P. 1
19287-20._capacitores(ok)

19287-20._capacitores(ok)

|Views: 186|Likes:
Published by Rodrigo Farias

More info:

Categories:Types, Research
Published by: Rodrigo Farias on Nov 16, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/09/2012

pdf

text

original

CAPACITORES

Capacitores
1. Capacitores ou Condensadores

 Capacitores ou condensadores são elementos elétricos capazes de armazenar
carga elétrica e, consequentemente, energia potencial elétrica.
 Podem ser esféricos, cilíndricos ou planos, constituindo-se de dois condutores
denominados armaduras que, ao serem eletrizados, armazenam cargas
elétricas de mesmo valor absoluto, porém de sinais contrários.
Alguns tipos de capacitores
Fixos
Variáveis
Algumas aplicações do capacitor
Flash das máquinas fotográficas
Placa-mãe em computadores
Sintonia de emissoras de rádio
Independente de sua forma, todo capacitor
é constituído por camadas de materiais
condutores (armaduras) intercaladas por
materiais isolantes.
dielétrico
Condutor Condutor
2. Capacitor Plano
É constituído por duas placas iguais, planas e paralelas que, ao serem
conectadas a um gerador, adquirem cargas elétricas, como mostra a
figura.
+
-
+ Q
- Q
Q
capacitor
= |Q|

 Ao conectarmos o capacitor a um gerador, ocorre um fluxo
ordenado de elétrons nos fios de conexão, pois inicialmente há uma
diferença de potencial entre a armadura e o terminal do gerador ao
qual está ligada.
 Na figura do slide anterior, A armadura A tem, inicialmente,
potencial elétrico nulo e está conectada ao terminal positivo da
pilha; logo, os elétrons migram da armadura para a pilha, já a
armadura B, que também tem potencial elétrico nulo, está
conectada ao terminal negativo da pilha, e assim elétrons migram
do terminal da pilha para a armadura B.
 Acontece que, enquanto a armadura A está perdendo elétrons, ela
está se eletrizando positivamente e seu potencial elétrico está
aumentando; o mesmo ocorre na armadura B, só que ao contrário,
ou seja, B está ganhando elétrons, eletrizando-se negativamente, e
seu potencial elétrico está diminuindo.
 Esse processo cessa ao equilibrarem-se os potenciais elétricos das
armaduras com os potenciais elétricos dos terminais do gerador, ou
seja, quando a diferença de potencial elétrico (ddp) entre as
armaduras do capacitor for igual à ddp nos terminais do gerador, e
nesse caso dizemos que o capacitor está carregado com carga
elétrica máxima.
 Num circuito, só há corrente elétrica no ramo que contém o
capacitor enquanto este estiver em carga ou em descarga.
+ Q
- Q
lâmpada
Descarga
3. Capacidade ou Capacitância de um
Capacitor

A carga elétrica armazenada em um capacitor é
diretamente proporcional à diferença de
potencial elétrico ao qual foi submetido.
Assim sendo, definimos capacidade eletrostática
C de um capacitor como a razão entre o valor
absoluto da carga elétrica Q e a ddp U nos
seus terminais.
Q = C.U

Essa carga elétrica corresponde à carga de sua
armadura positiva.
A capacidade eletrostática de um capacitor depende da forma e
dimensões de suas armaduras e do dielétrico (material isolante) entre
as mesmas.
A unidade de capacidade eletrostática, no SI, é o farad (F).
1 F = 1 Coulomb/Volt.
U
Q
C=
4. Energia Armazenada
 O gráfico abaixo representa a carga elétrica Q de um
capacitor em função da ddp U nos seus terminais.
 Q e U são grandezas diretamente proporcionais, o
gráfico é uma função linear, pois a capacidade
eletrostática C é constante.
Considerando que o capacitor tenha adquirido a carga Q
quando submetido à ddp U do gráfico, a energia elétrica
Epot
elétrica
armazenada no capacitor corresponde à área do
triângulo hachurado.



U
+ Q
- Q
C
Q CU QU
E
pot
2 2 2
2 2
= = =
Exercícios
1. Carrega-se um capacitor de capacidade eletrostática 5
µF com carga elétrica de 20 µC. Calcule a energia
potencial elétrica armazenada no capacitor.



2. Um capacitor armazena 8.10
–6
J de energia quando
submetido à ddp U. Dobrando-se a ddp nos seus
terminais, a energia armazenada passa a ser de
quanto?

5. Capacidade Eletrostática do Capacitor Plano
 O capacitor plano é constituído de duas placas planas, condutoras, paralelas
entre as quais é colocado um material isolante denominado dielétrico.
 Esse material isolante pode ser: vácuo, ar, papel, cortiça, óleo etc.

Lembrando que no caso de o meio entre as placas ser o vácuo, o valor da constante dielétrica é:
c
0
= 8,85.10
-12
F/m
d
A
C
0
c =
Capacitor Esférico
R
r
r R
rR
4 C
÷
tc =
armaduras
dielétrico
+ Q
- Q
c
Questões
01-As armaduras de um capacitor plano a vácuo apresentam área A=0,10m
2
e
estão situadas a uma distância d=2,0cm. Esse capacitor é carregado sob ddp
U=1000V.
Determine: (Considerando c
0
=9.10
-12
F/m)
a) A capacitância do capacitor;
b) A carga elétrica do capacitor.

02- Um capacitor é constituído por duas placas planas e paralelas, cuja
capacitância pode ser modificada variando a distância entre as placas. Com
capacitância de 5.10
-10
F, foi carregado o capacitor com 100V e, a seguir,
desligado do gerador. Em seguida afastam-se as placas até a capacitância cair a
10
-10
F. Calcule a nova ddp entre as placas.

Polarização de um dielétrico
+
+
+
+
+
+
+
-
-
-
-
-
-
-
+
-
0
E

+ Q
0
- Q
0
U

(vácuo)
Polarização de um dielétrico
+
+
+
+
+
+
+
-
-
-
-
-
-
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
+
-
i
E

+ Q

- Q

U

Polarização de um dielétrico
+
+
+
+
+
+
+
-
-
-
-
-
-
-
+
-
i
E

0
E

U

+ Q

- Q

R
E

i 0 R
E E E ÷ =
Nota

0
0
0
0
0
R
0
0
0
0
0
0
R 0
E E
R 0
R
0
Q Q
Q Q
A .
Q
A .
Q
A .
Q
A
Q
E
A .
Q
A
Q
E
E E d . E d . E
d . E U
d . E U
i 0
>
c
=
c
¬
c
=
c
¬
¦
¦
¦
)
¦
¦
¦
`
¹
c
=
c
=
c
o
=
c
=
c
=
c
o
=
= = ¬
)
`
¹
=
=
÷
• O dielétrico aumenta a capacitância do capacitor.
• O c indica a intensidade de polarização do dielétrico.
Rigidez dielétrica
Denomina-se rigidez dielétrica de um
dielétrico o mais intenso campo elétrico
a que ele pode ser submetido, sem que
ocorra sua ionização.
Tensão de ruptura
A máxima diferença de potencial que se
pode aplicar entre os terminais de um
capacitor sem que sua rigidez dielétrica
seja ultrapassada, chama-se tensão de
ruptura.
• Quando aplicamos a um capacitor uma tensão acima da tensão de
ruptura, elétrons “saltam” de uma placa para outra. Neste caso, o
capacitor poderá ser danificado. Quanto maior a distância entre as
placas do capacitor maior será a tensão de ruptura. A tensão
máxima que se pode aplicar a um capacitor (tensão nominal), sem
que haja a ruptura, vem indicada em seu corpo (invólucro). A figura
abaixo mostra um capacitor eletrolítico de 100uF com uma tensão
nominal de 16 volts.



6. Associação de Capacitores
Da mesma forma que os resistores, geradores e receptores, os capacitores também
podem ser associados em série, em paralelo ou em associações mistas.

 Associação em série
Dois ou mais capacitores estarão associados em série quando entre eles não houver nó, ficando,
dessa forma, a armadura negativa de um ligada diretamente à armadura positiva do outro.
Ao estabelecermos uma diferença de potencial elétrico nos terminais da associação, haverá
movimentação de elétrons nos fios que unem os capacitores até que estes estejam completamente
carregados.


Ao ser conectada ao terminal positivo da pilha, a armadura do
capacitor C
1
fica eletrizada positivamente e induz uma
separação de cargas no fio que o liga ao capacitor C
2
, atraindo
elétrons para sua outra armadura que fica eletrizada
negativamente e, conseqüentemente, eletrizando a armadura
positiva do capacitor C
2
, que por sua vez induz uma separação
de cargas no fio que une este ao capacitor C
3
, e assim por
diante.

Esse fato nos permite concluir que:
– todos os capacitores ficam carregados com a mesma carga elétrica Q;
– a carga elétrica armazenada na associação é igual a Q, pois foi essa quantidade que a
pilha movimentou da armadura positiva do capacitor C
1
para a armadura negativa do
capacitor C
3
.

Capacitor equivalente de uma associação em série
Denominamos Capacitor Equivalente aquele
capacitor que, submetido à mesma ddp U que a
associação, adquire a mesma carga elétrica Q da
associação.

Para a associação em série temos:

3 2 1 eq
C
1
C
1
C
1
C
1
+ + =
Exercício
Três capacitores C
1
= 3 µF, C
2
= 2 µF e C
3
= 6 µF estão
associados em série nesta ordem. A associação foi
submetida a uma d.d.p. igual a 30 V. O capacitor C
1

adquire uma carga de 30 µC
a) Determine a carga elétrica de cada capacitor;
b) Determine a d.d.p. de cada capacitor;
c) Determinar capacitância equivalente da associação.
 Associação em paralelo

Dois ou mais capacitores estão associados em paralelo quando seus terminais estão
ligados aos mesmos nós e, conseqüentemente, sujeitos à mesma diferença de potencial
U. Na figura, os capacitores estão com seus terminais ligados aos mesmos nós A e B.

Conectando os nós A e B aos terminais da pilha, os capacitores ficam sujeitos à mesma ddp U e, se
suas capacidades eletrostáticas forem diferentes, adquirem cargas elétricas Q
1
e Q
2
diferentes entre si.
As armaduras ligadas ao nó A cedem elétrons para a pilha e as ligadas ao nó B recebem elétrons da
pilha, de modo que a carga elétrica total movimentada pela pilha, das armaduras positivas para as
negativas, é igual à soma das cargas Q
1
e Q
2
, até atingido o equilíbrio eletrostático.

Portanto, concluímos que:
– a carga elétrica Q armazenada na associação é igual à soma das cargas elétricas armazenadas em
cada capacitor
– essa carga elétrica é igual à quantidade de carga elétrica movimentada pela pilha das armaduras
positiva para as negativas dos capacitores da associação;
– por ser uma associação em paralelo, a ddp U nos terminais A e B da associação é a mesma para
todos os capacitores.

Capacitor equivalente de uma associação em paralelo
Como Q = Q
1
+ Q
2
, então C
P
· U = C
1
· U + C
2
· U
a capacidade eletrostática do capacitor equivalente é dada por:
C
P
= C
1
+ C
2


A carga elétrica em cada
capacitor é:
Q
1
= C
1
.U e Q
2
= C
2
.U

No capacitor
equivalente temos:
Q = C
P
.U

Importante! Note Bem!
Qualquer que seja o tipo de associação, série, paralelo ou mista, a energia elétrica
armazenada na associação é igual à soma das energias elétricas de cada capacitor
individualmente e que é igual à energia elétrica no gerador equivalente.

Epot
ASSOCIAÇÃO
=Epot
1
+Epot
2
+Epot
3
+...+Epot
n


Exercício
Dois capacitores C
1
= 2,0 µF e C
2
= 3,0 µF
estão associados em paralelo. Aplica-se uma
d.d.p. de 50 V a seus terminais.
Determine:
a) a carga de cada capacitor;
b) a capacitância equivalente;
c) a energia total armazenada na associação.
01. Dois capacitores de capacidades eletrostáticas C
1
= 2µF
e C
2
= 6µF estão associados em série e ligados a uma
fonte que fornece uma ddp constante de 20 V. Determinar:
a) a capacidade eletrostática do capacitor equivalente;
b) a carga elétrica de cada capacitor;
c) a ddp nas armaduras de cada capacitor.

02. Dois capacitores de capacidades eletrostáticas C
1
= 2µF
e C
2
= 6µF estão associados em paralelo e ligados a uma
fonte que fornece uma ddp constante de 30 V.
Determinar:
a) a capacidade eletrostática da associação;
b) a carga elétrica de cada capacitor;
c) a energia elétrica armazenada na associação.









EXERCICIOS PROPOSTOS
03. Três capacitores são associados conforme a figura.
Fornecendo-se à associação a carga elétrica de 12µC,
determine:
a) A carga elétrica e a ddp em cada capacitor;
b) A ddp da associação;
c) A capacitância do capacitor equivalente;
d) A energia potencial elétrica da associação.

04. Três capacitores são associados conforme a figura. Aplicando-se
entre A e B a ddp de 100V, determine:

a) A ddp e carga elétrica em cada capacitor;
b) A carga elétrica da associação;
c) A capacitância do capacitor equivalente;
d) A energia potencial elétrica da associação.


05. Para o esquema dado, determine:
a) A carga elétrica total armazenada pela associação;
b) A energia potencial elétrica armazenada pela associação.
06. A capacidade do condensador (capacitor) equivalente
da associação mostrada na figura é:
07. Na figura cada capacitor tem capacitância de C=11µF.
Entre os pontos A e B existe uma ddp de 100V. Qual é a
carga elétrica total armazenada no circuito?
(A) 3,0.10
-5
C (B) 4,0.10
-5
C (C) 5,0.10
-5
C (D) 6,0.10
-5
C (E) 7,0.10
-5
C




Questões Discursivas
01- Um raio entre uma nuvem e o solo ocorre devido ao acúmulo de
carga elétrica na base da nuvem, induzindo uma carga de sinal
contrário na região do solo abaixo da nuvem. A base da nuvem está
a uma altura de 2 km e sua área é de 200 km
2
.
Considere uma área idêntica no solo abaixo da nuvem. A descarga
elétrica de um único raio ocorre em 10
-3
s e apresenta uma corrente
de 50 kA.
Considerando c
0
=9.10
-12
F/m, responda:
a) Qual a carga elétrica armazenada na base da nuvem no instante
anterior ao raio?
b) Qual é a capacitância do sistema nuvem-solo nesse instante?
c) Qual a ddp entre a nuvem e o solo, imediatamente antes do raio?
02- Para tirar fotos da festa de aniversario da filha, o pai precisou usar
o flash da maquina fotográfica. Este dispositivo utiliza duas pilhas de
1,5V, ligadas em série, que carregam completamente um capacitor de
15µF. No momento da fotografia, quando o flash é disparado, o
capacitor, completamente carregado, se descarrega sobre sua
lâmpada, cuja resistência elétrica é igual a 6O. Calcule o valor
máximo:

a) da energia armazenada no capacitor;

b) da intensidade de corrente elétrica que passa pela lâmpada quando
o flash é disparado.
03- Para a segurança dos clientes, o supermercado utiliza
lâmpadas de emergência e rádios transmissores que trabalham
com corrente continua. Para carregar suas baterias, no entanto,
esses dispositivos utilizam corrente alternada. Isso é possível
graças a seus retificadores que possuem, cada um, dois
capacitores de 1.400µF, associados em paralelo. Os capacitores,
descarregados e ligados a uma rede elétrica de tensão máxima
igual a 170V, estarão com carga plena após um certo intervalo
de tempo t.
Considerando t, determine:
a) a carga elétrica total armazenada;
b) a energia potencial elétrica total armazenada.
7.Circuitos com Capacitores
 Existem circuitos constituídos de geradores, receptores e resistores. A esses
circuitos podemos acrescentar capacitores que poderão estar em série ou em
paralelo aos elementos do mesmo.
A. Circuito com Capacitor em Série

Quando o capacitor está carregado, a ddp U
XZ
nos terminais do capacitor é igual à ddp U
XY
nos
terminais do gerador, pois, no resistor, não havendo corrente não há ddp (U
YZ
= 0), ou seja, os
potenciais elétricos de Y e Z são iguais. Nesse caso então U
XZ
= U
XY
= E (fem) do gerador pois este se
encontra em circuito aberto.

Circuito RC-série
(resistor-capacitor em série).
Com a chave Ch aberta(figura1) não há corrente.
Ao fechar-se a chave Ch circulará no circuito
uma corrente elétrica (figura 2) que diminui de
intensidade com o decorrer do tempo até o
instante em que se torna nula.
Essa corrente é proveniente dos elétrons que
abandonam a armadura positiva do capacitor,
circulam pelo resistor e pelo gerador e alojam-se
na armadura negativa do capacitor sem
atravessá-lo, devido ao dielétrico (isolante) entre
as placas.

B. Circuito com Capacitor em Paralelo
circuito RC-paralelo
(resistor-capacitor em paralelo).
Com o capacitor já carregado, não há mais passagem de corrente pelo ramo do capacitor.
Pelo fato de o capacitor estar em paralelo com o resistor, ambos estão sujeitos à mesma ddp U, tal que:

Na figura 1, a chave Ch está aberta e, assim, não há corrente no circuito, nem ddp entre os
terminais A e B do resistor e do capacitor. Ao fecharmos a chave Ch (figura 2), estabelece-se uma
corrente no circuito e, conseqüentemente, haverá ddp entre A e B. Durante um intervalo de tempo
muito curto, há uma corrente decrescente no ramo do capacitor, enquanto este está se carregando.
Essa corrente não atravessa o capacitor por causa do dielétrico (isolante) entre as placas.


01-Um capacitor de capacitância C=2.10
-6
F é ligado a uma pilha de
fem 3V e resistência interna r=0,1O. Calcule a carga e a energia
potencial elétrica do capacitor.
02- O gerador do circuito a seguir é ideal.
(A) 2V (B) 4V (C) 8V (D) 16V (E) 32V
A ddp nos terminais do capacitor de 3µF é de :

03- No circuito mostrado na figura a seguir, a força eletromotriz da bateria
é c = 10V e sua resistência interna é r = 1,0O.

Sabendo que R = 4,0O e C = 2,0µF, e que o capacitor já se encontra completamente
carregado, considere as seguintes afirmações:
I. A indicação do amperímetro é 0A;
II. A carga armazenado no capacitor é de 16µF;
III. A tensão entre os pontos a e b é 2,0V;
IV. A intensidade de corrente na resistência R é de 2,5A.

Das afirmativas mencionadas, é (são) correta(s):
(A) Apenas I (B) I E II (C) I e IV (D) II e III (E) II e V
04- No circuito, a lâmpada L apresenta inscrição nominal (3W-6V),
o gerador é considerado ideal e o capacitor não apresenta carga
elétrica. No momento que a chave Ch é fechada, a lâmpada acende e
o amperímetro ideal A
1
acusa uma intensidade de corrente igual a
0,10A. Instantes depois, a lâmpada apaga, esse mesmo amperímetro
marcas zero e o amperímetro A
2
, também ideal, indica:
(A) 0,10A (B) 0,20A (C) 0,30A (D) 0,40A (E) 0,50A
05- No circuito a seguir, estando o capacitor com plena carga,
levamos a chave k da posição I para II. A quantidade de energia
térmica liberada pelo resistor de 5O após essa operação é:
(A) 1 J (B) 3 J (C) 6 J (D) 12 J (E) 15 J




Transformador ideal
 A aplicação de uma corrente variável com o tempo em uma das bobinas gera um fluxo
magnético que, por sua vez, induz uma tensão na outra conforme lei de Faraday.
 A bobina que recebe a corrente é denominada bobina ou enrolamento primário. Na
bobina ou enrolamento secundário, está presente a tensão induzida.
 A relação entre a tensão(ddp) e fluxo magnético(em módulo) nos enrolamentos primário
e secundário, são:
 U
P
=N
P
.(Au
P
/At) e U
S
=N
S
.(Au
S
/At) o onde N é o número de espiras.
 Na situação ideal, o fluxo magnético gerado no primário é totalmente dirigido ao
secundário, de forma que Au
P
= Au
S
= Au.
 Podemos então dividir as igualdades e chegamos à relação básica do transformador :








Um transformador ideal pode ser esquematizado
conforme a Figura . Duas bobinas compartilham o
mesmo núcleo. O material deste é altamente magnético
(em geral o ferro), de forma que todo o fluxo magnético
gerado é conduzido pelo núcleo.

U
P
/ U
S
=N
P
/ N
S


Na condição ideal também temos a mesma potência
em cada bobina: P = U
P
.Ip = Us Is.
Combinando com a relação anterior,


Is / Ip = Np / Ns

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->