Resíduos de Tiro (GSR - Gunshot residue, FDR - Firearms discharge residue

)

Paulo Ricardo Ost Frank Perito Criminal, RS

Com revisão de: Fernando Ipar, Perito Criminal, RS. Vera Bittencourt, Perita Criminalística, RS.
1

ÍNDICE.
1. Armas ...................................................................................................................... 4

1.1. Armas de Fogo ........................................................................................................ 7 1.1.1. 1.1.2. 1.1.3. 1.1.4. 1.1.5. 1.1.6. 1.1.7. 1.1.7.1. 1.1.7.2. 1.1.8. 1.1.8.1. 1.1.8.2. 2. Raias ............................................................................................................... 8 Calibre............................................................................................................. 9 Munição......................................................................................................... 10 Estojo ............................................................................................................ 14 Espoletas e Carga iniciadoras ...................................................................... 15 Descarga (Disparo e Tiro)............................................................................. 23 Pólvora .......................................................................................................... 24 Pólvora Negra ............................................................................................... 25 Pólvoras Modernas ....................................................................................... 26 Projéteis ........................................................................................................ 33 Balins ou bagos ............................................................................................ 38 Munição de recarga ou artesanal ................................................................. 44

Principais Tipos de Armas de Interesse Forense.................................................. 45

2.1. Pistolas de Tiro Unitário ........................................................................................ 45 2.2. Pistolas de Múltiplos Canos (Garruchas ou Derringers) ....................................... 45 2.3. Revólveres ............................................................................................................. 45 2.4. Pistola Semi-Automática ou Parabellum ............................................................... 50 2.5. Rifles, Fuzis, Fuzis de Assalto, Carabinas ............................................................ 51 2.6. Espingardas........................................................................................................... 52 3. Resíduos do Tiro ................................................................................................... 53

3.1. Diferentes Testes e seus Históricos ...................................................................... 60 3.1.1. 3.1.2. 3.1.3. 3.1.4. 3.1.5. 3.1.6. 3.1.7. 3.1.8. Teste da Parafina.......................................................................................... 60 Harrison e Gilroy ........................................................................................... 62 Rodizonato de Sódio..................................................................................... 63 Radiação de Neutrons (Neutron Activation Analysis, Análise de Ativação) . 64 Flameless Atomic Absorption Spectrometry (FAAS) .................................... 65 Década de 1980............................................................................................ 72 Década de 1990............................................................................................ 72 SEM/EDS - MEV ........................................................................................... 73

3.2. Resíduos Orgânicos no GSR ................................................................................ 76 3.3. Natureza dos Resíduos de Tiro e a sua Formação............................................... 78 3.4. Composição do GSR ............................................................................................. 83 3.5. Áreas Prováveis de Resíduos (GSR) .................................................................... 84 3.5.1. 3.5.2. 3.5.3. 4. Resíduos de tiro na mão do atirador ............................................................ 85 Tempo de permanência de resíduos no ar................................................... 88 Coleta de GSR .............................................................................................. 89

Distância de Tiro.................................................................................................... 91

2

4.1. Queima .................................................................................................................. 93 4.2. Esfumaçamento..................................................................................................... 94 4.3. Partículas de Propelente não Queimadas ou Parcialmente Queimadas .............. 95 4.4. Corpos Mortos ....................................................................................................... 96 4.5. Cargas Iniciadoras sem Chumbo .......................................................................... 96 5. Retenção de GSR.................................................................................................. 98

5.1. Pessoas Vivas ....................................................................................................... 98 5.2. Rosto, Cabelo, Cabeça e Roupas ....................................................................... 100 5.3. Mortos .................................................................................................................. 100 5.4. Armas de Cano Longo......................................................................................... 101 6. 7. 8. Conclusão............................................................................................................ 102 Índices de Figuras ............................................................................................... 103 Bibliografia ........................................................................................................... 104

3

1. Armas
O homem faz armas desde a aurora da humanidade. Um dos primeiros povos que colonizaram o que hoje nós chamamos de América, a cultura Clóvis, tem este nome pelas lanças que fabricavam: lascas de pedra amarradas com tiras de couro na ponta de paus. Por algum tempo se pensou que eram destinadas apenas para a caça e para a defesa contra animais maiores, mas alguns encontros de esqueletos com lesões nos ossos semelhantes as que seriam produzidas por estas pontas, sugerem que as mesmas também eram utilizadas contra o semelhante. Em termos técnicos de balística, a lança do povo Clóvis era uma arma de arremesso, ou seja, matava a distância. Com uma arma deste tipo o mais fraco fisicamente poderia derrotar o mais forte. Para o fraco homo sapiens esta possibilidade foi um grande impulso para a sobrevivência da espécie.

Figura 1 Pontas Clóvis .

1

Para Wallace2, as armas de arremesso foram concebidas para matar ou incapacitar a distância. Essas armas incluem qualquer coisa leve o suficiente para ser arremessada e suficientemente pesada, ou aguda, para produzir ferimentos. Nesta categoria estão incluidos, bastões, varas pontiagudas com pontas endurecidas pelo fogo ou não, lanças feitas de pedra, facas, punhais, machadinhas e espadas feitas de madeira ou pedra. O desejo de impulsionar algum tipo de projétil para matar ou ferir deve ter se originado da necessidade de caçar. Por razões óbvias matar a distância é mais prático e mais seguro.
1 2

Wikimedia Commons. Wallace, P. 3.

4

Primeiramente os projéteis eram lançados com a mão e mais tarde foram inventados as fundas, arcos, catapultas, onagros e outros. Os projéteis ganharam maior peso, velocidade, maior alcance e maior precisão, consequentemente maior poder de matar ou ferir3. Um dos principais desenvolvimentos no armamento humano foi a descoberta do metal e a capacidade trabalhar com o mesmo. Não é por acaso que historiadores antigos dividiam a pré-história em “Idade da Pedra” e “Idade do Bronze”. Facas, espadas, pontas de flechas e de lanças, couraças e outros deram grande vantagem sobre as armas de pedras e paus. Povos, como os espanhóis, armados de adagas, lanças, elmos e couraças, tiveram enorme facilidade em derrotar povos armados de porretes, como os astecas e os incas. Estas armas foram utilizadas por muitos séculos até serem rapidamente substituídas por armas de fogo, as quais mudaram radicalmente a história da humanidade4. Com armas deste tipo, qualquer povoado poderia se defender de tribos nômades montadas, desde que possuíssem armas de fogo e de uma cerca para disparar protegido. Balística é a ciência que estuda o movimento dos projéteis. É um ramo da Física, mas de grande interesse para a Criminalística e para a área militar, onde são estudados o desempenho dos projéteis, sua trajetória, sua energia, velocidade, alcance, penetração e outros aspectos. Para efeitos de criminalística este conhecimento é dividido em três grandes partes: Balística Exterior que está preocupada com o projétil desde que ele sai da boca do cano até alcançar o alvo. Balística Interior, que estuda os fenômenos que ocorrem no interior da arma e Balística Terminal, que estuda a interação do projétil com o alvo5. A Balística é o ramo da física que estuda o movimento dos projéteis6. Teve e tem destacada importância para as armas de artilharia em particular e

3 4

Wallace. P. 3. Wallace. P. 4 5 Wallace P. 4
6

NA. Para a Física, projétil é qualquer corpo que se desloca no espaço sofrendo a ação de um impulso inicial e de um campo gravitacional.

5

para as demais armas7 em geral. Por extensão o estudo das armas de arremesso, das munições e de seus efeitos, tornou-se parte da Balística. As armas de arremesso podem ser simples, quando o impulso inicial é dado pelo ser humano sem auxilio de qualquer apetrecho, por exemplo, o dardo, ou complexas, quando um apetrecho auxilia no lançamento, por exemplo, a zarabatana, o arco, a besta, o onagro, a catapulta, o trabuco e as armas de fogo. Armas de fogo são máquinas térmicas onde o projétil é expelido pela súbita expansão dos gases resultantes da queima de pólvora, ou seja, quando ocorre o disparo8, a arma produz tiro9 se houver munição eficaz

adequadamente alojada em seu interior. Modernamente a Balística se ocupa apenas das armas de fogo. A Criminalística buscou na Balística o apoio necessário para a elucidação dos crimes feitos por armas de arremesso, criando assim a Balística Forense, que, segundo Rabello, “é aquela parte do conhecimento criminalístico e médico legal que tem por objeto especial, o estudo das armas de fogo, da munição e dos fenômenos e efeitos próprios dos tiros destas armas, no que tiverem de útil ao esclarecimento e à prova de questões de fato, no interesse da justiça tanto penal como civil.” A Balística Forense pode ser dividida em: Balística Interna, que trata das armas de fogo, das munições, do mecanismo do disparo e do movimento do projétil dentro do cano; Balística Externa, que trata do movimento do projétil no ar10, sofrendo a ação da força da gravidade. Balística Terminal, que trata dos efeitos do projétil a partir do momento que ele impacta conta uma estrutura material

Para Eraldo Rabello, Balística Forense, 3ª Edição, Sagra-Luzatto, Porto Alegre, 27, “arma é todo objeto concebido e executado com a finalidade específica ou predominante de ser utilizada pelo homem para o ataque ou a defesa.” 8 NA. A Criminalística, como qualquer outra disciplina, usa termos específicos e restritos, assim, disparo é a ação eficaz dos mecanismos da arma no sentido de acionar a munição para que a pólvora se expanda, tiro é a efetiva saída de projétil pelo cano. 9 Ver nota anterior.
Um projétil também por se deslocar em outro fluído como água, ou mesmo no vácuo, mas isto não será tratado neste texto.
10

7

6

1.1.

Armas de Fogo

É provável que o nome “arma de fogo” venha da chama produzida na boca do cano por ocasião do disparo11. Armas de fogo são máquinas térmicas que utilizam a força expansiva, dos gases resultantes da combustão de algum tipo de pólvora, para expelir projéteis. São desenhadas para ejetar projéteis potencialmente letais, a partir de um cano, contra alvos selcionados. Para isto é preciso apontar, disparar, produzir tiro e dar estabilidade a trajetória do projétil, usando para isto um propelente que produz expansão súbita de gases por queima. Existem outros meios de fornecer energia para um projétil sair do cano, por exemplo, por ar comprimido, gás ou por molas. Estas armas não são armas de fogo no sentido estrito do termo. Não são normalmente utilizadas para a prática de crime, sendo mais utilizadas para esporte ou caça leve, mas podem ser objeto de atenção da ciências forenses em situações especiais. O meio quase universal para propelir o projétil é a pólvora. Ora, pólvora não é uma substância pura, mas sim um nome genérico para centenas de misturas diferentes utilizadas como propelente para projétil12. Armas de fogo podem ter características diferentes, tais como a capacidade de carregar mais de um cartucho, melhor capacidade de recarga, carregamento e ejeção automática ou mais de um tiro no mesmo pressionar do gatilho. Isto tudo são apenas refinamentos do projeto básico. Na sua forma mais simples, uma arma de fogo pode ser um tubo de metal com uma extremidade fechada, com algum propelente que, com a queima, produz pressão de gás o suficiente para expelir um projétil, ou projéteis, para fora do cano, devendo este ter energia suficiente para ferir, incapacitar ou mesmo matar um ser humano, ou o animal ao qual se destina, no caso de armas de caça. Após sete séculos de aperfeiçoamento, hoje, existem armas capazes de produzir até 1.500 tiros por minuto ou capazes de, com o auxilio de um mira telescópica, matar um vítima selecionada a uma distância 1.000 m ou mais13. Armas de fogo são relativamente baratas, confiáveis, mortais e possuem muitos usos: esporte, guerra, defesa pessoal, caça, policiamento e também
11 12

Wallace. P. 3. Wallace P. 4. 13 Wallace P.5.

7

para crimes, no caso de uso disvirtuado da arma. Além disto são encontradas em adundância na maior parte do mundo. Em alguns países o armamento chega a ser geral e compulsório, pela necessidade das políticas vigentes de defesa nacional, como, por exemplo, Israel e Suiça. Entretanto, em qualquer parte do mundo, a maioria, mas não todas, das armas utilizadas para a prática de crime, são, ou estão, em situação ilegal14.

1.1.1. Raias
O cano de uma arma de fogo é um tubo geralmente construído em aço ou em ligas com aço. A superfície interna do cano de revólveres, pistolas, carabinas, fuzis, rifles e metralhadores possuem um número de sulcos em espiral, conhecidos como raias15. As áreas entre duas raias são chamadas de cheio e a finalidade destes é produzir sulcos helicoidais no projétil, os cavados, que fazem com o que o projétil gire em torno do seu eixo longitudinal, este movimento mantém a direção do projétil16. As armas que apresentam sulcos na superfície interna do cano são denominadas armas de cano de alma raiada. As armas que não possuem estas raias são as ditas de cano de alma lisa, usadas para expelir projéteis esféricos, ou, no caso de alguns balotes, o projétil tem seus cavados produzidos por usinagem. As raias do cano imprimem ressaltos nos projéteis e os cheios produzem cavados nos projéteis. O projétil, ao transpor o cano da arma, deixa marcado em sua superfície características (micro-elementos) da superfície interna desse cano, o que permite a identificação indireta da arma. Espingardas não têm raias e são conhecidas como armas de alma lisa.

14 15

Wallace P. 5. Wallace P. 8. 16 Wallace P. 8

8

Figura 2 Calibre real em canos raiados.

1.1.2. Calibre
O calibre real de uma arma de fogo é baseado no diâmetro interno do cano, medido entre dois cheios opostos. Esta é apenas uma definição simplificada e dá apenas uma aproximação do diâmetro do projétil. Este normalmente é um pouco maior que o diâmetro interno do cano. O calibre da munição, quando a mesma é de origem norte-americana, é dado em polegadas, quando é de origem alemã, ou russa ou , mais recentemente da OTAN, é dado em milimetros. Os calibres usuais para revólveres (uma invenção norte-americana) são 0,22", 0,32", .38", 0,357", 0,44’ e 0,45"17. Para pistolas temos calibres tanto em polegadas - .22’’. .32’’, .38’’, .380’’, .40’’ e .45’’ – como em milimetros: 6.35 mm, 7.64 mm, 9 mm. Apenas para citar os mais usuais. Há muitos outros calibres existentes. Na verdade, calibre é um termo confuso, com os diversos calibre representando mais tradição histórica do que

17

NA. Na maior parte da literatura temos simplesmente: 22, 32, 38, 357 magnum, 44 e 45.

9

propriamente uma metodologia rigorosa. Não vamos aqui tratar deste assunto, mas o eventual leitor pode consultar a bibliografia citada, sem esquecer de visitar o monumento de Rabelo. Exceções são as espingardas e os pistolões, onde calibre ou gauge se refere ao número de esferas de chumbo, de diâmetro igual a diâmetro interno do cano, que podem ser feitas com uma libra de chumbo. Os calibres mais populares são 12, 16 e 20. Desta forma, quanto menor o calibre, maior é diâmetro interno do cano. Por outro lado, algumas espingardas, de diâmetro de cano menor, têm calibre assinalado pelo diâmetro interno do cano, como, por exemplo, a 0,410’’18. Para complicar ainda mais o quadro já confuso, a Taurus fabrica um revólver, calibre 32 gauge, com opções de cano liso ou cano raiado, podendo diparar, tanto munição de bagos, quanto convencional19. Há muitos outros calibres existentes. Na verdade, calibre é um termo confuso, com os diversos calibre representando mais tradição histórica do que propriamente uma metodologia rigorosa. Não vamos aqui tratar deste assunto, mas o eventual leitor pode consultar a bibliografia citada, sem esquecer de visitar o monumento de Rabelo.

1.1.3. Munição
Em praticamente 100% dos casos, a munição das armas de fogo modernas são cartuchos, com a única exceção para um tipo especial de munição experimental alemã sem estojo. Cartucho é um estojo que contém carga iniciadora, propelente e projétil. O termo “bala” é, às vezes, utilizado como sinônimo de cartucho. Exemplo disto é a expressão pueril “Eu tenho bala na agulha”, onde agulha se refere ao percutor. Bala também pode se referir, popularmente, ao projétil, sendo assim um termo ambíguo. De qualquer forma a linguagem técnica deve ser precisa e, assim, o termo bala deve ser evitado em documentos de natureza criminal, salvo em oitivas ou citados destas20.
18

Major Sir Gerald Burrard, The Modern Shotgun, vol. 1, The Gun (Southampton, UK: Ashford Press, 1985), 17. Apud. Wallace. P. 8 . 19 www.taurus.com.br. 20 Wallace. P.9.

10

Os cartuchos para espingardas são normalmente feitas de plástico ou papelão, com uma base de metal, entretanto ainda são encontrados os com estojo totalmente metálico, próprios para recargas21.

Figura 3 Munições típicas

22

Apesar de a arma de fogo já existir há uns 700 anos, o cartucho é relativamente recente, tendo apenas uns 160 de história em seus tipos primitivos. O cartucho metálico atual somente foi aperfeiçoado há cerca de 120 anos e as munições de alta velocidade, com pólvora sem fumaça são do começo do século XX23. Antes da invenção do cartucho, as armas eram carregadas pela boca (antecarga), com cada um dos componentes da munição e suas respectivas buchas, carregadas separadamente, com a evidente demanda de precioso tempo e posicionamento do atirador em pé, para realizar esta operação. Outro aspecto a considerar era que o carregamento era influenciado pela ocorrência de chuvas24. O primeiro cartucho (Guerra dos Trinta Anos) era uma espécie de “refil” com um pacote de papel, já com a medida certa de pólvora, atado ao projétil. O atirador rasgava o papel com os dentes e municiava a arma de maneira
21 22 23 24

Wallace. P.9. Wallace. P. 9. Frank C. Barnes, Cartridges of the World, 3rd ed. (Digest Books). Apud Wallace. P. 23. Wallace. P. 24.

11

habitual. Logo o papel comum foi substituído por papel tratado com nitratos para queima completa e contra absorção de umidade. Também foram utilizados intestinos de animais (tripa) e outros materiais. Entretanto o primeiro “cartucho completo” somente surgirá com a invenção de Pauly, em 180825. Este foi um dos desenvolvimentos mais importantes da história de arma de fogo. No entanto, o sistema, talvez por necessitar de armas específicas para o seu uso (retrocarga), talvez pelo fato de o exército prussiano desenvolver outra opção, não teve aceitação generalizada de imediato26.

Figura 4 Cartucho de Pauly, conforme Wallace.

O próximo cartucho inventado foi o de Dreyse, em 1831, de papel, onde a carga iniciadora era colocada no “meio” do cartucho e não em sua extremidade posterior. Para acionar o fulminante era necessário um longo percutor em forma de agulha. Daí o nome “fuzil de agulha” para as armas do exército prussiano que utilizavam esta munição27.

25 26

Wallace. P. 24. Wallace P. 24. 27 Wallace. P.26.

12

Figura 5 Cartucho de Dreyse, conforme Wallace.

Até 1846, todos os cartuchos apresentavam o problema de retorno de uma quantidade grande demais de gases pela culatra. Este problema foi resolvido com a substituição dos estojos de papel por estojos de metal (cobre, latão ou bronze) que se expandem rapidamente no momento da explosão e vedam as paredes laterais da câmara28. Outro passo foram os cartuchos com carga iniciadora radial, ainda hoje utilizada em munição .22’’, desenvolvidos a partir de Houllier, em 1846, os quais se tornaram populares a partir de 1854, com a produção em massa de variedades destes calibres, pela Smith & Wesson. Entretanto, o uso de pólvora cada vez mais potente passou a inviabilizar este tipo de munição para calibres maiores que 22, pois a parede posterior do cartucho tinha que ser, necessariamente fina, para permitir a percussão, e assim, não resistia às altas pressões das novas pólvoras. A partir de 1854, a mesma Smith & Wesson, ressuscitou o velho projeto de Pauly e passou a fabricar sua própria versão de cartuchos com carga iniciadora central, dando seqüência aos cartuchos atuais29.

28 29

Wallace. P.25. Wallace. P.25.

13

1.1.4. Estojo
O estojo é projetado para acondicionar de forma segura, o projétil, o propelente e a carga iniciadora. O design no estojo é afetado por vários fatores, sendo os mais importantes o papel que se espera da munição, o tipo de arma, o tipo de ignição (Boxer ou Berdan). A grande maioria dos estojos é feitos de alguma liga de cobre, 70% (com variação encontrada de 65% a 74%) de cobre e 30% de zinco (latão), 90% de cobre e 10% de zinco, 80% de cobre e 20% de níquel, mas também são encontrados aços revestidos com latão, cobre ou laca, alumínio, alumínio revestido de teflon e também estojos de papelão e plástico. Estes últimos muito comuns em armas de caça. Quando um tiro é produzido, a pressão interna e também o aumento da temperatura fazem a expansão do estojo contra a câmara. Esta função (obturação) é extremamente importante, pois impede a perda de pressão e, portanto, perda de energia do projétil. No caso de armas automáticas, o latão utilizado deve ser elástico o suficiente para voltar ao tamanho original rapidamente, facilitando assim a retirada do estojo da câmara. Em segundo lugar em popularidade, atrás do latão vem o aço. Uma especificação típica de aço para estojo é 0,08% a 0,12% de carbono, 0,25% de cobre, 0,6% de manganês, 0,035% de fósforo, 0,03% de enxofre e 0,39% a 0,12% de silício30. Outro aspecto de grande interesse são as marcas do fabricante estampadas na base do estojo. Entretanto, elas não têm valor absoluto, pois munição sem estampa é encontrada quando um governo, por razões políticas ou econômicas, está apoiando a causa de rebeldes em outro país e fornecendo munições. Por razões óbvias, a fonte de abastecimento é dissimulada, com ausência de estampas, ou usando estampas falsas para colocar a culpa em outro31.

30 31

Private communication, 1974. Wallace. P. 35. P. Labbett, “Clandestine Headstamps,” Guns Review Magazine (February 1987): 128.Apud Wallace. P. 38.

14

1.1.5. Espoletas e Carga iniciadoras
De uma maneira geral, as cargas iniciadoras necessitam da ação de três componentes: • O iniciador - estifinato de chumbo, que detona quando é percutido pelo percutor; • O oxidante - nitrato de bário, que fornece o oxigênio necessário para a queima do combustível; • O combustível - sulfeto de antimônio, que queima (se oxida) a uma taxa muito elevada, fornecendo energia para inflamar a pólvora, um componente bem mais estável, que vai fornecer gases em expansão súbita para impulsionar o projétil. As cargas iniciadoras são misturas que, quando submetidas à percussão, detonam, fornecendo uma súbita explosão de chama que serve para inflamar o propelente do cartucho (pólvora). A carga iniciadora deve produzir um volume grande de gases quentes e partículas sólidas quentes32. A carga iniciadora ideal deve ser barato, fácil de obter, relativamente seguro de usar, granulação uniforme e deve desencadear uma reação altamente exotérmica quando sob o choque de um percutor. A sustância mais parecida com isto é o dinitroresorcinato de chumbo, mas este é muito sensível. Na prática não há substância pura que possa preencher os requisitos de uma carga iniciadora e, desta forma, os armeiros necessitaram experimentar misturas e granulações adequadas33. A taxa de queima, o volume dos gases gerados e o peso das partículas produzidas e a duração da chama são os fatores mais importantes. Em uma composição típica, com 0,15 g de carga iniciadora, teríamos 1,5 cm3 de gases e o volume de partículas incandescentes transportadas por este gás quente chega ser até 70% da carga iniciadora. A função destas partículas é ir promovendo a ignição do propelente que encontrar pelo caminho. As cargas iniciadoras típicos têm um tempo de rajada efetiva na ordem de 400 a 750 microssegundos e com duração total de 650 a 1500 microssegundos34.
Wallace. P. 39. Wallace. P.41. 34 Kirk-Othmer Encyclopedia of Chemical Technology, 2nd ed., 8 (New York: Wiley–Interscience), 654. Apud Wallace. P.56.
33 32

15

De um modo geral, cargas iniciadoras de armas pequenas consistem na mistura equilibrada de um iniciador, um oxidante pra fornecer oxigênio, um combustível, um atritante para melhorar as qualidades mecânicas da mistura, um catalisador e um aglomerante. Iniciadores utilizados incluem azidas, fulminatos, compostos nitrosos, azida de prata, azida de chumbo, fulminato de mercúrio, estifinato de chumbo, TNT e PETN (que também funcionam como catalisadores). Todo o iniciador deve ter a característica de se desestabilizar quando impactado (detonar). Oxidantes, com a função de fornecer oxigênio para a reação, incluem o nitrato de bário, o cloreto de potássio, o dióxido de chumbo, e nitrato de bário. Os combustíveis utilizados incluem o sulfeto de antimônio (que também atua como um atritante), goma arábica (que também atua como aglomerante), siliceto de cálcio (que também atua como um atritante), nitrocelulose, tiocianato de carbono, metais em pó, tais como alumínio, magnésio, zircônio, ou as suas ligas. Atritantes incluem o vidro em pó, o alumínio em pó (que também atua como combustível). Catalisadores, como o TNT e o PETN, este último também funcionando como iniciador. Aglomerantes, como a goma arábica e outras gomas, colas, alginato de sódio, cimento e borracha35. Em 1805, o reverendo Alexander Forsyth criou a primeira carga iniciadora, baseado em fulminato de mercúrio. Desde lá tem havido uma evolução que continua em andamento, mas os fabricantes de munição em qualquer parte do mundo são muito relutantes em revelar suas formulações ou mesmo quaisquer aspectos dos seus negócios, conseqüentemente, as informações sobre o assunto e, portanto, sobre os resíduos de tiro, são escassas e fragmentadas na literatura36. Até 1806 todas as armas de fogo eram descarregadas com a ação de uma chama diretamente na pólvora, ou usavam pederneira, que nada mais é que uma pedra de sílex, o sílex pirômaco, que produz uma faísca ao ser batida

35 36

Wallace. P. 40. Wallace. P. 41.

16

com uma peça de ferro37. Em 1806 apareceram as primitivas espoletas feitas de fulminato de mercúrio, introduzidas por Forsythe, onde o fulminato de mercúrio era acondicionado em frascos pequenos de vidro. O sistema não teve grande aceitação por ser muito instável. Em 1807, Forsythe introduziu uma fórmula de “espoleta” que consistia de 70,6 partes de clorato de potássio, 17,6 partes de enxofre e 11,8 partes de carvão vegetal, havendo, inclusive autores que duvidam do uso de fulminato de mercúrio por este inventor. Embora fosse mais estável que a anterior, se mostrou muito corrosiva38 39. A primeira espoleta, um corpo com a carga iniciadora dentro, instalado na região posterior do cartucho, foi produzido por Joshua Shaw em 1814, utilizando fulminato de mercúrio e, em 1818, substituído por uma mistura de fulminato de mercúrio, cloreto de potássio, enxofre e carvão. A novidade agradou, mas, por ser muito corrosiva, exigia a limpeza da arma logo após o tiro40. Em 1828, von Dreyse patenteou o “fuzil de agulha”, uma arma eficaz de retrocarga, onde a munição tinha a seguinte ordem de montagem: papel, pólvora, espoleta e projétil. Um longo percutor, na forma de uma agulha, perfurava o papel e a pólvora para então atingir a espoleta, que era uma mistura de clorato de potássio e sulfeto de antimônio. A arma fez sucesso no exército prussiano, pois, apesar de complicada e sensível, podia ser municiada com o atirador agachado ou deitado, ao contrário das armas de antecarga de então, que exigiam que o soldado ficasse em pé, ou pelo menos ajoelhado, para carregar a arma de tiro unitário41. Com a melhoria na purificação do fulminato de mercúrio, em 1873, o exército americano passou a utilizar uma carga iniciadora que envolvia uma mistura de fulminato de mercúrio, cloreto de potássio, pó de vidro e goma arábica. Esta mistura sofria dois grandes inconvenientes: i) o mercúrio tende a fragilizar o latão dos estojos, o que produzia os tais tiros “que saiam pela culatra” (na verdade, fragmentos do estojo);
NA. Antes da invenção do fósforo está era a forma mais prática de se obter fogo e a peça de ferro ou aço que batia na pedra era chamada de fuzil, em português, daí o nome consagrado, no português da América do Sul, para certas armas de cano longo. 38 Heard. P. 87 39 G. R. Styers, “The History of Black Powder,” AFTE Journal 19 (4) (October 1987): 443. Dr. T. L. Davis, Chemistry of Powder and Explosives (New York: John Wiley & Sons), 42. Apud Wallace. P.43. 40 Heard. P. 87. 41 Heard. P. 87.
37

17

ii) o clorato de potássio deixava resíduos extremamente corrosivos no cano da arma após o tiro; iii) o mercúrio fazia uma amalgama com o zinco do latão, destruindo o estojo, o que invabilizava a recarga, essencial, na época, por razões econômicas Devido a estes dois problemas iniciou-se a busca de uma carga iniciadora sem mercúrio e não corrosivo. Numa primeira tentativa usou-se clorato de potássio como ingrediente principal, mas como este é bastante instável e absorve água da atmosfera, gerando também corrosão, o mesmo foi abandonado42. Outra tentativa foi o uso de estojos de cobre e outra foi o envernizamento interno do estojo, a partir de 1869, com o trabalho de Hobbs43. Na época da pólvora negra, uma grande quantidade de residuos era depositada no interior do cano, pois na combustão resultava 44% do peso original em gases quentes e 56% em resíduos sólidos, provocando uma densa nuvem de fumaça branca em qualquer lugar de tiroteio44 Quando as pólvoras sem fumaça foram introduzidas entre 1870 e 1890, outro grande problema foi encontrado, pois estas pólvoras são bem mais dificeis de inflamar que a tradicional pólvora negra, então, conseqüentemente, maiores cargas de priming se fizeram necessárias. Entretanto, mesmo com limpeza mecânica do cano, este “enferrujava”, pelas razões já expostas45. Em 1891, a Rheinische-Westfälische Sprengstoff-AG foi a primeira a dar uma solução razoável para o problema, com a substituição do clorato de potássio pelo nitrato de bário, formulando uma carga iniciadora com a seguinte composição: 39% de fulminato de mercúrio de 39%, 41% de nitrato de bário; 9% de sulfeto de antimônio, 5% de ácido pícrico e 6% de pós de vidro46. Outras mudanças ocorreram e a partir de 1928, o estifinato de chumbo passou a ser utilizado como o principal componente explosivo da carga iniciadora, estando consolidada a era do “tiro sem ferrugem”, eliminando tanto a corrosão dos estojos, quanto a corrosão do cano
42 43

47

, com a patente, pela

Heard. P. 87 Wallace. P.43. 44 Dr. T. L. Davis, Chemistry of Powder and Explosives (New York: John Wiley & Sons), 42.. Apud Wallace. P.43. 45 Wallace. P.43. 46 Wallace. P.46. 47 Heard. P. 88.

18

mesma RWS, em 1928, do "Sinoxyd" (Sinoxide / Sinoxid), com a seguinte composição: Estifinato de Chumbo - 25% a 55%; Nitrato de bário - 24% a 25%; Sulfeto de antimônio - 0% a 10%; Dióxido de chumbo - 5% a 10%; Tetraceno - 0,5% a 5%; Siliceto de Cálcio - 3% a 15%; Vidro em pó - 0% a 5%48. Nos Estados Unidos, as primeiras cargas iniciadoras não corrosivas e sem mercúrio foram comercializados a partir de 1935, entretanto não foram aprovados pelas especificações militares acerca de segurança, de eficácia e de prazos de validade para munição estocada; Assim as corrosivas misturas de clorato continuaram a ser utilizadas durante a II Guerra Mundial49. No Reino Unido, a mudança para estifinato de chumbo somente se deu na década de 1960. Estes tipos mais antigos de carga iniciadora talvez seja a origem do costume de nossos pais e avós de fazerem periódicas e metódicas limpezas nas armas50 51. Atualmente existem centenas de patentes para composições de carga iniciadoras, o que ilustra a quantidade de pesquisas nesta área, entretanto, nos Estados Unidos e no Reino Unido, a grande maioria das munições modernas ainda mantém o padrão Sinoxyd, com estifinato de chumbo e nitrato de bário perfazendo de 60% a 80% do peso total da carga iniciadora52. Também ocorre que algumas nações do antigo bloco soviético ainda fabricam cargas iniciadoras baseados em fulminato de mercúrio e cloreto de potássio53, podendo as mesmas chegar a nosso país através de contrabando. No início da década de 2000, a composição de carga iniciadoras mais comumente encontrada é uma composição de estifinato de chumbo, de nitrato de bário, de sulfeto de antimônio e de tetrazina. Nesta composição, estifinato de chumbo e a tetrazina são detonantes, isto é, explodem quando
48 49

Wallace. P. 46. Wallace. P.47. 50 Heard,. P. 88. 51 Wallace. P.57. 52 Wallace. P. 53. 53 Wallace. P. 53.

19

lhes é aplicada pressão, o nitrato de bário fornece oxigênio adicional para a queima e o sulfeto de antimônio age como um combustível para prolongar a mesma. Alumínio e, ocasionalmente, o magnésio, metais com grande afinidade com o oxigênio, também podem ser encontrados, principalmente em munições do tipo magnum ou para fuzis. Vidro em pó também pode ser adicionado por existirem fabricantes que acreditam que isto pode ajudar na detonação. Modernas munições de calibre .22’’ (carga iniciadora radial) têm composição ligeiramente diferente das demais, sendo, normalmente, compostas de estifinato de chumbo, nitrato de bário, tetrazina e pó de vidro54. São as chamadas cargas iniciadoras de dois componentes (chumbo e bário), mas cargas iniciadoras com três componentes (chumbo, bário e antimônio) também são encontradas para este tipo de munição55. Cargas iniciadoras sem chumbo começaram a se tornar necessários a partir da década de 1970, com relatos de saturnismo56 em pessoal ligado a instalações de treinamento. Embora uma grande proporção do chumbo contaminante deva vir dos projéteis, uma parte, com certeza, era proveniente da carga iniciadoras que continham estifinato de chumbo57·. O US National Bureau of Standards, após estudos, concluiu que, no caso de uso de carga iniciadoras com chumbo, 80% de chumbo no ar, em locais de treinamento, era proveniente do projétil não jaquetado, e apenas 20% seriam
54 55

Heard. P. 88. Wallace. P. 56. 56 Saturnismo é a intoxicação por chumbo. Os sintomas iniciais são freqüentemente sutis e inespecíficos envolvendo o sistema nervoso (fadiga, irritabilidade, distúrbios do sono, cefaléia, dificuldades de concentração, redução da libido), gastrointestinais (cólicas abdominais inespecíficas de fraca intensidade, anorexia, náusea, constipação intestinal, diarréia) e dor em membros inferiores. As manifestações clínicas evoluem de forma insidiosa e muitas vezes trabalhadores com evidências laboratoriais inequívocas de exposição apresentam-se assintomáticos. Quadros crônicos de maior gravidade manifestam-se por meio de nefropatia com gota (redução da eliminação de uratos) e insuficiência renal crônica, encefalopatia crônica com alterações cognitivas e de humor, e neuropatia periférica. Intoxicações agudas decorrentes de exposições intensas por períodos curtos são excepcionais. Habitualmente, os quadros agudos surgem no curso de intoxicações crônicas e se caracterizam por encefalopatia aguda (confusão mental, cefaléia, vertigens e tremores aos quais se seguem convulsões, delírio e coma), neuropatia periférica grave com paralisia de músculos cuja inervação foi fortemente atingida (geralmente o nervo radial). Os quadros agudos podem cursar ainda com cólicas abdominais difusas de forte intensidade (muitas vezes acompanhadas de constipação intestinal, hipertensão arterial, ausência de leucocitose ou alterações no exame do abdome e excepcionalmente febre). Este último quadro, também chamado de cólica saturnina constitui uma importante forma de manifestação da intoxicação. São relatados ainda quadros de nefropatia aguda com tubulopatia proximal com aminoaciduria, fosfatúria e glicosuria (síndrome de Fanconi). Silveira, Andréa Maria. Atenção à Saúde dos Trabalhadores Expostos ao Chumbo Metálico. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, 2006. P.14. 57 Heard, P. 88.

20

provenientes dos carga iniciadoras. A abrasão do projétil, provocada pelos ressaltos, foi apontada como a grande produtora de chumbo atmosférico. Entretanto é necessário dizer que o ar não é a única forma de entrada de chumbo no organismo e a deposição de GSR com chumbo nas mãos pode também ser contaminante. A mudança para um projétil com jaqueta de cobre ou zinco foi fácil para reduzir o chumbo atmosférico, mas encontrar uma carga iniciadora sem chumbo, sem mercúrio e não corrosiva foi mais difícil 58. O problema da carga iniciadora começou a ser resolvido no início da década de 1980, quando a Geco (Gustav Genschow & Co) e a Dynamit Nobel AG lançaram carga iniciadoras com composição de zinco e titânio, o chamado Sintox59 (marca registrada da Nobel). A partir daí, houve uma série de cargas iniciadoras isentas de chumbo, fornecidos pelas empresas CCI, Blazer, Fiocchi, Speer, Federal e Winchester.60 A composição exata destas cargas iniciadoras não é conhecida, pois se trata de propriedade industrial, mas estudos com MEV indicam a presença de estrôncio na munição Speer e Blazer, potássio na munição Winchester e cálcio e silício nos cartuchos Federal. A maioria das formulações mais recentes de carga iniciadora contém um iniciador (detonante) composto de um explosivo chamado Dinol, nome comercial do DDNP (diazodinitrofenol) 61. Na atualidade as cargas iniciadoras sem chumbo são tão eficientes quanto os tradicionais e é provável que venham a substituir esses no futuro62. No momento (2008) temos como iniciadores, além dos já citados dinitrodihydroxydiazobenzeno dinitrobenzofuroxan, diversos (diazinate), compostos dinitrobenzofuroxan, diazo, triazos e potássio tetrazaole,

percloratos, nitratos, ou hidrazina. Os fornecedores de oxigênio incluem: óxido de zinco, nitrato de potássio, nitrato de estrôncio, peróxido de zinco. Os combustíveis incluem boro amorfo, pós metálicos, como alumínio, zircônio, titânio, níquel e zinco, carbono, silício, sulfetos metálicos como sulfeto de

Heard. P. 88. A mistura Sintox contém tetracene, peróxido de zinco, diazole, titânio em pó e nitrocelulose, conforme R. Hagel, and K. Redecker, “Sintox—A New, Non-Toxic Carga iniciadora Composition by Dynamit Nobel AG,” Propellants, Explosives, Pyrotechnics 11 (1986): 184. Apud Wallace. P.56. 60 Haag , L. ( 1995 ) American Lead Free 9 mm - P Cartridges . AFTE Journal , 27 , 2 . Apud Heard. P.88. 61 Heard, P. 88. 62 Wallace. P.55.
59

58

21

antimônio, sulfeto de bismuto, sulfeto de ferro e sulfeto de zinco, composto de silício e cálcio e silício e cobre.63. Uma das razões para a variação na composição da carga iniciadora é a diversidade nas especificações acerca da sensibilidade, ou seja, o quanto de pressão é necessário aplicar para detonar o cartucho, havendo, inclusive, diferenças entre os padrões militares e comerciais Por exemplo, no Reino Unido, o padrão comercial para a 9 mm Parabellum define que a carga iniciadora deve detonar quando é impactado por uma esfera de 57 g de aço, em queda livre de uma altura de 330 mm a 203 mm, ou seja, se detonar com altura superior a 330 mm, então é considerado de pouca sensibilidade e sujeito a falhas, por outro lado, se detonar com uma altura menor que 203 mm, será considerado muito sensível e, portanto, sujeito a acidentes. Já o padrão militar da OTAN, organização da qual o Reino Unido faz parte, para munição de mesmo calibre, diz que as cargas iniciadoras devem ser acionadas quando um pino de disparo é impactado por uma esfera de aço de 1,94 onças (55 gramas) em queda livre de uma altura entre 12 e 3 polegadas (30,48 e 7.62 cm). Devese notar que a sensibilidade da carga iniciadora militar será sempre menor do que a da carga iniciadora para defesa pessoal, dadas as condições mais severas de utilização da arma por militares64. Nas munições de fogo radial a carga iniciadora está acondicionada dentro do estojo nas bordas da base. Porém, nas munições de fogo central, a carga iniciadora está posto dentro de um pequeno estojo encaixado. Este “estojo” é chamado de espoleta em português e, por extensão, é também chamado de espoleta o seu conteúdo, embora isto esteja em desacordo com o rigor da técnica. O corpo da espoleta é geralmente feito em latão, como os estojos. Não obstante, são também encontrados cobre, cuproniquel (70% Cu, 30% Ni), outras ligas de cobre e aço revestido com zinco, com a ressalva que o uso de propelentes com pressão cada vez maior tornam o cobre macio adequado apenas para munição de baixa pressão65.

63 64

Heard. P. 88. Heard. P. 89. 65 Wallace. P.39.

22

Quanto ao aspecto construtivo, existem dois tipos principais de espoletas: o Berdan e o Boxer. O Berdan é mais utilizado nos países europeus e o Boxer é mais utilizado nos Estados Unidos e no Brasil. A única diferença é a bigorna. No Berdan a bigorna faz parte do estojo e no Boxer a bigorna é parte integral da espoleta. O Boxer apresenta a vantagem de ser passível de substituição, o que pode ser útil no caso de munição militar66. De um modo geral as espoletas para munição destinadas às armas de cano curto e as para de cano longo, diferem no tamanho, na estrutura, na quantidade e na composição da carga iniciadora. Espoletas para munições de revolveres e pistolas variam entre 0.175’’ a 0.210’’ (4,44 mm a 5,33 mm) e as destinadas a munições para cano longo variam entre 0,240’’ a 0,245’’ (6,1 mm a 6, 22 mm) de diâmetro. Nada, entretanto, impede a exceção67. Embora as espoletas para as munições de pistolas e revólveres possam ter o mesmo diâmetro que as para armas de cano longo, estas têm maior espessura da parede para resistir à maior pressão do percutor destas armas e também possuem maior quantidade de carga iniciadora. A massa de carga iniciadora pode variar de desde 0,013 g até 0,352 g, mas o corriqueiro é na faixa de 0,05 g até 0,12 g68. Então, de um modo bastante geral, se diz que a carga iniciadora deixa resíduos de chumbo, bário e antimônio nas mãos do atirador. A razão disto se dá pela presença típica, mas não obrigatória, destes componentes nos iniciadores. Entretanto, qualquer conclusão acerca de resíduos de tiro (GSR Gunshot residue), para fins judiciais, deve ir muito além destas breves colocações.

1.1.6. Descarga (Disparo e Tiro69)
O mecanismo de disparo de arma de fogo consiste de um dispositivo mecânico que libera um golpe do martelo (também chamado cão) para frente e

Wallace. P.39. Wallace. P. 40. 68 Wallace P. 40. 69 NA. Na literatura técnica produzida pelos peritos sulriograndenses, disparo é o acionamento completo do mecanismos necessário para detonar a espoleta. Tiro é a efetiva saída do projétil pelo cano da arma.
67

66

23

contra um pino que percute a carga iniciadora. Em algumas armas de fogo, o martelo e o percutor formam uma única peça70. Na base do cartucho temos uma mistura de substâncias químicas, a carga iniciadora, que tem a propriedade de entrar em rápida queima, quando é impactado. A queima de carga iniciadora produz um grande número de partículas quentes, ou em chama, que entram em contato com o propelente que queima e produz um grande volume de gases que, no espaço confinado do estojo, resulta em enorme pressão sobre a base do projétil que é então expelido para fora do cano. A alta temperatura e a pressão também dilatam o diâmetro do estojo, que é pressionado contra as paredes da câmara, selando a mesma e evitando fuga dos gases da queima, e perda de velocidade do projétil71. Uma arma de fogo deve ser de construção robusta, pois o tempo entre o percutor atingir a carga iniciadora e o projétil sair pela boca do cano na ordem de 0,01-0,03 segundos72. Na boca do cano, a velocidade do projétil varia desde 180 m/s (650 km/h) para revolveres com munição de baixa energia, até 1000 m/s (3800 km/h) para algumas armas de cano longo mais poderosas. As temperaturas envolvidas estão na ordem de 3.000 ºC73 e as pressões internas no cano são da ordem de 2,4 MegaPascal74. Os estojos devem estar também aptos a trabalharem nestas condições75. Outro aspecto de grande interesse são as marcas do fabricante estampadas na base do estojo.

1.1.7. Pólvora
A não ser para os estudiosos mais puristas da Balística pólvora e propelente são palavras intercambiáveis, pois propelente é a mistura química que, ao queimar, produz gases o suficiente para produzir o tiro. Existe e existiram muitos tipos de propelente, mas todos acabam sendo referidos como pólvora.
70 71

Wallace P. 10. Wllace. P. 10. 72 Textbook of Small Arms (London: HMSO, 1929), 267. Apud Wallace P. 10. 73 C. L. Farrar, and D. W. Leeming, Military Ballistics—A Basic Manual (London: Brassey’s Publishers), 18. Apud Wallace. P. 10. 74 Major General J. S. Hatcher, Hatcher’s Notebook, 3rd ed. (Stackpole Books),198. Wallace. P. 10. 75 S. Basu, “Formation of Gunshot Residues,” Journal of Forensic Sciences 27, no 1 (1982): 72. P. 38.

24

1.1.7.1. Pólvora Negra
Uma mistura conhecida como pólvora virou de cima para baixo a arte da guerra. Até então o guerreiro de contato, armado com espada, lança, martelo, clava, com elmo, escudo e couraça, montado em um cavalo ou não, era o elemento que efetivamente decidia as batalhas e ocupava o terreno. Os que atiravam projéteis com arcos, fundas ou mãos, ou seja pedras, setas e lanças de arremesso eram importantes, mas meros auxiliares, devendo fugir sempre que atacados pelos primeiros. A partir da pólvora negra e da arma de fogo, o guerreiro de contato passou perder importância, e o guerreiro capaz de matar à ditância tornou-se cada vez mais importante da batalha. As tristes cargas de baioneta da Primeira Guerra Mundial mostraram realidade. A pólvora negra é uma mistura de nitrato de potássio (salitre), carvão e enxofre em proporções variáveis, sendo variáves também a sua granulação e a a sua pureza. Uma composição atual típica76 é 75% de salitre 15% do carvão vegetal e 10% de enxofre77. Misturas de salibre, carvão e enxofre já eram usadas na China de na Índia desde a Antiguidade, para fins incendiários e pirotécnicos muito antes de a pólvora ter sido utilizado no Ocidente, mas os orientais nfizeram o desenvolvimento da arma de fogo propriamente dita. No ocidente, o primeiro a relatar experiências com pólvoras foi o monge Roger Bacon, que, entretanto, não associou pólvora com armamento. Este uso da pólvora para arma de arremesso é geralmente creditado a outro monge, Berthold Schwartz, no início do século XIV78. Com a pólvora negra nasceu a artilharia moderna e os castelos e muralhas medievais perderam grande parte da sua utilidade. No século XIX a pólvora negra começou a ser gradativamente substituída por outros propelentes, mas ainda pode ser encontrada em casos de produção artesanal de munição.
76

de forma bem cruel esta

NA. A pólvora negra é ainda utilizada por desportistas, por colecionadores, garimpeiros e outros. T. L. Davis, Chemistry of Powder and Explosives, 3rd ed. (London: Chapman & Hall), 39. Apud Wallace. P. 13. 78 William Chipchase Dowell, The Webley Story (Leeds, UK: Skyrac Press), 179. Apud Wallace. P.13
77

25

1.1.7.2. Pólvoras Modernas
Propelentes para armas de uso individual podem ser definidos como um “material explosivo que é formulado, projetado, fabricado, e comburido de tal forma a permitir a geração de grandes volumes de gases quentes às taxas controladas e pré-determinadas79”. O propelente deveria ser, idealmente, uma substância pura, sólida, não tóxica, estável, fácil de armazenar, de fácil ignição, de massa compacta, barata, fácil de preparar a partir de materiais facilmente disponíveis, sem produção de fumaça ou resíduos, completamente convertido em gases. Deve conter seu próprio suprimento de oxigênio para poder queimar confinado na câmara, deve queimar muito rapidamente, mas não detonar e deve ter uma boa relação energia liberada por massa80. Desta forma não é de se estranhar que nenhuma substância química preencha todas estas especificações. Na prática os propelentes são o que sempre foram: uma mistura de várias substâncias81. Em qualquer lugar do mundo, os militares têm enorme peso nas decisões das fábricas de munições e armas. Isto quando o exército não mantém suas próprias fábricas. Assim as especificações de propelentes seguem, em muitos aspectos, necessidades militares82. De um modo geral o propelente real deve cumprir as especificações abaixo : - Deve ser capaz de ser fabricado de forma simples, rápida, com relativa segurança, a um custo razoável e com ingredientes que são facilmente obtidos em tempo de guerra;
83

“explosive materials which are formulated, designed, manufactured, and initiated in such a manner as to permit the generation of large volumes of hot gases at highly controlled, predetermined rates”, conforme Kirk-Othmer Encyclopedia of Chemical Technology, 2nd ed., vol. 8 (New York: WileyInterscience), 659. Apud Wallace. P. 57. 80 Wallace. P. 57. 81 Wallace. P.57. 82 Wallace. P.58. 83 Wallace. P.58.

79

26

- Deve ser fácil e seguro de transportar, não higroscópico, sem possibilidade de autocombustão, sem produtos de queima que sejam difíceis de remover ou prejudiciais à arma de fogo ou ao cartucho; - Deve ter um desempenho apropriado em diferentes condições de armazenagem e clima e deve ter um prazo de validade longo para ser estocado para tempo de guerra; - Também não deve entrar em combustão quando colocado em uma arma já bastante quente pelos tiros anteriores (o que se aplica também às cargas iniciadoras). A relação energia liberado por peso / volume e taxa de produção desta energia devem ser compatíveis com o sistema da arma (espaço disponível, tamanho do cano) e da munição (tamanho do projétil e velocidade na saída do cano). Consequentemente, existe uma vasta gama de propulsores para os diferentes tipos de munições existentes84. A taxa de queima é extremamente importante porque, se o propelente liberar gases com muita velocidade, ele irá explodir a câmara ou o cano da arma. Se a queima for muito lenta, será ineficiente, e o projétil irá sair do cano com pouca energia. A velocidade de combustão é controlada pelo tamanho e pela geometria dos grânulos individuais. Desta forma, o propelente raramente é um pó, sendo fornecido, normalmente, em grânulos (grãos85). Em alguns propelentes, os grãos são revestidos com moderadores, para diminuir a taxa de queima86. Propelentes modernos, para armas individuais, normalmente contém nitrato de celulose plastificado (Nitrocelulose) como principal oxidante e vários outros produtos químicos são adicionados para fins específicos, como a Nitroglicerina e estabilizantes para a mesma. Os propelentes que contém apenas nitrocelulose como oxidante são chamados “de base única”, os que contêm nitrocelulose e nitroglicerina (ou algum outro explosivo plastificante) são chamados “de base dupla”. “De base tripla” são aqueles que têm adição de grandes quantidades de nitroguanidina, ou outra substância, aos dois
84 85

Wallace. P.58. NA. Neste ponto é quase impossível não fazer confusão entre grão físico de pólvora com grãos, unidade de medida usada para medir pólvora e que corresponde a 1/7000 libras. Também é possível confundir grãos, símbolo gr, com grama, símbolo g, também usada para medir pólvora. 86 Wallace. P. 58.

27

anteriores. Este tipo de propelente, porém, não é normalmente encontrado em armas pequenas87. A percentagem de nitroglicerina, em propelentes de base dupla, pode variar de 5% até 44%88. Estabilizadores, ou conservantes, são necessários, pois a nitrocelulose se decompõe com o tempo. Um produto usado para este fim é a difenilamina ou seus derivados em propelentes de base simples Para propelentes de base dupla ou tripla é comum utilizar a nitrodifenilamina, pois aquela é suspeita de hidrolisar a nitroglicerina89. Os propelentes modernos produzem relativamente poucos resíduos sólidos e pouca fumaça na combustão. Os gases resultantes desta são, principalmente, nitrogênio, monóxido de carbono, dióxido de carbono, hidrogênio e vapor de água. A quantidade de pólvora "sem fumaça” varia de acordo com o calibre, o peso do projétil, a pressão necessária para produzir tiro, o espaço disponível no cartucho e assim por diante.90. Abaixo temos a tabela de pólvoras do fabricante CBC, que é a munição mais encontrada em cenas de crime no Rio Grande do Sul, onde se vê, na prática, diferentes tipos de propelente de um mesmo fabricante.

Todas as pólvoras fabricadas pela CBC são de base simples (nitrocelulósicas) e produzidas com
87 88

Wallace. P. 61. Wallace. P.66. 89 T. Urbanski, Chemistry and Technology of Explosives, vol. 3 (Oxford: Pergamon Press, 1967), 554. Apud Wallace. P. 61. 90 Wallace. P.63.

28

tecnologia própria e equipamentos de ponta. Isso garante a qualidade e a uniformidade de suas características técnicas para os diferentes lotes de fabricação. O moderno laboratório da Fábrica de Pólvora da CBC realiza análises físicas e químicas dos componentes utilizados e do produto final. Por meio dessas avaliações, é possível determinar características como densidade gravimétrica, potencial energético, tempo de combustão e temperatura de iniciação. As pólvoras da série 100 são do tipo tubular monoperfuradas e destinam-se a armas longas raiadas. As da série 200 são do tipo disco ou disco compacto e destinam-se a armas longas não raiadas e armas curtas. Em função do desempenho das pólvoras CBC, são fixadas as cargas de projeção a serem utilizadas no carregamento das munições produzidas pela CBC. Esse esquema garante que essas munições fiquem dentro das especificações balísticas estabelecidas pela SAAMI e pela CIP, colocando as munições CBC nos padrões de qualidade entre as das melhores fábricas do mundo.

Grão Pólvora Formato 1 102 1 124 1 126 1 128 Tubular Monoperfurado Tubular Monoperfurado Tubular Monoperfurado Tubular Monoperfurado Espessura Diâmetro Comprimento mm 0,70 1,20 0,70 1,00 0,70 0,70 0,90 0,95 0,70 0,70 0,15 0,15 0,45 0,45 0,15 0,15 1,30 2,30 1,30 1,60 -

Densidade Gravimétrica Nominal - g/l 900 ± 30 930 ± 30 900 ± 30 900 ± 30 670 ± 30 670 ± 30 550 ± 30 570 ± 30 670 ± 30 670 ± 30

Tempo de Combustão milissegundo 1,75 2,40 2,20 2,30 0,75 0,85 0,35 0,40 0,95 0,74

2 207 Disco Compacto 2 210 Disco Compacto 3 216 3 219 Disco Disco

2 220 Disco Compacto 2 221 Disco Compacto

Pólvora 102 124 126 128 207 210 216 219 Munição 7 mm Remington Magnum.

Utilização Munições para rifles e fuzis em calibres tais como o .223 Remington, e .308 Winchester. Munições de calibres como os .22-250 Remington, .30 Winchester, .243 Winchester, 7 mm Mauser, .30-06 e .300 Winchester Magnum. Munição 6,5 x 55 mm Mauser. Munições para armas curtas com características balísticas elevadas, tais como o 9 mm Luger, .38 Super Auto e .38 SPL +P. Munições nos calibres .40 S&W, .380 Auto +P e 9 mm Luger. Munições nos calibres convencionais de armas curtas, tais como o .25 Auto até o .38 SPL. Pode ser utilizado em cartuchos de caça calibre 12, 16 e 28. Cartuchos de caça em todos os calibres. Pode ser utilizada também nas munições de calibres

29

.38 SPL, .45 Auto, .32-20, .38-40, e .44-40. 220 221 Munição .357 Magnum com projétil de 158 “grains” ou mais pesados e .44 Magnum. Munição 9 mm Luger com projéteis leves (95/115 grains) e .40 S&W também com projéteis leves (155/160 grains).

Tabela de Carga
Pólvora Tipo g grains Munição .223 Rem .223 Rem .308 Win .308 Win .308 Win .308 Win .308 Win 7 mm Rem Magnum .22-250 Rem .243 Win .270 Win 7 mm Mauser .30 Win .30-06 SPRG .30-06 SPRG .30-06 SPRG .30-06 SPRG .300 Win Magnum 6,5 x 55 mm .38 SPL + P .38 SPL + P .38 SPL + P .38 SPL + P 9 mm Luger Projétil Tipo ETPT EXPT ETPT EXPT ETPT ETPT EXPT ETPT EXPT EXPT EXPT ETPT ETOG ETPT EXPT ETPT EXPT ETPT ETPT EXPP EXPO EXPP EXPO ETOG Descrição Encamisado Total Pontiagudo Expansivo Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Expansivo Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Expansivo Pontiagudo Expansivo Pontiagudo Expansivo Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Encamisado Total Ogival Encamisado Total Pontiagudo Expansivo Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Expansivo Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Encamisado Total Pontiagudo Expansivo Ponta Plana g 3,6 3,6 9,7 9,7 10,5 11,7 11,7 11,3 3,6 6,5 8,4 10,4 9,7 9,7 9,7 11,7 11,7 9,7 9,1 8,1 Velocidade Provete pol. 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 grains m/s pés/s cm 55 55 150 150 162 180 180 175 55 100 130 160 150 150 150 180 180 150 140 125 125 158 158 124 980 3.215 980 3.215 854 2.802 854 2.802 750 2.460 792 2.598 792 2.598 845 2.772 1.113 3.651 899 2.920 900 2.953 762 2.500 655 2.194 884 2.900 884 2.900 792 2.598 792 2.598 970 3.182 800 2.625 288 288 270 270 945 945 885 885 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61 61

1,580 24,4 1,580 24,4 2,830 43,7 102 2,830 43,7 2,650 40,9 2,640 40,7 2,640 40,7 124 3,900 60,2 2,350 36,3 2,450 37,8 3,300 50,9 2,620 40,4 2,230 34,4 126 3,450 53,2 3,450 53,2 3,250 50,1 3,250 50,1 4,500 69,4 128 2,850 44,0 207 0,455 0,455 0,410 0,410 0,410 7,0 7,0 6,3 6,3 6,3

10,24-V V 10,24-V V 10,24-V V 10,24-V V 4

Expansivo Ponta Oca 8,1 Expansivo Ponta Plana 10,2

Expansivo Ponta Oca 10,2 Encamisado Total 8,0

335 1.099 10,2

30

Ogival 0,405 0,345 0,345 210 0,375 0,470 0,470 0,075 0,145 0,145 0,095 0,135 0,100 0,170 0,200 0,200 0,150 0,175 216 0,250 0,240 6,2 5,3 5,3 5,8 7,3 7,3 1,2 2,2 2,2 1,5 2,1 1,5 2,6 3,1 3,1 2,3 2,7 3,9 3,7 9 mm Luger .380 Auto+P .380 Auto+P 9 mm Luger .40 S&W .40 S&W .25 Auto .32 Auto .32 Auto .32 S&W .32 S&W .32 S&W .32 S&W .380 Auto .380 Auto .38 SPL CURTO .38 SPL .38 SPL .38 SPL 28/63,5 16/70 12/70 12/70 12/70 12/70 12/70 12/70 12/70 12/70 12/70 12/70 12/70 .38 SPL .38 SPL .44-40 WIN .45 Auto CHOG ETOG EXPO ETPP EXPO ETPP ETOG ETOG EXPO CHOG CHOG CHCV EXPO ETOG EXPO CHOG CHCV CHOG CSCV VELOX VELOX F-150 F-150 L S-150 D-150 D-150 L T-200 L C-25 VELOX HIIMPACT HIIMPACT HIIMPACT EXPP EXPO CHPP EXPO Chumbo Ogival Encamisado Total Ogival Encamisado Total Plana Encamisado Total Ponta Plana Encamisado Total Ogival Encamisado Total Ogival Chumbo Ogival Chumbo Ogival Chumbo Canto Vivo 8,0 6,2 124 95 95 147 180 180 50 71 71 85 98 98 98 95 95 125 148 158 158 239 417 370 370 370 370 370 494 432 494 438 494 494 158 158 200 185 335 1.099 10,2 310 1.017 310 1.017 302 302 302 232 276 276 207 215 226 236 290 290 209 246 230 235 991 990 990 760 905 905 679 705 741 774 951 951 685 806 754 771 9,5 9,5 10,2 10,2 10,2 5,1 10,2 10,2 7,6 4 3,75 3,75 4 4 4 2 4 4 3

Expansivo Ponta Oca 6,2 9,5

Expansivo Ponta Oca 11,7 11,7 3,2 4,6

Expansivo Ponta Oca 4,6 5,5 6,4 6,4

10,24-V V 16,2 5,3 10,24-V V 9,5 9,5 3,75 3,75

Expansivo Ponta Oca 6,4 Encamisado Total Ogival 6,2

Expansivo Ponta Oca 6,2 Chumbo Ogival Chumbo Canto Vivo Chumbo Ogival 8,1 9,6 10,2

10,24-V V 10,24-V V 10,24-V V 10,24-V V 66 26 28 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30

Chumbo Semicanto 10,2 Vivo Todos Todos 7 1/2 7 1/2 9 8 1/2 8 1/2 7 1/2 e 8 5, 6 e 8 Todos Balote 3T SG Expansivo Ponta Plana 15,5 27,0 24,0 24,0 24,0 24,0 24,0 32,0 28,0 32,0 28,4 32,0 32,0 10,2

0,750 11,6 1,200 18,5 1,610 24,8 1,470 22,7 1,610 24,8 1,480 22,9 1,430 22,1 1,420 21,9 1,450 22,4 1,400 21,6 1,900 29,3 1,560 24,1 1,600 24,7 219 0,300 0,300 0,500 0,420 4,6 4,6 7,7 6,5

360 1.181

360 1.181 71,1 415 1.361 76,2 395 1.296 76,2 410 1.345 76,2 415 1.361 76,2 395 1.296 76,2 370 1.214 76,2 405 1.328 76,2 360 1.181 76,2 450 1.476 76,2 400 1.312 76,2 400 1.312 76,2 245 245 804 804

10,24-V V 10,24-V V 61 12,7 24 5

Expansivo Ponta Oca 10,2 Chumbo Ponta Plana 13,0 Expansivo Ponta Oca 12,0

363 1.190 290 951

31

0,400 0,330 0,370 0,430 0,630

6,2 5,1 5,7 6,6 9,7

.45 Auto .45 Auto .45 Auto 36/63,5 32/63,5 24/63,5 20/70 20/70 20/70 12/70 12/70 12/70 12/70 .357 Magnum .357 Magnum .357 Magnum .44 Rem Magnum 9 mm Luger 9 mm Luger 9 mm Luger .40 S&W .40 S&W

CSCV ESCV ETOG VELOX VELOX VELOX VELOX F-150 S-150 T 200 C-25 C-25 P-25 EXPP EXPO CSCV EXPP EXPP ETOG EXPO EXPO CSCV

Chumbo Semicanto 13,0 Vivo Encamisado Total Semicanto Vivo Encamisado Total Ogival Todos Todos Todos Todos 7 1/2 9 7 1/2 5, 6 e 8 5, 6 e 8 5, 6 e 7 1/2 Expansivo Ponta Plana 14,9 14,9 9,0 12,5 17,0 22,5 24,0 24,0 32,0 34,0 36,0 36,0 10,2

200 230 230 139 193 262 347 370 370 494 525 556 556 158 158 158 240 95 115 115 155 160

293 236 255

961 774 836

12,7 12,7 12,7 66 66 66 66 66 66

5 5 5 26 26 26 26 26 26 30 30 30 30

350 1.148 350 1.148 360 1.181 360 1.181 405 1.328 405 1.328

0,860 13,3 1,230 19,0 1,350 20,8 1,350 20,8 1,800 27,8 1,800 27,8 1,850 28,5 1,850 28,5 0,780 12,0 0,780 12,0 220 0,700 10,8 1,100 17,0 0,450 0,410 221 0,410 0,500 0,430 6,9 6,3 6,3 7,7 6,6

400 1.312 76,2 405 1.328 76,2 405 1.328 76,2 405 1.328 76,2

10,24-V 376 1.233 V 376 1.233 376 1.233 359 1.177 10,24-V V 10,24-V V 10,24-V V 4 4 4 4 4

Expansivo Ponta Oca 10,2 Chumbo Semicanto 10,2 Vivo Expansivo Ponta Plana Expansivo Ponta Plana Encamisado Total Ogival 15,6 6,2 7,5

410 1.344 10,2 346 1.135 10,2 352 1.154 10,2 367 1.203 10,2 335 1.099 10,2

Expansivo Ponta Oca 7,5 Expansivo Ponta Oca 10,0 Chumbo Semicanto 10,4 Vivo

Velocidade das munições medidas na boca. Provete (comprimento do cano)

• • • •

Os valores de carga apresentados nas tabelas deste catálogo para obter a velocidade média foram fixados utilizando-se na montagem das munições e cartuchos, componentes (estojo, espoleta, projétil, bucha e bagos de chumbo) empregados pela CBC no carregamento de munições e cartuchos originais. Em alguns casos, podem ser empregadas no carregamento outras pólvoras CBC além das especificamente recomendadas. Todavia, aquelas sugeridas são as que não ultrapassam os limites máximos de pressão determinados pelas normas internacionais SAAMI E CIP. Na fixação das cargas dos cartuchos de caça, somente foram utilizadas buchas plásticas pneumáticas (petecas). Para o carregamento dos cartuchos Presidente, recomendamos a utilização da pólvora 216. A utilização de componentes - estojos espoletas e projéteis - não originais CBC, de lotes de pólvora diferentes daqueles empregados na confecção das tabelas, de variações nas cargas de chumbo e na pressão com a qual as buchas plásticas são inseridas nos estojos de cartuchos de caça, nos tipos, peso e profundidade de colocação dos projéteis nos estojos de munições carregadas com projéteis e até mesmo da técnica de carregamento, poderão resultar em desempenhos balísticos diferente dos indicados. Por medida de segurança, sugerimos ao praticante da recarga que iniciem seus carregamentos utilizando carga 10% menor do que as apresentadas nas tabelas e só aumentá-las até esses valores, caso não seja observado nenhum indício de sobrepressão.

32

No momento do tiro, geralmente, cerca de 700 a 1.100 cm3 de gases por grama de propelente são produzidos. A temperatura no interior o cartucho varia de 1700 ºC para propulsores “frios” até 3700 ºC para propelentes muito “quentes” Uma composição típica da descarga para propulsores de dupla base é 28% de dióxido de carbono, 23% de monóxido de carbono, 8% de hidrogênio, 15% de nitrogênio e 26% de vapor d’água91. Estas altas temperaturas têm como conseqüência muito importante para a criminalística o fato de fundirem e vaporizarem parte da superfície da base do projétil, ejetando vapores de chumbo ou de cobre pela boca do cano.

1.1.8. Projéteis

As armas de fogo portáteis foram criadas depois dos canhões e, no começo, eram adaptações mais leves destes. Os primeiros projéteis usados em armas de fogo foram pedras, flechas de ferro e esferas de ferro. Os primeiros calibres variavam de 3 cm a 5 cm e todas as armas eram de cano liso, o que pedia projéteis de forma esférica. De lá para cá, houve um constante processo para diminuir o peso e também o calibre. O chumbo passou a ser usado já a partir de 1340 devido a sua maior densidade e maleabilidade que o ferro, resultando projéteis com maior energia e que causam menor desgaste no cano92. O uso de movimento rotatório para melhorar a precisão de flechas já era conhecido deste a Antiguidade. Em 1520, Augustin Kutler, conseguiu o mesmo efeito em projéteis através da introdução de raias internas nos canos das armas de fogo. Estava aberto o campo para o desenvolvimento de novas formas de projéteis que não a esférica. A experimentação de diversos tipos logo demonstrou que os de forma alongada eram bem melhores que os de forma esférica93. Em 1863, William Ellis Metford, entendendo que o chumbo era mais maleável que o necessário, criando deposições de chumbo por todo o cano,
91 92

Wallace. P. Wallace. P.13. 93 Dowell, The Webley Story, 198. Apud Wallace. P. 19.

33

criou o projétil de chumbo endurecido com antimônio, tal como é utilizado até hoje. O uso de chumbo endurecido diminui, mas não eliminou o problema, e data desta época a utilização de lubrificantes com sebos animais, depositados em ranhuras anulares na base do projétil, com o objetivo de diminuir a deposição de chumbo gerado pela fusão do mesmo devido ao calor gerado pelo atrito do projétil com o cano94. Os problemas de incrustação de chumbo somente foram resolvidos em 1883, por Rubin, que introduziu o jaquetamento95 do projétil com cobre sobre um núcleo de chumbo macio, o que tornou também viável a fabricação de pistolas e de outras armas de mecanismos mais complexos96. Desde esta época é usual a procura por cobre ou chumbo em orifícios suspeitos de passagem de projétil. As jaquetas ditas de cobre são, na verdade, ligas, onde este entra em proporções majoritárias, como o cuproníquel (80% cobre, 20% de níquel em peso) ou uma composição de 90% a 95% de cobre e 10% a 5% de zinco. Também é possível a adição de 1% a 2% de estanho para melhorar a capacidade lubrificante da liga97. Modernamente o uso de munição não jaquetada está restrita, de um modo geral, a revólveres e armas de calibre .22’’. Entretanto, a CBC, fabricante nacional fornece munição sem jaqueta para pistolas com finalidade de treinamento, por serem mais baratas e por desgastarem menos o cano. Existe uma vasta gama de armas de fogo e uma variedade também bastante grande de munição disponível. A razão de tal variedade é de ordem ampla, desde o porte da arma até o efeito que se deseja no ferimento. Cada tipo de projétil é concebido para uma finalidade específica e a gama de projéteis disponíveis para uma mesma arma pode ser bastante grande. De um modo geral os projéteis são: não jaquetados, jaquetados ou semijaquetados. Os não jaquetados podem ter uma fina película de cobre, de latão ou outro material colorido, os quais têm funções cosméticas, identificativas e lubrificantes. Este material não é uma jaqueta propriamente dita, pois é removido pelo atrito com os cheios do cano raiado. Os projéteis não jaquetados
94 95

Wallace. P. 13. NA. Também se usa o termo encamisamento. 96 Wallace. P.14. 97 P. J. F. Mead , Notes on Ballistics, 6. Apud Wallace. P.21.

34

também, são freqüentemente, lubrificados com alguma cera ou graxa, para impedir a incrustação de chumbo98. Projéteis destinados para altas velocidades devem ser jaquetados ou semi-jaquetados, pois o chumbo se deforma dentro do cano, o que prejudica a pontaria, além do citado enchumbamento, o qual irá prejudicar os disparos subseqüentes. Os não jaquetados também são suscetíveis de prejudicar o mecanismo de recarga das armas automáticas e semi-automáticas99. Os projéteis de chumbo têm sua base exposta às altas temperaturas de queima do propelente, isto inclui as não jaquetadas e as jaquetadas, excluindo apenas as totalmente jaquetadas (Full metal jacketed bullets - FMJ), o que causa erosão na base, podendo provocar assimetria no projétil, prejudicando a precisão do tiro. Para minimizar tal problema a base pode ser preenchida com lubrificantes especiais para a tarefa. Outro método é colocar uma camisa de cobre na base do mesmo. Também é utilizado o jaquetamento por eletrodeposição (galvanoplastia) 100. Os projéteis de arma de fogo são comumente chamados de “bala”. Este palavra tem origem no alemão, onde Ball significa bola, lembrando os antigos projéteis de forma esférica. Não há nada de errado em se falar bala no português coloquial, entretanto no falar técnico se usa o termo projétil ou, mais modernamente, projetil. De bala nós ainda temos os termos: balim, balote, o verbo balear (baleado) e, estranhamente, balística, a ciência que estuda os projéteis. O material do revestimento do projétil é sempre mais duro que o seu núcleo, com exceção dos projéteis antiblindados. O jaquetamento é feito através de galvanoplastia, feito separadamente e depois prensado ou com o derramamento de chumbo dentro da jaqueta, que, no caso, é usada como molde101. Sempre que um projétil jaquetado atinge o alvo, é possível que a jaqueta se separe do núcleo, reduzindo o poder de penetração102. Para evitar tal ocorrência, uma variedade de dobras, pregas e geometrias distintas são
98 99

Wallace. P. 68. Wallace. P.68. 100 Wallace. P.69. 101 Wallace. P.69. 102 Tal regra não vale para munições anti-blindados.

35

empregadas tanto na jaqueta quanto no núcleo Outros métodos incluem colas e soldas, para melhor fixar a jaqueta ao núcleo de chumbo103. O cobre e suas ligas, por exemplo, o latão, são, de longe, os materiais mais utilizados para a confecção de jaquetas, mas alumínio, náilon, teflon e aço são também utilizados104. A espessura e a dureza da jaqueta podem variar desde a base até a ponta do projétil. Se a ponta for mais fina e mole, se deseja maior impacto, ao contrário, se deseja maior penetração, além de variar a forma com que a jaqueta é presa no núcleo105. O núcleo do projétil é geralmente feito de chumbo, pois o mesmo tem alta densidade, é barato, é facilmente obtido e fácil de moldar. Mas, cobre, latão, bronze, aço, alumínio, urânio empobrecido, zinco, plásticos, tungstênio e borrachas também podem ser encontrados. O urânio empobrecido é subproduto do processamento de urânio físsil e é 67% mais denso que o chumbo, o que o torna mais adequado para perfurar blindagens. Apesar destas alternativas para usos específicos, o tradicional projétil de chumbo, ou chumbo jaquetado com cobre, é, de longe, o mais encontrado em cenas de crime106. Às vezes, um núcleo composto por mais de um material é utilizado para dar uma diferença de dureza entre base e ponta (núcleo duplo), por exemplo chumbo endurecido na base e chumbo mole no ponta, ou então, aço na base e chumbo no ponta, ou o contrário, dependendo do efeito que o fabricante deseja dar a sua munição107. Os projeteis de chumbo são normalmente endurecidos, mas nada impede que chumbo macio seja utilizado. Para o endurecimento, antigamente usou-se mercúrio, mas hoje, as ligas usadas são o antimônio e o estanho. A liga pode variar consideravelmete, no caso do antimônio se pode ir de 0,5% até 12%, entretanto o usual é na faixa de 2% a 5%. No caso de estanho, se utiliza desde 0,5% até 10%, mas o normal é na faixa de 3% a 5%. Uma maior quantidade de estanho é necessária para se obter a mesma dureza que a produzida por uma

Finn Aagaard, “Trophy Bonded Bullets,” American Rifleman Magazine (May 1987): 34.Apud Wallace. P.69. 104 Wallace. P.69. 105 Wallace. P.70 106 Wallace. P.70. 107 Wallace P.70.

103

36

menor de antimômio. Desta forma, sempre que há antimômio barato disponível, este é utilizado108. Alguns projéteis jaquetados têm uma pequena cavidade na ponta que pode ser vazia, mas geralmente é preenchida com material mais leve que o núcleo, por exemplo, plástico, alumínio, fibra, carbonato de sódio,

policarbonato, nylon, papel, aço carbono. Em outros projéteis existe um revestimento por sobre a ponta, geralmente, cobre, aço, alumínio ou plástico. O objetivo é variável, por exemplo, proteger a ponta de dano, aumentar o poder de penetração ou melhorar o carregamento nas automáticas ou semiautomáticas109. Abaixo, folder com projéteis fabricados pela CBC110.

Os projéteis destinados às munições carregadas na CBC e aqueles destinados à venda avulsa, são fabricados dentro de rigorosos controles tanto dimensionais quanto de peso. Alguns destaques dentro dessa linha de produtos são os projéteis encamisados ou semi-encamisados em tomback, nos quais a camisa feita de uma liga com 90% a 95% de cobre, proporciona baixo atrito nas raias do cano. Essa característica do projétil reduz o desgaste do cano. Os projéteis de chumbo são lubrificados com graxa especial que, além de não permitir o chumbamento dos canos, atua como elemento vedante, impedindo o escape dos gases e garantindo um melhor desempenho balístico. Além do projétil convencional de chumbo, a CBC desenvolveu também sua versão com acabamento composto de resina especial, grafite e teflon, que reduz o atrito nas raias da arma, elimina o chumbamento dos canos e contribui com a precisão, além de proporcionar melhor alimentação nas máquinas de recarga.

.25 Auto ETOG .251" 50 gr

.32 Auto ETOG .311" 71 gr

.32 Auto EXPO .311" 71 gr

.32 S&W .32 S&WL .32 S&WL .380 Auto CHOG .314" 98gr CHCV .314" 98gr EXPO .314" 98gr ETOG .355" 95gr

.380 Auto EXPO .355" 95gr

9 mm Luger ETOG .355" 115gr

9 mm Luger ETOG

9 mm Luger EXPO

9 mm Luger EXPP "Flat"

9 mm Luger CHOG

.38 SPL CHOG

.38 SPL CHOG

.38 SPL CHOG-TP

.38 SPL .38 SPL CHCV CSCV

108 109

Wallace. P.71. Wallace. P.71. 110 www.cbc.com.br, acessado em 18/06/2011.

37

.355" 124gr

.355" 115gr

.355" 95gr

.356" 124gr

.358" 158gr

.358" 158gr

.358" 158gr

.358" 148gr

.358" 158gr

.38 SPL EXPO .357" 125gr

.38 SPL EXPO .357" 158gr

.357 Magnun EXPP .357" 158gr

.357 Magnun EXPO .357" 158gr

.38 Super .38 Super Auto Auto CHOG .356" 160gr ETOG .356" 125gr

.40 S&W EXPO .400" 155gr

.40 S&W ETPP .400" 155gr

.40 S&W CSCV .400" 160gr

.45 Auto ETOG .451" 230gr

.45 Auto CSCV .452" 200gr

.45 Auto ESCV .451" 230gr

.45 Auto EXPO .451" 185gr

.223 ETPT .224" 55gr

.223 EXPT .224" 55gr

.264 (6,5mm) ETPT "Boat Tail" .264" 143gr

.308 ETOG .308" 110gr

.308 ETPT .308" 150gr

.308 ETPT "Boat Tail" .308" 150gr

.308 ETPT "Boat Tail" .308" 162gr

.308 EXPT .308" 150gr

.44-40 CHPP .427" 200gr

.44 Magnun EXPP .451" 240gr

.454 Casull EXPP .451" 260gr

12 (balote) Chumbo .691" 390gr

1.1.8.1. Balins ou bagos
Balins, ou bagos, são projéteis pequenos e esféricos, disponíveis em vários tamanhos, graus de dureza e materiais, em função da sua utilização e são destinados, geralmente, para espingardas. Existindo, porém exemplos até de revólveres que utilizam balins como projéteis. Os calibres (gauges) usuais são 12, 16 e 20. Em geral os balins de um mesmo cartucho têm o mesmo

38

tamanho e composição, entretanto, existem os chamados “duplex”, que contém dois tipos de balins no mesmo cartucho111. Os balins podem ser de chumbo macio (menos de 0,5% de antimônio ou estanho), endurecidos (de 0,5% a 2,0% de liga) ou extraduros (mais de 2% de liga). Por problemas ambientais e de saúde, pois comer marreco com balins de chumbo pode causar saturnismo, foram introduzidas munições com balins de granalha de aço, mas com desempenho abaixo do esperado. Atualmente alternativas não tóxicas, como o bismuto estão sendo pesquisadas Para endurecer o chumbo usa-se antimônio, geralmente de 0% até 6%, mas até 12% de antimônio é possível. Além do chumbo, do aço e do bismuto existem também os balins feitos com tungstênio embutido em algum tipo de polímero plástico112. Em certos casos, um material amortecedor, geralmente polietileno granulado na coloração branca, é misturado com os balins par evitar distorções durante a descarga. Este material pode ser encontrado nos ferimentos, quando o tiro é de curta distância. Outros fabricantes usam uma bucha em forma de taça como receptáculo dos balins. Após sair do cano, este receptáculo, de plástico, com baixa densidade, logo se separa dos balins, que seguem então, livres, a sua trajetória113. Até quatro ou cinco buchas podem estar presentes em um cartucho de espingarda, embora duas ou três sejam mais comuns. As buchas são utilizadas para fornecer uma vedação estanque, para os projéteis não “caírem” no cano, para separar o propelente do balins fechar a boca do cartucho. As buchas são normalmente feitas de papel ou papelão, plástico em diversas cores, de feltro, (o qual pode ser encerrado ou untado com óleo) e também tecidos. Alguns fabricantes colocam uma etiqueta de papel aderida à bucha, com informações sobre a munição114. Após o tiro, as buchas são lançadas pela boca do cano, mas, devido a sua forma e a sua baixa densidade, são logo paradas pela resistência do ar. À distância percorrida pela bucha, após as saída do cano, é, normalmente,

111 112

Wallace. P. 37. Wallace. P. 76. 113 Wallace. P. 76. 114 Wallace. P.76.

39

inferior a 2 metros. Em alguns casos, a mesma pode penetrar no corpo atrás dos bagos e ser encontrada dentro do ferimento115. Buchas encontradas em cena de crime podem fornecer informações valiosas sobre a carga iniciadora e sobre o tipo de propelente, se analisadas quimicamente. O exame físico pode dar informações sobre o calibre e sobre o fabricante116. Às vezes, as espingardas são municiadas com um único projétil, que pode ser esférico ou alongado. Quando for alongado, raias devem ser

providenciadas no seu molde para garantir um bom desempenho. Este tipo de munição tem um bom poder de parada e de penetração para tiro curto, mas são ineficazes para tiro longo. São normalmente utilizadas por forças policiais e, conforme a quantidade e qualidade do propelente e o tamanho do balote ou baletão, podem ser utilizadas para ataque a veículo em fuga, rompimento de portas, quebra de dobradiças e atividades assemelhadas. Projéteis de borracha e para carregamento de dispositivos especiais e agentes químicos também são encontrados117. Abaixo temos os cartuchos deste tipo fabricados pela CBC118.

Os cartuchos de caça CBC são fabricados com a mais avançada tecnologia e com matéria-prima de alta qualidade, garantindo segurança, bom agrupamento, confiabilidade e alto desempenho. Normalmente, são carregados com esferas múltiplas de chumbo cujos tamanhos (diâmetros) variam de acordo com a finalidade a que se destina o cartucho

115 116

Wallace. P.76. Wallace. P.76. 117 Wallace. P.77. 118 www.cbc.com.br, acessado em 18/06/2011.

40

A CBC fornece a Linha Presidente, que é composta de estojos metálicos vazios, disponíveis nos calibres 12, 16, 20, 24, 28, 36 Longo e 9,1 mm. Esses estojos são fabricados com latão de alta qualidade, o que garante um grande número de recargas. Para garantir maior vida útil aos estojos Presidente, estes devem ser carregados com espoletas Tupan n.º 56, fabricadas pela CBC com mistura iniciadora Antioxid®, não mercúrica e não corrosiva, que assegura um maior número de recargas

O novo cartucho CBC Knock Down Slug é um cartucho de alta performance. Seu projétil possui linhas progressivas em formato espiral e é integrado à bucha plástica pneumática, proporcionando maior estabilidade, velocidade e potência em tiros de longa distância. O cartucho Knock Down Slug, disponível nos calibres 12, 16 e 20, é uma ótima opção para caça de animais de grande porte com carapaças resistentes, como o Javali, e para todos os atiradores que buscam cartuchos com desempenho “premium”.

Número do Chumbo
12 11 9 8 7
1/2

7

6

5

3

1

T

TTT

SG 8,40

Knock Down 18,65 32,0* gramas a unidade Chumbos 7, 7 1/2", 8 e 9 6, 7, 7 1/2" e 8 5, 6, 7 e 7 3e5 T, 3, 5 e 6 3, 5 e 6 T, 3 e 5

Balote 17,6 28,35* gramas a unidade

Diâmetro em milímetros
1,25 1,50 2,00 2,25 2,38 2,50 2,75 3,00 3,50 4,00 5,00 5,50

Quantidade aproximada de bagos em 10 gramas
870 457 216 151 130 110 83 Caça Narceja / Pomba / Codorna Perdiz / Inhambu-Açu Faisão Marreca / Mutum Pato / Marrecão Lebre Paca / Quati Queixada / Caititu / Veado Capivara ou outros animais de maior porte a maiores distâncias Javali 64 40 27 14 10 2,80

3T, SG e Projétil Singular (Balote) SG e Projétil Singular (Balote) Projétil Singular (Balote)

A tabela de chumbos recomendados para caça de diferentes animais considera uma distância normal de tiro de 30 metros. Quando a distância de tiro for superior a essa, recomenda-se utilizar chumbos com diâmetro maior.

Calibre mm 36 32 24 63,5 63,5 65

Câmara Polegadas 2 1/2" 2 1/2" 2 1/2" Tipo T, 3, 5, 7 T, 3, 5, 7 3, 5, 6, 7

Chumbo Peso gramas V m/s 350 350 360

Balística E joules 551 765 1.231 Provete cm 66 66 66

Série Vírus
9 12,5 19

41

20 16 12 28 12

70 70 70 63,5 70

2 3/4" 2 3/4" 2 3/4" 2 1/2" 2 3/4"

3T, 3, 5, 6, 7 3T, 3, 5, 7 3, 5, 7, 11 T, 5 3

22,5 27 32 15,5 36

360 360 360 360 420

1.458 1.750 2.074 1.004 3.175

66 17,1 76,2 66 76,2 (NEW)

Série Super Velox
V (Velocidade) e E (Energia) medidas na boca. Provete (comprimento do cano).

Calibre mm 12 12 12 12 16 20 70 70 70 70 70 70

Câmara Polegadas 2 3/4" 2 3/4" 2 3/4" 2 3/4" 2 3/4" 2 3/4" Tipo 3T SG Balote

Chumbo Peso gramas 32 32 28,4 32 28,5 25,5 V m/s 430 430 450 420 420 420

Balística E joules 2.957 2.957 2.870 2.822 2.513 2.248 Provete cm 76,2 76,2 76,2 76,2 (NEW) 71,1 (NEW) 66 (NEW)

Série Hi-Impact

Balote Knock Down Balote Knock Down Balote Knock Down

V (Velocidade) e E (Energia) medidas na boca. Provete (comprimento do cano).

Os cartuchos originais de fábrica são fornecidos com espoletas niqueladas sem nenhuma gravação. Essa diferenciação protege os consumidores de falsificações e fraudes, evitando que eles sejam expostos aos riscos da utilização de munição recarregada por pessoas não habilitadas para a prestação desse serviço. A CBC fornece, para venda avulsa, as espoletas 209, que são utilizadas para a recarga de cartuchos, marcadas com a letra "R" (Recarga). Isso visa facilitar a identificação dos cartuchos originais de fábrica quando comparados com os cartuchos recarregados.

Esses cartuchos são normalmente usados pela força policial em situações nas quais um poder de defesa maior se faz necessário. Por isso os cartuchos de uso policial são carregados com projéteis de maior diâmetro como os chumbos 3T e SG, ou até com o projétil Singular, todos produzidos para desenvolver alta velocidade e energia de impacto, para aumentar o seu poder de incapacitação. Como os bagos de

42

chumbo possuem alcance bem inferior ao dos projéteis convencionais, o perigo de o policial atingir pessoas presentes, mas não participantes da ação policial, é minimizado. Câmara Calibre mm Polegadas Tipo Chumbo Balística Utilização / Características

Peso V E Provete gramas m/s joules mm

Série Hi-Impact
3T SG 12 70 2 3/4" Balote 28,4 450 2.870 76,2 32 32 430 2.957 430 2.957 76,2 76,2 Uso policial em situações em que se faz necessário maior poder de defesa. O alcance útil dos cartuchos carregados com chumbo 3T é de 30 a 50m, os com SG de 50 a 100m e aqueles carregados com balote até 150m. Uso policial. Estes cartuchos superam aqueles de calibre 12 convencionais em quantidade de chumbo e, portanto, em letalidade. Não utilizar em armas com câmara menor do que 3".

Série Magnum
SG 12 76,2 3" 3T 42,5 42,5 380 3.068 380 3.068 76,2 76,2

V (Velocidade) e E (Energia) medidas na boca. Provete (comprimento do cano). Obs.: Disparos a distâncias inferiores às recomendadas podem ser letais.

Os cartuchos antidistúrbio com bagos de polietileno de alta densidade ou de borracha possuem menor alcance efetivo e efeitos reduzidos sobre o alvo, quando comparados com cartuchos carregados com projéteis de chumbo. Eles são usados em situações nas quais é necessário demonstrar força e, ao mesmo tempo, manter um risco mínimo para a vida e a integridade física dos indivíduos a serem controlados. A categoria de cartuchos antidistúrbio é fundamental na dissuasão de invasores de áreas públicas ou privadas, em desordens em vias públicas, e motins em penitenciárias ou cadeias. Eles demonstram aos desordeiros, amotinados ou assaltantes que o policial está armado e disposto a atirar. Nos casos em que os amotinados não se dispersam e à medida que eles se aproximam, os disparos com cartuchos antidistúrbio começam a provocar ferimentos, protegendo o policial e ampliando o efeito psicológico sobre o grupo de atacantes. A gravidade dos ferimentos provocados pelos cartuchos antidistúrbio é tanto maior quanto menor for à distância. A distância mínima para o uso adequado desses cartuchos deve ser mantida, pois, do contrário, eles podem ser letais. Os cartuchos antidistúrbio podem ser facilmente identificados por serem mais leves e por terem o tubo de plástico transparente e incolor, o que torna possível visualizar os projéteis de plástico ou de borracha. Câmara Calibre mm Polegadas Tipo Bagos Balística Peso V E Provete Utilização / Características gramas m/s joules cm Controle de distúrbios a curta distância (até 5m). Controle de distúrbios a média distância (de 10 a 20m). Controle de distúrbios a longa distância (de 20 a 50m).

Série Antidistúrbio "Less Lethal"
Plástico 20 bagos de borracha de 8mm 3 bagos de borracha de 18 mm 6,6 7,7 480 230 760 204 76,2 48,3

12

70

2 3/4"

12

162

157

48,3

V (Velocidade) e E (Energia) medidas na boca. Provete (comprimento do cano). Obs.: Disparos a distâncias inferiores às recomendadas podem ser letais.

43

Nada impede que revólveres ou pistolas usem munição de bagos de chumbo, existindo, oferta de munição deste tipo para uso nestas armas, com a finalidade de caça, extermínio de pragas ou mesmo defesa pessoal119. munição de bagos de chumbo, que usa munição calibre 36 GA120. A

Taurus, inclusive fabrica um modelo de revólver específico para uso de

1.1.8.2. Munição de recarga ou artesanal
Nem toda a munição artesanal é de recarga, pois algumas pessoas gostam de fazer sua própria munição para fins esportivos, de caça, de defesa pessoal ou para a prática criminosa. No nosso caso, a companhia CBC, vende os componentes a granel, desde espoletas até projéteis. Para quem quiser fugir do controle oficial, basta usar os préstimos dos nossos estimados vizinhos, como o Uruguai, a Argentina, o Paraguai e a Bolívia, onde os produtos da CBC, ou de outros fabricantes, são internados e depois introduzidos de volta no nosso país121. O mais comum, no caso de remanufatura, é o reaproveitamento do estojo e também a fabricação artesanal de projéteis de chumbo. Nestas duas hipóteses a munição pode ser bastante barateada e ainda abre a possibilidade para o fabrico de munição para armas de fogo incomuns ou obsoletas. De um modo geral os fabricantes de munição alertam contra o uso deste tipo de processo, mas, por outro lado, não se negam a vender os componentes avulsos122.

119 120

Dean A. Grennell, “Reload Clinic,” Gun World Magazine (July 1987): 12. Apud Wallace. P.86. www.taurus.com.br, acessado em 21/06/2011. 121 Wallace. P.77. 122 Wallace. P.77.

44

2. Principais Tipos de Armas de Interesse Forense
Classificações mais sistemáticas da arma de fogo podem ser encontradas em literatura específica sobre Balística Forense, como, por exemplo, na obra de Eraldo Rabello123. Para efeitos deste trabalho, nós as classificaremos, entretanto, segundo os tipos mais comumente encontrados na prática policial.

2.1.

Pistolas de Tiro Unitário

Uma pistola de tiro único possui a câmara integralizada com o cano e deve ser carregada novamente a cada tiro produzido. Trata-se do tipo mais primitivo de pistola, já não fabricado em escala industrial, mas ainda confeccionado por armeiros amadores e no interior dos presídios. São os chamados “trabucos”

2.2. Pistolas Derringers)

de

Múltiplos

Canos

(Garruchas

ou

As garruchas são uma variante de pistolas de um único tiro. Elas têm vários canos cada um com o seu mecanismo de disparo. As garruchas típicas possuem dois canos justapostos. No Brasil, elas ainda têm forte interesse criminalístico devido ao sucesso da Garrucha calibre 22, produzida pelo antigo fabricante Amadeo Rossi em São Leopoldo, RS.

2.3.

Revólveres

Um revólver é um tipo de pistola, mas para maior clareza, é usual descrevê-lo como um tipo à parte de arma. É uma arma de cano único, com um cilindro rotativo com múltiplas câmaras, o chamado tambor, que carrega diversos cartuchos, normalmente cinco ou seis). Cada vez que se produz um disparo, o tambor gira fazendo alimentação semi-automática da arma. Os

123

Rabello.

45

cartuchos gastos não são ejetados automaticamente, devendo ser retirados de maneira manual124. O revólver é o tipo mais comum de arma de fogo no Rio Grande do Sul. Assim são chamadas todas as armas de cano curto, na qual a câmara foi separada do cano e substituída por um cilindro (o tambor) com várias câmaras, cada uma das quais é municiada e descarregada separadamente e sucessivamente, O tambor é girado mecanicamente, alinhando cada câmara com o cano. O primeiro Revólver moderno foi produzido por Samuel Colt125 em 1835-1836, nos Estados Unidos.

124 125

Wallace. P. 7

46

Figura 6 Cópia da carta-patente da invenção de Samuel Colt de 1836

126

.

126

Conforme página www.taletyano.com, acessada em 01/08/2010
47

Existem três tipos de montagem de tambores em revólveres, o mais comum dos quais é o tambor reversível, onde ao se pressionar a trava do tambor, normalmente encontrada no lado esquerdo do corpo, e empurrar o tambor para a esquerda, este se move, expondo as câmaras. Cada câmara pode então ser carregada com um cartucho e após retornar o tambor para a posição inicial o revólver está pronto para ser utilizado.

Figura 7 Um revolver com tambor reversível.

Nos revólveres de cano basculante, o conjunto do cano e do tambor é articulado e, pressionando-se a ponta do cano para baixo, a parte traseira do tambor é exposta, podendo-se assim municiar a arma. A ação de abertura também serve para se ejetar os estojos resultantes dos cartuchos já disparados. Este tipo de revólver é raro no Brasil, mas alguns fabricantes da Inglaterra ainda os produzem.

Figura 8 Revólver Basculante

48

O revólver de tambor fixo é a mais antiga forma de revólver. Nesta arma, o tambor é preso no quadro por um pino central, em torno do qual gira. A parte de trás de uma das câmaras, à direita ou à esquerda, pode ser exposta, municiando-se desta forma o revólver, uma câmara de cada vez. No Brasil, ainda são encontrados alguns modelos fabricados pela Ítalo GRA, na Argentina, com estas características. Os revólveres podem ser classificados em ação simples ou dupla ação, de acordo com o seu mecanismo de disparo. Em ação simples, o cão deve ser armado manualmente cada vez que a arma for produzir disparo. Ao armar o cão, o tambor gira, fazendo o alinhamento da câmara com o cano e o percutor. A pressão aplicada ao gatilho libera o cão, produzindo disparo. Já nos revólveres de dupla ação contínua, a pressão sobre o gatilho gira o tambor, alinhando uma câmara com o cano, move o cão para trás e o libera, disparando a arma. A maioria dos revólveres de dupla ação pode ser acionada em ação simples, com exceção dos modelos “hammerless”, onde o cão (martelo, na terminologia inglesa) é oculto no corpo da arma, impossibilitando a ação simples.

Figura 9 Um Taurus, calibre 38, “Hammerless”

Os revólveres primitivos eram todos de ação simples, atualmente apenas alguns modelos deste tipo são ainda fabricados, normalmente para finalidade de tiro esportivo ou caça.

49

O montante da pressão no gatilho necessária para disparar um bom revólver de dupla ação varia de 12 a 15 £. Se estas armas são engatilhadas (ação simples) a pressão necessária é de 2 a 4 £, o que explicaria a melhor precisão do tiro produzido em ação simples. Na grande maioria dos revólveres fabricados no mundo o tambor é sinistrogiro, ou seja, gira para a esquerda, no sentido contrário aos ponteiros de um relógio (Taurus, Smith & Wesson e outros). Entretanto, existem armas, como as do fabricante Colt, em que a rotação é para a direita. São os tambores destrogiros. Esta informação é vital, ou melhor, dizendo, mortal, para os que praticam roleta russa com revólver emprestado.

2.4.

Pistola Semi-Automática ou Parabellum

Pistolas Semi-automáticas são aquelas em que se usa parte da pressão dos gases provenientes da queima do propelente do cartucho deflagrado para remuniciar e engatilhar novamente a arma, assim após a produção de um tiro, o sistema se encarrega de ejetar o estojo deflagrado, posicionar um novo cartucho na câmara e recuar o cão. Basta então, pressionar o gatilho para a produção de um novo tiro. Estas armas são, às vezes, chamadas impropriamente de “automáticas”. Outro termo encontrado na literatura é “Parabellum”, nome de marca de um modelo muito popular do fabricante Luger. Usualmente, entretanto este tipo de pistola é chamado simplesmente “Pistola”. A primeira pistola produzida comercialmente, a C-3, foi idealizada por Hugo Borchardt, em 1893, e fabricada por Ludwig Löewe Cie, em Karlsruhe em 1893 (Figura 10). Esta arma foi antecessora direta da Mauser e da Luger.

Figura 10 C-3 de 1893

50

Os cartuchos são quase sempre armazenados em um compartimento removível, o carregador, na empunhadura da arma, com exceção da pistola Mauser M1896, onde o carregador ficava na frente do guarda-mato. Os carregadores podem ser monofilares ou bifilares, de acordo com a disposição dos cartuchos em seu interior. Existem pistolas para munição de calibre .22'' até .45''. No Brasil a grande maioria das pistolas de interesse criminalístico são as fabricadas pela Taurus, derivadas da Beretta italiana, por serem as armas padrões das forças policiais (calibre .40”), do Exército e da Polícia Federal (9 mm) e encontradas no mercado para defesa pessoal (calibre .380”).

Figura 11 Moderna Pistola Taurus.

2.5.

Rifles, Fuzis, Fuzis de Assalto, Carabinas

Rifle é apenas o nome inglês para arma de cano longo raiado (rifled em inglês). Fuzil é o nome português para este tipo de arma, quando de uso militar. Fuzil de assalto é o nome que se dá para fuzis, semi-automáticos ou automáticos que funcionam com rajadas, ou seja, quando o acionamento do gatilho produz um número pré-determinado de disparos, por exemplo, três. Carabina é um nome brasileiro para uma arma de cano raiado, tanto para uso militar quanto para uso civil, porém com comprimento de cano menor que o fuzil.

51

Este tipo de arma é comumente utilizado por assaltantes de carros de transporte de valores.

2.6.

Espingardas

Uma espingarda é uma arma que é projetada para ser utilizada apoiandoa no ombro, tem cano internamente liso (alma lisa), e é própria para disparar vários projéteis esféricos ao mesmo tempo, os chamados balins ou bagos, ou um único projétil previamente raiado, o chamado balote. O comprimento do cano é variável, não havendo a rigor, um tamanho mínimo ou máximo. Existem espingardas de dois canos, ou ao lado do outro (mais comum no Brasil), ou um sobre o outro. Deve-se salientar que esta nomenclatura é confusa e não completamente padronizada, por exemplo, a literatura portuguesa chama também de espingarda as armas de cano longo raiado, tanto para uso militar como civil.

52

3. Resíduos do Tiro
Segundo Schwoeble127, os exames residuográficos são um dos tipos de evidência mais subutilizada nos Estados Unidos da América128. Em relatório do FBI, temos que a arma de fogo está presente em mais de 30% dos 1,7 milhões de crimes que envolveram violência129, registrados em 1997 nos EUA. Os resíduos de tiro - Gunshot Residue (GSR) são produzidos em todo o crime que tenha tido pelos menos um disparo de arma de fogo, ou seja, pode até não existir sangue, como nos casos de muitas tentativas, mas o GSR irá existir. Talvez, a maior dificuldade com o GSR é que ele, normalmente, não pode ser observado a olho nu, necessitando alguma técnica de laboratório para revelar a sua presença, Outra característica deste tipo de vestígios é que os resíduos são coletados por diversos tipos de profissionais da perícia e em situação diversas, desde o exame recente na cena do crime até uma possível autópsia, sendo utilizadas as diversas técnicas de processamento, desde a tradicional coleta úmida com papel filtro, ainda usada no ano de 2010 no IGP-RS, até técnicas sofisticadas de microscopia eletrônica de varredura. Os responsáveis pelo inquérito normalmente desejam saber quem produziu tiro com a arma de fogo, se a vítima se autoferiu, ou não. Apesar destas respostas nem sempre serem taxativas, o exame sempre produz elementos importantes para o convencimento das autoridades envolvidas. Os resíduos de tiro – GSR – podem durar por tempo indeterminado em vários substratos, por se tratarem de partículas inorgânicas, mas no caso das mãos, eles são bastante lábeis. Entretanto, se é verdade que a detecção de GSR nas mãos é evidência crucial para se determinar se uma pessoa efetuou um disparo recente, também é verdade que, para se utilizar plenamente o resultado de laboratório, é necessária uma compreensão básica da história, da composição e da fabricação das espoletas130.
Schwoeble. NA. Infelizmente, temos razões para acreditar que o mesmo se dá no Estado do Rio Grande do Sul. 129 Department of Justice, Federal Bureau of Investigation, Uniform Crime Report, Crime in the United States 1997, U.S. Government Printing Office, Washington, D.C., 1997, apud Schwoeble. 130 Heard. 2008. P. 87
128 127

53

Quando uma arma de fogo é descarregada, são expelidos resíduos na forma de vapor e de partículas. Quando uma pessoa é suspeita de ter participado de um tiroteio, estes resíduos podem permanecer por algum tempo na mão da mesma e, normalmente, são coletados por alguma das técnicas em voga na criminalística. O principal objetivo disto é determinar se a pessoa esteve em contato, num período de tempo limitado antes da coleta, com este tipo de resíduo131. Os gases, os vapores e o material particulado formado pela descarga da munição são conhecidos coletivamente como firearm discharge residue (FDR) ou gunshot residue (GSR). Qualquer material ou substância presente na arma e na munição pode contribuir para formar estes resíduos. Assim os GSR são uma complexa mistura de compostos orgânicos e inorgânicos132

Figura 12 Nuvem de GSR

133

.

Constituintes inorgânicos podem ter origem a partir da carga iniciadora, da parede da espoleta, da sua vedação, do disco, da bigorna, do estojo, dos aditivos inorgânicos do propelente, do núcleo do projétil, da jaqueta, dos pigmentos e corantes, lacas, ceras, lubrificantes e impurezas de qualquer um destes componentes, além da câmara, do interior do cano, do carregador. Também podem existir detritos já presentes no interior do cano, ali deixados,
131 132

FBI, 2003. P. 60 – 61. Wallace. P. 104. 133 Wallace. P. 104.

54

inclusive, por tiros anteriores. Entretanto, a pesquisa tem mostrado que os principais fornecedores de resíduos inorgânicos são a carga iniciadora e o projétil134. Constituintes orgânicos podem se originar a partir da carga iniciadora, do propelente, de seladores, de vernizes e lubrificantes da munição e também de lubrificantes e resíduos orgânicos já presentes no interior da arma de fogo antes da descarga. A principal fonte de resíduos orgânicos é, entretanto, o propelente135. No momento da produção do tiro, cerca de 30% da energia química do propelente é transformada em energia cinética, sendo o restante transformado em calor. O tiro envolve a produção de altas temperaturas e pressões num período muito curto de tempo. O período entre o projétil sair da boca do cano e o percutor atingir a espoleta é de, aproximadamente, 0.03 segundos. Devido à natureza do processo e do seu pouco tempo, a queima do propelente ocorre de maneira incompleta, resultando em resíduos heterogêneos. Os resíduos são emitidos pela boca do cano, mas também pela lacuna entre o tambor e o cano, pela culatra da câmara, no caso de revólveres, pelo sistema de ejeção, no caso de automáticas ou semi-automáticas, ou por qualquer outra abertura da arma. Uma parte deste resíduo pode ser depositada sobre a pele, ou cabelos, ou roupas do atirador136. Nas imediações da boca do cano, os gases incandescentes e a inflamação do material particulado emitem luz em contato com o ar circundante. Este efeito é chamado flash, o qual não é o único fenômeno luminoso envolvido, pois o projétil também pode causar uma “faísca” sempre que atinge um alvo de natureza abrasiva137. Os gases resultantes da combustão do propelente saem da boca do cano causando uma turbulência138 considerável no ar a sua volta. Os resíduos da turbulência na boca do cano podem ser depositados em até uma distância de 3 pés (90 cm) desta. Com a presença destes resíduos
Wallace. P. 104. Wallace. P.104. 136 C. G. Wilber, Ballistic Science for the Law Enforcement Officer (Springfield, IL: Charles C Thomas, 1977), 50. Apud Wallace. P.105. 137 J. S. Wallace, “Bullet Strike Flash,” AFTE Journal 20, no. 3 (July 1988). 108. J. S. Wallace, and K. J. Arnold, “Investigation of a Fire in an Indoor Firing Range, AFTE Journal 19, no. 3 (July 1987). Apud Wallace. P. 105. 138 Escoamento turbulento e não laminar.
135 134

55

temos o tiro às vezes chamado de “à queima roupa”. Termo impróprio, oriundo dos tempos da pólvora negra139. O mesmo termo, também pode se referir à distância que o projétil percorre sem necessitar ajuste de mira para compensar o efeito da força da gravidade.140 Pela própria natureza dos fenômenos envolvidos na queima do propelente é quase impossível que não sejam expelidos grânulos não combustos ou parcialmente combustos de pólvora e fuligem. Se o tiro for perpendicular, o padrão dos resíduos será, aproximadamente um círculo ao redor do orifício de entrada. O diâmetro deste círculo e a sua densidade de resíduos dependem da distância entre a boca do cano e o alvo. Assim se pode ter um indicativo da distância de tiro e da direção. A análise química da munição e sua comparação com a munição de um suspeito também pode estabelecer correlações úteis. Porém, se deve ter sempre em mente que a alta temperatura da queima do propelente pode mudar a composição química, a cor e o aspecto do grânulo do propelente até mesmo porque o revestimento da superfície do grânulo pode queimar parcialmente e também não é sempre verdade que os grânulos originais tenham composição uniforme141. Técnicas de fotografia de alta velocidade têm mostrado que durante a descarga de uma arma de fogo, um pouco de fumaça sai da boca do cano à frente do projétil e este é cercado por uma nuvem de fumaça por curta distância142. As causas apontadas para este tipo de resíduo seriam: (a) O escape de uma fração de gases na frente do projétil, pela expansão súbita do pescoço do estojo, antes da saída do projétil do mesmo. O que origina uma “brecha” entre o estojo e projétil. (b) Escape de gases entre o projétil e a câmra, ou entre o projétil e a fração anterior ao raiamento.
I. C. Stone, and C. S. Petty, “Examination of Gunshot Residues,” Journal of Forensic Sciences 19 (1974): 784.110. R. Saferstein, Criminalistics—An Introduction to Forensic Science, 2nd ed.(Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1981), 350.Apud Wallace. P. 105. 140 Wallace. P.105. 141 Wallace. P.105. 142 C. L. Farrar, and D. W. Leeming, Military Ballistics—A Basic Manual (London: Brassey’s Defence Publishers, 1983), 59. Apud Wallace. P.105.
139

56

(c)

Raiamento sem vedação absoluta143.

Na boca do cano, os gases propulsores se expandem rapidamente com acelerações, muitas vezes, superiores às do projétil, desta forma, o mesmo é envolto e precedido de uma nuvem de fumaça144. Como resultado desses efeitos, GSR é depositado sobre a superfície do projétil. Sempre que o mesmo penetra no alvo, ocorre a “limpeza” do mesmo pelo material do alvo e alguma fração de GSR é transferida para o perímetro do orifício de entrada. Este fenômeno ocorre de maneira independente da distância de tiro. Ao atravessar um corpo os resíduos são removidos e por conseqüência não estarão presentes, ou estarão presentes em uma quantidade muito menor no orifício de saída. O mesmo ocorre com orifícios de reentrada, os quais obviamente, não conterão resíduos. Este conhecimento pode ser útil na elucidação entre os diversos tipos de ferimentos e da dinâmica do evento, com ângulos de tiro e posições relativas do atirador e da vítima, ajudando na interpretação da dinâmica do evento145. Uma análise química detalhada do resíduo no perímetro do ferimento pode dar, muitas vezes, informações úteis, por exemplo, se o projétil é ou não jaquetado, a natureza da jaqueta e, talvez, a natureza da carga iniciadora146. O Doutor James Smyth Wallace trabalhou 25 anos com armas de fogo no Northern Ireland Forensic Science Laboratory, durante este período ele trabalhou em muitos casos, a grande maioria relacionada com a campanha de terror que o IRA desencadeou contra a presença inglesa naquela parte da Ilha da Irlanda. Sua área de maior interesse foram os resíduos de tiro. Após o fim da campanha do IRA ele publicou suas conclusões acerca deste tipo de prova, as quais iremos enumerar abaixo147: O GSR é constituído principalmente de partículas sólidas, ou que se solidificam a temperatura ambiente. Este particulado é o que normalmente se procura no suspeito. Entretanto material vaporizado absorvido pela pele ou pelas roupas também pode existir148.
Wallace. P.106. Wallace. P.106. 145 Wallace. P.106. 146 Wallace. P.106. 147 Wallace. P.271 – 274. 148 G. M. Wolten, and R. S. Nesbitt, “On the Mechanism of Gunshot Residue Particle Formation,” Journal of Forensic Sciences 25, no. 3 (July 1980): 533. Apud Wallace. P.104.
144 143

57

(a) Confiabilidade de Deposição Na descarga de uma arma de fogo os resíduos podem ou não ser depositados sobre o atirador e, quando depositado, varia muito na sua concentração. Isso ocorre mesmo, com tiros produzidos em “condições idênticas”, onde as únicas variáveis óbvias foram a data e a hora. Os testes realizados no NIFSL, envolvendo tiros internos e externos, mesmo em “idênticas” condições revelaram graus diferentes de sucesso. Alguns tiros nada deixaram de resíduo significante, outros deixaram grande número de partículas e a maioria um número moderado delas. (b) Retenção Além da natureza aleatória da deposição de GSR, o tempo de retenção é muito baixo, desaparecendo rapidamente das mãos, do rosto e dos cabelos, mas permanecendo mais tempo no vestuário. Os resíduos são quimicamente estáveis e a sua persistência, obviamente, depende inteiramente do que foi feito com a roupa após o incidente. Se a roupa é deixada intacta, o GSR permanecerá indefinidamente. Se a roupa continua vestindo o atirador, haverá uma perda como conseqüência da atividade normal, ou seja, o movimento, o contato, o vento, a chuva, e assim por diante. (Isso é menos aplicável a parte interna dos bolsos, uma das áreas mais frutíferas para pesquisa). (c) Distribuição. Excluindo os suicídios e os suspeitos mortos, a distribuição (onde o GSR é encontrado e a sua concentração naquela área) é uma informação de limitado valor prático e é necessária cautela na sua interpretação, pois estes resíduos podem ser transferidos, durante a execução de atividade normal, para outras áreas como rosto, cabelo, cabeça e vestuário (incluindo interiores de bolsos). Entretanto, em certo casos, a distribuição do resíduo de tiro pode ser um fator importante de análise. (d) Interpretação. Um resíduo de tiro na roupa poderia já estar na mesma antes do tiroteio, ou ser depositada na mesma no período entre o tiroteio e o exame (apreensão de vestuário), assim o resultado positivo pode não ser diretamente ligado ao evento investigado. Por outro lado, um resultado positivo nas mãos, na face, ou no cabelo é um forte indicativo de deposição recente destes resíduos.
58

Um resultado negativo não pode excluir um suspeito e um resultado positivo não quer dizer necessariamente que o suspeito tenha descarregado uma arma149. No caso de um resultado positivo, o suspeito poderia estar ao lado de um atirador, ter pego uma arma de fogo recentemente descarregada, pode ter limpado uma arma de fogo, pode ter manuseado estojos deflagrados e assim por diante. Podendo também ter manuseado outras fontes de Chumbo, Bário ou Antimônio que não as produzidas por tiro de arma de fogo. Nunca há certeza absoluta que uma partícula seja de GSR, pois existem outras fontes e outros produtos que usam cargas iniciadoras, além das armas de fogo. Os critérios de determinação destas partículas tem sido objeto de crítica de vários autores150 e o Dr. Wallace sugere que se usem os termos “indicativo” e “altamente indicativo” ao invés da afirmação positiva. Por outro lado, se deve trabalhar em pesquisas para se efetuar testes com as cargas iniciadoras sem chumbo (Sintox), bem como catalogar as fontes ocupacionais ou ambientais de titânio e estrôncio. (e) Composição das Partículas A deposição de GSR é um processo muito aleatório e a composição elementar das partículas de descarga é muito heterogêneo, assim, tentativas de identificar o tipo de carga iniciadora utilizado, a partir da análise da descarga, devem ser (ainda) vistas com cautela. Por exemplo, o chumbo pode ser originado tanto da carga iniciadora como do projétil, o antimônio pode ser
“The absence of FDR cannot exclude a suspect and the presence of FDR on a suspect does not necessarily mean that the suspect discharged a firearm”. Wallace. P. 272. 150 J. S. Wallace, and J. McQuillan, “Discharge Residues from Cartridge-Operated Industrial Tools,” Journal of the Forensic Science Society 24 (1984): 495.. F. S. Romolo, “Identification of Gunshot Residue: A Critical Revue,” Forensic Science International 119, no. 2 (2001): 195–211.. B. Cardinetti, C. Ciampini, C. D’Onofrio, G. Orlando, L. Gravina, F. Ferrari, T. D. Di, and L. Torresi, “X-ray Mapping Technique: A Preliminary Study in Discriminating Gunshot Residue Particles from Aggregates of Environmental Occupational Origin,” Forensic Science International 143, no. 1 (2004): 1–19. P. Bergman, E. Springer, and N. Levin, “Hand Grenades and Carga iniciadora Discharge Residues,” Journal of Forensic Sciences (JFSCA) 36, no. 4 (1991): 1044–52.. A. Zeichner, and N. Levin, “More on the Uniqueness of Gunshot Residue (GSR) Particles,” Journal of Forensic Sciences 42, no. 6 (1997): 1027– 8.. L. Garofano, M. Capra, F. Ferrari, G. P. Bizzaro, D. Di Tullio, M. Dell’Olio, and A. Ghitti, “Gunshot Residue: Further Studies on Particles of Environmental and Occupational Origin,” Forensic Science International 103, no. 1 (1999): 1–21. C. Torre, G. Mattutino, V. Vasino, and C. Robino, “Brake Linings: A Source of Non-GSR Particles Containing Lead, Barium, and Antimony,” Journal of Forensic Sciences 47, no. 3 (2002): 494–504. P. V. Mosher, M. J. McVicar, E. D. Randall, and E. H. Sild, “Gunshot Residue— Similar Particles Produced by Fireworks,” Canadian Society of Forensic Science Journal 31, no. 2 (1998): 157–168. J. R. Giacalone, “Continuing the Quest for Non-Firearm Sources of Gunshot Residue,” Scanning 25, no. 2 (2003): 69.. G. Price, “Firearms Discharge Residues on Hands,” Journal Forensic Science Society 5 (1965): 199. Apud Wallace. P. 272.
149

59

originar da carga iniciadora ou do projétil, o bário pode se originar da carga iniciadora ou do propelente, o estanho pode se originar da carga iniciadora, do propelente ou do projétil. (f) Risco de Contaminação Um dos problemas com evidências de GSR é o risco inerente de contaminação. Além de se recolher o material se deve também assegurar que não houve contaminação.

3.1.

Diferentes Testes e seus Históricos

A necessidade de determinar se um indivíduo disparou uma arma de fogo sempre foi crucial para crime cometido por arma desta natureza. Assim, ao longo dos anos vários testes foram propostos e aplicados na tentativa de responder se uma determinada mão teria produzido tiro151. Um teste satisfatório para a identificação de GSR em um suspeito seria um que fosse simples, confiável, rápido, barato e conclusivo. Até recentemente, os esforços têm se concentrado na procura de componentes inorgânicos do GSR e englobam métodos qualitativos e quantitativos, culminando na análise de partículas, que é o método mais informativo atualmente disponível152. Embora existam varias técnicas, para a análise destas coletas, entidades como o FBI americano, utilizam somente o microscópico eletrônico de varredura. Sendo uma tendência mundial o abandono de outras técnicas153. Um breve resumo dos acontecimentos mais importantes nesta área vem a seguir.

3.1.1. Teste da Parafina
Teste de nitrato por via cutânea, nitrato dérmico, teste de difenilamina ou teste de Gonzáles O primeiro destes testes foi o "teste de parafina”.

151 152

Di Maio. 342. Wallace. P.106. 153 FBI, 2003. P. 60- 61.

60

A detecção de nitratos e nitritos presentes no GSR com uma reação com difenilamina em ácido sulfúrico foi aplicada pela primeira vez em 1911. Em 1914, Iturrioz utilizou parafina como meio para remoção do resíduo na roupa antes do tratamento com difenilamina154. Em 1922, Benitez, no México, utilizou esta técnica como um método para revelar a presença de resíduos nas mãos de um atirador155. O teste, na sua forma final, era realizado através da aplicação de parafina derretida através de pincel, com a solidificação resta um molde do dorso da mão. A superfície que esteve em contato com a mão é pulverizada com o reagente e produz uma cor azul após a reação com nitratos e nitritos, o que era considerado indicativo da presença de GSR156. Foi muito popular a partir de 1933, quando foi introduzido nos Estados Unidos, por influência de Teodoro Gonzalez, da polícia da Cidade do México. Neste teste, as mãos dos suspeito eram revestidas por uma camada de parafina. Após o resfriamento, os moldes eram removidos e tratados em uma solução ácida de difenilamina, um reagente usado para detectar os nitratos e nitritos originários da combustão da pólvora e que estariam depositados sobre a pele após um tiro de arma de fogo. Um teste positivo produzia manchas azuis na parafina. Infelizmente o teste também dá resultado positivo para outras pessoas, devido a ampla distribuição de nitratos e nitritos produzida pela poluição industrial e pela urbana. Outro aspecto negativo era o fato de resultar positivo também para os individuos que participaram de forma passiva na cena, pela contaminação do ar157. Apesar da popularidade, já em 1935, o FBI apontou que o teste não era específico e apresentou reservas sobre o seu uso. Em avaliações subseqüentes, substâncias comuns como tabaco, cinzas de tabaco,

fertilizantes, certos produtos farmacêuticos, tinta e até mesmo urina davam resultados positivos, além de material mais incomum como cloratos, bromatos,
Wallace. P. 107. I. Castellanos, “Dermo-Nitrate Test in Cuba,” Journal of Criminal Law and Criminology 33, no. 6 (March/April 1953): 482. F. Benitez, “Agunas consideraciones sobre las manchas producidas por los disparos de armas de fuege,” Revisión de Médico Legal de Cuba 1 (1922): 30. J. T. Walker, “Bullet Holes and Chemical Residues in Shooting Cases,” Journal of Criminal Law and Criminology 31 (1940): 497. Apud Wallace. P. 156 F. Feigl, Spot Tests in Inorganic Analysis, 5th ed. (New York: Elsevier, 1958), 327. P. 107. 157 Cowman, M. E. and Purdon, P. L. A study of the “paraffin test.” J. Forensic Sci. 12(1): 19–35, 1967. Apud Di Maio P. 342
155 154

61

iodatos, permaganatos, cromatos, vanadatos, molibnatos, antimônio. A Conferência da Interpol de 1968 em Paris concluiu oficialmente pelo abandono deste teste158. Na verdade, já havia se tornado consenso que este teste não tinha qualquer utilidade para a criminalística, dele restando a gíria policial que ainda se refere ao teste para verificar se há pólvora nas mãos.159

3.1.2. Harrison e Gilroy
Em 1959, Harrison e Gilroy introduziram um teste alternativo para detectar a presença de antimônio, bário e chumbo, originários da carga iniciadora (chumbo, bário e aintimônio) e do projétil (chumbo e antimônio) nas mãos dos suspeitos160. Estes metais, que se originam da maioria dos carga iniciadoras, são expelidos pelas aberturas das armas. A técnica desenvolvida era bastante simples e barata, com um retângulo de tecido de algodão branco umidecido com ácido clorídrico sendo colocado em contato com a mão. O tecido era então tratado com iodeto de trifenilmetilarsonio para a detecção de antimônio e rodizonato de sódio para a detecção de bário e chumbo. Entretanto a limitada sensibilidade deste teste impediu a sua adoção generalizada161. O método é consiste em colocar as mãos do suspeito em contato com tecido de algodão umedecido com uma solução de ácido clorídrico, que depois de seca é testada com uma ou duas gotas de uma solução alcoólica de iodeto de triphenylmethylarsonium. O aparecimento de manchas de coloração laranja indica a presença de antimônio162. O tecido é então seco novamente e é tratado com uma solução a 5% solução de rodizonato de sódio, onde o desenvolvimento de uma cor
118. “The Diphenylamine Test for Gunpowder,” FBI Law Enforcement Bulletin 4, no. 10 (1935): 5. H. W. Turkel, and J. Lipman, “Unreliability of Dermal Nitrate Test for Gunpowder, Journal Criminal Law Criminology and Police Science 46 (1955): 281. M. E. Cowan, and P. L. Purdon, “A Study of the ‘Paraffin Test,” Journal of Forensic Sciences 12, no. 1 (1967): 19. F. Feigl, Spot Tests in Inorganic Analysis, 5th ed. (New York: Elsevier, 1958), 327. A. I. Vogel, Marco and Semimicro Qualitative Inorganic Analysis, 4th ed. (London: Longman, 1954), 365. 107. A. Maehly, and L. Stromberg, Chemical Criminalistics (New York: Springer-Verlag, 1981), 189. Apud Wallace. P.106.159 Di Maio. P. 342. 160 H. C. Harrison, and R. Gilroy, “Firearms Discharge Residues,” Journal Forensic Sciences 4, no. 2 (1959): 184. Apud Wallace. P. 108. 161 Harrison, H. C. and Gilroy, R. Firearms discharge residues. J. Forensic Sci. 4(2): 184–199, 1959. Apud Di Maio P. 343. 162 Wallace. P.108.
158

62

avermelhada na área laranja indicaria a presença de chumbo ou de bário. O tecido é seco uma terceira vez e, na ausência de luz forte, era tratado com ácido clorídrico. Se aparecia a cor azul na área vermelha teríamos a confirmação de chumbo. Estes testes, entretanto, foram considerados inconclusivos, e a baixa sensibilidade dos reagentes colorimétricos utilizados não se adaptavam a as baixas concentrações de GSR emitidas pelas armas modernas163.

3.1.3. Rodizonato de Sódio
Este teste é uma variação do teste anterior e é muito utilizado para testar a presença de chumbo em orifícios em se que quer saber se foram produzidos pela passagem de projétil.164 Em uma modificação proposta por Bashinski et al. o material a ser testado pode ser pré-tratada com uma solução de 10% de ácido acético com o objetivo de melhorar a sensibilidade do teste165. Em seguida, o material é borrificado com uma solução tampão de ácido tartárico com pH de 2,8 e para finalizar é pulverizado com rodizonato de sódio. Manchas de coloração rosa brilhante vão apontar as partículas de chumbo e manchas de coloração laranja vão acusar as partículas de bário. O teste é rápido e barato, mas diz apenas da presença destes metais, pouco falando sobre a sua quantidade166. Por se tratar de um teste de baixa sensibilidade, o fato de o resultado ser negativo não significa ausência de GSR.

G. Price, “Firearms Discharge Residues on Hands,” Journal Forensic Science ociety 5 (1965): 199. C. R. Midkiff, “Detection of Gunshot Residues: Modern Solution for an Old roblem,” Journal Police Science and Administration 3, no. 1 (1975): 77. R. R. Ruch, V. P. Guinn, and R. H. Pinker, “Detection of Gunpowder Residues by Neutron Activation Analysis,” Nuclear Science and Engineering 20 (1964):381.. M. E. Cowan, P. L. Purdon, C. M. Hoffman, R. Brunelle, S. R. Gerber, and M. Pro, “Barium and Antimony Levels on Hands—Significance as Indicator of Gunfire Residue.” Paper presented at the Second International Conference on Forensic Activation Analysis, Glasgow, 1972, Paper 21.. M. D. Cole, N. Ross, and J. W. Thorpe, “Gunshot Residue and Bullet Wipe Detection Using a Single Lift Technique,” AFTE Journal 24, no. 3 (July 1992): 254. Apud Wallace. P.108. 164 Harrison, H. C. and Gilroy, R. Firearms discharge residues. J. Forensic Sci. 4(2): 184–199, 1959. Dillon, J. H. The Sodium Rhodizonate Test: A chemically specific chromophoric test for lead in gunshot residue. AFTE Journal. 22(3):251–256, 1990. Apud Di Maio. P. 346. 165 Bashinski, J. S., David, J. E., and Young, C. Detection of lead in gunshot residues on targets using the sodium rhodizonate test. AFTE J. 6(4): 5–6, 1974. Apud Di Maio. P. 349. 166 Di Maio. P. 356.

163

63

Este teste caiu em desuso, nos Estados Unidos, pois os automóveis a gasolina ejetavam partículas de chumbo pela descarga, devido ao amplo uso de chumbo tetraetila como antidetonante167.

3.1.4. Radiação de Nêutrons (Neutron Activation Analysis, Análise de Ativação)
Neutron Activation Analysis (NAA) é uma das técnicas analíticas mais sensíveis para a detecção de muitos elementos. Um grande avanço se deu em 1964, quando a NAA foi aplicada para a detecção quantitativa de antimônio e bário em GSR (Antimônio é o indicador elementar mais valioso para GSR, pois fontes de chumbo e bário são muito comuns no meio ambiente humano) 168 O método é baseado no fato de que, quando um material é submetido à radiação por algum período de tempo, os átomos de alguns elementos absorvem um nêutron extra. Estes núcleos ficam, geralmente, instáveis e tendem a perder este nêutron e emitir raios gama. Este tipo de núcleo é chamado de radionuclídeo. Com um contador de radiação é possível saber a quantidade de radiação, sua freqüência e meia-vida e, assim, determinar os elementos da amostra169. NAA tem sido usado com sucesso para a detecção de Bário, Antimônio, Cobre e Mercúrio em amostras de mãos e orifícios com uma variedade de alvos e distâncias170, mas sofre uma série de desvantagens para seu uso rotineiro em laboratórios forenses. Entre as quais: 1. Dificuldade de acesso ao uma fonte de nêutrons. 2. Alto custo dos equipamentos e grande especialização do pessoal envolvido; 3. Processamento lento das amostras (baixa produtividade). 4. Risco de exposição à radiação e insalubridade.

Wallace. P.274 R. R. Ruch, V. P. Guinn, and R. H. Pinker, “Detection of Gunpowder Residue by Neutron Activation Analysis,” Nuclear Science and Engineering 20 (1964): 381. Apud Wallace. P. 108 169 H. L. Schlesinger, H. R. Lukens, V. P. Guinn, R. P. Hackleman, and R. F. Korts, Gulf General Atomic Report No GA-9829 (1970). 132. C. R. Midkiff, “Detection of Gunshot Residues: Modern Solution for an Old Problem,” Journal Police Science and Administration 3, no. 1 (1975): 77.Apud Wallace. P.108. 170 M. Jauhari, T. Sing, and S. M. Chatterji, “Carga iniciadora Residue Analysis of Ammunition of Indian Origin by Neutron Activation Analysis,” Forensic Science International 19 (1982): 253. Apud Wallace. P.109.
168

167

64

5. Limitações para o uso na prospecção de chumbo, o qual é, justamente, um elemento muito importante para determinação de GSR171. Muita pesquisa foi feita sobre NAA, mas as dificuldades apresentadas foram grandes, o que levou a pesquisa de outras técnicas. Entretanto os trabalhos com NAA geraram um grande cabedal de conhecimento sobre a natureza, a formação e a deposição das partículas de GSR172. A partir da década de 1990 o NAA foi virtualmente substituído pela espectrometria de absorção atômica sem chama (FAAS) 173.

3.1.5. Flameless Atomic Absorption Spectrometry (FAAS)
A espectrometria de absorção atômica é, segundo Di Maio, muito popular em laboratórios de criminalística nos Estados Unidos devido a uma combinação de simplicidade, a sensibilidade adequada e baixo custo. É utilizado para a detecção de bário, antimônio e chumbo, oriundos da carga iniciadora, como de cobre oriundo do encamisamento do projétil ou do cartucho. Para coleta, são geralmente utilizados quatro suabes umedecidos com ou ácido nítrico ou clorídrico são usados, um para a palma da mão direita, outro para a palma da mão esquerda, um para o dorso da mão direita, um para o dorso da mão esquerda e um quinto é utilizado como controle. Com base na quantidade de bário, antimônio e chumbo detectados nas quatro faces das mãos, são estabelecidas correlações que indicam se os depósitos são compatíveis ou não com a hipótese de produção de tiro174. Segundo Wallace, a espectrofotometria de absorção atômica sem chama (FAAS) oferece limites de detecção semelhante ao NAA e é adequado para a determinação de baixos níveis de chumbo. O custo do equipamento está dentro do limite do razoável e é muito comum em laboratórios de diversos

Wallace. P. 109. Wallace P.109. 173 Krishnan, S. S. Detection of gunshot residue on the hands by neutron activation and atomic absorption analysis. J. Forensic Sci. 19(4): 789–797, 1974. Stone, I. C. and Petty, C. S. Examination of gunshot residues. J. Forensic Sci 19(4): 784–788, 1974.. Wolten, G. M., Nesbitt, Calloway, A. R., Loper, G. L., and Jones, P. F. Particles analysis for the detection of gunshot residue (I–III). J. Forensic Sci. 24(2):409– 422, 423–430, 1979; 24(4): 864–869, 1979. Germani, M. S. Evaluation of instrumental parameters for automated scanning electron microscopy/gunshot residue particle analysis. J. Forensic Sci. 36(2):331– 342, 1991. Apud Di Maio. P.343 174 Di Maio. P. 344.
172

171

65

tipos. Uma grande gama de elementos metálicos pode ser detectada, tornando a técnica versátil e útil para as aplicações forenses. A maior desvantagem é a impossibilidade de detectar se os elementos presentes estão na mesma partícula175. Com esta técnica, a amostra é aquecida eletricamente até uma temperatura elevada o suficiente para quebrar as ligações das moléculas, restando átomos individuais em seu estado elementar. Esses átomos são capazes de absorver radiação ultravioleta ou visível. As bandas de comprimento de onda que cada elemento absorve são muito específicas e diferentes para cada elemento. Assim é possível identificar que na amostra existe, por exemplo, Bário, Chumbo e Antimônio, mas não possível se saber se estão na mesma partícula176. Normalmente, quando uma arma de cano curto é descarregada, são esperados GSR no dorso. GSR na palma da mão tendem a ser compatíveis com gesto de defesa, manuseiro de objeto com GSR, ou com o apoio do cano da arma, no caso de suidídio. Entretanto, como veremos mais tarde, isto não passa de generalização177. No laboratório da fonte (Southwestern Institute of Forensic Sciences in Dallas), para exame com FAAS e com a técnica acima descrita, os índices eram considerados estatisticamente significativos somente quando estavam acima de 35 ng de Antimônio, 150 ng de Bário e 800 ng para o Chumbo, com a obsrvação de que Bário elevado podia ser explicado pela contaminação com solo rico em Bário178. No caso do método usado em Dallas, a fonte informe que para se interpretar corretamente o significado, se houver, de um resultado positivo, se deve levar em conta qual a superfície positiva (palma ou dorso) e qual a negativa, a quantidade de metais depositados nas diferentes áreas e a natureza da arma. E, no caso de ferimentos auto-infligidos, a natureza e a localização da ferida também devem ser considerados. Como imagem clássica teríamos, para o caso de um atirador, é um positivo no dorso da mão e negativo na palma. Se um indivíduo, em vez de disparar a arma, colocou sua
175 176

Wallace. P.109. Wallace. P.109. 177 Di Maio P.344. 178 Di Maio. P.344.

66

mão em um gesto defensivo, com a sua palma em direção a arma no momento da descarga, níveis elevados de GSR estarão presentes na palma da mão e, às vezes, no dorso da mão179. A fonte mencionada coloca alguns casos reais exemplares sobre a interpretação de resultados deste tipo de exame.

Caso 1. No caso temos um indivíduo jovem morto em decorrência de diabetes

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 2.0 1.2 0.4 1.6 35.0

Bário (ng) 86 4 0 33 150

Chumbo (ng) 8 25 16 50 800

Como não poderia deixar de acontecer o teste resultou negativo.

Caso 2 Este caso temos um individuo morto com facadas e havia a suspeita de o mesmo ter, antes de morrer, efetuado tiros. Entretanto o resultado foi considerado negativo.

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 2.4 0.8 0 0 35.0

Bário (ng) 390 1387 826 1409 150

Chumbo (ng) 58 159 168 478 800

Os níveis acentuadamente elevados de bário foram interpretados como contaminação pelo solo, que é rico em Bário em alguma áreas dos Estados
179

Di Maio P. 344.

67

Unidos. Os níveis de chumbo e antimônio não foram típicos de produção de tiro.

Caso 3 Suicídio com revólver calibre .38 SPL, com acionamento do gatilho com a mão direita. Os resultados para o dorso da mão direita são fortemente indicativos de produção de tiro.

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 78 12 5 21 35

Bário (ng) 212 75 90 79 150

Chumbo (ng) 1.537 345 210 320 800

Caso 4 Suicídio com revólver calibre .38 SPL, com a mão esquerda ao redor do cano e muito provável acionamento do gatilho com a mão direita. Os resultados para o dorso da mão direita são fortemente indicativos de produção de tiro.

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 81 250 5 193 35

Bário (ng) 232 635 21 804 150

Chumbo (ng) 975 67.292 190 45.360 800

Caso 5

68

Suicídio com um tiro na têmpora direita, usando um espingarda de calibre 0,410’’. O falecido usou a mão esquerda para segurar o cano da a arma contra sua cabeça e a mão direita para acionar o gatilho.

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 1,6 98.8 6.8 12.0 35

Bário (ng) 202 233 112 152 150

Chumbo (ng) 210 3.738 840 344 800

Caso 6 Este é um exemplo de um indivíduo tentando se defender. Havia níveis significativos de bário, antimônio e chumbo na palma da mão direita.

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 10.4 22.8 54.8 12.4 35.0

Bário (ng) 102 92 301 58 150

Chumbo (ng) 344 705 1.999 722 800

Caso 7 Este é um outro caso em se considerou que o indivíduo tentava defesa.

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 81.2 18.2 262.8 148.0 35.0

Bário (ng) 30 5 416 349 150

Chumbo (ng) 3.166 1.646 9.273 2.931 800

69

Caso 8 Este é um caso totalmente atípico, onde um indivíduo foi morto por projetil de alta velocidade que atravessou a porta do carro onde ele estava. Desta maneira é de se esperar que tenha tido pouco contato com GSR, mas o projétil, de chumbo endurecido com antimônio, porvavelmene produziu uma nuvem deste tipo de partículas devido a abrasão sofrida ao passar pela porta.

Área da mão Dorso da direita Dorso da esquerda Palma da Direita Palma da Esquerda Tiro > que

Antimônio (ng) 149.2 57.2 52.4 75.2 35.0

Bário (ng) 92 0 0 52 150

Chumbo (ng) 10.054 2.646 3.561 4.880 800

Segundo Di Maio, a dificuldade com a análise FAAS é que nunca se pode ter certeza absoluta de que se trata de resíduos de armas de fogo, pois o sistema mede apenas uma quantidade total de resíduos metálicos removidos pelo suabe, não se podendo distinguir com certeza a origem dos mesmos. Além disso, esta técnica tem uma uma alta porcentagem de falsos negativos. Stone mostrou que, numa série de indivíduos que se suicidaram com revolveres com munição com espoleta, apenas 50% dos deram resultados positivos com a aplicação desta técnica.180 Quando pistolas foram utilizadas, o número caiu para 32%. E, no caso de munição 0,22’’ o valor encontrado foi de apenas 23%, o que mostra que não tem sentido falar em resultado negativo para este tipo de exame, ou seja, o resultado negativo não prova que o indivíduo não disparou uma arma181. Um resultado positivo para este teste também pode ser obtido em pessoas que manipulam armas recentemente descarregadas. Neste caso, os
180

Stone, I. C. Characteristics of firearms and gunshot wounds as markers of suicide. Amer. J. Forensic Med. and Path. 13(4):275–280, 1992. Apud Di Maio. P. 348 181 Di Maio. P. 349

70

resíduos estarão depositados nas palmas das mãos. Em um estudo limitado (66 testes), Stone reportou 43% de positivos para revolveres nesta situação e 29% para pistolas, ou seja, números semelhantes aos encontrados em atiradores182. A FAAS é a técnica mais popular para a determinação quantitativa de elementos associados com FDR ( chumbo, bário, antimónio, cobre e mercúrio). Outros elementos relevantes também podem ser determinados e existe abundante literatura técnica sobre o assunto183. Entretanto, todos os métodos de análise elementar em massa, como NAA e FAAS, tem o grave defeito da falta de especificidade, pois os elementos detectados são exclusivos de GSR, mas podem ter origem na atividade laboral do suspeito ou do próprio meioambiente. Muitas pesquisas foram realizadas para determinar os níveis para chumbo, antimônio, bário nas mãos de pessoas não envolvidas com armas de fogo. Algumas pesquisas também incluiram o cobre e mercúrio. Dados

ocupacionais foram coletados e os níveis de limite estabelecido para cada um dos os elementos. O nível limite pode ser definido como o nível acima do qual o resultados podem ser significativos e são consistentes com descarga de uma arma de fogo, mas, de qualquer forma, não poderia ser tomado como prova 100% conclusiva para a presença de GSR. E, ademais, presença de GSR não siginifica necessariamente que a pessoa deu um tiro. Há a necessidade de se analisar o resultado do exame em um conjunto de provas184. Em função de todas estas incertezas, um método mais definitivo foi procurado com a análise de partículas. Este método é reivindicado como capaz de identificar conclusivamente partículas de GSR185.139-144
Stone, I. C. Characteristics of firearms and gunshot wounds as markers of suicide. Amer. J. Forensic Med. and Path. 13(4):275–280, 1992. Apud. Di Maio. P. 249. 183 A. L. Green, and J. P. Sauve, “The Analysis of Gunshot Residue by Atomic Absorption Spectrophotometry,” Atomic Absorption Newsletter 11 (September–October 1972): 93.. G. D. Renshaw, “The Estimation of Lead, Antimony and Barium in Gunshot Residues by Flameless Atomic Absorption Spectrophotometry,” CRE report no. 103, Aldermaston, England. Home Office Central Research Establishment (1973).. S. S. Krishnan, K. A. Gillespie, and E. J. Anderson, “Rapid Detection of Firearm Discharge Residues by Atomic Absorption and Neutron Activation Analysis,” Journal of Forensic Sciences 16 (1971): 144.. J. S. Wallace, “Firearms Discharge Residue Detection Using Flameless Atomic Absorption Spectrophotometry,” AFTE Journal 19, no. 3 (July 1987). Apud Wallace. P. 110. 184 Wallace. P. 110. 185 J. E. Wessel, P. F. Jones, Q. Y. Kwan, R. S. Nesbitt, and E. J. Rattin, “Gunshot Residue Detection,” The Aerospace Corporation, El Segundo, CA. Aerospace report no. ATR-75 (7915)-1 (September 1974). G. M. Wolten, R. S. Nesbitt, A. R. Calloway, G. L. Lopel, and P. F. Jones, “Final Report on Particle Analysis for Gunshot Residue Detection,” The Aerospace Corporation, El Segundo, CA. Aerospace report no. ATR-77 (7915)-3 (September 1977). E. Boehm, “Application of the SEM in Forensic
182

71

3.1.6. Década de 1980
Na década de 1980, foram difundidos três métodos para analisar de resíduos de tiro: a ativação de nêutrons (abandonado na década de 1990), espectrometria de absorção atômica sem chama (FAAS) e microscopia eletrônica de varredura por de raios-x (MEV-EDX)186 Todos os três métodos eram baseados na detecção de elementos metálicos (principalmente de bário, antimônio e chumbo) originários de carga iniciadoras e expelidos pelas aberturas das armas. Na época todos os três compostos eram encontrados nas espoletas de praticamente todos os cartuchos vendidos nos Estados Unidos, mas não era, necessariamente verdade para as munições com carga iniciadoras radiais (por exemplo, calibres .22’’), pois, desde meados dos meados dos anos 1980, os cartuchos Remington rimfire continham apenas chumbo em seus iniciadores e mais tarde a composição mudou para chumbo e bário; os da CCI contém chumbo e bário e os da Federal, estes sim, contém chumbo, bário e antimônio.

3.1.7. Década de 1990
A partir de meados da décda de 1980, na Europa, e meados da década de 1990, nos Estados Unidos, começaram a ser introduzidos carga iniciadoras livres de chumbo, os quais também poderiam não conter antimômio ou bário. Análises de laboratório mostraram estrôncio nos carga iniciadoras da CCI,

Medicine,” Proceedings of the Fourth Annual Scanning Electron Microscopy Symposium (1977), 553. R. Diedericks, M. J. Camp, A. E. Wilimovsky, M. A. Haas, and R. F. Dragen, “Investigations into the Adaptability of Scanning Electron Microscopy and X-ray Fluorescence Spectroscopy to Firearms Related Examinations,” AFTE Journal 6 (1974). R. H. Keeley, “Some Applications of Electron Probe Instruments in Forensic Science,” Proceedings of Analytical Division Chemical Society 13 (1976): 178. J. Andrasko, and A. C. Maehly, “Detection of Gunshot Residues on Hands by Scanning Electron Microscopy,” Journal Forensic Sciences 22 (1977): 279. Apud Wallace. P.110. 186 Krishnan, S. S. Detection of gunshot residue on the hands by neutron activation and atomic absorption analysis. J. Forensic Sci. 19(4): 789–797, 1974. Stone, I. C. and Petty, C. S. Examination of gunshot residues. J. Forensic Sci 19(4): 784–788, 1974.. Wolten, G. M., Nesbitt, Calloway, A. R., Loper, G. L., and Jones, P. F. Particles analysis for the detection of gunshot residue (I–III). J. Forensic Sci. 24(2):409– 422, 423–430, 1979; 24(4): 864–869, 1979. Germani, M. S. Evaluation of instrumental parameters for automated scanning electron microscopy/gunshot residue particle analysis. J. Forensic Sci. 36(2):331– 342, 1991. Apud Di Maio. P.343

72

potássio nos fabricados pela Winchester, cálcio e silício nos da Federal e titânio e zinco nos europeus Sintox.7-8. Também houve modificação nas técnicas de manufatura dos projéteis, tendendo a evitar a vaporização da base do projétil no momento da queima do propelente.

3.1.8. SEM/EDS - MEV
O “Scanning Electron Microscope/Energy Dispersive Spectroscopy” (SEM/EDS), ou Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV) em Português é um aparelho que produz imagens em alta ampliação (até 300.000 x) e resolução. As imagens fornecidas são virtuais, pois o que é exibido no monitor do aparelho é a transcodificação de ondas energéticas emitidas e não as radiações luminosas que formam o nosso dia a dia. O princípio de funcionamento do MEV é baseado na emissão de elétrons por um filamento capilar de tungstênio (eletrodo negativo), produzidos pela aplicação de uma diferença de potencial que pode variar de 0,5 a 30 kV. Esta faixa de voltagem permite a variação da aceleração dos elétrons. A relação positiva para o filamento do microscópio (eletrodo positivo) atrai fortemente os elétrons gerados, resultando numa aceleração em direção ao eletrodo positivo. A correção da trajetória dos feixes é realizada pelas lentes condensadoras que alinham os feixes em direção à abertura. A lente ajusta o foco de feixes de elétrons antes de atingir a amostra. Ao atingir a superfície examinada este feixe de elétrons provoca a emissão de elétrons secundários e outras ondas, os quais são processados e formam a imagem observada. O EDS (Energy Dispersive x-ray detector, EDX ou EDS) é um acessório essencial no estudo de caracterização microscópica de materiais. Quando o feixe de elétrons incide sobre um mineral, os elétrons mais externos dos átomos e os íons constituintes são excitados, mudando de níveis energéticos. Ao retornarem para sua posição inicial, liberam a energia adquirida a qual é emitida em comprimento de onda no espectro de raios-x. Um detector instalado na câmara de vácuo do MEV mede a energia associada a esse elétron. Como os elétrons de um determinado átomo possuem energias distintas, é possível, no ponto de incidência do feixe, determinar quais os elementos químicos estão presentes naquele local e assim identificar em instantes que mineral está

73

sendo observado. O diâmetro reduzido do feixe permite a determinação da composição mineral em amostras de tamanhos muito reduzidos (< 5 permitindo uma análise quase que pontual. A utilização de um microscópio eletrônico de varredura equipado com capacidade de análise (SEM / EDX) fornece resultados que combinam detalhes da morfologia e da composição elementar de partículas individuais de GSR. Um sistema de classificação foi desenvolvido e combina morfologia com composição e as partículas podem ser classificadas em: (a) de origem diversa de que arma de fogo; (b) consistente com GSR; (c) certamente originária de GSR187. O uso em conjunto do EDX com o MEV é de grande importância na caracterização de GSR. Enquanto o MEV proporciona nítidas imagens (ainda que virtuais, pois o que se vê no monitor do computador é a transcodificação da energia emitida pelas partículas, ao invés da radiação emitida pela luz, ao qual estamos habitualmente acostumados), o EDX permite sua imediata identificação. Além da identificação mineral, o equipamento ainda permite o mapeamento da distribuição de elementos químicos por partícula, gerando mapas composicionais de elementos desejados. A análise química de uma evidência pode detectar vestígios de chumbo (Pb), bário (Ba) e antimônio (Sb), dentro de um intervalo de nanogramas. Entretanto a detecção desses elementos sugere que a evidência pode ser oriunda de GSR. No entanto, isto somente prova que Pb, Ba e Sb estão presentes, mas sem correlacioná-los a uma única fonte. Em princípio cada elemento da amostra pode ter sido gerado de maneira independente. Estes resultados, por natureza, são inespecíficos. Com o MEV, entretanto, é possível fazer uma análise partícula por partícula, determinando a presença de Pb, Ba e Sb na mesma partícula, registro quase definitivo da presença de GSR. Isto faz com que o MEV seja a técnica preferida do ponto de vista da especificidade.188 No MEV um feixe de elétrons é acelerado a partir de um filamento de tungstênio quente contra a amostra, o que causa a emissão de eletrons m),

Wallace. P.111. DeGaetano, D. and Siegel, J. A., Survey of gunshot residue analysis in forensic science laboratory, J. Forensic Sci., 35, 1087–1095, 1990, apud Schwoeble.
188

187

74

secundários, eletrons retroespelhados e raios X, a partir dai se pode montar a imagem da partícula189. Esses três efeitos são utilizados no método de análise de partículas, pois os elétrons secundários são utilizados para visualizar a amostra, os elétrons retroespelhados são usados para identificar prováveis partículas de GSR, e os raios-X são usados para fornecer detalhes da composição composição elementar das partículas190. As partículas de GSR contêm elementos com número atômico elevado ( Chumbo, 82, Antimônio, 51, Bário, 56). Este fato é utilizado para auxiliar a busca de partículas de GSR, pois todas as partículas que contém metais pesados tem forte emissão, podendo assim serem selecionadas. Desta forma, apenas estas são selecionadas para análise191. O uso do microscópio eletrônico de varredura (MEV) apresenta tantas vantagens que Heard diz que o mesmo é, o mais importante avanço no campo da análise forense de armas de fogo desde a invenção do microscópio comparador192. Como o MEV-EDX, partículas de GSR são retiradas da mão utilizandose adesivos. O material removido pode ser “varrido” a procura de partículas pré identificadas como GSR. Estes resíduos são formados por partículas de tamanho micrométrico, muitas vezes de uma forma característica, envolvendo a análise automatizada das partículas que possuem determinadas

características físicas, por exemplo, o tamanho e a composição, onde partículas com Pb-Ba-Sb ou Ba-Sb, que são indicativas de GSR193. Com base em testes (não casos reais de crime), verificou-se que, em indivíduos que dispararam armas de fogo curtas, 90% de resultado positivo e de para armas de cano longo, 50%194.

Wallace. P.111. Wallace. P. 111. 191 Wallace. P.111. 192 Heard. P. 241. 193 Wolten, G. M., Nesbitt, Calloway, A. R., Loper, G. L., and Jones, P. F. Particles analysis for the detection of gunshot residue (I–III). J. Forensic Sci. 24(2): 409–422, 423–430, 1979; 24(4): 864–869, 1979.. Germani, M. S. Evaluation of instrumental parameters for automated scanning electron microscopy/gunshot residue particle analysis. J. Forensic Sci. 36(2):331–342, 1991.Apud Di Maio. P. 349 194 Wolten, G. M., Nesbitt, Calloway, A. R., Loper, G. L., and Jones, P. F. Particles analysis for the detection of gunshot residue (I–III). J. Forensic Sci. 24(2): 409–422, 423–430, 1979; 24(4): 864–869, 1979. Apud Di Maio. P. 349.
190

189

75

Como, usando o MEV, as partículas podem ser identificadas individualmente como GSR, a análise não é tão dependente do tempo como no FAAS. O estudo de Stone informa achados positivos até 12 após o tiro.195 Outro estudo colocou o MEV como ferramenta bem mais eficaz em busca de GSR, com séries de tiro real, encontrando 3,9% de resultados positivos com FAAS e 31,6% com MEV196. Por outro lado, apesar do sucesso da técnica, uma dose de cautela sempre, pois conforme Wallace, já foram observadas partículas “únicas de tiro” produzidas pelo acionamento de freios de automóveis197.

3.2.

Resíduos Orgânicos no GSR

A análise de partículas é o método mais informativo para a identificação de GSR, entretanto tem algumas desvantagens, como por exemplo: o custo elevado dos equipamentos envolvidos, procedimentos demorados e tediosos que exigem pessoal especializado. Para resolver este último problema foi desnvolvida a automação da pesquisa de partículas e a manipulação da amostra para concentrar os resíduos antes do exame198, mas apesar de melhorias consideráveis, o método de análise de partículas continua a ser um processo demorado e caro. Esta desvantagem têm renovado o interesse na possibilidade de detectar os componentes orgânicos do GSR, seja como um método primário ou como uma técnica de triagem199.
Wolten, G. M., Nesbitt, Calloway, A. R., Loper, G. L., and Jones, P. F. Particles analysis for the detection of gunshot residue (I–III). J. Forensic Sci. 24(2): 409–422, 423–430, 1979; 24(4): 864–869, 1979. Apud Di Maio. P. 349.
196 197 195

Garcia, James. Documento Privado. Apud Di Maio. P. 350.

Wallace. P.274. 198 T. G. Kee, C. Beck, K. P. Doolan, and J. S. Wallace, “Computer Controlled SEM Micro Analysis and Particle Detection in the Northern Ireland Forensic Science Laboratory—A Preliminary Report,” Home Office Internal Publication, Technical note no. Y 85 506. T. G. Kee, and C. Beck, “Casework Assessment of an Automated Scanning Electron Microscope/Microanalysis System for the Detection of Firearms Discharge Particles,” Journal of the Forensic Science Society 27 (1987): 321. W. L. Tillman, “Automated Gunshot Residue Particle Search and Characterisation,” Journal of Forensic Sciences 32, no. 1 (January 1987): 62.. R. S. White, and A. D. Owens, “Automation of Gunshot Residue Detection and Analysis by Scanning Electron Microscopy/Energy Dispersive X-Ray Analysis (SEM/EDX),” Journal of Forensic Sciences 32, no. 6 (November 1987): 1595. J. S. Wallace, and R. H. Keeley, “A Method for Preparing Firearms Residue Samples for Scanning Electron Microscopy,” Scanning Electron Microscopy 2 (1979). D. C. Ward, “Gunshot Residue Collection for Scanning Electron Microscopy,” Scanning Electron Microscopy 3 (1982): 1031. A. Zeichner, H. A. Foner, M. Dvorachek, P. Bergman, and N. Levin, “Concentration Techniques for the Detection of Gunshot Residues by Scanning Electron Microscopy/Energy Dispersive X-Ray Analysis (SEM/EDX),” Journal of Forensic Sciences 34, no. 2 (March 1989): 312. Apud Wallace. P.114. 199 Wallace. P.114.

76

Técnicas de cromatografia são os principais métodos que têm sido usados para separar, detectar e identificar compostos orgânicos de GSR.200 Outros métodos também considerados são a luminescência molecular, a espectroscopia de infravermelho.201 Raman espectroscopia202, 165 spin elétron espectrometria203, testes microquímicos de cristal204, espectroscopia de ultravioleta, resônancia nuclear magnética e polarografia205. Muitos dos constituintes orgânicos do GSR são explosivos e grande parte do trabalho já realizado sobre a detecção de resíduso de explosivos pode ser
I. Jane, P. G. Brookes, J. M. F. Douse, K. A. O’Callaghan, “Detection of Gunshot Residue via Analysis of Their Organic Constituents,” Proceedings of the International Symposium on the Analysis and Detection of Explosives, FBI Academy, Quantico (1983), 475. K. Bratin, P. T. Kissinger, R. C. Briner, and C. S. Bruntlett, “Determination of Nitro Aromatic, Nitramine and Nitrate Ester Explosive Compounds in Explosive Mixtures and Gunshot Residue by Liquid Chromatography and Reductive Electrochemical Detection,” Analytica Chimica Acta 130, no. 2 (1981): 295. J. M. F. Douse, “Trace Analysis of Explosives in Handswab Extracts Using Amberlite XAD-7 Porous Polymer Beads, Silica Capillary Column Gas Chromatography with Electron Capture Detection and Thin Layer Chromatography,”Journal of Chromatography 234 (1982): 415.. D. H. Fine, W. C. Yu, E. U. Goff, E. C. Bender, and D. J. Reutter, “Picogram Analyses of Explosive Residues Using the Thermal Energy Analyzer (TEA),”Journal of Forensic Sciences 29, no. 3 (July 1984): 732. 156. L. S. Leggett, and P. F. Lott, “Gunshot Residue Analysis via Organic Stabilizers and Nitrocellulose,” Microchemical Journal 39 (1989): 76. M. H. Mach, A. Pallos, and P. F. Jones, “Feasibility of Gunshot Residue Detection via Its Organic Constituents. Part 1. Analysis of Smokeless Powders by Combined Gas Chromatography– Chemical Ionisation Mass Spectrometry,” Journal of Forensic Sciences 23, no. 3 (1978): 433. 158. M. H. Mach, A. Pallos, and P. F. Jones, “Feasibility of Gunshot Residue Detection via Its Organic Constituents. Part 2. A Gas Chromatography–Mass Spectrometry Method,” Journal of Forensic Sciences 23, no. 3 (1978): 446.. J. B. F. Lloyd, “High-Performance Liquid Chromatography of Organic Explosives Components with Electrochemical Detection at a Pendant Mercury Drop Electrode,” Journal of Chromatography 257 (1983): 227. J. B. F. Lloyd, “Clean-up Procedures for the Examination of Swabs for Explosives Traces by High-Performance Liquid Chromatography with Electrochemical Detection at a Pendant Mercury Drop Electrode,” Journal of Chromatography 261 (1983): 391. J. M. F. Douse, “Dynamic Headspace Method for the Improved Clean-up of Gunshot Residues prior to the Detection of Nitroglycerine by Capillary Column Gas Chromatography with Thermal Energy Analysis Detection,” Journal of Chromatography 464 (1989): 178.162. H. R. Dales, “An Assessment of the Use of High Performance Liquid Chromatography with an Electrochemical Detector for the Analysis of Explosive Residues” (M.Sc. thesis, University of Strathclyde, August 1989). Apud Wallace. P. 114. 201 J. E. Wessel, P. F. Jones, Q. Y. Kwan, R. S. Nesbitt, and E. J. Rattin, “Gunshot Residue Detection,” The Aerospace Corporation, El Segundo, CA. Aerospace report no. ATR-75 (7915)-1 (September 1974), 6. 164. D. Chasan, and G. Norwitz, “Qualitative Analysis of Carga iniciadoras, Tracers, Igniters, Incendiaries, Boosters, and Delay Compositions on a Microscale by Use of Infrared Spectroscopy,” Microchemical Journal 17 (1972): 31. Apud Wallace. P.114. 202 J. E. Wessel, P. F. Jones, Q. Y. Kwan, R. S. Nesbitt, and E. J. Rattin, “Gunshot Residue Detection,” The Aerospace Corporation, El Segundo, CA. Aerospace report no. ATR-75 (7915)-1 (September 1974), 6. Apud Wallace. P.114 203 L. A. Franks, and R. K. Mullen, “Time Dependent Electron Paramagnetic Resonance Characteristics of Detonated Carga iniciadora Residues,” U.S. Dept. of Justice, Law Enforcement Assistance Administration, National Institute of Law Enforcement and Criminal Justice (November 1972). Apud Wallace. P.114. 204 C. R. Newhouser, “Explosives Handling Detection Kit,” Technical Bulletin 33- 72 (Washington, DC: International Association of Chiefs of Police, 1972). F. T. Sweeney, and P. W. D. Mitchell, “Aerosol Explosive Indicator Kit,” Final Report F-C 377G02, LWL Task No. 24-C-74 (Philadelphia, PA: Franklin Institute Research Labs, June 1974). Apud Wallace. P. 114 205 CRC Critical Reviews in Analytical Chemistry, vol. 7 (Boca Raton, FL: CRC Press, 1977). Apud Wallace. P. 114.
200

77

estendido para incluir GSR. Explosivos e seus resíduos geralmente são analisados com técnicas de cromatografia206. De todos os métodos estudados para resíduos orgânicos de tiro, os que parecem mais promissores são a cromatografia líquida (HPLC) e cromatografia gasosa com um detector espectrômetro de massa (GC / MS)207.

3.3.

Natureza dos Resíduos de Tiro e a sua Formação

Quando a espoleta é detonada, seus resíduos escapam da arma sob a forma de uma nuvem de vapor, através de aberturas disponíveis na arma. Em seguida, a temperatura ambiente resfria estes vapores e eles se solidificam na forma de partículas finas (de 1 a 10 micra, com possibilidade de ir até 100 micra) nos substratos próximos. Os resíduos produzidos saem da arma na forma gasosa, com temperatura de cerca de 2000º C. Este material gasoso é composto principalmente de produtos da combustão do propelente e consiste de dióxido de carbono, monóxido de carbono, água na forma de vapor e óxidos de nitrogênio. Junto com esta nuvem são lançadas partículas parcialmente queimadas e não queimadas do propelente e produtos da combustão da carga iniciadora. Estas partículas, depois de solidificadas são chamadas genericamente de GSR, sendo encontrados autores que se referem a elas como firearms discharge residues (FDR) 208. Como cada tipo arma possui seu próprio padrão de aberturas, a descarga de GSR irá possuir nuances diferenciadas no seu padrão de depósito. Observe-se que condições externas, como o vento, por exemplo, podem influir na morfologia da distribuição do GSR. Tipicamente, mas não necessariamente, esta nuvem de vapores é composta normalmente de partículas de chumbo (PB), bário (Ba) e antimônio (Sb), havendo outros elementos dependendo do fabricante da espoleta.

206 207

Wallace P.114. Wallace P.114. 208 Heard.. P. 241.

78

A presença destes componentes se deve a constituição da maioria das espoletas que necessitam da ação de três componentes: Se existe a pretensão ou a possibilidade de uso de MEV para investigar a presença de GSR, um pré-requisito para isto é o entendimento dos mecanismos de formação destas partículas209. No momento em que o percutor atinge a carga iniciadora, este irá explodir violentamente e elevar a temperatura da espoleta para cerca de 2500 ºC. Nesta temperatura os seus componentes metálicos são volatilizados, formando uma nuvem que condensará rapidamente, formando partículas esféricas bastante pequenas, na faixa de 0,1-5 µ. Estas partículas poderão conter várias combinações dos elementos presentes. Algumas, obviamente, podem conter apenas um elemento e outras todos os elementos presentes na carga iniciadora. O fato de existirem partículas que contenham, ao mesmo tempo, Chumbo, Bário e Antimônio conjuntamente, com uma forma específica, dão certeza de terem sido produzidos por descarga de arma de fogo210. O desenvolvimento do método de análise de partículas para GSR, sua identificação e detecção, envolve considerações de como as partículas são produzidas e sua natureza física e química211. Um estudo extenso e muito valioso da natureza das partículas de GSR foi realizado pela Aerospace Corporation, na Califórnia, em meados dos anos 1970. Boa parte do conhecimento sobre o assunto é baseado neste trabalho, no qual foram recolhido GSR de uma ampla gama de armas e munições, com estatísticas sobre o tamanho, a forma e a composição destes resíduos. Com base nestas observações, várias hipóteses têm sido sugeridas sobre a formação das partículas212. Em se tratando de partículas inorgânicas o chumbo ocupa um lugar privilegiado, pois em projeteis de chumbo não jaquetados, este metal é responsável por 70% das partículas. Em projéteis com revestimentos a proporção é a mesma, com a ressalva de que uma proporção substancial de
Heard. P. 242. Heard,. P. 242. 211 G. M. Wolten, R. S. Nesbitt, A. R. Calloway, G. L. Lopel, and P. F. Jones, “Final Report on Particle Analysis for Gunshot Residue Detection,” The Aerospace Corporation, El Segundo, CA. Aerospace report no. ATR-77 (7915)-3 (September 1977), 13. G. M. Wolten, and R. S. Nesbitt, “On the Mechanism of Gunshot Residue Particle.. Formation,” Journal of Forensic Sciences 25, no. 3 (July 1980): 533. Apud Wallace. P.123 212 Wallace. P. 123.
210 209

79

partículas de chumbo tem o material da jaqueta aderido. Em projéteis jaquetados ou semi-jaquetados a proporção de partículas de chumbo diminui grandemente, então conclui-se que a maioria do chumbo vem do projétil e não da carga iniciadora. Estas considerações foram também confirmadas com experimentos envolvendo o uso de substâncias radioativas como traçadores213. A grande maioria dos GSR formada durante o tiro é composta de partículas de propelente não queimado ou parcialmente queimados e são de natureza orgânica. O resto consiste em compostos metálicos provenientes da carga iniciadora, além de partículas de chumbo puro, que se volatizaram na base do projétil, o mesmo ocorrendo com cobre e zinco oriundos da jaqueta do projétil214. Dentre as partículas de chumbo, a maioria das partículas é formada por chumbo metálico e não por óxidos de chumbo É de se supor que as partículas de chumbo metálico sejam oriundas do projétil e as não metálicas da carga iniciadora, mas está é uma classificação bastante pobre, pois, pelos fenômenos químicos que ocorrem, é bastante improvável que as partículas da carga iniciadora sejam reduzidas a chumbo metálico.215 Wallace entende que a formação de resíduos de tiro se dá da seguinte forma216: - as altas temperaturas da queima do propelente atuam sobre a base do projétil, vaporizando uma fração de chumbo do projétil nesta região; - o forte atrito entre o projétil e o raiamento do cano provoca aquecimento e vaporização do chumbo e do revestimento dos projéteis, bem como a formação de partículas sólidas; - os vapores oriundos do projétil são misturados com os resíduos inorgânicos decorrentes da queima da carga iniciadora e expelidos através da boca e de outras aberturas. Em contato com a temperatura ambiente estes resíduos rapidamente se condensam e algumas partículas podem restar depositadas na pele ou na roupa do atirador217.
213

M. A. Purcell, “Radiotracer Studies of Test-Fired Bullets” (master’s thesis, University of California, Irvine, 1976). Apud Wallace. P. 123; 214 Heard. P. 242. 215 Wallace. P.123. 216 Wallace. P.123.

80

Experimentos na área observaram que a presença de resíduos de tiro na mão do atirador diminue acentuadamente quando aumenta a velocidade do projétil. Uma explicação para isto seria que a maior velocidade produziria uma maior diferença de pressão na esteira do projétil. Sugando assim, para longe da mão do atirador, os resíduos do tiro, ocorrendo menor saída dos mesmos pelos orificios das armas218. Conforme Basu,219 o rápido esfriamento dos vapores de GSR faz as partículas deste resíduo assumirem formas características: 1. Esferóides, espalhadas de maneira regular, que variam em tamanho de 1-10 µm; 2. Partículas de forma irregulares, que são formadas pela fusão entre duas partículas maiores, com tamanhos geralmente superiores a 10 µm; 3. Partículas maiores, ou aglomerados, que formam, por exemplo, com uma camada de chumbo ao redor de um núcleo de bário e antimônio. Além destas, Wallace acrescenta um quarto tipo de partícula, formado por fragmentos de grânulos de pólvora220. Como regra geral, mas de 70% das partículas são esféricas, sua superfície pode ser lisa, rugosa ou escamada. De um modo geral elas têm diâmetros inferior a 5 micra, embora a variação da esféricas possa ser de 0,5 a 32 micra. Entretanto é necessário dizer que há dificuldades para a detecção de partículas menores que 0,5 micra221. As partículas irregulares podem constituir até cerca de 30% das partículas expelidas. Seu tamanho varia de uma ampla faixa de menos de 1 micron até mais de 100 micra. Sua composição é semelhante a das partículas esféricas222. Os aglomerados são constituídos pela junção de cinco até de mais de uma centena de partículas esféricas, em forma semelhante a um cacho de

217 218 219

Wallace. P.123. Wallace. P.125.

Basu, S., Formation of Gunshot Residues, J. Forensic Sci., 27, 72–91, 1982, apud Schwoeble.
220 221

Wallace. P.125. Wallace. P.125. 222 Wallace. P.125.

81

uvas, mas ocorrem com pouca freqüência e parecem estar associados à alta potência ou alta velocidade do projétil223. Flocos de pólvora solta têm tamanho de cerca de 50 a 1000 micra e, devido ao seu maior tamanho, são perdidas rapidamente pelas mãos e pelas roupas224. Segundo Wallace, as partículas esféricas são resultado da rápida condensação dos vapores, enquanto que as partículas irregulares podem ser produzidas pela solidificação de gotas de material fundido, arremessadas pela boca da arma225. As partículas formadas no interior do cano, ou no interior do próprio cartucho, têm formatos diferentes daquelas formadas pelo vapor da espoleta. Como as diversas armas de fogo possuem padrões diferentes de formação de partículas, esta pode ser uma informação importante para estabelecer considerações sobre o tipo de arma utilizado. Como em revolveres a formação de vapores da espoleta é mais livre que em pistolas semi-automáticas, estudos de Schwoeble sugerem que: 1. Para os revólveres, 74% das partículas tinham estrutura esférica e 26% eram irregulares; 2. Para as armas semi-automáticas, 59% das partículas tinham o formato esférico e 41% eram irregulares; 3. No aspecto do tamanho, no caso de revólveres, 65% das partículas eram inferiores a 3 µm, 28% estavam na faixa de 3-6 µm, 5% na de 6-10 micrômetros e apenas 2% eram maiores que 10 µm; 4. Para as armas semi-automáticas, 48% das partículas foram inferiores a 3 µm, 29% estavam na faixa de 3-6 µm, 9% na de 6-10 micrômetros, além de 14% maiores de 10 µm. Estes estudos indicam que há um padrão claro para auxiliar na formação de convicção sobre o tipo da arma utilizada, em apoio, ou mesmo suprindo a falta de componentes de munição na cena do crime. Abaixo temos exemplos de alguns dos principais usos comerciais ou industriais de Pb, Sb e Ba:

223 224

Wallace. P.125. Wallace. P.125. 225 Wallace. P. 126.

82

Chumbo (Pb), ponto de fusão, 621 ºC, encontrado em baterias de veículos, solda rápidas, ligas de aço para rolamentos, gasolinas

contrabandeadas ou falsificadas, projéteis, balins, tintas, revestimentos de cabos, vidros, fósforos e material pirotécnico. Antimônio (Sb), ponto de fusão 440 °C, é utilizado em endurecimento de ligas metálicas, projéteis, óleos lubrificantes, baterias de veículos, balins, pigmentos, aços de rolamentos, utensílios de estanho, pastilhas de freio e material pirotécnico. Bário (Ba), ponto de fusão 850 °C, é encontrado em ligas metálicas, filmes de radiografia, em banhos de tratamento térmico para têmpera de aços, em cristais usados em dispositivos laser diversos, aí incluindo até brinquedos, corantes, tintas prontas, em preparados para curtimento de couro e no resultado final, produtos químicos para fotografia analógica, inseticidas, produtos pirotécnicos e papel. Os produtos acima listados contêm ou Chumbo, ou Antimônio, ou Bário, ou qualquer combinação dos três, assim a simples presença não afirma, com certeza, que se trata de GSR, pois os fatores decisivos na identificação de GSR são a composição específica, morfologia e química da partícula, bem como a caracterização da população total de partículas detectadas na mesma amostra.

3.4.

Composição do GSR

A identificação de uma partícula de GSR é baseada numa combinação forma com composição elementar e também na associação com outras partículas na amostra. Tendo tamanho e foram adequadas, as seguintes composições de partículas são consideradas como provenientes unicamente de GSR226: 1. Chumbo, Antimônio e Bário; 2. Bário, Cálcio, Silício, com traços de Enxofre; 3. Bário e antimônio,

226

Wallace. P. 126.

83

Por outro lado as seguintes partículas são indicativas de tiro de arma de fogo, mas não são exclusivas, podendo advir de outras fontes227. 1. Antimônio e Chumbo; 2. Bário e Chumbo; 3. Chumbo; 4. Bário, se o enxofre é ausente ou apenas um traço; 5. Antimônio. As partículas de chumbo, de antimônio e chumbo e as de Bário, embora não sejam unicamente de GSR, são encontradas em algumas poucas outras atividades, então são bastante característicos de GSR228.

3.5.

Áreas Prováveis de Resíduos (GSR)

A formação do resíduo de tiro dá, normalmente, de duas maneiras. A primeira é quando o percutor atinge a espoleta e provoca a sua detonação, espalhando os componentes desta no meio ambiente. A segunda se dá pelas partículas que saem junto com o projétil pelo cano. As áreas onde há maior probabilidade de se encontrar resíduos são: Mãos - as mãos são os lugares mais comuns onde GSR é recolhido de suspeitos. Cada tipo de arma de fogo, como revólveres ou pistolas, possui seu próprio padrão de deposição de resíduos, os quais normalmente se concentram na parte posterior do dorso, na prega entre o polegar e o indicador e na palma da mão. Face - O rosto do atirador pode ser contaminado nas ocasiões em que armas de fogo, como espingardas ou outras armas de cano longo, são usadas no tiroteio. Testes de emissões229 têm mostrado que grandes quantidades de GSR podem ser depositadas nestas áreas. Vestuário - Roupas freqüentemente preservam evidências GSR por mais tempo que as mãos de um atirador. A descarga de uma arma de fogo à curta distância deixa grande quantidade de resíduos como pólvora incombusta nas

227 228 229

Wallace. P.126. Wallace. P.126.

Conforme Schwoeble.
84

vestes da vítima. Também pode ocorrer de o atirador passar resíduos da sua mão para bolsos e outras partes da vestimenta. Objetos no ambiente de tiro – Este é um dos exames mais negligenciados pela Perícia, mas outros objetos e mesmo mobília da cena de crime podem fornecer vestígios valiosos sobre a dinâmica dos disparos de arma de fogo ocorridos em uma cena de crime. Exame de quadros, cadeiras, paredes, cortinas, pisos, camas, colchões, artigos de móveis e outros itens podem ajudar a determinar como um tiro ocorreu. Carros – Os tiroteios com algum dos participantes no interior de um veículo são comuns e, portanto, se deve fazer uma pesquisa apurada na forração, nos bancos, na face interna das portas, no painel e outros pontos no interior do veículo questionado.

3.5.1. Resíduos de tiro na mão do atirador
Ao ser produzido um tiro com revólver, os resíduos projetados para fora da arma saem pela boca do cano, juntamente com o projétil; pela parte anterior das câmaras, entre o tambor e o cano; e pela parte posterior das câmaras. Os resíduos que saem das câmaras podem atingir a mão do atirador, em especial a região dorsal dos dedos polegar e indicador.

Figura 13 Localização provável de resíduos em mão de atirador em armas de cano curto.

Em 1994, a empresa de consultoria RJ Lee Group, Inc. organizou um estudo sobre a distribuição da nuvem de vapores oriunda de uma descarga completa de diversas armas de fogo, os resultados permitiram traçar um perfil

85

para algumas das armas mais comumente utilizadas nos Estados Unidos230. Evidentemente os estudos sobre as armas Taurus e Rossi, mais comumente utilizadas no país ainda estão à espera de um pesquisador, mas a pesquisa com as armas americanas pode dar uma idéia geral sobre a distribuição dos resíduos de tiro (GSR) na mão de um atirador destro. O estudo examinou a concentração da descarga das armas mais utilizadas nos EUA. A amostra também é representativa dos vários tipos de armas de fogo e abrangia as características gerais da maioria das armas em circulação nos EUA naquela data. Abaixo faremos um extrato do resultado para algumas armas de fogo de cano curto mais representativas: Pistola Colt (.45 ACP), modelo 1911, Arma padrão do exército norteamericano até 1985, copiada exaustivamente em todo o mundo, cano de 5”, porta de ejeção de 90° para a direita. Apresenta como área de maior concentração de resíduos desde a segunda articulação do dedo indicador, passando pela prega interdigital até a área do pulso. No Rio de Janeiro, pistolas deste tipo são fabricadas pela Imbel, uma fábrica militar. Pistola Walther P-38, 9 mm, cano de 5”, foi a primeira pistola de dupla ação fabricada, adotada pelo exército alemão em 1938, foi arma padrão deste até a derrota. É arma, também bastante copiada. Apresenta ejeção de 180 graus e maior concentração de resíduos desde a região frontal anterior dos dedos até a região posterior à prega interdigital (Figura 14).

230

Conforme Schwoeble.
86

Figura 14 Pistola Walther P-38, 9 mm, conformação dos resíduos.

Pistola Browning Hi Power (9 mm Luger), foi a última pistola projetada por Browning, cano de 4 5/8”, ejeção 90 graus para a direita, com concentração de resíduos a partir da terceira articulação do dedo indicador, pela região da prega interdigital até a base do polegar. Pistola Smith & Wesson 39 (9 mm Luger), paradigma de muitos modelos Smith & Wesson, como as 59, 439, 459, 639, 659, cano de 4”, foi a primeira pistola de ação dupla fabricada nos Estados Unidos, ejeção a 90 graus para a direita, apresenta uma distribuição uniforme de resíduos desde o dedo indicador até a prega interdigital. Pistola Colt 1903 (.32 ACP), Típica pistola de bolso, cano de 3¾“, ejeção a 90 graus para a direita, com concentração de resíduos desde a segunda articulação do dedo indicador até a área posterior da prega interdigital. Pistola Victoria 1911 (.25 ACP), pistola semi-automática fabricada na Espanha a partir de modelo da Colt / Browning, com muitas variações pelo mundo, cano de 2”, ejeção à 90 graus para a direita, com concentração de resíduos do dorso dos dedos até a prega inter-digital. Pistola Duo 25 (.25 ACP), pistola de origem tcheca, similar a Colt / Browning 1908, cano de 2“, ejeção 90 graus e para à direita, com uma

concentração leve de resíduos a partir da segunda articulação do dedo indicador, tornando-se mais forte a medida que avança pelos dedos em direção ao dorso da mão.

87

Pistola Ruger Mark II Automatic (.22 Long Rifle), cano de 4¾“, com ejeção à 90 graus para a direita, e concentração de resíduos entre a segunda e a terceira articulações do dedo indicador e uma menor concentração entre a terceira articulação e a prega inter digital. Revólver Colt Trooper (.357 Magnum), arma paradigma dos atuais revólveres Colt, percussão indireta, seis tiros, cano de 4”, com resíduos por todo o dorso da mão, mas com uma tendência a uma maior concentração na prega interdigital. Revólver Smith & Wesson Model 36 (.38 Special), tipo comum de arma discreta, cano curto de 2”, cinco tiros, percussão direta, distribuição de resíduos por todo o dorso da mão e dos dedos, com aumento de concentração na prega interdigital e no punho (Figura 15).

Figura 15 Revólver Smith & Wesson Model 36 (.38 Special), conformação dos resíduos.

Revólver Smith & Wesson Model 34 (.22 Long Rifle), cano curto de 2”, seis tiros, percussão indireta, com resíduos concentrados da prega interdigital para o punho, no dedo indicador e no dorso dos demais dedos.

3.5.2. Tempo de permanência de resíduos no ar
Quanto tempo uma partícula GSR irá permanecer em um ambiente fechado, ou aberto sem vento, é uma questão que pode ser importante, pois a

88

suspensão de resíduos de tiro no ambiente pode contaminar ou não uma pessoa que penetre na cena após o seu desfecho, gerando a dúvida se esta foi um participante ou apenas a primeira testemunha. Conforme demonstração de Schwoeble, entretanto, partículas de chumbo de tamanho na ordem de 1 mícron, atingiriam o solo em menos de 10s. Notase que o chumbo é um material bastante denso, sendo menos impactado pela resistência do ar que outras frações de partículas, assim não é provável que uma pessoa se contamine por GSR, apenas por ter se dirigido até uma cena de crime.

3.5.3. Coleta de GSR
Nos Estados Unidos, as formas mais comuns de coleta de GSR são ”stubs” adesivos para uso em Scanning Electron Microscope (SEM), ou Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV). A coleta com papel filtro e solução tampão de chumbo está em desuso deste a década de 1980. Segundo Heard, Durante a descarga de uma arma de fogo, a grande maioria dos GSR sai em grande velocidade, pela boca do cano e se projeta para longe do atirador. Nas pistolas, ocorre alguma fuga de GSR, durante a ejeção do estojo, contaminando a mão, ou as mãos, que segurava a arma. Em revólveres, a situação é diferente, pois muitas partículas escapam pelas aberturas situadas atrás e a frente do tambor e com uma pressão substancialmente maior que no caso das pistolas. Em armas de cano longo a situação é um pouco diferente, pois em espingardas clássicas (com ferrolho aberto), o GSR escapara por entre o ferrolho e o cano. Se a arma for de repetição automática, o mesmo escapará junto com o estojo, à semelhança das pistolas. Se a arma for do tipo de ferrolho fechado, com abertura manual do mesmo, então o atirador somente irá contaminar a mão, se abrir o ferrolho imediatamente após o disparo231.

231

Heard. P. 242.

89

Outro aspecto a considerar é que nem todos os GSR escapam da arma, pois parte dos resíduos irá ficar incrustada no cano, nas câmaras ou no tambor da arma232. Segundo o FBI, a coleta deve ser feita em até 5 horas após o tiro ser efetuado233. Em geral os GSR permanecem um bom tempo nas superfícies secas, uma exceção importantíssima é, porém, os tecidos vivos, onde a literatura tem sugerido que a coleta se faça num prazo de 3 a 6 horas após o tiroteio234. No momento da coleta é muito importante usar luvas, mas no caso do GSR, as luvas não servem apenas para proteger quem está coletando. Elas servem também para não contaminar a amostra com eventuais resíduos préexistentes na mão do coletor. É também necessário, e isto é muito negligenciado, trocar de luvas a cada ponto de coleta, para eliminar o risco de “levar” GSR de um ponto para o outro da cena do crime. Como os resíduos de tiro têm tamanho pequeno, variando geralmente, entre 1 - 10 micra, podendo, em alguns casos atingir até 100 micra, nem são formadas aglomerações visíveis a olho nu. Por outro lado, sujidades negras na pele ou em outro substrato também podem ter origem em uma série de outros elementos e não necessariamente resíduos de tiro. Nunca é demais lembrar que os colegas do Laboratório trabalham com o que foi coletado na cena do crime, ou posteriormente, do corpo de delito e para que a evidência de GSR seja realmente eficaz é necessário que fique bem documentado a exata localização da coleta e outros aspectos triviais, mas importantes, como data e horário e a seqüência na coleta. Recentes pesquisas trouxeram a possibilidade de extrair resíduos de tiro (GSR) do conteúdo intestinal de larvas que se alimentam de um cadáver235.

Heard. P. 242. FBI, 2003. 234 Idem. 235 Roeterdink, E. M., I. R. Dadour, and R. J. Watling. 2004. Extraction of gunshot residues from the larvae of the forensically important blowfly Calliphora dubia (Macquart) (Diptera: Calliphoridae). Int. J. Leg. Med. 118:63–70.Apud Byrd. P. 14.
233

232

90

4. Distância de Tiro
Na descarga de uma arma de fogo, uma grande quantidade de "fumaça" ou, mais corretamente, resíduos de tiro (GSR), são expelidos pelo cano. Para diferenciar dos resíduos que saem pela culatra, devido ao “espoletamento” da carga iniciadora, alguns autores se referem aos resíduos do cano, como firearms discharge residue (FDR), o que nos parece apropriado, pois são resíduos de natureza diferente dos GSR. O FDR consiste de uma mistura de pólvora não comburida ou parcialmente comburida, fuligem, uma mistura de gases incandescentes, resíduos da carga iniciadora e, dependendo do tipo de munição utilizada, chumbo volatizado da base do projétil236. Quando um projétil atravessa um corpo qualquer (corpo humano, vidro, parede, etc) irá necessariamente, ocorrer atrito entre o projétil e as paredes deste corpo e chumbo, ou material da jaqueta, será retirado do projétil impregando-se nesta parede. Também o FDR será limpo pela abrasão. Desta forma é esperado que o orifício de entrada contenha bem mais resíduo que o orifício de saída, desta forma um exame com MEV poderá ser útil para esclarecer qual orifício é o de entrada e qual é o de saída, sempre que houver dúvida neste tipo de caso237.

Faixa das estimativas de queima para pistolas e fuzis.

No caso de uma arma de cano curto, é possível estimar a distância de tiro, através dos FDR, desde que o tiro tenha sido dado com uma distância menor que 60 cm. Já numa arma raiada de cano longo, este trabalho pode ser efetuado com distâncias de até 2 m. No entanto, quando o cano da arma é encostado com aperto na pele, estes resíduos podem estas completamente ausentes. Nestes casos é até comum restarem dúvidas se o orifício é mesmo de entrada238. Nos tiros encostados e com pressão, os FDR seguem junto com o projétil, entrando no tecido, não deixando muitas vezes, qualquer vestígio nas
236 237

Heard. P. 212. Heard. P. 212. 238 Heard. P. 219.

91

bordas do ferimento de entrada Nas áreas do corpo onde pele e tecido subcutâneo recobrem diretamente o osso, como por exemplo, o crânio, a escápula ou o esterno, os gases da expansão ficam presos entre o tecido subcutâneo e osso. Deve-se notar que, quando sai do cano, parte da pólvora ainda está se comburindo, desta forma os gases se expandem com grande rapidez e violência entre o osso e a pele, não tendo por onde sair senão pelo orifício de entrada, evertendo as suas bordas. Isto resulta em um ferimento com bordas estreladas e evertidas, com alguma semelhança como ferimentos provocados por instrumento contundente. Nesta situação é de se esperar que sangue, pele e tecido ósseo sejam devolvidos na direção do atirador239. Este fenômeno, Segundo Heard, também pode se produzir se a área atingida possuir uma razoável camada de gordura subcutânea240. Neste tipo de disparo, o grau de dilaceração do tecido vai depender do calibre da munição, do tipo de pólvora e do comprimento do cano. É de se esperar que uma munição .38 SPL+P+ produza mais rasgos que um de calibre .38 SPL. Também esperado que um revólver com cano de 2’’ e munição +P+ produza mais rasgos que a mesma munição utilizada num revólver de cano de 5’’, pois na primeira situação teremos mais pólvora ainda em combustão saindo pelo cano e, portanto, maior expansão de gases dentro da pele. Um exame cuidadoso é necessário no sentido de se encontrar partículas de resíduos de tiro dentro da ferida, especialmente grãos de pólvora não comburidos, sob pena de termos um erro de classificação da ferida241. Nos tiros que não o de contato com pressão, os FDR, presentes ao redor do orifício de entrada, poderão ser utilizados para estimar a distância da arma em relação ao alvo242. O método geralmente utilizado para a detecção destes componentes é um simples exame visual, com ou sem uma lupa, às vezes, se usando microscópio. A distribuição observada pode ser comparada com amostras padrões produzidas em estandes de tiro.

239 240

NA. Este tipo de ferimento de entrada é usualmente chamado de “boca-de-mina” nos meios policiais. Heard. P. 219. 241 Heard. P. 219. 242 Heard. P. 219.

92

6’’(D)

243

Figura 16 Padrões de FDR, de uma mesma arma, para 1’’(A), 2’’(B), 4’’(C) e .

Ressalte-se que este tipo de teste, para ter alguma validade, no caso de arma e munição conhecida, deve ser feito com arma e munição similar a que teria sido utilizada, pois canos mais longos tendem a produzir menos resíduos que canos mais curtos, devido à queima mais completa do propelente. Também seria adequado que os disparos fossem feitos contra superfícies semelhantes às questionadas. No caso de disparo contra um corpo humano, o recomendado seria o disparo contra pele suína. No caso de roupas, os testes devem ser feitos com tecido semelhante ao vestido pela vítima244. Os efeitos observados podem ser didaticamente divididos em três grupos principais245:

4.1.

Queima

A queima é causada pelos gases incandescentes que saem pela boca do cano. Embora, a temperatura destes gases, ao deixar o cano, seja da ordem
243 244

Heard. P. 220. Heard. P. 220. 245 Heard. P. 220.

93

de cerca de 2000 ºC, eles arrefecem rapidamente e não produzem qualquer efeito a uma distância maior de 2,5 cm. A área afetada também é muito reduzida sendo localizada a menos de 0.7 cm da borda do ferimento de entrada. Os efeitos destes gases geralmente não são visíveis na pele, devido ao elevado grau de umidade da mesma e, mesmo quando está presente, é encoberto por uma camada de fuligem. Os cabelos podem apresentar os efeitos da queima, assumindo do aspecto característico de cabelo exposto à chama. O mesmo ocorrendo com as fibras mais finas das roupas feitas de lã natural que, pela ação do calor, se encolhem até uma fração do seu tamanho original e assumem uma cor enegrecida. Nas roupas de fibras sintéticas o efeito do calor é bem mais perceptível 246. O grau da queima é também dependente de: • do estado da superfície do alvo, por exemplo, se for uma superfície molhada, o grau da queima será muito reduzida • do tipo da pólvora, o que é evidente, pois diferentes composições de pólvora irão liberar diferentes quantidades de calor pela boca do cano; • da pressão produzida, neste caso temos que um cartucho do tipo magnum irá produzir uma queima significativamente maior que a produzida por um cartucho comum; • da quantidade de proplente (pólvora), pois é esperado que um cartucho para arma de cano longo produza uma queima bem maior que a produzida por um cartucho de calibre semelhante, mas para arma de cano curto247.

4.2.

Esfumaçamento

O esfumaçamento é causado por material carbonáceo proveniente de resíduos da queima imcompleta do propelente, tendo como contruibuição auxiliar os lubrificantes do projétil e o selante colocado entre o projétil e o propelente. O componente principal é o carbono amorfo com adição de partículas finas de propelente parcialmente queimadas248.

246 247

Heard. P. 220. Heard. P. 222. 248 Heard. P. 222.

94

O esfumaçamento pode ser produzido em tiros efetuados com distâncias menores que 25 cm, para armas de cano longo, e menores que 12,5 cm, para pistolas e revóveres249. A quantidade de propelente, obviamente, afeta o grau de enegrecimento da superficie alvo produzindo enegrecimento de forma diretamente

proporcional ao aumento de peso. Por outro lado, os cartuchos do tipo +P ou +P+ ou magnum tem efeito inverso, pois quanto maior é a eficácia do propelente, menor será a zona de esfumaçamento250. O esfumaçemento é, fisicamente, uma pequena camada de resíduos, que pode ser facilmente removido por gaze de socorristas ou pela água da chuva, por exemplo, assim a ausência de zona de esfumaçamento não deve ser tomada como indicador conclusivo para distância de tiro251.

4.3. Partículas de Propelente Parcialmente Queimadas

não

Queimadas

ou

Como as partículas de propelente são bem mais densas que o material que produz a zona de esfumaçamento, elas são arremessadas a uma maior distâncias que aquelas, a partir da boca do cano. Com auxílio de uma lupa é possível observar estas partículas, e os efeitos delas, no alvo, em distâncias de tiro menores que 75 cm, para o caso de armas de cano curto. Para armas de cano longo, esta distância é de cerca de 120 cm252. Os fatores que influenciam a quantidade destas partículas são muito semelhantes aos que influenciam o tamanho das zonas de esfumaçamento são, basicamente, os mesmos que influenciam o esfumaçamento, assim, para uma mesma munição, quanto maior for o tamanho do cano e maior a eficácia do propelente, menor será a presença destes resíduos. Ao contrário dos resíduos que produzem a zona de esfumaçamento, as partículas incombustas, não são removíveis de maneira fácil. Na pele humana viva elas irão entrar na epiderme e formar estigmas semelhantes aos produzidos pelas técnicas de

249 250

Heard. P. 222. Heard. P. 222. 251 Heard. P. 222. 252 Heard. P. 223

95

tatuagem. Daí, muitos autores se referirem à zona onde este tipo de resíduos é encontrado como zona de tatuagem253.

Uso de MEV.

Pesquisas mais recente tratam da possibilidade de estimar distância de tiro em até 5 m, mas baseados em resíduos da carga iniciadora e não do propelente, com análise destes resíduos através de MEV254.

4.4.

Corpos Mortos

Estimar a distância de tiro em um corpo decomposto, salvo tiros de espingarda, é algo que pode se tornar bastante difícil, pois os resíduos de tiro são removidos junto com as camadas externas da pele.

4.5.

Cargas Iniciadoras sem Chumbo

De uma maneira geral se admite que a análise de distância de tiro produzido por munição sem chumbo é diferente dos tiros obtidos com carga iniciadoras convencionais255. As causas prováveis são a menor quantidade de materiais com combustão incompleta, maior teor de matéria orgânica e fato de se utilizar materiais com densidade menor que a do chumbo. Em termos muito gerais, a propagação e a descarga de resíduos de cargas iniciadoras sem chumbo será menor que nos de carga iniciadoras com chumbo256. Como existem muitos tipos diferentes de carga iniciadoras e propelentes, com ou sem chumbo, no mercado, esta é mais uma observação no sentido de reforçar a idéia de que as estimativas de distância de tiro somente podem ser efetuadas com arma e munição idênticas as utilizadas, o

253 254

Heard.P. 223. Heard. P. 223. 255 Gundry , R. and Rockoff , I. Comparison of Gunshot Residue Patterns from Lead – Based and Lead Free Carga iniciadora Ammunition , http://www.gwu.edu/ . Apud Heard. P. 230. 256 Heard. P. 230.

96

que torna o problema frustrante, pois, normalmente é justamente isto um dos aspectos que se quer saber257.

257

Heard. P. 230.

97

5. Retenção de GSR 5.1. Pessoas Vivas

Segundo Heard, as partículas de GSR depositadas nas mãos não são “cola mágica” e tampouco penetram na pele. Estão apenas aderidas a superfície e as dobras da pele como qualquer outra sujidade. Desta forma elas são facilmente removidas pelas atividades diárias normais de um ser humano. Se existe algo a favor da permanência destas partículas é o seu tamanho ser extremamente pequeno, situado na faixa de 0,1-5 µ, que os deixa presos nas dobras microscópicas da pele ou aderidos aos folículos pilosos (observação importante: palma da mão não tem pêlos), mas apesar disto, para todos os efeitos práticos, todas as partículas de GSR serão retiradas das mãos dentro de um prazo de 3 às 4h, após o tiro258. O ato de lavar as mãos irá remover praticamente todos dos GSR e muito cuidado se deve tomar com o conduzido que pedir para ir ao banheiro, pois lavar as mãos com urina também irá remover os resíduos da mesma forma que a lavagem com água259. Igualmente é de pouca valia o exame residuográfico em internos em hospital, após os enfermeiros terem providenciado a higiene do paciente260. Se estiver chovendo, e a cena for na rua, evidentemente, ou se o suspeito for acometido de sudorese, o resultado dos exames, mais uma vez será negativo261. Para Wallace, a persistência dos GSR nas mãos foi estudada por muitos, mas existem grandes variações na literatura (desde 1h até 24h). Entretanto, a maioria é da opinião que estes resíduos persistem por 1 - 3h262,
Heard. P. 251. Heard. P. 251. 260 Heard. P. 251. 261 Heard. P. 251. 262 J. W. Kilty, “Activity after Shooting and Its Effect on the Retention of Carga iniciadora Residue,” Journal of Forensic Sciences 20, no. 2 (1975): 219. Properties of Firearm Discharge Residue 133.. R. S. Nesbitt, J. E. Wessel, G. M. Wolten, and P. F. Jones, “Evaluation of a Photoluminescence Technique for the Detection of Gunshot Residue,” Journal of Forensic Sciences 21, no. 3 (1976): 595. R. Cornelis, and J. Timperman, “Gunfiring Detection Method Based on Sb, Ba, Pb, and Hg Deposits on Hands. Evaluation for the Credibility of the Test, Medicine, Science, and the Law 14, no. 2 (April 1974): 98. Apud Wallace.P. 131.
259 258

98

além deste prazo é muito pouco provável que estes resíduos sejam detectados nas mãos.263 Para Fisher, as partículas podem ser removidas pó lavagem ou mesmo por colocação da mão nos bolsos. Algemar um suspeito pelas costas contribuiria para a perda de resíduos, pois este tipo de contenção possibilita que as mãos sejam esfregadas nas costas. O mesmo autor fixa um tempo de no máximo 6 horas para a retenção dos resíduos de chumbo nas mãos dos suspeitos e recomenda que as amostras sejam recolhidas o mais rapidamente possível. Fisher também observa que, devido à ambigüidade dos resultados da coleta de GSR, muitos órgãos de segurança optaram, no passado, pela descontinuidade deste serviço264. Schwoeble considera que o fator tempo é a primeira e a mais importante questão para se lidar com vestígios do tipo GSR, sendo muito importante coletar as amostras o mais rapidamente possível após o tiroteio. Para este autor, o prazo padrão sugerido na literatura é de 3 a 6 h após o incidente265. Por outro lado, quando se usa MEV, as partículas podem ser identificadas individualmente como GSR, a análise não é tão dependente do tempo como nos outros métidos. Um estudo de Stone informa achados positivos até 12 horas após o disparo.266

Wallace. P. 131. Fisher. P. 281. 265 Schwoeble P. 19. 266 Wolten, G. M., Nesbitt, Calloway, A. R., Loper, G. L., and Jones, P. F. Particles analysis for the detection of gunshot residue (I–III). J. Forensic Sci. 24(2): 409–422, 423–430, 1979; 24(4): 864–869, 1979. Apud Di Maio. P. 349.
264

263

99

Figura 17 Conservação de partículas de GSR em vivos

267

5.2.

Rosto, Cabelo, Cabeça e Roupas

A persistência de GSR no rosto, no cabelo, na cabeça e nas roupas não foi estudada, mas é altamente provável que os resíduos irão permanecer nestas áreas por períodos bem maiores do que nas mãos268. Entretanto a mesma fonte relata resultados positivos para o rosto e a cabeça até 5 horas depois o incidente e de 7h para cabelos269. Para Schwoeble, a preservação das roupas obtidas na cena do crime é algo de grande importância, sendo adequado não lavar ou agitar de maneira excessiva as mesmas270.

5.3.

Mortos

No caso de a coleta ser feita em um cadáver, o problema da remoção do GSR é bem menos relevante, pois se assumindo que as mãos não serão lavadas, os resíduos irão ficar presentes até o começo da decomposição. Se for assumido que, no morto, as partículas de GSR não serão removidas por meio externo, então elas devem permanecer nas mãos dos indivíduos por tempo indeterminado. Entretanto se o morto for colocado em refrigeração no
267 268

Wallace P. 252. Wallace P. 131. 269 Wallace. P. 179. 270 Schwoeble P. 19

100

necrotério a pele irá se tornar úmida quando trazido para temperatura ambiente, o que dificultará a coleta, segundo Heard. O mesmo autor também recomenda que a coleta seja feita na própria cena do crime271.

5.4.

Armas de Cano Longo

Em armas de cano longo, é muito dificil encontra-se GSR nas mãos do atirador, utilizando-se do FAAS. E quando é encontrado, está tanto na palma, quanto no dorso ds mãos. No caso de suicídas, temos um alto nível de chumbo na mão que ajusta o cano contra o corpo, o que pode ser explicado pela precipitação das partículas de bário e antimônio, menos densos que o chumbo, dentro do cano272.

271 272

Heard. P. 251 Di Maio. P. 344.

101

6. Conclusão
Como cunclusão deste estudo podemos afirmar que exames períciais sobre resísduos de tiro são tarefas complexas que necessitam de bom conhecimento acerca dos complexos fenômenos envolvidos para se obter alguma conclusão correta e útil para atividade de criminalística. Também é necessário afirmar que o uso do MEV é a técnica de maior potencial para avanços nesta área, o que não invalida a colorimetria e a absorção atômica como exames válidos.

102

7. Índices de Figuras
Figura 1 Pontas Clóvis. 4 Figura 2 Calibre real em canos raiados. 9 Figura 3 Munições típicas 11 Figura 4 Cartucho de Pauly, conforme Wallace. 12 Figura 5 Cartucho de Dreyse, conforme Wallace. 13 Figura 14 Cópia da carta-patente da invenção de Samuel Colt de 1836. 47 Figura 15 Um revolver com tambor reversível. 48 Figura 16 Revólver Basculante 48 Figura 17 Um Taurus, calibre 38, “Hammerless” 49 Figura 18 C-3 de 1893 50 Figura 19 Moderna Pistola Taurus. 51 Figura 20 Nuvem de GSR. 54 Figura 21 Localização provável de resíduos em mão de atirador em armas de cano curto. 85 Figura 22 Pistola Walther P-38, 9 mm, conformação dos resíduos. 87 Figura 23 Revólver Smith & Wesson Model 36 (.38 Special), conformação dos resíduos. 88 Figura 25 Padrões de FDR, de uma mesma arma, para 1’’(A), 2’’(B), 4’’(C) e 6’’(D). 93 Figura 26 Conservação de partículas de GSR em vivos 100

103

8. Bibliografia
ARAÚJO, Assis, Tatuagem de Cadeia (A Marca do Criminoso), 2010, não editado, disponível no site http://forcapolicial.wordpress.com/tatuagem-decadeia. ARAÚJO JR, José Tavares de Araujo Jr. A Evolução Recente dos Preços de GLP, www.ecostrat.net, acessado em 31/08/2010. BARBONI, AYRTON; Paulette, Walter. Fundamentos de Matemática: Cálculo e Análise. Editora LTC, São Paulo, 2007. BERTOMEU-SÁNCHEZ, A. Nieto_Galan. Chemistry, Medice and Crime: Mateu J B Orfila (1787 -1853) and his Times. BOHADIN, The General Biographical Dictionary (London 1812). BOWEN, Gabriel, http://wateriso.eas.purdue.edu/waterisotopes/index.html. BRENNER, John C. Forensic Science An Illustrated Dictionary. CRC Press. Boca Raton. 2000. Bureau voor Dactyloscopische Artikelen, Catálogo, página

http://www.bvda.com/EN/index.html, acessado em 29/10/2010. BYRD, Jason H. e James L. Castner. Forensic Entomology: The Utility of Arthropods in Legal Investigations. CRC Press. Boca Raton, 2009. Catanese, Charles A. et al Color Atlas of Forensic Medicine and

Pathology. CRC Press, Boca Raton. 2010. CIA LIQUIGÁS DO BRASIL, Tipos de Recipientes, WWW.liquigas.com.br, acessado em 31/08/2010. CONFEA – Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura, Resolução 218/1973.

104

CORDIOLI, Celito. A Criminalística Brasileira - Sua Doutrina. Trabalho apresentado no XVII Congresso Nacional de Criminalística. CORDIOLi, Celito. Trânsito ou Tráfego. Florianópolis: SSP/DPTC/IC, 1995. CORREIO DO POVO, Edição de 24/08/2010. COYLE, H.M., Forensic Botany: Principles and Applications to Criminal Casework, CRC Press, Boca Raton, FL, 2005. CUNHA, Benedito Paulo da, Doutrina da Criminalística Brasileira. DETRAN-RS, Departamento Estadual de Trânsito do Estado do Rio Grande do Sul, site WWW.detran.rs.gov.br, acessado em 03/09/2010. DEL PICCHIA FILHO, José & DEL PICCHIA, Celso Mauro Ribeiro. Tratado de Documentoscopia. São Paulo: LEUD, 1976. DIX, Jay, Color Atlas of Forensic Pathology, CRC Press, Boca Raton, 2000. DIX, Jay, Michael Graham, Time of Death, Decomposition and Identification, An ATLAS, CRC Press, Boca Raton, 1999. ECKERT, William G. , Introduction to Forensic Sciences, 2nd Edition, CRC Press, Boca Raton, 1997. ESPÍNDULA, Alberi. Curso de Perícias Criminais em Local de Crime. Programa de Treinamento para Profissionais da Área de Segurança do Cidadão. Curitiba: MJ-SENASP-ABC, 2001. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Constituição Estadual. FAIRGRIEVE, Scott I. Forensic cremation recovery and analysis. CRC Press. Boca Raton. 2008. FINKBEINER, Walter E. Philip C. Ursell, Richard L. Davis. Autopsy

pathology : a manual and atlas. Saunders Elsevier . Philadelphia, 2009. P. 274.

105

FISHER, Barry A. J. Techniques of crime scene investigation; 7th ed. CRC Press. Boca Raton 2003. FRANCK, Harold, Darren Franck, Mathematical Methods for Accident Reconstruction, A Forensic Engineering Perspective, CRC Press, 2010. FRANK, Paulo Ricardo Ost. Aspectos Técnicos sobre o Dígito Verificador em "Números de Chassi" e outras informações sobre este código. Revista do IGP-RS, 2010. GAUDETTE, B.C., in Encyclopedia of Forensic Sciences, Siegel, J.A., Saukko, P.J., and Knupfer, G.C., Ed., Academic Press, London, 2000. GEBERTH, Vernon J. Practical homicide investigation : tactics,

procedures, and forensic techniques 4th ed. CRC Press. Boca Raton. 2006. GEBERTH, Vernon J. Sex-Related Homicide and Death Investigation

Practical and Clinical Perspectives. CRC Press Boca Raton. 2003. GOODWIN, William, Dr. Adrian Linacre, Sibte Hadi. An Introduction to Forensic Genetics, John Wiley & Sons Ltd, The Atrium, Southern Gate, Chichester, West Sussex , England, 2007. GODWIN, Grover Maurice. CRIMINAL PSYCHOLOGY and FORENSIC TECHNOLOGY A Collaborative Approach to Effective Profiling. CRC Press, Boca Raton, 2001. GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA, INSTITUTO-GERAL DE PERÍCIAS, EDITAL DE CONCURSOS N° 01/2008. HORSWELL, John, e outros em “The Practice of Crime Scene Investigation”, CRC Press, USA. INEPRO (Instituto Nacional de Educação Profissional),

www.jurisway.org.br, acessado em 09/09/2010.

106

ISO (International Organization for Standardization) ISO 3779, “Road Vehicles - Vehicle Identification Number (VIN) - Content and structure”. ISO (International Organization for Standardization) Vehicles - World manufacturer identifier (WMI) code”. ISO (International Organization for Standardization) ISO 4030, “Road Vehicles - Vehicle identification number (VIN) - Location and attachment” JAMES, Stuart H. and William G. Eckert Interpretation of Bloodstain Evidence at Crime Scenes 2nd ed. CRC Press Boca Raton, 1993. JENSEN, R.A., Mass Fatality and Casualty Incidents, CRC Press, Boca Raton, Florida, 1999. JORNAL DA GLOBO, Edição do dia 16/07/2010, acessado em 31/08/2010 JURAN, J.M. Controle da Qualidade: Métodos Especiais de Apoio à Qualidade. São Paulo: Makron Books, 1993. KEHDY, Carlos. Elementos de Criminalística. 1 ed. São Paulo: Luzes Gráfica e Editora Ltda, 1968. LAUX, Dale, Interpretation of Bloodstain Evidence at Crime Scenes, CRC Press. LOPEZ, Meyda Atér Cuevas, ANTECEDENTES HISTORICOS DE LA MEDICINA LEGAL, Santo Domingo, República Dominicana, 1999. LUDWIG, Artulino. A Perícia em Local de Crime. Porto Alegre: Ulbra, 1995. MALLMITH, Décio e outros. Curso Integrado de Formação dos Agentes da Segurança Pública. Porto Alegre: SJS/IGP/DC, 2002. MEIRELLES, Domingos. As Noites das Grandes Fogueiras, Uma História da Coluna Prestes. ISO 3780, “Road

107

MENDEL MUSEUM, http://www.mendel-museum.com, página mantida pela Masariyk University, acessada em 09/09/2010. MENDES, Lamartine Bizarro et al. Tratado de Perícias Criminalísticas. Rio de Janeiro: Ática, [s.d.]. MENDES, Lamartine Bizarro. Documentoscopia, Coleção Millenium. NATIONAL NUCLEAR DATA CENTER, Chart of Nuclides,

http://www.nndc.bnl.gov/, acessado em 16/10/2010. NELSON, D. and De Forest, P., in Forensic Examination of Hair, Ed., Robertson, J., Taylor and Francis, London, 1999. NOON, Randall K. Forensic Engineering Investigation, CRC Press, Boca Raton, 2001. PAREDES, Cezinando Vieira A Influência e o Significado das Tatuagens nos Presos no Interior das Penitenciárias, UFPR, 2003, Obra não editada. PICCHIA, José Del, Filho e outros. Tratado de Documentoscopia Da Falsidade Documental, Pillares, São Paulo, 2005. PIRELLI DO BRASIL, Índices de Carga, site WWW.pirelli.com.br, acessado em 04/09/2010. PORTO, Gilberto. Manual de Criminalística. 2 ed. São Paulo: Sugestões Literárias S.A., 1969. PYE, Kenneth. Geological and Soil Evidence : Forensic Applications. CRC Press, Boca Raton, 2007. RABELLO, Eraldo. Balística Forense. Sagra-Luzatto, Porto Alegre, 1995. RABELLO, Eraldo. Contribuições ao Estudo dos Locais de Crime in Revista de Criminalística do Rio Grande do Sul, no 7, 1968, pp. 51 a 75. RABELLO, Eraldo. Curso de Criminalística. Rio de Janeiro: Ciência e Técnica, [s.d.].

108

REDSICKER, David R. and John J. O’Connor. Practical fire and arson investigation, second edition, Elsevier, 1985, New York. REPÚLICA FEDERATIVA DO BRASIL, Constituição Federal, Código Penal, Código de Processo Penal, Lei 5194/1966, LEI 5970/1973, 8.176, DE 8 DE FEVEREIRO DE 1991. RIBEIRO, Milton Lindberh. F. organizador do site, TABELA LEI Nº

COMPARATIVA DOS BOTIJÕES, 31/08/2010.

WWW.ciadogas.com.br, acessado em

RIFFITHS, Wessler, Lewontin, Gesbart, Suzuki e Miller, Introdução à Genética, 8º Edição, Guanabara Koogan, 2006.

SCHWOEBLE, A. J. e David L. Exline.Current methods in forensic gunshot residue analysis, CRC Press, Boca Raton, Florida, 2000.

SHKRUM Michael J.,David A. Ramsay Forensic Pathology Of Trauma Common Problems for the Pathologist Humana Press Inc. Totowa, New Jersey 2007.

STARK, Margaret M. Clinical Forensic Medicine A Physician's Guide 2ª. Edição, Humana, Totowa, New Jersey, 2005.

STUMVOLL, Victor Paulo, QUINTELA, Victor & DOREA, Luiz Eduardo. Criminalística. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 1999. TAVARES JÚNIOR , GILBERTO DA S. (1991) A Papiloscopia nos locais de Crimes, São Paulo, Ícone. THOMPSON, Tim and Sue Black, FORENSIC HUMAN IDENTIFICATION An Introduction, British Association for Human Identification BAHID, CRC Press, Boca Raton, FL, 2007. TOCCHETTO, Domingos (Org.). Tratado de Perícias Criminalísticas. Campinas: Millenium, 2003.

109

JORNAL

TRIBUNA

DO

BRASIL,

Brasília,

DF,

site

http://www.tribunadobrasil.com.br/site/?p=noticias_ver&id=15488, acessado em 31/10/210. UNITED STATES LIBRARY OF MEDICINE, site http://www.nlm.nih.gov, acessado em 16/09/2010. UNIVERSIDADE DE LIVERPOOL. http://www.enotes.com/forensic-

science/locard-edmond, acessado em 17/07/2010.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO, DEPARTAMENTO DE

GEOLOGIA, site www. UFOP.br, acessado em 14/09/2010.

WAGNER, Scott. Death Scene Investigation : A Field Guide. CRC Press, Boca Raton, 2009. WENDT, Sheila C. e DAL MOLIN, Denise C.C. Mudança de Cor do Concreto Exposto a Condições de Incêndio, disponível no site

WWW.acrigs.com.br, acessado em 02/09/2010. WWW.TALETYANO.COM, acessada em 01/08/2010, acessada em 01/08/2010.

110

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful