http://www.iobonlineregulatorio.com.br/print/module/print.html?sour...

ICMS/MG - Ativo - Tratamento fiscal aplicado nas operações com Ativo Imobilizado 25 de Agosto de 2011

Em face da publicação da Resolução Conjunta SEF/AGE nº 4.341/2011 - DOE MG de 30.07.2011, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: Sbutópico 7.3 - Ativo permanente - Crédito integral a partir de 1º.08.2011.

ICMS/MG - Ativo - Tratamento fiscal aplicado nas operações com Ativo Imobilizado

Sumário 1. Introdução 2. Incidência e fato gerador 3. Contribuinte 4. Local da operação 5. Alíquota 6. Tributação na saída de bem do Ativo
6.1 Venda do bem em período inferior a 12 meses da aquisição 6.2 Saída de Ativo em comodato

7. Crédito
7.1 Aquisições realizadas até 31.07.2000 7.1.1 Exemplo de cálculo de crédito de Ativo 7.2 Aquisições realizadas a partir de 1º.08.2000 7.2.1 Condições para aproveitamento do crédito 7.2.2 Crédito de partes e peças 7.2.3 Estorno do crédito 7.2.4 Efetivação do crédito - Nota fiscal de entrada 7.2.5 Exemplo do cálculo a partir de 1º.08.2000 7.3 Ativo permanente - Crédito integral a partir de 1º.08.2011

8. Ciap
8.1 Modelo 8.2 Escrituração 8.3 Sped - Bloco G

9. Diferencial de alíquotas
9.1 Base de cálculo 9.2 Escrituração 9.2.1 Escrituração no livro Registro de Apuração 9.2.2 Crédito

10. Aquisição de ativo de não contribuinte do imposto 11. Benefícios fiscais
11.1 Importação 11.2 Diferimento 11.3 Embrapa

1. Introdução

A legislação estadual mineira, ao incorporar as disposições da Lei Complementar nº 87/1996 , concede tratamento fiscal/tributário específico às operações com mercadorias ou bens integrantes do Ativo das empresas. Embora essas operações possuam tratamento fiscal diferenciado, a legislação estadual não as conceitua como Ativo.

1 de 27

25/08/2011 16:32

http://www.iobonlineregulatorio.com.br/print/module/print.html?sour...

Assim, utilizaremos o conceito previsto na Lei nº 6.404/1976 (Lei das Sociedades Anônimas), art. 179, que considera Ativo Imobilizado como "os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens". A partir desse conceito, verificamos que são integrantes do Ativo todos os bens de permanência duradoura, destinados ao funcionamento normal da empresa, ou seja, o conjunto de bens móveis integrantes do acervo patrimonial necessários à exploração do objeto social e à manutenção da atividade empresarial. Estes bens não figuram a atividade principal da empresa como as mercadorias destinadas a venda. Assim, neste texto, abordamos os procedimentos fiscais inerentes ao Ativo do estabelecimento, tais como as regras de crédito, as situações de estorno, a emissão de documento fiscal, as formas de controle, a tributação, entre outros.

2. Incidência e fato gerador

O ICMS tem como fato gerador, entre outras situações, a operação relativa à circulação de mercadorias, inclusive a importação e a aquisição interestadual de mercadoria destinada a uso, consumo ou Ativo Permanente do estabelecimento. Nessas situações, o fato gerador do imposto ocorre no desembaraço aduaneiro de mercadorias ou bens importados do exterior, inclusive quando objeto de contrato de arrendamento mercantil (leasing), na entrada, no estabelecimento do contribuinte, em decorrência de operação interestadual, de mercadorias destinadas a uso, consumo ou Ativo Permanente do estabelecimento. Dessa forma, concluímos que a aquisição de bens para integração do Ativo da empresa constitui fato gerador do ICMS, ou seja, em geral, estará sujeita a este tributo estadual. ( RICMS-MG/2002 , Parte Geral, art. 1º , I, V e VII, e art. 2º , I e II)

3. Contribuinte

A legislação mineira considera contribuinte do ICMS qualquer pessoa, física ou jurídica, que realize operação de circulação de mercadoria ou prestação de serviço descrita como fato gerador do imposto. Portanto, entre os contribuintes do ICMS temos o adquirente ou o destinatário, em operação interestadual, de mercadoria destinada a uso, consumo ou Ativo Permanente do estabelecimento, além dos importadores. Em decorrência do conceito de contribuinte do ICMS, do fato gerador e das hipóteses de incidência, temos que o adquirente de bens para o Ativo é contribuinte deste tributo estadual. ( RICMS-MG/2002 , Parte Geral, art. 55 , § 4º, VI)

4. Local da operação

Com o objetivo de identificar o responsável pela operação e pelo recolhimento do respectivo tributo, torna-se necessário identificar o estabelecimento, bem como o local da operação. A legislação mineira considera como estabelecimento, para fins do ICMS, entre outras situações, o local, ainda que pertencente a terceiro, onde se recebe, em operação interestadual, mercadoria destinada a uso, consumo ou Ativo Permanente do adquirente. Na impossibilidade de determinação do estabelecimento, considera-se como tal o local onde tenha sido efetuada a operação ou encontrada a mercadoria, ou o local onde tenha sido prestado o serviço ou constatada a prestação. Nestes casos, o local da operação será o do estabelecimento que adquirir, em operação interestadual, mercadoria

2 de 27

25/08/2011 16:32

aparelhos e equipamentos industriais e máquinas. pelo ICM na etapa anterior de sua circulação no território brasileiro ou por ocasião de sua entrada em estabelecimento importador. I. As alíquotas do ICMS aplicáveis às operações internas realizadas no Estado de Minas Gerais estão relacionadas no RICMS-MG/2002 .1 Venda do bem em período inferior a 12 meses da aquisição Nas situações em que o estabelecimento realizar a venda do bem integrado ao Ativo em período inferior a 12 meses de sua imobilização. Alíquota O ICMS é um imposto seletivo. caso o bem que esteja sendo desintegrado do Ativo da empresa lá se encontre por mais de 12 meses desde a sua aquisição. XVII.1989. Parte Geral.html?sour. Parte Geral. transferência ou outra natureza jurídica . conforme previsto no RICMS-MG/2002 . I. e art. com relação ao diferencial de alíquota (tema que abordamos em tópico próprio). A alíquota aplicável será aquela específica para o produto. art. art. a sua saída. 61 . II. ( RICMS-MG/2002 . e b) na venda de produto objeto de contrato de arrendamento mercantil (leasing) em decorrência de opção de compra exercida pelo arrendatário. Caso contrário. Parte Geral. 3 de 27 25/08/2011 16:32 . a tributação da operação variará conforme o tempo de aquisição deste bem. art. "i") 5.3") 6. segundo as disposições da legislação deste Estado.com. art. 42 . Abordamos este tema no subitem 7. na venda ou na sua transferência. interna ou interestadual. a saída . Entretanto. até 12.br/print/module/print. Exemplo de alíquota diferenciada é a aplicada a máquinas. "b. consumo ou Ativo Permanente..somente estará amparada pela não incidência se o bem estiver imobilizado pelo prazo mínimo de 12 meses. 18%. será adotada a alíquota genérica aplicada neste Estado. Assim.iobonlineregulatorio. e Anexo I . na redação dada pelo Decreto nº 44. ou seja. Caso a mercadoria ou bem não possua alíquota específica discriminada nos itens do referido artigo. dependendo do bem do Ativo adquirido pelo estabelecimento. ou seja. Esse benefício não se aplica a duas situações: a) na saída de bem do Ativo Permanente cuja origem seja estrangeira e que não tenha sido onerado pelo ICMS ou. observando-se as regras contidas no RICMS-MG/2002 . item 89. art. Segundo a legislação deste Estado. Assim. art. aquele poderá ter alíquota diferenciada. 43 . Tributação na saída de bem do Ativo Muito se questiona sobre a tributação do bem integrante do Ativo. 42. 42. a aplicação da alíquota varia em função da essencialidade do produto. haverá a incidência do ICMS. equipamentos e ferramentas agrícolas cujas classificações fiscais encontram-se relacionadas no RICMS-MG/2002 . a operação será tributada normalmente. Parte Geral. não haverá estorno a ser realizado. ( RICMS-MG/2002 .03. Parte Geral. XII. Anexo XII . para uso. § 1º.781/2008 ) 6. Partes 1 e 2. Parte Geral.decorra ela de venda.2. ou seja.http://www. ( RICMS-MG/2002 . Em suma. estará amparada pelo benefício fiscal da não incidência do imposto. 58 . segundo as regras atuais de crédito proporcional do imposto. 5º ..

01.com. ora escriturado na coluna "Entrada (Crédito Passível de Apropriação)". como os veículos de transporte pessoal. Essa segregação torna-se necessária tendo em vista que as regras sobre este crédito sofreram alteração pela Lei Complementar nº 102/2000 . Parte Geral.07. XII.2000 e aquisições realizadas a partir de 1º. art. bem como os valores correspondentes ao serviço de transporte e ao diferencial de alíquotas.11. 5º . antes de decorrido o período de 48 meses da aquisição: o crédito fiscal poderá ser apropriado. mediante escrituração no Ciap. enquanto outras somente a adotaram em 1º. c) quando houver retorno do bem cedido em comodato e este for reinserido nas atividades operacionais do contribuinte. o valor correspondente ao imposto relativo à aquisição do bem.08.br/print/module/print. no livro Ciap. subdividiremos este item em aquisições realizadas até 31.iobonlineregulatorio.2 Saída de Ativo em comodato A saída de bem em comodato é amparada pela não incidência do ICMS prevista no RICMS-MG/2002 . 66.2) deverá ser escriturado. deveria efetuar um estorno do crédito ora aproveitado. a legislação mineira expressamente veda a apropriação do crédito do ICMS de bens incorporados ao Ativo Permanente do estabelecimento que sejam objeto de cessão por comodato.08. não geram o direito ao crédito do imposto as entradas de mercadorias que se refiram a serviços alheios à atividade do estabelecimento.2000.. o contribuinte detentor do bem observará os seguintes procedimentos. Baixa ou Perda (Dedução do Crédito)". não serão lançados no livro Controle de Crédito de ICMS do Ativo Permanente (Ciap). caso este realizasse a venda do bem antes de decorridos os 5 anos. como é o caso do Estado de Minas Gerais. conforme as regras gerais de crédito do Ativo previstas no RICMS-MG/2002 .html?sour. desde 1º. e art. o crédito do ICMS correspondente à fração do restante do quadriênio não será mais admitido. 5º . Parte Geral.2000 O crédito do ICMS originariamente autorizado pela Lei Complementar nº 87/1996 era admitido de forma integral no momento de sua aquisição ou em 60 parcelas (5 anos). (Lei Complementar nº 87/1996 . ( RICMS-MG/2002 . Algumas Unidades da Federação adotaram a alteração da sistemática do crédito a partir de 1º. XIII. art. Lei Complementar nº 102/2000 ) 7. b) quando a saída do bem em comodato ocorrer após a utilização nas atividades operacionais da empresa e antes de decorrido o quadriênio (48 meses): b. Entretanto.07. Para uma melhor abordagem sobre o tema. Crédito O crédito do ICMS relativo aos bens integrantes do Ativo vem sendo admitido desde a entrada em vigor da Lei Complementar nº 87/1996 . b. Nesta situação específica.1) a partir da data da cessão em comodato. ainda que destinados à industrialização de mercadorias por encomenda do estabelecimento comodante (quem cede em comodato). art. 42 ) 6.2000.1 Aquisições realizadas até 31. na coluna "Saída..2001. Parte Geral.http://www. que variam em conformidade com cada situação distinta: a) quando o bem for previamente destinado a posterior saída em comodato: os valores relativos ao crédito da aquisição. (Instrução Normativa Sutri nº 2/2009) 7. Contudo. Os créditos de ICMS decorrentes da entrada de bens destinados ao Ativo Permanente cedido em comodato apropriados em desacordo com a Instrução Normativa Sutri nº 2/2009 são passíveis de estorno. Esse estorno deveria ocorrer na proporção de 20% ao ano ou à fração que 4 de 27 25/08/2011 16:32 .1996. Nestes casos. ou seja. ficando a critério do contribuinte adotar a forma que melhor lhe conviesse.

caso fosse necessário. e o frete foi pago pelo fornecedor. faltasse para completar o quinquênio. bem como as isentas e com base de cálculo reduzida em que seja permitida a manutenção integral do crédito. O estorno. 73.00. o montante deste será o obtido através da multiplicação do respectivo crédito pelo fator igual a 1/60 da relação entre a soma das saídas e prestações isentas. Parte Geral.000. Os valores dos estornos devem ser lançados também no Ciap. ( RICMS-MG/2002 . geração ou extração de mercadorias cuja saída seja isenta.07. modelo A. caso faltassem 18 meses para completar o quinquênio. conforme previsto no RICMS-MG/2002 . o saldo remanescente será cancelado de modo a não mais ocasionar estornos.2000. e o contribuinte procedia ao estorno do imposto quando o bem do Ativo Permanente: a) era utilizado para produção ou comercialização de mercadorias cuja saída resultasse em operações isentas ou não tributadas. o contribuinte estornaria 40% do valor apropriado. o crédito do imposto. seja superior ou inferior a um mês. não tributadas e com base de cálculo reduzida (considerando-se apenas o valor da redução). O quociente de 1/60 será proporcionalmente aumentado ou diminuído pro rata die em conformidade com o período de apuração do imposto. através da emissão de nota fiscal para esse fim. §§ 4º a 10.iobonlineregulatorio. o A e o B. art. Nota Para fins deste cálculo. b) era utilizada na prestação de serviços isentos ou não tributados. não tributada ou com base de cálculo reduzida. Assim.07. deveria ser feito no mesmo mês da saída do bem. necessitavam de controle próprio realizado através do Ciap.com. Parte Geral.. produção. e o total das saídas e prestações no mesmo período. Assim. art. que aprovava dois modelos.00 (escriturado no mês de julho/2000).2000 para comercialização. quando admitido. sendo que ao final do 5º ano. Exemplificando.html?sour. deverá ser realizado estorno proporcional dos créditos escriturados.br/print/module/print. consideram-se tributadas as operações e prestações com destino ao exterior..1 Exemplo de cálculo de crédito de Ativo Um contribuinte do ICMS adquiriu em julho/2000 (operação interestadual) bem para o seu Ativo Permanente. Fórmula: Fator = 1/60 x (saídas isentas ou não tributadas ÷ saídas totais) Em qualquer período de apuração do imposto em que se constatar a utilização de bens do Ativo adquiridos até 31. Os créditos do Ativo. O Estado de Minas Gerais adotou o modelo A. industrialização. e art. Para efeito do estorno.000. Naquele mês. exceto as destinadas ao exterior. contado da data da entrada do bem no estabelecimento.http://www. o valor do crédito pela aquisição do bem do Ativo Permanente foi de R$ 12. em cada período de apuração. nas entradas ocorridas até 31. o contribuinte efetuou as seguintes saídas: 5 de 27 25/08/2011 16:32 . 73 ) 7. 71 . O valor do ICMS destacado na nota fiscal foi de R$ 12.1. instituído pelo Ajuste Sinief nº 8/1997 . era efetuado integralmente no mês em que ocorria a entrada da mercadoria no estabelecimento. portanto incorporado ao custo do bem. tendo em vista sua particularidade.

com. O montante do crédito a se apropriar será obtido com a multiplicação do valor total do respectivo crédito pelo fator igual a 1/48 da relação entre o valor das saídas e prestações tributadas e o total das saídas e prestações do período. §§ 3º e 5º) 7. d) os valores do crédito a serem apropriados devem ser lançados no Ciap.000. art.iobonlineregulatorio.00 X 0.br/print/module/print.00 Não tributadas R$ 30. II. 6 de 27 25/08/2011 16:32 . permanecendo em vigor até os dias atuais. Assim. (Lei Complementar nº 87/1996 .00 Então. Esta regra não sofreu alterações. o crédito do imposto somente pode ser realizado de forma parcelada.000. os seguintes requisitos: a) ser de propriedade do contribuinte. contado do mês em que tenha ocorrido a sua entrada no estabelecimento do contribuinte. modelo C..00) Valor da aquisição x fator = R$ 12.08. art. não será admitido o crédito em 48 parcelas. observando-se que: a) as saídas e as prestações com destino ao exterior ou com fim específico de exportação (exportação indireta) ficam equiparadas às saídas tributadas. eis o cálculo do valor a estornar naquele mês: Valor da aquisição x (1/60 u total de operações não tributadas ÷ total de operações tributadas) R$ 12.2. 20 .1 Condições para aproveitamento do crédito A legislação estadual mineira estabelece critérios para aproveitamento do crédito do imposto incidente nas operações de aquisição de bens para o Ativo do estabelecimento. em relação à proporção das saídas ou prestações isentas ou não tributadas sobre o total das saídas e prestações efetuadas no mesmo período. Saídas Valor Tributadas (no mercado interno) R$ 150. Em cada período de apuração do imposto. a qual o Estado de Minas Gerais aplicou a partir de 1º. pro rata dia. c) na hipótese de alienação do bem antes do término do quadriênio.000. Parte Geral. o bem destinado ao Ativo deve satisfazer.000.000. devendo a primeira fração ser apropriada no mês em que ocorrer a entrada no estabelecimento.2000 Com a alteração na regra de creditamento do ICMS sobre as aquisições de bens para o Ativo do estabelecimento.. cumulativamente. b) o quociente de 1/48 será proporcionalmente aumentado ou diminuído. caso o período de apuração seja superior ou inferior a um mês. b) ser utilizado nas atividades operacionais do contribuinte. 66 .00 ÷ R$ 180. A apropriação dos créditos relativos a bens do Ativo Permanente deve ser realizada de forma proporcional à razão de 1/48 por mês.00 x (1/60 X R$ 30.2 Aquisições realizadas a partir de 1º.html?sour.2000. RICMS-MG/2002 .http://www.60 7.08.0028 Valor a ser estornado = R$ 33. não mais será admitido o crédito remanescente.000.

http://www. desde que satisfaçam todos os requisitos relacionados nos subitens anteriores. c) ter vida útil superior a 12 meses.Nota fiscal de entrada A aquisição de bem para o Ativo Permanente gera direito ao crédito do ICMS em 48 parcelas. ou de causas funcionais. art. Assim. Dessa forma. com o valor do crédito apurado e informado no Ciap. o contribuinte mineiro deverá realizá-lo através da emissão de nota fiscal de entrada.. 66 .Imposto Creditado". informando na coluna "Observações": "Ativo Permanente .604. o contribuinte poderá utilizar o crédito. em 48 parcelas. §§ 6º e 7º. Essa nota fiscal será emitida sob o CFOP 1.2. o crédito do Ativo será admitido em relação à aquisição de partes e peças empregadas nos bens do Ativo. o desgaste natural ou a ação dos elementos da natureza.4 Efetivação do crédito . ( RICMS-MG/2002 .iobonlineregulatorio. conforme as operações realizadas. II. modelo C. na redação dada pelo Decreto nº 44. d) ser a limitação de sua vida útil decorrente apenas de causas físicas. tais como o uso.2. Parte Geral. registrando a venda no Ciap. Este direito aplica-se também a partes e peças empregadas em bens de terceiros e que se encontrem em posse do contribuinte. em nome do próprio contribuinte. Parte Geral. O crédito do bem do Ativo será controlado no Ciap. 7.3 Estorno do crédito Considerando a nova sistemática do crédito em 48 parcelas. encontramos na legislação deste Estado um permissivo para o creditamento. informando na coluna "Observações": "Crédito do ICMS relativo à entrada de bem do Ativo Permanente". havendo a alienação antes da conclusão do período de 4 anos. Nesse sentido.html?sour. e f) ser contabilizado como Ativo Imobilizado. Por fim. o contribuinte o apropria mensalmente. modelo C. específica para esta finalidade. se o bem adquirido atender aos requisitos descritos neste subitem.. o contribuinte não deverá realizar nenhum estorno do crédito.2 Crédito de partes e peças Uma polêmica existente no dia a dia das empresas é o direito ou não ao crédito de peças e partes de bens do Ativo Permanente. desde que respeitem as seguintes condições: a) a substituição dessas peças ou partes resulte em aumento da vida útil prevista no ato da aquisição ou do recebimento do respectivo bem por prazo superior a 12 meses. conforme previsto no RICMSMG/2002 . Dessa forma.ICMS a ser apropriado". ( RICMS-MG/2002 .br/print/module/print. ainda que a legislação mineira não o conceitue como bem do Ativo. respeitando-se a proporcionalidade das operações tributadas sobre o total das realizadas. modelo C. e sim apenas parar de efetuá-lo. 7 de 27 25/08/2011 16:32 . § 5º) 7. 66 .com. como inadequação ou obsoletismo. após serem realizados todos os cálculos para identificar a parcela do crédito a apropriar no período. exceto se de forma residual.Outras".781/2008 ) 7. a nota fiscal de aquisição será escriturada no livro Registro de Entradas do estabelecimento adquirente na coluna "Operações sem Crédito do Imposto .2. e escriturada no livro Registro de Entradas do estabelecimento na coluna "Operações com Crédito do Imposto . art. Entretanto. ao final de cada período de apuração (mês). e b) as peças e partes sejam contabilizadas como Ativo Imobilizado. II. e) não integrar o produto final.

não acumulando para crédito em qualquer outro momento.12.01833333 = R$ 220.000.5 Exemplo do cálculo a partir de 1º.br/print/module/print. a diferença (R$ 30. 8 de 27 25/08/2011 16:32 .2011 a 31. parágrafo único) 7. 168 . o contribuinte efetuou as seguintes saídas: Saídas Valor Tributadas (mercado interno) R$ 150.. tendo em vista a proporcionalidade do crédito com as saídas tributadas pelo contribuinte. R$ 250.08. Assim. art.000. O crédito do ICMS será calculado mensalmente. acreditamos que possa ser emitida uma única nota fiscal.00.000.000.00) e o valor apurado (R$ 220.000.00 Cabe enfatizar que. Anexo V . ou seja. Dessa forma.http://www.000.000.2012.00 ÷ 48).00 Não tributadas R$ 30. cada qual em sua folha ou ficha específica.00 x (1/48 x R$ 220.Crédito integral a partir de 1º.com. para creditamento do ICMS relativo a todos os bens do Ativo que se encontrem em fase de creditamento e cujo controle esteja sendo realizado por meio de Ciap. Nota Embora não haja previsão expressa na legislação mineira.00 Então.08. no final do período de apuração.2011 Nota Esta sistemática de crédito poderá ser utilizada no período de 1º.08.. eis o cálculo do valor a creditar naquele mês: R$ 12.2.000. No mês de julho/2006. e o frete foi pago pelo fornecedor. 7.00) entre o valor da parcela integral (R$ 250.3 Ativo permanente .iobonlineregulatorio.00 x 0.000.00 ÷ R$ 250. portanto incorporado ao custo do bem.00 Exportação R$ 70.00) = R$ 12. ( RICMS-MG/2002 .00) será "perdida". suponhamos que o contribuinte do ICMS adquiriu em julho/2006 (operação interestadual) um bem para o seu Ativo Permanente.html?sour.000.00 Total de operações realizadas no mês R$ 250.2000 Neste subitem exemplificamos a sistemática atual do cálculo para crédito do ICMS referente às aquisições para o Ativo do estabelecimento.00 (R$ 12. se todas as operações realizadas no mês fossem tributadas pelo ICMS. o contribuinte realizaria o crédito total da parcela. O valor do ICMS destacado na nota fiscal foi de R$ 12.

br/print/module/print.html?sour. quando declarados ou apurados pelo fisco. ou pelo Secretário de Estado de Fazenda. Nota O contribuinte mineiro.com.. judicial ou administrativo.3) débito de ICMS decorrente de autuação em relação a qual não caiba mais recurso ou defesa administrativa e não pago no prazo fixado para o seu recolhimento. por qualquer de seus estabelecimentos: b. b. conforme parecer aprovado pelo Secretário de Estado de Fazenda. no caso de débito inscrito em dívida ativa.08.iobonlineregulatorio. c) sejam garantidos por depósito administrativo. se inscritos na dívida ativa.1) débitos fiscais inscritos em dívida ativa. b. A efetivação do crédito do ICMS relativo a aquisições do ativo pode ser realizada pelos seguintes estabelecimentos: Lista de atividades passíveis ao crédito integral a partir de 1º. Os estabelecimentos que estiverem em fase pré-operacional ou que não tiverem débitos de ICMS suficientes para absorverem de forma integral o crédito do ICMS. os autos serão encaminhados para análise e decisão do Secretário de Estado de Fazenda ou. para fins de crédito itnegral. se inscritos na dívida ativa. caso ainda pendentes de inscrição na dívida ativa. do Advogado-Geral do Estado. fiança bancária. independente de o crédito ter sido efetivado de forma integral ou diferido mediante regime especial. Para que o contribuinte possa se creditar de uma única vez do valor constante no documento fiscal de aquisição. fiança bancária. deverão ser observados os seguintes requisitos: a) o adquirente deve estar em situação regular perante o Fisco.2) débitos do imposto declarados e não pagos no prazo de até 30 dias da data do vencimento. Nas situações em que o contribuinte não cumprir o descrito na letra "b". conforme parecer aprovado pelo Advogado-Geral do Estado.2011 ATIVIDADE CNAE 9 de 27 25/08/2011 16:32 .4) débito do qual decorra impugnação ainda não julgada definitivamente na esfera administrativa.http://www. ou pelo Secretário de Estado de Fazenda. quando objeto de impugnação ainda não julgada definitivamente na esfera administrativa. Cumpre observar que o Fisco mineiro editará as demais normas regulamentadoras desta sistemática de crédito. ele poderá realizar o crédito integral desde que os débitos que possua: a) estejam garantidos por depósito. seguro de obrigações contratuais ou outro tipo de garantia. deverá apresentar requerimento na Administração Fazendária de sua circunscrição. b) sejam objeto de pedido de parcelamento regularmente cumprido. caso ainda pendentes de inscrição na dívida ativa.. b) o adquirente não deve possuir. instruído com oferecimento de fiança bancária ou seguro-garantia. O Fisco mineiro altera o regulamento para incluir a possibilidade do crédito integral do ICMS destacado no documento fiscal de aquisição de bens para integrar o Ativo Imobilizado dos estabelecimentos industriais cuja atividade esteja relacionada no ato legal. seguro de obrigações contratuais ou outro tipo de garantia. seguro de obrigações contratuais ou outro tipo de garantia. Caso o contribuinte cumprir todos os requisitos e condições para a realização do crédito integral e não permanecer com o bem do ativo por 48 meses deverá recolher aos cofres públicos o ICMS relativo às parcelas restantes para completar o quadriênio. b. relativo a crédito de imposto destacado no documento fiscal sem amparo em convênio ou protocolo de ICMS. conforme parecer aprovado pelo Advogado-Geral do Estado. poderão ser concedidos regime especial para autorizar que o ICMS incidente na saída do bem do estabelecimento fabricante seja diferido para o momento em que ocorrer a saída do produto industrializado. Neste caso.

exceto roupas íntimas 1412-6/02 10 de 27 25/08/2011 16:32 .com. xaropes e pós para refrescos.html?sour. exceto refrescos de frutas 1122-4/03 Fabricação de outras bebidas não-alcoólicas não especificadas anteriormente 1122-4/99 Preparação e fiação de fibras de algodão 1311-1/00 Preparação e fiação de fibras têxteis naturais. inclusive artefatos 1354-5/00 Fabricação de outros produtos têxteis não especificados anteriormente 1359-6/00 Confecção de roupas íntimas 1411-8/01 Facção de roupas íntimas 1411-8/02 Confecção de peças do vestuário. exceto roupas íntimas e as confeccionadas sob medida 1412-6/01 Confecção. inclusive malte uísque 1113 -5/01 Fabricação de cervejas e chopes 1113-5/02 Fabricação de águas envasadas 1121-6/00 Fabricação de refrigerantes 1122-4/01 Fabricação de chá mate e outros chás prontos para consumo 1122-4/02 Fabricação de refrescos.br/print/module/print... sob medida. exceto algodão 1312-0/00 Fiação de fibras artificiais e sintéticas 1313-8/00 Fabricação de linhas para costurar e bordar 1314-6/00 Tecelagem de fios de algodão 1321-9/00 Tecelagem de fios de fibras têxteis naturais. de peças do vestuário.iobonlineregulatorio. exceto algodão 1322-7/00 Tecelagem de fios de fibras artificiais e sintéticas 1323-5/00 Fabricação de artefatos têxteis para uso doméstico 1351-1/00 Fabricação de artefatos de tapeçaria 1352-9/00 Fabricação de artefatos de cordoaria 1353-7/00 Fabricação de tecidos especiais.http://www. Fabricação de aguardente de cana-de-açúcar 1111-9/01 Fabricação de outras aguardentes e bebidas destiladas 1111-9/02 Fabricação de vinho 1112-7/00 Fabricação de malte.

exceto para segurança e proteção 1414-2/00 Fabricação de meias 1421-5/00 Fabricação de artigos do vestuário. exceto sob medida 1413-4/01 Confecção. produzidos em malharias e tricotagens. bolsas e semelhantes de qualquer material 1521-1/00 Fabricação de artefatos de couro não especificados anteriormente 1529-7/00 Fabricação de calçados de couro 1531-9/01 Acabamento de calçados de couro sob contrato 1531-9/02 Fabricação de tênis de qualquer material 1532-7/00 Fabricação de calçados de material sintético 1533-5/00 Fabricação de calçados de materiais não especificados anteriormente 1539-4/00 Fabricação de papel 1721-4/00 Fabricação de cartolina e papel-cartão 1722-2/00 Fabricação de embalagens de papel 1731-1/00 Fabricação de embalagens de cartolina e papel-cartão 1732-0/00 Fabricação de chapas e de embalagens de papelão ondulado 1733-8/00 Fabricação de formulários contínuos 1741-9/01 Fabricação de produtos de papel.html?sour. sob medida. papel-cartão e papelão ondulado para uso comercial e de escritório 1741-9/02 Fabricação de fraldas descartáveis 1742-7/01 Fabricação de absorventes higiênicos 1742-7/02 Fabricação de produtos de papel para uso doméstico e higiênico-sanitário não especificados anteriormente 1742-7/99 Fabricação de produtos de pastas celulósicas.iobonlineregulatorio.br/print/module/print.. de roupas profissionais 1413-4/02 Fabricação de acessórios do vestuário. exceto meias. papel-cartão e papelão ondulado não especificados anteriormente 1749-4/00 Fabricação de produtos petroquímicos básicos 2021-5/00 Fabricação de intermediários para plastificantes.http://www. resinas e fibras 2022-3/00 11 de 27 25/08/2011 16:32 .. papel. exceto roupas íntimas 1412-6/03 Confecção de roupas profissionais. 1422-3/00 Fabricação de artigos para viagem. Facção de peças do vestuário. cartolina. cartolina.com.

com. explosivos e detonantes 2092-4/01 Fabricação de artigos pirotécnicos 2092-4/02 Fabricação de fósforos de segurança 2092-4/03 Fabricação de aditivos de uso industrial 2093-2/00 Fabricação de catalisadores 2094-1/00 Fabricação de chapas. esmaltes e lacas 2071-1/00 Fabricação de tintas de impressão 2072-0/00 Fabricação de impermeabilizantes.br/print/module/print.http://www.html?sour. solventes e produtos afins 2073-8/00 Fabricação de adesivos e selantes 2091-6/00 Fabricação de pólvoras.iobonlineregulatorio. filmes. vernizes.. papéis e outros materiais e produtos químicos para fotografia 2099-1/01 Fabricação de outros produtos químicos não especificados anteriormente 2099-1/99 Fabricação de medicamentos alopáticos para uso humano 2121-1/01 Fabricação de medicamentos homeopáticos para uso humano 2121-1/02 Fabricação de medicamentos fitoterápicos para uso humano 2121-1/03 Fabricação de medicamentos para uso veterinário 2122-0/00 Fabricação de preparações farmacêuticas 2123-8/00 Fabricação de pneumáticos e de câmaras de ar 2211-1/00 Reforma de pneumáticos usados 2212-9/00 Fabricação de artefatos de borracha não especificados anteriormente 2219-6/00 Fabricação de laminados planos e tubulares de material plástico 2221-8/00 Fabricação de embalagens de material plástico 2222-6/00 Fabricação de tubos e acessórios de material plástico para uso na construção 2223-4/00 Fabricação de artefatos de material plástico para uso pessoal e doméstico 2229-3/01 12 de 27 25/08/2011 16:32 . produtos de perfumaria e de higiene pessoal 2063-1/00 Fabricação de tintas. Fabricação de produtos químicos orgânicos não especificados anteriormente 2029-1/00 Fabricação de sabões e detergentes sintéticos 2061-4/00 Fabricação de produtos de limpeza e polimento 2062-2/00 Fabricação de cosméticos..

html?sour.. exceto azulejos e pisos 2342-7/02 Fabricação de material sanitário de cerâmica 2349-4/01 Fabricação de produtos cerâmicos não refratários não especificados anteriormente 2349-4/99 Britamento de pedras.com. exceto associado à extração 2391-5/02 Aparelhamento de placas e execução de trabalhos em mármore. Fabricação de artefatos de material plástico para usos industriais 2229-3/02 Fabricação de artefatos de material plástico para uso na construção. vidro e cristal 2399-1/01 Fabricação de outros produtos de minerais não metálicos não especificados anteriormente 2399-1/99 Produção de semi-acabados de aço 2421-1/00 Produção de laminados planos de aço ao carbono. gesso e materiais semelhantes 2330-3/99 Fabricação de produtos cerâmicos refratários 2341-9/00 Fabricação de azulejos e pisos 2342-7/01 Fabricação de artefatos de cerâmica e barro cozido para uso na construção. granito.br/print/module/print.. lapidação. exceto associado à extração 2391-5/01 Aparelhamento de pedras para construção. cimento. ardósia e outras pedras 2391-5/03 fabricação de cal e gesso 2392-3/00 Decoração. em série e sob encomenda 2330-3/01 Fabricação de artefatos de cimento para uso na construção 2330-3/02 Fabricação de artefatos de fibrocimento para uso na construção 2330-3/03 Fabricação de casas pré-moldadas de concreto 2330-3/04 Preparação de massa de concreto e argamassa para construção 2330-3/05 Fabricação de outros artefatos e produtos de concreto. revestidos ou não 2422-9/01 Produção de laminados planos de aços especiais 2422-9/02 13 de 27 25/08/2011 16:32 . exceto tubos e acessórios 2229-3/03 Fabricação de artefatos de material plástico para outros usos não especificados anteriormente 2229-3/99 Fabricação de vidro plano e de segurança 2311-7/00 Fabricação de embalagens de vidro 2312-5/00 Fabricação de artigos de vidro 2319-2/00 Fabricação de estruturas pré-moldadas de concreto armado. louça. vitrificação e outros trabalhos em cerâmica. fibrocimento.iobonlineregulatorio. gravação.http://www.

exceto esquadrias 2542-0/00 Fabricação de ferramentas 2543-8/00 Fabricação de embalagens metálicas 2591-8/00 14 de 27 25/08/2011 16:32 ..br/print/module/print.. solda.com. Produção de tubos de aço sem costura 2423-7/01 Produção de laminados longos de aço.html?sour.iobonlineregulatorio. exceto arames 2424-5/02 Produção de alumínio e suas ligas em formas primárias 2441-5/01 Produção de laminados de alumínio 2441-5/02 Metalurgia dos metais preciosos 2442-3/00 Metalurgia do cobre 2443-1/00 Produção de zinco em formas primárias 2449-1/01 Produção de laminados de zinco 2449-1/02 Produção de soldas e anodos para galvanoplastia 2449-1/03 Metalurgia de outros metais não ferrosos e suas ligas não especificados anteriormente 2449-1/99 Fundição de ferro e aço 2451-2/00 Fundição de metais não-ferrosos e suas ligas 2452-1/00 Fabricação de estruturas metálicas 2511-0/00 Fabricação de esquadrias de metal 2512-8/00 Fabricação de obras de caldeiraria pesada 2513-6/00 Produção de forjados de aço 2531-4/01 Produção de forjados de metais não ferrosos e suas ligas 2531-4/02 Produção de artefatos estampados de metal 2532-2/01 Fabricação de Produtos da metalurgia do pó 2532-2/02 Serviços de usinagem. tratamento e revestimento em metais 2539-0/01 2539-0/02 Fabricação de artigos de cutelaria 2541-1/00 Fabricação de artigos de serralheria.http://www. trefilados e perfilados de aço. exceto tubos 2423-7/02 Produção de arames de aço 2424-5/01 Produção de relaminados.

contatos e outros artigos de carvão e grafita para uso elétrico. exceto para aviões e veículos rodoviários 2811-9/00 Fabricação de equipamentos hidráulicos e pneumáticos. peças e acessórios 2814-3/02 Fabricação de rolamentos para fins industriais 2815-1/01 Fabricação de equipamentos de transmissão para fins industriais exceto rolamentos 2815-1/02 15 de 27 25/08/2011 16:32 . exceto válvulas 2812-7/00 Fabricação de válvulas.. peças e acessórios 2813-5/00 Fabricação de compressores para uso industrial. peças e acessórios 2710-4/01 Fabricação de transformadores. conversores.iobonlineregulatorio.com.html?sour. eletroímãs e isoladores 2790-2/01 Fabricação de equipamentos para sinalização e alarme 2790-2/02 Fabricação de outros equipamentos e aparelhos elétricos não especificados anteriormente 2790-2/99 Fabricação de motores e turbinas. peças e acessórios.. teste e controle 2651-5/00 Fabricação de cronômetros e relógios 2652-3/00 Fabricação de geradores de corrente continua e alternada. peças e acessórios 2710-4/02 Fabricação de motores elétricos. registros e dispositivos semelhantes. indutores. exceto padronizados 2592-6/02 Fabricação de artigos de metal para uso doméstico e pessoal 2593-4/00 Serviços de confecção de armações metálicas para a construção 2599-3/01 Fabricação de outros produtos de metal não especificados anteriormente 2599-3/99 Fabricação de aparelhos e equipamentos de medida. peças e acessórios 2814-3/01 Fabricação de compressores para uso não industrial. sincronizadores e semelhantes.http://www. peças e acessórios 2710-4/03 Fabricação de aparelhos e equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica 2731-7/00 Fabricação de material elétrico para instalações em circuito de consumo 2732-5/00 Fabricação de fios. peças e acessórios 2759-7/01 Fabricação de outros aparelhos eletrodomésticos não especificados anteriormente. Fabricação de produtos de trefilados de metal padronizados 2592-6/01 Fabricação de produtos de trefilados de metal. peças e acessórios 2751-1/00 Fabricação de aparelhos elétricos de uso pessoal.br/print/module/print. refrigeradores e máquinas de lavar e secar para uso doméstico. peças e acessórios 2759-7/99 Fabricação de eletrodos. cabos e condutores elétricos isolados 2733-3/00 Fabricação de fogões. peças e acessórios.

exceto caminhões e ônibus 2930-1/03 Fabricação de peças e acessórios para o sistema motor de veículos automotores 2941-7/00 Fabricação de peças e acessórios para os sistemas de marcha e transmissão de veículos automotores 2942-5/00 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de freios de veículos automotores 2943-3/00 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de direção e suspensão de veículos automotores 2944-1/00 Fabricação de material elétrico e eletrônico para veículos automotores. peças e acessórios 2821-6/02 Fabricação de máquinas.br/print/module/print.. carrocerias e reboques para outros veículos automotores. aparelhos e equipamentos não elétricos para instalações térmicas. peças e acessórios 2822-4/01 Fabricação de máquinas. peças e acessórios 2851-8/00 Fabricação de outras máquinas e equipamentos para uso na extração mineral. peças e acessórios 2821-6/01 Fabricação de estufas e fornos elétricos para fins industriais.iobonlineregulatorio.. Fabricação de fornos industriais. exceto na extração de petróleo 2852-6/00 Fabricação de tratores. peças e acessórios 2829-1/99 Fabricação de máquinas e equipamentos para a prospecção e extração de petróleo. exceto baterias 2945-0/00 Fabricação de bancos e estofados para veículos automotores 2949-2/01 Fabricação de outras peças e acessórios para veículos automotores não especificadas anteriormente 2949-2/99 16 de 27 25/08/2011 16:32 . peças e acessórios 2823-2/00 Fabricação de aparelhos e equipamentos de ar condicionado para uso industrial 2824-1/01 Fabricação de aparelhos e equipamentos de ar condicionado para uso não industrial 2824-1/02 Fabricação de máquinas e equipamentos para saneamento básico e ambiental. equipamentos e aparelhos para transporte e elevação de cargas. carrocerias e reboques para caminhões 2930-1/01 Fabricação de carrocerias para ônibus 2930-1/02 Fabricação de cabines. peças e acessórios. calcular e outros equipamentos não eletrônicos para escritório.html?sour. exceto agrícolas 2853-4/00 Fabricação de máquinas e equipamentos para terraplenagem. pavimentação e construção. peças e acessórios. exceto tratores 2854-2/00 Fabricação de cabines. peças e acessórios 2822-4/02 Fabricação de máquinas e aparelhos de refrigeração e ventilação para uso industrial e comercial. peças e acessórios 2825-9/00 Fabricação de máquinas de escrever.com.http://www. equipamentos e aparelhos para transporte e elevação de pessoas. peças e acessórios 2829-1/01 Fabricação de outras máquinas e equipamentos de uso geral não especificados anteriormente. peças e acessórios.

00. cirúrgico.html?sour..11. odontológico e de laboratório 3250-7/02 Fabricação de aparelhos e utensílios para correção de defeitos físicos e aparelhos ortopédicos em geral sob encomenda 3250-7/03 Fabricação de aparelhos e utensílios para correção de defeitos físicos e aparelhos ortopédicos em geral.10.00 ou 8422. exceto madeira e metal 3103-9/00 Fabricação de colchões 3104-7/00 Fabricação de instrumentos não eletrônicos e utensílios para uso médico. lápis e outros artigos para escritório 3299-0/02 Fabricação de letras.90 da NBM/SH.12 a 4411.http://www. exceto sob encomenda 3250-7/04 Fabricação de materiais para medicina e odontologia 3250-7/05 Serviços de prótese dentária 3250-7/06 Fabricação de artigos ópticos 3250-7/07 Fabricação de artefatos de tecido não tecido para uso odonto-médico-hospitalar 3250-7/08 Fabricação de escovas.3) chapas de fibras de madeira classificadas nos códigos 4411.99 da NBM/SH. letreiros e placas de qualquer material. b) contribuinte classificado no código 2740-6/01 da CNAE.2) painéis de fibras de madeira de média densidade (MDF) classificados nos códigos 4411. 17 de 27 25/08/2011 16:32 . odontológico e de laboratório 3250-7/01 Fabricação de mobiliário para uso médico. c.92 a 4411. 8418. classificadas no código 8543. cirúrgico. c.11. que seja fabricante de: c. pincéis e vassouras 3291-4/00 Fabricação de roupas de proteção e segurança e resistentes a fogo 3292-2/01 Fabricação de equipamentos e acessórios para segurança pessoal e profissional 3292-2/02 Fabricação de canetas.70. exceto luminosos 3299-0/03 Fabricação de painéis e letreiros luminosos 3299-0/04 Fabricação de aviamentos para costura 3299-0/05 Fabricação de produtos diversos não especificados anteriormente 3299-0/99 Também poderão usufruir desta forma de crédito as operações destinadas aos seguintes estabelecimentos: a) contribuinte classificado no código 2751-1/00 da CNAE.40.br/print/module/print.00.iobonlineregulatorio. Fabricação de móveis com predominância de madeira 3101-2/00 Fabricação de móveis com predominância de metal 3102-1/00 Fabricação de móveis de outros materiais.14 da NBM/SH. classificados nos códigos 8418.94 da NBM/SH. combinações de refrigeradores e congeladores (freezers) ou máquinas de lavar louça.10 a 4410. 8418..11.30. que seja fabricante de lâmpadas LED. c) contribuinte classificado no código 1621-8/00 da CNAE.com. que seja fabricante dos seguintes produtos de uso doméstico: congeladores (freezers).1) painéis de partículas de madeira (MDP) classificados nos códigos 4410.00 da NBM/SH.

1) painéis de partículas de madeira (MDP) classificados nos códigos 4410. 498 da Parte 1 do Anexo IX do RICMS".Outros" do Quadro "Obrigações do Período". na hipótese de aquisição de bem em operação contemplada com o diferimento (previsto no RICMS-MG/2002 . no período de entrada do bem ou componente. o desgaste natural ou a ação dos elementos da natureza. classificadas nos códigos 8541. como a inadequação ou o obsoletismo.br/print/module/print.40.32 da NBM/SH. indicando o valor correspondente ao saldo das parcelas do período que faltar para completar o quadriênio (48 meses) contendo observação de que a emissão se deu para fins de: b.31 ou 8541. Para gerar o direito ao crédito. os seguintes requisitos: a) ser de propriedade do contribuinte que o adquiriu.10 a 4410.ICMS a ser apropriado integralmente nos termos do art.94 da NBM/SH. o contribuinte deverá emitir: a) nota fiscal."ICMS a Recolher . 498. exceto se de forma residual. fazendo anotação no Campo "Observações": "imposto recolhido nos termos do § 4º do art. tais como o uso. Parte 1.2) painéis de fibras de madeira de média densidade (MDF) classificados nos códigos 4411. e) não integrar o produto final. contados a partir da entrada no estabelecimento.11.11. de forma cumulativa.90 da NBM/SH. extravio ou deterioração do bem ou componente. art.http://www. com crédito do ICMS.1) saída por alienação ou transferência do bem ou componente ao amparo da não-incidência do imposto de que trata o inciso XII do art. e) contribuinte que seja fabricante de células fotovoltaicas em módulos ou painéis. d) ter vida útil limitada apenas em razão de causas físicas. Nos casos de alienação. transferência. Cabe enfatizar que este procedimento de ajuste não se aplica nas situações em que a alienação ocorrer antes de 12 18 de 27 25/08/2011 16:32 . c) ter vida útil superior a 12 meses. perecimento. além do nome e do número de inscrição estadual do fabricante do bem localizado em Minas Gerais no caso de remessa para centro de distribuição.. d. Anexo IX .40. não haverá lançamento no Controle de Crédito de ICMS do Ativo Permanente (Ciap). g) não ter destinação alheia à atividade do estabelecimento. b) ser utilizado nas atividades operacionais do contribuinte. A nota fiscal de aquisição do bem ou componente deverá conter a expressão "mercadoria produzida no Estado". f) ser contabilizado como Ativo Imobilizado.14 da NBM/SH.com. o bem ou componente deve satisfazer. com a seguinte informação no campo "Observações": "Ativo Imobilizado . ou b. no "Campo 002 . d. O valor do destaque da nota fiscal ou o valor a ser estornado deverá ser pagão integralmente em Documento de Arrecadação Estadual (DAE) com a utilização do código 321-0. no Campo 104 .2) transferência. além do número de inscrição estadual do fabricante mineiro no caso de aquisição de centro de distribuição.. no prazo normal de atividade do contribuinte O ICMS recolhido em DAE será lançado da seguinte forma: a) no livro Registro de Apuração do ICMS (RAICMS).3) chapas de fibras de madeira classificadas nos códigos 4411. que tenha a sua produção destinada a fabricantes de: d.html?sour. a. d) contribuinte classificado nos códigos 0210-1/01 (cultivo de eucalipto) ou 0210-1/03 (cultivo de pinus) da CNAE.Outros Débitos". O documento será escriturado no livro Registro de Entradas. 5º do RICMS.iobonlineregulatorio.2) pagamento em razão do encerramento do diferimento. extravio ou deterioração do bem ou componente. ou de o bem ou componente deixar de ser utilizado de forma definitiva na atividade do estabelecimento após o 12º período de apuração e antes do término do 48º. b) na Declaração de Apuração e Informação do ICMS (DAPI). perecimento. relativa à: a. b) nota fiscal. ou de causas funcionais.12 a 4411.92 a 4411. 498 da Parte 1 do Anexo IX do RICMS". Pelo fato do crédito ser realizado de forma integral. com destaque do imposto. § 3º). sem destaque do imposto.1) estorno parcial do valor do imposto anteriormente creditado.

o A e o B. relativo às operações ou prestações isentas.. sobre o total das operações de saídas ou prestações efetuadas no mesmo período.iobonlineregulatorio. Ciap Com o intuito de realizar controle efetivo do crédito do ICMS em todo o território nacional. a cada período de apuração do ICMS.06. 498 a 500 e Parte 2. com a alteração na sistemática do crédito.html?sour.630/2011. Posteriormente. arts. os créditos em andamento devem ser controlados no Ciap.1 Modelo A seguir demonstramos um modelo de Ciap. Destina-se ao cálculo e controle dos créditos em andamento. 203 e 204 ) 8.2000. o Ciap deve ser preenchido para cada bem e mantido em arquivo próprio à disposição do Fisco. Este controle destina-se à apuração do valor mensal do crédito do bem do Ativo do estabelecimento.com.br/print/module/print. são transferidos para o livro Registro de Apuração. posto assim ser conhecido.341/2011 ) 8. As instruções para preenchimento campo a campo do Ciap encontram-se no RICMS-MG/2002 . Resolução Conjunta SEF/AGE nº 4. meses a contar da data de aquisição. em que não haja previsão de manutenção integral do crédito. modelo 9. sendo que o Estado de Minas Gerais adotou o modelo A. (Ajuste Sinief nº 8/1997 . na redação dada pelo Decreto nº 45. não tributadas ou com base de cálculo reduzida. ao final de cada período de apuração.07.Modelo C 19 de 27 25/08/2011 16:32 . Anexo V . Dessa forma. Parte 1.2000. Anexo IX. modelo C. possui status de livro. Controle de Crédito de ICMS do Ativo Permanente (Ciap) . 203 e 204. O contribuinte mineiro deverá estornar. arts.. Embora ele não seja efetivamente um livro fiscal relacionado no rol desses documentos na legislação estadual. Anexo V . O modelo B do Ciap é utilizado para o registro e controle dos créditos referentes às aquisições realizadas até 31.http://www. destinado ao cálculo e ao controle do crédito parcelado em 4 anos. o Ajuste Sinief nº 8/1997 instituiu o Ciap. o Ajuste Sinief nº 3/2001 instituiu os modelos C e D. bem como ao cálculo e estorno dos créditos que. arts. Originariamente. Ajuste Sinief nº 3/2001 . que passou a ser realizado em 48 parcelas. RICMS-MG/2002 . ( RICMS-MG/2002 . Com relação às aquisições de bens para o Ativo Permanente ocorridas a partir de 1º. instituíram-se dois modelos. o valor equivalente à 1/48.

modelo C. deverá ser feita em linhas.2 Escrituração A escrituração do Ciap. 8. a qual será realizada de forma englobada.com. da seguinte forma: a) linha "Ano": o exercício objeto de escrituração..html?sour.. 20 de 27 25/08/2011 16:32 . quadros e colunas próprios.br/print/module/print.http://www.iobonlineregulatorio.

consoante a ordem sequencial de entrada.2. o quadro 3 . e.iobonlineregulatorio. cujo resultado deve ser escriturado na forma prevista na legislação de cada Unidade da Federação.6) coluna 6 . cujo resultado. baixa pelo decurso do prazo de 4 anos de utilização. salvo quando a legislação da Unidade da Federação permitir a manutenção dos dados em meio magnético. b) linha "Número": o número atribuído ao documento. ainda. relativo à aquisição do bem. e. efetuando-se as adaptações necessárias nas colunas "Mês" e "Fração Mensal" do quadro 3.1) coluna "Entrada (Crédito Passível de Apropriação)": o valor do imposto.2. o extravio ou a deterioração do referido bem. que será sequencial por exercício. quando for o caso. vinculados à aquisição do bem."Demonstrativo da Base do Crédito a Ser Apropriado": d.2. relativas a cada exercício serão enfeixadas.2) coluna "Data": a data da ocorrência de qualquer movimentação do bem. d.1. no final do período de apuração. passível de apropriação. c) na utilização do sistema eletrônico de processamento de dados... d. de forma sucinta. e.2) colunas sob o título "Operações e Prestações (Saídas)": e. modelo C. As folhas do Ciap.br/print/module/print. transferência. 4 casas decimais.1) coluna "Mês": o mês objeto de escrituração. extravio. seguido de dois algarismos indicativos do exercício.http://www. alienação. quando ocorrer a alienação."Identificação do Contribuinte": o nome. anteriormente escriturado na coluna "Entrada (Crédito Passível de Apropriação)". Parte 1. Devem ainda ser observadas as seguintes condições: a) o saldo acumulado não sofrerá redução em função da apropriação mensal do crédito.4) coluna "Descrição Resumida": a identificação do bem. acrescido.5) coluna 5 . findo o qual deve ser reiniciada a numeração."Crédito a Ser Apropriado": o valor do crédito a ser apropriado. perecimento. d) quadro 2 ."Saldo Acumulado (Base do Crédito a Ser Apropriado"): o valor-base do crédito a ser apropriado mensalmente.1) coluna "Número ou Código": o número ou código do bem. encontrado mediante a multiplicação do coeficiente de creditamento pelo saldo acumulado e pela fração mensal. a transferência. Anexo V . transferência. ( RICMS-MG/2002 .2. o quociente de 1/48 deverá ser ajustado. e. considerando-se.2. quando houver completado o quadriênio de sua utilização. Baixa ou Perda": o valor correspondente ao imposto. deterioração. e. c) quadro 1 . e. o perecimento. encadernadas e autenticadas até o último dia do mês de fevereiro do ano subsequente. no mínimo. d. transcrito da coluna com o mesmo nome do quadro "Demonstrativo do Crédito a Ser Apropriado". encontrado mediante a divisão do valor das saídas e prestações tributadas e de exportação pelo valor total das saídas e prestações.2) coluna 2 .poderá ser apresentado apenas na última folha do Ciap do período de apuração. do ICMS correspondente ao serviço de transporte e ao diferencial de alíquotas. Baixa ou Perda". d.2) coluna "Saída. serve de base para o cálculo do crédito a ser apropriado. devendo ser reiniciada a numeração após o término do mesmo. a critério do contribuinte.2) colunas sob o título "Valor do ICMS": d. relativo à aquisição. e) quadro 3 ."Tributadas e Exportação": o valor das saídas (operações e prestações) tributadas e de exportação escrituradas no mês.3) coluna "Nota Fiscal": o número do documento fiscal relativo à aquisição ou outra ocorrência.html?sour. o endereço e as inscrições estadual e federal do estabelecimento.1."Demonstrativo da Apuração do Crédito a Ser Efetivamente Apropriado": e.1.2. passível de apropriação.2.com. caso o período de apuração seja mensal."Fração Mensal": o quociente de 1/48 caso o período de apuração seja mensal. art. ou. b) quando o período de apuração do imposto for diferente do mensal.2. somente se alterando com nova aquisição ou na ocorrência de alienação. baixa ou outra movimentação de bem. subtraindo-se desse o somatório da coluna "Saída.4) coluna 4 . 206) 21 de 27 25/08/2011 16:32 .2."Total das Saídas": o valor total das operações e prestações de saídas escrituradas pelo contribuinte no mês.3) coluna "Saldo Acumulado (Base do Crédito a Ser Apropriado"): o somatório da coluna "Entrada". tais como aquisição.3) coluna 3 .1.1) colunas sob o título "Identificação do Bem": d.1) coluna 1 ."Coeficiente de Creditamento": o índice de participação das saídas e prestações tributadas e de exportação no total das saídas e prestações escrituradas no mês. d. d."Demonstrativo da Apuração do Crédito a Ser Efetivamente Apropriado" .

Até 31.01.Ativo Permanente . c) a parcela de ICMS a ser apropriada no Registro de Apuração do ICMS. Esse valor será apropriado diretamente no Registro de Apuração do ICMS. inclusive de bens que foram escriturados no Ciap em período anterior ao período de apuração.Outros Créditos Ciap.. Nota O registro G110 tem o objetivo de prestar informações sobre o Ciap: a) o somatório das parcelas de ICMS passíveis de apropriação de cada bem. como ajuste de apuração.2011. e) o valor de outras parcelas de ICMS a ser apropriado.3 Sped . salvo se a legislação obrigar à emissão de documento fiscal. d) a entrada pela conclusão de bem que estava sendo construído pelo contribuinte. como ajuste de apuração. do Ato Cotepe/ICMS nº 9/2008 . como ajuste de apuração.Ciap. Nota Este registro deve ser gerado para abertura do bloco G. c) Registro G125 . Nota 22 de 27 25/08/2011 16:32 . O bloco G é composto pelos seguintes registros: a) Registro G001 .com.. d) Registro G126 . indicando se há registros de informações no bloco. salvo se a legislação obrigar à emissão de documento fiscal. no entanto.iobonlineregulatorio. Inclui-se no conceito de movimentação: a) a entrada de bem ou componente. Nota Este registro tem o objetivo de informar as movimentações de bens ou componentes e a apropriação de créditos do Ativo Imobilizado. 8. c) a baixa de bem ou componente. os contribuintes obrigados à EFD e que efetuarem o crédito do Ativo Permanente (Imobilizado) deverão prestar as informações no bloco G da EFD. e é obrigatória para os contribuintes relacionados na legislação correspondente a cada Estado.br/print/module/print. A partir de 1º. salvo se a legislação obrigar à emissão de documento fiscal. essas informações serão prestadas no formulário do Ciap. d) o valor de ICMS a ser apropriado como crédito.ICMS .html?sour.12.http://www. b) Registro G110 .Abertura do Bloco G. do Ato Cotepe/ICMS nº 50/2009 e do Ajuste Sinief nº 2/2009 . Esse valor será apropriado diretamente no Registro de Apuração do ICMS.Movimentação de Bem ou Componente do Ativo Imobilizado.Bloco G A Escrituração Fiscal Digital (EFD) tem base nas disposições do Convênio ICMS nº 143/2006 .2010. b) o valor do índice percentual resultante do somatório do valor das saídas tributadas e das saídas para exportação no valor total das saídas (o valor é sempre igual ou menor que 1). b) a saída de bem ou componente.

Nota Este registro tem o objetivo de identificar o documento fiscal que acobertou a entrada ou a saída do bem ou componente do Ciap. o adquirente da mercadoria deve recolher. Nota Este registro deve ser gerado para o encerramento do bloco G e indica o número total de registros existentes nesse bloco.Identificação do Item do Documento Fiscal. consideremos a aquisição de um bem para integrar o Ativo da empresa do Estado de São Paulo sob a alíquota interestadual de 12%. art. Cabe enfatizar que essas aquisições interestaduais constituem fato gerador do ICMS e somente haverá recolhimento caso realmente exista a diferença. Este registro tem por objetivo discriminar todos os demais créditos a serem apropriados como créditos de ICMS de Ativo Imobilizado que não foram escriturados nos períodos anteriores. Nota Este registro tem o objetivo de identificar o item do documento fiscal informado no registro G130. sob o código 317-8. Guia Prático EFD .. popularmente conhecido como Difal. o ICMS devido a título de diferencial de alíquotas em Documento de Arrecadação Estadual (DAE) à parte.0.Encerramento do Bloco G. e) Registro G130 . f) Registro G140 .http://www.html?sour. não haverá diferencial de alíquotas nesta operação.1) 9. é a exigência da diferença entre a alíquota praticada na operação interestadual da alíquota interna da Unidade da Federação destinatária referente às aquisições para uso.br/print/module/print.com. com a informação de que se trata de diferencial de alíquotas. O contribuinte poderá recolher em um único DAE o valor referente a todas as aquisições interestaduais destinadas a uso. Por exemplo. consumo ou Ativo. haverá uma diferença de 6% a ser recolhida a título de diferencial de alíquotas. (Ato Cotepe/ICMS nº 9/2008 . Nota O diferencial de alíquotas previsto na legislação incide também sobre o serviço de transporte relacionado a essas aquisições.iobonlineregulatorio. consumo ou Ativo. Caso contrário.. Diferencial de alíquotas O diferencial de alíquotas. Parte Geral. 23 de 27 25/08/2011 16:32 . g) Registro G990 .versão 2. Nessas situações. se a alíquota interna for igual ou inferior à praticada na operação interestadual. no prazo normal de suas atividades (previsto no RICMS-MG/2002 . Caso a alíquota interna de Minas Gerais para esse produto seja 18%.Identificação do Documento Fiscal. 85 ).

o crédito do diferencial será realizado juntamente com o do bem. art. no campo "Observações" com as anotações necessárias. bem como a sua destinação (Ativo). art. na coluna "Observações". 84 . 42 . RICMS-MG/2002 . IV. Anexo V .1 Escrituração no livro Registro de Apuração A escrituração do diferencial de alíquotas no livro Registro de Apuração do ICMS. "b") 10. registrando-se um só valor do Ciap e. e art.. I. Por sua vez. ao final do período de apuração (mês). na coluna "Observações".1 Base de cálculo A base de cálculo para pagamento do diferencial de alíquotas é o valor sujeito ao imposto no Estado de origem tanto para aquisição de mercadorias quanto para prestação de serviços. Aquisição de ativo de não contribuinte do imposto 24 de 27 25/08/2011 16:32 .2 Escrituração A entrada de mercadoria para integração ao Ativo Imobilizado gera direito ao crédito do imposto. De posse desse somatório. o valor do diferencial é o resultado da aplicação. XII e XIII. conforme já analisamos. Parte Geral.com.iobonlineregulatorio. ( RICMS-MG/2002 . art.2. o contribuinte deverá somar todos os valores que foram relacionados a título de diferencial de alíquotas no livro Registro de Entradas. a escrituração da nota fiscal que acobertar essa entrada será feita nas colunas próprias do livro Registro de Entradas. 206 .2 Crédito No tocante ao crédito do diferencial de alíquotas. II a IV) 9.br/print/module/print. art. o contribuinte poderá efetuá-lo juntamente com o crédito do bem do Ativo. sobre a referida base de cálculo (incluído o IPI.Valores Fiscais .Operações sem Crédito do Imposto". art. art. mensalmente. art. efetuará o registro no livro Registro de Apuração do ICMS. § 5º. 43 . anotando as páginas desse lançamento.http://www. c/c o RICMS-MG/2002 . 84 . 84 ) 9. inclusive na coluna "ICMS .2. 168 ) 9. ( RICMS-MG/2002 . art. apropriado através da emissão de nota fiscal. Assim. Parte Geral.. Parte Geral. 66 . da diferença entre a alíquota interna do Estado de Minas Gerais e a alíquota interestadual utilizada na operação ou prestação. deverá ser anotado o valor relativo ao diferencial de alíquotas. Assim. ( RICMS-MG/2002 . Na mesma linha. (Lei Complementar nº 87/1996 . Parte Geral. Assim. Parte Geral. 20 . ( RICMS-MG/2002 . se for o caso). § 3º) 9. e Anexo V . § 1º. deverá ser somado ao crédito do bem para somente então o valor ser registrado no Ciap para fins de cálculo do crédito. modelo 9. deverá ser realizada de forma única. incluindo o valor total devido no mês por todas as aquisições que o geraram. ou seja.html?sour.

575/2007 Usinas termoelétricas RICMS-MG/2002 . Neste caso. item 14 (redução de base de cálculo) Importação de matéria-prima.iobonlineregulatorio. segundo as regras apenas um contribuinte deste tributo pode transferi-lo. são tributadas pelo ICMS. 5811-5/00. por razões diversas. I. Anexo I . pois a saída de mercadorias ou bens do estabelecimento do contribuinte a qualquer título constitui fato gerador do imposto.br/print/module/print. empresas: a aquisição de gerais de crédito do ICMS.com.http://www. Parte Geral. art. Portanto. 3831-9/99. ou seja. 11.2 Diferimento 25 de 27 25/08/2011 16:32 . item 41. e Anexo V . 2º . o Estado pode conceder ou instituir benefício fiscal. eximindo a operação de tributação. Neste item abordamos uma situação incomum. não gera crédito a ser apropriado.html?sour. em geral. em processo de industrialização ou extração mineral RICMS-MG/2002 . Anexo IV . Anexo I . 5829-8/00 ou 9512-6/00 da CNAE para emprego. 5821-2/00. Neste item indicamos algumas situações relacionadas com o Ativo do estabelecimento que estão amparadas por benefícios fiscais no Estado de Minas Gerais. os quais relacionamos a seguir: Benefícios concedidos na importação Benefício Fundamento legal Importação realizada por órgãos da administração pública RICMS-MG/2002 . produto intermediário e material de embalagem promovida por estabelecimento classificado nas Divisões 05 a 33 e nos códigos 3831-9/01. Anexo II. sendo desnecessário controlá-lo contábil). item 47 (isenção) Befiex RICMS-MG/2002 . 4721-1/01.. 5822-1/00. I) 11. art. mas que pode ocorrer no cotidiano das bem de pessoa física ou jurídica não contribuinte do ICMS. 20 . Entretanto. ( RICMS-MG/2002 . combinado com as Partes 16 e 17 do mesmo anexo (isenção) 11. 3839-4/99. essa aquisição não imposto. Anexo I . item 133. 5920-1/00. constitui fato gerador do no Ciap (controle apenas Outra particularidade dessa hipótese é o fato de o contribuinte adquirente de bens ou mercadorias de pessoas (físicas ou jurídicas) não contribuintes do ICMS ser obrigado à emissão de nota fiscal de entrada para registrar e documentar tal aquisição. pelo próprio importador. "a" (diferimento) na redação dada pelo Decreto nº 44. item 62 (isenção) RICMS-MG/2002 . 5823-9/00.1 Importação Algumas importações de bens para integração ao Ativo do estabelecimento estão amparadas por benefícios fiscais. Benefícios fiscais As operações com mercadorias..

destinadas a outro estabelecimento da empresa ou a estabelecimento de empresa estadual integrante do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária. Comunicado Sutri nº 4/2008. na redação dada pelo Decreto nº 44. o diferimento não poderá ser aplicado. Decreto nº 45..2012. Comunicado Sutri nº 1/2010. O diferimento do ICMS é um instituto que se traduz em postergação do recolhimento do imposto.851/2008 . Decreto nº 44. são as realizadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).157/2009 . Comunicado Sutri nº 4/2009. e b) as saídas.ou seja.293/2010 .3 Embrapa Outras operações de aquisição de Ativo beneficiadas com a isenção do imposto. há a ocorrência do fato gerador.iobonlineregulatorio.html?sour. internas ou interestaduais. pelas regras gerais do diferimento do imposto. itens 100 e 101.926/2008 . Observe-se que. Decreto nº 45. Decreto nº 45.066/2009 . Assim. ou seja. até 31. art. sempre que a circulação de mercadoria ou bem estiver sob o amparo do diferimento e quando ocorrer a sua venda/aquisição para imobilização no Ativo do estabelecimento adquirente. tendo em vista o Convênio ICMS nº 1/2010 . ( RICMS-MG/2002 .12. O benefício alcança: Nota O Comunicado Sutri nº 1/2010 informa da prorrogação do prazo deste benefício para 31. e essa operação será normalmente tributada pelo ICMS. Anexo I.com. a) o diferencial de alíquotas relativo às aquisições interestaduais.http://www. em etapa posterior de circulação da mercadoria ou bem. IV) 11. Decreto nº 45. devendo haver o seu recolhimento.753/2008 e pelo Decreto nº 44. o imposto não será diferido. encerra-se o diferimento .2012. quando o evento futuro ou próxima etapa da cadeia de circulação for a última (quando a mercadoria ou o bem chegar ao usuário final). Comunicado Sutri nº 3/2009. Parte Geral..781/2008 26 de 27 25/08/2011 16:32 .319/2010 ) Legislação Referenciada Ajuste Sinief nº 2/2009 Ajuste Sinief nº 3/2001 Ajuste Sinief nº 8/1997 Ato Cotepe/ICMS nº 50/2009 Ato Cotepe/ICMS nº 9/2008 Comunicado Sutri nº 1/2010 Comunicado Sutri nº 3/2009 Comunicado Sutri nº 4/2008 Comunicado Sutri nº 4/2009 Convênio ICMS nº 1/2010 Convênio ICMS nº 143/2006 RICMS-MG/2002 Decreto nº 44.12. este cessará em um momento futuro. Entretanto. entretanto a legislação fiscal posterga apenas o seu recolhimento. 12 . ( RICMS-MG/2002 .br/print/module/print.

341/2011 Sobre a IOB | Política de Privacidade Copyright 2008 IOB | Todos os direitos reservados 27 de 27 25/08/2011 16:32 .157/2009 Decreto nº 45.http://www.404/1976 Resolução Conjunta SEF/AGE nº 4.575/2007 elo Decreto nº 44. Decreto nº 44.iobonlineregulatorio.html?sour.com.066/2009 Decreto nº 45..630/2011 Instrução Normativa Sutri nº 2/2009 Lei Complementar nº 102/2000 Lei Complementar nº 87/1996 Lei nº 6.926/2008 Decreto nº 45.753/2008 elo Decreto nº 45..851/2008 Decreto nº 44.293/2010 Decreto nº 45.br/print/module/print.319/2010 elo Decreto nº 44.