You are on page 1of 9
ORGANIZACOES N. AO-GOVERNAMENTAIS NA AMERICA LATINA seu papel na construg¢ao civil use Scunex-Warean Professora Titular da UFSC, Pesquisadora Senior do CNP9, Membro das ONGs Catarinenses Ceca e Didlogo nquanto categorias socioldgicas ou nogBes re- ferenciadas empiricamente, “Sociedade civil” € “Organizagdo ndo-governamental” nfo possuem tum sentido unfvoco. Entretanto, a partir do discurso e do imagindrio social construfdo por movimentos sociais na América Latina, algumas convergéncias de significados podem ser apontadas. ‘Como estes conceitos tém uma historicidade, as diver- géncias quanto aos significados atuais também indicam a forma como se referenciam a diferentes paradigmas anteriores CONTEXTUALIZACAO DOS CONCEITOS ‘Comegando-se pela nogio de sociedade civil, a hist6ria da construcdo deste conceito mostra seus significados va- riados © &s vezes até opostos. Para os jusnaturalistas (sc. XVIID, a sociedade civil std na origem do Estado, contrapondo-se a sociedade na- tural e & barbérie, Em Hobbes, este Estado € 0 locus da po- Iitica, da civilizago, Para Rousseau, apesar da sociedade civil estar na origem da sociedade civilizada, nfo é ainda a sociedade politica que se constitui pelo contrato social. Hegel vai além, concebendo a sociedade civil como 0 espago social de regulamentacio entre a famflia (e/ou dividuos) e 0 Estado, introduzindo a idéia ¢ intermedia «80, ¢ de busca de interesses comuns, acima dos interesses, individualistas da modernidade. Em outra diregdo, 0s economistas escoceses cléssicos, ‘Smith ¢ Ferguson, atribuem a sociedade civil a capacidade de auto-regulamentagao do mercado livre da diregéo do Estado. Aqui a énfase recai no sistema evondmico (Calhoun, 1993:387-411). Com 0 marxismo, especialmente Marx, a sociedad ci- vil também se referencia no mercado, sendo que no capi- tulismo confunde-se com a sociedade burguesa. Porém, Gramsci, buscando na sociedade civil sua fungio de cons- ‘truco de hegemonia politica, inclusive para as classes su- balternas, destaca 0 papel da cultura, da ideologia e do consenso nesta esfera, diferenciando-se do pensamento ‘marxista anterior. Portanto, sociedade civil definia-se ora como a esfera de constituigo da politica (e do Estado), contrapondo-se & barbérie, ora como a capacidade de auto-regulamentagao ce determinagto da esfera econdmica (do mercado), em face do individualismo e do Estado, ora ainda como potencia- lidade do mundo da cultura e das ideologias na construgd0 de uma hegemonia politica. Aeestes miltiplos significados atribufdos & nocdo de so- ciedade civil, pode-se acrescentar mais uma contribuigio cléssica—a de Tocqueville —frequentemente resgatada pelo pensamento contemporiineo, ou seja, a idéia da relevaincia do associativismo na vida cotidiana nos regimes democré- ticos, Nessas sociedades, 0 cidadfo, enquanto independente, € fraco, correndo o risco de retornar & barbie. A garantia da civilidade encontra-se nas associagées que se formam, na vida civil (comerciais, industria, religiosas, morais, recreativas, etc.) (Tocqueville, 1977). ‘No pensamento atual, podem ser destacadas, no con- texto da érea de pesquisa dos movimentos sociais, duas tendéncias principais: uma que trata a questo a partir de uma relagio dual - sociedade civil versus Estado; e outra ‘que considera uma relagio tripartite — estado/mercado/so- ciedade civil. Para a primeira tendéncia, seguindo-se Bobbio (1992: 1,210), sociedade civil € 0 campo das varias formas de ‘mobilizagdes, associagbes € organizacao das forgas sociais, que se desenvolvem & margem das relagSes de poder que caracterizam as instituigdes estatais. Em artigo recente, Calhoun (1993:387-411) distingue a sociedade civil por sua ‘capacidade de associativismo e autodeterminagio politica independente do Estado. Estas associagdes, que podem as- sumir a forma de comunidades, movimentos ou organiza- ‘¢6es, advindas da Igreja, de partidos ou de grupos de mi- ‘wa ajuda, tém o papel de intermediagao junto a insttuigao Estado, De acordo com a segunda tendéncia, sociedade civil 6 considerada parte de um terceiro setor, em contraste com. © Estado © 0 Mercado, e refere-se genericamente a uma ‘sfera da acdo, a entidades ndo-governamentais (indepen- dentes da burocracia estatal) c sem fins lucrativos (inde- ppendentes dos interesses do mercado). A prépria nogfo de ONG (Organizagdo Nio-Govemamental) propende a ser compreendida como parte deste setor. No entanto, mesmo entre os que seguem esta tendéncia, hé distingSes quanto ao entendimento sobre o que seja a sociedade civil. ara alguns pesquisadores que vém contribuindo com 0 ‘Voluntas? e organizando-se em torno da ISTR (Interna- tional Society for Third-Sector Research), a grande preo- ‘cupagio tem sido a de clarificar a nogo de terceiro setor, ‘a qual inclui a idéia de entidades/atividades/associagdes sem fins lucrativos, ndo-governamentais, voluntérias,fi- lantr6picas, altrustas, dentre outras. Sociedade civil a rece af como um conceito relacional, isto €, a dimensto do terceiro setor relacionada as demandas por cidadania, de- ‘mocratizagio, direitos humanos e similares. J4 Alan Wolfe, seguindo esta tendéncia tripartite, ‘considera o terceiro setor como a propria sociedade civil, ‘qual denomina também de setor social. A nogio de Wolfe ‘aproxima-se da idéia de Tocqueville de associativismo na Vida cotidiana, incluindo-se af a mitua ajuda, ages de solidariedade comunitéria ¢ familiar, além de ONGs & outros movimentos, Altrufsmo/gratuidade seriam outros elementos constitutivos da sociedade civil segundo Wolfe (1992:17-34), Estas nogdes foram apresentadas enquanto, position paper do 1° Encontro Internacional de ONGs ¢ © Sistema de Agéncias das Nagdes Unidas (ocorrido no Rio de Janeiro, em agosto de 1991), vio ao encontro das dias de vérios membros de ONGS latino-americanas. Neste contexto, as ONGs, enquanto no-mercado e nflo-gover- nnamental, sto atores relevantes para repensar os rumos do. proprio desenvolvimento, Todavia, a literatura recente parece indicar tendéncias diversas para a atuago das ONGs. Nos paises desenvolvi- dos haveria uma énfase para os trabalhos no campo da fi- lantropia e altrufsmo, enquanto nos pafses em desenvolvi- ‘mento ¢ do leste europeu o destaque de sua atuagao recairia nos projetos de construgtio da sociedade civil, em tomo de Oncreaces No GoVERNAMECAIS NA AMERICA LATIN SEU PAPEL questoes de cidadania, democracia, organizagio, autode- terminago popular e justiga social. Para Landim (1993), pesquisadora do terceiro setor € das ONGS brasileiras, as fronteiras entre a filantropia e a evocagio da cidadania nem sempre so muito niftidas. A. “Agi da Cidadania, contra a Fome, a Miséria e pela Vida", no Brasil, vem reforgar sua conclusio. A “Agio da Cidadania”, como uma continuidade ¢ um