You are on page 1of 33

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Mata Ciliar e Assoreamento

Bruno Fellipe Leite Leandro Cassemiro Karen Patrícia Bettanin Veronica

RA: ________ RA: ________ RA: ________ RA: ________ RA: ________

Jaguariúna 2009

Faculdade de Jaguariuna

Trabalho

apresentado disciplina e

para de Engenharia

complementação Sociedade,Ambiente

Ambiental sob orientação da Professora Patricia Pantano Mattiazzo

INDICE
Descrição Introdução As principais causas da degradação da mata ciliar As principais consequencias da degradação da mata ciliar Soluções e casos de sucesso na recuperção da mata ciliar Conclusão Referencias bibliograficas

basta um estudo minuncioso sobre as especies vegetais e animais que habitam a area e o nivel de degradação em questão.Existem varias casos de recuperação da mata ciliar de sucesso.a degradação dessas áreas pela agircultura.pecuaria e mineração entre outras acarretam varias consequências ao meio ambiente e ao homem.DESCRIÇÃO A importancia da preservação da mata ciliar contribuiu para o equilibrio da fauna e flora local.como a perda da biodiversidade. .da quantidade e qualidade da água e enchentes.

ou seja. vegetação ou floresta ripária. represas e nascentes. Também é conhecida como mata de galeria. Sem ela. Considerada pelo Código Florestal Federal como "área de preservação permanente". O processo de erosão se torna acentuado principalmente devido à ocorrência de enchentes nas épocas de chuva. córregos. devendo respeitar uma extensão específica de acordo com a largura do rio. tanto da flora. areia no fundo dos rios. assim reduzindo o volume de água. a construção de favelas em encostas que. a erosão das margens leva terra para dentro do rio. possam se deslocar. represa ou nascente. quanto da fauna. dificultando no tratamento de água para abastecimento.tendo umas das conseqüências mais graves o assoreamento. As principais causas de destruição da mata ciliar são desmatamento que desprotege o solo da chuva. Como o armazenamento de água no lençol freático. As técnicas agrícolas e agropecuárias inadequadas. A preservação e a recuperação das matas ciliares possibilitam que as espécies. além de mudar o curso d’água. reproduzir e garantir a biodiversidade da região e aliadas às práticas de conservação e ao manejo adequado do solo garante a proteção de um dos principais recursos naturais: a água. entupimento de tubulações de captação. quando se promovem desmatamentos extensivos no local de áreas plantadas. a sua ausência neste caso aumentaria o escoamento artificial. A função das matas ciliares em relação às águas está ligada a sua influencia sobre uma série de fatores importantes. diminuindo o volume de água no subsolo e acarretaria em enchentes durante o período de chuvas. . auxiliando na infiltração da água. torna-a turva e impossibilitando a entrada de luz dificultando a fotossíntese e impedindo renovação do oxigênio para algas e peixes. lago. com diversas funções ambientais. mata de várzea.INTRODUÇÃO Mata ciliar é a formação vegetal localizada nas margens dos rios. e os sólidos em suspensão prejudicando a vida aquática e a qualidade da água para uso e consumo humano. lagos. além de desmatar acaba por jogar dejetos e esgoto nas margens dos rios ou córregos. A mata ciliar é uma proteção natural contra o assoreamento. o acumulo de detritos.

representada pelos diferentes biomas. dadas as dimensões continentais do País. estimulou e ainda estimula a expansão da fronteira agrícola sem a preocupação com o aumento ou. as mudanças climáticas locais. as pastagens e as cidades. como a extinção de várias espécies da fauna e da flora. Assim. a erosão dos solos e o assoreamento dos cursos d'água. Neste panorama. resulta em vários problemas ambientais. o processo de ocupação do Brasil caracterizou-se pela falta de planejamento e conseqüente destruição dos recursos naturais. retendo defensivos agrícolas. em variado estado de degradação. salvo algumas reservas de florestas bem conservadas. por florestas secundárias. Este processo de eliminação das florestas resultou num conjunto de problemas ambientais. para os pecuaristas. ficando a vegetação arbórea nativa representada. a cobertura florestal nativa. pelo menos. as matas ciliares sofrem pressão antrópica por uma série de fatores: são as áreas diretamente mais afetadas na construção de hidrelétricas. nas regiões com topografia acidentada. para a implantação de culturas agrícolas e de pastagens. eliminando-se todo tipo de vegetação ciliar. particularmente das florestas. pelo contrário. através de inundações constantes. A noção de recursos naturais inesgotáveis. o Sudeste e o Sul. que torna obrigatória a preservação das mesmas. e muitas acabam pagando um preço alto por isto. Este processo de degradação das formações ciliares. além de desrespeitar a legislação. cedendo espaço para as culturas agrícolas.AS PRINCIPAIS CAUSAS DA DEGRADAÇAÕ DA MATA CILIAR Para Sebastião Venâncio Martins. as matas ciliares não escaparam da destruição. foi sendo fragmentada. principalmente. são as áreas preferenciais para a abertura de estradas. Ao longo da história do País. representam obstáculos de acesso do gado ao curso d'água etc. As matas ciliares funcionam como filtros. . poluentes e sedimentos que seriam transportados para os cursos d'água. o processo de fragmentação florestal é intenso nas regiões economicamente mais desenvolvidas. foram alvo de todo o tipo de degradação. com uma manutenção da produtividade das áreas já cultivadas. ou seja. e avança rapidamente para o Centro-Oeste e Norte. Além do processo de urbanização. Basta considerar que muitas cidades foram formadas às margens de rios.

É necessário que as autoridades responsáveis pela conservação ambiental adotem uma postura rígida no sentido de preservarem as florestas ciliares que ainda restam. cada vez mais aprimorados. A definição de modelos de recuperação de matas ciliares. o ideal é que todo tipo de atividade antrópica seja bem planejada. Além das técnicas de recuperação propostas neste trabalho. além de. em muitos casos.afetando diretamente a quantidade e a qualidade da água e conseqüentemente a fauna aquática e a população humana. a restauração relativamente rápida da cobertura florestal e a proteção dos recursos edáficos e hídrico não implica que novas áreas possam ser degradadas. e que principalmente a vegetação ciliar seja poupada de qualquer forma de degradação. as florestas ciliares continuam sendo eliminadas cedendo lugar para a especulação imobiliária. visando conscientizar tanto as crianças quanto os adultos sobre os benefícios da conservação das áreas ciliares. em que a água vem sendo considerada o recurso natural mais importante para a humanidade. sendo transformadas apenas em áreas degradadas. ainda mais evidente nesta virada de século e de milênio. facilitando o deslocamento da fauna e o fluxo gênico entre as populações de espécies animais e vegetais. e que os produtores rurais e a população em geral sejam conscientizados sobre a importância da conservação desta vegetação. As matas ciliares exercem importante papel na proteção dos cursos d'água contra o assoreamento e a contaminação com defensivos agrícolas. Em regiões com topografia acidentada. é fundamental a intensificação de ações na área da educação ambiental. portanto.° 4. em muitos casos. sem qualquer tipo de produção. e de outras áreas degradadas que possibilitam. essenciais para a conservação da fauna. Apesar da reconhecida importância ecológica.777/65) desde 1965 inclui as matas ciliares na categoria de áreas de preservação permanente. na maioria dos casos. exercem a proteção do solo contra os processos erosivos. Assim toda a vegetação natural . Pelo contrário. para a agricultura e a pecuária e. portanto. ligando fragmentos florestais e. O novo Código Florestal (Lei n. Estas peculiaridades conferem às matas ciliares um grande aparato de leis. se constituírem nos únicos remanescentes florestais das propriedades rurais sendo. já que poderiam ser recuperadas. São importantes também como corredores ecológicos. decretos e resoluções visando sua preservação.

ou seja. Com o passar do tempo e. Dependendo da intensidade do distúrbio. Uma floresta ciliar está sujeita a distúrbios naturais como queda de árvores. aberturas no dossel. o processo de degradação é antigo. ou seja. raios etc. maior intensidade do que os naturais. que são cicatrizadas através da colonização por espécies pioneiras seguidas de espécies secundárias. dependendo da intensidade de uso. dificultando o processo de regeneração natural ou tornando-o extremamente lento. banco de plântulas e de sementes no solo. tendo iniciado com o desmatamento para transformação da área em campo de cultivo ou em pastagem. a largura da faixa de mata ciliar a ser preservada está relacionada com a largura do curso d'água. podem ser perdidos. lagos. a . capacidade de rebrota das espécies. De acordo com o artigo 2° desta lei.(arbórea ou não) presente ao longo das margens dos rios e ao redor de nascentes e de reservatórios deve ser preservada. que resultam em clareiras. na maioria das vezes. os incêndios. etc. O quadro apresenta as dimensões das faixas de mata ciliar em relação à largura dos rios. Distúrbios provocados por atividades humanas têm. perde sua resiliência. a extração de areia nos rios.. Em muitas áreas ciliares. os empreendimentos turísticos mal planejados etc. chuva de sementes. com área menor que 20 ha Um ecossistema torna-se degradado quando perde sua capacidade de recuperação natural após distúrbios. dentre outros. para expansão de áreas urbanas e para obtenção de madeira. deslizamentos de terra. Largura Mínima da Faixa 30 m em cada margem 50 m em cada margem 100 m em cada margem 200 m em cada margem 500 m em cada margem Raio de 50 m 30 m ao redor do espelho d'água 50 m ao redor do espelho d'água Situação Rios com menos de 10 m de largura Rios com 10 a 50 m de largura Rios com 50 a 200 m de largura Rios com 200 a 600 m de largura Rios com largura superior a 600 m Nascentes Lagos ou reservatórios em áreas urbanas Lagos ou reservatórios em zona rural. fatores essenciais para a manutenção da resiliência como. As principais causas de degradação das matas ciliares são o desmatamento para extensão da área cultivada nas propriedades rurais. comprometendo a sucessão secundária na área afetada.

0% da área de .000 há. dados citados por Maria Rodrigues da Silva no artigo Efeitos da Gestão Ambiental das Empresas Minero-Metalurgicas do Estado do Pará (1999).79% da área do Pará ou 9. A resolução 010/Conama estabelece a obrigatoriedade dos projetos de mineração implantarem uma Estação Ecológica visando compensar pelos danos ambientais causados pela atividade. Segue alguns exemplos de degradação no território brasileiro. como as chuvas. sempre estiveram entre as cinco primeiras maiores empresas mineradoras do país. Extração Mineral provoca a remoção da cobertura vegetal e cortes no terreno. as áreas efetivamente oneradas com a implantação da MRN da Rebio e da Flona representam 0. No caso da MRN. Responde por 17% do valor da produção mineral do Pará.degradação pode ser agravada através da redução da fertilidade do solo pela exportação de nutrientes pelas culturas e. da compactação e da erosão do solo pelo pisoteio do gado e pelo trânsito de máquinas agrícolas. que as submetem muitas vezes a processos de erosão e assoreamento profundos. deixando as áreas mineradas expostas aos efeitos climáticos. U$300 mil anuais para manutenção dessas áreas (IBAMA. ou. Está localizada a oeste do Estado do Pará. a 80 km do município de Oriximiná.Belém). sua produção gira em torno de 10 milhões de t/ano. há duas Unidades de Conservação em seu entorno – a Rebio do Rio Trombetas 4 (Reserva Biológica) e da Flona (Floresta nacional) Saracá-Taquera – (tabela 2) A empresa gasta. Segue alguns casos dos efeitos do impacto ambiental causado pela extração mineral. geralmente realizados de forma errônea. pela prática da queima de restos vegetais e de pastagens. Indústria Extrativa Mineral do Pará A MRN (Mineração Rio Do Norte) é a terceira maior produtora de bauxita do mundo. ocupa uma área de 147. em média. e suas reservas medidas garantem o atual ritmo de produção por mais de 50 anos. Nesse caso.

Oriximiná. O principal rejeito da Alunorte é a lama vermelha que é formada por resíduos insolúveis de bauxita mais soda caustica que é prejudicial para o solo e águas (lençol freático. como a bauxita que lhes dá origem. o que provocou assoreamento do lago e. solo e águas.4% já foi lavrada (2.000 ha) apenas 1. sempre apresentam soda residual. perda de vegetação nativa. Estes sólidos. Os principais impactos diretos provocados pela MRN são: remoção de cobertura vegetal por desmatamento (120 a 150 ha/ano). impactando área de 600 ha. 40. mas por serem gerados em contato a soda caustica. Da área destina à atividade mineradora (147. Durante seus primeiros dez anos de funcionamento a empresa despejou 2. ao impedimento das comunidades ribeirinhas de pescar na região dos lagos das áreas reservadas. flora. Este modelo de gestão ambiental tem sido adotado por outras empresas no Pará.000 ha) e desta. lagos. As medidas para mitigação de tais impactos. e produz alumina é um produto intermediário entre a bauxita e alumínio.3% é ocupada pela Mineração.4 mil m3/hora de resíduos da lavagem da bauxita e desmatou a mata ciliar no Lago Batata. afetando a fauna. Este rejeito sólido das fábricas de alumina corresponde à parte estéril (não é aproveitável) do minério que é insolúvel na soda caustica. Do total das áreas oneradas 15. a empresa adotou uma estratégia inovadora de recomposição do solo com o material descartado e revegetação com espécies nativas. não tem características tóxicas ou agressivas. A soda cáustica é o elemento mais nocivo ao meio- . conseqüentemente. Os impactos ambientais indiretos referem-se à perda de biodiversidade ocorrida devido ao assoreamento do Lago Batata. A Alumina do Norte S/A (Alunorte) A Alunorte ocupa uma área de 80 ha e está localizada no Município de Barcarena. destruição de habitats e de recursos disponíveis à fauna incluindo áreas da mata ciliar. Após sérios problemas com órgãos ambientalistas e com a mídia.5% já foi revegetada. através de reflorestamento com espécies nativas que são capturadas na própria floresta e reproduzidas em viveiro da empresa. evitando assim o despejo de material diretamente no meio ambiente.7% pela Flona e 40% pela Rebio. perda da biodiversidade. 44. segundo relatório anual da empresa consistem na recuperação das áreas mineradas. igarapés e rios).

500Ha de floresta em torno da área das indústrias.ambiente. com investimentos de U$140 milhões. referem-se emissão de gazes e material particulado. Camargo Corrêa Metais (CCM). Por este sistema. geração de efluentes ácidos e básicos que podem provocar deterioração da qualidade da água. A CCM entrou em operação no Pará. capacidade instalada 9. adquirindo a consistência de um solo normal a curtíssimo prazo e facilitando enormemente a recuperação da área para outros fins. Silício Metálico. Assim. município de Tucuruí. E além de desmatar áreas de preservação como as mata ciliares. . originada pela moagem do carvão e redução da sílica nos fornos elétricos e poluição sonora a partir de ruídos provocados por este processo. dessa forma garantindo maior proteção contra a contaminação do lençol freático A Alunorte mantém um horto florestal e um cinturão verde de 3. Os principais impactos ambientais diretos provocados pela CCM. O resíduo é depositado em valas muito grandes protegidas com mantas de polietileno. a lama é lançada no depósito na forma de uma pasta contendo cerca de 60% em peso na fase sólida. insumo importante no processo produtivo do silício-metálico. em 1988. o que prejudicaria grande parte da população local. O processo produtivo também tende a gerar poluição do Ar. A empresa já iniciou o processo de implantação do selo ambiental da ISO 14000. para produção de carvão vegetal. ela não segrega líquidos e se comporta basicamente como um lava vulcânica. na fase de beneficiamento. destina toda sua produção ao mercado externo e responde por 2% das exportações da indústria de transformação do Pará. Indiretamente há o problema do desmatamento de áreas de preservação abrangendo a mata ciliar local.000 t de silício metálico/ano.a lama vermelha produzida pela soda caustica acaba assoreando os rios e igarapés e até mesmo contaminando o lençol freático. A Alunorte adotou o método de deposição da lama por alta densidade. pois pode provocar chuvas ácidas.

rios e o desmatamento das áreas verdes e de preservação ambiental. ainda contribui para poluição através de esgoto e dejetos despejados no leito das águas. a legislação ambiental não tem sido colocada em prática. Afirma Sandres Fernandes do Santos que desde o século XIX a humanidade conheceu um gigantesco crescimento das cidades. Neste caso citaremos um exemplo já estudado por Sandres Fernandes dos Santos. A área da bacia do Córrego Fundo. que além de desmatar a área de preservação para loteamento urbano localizado principalmente na periferia das cidades e até mesmo apropriação indevida como no caso das favelas. Além disso. dentre os mais graves podemos citar: . pertencente à bacia do Rio Meia Ponte. é uma área periférica de expansão urbana recente. trata-se de uma área relativamente pequena (pouco mais de 5 km de extensão de canal. Principalmente nos grandes centros urbanos que trazem alguns problemas típicos. mediante implantação de loteamentos irregulares e mal planejados. cujos impactos ambientais e suas conseqüências não são suficientemente conhecidas. A retirada da Mata Ciliar tem trazido sérios problemas para o Córrego Fundo. O crescimento urbano desordenado destes países trouxe sérios prejuízos ao meio ambiente. inclusive com setores de invasão. desmatamentos. em todos os sentidos. ocupando a área de preservação permanente ligada ao canal fluvial e constituída por população de baixa renda. alguns países criaram leis importantes para uso e preservação do meio ambiente. situado na região noroeste de Goiânia. como a poluição do ar. Nos países pobres este crescimento foi rápido e violento. assoreamento dos rios. prejudicando a preservação dos recursos naturais do pais. se fosse respeitada a lei em vigor. erosão e empobrecimento dos solos. como: poluição do ar. em países como o Brasil. Diante destes problemas.• Urbanização. que deveria ter em média 30m de faixa relativa à área de preservação permanente). onde a mata ciliar esta parcialmente destruída comprometendo a quantidade e qualidade da água para aqueles que residem no local. que expõe o impacto ambiental causado pela urbanização não planejada na região Noroeste de Goiânia mais especificamente no Córrego Fundo. Porém. Estas leis são rígidas e visam zelar pelo bem estar da sociedade e equilíbrio da natureza.

• Assoreamento do Córrego. A situação ainda se agrava. pois próximo aos entulhos estão localizadas as plantações de hortaliças que abastecem as feiras livres de Goiânia. esta nascente era bastante volumosa e o córrego era fundo. • Poluição causada por depósitos de lixos e entulhos. . depositado pela população local. Nas épocas de chuvas. nota-se a presença marcante das erosões. causando diminuição do volume de água (conforme depoimentos tomados com moradores do local). Segundo moradores ribeirinhos. bem como sedimentos trazidos pelas galerias pluviais e escoamento superficial. por ter maior umidade das várzeas e beira de rios permite melhor desenvolvimento das pastagens durante a estação da seca. Situação que pode ser agravada com a compactação e da erosão do solo pelo pisoteio do gado. Pois a falta de conscientização do homem por desrespeitar as leis ambientais tornou-se o principal destruidor da Mata Ciliar do córrego Fundo. A nascente do Jardim Curitiba encontra-se muito poluída e assoreada. O processo de urbanização deve seguir normas para que não prejudique o bem estar das pessoas. Nos trechos do córrego Fundo onde a vegetação está parcialmente ou totalmente desmatada. quando o volume d’água na calha do córrego aumenta. provocado por inúmeros processos erosivos ao longo do curso d’água. No Jardim Curitiba a área reservada para preservação permanente foi ocupada por um lixão. o que deu origem ao nome da drenagem. Os dutos das galerias pluviais do Bairro da Vitória e do Jardim Curitiba despejam enorme quantidade sedimentos no local e provocam erosões. Contudo é importante destacar que o desrespeito às áreas de preservação ambiental está muito nítido. lançamento de esgoto in-natura e resíduos agrícolas provenientes de hortaliças localizadas na área de preservação ambiental. animais mortos. Uma das nascentes encontra-se em plena degradação. Atualmente a nascente se encontra assoreada tendo reduzido bruscamente o volume d’água do córrego. verifica-se o solapamento das margens causando o processo de assoreamento. A questão da pecuária que transforma a mata ciliar em pastagens.

De forma sintética.). poder-se-iam citar dois extremos de sistemas de produção. No outro extremo. do algodão. É o caso da citricultura. perda de solos. desde cedo foi necessário o desmatamento de áreas de mata ciliar para que o rebanho pudesse beber água dos rios. Alguns pontos de parada para o descanso do gado deram início a alguns povoamentos. . o tipo de gramínea ideal para a engorda do gado. de fruticultura irrigada e de outros cultivos em S. onde a fronteira agrícola ainda está em expansão. Pará e Mato Grosso. a agricultura brasileira é uma realidade heterogênea e complexa em seus sistemas e estruturas de produção. que mais tarde se transformaram em cidades. Em meados do século XVIII. estão sistemas de produção altamente intensificados que consomem relativamente menos recursos naturais no local. fertilizantes. Com o transporte de gado do Rio Grande do Sul para São Paulo e Minas Gerais. Eles são freqüentes no caso de Rondônia. pesticidas. informações retiradas do Artigo da Companhia Catarinenses de Águas e Saneamento Superintendência de recursos Hídricos e Meio Ambiente (2004). Para o desenvolvimento desta atividade. Acre. tendo encontrado. São Joaquim e Mafra. Então. Curitibanos. também. para no inverno o gado se abrigar do frio. com inúmeras combinações intermediárias. procuravam por novas pastagens ao sul do Brasil. no Planalto Catarinense. instalaram suas manadas. De um lado. grandes fazendeiros paulistas. onde a fronteira agrícola não se expande mais e os processos de produção se intensificaram.Uma questão muito comentada é a desmatação ocorrida no Estado de Santa Catarina. mas introduzem no meio ambiente novos elementos e produtos causadores de desequilíbrios (inseticidas.). como Lages. criadores de gado. por exemplo. sais etc. redução da fertilidade natural. dada a diversidade agroecológica do território nacional e a variabilidade sócio-econômica existente no país. Na segunda metade do século XIX. da cana-de-açúcar. Paulo e em outras regiões do país. na região de Lages. figura importante entra em cena em Santa Catarina: o tropeiro. da cerealicultura. ou ainda abrir um pouco a floresta ombrófila mista. que caracteriza esta região. os tropeiros tiveram importante papel para o desenvolvimento do oeste catarinense. erosão genética etc. • A questão da agricultura. os sistemas agrícolas mais primitivos que consomem muitos recursos naturais (desmatamento.

da soja. o problema é bastante relevante e foi identificado no Plano de Bacias do Comitê das Bacias Hidrográficas do Paraíba do Sul (CBH-PS) como meta prioritária a redução da carga de sedimentos da Bacia do Rio Una. em geral. Convenientemente orientados. estes sistemas podem concorrer para a melhoria da qualidade ambiental. adotam mais rapidamente novas tecnologias e procedimentos e levam a uma redução progressiva de seu impacto ecológico e/ou a novos impactos. o que . o que potencializa a ação da força hidráulica das enxurradas como elemento de remoção e transporte de material em direção aos cursos d’água. cada sistema de produção. comenta no livro de Sonia Regina Da Cal Seixas Barbosa. As estradas rurais. das pastagens ou da citricultura. mesmo intensificado. condicionadas a um traçado geométrico carregado de fortes rampas e curvas acentuadas. situam-se em Áreas de Preservação Permanente. por razões sócio-econômicas. Estudos acerca da conservação dessas estradas apontam o transporte de sedimentos e os problemas de erosão do solo nas margens de estradas e o conseqüente carregamento de materiais para os leitos dos rios como fatores de agravamento das condições ambientais e da qualidade dos recursos hídricos. as estradas vicinais permitem o fluxo de mercadorias e serviços na zona rural dos municípios. Mais de 20% das estradas rurais do município encontram-se a menos de 30 metros das margens. é um caso particular: são coisas distintas avaliar-se o impacto ambiental da cana. A situação é agravada pela ausência do planejamento de dispositivos de drenagem superficial e contenção dos processos de erosão de talude na construção dessas vias. via de regra são oriundas do aproveitamento de trilhas e caminhos existentes.771/65 e Resolução CONAMA 303/2002. Os sistemas de produção mais intensificados. previstas no Código Florestal.Os sistemas mais tradicionais. Lei 4. evoluem pouco ou lentamente e mantém de forma crônica e constante seu impacto ambiental. do café. uma ação que quase passa despercebida. considerando também o desmatamento ocorrido nas margens dos rios. Um exemplo que se enquadra nesse contexto é o da micro bacia do Município de Taubaté – São Paulo. mas que também causa impacto ambiental. Mesmo assim. como se verifica hoje em países desenvolvidos e em várias regiões do país. portanto.

pois envolve a fertilidade dos solos. O número de queimadas na Amazônia apresenta uma tendência constante de crescimento ao longo dos anos.ou seja. citada no livro de Sonia Regina Da Cal Seixas Barbosa. Uma pesquisa realizada pelo Núcleo de Monitoramento Ambiental NMA-EMBRAPA em Rondônia. Celso de Souza e outros). a destruição da biodiversidade. prejudicando a população local (CATELANI. a fragilização de agro ecossistemas. No caso da Amazônia. Mais de 98% das queimadas praticadas no Brasil são de natureza agrícola. 4 15). a finalidade da queimada não é o comércio. a destruição de linhas de transmissão e outras formas de patrimônio público e privado. como cita Evaristo Eduardo de Miranda. As queimadas interferem diretamente na qualidade do ar. na física. nitidamente a partir de 1996. Ainda segundo Evaristo Eduardo Miranda Em Nota sobre o aumento das queimadas na Amazônia no bimestre de Julho e Agosto de 2005 (Comunicado Técnico Embrapa. É uma prática controlada. e ainda consideradas o maior crime contra a natureza. são utilizadas intensivamente devido à falta de alternativas tecnológicas e de linhas de crédito compatíveis com as condições econômicas dos pequenos agricultores. a diminuição da visibilidade atmosférica. na vegetação atingida pelo fogo e indiretamente podem afetar os recursos hídricos.tem como conseqüência aumento gradativo de pequenas enchentes. mas a limpeza de áreas. . • As queimadas. Mesmo assim são necessários cerca de oito anos para que a área fique limpa para a prática agrícola. o aumento de acidentes em estradas e a limitação do tráfego aéreo. O agricultor decide quando e onde queimar. revelou que apenas uma pequena parte (menos de 5%) da madeira das áreas desmatadas foi comercializada . desejada e faz parte do sistema de produção. pois não dão chance de fuga e recuperação da biodiversidade existente a falta de controle de queimadas invade áreas de preservação inclusive as matas ciliares. o fogo é o único meio viável para eliminar a massa vegetal e liberar áreas de solo nu para plantio. entre outros. na química e na biologia dos solos. O impacto ambiental das queimadas é um tema preocupante. a produção de gases nocivos à saúde humana.

Rondônia. Para. Amazonas e Mato Grosso com causas variadas e que exigem um estudo particular de cada uma. principalmente no sul do Amazonas. . A equipe de pesquisadores da Embrapa Monitoramento por Satélite está realizando uma análise dos diversos vetores econômicos e ambientais que impulsionam e reagem às políticas públicas aplicadas na região pelos estados e governo federal associados a essa dinâmica das queimadas Esses pólos estão nos estados do Acre.Uma análise geográfica do fenômeno permite identificar cinco pólos principais de expansão de queimadas. muitos associados a frentes pioneiras de desmatamento e extração de madeira. porém podemos citar que todas invadem áreas de preservação e áreas indígenas.

a) Elevação do fundo do corpo hídrico. prejudicando a navegação e diminuindo a lâmina d'água. diante da degradação descontrolada que vem ocorrido com a mata ciliar. d) O material fino em suspensão na coluna d’água (turbidez) é uma barreira à penetração dos raios solares. lagoas.AS PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS DA DEGRADAÇÃO DA MATA CILIAR Para Valéria Sucena Hammes. Segue as principais conseqüências dessa ação: Assoreamento dos rios e lagos. c) Em área de manguezais o assoreamento altera a flutuação das marés pelo avanço da linha de orla. e que há pouco tempo que algumas providências vem sido tomadas para recuperação dessas áreas.  Nos rios. a sociedade como um todo suportou (inclusive com perdas econômicas) as conseqüências da degradação ambiental ou perda da qualidade ambiental. são varias as conseqüências trazidas para o homem e para o meio ambiente. Quando se tornou possível estimar os prejuízos econômicos causados por essa degradação é que se percebeu que havia um saldo negativo entre a produção e a degradação gerada. comprometendo a vegetação da orla (manguezais) e as zonas pesqueiras. b) Alteração da circulação e dos fluxos das correntes internas. . o que provoca seu maior aquecimento e menor capacidade de dissolver oxigênio. é possível observar que este problema ocorre em todo território brasileiro. porque se acreditava que esses prejuízos eram necessários à produção. podendo muito rapidamente comprometer este importante ecossistema. Durante anos. onde a profundidade dos mesmos é gravemente comprometida pela terra e outros tipos de dejetos acumulados no fundo das águas onde não há presença de mata ciliar. são muitas as conseqüências ocorridas neste caso:  Em lagos. prejudicando a biota que realiza fotossíntese e conseqüentemente diminuindo a taxa de oxigênio dissolvido na água. baías e golfos.

rios e canais. . que nada mais são do que o transbordamento da água para além de sua calha.  As figuras acima são de áreas atingidas pela retirada da mata ciliar e conseqüentemente assoreadas. trazendo um desequilíbrio no ecossistema. (1) Site Dicionário Livre de Geociências. (b) Este processo interfere na dinâmica hidráulica. Impactos ambientais que atingem diretamente o ser humano são as enchentes e alagamentos cada vez mais freqüentes no cotidiano. provocando aumento da velocidade da corrente próxima a uma das margens. provocando sua erosão. potencializando o problema das inundações.além de empobrecer o solo local. deslocando o eixo do curso de água e dando início à construção de meandros. Uma forma cruel de perda da biodiversidade nestes casos é a queimada que por diversas vezes atinge o meio ambiente exterminando todo tipo de espécie animal e vegetal. originando inundações. A grande perda da biodiversidade presente nas áreas de preservação. e a perda da quantidade e qualidade no consumo direto da água.a) O carregamento intenso de sedimentos provoca a elevação topográfica do talvegue de córregos. o que leva a uma maior deposição de material sedimentar na planície do rio. mesmo aqueles seres que usam as mata ciliares como corredores ecológicos muitas vezes ficam impossibilitados de buscar alimentos e abrigo.

a sua implantação e o seu manejo requerem o emprego de técnicas adequadas. os métodos de preparo de solo. Em ambientes ciliares degradados. a sucessão secundária se encarrega de promover a colonização da área aberta e conduzir a vegetação através de uma série de estágios. destacam-se as características químicas e físicas do solo. sendo. Essas variam de acordo com as diferentes situações encontrada após a degradação e devem levar em consideração a estrutura das florestas próximas das áreas a serem recuperadas. são fundamentais para a definição dos modelos de recuperação a serem utilizados. o manejo e a aplicação de conhecimentos específicos para a utilização dos “modelos” mais adequados ao repovoamento florestal. onde é necessária a recomposição da mata ciliar. Desta avaliação dependem a seleção das espécies. formas de plantio. tecnologia de sementes. a calagem. a adubação. análise de crescimento. a manutenção. . além de detalhes sobre biologia de espécies.SOLUÇÕES E CASOS DE SUCESSO NA RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR São múltiplos os aspectos a serem considerados na tentativa de estabelecer a recuperação de áreas ciliares degradadas. fundamentais para a proposição de modelos de reconstituição dessas formações. A caracterização da vegetação atual e a avaliação do seu estágio de desenvolvimento. Quando uma determinada área de floresta sofre um distúrbio como um desmatamento ou uma queimada. caracterizados por grupos de plantas que vão se substituindo ao longo do tempo. as técnicas de plantio. caracterização de plântulas. fisiologia da germinação. Além destes fatores. o regime hídrico. geralmente definidas em função de avaliações detalhadas das condições locais e da utilização dos conhecimentos científicos existentes. semeadura e resistência à inundação. no caso de áreas em processo de regeneração. que apresentam capacidade de se recuperarem de distúrbios antrópicos. Citamos também a regeneração natural. a umidade do solo. Dentre os fatores que influenciam no crescimento das árvores. modificando as condições ecológicas locais até chegar a uma comunidade bem estruturada e mais estável. a topografia e a competição com ervas daninhas. assim. a vegetação presente na área é um bom indicador das condições do local.

determina as técnicas que acelerem a sucessão devem ser adotadas. pode inibir a regeneração natural das espécies arbóreas. A grande variação de fatores ecológicos nas margens dos cursos d'água resultam em uma vegetação arbustivo-arbórea adaptada a tais variações. A regeneração natural tende a ser a forma de restauração de mata ciliar de mais baixo custo. a regeneração natural pode ser suficiente para a restauração florestal. o banco de sementes no solo. Por exemplo. Em alguns casos. via dispersão. entretanto.A sucessão secundária depende de uma série de fatores como a presença de vegetação remanescente. a proximidade de fontes de sementes e a intensidade e a duração do distúrbio. A escolha de espécies nativas regionais é importante porque tais • • espécies já estão adaptadas às condições ecológicas locais. Utilizar combinações de espécies pioneiras de rápido crescimento junto com espécies não pioneiras (secundárias tardias e climáticas). o . Via de regra. e o banco de sementes próximas. plantar espécies adaptadas a cada condição de umidade do solo. Plantar o maior número possível de espécies para gerar alta diversidade. principalmente gramíneas exóticas como o capim-gordura (Melinis minutiflora) e trepadeiras. Plantar espécies atrativas à fauna. mesmo que estejam presentes no banco de sementes ou que cheguem à área. cada área degradada apresentará uma dinâmica específica. num tempo relativamente curto. Em áreas onde a degradação não foi intensa. a ocorrência de espécies invasoras. visando à proteção do solo e do curso d'água. a rebrota de espécies arbustivo-arbóreas. As matas ciliares apresentam uma heterogeneidade florística elevada por ocuparem diferentes ambientes ao longo das margens dos rios. Se o objetivo é formar uma floresta em área ciliar. Respeitar a tolerância das espécies à umidade do solo. Nestas situações. recomendase adotar os seguintes critérios básicos na seleção de espécies para recuperação de matas ciliares: • • • Plantar espécies nativas com ocorrência em matas ciliares da região. ou seja. é normalmente um processo lento. Nestes casos. é recomendada uma intervenção no sentido de controlar as populações de invasoras agressivas e estimular a regeneração natural. isto é. isolar a área e não praticar qualquer atividade de cultivo. torna-se imprescindível eliminar o fator de degradação. Assim.

ou seja. O grupo das pioneiras é representado por espécies pioneiras e secundárias iniciais. através do brotamento de raízes remanescentes. trazem lições importantes. É dever de cada produtor rural minimizar o impacto ambiental negativo do seu sistema de produção.plantio de uma espécie típica de matas ciliares do norte do País em uma área ciliar do sul. As florestas são formadas através do processo denominado de sucessão secundária. Um exemplo recente a pesquisa sobre a recuperação da mata ciliar na Fazenda Tanguro. principalmente se for utilizada a própria força da natureza. que atuará como dispersora de sementes. em reportagem para Revista Opiniões em maio de 2007. em Querência. adotou-se apenas dois grupos: pioneiras e não-pioneiras. secundárias tardias e climáticas. a primeira é à força da regeneração natural da mata ciliar. A combinação de espécies de diferentes grupos ecológicos ou categorias sucessionais é extremamente importante nos projetos de recuperação. O custo da recuperação pode ser barato. inclusive na alimentação de peixes. Espécies regionais. e crescem rapidamente. fornecendo o sombreamento necessário para o estabelecimento de espécies mais tardias na sucessão. Para o cientista americano Daniel Curtis Nepstad do Woods Hole Research Center. contribuindo com a própria regeneração natural. cita que a recuperação das matas ciliares deve ser uma meta urgente para todos os agricultores e pecuaristas brasileiros. A tolerância das espécies ao sombreamento aumenta das pioneiras e climáticas. que devem ser plantadas de maneira a fornecer sombra para as espécies não pioneiras. Várias classificações das espécies em grupos ecológicos têm sido propostas na literatura especializada. com frutos comestíveis pela fauna. MT. Além disso. ajudarão a recuperar as funções ecológicas da floresta. pode ser um fracasso por causa de problemas de adaptação climática. onde grupos de espécies adaptadas a condições de maior luminosidade colonizam as áreas abertas. no planejamento da recuperação deve-se considerar também a relação da vegetação com a fauna. do Grupo Maggi. as secundárias tardias e as climáticas. secundárias iniciais. Para facilitar o entendimento das exigências das espécies quanto aos níveis de luz. sendo mais empregada a classificação em quatro grupos distintos: pioneiras. Mais da metade das matas ciliares derrubadas no norte do Mato Grosso poderiam se recuperar sozinhas. .

tem que ter uma largura entre 30 e 50 metros da beira da água. nesta fase da recuperação. em 2007. talos. Uma estrada de chão. No lugar das mudas. pisoteio animal e proteção contra o fogo. Alguns já conseguiram linhas de crédito com mais . e sementes raspado do chão da mata ciliar mais próxima.para córregos pequenos. pela retirada anterior do capim. Enchemos sacos com “folhiço” . a maioria dos pontos de folhiço vão ter um grupo de mudas favorecidas no crescimento. O Grupo Maggi iniciou a recuperação de seis anos. através de aceiros. e entre algumas semanas. o que encarece muito a recuperação. não só para a mata ciliar. O perigo. no local do plantio. Não é necessária a produção de mudas de árvores em viveiros. e dois litros de folhiço são espalhados no lugar. quanto para proteger de fogo. As propriedades que entram neste cadastro assumem o compromisso de adotarem as boas práticas da produção agropecuária. Quando a área a ser recuperada é dominada por capins e com pouca evidência de brotos ou plântulas de árvores. em manchas de plantio. máquinas. O capim é retirado do solo. trazemos um pedaço da mata ciliar para a área degradada. mas para o produtor.as folhas. com enxada. as plântulas começam a aparecer. o isolamento fica mais caro. Mais de vinte fazendas de soja e pecuária. Acrescentamos sementes de árvores de rápido crescimento. Este esforço dos produtores cadastrados traz benefícios. que precisam ser combatidas com venenos naturais. ao longo do perímetro da mata ciliar . são as saúvas. incentivado pelo “Cadastro de Compromisso Socioambiental”. para reduzir a sedimentação ou bebedouros artificiais. o custo sobe. estão implementando a recuperação da mata ciliar voluntariamente. e pretende ampliar esta área no ano que vem. já estabelecidas nas áreas degradadas. serve tanto para isolar a mata em recuperação.pela dispersão de sementes defecadas pelos pássaros e morcegos e pelo crescimento de árvores jovens. necessitando de construção de cercas ao longo do perímetro e do fornecimento de bebedouros .pontos de acesso aos córregos e açudes. com areia ou cascalho no fundo da água. Até o final da estação. Estas áreas necessitam apenas de isolamento de veículos. como a lobeira (Solanum crinitum). como extrato de Neem. nesta região das cabeceiras do Rio Xingu. para espalhá-lo na área degradada. Em pastagens.

ainda. Abastecimento e Meio Ambiente é responsável. O objetivo é produzir mudas para a arborização urbana. através do cadastro. córregos e rios do município. realizados no local. Com aproximadamente 40 mil mudas germinadas. As matas ciliares estão inclusas neste programa. com o auxílio do plano de manejo da propriedade que eles têm.facilidade. também. Ainda o cientista Daniel Curtis Nepstad acrescenta que a melhoria do desempenho socioambiental é bom para o Brasil. no Centro de Educação Municipal Ambiental (Cema) ‘Dr. revertendo os processos de degradação ambiental. já que são sistemas vegetais essenciais ao equilíbrio ambiental e. recuperação de áreas degradadas e. . devem representar uma preocupação central para o desenvolvimento sustentável O projeto conta com um viveiro de mudas para reflorestamento e manutenção das matas ciliares. Um benefício gigante da ascendência socioambiental da agricultura brasileira pode ser a maior aceitação dos produtos agropecuários nos mercados internacionais. Dentro dos casos de recuperação da mata ciliar temos o Projeto de Proteção Aos Mananciais em que Prefeitura do Município de Jaguariúna participa e que a Secretaria Agricultura. com a reposição de essências florestais nativas. Darcy Machado de Souza’. Segundo a secretaria que desenvolve o programa de proteção de mananciais os principais objetivos são a proteção das nascentes. a intenção. portanto. A Sama tem como meta identificar a maioria das áreas do município que estejam desprovidas de vegetação e fomentar a recuperação desses locais. é beneficiar produtores do município que necessitam de mudas nas suas propriedades para serem plantadas às margens de rios e córregos. reflorestamento de áreas de preservação permanente e mananciais. e a recuperação das matas ciliares deve se tornar uma campanha nacional. para o desenvolvimento de projetos educativos e pedagógicos. a fim de estabelecer a vegetação nativa.

Abastecimento e Meio Ambiente – Sama) e Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati). que ocupam uma área de 1. com o aumento da renda e qualidade de vida das famílias rurais. a Micro bacia que está sendo trabalhada no município abrange os rios Camanducaia e Camanducaia Mirim. a melhoria de renda e a implantação de novas tecnologias são as propostas deste plano para solucionar problemas diagnosticados. Darcy Machado de Souza' .Jaguariúna SP Ainda dentro deste contexto a cidade participa do Programa Estadual de Micro bacias Hidrográficas . A conservação dos recursos naturais. beneficiando 35 propriedades rurais.Jaguariúna SP Estufa de mudas está instalado no CEMA 'Dr.31ha. . Darcy Machado de Souza' .PEMH tem como objetivo desenvolver ações e implantar tecnologias que proporcionem o desenvolvimento rural sustentável. É uma parceria entre Prefeitura Municipal de Jaguariúna (Secretaria de Agricultura. aliando a produção agrícola à conservação do meio ambiente. Em 2007.250. a adequação das estradas. a recomposição da mata ciliar.Viveiro de mudas está instalado no CEMA 'Dr.

a Secretaria Municipal de Agricultura. poluição dos rios e decomposição do lixo. com crianças da rede pública municipal e também aberto ao publico .Cema . Darcy Machado de Souza’.são abordados também temas como efeitos da queimadas. Miniatura de micro bacia hidrográfica instalada no CEMA 'Dr Darcy Machado de Souza' .a relação fauna e flora. Abastecimento e Meio Ambiente construiu. no Centro de Educação Municipal Ambiental .Viveiro com Plantas que serão retiradas para plantio na beira dos rios municipais de Jaguariúna. a miniatura de uma Microbacia Hidrográfica. Educação Ambiental Com o objetivo de trabalhar os vários conceitos sobre Meio Ambiente. Esta maquete educativa faz parte do roteiro de visitas dos alunos que participam das aulas de educação ambiental ministradas no local durante todo o ano letivo e tem como intuito apresentar aos alunos a importância da mata ciliar e uma agricultura consciente para o equilíbrio ambiental.‘Dr.conseqüências do desmatamento.

são responsáveis por cuidar das árvores até que elas atinjam a idade adulta. o principal documento aprovado na Eco 92. IMPLANTAÇÃO DA AGENDA 21 EM JAGUARIUNA Conceito: Um compromisso com a humanidade e o planeta. A comunidade local deve isso aos alunos de 1° a 8° anos do Ensino Fundamental da Escola Municipal “Oscarlina Pires Turatto”. no Rio de Janeiro. com o nome científico da árvore. em julho de 1992. no Bairro Tanquinho Velho. parceria Embrapa e Petrobras. Apesar de ser uma área de pouca extensão a iniciativa alem de recuperar a área degrada ainda expõe aos jovens a importância de manter o equilíbrio no meio ambiente. data. em benefício das atuais e futuras gerações. de cada comunidade. Nelas estão contidos os princípios e metas que devem ser perseguidos para a conquista do desenvolvimento sustentável.Projeto Água & Vida Um exemplo de recuperação é o do córrego do Sapo. O desenvolvimento sustentável também pressupõe o fortalecimento da autonomia e da cultura local. Municípios de Paulínia. Este é o espírito da agenda 21. que é o desenvolvimento com justiça social e respeito aos recursos naturais.” Jaguariúna comunga destes ideais e juntamente com suas Secretarias trabalha para assegurar um desenvolvimento sustentável ao Município. assinatura do aluno. Campinas. em Jaguariúna. que além de plantar as mudas. Morungaba e Itatiba). dos responsáveis pela escola e dos pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna. está em plena recuperação. melhorando a qualidade de vida dos moradores. Para manter o compromisso assumido cada aluno faz um juramento e recebe uma Carteira de Responsabilidade. . Daí a Agenda 21 ser um compromisso ético com o futuro da humanidade e do planeta. que participam do Projeto Água & Vida. SP. A Agenda 21 é um documento com mais de 800 páginas. SP). Jaguariúna. desenvolvido pelos alunos e professores com o apoio do Programa Eco Cidadania de Educação Ambiental (Gasoduto Campinas – Rio de Janeiro.

Restrições de qualidade e quantidade da água. Rita de Cássia Bergamasco. . (Já aplicada atualmente ‘Abril 2009´) . Arlete Fentuzzi. provocadas pela entrada em operação do Sistema Cantareira. por rede de esgoto e por coleta de lixo.7% da área total do município .Taxas das populações atendidas por água tratada.Fonte RMC). 95% e 99% respectivamente). lançamento de esgoto doméstico “in natura” à montante de Jaguariúna.Algumas idéias para contribuir com a melhora da qualidade de vida e desenvolvimento sustentável estão sendo colocadas em pratica por uma Comissão Temática de Meio Ambiente: Relator: José Luciano de Souza e Membros: Irineu Gastaldo Júnior. Em relatório preliminar temos as seguintes informações: Cenário Atual . Fernanda Bergamasco.Índices de vegetação natural muito abaixo do desejado (6.Coleta seletiva de lixo doméstico em processo de implantação. . Bacia do Piracicaba . urbanização intensa e crescimento populacional acima da média. próximas de 100% (99%.

Grande parte do solo ocupada por pastagens degradadas e. . Não descartada a possibilidade de chuvas ácidas.Programa de Educação Ambiental em implantação já atende parte da população jovem em idade escolar – ensino infantil e fundamental. portanto. Uso do Solo na Bacia do Jaguari Uso e Ocupação do Solo na Bacia do Jaguari . subutilizada..Ar atmosférico de boa qualidade proporcionado pelo monitoramento de gases tóxicos e material particulado. .

não formal e informal em todos os níveis e criando espaços para discussão de questões ligadas ao meio ambiente.Programa de Educação Ambiental promovendo a educação formal.Metas para melhorar a qualidade da água do município: . mantidas e protegidas. devidamente recuperadas. . na micro-bacia do Camanducaia.Taxas das populações atendidas por água tratada. . . como a agricultura orgânica e os sistemas florestais. . pela adoção de políticas de incentivo a captação e reservação de água pluvial e pelo reuso de águas servidas para fins menos nobres.Coletiva seletiva e reciclagem do lixo gerando benefícios como melhoria das condições ambientais e de saúde da população.As matas nativa e ciliar. conseqüentemente. por rede de esgoto e por coleta de lixo. especialmente. geração de empregos diretos e indiretos.Restrições de qualidade e quantidade de água atenuadas pela entrada em operação das ETE’s das cidades localizadas à montante de Jaguariúna. com 100% do volume do esgoto total gerado. . cada vez mais próximas de 100%. (Já aplicada) . Predomínio da agricultura de menor impacto.Melhor utilização do solo proporcionada por cultivos mais nobres e mais próximos da vocação desse solo. melhoria da qualidade de vida da população. aumento da vida útil dos aterros sanitários e. . Disponibilidade hídrica ampliada pela construção de novos reservatórios.Estação de Tratamento de Esgoto operando a pleno. bem como as nascentes.

Temos que cobrar das autoridades que a lei seja cumprida.CONCLUSÃO Por todo o exposto. . cobrar da população mais consciência com o meio ambiente para que a degradação cesse e a recuperação dessas áreas iniciem o quanto antes. conclui-se que a preservação e recuperação da mata ciliar é de extrema importância para mantermos a qualidade da água e assegurar a vida da fauna existente. É necessário além de focar na recuperação das áreas .com movimentos a favor do meio ambiente e principalmente dando o exemplo.ao final deste trabalho estaremos distribuindo aos colegas da classe uma muda de arvore para que cada um contribua com sua parte e para que possamos refletir sobre nossos valores.com palestras. trazer a educação ambiental mais perto da população de forma geral.já que este é um problema que atinge todo o território nacional e de varias formas distintas.

1998. Aprenda Fácil.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: CAL SEIXAS BARBOSA.2004.Proteção Aos Mananciais. Artigo: Efeitos da Gestão Ambiental das Empresas Minero-Metalúrgicas do Estado do Pará (1999).gov.Abril 2009 Disponível : http://www. SANTOS TARGA M. SUCENA HAMMES. Maria.Educação Ambiental. . 2001. - Geoprocessamento na determinação da proximidade de estradas vicinais em relação à rede de drenagem em uma bacia hidrográfica no Município de Taubaté. BRASIL.Unicamp). Daniel Curtis . SOUZA CATELANI.Volume 4 – Embrapa.jaguariuna.Campinas. (2004).MG.sp.Valéria. Recuperação de Matas Ciliares..br/cp/materia.php NEPSTAD. Sebastião.com. SP (Universidade de Taubaté)– Abril de 2005 VENÂNCIO MARTINS. C.revistaopinioes. Editora SECRETARIA DE GESTÃO AMBIENTAL DE JAGUARIUNA. Viçosa . Companhia Catarinenses de Águas e Saneamento Superintendência de recursos Hídricos e Meio Ambiente.br/sga/index. Educaçao Ambiental – Para o Desenvolvimento Sustentavel .Sonia Regina da. RODRIGUES DA SILVA.php?id=305 Acessado em 27/04/2009. TEIXEIRA BATISTA G.A Mata Ciliar E A Ascendência Socioambiental Da Agricultura Brasileira Ascendência Socioambiental Da Agricultura Brasileira – Maio 2007 – Artigo Revista Opiniões Disponível: http://www. Agenda 21. A tematica Ambiental e a Pluralidade do Ciclo de Seminarios do NEPAM (Nucleo de Estudos e Pesquisas Ambientais .

php?title=Assoreamento Acessado em 27/04/2009.pro.(1)Dicionario Livre de Geociencias – Assoreamento Disponivel:http://www.br/dicionario/index. .dicionario.