P. 1
Michael Odoul - Diga-Me Onde Dói e Eu Te Direi Por rev

Michael Odoul - Diga-Me Onde Dói e Eu Te Direi Por rev

4.0

|Views: 6,090|Likes:
Published by api-3704839

More info:

Published by: api-3704839 on Oct 15, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/09/2014

pdf

text

original

As dores, as feridas ou as tensões que temos nos braços são sinal de
que passamos por tensões no que diz respeito à nossa vontade de atuar no
mundo exterior ou interior. Elas nos falam da nossa Dificuldade para agir
em relação a alguma coisa ou a alguém, para fazer ou escolher alguma
coisa. Um desejo de agir, de dominar ou de controlar que não poderá ser
realizado vai se exprimir através dessas tensões que podem, assim como se
passa com as pernas, ir até à ruptura, ou seja, à fratura. Esses males dos
braços podem também significar que temos Dificuldade para transpor para
o real - depois de haver escolhido naturalmente - idéias, projetos ou
conceitos que consideramos importantes. De acordo com o ponto exato do
braço, do ombro, do antebraço, do punho etc.,

134

em que a tensão se manifesta, teremos uma informação mais detalhada do
que nos "impede", segundo a nossa concepção, de agir. Nossos braços
podem, Enfim, "nos falar" da nossa relação com o poder e com a possessão
e, por conseguinte, da nossa capacidade para "romper" ou não com as
coisas.

Assim como o fizemos com as pernas, vamos estudar, em primeiro
lugar, os eixos articulares e depois, em seguida, o braço, o antebraço e a
mão, deixando um lugar um tanto quanto especial para a nuca.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->