You are on page 1of 57

MANUAIS ADMINISTRATIVOS

INTRODUÇÃO

Manual é todo e qualquer conjunto


de normas, procedimentos,
funções, atividades, políticas,
objetivos, instruções e orientações
que devem ser obedecidos e
cumpridos pelos executivos e
funcionários da empresa, bem como
a forma como estes devem ser
executados, quer seja
individualmente, quer seja em
conjunto. 2
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Vantagens:
Correspondem a uma importante e constante
fonte de informações sobre os trabalhos da
empresa;
Facilitam o processo de efetivar normas,
procedimentos e funções administrativas;
Ajudam a fixar critérios e padrões, bem como
uniformizar a terminologia técnica básica do
processo administrativo. Com isso, possibilitam
a normatização das atividades administrativas;
Possibilitam adequação, coerência e
continuidade nas normas e nos procedimentos
pelas várias unidades organizacionais da3
empresa;
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Vantagens:
Evitam discussões e equívocos, muito
freqüentes, nas empresas em que não se
estabeleceu a versão oficial sobre os temas
suscetíveis de pontos de vista conflitantes;
Possibilitam treinamento aos novos e antigos
funcionários da empresa;
Possibilitam efetivo crescimento na eficiência e
eficácia dos trabalhos realizados;
Representam um instrumento efetivo de
consulta, orientação e treinamento na empresa;

4
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Vantagens:
Representam uma restrição para a
improvisação inadequada que aparece na
empresa nas mais variadas formas;
Aprimoram o sistema de autoridade da
empresa, pois possibilitam melhor delegação
mediante instruções escritas, proporcionando
ao superior controlar apenas os fatos que saem
da rotina normal, ou seja, o controle por
exceção;
Representam um instrumento que pode elevar o
moral do funcionário, pois possibilita que o
mesmo tenha melhor visão de sua5
representatividade na empresa;
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Vantagens:
Aumentam a predisposição do pessoal para
assumir responsabilidades, uma vez que aquilo
que tem de ser feito está claramente
estabelecido por escrito; e
Representam um legado histórico da evolução
administrativa da empresa.

6
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Desvantagens:
Constituem um ponto de partida, porém não a
solução para todos os problemas
administrativos que possam ocorrer na
empresa;
Sua preparação, quando malfeita, traz,
paralelamente, sérios inconvenientes ao
desenvolvimento normal das operações pelas
várias unidades organizacionais da empresa;
O custo de preparação e de atualização pode
ser elevado, dentro de uma relação de custo
versus benefícios identificada pela empresa;
São, em geral, pouco flexíveis; 7
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Desvantagens:
Quando não são utilizados adequada e
permanen-temente, perdem rapidamente seu
valor;
Incluem somente os aspectos formais da
empresa, deixando de lado os aspectos
informais, cujas vigência e importância para o
dia-a-dia da empresa são muito grande;
Quando muito sintéticos, tornam-se pouco úteis
e, por outro lado, quando muito detalhados,
correm o risco de se tornarem obsoletos diante
de quaisquer mudanças pequenas;
Diminuem a incidência do julgamento pessoal,
tornando-se, muitas vezes, um freio para a8
iniciativa e criatividade individual; e
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Desvantagens:
Seu uso pode ficar muito prejudicado e difícil
devido a uma redação pouco clara, prolixa,
deficiente e inadequada.

Requisitos básicos de utilização de


manuais administrativos:
Necessidade real e efetiva da empresa;
Diagramação estruturada e adequada para suas
finalidades;
Instruções autênticas, necessárias e suficientes;
Adequada flexibilidade;
9
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DE
MANUAIS ADMINISTRATIVOS
Requisitos básicos de utilização de
manuais administrativos:
Redação simples, curta, eficiente, clara e
inteligível, bem como bom índice ou sumário;
Distribuição a todos os funcionários que dele
necessitem;
Racional, adequada e aprimorada utilização
pelos usuários dos sistemas abordados no
manual; e
Um processo contínuo de revisão, atualização e
distribuição.

10
ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
Quando o analista de sistemas
elaborar um manual administrativo,
poderá utilizar um roteiro de trabalho
correspondente a uma análise
preliminar que considere, ente outros,
os seguintes aspectos:
Identificação dos sistemas a serem
considerados;
Seleção dos sistemas e subsistemas;
Seleção dos tópicos, assuntos ou matérias;
Estudo dos campos dos problemas;
Pesquisa e classificação das fontes de
informações; 11
Reconhecimento e definição dos problemas;
ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
Análises esquemáticas dos problemas
identificados;
Avaliação dos critérios e padrões de avaliação
dos problemas;
Apreciação e avaliação dos fatores dos
problemas;
Avaliação dos dados recolhidos;
Reunião, ordenação e análise de registros, fatos
e informações recolhidos;
Ensaios de possíveis soluções;
Ordenação e sistematização da exposição dos
processos, dados e informações; e
12
Escolha do estilo, forma de apresentação e
TIPOS DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS

Existem alguns tipos de manuais


administrativos que atendem a
diferentes tipos de necessidade da
empresa, a saber:
Manual de organização;
Manual de normas e procedimentos;
Manual de políticas e diretrizes;
Manual do empregado; e
Manual de finalidade múltipla.
13
MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

Esse manual também é denominado


de manual e funções.
Tem por finalidade enfatizar e
caracterizar os aspectos formais das
relações entre os diferentes
departamentos da empresa, bem como
estabelecer e definir os deveres e as
responsabilidades relacionados a cada
uma das unidades organizacionais da
empresa.
Pode-se afirmar que toda empresa,
independente de seu tamanho, deve14
ter o manual de organização.
MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

A. Finalidades:
Estabelecer as várias unidades organizacionais da
empresa;
Identificar o plano organizacional da empresa,
incluindo sua filosofia de gestão e de atuação;
Identificar, de maneira formal e clara, como a
empresa está organizada;
Estabelecer os níveis de autoridade e as
responsabilidades inerentes a cada unidade
organizacional da empresa;
Fazer com que as informações referentes à empresa
sejam elaboradas em conformidade com as políticas
e os objetivos gerais da empresa; e
Servir como base para a avaliação do plano
organizacional estabelecido para a empresa.
15
MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

B. Conteúdo:
Estabelecimento dos objetivos gerais e dos objetivos
setoriais da empresa;
Organograma geral e organogramas parciais, por
grande área ou divisão da empresa;
Relação das funções principais a serem executadas
pelas unidades organizacionais;
Relação de linha e de assessoria;
Níveis hierárquicos e amplitude de controle;
Grau de autoridade que cada um recebe e pode
delegar;
Aspectos de centralização e descentralização;
Interação com o sistema de comunicações; e
16
Interação com o sistema de informações e de
MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

Normalmente, esses manuais são mais


numerosos, bem como de utilização
mais acentuada na empresa.
Têm como objetivo descrever as
atividades que envolvem as diversas
unidades organizacionais da empresa,
bem como detalhar como elas devem
ser desenvolvidas.
Correspondem ao manual da parte dos
métodos, dentro da atividade de
organização e métodos (O&M). 17
MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

A. Finalidades:
Veicular informações corretas aos preparadores
das informações para serem processadas por
um centro de serviços;
Proporcionar, por intermédio de uma ou mais
unidades organizacionais, métodos que
possibilitam a execução uniforme dos serviços;
Atribuir às unidades organizacionais
competência para definição das informações
que são incluídas no manual; e
Coordenar as atividades das unidades
organizacionais, permitindo a consecução dos
propósitos da empresa.
18
MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

B. Conteúdo:
a) Normas: é a indicação de quem executa ou
pode executar os diversos trabalhos do
processo administrativo;
b) Procedimentos: é a indicação de como são
executados os trabalhos dentro do processo
administrativo;
c) Formulários: é a indicação dos documentos que
circulam no processo administrativo, bem como
da forma de manipulação;
d) Fluxogramas: é a indicação dos gráficos
representativos dos diversos procedimentos
descritos;
e) Anexos. 19
MANUAL DE POLÍTICAS E DIRETRIZES

Uma política ou diretriz pode ser


definida como um parâmetro para
toda a tomada de decisão. Portanto,
esse manual deve conter a descrição
detalhada e completa das políticas
que devem ser seguidas pelos
executivos e funcionários da empresa
no processo de tomada de decisões
que levam aos objetivos
estabelecidos.
As políticas ou diretrizes devem ser
bem fundamentadas e consistentes,
bem como baseadas em uma20
MANUAL DE POLÍTICAS E DIRETRIZES

A. Finalidades:
Padronizar, em nível desejável, os
procedimentos das atividades da empresa;
Criar condições para um adequado nível de
delegação na empresa;
Dar condições para que os executivos gastem
tempo apenas com as decisões que fujam dos
padrões normais da empresa;
Facilitar a concentração de esforços, visando
aos objetivos gerais da empresa; e
Criar condições para melhor avaliação do plano
organizacional da empresa.
21
MANUAL DE POLÍTICAS E DIRETRIZES

B. Conteúdo:
Políticas de marketing;
Políticas de tecnologia;
Políticas de logística;
Políticas de recursos humanos;
Políticas de produção; e
Políticas de finanças.

22
MANUAL DE INTRUÇÕES ESPECIALIZADAS

É aquele que agrupa normas e


instruções de aplicação específica a
determinado tipo de atividade ou
tarefa, como, por exemplo, “Manual
do vendedor” ou “Manual da
secretária”.
A apresentação desse tipo de manual
pela empresa é recomendável quando
o número de funcionários que podem
utilizá-lo é suficientemente grande
para justificar sua preparação.
23
MANUAL DE INTRUÇÕES ESPECIALIZADAS

A. Finalidades:
Possibilita maior e melhor treinamento e
capacitação a determinado grupo profissional
de funcionários; e
Proporcionar um guia de trabalho e consulta
para o grupo profissional.

24
MANUAL DE INTRUÇÕES ESPECIALIZADAS

B. Conteúdo:
Objetivos básicos;
Informações básicas sobre cargo e função;
Relação das tarefas básicas;
Interação dessas tarefas básicas com as tarefas
de outros cargos e funções da empresa;
Instruções básicas para execução das tarefas; e
Instruções básicas para avaliação das tarefas.

25
MANUAL DO EMPREGADO

São, particularmente, importantes em


empresas médias e grandes e sua
utilização aumenta muito nos níveis
intermediários e inferiores da
empresa.
Normalmente, o empregado recebe o
manual em seu primeiro dia de
trabalho na empresa. Para propiciar
maior motivação no uso, deve ter boa
diagramação e redação, bem como ser
impresso.
26
MANUAL DO EMPREGADO

A. Finalidades:
Proporcionar ao novo funcionário seu rápido
entendimento da empresa;
Propiciar bom clima e interação entre o
empregado e a empresa;
Explicitar deveres e direitos do empregado
perante a empresa; e
Facilitar o posterior treinamento do novo
empregado.

27
MANUAL DO EMPREGADO

B. Conteúdo:
Atividades desenvolvidas pela empresa;
Breve resumo histórico da empresa;
Objetivos gerais perseguidos pela alta
administração;
Explicação do sistema de autoridades;
Regime de incentivos;
Direitos e obrigações do empregado, de forma
geral;
Regime de sanções;
Formas de recorrer à administração da empresa
diante de eventuais conflitos;
Normas de comportamento básico e de
cumprimento obrigatório para todo o pessoal; e28
MANUAL DE FINALIDADE MÚLTIPLA

Em algumas situações, pode ser


interessante fazer um único manual,
que atenda aos vários aspectos
considerados pelos tipos apresentados
anteriormente. Geralmente isso ocorre
devido a:
Volume de atividades;
Número de empregados; e
Simplicidade da estrutura organizacional.

29
MANUAL DE FINALIDADE MÚLTIPLA

A. Finalidades:
Os benefícios básicos do manual de
finalidade múltipla são:

Informar os empregados sobre os mais variados


aspectos da empresa; e
Servir como base de treinamento e avaliação do
plano organizacional da empresa.

30
MANUAL DE FINALIDADE MÚLTIPLA

B. Conteúdo:
Título
Índice;
Prefácio de apresentação do manual;
Histórico da empresa;
Políticas gerais da empresa;
Aspectos básicos da organização e do
funcionamento da empresa;
Unidades organizacionais da empresa, funções,
autoridades e responsabilidades
Regulamento interno;
Equipamentos disponíveis e sua manutenção; e
Observações sobre o pessoal, tais como 31
contratação, promoções, rescisões, faltas e
ESTRUTURA DE UM MANUAL

Normalmente, um manual contém as


seguintes partes básicas:
Índice numérico ou sumário;
Apresentação;
Instruções para uso;
Conteúdo básico;
Apêndice ou anexo;
Glossário;
Índice temático; e
bibliografia. 32
ESTRUTURA DE UM MANUAL

A. Índice numérico ou sumário:


É o índice básico com a indicação do assunto e
do número da página. Deve ser suficientemente
detalhado para permitir a rápida localização da
informação necessária.

B. Apresentação:
Nessa parte do manual, é enfocado seu
objetivo. Geralmente, essa parte corresponde a
uma carta de apresentação assinada pelo
Presidente da empresa, que deve redigi-la de
forma que seja comunicada a todos os
funcionários a obrigatoriedade de respeito ao
33
conteúdo do manual.
ESTRUTURA DE UM MANUAL

C. Instruções para uso:


Essa parte deverá ser, suficientemente, clara e
objetiva para facilitar seu uso pelos vários
funcionários envolvidos no processo.
Algumas das instruções básicas devem ser sobre:
a disposição do conteúdo básico;
os princípios em que se baseiam os capítulos;
o sistema de codificação utilizado;
a utilização dos apêndices;
a utilização do glossário;
a utilização do índice temático;
a forma de atualizações e modificações efetuadas; e
a consulta de pontos não considerados ou que não estejam
34
suficientemente explicados.
ESTRUTURA DE UM MANUAL

D. Conteúdo básico:
Corresponde à parte do manual que, realmente,
possui todo o conteúdo principal, ou seja, a
razão de ser do manual. Como conseqüência, é
a parte mais extensa do manual.

E. Apêndice ou anexo:
Nessa parte são colocados formulários,
fluxogramas, organogramas, gráficos,
exemplos, etc.
O apêndice, quando utilizado, é representado
por instrumentos auxiliares para melhor
entendimento do manual. 35
ESTRUTURA DE UM MANUAL

F. Glossário:
O glossário é uma espécie de dicionário de
termos técnicos que serve para homogeneizar a
conceituação dos termos básicos utilizados no
manual.
Os termos são colocados em ordem alfabética.
G. Índice temático:
É o conjunto de temas relativos ao assunto do
manual e sua localização ao longo do manual.
Portanto, cada assunto pode ser localizado em
todos os momentos em que é abordado no
manual.
H. Bibliografia:
36
É uma lista das referências bibliográficas
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
Para a elaboração de um manual
administrativo, devem ser seguidas
algumas fases, que podem representar
um procedimento basicamente padrão. A
seguir é apresentado um modelo de fases
definição do objetivo do manual;
escolha do responsável pela preparação;
análise preliminar da empresa;
planejamento das atividades;
levantamento de informações;
elaboração propriamente dita;
distribuição;
Instrução aos usuários; e
acompanhamento do uso. 37
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
A. Definição dos objetivos do manual
administrativo:
É a definição da razão de ser do manual.
Essa é a primeira e básica das fases de
elaboração, pois do estabelecimento dos
objetivos a serem alcançados depende todo o
trabalho a ser desenvolvido posteriormente. É
importante que os objetivos sejam
estabelecidos da melhor maneira possível.
É necessário compreender e transmitir aos
usuários que um manual não é a solução
mágica de todos os problemas, mas que a
solução de muitos problemas pode ser
encaminhada por meio de um manual 38
adequado.
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
B. Escolha dos responsáveis pela
preparação do manual administrativo:
Nessa fase, é importante determinar o número
de pessoas, bem como o perfil técnico-
comportamental das pessoas que vão trabalhar
na elaboração do manual administrativo.
Outro aspecto é que deve ser decidido entre a
atuação de analistas internos da empresa e/ou
de consultores externos.
Outro aspecto é inerente ao uso de comitês ou
comissões de trabalho.

39
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
C. Análise preliminar da empresa:
Essa é a fase inicial de contato dos analistas da
empresa com os futuros usuários do manual.
Os responsáveis pela tarefa devem realizar
entrevistas com o pessoal de nível superior,
visitas às instalações da empresa, estudos de
documentação, tais como organogramas,
manuais preexistentes, balanços,
demonstrativos de custos, etc., e, em geral,
todo tipo de atividades que lhes permita um
conhecimento global da organização na qual
têm de desenvolver sua atividade.
40
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
D. Planejamento das atividades:
Nessa etapa, o analista deverá projetar seu
trabalho no tempo, devendo para isso definir,
claramente, a qualidade de informação a ser
levantada, as fontes da mesma, os
colaboradores de que vai necessitar e outros
recursos materiais.
Essa fase serve de base de sustentação para
todo o desenvolvimento posterior dos trabalhos.

41
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
E. Levantamento de informações:
Como o analista, nesse ponto, já tem
conhecimento do tipo, da quantidade, da
qualidade e da fonte de informações, nessa
fase ele utiliza determinadas técnicas para
levantamento das mesmas.
As principais técnicas de levantamento de
informações são:
c) Entrevistas
d) Observação direta
e) Questionário
f) Análise de documentação.
42
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
E. Levantamento de informações:
É muito importante que, ao final da fase de
levantamento, o analista estabeleça dois
aspectos:
b) Relevância da informação obtida, por meio da
análise mais adequada possível; e
c) Veracidade da informação obtida, por
intermédio de algum processo de verificação.
Somente com base nos resultados dessas
análises é que a informação obtida deve ser
passada para as fases seguintes como válida e
definitiva.
43
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
F. Elaboração:
Na fase de preparação definitiva do manual,
alguns fatores devem ser considerados pelos
analistas:
Redação;
Diagramação;
Formato;
Codificação;
Impressão;
Encadernação; e
Teste-piloto.
44
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
G. Distribuição:
O analista deve estabelecer, da maneira mais
completa, a relação dos destinatários do
manual.
Uma distribuição reduzida pode levar a:
Falta de conhecimento de determinados usuários; e
Falhas de operação de sistema.
Uma distribuição excessiva e indiscriminada
pode levar a:
Gastos inúteis; e
Interferências desnecessárias de quem não está
envolvido no assunto.
45
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
H. Instrução aos usuários:
Essa tarefa é responsabilidade dos analistas e
dos chefes das unidades organizacionais
envolvidas no processo. Em alguns casos, pode
ser envolvida a área de treinamento da
empresa.
Uma forma prática de cumprir essa tarefa é
criar situações cujas soluções dependam da
utilização do manual e mostrar, então, aos
usuários como recorrer a ele.

46
FASES DA ELABORAÇÃO DO MANUAL
ADMINISTRATIVO
I. Acompanhamento do uso:
Essa fase é de suma importância para verificar
a eficiência do manual. O analista deve utilizar
várias técnicas para verificação, tais como
entrevistas, observações, elaboração de
registros estatísticos, etc.
O processo de acompanhamento, para ter
maior validade, deve ser feito de forma
sistemática e contínua.

47
PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL

Nessa etapa, o analista de sistemas


deve estabelecer as medidas
necessárias para manter a validade
dos manuais.
Não obstante o caráter permanente
dos sistemas sobre os quais dispõe o
manual administrativo, a dinâmica da
empresa pode impor alterações em
seu contexto. Assim, as alterações
devem ocorrer por meio de:
revisão;
48
reemissão; e
PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL

A. Revisão:
Sempre que houver alterações que afetem
parte do manual administrativo, devem ser
emitidas revisões para substituir as partes
emendadas.
A revisão é uma nova impressão das folhas
corrigidas. Nesse caso, as folhas revistas
substituem a de número correspondente nas
publicações existentes.
A revisão do manual deve ser realizada com a
antecedência necessária em relação à data de
entrada em vigor, com o objetivo de que as
pessoas envolvidas tomem conhecimento da 49
mudança ocorrida.
PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL

B. Reemissão:
A reemissão é uma nova edição completa do
corpo do manual administrativo e/ou dos
elementos adicionais, que substitui a
publicação original e inclui todas as revisões.
A reemissão de uma norma administrativa
deve ocorrer sempre que as revisões afetarem
mais de 2/3 da publicação anterior.

C. Cancelamento:
O cancelamento de um manual administrativo
ou parte dele pode ocorrer com a publicação
da folha de cancelamento. 50
AVALIAÇÃO DOS MANUAIS
ADMINISTRATIVOS
Geralmente, as empresas não adotam
uma política de avaliar,
periodicamente, seus manuais.
Objetivando facilitar a avaliação de
um manual existente, é apresentada
a seguir uma lista de controle que
ajudará a cumprir essa tarefa:
O que pensam os usuários sobre o manual?
O título do manual é adequado e claro para
suas finalidades?
É de fácil leitura?
A encadernação é adequada?
Em que casos é consultado? 51
AVALIAÇÃO DOS MANUAIS
ADMINISTRATIVOS
Com que freqüência é consultado?
Contém instruções para sua utilização?
Permite localizar, facilmente, a informação
necessária?
O sistema de codificação é o mais adequado?
Existem ilustrações, exemplos, modelos que
facilitam a compreensão?
Está sempre atualizado?
A diagramação é boa?
Desde que o manual entrou em vigência,
foram observadas mudanças positivas na
forma de execução das atividades?
O conteúdo do manual fornece as soluções de
todas as situações que se apresentam? 52
ALGUNS FORMULÁRIOS PARA MANUAIS
ADMINISTRATIVOS
A. Formulário para o manual de
organização:
O manual é dividido em três partes:
– Na primeira parte, são descritas as atribuições
gerais das chefias, em função dos níveis
hierárquicos que ocupam na estrutura
organizacional.
– Na segunda parte, estão descritas as
atribuições específicas de cada uma das
chefias, compreendendo:
ligações hierárquicas imediatas;
responsabilidade básica;
atividades relativas a: planejamento, organização,
direção, pessoal e controle
53
7. Na terceira parte, é apresentado o
ALGUNS FORMULÁRIOS PARA MANUAIS
ADMINISTRATIVOS
A. Formulário para o manual de organização:
Exemplo de Folha de Atribuições Gerais:
Página:
Planos Manual de Organização
Data: __ / __ / __
Atribuições Gerais Pág. Substituta
Unidade: Gerência
Relativas a Planejamento, Direção e Controle
01. Procurar aperfeiçoar, continuamente, sua capacidade de liderança, iniciativa,
julgamento, decisão, convicção, entusiasmo e integridade pessoal
02. Manter-se atualizado com as modernas técnicas relativas às atividades que
desenvolve na empresa, transmitindo a seus subordinados os conhecimentos
necessários à boa execução dos trabalhos.
03. Promover e manter espírito de colaboração entre seus subordinados
04. Transmitir a seus subordinados diretos as diretrizes básicas para elaboração dos
planos de trabalho de suas unidades
05. Analisar os planos de trabalho das unidades que lhe são diretamente subordinadas,
procedendo às alterações, inclusões e exclusões julgadas necessárias
54
06.Colocar à apreciação de seu superior imediato o plano de trabalho elaborado para a
gerência e providenciar as alterações que lhe forem transmitidas
ALGUNS FORMULÁRIOS PARA MANUAIS
ADMINISTRATIVOS
A. Formulário para o manual de organização:
Exemplo de Folha de Atribuições Específicas:

55
ALGUNS FORMULÁRIOS PARA MANUAIS
ADMINISTRATIVOS
B. Formulário para o manual de
normas e procedimentos:
O manual é dividido em sistemas, os sistemas
em subsistemas e estes em rotinas;
Cada rotina é objeto de uma norma, cuja
estrutura é a seguinte:
Texto compreendendo: objetivo, campo de
aplicação, conceitos básicos e procedimentos
gerais.
Anexos, incluindo: fluxogramas, formulários,
tabelas e figuras.

56
ALGUNS FORMULÁRIOS PARA MANUAIS
ADMINISTRATIVOS
B. Formulário para o manual de normas e
procedimentos:
Exemplo de Folha de Manual de Normas e
Procedimentos:

57