Cirurgia – Anastomoses Intestinais

Definição: aproximação de bordas para dar continuidade ao trânsito intestinal. Indicação: Lesão traumática do tubo digestivo Ressecção dos segmentos intestinais (anastomosa-se para dar continuidade ao fluxo intestinal) Derivações digestivas (ileostomia) em que no futuro seja necessário reconstruir o trânsito. Tipos de anastomoses: -Término- terminal : as bocas se unem terminalmente, proximal e distal. Serve para dar continuidade direta ao fluxo intestinal. Principalmente utilizada nos segmentos do intestino delgado e cólon. Manual ou dupla camada, pontos separados ou contínuo. - Término-lateral : extremidade terminal anastomosada com a parte lateral da alça, fica perpendicular à alça. Geralmente é realizada quando não há.

-Latero-lateral: aberturas aproximadas, utiliza-se quando tem a intenção de deixar o trânsito intestinal mais amplo, principalmente quando há doenças inflamatórias nessa região (doença de Crohn) que há estenose desta (logo tem que fazer anastomose ampla). Geralmente realiza-se na borda ante-mesentérica para não interferir o fluxo sanguíneo. Técnicas de Anastomose: Manual x Mecânica Manual: utiliza fios específicos, sutura contínua(normalmente),fios são inabsorvíveis(prolene) ou de absorção muito lenta (PDS ou vicryl) PDS e Prolene são monofilamentares e progridem mais rápido na anastomose: importante para não retardar o procedimento cirúrgico. Seda e algodão – desuso por causar granuloma = deiscência e soltura Mecânica: grampos de titânio- não provocam reação inflamatória do organismo. É bem mais rápido; 4mm Hemorródectomia: grampeadores circulares- utilizados no reto e esôfago. Os menores são exclusivos para doenças anorretais. Grampeadores lineares: corta-se o excesso e une as margens ( de titânio) A técnica mecânica é mais prática porém mais cara e a maioria é descartável ( com exceção dos grampeadores lineares) Deve-se verificar se este anel saiu íntegro, pois ao contrário, significa que a anastomose ficou incompleta. Quando se faz uma endoscopia, colostomia, esses grampos são observados. Sem processo inflamatório visível, ao contrário dos fios, onde se observa uma área de inflamação, onde se observa muitas vezes, quando em cirurgias malignas é obrigatório biopsiá-las suspeitando pela visibilidade, de ser lesão maligna. Um exemplo do uso da técnica mecânica é anastomose colo-retal(termino-terminal) onde se usa o grampeador circular.

se fizer uma abertura simples e direta vai-se traumatizar a cavidade. . Tipos de ponto: Extra-mucosa: não pega a mucosa e sim a submucosa Extra-serosa e extra-mucosa Ponto total : pega parede e as 4 camadas Enterectomia e Enteronastomose: Sempre obedecendo a vascularização. ou seja. pois é um ambiente estreito para realizar um procedimento manual.obstrução intestinal-> necrose) Anastomose entero-colônica: Anastomose termino-terminal-> desproporção de diâmetros . Como o conteúdo das fístulas é muito alcalina pode causar dermatite severa. diferente da ácida. preservando-a. resseca a região e anastomose. É importante aproximar o meso para evitar herniações futuras(hérnia interna. Medicina baseada em evidências : Evidências encontradas foram insuficientes para demonstrar qualquer superioridade do grampeador sobre a técnica manual. Depois resseca-se a região e anastomosa. a anastomose mecânica é superior. Evitando complicações: A anastomose deve : estar sem tensão. sua abertura. Técnica de sutura: deve-se obedecer as estruturas da parede intestinal. mas não tem resistência -Submucosa: + vascularizada -Muscular: tem circulação mas pouca de resistência -Serosa : ausente de circulação O ponto ideal para a união das alças intestinais é a submucosa por ser mais vascularizada e melhor resistência devido ao colágeno em maior quantidade. Pode ser tanto : termino-terminal como termino-lateral da seguinte forma: deve-se ampliar a boca fazendo uma incisão bizelar(angulada) e anastomosa ou diminui-se o diâmetro da alça de maior calibre.No momento em que o grampeador é ativado. principalmente nas anastomoses colorretais. Como há conteúdo entérico. -Mucosa: Tem circulação. Não há substância que possa inverter essa lesão. Abre o intestino(ressecção). independentemente do tipo de anastomose. ele corta o excesso e anastomosa o restante. que se aproxime livres. Complicações: A principal complicação é a deiscência da anastomose. Está provado que em anastomoses que envolvam reto e esôfago. Remove o intestino excisado com evidente desigualdade luminal. Além do reto e do esôfago a pelve e a região superior do abdômen são locais onde há superioridade da mecânica em relação a manual pelo simples fato do acesso. Logo deve-se ordenhar(esvaziar) a região a ser ressecada e clampeia obstruindo a passagem do contudo entérico. devido ao acesso.

Vai ficar vazando. E obsreva sangramento de borda -> livre de hematomas ou processos infecciosos -> (sepse) -> anastomose não pode ser realizada-> faz com que o fio se solte Atenção ao estado nutricional do paciente desproteinizado. Nessas situações tem-se que anastomosar mesmo correndo esse risco. . proteína. Por exemplo : uma lesão no jejuno e não tem-se como expor essa região para fora porque perder sais. Paciente com trombose mesentérica : isquemia de 20 a 30cm de jejuno -> metade do cólon transverso E.Tem-se que anastomosar.hepatopata: devese evitar anastomose So se anastomosa quando se tem outra via para derivar.Ser bem vascularizada: ligada por pedículos : observar como vai estar após a ligadura=> quando está isquemiado ela muda a sua coloração. líquido.desnutrido. drenando o acúmulo de líquido.