Assessoria Jurídica Responde 1.

Referente ao funcionário público que recebe abaixo do salário mínimo profissional – como o sindicato deve agir? É comum termos como resposta que o Governo tem estatutários e não segue a Lei do salário Mínimo Profissional... Ø R:- Os funcionários públicos que recebem abaixo do piso mínimo profissional podem interpor uma ação judicial, no âmbito da Justiça Comum Estadual, para exigir o cumprimento da lei nº 4.950-A/66, pois embora se trate o mínimo salarial dum direito legítimo dos profissionais da área tecnológica regidos pela CLT e uma obrigação legal de seus contratantes, já que a Lei tem aplicabilidade direta sobre esses casos, é certo que o salário mínimo profissional também deve ser considerado como piso referencial dos estatutários, haja visto o reconhecimento do princípio igualitário preconizado em nossa Carta Magna. > Ø 2. Qual o valor da indenização para processo de cópia de direitos autorais? Seriam três vezes o valor do projeto? Ø R: Não há um valor fixado na Lei 9.610/1998, que versa sobre a matéria dos Direitos Autorais Científicos (Arquitetos). Na estimação do dano, que pode ser tanto de ordem patrimonial ou moral, ou mesmo de ambos, o juiz terá em conta notadamente, vários fatores. Portanto, preexistindo o registro do direito autoral, o autor fará jus à uma indenização (Lei 5.988-73 que revoga os artigos 649 a 673 do CC-Antigo. - Revogada pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998 ), estabelecendo que ao autor do projeto, pertence o direito exclusivo do trabalho. O Juiz terá que valorar a criação intelectual, o que pode ser auferido por perícia técnica do valor do trabalho, ou pelo simples valor de venda daquele projeto, e, a partir daí, conjugar o binômio dano moral-patrimonial. Ø 3. Como devemos orientar sobre bonificações e aumentos salariais em função de cursos de especialização ou pós-graduação? Temos em nosso site o salário mínimo, mas, é claro que um profissional experiente pode propor salário acima da média... Ø R: O Empregador e o Empregado devem pactuar o valor salarial, desde que seja respeitado o mínimo da categoria. O fator da especialização é um "plus" a mais na negociação, mas não se trata de algo impositivo e imperioso. Ou seja, não existe a obrigação do empregador dar uma maior remuneração ao pós-graduado. > Porém, no âmbito interno da empresa, caso exista um empregado não especializado, recebendo proventos maiores que o profissional com pós-graduação, resta evidente que este poderá requerer uma equiparação salarial, desde que ambos exerçam as mesma funções. Nos prontificamos para maiores esclarecimentos, Atenciosamente, Taborda Lima Advogados Associados Átila Duderstadt OAB/PR 25.102

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful