P. 1
APOSTILA TERMINAIS

APOSTILA TERMINAIS

1.0

|Views: 1,145|Likes:
Published by lidy2010

More info:

Published by: lidy2010 on Oct 05, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/21/2013

pdf

text

original

Sections

  • 1.1 - Terminais de Carga: Conceitos Gerais
  • 1.2.1 - quanto à localização:
  • 1.2.2 - quanto à propriedade:
  • 1.2.3 - quanto à tipologia das cargas:
  • 1.2.4 - quanto ao objetivo funcional:
  • 2.1 - Macrolocalização:
  • 2.2.1 - função do uso do solo
  • 2.2.2 - função do sistema viário
  • 2.2.3 - função da topohidrogeologia
  • 2.2.4 - função do mercado
  • 2.2.5 - função de incentivos governamentais
  • 3.1 - Operações usuais
  • 3.2 - Principais receitas
  • 3.3.1 – Cláusulas comerciais e INCOTERMS
  • 3.3.2 - Terminologia de cargas internacionais
  • 3.4.1 – Classificação universal das cargas
  • 3.4.2 – Estruturação dos terminais de carga
  • 3.4.3 – Componentes construtivos
  • 3.4.4 – Instalações e equipamentos genéricos
  • 3.5.1 – Mercadorias de pátio
  • 3.5.2 - Mercadorias de Estocagem Fechada
  • 4.1 - Tipologia e componentes de um porto organizado
  • 5.1.- Tipologia
  • 5.2.- Funções Operacionais dos Pátios:
  • 5.3- Análise dos Vagões no Pátio
  • 5.4- Etapas do Planejamento de um Novo Terminal Ferroviário
  • 6.2 - Esquema de Planejamento dos Terminais Rodoviários Complexos
  • 6.6 - Pátios Rodoviários de Armazenagem
  • 6.7 - Estocagem em Silos para Graneis Sólidos:
  • 6.8 - Equipamentos de Movimentação de Cargas de Pátio
  • 6.9 - Correias transportadoras:
  • 7.1- Conceitos Gerais da Aviação Civil
  • 7.2.1- Interface Interna
  • 7.2.2 - Interface Externa
  • 7.3.2.- Acessos terrestres
  • 7.3.3.- Prevenção e monitoramento de danos ambientais
  • 7.4.1 - Condições meteorológicas
  • 7.4.2 - Acessos aéreos
  • 7.4.3 - Condições topográficas
  • 7.4.4 - Condições geotécnicas
  • 7.4.5 - Estrutura de uso do solo
  • 8.1 - Conceito Implícito de Multimodalidade
  • 8.2 - Conceito Operacional de Multimodalidade
  • 8.3 - Conceitos Multimodal e Intermodal
  • 8.4 - Conceito Logístico
  • 8.5 – Conceitos Teóricos e Pragmáticos
  • 8.6 – Conceituação Atual da Multimodalidade
  • 8.7 – Realidades do Dia a Dia

UFES – NULT Logística e Transportes

Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
1/62
TERMINAIS DE TRANSPORTE DE CARGA
SUMÁRIO
1.- Definições Básicas............................... ........................5
1.1 - Terminais de Carga: Conceitos Gerais
1.2 - Taxonomia dos Terminais
1.2.1 - Quanto à localização
1.2.2 - Quanto à propriedade
1.2.3 - Quanto à tipologia das cargas
1.2.4 - Quanto ao objetivo funcional
2.- Concepção da Localização dos Terminais......................7
2.1 - Macrolocalização
2.2 - Microlocalização
2.2.1 - Função do uso do solo
2.2.2 - Função do sistema viário
2.2.3 - Função da topohidrogeologia
2.2.4 - Função do mercado
2.2.5 - Função de incentivos governamentais
3.- Operações e Receitas Usuais de um Terminal.................8
3.1 - Operações Usuais
3.2 - Principais Receitas
3.3 - Termos Comerciais Relativos a Cargas Passando por
Terminais
3.3.1 - Cláusulas comerciais e INCOTERMS
3.3.2 - Terminologia de cargas internacionais
3.4 - Cargas, Construções, Instalações e Equipamentos dos
Terminais
3.4.1 - Classificação geral das cargas
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
2/62
3.4.2 - Estruturação dos terminais de carga
3.4.3 - Componentes construtivos
3.4.4 - Instalações e equipamentos genéricos
3.5 - Bases para Dimensionamento de Instalações
3.5.1 - Mercadorias de pátio
3.5.2 - Mercadorias de estocagem fechada
4.-Terminais Portuários.......................................................18
4.1 - Tipologia e Componentes de um Porto Organizado
4.2 - Dimensionamento Operacional de Berços e Retroporto
5.- Terminais Ferroviários....................................................25
5.1 - Tipologia
5.2 - Funções Operacionais dos Pátios
5.3 - Análise dos Vagões no Pátio
5.4 - Etapas do Planejamento de um Terminal Ferroviário
6.- Terminais Rodoviários....................................................29
6.1 - Análise Sistêmica
6.2 - Planejamento dos Terminais Rodoviários Complexos
6.3 - Principais Partes Componentes
6.4 - Armazéns Rodoviários
6.5 - Pátios Rodoviários de Estocagem
6.6 - Estocagem em Silos para Graneis Sólidos
6.7 - Equipamentos de Movimentação de Cargas de Pátio
6.8 - Correias Transportadoras
7.- Terminais Aeroportuários...............................................40
7.1 - Conceitos Gerais da Aviação Civil
7.2 - Bases Primárias do Planejamento Aeroportuário
7.3 - Parametrização de Pistas, Pátios, Acessos e Estacionamentos
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
3/62
7.4 - Interface de Coordenação
8. - Terminais Multimodais......................................54 8. - Terminais Multimodais......................................54 8. - Terminais Multimodais......................................54 8. - Terminais Multimodais......................................54
8.1 – Conceito Implícito de Multimodalidade
8.2 – Conceito Operacional de Multimodalidade
8.3 – Conceito Multimodal e Intermodal
8.4 – Conceito Logístico
8.5 – Conceitos Teóricos e Pragmáticos
8.6 – Conceito Atual de Multimodalidade
8.7 – Realidades do Dia a Dia
Anexo A - Bibliografia..........................................................58
I.a – Genérica
I.b – Portuária
I.c – Ferroviária
I.d – Rodoviária
I.e – Aeroportuária
I.f – Multimodal
Observação Importante:
Como muitos equipamentos e instalações são comuns a diferentes
terminais modais, para evitar descrições repetitivas em cada capítulo, os
dados básicos respectivos se encontram no Capítulo 6 - Terminais
Rodoviários, por serem os terminais mais comuns no País.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
4/62
Capítulo 1 - Definições Básicas
1,1 - Terminais de carga: conceitos gerais
Conceito histórico: pontos iniciais ou finais de percursos modais, com instalações e
equipamentos para partida, chegada, carga e descarga de veículos servindo o
trecho, com ênfase na maximização da operação de transporte;
Conceito moderno: pontos da via de uma modalidade de transporte em que fluxos
significativos tem origem, destino ou sofrem transferência de veículo, comboio ou
modalidade, com ênfase na captação de usuários pela satisfação de suas
expectativas quanto à qualidade de serviço e sua tempestividade;
Conceito econômico: interface entre setores produtores ou consumidores e o
transporte de seus produtos ou insumos. Os primeiros geram a oferta e os
segundos a demanda, que pode ser ou não sazonal, isto é com concentrações
expressivas, bem acima da média, em períodos de tempo inferiores a um ano,
contribuindo o terminal para o atendimento satisfatório do mercado;
Fluxos significativos: conceito subjetivo. Nos Planos de Transporte do GEIPOT,
por exemplo, representavam um mínimo de um veículo por dia, o que
correspondia, por exemplo, a aproximadamente uma faixa entre 5 e 10 mil
toneladas/ano, no caso dos modais terrestres.
Terminais de ponta: situados na extremidade de um trecho de via ou rota;
Terminais intermediários: situados em pontos entre os extremos de um trecho de
via ou rota;
Terminais unimodais: os que atendem a fluxos transportados por uma única
modalidade, com ou sem transferência de veículos deste modal;
Terminais multimodais: operam com mais de um modal de transporte, sejam os
fluxos intercambiáveis ou não, mas no caso de emprego de mais de um modal,
com conhecimentos de carga ( “bill of lading”) separados para cada modalidade;
Terminais intermodais: acessam diferentes modais e os fluxos intercambiáveis são
regidos por um único conhecimento de carga, evitando o redespacho.
1.2 - Taxonomia dos terminais:
1.2.1 - quanto à localização:
difusa: espalhada aleatoriamente pela área de influência direta;
concentrada: situada em parcela restrita da área de influência direta;
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
5/62
periférica: localizada no contorno da área de influência direta;
marginal: situada nas margens de via troncal de acesso à área de influência
direta;
adjacente: nas cercanias de via troncal de acesso à área de influência
direta;
irregular: distintos segmentos do conjunto de terminais de uma área se
se enquadram em diferentes classificações de localização;
1.2.2 - quanto à propriedade:
do transportador: pertencente à administração da empresa de transporte,
embora possa atender outras empresas do setor e até outras modalidades;
do usuário: pertence a uma empresa usuária, que normalmente
reserva o uso a seus produtos e/ou insumos exclusivamente, ainda que
transportados por diferentes modalidades;
de órgãos públicos: administrados pelo Poder Público em seus diferentes
níveis, com a finalidade de promover e facilitar o uso dos modais
acessados, bem como seu planejamento e coordenação;
de empresas de armazenagem: visam captar a armazenagem de fluxos de
usuários que não tem instalações próprias e podem ser servidos por um ou
mais modais, cobrando por seus serviços;
de empresas ou cooperativas produtoras: para embarque de seus produtos
ou descarga de seus insumos em um ou mais modais;
de empresas consumidoras ou distribuidoras comerciais: para recepção e
posterior consumo ou distribuição dos produtos desembarcados.
1.2.3 - quanto à tipologia das cargas:
É o mais usual no meio transportista para qualificar o terminal, enquadrando-
os em uma das seguintes categorias:
gerais: que manuseiam qualquer tipo de carga, ou seja, carga geral, graneis
sólidos, líquidos e gasosos, cargas frigorificadas e cargas unitizadas;
tipológicos: que operam com um tipo particular de carga, como por exemplo
graneis sólidos minerais, ou petróleo e seus derivados, etc.;
específicos: que manipulam determinado produto, como os terminais para
gás liqüefeito de petróleo (GLP);
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
6/62
1.2.4 - quanto ao objetivo funcional:
concentradores de produção: situam-se em regiões produtoras ou geradoras
de carga, concentrando-as para carregamento e assim facilitam seu
transporte de longa distância a partir de um único ponto de embarque,
servindo ainda de pulmões para os fluxos;
beneficiadores: além de concentrar cargas, em particular as agrícolas,
beneficiam os produtos antes do embarque, melhorando sua qualidade, a fim
de alcançarem as especificações exigidas pelo mercado;
reguladores/estocadores: armazenam quantidades significativas de um ou
mais produtos, particularmente os sazonais, de forma a atenuar os picos de
transporte e homogeneizar a distribuição ao longo de período maior de
tempo;
distribuidores: concentram produto(s) vindo(s) para distribuição ao consumo
de determinada área, de forma a facilitar a distribuição para comercialização.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
7/62
Capítulo 2 - Concepção da Localização dos Terminais
2.1 - Macrolocalização:
É a seleção de uma microrregião para os terminais uni ou multimodais, função da
demanda e da operação de transporte. Caso sejam concentradores ou
distribuidores, por exemplo, deve-se buscar que se situem no entorno imediato do
centro de gravidade dos fluxos da área de influência, de forma a minimizar os
transportes complementares de coleta ou de distribuição. Mais sofisticadamente,
localização de terminais em redes viárias pode ser encaminhada por algorítmos de
Pesquisa Operacional, como "Branch and Bound" e o de "p-medianas"
2.2 - Microlocalização:
É a seleção de um local na região apontada pela macrolocalização, que é uma
multifunção de componentes naturais, modais, mercadológicos e legais, que
devem ser estudados em conjunto na busca de uma solução otimizante. Têm-se
como principais fatores:
2.2.1 - função do uso do solo
É a forma de se enquadrar harmoniosamente com as prescrições administrativas a
respeito, inclusive com as que se referem à proteção ambiental;
2.2.2 - função do sistema viário
Decorre da maneira de estar eficientemente integrado com a operação do modal
ou dos modais que o acessam, sem prejudicar outros usuários;
2.2.3 - função da topohidrogeologia
Determina as possibilidades construtivas das partes componentes do terminal,
como pátios, armazéns, tancagem, silos, equipamentos de manuseio e
transferência, etc., particularmente no que tange ao impacto construtivo gerado no
solo por cargas pesadas, perigosas e poluentes;
2.2.4 - função do mercado
Implantar de modo que a acessibilidade de usuários do terminal seja facilitada e
econômica;
2.2.5 - função de incentivos governamentais
Tais como concessão de áreas e isenção ou redução temporal de impostos e
taxas.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
8/62
Capítulo 3 - Operações e Receitas Usuais de um Terminal.
3.1 - Operações usuais
Um terminal efetua uma ou mais das operações a seguir definidas, conforme os
produtos que manipule. Na ordem de execução a partir da chegada da carga ao
terminal seriam:
• recepção da carga, verificação de sua documentação e integridade,
autorização de ingresso ao terminal, conforme a modalidade;
• pesagem de controle, podendo ser automática, manual ou por
estimativa; verificação de merma;
• classificação do produto, podendo ser documental ou experimental;
• pré-tratamento físico, químico ou biológico, com certificação se for o
caso, podendo ser total, parcial por amostragem, ou nulo;
• armazenagem, operada automática, mecânica ou manualmente;
• conservação para evitar a deterioração e perdas, naturais, por
negligência, ou criminosas, podendo ser automática ou por verificação;
• retirada para embarque, automatizada, mecânica ou manual;
• contrapesagem e controle, por estimativa, amostragem ou automática;
• manejo e carregamento, manual, mecânico ou automatizado;
• emissão de conhecimento de embarque e anexos;
• despacho do(s) veículo(s) para a operação de transporte.
3.2 - Principais receitas.
São resultantes da cobrança de um ou mais dos seguintes eventos:
1. taxas de movimentação do produto entre veículos ou entre estes e a
armazenagem, envolvendo carga e/ou descarga, e variando, segundo o
caso, com peso, volume, valor, periculosidade, utilização de equipamento
especial, e necessidade de acomodação;
2. taxas de armazenagem, função de peso e/ou área ocupada, valor,
periculosidade tipo de instalação (armazém ou pátio) e período de uso;
3. taxas por serviços conexos, como pesagem, desinfeção, secagem,
reparação de avarias, reembalagem, etc.;
4. taxas por serviços administrativos como documentação de transporte,
certificações, emissão de “warrants” negociáveis, etc.
5. comissão, no caso de agenciar a colocação de produtos no mercado.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
9/62
3.3 - Termos comerciais relativos a cargas passando por terminais.
3.3.1 – Cláusulas comerciais e INCOTERMS.
A comercialização doméstica ou internacional de mercadorias envolve a utilização
de certos termos, que em realidade representam cláusulas comerciais ou seja
entre comprador e vendedor do produto em causa, padronizadas para definição
uniforme em todo o Mundo, e deste modo facilitam o entendimento e a resolução
de conflitos, independente do idioma que falem os contratantes, e que devem ser
conhecidos dos técnicos que planejam, constróem, operam ou usam terminais,
pelo estreito vínculo que guardam com as políticas mercadológicas dos mesmos e
a responsabilidade pelos gastos derivados da utilização das "facilidades" de
transporte. .
Estes termos, hoje em número de 14, surgiram em 1936 e são denominados
INCOTERMS, acrônimo em inglês de INternational COmmerce TERMS. Os 13
usuais (o 14º é para carga aérea), fruto da edição de 2000 da Câmara
Internacional de Comércio, ICC em inglês, são:
EXW EX WORKS (... local citado)
FCA FREE CARRIER (... local citado)
FAS FREE ALONGSIDE SHIP (... porto de embarque citado)
FOB FREE ON BOARD (...porto de embarque citado)
CFR COST AND FREIGHT (... porto de destino citado)
CIF COST, INSURANCE AND FREIGHT (...porto de destino citado)
CPT CARRIAGE PAID TO (...local de destino citado)
CIP CARRIAGE AND INSURANCE PAID TO (...local de destino citado)
DAF DELIVERED AT FRONTIER (... local citado)
DES DELIVERED EX SHIP (...porto de destino citado)
DEQ DELIVERED EX QUAY (...porto de destino citado)
DDU DELIVERED DUTY UNPAID (...local de destino citado)
DDP DELIVERED DUTY PAID (...local de destino citado)
Em realidade, como visto anteriormente, estas cláusulas regulam pagamentos
entre comprador e vendedor; ao transportador e ao gerente de terminal só
interessam para saber quem é o responsável pela despesa incorrida no transporte,
carga/descarga, manuseio, armazenagem, e obrigações fiscais, de forma a poder
assegurar seus direitos de receber corretamente pelos serviços prestados.
3.3.2 - Terminologia de cargas internacionais
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
10/62
É regida pela Nomenclatura Aduaneira de Bruxelas - NAB, de aceitação universal,
que se difundiu com adaptações regionais, como a NABALADI, ex-NABALALC,
entre os países-membros latino-americanos da ALADI, e mesmo nacionais, como
a Nomenclatura Brasileira de Mercadorias - NBM, ou a NADE do Uruguai, todas
porém mantendo a estrutura dos 4 primeiros dos oito dígitos dos códigos de
identificação da NAB e adaptando os 4 restantes a suas necessidades próprias.
3.4 - Cargas, construções, instalações e equipamentos de terminais.
Antes de estudar especificamente os terminais modais, convém conhecer
componentes comuns aos diferentes tipos. Em primeiro lugar, a classificação
universal das cargas que por eles transitam, de vez que construções, instalações e
equipamentos são selecionados, encomendados e postos para operar segundo o
que vão armazenar, abrigar ou manejar.
3.4.1 – Classificação universal das cargas
1. carga geral: conhecida também por carga seca, é formada de modo geral
pelas mercadorias embaladas, como sacaria, engradados, caixotes e caixas,
fardos, tambores e amarrados;
2. graneis: mercadorias transportadas sem embalagem individual, constituindo
o veículo o elemento de contenção. Podem ser graneis sólidos, minerais ou
agrícolas, como grãos e minérios, graneis líquidos, minerais ou vegetais, como
derivados claros e escuros de petróleo e óleos vegetais, e graneis gasosos, que
podem ser de alta ou baixa pressão, como o GLP e o cloro;
3. cargas unitizadas: que por meio de equipamentos contentores, diferentes
das embalagens individualizadas, as mantém como uma unidade para
manuseio de transferência. Os mais comuns são: contêineres, padrões ou
específicos, estrados ou “pallets”, pré-lingadas e sistemas especiais em que o
veículo sem tração constitui o elemento unificador, como piggyback, TOFC(
trailer on flat car),LASH( lighter aboard ship), etc;
4. cargas frigoríficas, que embora pudessem ser classificadas em uma das
categorias acima, formam uma classe a parte pelo manejo diferenciado que
exigem, com manutenção permanente de temperaturas baixas e controladas.
5. "break bulk", termo que vem se tornando usual em transporte marítimo para
designar produtos que são transportados a granel, mas cujos elementos
apresentam individualmente volume expressivo, como bobinas de papel e de
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
11/62
aço, produtos siderúrgicos em barras longas, tubos metálicos, toras de madeira,
etc.
3.4.2 – Estruturação dos terminais de carga
A estruturação de um terminal de carga, constituída por construções, instalações e
equipamentos, compõe-se normalmente dos seguintes elementos:
• interfaces externas, com o acesso às vias dos modais que nele operam;
• interfaces internas, intra e intermodais, permitindo operações de
transferência, carga/descarga e armazenagem;
• elementos de apoio operacional, como abastecimento, manutenção,
reparação e estacionamento de veículos;
• elementos de apoio administrativo, profissional e social, como gerência,
tesouraria, restaurante/lanchonete, banheiros, lojas de conveniência, etc.;
• elementos de vedação, controle e segurança pessoal, operacional e
patrimonial, como cercas, portarias, ambulatório, policiamento, bombeiros, etc.:
• sistemas viários internos, para acessibilidade às diferentes áreas do terminal
e estacionamento de veículos de transporte e de serviço;
• conexões a serviços de utilidade pública, como energia, telecomunicações,
água potável e industrial, esgotos pluviais e sanitários e remoção de lixo;
• elementos de proteção ambiental interna e externa, como dispositivos anti -
ruídos, deposição de poeiras, retenção e/ou filtragem de poluentes, etc.
• elementos de paisagismo, de forma a integrar o terminal ao ambiente urbano
ou rural exterior, sem choques estéticos.
3.4.3 – Componentes construtivos
Quanto às construções, pode-se classificá-las como de:
• operação de transporte: as que se relacionam especificamente com a
operação dos modais que acessam o terminal, como postos de abastecimento e
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
12/62
revisão, estações de recepção, controle e despacho de veículos ou
composições, oficinas de manutenção, etc.;
• armazenagens de carga: que se subdividem em cobertas, ao ar livre e
tancagens.
As COBERTAS se agrupariam em:
- armazéns tradicionais, fechados e com plataformas de acesso;
- galpões fechados ou abertos, em pórticos estruturais;
- silos verticais e horizontais, com carga por gravidade de graneis.
As AO AR LIVRE se classificariam em:
- pátios pavimentados, com ou sem vedação interna;
- áreas terraplenadas, com ou sem vedação interna.
As TANCAGENS seriam:
- fechadas, podendo ser comuns ou de pressão;
- abertas, ainda que, em certos casos, com tampa removível;
• administração: abrigando as funções de gerenciamento do terminal;
• complementares: como portarias, segurança, postos de comunicação,
lanchonetes, lojas de conveniência, bancos, etc.
3.4.4 – Instalações e equipamentos genéricos
Quanto às instalações e aos equipamentos, podem ser de dois tipos: vinculados
diretamente ao transporte e à armazenagem, e decorrentes das interfaces com o
ambiente externo.
Entre os tipos vinculados diretamente ao transporte e à armazenagem, podem ser
citados:
1. de embarque, como plataformas fixas e móveis, recuperadoras
(“reclaimers”), bicas, esteiras rolantes, guindastes, pórticos e tubulações;
2. de desembarque. como moegas, guindastes de gancho ou de caçamba,
pórticos, “car e truck dumpers”, empilhadoras (“stackers”), etc.;
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
13/62
3. de movimentação horizontal: tratores, locomotivas de manobra, cavalos
mecânicos e carretas, plataformas, correias transportadoras, pórticos, pontes
rolantes, roletes, parafusos sem fim, “redlers”, etc.;
4. de movimentação vertical: guindastes, pórticos, guinchos, chutes, elevadores
de prancha e de caneco, caçambas, empilhadeiras, etc.;
5. de movimentação mista: bombas, teleféricos, sistemas pneumáticos e
mecânicos;
6. de movimentação especial: como as pás aeradoras.
7. de pesagem fracionada (mecânica ou eletrônica, estática ou dinâmica) e
integradora (eletrônica);
8. de embalagem: comandada por unidade, ou automática;
9. de secagem: comandada por tempo ou automática, resultante de
combustíveis sólidos, líquidos e gasosos, por eletricidade, aeração ou por
energia solar;
10. de desinfeção: como fumigadores, injeção de gases, lavagem, etc.;
11. de seleção ou mistura: por dimensão, atributos físico-químicos ou por
formulação.
Quanto às de conexão com interfaces externas, tem-se:
• subestação transformadora e distribuidora;
• central de telecomunicação por telefone, telex, fax, rádio e rede interna;
• hidrômetros, reservatórios,, hidrantes e rede de abastecimento interno e
rede anti-incêndio;
• bueiros, caixas de inspeção, rede de drenagem pluvial;
• de despoluição ambiental: como filtros, drenos retentores, aspersores
contra difusão aérea, purificadores de emissão de gases.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
14/62
Quanto aos equipamentos em si, serão melhor vistos ao se tratar
especificamente de terminais de cada modal, em particular os rodoviários;
A título de exemplificação, no projeto do Terminal Intermodal do Rio de Janeiro,
projeto este não concretizado, havia uma área total de 1,7 milhões de metros
quadrados para uma primeira fase, que teria a seguinte distribuição:
- acessos modais 10,59%
- áreas operacionais modais 48,98%
- áreas de apoio técnico, administrativo, social 10,47%
- sistema viário interno e redes de utilidades 13,89%
- áreas de segurança e controle 0,31%
- áreas para expansão 15,76%
3.5 - Bases para dimensionamento de instalações
3.5.1 – Mercadorias de pátio
Geralmente as mercadorias de pátio, formadas por graneis sólidos não -
higroscópicos, nem solúveis, são estocadas por empilhamento em formas
geométricas que tem como determinante seu ângulo de repouso (α ). As formas
mais usuais são: cone, tronco de cone. pirâmide de base quadrada, tronco da
mesma pirâmide, prisma triangular e cunha, que é um prisma triangular
arrematado nas duas extremidades por meia pirâmide quadrada. Os volumes
calculados de mercadoria empilhada para cada uma destas formas se dão nas
fórmulas a seguir, relativas às Figuras 3.01 e 3.02.:
1. cone: Vc = 0,00423.C³.tgα onde C é a circunferência; outras fórmulas:
Vc = 0,262 D² H = 0,131.D³.tgα; D diâmetro da base e
H altura do cone
2. tronco de cone: Vtc=Vcr1-Vcr2 = 0,131(D³-d³) tgα
onde D é diâmetro da base e d diâmetro da seção
superior;
3. pirâmide quadrada: Vp = 1/3 A² H onde A é o lado
da base e H a altura ou ainda Vp = 1/6 A³ tg α;
Figura 3.01
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
15/62
4. tronco de pirâmide quadrada: Vtp = Vpa1-Vpa2 ou seja o volume
do que seria a pirâmide maior menos o da pirâmide menor superior, :
Vtp = 1/6(A³ - a³) tg α;
5. prisma triangular: Vpt = CL onde L é o comprimento
do prisma e C = 1/2 AH, onde A é a largura e H a altura,
ou ainda Vpt = 1/4 A² tg α;
6. prisma triangular truncado: é um prisma triangular
secionado por um plano paralelo à base, eliminando um prisma
triangular superior menor. Vptt = (C-c) L ou Vptt = L/4 (A² - a²) tg α.
As duas últimas formas são as mais usuais para o empilhamento de minérios e de
carvão, pela facilidade com que são executadas pelas empilhadoras de grande
porte - “stackers” - e agilização das medições.
Deve-se evitar sempre o empilhamento anárquico, que dificulta a estimativa de
medição, a movimentação do produto, além de dar um toque indesejável de
desarrumação aos pátios do terminal.
No caso particular do carvão, em países com temperaturas elevadas como o
nosso, é necessária a colocação de aspersores de água - “splinkers” - para evitar
combustão expontânea além da difusão eólica poluidora, comum em todos os
climas; no caso de minérios pulverulentos para reduzir ou eliminar a difusão aérea,
fonte de poluição ambiental, especialmente onde reinam ventos fortes e
freqüentes.
3.5.2 - Mercadorias de Estocagem Fechada
São aquelas que utilizam instalações fechadas para sua armazengem nos
terminais, em edificações tais como armazéns, silos, tanques e galpões. O
dimensionamento destas instalações depende do conhecimento que se tenha dos
fluxos a serem recebidos, em termos de produto, embalagem, veículo de chegada,
calendário de entrega, e necessidades técnicas de manipulação e armazenagem
do lado das entradas em estoque; do lado do despecho de saída, depende do
veículo de saída, quantidades a movimentar, calendário de partida e necessidades
técnicas de movimentaçãp e carga.
Figura 3.02
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
16/62
Em termos teóricos, estimados os fluxos de entrada e de saída ao longo de um
período, a capacidade necessária de armazenagem é função do gráfico básico da
Figura 3.03 a seguir
Figura 3.03 - Previsão da Capacidade de Estocagem Fechada
Para maior segurança, tendo em vista a probabilidade de atrasos dos veículos ou
de avarias nos sistemas do terminal, usa-se um coeficiente de segurança na
determinação do valor de implantação, valor este que será função de cada
situação em particular, baseado na política mercadológica da empresa e na sua
experiência operacional..
Os tradicionais armazéns para carga geral, em especial os de sacaria com
manipulação manual, tem piso plano e portas amplas de correr, com fechamento
externo seguro nas faces de acesso, de um lado para carga e outro para
descarga, geralmente com plataformas externas cobertas. A largura do armazém
nesta hipótese deve ser no máximo de 12 m. Devem ter altura suficiente para
abrigar as pilhas admissíveis para aquele produto com aquela embalagem, tendo
ademais um tirante de ar para manter a correta ventilação, natural ou
induzida..Cuidado especial deve ser dado à iluminação, fator imprescindível para
uma operação eficiente e segura. Corredores internos de manipulação devem ser
pintados no piso, com dimensões suficientes para a operação de movimento e
empilhamento previsto.
Vai-se tornando usual nos depósitos fechados de maior movimentação,
especialmente quando estocam caixas ou peças de dimensões pequenas ou
médias, a colocação de conjuntos paralelos de prateleiras metálicas, com acesso
por empilhadeiras automatizadas, comandadas ou não por computador, operando
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
17/62
nas três dimensões do espaço entre os conjuntos de armazenagem e as portas de
acesso, podendo operar de forma totalmente automática.
No Capítulo 6 referente a Terminais Rodoviários, como foi dito anteriormente,
encontram-se outros detalhes sobre construções e equpamentos para terminais de
carga.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
18/62
Capítulo 4 - Terminais Portuários
4.1 - Tipologia e componentes de um porto organizado
Na modalidade aquaviária, seus terminais recebem uma primeira classificação
segundo o corpo de água em que se situam. Desta forma, tem-se:
1. terminais marítimos: situados em área de mar, podendo ser ao longo da
costa, perpendicular à mesma, plataforma afastada com passarela de acesso,
em ilha artificial afastada da costa ou em forma de bacia interna, fechada ou
aberta;
2. terminais fluviais: construídos nas margens de um rio ou a elas ligados;
3. terminais lacustres: implantados nas margens de um lago ou a elas
vinculados.
Quanto à finalidade, os portos se agrupam nas seguintes categorias:
- comerciais: podendo ser de passageiros, carga ou mistos;
- de serviço: como os pesqueiros, os de reparos e os de abastecimento;
- militares: que são as bases navais e de guardas-costeiras;
- de lazer: representados principalmente pelas marinas.
Um porto é formado por distintos componentes, naturais ou construtivos, que se
classificam em 4 blocos:
• anteporto: constituído essencialmente por duas partes:
• canal de acesso;
• fundeadouros;
• porto propriamente dito, englobando:
• bacia de evolução;
• cais com faixa de atracação e movimentação terrestre;
• estação de serviços (local de atracação de rebocadores, cábreas,
pontões de serviço e embarcações de polícia e de bombeiros);
• retroporto: que por sua vez se subdivide em:
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
19/62
• armazenagem, que pode ser externa ou de pátio, e interna em
armazém ou galpões, silos e tancagem;
• acessos terrestres, com os diferentes modais que se conectam;
• instalações auxiliares, como as redes de utilidades, v.g. água potável e
industrial, eletricidade em alta e baixa tensão, telecomunicações,
incêndio, segurança, manutenção, estiva e capatazia;
• administração, em seus diferentes segmentos como Autoridade
Portuária, fazendária (SRF), naval( DPC), policial( PF), trabalhista (DTM)
e sanitária (MS e MA); e operadores portuários e OGMO;
• obras complementares: que compreendem entre outras partes:
• balizamento das rotas, com bóias, faroletes, refletores de radar, rádio-
ajudas, etc.;
• quebra-mares, para proteção contra o impacto das ondas;
• marégrafos, para registro da amplitude das marés ao longo dos anos,
de forma a facilitar sua previsão.
No que tange à concepção do projeto de engenharia, os tipos principais de portos
marítimos são:
1. ao longo da costa, podendo ser paralelos à mesma (os cais
tradicionais), ou perpendiculares ("piers”), em ambos os casos com ou
sem proteção contra ondas;
2. no mar (“offshore”), que se subdividem nos subtipos plataforma fixa-
passarela e de pontão ou flutuante;
3. no interior da costa (“inshore”), cujo acesso ao mar pode ser por canal
livre ou por eclusa;
4. ilhas artificiais, com transferência à costa por alvarengas ou chatas;
5. duques d’Alba ou “dolphins”, estruturais pontuais de atracação, no
mar, usadas por vezes para transferência a embarcações menores, para
carga ou descarga;
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
20/62
6. bóias fixas ou monobóias, para carga ou descarga de graneis líquidos,
através de bombeamento por tubulações;
7. fundeadouros operacionais, onde o navio ancora na espera de
transbordo, e então executa carga ou descarga por transferência a
embarcações de menor porte.
A Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento,
conhecida mais por sua sigla em inglês _ UNCTAD, adota uma classificação que
vincula o terminal portuário com o seu entorno sócio-econômico, dividindo-os em 3
grupos, a saber:
portos de primeira geração - antenados apenas na execução de suas
funções básicas de acesso, carga, descarga e estocagem;
portos de segunda geração - que, ademais se preocupam em gerar em seu
entorno usuários comerciais e industriais de suas facilidades, tornando-se
um centro portuário regional;
portos de terceira geração - empenhados em se entrosar estreitamente com
seu hinterland, visando tornar-se o motor de seu desenvolvimento e um
centro de serviços logísticos para a comunidade envolvida.
Desde a chegada da embarcação ao acesso portuário até sua saída do mesmo, se
processam geralmente as seguintes operações:
• recepção do aviso de chegada do navio por comunicação via rádio à
administração do porto;
• execução da praticagem, com envio do prático ao navio, seguido da
condução da embarcação ao interior do porto, com ou sem rebocagem;
• inspeção pelos representantes dos órgãos de controle do cumprimento
das exigências legais por parte do navio;
• manobra de aproximação na bacia de evolução;
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
21/62
• atracação ao berço designado;
• preparação da operação de carga ou descarga;
• operação de movimentação da carga;
• preparação para o zarpe;
• liberação do navio para o zarpe pela Capitania;
• desatracação;
• praticagem e rebocagem, se necessária,. para saída do porto.
Para que as operações de manobra dos navios se efetuem em segurança, é
preciso que canal, bacia de evolução, fundeadouro e cais tenham dimensões
mínimas segundo o “navio de projeto” que tenha servido de padrão ao
dimensionamento do porto. Chamando de “b” a boca deste navio, “l” seu
comprimento total e “c” seu calado máximo, as dimensões mínimas deveriam ser
as seguintes:
- largura do canal: 5b ou seja ½b + b + 2b + b + ½b ;
- diâmetro da bacia de evolução: 1,8 l ;
- largura de cada fundeadouro: 3b ;
- profundidade de cais, canal, bacia e fundeadouro: c + 1,5 m na maré
vazante de sizígia, ou seja em novilúnio o plenilúnio.
Os berços de atracação devem ter de comprimento 10% mais que o comprimento
total do navio de projeto, de modo a permitir boa fixação das espias aos cabeços
de amarração.
Para se ter uma idéia destas medidas nas Tabelas a seguir se dão valores
dimensionais de navios marítimos (Tabela 4.01) e chatas fluviais (Tabela 4.02):
Tabela 4.01 - Dimensões de Graneleiros Oceânicos
TPB(*) COMPRIMENTO BOCA CALADO CUSTO MÉDIO/DIA
(10³) (m) (m) (m) (US$)
30 185 25 10 14900,00
50 205 27 11 21100,00
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
22/62
100 255 37 15 31500,00
150 285 43 18 44800,00
200 300 50 25 52800,00
250 330 53 28 60800,00
Fonte: Estatísticas de construção naval da revista “Fairplay” da Inglaterra.
(*)" tonelagem de porte bruto": carga + combustível + água + rancho + tripulação + bagagens + paiol
(em inglês "tdw" ou tonnage of dead weight). .
Tabela 4.0 2 - Dimensões de Chatas Fluviais
PRODUTO TPB COMPRIMENTO BOCA CALADO BACIA
bauxita 2000 61 m 11 m 3.4 m Amazonas
cimento 2200 75 m 14 m 3.5 m Paraná
min. ferro 4000 80 m 16 m 4.0 m Doce
calcário 900 50 m 11 m 2.3 m Tietê
soja 3500 90 m 16 m 3.6 m Jacuí
(automotor) 2000 85 m 14 m 2.5 m Jacuí
FONTE: PROJETOS DIVERSOS DE NAVEGAÇÃO INTERIOR PARA AS RESPECTIVAS BACIAS.
Os canais fluviais devem ter como dimensões mínimas de largura 4b e de
profundidade c+1,0 m. Tem que se examinar a inscrição em curvas.
Tanto no caso marítimo como no fluvial e lacustre, se deve ter em mente para o
dimensionamento do terminal quais as cargas com origem ou destino no mesmo,
através de pesquisa de mercado em seu hinterland, quais são os navios de projeto
dos terminais no outro extremo das rotas previstas, para se evitar tanto o
sobredimensionamento como o subdimensionamento das instalações neste
terminal em implantação.
2 - Dimensionamento Operacional de Berços e Retroporto
Atualmente este dimensionamento se baseia em modelos de simulação digital,
que podem ser específicos para portos como o SIMPORT, ou aplicativos genéricos
como o Arena Profissional, ou os diversos procedimentos que usam o Método de
Monte Carlo ou das frequências relativas.
De um modo ou de outro todos tem como fundamento central a Teoria de Filas,
tema de outro segmento deste Curso de Extensão. Aqueles terminais portuários
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
23/62
em que tem significativa proporção os navios "tramps", como sucede nos
exportadores de granéis agrícolas, tendem a ter como modelagem chegadas
aletórias de corte poissoniano, em quanto que os tempos de serviço dos
equipamentos de carga, descarga e movimentação normalmente se distribuem
como exponenciais. Os terminais com chegadas mais regulares, como os de
empresas privadas com frota própria e rotas bem definidas tendem a serem
expressos por chegadas erlanguianas e tempos de serviço que seguem uma
distribuição normal. Em qualquer dos casos, as falhas técnicas tendem a se
ajustar a uma distribuição de Weibull, com maior freqüência nas fases de
"infância" e "velhice" dos equipamentos, e menor na "maturidade" de sua vida útil,
pela escolha adequada de seus três parâmetros variáveis: de forma, de escala, de
posição..
Assim que para a situação mais comum, que é de 1 berço genérico, com
chegadas poissonianas e tempos de serviço distribuidos segundo uma
exponencial, podem ser aplicadas as seguintes variáveis, com as fórmulas que as
regem em Teoria das Filas:
razào de chegada dos veículos: λ λλ λ
razão de serviço de postos: µ µµ µ
fator de utilização: ρ ρρ ρ = λ λλ λ / µ µµ µ
conversor para Erlang de ordem k : α αα α = (1+k) / 2k
probabilidade de estar livre o posto: P
0
= 1 - ρ ρρ ρ
probabilidade de n usuários no sistema: P
n
= P
0
.ρ ρρ ρ
n
comprimento médio da fila de espera: L
q
= ρ ρρ ρ² / (1-ρ ρρ ρ)
tempo médio de espera na fila: W
q
= λ λλ λ / µ µµ µ(µ µµ µ - λ λλ λ)
Se houver vários postos de atendimento ou estações de serviço, tem-se mais:
número de estações de serviço: s
fator de utilização das s estações: ρ ρρ ρ = λ λλ λ / sµ µµ µ
probabilidade de nenhum usuário:
probabilidade de n usuários no sistema:
se 0 <= n <= s P
n
= [(λ λλ λ / µ µµ µ)
n
/n!] P
0
( )
( ) ( )
(
¸
(

¸

+ = −


=
) / / 1 /( 1 ! / / ) ! / ( / / 1
1
0
s s n
s n
s
n
µ λ µ λ µ λ
0
P
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
24/62
se n >= s P
n
= [(λ λλ λ / µ µµ µ)
n
/ (s!s
n-s
)] P
0
comprimento médio da fila de espera: L
q
= [P
0
(λ λλ λ / µ µµ µ)
s
ρ ρρ ρ] / [s!(1- ρ ρρ ρ)²]
tempo médio de espera na fila: W
q
= L
q
/ λ λλ λ
Estas fórmulas, com os parâmetros correspondentes, também se aplicam ao
retroporto, seja para previsão da movimentação dos veículos externos e internos,
seja para operação de equipamentos.
Muitos dos aplicativos específicos de simulação da operação portuária imbutem
em seus programas estas formulações.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
25/62
Capítulo 5 - TERMINAIS FERROVIÁRIOS
5.1.- Tipologia
A classificação dos terminais ferroviários de carga pode ser apresentada sob
diversos pontos de vista, tais como:
_ do nivelamento de suas linhas, sendo neste caso classificados em
_pátios de nível ou planos;
_pátios de gravidade ou de rampa.
_ da localização no sistema modal, podendo ser:
_nas extremidades dos trechos ou finais;
_internos aos trechos ou intermediários.
_da utilização operacional, divididos em
_pátios de cruzamento de trens;
_pátios de formação, revisão e abastecimento;
_pátios de carga e descarga intermediárias ou finais;
_pátios especializados;
_pátios particulares.
_do seu esquema de linhas, tais como
_pátios planos simples;
_pátios planos compostos ou setoriais;
_pátios de ponta;
_pátios em pêra;
_pátios de gravidade de rampa única;
_pátios de gravidade de rampa múltipla;
_pátios mistos de carga e de passageiros;
_pátios de quebra de bitola;
_pátios fronteiriços de controle aduaneiro e troca de tração.
5.2.- Funções Operacionais dos Pátios:
Empregando os tipos acima especificados isoladamente ou combinados por
subpátios, pode-se realizar diferentes funções que se executam nos pátios
ferroviários, como sejam:
a) carga/descarga de mercadorias ou seu transbordo a outros vagões ou
mesmo a veículos de diferente modal;
b) cruzamento de trens;
c) regularização do tráfego de toda uma linha;
d) revisão e manutenção de viagem de vagões e locomotivas;
e) abastecimento de locomotivas diesel ou a carvão;
f) desinfeção e limpeza de vagões;
g) troca de equipagens;
h) reforço e/ou troca de tração.
Os subpátios, também chamados de setores, mais usuais em um pátio ferroviário
de maior complexidade são:
a) setor de recepção/expedição, que é o regulador entre as linhas de
acesso e o pátio propriamente dito;
b) setor de decomposição, classificação e formação;
c) setor de estacionamento;
d) setor de carga e descarga;
e) setor de preparação ou ordenação;
f) setor de abastecimento, manutenção e reparos leves.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
26/62
5.3- Análise dos Vagões no Pátio
O primeiro item a estudar é a permanência dos vagões no pátio, fator ponderável
na economicidade do transporte ferroviário e nas finanças da empresa, de vez que
o vagão só gera receitas quando carregado e em movimento, devendo portanto
cingir a permanência dos mesmos nos pátios ao mínimo compatível com a
operação a ser executada neste local.
Esta permanência costuma ser classificada em dois casos:
_permanência ativa ou seja quando se está operando no vagão em análise;
_permanência passiva ou seja quando está imobilizado aguardando uma
operação.
Outro enfoque é ver se o que está ocorrendo naquele momento com o vagão se
deve a "fatores normais de permanência" ou a "fatores anormais de permanência".
Esta classificação se decompõe da seguinte forma:
1) fatores normais de permanência:
1.1) carga e/ou descarga;
1.2) revista de locomotivas e de vagões;
1.3) manobras para permitir a operação;
1.4) troca de tração e/ou equipagem;
1.5) abastecimento das locomotivas (óleo e água para as diesels,
areia para todas);
1.6) documentação e licenciamento;
1.7) teste de freios.
2) fatores anormais de permanência:
2.1) acidentais
2.1.1) acidentes interrompendo a via;
2.1.2) acidentes com o trem.
2.1.3) remoção de locomotivas e vagões avariados.
2.2) estruturais
2.2.1) insuficiência ou despreparo da dotação;
2.2.2) ineficiência do esquema das linhas de pátio;
2.2.3) insuficiência ou ineficiência dos equipamentos de pátio;
2.2.4) deficiência operacional do Centro de Controle da área.
5.4- Etapas do Planejamento de um Novo Terminal Ferroviário
Quando se pensa em implantar um pátio ferroviário de carga, normalmente se
seguem passos que a experiência demonstrou serem eficientes na consecução
deste objetivo. As etapas correspondentes são:
a) definição da filosofia do projeto;
b) seleção da macrolocalização da área do projeto;
c) formação do banco de dados técnico-econômicos disponíveis;
d) estudo da oferta e da demanda;
e) formulação do modelo operacional;
f) geração por simulação e seleção da melhor alternativa;
g) projeto executivo construtivo e operacional
Esta metodologia é essencialmente multidisciplinar, envolvendo aspectos tão
diversos, como os relativos a
_tecnologia ferroviária e de manejo de cargas;
_arquitetura;
_urbanismo;
_estatística/pesquisa operacional/simulação;
_economia regional,
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
27/62
_mercadologia.
Em uma etapa inicial de pré-projeto pode-se empregar fórmulas bastante simples,
tanto de Teoria de Filas para estimar acessibilidade dos trens e caminhões, assim
como das fórmulas que relacionam a demanda ferroviária ao comprimento das
linhas necessárias para atendê-las, que permitem se dispor de números básicos,
refinados com o desenvolvimento do projeto.
Estes parâmetros iniciais relativos ao comprimento total de linhas do pátio,
necessário para atender à demanda prevista de vagões referem-se aos setores
mais expressivos do mesmo. O primeiro diz respeito ao "setor de estacionamento
de vagões", onde se efetuam as operações de carga e descarga, e o segundo ao
"setor de recepção/expedição de vagões", onde os trens que chegam tem seus
vagões separados por tipo de operação no pátio, e os vagões que já foram
operados ou serão transferidos aguardam a formação dos trens respectivos.
Evidente que existem ademais linhas apenas de manobras e abastecimento, e
hastes para .para receber vagões avariados e estacionar locomotivas do pátio ou
em espera de formação de novos trens.
No planejamento de um terminal de carga em nível as variáveis fundamentais são:
• número de trens que entram ou saem, por sentido da linha principal e
por dia;
• número de vagões que entram e saem por dia;
• tempo médio de permanência dos trens no terminal, expresso em horas;
• tempo médio de permanência dos vagões no terminal, em horas;
• existência de instalações auxiliares como postos de manutenção de
locos e vagões e/ou de abastecimento.
Falavinha propõe o seguinte fluxograma para planejamento de um terminal de
carga de certa complexidade::
Muitas das ferrovias brasileiras que fizeram parte da RFFSA usam um sistema
bastante simples para estimar o comprimento destas diversas linhas. Assim que
para os feixes de Recepção e Expedição, o comprimento útil (L
RE
), com uma
composição estimada para o maior trem em circulação no trecho de "A" vagões de
comprimento médio "B", tracionado por "C" locomotivas de comprimento médio "D"
, se determina pela expressão:
L
RE
= (A x B) + (C x D)
Linha Tronco
Recepção Classificação Decompos
.
Direção Expedição
Vagões
avariados
Posto de
Manutenção
Manobras e operação
Haste Haste
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
28/62
A este valor se agrega a distância dos marcos de gabarito existentes em cada
extremidade da linha, distância que depende do tipo de aparelho de mudança de
via ou "chave" empregado.
Para se prever o número de linhas necessárias em cada um dos destes feixes
(N
RE
) usa-se a expressão:
N
RE
= K (H
OL
/ H
D
) onde
H
OL
são as horas de ocupação da linha por trens que tenham origem,
destino ou passagem com permanência prevista no dia de maioir demanda;
H
D
são as horas de disponibilidade diária ao tráfego das linhas em exame;
K fator de correção para manutenção das vias, em geral 1,25
As linhas de classificação servem para movimentar os seguintes vagões:
originados carregados, originados vazios, terminados carregados,
terminados vazios, os de passagem, vazios ou carregados, em permanência
no terminal.
O comprimento útil estimado destas linhas é calculado pela expressão:
L
c
= K(E.F)/(R
R
.R
A
) onde
L
c
é o comprmento útil necessário;
E total de vagões a serem manobrados no mês de pico;
F comprimento médio dos vagões;
R
R
relação de revezamento, definida mais adiante;
R
A
relação de aproveitamento, também adiante definida;
K fafor de correção relativo à manutenção das linhas.
A relação de revezamento indica o número diário médio de vezes que uma linha
de classificação será ocupada, ou seja a divisão das horas diárias disponíveis pelo
número de horas diárias de ocupação, dadas pelo tempo decorrido entre a entrada
e a saída de vagões do trecho.
A relação de aproveitamento é derivada da experiência desta operação e
normalmente adota-se R
A
= 0,75.
Para as linhas de carga e descarga usam-se geralmente distribuiçoes de tempo de
operação com parâmetros médios de atendimento.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
29/62
Capítulo 6 - Terminais Rodoviários
6.1 - Análise Sistêmica
a) Primeiro passo: ter como função-objetivo minimizar o tráfego pesado de carga
no Sistema Viário Urbano - SVU, resguardando outros usuários;








b) Segundo passo: verificar as interfaces a estudar
b.1 - interface SU ↔ STR, expressa pelas normas de uso do solo.
b.2 - interfaces com os serviços públicos que são insumos básicos:
• energia;
• água;
• esgoto;
• comunicações;
• serviços externos de apoio e mão de obra disponível.
c) Terceiro passo: controle ambiental
• poluição aérea;
• poluição sonora;
• poluição visual;
• poluição residual de solo e das águas de superfície e subterrâneas.
d) Quarto passo: compatibilizar a acessibilidade entre SVU ↔ STR
• externa - com o Sistema Viário Interurbano;
• interna - com o Sistema de Transporte Urbano
Por via da compatibilidade de fluxos (Capacidade viária existente >= (tráfego
existente + tráfego desviado +tráfego gerado)) preservar nível de serviço e manter
a acessibilidade da população cativa.
6.2 - Esquema de Planejamento dos Terminais Rodoviários Complexos
a) Planejamento físico e arquitetônico:
• adequação ao uso do solo e ao sistema viário;
• adequação ao padrão urbano;
• definição do partido arquitetônico;
• pré-dimensionamento das unidades em função da demanda;
• esquema físico preliminar.
b) Anteprojeto civil:
• análise topohidrogeológica;
• definição estrutural e pré-dimensionamento;
• sistema hidráulico (água potável, industrial e de combate a incêndio);
• sistema sanitário (águas pluviais, esgotos sanitários, resíduos
industriais);
• sistema viário de acesso e interno.
c) Anteprojeto eletromecânico:
• rede de Alta Tensão de entrada/subestação/rede de Baixa Tensão de
Sistema
urbano
Sistema viário
interurbano
Sistema viário
urbano
Sistema
“Terminal”
rodoviário
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
30/62
distribuição;
• sistema de bombeamento;
• equipamentos mecânicos fixos e móveis;
• oficina de reparação:
• iluminação.
d) Anteprojeto de sistemas:
• comunicações:
− telefone;
− fax/telex;
− rádio;
− teleprocessamento;
• ar condicionado;
• controle ambiental;
• segurança via eletrônica (em especial contra incêndio e roubo).
6.3 - Principais Partes Componentes
a) acesso viário: aproximação e espera de entrada:
- padrões AASHO ou similar de uso local;
- aproximação em nível ou não ( função dos fluxos direto ou de passagem e
cativo);
- espera de entrada paralela e perpendicular; chegadas em geral
poissonianas;
- atendimento na portaria quase sempre exponencial. Separar entradas para
veículos de carga / automóveis / pedestres
λ = razão média de chegada de caminhões ( caminhão/hora )
µ = razão média de recepção e pesagem ( caminhão/hora)
λ λλ λ < µ µµ µ : 1 guarita
λ λλ λ ≥ ≥≥ ≥ µ µµ µ : mais de uma guarita
Meta mínima de atendimento: 80% dos casos:
• probabilidade de não haver fila em 1 guarita: P
0
1 = −
λ
µ
• probabilidades consecutivas:

P P
n
n
0
=
|
\

|
¹
|
λ
µ
.
Exemplo: λ = 20 caminhões/hora
µ = 30 caminhões/hora
Probabilidades: Freqüência simples Freqüência acumulada
P
0
= 1 - 0,67 = 0,33 0,33
P
1
= 0,67 x 0,33 = 0,22 0,55
P
2
= 0,67
2
x 0,33 = 0,15 0,70
P
3
= 0,67
3
x 0,33 = 0,10 0,80
Fórmula para “k” entradas, chegadas poissonianas e atendimento exponencial.
P
n k
k
k
n
k
n k
0
0
1
1
1 1
=
|
\

|
¹
|

¸

(
¸
(
(
+
|
\

|
¹
|

¸

(
¸
(
( =



! !
.
.
λ
µ
λ
µ
µ
µ λ
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
31/62
Para n < k → ocupação média P
k
e P
n
P
k n
n
= =
|
\

|
¹
|
λ
µ
λ
µ . !
.
1
0
Para n ≥ ≥≥ ≥ k → ocupação média igual e P
k k
P
n n k
=
|
\

|
¹
|

1
0
!
.
λ
µ
Exemplo: n=8 caminhões/dia, ou λ= 8/24=0,333 ; k=3 descargas ; 6
horas/caminhão ou µ=1/6=0,167
( )
( )
P
k
=
×
=
×
=
0 333
3 0 167 3
0 666
8
24
1
6
,
,
, ou P
0
= 1 - 0,666 = 0,333 e P
8
= 5.85%
6.4 - Armazéns Rodoviários
a) Estrutura mais econômica possível, de preferência modular;
b) Tirar partido da altura (empilhadeira vertical: 10 a 12m);
c) Reduzir ao máximo vias internas (equipamentos de trilhos roletes, pontes
rolantes);
d) Arquitetura respeitando a movimentação natural da mercadoria (recepção e
despacho em faces distintas);
e) Permitir expansão sem interrupção da operação;
f) Respeitar condições de ventilação, iluminação e anti-incêndio;
g) Minimizar impactos ambientais, como sons e emissões.
As figuras 3 e 4 da continuação mostram concepções genéricas e práticas destes
conceitos.
Estocagem
e
Preservação
Conferência,
Pesagem e
Assignação
Busca,
Pesagem e
Emissão
Entrada Distribuição
Expansão
Módulo
Figura 3 - Terminal de Coleta de Carga em Módulos
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
32/62
Entrada Saída
D
i
s
t
r
i
b
u
i
ç
ã
o
SP Resto do
Brasil
PR/MG/GO/MT
Recepção
Via Urbana
Figura 4 -Terminal de Coleta na Grande São Paulo e Distribuição no Resto do País
Dados Médios de Manuseio
a) Terno Simples (3 homens);
• 700 sacos ≈ 3 horas ( média do dia ).
b) Terno Composto (7 homens = 2 x 3 + 1 arrumador);
• 700 sacos ≈ 1 1/3 horas ( média do dia.)
c) Serviços mecanizados: (10 a 20% do tempo para manutenção).
• Guindaste com lingada: ± 100 t/h;
• Transportadores móveis de correia para sacaria: ± 200 t/h;
• Pallets: ± 300 a 500 t/h;
• Graneis sólidos:
• Pás carregadeiras: 800 a 3.000 t/h;
• Stacker/reclaimer: 1.000 a 16.000 t/h;
• Clamshell: 800 a 1.600 t/h;
• Graneis líquidos: 1.000 a 10.000 t/h;
Em geral: carga mais rápida que descarga (investimento regular).
6.5) Exemplo de Problema de Armazéns Rodoviários
Em um armazém geral rodoviário se recebem caminhões de soja de 3 tipos com
sacaria:
• A: 600 sacos de 50kg e 48% da frota;
• B: 400 sacos de 50kg e 32% da frota;
• C: 300 sacos de 50kg e 20% da frota;
Simular o tempo de descarga de 2000t em função de uma mão-de-obra de três
ternos simples, em turnos de 6 horas e trabalhando de 06:00 às 18:00hs e há um
intervalo de 15 min entre atendimentos consecutivos, não havendo outra demora,
pois há fila permanente.
Começar calculando as faixas de números aleatórios do tipo de caminhão a
empregar em uma simulação Monte Carlo (NA1):
600 sacos de 50 kg ou 30 t: 000 a 479
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
33/62
400 sacos de 50 kg ou 20 t: 480 a 799
300 sacos de 50 kg ou 15 t 800 a 999
Rota metodológica:
Montar uma planilha, por exemplo no Excel, com primeiros atendimentos às
06:00, tipologia dos caminhões por distribuição uniforme, variação da
produtividade dos ternos entre -15% e +5%, variação de -5% e +10% nos
intervalos consecutivos, intervalo de 20 min entre 11:50 e 12:10 para troca
de turnos.
6.6 - Pátios Rodoviários de Armazenagem
É frequente que os terminais rodoviários de carga trabalhem com as chamadas
mercadorias de pátio, ou seja aquelas que ficam depositadas ao ar livre oou
mesmo, em alguns casos, em galpões com as laterais abertas. São principalmente
constituidas por graneis sólidos e ficam armazenadas por empilhamento, em geral
mecanizado, em formas geométricas que se utilizam do ângulo de repouso destes
produtos, como forma de evitar seu deslisamento,
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
34/62
6.6.1- Formas Geométricas em função do ângulo de repouso(α αα α):
a) cone e tronco de cone:
D = 2R V
c
= 0,00423 C
3
tg α
d = 2r = 0,262 D
2
H
= 0,131 D
3
tg α
= 1,047 H
3
C tg
2
α
V
tc
= V
CR
- V
cr
= 0,131(D
3
-d
3
) tgα
b) pirâmide e tronco de pirâmide:
Vp = (1/3)A
2
H
= (1/6) A
3
tgα
= (4/3) H
3
cotg
2
α
Vtp = V
pA
- V
pa
= (1/6)(A
3
-a
3
) tgα
c) prisma triangular inteiro e truncado:
V
pt
= C L
C = (1/2)AH
= (1/4)A
2
tgα
= H
2
cotgα
V
ptt
= (C-c)L
= (L/4)(A
2
- a
2
)tgα
d) cunha : ∑ [prisma triangular(l,A,H)]+[pirâmide quadrada(A,A,H)]
ou [cone(r = A/2)]
α αα α
H
L
h
A
a
H
α αα α
A
α αα α
r
H
h
R
C
α αα α
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
35/62
V
cL
= Cl + V
p
= CL-(1/2)V
p
V
CA
= Cl + V
c
= CL - 0,91 V
c
C = (1/2) AH
= (1/4)A
2
tgα = H
2
cotα
V
p
= (1/3) A
2
H = (1/6)A
3
tgα
= (4/3) H
3
cotα
V
c
= 0,262 D
2
H = 0,131 D
3
tgα
= 1,047 H
3
cotα
6.7 - Estocagem em Silos para Graneis Sólidos:
1) pressão do fundo segue leis dos semifluidos;
2) pressão lateral 0,3 a 0,6 da pressão vertical e ≈ uniforme quando h
s
≈3d;
3) pressão dinâmica = 1,10 pressão estática;
4) orifícios de saída pelo fundo: centrais;
5) orifícios de saída laterais: pressão 2 a 4x pressão na parede oposta;
6) pressão lateral máxima no enchimento rápido;
7) descarga constante independente da pressão e é ≈ proporcional a φ
3
da
abertura;
8) pressão livre: p = γ h
s
tg
2
(45 -ϕ/2)
6.8 - Equipamentos de Movimentação de Cargas de Pátio
Dada a extrema variabilidade destes equipamentos, todos os dados deste item são
meramente indicativos, de forma a dar uma primeira aproximação a esta questão.
Em cada caso, dever-se-á consultar os catálogos dos fabricantes ou pesquisar as
soluções em instalações similares à proposta, como uma primeira avaliação de
alternativas de execução.
Convém ter sempre presente que as produtividades indicadas pelos fabricantes
são em circunstâncias de perfeita operação, tanto do equipamento como das
condicionantes que lhe são exteriores, fato de extrema raridade na vida prática dos
pátios. A experiência indica como pragmático tomar em média valores entre 75 e
80% da produtividade nominal.
É também normal que as capacidades e produtividades sofram uma redução
segundo as condições da tarefa a executar, como na figura 6.05 se mostra a
variação da capacidade de içamento de um guindaste de 30 t conforme o raio de
ação de sua lança.
A/2
H
α αα α
l
L
l
A
A/2
d
h
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
36/62
0
5
10
15
20
25
30
0 10 20 30 40 50 60 70
Raio de Ação (m)
C
a
r
g
a

(
t
)
Figura 6.05 - Variação da capacidade de carga da lança de guindaste
A Tabela 6.02, a seguir mostra indicadores de alguns dos equipamentos mais
usuais em pátios, em aplicações feitas no País.
Tabela 6. 02
Equipamento Capacidade
nominal
Peso(t) Observações
truck dumper 1 caminhão/60
seg.
car dumper dpl. 2vagões/30seg. 480 hp
pá carreg. Cat.
920
1,2m3/caçamba consumo 12
l/h- vida 5 anos
guindaste c/ grab 75t/h/caçamba
3t
vida:20 a
Manut. 3%
pá carreg. Cat.
966 C
caçamba de 3
m3
16 alt.oper.=2,95
m172 hp
pá carreg. Cat.
988 B
caçamba de 4,6
m3
39
caminhões off road 170 t
trator pneus Cat.
824
400 hp consumo 45 l/h
trator esteira D8 K
Cat.
300 hp 32,5
empilhadora 5.000 t/h
recuperadora de
tambor
stacker reclaimer 4.500 t/h
recuperador de
caçamba
8.000 t/h 1.945 1.800 hp lança
50 m
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
37/62
6.9 - Correias transportadoras:
Consideradas à parte por sua importância
em pátios de graneis sólidos.
Tabela de Peso por Metro das Partes Móveis:
Q=2.Pc+Ps/L1+Pr/L2
Pc = peso/metro de correia
Ps = peso dos suportes com intervalo L1
Pr = peso dos retornos com intervalo L2
Cálculo das Resistências a Vencer
R Rp Rc Rg

= + +
Rp = resistência passiva = CQ(L+Lo), onde:
C
resist.moveis
inst. fisicas
L:comp.real
Lo:comp.virtual dos terminais
0.014
0.010


¦
´
¹
¦
´
¹
Lo
portateis
fixas
45 75
60 300
a m
a m


¦
´
¹
Rc=resistência carregada=[CP/60V](L+Lo)
P=kg/h de carga; V=m/min
Capacidade Efetiva de Transporte para V =1,0 m/s em t/h
t/m3
pol
0.5 0.8 1.2 2.0 2.5
16 24 40 60 100 120
30 86 144 214 360 430
48 236 390 584 976 1170
60 376 626 938 1564 1878
Potência movimentação da correia vazia para V =1,0 m/s em hp
Largura (pol) 120m 360m 480m 720m
16 1.5 4.0 5.5 8.0
30 3.5 8.5 11.0 15.5
48 6.0 14.5 19.0 27.5
60 7.5 19.0 24.5 36.0
Acréscimo pela elevação: 0,366 hp / m / 100 t/h
Fundações :
• terreno firme: (2,00x0,60x0,30)m
3
/ 3 m
• elevado: 4 sapatas de 0,9 m
3
/12 m
• vida útil: 15 anos
• vida correia: 10
6
t
• disponibilidade: 0,70 a 0,85
• manutenção: 0,01 I
0
/ ano
Largura da
Correia
Q
cm pol kg/m
40.6 16 6.4
50.8 20 8.2
61.0 24 10.9
76.2 30 14.1
91.4 36 17.7
121.9 48 27.7
152.4 60 38.6
L1
L2
W
Tr.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
38/62
Capacidade de Movimentação de Correias (ver Tabela 6.03):
Tendo α = ângulo de repouso do produto a transportar
s = margem de segurança = 0,05L+3cm
Tabela 6.03
Largura S Área
Básica-
A1
Área de Sobrecarga
A2
Área Total
(cm
2
)
Q(t/h)
V=1m/s
pol cm cm cm
2
α αα α=10º α αα α=20º α αα α=30º α αα α=10º α αα α=20º α αα α=30º γ γγ γ=1 t/m
3
16” 40,64 5,00 65,45 26,36 53,63 81,81 91,81 119,08 147,26 43,00
18” 45,72 5,30 87,23 34,54 70,90 107,26 121,77 158,13 194,49 57,00
20” 50,80 5,50 110,90 43,63 89,08 136,35 154,53 199,98 247,25 72,00
24” 60,96 6,00 168,17 65,45 132,72 204,53 233,62 300,89 372,70 108,00
30” 76,20 6,80 275,43 107,26 216,35 331,79 382,69 491,78 607,22 177,00
36” 91,44 7,60 409,06 158,17 319,07 490,87 567,23 728,13 899,93 262,00
42” 106,68 8,30 569,96 219,07 443,60 680,86 789,03 1013,56 1250,82 365,00
48” 121,92 9,10 757,22 291,80 589,96 901,75 1045,02 1347,18 1658,97 485,00
54” 137,16 9,90 970,84 370,88 750,85 1149,00 1341,72 1721,69 2119,84 620,00
60” 152,40 10,60 1211,73 463,60 933,57 1431,71 1675,33 2145,30 2643,44 772,00
Fonte dos dados de base: Peurifoy, R.L.: “Construction Planning, Equipment and
Methods” - Editora Mc Graw Hill, New York.
Complementos das correias com 30 a 100 t de peso próprio:
• Alimentadores (chutes): US$ 1,850.00/t
• Casas de transferência: US$ 1,350.00/t
Correias: (Jan.98)
• 30” - US$ 2,600.00/m
• 48” - US$ 2,800.00/m
• 54” - US$ 3,300.00/m
• 78” - US$ 5,000.00/m
Tabela 6.04 - Velocidade Máxima em Correias
(m/s)
Material e suas condições Largura das correias (pol)
14 16 18 20 24 30 36 42 48 54 60
Carvão não bitolado, brita, minério ou similares 1,5 1,5 1,8 1,8 2,0 2,3 2,5 2,8 3,0 3,0 3,0
Carvão bitolado, coque ou outro material friável 1,3 1,3 1,3 1,5 1,5 1,8 1,8 2,0 2,0 2,0 2,0
Areia seca ou molhada 2,0 2,0 2,5 3,0 3,0 3,5 4,0 4,0 4,0 4,0 4,0
Coque britado, escória e materiais finos abrasivos 1,3 1,3 1,5 2,0 2,0 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5
Minério graúdo, rocha, escórias grandes e
similares
1,8 1,8 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0
Tabela 6.05 - Potência requerida para mover cargas em correias horizontais
(hp)
Comprimento do
lance da correia
Carga em t / h
(m) 150 200 250 300 400 500 600 800 1000
45 0,8 1,1 1,4 1,6 2,2 2,7 3,3 4,4 5,5
90 1,6 2,2 2,7 3,3 4,4 5,5 6,6 8,8 10,9
150 2,7 3,6 4,6 5,5 7,3 9,1 10,9 14,5 18,2
300 5,0 6,7 9,2 10,0 13,3 16,7 20,0 27,0 33,0
600 9,6 12,7 15,9 19,1 25,0 32,0 38,0 51,0 64,0
900 14,1 18,8 23,0 28,0 37,0 47,0 56,0 75,0 84,0
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
39/62
Acréscimo de potência por metro de elevação da correia:P’= T/300 , onde P em hp
e T em t/h.
Tabela 6.06: Capacidade x velocidade
Capacidade de Transporte por Correia a Velocidade de 0,5 m/s - (ton/h)
Largura Peso Específico(t/m3 ou kg/dm3)
pol cm 0,50 0,66 0,83 1,24 1,66 2,07 2,48
12,0 30,5 6,4 9,1 10,9 16,3 21,8 27,2 32,7
14,0 35,6 9,1 12,7 15,4 22,7 30,8 38,1 46,3
16,0 40,6 11,8 16,3 20,0 29,9 39,9 49,9 59,9
18,0 45,7 15,4 20,0 25,4 38,1 50,8 63,5 76,2
20,0 50,8 18,1 24,5 30,8 46,3 61,7 77,1 92,5
24,0 70,0 27,2 36,3 45,4 68,0 90,7 113,4 136,1
30,0 76,2 42,6 57,2 71,7 107,0 143,3 179,6 215,0
36,0 91,4 62,6 82,6 103,4 155,1 206,8 258,6 310,3
42,0 106,7 88,0 117,9 147,0 220,4 293,9 367,4 440,9
48,0 121,9 117,9 156,0 195,0 292,1 390,1 488,1 585,1
54,0 137,2 147,0 195,0 244,9 367,4 489,9 612,4 734,8
60,0 152,4 187,8 249,5 313,0 469,0 626,0 782,0 939,0
Fonte: Hudson, Wilbur G.:"Conveyors and Related Equipment"2nd ed.,
N. York, Jonh Wiley, 1949
Tabela 6.07: Velocidades máximas
Velocidade Máximas de Correias em Função de sua Largura e do Produto Velocidades Máximas de Correias em Função de sua Largura e do Produto
Largura Material Leve Material Meio-Leve Material Meio-Pesado Material Pesado
pol cm (grãos, areia seca) (areia, carvão, cascalho) (pedra, minérios britados) (coque, minério)
12 a 14 30 a36 2,0 1,3 - -
16 a 18 40 a 46 2,5 1,5 1,3 -
20 a 24 51 a 70 3,0 2,0 1,8 1,3
30 a 36 76 a 91 3,8 2,5 2,0 1,5
42 a 60 107 a 152 4,3 2,8 2,3 1,8
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
40/62
CAPÍTULO 7 - TERMINAIS AEROPORTUÁRIOS
7.1- Conceitos Gerais da Aviação Civil
Deve-se notar que por seu caracter geralmente internacional a aviação civil se
estrutura embasada em normas e regulamentos internacionais, cujo órgão reitor é
a Organização da Aviação Civil Internacional – OACI, por vezes referenciada
igualmente por sua sigla em inglês, ICAO, que pertence ao sistema de NAÇÕES
UNIDAS, tendo sede em Montreal, Canadá. Estas normas mundiais tomam o feitio
de manuais, com cumprimento obrigatório pelos países – membros. Abrangem
aspectos relativos a aviões, suas rotas ou aerovias, terminais ou aeroportos,
procedimentos operacionais, de segurança e de socorro.
Muito consultados e usados como referências são também estudos e normas da
Federal Aviation AAgency – FAA, órgão diretivo da aviação civil norte – americana,
sobretudo quanto a novos equipamentos, instalações e impactos ambientais.
No Brasil, o transporte aéreo comercial é dirigido pelo Ministério da Aeronáutica,
através do Departamento de Aviação Civil – DAC, enquanto que os aeroportos
federais se subordinam à Empresa Brasileira de Infra - Estrutura Aeroportuária -
INFRAERO, estatal no âmbito do mesmo ministério. Apenas aeroportos de médio
ou pequeno porte, de interesse regional, estão no âmbito de autoridades civis
estaduais ou municipais. A Medida Provisória 1549-39, de 29/01/1998, em seu
artigo 14, define como área de competência do Ministério dos Transportes a
participação na coordenação dos transportes aeroviários, mantidos na órbita da
Aeronáutica.
Quanto às empresas de transporte aéreo, sua maioria em todo o mundo é privada,
embora em alguns países ainda subsistam empresas estatais ou de economia
mista, como na França. Em cada país em que operem devem cumprir as
determinações do órgão governamental que controla a aviação civil no território,
com base no chamado Convênio de Chicago. As que sejam de outro país,
dependem da existência de acordos internacionais entre os governos envolvidos
para operar no país estrangeiro . A nível internacional, se agrupam na International
Air Transport Association – IATA.
Analogamente, os organismos dirigentes de aeroportos comerciais, estatais ou
privados, têm seu órgão classista mundial no Conselho Internacional de
Operadores de Aeroportos – CIOA, geralmente referenciado por sua sigla em
inglês _ OCI, cuja ação maior é a troca de experiências entre seus membros.
A aviação civil comercial opera em três ramos: passageiros, carga e serviço postal.
Em qualquer dos casos, a operação pode ser doméstica ou internacional. Ademais
dos aeroportos em si e suas instalações, estes serviços dependem para sua
execução segura de instalações complementares de meteorologia,
telecomunicações, centros de controle de tráfego, ajudas terrestres de orientação
dos vôos, assim como bases de manutenção e instalações de abastecimento.
7.2 - Bases Primárias do Planejamento Aeroportuário
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
41/62
O planejamento aeroportuário se distribui por três tipos diferentes de interface, que
devem ser harmonizados para se obter o grau de eficiência operacional e
econômica desejada:
a.1) interface interna entre veículo e terminal, que partindo de uma análise
da demanda atual e previsão da futura, estabelece bases que se assentam
sobre as técnicas operacionais da aviação civil comercial, tendo como
fundamento decisório a chamada “aeronave crítica”, cujas características
técnicas servirão para dimensionar os valores básicos de parâmetros
construtivos de pistas de pouso e decolagem, pistas de taxiamento ou
rolamento, pátios de manobra e estacionamento de aeronaves, quadro
funcional, estações de passageiros e cargas, “portões”, boxes das
empresas aéreas e de serviços públicos obrigatórios e desejáveis, áreas da
administração, de abastecimento, de bombeiros e pronto–socorro, hangares
de serviço, de equipamentos como radares de aproximação e
acompanhamento, rádios–faróis, “land marks”, delineamento do
planejamento operacional e previsão da fatia de mercado;
a.2) interface externa entre terminal e seu entorno imediato e sua área de
influência, como sistemas terrestres de acesso, conexões com os serviços
públicos, como energia elétrica, telecomunicações, água e esgoto,
prevenção e monitoramento de danos ambientais, vedação da área,
controle de ingresso de pessoas e veículos, reserva de áreas para
ampliação futura e zonas ”non edificandi” para aproximação segura de
aviões, etc.:
a.3) interface de coordenação entre equipes e produtos derivados das
interfaces anteriores, a fim de compatibilizar e maximizar o resultado final,
materializado primeiramente em um plano diretor aeroportuário, dando
origem a um estudo de viabilidade técnico - econômica e ambiental, para
desembocar em um projeto de engenharia final de implantação, de reforma
ou de ampliação. Assim se compatibiliza o mercado, que induz a
macrolocalização do aeroporto, com condições meteorológicas,
topográficas, geotécnicas e de uso do solo, que determinam as possíveis
microlocalizações dentro da área traçada pela macrolocalização, levando à
seleção da mais adequada, técnica e economicamente.
7.2.1- Interface Interna
a.1.- Avaliação do mercado prospectivo de um aeroporto
O mercado de passageiros previstos para um dado aeroporto tem sido estudado
com bastante êxito em todo mundo, existindo mesmo metodologia estruturada pela
OACI, no seu “Manual on Air Traffic Forecasting: Medium and Long Term
Forecasting”, publicado por seu Secretariado Geral, em obediência a uma
resolução da Assembléia Geral em 1972, com o fim de orientar os estados –
membros na efetivação de seus próprios estudos, em nível regional e
internacional, em previsões dirigidas a horizontes normalmente entre 5 e 20 anos.
Esta tarefa constitui passo inicial nos procedimentos que envolvem as decisões
relativas à implantação ou ao melhoramento de um aeroporto.
Este tipo de análise conduz quase sempre a valores anuais de demanda para as
“strata” escolhidas, que para quantificação das instalações aeroportuárias, uma
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
42/62
vez conhecidas possíveis sazonalidades, levam a parâmetros definidores de uso,
tais como demanda anual, demanda da hora de pico ou dia médio de operação.
A simples extrapolação de tendências históricas pode não refletir sequer
grosseiramente patamares futuros de demanda, de vez que o transporte aéreo,
por suas próprias características de custo, tempo e psicologia social, tende a ser
fortemente influenciado por variáveis sócio - econômicas dependentes do estado
efetivo da Sociedade e da Economia afetada.
Esta constatação levou à opção por modelos econométricos de previsão. Foi a
decisão adotada, por exemplo, no desenvolvimento do Plano de Desenvolvimento
do Sistema de Aviação Civil do Brasil – PDSAC, que tive a oportunidade e a
satisfação de coordenar pelo GEIPOT para o DAC. São deste trabalho pioneiro no
País rotas metodológicas da demanda em aeroportos, via modelos econométricos.
A análise dos dados disponíveis sobre aeroportos brasileiros em décadas, com
pesquisa de que variáveis explicativas e modelo melhor se enquadravam em cada
caso, levou à formação de quatro grupos de aeroportos, a saber:
1) os cinco aeroportos de maior movimento na época _ Rio de Janeiro, São
Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre _ e mais Belém e Manaus, não
apresentavam um modelo genérico, mas para cada uma se obteve um
modelo específico, mesmo assim para Belém, Manaus, Belo Horizonte,
Porto Alegre e Brasília, não se conseguiu correlação apreciável para
nenhuma variável independente significativa.
Para o Rio de Janeiro, por exemplo, resultou uma correlação simples com a
renda urbana da zona de tráfego (RUZ), através da seguinte relação quanto
ao número de passageiros:
PAX = e
-15,26850
(RUZ)
1,73918
R
2
= 0,978 para teste de aplicação ao período 1965/1973, observando-se na
fórmula que a demanda é elástica em relação à renda urbana da zona
Para outros 5 dos aeroportos citados, a análise resultou apenas em uma
extrapolação de tendência histórica, com as relações mostradas na Tabela
seguinte:
Tabela 7.01: Modelos de Demanda em 5 Aeroportos
Aeroporto: Modelo: R
2
Belém PAX=e
-144,50914
. e
0,07962N
;(N = ano a projetar) 0,829
Manaus PAX=e
-285,92721
. e
0,15122N
;(N = ano a projetar) 0,950
Porto Alegre PAX=e
-216,43888
. e
0.11619N
;(N = ano a projetar) 0,879
Belo Horizonte PAX=e
-259,95336
. e
0,13831N
;(N = ano a projetar) 0,942
Brasília Não se ajustou a correlações ...
Fonte: PDSAC, volume 1
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
43/62
Um grupo formado por 6 cidades, a saber: Aragarças, Boa Vista, Carolina,
Corumbá, Ponta Porã e Santarém, com opções rodoviárias significativas, trouxe
uma mudança de variáveis em relação aos anteriores, tendo como variáveis
significativas a “população urbana da área de influência”_(PUA), e a “frota de
automóveis da área de influência”_(VAA). Resultou um R
2
= 0,845 para 21
observações entre 1968 e 1973.
Para avaliar o tamanho e a capacidade de pagamento do mercado, para o tráfego
de passageiros em geral, aconselha a OACI o uso como variáveis independentes,
entre outras, de uma ou mais das seguintes grandezas:
_ população; produto interno bruto; renda nacional; consumo pessoal;
ingresso per capita.
No caso de um aeroporto em particular
_ acessibilidade, como fatia do mercado dentro de certa distância do
mesmo; fatia do mercado em outras cidades com rota de acesso direto;
tempo de acesso desde ou para os aeroportos e a cidade; freqüência de
vôos disponíveis nas rotas de maior procura; tempo de bloco entre
aeroportos; confiabilidade dos serviços em termos de vôos cancelados;
competitividade de outros modais.
De um modo geral, para se chegar ao fluxo de aviões é o mercado de vôos
disponíveis dividido em “strata”, como se detalha a seguir:
_doméstico regular: vôos do tráfego realizado regularmente nas linhas
domésticas, com número identificador constante do HOTRAN (horário e
itinerário das linhas aéreas), mesmo que provenientes de conexões internas
de vôos internacionais, mais os vôos de carga efetuados com regularidade.
Não abarca a aviação regional;
_regional: vôos do tráfego aéreo regional que tenham origem ou destino no
aeroporto em análise;
_regional alimentador (“feeder”): parte do tráfego aéreo regional em que o
fluxo transportado se originou em outros vôos para este aeroporto, ou se
destina a vôos que partirão do mesmo;
_internacional regular: vôos realizados regularmente nas linhas
internacionais, mesmo que incluam trechos de cabotagem ou internos,
considerados também os de aeronaves cargueiras, mas não inclui os
fretados em qualquer dos casos;
_não regular: abrangendo três categorias, a saber: aviação privada, táxis
aéreos e vôos fretados, ou seja todos menos os regulares de qualquer das
classes anteriores;
_militares: tráfego realizado por aviões militares, usando as pistas do
aeroporto em tela.
O conjunto de pousos e decolagens efetuados pelos tráfegos acima, que são ou
serão atendidos pelo aeroporto em estudo, constitui os chamados “movimentos” e
a frota que aí opera forma o denominado “mix”, que agrupa de uma a quatro
classes de aeronaves:
_classe A: pequenos monomotores, com peso até 5.700 kg (12.500 lb.);
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
44/62
_classe B: pequenos bimotores e jatos executivos, pesando 5.700 kg
(12.500 lb.) ou menos;
_classe C: aeronaves de porte compreendido entre 5.700 kg e 136.000 kg
(300.000 lb.);
_classe D: grandes aeronaves de peso acima de 136.000 kg (300.000 lb.).
Na década de 80, nos 3 principais aeroportos de S. Paulo, por exemplo, os “mixes”
eram:
classe
aeroporto
A + B
%
C
%
D
%
Viracopos 33 31 36
Cumbica 19 73 8
Congonhas 45 55 0
Fonte: Comissão Coordenadora do Projeto do Sistema Aeroportuário da Área Terminal de S. Paulo -
COPASP – “Sistema Aeroportuário de São Paulo”
Normalmente, segue-se o exame da demanda por pares de origem e destino nas
rotas, tendo como elemento comum o aeroporto em estudo, gerando-se modelos
econométricos para cada caso. Conhecendo-se ou fixando-se os tipos de avião
em cada conexão e seus horários e tempos de serviço em terra, pode-se analisar
a demanda nas pistas, pátio e portões, bem como no espaço aéreo circundante,
para poder se planejar ocupações futuras e níveis de serviço.
7.2.2 - Interface Externa
Atualmente a principal preocupação com a interface externa se centra no impacto
do ruido das aeronaves no entorno do aeroporto e suas conseqüências sobre a
população residente e de passagem. A FAA tem aplicativos para determinação
dos contornos sonoros para as aeronaves usuais na aviação americana, que
permitem a diagramação das curvas de ruido, a partir das quais se buscarão as
soluções para anulação ou minimização de feitos danosos.
Outra vertente desta interface externa é a conexão com os serviços públicos, que
se estende desde a comunicabilidade com o sistema viário da região, em especial
o urbano do centro principal servido, até os serviços públicos de utlidades como
água, energia, telecomunicações, saneamento, ou de entidades públicas como as
de segurança policial, fazendárias, de assistência médica de defesa civil e
bombeiros. Cabe lembrar que os grandes aeroportos são importantes centros
geradores e captadores de tráfego, exigindo conexões adequadas de acesso e
estacionamento interno.
7.3- Parametrização de pistas, pátios, acessos e estacionamentos
A tendência mundial em termos de aeroportos para grandes centros de atração e
geração de tráfego aéreo é um complexo aeroportuário diversificado, com
aeroportos não contíguos, mas destinados basicamente a tráfegos específicos,
embora em emergências possam absorver, em todo ou em parte, tráfego
normalmente destinado a um dos outros, que esteja com restrições. É como se
pode observar em New York (John Kennedy e La Guardia), Londres (Heathrow e
Gatwick), Paris (Charles De Gaulle e Orly), Chicago (O’Hara e Lake), Washington
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
45/62
( Dulles e National) no exterior, e em São Paulo (Congonhas e Guarulhos) e Rio de
Janeiro (A,C, Jobim e S. Dumont), no Brasil
Estes aeroportos apresentam no mínimo duas pistas independentes, paralelas (
Congonhas ) ou não ( Galeão ), tendo casos, por exemplo o Kennedy, com 3
formando um triângulo. Duas pistas, tendo em comum ou não as cabeceiras delas,
podem ser divergentes _ em V aberto _ ou convergentes _ em V fechado_
segundo o ângulo formado por seus eixos. A localização conjunta destas pistas
tem de obedecer a normas consagradas quanto ao distanciamento relativo,
condição que influi bastante em sua capacidade provável de movimentos de
aeronaves (pousos e decolagens), podendo ser expresso, segundo norma da FAA,
em termos anuais _ PANCAP (Practical Annual Capacity) _ ou da hora de pico _
PHOCAP (Practical Hour Capacity)., definidas mais adiante em função da
configuração das pistas operacionais.
Duas escolas principais norteiam estas distâncias, incluindo entre elas as que
medeiam entre pistas de taxiamento e as de movimentação do tráfego: a da ICAO
e a da FAA, resumindo suas normas na Tabela a seguir:
Tabela 7.09
Situação possível: ICAO FAA
linha central da pista de taxiamento até obstáculo fixo 50 m 61 m
linha central de pista de taxiamento até linha central da
pista de aterrissagem
86 m 92 m
linha central da pista de taxiamento até a linha central de
pista de pouso por instrumento
187 m 122 m
Fonte: ICAO e FAA respectivamente, convertendo os dados desta para metros.
O comprimento das pistas operacionais de aterrissagem e decolagem é função da
aeronave crítica, da temperatura média da área do aeroporto e de sua altitude em
relação ao nível do mar. Os fabricantes normalmente os divulgam amplamente
para as chamadas condições normais, ou seja pistas ao nível do mar e
temperatura ambiente média de 15º C, como se mostra a seguir
Tabela 7.10: Comprimentos de Pista para Aeronaves Selecionadas
Aeronave: TOl ( Take-off lenght ) Ll ( Landing lenght )
Boeing 767 2.315 m 1.450 m
Boeing 727-200 2.938 m 1.430 m
Boeing 737-200 2.073 m 1.341 m
Boeing 747-200 3.338 m 2.103 m
Lockheed 1011 3.200 m 1.900 m
C - 130 2.100 m 1.380 m
Fonte: especificações dos fabricantes
O comprimento da pista de decolagem é sempre maior que o da aterrissagem,
dada: a diferença das tonelagens de uma mesma aeronave nos 2 casos, e a maior
diferença de velocidade entre o estado de repouso e o de velocidade mínima de
cada evento
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
46/62
Assim, a aeronave crítica no estudo inicial de Guarulhos era o Boeing 747-200B,
tendo como rota São Paulo – Manaus, uma etapa de cerca de 2.000 mn. Os
parâmetros para construção de pista adequada ao mesmo avião formam a Tabela
7.11, a seguir.
Tabela 7.11: Parâmetros de Aeronave de Projeto em São Paulo
Item (valores em t): Decolagem: Pouso:
Peso vazio : 166,322 166,322
Combustível da etapa: 57,858 0
Combustível reserva: 11,021 11,021
Carga paga: 72,484 72,484
Total: 307,395 249,837
Fonte: COPASP: “Sistema Aeroportuário de S. Paulo”
As pistas deveriam ter 3.525 m para decolagem e 2.060 m para aterrissagem.Os
fatores de correção a serem aplicados aos comprimentos dados para as condições
de referência ( nível do mar, 15º C de temperatura ambiente e pista sem greide ),
são respectivamente:
+ 7% para cada 300 m de altitude acima do nível do mar;
+ 1% para cada grau centígrado acima de 15º C;
+ 10% para cada 1% de greide.
A conversão da demanda do mercado em instalações operacionais dos aeroportos
se faz, em termos pragmáticos, pelos conceitos de PANCAP ( Practical Annual
Capacity ) e PHOCAP ( Practical Hourly Capacity ), de emprego universal nas
avaliações preliminares da capacidade do “layout” operacional de um aeroporto
comercial.
Ambos conceitos se baseiam na localização relativa das pistas de pouso e
decolagem, com resultados derivados da prática mundial na operação destas
unidades, a partir dos procedimentos desenvolvidos pela FAA, tanto em situações
de vôo visual ( Visual Flight Rules – VFR ), como nas de vôo por instrumentos
(Instrumental Flight Rules – IFR ), levando em consideração os possíveis “mixes”
da frota usuária. Os esquemas gráficos das pistas de movimentação mostram a
seguir.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
47/62
As capacidades consideradas em cada caso, em termos de movimentos (pousos e
decolagens) por ano, para pistas paralelas.formam a Tabela 12.
Tabela 7.12 - Valores de PANCAP e PHOCAP da FAA
Esquema: Condição: Mix 1 Mix 2 Mix 3 Mix 4
A PANCAP 215.000 195.000 180.000 170.000
PHOCAP/V 99 76 54 45
PHOCAP/I 53 52 44 42
B PANCAP 385.000 330.000 295.000 280.000
PHOCAP/V 193 152 108 90
PHOCAP/I 64 63 55 54
C PANCAP 425.000 390.000 380.000 340.000
PHOCAP/V 198 152 108 90
PHOCAP/I 79 79 79 74
D PANCAP 770.000 660.000 590.000 560.000
PHOCAP/V 396 304 216 180
PHOCAP/I 128 126 110 108
Os “mixes” citados na tabela acima teriam como ideal a seguinte composição
percentual l::
Tabela 13 - Composição Ideal dos Mixes
1 90 10 0 0
2 40 30 30 0
3 20 20 40 20
4 0 20 20 60
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
48/62
As letras indicativas dos componentes dos mixes correspondem às classes
descritas na página 6 destes apontamentos.
No caso de pistas não - paralelas, como na ilustração abaixo, os valores usados
são os seguintes:
Deve-se considerar que do lado externo das pistas é necessário prever uma via
para veículos de serviço, com largura mínima de 5 m, bem como as conexões
entre cabeceiras, áreas de espera e pistas de rolamento.
Aspecto de particular importância é o projeto do pavimento destas pistas,
principalmente as que operam com aviões pesados como os multirreatores
modernos. Uma das melhores fontes de estudo do tema é a FAA, que nesta
década vem desenvolvendo uma metodologia de cálculo nova, denominada LED
(“Layered Elastic Designs”), baseada nas características técnicas do Boeing – 777,
com possíveis “mixes” de tráfego, não mais usando apenas uma aeronave crítica
mas um “fator cumulativo de dano” (CDF), induzindo à falha por fadiga. Substitui o
emprego do CBR (“California Bearing Ratio”) dos pavimentos flexíveis, ou do
parâmetro “k” para os rígidos. Existem programas de conversão automática destas
metodologias tradicionais para a nova.
Outra faceta dos pavimentos das pistas operacionais é a camada porosa na parte
superior, a fim de evitar a formação de poças de água de chuva, por meio de
escoamento interno para as laterais das pistas, ademais das ranhuras superficiais
(“grooving”), prevenindo derrapagens das aeronaves pela chamada
aquaplanagem, e aumentando o atrito pavimento/pneus das aeronaves.
No pátio de manobras (“apron”), a posição de parada final das aeronaves junto às
edificações de embarque e desembarque deve ser prevista com uma distância
mínima de 5 m entre o nariz do aparelho e as instalações, no caso de ficar
perpendicular às mesmas, ou da ponta da asa, na configuração em paralelo.
Toda a área do pátio deve trazer bem sinalizada no pavimento as vias de
passagem dos veículos de serviço, como tratores de aeronaves e de porta -
bagagens, tanques de combustível, ônibus de portão de atendimento afastado e
camionetas de “catering”, de forma a minimizar possíveis interferências com aviões
em manobra, ou pessoas em trânsito obrigado.
A iluminação do pátio deve seguir padrões e valores das normas específicas, em
sistema independente do conjunto de luzes de orientação e demarcação das
pistas, contando ainda ambos sistemas com geradores de emergência para evitar
falhas do abastecimento público.
Quanto ao cálculo do número de portões (“gates”), ou seja de locais onde as
aeronaves que chegam ou vão partir são atendidas, em termos de
PANCAP PHOCAP/V PHOCAP/I
Mix 1 425.000 196 79
Mix 2 340.000 136 79
Mix 3 310.000 94 77
Mix 4 310.000 84 74
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
49/62
embarque/desembarque de passageiros, movimentação de bagagem e pequenas
cargas, abastecimento de combustível, recebimento de víveres e bebidas
(“catering”) e limpeza, usa – se a seguinte expressão:
G = vt / s
onde G é o número de portões, v o volume horário de aeronaves, t sua
permanência média no portão em hora/aeronave, s fator médio de utilização de
cada portão, normalmente 0,5 a 0,8 aeronave/portão. Os tempos giram em torno
de 1/2 hora para os vôos domésticos e de 1 hora para os internacionais. A
composição mais comum dos serviços executados nos portões é a exemplificada
abaixo para um 737-200, depois dos calços (“blocks”):
01 – desligamento das turbinas 1.0
02 - colocação das passarelas 0.5
03 – desembarque passageiros 4.4
04 – checagem do diário 1.5
Desembarque da carga
05 – despachos avulsos 13.0
06 – contêineres centrais 4.4
07 – contêineres dianteiros 3.4
08 – comissaria 7.9
09 – limpeza banheiros 8.5
10 – abastecimento de água 12.7
11 – serviço de cabina 16.0
12 – abastecimento de combust. 23.0
13 – serviço de injeção 14.7
14 – inspeção externa 9.0
Embarque de carga
15 – contêineres dianteiros 3.1
16 – contêineres centrais 3.8
17 – despachos avulsos 13.0
18 - checagem do diário 1.5
19 – embarque dos passageiros 5.6
20 – partida das turbinas 3.0
21 – remoção das passarelas 0.5
22 – liberação da aeronave 1.0
MINUTOS 0 5 10 15 20 25 30
Fonte: COPASP, com base em R. M. Parsons CO.
Nota: em azul o caminho crítico: desligamento das turbinas / desembarque dos
passageiros / serviço de cabina / embarque dos passageiros / partida das turbinas /
liberação da aeronave.
No tocante às instalações internas, deve-se separar em sistemas que são gerais
ao conjunto das instalações, como energia, iluminação, climatização, água potável,
industrial e de incêndio, esgoto pluvial e sanitário, telecomunicações, cronometria,
áudio e segurança; e sistemas que são específicos de determinadas áreas, como
bloqueios de acesso, transportadores de pessoas e de cargas, quadros de avisos,
indicativos multilíngues, isoladores acústicos, etc.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
50/62
Especial cuidado deve ser dado aos locais de atendimento de passageiros
embarcando e desembarcando, suas bagagens, e seus possíveis acompanhantes,
pois é esta interface que formará na coletividade a imagem principal do aeroporto
no chamado público externo.
Saguões de “check-in” precisam ser previstos para demandas de sazonais de pico
e para um horizonte ao menos de médio prazo, partindo-se de uma pesquisa junto
às empresas interessadas e suas expectativas, além de uma previsão de
expansão das mesmas ou da entrada de novas companhias. Instalações de
desembarque, controle de passageiros, coleta de bagagem, recepção de
acompanhantes, acessibilidade de saída rápida, forma a outra face da moeda,
com condicionantes semelhantes ao do item anterior quanto a seus parâmetros
arquitetônicos. e de projeto, bem como a formação de opinião.
Acomodações para serviços públicos de presença obrigatória, como Infraero,
Polícia Federal e Receita Federal (Alfândega), devem ser esquematizadas em
conjunto, para evitar mau funcionamento e queixas posteriores.Outros serviços,
como Posto Telefônico, Correios, atendimento turístico, agência bancária com
câmbio, serviços médicos e de acolhimento a mães e infantes, restaurantes e
lanchonetes, lojas de conveniência, etc., também são itens a serem atendidos e
dimensionados.
Em quase todos casos de atendimento ao público, em que se tenha idéia da
demanda provável e do tempo médio de serviço, modelos baseados em Teoria
das Filas e aplicativos de simulação são importante ferramenta na análise e
obtenção de soluções adequadas. No caso de estacionamento de veículos, por
exemplo, o cálculo da área necessária, quantificação dos controles de acesso e de
saída, formam entre os elementos em que tais procedimentos são de capital
importância.
7.3.2.- Acessos terrestres
Aeroportos costumam ser grandes centros de atração e geração de fluxos de
pessoas e de cargas, fato que leva à importância de acessos terrestres de bom
nível de serviço e de capacidade. Pessoas circulando nas dependências e
portanto nos acessos, seja para ingressar às instalações, seja para sair das
mesmas, podem ser classificadas em 4 tipos distintos, cuja presença pode ser
imprescindível, tolerável ou até mesmo indesejável, a saber:
_usuários do transporte aéreo ( imprescindíveis );
_tripulantes, funcionários de empresas aéreas, do aeroporto e de
..prestadores locais de serviços ( imprescindíveis };
_acompanhantes de viajantes partindo ou chegando ( toleráveis );
_visitantes ( a evitar tanto quanto possível).
Para melhor avaliação se dão alguns números destas classes de freqüentadores:
_funcionários: Heathrow 38,3 mil; Kennedy: 37 mil; Orly: 23 mil;
_visitantes Orly: > 4 milhões por ano;
_viajantes: Galeão: 6,4 milhões em 1996
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
51/62
Esta movimentação toda gera uma demanda acentuada de veículos nos acessos
terrestres, fazendo com que os aeroportos mais importantes busquem integração
com sistemas sobre trilho na conexão ao centro urbano gerador; normalmente se
busca a implantação de um ramo de metrô, mas pode haver mesmo ramais
ferroviários de superfície, como em aeroportos alemães, permitindo até uma
integração técnica e tarifária com o transporte aéreo.
Em termos de veículos rodoviários, verifica-se o acesso por:
_autos particulares, táxis, autos de aluguel:
_ônibus públicos e especiais;
_camionetas e caminhões do aeroporto, de serviços públicos, de empresas
aéreas, de suporte operacional e de concessionários.
Quanto aos automóveis, a experiência mundial registra uma relação de 1,1 a 2
autos por viajante, conduzindo a cifras tais como 50 mil / dia no Washington
National. Estes volumes e mais os veículos de serviço conduzem à necessidade
de grandes espaços de estacionamento e consequentemente de numerosos
postos de controle de entrada / saída e sua automação, para evitar
congestionamentos.
Mesmo naqueles aeroportos que dispõem de acesso metro ou ferroviário, a
participação do modal rodoviário é dominante, fato que gera decisão de implantar
vias expressas de interligação com o polo urbano gerador. A grande capacidade
inerente aos sistemas sobre trilhos faz com que permaneçam sub-utilizados neste
serviço. Possivelmente esta rejeição se deva a fatores tais como incômodos no
acesso e na viagem com bagagem de maior volume, níveis de serviço em termos
de conforto individual, incompatibilidade de freqüência ou de horários com os dos
vôos.
A característica da aviação civil de ser um modal onde rapidez é o traço
dominante, conduz a soluções em quatro níveis:
_facilidade de conexão centro gerador – aeroporto, em todos os horários;
_rapidez de transferência na interface terrestre – aérea;
_menor distância possível entre aeronave e veículo terrestre ( < 300 m );
_separação do fluxo de chegada de viajantes do fluxo de saída.
No caso específico de apenas acesso rodoviário, os aeroportos internacionais e
domésticos de Rio de Janeiro e São Paulo constituem uma boa amostragem do
problema a enfrentar, como sintetizam os percentuais da Tabela a seguir:
Tabela 14: Tipo de Acessibilidade aos Aeroportos Brasileiros
Veículo usado: Galeão S. Dumont Guarulhos Congonhas
- chegando auto estacionado 16,3 % 15,7 % ... ...
- idem em auto voltando 32,9 % 11,9 % ... ...
- idem em taxi 41,4 % 64,8 % ... ...
- idem em ônibus 7,6 % 2,1 % ... ...
- idem em auto alugado 1,2% 0,7 % ... ...
- outros 0,7 % 4,8 % ... ...
- saindo em auto estacionado ... ... 15,9 % 18,8 %
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
52/62
- idem em auto chegando ... ... 26,2 % 14,9 %
- idem em taxi ... ... 37,2 % 62,2 %
- idem em ônibus ... ... 15,6 % 0,8 %
- idem em auto alugado ... ... 2,7 % 0,6 %
- outros ... ... 2,4 % 2,7 %
Fonte: TRANSCORR RSC
7.3.3.- Prevenção e monitoramento de danos ambientais
Níveis de ruído e de emissões de gases e partículas sempre foram preocupações
nos entornos de aeroportos, mas ganharam ainda maior relevância com a
introdução dos jatos comerciais na década de 50.
Normalmente aplicativos digitais específicos tem como insumos básicos:
_coordenadas das pistas operacionais;
_aerovias de acesso, com ênfase na “glide slope” e seu ângulo de uso;
_perfis de vôo;
_planilha de operação prevista, e
_mix da frota usuária.
Geralmente os produtos resultantes são:
_tempo acima do nível A ponderado de ruído selecionado;
_nível de ruído equivalente ( em inglês Leq )
_nível de ruído dia - noite ( Ldn );
_estimativa de exposição ao ruído ( NEF );
_nível de ruído equivalente para a Comunidade (CNEL).
Quanto aos poluentes, sua dispersão é função da direção do vento e de sua
velocidade, estabilidade dos componentes e altura de mistura. No caso do vento,
como as pistas operacionais tem normalmente seu eixo no rumo do vento
dominante, é mais um complicador do fato, propiciando maior amplitude da
dispersão de poluentes, embora, por outro lado, tenda a diminuir sua
concentração.
Uma tendência de melhora do conjunto motor/combustível nos novos jatos aponta
para uma diminuição significativa de CO e HC, com os demais poluentes
mantendo-se mais ou menos no mesmo nível. Entretanto, em geral a redução do
nível de ruído perseguido nas aeronaves modernas conduz a uma maior queima
de combustível
7.4 - Interface de coordenação
Estabelece a conciliação entre a macrolocalização, induzida pelo mercado e pela
“aeronave crítica”, com as condicionantes inerentes a cada microlocalização
proposta, de modo a se selecionar a solução maximizante dos objetivos
perseguidos e minimizante de custos modais e sociais envolvidos nas alternativas
em análise. Na continuação se registram alguns temas que envolvem problemas
operacionais com condicionantes que independem do gerenciamento do terminal
ou do organismo diretivo da aviação civil.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
53/62
7.4.1 - Condições meteorológicas
A aviação, de um modo geral, é significativamente dependente de fatores
meteorológicos prevalecentes em seus terminais aeroportuários, particularmente a
incidência e intensidade de ventos cruzados em relação às pistas de pouso e
decolagem, probabilidade de visibilidade (distância horizontal a que se distingue
obstáculos) e de teto (distância vertical de visibilidade acima do nível do solo),
persistência de chuvas intensas e tempestuosas.
As condicionantes pelo vento se representam por dois tipos de gráficos: as rosas
de vento e os anemogramas, com localização, intensidade e persistência dos
ventos reinantes, permitindo a localização dos eixos das pistas em função dos
ventos dominantes.
7.4.2 - Acessos aéreos
São três componentes básicos:
a) aerovias, ou seja os “canais” por onde circulam as aeronaves entre
pontos distintos, caracterizados por rumo, largura, e faixa de altura,
definidos normalmente pelos órgãos diretivos da aviação civil, como a FAA
nos Estados Unidos da América, ou em outros países ou mesmo em grupos
de países vizinhos, por organismos multinacionais controladores do espaço
aéreo, como na Europa Ocidental com o EUROCONTROL.
b) cone ou zona de aproximação, quando a aeronave recebe autorização do
Controle de Vôo do aeroporto para aterrissar. Baseia-se na localização de
pistas, das aerovias e da morfologia topográfica e da ocupação residencial
do solo abaixo do mesmo;
c) áreas de circulação e espera, onde as aeronaves que se destinam a um
aeroporto circulam em altitudes distantes de 300 m entre si, geralmente em
planos entre 1.500 m e 300 m acima do nível da pista, baixando para cada
patamar inferior na medida em que os vôos anteriores recebem ordem de
aterrissagem. Segundo o fluxo de tráfego, podem existir várias destas áreas
para atender a um mesmo aeroporto, de modo que as aeronaves chegando
em horas de pico possam esperar sua vez com segurança.
Estes componentes tem suas características definidas para duas situações
de operação: para condições de vôo visual ( “visual flight rules”- VFR ) e
para operação por instrumentos ( “instrumental flight rules” – IFR )
7.4.3 - Condições topográficas
A localização dos aeroportos depende da topografia em dois segmentos de seu
planejamento:
_ na localização de pistas e instalações, quando a existência de áreas
aproximadamente planas facilita sua implantação e diminui os custos de
terraplenagem;
_ na inexistência de elevações significativas que possam interferir na
segurança das manobras de aproximação, particularmente na
disponibilidade sem obstáculos da “glide slope”.
7.4.4 - Condições geotécnicas
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
54/62
As pistas operacionais e de rolamento e os pátios de manobra sofrem a ação de
cargas importantes e dinâmicas, em especial as primeiras, particularmente
naqueles aeroportos comerciais em que operam grandes jatos multirreatores.
As condições de suporte do solo, naturais ou resultantes das técnicas construtivas
de adensamento e drenagem subterrânea, são condição básica para o bom
condicionamento dos pavimentos das áreas retrocitadas. Cuidadosa atenção deve
ser dada quanto resultantes de aterros de volume e altura significativas, sobretudo
ao se buscar ganhar terreno necessário sobre espelhos de água, áreas
pantanosas e terrenos quaternários de fraca capacidade de suporte.
7.4.5 - Estrutura de uso do solo
Como um grande polo gerador de tráfego terrestre, por suas características
operacionais de emissor importante de ruídos e gases, por sua enorme área de
ocupação do solo, secionando o tecido urbano em longa extensão, tanto
diretamente, como pela necessidade de áreas “non edificandi”, seja pelo elevado
nível de ruído abaixo dos cones de aproximação, seja pela norma de eliminação
de obstáculos no prolongamento das cabeceiras das pistas operacionais.
A existência de indústrias como importante emissão de gases quentes na
atmosfera circundante, ou de instalações que sejam atrativas para aves que
possam chocar com as aeronaves partindo ou chegando, como depósitos de lixo,
constituem restrições a serem consideradas no planejamento.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
55/62
CAPÍTULO 8 - TERMINAIS MULTIMODAIS
8.1 - Conceito Implícito de Multimodalidade
Desde a remota antiguidade, com o transporte aquaviário de pequenas cargas,
que havia implícito um conceito de multimodalidade, em especial pelos
mercadores, que buscavam portos primitivos e tradicionais, onde haveria
transporte terrestre em animais de carga, como burros e camelos, para distribuição
de mercadorias, aumentando assim seu mercado, e, em conseqüência,
possibilidades de negócio e de lucro.
8.2 - Conceito Operacional de Multimodalidade
Com a evolução das economias, com a introdução de novos modais de transporte
e melhoramento dos existentes, passou-se a se encarar o problema de
coordenação técnica e operacional entre modais distintos, quando se fazia
necessária a transferência de cargas entre veículos de dois deles.
O problema era enfocado do ponto de vista das transportadoras e não dos
usuários, buscando-se facilitar a operação do modal dominante, com
considerações secundárias sobre o complementar. Assim que descarregavam-se
da melhor forma possível os vagões chegados carregados, a fim de que se
cumprisse os ciclos que lhes eram assignados, mas os caminhões da perna de
distribuição que esperassem pelo atendimento, nem sempre rápido e com
equipamento adequado.
Foi uma fase que os terminais, ainda não chamados de “multimodais”, que
operavam transbordos de carga entre veículos de modais diferentes, como trens e
caminhões, gerenciavam suas operações segundo requisitos do modal dominante,
seja pela ferrovia, ou portos pelas empresas de navegação.
8.3 - Conceitos Multimodal e Intermodal
A partir da década de 70, agilizar a movimentação das mercadorias estimulou a
redução das impedâncias entre modais que se conectavam, para maximização
das quatro coordenações: técnica, operacional, comercial e tarifária. A pressão por
maior produtividade e menor custo vinha, sobretudo, do comércio internacional,
fato que levou às Nações Unidas a promulgar em 1980 a Convenção Internacional
do Transporte Multimodal.
Esclareça-se que naqueles primórdios da multimodalidade em termos mais
modernos se fazia uma distinção entre “multimodalidade” e “intermodalidade”,
reservando-se este último termo para quando o transporte de uma mesma carga
por modais diferentes era regido por um único documento do transporte, o
conhecimento intermodal, que se fundamentava na figura de um operador que se
responsabilizava por todo o conjunto das operações de transporte e transferência
entre modais.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
56/62
Atualmente, os dois termos são tomados como praticamente sinônimos,
ignorando-se a diferença anterior. Assim a Convenção das Nações Unidas e a lei
brasileira (vide Anexo B) chamam de “multimodal”, nos Estados Unidos da América
encontram-se os dois nomes, por exemplo, a lei conhecida por ISTEA que
incentiva a multimodalidade tem esta denominação como acrônimo de Intermodal
Surface Transportation Efficiency Act. Fato análogo se encontra na Europa.
Um exame mundial parece privilegiar o termo “multimodal”, embora a UNCTAD
tenha adotado a seguinte classificação:
• Transporte combinado quando se transporta um veículo de um modal no de
outro modal, como no “piggyback”;
• Transporte intermodal no caso dos contêineres transportados por modais
diferentes;
• Transporte multimodal quando um único instrumento _conhecimento_ rege
o mesmo transporte em modalidades diferentes.
8.4 - Conceito Logístico
A competitividade empresarial acirrada pela globalização da economia, que está
presente na realidade mundial, acentuou a estratégia das empresas em valorizar
sua Logística, seja na captação de insumos, seja na distribuição de produtos.
Organismos internacionais apontam que os chamados “custos logísticos”
respondem entre 10 e 15% dos produtos nacionais brutos, sendo, pois, de
ponderação na atividade econômica.
Isto tem levado operadores de transporte, visando converter meros usuários em
ativos clientes, passarem a pensar em seus terminais como partes importantes da
gerência da cadeia de suprimentos empresariais (“supply chain management”),
devendo atender com eficiência necessidades de transporte porta à porta, ainda
que para isso tenham de adotar uma solução multimodal, principalmente nos
terminais, que costumam ser um ponto de fricção logística, pela perda de tempo
(“transit time”) e por avarias e danos às cargas. Surge o conceito logístico de
terminal, com ênfase nos clientes.
Esta opção muda conceitos e metodologias, onde princípios das teorias de
localização (Transporte é um setor a serviço da Economia), marketing, técnicas de
manejo automatizado, qualidade de serviço, e fidelização passam a conviver nas
decisões dos transportistas, em relação às localizações e operações de seus
terminais.
8.5 – Conceitos Teóricos e Pragmáticos
No século XX, em especial na década de 60, a preocupação era centrada no que
se chamava então de coordenações técnica, operacional, comercial e tarifária, ou
seja, a questão era encarada em vista da fluência das operações do modal
dominante, geralmente a ferrovia nos terminais interiores e a navegação nos
portos marítimos.
Nas duas últimas décadas do século passado, desenvolveu-se o exame da
multimodalidade do ponto de vista dos clientes responsáveis pelas cargas
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
57/62
movimentadas, tomando-se o terminal como um elemento-chave em sua cadeia
de suprimentos ou de distribuição, firmando-se o conceito logístico da
multimodalidade, ou seja, de sua contribuição à redução do “transit time” e à
qualidade do serviço prestado ao mercado.
8.6 – Conceituação Atual da Multimodalidade
Trata-se de realizar da melhor forma possível a função logística do terminal
multimodal, fato que apresenta vertentes técnicas e gerenciais.
No lado técnico, o entrosamento operacional dos modais envolvidos, pela
adequação de veículos e equipamentos, assegurando a fluidez das transferências
de carga, em termos de tempos de confluência e execução, bem como da
eliminação de perdas e danos, dentro de uma concepção de qualidade total.
No aspecto gerencial, pelo uso da Tecnologia da Informação, fato que redundaria
no acompanhamento em tempo real por administrações modais participantes e
clientes das cargas em foco, permitindo a tomada rápida e precisa de decisões em
cada uma das fases da execução.
8.7 – Realidades do Dia a Dia
A multimodalidade tem atingido um estágio importante, sobretudo nos Estados
Unidos da América, devido principalmente a uma série de fatores locais, tais como:
• distâncias grandes de origem a destino;
• desregulamentação modal bastante sedimentada no tempo e na
Administração Pública, como, por exemplo, nas ferrovias e nos
aeroportos;
• apreciável uso interno da unitização, inclusive com a possibilidade de
transportar contêineres superpostos (“double stacking”) nos trens;
• incentivos governamentais federais (ISTEA) e estaduais.
Na União Européia (UE), o panorama real é diferente, embora as autoridades da
Comunidade desejassem obter o mesmo impacto da América do Norte, com a
agravante de que as possibilidades de expandirem sua infra-estrutura de
transporte são bem mais complexas. Entre os empecilhos principais ao uso
generalizado da multimodalidade nesta região podem ser citados:
• distâncias relativamente curtas de transporte;
• falta de desregulamentação das ferrovias;
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
58/62
• escassez de operadores multimodais;
• práticas do setor muito diferenciadas de país para país;
• unitização interna por contêineres pouco difundida.
Sobre este último item, existe no seio da EU e com apoio da Câmara Internacional
de Comércio, Grupo de Trabalho para criação de novos modelos de contêineres,
mais adaptados ao mercado regional que os TEUs e FEUs de origem no
transporte marítimo internacional, como forma de uma melhor captação de cargas,
tendo como transporte principal a ferrovia, e o caminhão nas pontas do porta a
porta.
Por outro lado, há dificuldade em referencias comparativas por falta de um
“benchmarking” entre os modais, que pudesse ajudar a decisão dos gerentes de
Logística. Uma das propostas na UE é formar este instrumento de avaliação com
os seguintes itens:
• preços (custo por quilômetro, custo por tonelada)
• tempo (velocidade) e horários (confiabilidade)
• regularidade dos serviços (freqüência)
• índices de segurança (perdas e danos)
• gerênciamento de qualidade (atendimento amigável, exatidão documental).
• eficiência (v.g. pessoal empregado versus número de movimentos,
quilômetros viajados em vazio)
Outra questão muito discutida é a automação das operações internas de
transporte, inclusive o uso de veículos automatizados, principalmente no transporte
de contêineres, que representam a maior parte da questão.
E no Brasil? Há pontos comuns com os dois antecedentes internacionais e outros
com importantes diferenças. Como no caso norte-americano, as distâncias são
grandes, mas como na Europa a desregulamentação é nova e ainda não está
difundida uma cultura pró-multimodalidade. A recuperação dos portos, por via da
privatização, ainda não é total, progride com alguma lentidão e todavia não
conseguiu reverter completamente a imagem de ineficiência e carestia que
onerava o sistema portuário, agravada na área de cabotagem pela crise de nossas
empresas de navegação.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
59/62
Na própria regulação do Operador de Transporte Legal ainda faltam melhores
definições, como no caso dos seguros. Este fato dificulta ainda mais a formação
rápida de uma cultura de transporte multimodal entre os usuários em geral.
ANEXO A
BIBLIOGRAFIA DE TERMINAIS DE CARGA
Genérica:
Agencia para el Desarrollo Internacional-AID: “Estudios de Factibilidad y
Analisis de la Solidez Económica y Técnica de Proyectos de Capital
Importancia”, Centro Regional de Ayuda Técnica, México, 1965;
Alvarenga, Antonio Carlos e Novaes, Antonio Galvão: "Logística Aplicada",
Livraria Pioneira Editora, São Paulo, 1995;
Bustamante, José de C.: "Capacidade dos Modos de Transporte"; Instituto
Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 1998;
Bustamante, José de C.: "Terminais de Carga"; Instituto Militar de
Engenharia, Rio de Janeiro, 1997;
Colley Jr., John L.: Operations Planning and Control", Holden-Day Inc., São
Francisco, 1978;
Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes - GEIPOT: "Anuário
Estatístico dos Transportes", Brasília, 1999;
Manheim, Marvin L.: “Fundamentals of Transportation Systems Analysis”
The MIT Press, Cambridge, 1979;
Morlok, Edward K.: “Introduction to Transportation Engineering and
Planning”, McGRaw-Hill Book Co., New York, 1978;
Uelze, Reginald: "Logística Empresarial", Livraria Pioneira Editora, São
Paulo, !974;
Weber, Érico A: "Armazenagem Agrícola", Kepler Weber Industrial, Porto
Alegre, 1995.
Wild, Friedmann: "Edificios para Almacienamiento y Distribución de
Mercancías"; Editorial Gustavo Gili S/A, Barcelona. sem data.
Portuária:
Andronov, L.P.: "Estudio del Movimiento de Mercancias y las Operaciones
de Estibación", Editorial Mir, Moscou, 1977;
Cornick, Henry F.: "Dock and Harbour Engineering", Charles Griffin & Co.
Ltd, 4 vols., Londres, 1959;
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
60/62
Lazarev, N. F.: “Cálculos de Explotación al Organizar los Trabajos de Carga
y Descarga en los Puertos Marítimos”, Editorial MIR, 1a. Edição, Moscou,
1976
Mason, Jayme: "Obras Portuárias", Editora Campus, Rio de Janeiro, 1981;
Novaes, Antonio G.: “Economia e Tecnologia de Transporte Marítimo”,
Almeida Neves Editores, 1a. Edição, Rio de Janeiro, 1976.
Vetrenko et allii: "Normalización Técnica del Trabajo en los Puertos
Marítimos", Editorial Mir, Moscou, 1977;
Wöhlbier, Reinhard H et allii.: "Bulk Port Development, Design and
Operation"; Trans Tech Publications, Zellerfeld, 1987.
Ferroviária:
American Railway Engineering Association - AREA: "Manual of
Recommended Practices: Permanent Way", vol.II, cap.15 -"Yards", AREA,
Chicago,1990;
Brina, Helvécio L.: “Estradas de Ferro”, Livros Técnicos E Científicos
Editora, 1a. Edição, Rio de Janeiro, 1983.
Falavinha, Luiz Antônio B.: "Pátios Ferroviários", Curso Jerônimo Monteiro
Fº, Rio de Janeiro, 1982;
Gomes, Claudia M. N.: "Análise do Desempenho Operacional de Pátios
Ferroviários"; Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 1982;
Rede Ferroviária Federal S/A - Superintendência Regional 4: “Pátios e
Terminais: Lay-out”, edição da Superintendência de Produção, São Paulo,
1978;
Rede Ferroviária Federal S/A - Superintendência Regional 5: "Pátios e
Terminais: Dimensionamento e Avaliação Econômica"; SR-5/RFFSA,
Curitiba, 1983;
Rives, Fernando Oliveros et allii: “Tratado de Ferrocarriles - II”, Editorial
Rueda, 1a Edição, Madrid, 1980;
Togno, Francisco M.: "Ferrocarriles” Representaciones y Servicios de
Ingeneria S.A., 1a. Edição, Mexico, 1968.
Rodoviária:
American Association of State Highway Officials - AASHO: ”A Policy on
Geometric Design of Rural Highways”, AASHO Editions, 4a. Edição,
Washington, 1967.
American Association of State Highway Officials - AASHO: “A Policy on
Design of Urban Highways and Arterial Streets”, AASHO Editions, 2a.
Edição, Washington, 1974.
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
61/62
Cleveland, D. E. Et allii: “Manual of Traffic Engineering Studies”, Editions of
the Institute of Traffic Engineers, 3a. Edição, Washington, 1964.
Departamento Nacional de Estradas de Rodagem-DNER: “Manual de
Implantação de Centros Rodoviários de Carga e Fretes e Terminais
Rodoviários de Carga-MICERT”, edição do DNER, Rio de Janeiro, 1977;
Departamento Nacional de Estradas de Rodagem - DNER: “Manual de
Projeto de Engenharia Rodoviária”, Instituto de Pesquisas Rodoviárias-IPR,
4 volumes, 1a. Edição, Rio de Janeiro, 1974.
Highway Research Board - HRB: “Highway Capacity Manual - 1994”,
National Research Council, 5a. Edição, Washington, 1994.
Road Research Laboratory - RRL: “Research on Road Traffic”, Her
Majesty’s Stationery Office, 1a. Edição, London, 1965.
Valdés, Antonio et allii: “Ingeneria de Tráfico”, Editorial Dossat, 1a. Edição,
Madrid, 1971.
Robinson, Leslie: "Road Transport Management Systems and Records",
Gower Press, Londres, 1971;
Sussams, John E.: "Efficient Road Transport Scheduling", Gower Press,
Londres, 1971;
Aeroviária:
Airbus Industrie: “A300: Caractérisques Générales”, edição da Airbus
Industrie, Paris, sem data;
Boeing Company: “Commercial Airplanes”, Seattle, 1998;
Consórcio Brasileiro – Alemão do Projeto para o Corredor de Transporte Rio
de Janeiro / São Paulo / Campinas – TRANSCORR RSC: “Estudo do
Corredor de Transporte Rio de Janeiro – São Paulo – Campinas: Fase II”, 9
vols., edição do TRANSCORR, São Paulo, 1998;
Departamento de Aviação Civil – DAC/MinAer: “Diagnóstico da Área do
Terminal de São Paulo –TMA/SP”, edição DAC, Rio de Janeiro, 1997;
Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes – GEIPOT: “Plano de
Desenvolvimento do Sistema de Aviação Civil – PDSAC”, 3 vols., edição do
GEIPOT, Brasília, 1975;
Federal Aviation Agency / USA – FAA: “Airport Capacity and Delay – AAS-
100”, FAA Office of the Associate Administrator for Airports – ARP,
Washington, 1993;
Federal Aviation Agency / USA – FAA: “Airport Environmental Handbook –
APP-600”, FAA Office of the Associate Administrator for Airports - ARP,
Washington, 1995;
Federal Aviation Agency / USA – FAA: “Airport Planning – APP-400”, FAA
Office of the Associate Administrator for Airports – ARP, Washington, 1996;
UFES – NULT Logística e Transportes
Terminais de Carga Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.
62/62
Hidroservice/Acres/Parkin: “Estudo de Viabilidade Técnico – Econômica do
Principal Aeroporto Internacional do Brasil”, 5 vols., edição da Hidroservice,
São Paulo, 1969;
Horonjeff, Robert: “Planning and Design of Airports”, McGraw-Hill Book Co.,
New York, 1975;
International Civil Aviation Organization – ICAO: “”Manual on Air Traffic
Forecasting – Medium and Long Term Forecasting”, edição da ICAO,
Montreal, 1990;
Multiplan Projetos Técnicos Ltda.: “Transporte Aéreo Regional no Brasil”,
edição da Empresa Brasileira de Aeronáutica S. A. –EMBRAER, São José
dos Campos, 1974;
Straszheim, Mahlon R.: “The International Airline Industry”, The Brookings
Institution Editions, Washington, 1969
Multimodal:
Bustamante, José de C.: “Terminal Intermodal de Cargas – Sul (Baixada
Santista)”edição da IESA, Rio de Janeiro, 1982;
Bustamante, José de C.: “Terminais Intermodais de Carga”, NULT/UFES,
Vitória, 2001
Hernández Komarova, A. D.: “Transporte Multimodal de Carga – Análise de
Alternativas”, ediçao do PGTRANS/IME, Rio de Janeiro, 2000;
Pimentel, A. L. G.: “Uma Contribuição ao Estudo da Intermodalidade no
Transporte de Carga no Brasil”, edição da COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro,
1999;
Thiriet-Longs, R. A.: “Transporte Intermodal de Carga”, edição do GEIPOT,
Brasília, 1982;
Transcorr: “Transporte Multimodal”, edição da Transcorr, São Paulo, 1997;
Transportation Research Board: “Vision and Potential for Intermodalism”,
edição do National Research Council, Washington, 1993;
World Bank: Brasil – Transporte Multimodal de Carga – Questões
Regulatórias Selecionadas”, edição Banco Mundial, Washington, 1997.

UFES – NULT Terminais de Carga

Logística e Transportes Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.

3.4.2 - Estruturação dos terminais de carga 3.4.3 - Componentes construtivos 3.4.4 - Instalações e equipamentos genéricos 3.5 - Bases para Dimensionamento de Instalações 3.5.1 - Mercadorias de pátio 3.5.2 - Mercadorias de estocagem fechada

4.-Terminais Portuários.......................................................18
4.1 - Tipologia e Componentes de um Porto Organizado 4.2 - Dimensionamento Operacional de Berços e Retroporto

5.- Terminais Ferroviários....................................................25
5.1 - Tipologia 5.2 - Funções Operacionais dos Pátios 5.3 - Análise dos Vagões no Pátio 5.4 - Etapas do Planejamento de um Terminal Ferroviário

6.- Terminais Rodoviários....................................................29
6.1 - Análise Sistêmica 6.2 - Planejamento dos Terminais Rodoviários Complexos 6.3 - Principais Partes Componentes 6.4 - Armazéns Rodoviários 6.5 - Pátios Rodoviários de Estocagem 6.6 - Estocagem em Silos para Graneis Sólidos 6.7 - Equipamentos de Movimentação de Cargas de Pátio 6.8 - Correias Transportadoras

7.- Terminais Aeroportuários...............................................40
7.1 - Conceitos Gerais da Aviação Civil 7.2 - Bases Primárias do Planejamento Aeroportuário 7.3 - Parametrização de Pistas, Pátios, Acessos e Estacionamentos 2/62

UFES – NULT Terminais de Carga

Logística e Transportes Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.

7.4 - Interface de Coordenação

8. - Terminais Multimodais......................................54
8.1 – Conceito Implícito de Multimodalidade 8.2 – Conceito Operacional de Multimodalidade 8.3 – Conceito Multimodal e Intermodal 8.4 – Conceito Logístico 8.5 – Conceitos Teóricos e Pragmáticos 8.6 – Conceito Atual de Multimodalidade 8.7 – Realidades do Dia a Dia

Anexo A - Bibliografia..........................................................58
I.a – Genérica I.b – Portuária I.c – Ferroviária I.d – Rodoviária I.e – Aeroportuária I.f – Multimodal

Observação Importante:
Como muitos equipamentos e instalações são comuns a diferentes terminais modais, para evitar descrições repetitivas em cada capítulo, os dados básicos respectivos se encontram no Capítulo 6 - Terminais Rodoviários, por serem os terminais mais comuns no País.

3/62

com ou sem transferência de veículos deste modal. bem acima da média. o que correspondia.Taxonomia dos terminais: 1. Os primeiros geram a oferta e os segundos a demanda.quanto à localização: difusa: espalhada aleatoriamente pela área de influência direta. por exemplo. sejam os fluxos intercambiáveis ou não. evitando o redespacho. com conhecimentos de carga ( “bill of lading”) separados para cada modalidade. no caso dos modais terrestres. concentrada: situada em parcela restrita da área de influência direta. a aproximadamente uma faixa entre 5 e 10 mil toneladas/ano.Definições Básicas 1. em períodos de tempo inferiores a um ano. com ênfase na captação de usuários pela satisfação de suas expectativas quanto à qualidade de serviço e sua tempestividade. mas no caso de emprego de mais de um modal. com instalações e equipamentos para partida.2. Terminais intermodais: acessam diferentes modais e os fluxos intercambiáveis são regidos por um único conhecimento de carga. Nos Planos de Transporte do GEIPOT. Fluxos significativos: conceito subjetivo. Bustamante. contribuindo o terminal para o atendimento satisfatório do mercado. Terminais intermediários: situados em pontos entre os extremos de um trecho de via ou rota. chegada.1 . Terminais unimodais: os que atendem a fluxos transportados por uma única modalidade. representavam um mínimo de um veículo por dia. que pode ser ou não sazonal.C. com ênfase na maximização da operação de transporte.2 . comboio ou modalidade. 4/62 .Terminais de carga: conceitos gerais Conceito histórico: pontos iniciais ou finais de percursos modais. Terminais de ponta: situados na extremidade de um trecho de via ou rota. destino ou sofrem transferência de veículo. M. 1. Conceito econômico: interface entre setores produtores ou consumidores e o transporte de seus produtos ou insumos. por exemplo. carga e descarga de veículos servindo o trecho. Conceito moderno: pontos da via de uma modalidade de transporte em que fluxos significativos tem origem. isto é com concentrações expressivas. Engº. Terminais multimodais: operam com mais de um modal de transporte.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.1 . José de C. Capítulo 1 .

enquadrandoos em uma das seguintes categorias: gerais: que manuseiam qualquer tipo de carga. irregular: distintos segmentos do conjunto de terminais de uma área se se enquadram em diferentes classificações de localização. Engº. cobrando por seus serviços. periférica: localizada no contorno da área de influência direta. de empresas de armazenagem: visam captar a armazenagem de fluxos de usuários que não tem instalações próprias e podem ser servidos por um ou mais modais. líquidos e gasosos. de empresas ou cooperativas produtoras: para embarque de seus produtos ou descarga de seus insumos em um ou mais modais. com a finalidade de promover e facilitar o uso dos modais acessados. do usuário: pertence a uma empresa usuária. ou petróleo e seus derivados. tipológicos: que operam com um tipo particular de carga.C.quanto à propriedade: do transportador: pertencente à administração da empresa de transporte. embora possa atender outras empresas do setor e até outras modalidades.. etc. como por exemplo graneis sólidos minerais. ainda que transportados por diferentes modalidades. M.2. carga geral. específicos: que manipulam determinado produto. como os terminais para gás liqüefeito de petróleo (GLP). 5/62 . 1.quanto à tipologia das cargas: É o mais usual no meio transportista para qualificar o terminal.3 . marginal: situada nas margens de via troncal de acesso à área de influência direta. José de C. bem como seu planejamento e coordenação. adjacente: nas cercanias de via troncal de acesso à área de influência direta.2 . Bustamante. de órgãos públicos: administrados pelo Poder Público em seus diferentes níveis. graneis sólidos. 1. que normalmente reserva o uso a seus produtos e/ou insumos exclusivamente. de empresas consumidoras ou distribuidoras comerciais: para recepção e posterior consumo ou distribuição dos produtos desembarcados. cargas frigorificadas e cargas unitizadas. ou seja.2.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.

beneficiam os produtos antes do embarque. em particular as agrícolas. particularmente os sazonais. de forma a facilitar a distribuição para comercialização. 1. distribuidores: concentram produto(s) vindo(s) para distribuição ao consumo de determinada área. a fim de alcançarem as especificações exigidas pelo mercado. reguladores/estocadores: armazenam quantidades significativas de um ou mais produtos.quanto ao objetivo funcional: concentradores de produção: situam-se em regiões produtoras ou geradoras de carga. beneficiadores: além de concentrar cargas. concentrando-as para carregamento e assim facilitam seu transporte de longa distância a partir de um único ponto de embarque. José de C. de forma a atenuar os picos de transporte e homogeneizar a distribuição ao longo de período maior de tempo. M.2. Engº.C. 6/62 . servindo ainda de pulmões para os fluxos.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Bustamante. melhorando sua qualidade.4 .

sem prejudicar outros usuários. Capítulo 2 . 2. de forma a minimizar os transportes complementares de coleta ou de distribuição.função de incentivos governamentais Tais como concessão de áreas e isenção ou redução temporal de impostos e taxas. silos.1 .2.Microlocalização: É a seleção de um local na região apontada pela macrolocalização. como "Branch and Bound" e o de "p-medianas" 2.5 . inclusive com as que se referem à proteção ambiental.C.2.função do uso do solo É a forma de se enquadrar harmoniosamente com as prescrições administrativas a respeito.3 . função da demanda e da operação de transporte.função do sistema viário Decorre da maneira de estar eficientemente integrado com a operação do modal ou dos modais que o acessam. 2. 2.função do mercado Implantar de modo que a acessibilidade de usuários do terminal seja facilitada e econômica. perigosas e poluentes. localização de terminais em redes viárias pode ser encaminhada por algorítmos de Pesquisa Operacional..função da topohidrogeologia Determina as possibilidades construtivas das partes componentes do terminal.Concepção da Localização dos Terminais 2. deve-se buscar que se situem no entorno imediato do centro de gravidade dos fluxos da área de influência. Caso sejam concentradores ou distribuidores.2. tancagem.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. mercadológicos e legais.2 .4 .Macrolocalização: É a seleção de uma microrregião para os terminais uni ou multimodais.2. particularmente no que tange ao impacto construtivo gerado no solo por cargas pesadas. modais. José de C. armazéns. M. Bustamante. Têm-se como principais fatores: 2. como pátios. Mais sofisticadamente. que devem ser estudados em conjunto na busca de uma solução otimizante.1 . por exemplo. Engº. equipamentos de manuseio e transferência. 2. que é uma multifunção de componentes naturais.2 . etc.2. 7/62 .

• pesagem de controle. M. • contrapesagem e controle. • manejo e carregamento. operada automática. Na ordem de execução a partir da chegada da carga ao terminal seriam: • recepção da carga. segundo o caso. e variando. Bustamante.Principais receitas. 2. com peso. podendo ser total. Capítulo 3 . função de peso e/ou área ocupada. verificação de sua documentação e integridade. • conservação para evitar a deterioração e perdas. podendo ser automática ou por verificação. por negligência.. • armazenagem. etc. como pesagem. ou nulo.Operações e Receitas Usuais de um Terminal. certificações. taxas de movimentação do produto entre veículos ou entre estes e a armazenagem. parcial por amostragem. São resultantes da cobrança de um ou mais dos seguintes eventos: 1. no caso de agenciar a colocação de produtos no mercado. e necessidade de acomodação. reembalagem. manual ou por estimativa. 3. 3. • classificação do produto. envolvendo carga e/ou descarga. verificação de merma. 5. volume. reparação de avarias. desinfeção. 3. por estimativa. • retirada para embarque. podendo ser documental ou experimental. valor. ou criminosas. naturais. valor. emissão de “warrants” negociáveis. manual. José de C. periculosidade tipo de instalação (armazém ou pátio) e período de uso. periculosidade. taxas por serviços conexos. • emissão de conhecimento de embarque e anexos. • despacho do(s) veículo(s) para a operação de transporte. 8/62 . secagem. químico ou biológico. com certificação se for o caso. utilização de equipamento especial. 4. mecânico ou automatizado. autorização de ingresso ao terminal. taxas de armazenagem. podendo ser automática.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.Operações usuais Um terminal efetua uma ou mais das operações a seguir definidas. etc. mecânica ou manual. conforme os produtos que manipule.C.2 . • pré-tratamento físico. Engº. taxas por serviços administrativos como documentação de transporte. conforme a modalidade.1 . amostragem ou automática. comissão. automatizada. mecânica ou manualmente.

..porto de destino citado) CPT CARRIAGE PAID TO (. acrônimo em inglês de INternational COmmerce TERMS. padronizadas para definição uniforme em todo o Mundo. independente do idioma que falem os contratantes. que em realidade representam cláusulas comerciais ou seja entre comprador e vendedor do produto em causa.1 – Cláusulas comerciais e INCOTERMS.. Estes termos.. armazenagem.. e deste modo facilitam o entendimento e a resolução de conflitos. José de C. 3. e obrigações fiscais..3.C.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. surgiram em 1936 e são denominados INCOTERMS. e que devem ser conhecidos dos técnicos que planejam... ao transportador e ao gerente de terminal só interessam para saber quem é o responsável pela despesa incorrida no transporte. Bustamante.local de destino citado) Em realidade.. operam ou usam terminais.porto de destino citado) DEQ DELIVERED EX QUAY (.. estas cláusulas regulam pagamentos entre comprador e vendedor.. . ICC em inglês..2 .Termos comerciais relativos a cargas passando por terminais. como visto anteriormente.. constróem. porto de embarque citado) FOB FREE ON BOARD (. 3. 3.local de destino citado) DAF DELIVERED AT FRONTIER (... porto de destino citado) CIF COST..porto de destino citado) DDU DELIVERED DUTY UNPAID (. hoje em número de 14..3. de forma a poder assegurar seus direitos de receber corretamente pelos serviços prestados..Terminologia de cargas internacionais 9/62 . Os 13 usuais (o 14º é para carga aérea). Engº. são: EXW EX WORKS (. INSURANCE AND FREIGHT (.. fruto da edição de 2000 da Câmara Internacional de Comércio. carga/descarga.local de destino citado) DDP DELIVERED DUTY PAID (....3 .local de destino citado) CIP CARRIAGE AND INSURANCE PAID TO (. A comercialização doméstica ou internacional de mercadorias envolve a utilização de certos termos. manuseio. local citado) FAS FREE ALONGSIDE SHIP (.. local citado) DES DELIVERED EX SHIP (. local citado) FCA FREE CARRIER (. pelo estreito vínculo que guardam com as políticas mercadológicas dos mesmos e a responsabilidade pelos gastos derivados da utilização das "facilidades" de transporte. M....porto de embarque citado) CFR COST AND FREIGHT (.

NAB. minerais ou vegetais. que se difundiu com adaptações regionais. a classificação universal das cargas que por eles transitam. padrões ou específicos. entre os países-membros latino-americanos da ALADI. constituindo o veículo o elemento de contenção. como piggyback. é formada de modo geral pelas mercadorias embaladas. como grãos e minérios. como bobinas de papel e de 10/62 . 2.Cargas. engradados. termo que vem se tornando usual em transporte marítimo para designar produtos que são transportados a granel. que embora pudessem ser classificadas em uma das categorias acima.NBM.LASH( lighter aboard ship).4. estrados ou “pallets”. como sacaria. M. 3. instalações e equipamentos são selecionados. encomendados e postos para operar segundo o que vão armazenar. construções. TOFC( trailer on flat car). de vez que construções. diferentes das embalagens individualizadas. É regida pela Nomenclatura Aduaneira de Bruxelas . caixotes e caixas. tambores e amarrados.4 . abrigar ou manejar. Antes de estudar especificamente os terminais modais. todas porém mantendo a estrutura dos 4 primeiros dos oito dígitos dos códigos de identificação da NAB e adaptando os 4 restantes a suas necessidades próprias. cargas frigoríficas. carga geral: conhecida também por carga seca. mas cujos elementos apresentam individualmente volume expressivo. etc. ex-NABALALC. fardos. minerais ou agrícolas. Bustamante.1 – Classificação universal das cargas 1. de aceitação universal. José de C. 3. graneis líquidos. como derivados claros e escuros de petróleo e óleos vegetais. "break bulk". Engº. como o GLP e o cloro. com manutenção permanente de temperaturas baixas e controladas. como a Nomenclatura Brasileira de Mercadorias . graneis: mercadorias transportadas sem embalagem individual. Podem ser graneis sólidos. as mantém como uma unidade para manuseio de transferência.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. como a NABALADI. 4. convém conhecer componentes comuns aos diferentes tipos. formam uma classe a parte pelo manejo diferenciado que exigem. que podem ser de alta ou baixa pressão. cargas unitizadas: que por meio de equipamentos contentores. 3. pré-lingadas e sistemas especiais em que o veículo sem tração constitui o elemento unificador.C. 5. Em primeiro lugar. instalações e equipamentos de terminais. e mesmo nacionais. e graneis gasosos. Os mais comuns são: contêineres. ou a NADE do Uruguai.

2 – Estruturação dos terminais de carga A estruturação de um terminal de carga.: • sistemas viários internos. com o acesso às vias dos modais que nele operam. 3. banheiros. tesouraria. como postos de abastecimento e 11/62 abastecimento.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. M. retenção e/ou filtragem de poluentes. como reparação e estacionamento de veículos. de forma a integrar o terminal ao ambiente urbano ou rural exterior. sem choques estéticos. lojas de conveniência. • elementos de apoio operacional.4. • elementos de vedação. constituída por construções.4. compõe-se normalmente dos seguintes elementos: • interfaces externas. para acessibilidade às diferentes áreas do terminal e estacionamento de veículos de transporte e de serviço. como energia. • conexões a serviços de utilidade pública. instalações e equipamentos. toras de madeira. etc. água potável e industrial. Engº. carga/descarga e armazenagem. policiamento. • elementos de proteção ambiental interna e externa. esgotos pluviais e sanitários e remoção de lixo. • elementos de paisagismo. . • interfaces internas. portarias. restaurante/lanchonete. ambulatório. intra e intermodais. 3. etc. operacional e patrimonial. profissional e social. manutenção. telecomunicações.C. José de C. produtos siderúrgicos em barras longas. • elementos de apoio administrativo. pode-se classificá-las como de: • operação de transporte: as que se relacionam especificamente com a operação dos modais que acessam o terminal. como dispositivos anti ruídos. deposição de poeiras.3 – Componentes construtivos Quanto às construções. tubos metálicos. etc. como cercas. permitindo operações de transferência. bombeiros. aço. Bustamante. como gerência. controle e segurança pessoal.. etc.

2.áreas terraplenadas.. As COBERTAS se agrupariam em: . ainda que. guindastes. pórticos e tubulações.armazéns tradicionais. controle e despacho de veículos ou composições. Bustamante. “car e truck dumpers”.pátios pavimentados. 12/62 . postos de comunicação. como moegas. podendo ser comuns ou de pressão. de desembarque. bancos. . podem ser citados: 1. . . etc. guindastes de gancho ou de caçamba. estações de recepção. recuperadoras (“reclaimers”). bicas. lanchonetes. As AO AR LIVRE se classificariam em: . pórticos. em certos casos.silos verticais e horizontais. fechados e com plataformas de acesso.C. .fechadas. José de C. lojas de conveniência. 3. etc.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.galpões fechados ou abertos. podem ser de dois tipos: vinculados diretamente ao transporte e à armazenagem. oficinas de manutenção. empilhadoras (“stackers”). • administração: abrigando as funções de gerenciamento do terminal. em pórticos estruturais. segurança. com ou sem vedação interna. ao ar livre e tancagens.abertas. As TANCAGENS seriam: . e decorrentes das interfaces com o ambiente externo. esteiras rolantes. • armazenagens de carga: que se subdividem em cobertas. etc. com carga por gravidade de graneis. • complementares: como portarias. Engº. com ou sem vedação interna.4 – Instalações e equipamentos genéricos Quanto às instalações e aos equipamentos.4.. revisão. com tampa removível. como plataformas fixas e móveis. de embarque. M. Entre os tipos vinculados diretamente ao transporte e à armazenagem.

M. Quanto às de conexão com interfaces externas. plataformas. aspersores contra difusão aérea. Engº. de secagem: comandada por tempo ou automática. telex. tem-se: • subestação transformadora e distribuidora. 7. 11. aeração ou por energia solar.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. correias transportadoras. rede de drenagem pluvial.de seleção ou mistura: por dimensão. parafusos sem fim. guinchos.. estática ou dinâmica) e integradora (eletrônica). de movimentação vertical: guindastes. hidrantes e rede de abastecimento interno e rede anti-incêndio. atributos físico-químicos ou por formulação. drenos retentores. roletes. Bustamante. lavagem. 9. “redlers”.. sistemas pneumáticos e mecânicos. • hidrômetros. de desinfeção: como fumigadores. • de despoluição ambiental: como filtros. etc. caixas de inspeção. caçambas. ou automática. fax. 8. locomotivas de manobra. rádio e rede interna. 6. reservatórios. pórticos. elevadores de prancha e de caneco. purificadores de emissão de gases. 13/62 . • bueiros. etc. de pesagem fracionada (mecânica ou eletrônica. 10. • central de telecomunicação por telefone.. 3. cavalos mecânicos e carretas.C. resultante de combustíveis sólidos. etc. teleféricos. de embalagem: comandada por unidade. de movimentação mista: bombas. pontes rolantes. pórticos. empilhadeiras. injeção de gases. de movimentação especial: como as pás aeradoras. líquidos e gasosos. de movimentação horizontal: tratores. 5. José de C. por eletricidade. chutes.. 4.

1 – Mercadorias de pátio Geralmente as mercadorias de pátio.02.98% 10.31% 15.áreas de segurança e controle . D diâmetro da base e H altura do cone 2.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.01 14/62 . cone: Vc = 0. administrativo. social . pirâmide de base quadrada. Engº.7 milhões de metros quadrados para uma primeira fase. Bustamante.D³.tgα onde C é a circunferência. Figura 3.5. Os volumes calculados de mercadoria empilhada para cada uma destas formas se dão nas fórmulas a seguir. serão melhor vistos ao se tratar especificamente de terminais de cada modal. As formas mais usuais são: cone. no projeto do Terminal Intermodal do Rio de Janeiro. Quanto aos equipamentos em si. pirâmide quadrada: Vp = 1/3 A² H onde A é o lado da base e H a altura ou ainda Vp = 1/6 A³ tg α.59% 48.tgα.01 e 3.76% 1.: 10. projeto este não concretizado. são estocadas por empilhamento em formas geométricas que tem como determinante seu ângulo de repouso (α ).89% 0.sistema viário interno e redes de utilidades .131. formadas por graneis sólidos não higroscópicos.131(D³-d³) tgα onde D é diâmetro da base e d diâmetro da seção superior.áreas operacionais modais .262 D² H = 0.C. tronco de cone: Vtc=Vcr1-Vcr2 = 0. que teria a seguinte distribuição: . nem solúveis.Bases para dimensionamento de instalações 3. M. José de C. prisma triangular e cunha. relativas às Figuras 3.áreas para expansão 3.acessos modais .5 .C³. 3.áreas de apoio técnico. A título de exemplificação. que é um prisma triangular arrematado nas duas extremidades por meia pirâmide quadrada.47% 13. tronco da mesma pirâmide. outras fórmulas: Vc = 0.00423. tronco de cone. em particular os rodoviários. havia uma área total de 1.

silos. além de dar um toque indesejável de desarrumação aos pátios do terminal. Vptt = (C-c) L ou Vptt = L/4 (A² . quantidades a movimentar. José de C. em edificações tais como armazéns.02 As duas últimas formas são as mais usuais para o empilhamento de minérios e de carvão. 6. 3. que dificulta a estimativa de medição. tronco de pirâmide quadrada: Vtp = Vpa1-Vpa2 ou seja o volume do que seria a pirâmide maior menos o da pirâmide menor superior.5. 15/62 . e necessidades técnicas de manipulação e armazenagem do lado das entradas em estoque.Mercadorias de Estocagem Fechada São aquelas que utilizam instalações fechadas para sua armazengem nos terminais. tanques e galpões. Bustamante. em países com temperaturas elevadas como o nosso. depende do veículo de saída. calendário de entrega. pela facilidade com que são executadas pelas empilhadoras de grande porte .C. 5.a²) tg α. em termos de produto.2 . do lado do despecho de saída. é necessária a colocação de aspersores de água . No caso particular do carvão. eliminando um prisma triangular superior menor. Deve-se evitar sempre o empilhamento anárquico. prisma triangular truncado: é um prisma triangular secionado por um plano paralelo à base. embalagem. especialmente onde reinam ventos fortes e freqüentes. veículo de chegada. Engº. O dimensionamento destas instalações depende do conhecimento que se tenha dos fluxos a serem recebidos. Figura 3.a³) tg α. M. 4. a movimentação do produto. calendário de partida e necessidades técnicas de movimentaçãp e carga. comum em todos os climas.para evitar combustão expontânea além da difusão eólica poluidora.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. : Vtp = 1/6(A³ . onde A é a largura e H a altura. ou ainda Vpt = 1/4 A² tg α.e agilização das medições. prisma triangular: Vpt = CL onde L é o comprimento do prisma e C = 1/2 AH.“splinkers” . no caso de minérios pulverulentos para reduzir ou eliminar a difusão aérea. fonte de poluição ambiental.“stackers” .

de um lado para carga e outro para descarga.Cuidado especial deve ser dado à iluminação. com acesso por empilhadeiras automatizadas. estimados os fluxos de entrada e de saída ao longo de um período. operando 16/62 . tem piso plano e portas amplas de correr. tendo em vista a probabilidade de atrasos dos veículos ou de avarias nos sistemas do terminal.. Engº. Bustamante. M.03 a seguir Figura 3. valor este que será função de cada situação em particular. com fechamento externo seguro nas faces de acesso. com dimensões suficientes para a operação de movimento e empilhamento previsto. a capacidade necessária de armazenagem é função do gráfico básico da Figura 3.Previsão da Capacidade de Estocagem Fechada Para maior segurança. Devem ter altura suficiente para abrigar as pilhas admissíveis para aquele produto com aquela embalagem.03 . fator imprescindível para uma operação eficiente e segura. Os tradicionais armazéns para carga geral. usa-se um coeficiente de segurança na determinação do valor de implantação. baseado na política mercadológica da empresa e na sua experiência operacional.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. A largura do armazém nesta hipótese deve ser no máximo de 12 m. Corredores internos de manipulação devem ser pintados no piso. comandadas ou não por computador. a colocação de conjuntos paralelos de prateleiras metálicas. natural ou induzida. Em termos teóricos. especialmente quando estocam caixas ou peças de dimensões pequenas ou médias. geralmente com plataformas externas cobertas. José de C. Vai-se tornando usual nos depósitos fechados de maior movimentação. tendo ademais um tirante de ar para manter a correta ventilação.. em especial os de sacaria com manipulação manual.C.

UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Bustamante. No Capítulo 6 referente a Terminais Rodoviários. nas três dimensões do espaço entre os conjuntos de armazenagem e as portas de acesso. podendo operar de forma totalmente automática. Engº. M. 17/62 . como foi dito anteriormente. José de C. encontram-se outros detalhes sobre construções e equpamentos para terminais de carga.C.

tem-se: 1. • retroporto: que por sua vez se subdivide em: 18/62 . Engº.militares: que são as bases navais e de guardas-costeiras. . M. . em ilha artificial afastada da costa ou em forma de bacia interna. os de reparos e os de abastecimento. cais com faixa de atracação e movimentação terrestre. . podendo ser ao longo da costa. carga ou mistos. estação de serviços (local de atracação de rebocadores. 3. terminais marítimos: situados em área de mar.Terminais Portuários 4. • • • • fundeadouros. perpendicular à mesma. pontões de serviço e embarcações de polícia e de bombeiros).de serviço: como os pesqueiros.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Quanto à finalidade. cábreas.1 . Desta forma. naturais ou construtivos. seus terminais recebem uma primeira classificação segundo o corpo de água em que se situam. Capítulo 4 . plataforma afastada com passarela de acesso. 2. fechada ou aberta. terminais lacustres: implantados nas margens de um lago ou a elas vinculados. Um porto é formado por distintos componentes. os portos se agrupam nas seguintes categorias: . terminais fluviais: construídos nas margens de um rio ou a elas ligados.de lazer: representados principalmente pelas marinas. que se classificam em 4 blocos: • anteporto: constituído essencialmente por duas partes: • canal de acesso.comerciais: podendo ser de passageiros. • porto propriamente dito. Bustamante. englobando: bacia de evolução.C. José de C.Tipologia e componentes de um porto organizado Na modalidade aquaviária.

água potável e industrial. e interna em armazém ou galpões.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. incêndio.g. ao longo da costa. etc. estruturais pontuais de atracação. M. cujo acesso ao mar pode ser por canal livre ou por eclusa. como as redes de utilidades.C. v. duques d’Alba ou “dolphins”. que pode ser externa ou de pátio. 4. e operadores portuários e OGMO. • marégrafos. 3. com bóias. trabalhista (DTM) e sanitária (MS e MA). José de C. policial( PF). estiva e capatazia. que se subdividem nos subtipos plataforma fixapassarela e de pontão ou flutuante. com transferência à costa por alvarengas ou chatas. • obras complementares: que compreendem entre outras partes: • balizamento das rotas. telecomunicações. No que tange à concepção do projeto de engenharia. 2. ilhas artificiais. em ambos os casos com ou sem proteção contra ondas.. 19/62 . ou perpendiculares ("piers”). para proteção contra o impacto das ondas. naval( DPC). em seus diferentes segmentos como Autoridade Portuária. faroletes. usadas por vezes para transferência a embarcações menores. segurança. rádioajudas. no interior da costa (“inshore”). com os diferentes modais que se conectam. para carga ou descarga. Bustamante. 5. • instalações auxiliares. os tipos principais de portos marítimos são: 1. de forma a facilitar sua previsão. refletores de radar. • quebra-mares. • armazenagem. no mar (“offshore”). eletricidade em alta e baixa tensão. para registro da amplitude das marés ao longo dos anos. • acessos terrestres. • administração. fazendária (SRF). podendo ser paralelos à mesma (os cais tradicionais). manutenção. no mar. Engº. silos e tancagem.

portos de terceira geração . através de bombeamento por tubulações. José de C.que. tornando-se um centro portuário regional. seguido da condução da embarcação ao interior do porto. visando tornar-se o motor de seu desenvolvimento e um centro de serviços logísticos para a comunidade envolvida. descarga e estocagem. se processam geralmente as seguintes operações: • recepção do aviso de chegada do navio por comunicação via rádio à administração do porto. bóias fixas ou monobóias. e então executa carga ou descarga por transferência a embarcações de menor porte. M. a saber: portos de primeira geração . para carga ou descarga de graneis líquidos. 20/62 . • execução da praticagem. adota uma classificação que vincula o terminal portuário com o seu entorno sócio-econômico. conhecida mais por sua sigla em inglês _ UNCTAD. com ou sem rebocagem. 6. A Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento. ademais se preocupam em gerar em seu entorno usuários comerciais e industriais de suas facilidades. fundeadouros operacionais. • inspeção pelos representantes dos órgãos de controle do cumprimento das exigências legais por parte do navio. 7.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Bustamante. com envio do prático ao navio. carga.empenhados em se entrosar estreitamente com seu hinterland.C. • manobra de aproximação na bacia de evolução.antenados apenas na execução de suas funções básicas de acesso. dividindo-os em 3 grupos. Engº. portos de segunda geração . Desde a chegada da embarcação ao acesso portuário até sua saída do mesmo. onde o navio ancora na espera de transbordo.

ou seja em novilúnio o plenilúnio. para saída do porto.largura do canal: 5b ou seja ½b + b + 2b + b + ½b .00 .profundidade de cais. canal. Chamando de “b” a boca deste navio. de modo a permitir boa fixação das espias aos cabeços de amarração.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. fundeadouro e cais tenham dimensões mínimas segundo o “navio de projeto” que tenha servido de padrão ao dimensionamento do porto. bacia de evolução.02): Tabela 4.C. • desatracação.8 l .00 21100.diâmetro da bacia de evolução: 1. bacia e fundeadouro: c + 1. Engº. Para que as operações de manobra dos navios se efetuem em segurança. Para se ter uma idéia destas medidas nas Tabelas a seguir se dão valores dimensionais de navios marítimos (Tabela 4.Dimensões de Graneleiros Oceânicos TPB(*) COMPRIMENTO BOCA CALADO CUSTO MÉDIO/DIA (10³) 30 50 (m) 185 205 (m) 25 27 21/62 (m) 10 11 (US$) 14900. • liberação do navio para o zarpe pela Capitania. .largura de cada fundeadouro: 3b . • praticagem e rebocagem.01 . . as dimensões mínimas deveriam ser as seguintes: . . é preciso que canal. • atracação ao berço designado.01) e chatas fluviais (Tabela 4. se necessária. • preparação para o zarpe. Os berços de atracação devem ter de comprimento 10% mais que o comprimento total do navio de projeto.5 m na maré vazante de sizígia. José de C. M. • preparação da operação de carga ou descarga. Bustamante.. • operação de movimentação da carga. “l” seu comprimento total e “c” seu calado máximo.

UFES – NULT Terminais de Carga

Logística e Transportes Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.

100 150 200 250

255 285 300 330

37 43 50 53

15 18 25 28

31500,00 44800,00 52800,00 60800,00

Fonte: Estatísticas de construção naval da revista “Fairplay” da Inglaterra. (*)" tonelagem de porte bruto": carga + combustível + água + rancho + tripulação + bagagens + paiol (em inglês "tdw" ou tonnage of dead weight). .

Tabela 4.0 2 - Dimensões de Chatas Fluviais

PRODUTO

TPB

COMPRIMENTO

BOCA

CALADO

BACIA

bauxita cimento min. ferro calcário soja

2000 2200 4000 900 3500

61 m 75 m 80 m 50 m 90 m 85 m

11 m 14 m 16 m 11 m 16 m 14 m

3.4 m 3.5 m 4.0 m 2.3 m 3.6 m 2.5 m

Amazonas Paraná Doce Tietê Jacuí Jacuí

(automotor) 2000

FONTE: PROJETOS DIVERSOS DE NAVEGAÇÃO INTERIOR PARA AS RESPECTIVAS BACIAS.

Os canais fluviais devem ter como dimensões mínimas de largura 4b e de profundidade c+1,0 m. Tem que se examinar a inscrição em curvas. Tanto no caso marítimo como no fluvial e lacustre, se deve ter em mente para o dimensionamento do terminal quais as cargas com origem ou destino no mesmo, através de pesquisa de mercado em seu hinterland, quais são os navios de projeto dos terminais no outro extremo das rotas previstas, para se evitar tanto o sobredimensionamento como o subdimensionamento das instalações neste terminal em implantação. 2 - Dimensionamento Operacional de Berços e Retroporto Atualmente este dimensionamento se baseia em modelos de simulação digital, que podem ser específicos para portos como o SIMPORT, ou aplicativos genéricos como o Arena Profissional, ou os diversos procedimentos que usam o Método de Monte Carlo ou das frequências relativas. De um modo ou de outro todos tem como fundamento central a Teoria de Filas, tema de outro segmento deste Curso de Extensão. Aqueles terminais portuários 22/62

UFES – NULT Terminais de Carga

Logística e Transportes Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.

em que tem significativa proporção os navios "tramps", como sucede nos exportadores de granéis agrícolas, tendem a ter como modelagem chegadas aletórias de corte poissoniano, em quanto que os tempos de serviço dos equipamentos de carga, descarga e movimentação normalmente se distribuem como exponenciais. Os terminais com chegadas mais regulares, como os de empresas privadas com frota própria e rotas bem definidas tendem a serem expressos por chegadas erlanguianas e tempos de serviço que seguem uma distribuição normal. Em qualquer dos casos, as falhas técnicas tendem a se ajustar a uma distribuição de Weibull, com maior freqüência nas fases de "infância" e "velhice" dos equipamentos, e menor na "maturidade" de sua vida útil, pela escolha adequada de seus três parâmetros variáveis: de forma, de escala, de posição..

Assim que para a situação mais comum, que é de 1 berço genérico, com chegadas poissonianas e tempos de serviço distribuidos segundo uma exponencial, podem ser aplicadas as seguintes variáveis, com as fórmulas que as regem em Teoria das Filas: razào de chegada dos veículos: razão de serviço de postos: fator de utilização: conversor para Erlang de ordem k : probabilidade de estar livre o posto: probabilidade de n usuários no sistema: comprimento médio da fila de espera: tempo médio de espera na fila: λ µ ρ=λ/µ α = (1+k) / 2k P0 = 1 - ρ Pn = P0 .ρn ρ Lq = ρ² / (1-ρ) ρ Wq = λ / µ(µ - λ) µ s ρ = λ / sµ µ

Se houver vários postos de atendimento ou estações de serviço, tem-se mais: número de estações de serviço: fator de utilização das s estações: probabilidade de nenhum usuário:

s n  s −1 P0 = 1 / ∑ ( λ / µ / n!) + λ / µ  n =0 probabilidade de n usuários no sistema:
se 0 <= n <= s 23/62

(

)

(

) / s!(1/(1−λ / µ / s))
Pn = [(λ / µ)n/n!] P0 λ

UFES – NULT Terminais de Carga

Logística e Transportes Prof. Engº. José de C. Bustamante, M.C.

se n >= s comprimento médio da fila de espera: tempo médio de espera na fila:

Pn = [(λ / µ)n / (s!sn-s)] P0 λ Lq = [P0(λ / µ)sρ] / [s!(1- ρ)²] λ Wq = Lq / λ

Estas fórmulas, com os parâmetros correspondentes, também se aplicam ao retroporto, seja para previsão da movimentação dos veículos externos e internos, seja para operação de equipamentos. Muitos dos aplicativos específicos de simulação da operação portuária imbutem em seus programas estas formulações.

24/62

_pátios de gravidade ou de rampa. Bustamante. f) setor de abastecimento. g) troca de equipagens.Funções Operacionais dos Pátios: Empregando os tipos acima especificados isoladamente ou combinados por subpátios. e) setor de preparação ou ordenação. Capítulo 5 . _pátios de ponta. tais como: _ do nivelamento de suas linhas. _pátios em pêra. _pátios de formação.TERMINAIS FERROVIÁRIOS 5.1.. tais como _pátios planos simples. _pátios mistos de carga e de passageiros. c) setor de estacionamento.C. _da utilização operacional. pode-se realizar diferentes funções que se executam nos pátios ferroviários. c) regularização do tráfego de toda uma linha. h) reforço e/ou troca de tração. classificação e formação. 25/62 . 5.. _ da localização no sistema modal. _pátios fronteiriços de controle aduaneiro e troca de tração. Os subpátios. _internos aos trechos ou intermediários. _pátios particulares. como sejam: a) carga/descarga de mercadorias ou seu transbordo a outros vagões ou mesmo a veículos de diferente modal. mais usuais em um pátio ferroviário de maior complexidade são: a) setor de recepção/expedição. Engº. f) desinfeção e limpeza de vagões. manutenção e reparos leves. M.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.2. divididos em _pátios de cruzamento de trens. e) abastecimento de locomotivas diesel ou a carvão. José de C. também chamados de setores. que é o regulador entre as linhas de acesso e o pátio propriamente dito. _pátios de gravidade de rampa única. _pátios planos compostos ou setoriais. _pátios de quebra de bitola. sendo neste caso classificados em _pátios de nível ou planos.Tipologia A classificação dos terminais ferroviários de carga pode ser apresentada sob diversos pontos de vista. podendo ser: _nas extremidades dos trechos ou finais. b) cruzamento de trens. _pátios especializados. d) setor de carga e descarga. _pátios de carga e descarga intermediárias ou finais. revisão e abastecimento. _do seu esquema de linhas. b) setor de decomposição. d) revisão e manutenção de viagem de vagões e locomotivas. _pátios de gravidade de rampa múltipla.

6) documentação e licenciamento. 2.Análise dos Vagões no Pátio O primeiro item a estudar é a permanência dos vagões no pátio. e) formulação do modelo operacional. 1.2) ineficiência do esquema das linhas de pátio.4.2.3. areia para todas).1.3) remoção de locomotivas e vagões avariados. devendo portanto cingir a permanência dos mesmos nos pátios ao mínimo compatível com a operação a ser executada neste local. 5. 5. g) projeto executivo construtivo e operacional Esta metodologia é essencialmente multidisciplinar.4) deficiência operacional do Centro de Controle da área.2) acidentes com o trem.1. 1. _economia regional. M. Bustamante. José de C. como os relativos a _tecnologia ferroviária e de manejo de cargas. 2. As etapas correspondentes são: a) definição da filosofia do projeto.2) revista de locomotivas e de vagões. _permanência passiva ou seja quando está imobilizado aguardando uma operação. 1. Esta permanência costuma ser classificada em dois casos: _permanência ativa ou seja quando se está operando no vagão em análise.C. _estatística/pesquisa operacional/simulação. 2. 26/62 . 2. _arquitetura.1.5) abastecimento das locomotivas (óleo e água para as diesels.2. b) seleção da macrolocalização da área do projeto. d) estudo da oferta e da demanda.2. fator ponderável na economicidade do transporte ferroviário e nas finanças da empresa. 2) fatores anormais de permanência: 2. 1. 1. Esta classificação se decompõe da seguinte forma: 1) fatores normais de permanência: 1.1) carga e/ou descarga. Outro enfoque é ver se o que está ocorrendo naquele momento com o vagão se deve a "fatores normais de permanência" ou a "fatores anormais de permanência".4) troca de tração e/ou equipagem.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.1) insuficiência ou despreparo da dotação.2) estruturais 2. c) formação do banco de dados técnico-econômicos disponíveis.1) acidentes interrompendo a via. envolvendo aspectos tão diversos.3) manobras para permitir a operação.Etapas do Planejamento de um Novo Terminal Ferroviário Quando se pensa em implantar um pátio ferroviário de carga. 2. 1. Engº.1) acidentais 2.3) insuficiência ou ineficiência dos equipamentos de pátio. _urbanismo. f) geração por simulação e seleção da melhor alternativa.2. 2. normalmente se seguem passos que a experiência demonstrou serem eficientes na consecução deste objetivo.7) teste de freios. de vez que o vagão só gera receitas quando carregado e em movimento.

M. Evidente que existem ademais linhas apenas de manobras e abastecimento. Estes parâmetros iniciais relativos ao comprimento total de linhas do pátio. por sentido da linha principal e por dia. em horas. se determina pela expressão: LRE = (A x B) + (C x D) 27/62 .para receber vagões avariados e estacionar locomotivas do pátio ou em espera de formação de novos trens. _mercadologia. e o segundo ao "setor de recepção/expedição de vagões". • existência de instalações auxiliares como postos de manutenção de locos e vagões e/ou de abastecimento. onde os trens que chegam tem seus vagões separados por tipo de operação no pátio. tracionado por "C" locomotivas de comprimento médio "D" . Em uma etapa inicial de pré-projeto pode-se empregar fórmulas bastante simples. necessário para atender à demanda prevista de vagões referem-se aos setores mais expressivos do mesmo. refinados com o desenvolvimento do projeto. com uma composição estimada para o maior trem em circulação no trecho de "A" vagões de comprimento médio "B". tanto de Teoria de Filas para estimar acessibilidade dos trens e caminhões.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Direção Classificação Expedição Vagões avariados Posto de Manutenção Haste Manobras e operação Haste Muitas das ferrovias brasileiras que fizeram parte da RFFSA usam um sistema bastante simples para estimar o comprimento destas diversas linhas. No planejamento de um terminal de carga em nível as variáveis fundamentais são: • número de trens que entram ou saem.C. expresso em horas. Bustamante. que permitem se dispor de números básicos. assim como das fórmulas que relacionam a demanda ferroviária ao comprimento das linhas necessárias para atendê-las. o comprimento útil (LRE). • número de vagões que entram e saem por dia. José de C. Assim que para os feixes de Recepção e Expedição. • tempo médio de permanência dos vagões no terminal. e os vagões que já foram operados ou serão transferidos aguardam a formação dos trens respectivos. Engº. O primeiro diz respeito ao "setor de estacionamento de vagões". Falavinha propõe o seguinte fluxograma para planejamento de um terminal de carga de certa complexidade:: Linha Tronco Recepção Decompos . e hastes para . onde se efetuam as operações de carga e descarga. • tempo médio de permanência dos trens no terminal.

Bustamante.C. Para se prever o número de linhas necessárias em cada um dos destes feixes (NRE) usa-se a expressão: NRE = K (HOL / HD ) onde HOL são as horas de ocupação da linha por trens que tenham origem. José de C.RA ) onde Lc é o comprmento útil necessário. A este valor se agrega a distância dos marcos de gabarito existentes em cada extremidade da linha.25 As linhas de classificação servem para movimentar os seguintes vagões: originados carregados. F comprimento médio dos vagões.75. em geral 1. RA relação de aproveitamento. dadas pelo tempo decorrido entre a entrada e a saída de vagões do trecho. O comprimento útil estimado destas linhas é calculado pela expressão: Lc = K(E. Para as linhas de carga e descarga usam-se geralmente distribuiçoes de tempo de operação com parâmetros médios de atendimento. A relação de aproveitamento é derivada da experiência desta operação e normalmente adota-se RA = 0. HD são as horas de disponibilidade diária ao tráfego das linhas em exame. E total de vagões a serem manobrados no mês de pico. ou seja a divisão das horas diárias disponíveis pelo número de horas diárias de ocupação. vazios ou carregados. terminados carregados. definida mais adiante. A relação de revezamento indica o número diário médio de vezes que uma linha de classificação será ocupada.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. terminados vazios. destino ou passagem com permanência prevista no dia de maioir demanda.F)/(RR . M. 28/62 . originados vazios. os de passagem. distância que depende do tipo de aparelho de mudança de via ou "chave" empregado. Engº. também adiante definida. K fator de correção para manutenção das vias. RR relação de revezamento. K fafor de correção relativo à manutenção das linhas. em permanência no terminal.

M. • poluição visual. • sistema hidráulico (água potável. c) Anteprojeto eletromecânico: • rede de Alta Tensão de entrada/subestação/rede de Baixa Tensão de 29/62 .UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. • adequação ao padrão urbano. resíduos industriais). José de C. • definição do partido arquitetônico.Terminais Rodoviários 6. d) Quarto passo: compatibilizar a acessibilidade entre SVU ↔ STR • externa .SVU. b) Anteprojeto civil: • análise topohidrogeológica. • água. • poluição residual de solo e das águas de superfície e subterrâneas. Bustamante. • sistema sanitário (águas pluviais.com o Sistema de Transporte Urbano Por via da compatibilidade de fluxos (Capacidade viária existente >= (tráfego existente + tráfego desviado +tráfego gerado)) preservar nível de serviço e manter a acessibilidade da população cativa.2 .Esquema de Planejamento dos Terminais Rodoviários Complexos a) Planejamento físico e arquitetônico: • adequação ao uso do solo e ao sistema viário.Análise Sistêmica a) Primeiro passo: ter como função-objetivo minimizar o tráfego pesado de carga no Sistema Viário Urbano . • serviços externos de apoio e mão de obra disponível.interfaces com os serviços públicos que são insumos básicos: • energia. expressa pelas normas de uso do solo. • interna . Capítulo 6 .1 . • poluição sonora. • esquema físico preliminar. • pré-dimensionamento das unidades em função da demanda.com o Sistema Viário Interurbano. • esgoto. Sistema viário interurbano Sistema viário urbano Sistema urbano Sistema “Terminal” rodoviário b) Segundo passo: verificar as interfaces a estudar b. resguardando outros usuários. c) Terceiro passo: controle ambiental • poluição aérea. Engº.interface SU ↔ STR. 6.C.2 . b. industrial e de combate a incêndio). • sistema viário de acesso e interno. • comunicações.1 . • definição estrutural e pré-dimensionamento. esgotos sanitários.

80 Fórmula para “k” entradas. chegadas em geral poissonianas. • segurança via eletrônica (em especial contra incêndio e roubo). . José de C. k−1 1  λ n   1  λ k µ. − fax/telex.10 Freqüência acumulada 0.3 .67 = P1 = 0.33 = P3 = 0. . . Separar entradas para veículos de carga / automóveis / pedestres λ = razão média de chegada de caminhões ( caminhão/hora ) µ = razão média de recepção e pesagem ( caminhão/hora) λ < µ : 1 guarita λ ≥ µ : mais de uma guarita Meta mínima de atendimento: 80% dos casos: λ • probabilidade de não haver fila em 1 guarita: P0 = 1 − µ • probabilidades consecutivas: P n  λ  =    µ  n .k − λ n=0     30/62 −1 . − teleprocessamento. • oficina de reparação: • iluminação. − rádio.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. distribuição.15 0.70 0.padrões AASHO ou similar de uso local. chegadas poissonianas e atendimento exponencial. Bustamante.espera de entrada paralela e perpendicular. M.P 0 Exemplo: λ = 20 caminhões/hora µ = 30 caminhões/hora Probabilidades: P0 = 1 .673 x 0.aproximação em nível ou não ( função dos fluxos direto ou de passagem e cativo). • ar condicionado.33 0.33 = P2 = 0.33 0. d) Anteprojeto de sistemas: • comunicações: − telefone. • sistema de bombeamento. • controle ambiental. • equipamentos mecânicos fixos e móveis.Principais Partes Componentes a) acesso viário: aproximação e espera de entrada: .k   P0 = ∑    +    n! µ  k! µ µ.672 x 0.33 = Freqüência simples 0.55 0. Engº.67 x 0.atendimento na portaria quase sempre exponencial.C.0.22 0. 6.

pontes rolantes).C. Pesagem e Emissão Distribuição Expansão Figura 3 .666 = 0.167 ( 8 24) 0. b) Tirar partido da altura (empilhadeira vertical: 10 a 12m). 6 horas/caminhão ou µ=1/6=0. de preferência modular.333 .333 Pk = = = 0. As figuras 3 e 4 da continuação mostram concepções genéricas e práticas destes conceitos. M. Engº. como sons e emissões. Módulo Entrada Conferência. g) Minimizar impactos ambientais. P0  n Para n ≥ k → ocupação média igual e P n = Exemplo: n=8 caminhões/dia.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.Armazéns Rodoviários a) Estrutura mais econômica possível. k 1  λ e Pn =   . ou λ= 8/24=0. k=3 descargas . P0 n!  µ  λ 1 n−k  k!k µ   . c) Reduzir ao máximo vias internas (equipamentos de trilhos roletes.85% 3 × 0.333 e P8 = 5.4 . Pesagem e Assignação Estocagem e Preservação Busca. e) Permitir expansão sem interrupção da operação. d) Arquitetura respeitando a movimentação natural da mercadoria (recepção e despacho em faces distintas).0. José de C.666 ou P0 = 1 . iluminação e anti-incêndio. Bustamante.167 3 × ( 16 ) 6. f) Respeitar condições de ventilação.Terminal de Coleta de Carga em Módulos 31/62 . λ Para n < k → ocupação média Pk = µ.

pois há fila permanente.) c) Serviços mecanizados: (10 a 20% do tempo para manutenção). M.000 t/h.000 t/h. Começar calculando as faixas de números aleatórios do tipo de caminhão a empregar em uma simulação Monte Carlo (NA1): 600 sacos de 50 kg ou 30 t: 000 a 479 32/62 . Simular o tempo de descarga de 2000t em função de uma mão-de-obra de três ternos simples.5) Exemplo de Problema de Armazéns Rodoviários Em um armazém geral rodoviário se recebem caminhões de soja de 3 tipos com sacaria: • A: 600 sacos de 50kg e 48% da frota.000 a 10. Entrada Via Urbana Recepção Saída Distribuição SP Resto do Brasil PR/MG/GO/MT Figura 4 -Terminal de Coleta na Grande São Paulo e Distribuição no Resto do País Dados Médios de Manuseio a) Terno Simples (3 homens). • Guindaste com lingada: ± 100 t/h. • 700 sacos ≈ 1 1/3 horas ( média do dia. • Clamshell: 800 a 1. • Graneis líquidos: 1. b) Terno Composto (7 homens = 2 x 3 + 1 arrumador).C. • B: 400 sacos de 50kg e 32% da frota.000 t/h. não havendo outra demora. Bustamante.000 a 16. • Transportadores móveis de correia para sacaria: ± 200 t/h. • Pallets: ± 300 a 500 t/h.600 t/h.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. 6. José de C. • C: 300 sacos de 50kg e 20% da frota. • Stacker/reclaimer: 1. Engº. Em geral: carga mais rápida que descarga (investimento regular). • Graneis sólidos: • Pás carregadeiras: 800 a 3. em turnos de 6 horas e trabalhando de 06:00 às 18:00hs e há um intervalo de 15 min entre atendimentos consecutivos. • 700 sacos ≈ 3 horas ( média do dia ).

em formas geométricas que se utilizam do ângulo de repouso destes produtos. intervalo de 20 min entre 11:50 e 12:10 para troca de turnos. Bustamante.Pátios Rodoviários de Armazenagem É frequente que os terminais rodoviários de carga trabalhem com as chamadas mercadorias de pátio. em galpões com as laterais abertas. M. variação de -5% e +10% nos intervalos consecutivos. ou seja aquelas que ficam depositadas ao ar livre oou mesmo.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. por exemplo no Excel. tipologia dos caminhões por distribuição uniforme. 6. em alguns casos. São principalmente constituidas por graneis sólidos e ficam armazenadas por empilhamento. José de C.6 . variação da produtividade dos ternos entre -15% e +5%. Engº. 33/62 . em geral mecanizado.C. 400 sacos de 50 kg ou 20 t: 480 a 799 300 sacos de 50 kg ou 15 t 800 a 999 Rota metodológica: Montar uma planilha. como forma de evitar seu deslisamento. com primeiros atendimentos às 06:00.

H)] ou [cone(r = A/2)] 34/62 . Engº.6.H)]+[pirâmide quadrada(A.A.A. José de C.C. 6.131(D3-d3) tgα a H α Vp = (1/3)A2H = (1/6) A3 tgα = (4/3) H3 cotg2α Vtp = VpA . M.047 H3 C tg2 α α D = 2R d = 2r H r h α Vtc = VCR .262 D2 H = 0. Bustamante.a2)tgα H L h A d) cunha : ∑ [prisma triangular(l.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.Vcr R C b) pirâmide e tronco de pirâmide: = 0.131 D3 tg α = 1.Formas Geométricas em função do ângulo de repouso(α): a) cone e tronco de cone: Vc = 0.Vpa = (1/6)(A3 -a3) tgα c) prisma triangular inteiro e truncado: α A Vpt= C L C = (1/2)AH = (1/4)A2tgα = H2cotgα Vptt = (C-c)L = (L/4)(A2 .1.00423 C3 tg α = 0.

262 D2H = 0. tanto do equipamento como das condicionantes que lhe são exteriores. Bustamante. Em cada caso. 2) pressão lateral 0. como na figura 6.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.3 a 0. Engº.131 D3tgα = 1.047 H3 cotα A A/2 d h 6.91 Vc C = (1/2) AH = (1/4)A2tgα = H2cotα Vp = (1/3) A2H = (1/6)A3tgα = (4/3) H3cotα Vc = 0.6 da pressão vertical e ≈ uniforme quando hs ≈3d. É também normal que as capacidades e produtividades sofram uma redução segundo as condições da tarefa a executar.7 .05 se mostra a variação da capacidade de içamento de um guindaste de 30 t conforme o raio de ação de sua lança.C. 4) orifícios de saída pelo fundo: centrais. dever-se-á consultar os catálogos dos fabricantes ou pesquisar as soluções em instalações similares à proposta. fato de extrema raridade na vida prática dos pátios. José de C. l L VcL = Cl + Vp = CL-(1/2)Vp H α A/2 l VCA = Cl + Vc = CL . Convém ter sempre presente que as produtividades indicadas pelos fabricantes são em circunstâncias de perfeita operação.0. A experiência indica como pragmático tomar em média valores entre 75 e 80% da produtividade nominal.Equipamentos de Movimentação de Cargas de Pátio Dada a extrema variabilidade destes equipamentos. 3) pressão dinâmica = 1.Estocagem em Silos para Graneis Sólidos: 1) pressão do fundo segue leis dos semifluidos. 6) pressão lateral máxima no enchimento rápido.10 pressão estática. 8) pressão livre: p = γ hs tg2 (45 -ϕ/2) 6. como uma primeira avaliação de alternativas de execução.8 . 35/62 . M. 5) orifícios de saída laterais: pressão 2 a 4x pressão na parede oposta. de forma a dar uma primeira aproximação a esta questão. todos os dados deste item são meramente indicativos. 7) descarga constante independente da pressão e é ≈ proporcional a φ3 da abertura.

02. 2vagões/30seg. 400 hp consumo 45 l/h 824 trator esteira D8 K 300 hp 32. 1.=2. 3% pá carreg.C. Engº.000 t/h 1. empilhadora 5.Variação da capacidade de carga da lança de guindaste A Tabela 6. 30 25 20 15 10 5 0 0 10 20 30 40 50 60 70 Carga (t) R aio de A ç ão (m ) Figura 6.800 hp lança caçamba 50 m Equipamento 36/62 . caçamba de 3 16 alt.oper.6 39 988 B m3 caminhões off road 170 t trator pneus Cat.05 .000 t/h recuperadora de tambor stacker reclaimer 4.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.vida 5 anos guindaste c/ grab 75t/h/caçamba vida:20 a 3t Manut. José de C.95 966 C m3 m172 hp pá carreg. Cat. Cat. a seguir mostra indicadores de alguns dos equipamentos mais usuais em pátios. caçamba de 4. em aplicações feitas no País. car dumper dpl. 02 Peso(t) Observações Capacidade nominal truck dumper 1 caminhão/60 seg. Tabela 6. Cat. M.945 1. Bustamante. 480 hp pá carreg.500 t/h recuperador de 8.5 Cat.2m3/caçamba consumo 12 920 l/h.

0 5.0 24.9 .Pc+Ps/L1+Pr/L2 Pc = peso/metro de correia Ps = peso dos suportes com intervalo L1 Pr = peso dos retornos com intervalo L2 W Largura da Correia cm 40.30)m / 3 m 3 • elevado: 4 sapatas de 0.5 120 430 1170 1878 Potência movimentação da correia vazia para V =1.6 Cálculo das Resistências a Vencer ∑ R = Rp + Rc + Rg Rp = resistência passiva = CQ(L+Lo).0 15.virtual dos terminais 45a 75m − portateis Lo 60a 300m − fixas Rc=resistência carregada=[CP/60V](L+Lo) P=kg/h de carga.4 121.366 hp / m / 100 t/h Fundações : 3 • terreno firme: (2.Correias transportadoras: Consideradas à parte por sua importância em pátios de graneis sólidos.00x0.8 61.C. M.0 76. onde: 0.014 − resist.5 8.5 48 6.5 19. José de C.70 a 0.2 91.0 Acréscimo pela elevação: 0. Bustamante.6 50.2 10.moveisL:comp. Engº.0 27.8 1.0 pol 16 30 48 60 24 86 236 376 40 144 390 626 60 214 584 938 100 360 976 1564 2.01 I0 / ano 37/62 .0 30 3.60x0.1 17.9 m /12 m • vida útil: 15 anos 6 • vida correia: 10 t • disponibilidade: 0.5 19.4 8.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.0 m/s em hp Largura (pol) 120m 360m 480m 720m 16 1.7 27. L1 L2 Tr.7 38.85 • manutenção: 0.9 152. Tabela de Peso por Metro das Partes Móveis: Q=2.010 − inst.5 4.2 2.0 m/s em t/h t/m3 0.5 8.5 60 7.5 11. 6.real C  0.5 0.fisicas Lo:comp.9 14.5 36. V=m/min Capacidade Efetiva de Transporte para V =1.4 Q pol 16 20 24 30 36 48 60 kg/m 6.0 14.

16 152.850.0 27.0 75.03 Largura S Área BásicaA1 2 cm 65.0 2.05L+3cm Tabela 6.53 331.7 15.5 7.17 275.73 Área de Sobrecarga A2 α=10º 26.64 45.23 789.96 750.0 13.4 1.90 10.0 54 3.0 1.00/t Correias: (Jan.3 2.0 4.5 2. Complementos das correias com 30 a 100 t de peso próprio: • Alimentadores (chutes): US$ 1.3 2.56 1347.1 10.2 2.300.90 89.5 45 1.17 219.5 2.60 8.53 233.8 10.26 136.07 443.1 25.72 1675.72 50.3 9.0 28. escória e materiais finos abrasivos Minério graúdo.8 3.00/m • 54” .2 2.45 87.0 2.03 1045.86 901.72 216.49 247.44 pol 16” 18” 20” 24” 30” 36” 42” 48” 54” 60” cm 40.0 6.C.8 1.600.90 168.Potência requerida para mover cargas em correias horizontais (hp) Comprimento do Carga em t / h lance da correia (m) 150 200 250 300 400 500 600 800 1000 0.5 1.00 620.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.92 137.75 1149.Velocidade Máxima em Correias (m/s) Material e suas condições Carvão não bitolado.36 34.00 485.78 728. Equipment and Methods” . escórias grandes e similares 14 1.84 1211.8 2.06 569.04 .0 2.00 1431.5 6.60 589.3 4.08 132.08 158.8 2.8 1. M.5 18.50 6.4 5.5 2.5 2.0 1.0 4.9 14.2 10.00 57.00/t • Casas de transferência: US$ 1.5 1.7 20.0 2.18 1721.0 37. Capacidade de Movimentação de Correias (ver Tabela 6.30 9.60 Área Total 2 (cm ) α=10º 91.0 900 38/62 .0 2.26 158.5 2.0 33. Engº.0 2.03): Tendo α = ângulo de repouso do produto a transportar s = margem de segurança = 0.00 Fonte dos dados de base: Peurifoy.5 2.13 1013. minério ou similares Carvão bitolado.87 680.10 9.71 α=20º 119.97 2119.6 12.00/m • 78” .00/m • 48” .US$ 5.98) • 30” .800. coque ou outro material friável Areia seca ou molhada Coque britado.93 1250.0 3.7 9.3 Largura das correias (pol) 18 20 24 30 36 42 48 1.US$ 2.20 91.81 107.3 2.30 5.: “Construction Planning.0 2. brita.0 64.5 1.23 110.13 199.40 cm 5.22 970.5 2.00 365.57 α=30º 81.80 370. rocha.62 382.9 19.45 107.0 2.8 1.80 7.0 Tabela 6.3 16.54 43.5 4.26 194.2 150 5.30 γ=1 t/m 3 43.00 262.63 70.00/m Tabela 6.0 2.70 607.6 8. Bustamante.6 4.69 2145.79 490.0 38.0 60 3.0 4.3 1.8 23.3 4.85 933.0 51.3 16 1.98 300.69 567.0 600 14.7 3.88 463.02 1341.80 60.33 Q(t/h) V=1m/s α=30º 147.5 3.68 121.0 47.00 177.5 1.4 5.5 1.96 76.00 108.1 1.0 1. R.6 2.96 757.350.05 .7 3.35 204.Editora Mc Graw Hill.6 2.9 90 2.44 106. New York.35 319.77 154.43 409.8 1.0 32.25 372.00 5.0 84.84 2643.US$ 2.00 772.7 3.82 1658.0 3.0 56.0 2.00 6.60 α=20º 53.6 5.63 65.US$ 3.8 2.0 4.L.000.81 121.0 1. José de C.00 72.0 2.89 491.07 291.1 18.22 899.0 300 9.

3 45.7 15.4 489.0 91.3 20 a 24 51 a 70 3.8 1.7 113.8 249.4 38. 1949 Tabela 6.5 24.9 367.1 30. carvão. areia seca) (areia.07: Velocidades máximas Máximas de Correias em Função de sua Largura e do Produto de Correias em Função de sua Largura e do Produto Velocidades Máximas Largura Material Leve Material Meio-Leve Material Meio-Pesado Material Pesado pol cm (grãos.C.8 63.6 103.8 38.0 25.07 2. minérios britados) (coque.1 46.2 147.9 117.9 147.3 21.4 20.4 9.(ton/h) Largura Peso Específico(t/m3 ou kg/dm3) pol cm 0.0 1. Engº.2 42.0 36.8 258.0 220.0 106.4 22.0 244.1 92.48 12.3 16 a 18 40 a 46 2.5 30.9 156.3 42.0 1.5 313.0 76.83 1.6 11.4 734.3 61.4 293. Tabela 6. Wilbur G.8 2.0 117.0 292.4 68.0 469.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.0 Fonte: Hudson.8 39/62 .4 155.5 1.2 71.66 0. N.8 46.1 488.0 137.3 20.3 179.9 367.50 0.5 6.1 12.:"Conveyors and Related Equipment"2nd ed.1 24.0 50.0 939.8 16.9 59.8 18.0 90.1 206. Acréscimo de potência por metro de elevação da correia:P’= T/300 .8 60.0 626.1 390.06: Capacidade x velocidade Capacidade de Transporte por Correia a Velocidade de 0.0 40.5 1.4 440.9 612.3 16.7 88.2 36.6 310.7 107.9 48.4 62.9 39.2 32.5 m/s .0 70.7 30.8 27.3 2.9 16.9 18. Bustamante.2 20. onde P em hp e T em t/h.7 15.66 2.0 152.0 35. minério) 12 a 14 30 a36 2. M.7 77.0 195.1 585.3 30 a 36 76 a 91 3.0 29.6 9.0 27.1 54.0 195.9 49.3 1.4 187. José de C.6 215.5 76.6 82.0 121.5 2.4 136. York.1 50.0 1. cascalho) (pedra. Jonh Wiley..0 782.0 45.6 57.24 1.0 143.7 14.0 2.0 30.1 10.5 42 a 60 107 a 152 4.8 2.

A Medida Provisória 1549-39. Quanto às empresas de transporte aéreo. telecomunicações.Conceitos Gerais da Aviação Civil Deve-se notar que por seu caracter geralmente internacional a aviação civil se estrutura embasada em normas e regulamentos internacionais. através do Departamento de Aviação Civil – DAC. Engº.C. com cumprimento obrigatório pelos países – membros. CAPÍTULO 7 . de interesse regional. têm seu órgão classista mundial no Conselho Internacional de Operadores de Aeroportos – CIOA. sobretudo quanto a novos equipamentos. tendo sede em Montreal. estatal no âmbito do mesmo ministério. Abrangem aspectos relativos a aviões. Muito consultados e usados como referências são também estudos e normas da Federal Aviation AAgency – FAA. em seu artigo 14. os organismos dirigentes de aeroportos comerciais. ICAO. ajudas terrestres de orientação dos vôos. estes serviços dependem para sua execução segura de instalações complementares de meteorologia. procedimentos operacionais. cuja ação maior é a troca de experiências entre seus membros. estatais ou privados. Ademais dos aeroportos em si e suas instalações. No Brasil. terminais ou aeroportos. Apenas aeroportos de médio ou pequeno porte. Em qualquer dos casos. de segurança e de socorro. órgão diretivo da aviação civil norte – americana. o transporte aéreo comercial é dirigido pelo Ministério da Aeronáutica.TERMINAIS AEROPORTUÁRIOS 7. carga e serviço postal. por vezes referenciada igualmente por sua sigla em inglês.1. a operação pode ser doméstica ou internacional. mantidos na órbita da Aeronáutica. A nível internacional. define como área de competência do Ministério dos Transportes a participação na coordenação dos transportes aeroviários. de 29/01/1998. suas rotas ou aerovias.2 . enquanto que os aeroportos federais se subordinam à Empresa Brasileira de Infra . Bustamante.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. As que sejam de outro país. instalações e impactos ambientais. com base no chamado Convênio de Chicago. embora em alguns países ainda subsistam empresas estatais ou de economia mista. Analogamente. M. como na França. 7.Estrutura Aeroportuária INFRAERO. que pertence ao sistema de NAÇÕES UNIDAS. centros de controle de tráfego. Estas normas mundiais tomam o feitio de manuais. sua maioria em todo o mundo é privada. cujo órgão reitor é a Organização da Aviação Civil Internacional – OACI. A aviação civil comercial opera em três ramos: passageiros. se agrupam na International Air Transport Association – IATA. dependem da existência de acordos internacionais entre os governos envolvidos para operar no país estrangeiro . Em cada país em que operem devem cumprir as determinações do órgão governamental que controla a aviação civil no território. Canadá. assim como bases de manutenção e instalações de abastecimento. José de C. estão no âmbito de autoridades civis estaduais ou municipais.Bases Primárias do Planejamento Aeroportuário 40/62 . geralmente referenciado por sua sigla em inglês _ OCI.

em nível regional e internacional. áreas da administração. com o fim de orientar os estados – membros na efetivação de seus próprios estudos. José de C. no seu “Manual on Air Traffic Forecasting: Medium and Long Term Forecasting”.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. de abastecimento. 7.1. dando origem a um estudo de viabilidade técnico . água e esgoto. O planejamento aeroportuário se distribui por três tipos diferentes de interface. uma 41/62 . tendo como fundamento decisório a chamada “aeronave crítica”.C. em obediência a uma resolução da Assembléia Geral em 1972.1) interface interna entre veículo e terminal. “portões”.Interface Interna a. que induz a macrolocalização do aeroporto. reserva de áreas para ampliação futura e zonas ”non edificandi” para aproximação segura de aviões. prevenção e monitoramento de danos ambientais. estabelece bases que se assentam sobre as técnicas operacionais da aviação civil comercial.1. em previsões dirigidas a horizontes normalmente entre 5 e 20 anos. Bustamante. pistas de taxiamento ou rolamento.econômica e ambiental. a. Esta tarefa constitui passo inicial nos procedimentos que envolvem as decisões relativas à implantação ou ao melhoramento de um aeroporto. publicado por seu Secretariado Geral. controle de ingresso de pessoas e veículos. hangares de serviço. “land marks”.2. para desembocar em um projeto de engenharia final de implantação. conexões com os serviços públicos. materializado primeiramente em um plano diretor aeroportuário. Este tipo de análise conduz quase sempre a valores anuais de demanda para as “strata” escolhidas. Assim se compatibiliza o mercado. que partindo de uma análise da demanda atual e previsão da futura. vedação da área. de reforma ou de ampliação. etc. técnica e economicamente. como sistemas terrestres de acesso. quadro funcional. a fim de compatibilizar e maximizar o resultado final. como energia elétrica. estações de passageiros e cargas.3) interface de coordenação entre equipes e produtos derivados das interfaces anteriores.: a. que devem ser harmonizados para se obter o grau de eficiência operacional e econômica desejada: a. levando à seleção da mais adequada. rádios–faróis. que determinam as possíveis microlocalizações dentro da área traçada pela macrolocalização. com condições meteorológicas. de bombeiros e pronto–socorro. telecomunicações. geotécnicas e de uso do solo. delineamento do planejamento operacional e previsão da fatia de mercado.Avaliação do mercado prospectivo de um aeroporto O mercado de passageiros previstos para um dado aeroporto tem sido estudado com bastante êxito em todo mundo.2) interface externa entre terminal e seu entorno imediato e sua área de influência. Engº.. de equipamentos como radares de aproximação e acompanhamento. boxes das empresas aéreas e de serviços públicos obrigatórios e desejáveis. M. topográficas. cujas características técnicas servirão para dimensionar os valores básicos de parâmetros construtivos de pistas de pouso e decolagem. pátios de manobra e estacionamento de aeronaves. existindo mesmo metodologia estruturada pela OACI. que para quantificação das instalações aeroportuárias.

15122N 0. Belo Horizonte.(N = ano a projetar) 2 . via modelos econométricos.e . Esta constatação levou à opção por modelos econométricos de previsão. por suas próprias características de custo. A simples extrapolação de tendências históricas pode não refletir sequer grosseiramente patamares futuros de demanda.43888 -259.(N = ano a projetar) . M. Porto Alegre _ e mais Belém e Manaus. mesmo assim para Belém.942 .C.e . através da seguinte relação quanto ao número de passageiros: PAX = e-15. José de C.73918 R2 = 0.978 para teste de aplicação ao período 1965/1973. que tive a oportunidade e a satisfação de coordenar pelo GEIPOT para o DAC. Engº.(N = ano a projetar) .. Foi a decisão adotada. levou à formação de quatro grupos de aeroportos. por exemplo..econômicas dependentes do estado efetivo da Sociedade e da Economia afetada.01: Modelos de Demanda em 5 Aeroportos Aeroporto: Belém Manaus Porto Alegre Belo Horizonte Brasília PAX=e PAX=e PAX=e PAX=e Modelo: -144. Porto Alegre e Brasília. por exemplo. tempo e psicologia social. . a análise resultou apenas em uma extrapolação de tendência histórica.50914 -285. volume 1 42/62 . com pesquisa de que variáveis explicativas e modelo melhor se enquadravam em cada caso.95336 R . Manaus.92721 -216.11619N 0. Para o Rio de Janeiro. observando-se na fórmula que a demanda é elástica em relação à renda urbana da zona Para outros 5 dos aeroportos citados.(N = ano a projetar) . no desenvolvimento do Plano de Desenvolvimento do Sistema de Aviação Civil do Brasil – PDSAC.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.e 0. resultou uma correlação simples com a renda urbana da zona de tráfego (RUZ). demanda da hora de pico ou dia médio de operação. de vez que o transporte aéreo. A análise dos dados disponíveis sobre aeroportos brasileiros em décadas.950 0. tende a ser fortemente influenciado por variáveis sócio . a saber: 1) os cinco aeroportos de maior movimento na época _ Rio de Janeiro. não se conseguiu correlação apreciável para nenhuma variável independente significativa. vez conhecidas possíveis sazonalidades. não apresentavam um modelo genérico. com as relações mostradas na Tabela seguinte: Tabela 7. Belo Horizonte.829 0. Bustamante.e 0.879 0. tais como demanda anual. Brasília.26850 (RUZ)1. São Paulo.07962N 0. levam a parâmetros definidores de uso. mas para cada uma se obteve um modelo específico.13831N Não se ajustou a correlações Fonte: PDSAC. São deste trabalho pioneiro no País rotas metodológicas da demanda em aeroportos.

fatia do mercado em outras cidades com rota de acesso direto. com opções rodoviárias significativas. táxis aéreos e vôos fretados. Engº. _não regular: abrangendo três categorias. Resultou um R2 = 0. a saber: aviação privada. Um grupo formado por 6 cidades. Corumbá. considerados também os de aeronaves cargueiras. Boa Vista. José de C. a saber: Aragarças. renda nacional. competitividade de outros modais. confiabilidade dos serviços em termos de vôos cancelados. constitui os chamados “movimentos” e a frota que aí opera forma o denominado “mix”. _regional: vôos do tráfego aéreo regional que tenham origem ou destino no aeroporto em análise.). com peso até 5. e a “frota de automóveis da área de influência”_(VAA). Carolina. produto interno bruto. Ponta Porã e Santarém. como se detalha a seguir: _doméstico regular: vôos do tráfego realizado regularmente nas linhas domésticas. ou se destina a vôos que partirão do mesmo. entre outras. tempo de acesso desde ou para os aeroportos e a cidade. O conjunto de pousos e decolagens efetuados pelos tráfegos acima. para o tráfego de passageiros em geral. mesmo que incluam trechos de cabotagem ou internos. como fatia do mercado dentro de certa distância do mesmo.700 kg (12. No caso de um aeroporto em particular _ acessibilidade. que são ou serão atendidos pelo aeroporto em estudo. mas não inclui os fretados em qualquer dos casos.C. com número identificador constante do HOTRAN (horário e itinerário das linhas aéreas). usando as pistas do aeroporto em tela.845 para 21 observações entre 1968 e 1973. _regional alimentador (“feeder”): parte do tráfego aéreo regional em que o fluxo transportado se originou em outros vôos para este aeroporto. 43/62 . mesmo que provenientes de conexões internas de vôos internacionais. Para avaliar o tamanho e a capacidade de pagamento do mercado. mais os vôos de carga efetuados com regularidade. tempo de bloco entre aeroportos. consumo pessoal. M. Não abarca a aviação regional. _internacional regular: vôos realizados regularmente nas linhas internacionais.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. ou seja todos menos os regulares de qualquer das classes anteriores. aconselha a OACI o uso como variáveis independentes. Bustamante. que agrupa de uma a quatro classes de aeronaves: _classe A: pequenos monomotores. freqüência de vôos disponíveis nas rotas de maior procura. trouxe uma mudança de variáveis em relação aos anteriores. De um modo geral.500 lb. para se chegar ao fluxo de aviões é o mercado de vôos disponíveis dividido em “strata”. ingresso per capita. _militares: tráfego realizado por aviões militares. de uma ou mais das seguintes grandezas: _ população. tendo como variáveis significativas a “população urbana da área de influência”_(PUA).

pode-se analisar a demanda nas pistas. que esteja com restrições. ou de entidades públicas como as de segurança policial. Outra vertente desta interface externa é a conexão com os serviços públicos. Paulo. Na década de 80. _classe B: pequenos bimotores e jatos executivos. que permitem a diagramação das curvas de ruido.000 lb. exigindo conexões adequadas de acesso e estacionamento interno. acessos e estacionamentos A tendência mundial em termos de aeroportos para grandes centros de atração e geração de tráfego aéreo é um complexo aeroportuário diversificado.C. 7. bem como no espaço aéreo circundante.000 lb. de assistência médica de defesa civil e bombeiros. para poder se planejar ocupações futuras e níveis de serviço. que se estende desde a comunicabilidade com o sistema viário da região. os “mixes” eram: classe aeroporto Viracopos Cumbica Congonhas A+B % 33 19 45 C % 31 73 55 D % 36 8 0 Fonte: Comissão Coordenadora do Projeto do Sistema Aeroportuário da Área Terminal de S. saneamento. em especial o urbano do centro principal servido. a partir das quais se buscarão as soluções para anulação ou minimização de feitos danosos. pátios. mas destinados basicamente a tráfegos específicos. gerando-se modelos econométricos para cada caso. Paris (Charles De Gaulle e Orly).Parametrização de pistas.2. até os serviços públicos de utlidades como água. É como se pode observar em New York (John Kennedy e La Guardia). telecomunicações. tendo como elemento comum o aeroporto em estudo.). tráfego normalmente destinado a um dos outros. Washington 44/62 . fazendárias. por exemplo. A FAA tem aplicativos para determinação dos contornos sonoros para as aeronaves usuais na aviação americana.000 kg (300. Conhecendo-se ou fixando-se os tipos de avião em cada conexão e seus horários e tempos de serviço em terra. segue-se o exame da demanda por pares de origem e destino nas rotas. M. pátio e portões. energia.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.) ou menos. Engº.000 kg (300.). embora em emergências possam absorver. Paulo COPASP – “Sistema Aeroportuário de São Paulo” Normalmente. José de C. pesando 5.700 kg (12.500 lb. Chicago (O’Hara e Lake). nos 3 principais aeroportos de S. Cabe lembrar que os grandes aeroportos são importantes centros geradores e captadores de tráfego.700 kg e 136. Londres (Heathrow e Gatwick).3.Interface Externa Atualmente a principal preocupação com a interface externa se centra no impacto do ruido das aeronaves no entorno do aeroporto e suas conseqüências sobre a população residente e de passagem. _classe C: aeronaves de porte compreendido entre 5. _classe D: grandes aeronaves de peso acima de 136. 7. em todo ou em parte. com aeroportos não contíguos. Bustamante.2 .

UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. M.C.380 m Fonte: especificações dos fabricantes O comprimento da pista de decolagem é sempre maior que o da aterrissagem. Jobim e S.073 m Ll ( Landing lenght ) 1.938 m 2. José de C. com 3 formando um triângulo. segundo norma da FAA. no Brasil Estes aeroportos apresentam no mínimo duas pistas independentes. Duas pistas. Bustamante. convertendo os dados desta para metros.130 3.10: Comprimentos de Pista para Aeronaves Selecionadas Aeronave: Boeing 767 Boeing 727-200 Boeing 737-200 TOl ( Take-off lenght ) 2. podendo ser expresso.09 Situação possível: linha central da pista de taxiamento até obstáculo fixo linha central de pista de taxiamento até linha central da pista de aterrissagem linha central da pista de taxiamento até a linha central de pista de pouso por instrumento ICAO 50 m 86 m 187 m FAA 61 m 92 m 122 m Fonte: ICAO e FAA respectivamente. ( Dulles e National) no exterior. O comprimento das pistas operacionais de aterrissagem e decolagem é função da aeronave crítica. dada: a diferença das tonelagens de uma mesma aeronave nos 2 casos. da temperatura média da área do aeroporto e de sua altitude em relação ao nível do mar.338 m 3. como se mostra a seguir Tabela 7.341 m Boeing 747-200 Lockheed 1011 C . em termos anuais _ PANCAP (Practical Annual Capacity) _ ou da hora de pico _ PHOCAP (Practical Hour Capacity). resumindo suas normas na Tabela a seguir: Tabela 7.430 m 1. por exemplo o Kennedy. tendo casos. ou seja pistas ao nível do mar e temperatura ambiente média de 15º C.103 m 1.900 m 1.C. paralelas ( Congonhas ) ou não ( Galeão ). podem ser divergentes _ em V aberto _ ou convergentes _ em V fechado_ segundo o ângulo formado por seus eixos.. e a maior diferença de velocidade entre o estado de repouso e o de velocidade mínima de cada evento 45/62 . tendo em comum ou não as cabeceiras delas.450 m 1. condição que influi bastante em sua capacidade provável de movimentos de aeronaves (pousos e decolagens). Engº. Duas escolas principais norteiam estas distâncias. definidas mais adiante em função da configuração das pistas operacionais.200 m 2. Dumont). A localização conjunta destas pistas tem de obedecer a normas consagradas quanto ao distanciamento relativo.315 m 2. incluindo entre elas as que medeiam entre pistas de taxiamento e as de movimentação do tráfego: a da ICAO e a da FAA. Os fabricantes normalmente os divulgam amplamente para as chamadas condições normais. e em São Paulo (Congonhas e Guarulhos) e Rio de Janeiro (A.100 m 2.

46/62 .021 72. Paulo” As pistas deveriam ter 3.322 0 11. Tabela 7.11. tendo como rota São Paulo – Manaus. Os parâmetros para construção de pista adequada ao mesmo avião formam a Tabela 7. como nas de vôo por instrumentos (Instrumental Flight Rules – IFR ).858 11. M. A conversão da demanda do mercado em instalações operacionais dos aeroportos se faz.000 mn. uma etapa de cerca de 2. José de C. em termos pragmáticos. de emprego universal nas avaliações preliminares da capacidade do “layout” operacional de um aeroporto comercial.525 m para decolagem e 2.837 Fonte: COPASP: “Sistema Aeroportuário de S. levando em consideração os possíveis “mixes” da frota usuária.395 Pouso: 166.C. tanto em situações de vôo visual ( Visual Flight Rules – VFR ). pelos conceitos de PANCAP ( Practical Annual Capacity ) e PHOCAP ( Practical Hourly Capacity ). Bustamante. Os esquemas gráficos das pistas de movimentação mostram a seguir.484 307.484 249.Os fatores de correção a serem aplicados aos comprimentos dados para as condições de referência ( nível do mar. a partir dos procedimentos desenvolvidos pela FAA.060 m para aterrissagem. + 1% para cada grau centígrado acima de 15º C. com resultados derivados da prática mundial na operação destas unidades. a aeronave crítica no estudo inicial de Guarulhos era o Boeing 747-200B.322 57. a seguir. 15º C de temperatura ambiente e pista sem greide ). Ambos conceitos se baseiam na localização relativa das pistas de pouso e decolagem. Engº. são respectivamente: + 7% para cada 300 m de altitude acima do nível do mar. Assim.11: Parâmetros de Aeronave de Projeto em São Paulo Item (valores em t): Peso vazio : Combustível da etapa: Combustível reserva: Carga paga: Total: Decolagem: 166.021 72.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. + 10% para cada 1% de greide.

para pistas paralelas.000 90 54 340. Tabela 7.000 45 42 280. As capacidades consideradas em cada caso.000 152 63 390.000 180 108 Os “mixes” citados na tabela acima teriam como ideal a seguinte composição percentual l:: Tabela 13 .000 193 64 425. José de C.000 76 52 330.000 152 79 660.000 90 74 560.formam a Tabela 12.000 108 55 380.000 108 79 590.000 304 126 Mix 3 180.000 99 53 385.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. em termos de movimentos (pousos e decolagens) por ano.C.Composição Ideal dos Mixes 1 2 3 4 90 40 20 0 10 30 20 20 0 30 40 20 0 0 20 60 47/62 . Bustamante.000 198 79 770.000 54 44 295.000 396 128 Mix 2 195.Valores de PANCAP e PHOCAP da FAA Esquema: A Condição: PANCAP PHOCAP/V PHOCAP/I B PANCAP PHOCAP/V PHOCAP/I C PANCAP PHOCAP/V PHOCAP/I D PANCAP PHOCAP/V PHOCAP/I Mix 1 215.12 . M. Engº.000 216 110 Mix 4 170.

na configuração em paralelo. As letras indicativas dos componentes dos mixes correspondem às classes descritas na página 6 destes apontamentos.000 340. ou da ponta da asa. como na ilustração abaixo. induzindo à falha por fadiga.000 310.000 310. ademais das ranhuras superficiais (“grooving”). José de C. Outra faceta dos pavimentos das pistas operacionais é a camada porosa na parte superior. os valores usados são os seguintes: Mix 1 Mix 2 Mix 3 Mix 4 PANCAP 425.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. no caso de ficar perpendicular às mesmas. Engº. de forma a minimizar possíveis interferências com aviões em manobra. Substitui o emprego do CBR (“California Bearing Ratio”) dos pavimentos flexíveis. que nesta década vem desenvolvendo uma metodologia de cálculo nova. Aspecto de particular importância é o projeto do pavimento destas pistas.paralelas. Toda a área do pátio deve trazer bem sinalizada no pavimento as vias de passagem dos veículos de serviço. ônibus de portão de atendimento afastado e camionetas de “catering”. Uma das melhores fontes de estudo do tema é a FAA. ou seja de locais onde as aeronaves que chegam ou vão partir são atendidas. Quanto ao cálculo do número de portões (“gates”). Bustamante. áreas de espera e pistas de rolamento.C. prevenindo derrapagens das aeronaves pela chamada aquaplanagem. e aumentando o atrito pavimento/pneus das aeronaves. a fim de evitar a formação de poças de água de chuva. em sistema independente do conjunto de luzes de orientação e demarcação das pistas.000 PHOCAP/V 196 136 94 84 PHOCAP/I 79 79 77 74 Deve-se considerar que do lado externo das pistas é necessário prever uma via para veículos de serviço. denominada LED (“Layered Elastic Designs”). em termos de 48/62 . ou pessoas em trânsito obrigado. não mais usando apenas uma aeronave crítica mas um “fator cumulativo de dano” (CDF). No caso de pistas não . A iluminação do pátio deve seguir padrões e valores das normas específicas. com possíveis “mixes” de tráfego. principalmente as que operam com aviões pesados como os multirreatores modernos. M. ou do parâmetro “k” para os rígidos. como tratores de aeronaves e de porta bagagens. Existem programas de conversão automática destas metodologias tradicionais para a nova. tanques de combustível. por meio de escoamento interno para as laterais das pistas. baseada nas características técnicas do Boeing – 777. bem como as conexões entre cabeceiras. com largura mínima de 5 m. No pátio de manobras (“apron”). a posição de parada final das aeronaves junto às edificações de embarque e desembarque deve ser prevista com uma distância mínima de 5 m entre o nariz do aparelho e as instalações. contando ainda ambos sistemas com geradores de emergência para evitar falhas do abastecimento público.

transportadores de pessoas e de cargas.colocação das passarelas 0.4 04 – checagem do diário 1. Parsons CO. 49/62 . A composição mais comum dos serviços executados nos portões é a exemplificada abaixo para um 737-200. depois dos calços (“blocks”): 01 – desligamento das turbinas 1. industrial e de incêndio. M. como bloqueios de acesso.5 1. cronometria.5 03 – desembarque passageiros 4.5 12. s fator médio de utilização de cada portão. No tocante às instalações internas. telecomunicações. Engº.5 a 0.1 3.0 4. abastecimento de combustível.7 9.8 aeronave/portão. Os tempos giram em torno de 1/2 hora para os vôos domésticos e de 1 hora para os internacionais.4 7. Bustamante.5 5.4 3.0 23. etc. 13 – serviço de injeção 14 – inspeção externa Embarque de carga 15 – contêineres dianteiros 16 – contêineres centrais 17 – despachos avulsos 18 .0 14.7 16. água potável.8 13. e sistemas que são específicos de determinadas áreas. normalmente 0. indicativos multilíngues. movimentação de bagagem e pequenas cargas. v o volume horário de aeronaves.0 1. isoladores acústicos.0 0 5 10 15 20 25 30 Fonte: COPASP. deve-se separar em sistemas que são gerais ao conjunto das instalações. t sua permanência média no portão em hora/aeronave. usa – se a seguinte expressão: G = vt / s onde G é o número de portões. quadros de avisos. climatização. como energia.0 0. esgoto pluvial e sanitário. M.5 Desembarque da carga 05 – despachos avulsos 06 – contêineres centrais 07 – contêineres dianteiros 08 – comissaria 09 – limpeza banheiros 10 – abastecimento de água 11 – serviço de cabina 12 – abastecimento de combust. José de C.0 3. iluminação. embarque/desembarque de passageiros. recebimento de víveres e bebidas (“catering”) e limpeza. com base em R.9 8. áudio e segurança.C.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.6 3.0 02 . Nota: em azul o caminho crítico: desligamento das turbinas / desembarque dos passageiros / serviço de cabina / embarque dos passageiros / partida das turbinas / liberação da aeronave.checagem do diário 19 – embarque dos passageiros 20 – partida das turbinas 21 – remoção das passarelas 22 – liberação da aeronave MINUTOS 13.

_tripulantes. recepção de acompanhantes. tolerável ou até mesmo indesejável. coleta de bagagem. Pessoas circulando nas dependências e portanto nos acessos. e seus possíveis acompanhantes. Acomodações para serviços públicos de presença obrigatória. em que se tenha idéia da demanda provável e do tempo médio de serviço. agência bancária com câmbio. etc. serviços médicos e de acolhimento a mães e infantes. além de uma previsão de expansão das mesmas ou da entrada de novas companhias.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. restaurantes e lanchonetes. Para melhor avaliação se dão alguns números destas classes de freqüentadores: _funcionários: Heathrow 38. M. quantificação dos controles de acesso e de saída.2.. controle de passageiros. Saguões de “check-in” precisam ser previstos para demandas de sazonais de pico e para um horizonte ao menos de médio prazo. modelos baseados em Teoria das Filas e aplicativos de simulação são importante ferramenta na análise e obtenção de soluções adequadas. Engº. o cálculo da área necessária. _viajantes: Galeão: 6. José de C. forma a outra face da moeda.Outros serviços. seja para ingressar às instalações. a saber: _usuários do transporte aéreo ( imprescindíveis ). atendimento turístico. 7. _visitantes Orly: > 4 milhões por ano. por exemplo. pois é esta interface que formará na coletividade a imagem principal do aeroporto no chamado público externo. Bustamante. fato que leva à importância de acessos terrestres de bom nível de serviço e de capacidade. bem como a formação de opinião. formam entre os elementos em que tais procedimentos são de capital importância. suas bagagens. lojas de conveniência. Correios.3. também são itens a serem atendidos e dimensionados. Orly: 23 mil. cuja presença pode ser imprescindível.prestadores locais de serviços ( imprescindíveis }. com condicionantes semelhantes ao do item anterior quanto a seus parâmetros arquitetônicos. _acompanhantes de viajantes partindo ou chegando ( toleráveis ).4 milhões em 1996 50/62 . do aeroporto e de . Instalações de desembarque.Acessos terrestres Aeroportos costumam ser grandes centros de atração e geração de fluxos de pessoas e de cargas. Em quase todos casos de atendimento ao público. podem ser classificadas em 4 tipos distintos. para evitar mau funcionamento e queixas posteriores. e de projeto. acessibilidade de saída rápida. seja para sair das mesmas. como Infraero..C. como Posto Telefônico. _visitantes ( a evitar tanto quanto possível). No caso de estacionamento de veículos. devem ser esquematizadas em conjunto.3 mil. Polícia Federal e Receita Federal (Alfândega). Kennedy: 37 mil. funcionários de empresas aéreas. partindo-se de uma pesquisa junto às empresas interessadas e suas expectativas.. Especial cuidado deve ser dado aos locais de atendimento de passageiros embarcando e desembarcando.

níveis de serviço em termos de conforto individual.. mas pode haver mesmo ramais ferroviários de superfície. Possivelmente esta rejeição se deva a fatores tais como incômodos no acesso e na viagem com bagagem de maior volume. S.outros ... Engº. para evitar congestionamentos.2% 0. . fato que gera decisão de implantar vias expressas de interligação com o polo urbano gerador. como em aeroportos alemães.. A grande capacidade inerente aos sistemas sobre trilhos faz com que permaneçam sub-utilizados neste serviço. incompatibilidade de freqüência ou de horários com os dos vôos.4 % 7... verifica-se o acesso por: _autos particulares.. . _rapidez de transferência na interface terrestre – aérea. Quanto aos automóveis. de empresas aéreas. permitindo até uma integração técnica e tarifária com o transporte aéreo. táxis.. conduzindo a cifras tais como 50 mil / dia no Washington National..7 % .C.8 % 51/62 .. ..idem em ônibus .7 % 11. Guarulhos .8 % . os aeroportos internacionais e domésticos de Rio de Janeiro e São Paulo constituem uma boa amostragem do problema a enfrentar.saindo em auto estacionado Galeão 16. _menor distância possível entre aeronave e veículo terrestre ( < 300 m ).1 a 2 autos por viajante.8 % 2. como sintetizam os percentuais da Tabela a seguir: Tabela 14: Tipo de Acessibilidade aos Aeroportos Brasileiros Veículo usado: .. . _separação do fluxo de chegada de viajantes do fluxo de saída. em todos os horários. . fazendo com que os aeroportos mais importantes busquem integração com sistemas sobre trilho na conexão ao centro urbano gerador. Bustamante.1 % 0.idem em auto voltando ..idem em auto alugado . M. . . 15. Mesmo naqueles aeroportos que dispõem de acesso metro ou ferroviário..... de serviços públicos. José de C. _camionetas e caminhões do aeroporto.9 % 64. de suporte operacional e de concessionários. Estes volumes e mais os veículos de serviço conduzem à necessidade de grandes espaços de estacionamento e consequentemente de numerosos postos de controle de entrada / saída e sua automação.9 % Congonhas ... normalmente se busca a implantação de um ramo de metrô. a participação do modal rodoviário é dominante.3 % 32.6 % 1. a experiência mundial registra uma relação de 1. 18. No caso específico de apenas acesso rodoviário.9 % 41.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. A característica da aviação civil de ser um modal onde rapidez é o traço dominante.chegando auto estacionado . ... Em termos de veículos rodoviários.. . Esta movimentação toda gera uma demanda acentuada de veículos nos acessos terrestres.... autos de aluguel: _ônibus públicos e especiais..7 % 4. Dumont 15.idem em taxi . conduz a soluções em quatro níveis: _facilidade de conexão centro gerador – aeroporto... .

Prevenção e monitoramento de danos ambientais Níveis de ruído e de emissões de gases e partículas sempre foram preocupações nos entornos de aeroportos. com ênfase na “glide slope” e seu ângulo de uso.. mas ganharam ainda maior relevância com a introdução dos jatos comerciais na década de 50. Geralmente os produtos resultantes são: _tempo acima do nível A ponderado de ruído selecionado. _nível de ruído equivalente ( em inglês Leq ) _nível de ruído dia .outros ..8 % 0. _aerovias de acesso. com as condicionantes inerentes a cada microlocalização proposta. . de modo a se selecionar a solução maximizante dos objetivos perseguidos e minimizante de custos modais e sociais envolvidos nas alternativas em análise.6 % 2..idem em auto chegando . é mais um complicador do fato.. _perfis de vôo.. No caso do vento... .7 % 2. Na continuação se registram alguns temas que envolvem problemas operacionais com condicionantes que independem do gerenciamento do terminal ou do organismo diretivo da aviação civil.noite ( Ldn )..idem em taxi .3.2 % 37. .6 % 2.7 % 7. Uma tendência de melhora do conjunto motor/combustível nos novos jatos aponta para uma diminuição significativa de CO e HC. . sua dispersão é função da direção do vento e de sua velocidade.2 % 0. 26. José de C. .. Fonte: TRANSCORR RSC Logística e Transportes Prof. . M. . Engº.. _nível de ruído equivalente para a Comunidade (CNEL).. embora. _estimativa de exposição ao ruído ( NEF ).. 52/62 ..9 % 62.idem em ônibus .idem em auto alugado . em geral a redução do nível de ruído perseguido nas aeronaves modernas conduz a uma maior queima de combustível 7.2 % 15... estabilidade dos componentes e altura de mistura... tenda a diminuir sua concentração.UFES – NULT Terminais de Carga . induzida pelo mercado e pela “aeronave crítica”.4 . como as pistas operacionais tem normalmente seu eixo no rumo do vento dominante. Quanto aos poluentes. com os demais poluentes mantendo-se mais ou menos no mesmo nível.Interface de coordenação Estabelece a conciliação entre a macrolocalização.3.C. .... . Normalmente aplicativos digitais específicos tem como insumos básicos: _coordenadas das pistas operacionais.. propiciando maior amplitude da dispersão de poluentes. por outro lado. e _mix da frota usuária. Entretanto. _planilha de operação prevista. Bustamante.4 % 14.

quando a existência de áreas aproximadamente planas facilita sua implantação e diminui os custos de terraplenagem. c) áreas de circulação e espera. quando a aeronave recebe autorização do Controle de Vôo do aeroporto para aterrissar.Condições geotécnicas 53/62 . permitindo a localização dos eixos das pistas em função dos ventos dominantes. como a FAA nos Estados Unidos da América. ou seja os “canais” por onde circulam as aeronaves entre pontos distintos. b) cone ou zona de aproximação. largura.4 . Engº. 7. intensidade e persistência dos ventos reinantes. particularmente na disponibilidade sem obstáculos da “glide slope”.3 . definidos normalmente pelos órgãos diretivos da aviação civil.2 . Segundo o fluxo de tráfego. 7. com localização. onde as aeronaves que se destinam a um aeroporto circulam em altitudes distantes de 300 m entre si.4. particularmente a incidência e intensidade de ventos cruzados em relação às pistas de pouso e decolagem. Bustamante.Condições topográficas A localização dos aeroportos depende da topografia em dois segmentos de seu planejamento: _ na localização de pistas e instalações.Acessos aéreos São três componentes básicos: a) aerovias. e faixa de altura. persistência de chuvas intensas e tempestuosas. por organismos multinacionais controladores do espaço aéreo. baixando para cada patamar inferior na medida em que os vôos anteriores recebem ordem de aterrissagem. como na Europa Ocidental com o EUROCONTROL.4.VFR ) e para operação por instrumentos ( “instrumental flight rules” – IFR ) 7.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. José de C. das aerovias e da morfologia topográfica e da ocupação residencial do solo abaixo do mesmo. Estes componentes tem suas características definidas para duas situações de operação: para condições de vôo visual ( “visual flight rules”.4. caracterizados por rumo.4. As condicionantes pelo vento se representam por dois tipos de gráficos: as rosas de vento e os anemogramas.500 m e 300 m acima do nível da pista.C. de um modo geral. Baseia-se na localização de pistas. M. _ na inexistência de elevações significativas que possam interferir na segurança das manobras de aproximação. de modo que as aeronaves chegando em horas de pico possam esperar sua vez com segurança. é significativamente dependente de fatores meteorológicos prevalecentes em seus terminais aeroportuários. probabilidade de visibilidade (distância horizontal a que se distingue obstáculos) e de teto (distância vertical de visibilidade acima do nível do solo).Condições meteorológicas A aviação. geralmente em planos entre 1. ou em outros países ou mesmo em grupos de países vizinhos. podem existir várias destas áreas para atender a um mesmo aeroporto. 7.1 .

em especial as primeiras.5 . naturais ou resultantes das técnicas construtivas de adensamento e drenagem subterrânea. como pela necessidade de áreas “non edificandi”. As pistas operacionais e de rolamento e os pátios de manobra sofrem a ação de cargas importantes e dinâmicas. tanto diretamente. A existência de indústrias como importante emissão de gases quentes na atmosfera circundante. por sua enorme área de ocupação do solo. são condição básica para o bom condicionamento dos pavimentos das áreas retrocitadas. secionando o tecido urbano em longa extensão.4. seja pela norma de eliminação de obstáculos no prolongamento das cabeceiras das pistas operacionais.Estrutura de uso do solo Como um grande polo gerador de tráfego terrestre. Cuidadosa atenção deve ser dada quanto resultantes de aterros de volume e altura significativas. sobretudo ao se buscar ganhar terreno necessário sobre espelhos de água. Bustamante. Engº. ou de instalações que sejam atrativas para aves que possam chocar com as aeronaves partindo ou chegando. seja pelo elevado nível de ruído abaixo dos cones de aproximação. por suas características operacionais de emissor importante de ruídos e gases. 54/62 . como depósitos de lixo. M. 7. particularmente naqueles aeroportos comerciais em que operam grandes jatos multirreatores. áreas pantanosas e terrenos quaternários de fraca capacidade de suporte. José de C.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof.C. As condições de suporte do solo. constituem restrições a serem consideradas no planejamento.

que buscavam portos primitivos e tradicionais. ainda não chamados de “multimodais”. nem sempre rápido e com equipamento adequado. com o transporte aquaviário de pequenas cargas. em conseqüência.Conceitos Multimodal e Intermodal A partir da década de 70. passou-se a se encarar o problema de coordenação técnica e operacional entre modais distintos. como trens e caminhões. Engº. 55/62 . O problema era enfocado do ponto de vista das transportadoras e não dos usuários. do comércio internacional. buscando-se facilitar a operação do modal dominante.2 .TERMINAIS MULTIMODAIS 8. para distribuição de mercadorias. sobretudo.C. que se fundamentava na figura de um operador que se responsabilizava por todo o conjunto das operações de transporte e transferência entre modais. José de C. como burros e camelos. em especial pelos mercadores. Bustamante. Foi uma fase que os terminais.1 . que havia implícito um conceito de multimodalidade. A pressão por maior produtividade e menor custo vinha. possibilidades de negócio e de lucro. aumentando assim seu mercado. Esclareça-se que naqueles primórdios da multimodalidade em termos mais modernos se fazia uma distinção entre “multimodalidade” e “intermodalidade”. com considerações secundárias sobre o complementar.Conceito Operacional de Multimodalidade Com a evolução das economias. ou portos pelas empresas de navegação. 8. onde haveria transporte terrestre em animais de carga. quando se fazia necessária a transferência de cargas entre veículos de dois deles. agilizar a movimentação das mercadorias estimulou a redução das impedâncias entre modais que se conectavam.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. fato que levou às Nações Unidas a promulgar em 1980 a Convenção Internacional do Transporte Multimodal. com a introdução de novos modais de transporte e melhoramento dos existentes. para maximização das quatro coordenações: técnica. e. que operavam transbordos de carga entre veículos de modais diferentes. seja pela ferrovia. gerenciavam suas operações segundo requisitos do modal dominante. Assim que descarregavam-se da melhor forma possível os vagões chegados carregados. mas os caminhões da perna de distribuição que esperassem pelo atendimento. o conhecimento intermodal. reservando-se este último termo para quando o transporte de uma mesma carga por modais diferentes era regido por um único documento do transporte. CAPÍTULO 8 . M. operacional.3 . comercial e tarifária.Conceito Implícito de Multimodalidade Desde a remota antiguidade. 8. a fim de que se cumprisse os ciclos que lhes eram assignados.

de ponderação na atividade econômica. principalmente nos terminais.C. embora a UNCTAD tenha adotado a seguinte classificação: • Transporte combinado quando se transporta um veículo de um modal no de outro modal. a lei conhecida por ISTEA que incentiva a multimodalidade tem esta denominação como acrônimo de Intermodal Surface Transportation Efficiency Act. como no “piggyback”. em relação às localizações e operações de seus terminais. Um exame mundial parece privilegiar o termo “multimodal”. ainda que para isso tenham de adotar uma solução multimodal. em especial na década de 60. Bustamante.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Assim a Convenção das Nações Unidas e a lei brasileira (vide Anexo B) chamam de “multimodal”.4 . a questão era encarada em vista da fluência das operações do modal dominante. Atualmente.Conceito Logístico A competitividade empresarial acirrada pela globalização da economia. pela perda de tempo (“transit time”) e por avarias e danos às cargas. passarem a pensar em seus terminais como partes importantes da gerência da cadeia de suprimentos empresariais (“supply chain management”). devendo atender com eficiência necessidades de transporte porta à porta. 8. Isto tem levado operadores de transporte. comercial e tarifária. geralmente a ferrovia nos terminais interiores e a navegação nos portos marítimos. • Transporte intermodal no caso dos contêineres transportados por modais diferentes. técnicas de manejo automatizado. Surge o conceito logístico de terminal. e fidelização passam a conviver nas decisões dos transportistas. os dois termos são tomados como praticamente sinônimos. Esta opção muda conceitos e metodologias. José de C. acentuou a estratégia das empresas em valorizar sua Logística. marketing. 8.5 – Conceitos Teóricos e Pragmáticos No século XX. Organismos internacionais apontam que os chamados “custos logísticos” respondem entre 10 e 15% dos produtos nacionais brutos. Nas duas últimas décadas do século passado. com ênfase nos clientes. seja na captação de insumos. Engº. nos Estados Unidos da América encontram-se os dois nomes. operacional. • Transporte multimodal quando um único instrumento _conhecimento_ rege o mesmo transporte em modalidades diferentes. Fato análogo se encontra na Europa. que está presente na realidade mundial. por exemplo. ignorando-se a diferença anterior. que costumam ser um ponto de fricção logística. seja na distribuição de produtos. visando converter meros usuários em ativos clientes. a preocupação era centrada no que se chamava então de coordenações técnica. qualidade de serviço. pois. M. onde princípios das teorias de localização (Transporte é um setor a serviço da Economia). ou seja. desenvolveu-se o exame da multimodalidade do ponto de vista dos clientes responsáveis pelas cargas 56/62 . sendo.

8. José de C. inclusive com a possibilidade de transportar contêineres superpostos (“double stacking”) nos trens. desregulamentação modal bastante sedimentada no tempo e na Administração Pública. fato que redundaria no acompanhamento em tempo real por administrações modais participantes e clientes das cargas em foco. firmando-se o conceito logístico da multimodalidade. por exemplo. 57/62 . pela adequação de veículos e equipamentos. falta de desregulamentação das ferrovias. • apreciável uso interno da unitização. de sua contribuição à redução do “transit time” e à qualidade do serviço prestado ao mercado.C. pelo uso da Tecnologia da Informação. Na União Européia (UE). Engº. movimentadas.7 – Realidades do Dia a Dia A multimodalidade tem atingido um estágio importante. nas ferrovias e nos aeroportos. Entre os empecilhos principais ao uso generalizado da multimodalidade nesta região podem ser citados: • • distâncias relativamente curtas de transporte. o entrosamento operacional dos modais envolvidos. No aspecto gerencial. com a agravante de que as possibilidades de expandirem sua infra-estrutura de transporte são bem mais complexas.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. sobretudo nos Estados Unidos da América. M. • incentivos governamentais federais (ISTEA) e estaduais. Bustamante. dentro de uma concepção de qualidade total. fato que apresenta vertentes técnicas e gerenciais. ou seja. 8. bem como da eliminação de perdas e danos. o panorama real é diferente. devido principalmente a uma série de fatores locais. tais como: • • distâncias grandes de origem a destino.6 – Conceituação Atual da Multimodalidade Trata-se de realizar da melhor forma possível a função logística do terminal multimodal. assegurando a fluidez das transferências de carga. embora as autoridades da Comunidade desejassem obter o mesmo impacto da América do Norte. em termos de tempos de confluência e execução. tomando-se o terminal como um elemento-chave em sua cadeia de suprimentos ou de distribuição. permitindo a tomada rápida e precisa de decisões em cada uma das fases da execução. No lado técnico. como.

tendo como transporte principal a ferrovia. existe no seio da EU e com apoio da Câmara Internacional de Comércio. • • • escassez de operadores multimodais. Por outro lado. Engº. e o caminhão nas pontas do porta a porta. inclusive o uso de veículos automatizados. E no Brasil? Há pontos comuns com os dois antecedentes internacionais e outros com importantes diferenças. práticas do setor muito diferenciadas de país para país. Grupo de Trabalho para criação de novos modelos de contêineres. quilômetros viajados em vazio) Outra questão muito discutida é a automação das operações internas de transporte. mas como na Europa a desregulamentação é nova e ainda não está difundida uma cultura pró-multimodalidade. as distâncias são grandes.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. unitização interna por contêineres pouco difundida. eficiência (v. mais adaptados ao mercado regional que os TEUs e FEUs de origem no transporte marítimo internacional. exatidão documental). que pudesse ajudar a decisão dos gerentes de Logística. custo por tonelada) tempo (velocidade) e horários (confiabilidade) regularidade dos serviços (freqüência) índices de segurança (perdas e danos) gerênciamento de qualidade (atendimento amigável. agravada na área de cabotagem pela crise de nossas empresas de navegação. pessoal empregado versus número de movimentos. que representam a maior parte da questão. Bustamante. 58/62 . como forma de uma melhor captação de cargas. progride com alguma lentidão e todavia não conseguiu reverter completamente a imagem de ineficiência e carestia que onerava o sistema portuário. por via da privatização.C. Uma das propostas na UE é formar este instrumento de avaliação com os seguintes itens: • • • • • • preços (custo por quilômetro. José de C. ainda não é total. Como no caso norte-americano. Sobre este último item. M. há dificuldade em referencias comparativas por falta de um “benchmarking” entre os modais. A recuperação dos portos. principalmente no transporte de contêineres.g.

Morlok. como no caso dos seguros. 1978. Rio de Janeiro. 59/62 . Antonio Carlos e Novaes. Editorial Mir. Centro Regional de Ayuda Técnica. José de C. México. Livraria Pioneira Editora. Kepler Weber Industrial. São Paulo.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Holden-Day Inc. Moscou.GEIPOT: "Anuário Estatístico dos Transportes". Manheim.. Editorial Gustavo Gili S/A. Instituto Militar de Engenharia. Uelze. Livraria Pioneira Editora. 1979. Henry F. 1999. Charles Griffin & Co. Colley Jr. Bustamante. Edward K. !974.: "Terminais de Carga". 1965. 1978. M. 1959.: "Capacidade dos Modos de Transporte". São Paulo.. 1995. Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes . Érico A: "Armazenagem Agrícola". Barcelona. Porto Alegre. John L. sem data. Brasília. L. Weber. 4 vols.. Bustamante.C. McGRaw-Hill Book Co.: “Introduction to Transportation Engineering and Planning”. 1998. ANEXO A BIBLIOGRAFIA DE TERMINAIS DE CARGA Genérica: Agencia para el Desarrollo Internacional-AID: “Estudios de Factibilidad y Analisis de la Solidez Económica y Técnica de Proyectos de Capital Importancia”. Reginald: "Logística Empresarial".: “Fundamentals of Transportation Systems Analysis” The MIT Press. Ltd. Engº. Antonio Galvão: "Logística Aplicada". Marvin L. Alvarenga.: "Dock and Harbour Engineering". 1997. 1977. José de C.P. Wild. Na própria regulação do Operador de Transporte Legal ainda faltam melhores definições. Cambridge..: "Estudio del Movimiento de Mercancias y las Operaciones de Estibación". Rio de Janeiro. Cornick. São Francisco. Londres.: Operations Planning and Control". 1995. Instituto Militar de Engenharia. Bustamante. Este fato dificulta ainda mais a formação rápida de uma cultura de transporte multimodal entre os usuários em geral. New York. Portuária: Andronov. José de C. Friedmann: "Edificios para Almacienamiento y Distribución de Mercancías".

II. AASHO Editions. Rio de Janeiro. cap.II”.: “Cálculos de Explotación al Organizar los Trabajos de Carga y Descarga en los Puertos Marítimos”. 2a. 1977.: "Análise do Desempenho Operacional de Pátios Ferroviários". 1978. Edição. Design and Operation". Curso Jerônimo Monteiro Fº. 1a. Gomes.15 -"Yards". Vetrenko et allii: "Normalización Técnica del Trabajo en los Puertos Marítimos". Madrid. 1982. 1976 Mason. Jayme: "Obras Portuárias". São Paulo. SR-5/RFFSA.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. Ferroviária: American Railway Engineering Association .AREA: "Manual of Recommended Practices: Permanent Way".: "Pátios Ferroviários". M. Editora Campus. Brina. Curitiba. Reinhard H et allii. 1a.Superintendência Regional 4: “Pátios e Terminais: Lay-out”.: “Economia e Tecnologia de Transporte Marítimo”. Rio de Janeiro. Moscou. Rio de Janeiro. AREA. Trans Tech Publications.: "Bulk Port Development. 1987. 1981. Editorial MIR. 1a. 1983. Washington.AASHO: “A Policy on Design of Urban Highways and Arterial Streets”. Editorial Rueda. Helvécio L. Luiz Antônio B. Edição. 1a. Rede Ferroviária Federal S/A . Rio de Janeiro. AASHO Editions. Lazarev.: “Estradas de Ferro”. Edição. N. Chicago. Novaes. Livros Técnicos E Científicos Falavinha. Fernando Oliveros et allii: “Tratado de Ferrocarriles .Superintendência Regional 5: "Pátios e Terminais: Dimensionamento e Avaliação Econômica".1990. Rio de Janeiro. 1980. Washington. Zellerfeld. 4a.A. José de C. N. Editorial Mir. 1976. Rives. Edição. Moscou. 1982.AASHO: ”A Policy on Geometric Design of Rural Highways”. American Association of State Highway Officials .: "Ferrocarriles” Representaciones y Servicios de Ingeneria S. Claudia M. Rede Ferroviária Federal S/A . Almeida Neves Editores. Edição. F. 1967. Instituto Militar de Engenharia.. 1968. 1974. Togno. Editora. vol. 1a Edição. 1983. Mexico. Antonio G. Rodoviária: American Association of State Highway Officials . Bustamante. 60/62 .C. Engº. Edição. Francisco M. edição da Superintendência de Produção. Wöhlbier.

Edição. Consórcio Brasileiro – Alemão do Projeto para o Corredor de Transporte Rio de Janeiro / São Paulo / Campinas – TRANSCORR RSC: “Estudo do Corredor de Transporte Rio de Janeiro – São Paulo – Campinas: Fase II”. 61/62 . Rio de Janeiro.RRL: “Research on Road Traffic”. Rio de Janeiro. Federal Aviation Agency / USA – FAA: “Airport Capacity and Delay – AAS100”. 9 vols. Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes – GEIPOT: “Plano de Desenvolvimento do Sistema de Aviação Civil – PDSAC”. FAA Office of the Associate Administrator for Airports – ARP. Instituto de Pesquisas Rodoviárias-IPR. Editions of the Institute of Traffic Engineers. edição do TRANSCORR. Sussams. Edição. Gower Press. 1996.1994”. E. 1977. Antonio et allii: “Ingeneria de Tráfico”. sem data. Londres. John E. D. Departamento Nacional de Estradas de Rodagem-DNER: “Manual de Implantação de Centros Rodoviários de Carga e Fretes e Terminais Rodoviários de Carga-MICERT”. Boeing Company: “Commercial Airplanes”. Brasília. 1964. 1a. Edição.DNER: “Manual de Projeto de Engenharia Rodoviária”. Washington. José de C. Edição. Aeroviária: Airbus Industrie: “A300: Caractérisques Générales”. 1974.HRB: “Highway Capacity Manual . Editorial Dossat. Leslie: "Road Transport Management Systems and Records". Robinson.C.. 1998. 4 volumes. FAA Office of the Associate Administrator for Airports . 1965. London. Departamento de Aviação Civil – DAC/MinAer: “Diagnóstico da Área do Terminal de São Paulo –TMA/SP”. São Paulo. 3a. 1a. Departamento Nacional de Estradas de Rodagem . Highway Research Board . Et allii: “Manual of Traffic Engineering Studies”. 1971. 1993.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. 1995. 1971. 1998. Washington. Engº. edição do DNER.. 1994. 1975. Washington. Federal Aviation Agency / USA – FAA: “Airport Environmental Handbook – APP-600”. Cleveland. Madrid. Bustamante. Paris. 1971.: "Efficient Road Transport Scheduling". edição do GEIPOT. Her Majesty’s Stationery Office. FAA Office of the Associate Administrator for Airports – ARP. Londres. Gower Press. 1997. Road Research Laboratory . Valdés. 5a. 1a. Federal Aviation Agency / USA – FAA: “Airport Planning – APP-400”.ARP. Rio de Janeiro. 3 vols. National Research Council. edição DAC. edição da Airbus Industrie. Seattle. Washington. Washington. Edição. M.

1969. São Paulo. Robert: “Planning and Design of Airports”. José de C. 2001 Hernández Komarova. 1999. NULT/UFES. 1990. G. Montreal. World Bank: Brasil – Transporte Multimodal de Carga – Questões Regulatórias Selecionadas”.. Bustamante. 2000. A. L.: “The International Airline Industry”.: “Uma Contribuição ao Estudo da Intermodalidade no Transporte de Carga no Brasil”. 1997. edição da Hidroservice. edição da Empresa Brasileira de Aeronáutica S. edição Banco Mundial. Washington. Transportation Research Board: “Vision and Potential for Intermodalism”.C. Multiplan Projetos Técnicos Ltda. 1974. edição da Transcorr. International Civil Aviation Organization – ICAO: “”Manual on Air Traffic Forecasting – Medium and Long Term Forecasting”. Rio de Janeiro.. Mahlon R. The Brookings Institution Editions. Rio de Janeiro. 5 vols. Hidroservice/Acres/Parkin: “Estudo de Viabilidade Técnico – Econômica do Principal Aeroporto Internacional do Brasil”.: “Transporte Multimodal de Carga – Análise de Alternativas”.: “Transporte Intermodal de Carga”.: “Terminal Intermodal de Cargas – Sul (Baixada Santista)”edição da IESA. Horonjeff. 1982. Brasília.: “Terminais Intermodais de Carga”. edição do GEIPOT. Engº.: “Transporte Aéreo Regional no Brasil”. José de C. Thiriet-Longs. Straszheim. 62/62 . New York. McGraw-Hill Book Co. São Paulo. Bustamante. A. Washington. Rio de Janeiro. 1975. 1982. 1997. R. D. Washington. A. Pimentel. São José dos Campos. M. ediçao do PGTRANS/IME. 1969 Multimodal: Bustamante. –EMBRAER. José de C. edição do National Research Council. A. edição da COPPE/UFRJ.UFES – NULT Terminais de Carga Logística e Transportes Prof. 1993. edição da ICAO. Transcorr: “Transporte Multimodal”. Vitória.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->