You are on page 1of 1

A RESSIGNIFICAÇÃO DOS VALORES FUNDAMENTAIS NA PRÁTICA

EDUCATIVA

Marcos Alexandre Alves1


Carla Regina Salau da Rocha Alves2

Resumo

Pretendemos apresentar, neste trabalho, a importância de se resgatar e ressignificar, hoje, os


valores fundamentais na prática educativa. Preocupar-nos com a conduta ética não é privativo
dos idosos ou dos formados. Assim como o aprendizado técnico é uma gradual evolução sem
previsão de termo final, assimilar valores éticos e empenhar-se em vivenciá-los deve ser
tarefa de uma vida toda. As crianças, os adolescentes e os jovens precisam receber noções de
postura compatível com as necessidades de convivência. Não é fácil habituar-nos para o
cuidado, à responsabilidade, à verdade, à lealdade, à liberdade, aos limites, ao
companheirismo e à solidariedade, principalmente, para quem nasce numa era competitiva,
em que se deve levar vantagem em tudo. Uma sociedade enferma, a conviver tranqüilamente
com o marginalizado, a se despreocupar com o idoso, a agredir a natureza e o patrimônio
alheio, pode ser escola cruel das futuras gerações. Nem por isso se deve abandonar o projeto
de torná-las mais sensíveis e solidárias. De um ideal de formação em que a razão e a
informação prevaleceram deve-se partir para novo paradigma. É hora de descobrir canais
pouco utilizados, como os sentimentos, as sensações e a intuição. Se a humanidade não se
converter e não vivenciar a solidariedade, pouca esperança haverá de subsistência de um
padrão civilizatório preservador da dignidade da pessoa humana. Em se tratando de educação
para os valores fundamentais, a melhor lição é o exemplo. Temos falhado ao legar à juventude
um modelo pobre de convivência. Estamos nos acostumando a uma sociedade egoísta,
hedonista, imediatista e consumista. Neste sentido, nunca foi tão necessário, como hoje se
mostra, reabilitar a Ética. A crise da humanidade é uma crise de valores. Os descaminhos da
criatura humana, refletidos na violência, no egoísmo e na indiferença pela sorte do
semelhante, assentam-se na perda de valores fundamentais. De nada vale reconhecer a
dignidade da pessoa humana, se a conduta pessoal não se pautar por ela. Se vier a ser
recomposto e ressignificado o referencial de valores fundamentais de orientação do
comportamento, será possível a formulação de um futuro mais promissor para a humanidade.
Portanto, acreditamos que este é o papel de uma educação ética no início do Século XXI.

Palavras-chave: Educação, Valores, Ética, Sociedade

1
Mestre em Filosofia pela UFSM. Professor do Curso de Filosofia da UNIFRA.
2
Acadêmica do Curso de Pedagogia da UNIFRA.