográfica.1. a folha de rosto traz informações mais detalhadas para a identificação do trabalho: • Nome completo do autor. área de concentração.3 Folha de rosto Além dos elementos presentes na capa. • Nome do co-orientador (se houver). • Título e subtítulos. objetivo. a ser elaborada por um bibliotecário. tese ou trabalho de conclusão de curso). • Natureza (se é dissertação. • Local (cidade) da instituição onde ocorrerá a apresentação do trabalho. • Número de volumes. de acordo com o Código de Catalogação Anglo-Americano. • Nome do orientador. • Data (ano).

Figura 3 – Folha de rosto 18 .

• Área de concentração. • Assinaturas. • Título e subtítulos. • Instituição a qual o trabalho foi submetido.2.5 Folha de aprovação Deve conter os seguintes elementos: • Nome do autor. É inserida logo após a folha de rosto.4 Errata Normalmente. • Data da aprovação. • Objetivo do trabalho. com o objetivo de listar erros tipográficos ou de outra natureza com suas respectivas correções. • Natureza do trabalho. • Nome e titulação dos membros da banca de avaliação.1. 2. 19 .1. é uma folha avulsa ou encartada que é anexada depois que o trabalho já foi impresso. Deve apontar a página e a linha em que os erros aparecem.

Figura 4 – Folha de aprovação 20 .

O texto do resumo deve ser escrito em caixa normal. 2. o espanhol (resumen) ou francês (résumé). negrito.2. fonte tamanho 12. funcionários etc.10 Resumo em língua estrangeira Versão do resumo para algum idioma de divulgação internacional. bolsistas.1. pesquisadores. orientador. 2.9 Resumo em português O título “Resumo” deverá estar centralizado e em destaque (caixa alta. Também é seguido das palavras-chave no idioma escolhido. como o inglês (abstract).1. (Ver item 1. espaço simples entrelinhas.).1.1.1.6 Dedicatória Espaço onde o autor vai prestar sua homenagem e dedicar seu trabalho a alguém.). 2. instituições organizações.7 Agradecimentos Parte do trabalho na qual o autor faz seus agradecimentos a quem de alguma maneira contribuiu para a elaboração ou do trabalho (empresas. De preferência. 21 . sem parágrafo. com a devida indicação da autoria da mesma.8 Epígrafe Folha na qual se apresenta alguma citação. etc.2.2) 2. ela deve ter alguma relação com a temática do trabalho. justificado sem hifenização.

Figura 5 .Resumo 22 .

gráficos. organogramas. quadros. É recomendável que cada tipo de ilustração tenha sua própria lista. fotografias. Figura 6 – Lista de Ilustrações 23 . etc.) na ordem em que estão presentes no texto.1.11 Lista de ilustrações Identifica e apresenta os elementos ilustrativos (figuras. com os respectivos números das páginas onde aparecem.2. desenhos.

2.1.12 Lista de tabelas Da mesma maneira que a lista de ilustrações. também deve ser elaborada respeitando a ordem em que as tabelas aparecem no texto. indicando os respectivos números de páginas. Figura 7 – Lista de tabelas 24 .

Também é recomendável uma lista para cada tipo.13 Lista de abreviaturas Lista das siglas e abreviaturas seguidas pelo seu significado transposto em palavras ou expressões grafadas por extenso. Figura 8 – Lista de siglas e abreviaturas 25 .2.1. organizada por ordem alfabética.

2.2. Caso o trabalho possua mais de um volume. seções e subseções do texto na ordem em que aparecem no texto.1. acompanhados dos seus significados. deverá constar um sumário completo do trabalho em cada um deles. com a respectiva indicação da página.15 Sumário É a relação dos capítulos.1. 26 .14 Lista de símbolos Lista elaborada conforme a ordem que os símbolos aparecem no texto.

Figura 9 – Sumário 27 .

2. as vantagens e os benefícios que a pesquisa proporcionará para a coletividade. Visa divulgar os resultados da pesquisa. é importante enfatizar a justificativa. destacar a sua importância e a sua relevância.2. 2. Fornece uma visão geral da pesquisa realizada. além de apresentar o tema. É no desenvolvimento que deve constar a revisão da literatura sobre o assunto abordado e o método de pesquisa utilizado. a delimitação do assunto. bem como responder a pergunta da pesquisa. os objetivos gerais e específicos. bem como seus aspectos positivos e principalmente a contribuição.1 Introdução É a parte inicial do trabalho.2 Desenvolvimento É o trabalho em si. Deve apresentar de forma sintética os resultados da pesquisa de acordo com os objetivos propostos na introdução.2. o que já foi escrito sobre ele e o que ainda não foi explorado.3 Conclusão É a parte final da monografia. É a parte do trabalho em que o conteúdo é apresentado e analisado. divido em seções e subseções.2. ou hipótese. explicar os critérios para a escolha do tema. 28 . Além disso. Deve destacar a importância do assunto. Deve ser apresentado em capítulos. o problema da pesquisa ou hipótese (a pergunta que você vai responder com o seu trabalho).2.2 Elementos textuais 2.

título. 2) no todo ou em parte. Já as obras lidas.3 Elementos pós-textuais 2. .] conjunto padronizado de elementos descritivos. ano.3. Michel. retirados de um documento. • Um autor FOUCAULT. editora e data de publicação. Os elementos essenciais da referência são: autor (es). Nome. referência é o “[. Petrópolis: Vozes. ou sugeridas. no fim de texto ou de capítulo. notas especiais e ISBN. Exemplos: • Modelo geral SOBRENOME. ilustração. edição.2. que deve ser incluído no trabalho logo após das referências. 29 . Páginas. . As referências devem ser digitadas. A referência pode aparecer no rodapé. Edição. São dados complementares: a descrição física (número de páginas ou volumes). série ou coleção. ou em lista de referências. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Devem ser incluídas na lista de referências apenas as fontes que efetivamente foram utilizadas para a elaboração do trabalho. p. Título: subtítulo. 280p. dimensão. 1999. 36 ed. usando espaço simples entre as linhas e espaço duplo para separá-las.1 Referências Segundo a ABNT. devem constar no item Bibliografia. que não foram citadas ao longo do trabalho. que permite sua identificação individual” (ABNT. 2002. local. impressos ou registrados em diversos tipos de suporte. Local: Editora.

São Paulo: Summus. M. CHAVES. primeiro grau: livro do professor. Dietas em pediatria clínica. 1999. Christian. 1993. a referência inicia com o nome do responsável pela publicação. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o Brasil.. Jean. compilador. FONSECA. indica-se apenas o primeiro autor. DF: IPEA. Belo Horizonte: Editora UFMG. Exemplos: FERREIRA. • Mais de três autores Neste caso. L. LIMA. DIONNE.. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Léslie Piccolotto (Org. MARCONDES. 1991. coordenador etc. seguido pelo seu tipo de participação abreviada entre parênteses (organizador. URANI. M.). I. editor. 340p. 2. E. Brasília. O fonoaudiólogo e a escola. M. A.). • Coletâneas No caso de obras com vários autores.). A. PASSOS. 1 ed. acrescentando-se a expressão “et al” para indicar que há mais de 3 autores..• Dois ou três autores LAVILLE. et al. Alegria de saber: matemática. 30 . segunda série. 1994. 1995. 136 p. São Paulo: Sarvier. São Paulo: Scipione. de (Coord. N.

e da referência completa da obra.). P. particulares. (Ed. 1971.) seguidos da expressão “In:”. 3. a referência começa com a indicação do (s) autor (es).). p. Divisão de Biblioteca e Documentação da USP. 807-813. W. 31 . fragmento e outras partes de uma obra. deve-se informar a paginação ou outra forma destacar qual a parte da obra está sendo referenciada. Curso de médicos do trabalho. In: FUNDACENTRO. NOGUEIRA. In: LEVI. ed. Construtivismo del movimiento educacional: soluciones. etc.: [s. 167 p. São Paulo. História dos jovens 2. 1960. 1974. SCHMIDT. G. 1996. Córdoba. etc.) ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE BIBLIOTECÁRIOS.3. volume. Imagens da juventude na era moderna. v.n. • Autores corporativos (entidades coletivas. ROMANO. • Partes de monografias (capítulo. São Paulo: Companhia das Letras. Um presente especial. 1993.). No final. Giovanni. do título da parte (capítulo. Tradução Sonia da Silva. 7-16. (Org. Referências bibliográficas em ciências biomédicas..]. volume. com autor (es) e/ou título próprios): Neste caso. Fadiga. Grupo de Bibliotecários Biomédicos. São Paulo. Roger Patron (Comp.MOORE. p. D. governamentais. J. São Paulo: Aquariana. AR. LUJAN.

32 . Navio negreiro. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Acesso em: data. Internet. 2000. Estratégias pedagógicas: a temática indígena e o trabalho em sala de aula. • Partes de monografias disponíveis em meios eletrônicos (CD-ROM. 1988. • Monografias disponíveis em meios eletrônicos (CD-ROM. Instituto Astronômico e Geográfico. mês. etc. etc. In: SILVA. André. HOUAISS. 1998. 1999.terra. Internet.com.): POLÍTICA. GRUPIONI. São Paulo. São Paulo: Virtual Books. Acesso em: 8 mar. MACEDO.priberam. Disponível em: <http://www. São Paulo: Delta: Estadão. 5 CD. Antonio (Ed.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro. número. Luís Donisete Benzi (Org. AUTOR.ROM. Acesso em: 10 janeiro de 2002. Disponível em: <endereço eletrônico>. data. 279 p. Local (cidade): editora. Disponível em: <http://www. Acesso em: 24 junho de 1998. Ana Vera Lopes da Silva.). Disponível em: http://www.): KOOGAN. TÍTULO DA PUBLICAÇÃO.pt/dlDLPO>.htm>. Lisboa: Priberam Informática. Disponível em: <endereço eletrônico>.). Enciclopédia e dicionário digital 98.UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Título. Direção geral de André Koogan Breikmam. volume.bivirt. A temática indígena o o na escola: novos subsídios para professores de 1 e 2 graus. Local (cidade): Editora. Anuário astronômico. ano. Aracy Lopes da.futuro>. Acesso em: data. 1998. Castro. ALVES.

comunicações. 12. À margem da lei: o Programa Comunidade Solidária. ano. COSTA.): Referências de publicações periódicas (volumes. • Artigo e/ou matéria de revista (boletim. 131-148. volume e/ou ano.º do volume. números especiais e suplementos. entrevistas. título da publicação. Título do artigo.• Periódicos: A referência deve conter o título. 1998. n. Título do periódico. editorial. fascículos. fascículo ou número. data ou intervalo de publicação e demais informações que possam identificar a parte. o editor. local de publicação. recensões. R. Local de publicação (cidade). AUTOR. Rio de Janeiro. etc. 33 . p. e as datas de início e de encerramento da publicação (se houver). título da parte utilizada (artigo ou matéria). Em Pauta: revista da Faculdade de Serviço Social da UERJ. o local de publicação. n. REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. quando se tratar de artigo ou matéria. • Partes de periódicos: Devem ser referidos o (s) autor(es). páginas inicial-final. paginação inicial e final. n. V. Rio de Janeiro: IBGE. 1939-2009. mês (abreviado).º do fascículo. com título próprio). resenhas e outros. reportagens.

NBR 6028: Resumos.d. Política e Administração. Reforma do Estado e segurança pública. v. Nome.sem editora s. Belo Horizonte. set. Local: Instituição. Título: subtítulo.> Siglas para serem usadas na ausência de algum elemento: • • • • s. Ciências e Letras. RIBEIRO.n. Universidade Federal de Minas Gerais. nº de pág. 1989. local e ano da defesa. . 1997. ou vol. Rio de Janeiro. n. . • Normas técnicas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. nome do curso ou programa da faculdade e universidade. C. editor e data 34 . 1988. Ana Clara Torres. 15-21. 2003.Faculdade de Filosofia. • Dissertações e teses: SOBRENOME. 1988.GURGEL. Rio-metrópole: a produção social da imagem urbana. Dissertação (Mestrado em Administração) . V. Tese (Doutorado em Sociologia) . 2 v. Rio de Janeiro.ed. RODRIGUES.sem local.t. Qualidade de vida no trabalho. --.l. Universidade de São Paulo. São Paulo. 1989. ano. 3.sem data s. 2. 3 p. . Indicação de Dissertação ou tese. 180 p.sem local de publicação s. M.Faculdade de Ciências Econômicas. . p.

Entre parênteses. Regras para a apresentação das citações Nas citações. as chamadas são feitas pelo sobrenome do autor.2 Citações A Citação é "menção de uma informação extraída de outra fonte" (ABNT NBR 10520.]” (DERRIDA. p. em letras maiúsculas e minúsculas. C) Quando o nome do autor. acrescida da(s) página(s). com o texto em fonte tamanho 10. Exemplos: A ironia seria assim uma forma implícita de heterogeneidade mostrada. indica-se a data. a desconstrução do logocentrismo não é uma psicanálise da filosofia [. instituição responsável estiver incluído na sentença. A) As de até três linhas devem ser incluídas diretamente no texto. fora do corpo do texto central. devem estar em letras maiúsculas. em espaçamento simples.. 2002). As citações podem aparecer no texto ou em notas de rodapé. “Apesar das aparências. acompanhadas pela referência entre parênteses. marcadas com aspas no início e fim da citação. pela instituição responsável ou título incluído na sentença. B) Citações acima de três linhas devem aparecer recuadas em 4 cm. entre parênteses. Existem três tipos de citações: Direta: é a transcrição textual de pequenos trechos de uma obra. 1967.3. 293). conforme a classificação proposta por Authier-Reiriz (1982)..2. 35 .

No modelo serial de Gough (1972 apud NARDI.Citação indireta ou paráfrase: é um texto fundamentado nas idéias do autor consultado. p. prosseguindo da esquerda para a direita de forma linear. 1999. preservado de modo encapuçado na Carta de 1946. p. 3) diz ser [. Segundo Silva (1983 apud ABREU. é reescrever o que foi lido com as próprias palavras. citado por.” (VIANNA. o ato de ler envolve um processamento serial que começa com uma fixação ocular sobre o texto.. Citação de citação: transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original. 172 apud SEGATTO... p.] “[. ou seja. 1993).] o viés organicista da burocracia estatal e o antiliberalismo da cultura política de 1937. segundo”. 36 .. retirada de fonte citada pelo autor da obra consultada. A expressão “apud” significa “conforme. acrescentando opinião pessoal ou novas informações. 1986. ou seja. que também podem ser utilizadas no texto. 214-215). 1995.

Figura 10 – Citações 37 .

> Símbolos que podem ser utilizados nas citações: [. [ ] – para indicar interpolações. a partir da segunda linha da mesma nota.3. Existem dois tipos de notas: Notas de referência – utilizadas para indicar fontes consultadas ou remetem a outras partes da obra onde o assunto foi abordado permitindo comprovação ou ampliação de conhecimento do leitor.. abaixo da primeira letra da primeira palavra. 38 . a partir da margem esquerda. A numeração deve ser em algarismos arábicos e em seqüência. de palavras e expressões pouco conhecidas. As notas devem ser digitadas dentro das margens.--. organizada em ordem alfabética. Devem estar alinhadas. termos técnicos. É feita a partir de algarismos arábicos em ordem única e consecutiva para todo o capítulo ou parte.] – para indicar supressões no texto. Notas explicativas – São usadas para a apresentação de comentários.3. por interromper a linha de pensamento. As notas devem ser apresentadas no rodapé da mesma página.. 2. ficando separadas do texto por um espaço simples entrelinhas e por filete de 3 cm. de forma a destacar o expoente e sem espaço entre elas e com fonte menor. acréscimos ou comentários Grifo (negrito ou itálico) – Usado para dar ênfase ou destaque 2. ou palavras com uso restrito. explanações ou traduções que não podem ser incluídas no texto. acompanhados pelas suas respectivas definições.3 Notas de rodapé Devem ser utilizadas para esclarecimentos ou considerações que não são incluídas no texto.4 Glossário É uma lista. A primeira citação de uma obra deve ter sua referência completa.

3.5 Apêndice É um texto.7 Índice Segundo a ABNT (NBR 6034/2004) índice é uma “[. que localiza e remete para as informações contidas num texto”. manuais etc. . elaborado pelo autor com o objetivo de complementar o trabalho.6 Anexos São textos. 39 .3. 2. 2. mas também foram incluídos com o objetivo de complementar o trabalho.] relação de palavras ou frases.. . que não foram elaborados pelo autor. ordenadas segundo determinado critério. artigos. documentos.3.2. ou um documento.

5 entre as linhas e justificado. referências. fotos. 3 Apesar da ABNT recomendar o uso de folhas A4. 3. natureza do trabalho.2 Margens • As margens esquerda e a superior devem ter 3 cm. paginação. • As margens direita e a inferior. devem ser digitadas em espaço simples. legendas. 3. ficha catalográfica. nome da instituição a que é submetido e área de concentração. etc. podem ser coloridas). • Recomenda-se a utilização das fontes Arial ou Times New Roman no tamanho 12 para todo o texto. no formato A4 (21 x 29. 3. notas de rodapé e legendas das ilustrações e tabelas. algumas faculdades determinam o uso de papel Carta. tabelas.Capítulo 3 Apresentação Gráfica A ABNT também estabelece algumas regras para apresentação gráfica dos trabalhos acadêmicos. a fonte deve ser digitada em tamanho menor e uniforme.7 cm) 3. • As notas de rodapé. porém. No caso das citações de mais de três linhas.3 Alinhamento e espaçamento • O texto deve ser digitado com espaço 1. objetivo. o projeto gráfico é responsabilidade do autor. 40 .1 Formato • O trabalho deve ser impresso em folhas brancas. 2 cm. • A impressão deve ser feita na cor preta (ilustrações.

resumos.• As referências devem ser digitas em espaço simples. em 41 .5. referências. • O alinhamento dos itens da folha de rosto deve ser feito do meio da área digitada para a margem direita.6 Numeração das seções/capítulos A numeração precede o título da seção.). separada por um espaço de caractere e alinhadas à esquerda da folha. listas de ilustrações. 3. agradecimentos. separadas entre si por dois espaços duplos. sumário. 3. etc.5. negrito. apêndices. 3. digitados com destaque (em caixa alta. Vale lembrar a regra que determina que as citações acima de três linhas devem ser recuadas do texto central em 4cm.5 Parágrafos Devem começar com um recuo na primeira linha (cerca de 1. • Os títulos das seções devem começar na parte superior da página e separados do texto por dois espaços de 1.7 Títulos das seções/capítulos Os títulos das seções e/ou capítulos devem começar na parte superior da página. glossário.25 cm). lista de abreviaturas e siglas. Títulos sem Indicativos numéricos como errata. anexos devem ser centralizados. • Os títulos das subseções devem ser separados do texto seguinte por dois espaços de 1. 3.4 Notas de rodapé Devem ser digitadas em espaço simples e fonte no tamanho 10.

separados do texto que os sucede por dois espaços de 1. Figura 11 .5. indicados por um número arábico. Os títulos das subseções devem ser separados do texto que os precede e os sucede por dois espaços de 1.5 e alinhados à esquerda.folhas distintas.Títulos das seções/capítulos 42 .

em algarismos arábicos. serem contadas. 43 . no canto superior direito da folha. a 2 cm da borda superior. ficando o último algarismo a 2cm da borda direita da folha.3.8 Paginação Apesar de todas as folhas. as suas folhas também devem ser numeradas de maneira contínua. a partir da folha de rosto. a numeração só é exibida a partir da primeira folha da parte textual. Se o trabalho contar com apêndice e anexo. paginadas na seqüência do texto principal.

O outro grupo são os programas de computadores que estão definidos na Lei nº 9. conforme determinação da Lei nº 9610/98. Copiar textos sem dar o crédito ao verdadeiro autor. artistas plásticos etc. as interpretações dos artistas intérpretes e execuções dos artistas executantes. para fins de estudo. é nossa 44 .610/. arquitetos. Nos dois casos.1 O que é plágio? Plágio é o ato de apresentar como de sua autoria a obra intelectual produzida por outra pessoa. artística ou científica para fins didáticos. pessoais ou de estudo? Segundo a Lei Autoral Nº 9. Capítulo IV. os direitos autorais são um conjunto de direitos morais e patrimoniais sobre as criações do espírito. para uso privado e sem fins lucrativos. artísticas e científicas. fonogramas e emissões de radiodifusão. crítica ou debate. dramaturgos. Também podemos reproduzir obras de domínio público. podemos reproduzir quaisquer obras protegidas.2 Podemos copiar trechos de uma obra literária. tradutores. Ou seja. escultores. cineastas. além de antiético. expressas por quaisquer meios ou fixadas em quaisquer suportes. na medida justificada para o fim a atingir.Capítulo 4 Direitos Autorais Segundo a definição do Ministério da Cultura. tangíveis ou intangíveis. diz respeito às obras literárias.609/98. pintores. 4. 4. desde que em pequenos trechos. é o fruto do trabalho criativo e intelectual de compositores. divide-se o direito autoral em dois grupos: o primeiro. artigo 46. que se concede aos criadores de obras intelectuais e compreende os direitos de autor e os que lhe são conexos. escritores. em seu Título III. músicos. Segundo a natureza. é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.

quando você utilizar uma obra de domínio público na sua pesquisa.obrigação indicar o nome do autor e a origem da obra. deverá indicar o autor e a obra. Ou seja. 4. as obras passam a ser de domínio público. os direitos econômicos passam a não ser de exclusividade de nenhum indivíduo ou entidade. As obras de domínio público são de livre uso de todos. pois são consideradas herança cultural da humanidade. Ainda assim.3 Obras de domínio público Você sabia que no Brasil. 45 . os direitos autorais duram por setenta anos contados de 1° de janeiro do ano subseqüente ao falecimento do autor? Depois desse período.

com a facilidade de acesso as mais diferentes fontes de pesquisa disponíveis na internet. conversar com amigos. quando um professor pedia ao aluno que realizasse uma pesquisa e redigisse um trabalho. Bibliotecas virtuais. Milhões de pessoas usam a rede para fazer compras. entre outros. o computador é o primeiro ponto de parada. de qualquer lugar que tenha acesso à rede. graças aos avanços da tecnologia. econômicas e culturais. que são os caminhos essenciais para a construção do conhecimento. apesar de muitos não saberem usar essa ferramenta de forma responsável e criativa. Pouco tempo atrás. que influencia e interfere diretamente nas nossas vidas transformando de forma irreversível as atividades sociais. livros para download. estão disponíveis para consulta a qualquer hora do dia. revistas eletrônicas. o primeiro lugar a ser visitado era a biblioteca. Hoje em dia.Capítulo 5 Diga não ao ”control c + control v ” ! A expansão do número de computadores e a ampliação do acesso à internet crescem cada dia mais no Brasil. plagiar é crime previsto no Código Penal brasileiro. Se por um lado temos a facilidade de encontrarmos referências. acervos de trabalhos online. Além de ser um comportamento antiético. 46 . do estudo e da análise. Essas novidades passaram rapidamente a fazer parte do nosso cotidiano. informações e todos os dados necessários para elaborarmos nossos trabalhos escolares e acadêmicos sem precisar sair de casa. eliminando a etapa da pesquisa. por outro. E são raros os alunos que dispensam a internet para cumprir suas tarefas. participar de redes sociais e fazer pesquisas escolares e acadêmicas. em especial a educação. muitos ainda preferem usar o famoso “control c + control v” para copiar os textos disponíveis nos sites da internet e entregá-los para o professor como se fossem seus. Vivemos hoje em uma sociedade em constante transformação e em um novo período em que as informações se propagam a velocidades e em quantidades significativas e esse é um fenômeno global.

guiados por um problema ou pergunta a ser respondida. de refletir e. ou na coletividade. No primeiro momento. por que não investirmos no nosso crescimento. antes de tudo. pesquisas e conclusões. Ter a nossa cara. conscientes e questionadoras? A atividade de pesquisa desempenha um papel importante nesse processo. E para isso. Para cumprir o objetivo de nos educar. pode parecer esperteza do estudante. as nossas idéias e o nosso posicionamento diante do assunto. as situações da vida em sociedade vão cobrar por esse deslize. o aluno deixa de pensar. É através dela que acessamos todo o conhecimento construído por outros pesquisadores. em um futuro próximo. que rapidamente se livra da tarefa sem ter qualquer dificuldade. ter um pouco de nós mesmos. é preciso fazer as escolhas corretas. Ao invés de optarmos pelo caminho do plágio. por meio dos seus trabalhos. reflexiva e responsável para identificar e solucionar os problemas da vida cotidiana seja na esfera pessoal. do estudo e da pesquisa. devemos ser capazes de interpretar. estimulando a nossa curiosidade e aproveitando as oportunidades que a vida escolar e acadêmica nos proporciona para nos tornarmos pessoas mais cultas. mesmo que ele já tenha sido abordado por diversas pessoas. é necessário termos uma postura crítica. elaborar. professores e estudantes. que nos ensinam a pensar e a avaliar as nossas experiências. Mas. compreender e inferir por nós mesmos. Quando estamos diante das informações. trazendo a nossa visão pessoal sobre o assunto. que parece o mais simples. escolar e em sociedade. sobretudo. múltiplas vezes e através dos mais variados pontos de vista. são adquiridas através da vivência familiar. especialistas. E essas qualidades não nascem conosco.Optando pela preguiça intelectual. precisa ter consciência 47 . a pesquisa precisa. Simplesmente copiar e colar um texto elimina todo esse processo de construção intelectual e dificulta o nosso crescimento como alunos e estudantes. de aprender. É a nossa reflexão que torna o nosso trabalho relevante e não a simples reprodução de frases e dados. Para sermos cidadãos. através da leitura. fazendo com que a nossa pesquisa seja única. Quem tem expectativa de futuramente disputar uma boa colocação no mercado de trabalho.

48 . através da leitura e da pesquisa. e também através da experiência que adquirimos nos estágios e outras atividades complementares. Resgate a curiosidade e a satisfação da descoberta e não encare o trabalho escolar e acadêmico como uma obrigação chata. mas o que vai nos tornar aptos para desempenhar as tarefas é o nosso conhecimento adquirido durante a vida escolar e acadêmica. quando na verdade estão enganando a si mesmos. Sendo assim. Diante das dificuldades e dúvidas. mas como uma atividade que pode ser divertida e interessante. dependendo somente da maneira como você a administra. Eles são as pessoas indicadas e preparadas para orientar o aluno durante esta jornada e a fazer as escolhas certas.de que as grandes oportunidades surgem. Aqueles que investem no próprio crescimento e desenvolvimento intelectual têm muito mais chance de sucesso na vida profissional do que aqueles que fogem da leitura e do estudo. preferindo copiar textos prontos e fingir que estão enganando seus professores. converse com seu professor ou professora. diga não ao “control c + control v” e use com responsabilidade os recursos que a internet proporciona.

1996. Disponível em: < http://www.Citações em documentos – apresentação. DEMO. 2008. 2004. Rio de Janeiro: ABNT.br/site/2008/02/02/lei-no-9610-de-19-de-fevereiro-de-1998/#more9966>. Pesquisa e construção de conhecimento. Rio de Janeiro. 2005. CHAVES. Rio de Janeiro: ABNT. 49 . Pedro. 24 p. 3 p. 2 ed. NBR 6028: Informação e Documentação . 4 ed. 2003. Altera. O prazer da produção científica: diretrizes para a elaboração de trabalhos acadêmicos.gov. Piracicaba: Ed. BRASIL.Resumo – Elaboração. 12 p.610/98. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro: Wak.cultura. _________. ________. Acesso em: 28 dez. NBR 10520: Informação e Documentação . ‗‗‗‗__‗‗. 2003. José. 20 de fevereiro de 1998. NBR 14724: Informação e Documentação: Trabalhos Acadêmicos – Apresentação. de 19 de fevereiro de 1998. Brasília. 1998. 2009. Marco Antônio. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Rio de Janeiro: ABNT. 8 p. Rio de Janeiro: WAK.Índice – Apresentação. _________. NBR 6034: Informação e Documentação . 2002. Rio de Janeiro: ABNT. NBR 6024: Informação e Documentação – Numeração progressiva das seções de um documento escrito – Apresentação. 2 p. 2003. Lei nº 9. _________. da UNIMEP. AZEVEDO. NBR 6023: Informação e Documentação Referências – apresentação.Referências Bibliográficas ABRANTES. Projeto de Pesquisa: Guia Prático para Monografia. 2007. DF. _________. 9 p. Fazer Monografia é Moleza: O passo a passo de um trabalho científico. Rio de Janeiro. atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. 7 p. TB 49:1967: Terminologia de Documentos Técnico-Científicos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Israel Belo de.

Acessado em 25 de outubro de 2009. Umberto. 1994. 2000. RUDIO. Como se faz uma tese: em ciências humanas. 1999. MARTINS. A arte de pesquisar.cultura. 1984. Gilberto de Andrade. Como elaborar projetos de pesquisa.br/site/>. Rio de Janeiro: Record. São Paulo: Atlas. Metodologia do trabalho científico. Disponível em <http://www. São Paulo: Atlas. Petrópolis: Vozes.ECO. 2002. SEVERINO. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 1991. GIL. São Paulo: Cortez. Franz Victor. GOLDENBERG. Mirian. 50 . Antonio Carlos. Antônio Joaquim. Manual para elaboração de monografias e dissertações. MINISTÉRIO DA CULTURA. Lisboa: Presença.gov.