You are on page 1of 132

Ile Alaketu Asé Airá

Olo Inã
e
Terreiro de Umbanda
REINO DE ARUANDA
Dirigente Espiritual Caboclo Serra
Negra d’ Xangô

Ialorixá Adriana de Xangô Airá

1
KAUNCINAM
Avenida Maringá, nº 1755 – Portal da Serra – PINHAIS / PARANÁ
Fones: (41) 3668-1352 e (41)9184-4238
Email: reinodearuanda@onda.com.br MSN
adrianamonteiro@onda.com.br

Corrente Mediúnica
1. Adriana G. Monteiro Caboclo Serra Negra
2. Adirlei
3. Cristina Gimenes Cabocla Iracema da
Cachoeira
4. Celso Caboclo Giramundo
5. Cleusa
6. Daniele Mizanzuk
7. Eduardo Rosa Caboclo Pena Branca
8. Giovana Monteiro Gineste
9. Kauan Selpa Ogã
10.José Mauricio Felix Caboclo Cachoeira
11.Luana Caroline Felix
12.Luci de Freitas
13.Luis Caboclo Pedra Roxa
14.Luzia
15.Marisa Caboclo Sete Cachoeira
16.Marcio
17.Maria Helena Martins Ekedi
18.Moacir Ramos Junior Caboclo Tupinambá
19.Odete Veiga Caboclo Flecha Dourada
20.Pámela Curimba
21.Priscila Marques Caboclo Pena Azul
22.Poliana
23.Renato Ogã

2
24.Roberto Ogã
25.Romildo Marinho
26.Solange Faria Cabocla Açucena
27.Susana Ramires
28.Suzi
29.Thainá Mizanzuck
30.Tancredo Caboclo Sete Pedreiras

• Abertura
• Encerramento
• Obrigações

3
• Trabalho
• Saudação
• Outros

ABERTURA DE TRABALHO

Abrimos a nossa gira,


Pedimos de coração,
Ao nosso Pai Oxalá,
Para cumprir nossa missão

Eu abro a nossa Gira


Com Deus e Nossa Senhora
Eu abro a nossa gira
Sandorê Pemba de Angola
Está aberta a nossa gira...

Com a chave de ouro


Abrimos nossos trabalhos de gloria
Louvado seja Deus
Que Ogun ganhou vitória
Ele ganhou por que
E guerreiro de Oxalá
Com sua espada inocente
Meus trabalhos vem afirmar
Firma o ponto minha gente
Que é de Deus esta seara
Na canjira de Umbanda
Ogun ië
Ogun Iara

Foi São Jorge Guerreiro


Quem matou o dragão
Vou abrir meus trabalhos
Com sua proteção
Salve Nana Buruque
Santa Mãe de Iemanjá
Salve Ode, salve ossae, salve meu Pai Oxalá
Salve Cosme e Damião, salve Doum e Alada, Salve o povo da Jurema, salve o ponto e
pemba, salve Ogun Beira Mar

Eu vou abrir minha cangira


com Deus e Nossa Senhora
Na fé de meu Pai Ogun,
Oxalá que manda agora
Ae Baba e Mamãe Sinda E ô – bis
(todos os orixás)

4
AGRADECIMENTO – AÇÃO DE GRAÇAS
Deus, iluminai os nossos guias
Pela gloria desse dia
Eu vou pedir ao Meu pai Oxalá
A benção e a proteção pra este Congá

ABERTURA DE CAMINHOS

Caboclo não tem caminho


para caminhar -bis
Caminha por cima da folha
por baixo da folha
em todo lugar – bis
(oke caboclo)
Caboclo já tem caminho
para caminhar - bis
Ele caminha por cima da folha
Por baixo da folha
Em qualquer lugar
Seu caminho esta aberto
Caboclo pode passar
Ele vai girar, ele vai girar
Caboclo filho de Oxossi
Filho de Umbanda
E de Oxalá
Quando a lua sair ele vai girar

AMACI

A todos que olham,


A todos que estão aqui
Muita atenção
Hoje é noite de amaci
Filhos de fé
Respeita pano branco
Babalaô preparou teu banho santo
Filho de fé
Respeita pemba e congá
Dentro da Lei
Vem louvar teu orixá
Saravá Orixá
Tenho a cabeça lavada
Fiz meu batismo na Umbanda
Hei de honrar o meu guia.

Ossain te deu ago


Xangô te coroou
(orixá do filho)

Vou fazer meu amaci


Para minha cabeça firmar
Vou fazer meu amaci
Em nome de Pai Oxala
ANJO DA GUARDA

Meu anjo da guarda,


Bendito sejais,
Em nome de Deus

5
Seus filhos guardai

Ave Maria dos Anjos


Ave Maria do amor
Peça ao Pai Oxalá
Com todo amor e fervor
Ave Maria dos Anjos
Pai Oxalá disse assim
Que se não fossem os anjos
O que seria de mim

Oxalá meu Pai


Somos filhos da virgem Maria (bis)
Uma estrela nos ilumina – ( bis)
Estrela é a nossa guia
Estrela é a nossa guia
Que os nossos anjos da guarda
Sejam a nossa companhia.

Lá no céu uma luz brilhou


Anjos no terreiro eu chamei
Ó Deus
Ó Deus
Como brilha bonito
O anjo que está em mim (bis)
Se Oxalá permitir
Que venha meu anjo
Me guarde meu anjo
Me abençoe meu anjo
Meu anjo da guarda
Me guarde meu anjo
Me abençoe meu anjo
Meu anjo de luz

Anjo da guarda
Õ ser divino
Guia meus passos
Luz do meu caminho

Eu vi no brilhar das estrelas


Eu vi nas ondas do mar
Eu preciso falar com anjos Maria
E nossa Mãe Iemanjá

BATE CABEÇA

Bate a cabeça
Filhos de Umbanda,
Bate a cabeça,
Filhos de fé.

Bate a cabeça
Filhos de Umbanda
Bate a cabeça
Xangô vem chegando
( nomes dos orixás)

Vai, vai, vai, na fé de Nosso Senhor


Vai bater sua cabeça

6
Oi que Xangô mandou
Vai fazer seu amalá, com azeite de dendê
Vai bater sua cabeça
Quem é Filho de Xangô
Kaô

Salve Deus salve a morada


Onde Jesus vem morar
Bate cabeça
Filho de Umbanda
Na fé nosso Pai Oxala
Bate cabeça
Filho de Umbanda
Na fé de nosso Pai Ogun
Bate a cabeça filho de Umbanda
Na fé de nossa Mamãe Oxum

Quem é dono da casa


É meu Pai Ogun (É Xango Aira)
Quem manda no terreiro
É minha mãe Oxum (É Pai Oxalá)
Bate a cabeça pra cumprimentar
Filho de Oxossi, Ogun
E Iemanjá

Cachoeira da mata virgem


Onde mora meu Pai Xangô – bis
Pedra rolou Nana Buruque
Pedra rolou Sarava Pai Xangô
Sarava Pai Xangô
EEea
Quem for filho de fé bate a cabeça lá no congá

BATE A CABEÇA TRABALHO DE PRAIA


Bate a cabeça na força da areia
Bate a cabeça nas ondas do mar
Bate a cabeça pra mamãe sereia
Bate a cabeça pra mãe Iemanjá

BATIZADO

Iemanjá cadê Ogun


Foi com Oxossi ao Rio de Jordão
Foram saudar São João Batista
E batizar Cosme e Damião

CONFIRMAÇÃO

Eu já assoprei a pemba
Eu joguei Obi
Eu já bati pão
Eu já rezei ingorossi
Vou bater minha cabeça e
E pedir junto a ti
Responda meu Pai Ogun
Se é dono deste ori

Saravá, saravá, saravá,


Este filho de pemba,
Que fica de pé no congá,

7
Saravá, saravá Oxalá,
Ele é pai de cabeça,
E não deixa seus filhos tombar,
Lua, ó lua já deu meia noite,
Meu galo de pena cantou.
Lua, ó lua, ilumine o terreiro,
Que pai de cabeça chegou

COLHEITA ERVAS – PREPARAÇAO BANHO

Apanha folha por folha Tata Miro


Apanha folha por folha Tata Miro
Eu sou filho de Ossae Tata Miro
Apanha folha por folha
Tata Miro

Ossain te deu ago


Xangô te coroou
(orixá do filho)

COROAÇAO - camarinha

Foi na Umbanda
que ele se encontrou
Foi na Umbanda
Que ele se firmou
Salve Filho de Umbanda
Salve Pai Oxalá
Salve a tua coroa
Feita neste congá
Encruza, encruza
Ele vai encruzar
Na linha de umbanda
Ele vai encruzar
Salve Filho de Umbanda
Salve Pai Oxalá
Salve a tua coroa
Feita neste congá
Sete linhas de umbanda
Ele já encruzou
Sete linhas de umbanda
Ele já confirmou
Salve Filho de Umbanda
Salve Pai Oxalá
Salve a tua coroa
Feita neste conga

Ossain te deu ago


Xangô te coroou
(orixá do filho)

CRUZAMENTO

Encruza, encruza, encruza,


Encruza com pemba, encruza
Encruza, encruza, encruza
Na fé de Oxalá encruza
(todos os orixás)

Encruza encruza encruza

8
Encruza este filho de Umbanda
Encruza encruza encruza
Encruza pra vencer demanda

Clareia, clareia,
Clareia Xangô
Clareia
Clareia, clareia,
Clareia Oxum
Clareia
Clareia, clareia
Clareia Iansã

Cruza, cruza, vamos cruzar


Estes filhos neste congá
Com licença de Oxalá
Com as forças de Mãe Yemanjá
Cruza, cruza, já cruzei
Estes filhos dentro da Lei
Com licença de Oxalá
Com as forças de Mãe Yemanjá

Por São Pedro e São Paulo


Meu Jesus sacramentado
Tenho Deus por testemunha
Que está sendo afirmado

DEFUMAÇÃO
Corre e gira pai Ogum,
Filho quer se defumar,
A Umbanda tem fundamento,
É preciso preparar
Cheira incenso e alecrim
Cheira arruda e alfazema,
Defumai filhos de fé,
Com as ervas da Jurema.

Defuma com as ervas da Jurema,


Defuma com arruda e guiné.
Benjoim, alecrim e alfazema,
Vamos defumar filhos de fé.

Meu Pai Oxossi


Dá licença pra defumar
Meu Pai Oxossi
Dá licença pra defumar,
Eu defumo, eu defumo
Essa aldeia real

Nossa Senhora incensou a Jesus Cristo


Jesus Cristo incensou os filhos seus
Eu incenso eu incenso essa casa
Na fé de Oxossi de Ogun e Oxalá
Estou incensando,
Estou defumando
A casa do bom Jesus da Lapa.

Nossa Senhora,
Incensou seus filhos,
Nossa Senhora,

9
Incensou o seu altar,
Nossa Senhora,
Incensou a sua aldeia,
Para o mal sair e o bem entrar
Estou louvando
Estou incensando
A casa do meu bom Jesus da lapa
A casa do meu Bom Jesus da lapa

Filhos de Umbanda
Vem ver os irmãos seus
Defuma defuma
Na santa lei de Deus

A Umbanda cheirou cheirou


a guiné pra defumar seus filhos
de fé
Defuma eu Baba
Defuma eu Baba – (bis)

Foi assim foi assim foi assim


Foi assim que meu pai ensinou
A defumar nossa aldeia
Para saudar Pai Xangô

“Taca” fogo nestas ervas


Que são ervas de Xangô
Tem arruda tem guine
Tem obi tem orobô
Quem quiser se defumar
Vai pedir ao Pai Xangô
Tem arruda tem guine
Tem obi tem orobo

Defuma coroa de lei


Defuma coroa de lei
Meu rei é quem manda só
Ai ai ai
Meu rei é quem manda só
Ai ai ai

DESCARREGO
Descarrega, descarrega
Todo mal que aqui está,
Leva, leva, leva
Tudo pro fundo do mar
Se tiveres praga de alguém
Desde já seja retirado
Levando pro mar adentro
Nas ondas no mar sagrado

Ogun bateu na terra


No raio de Xangô
Toda poeira que sobrou
Oxum pra Aruanda Levou, levou
Licença de Oxossi ela ganhou
Nas ondas de Iemanjá
Iansã no Barravento pra Oxalá
Tudo levou

10
DEMANDA
Tem mironga no terreiro
Tem mironga no conga
Quem não pode com a mandinga
Não carrega patuá

Esta casa tem quatro cantos


Cada canto tem seu santo
Onde mora o cálice bento e o divino espírito santo
Zum zum zum
Olha lá Jesus quem é
Eu juro por Deus e as almas
O inimigo cai e eu fico em pé

Demanda na Linha de Caboclo


Fui no mato cortar lenha
Cheguei lá cortei guiné
Ora viva meus caboclos
Seja lá o que Deus quiser
Oi, Guiné, oi Guiné
Oi Guiné de Umbanda
Com seus poderes
Nesta gira ninguém manda

Foi Oxossi ê
Quem mandou trabalhar
Foi Oxossi ê
Quem mandou ajudar
Seu Sete Flechas
Derrama sua luz sobre os filhos de fé
Quebra a mandinga afasta a inveja
Derruba a maldade e o bem fica em pé
Seu Tupinambá
Chega de Aruanda armado pra guerra
Traz flecha e bodoque e a mira não erra
Para defender os seus filhos da terra
Seu Pedra Vermelha
Colheu uma estrela da constelação
Pra guiar nossos passos
Abrindo os caminhos cobrindo de vez toda a nossa união
Cabocla Jupira segura essa gira vem nos ajudar
Cura as doenças com as ervas da mata e leva a tristeza para o fundo do mar
Todos os caboclos
Nos trazem mensagem de paz e esperança filho de umbanda tem fé não balança nós
somos o exercito do Pai Oxalá

Demanda Linha Baianos

Baiana faz e não manda


Nem tem medo de demanda - bis
Baiana feiticeira
Filha de Nagô
Trabalha com pó de pemba
Pra ajudar babalao
Baiana sim, baiana vem

11
Quebra mandinga com dendê

Demanda Linha Xango

Vou saravar Xangô


A coroa de Zambi – bis
Hoje é dia de festa
Já se fez toda a paz
É dia de Justiça
Xangô é quem pode mais

Quem quiser vencer demanda


Vai no alto da pedreira
Leve uma cerveja preta
E ofereça ao Pai Xangô
Kao kao
Kao meu pai Xango

Demanda Linha de Ogum


Lua bonita
Que clareia o mundo inteiro
E são Jorge no espaço
Iluminai este terreiro
Lá vem chegando os guerreiros de São Jorge
Todos de lança na mão
Protegendo estes irmãos
Estes guerreiros
Eles quebram macumbeiros
Eles quebram feiticeiros
De baixo do alazão

Malé Itachi
Malé Malé iô – bis
Guerreiros são guerreiros
Guerreiros de Humaitá
Ogun venceu demanda
Vamos todos saravar

DESPEDIDA
No escuro do Sacrário
Cai a noite
Vem a luz
Venho agora despedir-me
Boa Noite Meu Jesus

Os anjos vieram aqui me chamar


Oi ficai com Deus
Até quando eu voltar

Se a Aruanda não fosse tão linda


Eu pediria pra ficar aqui
Meu Deus do céu a Aruanda é bela
Chegou a hora eu preciso ir

Adeus meus filhos (baba, irmãos)


eu já vou embora
Pois é chegada a minha hora
Quando precisar de mim
Me chamarás

12
Que eu retorno sem demora

ENCERRAMENTO
Eu fecho a minha gira com Deus e nossa Senhora
Eu fecho a minha gira
Sandorê Pemba de Angola
Está fechada a minha gira

Fecha-te cortinas
Fecha-te conga
Fecha-te cortinas
Fecha-te congá
Fecha as correntes contrarias
Pros contrarios nao entrar – bis
Quando o chefe sobe e vai embora
Ninguém fica dentro
Ninguém fica fora
Quem gosta dele
Sente saudades
Sente saudades e de amor chora

FIRMEZA

Quando Oxalá desceu em terra


Salve os filhos da bandeira
Salve os filhos da bandeira Ogun,
Não deixa seus filhos cair
(canta para todos os orixás)

Kao Maleime Meu pai Xangô – bis


Pai Xangô lá na pedreira
Firando nosso conga
Ajuda teu filho de fé oi meu Pai
Não deixa teu filho tombar

Saravá, saravá, saravá,


Este filho de pemba,
Que fica de pé no congá,
Saravá, saravá Oxalá,
Ele é pai de cabeça,
E não deixa seus filhos tombar,
Lua, ó lua já deu meia noite,
Meu galo de pena cantou.
Lua, ó lua, ilumine o terreiro,
Que pai de cabeça chegou

FIRMEZA CANTOS

Segura o canto da casa


Segura o meio também
Iemanjá é rainha
E Oxum faz o bem

Esta casa tem quatro cantos


Cada canto tem seu santo
Onde mora o cálice bento e o divino espírito santo
Zum zum zum
Olha lá Jesus quem é
Eu juro por Deus e as almas
O inimigo cai e eu fico em pé

13
Firmeza Segurança Linha de Exu
Tem ladeira no caminho
Esta casa tem segurança
Esta porteira tem vigia
Meia noite o galo canta

FIRMEZA DA TRONQUEIRA
Exu, exu Tranca Rua
Me abre o terreiro
Oi me fecha a rua

Lá na porteira
eu deixei meu sentinela
Eu deixei Seu Tranca Ruas
tomando conta da cancela.

MALEIME

Tem pena dele Benedito


Tenha dó
Ele é filho de Zambi
Ô São Benedito tenha dó
Tem pena dele Nanã
Tenha dó
Ele é filho de Zambi
Ô Nanã tenha dó

Maleime Velha Nana


Maleime Deus é quem dá
Maleime
Meu Pai Ogun
Maleime Deus é quem dá
( canta todos os Orixás)

PONTO RISCADO

Deus salve a pemba


Também salve a toalha
Deus salve a pemba
Também salve a tolha
Salve a coroa
É de nosso Zambi
É o maior

Ponto Riscado Linha Oxosse


Eu vi chover,
Eu vi relampear,
Mas mesmo assim,
O céu estava azul,
Sandorê pemba
folhas de Jurema,
Que Oxossi reina
De norte a sul

Com tanto pau no mato


Caboclo não tinha guia- bis
Ele vai firmar seu ponto

14
Com Deus e a virgem Maria

Ponto Riscado Linha de Ogum


Ogun, meu Pai,
Quem é da linha de Umbanda não cai,
Ogum, meu Pai,
Quem é da linha de Umbanda não cai,
Firma o ponto no terreiro,
Firma o ponto meu irmão,
Quem é da linha de Umbanda,
Tem sempre a Pemba na mão, Ogum.

Ponto Riscado Linha Preto Velho

Preto Velho tá quebrado


De tanto trabalhar
Preto velho tá cansado
De tanto curimbar – bis
Canta ponto
Risca pemba
Que é longa a caminhada
Quem tem fé tem tudo
Quem não tem fé - bis
Não tem nada

Preto velho que nasceu no cativeiro,


Hoje desce no terreiro,
De cachimbo e pé no chão,
Oi, pega na pemba, risca ponto,
Faz mironga,
Saravá Maria Conga,
Saravá meu Pai João.

PROTEÇAO DO CONGÁ
Meu Pai Xangô
Esta no reinado – bis
Meu Pai Xangô
Ele é Orixá
Olha seus filhos de fé
O meu pai
Proteja este conga

Deus, iluminai os nossos guias


Pela gloria desse dia
Eu vou pedir ao Meu pai Oxalá
A benção e a proteção pra este Congá

SAIDA DE FILHO
ALMAS – FALECIMENTO - ENCERRAMENTO

Estrela da Guia
Guiou nosso Pai
Guiai esse Filho
Caminho que vai
Óh Viva Jesus Nosso Pai Redentor
Que na Santa Cruz seu sangue derramou
Jesus quando andou na areia do mar
Abençoou seus filhos prá descarregar
Oh Faça uma prece filho de Umbanda

15
Peça abenção ao Pai Oxalá

SAUDAÇÃO DE PAI DE SANTO

Vem cá Babá
Vem cá Babá
A casa é sua
Pode entrar
Vem cá Babá
Vem cá babá
Quem te recebe é Pai Oxalá
Vem cá Babá
Vem cá Babá
A casa é sua
Pode entrar
Vem cá Babá
Vem cá Babá
Bate a cabeça
Pros Orixás

Aue Baba
Baba dos orixás
Aue Baba
Baba dos Orixás
Diante do altar saudando esta seus orixás
Embala eu baba
Embala eu
Embala baba
Embala
Aue babalaô
Babalao de orixá

Axe emi axé


Axé que mi axe riô
Patacuri, ogunhe
Babalaxé de Ogun, babalaxé de Ogun
Axé, axé, emi axe rio
Babalaxé de Xangô, e Iemanjá, de Oxum, etc...

SAUDAÇAO PAI DE SANTO DE XANGO


Saravá Xangô Agodo
Sarava o reino de Xangô
Afirma ponto na pedreira pra seus filhos, Pai Xango,
E no terreiro sarava Babalao
Sarava Xangô
Sarava Babalao
Sarava Xangô
Sarava Babalao
Sarava Xangô Agodo
Sarava a coroa de Xangô
Afirma ponto na pedreira pra seus filhos
E no terreiro sarava babalao

SAUDAÇÃO - VISITANTE
Um abraço dado de bom coração
Vale mais do que um adeus
Um aperto de mão
Que Deus lhe pague

16
Que Deus lhe ajude
Que Deus lhe dê felicidade
e saúde

Me de a sua mão
Também o seu coração
Oxalá nos guiou
Oxalá nos uniu
Semeou o amor
E a tristeza partiu

TEMPO
E olha o tempo
E vira o tempo
E olha o tempo
Olha o tempo virou
E vira o tempo
Na canjira de Umbanda
E olha o tempo, olha o tempo virou

E olha o tempo olha a lambada


Macurá dile – bis
Olha eu Tempo
Olha lambada Macurê – bis

Tempo macurá dile...

TRABALHO

É rio é rio é rio oi Sá dona


É rio de São Francisco - bis
Quebra a cabaça espalha a semente
Todos os caboclos ajudando a inocente - bis

17
Sincretismo Jesus Cristo
Cor Branca
Ervas Boldo, Folhas de Girassol, Manjerona,
Folha de Laranjeira,
Otim Água
Símbolo Coração, Cruz
Flor Jasmim e Lírio
Fruta Uva Branca
Mineral Prata
Dia Sexta feira
Data 25/12
Comida Canjica Branca
Saudação EpaBabá,

Oxalá meu pai


Tens pena de nos tem dó
Se a volta do mundo é grande
Teu poder é maior

Sexta feira visto branco


Em louvor a Oxalá – bis
Valei-me Senhor do Bonfim
Valei-me meu orixá – bis

18
Orixalá
Orixalá
Venha comigo irmão
Vamos juntos louvar
O Senhor do Bonfim
é o nosso Pai Oxalá
Juntos vamos cantar
No dialeto nagô
Venha vestido de branco
Louvar o Nosso Senhor
Oxaguia Oxalufa
Babalao Orumilá aue

Meu Pai Oxalá


Obrigado Meu Pai, que bom
As voltas do teu abraço
São laços de luz e som
Meu Pai, Oxalá
Eu sei que estás em mim
Nas dores da ilusão
Na força do não e o sim
Peço agora teu amor
Nesta hora de esperança
Pra ser livre como a flor
Ser adulto e ser criança
E Abençoa a todos nós
Nossos pais, nossos avós
Nossos filhos e parentes
Nossas vidas tão carentes
Meu Pai Oxalá
És tudo na criação
Igual teu poder não há
Me cura me dá tua mão

Oxalá Velhinho, Oxalá Ogun e Odé,


Oxalá da luminária, Oxalá da Umbanda.
Quando sair o sol, eu vou entrar na mata,
vou falar com Oxossi Tupinambá
e a Jurema da Mata.

O beija flor toma conta do jardim – bis


O beija flor toma conta do jardim
Vou pedir a Oxalá pra tomar conta de mim

Meu Pai Oxalá


É o rei do mundo inteiro
Meu Pai Oxalá
Um amigo verdadeiro
Gosto de chamar por ele
Ele não tarda a chegar
Quem quiser falar com ele
Fala em qualquer lugar
Refrão..meu Pai Oxalá...
A caminhada é longa
Mas não cansa ninguém
E quem for com ele alcança
Um lugar lá no alem
Quem tem fé e paciência
E procura o bem fazer
E se hoje esta sofrendo

19
Amanhã não vai sofrer

Tão alto é o céu


Tão fundo é o mar
Tão grande é a força
Do Pai Oxalá
Tão grande é a força de Oxossi
O Universo é do Pai Oxalá
Ogun é o dono da guerra
Iemanjá a rainha do mar

Sua gogue estava cheia


Sua gogue está no mar - bis
Nos queremos nos queremos alcançar
As graças do pai Oxalá

Eu vi brilhar, eu vi brilhar
Lá no horizonte eu vi brilhar
Era uma luz, era uma luz
Era um estrela nosso pai Oxalá
Ele vem, ele vem no além no além
Traz a paz e a alegria
A quem na terra faz o bem

A estrela de Oxalá
Brilhou, brilhou
Sua luz agora mesmo,
neste conga entrou

Oxalá Meu Pai


Somos filhos da Virgem Maria – bis
Uma estrela nos ilumina – bis
Estrela é a nossa guia – bis
Que nos anjos da guarda sejam nossa companhia

Oxalá é nosso pai


Nosso amigo e companheiro
Daí forças à filharada
Que tem missão no terreiro -bis

O Deus nos salve esta casa santa,


Oi Santa , Oi Santa,
Onde Deus fez a sua morada, morada, morada,
Onde mora o cálice bento,
E a hóstia consagrada.

Jesus e Maria
São João e São José,
São Pedro abriu o céu,
Para os filhos que tem fé,
Oh! São Miguel Arcanjo,
Por Deus quem sois quem es,
Rogai ao nosso pai,
Pra aumentar a nossa fé.

LINHA DO ORIENTE

20
Vem, vem, minha gente,
Vem chegando de Aruanda
Salve o Povo Cor de Rosa
Salve os Filhos de Umbanda
Vem, vem, minha gente,
Vem chegando de Aruanda
Pela fé e caridade
Salve os filhos de Umbanda

Um clarão apareceu no céu


Ai meu Deus, o que será
É Zartu, Chefe Indiano
Com sua falange vem nos ajudar

Ori, ori do Oriente


Força de Zambi chegou
Lá no Oriente uma luz brilhou
E no terreiro tudo iluminou

Ele tem coroa de ouro


Ele tem coroa de rei
E tem coroa verde
Que tem coroa também

Lá no Polo Norte
Onde tudo é gelado
Onde tudo é gelado
Tem um povo esquimó
Que conhece a Lei de Umbanda
Que conhece a Lei de Umbanda
Lá na Groelândia
Onde tudo é nevado
Onde tudo é nevado
Tem um povo esquimó
Que conhece a Lei de Umbanda
Que conhece a Lei de Umbanda

ENCAMINHAMENTO DE ALMAS
Abre a porta ó gente
Que aí vem Jesus
Ele vem cansado
Com o peso da cruz
Vem de porta em porta
Vem de rua em rua
Perdoando as almas
Sem culpar nenhuma

SUBIDA ORIENTE

Povo do Oriente
Oriente chama
Povo do Oriente
Oriente chama
Vai com Deus
Oriente chama

21
Sincretismo São Sebastião
Cor Verde
Ervas Guiné, Samambaia, pitanga,
Otim Cerveja Branca e Vinho Moscatel
Símbolo Arco e Flecha
Reino Matas e Florestas
Flor Flor do Campo
Signo Touro e Libra
Fruta Pitanga, Melão
Essência Violeta
Mineral quartzo verde
Dia quinta feira
Data 20/01
Comida Milho cozido regado com mel, na moranga
- axoxô
Saudação Okê aro - oke arô odé

22
CHAMADA DE CABOCLOS

Eu abro a nossa gira de caboclos


Sem os caboclos eu não posso trabalhar
Assim, assim, na fé de Ogun meu Pai
Sem os caboclos eu não posso trabalhar

Oxalá chamou,
E já mandou buscar,
Os caboclos da Jurema,
No seu Juremá.
Oxalá é o rei.
Rei do mundo inteiro
Já deu ordem pra Jurema,
Mandar seus capangueiros,
Mandai mandai
Linda cabocla Jurema
Os seus guerreiros
Essa é a ordem suprema

Se a estrela de Oxóssi brilha


Meu pai eu quero ver
Eu quero ver caboclo é bamba
Meu Pai eu quero ver

Quem é o cavaleiro
Que vem lá de Aruanda
É Oxossi em seu cavalo
Com seu chapéu de banda
Quem é esse cacique
Glorioso e guerreiro
É Oxossi em seu cavalo
Vem descer neste terreiro
Vem de Aruanda ê
Vem de Aruanda, á
Ele é filho do verde
Ele é filho da mata
Saravá Nossa Senhora
A sua flecha mata

Vou abrir minha


Jurema, vou abrir
meu Juremá – bis
Com licença de meu Pai Xangô
Vou abrir meu Juremá – bis
Santo Antônio é de Ouro Fino
Arreia a bandeira e vamos trabalhar

Tambor, tambor
Oi vai buscar quem mora longe
Tambor
Oi vai buscar seu..(nome) Tambor,
Oi vai buscar quem mora longe tambor.

Ta na hora ê ta na hora
Ta na hora e
Quem vem de fora
Ta na hora ê ta na hora

23
Ta na hora e
Chegando agora
Na minha aldeia tem jusseira
A minha aldeia é Tombeici
Na minha aldeia tem caboclo guerreiro
Tem Seu Rei das Ervas e Andaraí
Itaburana matou um bicho de pena
Itaburana matou um bicho de pena
Ele não mora longe
Mora dentro da Jurema – bi

TRABALHO
É rio é rio é rio oi Sá dona
É rio de São Francisco - bis
Quebra a cabaça espalha a semente
Todos os caboclos ajudando a inocente - bis

Okê caboclo vem ver a sua aldeia,


Okê caboclo vem ver a sua aldeia.
Onde pia a cobra sabiá gorjeia,
Onde pia a cobra sabiá gorjeia,

Vestimenta de caboclo
é samambaia,
É samambaia, é samambaia,
Saia caboclo não se atrapalha,
Saia do meio da samambaia.

Arreia capangueiro
Capangueiro da Jurema
Arreia Capangueiro
Capangueiro Juremá
Nas matas quem manda
Os caboclos arriando

Chama os caboclos da mata,


É pra trabalhar, bis.
Se a mata é muito alta,
Caboclo vai derrubar bis.

Sete caboclos,
Sete flechas, sete flecheiros,
Firma seu ponto,
Na cachoeira,
Que os caboclos vão descer,
Firma seu ponto,
Saravá meu pai Xangô,
Quem manda lá nas matas,
É Oxossi caçador

Gira

Oxóssi gira ele gira


Na macaia
Oxóssi gira ele gira
Na macaia
Gira gira no meu terreiro
Gira gira na minha banda

SAUDAÇÃO DE CABOCLO

24
A mata estava escura
Um anjo iluminou
No centro da mata virgem
Foi seu Oxóssi quem chegou
Mas ele é o rei ele o rei ele o rei
Mas ele é o rei da Aruanda ele o rei

Foi numa tarde serena


Lá nas matas da Jurema
Que ouvi o caboclo bradar
Quiô, quô, quiô quiô o que era
Sua mata está em festa
Saravá Seu (nome..)
Ele é o Rei da Floresta

Eu atirei
Eu atirei e ninguém viu
Seu ...é quem sabe
Aonde a flecha caiu
Eu atirei...

Eu atirei a minha flecha


Eu atirei e ninguém viu
Seu Serra Negra é quem sabe
Aonde a flecha caiu
Eu atirei a minha flecha,
eu atirei e ninguém viu
Seu Sete Flechas é quem sabe
Aonde a flecha caiu

Tumba ê Caboclo
Tumba lá e cá
Tumba
Ê, guerreiro
Tumba lá e cá
Tumba ê meu Pai
Não me deixe só

PONTOS DE LINHA

Eu corri terra
eu corri mar
Até que cheguei
na minha país
Ora viva Oxossi na mata
Que a folha da mangueira
ainda não caiu

Atravessei o Paraná
Por cima de dois Barris
Eu vim a ver a Juremera
E os Caboclos do Brasil

Oxosse tá no muzambe –bis


Na cidade da Jurema
Oxosse tá no muzambe, tá no muzambê

Foi na Umbanda que eu nasci


Foi na Umbanda que eu cresci

25
Oi caboclo sarava sua pemba
Oi caboclo sarava seu conga

Caboclo Flecheiro
Tu es da nação do Brasil
Tu és da nação brasileira, e caboclo
Das cores da nossa bandeira

Oxossi na mata é rei


Oxossi na mata é
Que passa pelos caminhos
Sem deixar marca do pé
Caboclo não desacata
Caboclo sabe quem é
Quem anda dentro da mata
Sem deixar marcado o pé
Refrão – Oxossi na mata é rei...
Ele tem flecha e bodoque
Ele tem laço e cocar
Na mata está o seu reino
E na mata reinará
Refrao

Hoje tem alegria no terreiro do meu Pai


Sarava senhor Oxossi
Que ele é chefe de congá

Para quem não conhece eu vou dizer


Oxossi Odé
É são Sebastião
Ele reina lá nas matas e nos campos
Ele é o dono da lavoura e do pão
A ilé ilé ô, a ilé ilé ô - bis
Para sua vida melhorar
E nunca lhe faltar o que comer
Ascenda uma vela lá nas matas
Para Oxosse, e peça que ele
vem lhe proteger

Aqui nessa aldeia


Tem uma caboclo que ele é real
Ele não mora longe
Mora aqui mesmo nesse canzuá

Sou filho do Vento da Mata,


Do Vento que vem e que vai,
Ossanha me olhe e me ajude,
Oxóssi que é o meu Pai.
Guerreiro da Mata eu sou,
A vida me ensina a viver,
Sou filho do Vento da Mata,
Coragem se tens vem me ver.
Sou filho do Vento da Mata...
A lança que eu trago eu fiz,
Meu arco não atira em vão,
Na mata onde eu sou feliz,
Levo sempre um escudo na mão.
Sou filho do Vento da Mata...
Guerreiro de Tribo Valente,

26
A brisa da mata é meu ser,
Coragem eu trago na frente,
Que Oxóssi me dá pra vencer

Oxossi caçador
Eu quero te ver caçar
Oxossi caçador
Eu quero te ver caçar
De dia caça nas matas
De noite pesca no mar

Como giram os caboclos da mata


Vem girando como um girassol- bis
Que Caboclo onde você mora
Que Caboclo é na samambaia - bis

Oxosse ébrei do céu


Oxosse é rei na terra
Ele nãodesce do céu sem coroa
Sem sua muganga de guerra

PONTO CRUZADO

Oxossi, Oxossi mora, bis.


Na raiz da caneleira
Ogum mora na lua, bis.
Xangô lá na pedreira.

Quem manda na mata é Oxossi


O Universo é do Pai Oxalá
Ogun é o dono da guerra
Iemanjá a rainha do mar
Tão alto é o céu
Tão fundo é o mar
Tão grande é a força do
Pai Oxalá

Oi não se meche na espada de Ogun


Oi não se meche na machada de Xangô
Oi não se meche nas flechas de Oxossi
Que lá na mata é Rei é caçador

ABERTURA DE CAMINHOS

Caboclo não tem caminho


para caminhar -bis
Caminha por cima da folha
por baixo da folha
em todo lugar – bis
(oke caboclo)
Caboclo já tem caminho
para caminhar - bis
Ele caminha por cima da folha
Por baixo da folha
Em qualquer lugar
Seu caminho esta aberto
Caboclo pode passar
Ele vai girar, ele vai girar
Caboclo filho de Oxossi
Filho de Umbanda

27
E de Oxalá
Quando a lua sair ele vai girar

Caboclo Arranca Toco

Caboclo Arranca Toco,


A sua luz é minha guia, bis.
Ele é Oxossi,
É filho da virgem Maria,
A sua luz ilumina o escuro,
Neste terreiro, bis.
Os seus filhos estão seguro

Caboclo Giramundo / Caboclo Ventania

Oi cadê Giramundo, pemba


Oi cadê Giramundo, pemba - BIS
Tá na terreira, pemba
Com seu Cambono, pemba - BIS
Viado no mato é corredor
Cadê meu mano caçador
Cadê Caboclo Ventania
Esse Caboclo é nosso guia

Caboclo Cobra Coral

Cobra Coral é sua cinta


E a jibóia sua laça – bis
qui sua qui sua qui sua ê
Caboclo mora na mata

Ai caçador, ai caçador, na beira do caminho,


ai não me mate esta coral na estrada
Ela abandonou sua choupana caçador
Foi no romper, da madrugada

Atravessei o Paraná
Por cima de dois barris
Eu vinha ver a Juremera
E os caboclos do Brasil

Caboclo Flecha Dourada

Caboclo vai
Caboclo vem
Caboclo Flecha Dourada é que vem
Mas ele é um Caboclo da Mata
É Flecha Dourada que vem

Caboclo Flecheiro

Ele vem de tão longe


Cansado de caminhar
Salve o Caboclo Flecheiro
Que vem saravar seu congá
Pra chegar neste terreiro
Ele cortou tanto cipó atravessou a mata virgem

28
Veio na fé do Pai maior

Caboclo Girassol

Mas que caboclo lindo,


Que veio da Bahia,
Trouxe nas mãos,
Três Ave-maria,
Uma era a Lua,
Outra era o sol,
Na mão direta,
O caboclo Girassol.

Caboclo Guaracy

No meio da mata virgem


Um lindo caboclo eu vi
Vem chegando de Aruanda
O Caboclo Guaracy
Ele vem no romper da noite
Ele vem no clarear do dia
Saravar todos os filhos
Filhos da Estrela Guia

Caboclo Guaracy

Salve a falange do Caboclo Guaracy


Deus do céu permita que ele chegue até aqui
Salve Tupã, Itatiaia e Poti
Salve Brazões e viva o Guaracy
Salve o Sol, salve as estrelas e o cruzeiro
Salve Guaracy que chegou neste terreiro.

Cabocla Iracema

Iracema é uma cabocla tão linda


Ela vem da mata, ela vem sorrindo
Saravar pemba, saravar nosso congá
Saravar a estrela guia, saravar Pai Oxalá

Jussara Jandira
Jupira Jurema
O Iracema vem trabalhar

Cabocla Jandira

Jurema vem trazendo as rosas


Jandira é quem traz o jasmim – bis
As duas na Umbanda são irmãs,
minhas Caboclas tenham pena de mim

Caboclo Junco Verde – Pena Verde

Vem Junco Verde


Vem trabalhar
Nas terras de Jurema
Seus filhos vem salvar
Salve o sol
Salve a lua

29
Salve Oxossi também
Okê caboclo
Salve Caboclo
Índio Guerreiro
Salve Junco Verde
Que está no terreiro

Quem manda na mata é Oxossi


Oxossi é caçador – bis
Eu vi meu pai assobiar
Eu já mandei chamar - bis
É da Aruanda ê, é de Aruanda á
Seu Junco Verde (Pena Verde) da Umbanda
É da Aruanda a

Cabocla Jurema

O Jureme, o Juremá,
Suas folhas caem serenas,
Jurema,
Dentro deste congá,
Salve o sol e salve a lua,
Salve São Sebastião,
Salve São Jorge guerreiro,
Que nos deu a proteção,
O Jurema.

Jurema a sua flecha caiu,


Mas ninguém viu,
Mas ninguém viu,
Eu vou chamar,
O caboclo Ventania,
Só ele sabe aonde,
A flecha caia.

No alto daquela serra


Em baixo de um pé de angá
Eu vi a Cabocla Jurema atirar sua flecha e não errar
Voou , voou, a sua flecha voou

Meu cotinho se perdeu lá na mata


A Jurema apanhou
E acabou de criar – bis
Erê rê re re re
Ere re rá
Eu sou filho da Jurema
Neto da Cobra Coral

Jurema linda
princesa rainha
dona da cidade
mas a chave é minha

Onde esta Jurema


A Jurema onde está
Esta procurando os capangueiros
Que ainda estão na Jurema
Quem mandou chamar
Em nome do Pai Oxalá
Foi seu Oxossi caçador

30
Que já baixou neste congá
Salve todo o povo da Jurema
Salve a sua luz, seu jacutá
Levai todos os males deu seus filhos
Deixando paz e amor
Na fé de Oxalá

Cabocla Jurema – Ponto Riscado

No centro da mata virgem


Uma linda Cabocla eu vi - bis
Com seu saiote
Feito de penas
Era Jurema
Filha de Tupi - bis
Jurema Jurema Jurema
Linda Cabocla filha de Tupi
Ela vem lá da Jurema
Vem firmar seu ponto
Neste congá

Caboclo Pena Branca

Saravá Seu Pena Branca


Saravá Seu abacé
Traz a flecha e seu bodoque
Pra defender filho de fé
Ele vem de Aruanda
Trabalhar neste congá
Saravá seu Pena Branca
Um guerreiro de Oxalá
Sua flecha vai certeira
Vai pegar o feiticiero
Que fez juras de mandingas
Para os filhos do terreiro
Pega o arco
Atira a flecha
Que este bicho é corredor
Mas deve ser castigado
Ele é merecedor

Um grito na mata ecoou


Foi seu Pena Branca que chegou
Com sua flecha
Com seu cocar
Seu Pena Branca vem
Nos ajudar

Quem manda na mata é Oxossi


Oxossi é caçador
Oxossi é caçador
Ouvi meu Pai assobiar
Ele mandou chamar
É na Aruanda ê
É na Aruanda ê
Seu Pena Branca de Umbanda
É na Aruanda ê

Galo cantou na serra


A mata estremeceu - bis

31
Caboclo Seu Pena Branca
Na cachoeira apareceu – bis
Ele é caboclo guerreiro
Que mora no rochedo
Somente Cobra Coral
Conhece dele os segredos

Caboclo Pena Verde

Eu vi na margem do margem do rio


Em linda manhã serena
Caboclo seu Pena Verde
Firmando ponto na areia

Caboclo Roxo

Caboclo Roxo da cor morena,


Ele é Oxossi,
Caçador lá da Jurema,
Ele jurou e tornou jurar,
Pelos conselhos,
Que a Jurema veio dar.

Caboclo Samambaia

No meio da samambaia
Perto do pé do Ipê
Eu vi um caboclo atirando
Ele atirava sem ninguém ver
Voou voou
A sua flecha voou

Quanto tempo que eu não bambeio


Hoje eu vim pra trabalhar – 2x
Sou Caboclo Samambaia
Vim aqui pra trabalhar
Sou Caboclo Samambaia
Vim aqui pra saravar

Caboclo Sete Flechas

E rê, rê, re re re re re re re ra
Caboclo Sete Flechas no congá
E re re re caboclo Sete Flechas no Congá
Saravá seu Sete Flechas,
Ele é rei das matas,
A sua bodoca atira,
Oi paranga,
Sua flecha mata.

Curi pembê curi pembá


Sete Flechas é um grande orixá
Com sete dias de nascido
A Jurema o encontrou
Deitado na folha seca
O caboclo ela criou

Caboclo Sete Flecheiro

Sete caboclos,

32
Sete Flechas, Sete Flecheiros,
Firma seu ponto,
Na cachoeira,
Que os caboclos vão descer,
Firma seu ponto,
Saravá meu pai Xangô,
Quem manda lá nas matas,
É Oxossi caçador

Caboclo Serra Negra

Ele é da força de Xangô


E vem do reino de Oxalá
Caboclo Serra Negra
Que chegou prá trabalhar – bis

Ilumina o mundo
Ilumina o mar
Ilumina as matas
Cidade da Jurema
Seu Serra já chegou
Bem do alto da sua serra
Caboclo foi coroado
Com sua espada de guerra
A lua pára
E o sol clareia
A lua roda
Caboclo já está na aldeia

Relampeou tremeu a terra


Meu Pai Xangô
Desceu a serra
Meu pai Xango o o o o o
Meu Pai Xango o o o o
Venha salvar os seus filhos na terra
Venha salvar os seus filhos da guerra

No alto da Serra
Capitão da serra
Na serra Negra
Onde caboclo mora
No alto da Serra
Capitão da serra
A sua seta é uma jibóia
Estava no alto da serra
Grande jibóia que por mim passou
Trazia uma grande diadema
Dizendo que era o Rei dos Caçador (es)
Ki oke, ki oke, ki oke
Ke bambioclim mi
Respondi ago
Trazia uma grande diadema
Dizendo que era o Rei dos Caçador (es)

33
Caboclo Pedra Negra – Pedra Roxa

Estava em cima da pedreira


Quando o céu trovejou
Caboclo Pedra Negra
Este filho é de Xangô
E de cima da pedreira
Ele vem neste Congá
Caboclo Pedra Negra
Que chegou p’ra trabalhar

Caboclo Sultão das Matas

Sultão das Matas sou eu


Sou eu
Eu sou sultão da minha aldeia
Sultão das Matas sou eu

Caboclo Ubirajara

Estrela Dalva é sua guia


Ubirajara é caboclo valente
Ubirajara mora lá na mata
La na grota funda
La no fim do mundo

Ubirajara vai embora


O que lhe dão pra levar - bis
Se lhe dão flores brancas
Ou a raiz do Jurema - bis
Ubirajara vai embora
Ele vai sem imaginar - bis
Vai pela margem do rio
Pelo pio da Coral - bis

Caboclo Ubirajara Peito de Aço

Corto língua, corto mironga,


Corto língua de falador,
Quando eu chego não há embaraço,
Chegou Ubirajara,
Do peito de aço.

Caboclo Mata Virgem

Oke, oke, caboclo


Seu Mata Virgem é da raiz
Da urucaia - bis
Mas ó que lindo caçador
Naquelas matas onde a
Coral piou, oke

Caboclo Rei da Mata

Lá na mata
Piou piou – 3 vezes
O rei da mata chegou
Oxossi é rei da mata
E vencedor de demanda
E orixá consagrado

34
Coroado na nossa umbanda

Caboclo da Lua

Ele é filho de umbanda


Ele vem lá do Oriente
Salve o Caboclo da Lua
Salve Deus onipotente
Salve o Caboclo da Lua
Que é fé e proteção
Salve o Caboclo da Lua
Que é Oxossi
É São Sebastião

Caboclo Rompe Mato

No centro da mata eu vi
Dois homens “ garrados”
num tronco de um pau - bis
De um lado seu Rompe Mato
Do outro o Seu Cobra Coral
No centro da mata virgem eu vi
Seu Rompe Mato falava na língua
Tupi Guarani ( no centro da mata)

Caboclo Tupinambá

Estava na beira do rio,


Sem poder atravessar,
Chamei pelo caboclo,
Caboclo Tupinambá,
Tupinambá chamei,
Chamei tornei chamar, êá.

Tupinambá é ganga na macaia


Tupinambá e e Tupinambá
Tupinambá guerreiro de Oxossi
Tupinambá e e Tupinambá
Tupinambá não perde uma demanda
Tupinambá e e Tupinambá
Tupinambá vem defender seus filhos
Tupinambá e e Tupinambá
Só não apanha a folha da Jurema
Sem ordem suprema do Pai Oxalá - bis

Cheguei no clarão do dia


Só vou no romper da Aurora - bis
Vim trazer alegria meu Pai
Consolar quem chora - bis
Quando vim de lá de cima
Da aldeia do cariri
Eu peguei água da mina
Na folha do Licuri
Me chamo Tupinabá
Eu sou lá do Tombeici
Ai ai ai
Entra na roda quem quer entrar
È samba de caboclo quem quiser pode dançar

35
Caboclo Aimoré - demanda

A água com areia não podem demandar


A água vai embora
Areia fica no lugar
Zum zum zum,
Chegou Seu Aimoré.
Caboclo guerreiro
Prá salvar filho de fé

DEMANDA

Caboclo velho olé olé olé olá


Caboclo velho olé olé olé olá
Sou caboclo sou curador
Tiro feitiço de quem lhe botou

Tem mironga no terreiro


Tem mironga no conga
Quem não pode com a mandinga
Não carrega patuá

Fui no mato cortar lenha


Cheguei lá cortei guiné
Ora viva meus caboclos
Seja lá o que Deus quiser
Oi, Guiné, oi Guiné
Oi Guiné de Umbanda
Com seus poderes
Nesta gira ninguém manda

Foi Oxossi ê
Quem mandou trabalhar
Foi Oxossi ê
Quem mandou ajudar
Seu Sete Flechas
Derrama sua luz sobre os filhos de fé
Quebra a mandinga afasta a inveja
Derruba a maldade e o bem fica em pé
Seu Tupinambá
Chega de Aruanda armado pra guerra
Traz flecha e bodoque e a mira não erra
Para defender os seus filhos da terra
Seu Pedra Vermelha
Colheu uma estrela da constelação
Pra guiar nossos passos
Abrindo os caminhos cobrindo de vez toda a nossa união
Cabocla Jupira segura essa gira vem nos ajudar
Cura as doenças com as ervas da mata e leva a tristeza para o fundo do mar
Todos os caboclos
Nos trazem mensagem de paz e esperança filho de umbanda tem fé não balança nós
somos o exercito do Pai Oxalá

DESENVOLVIMENTO

Vestimenta de caboclo é samambaia,


é samambaia, é samambaia

36
Saia caboclo, não se atrapalha
Saia do meio da samambaia

Veio um cambono e me disse


Que la na mata não tinha caboclo
E lê lê lê le meu caboclo
Venha de um lado pro outro

Caboclo da mata
Sucuri Dendê
Aonde mora este caboclo
Que não quer descer

A mata estava fechada


Oxalá mandou abrir
Quem tem santo na cabeça
Tá na hora de sair

Se meu Pai é Oxosse eu quero ver balancear –bis


Arreia arreia capangueiro da Jurema
Oi Juremá

Arreia, capangueiro
Capangueiro da Jurema
Arreia capangueiro
Capangueiro da Jurema
Na mata quem manda
Os caboclos arriando

Caboclo do Mato
O que é que tu quer
Eu quero folha verde
Folha verde de guiné
Oi caboclo do mato você não me engana
Zum zum zum na Aruanda
Oi zum zum zum na Aruanda

DESAFIO
Bota fogo lá na mata
Chama, chama que ele vem
Se o caboclo é confirmado
Chama chama que ele vem

SUBIDA

E olha a folha do coqueiro olha lá


Se meus caboclos forem embora eu vou buscar
Olha ê
Olha á
Seu meus caboclos forem embora eu vou buscar

Os anjos vieram
aqui me chamar
Oi ficai com Deus
até quando eu voltar

Caboclo pega sua flecha,


Pega seu bodoque,
O galo já cantou,

37
É zambi que está lhe chamando,
E já chegou a hora,
E Oxalá mandou.

A despedida de caboclo
faz chorar faz chorar faz soluçar
faz chorar
Cabolco vai pra Aruanda trabalhar
E se despede do terreiro Sarava!

Mas eu já vou embora,


Vou, mas torno a voltar,
Vou com Deus e Nossa Senhora,
Até a Umbanda me chamar.

Ó que lindo cantar,


Ó que lindo cantar,
Até os passarinhos choram,
Quando os caboclos,
Se despedem e vão embora.

Caboclo vai embora,


Ele vai pra Aruanda,
Abenção meu Pai,
Proteção pra nossa banda.

A sua mata é longe


E eles vão embora
E vão beirando o rio azul
Adeus caboclos
Adeus flecheiros
Eles vão embora
E vão beirando o rio azul
E os caboclos vão embora
Pra cidade da Jurema
O bom Jesus está lhe chamando
Pra cidade da Jurema
Ele vai ser coroado
Na cidade da Jurema
Com a coroa de aie ie

Mais um adeus aleluia adeus


Mais um adeus aleluia adeus
Vou pra Jurema
Quem vai s’embora sou eu - bis
Eu já vou já vou
Eu já vou pra lá
Tupã me chama
E eu já vou me arretirar...

Troncos verdes da Jurema


Aonde o Pai Oxossi mora
Onde Jesus passou e disse amém
Nossos caciques vão embora

Adeus meus filhos eu vou embora


Porque chegou a minha hora
Quando precisar de mim
Me chamarás
Que eu retorno sem demora

38
Quando precisar de mim, me chamarás
Que eu retorno sem demora

Eu vou embora pra minha aldeia de ouro


Eu vou embora pra minha terra natal
Eu vou pedir que Zambi há pouco me de
Uma estrela para eu andar no mar

É a hora é é agora
É a hora é chegou a hora
É a hora é da marola
É a hora é de ir pra Angola

A despedida de caboclo faz chorar


Faz chorar faz soluçar
Faz chorar
Caboclo vai pra Aruanda trabalhar
E se despede da Umbanda saravá

Sincretismo São Jorge


Cor Vermelho e Branco
Ervas Espada de São Jorge, Comigo Ninguém
Pode, losna
Otim Cerveja Branca

39
Símbolo Espada, escudo
Reino Caminhos e Estradas
Flor Cravo Branco, cravo vermelho
Signo Áries e Escorpião
Fruta Manga Espada
Essência Cravo
Mineral ferro
Dia terça feira
Data 23/04
Comida Feijão Fradinho, Inhame, feijoada
Saudação Ogunhê! Patacori Ogun!

Nesta casa de guerreiro, Ogum,


Vim de longe pra rezar, Ogum,
Rogo a Deus pelos doentes, Ogum,
Na fé de Pai Oxalá, Ogum,
Ó Deus salve a casa Santa, Ogum,
Os presente e os ausentes, Ogum,
Salve nossas esperanças, Ogum,
Salve velhos e crianças, Ogum,
Preto Velho ensinou, Ogum,
Na cartilha de aruanda, Ogum,
E Ogum não esqueceu, Ogum,
Como vencer a demanda, Ogum,
A tristeza foi embora, Ogum,
Na espada de um guerreiro, Ogum,
E a luz do romper da aurora, Ogum,
Vai bilhar neste terreiro, Ogum.

Por entre matas por entre mares e terras


Eu entendi o que meu Pai quis dizer - bis
Que Ogun não devia beber
Que Ogun não devia fumar
Mas a fumaça são as nuvens
Que passam
E a espuma
As ondas do mar

Ele é um príncipe de cavalaria


não vejo trevas nem escuridão
Vou dar um brado de salva
Para a primeira legião

Quando Ogun
Venceu a guerra
Seu manto estava
Sujo de terra
Foi humilhado
Foi ofendido
Filho de Ogun
É filho querido

40
Com o espírito
Purificado
Povo de Ogun
É povo sagrado

PONTO RISCADO
Ogun, meu Pai,
Quem é da linha de Umbanda não cai,
Ogum, meu Pai,
Quem é da linha de Umbanda não cai,
Firma o ponto no terreiro,
Firma o ponto meu irmão,
Quem é da linha de Umbanda,
Tem sempre a Pemba na mão,
Ogum.

Ele jurou bandeira


Ele tocou clarim – bis
E o exército todo
É comandado por Ogun
Salve Ogun Iara
Salve Ogum Megê
Salve Ogun Matinata
Salve Ogun Naruê

CONFIRMAÇAO

Oxalá esta chamando


Ogun lá no Humaita
Pra lhe dar uma bandeira
E mandar ele jurar - bis
Se ele é capitão, ele vai jurar
Se for de Angola, também vai jurar
Se for Ogun de Lei, ele vai jurar
Se for de Nagô, também vai jurar

Pisa na linha de Umbanda,


Que eu quero ver, Ogum Sete Ondas,
Pisa na linha de Umbanda ,
Que eu quero ver, Ogum Beira Mar,
Pisa na linha de Umbanda,
Que eu quero ver, Ogum Iara,
Ogum Megê, olha a banda aruê

Salve Ogun Mege


Ogun Rompe Mato
Ogun Beira Mar - bis
Ele trabalha na areia, meu Pai
Ele trabalha no mar

Ogun Iara
Se meu Pai é Ogum, Ogum,
Vencedor de demandas,
Ele vem de aruanda,
Pra salvar, filhos de Umbanda,
Ogum, Ogum Iara,
Ogum, Ogum Iara.
Salve os campo de batalha,

41
Salve a Sereia do Mar,
Ogum, Ogum Iara,
Ogum, Ogum Iara.

O seu cavalo corre


sua espada reluz
Sua bandeira cobre
Todos os filhos de Jesus
O seu cavalo corre
sua espada reluz
Auê Ogun Iara
Aos pés da Santa Cruz - bis

Ogun Sete Espadas

Eu tenho Sete Espadas pra me defender - bis


Eu tenho Ogum em minha companhia,
Se Ogum é meu Pai,
Se Ogum é meu guia.
Se Ogum vai baixar,
Na fé de Zambi e da Virgem Maria.

Ogun Megê

Ogum Megê, general de Umbanda,


Em seu cavalo seu Ogum foi guerrear,
Com sua espada, com sua lança,
Venceu demanda,
Nos campos do Humaitá,
Ogum Megê.

Ogun em seu cavalo corre


E a sua espada reluz
Ogum, Ogum Megê,
Sua bandeira cobre os filhos de Jesus,
Ogunhê

Na porta da romaria
Eu vi um cavaleiro de ronda – bis
Trazia um escudo no peito
Uma lança na mão
Ogun venceu a guerra e matou o dragão
A primeira espada quem ganhou foi ele –bis
Mas ele é, ele é Ogun Megê
Ele vem lá de Aruanda
Pros seus filhos proteger

Oxossi assobiou
Pra passar no Humaitá
Pra saudar Ogun Mege
Mensageiro de Oxalá

Ogun das Pedreiras

Ogun guarda a pedreira


Mandado por Oxalá
Com a espada e com a lança, Ogun
Seus filhos vem ajudar, Ogun

Ogum Marinho – Ação de Graças

42
Ele veio ele veio ele veio
Ele veio das ondas do mar
é Ogum Marinho das ondas
Ele veio para nos salvar – bis
Na cidade, na praia nos campos
No terreiro, em qualquer lugar
Ele salva os filhos de fé
Em nome de Pai Oxalá
Cada graça que o filho recebe
Tem sempre que agradecer
A Ogum Marinho das Ondas
Sempre a lhe proteger

Ogun Sete Ondas

Ogum de lei,
Não me deixe sofrer,
Tanto assim meu Pai, -bis
Quando eu morrer,
Vou passar lá na Aruanda,
Saravá Ogum,
Saravá seu Sete Ondas.

Ó filhos de Umbanda,
Seu Sete Ondas vem do Humaitá,
Que bela surpresa,
Vem de aruanda nos abençoar,
Ó bela surpresa,
Bela surpresa como vai você,
Que bela surpresa,
Vem de aruanda nos proteger

Ogun Beira Rio

Beira Rio, Beira Rio, Beira Mar,


O que se ganha de Ogum,
Só Ogum pode tirar,
Seu Ogum de Ronda,
É quem vai girar,
E vem trazendo folhas,
Pra descarregar.

Ogun Beira Mar


Beira Mar, auê Beira Mar (bis)
Desmancha mironga no fundo do mar (bis)
A sua espada meu Pai, eu quero ver
A sua lança meu Pai, Ogun Megê
A sua espada meu Pai, eu quero ver
A sua lança meu Pai, Ogun De Lei

Seu beira mar brilha no raiar do dia


Seu beira mar é filho da Virgem Maria – bis
Seu beira mar, beirando a areia
Na mão direita ele traz a guia da mamãe sereia.

Seu Beira mar

43
Os seus filhos te chamam – bis
Quando ele vem, beirando a areia
Vem trazendo no braço direito
O rosário de mamãe Sereia

Estrela, clareia a terra,


Estrela,clareia o mar
Clareia o Congá de Beira Mar
Clareia
Clareia para todo o mal levar

Beira Mar auê, Beira Mar,


Beira Mar auê, Beira Mar,
Ogum já jurou bandeira,
Nos campos de Humaitá,
Ogum já venceu demanda,
Vamos todos saravá.

Auê auê Ogun Beira Mar auê – bis


Iansã virou o tempo pra Oxum não governar
Mas durante o Barravento
Oxum se pôs a cantar

Ogum Beira Mar, Ogum Beira Mar


Sua proteção vem me ajudar – bis
Eu chamei por Ogum e Ogum atendeu
Pedi proteção e Ogum deu
Ogum é meu Pai e Iemanjá é minha mãe
Ogum brasa de axé e de proteção

Caboclo do Mar

Na onda do mar
Navega Beira mar
Na onda do mar
Vem o Caboclo do Mar
Iemanjá traz a força
Do mar
Da sua força nasceu
Seu Beira Mar
Ogun respeita o céu
Ogun respeita a terra
Ogun respeita o mar
Ogun na água
É o caboclo do mar

Ogun Naruê
Magia, magia que faz o
meu corpo tremer
Magia, magia que chega em silêncio
Sem a gente ver
É o Senhor Ogun
É o rei da magia que vem
Nos socorrer
É o senhor Ogun
Quem vence a magia é
Ogun Naruê
Ogunhe

44
Ogun de Ronda

Quem está de ronda é São Jorge


Meu Pai me diz onde é
Quem está de ronda é São Jorge
Jesus Maria e José
Quem está de ronda é São Jorge
Deixa São Jorge rondar
São Jorge é guerreiro
Que ronda na terra
Que ronda no mar
Saravá meu pai
Saravá Meu Pai
Girar é bom girar é bom girar é
bom
é bom girar

Olha Ogun está de ronda


Quem está chamando é são Miguel
Réu, réu, réu,
Na linha de Umbanda
Quem está chamando é São Miguel

Ogun está de ronda


Ogun é guerreiro
Levanta seus filhos
Guardai este terreiro

De onde vem Ogun de Ronda


Veio das ondas
Veio das ondas do mar
Veio das ondas
Com a cruz de Deus na frente,
(veio das ondas)
Vencerei ou vencerás
( veio das ondas)

Ogun Rompe Mato

Seu Rompe Mato


É caboclo guerreiro
Ele vem na falange de Ogun – bis
Ele olha por todos seus filhos, meu Pai
Ele não esquece nenhum – bis
Ele gira com o sol e com a lua
Ele gira com a terra e com o mar – bis
Ele vem com sua falange, Meu Pai
Firmar o seu Jacutá –bis

Vermelho é a cor do sangue do meu pai


E verde é cor das matas – bis
Sarava seu Rompe Mato da Jurema
Sarava a banda que ele mora – bis

Ogun Matinata

Que Ogun é aquele


que vem cavalgando
no céu azul

45
Ele é Ogun Matinata
Ele é o defensor
do Cruzeiro do Sul
Com sua espada no peito
Sua lança na mão
Ele vem cavalgando
Ele é Ogun Matinata
Ele é o defensor do Cruzeiro do Sul

Ele é Meu Pai


Mensageiro do amor
Sarava Seu matinata
Que no terreiro chegou
Ele brilha no céu
Ilumina minhas ruas
Ele vem lá das alturas
Brilha no clarão da lua

Ogun de Nagô/Malei

Ogun de Malei
Ogun bravo orixá
Ogun de Nagô
Ogun de Iemanjá

DEMANDA

Lua bonita
Que clareia o mundo inteiro
E são Jorge no espaço
Iluminai este terreiro
Lá vem chegando os guerreiros de São Jorge
Todos de lança na mão
Protegendo estes irmãos
Estes guerreiros
Eles quebram macumbeiros
Eles quebram feiticeiros
De baixo do alazão

Malé Itachi
Malé Malé iô – bis
Guerreiros são guerreiros
Guerreiros de Humaitá
Ogun venceu demanda
Vamos todos saravar

Ogun de Lei

Ogun de Lei
Não me deixe sofrer
Tanto assim meu Pai
Quando eu morrer
Vou passar lá na Aruanda
Sarava Ogun
Sarava Seu Sete Ondas

Ogun toma conta de mim


Não me deixe sofrer tanto assim meu Pai - bis
Quando eu morrer vou passar lá na Aruanda
Pra ver Ogun saravar Filho de Umbanda

46
Tem pena de mim , Ogun
Tem pena de mim
Vencedor de demanda tem pena de mim
Ogun Ogunhe -
Capitão de Umbanda tem pena de mim – bis

Filho de pemba bebe água no rochedo


Filho de Ogum corre campo e não tem medo
Vou pedir ao criador
Que derrame seu amor
Aos nossos guias
E ao nosso Babalaô

Quando Ogun desceu do Céu


São Jorge segura o seu reinado
Olha que as folhas da mangueira
São Jorge não deixa seus filhos cair

Salve Ogun Mege, Ogun Rompe Mato


E Ogun Beira Mar - bis
Ele trabalha na areia meu Pai
Ele trabalha no mar

Iemanjá cadê Ogun


Foi com Oxossi ao Rio de Jordão
Foram saudar São João Batista
E batizar Cosme e Damião

Ogun Oya, Ogun Oya é de mene


Ogun Oya é de mene
Ogun de ronda é de mene
Ogun Oya, Ogun Oya é de mene
Ogun Oya é de mene
Oxum mucumba é de mene
Ogun Oya, Ogun Oya é de mene
Ogun Oya é de mene
Patacure é de mene

Subida de Ogun

Ogum já venceu, já venceu, já venceu


Ogum vai pra Aruanda
e quem lhe manda é Deus – bis
E ele vai beirando o rio ele vai beirando o mar
Oi Salve Santo Antônio na Calunga
Benedito e Beira Mar

Ô ô ô ô ô, a a a a
Ô ô ô ô ô, Adeus Ogum
Adeus Cavaleiro de Umbanda
Adeus Ogum
Ogum, Ogum

Ogum já me saravou, Ô ô
Ogum ...já me abençoou - bis
Filho de Pemba
Umbanda chora

47
É seu Ogum
Que já vai embora

Selei, selei
O seu cavalo eu selei
Selei selei
O seu cavalo eu selei
Pai Ogun já vai embora
O seu cavalo eu selei

Um mensageiro veio avisar


Seu cavalo está encilhado
E Pai Ogun vai viajar
Como é bonito no romper na aurora
Pai Ogun vai cavalgando pela
Estrada afora.

E seu Ogun já vai embora


Sua banda lhe chama Katinguelê
Palmas para Ogun Iara
Palmas para Ogun Megê – bis

Na laranjeira onde canta o bem-te vi –bis


Pai Ogum já vai embora
Deixa o seu cavalo aí - bis

48
Sincretismo
São
Jerônimo
Cor
Marron
e Branco

49
Ervas Hortelã, Quebra Pedra, Louro, Alevante
Otim Cerveja Preta
Símbolo Machadinha, machado de dois gumes
(oxé)
Reino Pedreiras, montanhas, alto das serras e
cachoeiras (alto)
Flor Palma Vermelha
Signo Sagitário
Fruta Caqui e Fruta de conde
Essência Mirra
Mineral Cobre, pedras acastanhadas ( ágata)
Dia quarta feira
Data 26/07; 29/07 e 30/09
Comida rabada, quiabo ( amalá) e camarão
Saudação Kaô kabecilê! ( o rei desceu em terra)
Xangô Kaô,
Deixa essa pedreira aí,
A umbanda está lhe chamando,
Deixa essa pedreira aí.

No alto da pedreira está Xangô,


Senhor do meu destino até o fim,
Se um dia eu perder,
A fé que Deus me deu,
Que role a esta pedreira,
Sobre mim.

Xangô faz justiça com o corisco e com o trovão


Xangô senhor da guerra
Pai de bom coração
Olhai os filhos teus
Não nos deixe em aflição

Xangô é corisco,
Nasceu na trovoada,
Ele mora na pedreira,
Levanta de madrugada,
Longe, bem longe,
Aonde o sol raiou,
Saravá Umbanda,
Oi saravá Xangô

Oh Beija Flor toma conta do jardim


Oh Beija Flor toma conta do jardim
Vou pedir a Pai Xangô Pra tomar conta de mim

Subi a serra acompanhando o pai Xangô(bis)


Por onde Xangô passa corre água e nasce flor(bis)

Machadinha de cabo de ouro,


É ouro, é de ouro,
Machadinha de cabo de ouro,
É de Xangô, é de Xangô,

50
Olha a machada,
Que corta mironga,
É de Xangô, é de Xangô

Que terra é essa que o leão bradou


Que pau é esse que o machado não cortou
Que pedra é essa que o corisco iluminou
Essa terra é da Jurema filho meu...
Tudo isso é de Xangô, Zambi quem deu...

Corta Demanda/Firmeza

Pedra rolou, Pai Xangô,


Lá na pedreira,
Firma seu ponto, meu Pai,
Na cachoeira,
Tenho meu corpo fechado,
Xangô é meu protetor,
Firma cabeça, meu filho,
Pai de cabeça chegou.
Tenho o meu corpo fechado
Xangô é meu protetor
Firma a cabeça meu filho
Pai de cabeça é Xangô

Por de trás daquela serra,


Tem uma linda cachoeira,
É Do meu Pai Xangô, ô,
Que arrebentou sete pedreiras

Quando tiver lua cheia no céu


Vou a pedreira Kao Kabecile
Sentar nas pedras
Xangô saravar, sua oferenda levar
Segura o ponto meu Pai
Que estou com a pemba na mão
Meu Pai Xangô , sempre minha proteção
Pai Xangô vence demanda meia noite na pedreira
Com licença de Oxalá
Salve o Rei da Cachoeira

FIRMEZA
Kao Maleime Meu pai Xangô – bis
Pai Xangô lá na pedreira
FirMando nosso conga
Ajuda teu filho de fé oi meu Pai
Não deixa teu filho tombar - bis

A onda me trouxe
O vento me leva
Quando a onda passar
Eu me sento na pedra

A pedra de Xangô e dura,


não há machado que a arrebente,
A nossa umbanda é firme, Pai Xangô
O nosso Chefe é do Oriente

Xangô é o Rei lá nas pedreiras


Na cachoeira de Mamãe Oxum - bis

51
O terreiro está em festa
Sarava meu Pai Ogum

CORTA DEMANDA
Vou saravar Xangô
A coroa de Zambi – bis
Hoje é dia de festa
Já se fez toda a paz
É dia de Justiça
Xangô é quem pode mais

Estava olhando a pedreira


Uma pedra rolou – bis
Ela veio rolando, bateu em meus pés
E se fez uma flor – bis
Quem foi que disse que eu não
Sou filho de Xangô – bis
Ele mostra a verdade, atira uma pedra
E ela vira uma flor – bis
Toda verdade traz justiça e proteção – bis
Filho de pai Xangô, ninguém joga no chão – bis
Tantas flores já plantei no meu jardim – bis
Uma pedra atirada é um lírio pra mim - bis

Vou ao terreiro do meu pai de santo


Pra tirar quebranto
Que jogaram em mim
Eu vou falar com meu padrinho Xangô, o Rei de Nagô e com Ogun Mirim – bis
Quando eu pegar aquela feiticeira
Que anda falando que quer ver meu fim
Para ela eu tenho o meu Xangô
Meu rei de Nagô e meu Ogun Mirim – bis
Agora eu quero ver
Ela me botar quebranto
Graças a Deus já estou curado
De corpo fechado
Por meu pai de santo - bis

PROTEÇAO DO CONGÁ

Meu Pai Xangô


Esta no reinado – bis
Meu Pai Xangô
É Orixá - bis
Olha seus filhos de fé O meu pai
Proteja este conga - bis

Xango ô ô ô ô
Meu Pai Xangô – bis
Kaô Cabelcile Obá Xangô
Sarava Xangô – sarava xangô
Ele mora na pedreira
Quem mandou relampejar
Kaô cabecilê Obá Xangô
Saravá Xangô - bis

Xangô, mostrai as forças que vós tendes,


Xangô é o rei da justiça
E não engana ninguém

52
Xangô Kaô, Xangô Agodô - bis

Lá em cima daquela pedreira


Tem um livro que é de Xangô
Kaô, Kaô
Kaô cabecile é de Xangô

Quem quiser vencer demanda


Vai no alto da pedreira
Leve uma cerveja preta
E ofereça ao Pai Xangô
Kao kao
Kao meu pai Xango

Ele vem de aruanda


Ele vem trabalhar
Ele vence demanda
Ele é seu pangará
Kao, kao, kao, kao
A justiça chegou
Xangô

SAUDAÇAO PAI DE SANTO DE XANGO


Saravá Xangô Agodo
Sarava o reino de Xangô
Afirma ponto na pedreira pra seus filhos, Pai Xango,
E no terreiro sarava Babalao
Sarava Xangô
Sarava Babalao
Sarava Xangô
Sarava Babalao
Sarava Xangô Agodo
Sarava a coroa de Xangô
Afirma ponto na pedreira pra seus filhos
E no terreiro sarava babalao

Caboclo Treme Terra

Ele vem de aruanda


Ele vem trabalhar
Ele é Seu Treme Terra
Ele é seu pangará
Kao, kao, kao, kao
A justiça chegou
Xangô

Caboclo Pedra Preta

Caboclo da Pedra preta


Ele gosta de ver tinir
Quem não gosta de Umbanda
O que vem fazer aqui
Aue aue caboclo
Aue aue eu quero ver
aue aue caboclo
Trabalha que eu quero ver

Dizem que Xangô

53
Mora na pedreira
Mas não é lá
Sua morada verdadeira
Ele mora numa cidade de luz
Onde mora Santa Bárbara
Oxumaré e meu Jesus.

Quando a lua aparece,


Leão da mata roncou,
A passarada estremece,
Foi a coral que piou,
Piou, piou,
Salve o povo de congá,
Lá vem nosso rei de Umbanda,
Saravá nosso Pai Xangô,
Saravá nosso Pai Xangô.

Xangô é Rei
Ele é o Rei Nagô
Ora vamos bater palma
Prá coroa de Xangô

Meu Pai Xangô,


É rei lá na pedreira,
Caboclo é rei na cachoeira,
No seu saiote tem,
Penas douradas,
Seu capacete,
Brilha na alvorada.

Xangô morava nas pedreiras


Viveu escrevendo em uma pedra
Ele escreveu a justiça
Quem deve paga
Quem merece recebe

Ele escreveu na pedra sua justiça leal – bis


Um rei real, ele é Xangô Kaô
Um rei real, ele é um rei é um orixá

PONTO DE FIRMEZA E
PONTO RISCADO
Pedra rolou, Pai Xangô,
Lá na pedreira,
Firma seu ponto, meu Pai,
Na cachoeira,
Tenho meu corpo fechado,
Xangô é meu protetor,
Firma cabeça, meu filho,
Pai de cabeça chegou.

Deixei meu filho em cima da pedreira


E de repente ele escorregou
Me ajoelhei e olhei pra baixo
Estava nos braços do Meu Pai Xangô

Caboclo Serra Negra

54
Ele é da força de Xangô
E vem do reino de Oxalá
Caboclo Serra Negra
Que chegou pra trabalhar

Com seu saiote de penas


Quero ver girar
Serra Negra vem descendo a serra p/ seus filhos ajudar
Serra Negra vem descendo a serra
Para a umbanda Saravar

Relampeou
Tremeu a terra
Meu Pai Xangô
Desceu a serra
Meu pai Xangô o o o o - bis
Venha salvar os seus filhos na terra
Venha salvar os seus filhos da guerra

No alto da Serra
Capitão da Serra
Na Serra Negra onde caboclo mora
No alto da Serra
Capitao da Serra
A sua flecha é uma jibóia
Estava no alto da serra
Grande jibóia que por mim passou
Trazia um grande diadema
Dizendo que era o rei dos caçador

Confirmação

Cachoeira da mata virgem onde mora meu pai Xangô – bis


Pedra rolou Nana Buruque
Pedra rolou sarava Pai Xangô
Sarava Pai Xangô ê ê ê á
Quem for filho de fé
Bate a cabeça lá no Conga.

Ponto de Fogo – Pólvora

Lá no alto da pedreira
A faísca vem rolando
Agüenta mão cabra de força
Que a faísca vem queimando

Ponto Especial – Xangô e Iansã

Na chuva no raio e trovão estão a reinar


Unidos no mesmo trabalho eles vem ajudar
Charmosa e valente guerreira
Na terra e no ar
Justo e altaneiro Senhor
da Pedreira nos olhar
A espada e a machada
Usadas com a força do amor
Cumprindo sentenças e caminhos
Livrando da dor

55
Se erras na vida ele esta a julgar
Se acertas contudo ela ira recompensar
A luz da justiça esta sempre a brilhar
Iansã e Xangô lado a lado
A lutar
Vencendo o domínio das trevas
Sem temor
Trazendo de volta ao caminho o pecador

Subida de Xangô

Meu pai Xangô já


berimbou na aldeia
Meu Pai Xangô já berimbou
na aldeia
Kaô Cunhanha
Ô Cunhanha
Kaô cunhanha

Xangô
Já me saravou ô ô
Xangô
Já me abençoou – bis
Filho de pemba
Umbanda chora
Meu Pai Xangô
Que já vai embora

56
Sincretismo Nossa Senhora dos Navegantes
Cor Azul claro
Ervas pata de vaca, lágrima de N.Sra, Alecrim,
Alfazema, manjerona,
Otim Champagne branca
Símbolo ondas
Reino mares
Flor Rosa Branca, Jasmim, palma branca
Signo Peixes e Câncer
Fruta Uva Branca, Maça Branca e Pêssego
Branco
Essência Alfazema
Mineral Prata e Pérola
Dia sábado
Data 02/02
Comida manjar branco, peixe
Saudação Odoiá!Odociaba!

Chamada

Ó Santa de Azul
Ó Santa do mar
Vem ver seus filhos
Iemanjá

57
Odo, odoia
Iemanjá
Saia do mar - bis
Venha buscar
Sua Yaô

Brilhou, brilhou brilhou no mar


O manto de nossa Mãe Iemanjá - bis
Brilhou , brilhou no mar
E agora vai brilhar neste Congá

Saia do mar
Linda sereia
Saia do mar
Venha brincar na areia
Saia do mar
Sereia bela
Saia do mar
Venha brincar com ela

Oh Dai-me licença ê,
o dai–me licença
Alode Iemanjá
Oh, Daí-me licença ê..

Mãe d’água, rainha das ondas,


Sereia do mar,
Mãe d’água seu canto é bonito,
Quando faz luar
Iê, Iemanjá, Iê, Iemanjá,
Rainha das ondas,
Sereia do mar.
Como é lindo o canto,
De Iemanjá,
Faz até o pescador chorar,
Quem escuta mãe d’água cantar,
Vai com ela pro fundo do mar.

Agradecimento
Saída de Barco

Eu vou levar
Vou levar flores ao mar
Eu vou levar – bis
Uma promessa eu fiz
Eu recebi vou pagar
Uma promessa eu fiz
De levar flores ao mar

Vamos saravar, Mãe Iemanjá


Vamos todos juntos jogar flores no mar
É do mar, é do mar, é do mar
É do mar minha mãe sereia
Papai risca ponto na pedra
Mamãe risca ponto na areia

No fundo do mar tem areia

58
Areia no fundo do mar – bis
No fundo do mar tem as ondas
As ondas que vão me levar
Um barco enfeitado de flores
Para ouvir a sereia cantar
Iemanjá, Iemanjá - bis

Odoia, odoia, meu Orixá,


Odoia, Iemanjá – bis
Levei pente espelho escova e pó
Fui pedir proteção pro meu ronco
Joguei laço de fita seu moço
Eu de branco e de guia no pescoço
Quanta gente na praia
A saudar
A rainha sereia do mar
Odoia, odoia, meu orixá... bis
Se escutava som de atabaque
Era barco saindo em procisão
Ao meu lado escutei um surdo baque
Vi um corpo bolado no chão
E o santo baixava em beira mar
Sarava Odoiá Iemanjá

Cruzamento

O mar é o meu remanso


Santa Bárbara é o meu tesouro
Nas ondas do mar eu vi
Eu vi
Eu vi sete pingos de ouro

Ponto Cruzado

Yemanjá, é a rainha do mar (4x)


Salve o povo de Aruanda
Salve meu Pai Oxalá
Salve Oxóssi , salve os guias
Salve Ogum Beira Mar, (Yemanjá)
Yemanjá, é a rainha do mar (4x)
Vai Ter festa na Aruanda
Vai Ter reza no Gantois
Vai Ter gira a noite inteira
E muitas flores no mar
Yemanjá

Retire a jangada do mar


Mãe d’água mandou avisar
Que hoje não pode pescar
Pois hoje tem festa no mar
É, eh, eh Yemanjá
Ela é, ela é a rainha do mar
Traz pente traz espelho, o o o o
Pra ela se enfeitar, o o o o
Traz flores traz perfume
Enfeita todo o mar

Eu sou filhos de Yabá,

59
Yabá é minha mãe,
Hó rainha do tesouro,
Oh doce Yabá do fundo do mar,
Oh doce Yabá do fundo do mar,
Oh doce Yabá do fundo do mar.

Foi na areia, foi na areia


Foi na areia, foi na areia
Fiz um pedido
Pra mãe sereia
Pra Iemanjá para eu nunca mais penar
Foi na areia
Numa noite na areia branca do mar
A lua branca no céu iluminou o meu divino mar
Sereia, mamãe do mar, sereia.

Hoje é dia de Nossa Senhora


De Nossa mãe Iemanjá, - bis
Calunga ê, ê, ê, ê, ê,
Calunga á, á, á, á, á,
Brilham as estrelas no céu,
Brincam os peixinhos do mar,
Calunga ê, ê, ê, ê, ê,
Calunga á, á, á, á, á,

Janaína

Eu fui na beira da praia,


Pra ver o balanço do mar,
Eu vi um retrato na areia,
Me lembrei da sereia,
Comecei a chamar,
Ó Janaina vem ver,
Ó Janaina vem cá,
Receber suas flores,
Que venho lhe ofertar.

Saudação

Estava na beira do mar


Quando ouvi a sereia cantar – bis
Ah, como é tão lindo
O canto de Iemanjá
Ah, como é tão belo
O canto de Iemanjá
Com licença do Senhor
Com licença de Oxalá
Com licença do Senhor
Eu vou saudar minha Iemanjá

Que canto lindo que vem la do mar


Parece que as ondas estão a cantar - bis
Ie Iemanjá
Rainha das ondas
A dona do Mar -bis

Ponto Cruzado

Eram duas ventarolas,


Duas ventarolas,

60
Que iam navegar
Uma era Iansã, eparrei,
A outra era Iemanjá, odociá.

ABERTURA TRABALHO DE PRAIA

Abra esta sede divina


Eu cheguei fora de hora
Aqui mora uma senhora
É ela quem me domina – bis
Fui vítima de mal olhado
Eu vim pedir proteção
Não sei se andei errado
Ou faltei com obrigação
Eu to andando atrapalhado
Minha estrada está fechada
Com mamãe Iemanjá eu sou tudo
Sem mamãe iemanjá não sou nada - bis

Subida de Iemanjá

Mas eu já vou embora.


Vou, mas torno a voltar,
Vou com Deus e Nossa Senhora,
Até a Umbanda me chamar.

E vai, vai,vai,
E vai beirando o mar,
Vai a mãe sereia,
Pra todo mal levar.

Iemanjá já vai embora e ela vai beirando o mar


Deí deí ela vai beirando o mar.

E a marola vai levando


Iemanjá é quem vai navegando - bis

61
Sincretismo
Nossa
Senhora da
Conceição
Cor

Amarelo
ouro
Ervas

camomila, capim limão, dinheiro em


penca, alecrim
Otim guaraná, água mineral, champagne doce
Símbolo abebê ( espelho), coração
Reino cachoeiras
Flor Rosa Amarela, Girassol, Crisântemo
amarelo
Fruta Banana prata
Essência Rosa amarela
Mineral Ouro, topázio amarelo, citrino
Dia sábado
Data 08/12
Comida omolocum,quindim,arroz c/ovos
cozidos,canjica amarela
Saudação Ora ie ie (Clamemos a benevolencia da mãe)
Eu vi mamãe Oxum,

62
Na cachoeira,
Sentada na beira do rio,
Colhendo lírio, lírio, e,
Colhendo lírio, lírio, a,
Colhendo lírio,
Pra enfeitar nosso congá

Lá vem os barqueiros,
De Cinda,
Cinda é quem vem navegar,
Cinda é mamãe Oxum,
Aieie Oxum,
Cinda é das ondas do mar.

Estrela Dalva
Estrela Divina
É mamãe Oxum,
É mamãe Oxum
Que me ilumina

Aiê iê, Aiê ie


Aiê iê Mamãe Oxum
Aiê iê Oxumaré

No céu uma estrela vem brilhando


Nas águas o amor refletindo
Aie ie Aie ie Oxum
De alegria estou sorrindo – bis
Também nas cachoeiras
Tem a força da Oxum
Oxum é minha mãe
E meu pai é Ogun Aie ie ô

Oxum, Oxum
Oxum é minha mãe - bis
É a Rainha do meu Conga
É a Rainha do meu Congá – bis
Louvado seja o Senhor
É a Rainha do meu congá

Embala Oxum
Olha a dança da Senhora
Embala Oxum
Aie ê quem vem agora

Aiê iê, Aiê ie


Aiê iê Mamãe Oxum
Oxumiê Oxumaré

Foi na beira do rio,


Aonde Oxum chorou,
Chora aieie, ê,o,
Choram os filhos seus.

Ponto de Proteção
Eu sou da mina
Eu sou da mina de ouro – bis
Onde mora mamãe Oxum

63
Guardiã do meu tesouro
Mamãe Oxum rainha cheia de luz
Cubrai-nos com vosso manto
Rogai por nós a Jesus – bis

Caboclo Areia Branca

Oxum
Quando canta na beira do rio
Faz o peixe ciscar na areia - bis
É o caboclo da Areia Branca que traz o ouro pra minha senhora –bis
Aie iê ô
Oxum
Quando canta na beira do rio
Faz o peixe ciscar na areia - bis
A Aruanda já está festa
Seu Areia Branca ilumina a terra
Aie ie ô

Clareia, clareia
Clareia mamãe Oxum clareia
Clareia as cachoeiras
E ilumina o terreiro
Teus filhos estão saudando
Ora ie ie o

Aie ieu , Oxum Oleuá


Aie ie ieu ate de mi baba
É Ondina, rainha das águas
É ondina
Ela é nossa mãe
Yalodê da coroa de Ogum
Aie ieu Oxum Oxum

Sarava Oba Oxá


Sarava Oxumaré
Aie ieu mamãe Oxum
Aie ieu
Ocolofé, Mamãe Ocolofé
Que odara o abebe de Abalô
Que odara o adoxu de Iapondá
Aie ieu mamãe
Aie ieu mamae
Kitolomim tasse ifé yaba

Mamãe Oxum chegou


Na gira dos orixás - bis
Que traz das águas do rio
Sua mensagem de paz -bis
Mamãe Oxum valei-me
Mamãe Oxum
Olhai por seus filhos da gira
Na fé do meu Pai Oxalá - bis
Oi gira gira gira
Oi gira e torna a girar
Pra chamar povo de pemba
Da gira dos orixás

Olha ê ê Minha mãe Oxum

64
É na cachoeira
É dona dos rios Minha mãe Oxum
É na cachoeira
É das águas correntes minha mãe Oxum
É na cachoeira
É na cachoeira que eu vou lhe encontrar
Minha mãe Oxum
É na cachoeira
Seus colares dourados
É na cachoeira
E uma rosa de ouro eu vou lhe entregar
Mario ê ê ê ê mario ê
Mario ê minha mãe Oxum
É na cachoeira

Quem manda na cachoeira é Oxum


Quem tem tantos filhos pode ter mais um - bis
Firma ponto filho de fé
Bate a cabeça no congá
Sarava Mamãe Oxum
E o nosso Orixalá

Se minha mãe é Oxum


Na Umbanda e no Candomblé
Aie ieu aie ieu aie ieu
Aieieu minha mãe Oxumaré – bis
Ela vem beirando o rio
Colhendo lírios pra nos ofertar
Aie ieu aie ieu mamãe Oxum
Orixá desce e venha nos abençoar

Alabê toque o Adarrum


Vou curimbar pra Mamãe Oxum
Olha eu olha eu mamãe Oxum
Olha eu lha eu Oxumare
Olha eu Mamãe Oxum
Olha eu olha eu Oxumaré
Mamãe Oxum rainha da cachoeira
Deusa suprema da pedreira
As suas águas cruzam as águas do mar
E no sussurro do vento é que vem o seu cantar
Refrão...
Vou levar presente
pra mãe santa do Oriente
Pra que ela tão formosa
Vem me enfeitar o luar
E com seu olhar
iluminar meu caminhar

Lá na cachoeira eu vi eu vi
Banhando a cabeleira eu vi eu vi
Mamãe Oxum abençoando seus filhos
Lá na cachoeira - bis
Motumbá Oxum
Meu camutuê
Sarava Oxum e o seu ilê

Já chegou já chegou já chegou no meu congá - bis


Já chegou mamãe Oxum
Rainha dos Orixás - bis

65
Mamãe Oxum é um grande orixá - bis
Rainha da cachoeira e
Da coroa de Oxalá

Águas de Oxum

O rio é de Oxum aie ie ô


O lago é de Oxum aie ie o
Águas de Oxum aie ie o
Aie ie oxum aie ie
Água da cachoeira, aie ie o
Força da cachoeira aie ie o
Água cristalina
Aie ie o
Aie ie oe oxum
Aie ie
O rio passa na mata aie ie o
Na pedra uma cascata aie ie o
Oxossi Xangô aie ie o
Aie ie oxum aie ie
O vento na campina aie ie o
O rio corta a campina aie ie o
Iansã e Ogun aie ie o
Aie ie Oxum aie ie
O rio encontra o mar aie ie o
Nos braços de Iemanjá
Aie ie o
Mãe de Oxalá aie ie o aie ie
Oxum aie ie

Oxum de nagô

É Oxum de nagô é de nagô Oxum – bis


Ie ie Salve Oxum Cachoeira - bis

Subida

E a Oxum já vai embora


Que Xangô mandou buscar
Dei dei ela vai beirando o mar

66
Sincretismo Santa Bárbara
Cor Amarelo claro, laranja
Ervas folha de pêssego, bambu, pitanga, espada
de santa bárbara
Otim champagne ou guaraná
Símbolo raio
Reino cachoeiras e bambuzais
Flor Rosa chá, flores vermelhas
Fruta Manga Espada
Essência Pêssego
Mineral cobre, rubi e pedras vermelhas
Dia quarta feira
Data 0412
Comida acarajé
Saudação Eparrei Oia!

67
Na mata eu vi
Lá na mata senti
Quanta força tem o vento
Quanta força tem o vento

Iansã Iansã
Segura seu arere Iansã – bis
Oh Iansã – bis
Segura seu arere Iansa

Ventou mas que ventania – bis


Iansã é nossa mãe, Iansã é nossa guia – bis

Ô Mamãe de Aruanda venta aqui venta no mar


Ô Mamãe de Aruanda venta aqui venta no mar

Iansã
Orixá de Umbanda
Rainha do nosso congá
Saravá Iansã lá na Aruanda
Eparrei, eparrei,
Iansã venceu demanda
Iansã
Saravá pai Xangô
No céu o trovão roncou
E lá na mata o leão bradou
Saravá Iansã
Saravá Xangô

Eram duas ventarolas,


Duas ventarolas,
Que iam navegar
Uma era Iansã, eparrei,
A outra era Iemanjá, odociá.

Ae din din
Ae din da
Oia Matambá de aruê
Oia Matamba de aruá

Oia Matambá
Eta dendê- bis
Caboclo é da moruganga
O Iansã
Oia matamba
Eta dendê

Ventou nas matas


Ventou nas pedreiras
E ventou forte
Nas cachoeiras
Não era Oxossi
Nem é Xangô
E Iansã com seu patacoto

Iansã tem um leque que venta

68
Pra abanar dia de calor,
Iansã mora na pedreira
Eu quero ver
Meu Pai Xangö

Iansã cadê Ogun,


Foi pro mar
Iansã cadê Ogun,
Foi pro mar
Iansã penteia, os seus cabelos macios
Quando a luz da lua cheia
Clareia as águas do rio
Ogun sonhava
Com a filha de Nanã
E pensava que as estrelas
Eram os olhos de Iansã
Mas Iansã cadê Ogun
Foi pro mar (bis)
Na terra dos orixás o amor se dividia
Entre um Deus que era de paz
E o outro que combatia
Como a luta só termina
Quando existe um vencedor
Iansã virou rainha da coroa de Xangô
Mas Iansã cadê Ogun

Iansã é moça uma bonita,


Rainha do seu Jacutá,
Eparrei, eparrei, exare,
Oh! Mamãe de aruanda,
Ilumina o terreiro,
Que eu quero ver,
Eu quero ver.

Ô Iansã menina
Ë do cabelo louro
Sua espada é de aço
Sua coroa é de ouro

No amanhecer
É que a estrela brilha
No amanhecer, nos ilumina
Iansã Senhora do amanhecer
Sua espada brilha
Pra nos proteger
É Oiá Iansã com sua luz REFRAO -
É Oiá, Iansã quem nos conduz - BIS
Ao rodopiar traz o vento
E a chuva cai
Pra lavar a terra
Semear a paz – bis
REFRÃO
É Santa Guerreira
Se preciso for
Pra acabar com a guerra
Semear o amor –bis
REFRÃO

Iansã
Oia divina dos axés

69
Eparrei Oia
Santa Bárbara ela é
Já travejou relampejou
Cadê Oia Xangô
Refrao...
O calice bento ela segurou
Uma espada sagrada ela que arriou
Eparei oia
Eparrei oia

O Iansã oba
Sopra-me ê ê
O Iansã oba
Sopra-me ê ê
Sopra-me êê Iansã
Sopra-me êê

Quede quede Oia


Quede quede Oia
Oh mamãe de Aruanda já curimbou
Ai quede quede

Iansã ela é dona do mundo


Dona do fogo da faísca e do trovão
Eparrei Iansã na Aruanda
Santa Bárbara com a espada na mão

TEMPO

E olha o tempo
E vira o tempo
Olha o tempo, olha o tempo virou – bis
E vira o tempo na cangira de Umbanda
Olha o tempo, olha o tempo virou

E olha o tempo
Olha a lambada
Macurá dilê - bis
Olha ê o tempo
Olha a lambada Macurê - bis

Subida

O vento que te trouxe é o que te leva para o mar


Auê, auê, Auê minha mãe Iansã

Deí deí ela vai beirando o mar


Deí deí ela vai beirando o mar
Iansã já vai embora
Ela vai beirando o mar
Deí deí
Ela vai beirando mar

Mãezinha, Minha Mãezinha


O vento te trouxe, a brisa leva

70
Sincretismo N. Sra. Santana
Cor Lilás, roxo
Ervas Cipreste, cedro
Otim água
Símbolo Ibiri
Reino águas lodosas, pântanos, águas com
vegetação, mangues
Flor Hortência, violeta lilas
Fruta Figo
Dia sabado
Data
Saudação Saluba Nana!

71
Ire Nana
Ire Nana io, Nana ió
Ire Nana
ire Nana ió Nana ió
Ire ire ire
Nana Biburuque ire
Saluba velha Nana
Que habita o fundo do mar
Salve Nana Buruque
No reino dos orixás

São flores Nana são flores


São flores Nana Buruque
São flores Nana são flores
Que eu venho lhe oferecer
A senhora Santana é Nana
Ela é a Nana Buruque
Ele é seu filho Nana ele é seu pai
São Roque Obaluae

Atraca atraca que ai vem Nana


- Ê á - bis
É Nana é oxum é quem vem saravar e a

Passeando na linda aldeia


Caminhando numa linda rua
Mas que beleza
Nana no clarão da lua - bis

72
Chefe de Linha Sr. Omolu
Cor Preto e Branco
Ervas Arruda, alecrim, Guiné, Capim Rosário,
Eucalipto
Otim café, cachaça c/ mel
Símbolo cruzeiro, cruz, estrela de salomão
Flor Flores Brancas
Fruta Todas
Essência Arruda
Mineral pemba

73
Dia segunda feira
Data 13/05
Comida virado de feijão, feijoada, doces caseiros
(tudo o que a boca come..)
Saudação adorei as almas! Angorô

Chamada

Firma ponto minha gente


Preto Velho vai chegar
Ele vem de Aruanda
Ele vem pra trabalhar,
Sarava Pai Joaquim,
Sarava Sarava, sarava,
Ele vem de Aruanda, ele vem nos ajudar,
Sarava o Pai Jerônimo
Sarava, sarava, sarava
Saravá Vó Benedita...
(nomes)

Ainda bem não era dia,


Papai mandou chamar,
Firma cabeça meus filhos,
Que tem Pretos pra chegar.

E vem preto velho,


Descendo do céu,
E Nossa Senhora,
Cobrindo com o véu.

Saudação

A é a e a minha Angola
Ae ae meu Meu Angolá

Aue meu cativeiro


Meu cativeiro meu cativerá
Aue meu cativeiro, meu cativeiro
Meu cativerá
Preto velho
Tava cansado ia pra senzala
Batia o tambor
Preto velho dava viva a iaiá
Dava viva a sinhá
Dava viva ao sinhô

Bate tambor lá na Angola


Bate tambor
Bate tambor lá na Angola
Bate tambor
Benedito – (bate tambor)
Pai Joaquim – (bate tambor)
Pai José (bate tambor)
Pai Mane (bate tambor)
Bate tambor lá na Angola
Pai João
Pai José
Pai Francisco

74
Pai Cambinda
Porque que que vc não bate
Tambor la na Angola
Bate tambor...
Olha ai vc tem que
Bater tambor la na Angola

Saravá os preto velho,


Saravá o seu congá,
Eles vem lá de aruanda,
Eles vem trabalhar,
Com suas mirongas,
E seus patuá,
Saravá os pretos velhos,
Na fé de Oxalá.

Tizorere, orere, orerá,


Tizorere, orere, orerá,
Os pretos velhos,
Quando vem pra trabalhar,
Vem trazendo a sua gente,
Para todo o mal levar,
Ago, ago,
Vem saravá filhos de Umbanda,
Ago, ago,
Vem saravá nesse congá,
Saravá eles,
Como chefe do terreiro,
Saravá eles com todos,
Seus companheiros.

Na sua urucaia
Tem quibombô
Na sua urucaia
Tem mungunzá
Na sua urucaia
Vovó da Bahia
No seu patuá
Tem sua urucaia
Meu Senhor do Bonfim saravou
Na sua urucaia
Cadê a sua pemba cade
Cadê a sua guia

É nagô é É nagô é
É nagô é - bis
Se ele é filho de nagô seu padrinho é São José - bis

Preto na senzala bateu sua caixa deu viva a iaia


Preto na senzala bateu sua caixa deu viva a ioio - bis
Viva iaia, viva ioio, viva Nossa Senhora
O cativeiro já acabou

Ponto Riscado

Preto Velho tá quebrado


De tanto trabalhar
Preto velho tá cansado
De tanto curimbar – bis
Canta ponto

75
Risca pemba
Que é longa a caminhada
Quem tem fé tem tudo
Quem não tem fé - bis
Não tem nada

Preto velho que nasceu no cativeiro,


Hoje desce no terreiro,
De cachimbo e pé no chão,
Oi, pega na pemba, risca ponto,
Faz mironga,
Saravá Maria Conga,
Saravá meu Pai João.

Ponto Riscado

Oie Senhor Macutá –4x


Ele vem da Angola
Senhor Macuta
Chegou agora
Senhor Macuta
Com a mão na pemba
Senhor Macutá
Alcançou vitória
Senhor Macutá

Saudação e Segurança

Eu já plantei café de meia,


Eu já plantei canavial,
Café de meia não da lucro,
Sinhá dona,
Canavial marafo dá,
Deus abençoe os pretos velho,
Na porteira do congá.

Pai Serafim

Pai Serafim vem no meio das flores


Olhando o céu
Beirando o mar – bis
Ele é preto velho de umbanda
Que vem de Aruanda para nos salvar

Pai Guiné

É o vento que balança a folha , Guiné - bis


É É é Pai Guiné
É o vento que balança a folha

Corta Demanda e Trabalho Preta Velha

Ô Preta Velha você não me engana


Amarra a saia com palha de cana – bis
E o cigarro que ela fuma é de palha
De Aruanda
E o marafo que ela bebe
Vai vencer toda a demanda

Proteção – Corta Demanda

76
Trabalho

Vovó tem sete saias,


Na última saia,
Tem mironga,
Vovó veio de angola,
Pra salvar filhos de Umbanda,
Com seu patuá,
E a figa de guiné,
Vovó veio de Angola,
Pra salvar filhos de fé.

Tudo o que eu peço


A vovó ele faz
Também o que eu peço a vovô
Ele faz - bis
O que eu quero mais, o que eu quero mais – bis
Ele é rei de Aruanda
Mas vovó também manda
Quando os dois pedem juntos
Ninguém me passa pra traz.
O que eu quero mais, o que eu quero mais...

Cura
Ele é Preto Velho
Preto sim senhor
Ele é Preto Velho, Meu Filho
Nego rezador
Sentado no toco
Ele vem trabalhar
E a sua doença , meu filho
Ele vai levar

Cura
Deixei me cachimbo no toco,
Mandei o moleque buscar,
Na hora da derrubada,
Meu cachimbo ficou lá.
Que pedra linda e bonita
Que Xangô mandou buscar – bis
Eu tenho ordem de Zambi
Prá trazer pra este congá
Quem é que estava doente
Que mandaram me chamar – bis
Já tenho ordem de Zambi
Prá curar neste Congá

Pai Congo

Pisa na linha de Congo


Meu filho, filho meu
Pisa na linha de Congo
Devagar, filho meu – bis
Pisa na linha de Congo
Destemido filho meu
Pai Congo trabalha na Umbanda para lhe ajudar
Olha a Conga a girar

Arriou na linha de Congo


É de Congo é de Congo aruê

77
Arriou na linha de Congo
Trabalha que eu quero ver

Congo, Rei Congo


Congo chegou
Congo é maravilha
No terreiro saravou

Congo ê congo ê congo de sassaravá – bis


Congo de sassaravá
Segura seus filhos que Deus é maior

É congo é um belê
Um belê é Rei de Congo
É congo é um belê
Bele é um naruê
É congo é um bele
Bele é rei de congo
É congo é um bele
Bele e um narue
É congo é um bele
Bele é rei de congo
É congo é um bele

Lé lé lé leô
Rei de Congo lé lé
Rei de Congo leleô

Senhora do rosário foi quem me trouxe aqui – bis


A água do mar é santa
Eu vi eu vi eu vi – bis

Caminhou caminhou
Preto velho caminhou - bis
Lá na Aruanda maior
Preto Velho caminhou – bis

Pai Tomáz

Oh Pai Tomáz
Oh Pai Tomáz
Vem no terreiro, vem trabalhar
Filho de Zambi
Ele é filho de Oxalá
Oh Pai Tomáz
Oh Pai Tomáz
Vem no terreiro, vem trabalhar
Sua falange
Com licença de Oxalá

Meu pito ta apagado


Minha marafa acabou
Vou trabalhar pra sunce
por que sou trabalhador
eu vou trabalhar
sunce vai ganhar
muito bango meu filho
depois vem me pagar

78
Pai Benedito

Quem é aquele velhinho,


Que vem no caminho,
Andando devagar,
Com seu cachimbo na boca,
Puxando a fumaça,
E soltando fumaça pro ar,
Ele é do cativeiro,
E pai Benedito, ele é mirongueiro.

Pai João
Preto velho que nasceu no cativeiro,
Hoje desce no terreiro,
De cachimbo e pé no chão,
Oi, pega a pemba risca o ponto,
Faz mironga,
Saravá Maria Conga,
Saravá meu Pai João.

Pai Joaquim

É na Aroeira de São Benedito,


Santo Antonio mandou me chamar,
Pai Joaquim,ê,ê.
Pai Joaquim, ê,a,
Pai Joaquim veio de Angola,
Pai Joaquim veio de Angola, Angola.

Pai Joaquim de Angola


Que preto é esse oi calunga
Que chegou agora calunga - bis
É pai Joaquim o calunga
Que veio da Angola

Vovó Joaquina

Sarava Vovó Joaquina


Sarava o seu congá
Ela vem lá de Aruanda
Ela vem pra trabalhar
Com suas mirongas
E seu patuá
Sarava Vovó Joaquina
Na fé de Oxalá

Linha de Quenguele

Quenguelê, Queguelê Xangô,


Ele é filho da Cobra Coral,
Olha preto tá trabalhando,
Olha o branco não tá olhando.

Pai Luis ( quenguele)

Kaô, Kaô Xangô


Kaô Kaô Xangô me chamou - bis
Olha o nego arriou no terreiro, kaô, Kaô cabecile ele é meu protetor – bis
Kaô, Kaô Xangô

79
Kaô Kaô Xangô me chamou - bis
Olha a linha de quenguelê
Pai Luis de Aruanda
ele vem me valer

ALMAS
Foi lá
No cruzeiro das almas
Aonde as almas vão rezar – bis
As almas choram de alegria quando seus filhos combinam
Também choram de tristeza quando não quer combinar

As almas já ascenderam o candieiro


Êê
Lá no fundo do mar

Adorei as almas
As almas me atenderam - bis
Eram santas almas
La do cruzeiro - bis

Vovó Catarina
Sarava pra vovó Catarina
Que é dona da gira do meu terreiro
Sarava pra vovó Catarina
E pra todas as almas do cativeiro
A vovó Catarina do Congo é
A Vovó Catarina vai baixá
Sarava pra vovó Catarina
Que é dona da gira e do meu congá

Mas como é lindo,


O canto do meu preto velho,
É do meu preto velho,
Seu canto é lindo,
É humildade,
Por onde passa,
Vai levando a caridade.

Mãe Maria

Mãe Maria, Mãe Maria


Lavadeira de iá iá
Vai lavar saia de renda
Não é dela é de Iemanjá
Bate que bate tambor de Aruanda
Bate que bate
É a Maria Redonda

Flor de laranja
Vovó pegou
Trouxe pro terreiro
Cuscuz e marafo
Cuscuz e marafo ela entregou
Na encruzilhada ela saravou
Saravou saravou – bis

Desafio - Confirmação

Lá vem vovó descendo a ladeira,

80
Com sua sacola,
Com seu rosário, seu patuá,
Ela vem de Angola,
Eu quero ver vovó,
Eu quero ver vovó,
Se filho de pemba tem querer.

Com dendê com dendê


Preto velho trabalha com dendê – bis
Agora que eu quero ver
Preto velho trabalha com dendê

Minha cachimba tem mironga


Minha cachimba tem dendê
Quem duvida da minha cachimba que venha ver que venha ver

Ta caindo flor - bis


Lá do céu cá na terra
O lele ta caindo flor - bis

Pontos de linha

É preto, é preto,
É do meu congá,
É preto, é preto,
Ora vamos saravá.

Navio negreiro
Nas ondas do mar
Correntes pesadas
Na areia a arrastar
E a negra escrava
Tristonha a cantar
Saravá nossa mãe Yemanjá

Vovó não quer,


Casca de coco no terreiro,
Faz (a)lembrar,
Do tempo do cativeiro.

O Preto esta molhado de suor


Feliz porque Deus o libertou
Oi Sinhá Sinhá
Segura a xibata não deixa bater
Faz uma prece pra nego morrer
Que nego não quer mais sofrer -bis

Maleime
Tem pena dele Benedito
Tenha dó
Ele é filho de Zambi
Ô São Benedito tenha dó
Tem pena dele Nanã
Tenha dó
Ele é filho de Zambi
Ô Nanã tenha dó

Quem vem de longe,

81
É Preto Velho de Angola,
Quem vem de longe,
É Preta Velha de Angola,
Com seus cabelos brancos encaracolados,
Tem a brancura da pureza e da alegria,
São abençoados pelo filho de Maria.

Pai Antonio

Que fumaça cheirosa vovô


Sai do seu cachimbo - bis
Não sei se é arruda, vovo, ou majericao
Só sei que essa fumaça vovo, faz bem ao meu coração,
Meu Pai Antonio de Angola
Protetor bondoso guia
Ele traz num patuá
O feitiço da Bahia
Enquanto a senzala dormia - bis
Sua oração fazia –bis
Ajoelhado pedia clemência a Jesus e
a Virgem Maria

Cativeiro cativeiro
Cativeiro cativerá
Aue meu cativeiro
Cativeiro cativerá

Firmeza - Confirmação

Saravá, saravá, saravá,


Este filho de pemba,
Que fica de pé no congá,
Saravá, saravá Oxalá,
Ele é pai de cabeça,
E não deixa seus filhos tombar,
Lua, ó lua já deu meia noite,
Meu galo de pena cantou.
Lua, ó lua, ilumine o terreiro,
Que pai de cabeça chegou,

Subida de Preto Velho

E vai preto velhos,


Subindo pro céu ,
E Nossa Senhora,
Cobrindo com o véu.

A sineta do céu bateu,


Oxalá já diz que é hora, - bis
Eu vou, eu vou, eu vou,
Fica com Deus e
Nossa Senhora. - bis

Preto velho já vai


Que a sua banda lhe chama
Vai prá Aruanda
Desmanchar se tem mironga

Mas eu já vou embora.


Vou, mas torno a voltar,

82
Vou com Deus e Nossa Senhora,
Até a Umbanda me chamar.

83
Sincretismo São Lázaro – São Roque
Cor Preto e Branco, preto, vermelho e branco
Ervas Sabugueiro, barba de velho
Otim água
Símbolo cruzeiro
Flor flores brancas, crisântemos, rosas
Fruta
Essência eucalipto
Mineral terra
Dia segunda feira
Data 30/08
Comida doboru, (pipoca na areia), canjica
Saudação Atoto ( silencio, hora de devoção)

84
Casinha branca, casinha branca
Que eu mandei fazer
Para acolher meu Pai Omolu
Atoto Obaluaê
Atoto obaluaê
Atoto babá
Atoto Obaluaê
Atoto é Orixá
Meu pai Oxalá,
É o rei, venha me valer,
O velho Omulum,
Atôtô Abaluaê, atôtô Abaluaê,
Atôtô Babá, atôtô Abaluaê,
Atôtô Orixá.

Há quanto tempo eu andava te procurando


Há quanto tempo eu andava te procurando
Abaluaê atoto
Abaluaê atoto

Ele é um grande orixá


Ele é o chefe da Calunga
Ele é seu atoto
É Obaluaê

Omolu Omolu Omolu


É o filho de Oxalá – bis
Na sua banda é rei
Na Umbanda é Orixá
Vamos jerua, vamos jerua
Vamos jerua
Obaluae, atoto Obaluae atoto

Ae ae a minha Angola
Ae ae meu Angola - bis

Era um velho muito velho


Que morava numa casa de palha
Na beira da casa ele tinha
Velame miquissangue
Miquessangue
Velame
No seu alanguê

Meu pai Obaluae


É filho de Nana Buruque
Ouve meu pedido neste descarrego
Pipoca na casa
Num canto sossego
Despacha as doenças
Trazendo a saúde
Sob seu fila venha me amparar

85
Sincretismo Cosme e Damião
Cor rosa e azul
Ervas Alfazema, hortelã, açucena, manjerona,
erva doce
Otim refrigerante colorido
Flor flores coloridas, campestres
Fruta todas
Dia domingo
Data 27/09
Comida caruru, doces variados
Saudação beji erö, sarava ibeijada

86
CHAMADA
Tem bala de coco e peteca
Deixa a ibeijada brincar -bis
Hoje é dia de festa
Ibeijada vem saravar – bis

Papai me mande um balão,


Oi com todas as crianças,
Que tem lá no céu, bis
Tem doce mamãe,
Tem doce mamãe,
Tem doce lá no jardim. bis

Eu vi Doum,
Na beira d’água,
Comendo arroz bebendo água,
Eu vi Cosme e Damião,
Na beira d’água,
Comendo arroz bebendo água,
Eu vi as crianças,
Na beira d’água,
Comendo arroz bebendo água,

PONTOS DE LINHA

Papai do ceu
Protegei as criancinhas
Papai do céu
Que elas são inocentinhas
Papai do ceu
Criancinha quer brincar
Manda um presente
Que é pra ela não chorar
Criança contente é criança feliz
Criança que brinca por todo o pais.

São Cosme e São Damião


São dois amigos leais
São Cosme brinca na areia
Damião brinca no mar
Cosme e Damião
Vem cá vem ver
Tenho uma batalha
Prá nós dois vencer

Titia me deu cocada


Tio me deu guaraná – bis
Gostei foi do caruru
Que a mamãe mandou preparar - bis
Mamãe me deu caruru
Eu comi caruru de mamãe - bis
Mamãe me deu caruru
Eu comi caruru de mamãe

Mariazinha

87
Mariazinha nasceu na beira
Do rio
Na beira do rio
La no Juremá – bis
Aonde a lua brilha
Clareia a campina
Clareia a mata pra ibeijada brincar

Os anjos lá no céu cantavam


Estrela Dalva clareou – bis
Sarava Cosme e Damião
Neste terreiro Oxalá lhe abençoou

Filho de fé estava doente


Filho de fé estava chorando - bis
Filho filho de fé viu ibeijada
Filho de fé já está cantando –bis

Catarina você tem


Um congá que é uma beleza - bis
O terreiro enfeitado
Muito doce sobre a mesa - bis

Ibeijada está de ronda


São Jorge de prontidão
Salve o povo de Aruanda
Salve Cosme e Damião

Ele é pequeninho
Mora no fundo do mar
Sua madrinha é sereia
Seu padrinho é Beira Mar
No fundo do mar tem areia - bis
Seu padrinho é Beira Mar
Sua madrinha é sereia

Quando a lua brilha no céu


Clareia a Umbanda – bis
Clareia Ibeijada que vem
Lá de Aruanda - bis

Na Bahia tem um coco


Coco que faz a cocada - bis
Coco que faz o manjar
Para dar para Ibeijada – bis
Doum Doum Doum
Doum Cosme e Damião - bis
Doum Doum Doum
Brinca sentado no chão – bis

Foi no jardim,
Colher as rosas,
E vovozinha deu-me,
As rosas mais formosas,
Cosme e Damião, ô Doum,
Crispin, Crispiniano,
São os filhos de Ogum.

Três estrelinhas,
Todas três em carreirinha,

88
Uma é minha,
A outra é sua,
A outra é da Mariazinha.

Cosme e Damião,
Cadê Doum,
Doum foi passear,
No cavalo de Ogum.

Cosme e Damião,
Sua casa cheira,
Cheira cravo, cheira rosa,
Cheira flor de laranjeira.

Bahia é terra de dois


Terra de dois irmãos
Governador da Bahia
É Cosme e São Damião

Tem paciência dois dois


Eu dou camisa azul
E para o ano que vem
Dois dois comer caruru

Subida de Crianças

Andorinha que voa,


Voa andorinha,
Leva as crianças,
Pro céu andorinha,
Chô, chô, chô andorinha,
Leva as crianças,
Pro céu andorinha.

Lá vão as crianças,
Subindo pro céu ,
E Nossa Senhora,
Cobrindo com o véu.

Ibeijada já vai embora


Aruanda estava chamando
E foram pra um jardim no céu
Oxalá estava esperando

89
90
Cor Amarelo, Branco, Marron e as vezes,
vermelho
Ervas Chapéu de couro, cipó caboclo, espinheira
santa
Otim variadas
Saudação Xetruá! Xetro Marrombaxetro, xetro
navizara!

Boa Noite meus senhores -bis


Dá-me licença para um cavaleiro

91
Dá-me licença para um cavaleiro
Eu morei mata cerrada – bis
O meu nome é caboclo vaqueiro
O meu nome é caboclo vaqueiro
Deus nos salve casa santa – bis
Onde Deus fez a morada- bis
Boa noite meus senhores – bis
Dá –me licença para um cavaleiro - bis
Aonde mora o cálice bento - bis
E a hóstia consagrada – bis

Sai sai sai


Boa Noite meus senhores ( sai sai sai)
Boa Noite venham cá ( sai sai sai)
Eu me chamo boiadeiro ( sai sai sai)
Aqui e em qualquer lugar ( sai sai sai)

Lá nas matas, lá na Jurema –bis


É uma lei severa, é uma lei sem pena - bis

De lá vem vindo
De lá vem só
De lá vem vindo a
Força maior
E de lá vem vindo, Boiadeiro,
De lá vem só
De lá vem vindo a força maior

E lá no mato
Tem um boiadeiro – bis
Ele é bonito e formoso
Como um raio de sol – bis

Tava longe tava longe tava longe


Desta terra - bis
Tava longe tava longe tava longe
tava em guerra - bis

E como vai camarada eu vou indo


Eu vim aqui na sua casa com o sino - bis

Sou boiadeiro, sou boiadeiro,


sou boiadeiro imperador, sou boiadeiro
o que que eu sou, eu sou boiadeiro,
boiadeiro imperador, eu sou boiadeiro
Boiadeiro imperador, eu sou boiadeiro

Eu tenho meu chapéu de couro


Eu tenho a minha guiada
Eu tenho meu lenço vermelho
Para tocar minha vaquejada

E olha a ponta do laço vaqueiro


Oi vem topar, oi vem topar
na porteira do curral - bis

Seu boiadeiro por aqui choveu


Choveu
Água rolou
Foi tanta água que meu boi nadou

92
Quem vem lá é dois dois de ouro
Quem vem lá boiadeiro sou eu
A cancela do meio bateu
Sou eu boiadeiro sou eu - bis
Boiadeiro boiadeiro
Sua boiada esparramada
Boiadeiro chama seu guia
E vai ter sua boiada - bis

E zum zum (zum) ê maué maue


E zum zum zum ê maué Mauá
( Olha) Eu sou filho das águas claras
( Olha) Eu sou neto de Iemanjá
Ó minha terra, ô minha terra
Ô minha terra onde eu nasci
E que saudade da minha terra
Ô ela lá e eu aqui

E Lá no mato
Tem um velhinho - bis
dos cabelos loiros da barba dourada – bis
ele é tal amigo
ele é um rei coroado

A minha boiada é de 31
Eu já lacei foi 30
Está faltando um

Boiadeiro, Boiadeiro ó
A pedra do seu anel
Brilha mais do que ouro em pó

Nas tranças do seus cabelos


Eu bebi água de gravatá, seu boiadaeiro - bis
Eu bebi água no gravatá, sou boiadeiro
Eu bebi água no gravatá

Pedrinha miudinha
Pedrinha na Loanda ê
Lageiro tão grande
Tão grande na Aruanda
Meu lageiro é muito grande
De pedrinha miúda
Oi de pedrinha miúda
de pedrinha grauda

Eu atirei
Eu atirei e ninguém viu
Seu boiadeiro é quem sabe
Aonde a flecha caiu

Ô abre-te campestre que eu quero passar


Quero ver meu gado
Aonde ele está

93
94
95
Cor Vermelho e Preto, Preto e Branco
Ervas Arruda macho, folha de
mamona, brinco de princesa
Otim cachaça,champagne
Símbolo tridente curvo ou reto
Flor Rosa vermelha e cravo vermelho, brinco
de princesa
Fruta Maçã

96
Essência Rosa Vermelha
Mineral ferro, chumbo, cobre
Dia segunda feira
Comida padê, farofa de frango e pimentas
Saudação Laroiê exu! Exu é mojibá

ABERTURA

Com licença
da umbanda pra quimbanda
eu vou virar – bis
vou chamar....
para todo o mal levar

Oi dá licença e
Oi dá licença a
Oi dá licença ê
Pra fechar nosso congá

É Mojibá
Seu Exu Rei
É Mojibá
É mojibá
Seu Exu Rei é Mojibá, é mojibá
Seu exu rei é mojibá

Seu Tranca Ruas na quimbanda


É mojibá
É mojibá seu Tranca Ruas
É Mojibá, é mojiba
Seu Tranca Ruas é Mojiba

Seu Treme Terra na magia


É mojibá
É mojibá seu Treme Terra
É Mojibá, é mojiba
Seu Treme Terra é Mojiba

Seu Marabô no retorno


É mojibá
É mojibá seu Marabo
É Mojibá, é mojiba
Seu Marabo é Mojiba

Exu Veludo no inferno é mojibá


É mojibá
Exu Veludo é Mojibá
É mojibá

Seu Pinga Fogo na quimbanda


É mojibá

97
É mojibá seu Pinga Fogo
É Mojibá, é mojiba
Seu Pinga Fogo é Mojiba

Seu Capa Preta na virada


É mojibá
É mojibá seu Capa Preta
É Mojibá, é mojiba
Seu Capa Preta é Mojiba

E a Pomba Gira na demanda


É mojibá
É mojibá a pomba gira
É Mojibá, é mojiba
A pomba gira é Mojiba
Sete Encruzas na Magia
É Mojibá
E a Pomba Gira na defesa é mojiba
É Mojibá
Exu Veludo no inferno é Mojibá
É Mojibá
Seu Giramundo na virada é Mojibá
Sete Porteiras no retorno é mojibá
É mojibá
Exu Pedreira lá na Macaia
É mojibá
Seu Tiriri lá no retorno é mojibá
É mojibá
Seu Marabó na magia é mojibá
Exu mangueira na virada é mojibá

Exu Mirim

Boa Noite gente


Como vai como passou
Sete Encruzas é pequenininho
Mas é bom trabalhador
Boa Noite gente
Como vai como passou
Traça Rua é pequenininho
Mas é bom trabalhador

SEGURANÇA

Tem ladeira no caminho


Esta casa tem segurança - BIS
Oi na Porteira tem vigia
Meia Noite o galo canta -

Lá na porteira,
Eu deixei meu sentinela,
Eu deixei seu Tranca Ruas
Tomando conta da cancela,
Lá na porteira,
Eu deixei meu sentinela,
Eu deixei o Seu Caveira
Tomando conta da cancela.

Oi Calunga Mangueira – bis

98
Oi Calunga Mangueira seu exu está na porteira
Oi calunga me dá o que eu pedi
Oi Calunga que eu dou para ti

CHAMADA E SAUDAÇAO

Sua capa de veludo


Quando veio deixou lá
Quando dava meia noite
Todo Exu ia buscar
Ina mojibá ê, ina mojibá e - bis
( Tranca Rua ia buscar, Marabô ia buscar, pombagira...etc)

Balança a figueira
Balança a figueira
Balança a figueira
Quero ver Exu cair
Cadê Seu Sete Encruzas
que eu não vejo ele aí
(todos os exus)

Galo cantou
Na beirada do terreiro – bis
Vai saudar a encruzilhada
Onde mora Exu Guerreiro

Eu vou eu vou
Já mandei chamar meu povo

...

Tranca Ruas

O sino da igrejinha,
Faz belém, blem, blom,
Deu meia – noite,
O galo já cantou,
Seu Tranca Ruas,
Que é o dono da gira,
Oi corre a gira,
Que Ogum mandou.

Ó luar o luar – bis


Ele é dono da rua
Quem cometeu as suas faltas
Peça perdão a Tranca Ruas

Estava dormindo,
Na beira do mar,
Quando as almas me chamaram,
pra trabalhar,
Acorda Tranca Ruas,
Vem vigiar,
O inimigo está invadindo,
A porteira do Congá,
Põe a mão nas suas armas,
Vem guerrear,
Bota inimigo pra fora,
Para nunca mais voltar.

99
Tranca Rua das Almas

Viva as almas
Salve a coroa e a fé
Salve Exu das almas
Ele é Tranca Rua de fé

Tranca Ruas

Seu Tranca Ruas,


Me cubra com sua capa,
Quem tem capa escapa,
Quem tem capa escapa,
A sua capa,
È um manto de caridade,
Sua capa cobre tudo,
Só não cobre a falsidade.

A lua vai o sol clareia,


A lua volta,
E os Exus já estão na aldeia,
Seu Tranca já chegou,
Veio do alto da serra,
Exu já foi coroado,
Com seu ponteiro de guerra,
Ilumina o mundo, ilumina o mar,
Ilumina a terra,
Cidade dos Orixás.

Soltei um pombo lá
nas matas
Oi na pedreira não pousou – bis
Aí foi pousar numa encruzilhada
Seu Tranca Rua é quem mandou

Boa Noite lua cheia


Lua nova do meu lado
Tranca Rua é quem chegou
Pra comandar o seu reinado

Deu meia noite


A lua se escondeu
Lá na encruzilhada dando a
Sua gargalhada
Tranca Rua apareceu
É laroie é laroie é laroie
É mojuba é mojubá é mojubá
Ele é odara dando a sua gargalhada
Quem tem fé
É Tranca Rua é só pedir que ele dá

Unha grande
Braço forte
Seu Tranca Ruas vem
Trazendo a sorte

Seu Tranca Ruas é uma beleza,


Eu nunca vi um Exu assim,
Seu Tranca Ruas é uma beleza,
Ele é madeira que não dá cupim.

100
Caveira

Seu Caveira,
Seu cabrito deu um berro,
Estourou cerca de arame,
Arrebentou portão de ferro.

Portão de ferro,
Cadeado de madeira,
No portão do cemitério,
Quem manda é Exu Caveira.

Quem nunca viu vai ver,


Caldeirão sem fundo ferver,
Deu meia-noite,
Galo preto canta,
Catatumba racha,
E o defunto geme

Caveirinha
Catatumba tremeu,
A cruz caiu,
Caveirinha saiu pra trabalhar,
Ele pediu conhaque,
Lhe deram pinga,
Ele pediu punhal,
Pra cortar mandinga,

Exu Caveirinha
Venha trabalhar
Levanta desta tumba
Faz pedra rolar
Na mão esquerda
A foice
Na cinta o punhal
Não sai da minha banda
Pra não se dar mal

João Caveira

Quando vou ao cemitério


Peço licença para entrar
Bato como pé esquerdo
E começo a saravar
Eu saravo Omolú, Omolú
Seu João Caveira também
E eu peço a proteção
Para o povo do além

Oi saravá, saravá,
O rei Omulum vai chegar,
Ele é o rei, o rei da quimbanda,
E o Maioral.
Meia-noite auê, meia-noite,
Estava na minha banda,
Estava no meu congá,

101
Estava na minha gira,
Vamos todos saravá.

Calunga

Calunga, calunga,
Calunga aruê,
Meu povo é da Quimbanda,
Meu povo vem trabalhar.

Saudação

Balança figueira,
Balança figueira,
Eu quero ver Exu cair,
Cadê seu Tranca Ruas,
Que eu não vejo ele aí,
Cadê seu ....................,
Que eu não vejo ele aí.

Boa Noite gente


Como vai como passou
Sete Encruzas é pequenininho
Mas é bom trabalhador
Boa Noite gente
Como vai como passou
Traça Rua é pequenininho
Mas é bom trabalhador

Exu fez uma casa,


Sete portas, sete janelas,
Exu não precisa de casa,
É pomba gira que vai morar nela.

Entrei no cemitério às onze


horas do dia
Exu se levantava e a
catacumba tremia
Din din don
A catacumba tremia
Exu se levantava e a
catacumba tremia

Exu Pinga Fogo

Não bata na pedra,


Que dela sai fogo,
Quem é que está na gira,
É seu Pinga Fogo.

Exu Marabô

Exu Marabo
É Marabo de sinhá – bis
quem quiser chamar exu

102
exu é de querer querer

Tava curiando na encruza


Quando a Umbanda me chamou ( bis)
Exu na quimbanda é rei
na Umbanda ele é doutor
Exu quebra demanda
Exu é Marabo

Deu uma ventania oi ganga


No alto da serra - bis
Éra seu Marabo, (nomes) oi ganga
Que vem descendo a serra

Sete Encruzilhadas

Dizem que Exu,


Só bebe e da risada,
Mas ele é Exu,
Dono das sete encruzilhada,
São sete queimaduras,
Que não tem mistério,
Ele, ora lá na encruza,
Oi lá no cemitério,
A sua gira é forte,
Não tem caçoada,
Depois da hora grande,
Vai girar na encruzilhada.

O seu Sete Encruzilhada,


Vai chegar pra trabalhar,
A mironga dos seus filhos,
O seu Sete vai levar,
O seu Sete Encruzilhada,
Já chegou pra trabalhar,
A mironga dos seus filhos,
O seu Sete vai levar,
Sete mais sete mais sete,
É vinte um,
Saravá todos os Setes,
Uma vez de cada um.

O Sete, o Sete, o Sete Encruzilhadas


Toma conta e presta conta
No romper da madrugada

Exu quando chega no reino


Mas todo mundo quer saber o seu nome
Mas ele é Seu Sete Encruzilhadas
Ele pula de banda
Ele pula de lado

Tranca Rua das Matas

Seu Tranca Rua da mata


Chama chama que ele vem
Ele é o Rei da quimbanda na mata
Chama, chama que ele vem
Lá no meio da macaia
Seu Tranca Rua chegou

103
Ele veio tirar despacho
Que você prá mim deixou

Exu Tiriri

Exu Tiriri de Umbanda


Dono da Encruzilhada
Risca ponto presta conta
Ao romper da madrugada
O mal que aqui entrou
Entrou e vai sair
Pegou ele pelo rabo
E entregou pro Tiriri

Exu Tiriri riri


É o rei da encruzilhada
Toma conta e presta conta
Ao romper da madrugada

Exu Gira Mundo

Eu quero ver correr


Eu quero ver balancear – bis
Chegou Seu Gira Mundo e na
Quimbanda vai girar

Oi cadê Giramundo, pemba


Oi cadê Giramundo, pemba - BIS
Tá na terreira, pemba
Com seu Cambono, pemba - BIS

Exu Veludo

Ninguém pode comigo


Eu posso com tudo
Lá na encruzilhada
Ele é Exu Veludo

Oi salve o sol
Oi salve a lua
Na encruzilhada
Posso com tudo
Por que eu sou
Exu Veludo
Eu sou Exu Veludo
E vim lá da Quimbanda
Eu vim neste terreiro
Pra salvar filho de Umbanda

Exu Capa Preta

Com faca de dois gumes


não se deve brincar – bis
Chegou seu Capa Preta
Que vem trabalhar

Eu sou filho de Umbanda


E meu Pai era Pajé

104
Eu só uso Capa Preta
Fale quem quiser falar
Eu vou soltar rabo
De arraia
Para ver como é que é
Capoeira toma sentido
Que eu vou te derrubar
Eu vou soltar rabo de arraia para
Ver como é que é.

É um mavile é um mavango
Recompenso ê a a a a
Recompenso ê

SANTO ANTONIO
Caminhou caminhou
Santo Antonio caminhou
Caminhou caminhou
Santo Antonio caminhou
Lá na Aruanda maior
Santo Antonio caminhou

PONTO CRUZADO

Exu cainana
Quem te matou, cainana - bis
Foi Seu Tranca Ruas, cainana
Foi seu Marabo, cainana
Foi seu Sete Encruzas
Quem te matou

Eu vi gemer Joaquim
Eu vi chorar - bis
Naquele morro eu vi pomba voar - bis
Eu vi morrer Joaquim
Eu vi chorar - bis
Naquele morro eu vi pomba voar - bis

POMBA GIRA
Arreda homem,
Que aí vem mulher,
Ela é a Pomba Gira,
Rainha do Candomblé.

De vermelho e negro,
Vestida a noite,
O mistério traz,
De colar de ouro,
Brinco dourado,
A promessa faz,
Se é preciso ir,
Você pode ir,
Faça o que quiser,
Mas cuidado amigo,
Ela é bonita, ela é mulher,
E no canto da rua ,
Zombando, zombando,

105
Zombando está,
Ela é moça bonita,
Girando, girando,
Oi girando, lá,
Oi girando, lá oi ê, ê,
Oi girando lá.

E Boa Noite prá quem vem de longe


Boa Noite prá quem vem chegando
Boa Noite prá moça bonita
É pra ela que estamos cantando
Leva sete rosas vermelhas
Lá na encruzilhada
É lá que a moça bonita
Vai dar a sua risada

Pomba Gira Cigana

Vinha caminhado a pé, a pé,


Para ver se encontrava,
Uma linda Cigana de fé,
Ela parou e leu minha mão,
(Leu minha mão,)
Me disse toda verdade,
Mas eu,
Só queria saber onde andava,
Minha linda Cigana de fé.

Cigana, ela vem dançando,


Ela vem mostrando,
Sua dança no terreiro,
Com sua saia rodada,
Sua bota prateada,
Pra acabar com feiticeiros.

Ela gira no ar, ela gira na praça, ela gira na rua,


Eeee
Ela canta ela dança ela vive sorrindo em noite de lua - BIS
Ela é sincera, ela é de verdade
Cuidado amigo que ela não gosta de falsidade

Ae, olha a pomba gira gire


Ae, olha a pomba gira gira

No caminho do terreiro encontrei uma mulher


Vinha linda e perfumada quis saber quem ela é
Pomba gira cigana
Pomba gira ela é
Ela vem caminhando e chega girando na ponta do pé

Ae Pombo Gira ae pombo gira


Ae pombo gira vamos trabalhar
Ae Pombo Gira ae pombo gira
Ae pombo gira vamos trabalhar
Ae Pombo Gira ae pombo gira
Leva as quizilas desta casa pro lado de lá

106
Ela é uma cigana faceira, ela é
Ela é das sete linhas
E não é de candomblé
Ela vem de muito longe
Os seus filhos ajudar
Ela vem de muito longe
Saravar esse congá

Ganhei uma barraca velha,


Foi a Cigana que me deu,
O que é meu é da Cigana,
O que é dela não é meu,
E a ciganinha é puerê,
È puerê, é puerá.

Deu uma ventania oi ganga


No alto da serra
Era a pomba gira o ganga
Que vem descendo a serra

Fui caminhando pela madrugada


Muito longe eu avistei uma moça
Na calçada
Linda morena cigana
Me diga quem você é
Eu sou a rainha das rosas
Cigana do candomblé
Eu vou abrir seus caminhos
Acredite se quiser
Eu vou mudar sua vida
Sou ciganinha de fé

Ponto Cruzado

Foi uma rosa,


Que eu plantei na encruzilhada,
Foi uma rosa que plantei no meu jardim,
Maria Mulambo, Maria Mulher,
Maria Padilha,
Rainha do Candomblé.

Maria Molambo

Ela trabalha,
De segunda a segunda,
E quem não gosta dela,
Diz que ele é vagabunda,
Ela gira no sol,
E também gira na lua,
Ela é Maria Mulambo,
Ela é mulher da rua.

Ganhei uma barraca velha


Foi a Molambo quem me deu
O que é meu é da Molambo
O que é dela não é meu
E a Molambo é puere
É puere é puerá

107
Maria Padilha

Está iluminado este terreiro,


Está cheirando flor este congá,
Maria Padilha,
Um pedido eu faço,
Me abre o terreiro,
Ilumine os caminhos,
Por onde eu passo.

Exu Maria Padilha ,


Trabalha na encruzilhada,
Firma o ponto,
Presta a conta,

Rosa Vermelha

Que rosa tão bonita


Que rosa tão encarnada
Pomba gira da calunga
E também da encruzilhada
Eu quero ver pomba gira
Eu quero ver
Eu quero ver a senhora lá na encruza
Eu quero ver Pomba Gira eu quero ver
Eu quero ver Rosa Vermelha lá na encruza

Rosa Vermelha,
Da cigarrilha de prata
Rosa Vermelha é pombagira
Rainha das Sete Encruzilhadas
Raiou, ô ô ô ô
A dona da casa chegou – bis

Quem é
Aquela mulher que vem segurando a barra da saia
Quem é aquela mulher
É a ciganinha da praia – bis
Quem é aquela mulher
Quem é aquela mulher
Rosa Vermelha a filha de Lúcifer
Quem é aquela mulher
Quem é aquela mulher
Rosa Vermelha chegando do candomblé

Foi na beira D´água


Que eu plantei meu jardim – bis
Perguntei pra Sete Rosas onde esta o jasmim
O Jasmim me falou, ta com Rosa Maria – bis
Ta com a Rosa Vermelha, dia e noite noite e dia

É Rosa , Julieta e Olerina


Vou dançar com essas três meninas
Se Rosa não quiser dançar vou chamar
Julieta para ser meu par
Mas eu me perco no meio das meninas
É Julieta, É Olerina
É Rosa Julieta e Olerina vou dançar com essas três meninas

Rosa Vermelha

108
Rosa Vermelha que Exu ganhou
Rosa Vermeha
Rosa Vermelha é de Seu Marabô

Dama da Noite

Eu caminhava
Pela alta madrugada,
Sob o clarão da lua,
Ouvi uma gargalhada,
Linda morena formosa,
Me diga quem você é,
Eu sou a dona da rosa,
Sou a Pomba Gira de fé.
Vim aqui trabalhar,
Na força de Oxalá,
Eu sou a dama da noite,
Rainha deste congá.

Tiriri faca de ponta


Olha a capoeira que quer te pegar
Olha a moça que gosta de samba
Olha a moça que vem trabalhar
E arueira arueira arueira
E arueira arueira aruá
Olha a moça que gosta de samba
Olha a moça que quer trabalhar

Pomba Gira que dança é essa,


Que faz a vida da gente dançar,
É a dança da lua,
É a dança da rua,
É dança da moça,
Que traz alegria.

Ela gira no ar,


Ela gira na praça,
Ela gira na rua êê, êê,
Ela canta, ela dança,
Ela vive sorrindo,
Em noite de lua, êê, êê,
Ela é sincera,
Ela é de verdade,
Mas cuidado amigo,
Que ela não gosta,
De falsidade.

Maria Padilha

Exu Maria Padilha,


Trabalha na encruzilhada,
Firma o ponto, presta conta,
Ao romper da madrugada.

Pomba gira é mulher de sete maridos


Não mecha com ela, ela é um perigo,
E a Padilha é mulher de 7 maridos,
Não mecha com ela, ela é um perigo
E a Molambo é mulher de Sete Maridos
Não mecha com ela, ela é um perigo

109
E a Sete Saias é...e a cigana é..
Rosa Vermelha é...etc

Juraram de lhe matar na porta de um cabaré - BIS


Por causa da Pomba Gira rainha do candomblé – BIS

Subida de Exus.

E a(o) ........... já vai que sua banda lhe chama


Vai prá Aruanda desmanchar se tem mironga

Exu chegou, Exu trabalhou,


Exu curiou,
Exu vai embora,
Que Zambi chamou.

Chora bananeira,
Bananeira chora,
Chora bananeira,
Que os Exus já vão embora.

Vai te embora exu


Não tropeça no caminho
Passa no quintal dos outros
Mas não mecha com o vizinho

QUEBRA DEMANDA
Ae pombogire pombogirá – bis

Pomba gira girou


Num conga lá da Bahia
Veio de longe
pra quebrar feitiçaria - bis
Pomba gira veio de longe
Veio para me benzer
No ibá tem marafo
Tem farofa tem dende

Subida de Pomba Gira

E a Pomba Gira já vai,


Que a sua banda lhe chama,
Vai pra aruanda,
Desmanchar se tem mironga.

E a Pomba Gira vai embora


É na ponta da mata
É na encruzilhada que ela mora
É na ponta da mata
É com sete exus
Que Ela mora
(E a Rosa Vermelha vai embora..
Sete Rosas, Molambo,

Pomba gira já cunjanjô iaia o re re - bis


Pomba gira cujanjô janjo - bis

110
Chora Bananeira
Bananeira chora
Chora bananeira
As pomba giras vão embora

Pomba Gira vai embora


Sua hora já chegou
A limpeza do terreiro
Oi que Xangô mandou
(E a Rosa vai embora..
Sete Rosas Vai embora
E a Molambo vai embora)
Ae pombogire pombogira
Ela vence demanda
Ela tira agulha do fundo do mar

EXU MIRIM
Boa Noite gente
Como vai como passou
Exu é pequenininho
Mas é bom trabalhador

111
Cor Azul claro e Branco
Ervas As mesmas de Iemanjá
Otim cachaça, cerveja
Símbolo âncora, leme
Flor rosa branca, lírio branco, flores brancas
Essência Alfazema
Mineral prata
Dia sábado, segunda feira
Comida peixe de água salgada
Saudação não tem específica (Salve o povo do mar)

112
Marinheiro, marinheiro
Marinheiro amigo meu – bis
Aonde ancorou seu barco, Marinheiro
Bem juntinho do meu - bis

Da-me licença ê, oh da-me licença – bis


Alode Iemanjá
Ê, da-me Licença – bis

A barca dos marinheiros


Na espada de Ogun de Lei - bis
Vem trazendo o povo d’água
Trazem tudo de uma vez- bis

Eu não sou daqui,


Marinheiro só,
Eu não tenho amor,
Marinheiro só,
Eu sou da Bahia,
Marinheiro só,
De São Salvador,
Marinheiro só,
Marinheiro, marinheiro,
Marinheiro só,
Quem te ensinou a nadar,
Marinheiro só,
Foi tombo do navio,
Marinheiro só,
Ou foi o balanço do mar,
Marinheiro só,
Lá vem, lá vem,
Marinheiro só,
Ele vem faceiro,
Marinheiro só,
Todo de branco,
Marinheiro só,
Com seu bonezinho,
Marinheiro só,

Marinheiro olha a onda,


Não deixa o barco virar,
Moça bonita é,
Santa Barbara,
Olha marinheiro,
Nas ondas do mar

Olha a onda do mar, marinheiro


Oi no fundo do mar tem dinheiro

SUBIDA DE MARINHEIRO

É a hora é é agora
É a hora é chegou a hora
É a hora é da marola
É a hora é de ir pra Angola

Marinheiro marinheiro
Marinheiro eu sou
Marinheiro é meu amigo
Marinheiro eu sou - bis

113
Não deixa o barco afundar
Marinheiro eu sou
Vem me livrar do perigo
Marinheiro eu sou
Eu não sou daqui
E nem sou de lá
Eu sou marinheiro
Minha casa é o mar
Adeus adeus
Eu já vou embora
Eu vou com Deus
E nossa Senhora

eo

114
Cor Amarelo, amarelo e preto
Ervas folha de coqueiro, folha de dendezeiro
Otim cachaça, cerveja, batida de coco
Mineral ferro de trilho
Comida farofa de lingüiça apimentada, acarajé,
comida bahiana
Saudação não tem específica – Salve o Povo da
Bahia!

115
ABERTURA
Esta aberta a nossa gira de baianos
Esta cheirando flor nosso conga
Seu Zé Pilintra um pedido eu faço
Me abra o terreiro
Ilumina os caminhos por onde eu passo

Baiano é povo bom,


Povo trabalhador,
Quem mexe com baiano,
Mexe com Nosso Senhor.

Quando eu vim da Bahia,


Estrada eu não via, bis
Cada encruza que eu passava,
Uma vela eu acendia. bis

“Coquim”, “Coquim” Baiano


Coquim lá da Bahia
Coquim venceu demanda
Com a Senhora da Guia

Nossa Senhora da Lapa


Da Lapa de Bom Jesus
Baiano quebra a mandinga
Nos pés da Santa Cruz

Na Bahia tem
Vou mandar buscar
Lampião de vidro, sá dona
Para clarear

Lá na Bahia,
Ninguém pode com baiano,
Quebra coco,
Arrebenta sapucaia ,
Quebra coco,
Vamos todos saravar

Bahia, oh África
Venha nos ajudar- bis
Força baiana
Força africana
Força divina vem cá
Vem cá

O meu Senhor do Bonfim


Valei-me São Salvador

116
Vamos saravar nossa gente
Que o povo da Bahia chegou
Bahia , Bahia de São Salvador
Quem nunca foi à Bahia
Peça a Deus nosso Senhor

Zum zum zum


Vai sambar mais um
Zum zum zum
Vai tombar mais um
Vai tombar mais um – 4x
Vai tombar mais um
A dança não é brincadeira
Zum zum zum
É dança de capoeira
Quem entra na dança
Não pode cair deitado
Pra não passar vergonha
diante dos convidados

Oh oh a Bahia me chamou – 4x
Louvei meu pai de santo
Sarava meu Pai Xangô
Oh oh oh
A Bahia me chamou
Vou pagar uma promessa
Ao meu Senhor do Bonfim
Vou pedir ao meu Pai Xangô
Que não se esqueça de mim
Oh oh oh oh
A Bahia me chamou
Bahiano de todos os santos
Do poeta e compositar
Bahia dos grandes vultos
Que a natureza criou
Oh, oh, oh oh

Oh Bahia
Bahia de Nosso Senhor do Bonfim
Oh Bahia
Pede a Oxalá por mim
Baiana da saia rendada
Tabuleiro de acarajé
Baiana tá no terreiro
Sambando no candomblé

Trepa no coqueiro
Tira coco se quiser
Vou chamar a baianada
Prá dançar no candomblé

Na Bahia tem um côco


Neste côco tem dendê
Na Bahia tem um côco
Me diga como é que se come este côco
Este côco é bom de comer

Quando eu vim lá da Bahia


Eu trouxe meu patuá
Terreiro que tem mironga

117
Baiano vai mirongar

Baiano Severino

Estrela Dalva estrela matutina


Oh Luz divina venha nos salvar – bis
Meu Jesus Cristo venha nos salvar
Vou saldar Seu Severino
Na falange de Oxalá

Zé Baiano

Mas olha meu camarada,


Camarada meu,
Sou Zé Baiano,
Que chegou aqui agora,
Candomblé bato no Queto,
Umbanda bato na Angola.

Estava no mato
Estava no mato
Oi tava bem escondinho
Estava no mato
Estava no mato
Num dendê abaixadinho

Oi na Bahia corre água sem chover


Oi na Bahia corre água sem chover
Nos todos somos baianos
Agora que eu quero ver – bis
Oi na Bahia tem gente que sabe ler

Bahia, Bahia,
Bahia de São Salvador,
Quem nunca foi a Bahia,
Peça Deus Nosso Senhor.

Ê...Baiana
Ê, ê, ê baiana baianinha
Baiana Boa, gosta de samba
Entra na roda
E diz que é bamba
Apronta a viola
Que ela quer sambar
Ela gosta de samba
Ela quer trabalhar

Meu galo preto do pé amarelo,


Canta meu galo e só faz o que quero,
No pico da meia noite,
Meu galo preto cantou,
Ele veio tirar despacho,
Que você pra mim mandou,
Na direita tenho Deus,
Porque nele tenho fé,
Na esquerda tenho o meu galo,
Que desmancha tudo com pé,
Meu golo preto do pé amarelo,
Canta meu galo e só faz o que quero,

118
Tem areia oi, tem areia, tem areia oi, tem areia, tem areia
No fundo do mar tem areia
Lá na mata tem mironga
Eu quero ver
Lá na mata tem um povo
Esse povo tem dendè
Tem areia, oi
Tem areia
Tem areia no fundo do mar
Tem areia

Oi na Bahia tem gente que sabe ler


Também tem povo baiano
Que desmanha canjerê – bis

Baiano que vem da Bahia


Vem beirando beira mar
Poe a conga no terreno
Oi deixa a conga serenar
Aue baiano baiano que balanceia
Aue baiano
Na serra da Mantiqueira – bis

Se ele é baiano agora


Que eu quero ver
Dançar catira no azeite de dendê
Eu quero ver
Os baiano da Aruanda
Trabalhando na Umbanda
Pra quimbanda não vencer
Eu quero ver
Os baianos da Aruanda

Baiana da saia rendada


Seu tabuleiro tem axé
A Baiana tá requebrando
Oi quando dança no candomblé
Oh Bahia, Bahia de N. Sr. Do Bonfim
Oh, Bahia, pede a Oxalá por mim

Demanda

Oi Vamos baianada
Pisar no catimbó
Amarrar os inimigos
Na pontinha do cipó

Esta casa tem 4 cantos


Cada canto tem seu santo
Onde mora o cálice bento
E o Divino Espírito Santo
Zum, zum, zum
Olha lá Jesus quem é
Eu juro por Deus e as almas
Inimigo cai e eu fico em pé
(O inimigo cai e eu fico em pé)

Baiana faz e não manda


Nem tem medo de demanda - bis
Baiana feiticeira

119
Filha de Nagô
Trabalha com pó de pemba
Pra ajudar babalao - bis
Baiana sim, baiana vem
Quebra mandinga com dendê - bis

Minha reza e forte


Ela é de coroa
Ela vem do Norte
É uma reza boa
A mandiga firmada
La no solo do sertão
É mandinga quebrada
Na ponta do meu facão
Na combuca assentada
No lado de dentro do portão
Passa amigo e camarada
Gente ruim não passa não
Vai te embora mau olhado
Ziquizira e amolação
Ta cortada a inveja, olho grande
E obcessão

ZE PILINTRA

Sinto saudade do seu Zé


Da baixa do sapateiro
Da lagoa Abaeté
Da gruta do boiadeiro

Ô Zé Pilintra de noite na madruagada - bis


Quebra feitiço
Ajude a filharada - bis

De terno branco
Seu punhal de aço puro
Seu ponto é seguro
Quando vem pra trabalhar
Segura o nego que esse nego
É Zé Pilintra
Na descida do morro
Ele vem trabalhar

ZéPilintra , Zé Pilintra
Boêmio da madruagada
Vem na linha das almas
E também na encruzilhada
Mas o amigo Zé Pilintra
Que nasceu lá no sertão
Enfrentou a boemia
Com seresta e violão

Pulando cruzado
No meio do terreiro chegou
Ogun da Bahia do
Congo e da lei de Nagô
Chegou Zé Pilintra
Que veio do lado de la
Fumando e bebendo e gritando
Vamos saravar

120
Saravar saravar
Eu tirei um ponto
Para saravar lúcifer
Maria Padilha
Rainha do Candomble

Hoje na lei de umbanda


Acredito no senhor
Pois sou seu filho de fé
Pois tem fama de doutor
Com magias e mirongas
Dando forças ao terreiro
Sarava seu Zé Pilintra
Um amigo verdadeiro

Cadê seu Zé Pilintra


De chapéu branco na mão
Com gravata encarnada
Mandando socar pilão
Meu senhor não maltrate este nego
Este nego caro me custou
Ele usa camisa listrada
Calça de veludo e anel de doutor
Esse nego é doutor
É sim senhor

Estava sentado numa mesa da Jurema


Afirmei meu ponto e balancei o maracá – bis
E eu saudei foi a Jurema Preta
Seu José Pilintra dê um tombo e venha cá

Seu Zé Pilintra onde é que o senhor mora


Seu Zé Pilintra onde é sua morada
Eu não posso te dizer
Porque você não vai me compreender
Eu nasci no Jurema
Minha morada é bem pertinho de Oxalá

Oi Boa Noite pra quem é de boa noite


Oi bom dia pra quem é de bom dia
Abenca meu Papai abença
Seu Zé Pilintra é o rei da boemia

Eu vi o mestre na mesa
Coitadinho dele em pé
Com uma pena de arara
E um bico de Canindé
Seu Zé não deve nada a ninguém – bis

Na cidade das Torrinhas


Sete portas se fechou - bis
Com uma fumaça ao contrario
Que Zé Pilintra soltou – bis
Eu soltei piriquito eu soltei sabiá
Eu virei macumbeiro de perna pro ar
Quem foi que viu Zé Pilintra
Afogando neste salão
Com um copo de cachaça
E um charuto aceso na mão

121
A cachaça só é boa feita da cana torta
Vocês bebem pelo vicio
E Zé Pilintra porque gosta
Quem foi que viu Zé Pilintra
Vagando por este mundo
Na boca de quem não presta
Zé Pilintra é vagabundo
Quem esta batendo na porta
Quem nesta porta bateu
É Jesus sacramentado
Que Zé Pilintra sou eu

DEMANDA
Oi meu limão oi meu limoeiro
Oi meu limão oi limoá
Eu sou Zé Pilintra
Zé Pilintra eu sou - BIS
Joguei meu punhal no ponto
Para meu ponto afirmar
Chamei meus camaradas
Para vir me ajudar
Joguei meu punhal no ponto
Para meu ponto afirmar
Chamei meus camaradas pra demanda
Vir quebrar

Seu Zé Pilintra abalou cece


Seu Zé Pilintra abalou cece no mar
Filhos de Zé Pilintra chama mas não vai
Filhos de Zé Pilintra balanceia mas não cai

Subida de Baiano

Baiano é povo bom


Tem mironga no Conga - bis
Mandinga ele traz
Feitiço no samba
Samba baiano
Samba sinhá
Baiano vai embora levando todos os “már”

Agora pro seu morro vai subir


Meu Deus ele já vai embora
Conversa de malandro não tem fim
Boa Noite meu Senhor
Boa Noite minha senhora

122
123
Conto de Areia
Clara Nunes

É água no mar
Ë maré cheia ô, mareia ô, mareia

124
É água no mar - bis
Contam que toda a tristeza que vem da Bahia
Nasceu de uns olhos morenos cansados de mar
Não sei se é conto de areia ou se é fantasia
Que a luz da candeia ilumina
Pra gente contar
Um dia a morena enfeitada de rosas e rendas
Abriu seu sorriso de moça e pediu
Pra dançar
A noite emprestou as estrelas
Bordadas de pratas
E as águas de Amaralina
Eram gotas de luar
Era um peito só
Cheio de promessas era só
Era um peito só
Cheio de promessas era só
Quem foi quem mandou o seu amor
Se fazer de canoeiro
O vento que rola nas palmas
Arrasta o veleiro
E leva pro meio das águas de Iemanjá
E o mestre valente vagueia
Olhando pra areia sem poder chegar
Adeus Amor
Adeus meu Amor não me espera
Porque eu já vou embora
Pro reino que esconde os tesouros
De minha senhora
Desfia colares e conchas
Pra vida passar
E deixa de olhar p’ros veleiros
Adeus meu amor
Eu não vou mais voltar
Foi Beira Mar,
Foi Beira Mar quem chamou
Foi Beira Mar
Foi Beira Mar

________________________________________

Yaô cadê a Samba


(Zeca Pagodinho)

Yaô cadê a samba


Está mandando na curimba - bis
A pequena me conhece
Não sou de vacilação

Não pode beber cachaça


Nem deve cuspir no chão, Yaô
Yaô cadê a samba
Está mandando na curimba – bis
Samba tu fica na minha
Que eu vou ficar na sua
Vamos pedir segurança

125
Pra falange lá da rua, Yaô
________________________________________

Tribo dos Carajás


Martinho da Vila

Tribo dos Carajás


Noite de Lua cheia, Aruanda
Menina Moça
é quem manda na aldeia
A tribo dança
E o grande chefe
pensa em sua gente
Que era dona
deste imenso continente
Onde sonhou sobreviver da natureza
Respeitando o céu

Respirando o ar
Pescando nos rios
E com medo do mar, oi – bis
Estranhamente
o homem branco chegou
Pra construir pra progredir
Prá desbravar
E o índio cantou
o seu canto de guerra
Não se escravizou
mas está sumindo da face da terra – bis
Arunã, aruanã açu
É a grande festa do povo do alto Xingú

________________________________________

Quando eu contar
Zeca Pagodinho

Iá iá
Minha preta não sabe o que eu sei
O que vi nos lugares onde andei
Quando eu contar iá iá
Você vai se pasmar
Vi um tipo diferente
Assaltando a gente que é trabalhador
Morando num morro muito perigoso
Onde um tal de Caveira
comanda o vapor
Foi aí que o tal garoto
Coitado do broto encontrou com
o Caveira
Tomou-lhe um sacode
Caiu na ladeira
Iá iá minha preta morreu de bobeira

126
Oh Ia iá... refrão

Dei um pulo na macumba


Saber da quizumba
Bolei na demanda
Cantei pra Calunga
Baixei a muamba
Saravei a banda
Meu corpo fechei
Iá Iá fiz tudo certinho
Deitei para o Santo
Raspei Catulei
Me deixa de lado cão escomungado
Tô abençoado
tô dentro da lei

Oh Iaia
Iá iá minha preta não sabe o que eu sei
(e nem sabe o que eu vi)
O que eu vi nos lugares onde eu andei
Quando eu contar iá iá vc vai se pasmar
(falei quando eu contar)

___________________________________

Pisa como eu pisei


Zeca Pagodinho

Chega como eu cheguei


Pisa como eu pisei
No chão que me consagrou
Olha que lei é lei
Lei que eu nunca burlei
Pois Deus me designou

Canto da Sereia
Marisa Monte

Ogun Te, Marabô, Caiala e Sobá


Oloxum, Inaê, Janaína, Iemanjá
São Rainhas do Mar

Mar, misteiroso mar

127
Que vem do horizonte
É o canto da sereia

Lendário e fascinante
É o canto da sereia
Inalaô rocheia no mar
Em noite de lua cheia
Ouço a sereia cantar
E o luar, e o luar tão lindo
Em noite encantam
Com a sua melodia
...........
Ela mora no mar, ela brinca na areia
No balanço das ondas
A paz ela semeia

Refrão..
________________________________________

Minha Fé
Zeca Pagodinho
Eu tenho um santo padroeiro, poderoso
Que é meu Pai Ogum, eu tenho
Tenho outro santo que me ampara na descida
Que é meu Pai Xangô, é caô
E quem me ajuda no meu caminhar
Nessa vida pra ir na corrida do ouro
É Oxum, é Oxum

Nas mandingas que a gente não vê


Mil coisas que a gente não crê
Valei-me meu Pai atotô, Obaluae
Obaluaê

Por isso que a vida que eu levo é beleza


Não tenho tristeza, só vivo a cantar
Cantar
Cantando transmito alegria
E afasto qualquer nostalgia prá lá
Sei lá
E há quem diga que essa minha vida
Não é vida para um ser humano viver
Podes crer

Chico não vai na corimba


Zeca Pagodinho
Chico não vai na curimba
Chico não quer curimbar
Bebeu água de moringa
Dormiu no pé do gongá
Hoje não faz mais mandinga

128
Não que saracotear
Chico não acende vela
Nem manda flores pro seu
Orixá
Ele é de banda cheirô
Ele é de banda cheirá
Ele é de banda cheirô
Ele é de banda cheirá
(Chico não vai)

Não toma banho de arruda


Nem toma banho de abô
E nem sabe me dizer
Se é de Keto, de Angola,
De Jeje ou Nagô
Dizem pelos sete cantos
Que ele era um grande babaloxirá
Ele é de banda cherô - refrao
Seu pai de santo no descarrego
Tomou um carrego até cair no chão
Chico arrebentou a guia
Nosso compadre não quer proteção
Dispensou a rezadeira
Figa de Guiné e o velho patuá
O santo invade o pagode
Aplica sacode em qualquer lugar

MARIA VAI COM AS OUTRAS


(Vinícius de Moraes / Toquinho)

Maria era uma boa moça


Pra turma lá do Gantois
Era a Maria vai com as outras
Maria de coser, Maria de casar
Porém o que ninguém sabia
É que tinha um particular
Além de coser além de rezar
Também era Maria de pecar
Tumba-ê, caboclo, tumba lá e cá
Tumba-ê guerreiro, tumba lá e cá
Tumba-ê meu pai, tumba lá e cá
Não me deixe só

________________________________________

129
Maria que não foi com as outras
Maria que não foi pro mar
No dia dois de fevereiro
Maria não brincou na festa de Iemanjá
Não foi jogar água-de-cheiro
Nem flores pra sua Orixá
Aí, Iemanjá pegou e levou
O moço de Maria para o mar
Tumba-ê, caboclo, tumba lá e cá
Tumba-ê guerreiro, tumba lá e cá
Tumba-ê Iemanjá, tumba lá e cá
Não me deixe só, tumba lá e cá

________________________________________

Seu balancê

Quando o canto da sereia


Reluziu no seu olhar
Acertou na minha veia
Conseguiu me enfeitiçar
Tem veneno o seu perfume
Que me faz o seu refém
Seu sorriso tem um lume
Que nenhuma estrela tem
Tô com medo desse doce
Tô comendo em suas mãos
Nunca imaginei que fosse
Mergulhar na tentação
Essa boca que me beija
Me enlouquece de paixão
Te entreguei numa bandeija
A chave do meu coração

Seu tempero me deixa bolado é um mel misturado com dendê


No seu colo eu me embalo eu me embolo até numa casinha de sapê
Como é lindo o bailado debaixo dessa sua saia godê
Quando roda no bambaquere, fazendo fuzuê
Minha deusa esse seu encanto parece que vem do Ilê
Ou será de um jogo de jongo que fica no Colubandê
Eu só sei que o som do batuque é truque do seu balancê
Preta cola comigo porque, tô amando você
Lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá lala iá

________________________________________

Verdade

Descobri que te amo demais


Descobri em você minha paz
Descobri sem querer a vida
Verdade

Pra ganhar seu amor fiz mandinga


Fui a ginga de um bom capoeira
Dei rasteira na sua emoção

130
Com o seu coração fiz zoeira
Fui a beira de um rio e você
Uma ceia com pão, vinho e flor
Uma luz para guiar sua estrada
A entrega perfeita do amor
Verdade

MOTUMBÁ
Timbalada

Mãe de Samba
Motumbá
Capoeira camará
Da jangada vai jogar
Altas flores em alto mar
Pede ao mar para ir ao mar

Sobá
Prepara um lírio branco
Acaçá pra Iara Iá
Prepara um rico espelho do tipo de se enfeitar
Prepara bonito que é para agradar
O reino sagrado das águas de Iemanjá
So ba soba soba

Iemanja soba soba me re re


Iemanja soba me re re
Iemanja soba soba me re re
Soba soba soba

131
132