BORDADO EM PEDRARIA

DICAS BÁSICAS
ÍNDICE 1. PEDRARIAS 2. LINHAS 3. COMO FAZER O NÓ NA LINHA 4. INICIANDO O BORDADO 5. FIM DO BORDADO – ARREMATE 6. TIPOS DE TECIDOS 7. DICAS PARA BORDAR
7.1 COMO AMPLIAR E REDUZIR DESENHOS 7.2 COMO INVERTER OS DESENHOS (ESPELHAR) 7.3 COMO ESCOLHER AS CORES DAS PEDRAS E TIPOS DE PONTOS 7.4 COMO TRANSFERIR OS RISCOS PARA AS ROUPAS 7.5 COMO BORDAR ROUPAS FORRADAS

PÁGINA 2 3&4 5 6, 7 & 8 9 & 10 11 12 & 13

8. SUGESTÕES PARA CALCULAR O PREÇO 9. IDÉIAS PARA COMEÇAR A VENDER

14 14

1

1. PEDRARIAS
As pedras básicas são miçanga, miçangão, vidrilho e canutilho. Podem ser de dois tipos: • Pedras comuns – observar a qualidade antes de comprar, pois costumam ser bastante irregulares; • Pedras Jablonex (tchecas) – bastante regulares, mais fáceis de trabalhar, deixam o bordado mais bonito.

Miçanga

Miçangão

Canutilho

Vidrilho

Lantejoula

2

2. LINHAS
Para bordar com pedrarias utilizar a linha na mesma cor do tecido. Para bordar com lantejoulas utilizar a linha na mesma cor da lantejoula. Nota: Nossos exemplos foram bordados com linhas coloridas apenas para facilitar a visualização e o
aprendizado.

2.1. TIPOS DE LINHAS: Linha de nylon invisível (própria para costura):
o Vantagem: é incolor, por isso serve para qualquer cor de tecido. o Desvantagens: não pode ser passada com ferro quente.

Embaraça bastante.
o Dicas: os arremates devem ser feitos e escondidos pelo lado

direito da roupa, pois a ponta da linha pode incomodar sobre a pele.

Linhas para costura:
o É importante trabalhar com linha de qualidade. Existem algumas

marcas que são muito frágeis e se partem com facilidade. A linha da marca Corrente é recomendável. Essa marca possui dois tipos: Corrente Drima e Corrente Laranja. Essa última é mais durável. o Vantagem: pode ser passada com ferro quente. o Dica: trabalhar sempre com linha dupla.

Linha 100% poliamida:
o Existem algumas marcas, porém a mais indicada, por embaraçar

menos, é a marca: Linhanyl nº 60. Pode ser encontrada em lojas que vendem acessórios para bijuterias ou artefatos para couro (é utilizada para costurar couro). o Vantagem: é uma linha altamente resistente. o Desvantagem: não pode ser passada com ferro quente. o Dicas: pode ser trabalhada com um fio. O acabamento deve ser reforçado, pois o nó desfaz com facilidade.

Linha Zebra Glacê - 100% algodão:
o Vantagem: é uma linha altamente resistente. o Desvantagem: só existe na cor branca. o Dica: é aconselhável trabalhar com dois fios

3

Linha DMC- Quilt:
o Vantagem: é uma linha altamente resistente. o Dica: pode ser trabalhada com um fio.

4

3. COMO FAZER O NÓ NA LINHA

Dar três voltas com a linha, na agulha. Segurar a agulha juntamente com a ponta da linha. Observe que a ponta da linha fica para baixo (seta) e a ponta da agulha para cima.

Segurar as voltas dadas com a linha com bastante firmeza e puxá-las até o fim da linha. • •

Cortar o excesso de linha, após o nó.

Você pode controlar o tamanho do nó pela quantidade de voltas que dá na agulha: para conseguir um nó maior dê mais de três voltas. Esse procedimento permite que seu avesso fique regular, pois os nozinhos ficarão todos do mesmo tamanho.

5

4. INÍCIANDO O BORDADO

O bordado pode ser iniciado de várias formas:

a) Com nó na linha, iniciando pelo lado avesso:

Fazer o nó na linha, conforme ensinado no item 3: – Como fazer o nó na linha -

Introduzir a agulha no tecido pelo lado avesso, antes do início do risco.

Fazer um alinhavo, com ponto bem pequeno, até o início do risco.

Próximos passos: • Fazer o nó de arremate antes do início do bordado, conforme ensinado a seguir. • Iniciar o bordado.

NÓ DE ARREMATE

Dar um ponto mínimo no tecido, bem próximo à linha.

Puxar até formar uma pequena laçada; passar a agulha por dentro dela.

Puxar a linha. Observe que se forma um pequeno nó.

Apesar do nome nó de arremate ele deve ser dado no início do bordado, pois ele é o responsável pela resistência do bordado, impedindo que comece a desmanchar pelo início. Não esqueça jamais de iniciar o bordado com o Nó de Arremate.

6

b) Com nó na linha, iniciando pelo lado direito:

Fazer o nó na linha, conforme ensinado no item 3: – Como fazer o nó na linha – O nó ficará pelo lado direito, então ele deve ser pequeno e bem feito (com uma ou duas voltas).

Introduzir a agulha no tecido pelo lado direito, antes do início do risco (desenho). Fazer dois alinhavos, com pontos bem pequenos, até o início do risco.

Observe que o nó ficou para o lado direito.

Iniciar o bordado. Fazer o nó de arremate, conforme ensinado anteriormente. Lembre que o bordado deve ser feito por cima do nó, para que ele não apareça.

Somente utilizamos esse tipo de início quando temos condições de bordar por cima do nó, de forma que ele fique escondido debaixo do bordado. Utilizado para: 1. Bordar calçados; 2. Bordar roupas forradas; 3. Bordados em geral quando não queremos o volume dos nós pelo avesso; 4. Quando é difícil enfiar a agulha pelo avesso (calças estreitas, mangas compridas, vestidos muito rodados, etc.).

7

c) Sem nó na linha, iniciando pelo lado direito:

Introduzir a agulha no tecido pelo lado direito saindo à frente, sem ter dado o nó na ponta da linha (seta).

A distância entre a “entrada” (1) e a “saída” (2) da agulha é de 1,5 cm. Se estiver trabalhando com roupa forrada, este ponto pegará somente o tecido de cima, deixando o forro livre.

Puxar a linha até que a ponta tenha desaparecido (seta).

Iniciar o bordado.

Fazer o nó de arremate, conforme ensinado anteriormente. Utilizado para: 1. Bordar calçados; 2. Bordar roupas forradas; 3. Bordados em geral quando não queremos o volume dos nós pelo avesso; 4. Quando é difícil enfiar a agulha pelo avesso (calças estreitas, mangas compridas, vestidos muito rodados, etc.).

8

5. FIM DO BORDADO – ARREMATE
PRIMEIRA ETAPA - Arremate

Fazer um nó de arremate, conforme ensinado anteriormente (no item 4). Introduzir a agulha no tecido, ao fim do bordado. Virar o tecido para o lado avesso.

Agora escolha uma das opções a seguir para cortar a linha. Dar o segundo nó de arremate, mas desta vez, ao invés de pegar no tecido, pegue o fio do nó anterior. Puxar a linha até formar a laçada e passar por dentro dela, fazendo o segundo nó. Dois nós foram dados ao final do bordado, a fim de garantir resistência e durabilidade.

SEGUNDA ETAPA - Arremate
PRIMEIRA OPÇÃO Cortar a linha deixando uma ponta de 1 cm: SEGUNDA OPÇÃO Esconder a linha na trama do tecido:

Acabamento para qualquer tecido, mas principalmente para lycra, cotton, tricô, malha ou tecidos semelhantes.

Utilizado para tecidos grossos como jeans, brim, entre outros.

9

TERCEIRA OPÇÃO Prender a ponta entre os próprios pontos do bordado pelo lado avesso.

QUARTA OPÇÃO Em roupas com forro a ponta deve ser escondida por dentro dele: • • Depois do arremate final introduza a agulha no tecido (sem pegar o forro) e saia bem à frente (2 cm). Corte a linha rente, assim a ponta ficará dentro do forro.

• • •

Passar a agulha no primeiro ponto do bordado (lado avesso). Passar no segundo ponto. Cortar a ponta.

QUINTA OPÇÃO • Alinhavar, com pontos mínimos, por debaixo do bordado pelo lado avesso. Quanto menores os pontos do alinhavo, mais firme ficará o acabamento. Cortar a linha bem rente ao alinhavo.

10

6. TIPOS DE TECIDOS
6.1 TECIDOS NÃO ELÁSTICOS
Para os tecidos não elásticos não existem regras de bordado; pode ser feito qualquer tipo de ponto ou preenchimento e usar qualquer tipo de pedra, sem nenhuma preocupação.

6.2 TECIDOS ELÁSTICOS
Para os tecidos elásticos é aconselhável bordar com pontos que também sejam elásticos: Ponto Trança e Ponto Enviesado. Utilizando esses dois pontos não haverá nenhuma preocupação, pois eles se esticam e acompanham a elasticidade do próprio tecido.

Ponto Trança

Ponto Enviesado

Isso não significa que nenhum outro ponto possa ser bordado sobre os tecidos elásticos; tudo pode ser usado, mas com moderação e seguindo algumas observações básicas: 1. Não é aconselhável utilizar vidrilho ou canutilho, pois eles possuem as bordas cortantes e o “estica-encolhe” das malhas acaba cortando a linha. 2. Nos tecidos elásticos os pontos devem ser bordados na vertical, assim a elasticidade horizontal da blusa (roupa) não se perde.

Bordado feito na vertical e em zig-zag. Cada cor representa uma carreira.

Bordado feito na vertical

Desenhos fechados podem ser bordados começando do contorno externo. Depois as carreiras internas são bordadas seguindo sempre o contorno. Na figura acima, cada cor representa uma camada. O desenho também pode ser todo preenchido bordando carreiras lado a lado na vertical.

11

7. DICAS PARA BORDAR
7.1 COMO AMPLIAR E REDUZIR DESENHOS:
A maneira mais prática é recorrer às máquinas copiadoras (xerox). Elas permitem ampliar e reduzir desenhos em várias proporções... 10% ... 30% ... 50% ... etc. Se os desenhos estiverem digitalizados, insira dentro de um documento do Word. Clique sobre a figura e aparecerão quadradinhos ao redor do desenho; coloque o mouse sobre os quadradinhos e puxe ou encolha para redimensionar. Puxe sempre os quadradinhos do canto para que a figura redimensione mantendo as proporções originais.

7.2

COMO INVERTER OS DESENHOS (ESPELHAR):

Copie o desenho em papel de seda, em seguida, reforce o risco pelo lado do avesso. O risco do lado avesso é o desenho espelhado.

7.3 COMO ESCOLHER AS CORES DAS PEDRAS E TIPOS DE PONTOS:
A escolha está relacionada aos itens: 1. Estilo da roupa; 2. Desenho escolhido; 3. Ocasião de uso (festa, dia-a-dia, noite, etc.); 4. Efeito desejado; 5. Gosto pessoal. Para facilitar a decisão: pegue a roupa que deseja bordar e transfira o desenho, em seguida, coloque várias cores de pedras sobre a roupa e dentro do risco, arrumando-as como se já estivessem bordadas. Observe o efeito que causam e faça então, a sua escolha. Obs.: a colocação das pedras dentro do risco é importante, pois proporciona uma noção do resultado final do bordado. • Para um efeito mais delicado, pode optar pelo Ponto Alinhavo, utilizando vidrilhos ou miçangas;

12

Para bordados mais carregados, pode optar pelo contorno do desenho com Ponto Reto, preenchendo-o com os Pontos Salpicado ou Escama de Peixe; a mistura de pontos enriquece o bordado.

A escolha dos pontos causa diferentes efeitos: utilizando o mesmo risco em várias roupas, mas bordando-os com pontos diferentes, o resultado será tão diversificado que o risco não parecerá ser o mesmo. Experimente!

7.4 COMO TRANSFERIR OS RISCOS PARA AS ROUPAS:
Copie o risco para um papel de seda e escolha uma das opções: 1. Prenda o papel de seda sobre a roupa com alfinetes. Com o Lápis Giz (para costura) pontilhe todo o desenho perfurando o papel de seda e marcando o tecido. Para facilitar, pode molhar a ponta do lápis ou deixá-la bem afiada. Retire o papel e reforce o risco unindo os pontinhos. O lápis 6B ou 8B preto (para desenho) também podem ser utilizados. 2. Coloque o papel de seda sobre a roupa; prenda com alguns alfinetes e alinhave todo o risco na roupa, sobre o papel. Rasgue o papel de seda delicadamente e borde sobre o alinhavo. Essa técnica é ótima quando não se pode deixar nenhuma marca de risco no tecido. 3. Utilize carbono próprio para costura (faça um teste antes de usar, pois algumas marcas/cores de carbono não estão apagando depois da lavagem). Coloque dentro da roupa uma placa de eucatex ou semelhante, para facilitar a transferência do desenho. Coloque sobre o papel de seda uma folha de celofane (plástico incolor) para evitar que o papel de seda se rasgue ao passar o lápis por cima quando for transferir o risco. 4. Para tecido de cor clara: reforce o desenho (no papel) com uma canetinha grossa. Coloque o desenho debaixo da roupa, se o tecido for claro o risco ficará visível, então basta riscar diretamente sobre a roupa com o lápis giz ou preto 6B ou ainda a caneta mágica (que apaga depois de algumas horas ou após a lavagem). Para facilitar ainda mais, trabalhe em cima de uma mesa de vidro e acenda, debaixo dela, uma luminária.

7.5 COMO BORDAR ROUPAS FORRADAS:
Inicie o bordado optando pela modalidade: SEM NÓ, PELO LADO DIREITO. Tome o máximo de cuidado possível para bordar sem costurar o forro; ele deve ficar livre. Somente na hora de arrematar é que o faremos pelo avesso, lembrando de esconder a ponta da linha dentro do forro.

13

8. SUGESTÕES PARA CALCULAR O PREÇO DE UM BORDADO
Uma das perguntas mais freqüentes é: Quanto cobrar por um bordado? Para responder, alguns fatores devem ser considerados: 1. Custos; 2. Material utilizado; 3. Despesas com transporte ou combustível; 4. Outros gastos; 5. Poder aquisitivo do seu público alvo (classe social); 6. Local de venda da mercadoria: comércio local, shopping, feira, etc.

Uma das formas mais fáceis para definir o valor é fazer uma pesquisa de preços em lojas onde o seu público costuma comprar. Com base nesta pesquisa você pode definir o preço do seu produto. Existem muitas outras técnicas para chegar-se a um preço final, porém lembre-se que o mais importante é sentir-se satisfeito com a recompensa do trabalho.

9. IDÉIAS PARA COMEÇAR A VENDER
• • • • • Use roupas bordadas por você. A imagem pessoal é a primeira propaganda. Crie um nome para sua marca, mesmo que seja somente para vender em casa, se possível mande confeccionar uma etiqueta. Faça um cartão de visita e não perca nenhuma oportunidade em distribuí-lo. Tenha sempre peças bordadas para pronta entrega; elas servem como mostruário e também, para mostrar a qualidade de seu trabalho. Crie uma embalagem diferente para vendas comuns e para presente. Seja sempre original. É importante ter um catálogo para que o cliente possa conhecer seu trabalho e escolher modelos: 1. Fotografe todas as peças que você bordar e monte seu catálogo. Experimente, ao invés de fotografar, tirar xerox colorida das roupas ou escanear. Dá um ótimo resultado! 2. Coloque também, páginas de revistas com roupas bordadas e riscos variados. • Borde diversas peças e promova (pode ser em sua própria casa) um lanche com chá, café, sucos, bolos e biscoitinhos. Convide todos os parentes, vizinhos e amigos para conhecer sua nova atividade. O custo não é alto e representa uma ótima propaganda. Você não preferiria encomendar um serviço com uma pessoa conhecida? Algumas empresas e órgãos públicos possuem ambiente específico para exposições, muitas vezes organizados por grêmios. Procure se informar diretamente nesses locais. Participe de feiras, exposições e eventos. Informe-se na administração, prefeitura ou órgão específico de sua cidade, bairro, etc. Faça contato com lojas e butiques para venda ou consignação de suas peças. Distribua seu cartão de visitas em armarinhos, lojas de tecidos, lojas de acessórios, etc. Coloque anúncio no jornal de sua cidade, um banner ou faixa na sua casa, anúncios na Internet, etc.

• • • • •

Bons bordados!
14