P. 1
Anexo 1 Competências e Aprendizagens essenciais da Educação Pré-Escolar

Anexo 1 Competências e Aprendizagens essenciais da Educação Pré-Escolar

|Views: 1,293|Likes:
Published by bannyzita

More info:

Published by: bannyzita on Nov 15, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/18/2013

pdf

text

original

Direcção Regional de Educação do Norte

Anexo 1 Perfil de Competências para as Crianças dos JI do Agrupamento
Agrupamento Vertical de Escolas de Campo

Triénio 2008/2011

Índice
1- Fundamentação 2- Procedimentos de Organização e Gestão do Currículo 3- Competências Gerais a Atingir pelas Crianças/Alunos desde o JI até ao Final do Ensino Básico 4- Competências Transversais a Atingir pelas Crianças/Alunos desde o JI até ao Final do Ensino Básico 5- Competências Gerais a Atingir pelas Crianças ao longo da Educação Pré-Escolar 6- Competências Específicas e Núcleos de Aprendizagem a Atingir pelas Crianças de 3, 4, e 5 Anos de acordo com as Áreas de Conteúdo 7- Perfis de Competências 7.1 No Final dos 3 Anos a crianças deve ser capaz de 7.2 No Final dos 4 Anos a crianças deve ser capaz de 7.3 No Final do JI a crianças deve ser capaz de 8- Mecanismos de avaliação na Educação Pré-Escolar 8.1 Critérios de avaliação 9- Itens para a elaboração do Projecto Curricular de Grupo 10- Itens para a avaliação do Projecto Curricular de Grupo

1- Fundamentação
A escola de hoje confronta-se com inúmeros desafios, entre os quais se destacam a mutabilidade do conhecimento e a diversidade. Pelo que ao falarmos em educação de infância e educação básica é importante ter presente que a cultura geral que todos devem desenvolver como consequência da sua passagem pela escola/jardim de infância pressupõe a aquisição de um certo número de conhecimentos e a apropriação de um conjunto de processos fundamentais providos de elementos de compreensão, interpretação e resolução de problemas. A “aquisição progressiva de conhecimentos é relevante se for integrada num conjunto mais amplo de aprendizagens e enquadrada por uma perspectiva que coloca no primeiro plano o desenvolvimento de capacidades de pensamento e de atitudes favoráveis à aprendizagem” (DEB/ME, 2001). Falamos assim, de uma noção de competência, que procura integrar conhecimentos, capacidades e atitudes e que não se confunde com objectivos terminais em cada etapa do percurso de educação, de ensino e de aprendizagem. Caberá, então, à escola/jardim de infância orientar a sua acção de forma adequada, flexível e diferenciada. Pelo que o Perfil de Competências que será de seguida apresentado teve por base as orientações curriculares para os jardins de infância e o perfil de competências definido pelo Ministério da Educação para o ensino básico e sustenta-se nos objectivos e metas definidas no PE do Agrupamento, as características dos diferentes cenários e contextos vividos nas diferentes escolas e jardins de infância do Agrupamento bem como os diferentes públicos e recursos disponíveis. Assim, a organização do perfil de competências para as crianças dos jardins de infância e para os alunos do 1º,2ºe 3.º CEB deste Agrupamento integra, primeiramente, as competências gerais e transversais desde o jardim de infância até ao final do ensino básico (que todos os educadores e professores deverão ter presente ao longo da sua prática pedagógica), seguindo-se as competências gerais que a criança deve adquirir ao longo da educação pré-escolar e as competências específicas e respectivas aprendizagens essenciais, por áreas de conteúdo.

3

Lei nº 5/97): a) Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática numa perspectiva de educação para a cidadania.2. livre e solidário. Estes objectivos gerais constituem para os educadores de infância pontos de referência para delinearem os princípios pedagógicos que devem sustentar os Projectos Curriculares de grupo (PCG) e que devem ter em conta: A pessoa integrada. 4 . d) Estimular o desenvolvimento global da criança. nomeadamente no âmbito da saúde individual e colectiva. A acção educativa que deve ser global e auto-estruturante. c) Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para o sucesso da aprendizagem. Deste princípio decorrem os seguintes objectivos gerais definidos para a educação de infância (Lei Quadro da Educação Pré-Escolar. de informação. cognitivo e afectivo. f) Despertar a curiosidade e o pensamento crítico. favorecendo uma progressiva consciência como membro da sociedade. de sensibilização estética e de compreensão do mundo. com a qual deve estabelecer estreita relação. no respeito pelas suas características individuais. b) Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos. O meio como o factor que possibilita a acção educativa. i) Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva colaboração com a comunidade. geradora de informação e capaz de se autoconstruir. activa. nos âmbitos motor. interactivamente com o meio. favorecendo a formação e o desenvolvimento equilibrado da criança. sendo esta o eixo e o fundamento da educação. tendo em vista a sua plena inserção na sociedade como ser autónomo. sendo complementar da acção educativa da família. e) Desenvolver a expressão e a comunicação através de linguagens múltiplas como meios de relação. no respeito pela pluralidade das culturas. g) Proporcionar à criança ocasiões de bem-estar e de segurança. h) Proceder à despistagem de inadaptações deficiências ou precocidades e promover a melhor orientação e encaminhamento da criança. incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diferenciadas.Procedimentos de Organização e Gestão do Currículo A Lei-Quadro prescreve que a educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida. pelo que deve situar-se entre o estado evolutivo da criança e o meio em que esta se desenvolve.

estruturas flexíveis e ordenadas de planificação da acção educativa assentam nos seguintes fundamentos articulados a ter em conta:. A criança é o sujeito construtor. Desta forma a organização educativa e curricular dos jardins de infância não deverá ser feita em função da escolaridade obrigatória. da comunidade e a articulação com outros níveis de ensino. o foco central do processo educativo. A Educação Pré-escolar constitui uma resposta a todas as crianças. o que pressupõe uma pedagogia centrada na cooperação. Assim. como esquemas organizadores. enquanto orientado para a consecução dos objectivos delineados. O processo educativo. O desenvolvimento e a aprendizagem são vertentes indissociáveis. O saber constrói-se de forma articulada. A integração teórico-prática como o meio ou instrumento que torna possível o progresso qualitativo da acção pedagógica. 5 . nomeadamente o 1º CEB. o papel das áreas de conteúdo. d) A continuidade educativa. Também se devem reflectir nesse currículo os interesses das famílias. aceitando as diferenças. O jogo como o recurso. Ao planificar as situações de aprendizagem o educador tem de atender às competências especificas e aprendizagens essenciais inerentes às diferentes áreas de conteúdo. deve guiar e potenciar os processos de amadurecimento. de evolução e desenvolvimento das crianças. jardim de infância e meio) que estão ao serviço da criança.Os agentes educativos pessoais (pais. educadores) e instrumentais (família. daí o seu trabalho conjunto. b) A organização do ambiente educativo. apoiando as aprendizagens e respondendo às necessidades individuais. o que significa que se deve partir do que a criança já sabe e valorizar os seus saberes como fundamento de novas aprendizagens. terá em conta: a) Os objectivos pedagógicos para a educação de infância (Lei nº 5/97). em cada sala de JI. c) As áreas de conteúdo. o desenvolvimento curricular. o que implica uma abordagem transversal. estruturas flexíveis e ordenadas de planificação da acção educativa assim como à articulação entre as mesmas. como esquemas organizadores. Desta forma cada criança beneficia de um processo educativo desenvolvido em grupo. mas deverá proporcionar às crianças condições para que obtenham sucesso na etapa seguinte. globalizante e integrada dos conteúdos contemplados nas diferentes áreas de conteúdo. Por isso. eixo essencial da acção educativa nesta etapa.

A relação com os pais e com outros parceiros educativos. contemplando: • • • • A observação. A organização do tempo. comporta diferentes níveis de interacção. A organização do ambiente educativo como suporte do trabalho curricular e potenciador da articulação de conteúdos. planeamento. E concretizando no PCG. A avaliação. através da sua concepção e desenvolvimento. as opções educativas que adopta. Nesta perspectiva o educador é o gestor do currículo. A organização do espaço. isto é. em função do seu contexto educativo específico.e) A intencionalidade educativa que decorre do processo reflexivo de observação. 6 . A organização do ambiente educativo. acção e avaliação desenvolvido pelo educador adequando a sua prática curricular às necessidades das crianças. A planificação das actividades. A organização do estabelecimento educativo (JI). diferentes dimensões curriculares: • • • • • A organização do grupo. como suporte do trabalho curricular.

14. Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço. Adoptar metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagem adequadas a objectivos visados. Procurar uma actualização permanente face às constantes mudanças tecnológicas e culturais. Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural.3. 4. na perspectiva de construção de um projecto social e profissional. Realizar actividades de forma autónoma. Participar na vida de forma cívica e responsável. situações e culturas de acordo com os respectivos quadros de referência. 7 . sexual e outras. Usar correctamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio. 15. 10.Competências Gerais a Atingir pelas Crianças/Alunos desde o JI até ao Final do Ensino Básico 1. 7. religiosa. seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. Usar línguas estrangeiras para comunicar adequadamente em situações do quotidiano e para apropriação de informação. Mobilizar saberes culturais. Cooperar com os outros em tarefas e projectos comuns. responsável e criativa. 12. científico e tecnológico para se expressar. sociais e geográficos. 11. Contribuir para a protecção. 8. históricos. Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões. 2. Respeitar a diversidade cultural. 9. 13. Interpretar acontecimentos. 6. científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano. 5. segurança e higiene do meio ambiente. 3. Pesquisar. numa perspectiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida.

problemas a resolver e do contexto das situações. Métodos de trabalho e de estudo Identificar. seleccionar e aplicar métodos de trabalho e de estudo. nomeadamente a linguagem corrente ou a linguagem matemática de acordo com os contextos e as necessidades. Estratégias cognitivas Relacionamento interpessoal e de grupo • • • Identificar elementos constitutivos das situações problemáticas. individuais e colectivas. Analisar a adequação dos métodos de trabalho e de estudo formulando opiniões. Escolher e aplicar estratégias de resolução. tratar e produzir informação em função das necessidades. Utilizar diferentes formas de comunicação verbal.Competências Transversais Atingir pelas Crianças/Alunos desde o JI até ao Final do Ensino Básico Competências Transversais • • • • • • Situações de Aprendizagem Participar em actividades e aprendizagens. definidas pela comunidade escolar nos seus vários contextos. regras e critérios de actuação pertinentes. Tratamento da informação Pesquisar. Comunicação • Resolver dificuldades ou enriquecer a comunicação através da comunicação não verbal com aplicação das técnicas e dos códigos apropriados. emitindo sugestões e propondo alterações. 8 . de acordo com as regras estabelecidas. Conhecer e actuar de acordo com as normas. nomeadamente pela sala de aula. Exprimir dúvidas ou dificuldades. organizar.4.

3. sequencialização. Usar correctamente a língua materna para pensar. Realizar actividades específicas deste nível de educação de forma autónoma e responsável. 2. Compreender referências culturais e cientificas básicas para compreender a realidade e saber actuar no seu quotidiano. 6. iii. estratégias de resolução de problemas e de aquisição de conhecimentos. Destes objectivos decorrem as competências gerais que a criança deve adquirir ao longo da Educação Pré-Escolar: 1. 7.persistência. Organizar e registar informação recolhida em fontes de diversa natureza.autonomia na higiene e na alimentação. b. flexibilidade e condutas de cooperação. Psicomotores – adequada organização e estruturação espacio . 5. Cognitivos: i. c. 4.temporal. Trabalhar em cooperação com os outros. compreender e comunicar. interacção com os adultos. Conceptualização .captação de estímulos e observação sistemática.5.Competências Gerais a Atingir pelas Crianças no Final da Educação PréEscolar Como anteriormente referimos a Lei-Quadro para a Educação Pré-Escolar (Lei nº5/97) define os objectivos gerais para este nível de educação. Saber aplicar as pré-aptidões: a. Percepção . Sócio-Emocionais . Atenção . curiosidade e exploração.antecipação. Compreender e utilizar formas de expressão não verbal. 9 . ii.

• Localizar os diferentes órgãos dos sentidos e conhecer as suas funções. Promover uma educação para a cidadania e multiculturalidade. crianças e adultos. 10 . Respeitar as características corporais dos outros. a higiene. num processo que implica o desenvolvimento de atitudes e valores. o vestuário. Área de Formação Pessoal e Social Objectivos do Educador: Fomentar a autonomia e a responsabilidade. Desenvolvimento Afectivo e Socialização. Reconhecer que cada um é • distinto dos outros de forma a homens e mulheres. Reconhecer as diferenças sexuais existentes entre meninos e meninas. Revelar atitudes de respeito. tem a ver com a forma como a criança se relaciona consigo própria. A saúde e o cuidado do corpo • Adquirir e aplicar hábitos e atitudes. Esta área de conteúdo integra dois âmbitos curriculares: A criança e o seu corpo. 4.Competências Específicas e Aprendizagens Essenciais para as Crianças de 3. relacionados com a alimentação. Progredir no reconhecimento da autoria dos próprios actos. Âmbito . partilha. dentro de um espírito democrático e participação activa. desenvolvendo atitudes de auto-estima. colaboração. Adquirir o domínio das condutas de alimentação. Ter consciência de si e dos outros. identidade pessoal e social. socialmente adequadas. o fortalecimento da saúde e da segurança pessoal. com os outros e com o mundo. Ser capaz de identificar as • suas características qualidades pessoais.Desenvolvimento Afectivo e Socialização Procura da Identidade própria • • Adquirir uma imagem ajustada de si próprio. identificando as características e qualidades pessoais. ajuda e cooperação. Ser capaz de atitudes de • • Utilizar as capacidades sensitivas do corpo para o conhecimento dos objectos. Reconhecer os seus laços de pertença a uma comunidade. aumentar a sua auto-estima e Sensações e percepções autonomia pessoal. Aprofundar o conhecimento de si próprio e do outro. Conhecer as diferentes partes do corpo e as possibilidades motoras. valorizando a diferença e o respeito pelo outro Competências Específicas Ter o domínio da Aprendizagens Essenciais Âmbito – A Criança e o seu Corpo sua Conhecimento do próprio corpo • e • • Progredir na consecução do próprio esquema corporal. percebendo as suas normas e valores culturais. e 5 Anos de acordo com as Áreas de Conteúdo Área de Formação Pessoal e Social A área de formação pessoal e social integra todas as outras áreas de conteúdo pois. Ser capaz de cumprir regras estabelecidas.6 . Desenvolver uma imagem correcta e positiva do próprio corpo.

Desenvolver uma estabilidade afectiva e uma auto-estima adequada. Desenvolvimento harmónico da afectividade Identificar os próprios sentimentos.tolerância. Incrementar a confiança e a segurança básicas. ajuda e cooperação. Desenvolver atitudes de respeito. Socialização • • • Tomar consciência dos outros e estabelecer com eles relações de comunicação e integração grupal. necessidades e apelos… de outras crianças e adultos. emoções e necessidades e comunicá-los aos outros. Desenvolver a iniciativa e a tomada de decisões em actividades usuais. planificar e sequenciar a própria actividades para resolver tarefas simples. colaboração. 11 . Autocontrole Adquirir a coordenação e o controle gerais adequados para a execução de tarefas da vida quotidiana e de actividades lúdicas. compreensão solidariedade. respeito pela diferença. Tomar a iniciativa. fomentando a solidariedade. compromisso e lealdade. Desenvolver condutas específicas de autocontrole. Desenvolver o sentido de responsabilidade. assim como identificar e respeitar os dos outros. • do outro e • • • • • • • • • Desenvolver a própria autonomia pessoal. Assimilar as normas e valores culturais da própria comunidade (família. que permitam ajustar o próprio comportamento às exigências. Adquirir confiança nas próprias possibilidades e actuar com segurança. jardim de infância).

Competências Específicas: Esquema corporal Ser capaz de identificar e • localizar as diferentes partes • do corpo. • • • • Estabelecer uma nítida diferenciação entre o próprio corpo e o espaço exterior. saltar… coordenando os diversos movimentos implicados. respeitante a um ou a vários pontos de referência. indispensáveis para a criança representar o seu mundo interior e o mundo que a rodeia. que se consideram dever estar intimamente relacionados.Área de Expressão e Comunicação Nesta área distinguem-se vários domínios curriculares – Domínio das expressões (âmbito da expressão motora. possibilidades Ser capaz de se espaciar Organização espacial tendo como referência o seu • Desenvolver a organização espacial. porque todos eles se referem à aquisição e à aprendizagem de códigos que são meios de relação com os outros. Deslocar-se no espaço próximo. de recolha de informação e de sensibilização estética. seguindo traçados e itinerários simples. Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita e o domínio da matemática -. motoras. próximo e distante. Desenvolver a coordenação visual-motora global e aplicada à manipulação dos objectos. lateralidade. Saber utilizar as suas • Aprendizagens Essenciais Iniciar e confirmar a definição da própria lateralidade. a partir da interiorização das noções próprio corpo (conceito de espaciais básicas. Área de Expressão e Comunicação Domínio das Expressões Âmbito . Desenvolver a orientação espacial e a direccionalidade do movimento.Expressão Motora Objectivos do Educador: Favorecer o desenvolvimento e estruturação do esquema corporal no que diz respeito à consciência do seu próprio corpo: respiração. correr. Desenvolver o equilíbrio e o controle da postura. Identificar e descrever a ordenação espacial de objectos situados à sua volta. Controlar as diferentes formas de deslocação: andar. coordenação e equilíbrio corporal e coordenação óculo-manual (motricidade global e fina). Organização temporal 12 . expressão plástica e expressão musical). • sensitivas e expressivas. expressão dramática. Proporcionar actividades que contribuam para um maior desenvolvimento sensorial da criança e um melhoramento da sua orientação espaçio-temporal. lateralidade).

• • espontâneas Aprendizagens Essenciais Desenvolver diferentes formas de expressão/comunicação criativas e Exprimir sentimentos. Motivar a criança para a música. Competências específicas: Saber produzir sons com o • próprio corpo e com • • instrumentos musicais. desejos e ideias por meio do corpo. criatividade e comunicação com os outros. Competências Específicas: Saber utilizar o seu corpo • para se expressar de forma espontânea e criativa. Conseguir uma expressão criativa através das formas dramáticas. Perceber e estruturar cognitivamente as noções relativas à velocidade das acções e dos acontecimentos. • • Saber tomar decisões em • conjunto respeitando o outro. Potenciar os processos de expressão coordenada. Iniciar a criança na audição e fruição da música. para que esta percepcione. Desenvolver a imaginação e a criatividade através de jogos dramáticos. Aumentar a capacidade de vivênciar e assumir papéis sociais. racionalize e descubra como expressar-se através dele. Produzir sons com o próprio corpo e com instrumentos musicais. Aprendizagens Essenciais Educação auditiva e musical Potenciar a discriminação perceptiva e a memória auditiva. Aplicar. nas acções quotidianas e nos jogos. Saber estar e agir em grupo • numa relação de colaboração • e cooperação e inter-ajuda. Favorecer a vertente lúdica da própria actividade. simultaneidade e sucessão. Âmbito . Proporcionar à criança tempos de brincadeira espontânea nas diferentes áreas da sala e no recreio para que esta vivencie sentimentos e liberte desejos e tensões interiores. Perceber acções simultâneas e desenvolver a noção de simultaneidade. inter-ajuda e inter-relação entre todos. Favorecer a fantasia e sensibilidade da criança. Perceber acções sucessivas e desenvolver a noção de sucessão. Âmbito – Expressão Musical Objectivos do Educador: Integrar a criança no mundo sonoro que a rodeia. promovendo a sua desinibição e criatividade. duração.Expressão Dramática Objectivos do Educador: Fomentar a dinâmica de grupo através da colaboração/cooperação. cálculos de tempos de velocidade.• • • • • • Estabelecer relações espacio-temporais e aplicar as noções básicas de velocidade. Desenvolver a capacidade de expressão do mundo interior. Perceber a duração dos acontecimentos e representá-los graficamente. Saber discriminar a presença Educação da voz e ritmo 13 . duração e cadência regular. através da livre expressão (ex: jogo de faz-de-conta).

pintura facial…). factos e • Adquirir vivências e destrezas no ritmo: fenómenos humanos da vida Instrumentos musicais quotidiana. comunicação e recriação dos diferentes momentos vivenciados no jardim de infância. volumes e formas. Desenvolver destrezas manipulativas como cortar. Saber partindo (re)criar de imagens • Desenvolver a criatividade. Desenvolver a coordenação visual-motora. Cultivar a sensibilidade e interiorizar a noção de silêncio em música. pegar. rasgar e pegar. • rasgar. Adquirir o conceito material de tridimensionalidade. Enriquecer a expressão e o conhecimento do “eu” (digitinta. Adquirir hábitos de observação visual e retentiva das linhas e formas dos objectos. Conseguir uma progressiva aptidão para entoar. estimulações ambientais. Alcançar uma progressiva habilidade e agilidade manual (motricidade fina). 14 . modular a voz e cantar. a partir de diferentes níveis de texturas. Modelagem Desenvolver o sentido do tacto e o progressivo domínio do espaço. diferentes Pintura e estampagem • • • • • • • • • Expressar-se livremente. mediante as diversas técnicas pictóricas. Promover atitudes de participação e cooperação em actividades musicais: Âmbito .Expressão Plástica Objectivos do Educador: Desenvolver a expressão plástica no sentido de que esta se constitua como meio de representação. Identificar as cores. Criar imagens partindo das diferentes estimulações ambientais. dimensões. colar. Obter um progressivo controle da motricidade ampla e fina. manipulativas como cortar. as próprias vivências.e ausência de sons. Conhecer e aplicar as possibilidades plásticas dos diversos materiais do desenho. Saber identificar e reproduzir • sons usuais da natureza. Competências específicas: Desenho Saber utilizar destrezas • Aprendizagens Essenciais Expressar livremente. conhecer a sua denominação e experimentar combinações. Proporcionar situações e diversidade de técnicas e materiais susceptíveis de alargar as experiências bi e tridimensionais. artística e • diferentes técnicas estética. de • animais. Saber utilizar e aplicar • de • expressão criativa. pintar. • Desenvolver a expressão musical a partir da voz. Colagem Ampliar a conquista da superfície como suporte gráfico-plástico. de objectos. através de imagens espontâneas. • • Iniciar o conhecimento e uso dos instrumentos musicais.

Utilizar frases compostas. Identificar e reproduzir sons relacionados com as palavras. Proporcionar à criança a descoberta do prazer da leitura e da escrita. Domínio da Linguagem Oral e Abordagem à Escrita Objectivos do Educador: Criar situações de comunicação e informação em diferentes contextos (verbal. Promover a utilização das novas tecnologias enquanto forma de expressão. Alcançar destrezas na manipulação dos materiais e as possibilidades de reutilização e reciclagem dos mesmos. Descrever dois acontecimentos pela ordem que ocorrem. Promover situações e actividades que ajudem a criança na aquisição de vocabulário. passadas e futuras. Alcançar características plásticas de flexibilidade e criatividade. 15 . Âmbito – Abordagem à Escrita Recriar personagens e acções. Usar correctamente a concordância sujeito/verbo e o singular e o plural. memorização. tamanhos. Exprimir-se oralmente com progressiva autonomia e clareza em função de objectivos diversificados. simbólica e escrita). Segurar o lápis com a tríade perfeita. na construção de frases correctas de complexidade progressiva e na exploração do carácter lúdico e rítmico da linguagem. Construções • • • • Desenvolver a ordenação harmoniosa e a composição no espaço trimensional. Usar correctamente o ontem. mediante o domínio da forma e o volume dos corpos. Expressar correctamente acções presentes.• • Desenvolver a percepção da dimensão e aparência espacial dos corpos. Ser capaz de identificar nos objectos do quotidiano • • • • • Aprendizagens Essenciais Âmbito – Linguagem Oral Desenvolver as capacidades de atenção. motivadoras e desinibidoras para a criança. hoje e amanhã. • vocabulário adequado Ser capaz de participar em • diálogos e conversas de • grupo. Saber utilizar correctamente na expressão oral o • a • diferentes situações e temas. concentração. cores e símbolos. Expressar-se plasticamente. não verbal. formas. raciocínio e espírito crítico. informação e registo. Contar uma história conhecida e relatar uma situação com sequência. Trabalhar as formas tridimensionais: o volume e as suas possibilidades plásticas. Competências específicas: • Ser capaz de realizar ordens orais e tarefas simples.

Participar em registos escritos. e Desenvolvimento do conceito de número • Ordenar pares e sequência de objectos com propriedades específicas. em • experimentando-os Aprendizagens Essenciais Conjuntos: propriedades e relações entre objectos Desenvolver memorização. Copiar o seu nome em letras maiúsculas. dentro/fora.• • • • • Fazer reproduções de imagens e de grafismos. Realizar jogos de letras. antes/depois. Domínio da Matemática Objectivos do Educador: Iniciar a criança na construção das primeiras estruturas lógico-matemáticas e espaciais. entre. familiarizando-a na linguagem matemática. Estabelecer relações entre objectos segundo a sua posição no espaço. • Desenvolver a noção de quantidade subtraindo e adicionando elementos. seriar. formar alto/baixo. Conhecer e utilizar correctamente o vocabulário: em cima/em baixo. grosso/fino). segundo uma • • • Fazer medições e comparar comprimentos. a capacidade de atenção. Competências específicas: Ser capaz de identificar • objectos no espaço recorrendo à visualização e • ao raciocínio espacial. médio. Conhecer e respeitar o sentido da leitura/escrita: da esquerda para a direita. raciocínio e linguagem corrente (noções • topológicas). concentração. grande. atrás/à frente. Estabelecer relações de grandeza entre objectos (pequeno. Estabelecer relações de grandeza: vazio/cheio Iniciação à geometria Conhecer e fazer composições com as figuras geométricas 16 . ordenar e agrupar Iniciação ao conceito de medida objectos qualidade. Ser capaz de classificar. interior/exterior. comprido/curto. representar conjuntos. Reconhecer.

da biologia. • entre membros). • como. Reconhecer a família como uma das formas habituais de organização da vida humana e conhecer/valorizar a sua utilidade. Conhecer as normas e modos de comportamento social da sua família. enquanto conjunto de trocas que a criança estabelece com o mundo que a rodeia (família. Orientar-se e actuar com autonomia nos espaços da sala. do consumismo e de outras situações passíveis de exploração e descoberta do mundo. da educação ambiental. entre o sujeito e o mundo dos outros. etc. Esta área. da educação sexual. escola. da geografia. tendo em conta a exigência humana de interpretar e valorizar a realidade natural. observação. se bem que formalmente sudividida em dois âmbitos curriculares – Meio Físico e Meio Social – aglutina integralmente o mundo das experiências físicas (meio natural) e a compreensão da realidade social. justificando o seu uso. e O Jardim de Infância • Tomar consciência de pertencer ao colectivo escolar e ao grupo sala. Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva colaboração com a comunidade. sociedade. incentivando o seu espírito científico. da física. da meteorologia. espaço. Curiosidade que é fomentada e alargada na educação préescolar através de oportunidades de contacto com novas situações que são simultaneamente ocasiões de descoberta e de exploração do mundo que a rodeia. em situações do meio ambiente. Possibilitar à criança a experimentação. Sensibilizar/despertar a criança para domínios científicos no âmbito da saúde. crianças. Área de Conhecimento do Mundo Objectivos do Educador: Proporcionar a criação de laços de comunicação. de forma a poder ser O trabalho e os serviços 17 .). Descrever a sua casa e localizá-la em relação com o ambiente imediato. do ambiente.Área de Conhecimento do Mundo A área do conhecimento do mundo enraíza-se na curiosidade natural da criança e no seu desejo de saber e de compreender o que a rodeia. do jardim de valorizar os seus pares. Ser capaz de reconhecer e valorizar as características do • seu grupo de de pertença (normas relações assim convivência. cuidado e protecção. Competências específicas: Aprendizagens Essenciais Âmbito – Meio Social Ser capaz de respeitar regras A família e a casa e normas sociais. adultos. da geologia. Os conhecimentos destes dois âmbitos devem cruzar-se para que a compreensão dos fenómenos naturais seja projectada sobre a realidade cultural e social que o homem vai conquistando e. por sua vez. descoberta e reflexão. respeitar • Iniciar a tomada de consciência de pertencer a um grupo humano característico. Ser capaz de compreender a • organização do tempo e do infância e do edifico escolar conhecendo e respeitando as regras.

Compreender o conceito de energia e identificar as fontes fundamentais de energia. estações do ano. Âmbito – Meio Físico e os cuidados a ter com as Os animais e as plantas plantas e os animais. Ser capaz de observar e compreender as necessidades • Conhecer diferentes ocupações/profissões valorizando o serviço que prestam à comunidade.autónoma nos espaços do seu • quotidiano. recursos (hábitos de respeito. semanas. Observar e explorar o ambiente. Observar as mudanças e alterações que sofrem e provocam os elementos naturais. Compreender as inter-relações animais-vegetais-homens. Ser capaz de observar e compreender as mudanças e transformações ambiente. a partir da experiência com eles. cuidado e uso adequado dos Os meios de transporte e comunicação Conhecer os diversos meios de locomoção. Compreender a utilidade e o uso dos meios de transporte existentes na localidade. Identificar as características mais destacadas dos corpos sólidos. utilizando termos básicos relativos à organização do tempo: dias. Valorizar a importância dos animais e das plantas para os seres humanos. 18 . dos do meio • • • • • • • Iniciar a compreensão racional e cientifica dos fenómenos naturais. Conhecer e valorizar a utilidade e a necessidade básica da água. água. Aquisição de atitudes de respeito e cuidado ecológico. Terra. Conhecer os efeitos que esses fenómenos provocam no meio. Ser capaz de interagir com o • meio natural com respeito. meses. identificando factores sobre que essas A matéria e os corpos Distinguir os diferentes estados em que a matéria se apresenta na natureza. • limpeza e conservação). Conhecer os diferentes serviços da sua comunidade e a sua importância na vida das pessoas. ar e energia • • • • • Identificar os diferentes tipos de terra. O tempo • • • Identificar os fenómenos atmosféricos mais frequentes. líquidos e gasosos do meio. • Iniciar a aquisição de estratégias de descoberta. alguns influem mudanças. Identificar o ar como elemento natural imprescindível para os seres vivos. centrando a atenção nos animais e nas plantas. Conhecer e actuar com autonomia.

Identificar a presença e ausência de som. grupo de crianças com quem costuma brincar). Participar nos diversos grupos com que se relaciona.Perfis de Competências 7. Exprimir os seus próprios sentimentos e desejos básicos. Reconhecer e identificar diferenças físicas entre si e os outros. Na Área de Expressão e Comunicação Domínio das Expressões Expressão Motora • • • • • Plástica • • • Expressão Musical • • • Dramática • • Identificar e nomear cabeça. Utilizar os sentidos na exploração do corpo e objectos. Produzir sons simples com o corpo. triste) Controlar o andar. aprendendo progressivamente a ter respeito pelos outros. Identificar os grupos com que se relaciona (J. Tomar consciência dos outros. Interiorizar a necessidade de se alimentar Âmbito – Desenvolvimento afectivo e socialização Identificar os membros da família com quem vive.I.7 . Familiarizar-se com os instrumentos musicais de precursão. Orientar-se nos diferentes espaços da sala. Imitar gestos Imitar situações Expressão Expressão 19 . Demonstrar compreender a necessidade de lavar as mãos após a ida à casa de banho e antes das refeições. Identificar sucessão temporal em rotinas diárias. Reproduzir canções simples.1 . Ser mais autónomo. Identificar e transmitir expressões faciais (alegre. Utilizar destrezas manipulativas (pegar e rasgar). Dominar a coordenação e controlo dinâmico do seu próprio corpo na execução de tarefas simples do quotidiano.No Final dos 3 Anos a criança deve ser capaz de: Na Área da Formação Pessoal e Social Âmbito – A criança e o seu corpo • • • • • • • • • • • • • Identificar e nomear as diferentes partes do seu corpo em si mesmo e nos outros. Localizar os órgãos dos sentidos. Utilizar diferentes técnicas e materiais (que permitam a tomada de consciência de si próprio e do outro). tronco e membros.

Reproduzir rimas simples. Identificar e nomear propriedades físicas de objectos (cor. Diferenciar os vários espaços da sala e os comuns do jardim de Infância. Âmbito . Reconhecer meios de transporte habituais na sua localidade.Domínio da Linguagem oral e abordagem à escrita • • • • • • • Participar em diálogos e conversas de grupo. Relacionar objectos 20 . centro de saúde. Identificar o seu grupo do jardim de Infância. Identificar objectos comuns que fazem parta da casa e saber a sua utilização. com a saúde – hospital. Usar frases simples. Domínio da Matemática Identificar e nomear propriedades físicas de pessoas. tamanho) Comparar quantidades (muitos / poucos) e nomear sucessivamente até 3 Identificar os diferentes espaços da sala Na Área do Conhecimento do Mundo Âmbito .Meio Social • • • • • • • • Dizer o seu primeiro nome e idade. sapataria. Ser capaz de identificar serviços relacionados com o consumo – distinguir diferentes espaços comerciais (supermercado.Meio Físico Reconhecer animais e plantas do meio envolvente. …).

Compreender/ perceber a importância do silêncio. Na Área de Expressão e Comunicação Domínio das Expressões • Expressão Motora • • • • Identificar. Compreender a necessidade duma alimentação variada. Orientar-se nos diferentes espaços da escola. Produzir e imitar sons e ritmos simples com o corpo. diferentes odores e discrimina sensações opostas. …) Identificar seus próprios sentimentos. Reconhecer e identificar diferenças entre pessoas. Identificar dificuldades dos outros e disponibilizar-se para as ajudar a ultrapassar. nos outros e no espaço gráfico. Ter atitudes de respeito em relação às características e qualidades dos outros. Identificar diferentes sabores.No Final dos 4 Anos a criança deve ser capaz de: Na Área da Formação Pessoal e Social Âmbito – A criança e o seu corpo • • • • • • • • • Identificar e nomear as diferentes partes do corpo em si mesmo.7. Aplicar de forma autónoma alguns cuidados de higiene. emoções através do jogo simbólico Improvisar algumas situações. desejos. Domínio da Linguagem oral e abordagem à escrita • • • • Utilizar a linguagem oral com diferentes fins comunicativos Adquirir um progressivo domínio da linguagem Compreender diferentes discursos Reconhecer símbolos como forma de comunicação Expressão 21 .2 . primos. Interiorizar noções temporais básicas (antes de / depois de. o correr e saltar. nomear e representar a figura humana ainda que incompleta. Reproduzir canções e melodias simples. emoções e comunicar com os outros. Âmbito – Desenvolvimento Afectivo e socialização Identificar o grupo familiar mais alargado (tios. Nomear alguns instrumentos musicais. passado – presente –futuro(em rotinas diárias)). Expressar vivências. sentimentos. Identificar e transmitir “mensagens” através da expressão corporal (sensações) Controlar o andar. Plástica • • Expressão Musical • • • Dramática • • Expressão Utilizar destrezas manipulativas (manipular a tesoura).

Âmbito . Identificar as necessidades de animais Identificar as necessidades de plantas 22 . Identificar alguns serviços com o consumo. Nomear sucessivamente até 5 Identificar. Identificar e nomear propriedades físicas de objectos (forma – círculo. Descrever várias divisões da sua casa Identificar objectos domésticos e saber a sua utilização e função. triângulo. nomear e descrever os diferentes espaços da sala Na Área do Conhecimento do Mundo Âmbito . marinhos e voadores.Meio Físico • • • Identificar animais terrestres.Meio Social • • • • • Dizer o nome completo e a idade. Dar a conhecer o seu agregado familiar restrito. quadrado.Domínio da Matemática • • • • • Comparar propriedades físicas de pessoas. tamanho – maior / menor ) Comparar quantidades (todos/ nenhuns).

Pintar respeitando os contornos . Destrezas como rasgar. cadência regular.3 No Final do Jardim de Infância (5 Anos) a criança deve ser capaz de: Na Área da Formação Pessoal e Social Âmbito – A criança e o seu corpo • • • • • • Identificar as diferentes partes do seu corpo. necessidades. recortar. Conhecer e utilizar os sentidos na exploração do seu corpo. Orientar-se no tempo e no espaço através da aplicação de noções básicas como: velocidade. Controlar as diferentes formas de deslocação: andar. correr. Representar o seu corpo através de desenho. fantasias e desejos (figurativo e não figurativo). emoções. assim como identificar e respeitar os dos outros.. as suas características e qualidades pessoais. cortar. despir e calçar. Modelar figuras reconhecíveis. Fazer desenhos com técnicas e materiais diferentes e exprimindo factos. pintura. Explorar os objectos no espaço tridimensional (volume e espaço tridimensional). acontecimentos. coordenando os diversos movimentos implicados. Esperar pacientemente pela sua vez. vivências. 23 . Inventar sequências de imagens. Fazer composições com diversos materiais. Ser autónomo nas refeições. Aplicar conscientemente normas de higiene pessoal. Conhecer as cores e saber misturar as cores primárias para obtenção das secundárias. Fazer a figura humana e representá-la através da cor. Estruturar o espaço gráfico e exprimir-se plasticamente por meio da cor.. no vestir. Na Área da Expressão e Comunicação Domínio das Expressões • • Expressão Motora • • • • • • • Expressão Plástica • • • • • • • • • Reconhecer a direita e a esquerda em relação ao seu corpo. Cumprir regras simples..´7. estampagem e modelagem.. Utilizar várias técnicas de pintura.controle do traço – a linha -. Perceber acções simultâneas e de sucessão. saltar. duração. na classificação de objectos e na identificação de sensações e percepções. Âmbito – Desenvolvimento Afectivo e socialização Identificar e controlar os próprios sentimentos. Identificar e descrever a ordenação espacial de objectos situados à sua volta..

com instrumentos musicais. um tema). Dizer rimas e lengalengas com entoação. Adaptar os movimentos corporais a ritmos pré-estabelecidos. Reproduzir dramaticamente situações quotidianas e relatos literários.. Acompanhar canções com gestos e percursão corporal. Compreender mensagens que os outros. Participar em diálogos e conversas de grupo. crianças e adultos. personagens. atitudes e movimentos. Segurar o lápis com a tríade perfeita. lhe comunicam através de gestos. Utilizar os recursos expressivos do corpo para evocar situações. Usar os fantoches como elementos facilitadores da expressão de sentimentos e desejos. . rimas… . lengalengas. Identificar nos objectos do quotidiano formas. Produzir ritmos distintos a partir do próprio corpo. Improvisar jogos dramáticos a partir de diversos elementos (objectos. grafismos e figuras geométricas. Reconhecer a importância do silêncio. uma acção. um local. Ler as imagens de uma história com sequência lógica. Usar correctamente o “ontem”. Movimentar-se de forma livre.. acções. utilizando gestos. cores e símbolos. Conhecer os sons e os nomes dos instrumentos musicais mais comuns. Reproduzir trava-línguas. Domínio da Linguagem oral e abordagem à escrita Utilizar correctamente na expressão oral o vocabulário adequado a diferentes situações e temas. melodias. Criar os seus próprios jogos/brincadeiras na área do faz-de-conta.. Interpretar e reproduzir com o corpo situações imaginárias (dramatização de histórias). Discriminar ritmos. Reproduzir pequenas melodias. Fazer jogos de letras e palavras.• • • Expressão Musical • • • • • • • • • Expressão Dramática • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • Identificar sons do meio ambiente próximo. vozes. Registar através da escrita o seu nome em letras maiúsculas. Contar uma história sem a ajuda de ilustrações e relatar uma situação com sequência. Reproduzir gestos codificados para transmitir mensagens diversas. Domínio da Matemática 24 . tamanhos. o “hoje” e o “amanhã”. com objectos musicais.. Ajustar-se ao ritmo de canções e melodias tanto individualmente como em grupo. desejos e sentimentos. Usar frases compostas. Fazer reproduções de imagens. Fazer analogias verbais. Localizar em textos letras iguais às do seu nome.

Identificar e estabelecer relações de parentesco. Fazer composições com figuras geométricas. médio. 25 . Conhecer as normas e modos de comportamento social da família e do jardim de infância. granizo. habitats e alimentação.Meio Social • • • • • • • • • • • • • • • • Dizer o seu nome. Na Área do Conhecimento do Mundo Âmbito .Meio Físico Conhecer os animais do meio ambiente e classifica-los segundo a sua deslocação. idade e morada. grande). Identificar as características mais destacadas dos corpos sólidos.. Conhecer as plantas do meio ambiente. Identificar as etapas do ciclo vital dos animais e das plantas. Fazer medições. Utilizar o vocabulário: pesado/leve. ajuda. actividades e momentos passados com amigos. Fazer correspondências. líquidos e gasosos do meio. muito/pouco. Estabelecer com os outros relações de comunicação e integração grupal (participação. os meses do ano. familiares… . Conhecer o seu grupo familiar e de jardim de infância. seriar. Conhecer os diferentes fenómenos atmosféricos (chuva. as estações do ano. e os efeitos que provocam no meio. Deslocar-se num espaço determinado e representá-lo graficamente. ordenar e agrupar objectos segundo uma ou mais qualidades. cooperação). Identificar uma linha aberta e uma linha fechada.• • • • • • • • • • • • Diferenciar números e letras. Utilizar adequadamente termos básicos relativos à organização do tempo (noções e ritmos temporais.. colaboração. Representar a sua família através do desenho e da pintura. Estabelecer relações de grandeza entre objectos (pequeno. Conhecer algumas das formas mais habituais de transporte de pessoas e mercadorias. Descrever lugares. Realizar tarefas diárias e resolver pequenos problemas quotidianos. Classificar. Reconhecer formas e representar conjuntos. nevoeiro. etc. as suas características gerais e a sua utilidade. Comparar itinerários curtos e longos. Âmbito . neve. Conhecer os diferentes tipos de trabalho – profissões e serviços – da sua localidade. características externas. vazio/cheio.). Comparar comprimentos. os dias da semana. mais/menos.

baseada nos fundamentos das Orientações Curriculares. de modo a que vá tomando consciência do que já conseguiu e das dificuldades que vai tendo e como as vai ultrapassando”. evolução e progressos”. d) A exigência de resposta a todas as crianças – pedagogia diferenciada. Neste sentido. realçando o seu percurso.8.Perfil Específico de Desempenho Profissional do Educador de Infância (II. posteriormente reflectida. b) O reconhecimento da criança como sujeito do processo educativo c) A construção articulada do saber. entendida como um processo de recolha de informação pertinente. permitindo ao educador tomar decisões que suportem a intencionalidade educativa que caracteriza a sua actividade profissional.” Por sua vez o Decreto-Lei nº 241/2001. tendo como indicadores: a) O desenvolvimento e aprendizagem como vertentes indissociáveis. sobre cada criança e o grupo. a avaliação é suporte do planeamento.Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar “avaliar o processo e os efeitos implica tomar consciência da acção para adequar o processo educativo às necessidades das crianças e do grupo e à sua evolução. a avaliação. numa perspectiva formativa. de 4 de Agosto . constituindo também uma base de avaliação para o educador. afirma-se que a avaliação em educação pré-escolar é “um processo contínuo e interpretativo que se interessa mais pelos processos do que pelos resultados e procura tornar a criança protagonista da sua aprendizagem. bem como o desenvolvimento e as aprendizagens de cada criança e do grupo”. de 30 de Agosto . O conhecimento do contexto familiar e do meio em que a criança está inserida. Ministério da Educação. A sua reflexão. Acrescenta que compete ao Educador “comunicar aos pais e encarregados de educação. possibilita-lhe estabelecer a progressão das aprendizagens a desenvolver com cada criança. bem como aos educadores /professores o que as crianças sabem e são capazes de fazer. Finalmente no documento “Procedimentos e práticas organizativas e pedagógicas na avaliação na educação préescolar”. Mecanismos de avaliação na Educação Pré-Escolar Segundo o Despacho nº 5220/97. na Educação Pré-Escolar. é fundamental no sentido de compreender as suas características adequando o processo educativo às suas 26 . A avaliação realizada com as crianças é uma actividade educativa. a sua intervenção. alínea c)) refere que “o educador avalia. da Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. através uma informação global escrita das aprendizagens mais significativas de cada criança. a partir dos efeitos que vai observando. o ambiente e os processos educativos adoptados. ponto 3. é essencialmente formativa. Nesta perspectiva. obtida através da observação sistemática e contínua. Esta dinâmica desenvolve-se no sentido de adequar o processo educativo às necessidades da criança e do grupo e potenciar a progressão das suas aprendizagens.

em reunião marcada para o efeito ao 1º CEB uma avaliação escrita relativamente ao desenvolvimento. o relatório final de avaliação do PCG. No final do ano lectivo.º CEB. No final de cada período será feita a avaliação individual de cada criança mediante o tipo de registo escrito proposto pelo Departamento da Educação Pré-Escolar e aprovado pelo Conselho Pedagógico. A avaliação é um elemento de apoio estratégico ao desenvolvimento e regulação da acção educativa pois permite. deverá ficar acessível para consulta no Jardim de Infância. a avaliação poderá ser feita através de portefólio. facilitar a transição da criança para a escolaridade obrigatória. O ambiente educativo e as situações e experiências de aprendizagem. analisar o percurso efectuado e por outro perspectivar/planificar o amanhã. O registo de avaliação do desenvolvimento das crianças será global. aprendizagens. no dia indicado para esse efeito. percurso e evolução das crianças que irão transitar para o 1º ano de escolaridade. 27 . Cabe ao Educador promover a continuidade educativa num processo marcado pela entrada para a Educação Pré-Escolar e pela transição para a escolaridade obrigatória. informativo e qualitativo e incidirá nas intencionalidades pedagógicas. no final de cada período lectivo. Assim. competências e aprendizagens essenciais definidas no Perfil de Competências para as crianças dos JI do Agrupamento. elaborado pelo educador. aos Pais/Encarregados de Educação. Relativamente à avaliação do desenvolvimento e das aprendizagens de cada criança e do grupo. será entregue. competindo-lhe em colaboração com os Pais e em articulação com 1. Torna-se importante avaliar o processo e os efeitos de forma consciente adequando o processo educativo às necessidades de cada criança e do grupo e à sua evolução. proporcionar as condições necessárias para que cada criança tenha uma aprendizagem com sucesso na fase seguinte. por um lado. Essa avaliação será comunicada. A observação contínua e o recurso às formas de registo das crianças serão instrumentos determinantes. É também função do Educador.necessidades. devem levar à participação das crianças no processo de avaliação.

compreensão. criatividade. tendo em conta o perfil de competências para as crianças dos JI do Agrupamento. Análise do percurso da criança para atingir determinada aprendizagem. por áreas de conteúdo. interpretação e transferibilidade para novas situações Aplicação dos conhecimentos adquiridos para compreender a realidade natural e sócio-cultural do seu ambiente quotidiano Organização Adequação de comportamentos/acções aos diferentes contextos e interlocutores Participação. o desenvolvimento das crianças deste nível de educação é avaliado pelas competências e aprendizagens essenciais. autonomia. Domínio SABER Conhecimentos • • • • • • SABER SER /ESTAR Atitudes e valores • • • • • Parâmetros Aquisição das aprendizagens essenciais. AP. NA – Ainda não Adquiriu 28 .Adquiriu Totalmente (com transferibilidade para novas situações. AT.Adquiriu Parcialmente.1 Critérios gerais de avaliação na Educação Pré-Escolar Critérios gerais de avaliação na Educação Pré-Escolar • • • • • Valorização da capacidade de comunicação oral. interesse e empenho nas e pelas actividades. iniciativa. Contexto cultural e educativo da criança Interesse nas actividades. A avaliação é de natureza qualitativa e tem como terminologia: A – Adquiriu. definidas no perfil de competências do Agrupamento tendo por base estes critérios gerais.8. Sentido de responsabilidade Espírito de cooperação Solidariedade e respeito pela diferença Integração e sociabilidade Adaptação ao Jardim de Infância Assiduidade e pontualidade SABER FAZER Capacidades e Aptidões Atendendo às orientações curriculares da Educação Pré-Escolar. Desenvolvimento global em todas as áreas de conteúdo.

Previsão dos procedimentos de avaliação a. Do grupo. Enquadramento das metas do PE com as metas a desenvolver no grupo 5. Identificação do nível de desenvolvimento das crianças. Metodologia/s a aplicar na sala de actividades 9. modo de articulação. do espaço e do tempo b. Planificação da acção educativa para o grupo / níveis de prioridade a. Relação com a família e outros parceiros educativos 11. etc. Caracterização dos Recursos a. Critérios e Instrumentos de avaliação 10. Caracterização da equipa educativa – formas de trabalho colaborativo. nível etário. Comunicação dos resultados e divulgação dos efeitos do projecto 12.9. Identificação de interesses. Definição das rotinas e a sua pertinência no desenvolvimento das crianças 8. Levantamento dos recursos materiais b. segundo as áreas de conteúdo. Avaliação do PCG e perspectivas para o ano lectivo seguinte segundo os itens de avaliação 29 . Caracterização do grupo de crianças a. nível sócio-económico) b. Identificação das crianças que necessitam de atenção especial e especificação da individualização do seu processo de desenvolvimento. enumerando os que se destacam pelas suas dificuldades ou pelas suas capacidades b. necessidades e motivações c. Diagnóstico do grupo de crianças a. Itens para a Elaboração do Projecto Curricular de Grupo 1. Estratégias pedagógicas e organizativas previstas 6. Estratégia educativa global para o grupo a. 7. Definição do perfil de competências para o grupo – opções e prioridades curriculares b. Planificação das actividades (planificações mensais/semanais) 13. horário. Constituição do grupo (lista das crianças. Definição dos objectivos a desenvolver e efeitos esperados b. Percurso educativo das crianças 3. Organização do ambiente educativo a. 4. Introdução (enquadramento do PCT no PE. no PCA e no PAA apontando as prioridades educativas definidas nestes documentos e a sua forma de operacionalização no grupo) 2.

no ambiente de JI e edifício escolar e na comunidade educativa 6. adequação das opções educativas e curriculares aos interesses e necessidades dos alunos/crianças 5.na prática educativa. adequação da (s) metodologia (s) utilizadas c. Avaliação/reflexão sobre os objectivos desejados e definidos para o grupo de crianças 2. nas famílias. O que é preciso ter em conta para o próximo ano. o que resultou melhor e porquê b. Itens para a Avaliação do Projecto Curricular de Grupo 1. Recursos mobilizados – materiais/humanos/físicos e como foram rentabilizados 3. apontando os interesses/motivações e necessidades a serem trabalhadas no ano lectivo seguinte 30 . Avaliação final e perspectivas para o ano lectivo seguinte a. nas aprendizagens das crianças. Efeito das actividades – na articulação das acções/actividades desenvolvidas com o PCA e com os pressupostos do PE .10. Ambiente de trabalho – relação da equipa. Actividades – procedimentos e conteúdos curriculares trabalhados a. do grupo de crianças e dos outros parceiros envolvidos 4. Quais eram as metas e expectativas apontadas em relação a este projecto b.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->