IRRIGAÇÃO POR SULCOS

Mestrando: Alex Leonardo Tosta Profº: José Alves Júnior

DEFINIÇÃO
 A irrigação por sulcos é um método que consiste na distribuição de água através de pequenos canais (os sulcos), paralelos às fileiras de plantas. O comprimento dos sulcos pode variar de 60m a 600 m, dependendo da velocidade de infiltração, erosividade do solo e da vazão aplicada no sulco.

4.000 AC  Mesopotâmia  canais

• 3.000 AC  Egípcios

• 2.000 AC  China e Índia

Estimativa da irrigação no Brasil pelos diferentes métodos de irrigação e por região (ha)
Superfície e Drenagem 84.005 207.359 219.330 1.155.440 63.700 1.729.834 Aspersão Convencional 9.125 238.223 285.910 94.010 35.060 662.328 Pivô Central 2.000 110.503 366.630 37.540 193.880 710.553

REGIÕES
NORTE NORDESTE SUDESTE SUL CENTRO OESTE BRASIL

Localizada
4.550 176.755 116.210 14.670 25.570 337.755

Total
99.980 732.840 988.080 1.301.660 318.210 3.440.470

Fonte: Christofidis (2007)

CARACTERÍSTICAS DO MÉTODO
• Utilizado para irrigar espécies plantadas em linha;

Não molha toda a superfície do solo (30 a 80% apenas), o que contribui para reduzir as perdas por evaporação;
Necessita mais mão de obra por unidade de área que outros métodos;

IRRIGAÇÃO POR SULCOS

A linha azul mostra a zona do perfil que o sulco deve irrigar

ESPAÇAMENTO ENTRE SULCOS

FORMAS USUAIS DE CONSTRUÇÃO DE SULCOS
25 a 30 cm 15 a 30 cm

Sulco em

V

Sulco em

U
20 a 40 cm

SOLOS ARGILOSOS: MAIOR ÁREA DE CONTATO PARA A ÁGUA INFILTRAR

15 cm

NECESSIDADE DE MÃO DE OBRA

4.2. CONTROLE DA VAZÃO NO SULCO

DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARA OS SULCOS POR MEIO DE TUBOS JANELADOS

SULCOS: UMEDECENDO A ZONA RADICULAR

SOLO ARENOSO

SOLO ARGILOSO

RAZÃO DA DESUNIFORMIDADE NA APLICAÇÃO DA LÂMINA DE IRRIGAÇÃO AO LONGO DO SULCO
Canal de irrigação Sulco

Lâmina infiltrada

Canal de drenagem

COMPRIMENTO DOS SULCOS
Inconvenientes de sulcos curtos:
• Tornam o processo de irrigação mais trabalhoso (maior número de sulcos exige mais mão de obra para irrigação;

• Exigem a construção de mais canais de condução, o que gera maior custo de manutenção e maior perda de área de cultivo; • Dificulta a mecanização da área.

FATORES DEVEM SER CONSIDERADOS NA ESCOLHA DO COMPRIMENTO DO SULCO
FORMA E TAMANHO DA ÁREA: Para facilitar o manejo, o comprimento dos sulcos deve ser igual em toda a área, desta maneira a vazão e o tempo de aplicação da vazão serão os mesmos para todos os sulcos.

Se a área é pequena, o comprimento do sulco deve ser igual ao comprimento de um dos lados da lavoura.
Se a área é grande, o comprimento dos sulcos deve ser submúltiplo do comprimento total da área. Exemplo área de 400 metros, 2 sulcos de 200 metros.

FATORES DEVEM SER CONSIDERADOS NA ESCOLHA DO COMPRIMENTO DO SULCO

ESPÉCIE CULTIVADA: Espécies com sistema radicular profundo permitem sulcos mais longos, pois a maior quantidade de água que está infiltrando no início do sulco será aproveitada pelo sistema radicular da cultura. PROCURA-SE CONSTRUIR SULCOS COM O MAIOR COMPRIMENTO POSSÍVEL.

SULCOS DE MESMO COMPRIMENTO FACILITAM O MANEJO DA IRRIGAÇÃO.
200m 200m

200m

400m

COMPRIMENTO MÁXIMO DO SULCO (RECOMENDAÇÕES DE BOOHER)
Textura fina Textura média

Textura grossa

Lâmina de irrigação aplicada (mm)
Declividad e (%) 7,5 15 22,5 30 5 10 15 20

5 60 90

7,5
90

10

12,5 190 200

0,05 0,1

300 340

400 440

400 470

400 500

120 180

270 340

400 440

400 470

150 190

120

0,2 0,3
0,5 1,0 1,5 2,0

370 400
400 280 250

470 500
500 400 340

530 620
560 500 430

620 800
750 600 500

220 280
280 250 220

370 400
370 300 280

470 500
470 370 340

530 600
530 470 400

120 150
120 90 80 60

190 220
190 150 120 90

250 280
250 220 190

300 400
300 250 220 190

22 0

270

340

400

180

250

300

340

150

ESTIMATIVA DA VAZÃO MÁXIMA NÃO EROSIVA

C Qmáx  a S
•Qmax é vazão máxima não erosiva (l/s); •C e a são coeficientes relacionados com a textura do solo; •S é declividade do solo (%).

Textura Muito fina Fina

C 0,892 0,988

a 0,937 0,550

Média
Grossa Muito grossa

0,613
0,644 0,665

0,733
0,704 0,548

IRRIGAÇÃO POR SULCO
• • • • • • • • Utiliza a superfície do solo; Distribuem a água na superfície por gravidade; Nivelamento da superfície do solo; Simplicidade operacional; Baixo custo; Independe da altura das plantas; Apresenta baixa eficiência de aplicação (em média 50%); Não tem problema com ventos.

LIMITAÇÕES DA IRRIGAÇÃO
• É difícil aplicar uma pequena lâmina de irrigação de forma uniforme; • Pode influenciar doenças em algumas culturas; • Não permite a fertirrigação; • Exige maior mão-de-obra.

Software SULCO 2000

Software SULCO 2000

Produção e qualidade de frutos de melão submetidos a dois sistemas de irrigação

O trabalho teve como objetivo avaliar a produção e qualidade fisiológica da cultura de melão submetido a diferentes sistemas de irrigação, bem como a eficiência e economia de água dos mesmos.

MATERIAL E MÉTODOS
• Adotou-se o delineamento experimental de blocos ao acaso, com 10 repetições. Foram utilizadas parcelas experimentais de 20 m2, com espaçamentos entre linhas de 2,0 m e 0,5 m entre plantas. • Os tratamentos consistiram de 2 sistemas de irrigação, gotejamento e sulco.

RESULTADO E DISCUSSÃO

153,14 m3

64,86 m3

CONCLUSÕES
• De maneira geral, não se percebeu diferenças na produção e na qualidade dos frutos de melão nos diferentes sistemas de irrigação avaliados, exceto para massa média, largura e comprimento de frutos, que foram superiores na irrigação por sulcos.
• No entanto, o gotejamento mostrou maior eficiência no uso da água que o sistema de sulcos.

OBRIGADO

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful