You are on page 1of 2

RESUMO PROVAS DE PRÉ-IMPRESSÃO (para processo offset

)

A prova tem a função de ser o documento final onde o cliente, estando ciente das cores e da diagramação final, assina aprovando para produção em máquina. De fundamental importância para um resultado final satisfatório a prova é uma das etapas que devem ser tratadas com maior cuidado durante o processo de produção gráfica. Esse cuidado é tão necessário pois, hoje em dia, contamos com vários tipos de provas e se a aprovação se der sob uma prova não adequada o projeto gráfico todo poderá ser comprometido . De maneira geral podemos classificar as provas em duas categorias: analógicas (cromalin, prelo e heliográfica) e digitais (inkjet, laser e virtual). Cromalin Sistema da DuPont que é aceitável para aprovação de trabalhos na escala CMYK (cyan, magenta, amarelo e preto) apesar de deixar as cores um pouco mais “vivas”. É produzido através da exposição de um fotopolímero laminado anexo ao fotolito da cor desejada na prensa de chapas - como um processo de cópia de chapas - logo após o tempo de exposição lamina-se o fotopolímero novamente repetindo o processo para os quatro filmes. A DuPont disponibiliza lâminas para que sejam reproduzidas cores da escala PANTONE. O ideal é que se controle a densidade da cor, para que a gráfica consiga uma impressão a mais próxima possível da visualizada na prova. Prelo Sistema mais antigo e que mais se aproxima à prova de máquina. São copiadas chapas referentes as cores e estas são impressas uma a uma sobre o papel da mesma gramatura que será utilizado na impressão final. Esse tipo de prova confere ao impressor uma segurança a mais pois é possível que se visualize as cores separadamente (cyan, magenta, cyan + magenta, amarelo, cyan + magenta + amarelo, preto, cyan + magenta + amarelo + preto). Seu lento processo de produção e alto custo muitas vezes faz com que produtores gráficos escolham o Cromalin ou mesmo provas digitais, entretanto é a mais indicada para as chamadas provas de contrato. Heliográfica Provas feitas a partir do fotolito sobre papel heliográfico (azul) muito utilizada para conferência de imposições e mesmo do fotolito. Confeccionada a partir da exposição do fotolito sobre o papel heliográfico

Apesar de vários modelos imprimirem na escala CMYK a pigmentação do tonner também não é igual a das tintas off-set. .em uma prensa de chapas. se uma imagem está correta ou não. Inkjet As inkjets se utilizam de cartuchos RGB (vermelho. Devido a isso também é aconselhada para aprovação de lay-outs. revisão dos textos e montagem de bonecos não há problema algum. Existem sistemas inkjet que imprimem as 4 cores e podem ser calibrados com o perfil ICC a ser utilizado pela gráfica. A famosa prova “jato de tinta” caseira não deve. tornando assim o trabalho um pouco mais preciso. como se fossem impressoras heliográficas. de um tipo de fonte. Uma imagem bitmap gerada pelo software de editoração é enviada ao cliente para aprovação da formatação. logo depois passa pelo fusor e se fixa no papel. um processo relativamente parecido com o da impressão off-set. revisão de textos e montagem de bonecos. para aprovação da diagramação. Também nunca deve ser utilizada para aprovação de cores devido ao sistema RGB do monitor. o tonner entra em contato com essas áreas gravadas e se transfere para o papel. Virtual Esse tipo de prova é comum quando o trabalho está em fase inicial de desenvolvimento. De uma maneira geral o laser “grava” a imagem em um cilindro. ser utilizada para aprovação de cores em um trabalho. verde e azul) que simulam as cores do monitor e portanto não conseguem simular a escala CMYK. o mesmo problema das inkjets. esse tipo de impressora utiliza cartuchos de tonner para transferir as imagens para o papel. Chegamos a conclusão de que as provas finais sempre devem ser analógicas e que as digitais servem muito bem durante o desenvolvimento do produto. Laser Diferentemente das inkjets. Hoje em dia existem máquinas que fazem o processo completo. logo após a exposição o papel é colocado em um recipiente com amoníaco para “revelação” das áreas de grafismo. de maneira alguma.