You are on page 1of 17

Conceito e Validade do Direito Robert Alexy

Alexy é não positivista. Ele vincula o Direito à moral correta,a justiça ao Direito. Alexy comprova a existência de uma relação necessária entre moral correta e o Direito, e faz isso através de uma proposta de PRETENSÃO À CORREÇÃO.

obs: TEORIAS POSITIVISTAS: separam a moral do direito, de modo que o Direito só terá como elementos a LEGALIDADE e a EFICÁCIA SOCIAL, não existindo nenhuma conexão entre o Direito e a Moral; entre o Direito como é e como ele deveria ser.As teorias positivistas separam o Direito da moral.

Os conceitos positivistas de direito variam com a combinação de EFICÁCIA SOCIAL e LEGALIDADE, o que gera dois grupos principais:

1-conceitos de Direito primariamente orientados para a EFICÁCIA: Predomina a perspectiva do observador. Se distinguem conforme se refiram ao aspecto interno ou externo de uma norma. Aspecto interno da norma: o que importa são as disposições psíquicas.O Direito é tudo o que as pessoas reconhecem como norma e regra. Aspecto externo da norma: O que importa é o comportamento observável. Um ordenamento se chamará Direito quando for garantido pela possibilidade de Coação, dirigida para a obtenção forçada de observância.

1

CRITICA AO CONCEITO POSITIVISTA DE DIREITO: É necessária a conexão do Direito e a Moral. Predomina a perspectiva do participante. e ao mesmo tempo estar vigente desde que seja promulgada em harmonia com a constituição vigente. TEORIAS NÃO POSITIVISTAS (ALEXY): incluem elementos morais na definição do Direito (TESE DA VINCULAÇÃO ENTRE DIREITO E MORAL).Conceito e Validade do Direito Robert Alexy 2-conceitos de Direito primariamente orientados para a NORMATIZAÇÃO: (Kelsen e Hart são os representantes mais importantes do positivismo jurídico orientado para a normatização). validade jurídica em sentido estrito (conformidade com a autoridade jurídica. Alexy deixa claro que seu conceito de direito necessariamente pressupõe o conceito de validade. porque o Direito seria um ordenamento normativo coativo cuja validade se baseia numa norma fundamental. sua concepção do fenômeno jurídico inclui a compreensão da validade social (existência de eficácia social). validade moral (existência e cumprimento da pretensão de correção). VALIDADE SOCIAL ALEXY 2 JURIDICA + MORAL . pois existiriam razões normativas para a inclusão de elementos morais no conceito de Direito. Em verdade. e. O Direito compõe-se de comandos reforçados por sanções. pois uma lei pode ser imoral. Os positivistas argumentavam que um conceito “nãopositivista” do Direito não teria efeito algum contra a injustiça legal.

ele afasta-se da visão positivista que defende inexistir a referida concepção. a teoria não positivista de Alexy valoriza as validades social e jurídica em sentido estrito. Também. isto é. no que diz respeito às normas individuais. Portanto. assim como os positivistas jurídicos. “uma norma é juridicamente válida se foi estabelecida conforme o ordenamento” .Conceito e Validade do Direito Robert Alexy Alexy defende uma concepção de direito que postula uma relação necessária entre o direito e uma moral correta no aspecto conceitual. Sendo assim. um sistema apenas é jurídico se possui. Desse modo. eficácia social (o sistema jurídico é observado pelos destinatários das normas e a não-observância do sistema é punida através de sanção) e. globalmente. pois o aspecto moral (validade moral) também compõe esse critério. O jusfilósofo alemão assevera que a validade do fenômeno jurídico não é apenas composta da validade social e da validade jurídica em sentido estrito. ALEXY INCORPORA A VALIDADE MORAL DENTRO DO CONCEITO DE VALIDADE JURIDICA: A análise da relação entre direito e moral (dentro do conceito de validade jurídica) é trabalhada por Alexy com o auxílio dos pontos de vista (perspectiva) do observador e do participante: →PERSPECTIVA DO OBSERVADOR: observador é aquele que pergunta “como se decide em um determinado sistema jurídico”. elas somente adquirem validade jurídica em sentido amplo se forem dotadas de um mínimo de eficácia ou da possibilidade de eficácia. a grande polêmica entre positivistas e a proposta nãopositivista de Alexy encontra-se na incorporação da validade moral no conceito amplo de validade jurídica. o conceito amplo de validade jurídica pressupõe a existência de validade jurídica em sentido estrito. 3 . Observa-se que.

de um lado. O exemplo trazido por Alexy versa sobre um sistema de normas postas por bandoleiros e um sistema jurídico de dominadores: Se. tratando-se de uma conexão necessária classificatória. a questão da correção do direito ganha relevo no ponto de vista externo do observador. Desse modo. formula uma pretensão de correção (embora também possua como finalidade manter a opressão de alguns sobre muitos). Já o sistema dos dominadores é jurídico porque almeja um fim superior como o desenvolvimento do povo. então para o observador não seria relevante se a norma é justa (se possui pretensão de correção) ou não. mesmo assim se constata a existência de uma relação necessária entre direito e moral correta que é comprovada na observação do sistema jurídico como um todo e não na observação de apenas uma norma individual. aquele ordenamento que formular a pretensão de 4 . apenas o sistema dos dominadores é jurídico porque só ele formula a pretensão de correção. De outro lado. de outro lado. na compreensão dos sistemas jurídicos de maneira global.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy Na leitura do jusfilósofo alemão. ambos os sistemas são compostos por normas gerais. que garantem um mínimo de proteção à vida humana. à liberdade e à propriedade privada. por mais que se analise o direito pela perspectiva do observador. ou seja. CONEXÃO CLASSIFICATÓRIA ENTRE DIREITO E MORAL: apenas será um sistema jurídico. quando o observador analisa apenas uma norma do sistema jurídico ele visualiza principalmente a eficácia social. SISTEMA JURIDICO CORREÇÃO AQUELE QUE FORMULA PRETENSÃO À O ordenamento dos bandoleiros não formularia qualquer pretensão de correção por que tal sistema serve apenas para a opressão da maioria em prol da minoria.

→PERSPECTIVA DO PARTICIPANTE: Participante é participa de uma argumentação em um sistema jurídico. Sistemas normativos que não formulam explícita ou implicitamente essa pretensão não são sistemas jurídicos. a pretensão à correção tem uma relevância classificadora. Nesse sentido.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy correção.Olha-se para o sistema jurídico como um todo e não apenas para uma norma individual. normas juridicas formulariam pretensão á CONEXÃO QUALIFICADORA CONEXÃO CLASSIFICADORA correção decisões jurídicas sistemas jurídicos 5 . que assim é sintetizada: O argumento argumentos: da correção constitui a base dos outros dois O da injustiça e o dos princípios. Ele afirma que tanto as normas e decisões jurídicas individuais. quanto os sistemas jurídicos como um todo formulam necessariamente a pretensão à correção. PERSPECTIVA DO OBSERVADOR CLASSIFICATÓRIA CONEXÃO SISTEMA JURIDICO É AQUELE QUE FORMULA PRETENSÃO DE CORREÇÃO. aquele que A vinculação entre direito e moral correta torna-se mais clara na perspectiva do participante. Nesse ponto de vista pode entender-se na completude a tese defendida por Alexy.

sistemas que formulam essa pretensão de correção mas não a satisfazem. ou sequer há formulação da pretensão à correção. na perspectiva do participante. SISTEMAS JURIDICOS : formulam pretensões de correção = CONEXÃO CLASSIFICADORA DEFEITUOSOS: as pretensões de correção formuladas não são satisfeitas. discurso racional prático da tese do fenômeno jurídico ser um especial. são defeituosos.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy CONEXÃO QUALIFICADORA: Do ponto de vista jurídico. através : i) ii) justiça como correção do ordenamento juridico. Normas e decisões são juridicamente defeituosas quando não formulam ou não satisfazem a pretensão à correção DO ORDENAMENTO JURIDICO. A CONEXÃO tem relevância exclusivamente qualificadora quando se trata de normas jurídicas e de decisões jurídicas individuais. =CO NEXÃO QUALIFICADORA A apresentação das conexões necessárias entre direito e moral correta por meio da pretensão de correção necessitam ser desenvolvidas. iii) do argumento da injustiça extrema iv) do argumento dos princípios 1-JUSTIÇA COMO CORREÇÃO (PRESPECTIVA DO PARTICIPANTE): 6 .

uma importante chave de leitura para apreender essa relação encontra-se no artigo “Justicia como Correción” (Alexy. Em verdade. necessariamente. serão necessariamente defeituosas no âmbito jurídico (conexão qualificadora). as distribuições e reparações necessitam ser justificadas e fundamentadas por meio de razões. as normas que se encontram em um sistema que globalmente formula uma pretensão de correção e justiça serão válidas a não ser que concretizem uma injustiça extrema. 2- ARGUMENTOS DA INJUSTIÇA: Caso uma lei ou um precedente seja extremamente injusto. pois não é possível tolerar a injustiça extrema em qualquer lei ou decisão.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy A pretensão de correção. mas não sejam absurdamente injustas. a justiça não compreende todo o projeto moral. não perderão caráter jurídico Ou quando elas formularem. para se entender a pretensão de correção jurídica é essencial analisar a questão da justiça no pensamento de Alexy. 7 . Caso as normas não formulem a pretensão de correção e justiça. CORREÇÃO DO ORDENAMENTO JUSTIÇA Desse modo. Desse modo. Seria a maneira correta de realizar essas ações. mas também não perderão o caráter jurídico. Dito em outras palavras. essa norma perde o seu caráter jurídico. Se a justiça implica necessariamente correção. 2003): Alexy assevera que o objeto da justiça é a distribuição de bens e honras e a compensação dos danos. e sim apenas as questões que envolvem a distribuição e a compensação. nos termos da fórmula de Radbruch. compreende uma pretensão de justiça.(conexão classificadora). porém não cumprirem a pretensão.

pois as normas perderão seu caráter jurídico acima de um limiar moral mínimo. as normas imorais podem ser Direito. pois o caráter jurídico de uma norma estaria ligado ao seu grau de justiça.Abaixo deste limiar moral mínimo a contradição entre Direito e moral não eliminará o caráter jurídico. Não identifica o Direito com a Moral. =O CARATER JURIDICO ESTA LIGADO Á JUSTIÇA.segundo a Tese fraca. • norma que não formule a pretensão á correção. Uma norma sempre terá caráter jurídico se for justa. sobre as conexões necessárias entre direito e moral. Ainda que não formula pretensão à correção norma defeituosa : aquela que formula á pretensão a correção mas não a cumpre. terá caráter jurídico se não for injusta.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy Formula de RADBRUCH :as normas individuais perdem caráter jurídico quando determinado limiar da injustiça é violado. • =TESE FRACA DA VINCULAÇÃO ENTRE A MORAL E O DIREITO: O CARÁTER JURIDICO SÓ SE PERDERÁ SE A INJUSTIÇA ATINGIR UM ”GRAU INSUSTENTÁVEL” .Terá o caráter jurídico se for justa. por meio da perspectiva do participante. É amplamente aceita por positivistas e não positivistas a tese da textura aberta do direito formulada por Hart TEXTURA ABERTA DO DIREITO DIREITO ENTRE AS NORMAS FALTA DE NORMAS PARA APOIAR UMA DECISÃO CARATER VAGO DA LINGUAGEM DO POSSIBILIDADE DE CONTRADIÇÕES 8 . 3-ARGUMENTO DOS PRINCIPIOS: Por fim.há o relevante papel dos princípios.

Ordenam.Logo.autorizam ou permitem algo de forma definitiva. a falta de uma norma na qual a decisão possa ser apoiada e a possibilidade de decidir até mesmo contra o enunciado de uma norma em casos especiais. Em relação aos princípios. a possibilidade de contradições entre as normas. Seu método de aplicação é a subsunção e. quando há regras contraditórias. ou uma regra é invalidada ou deve existir uma cláusula de exceção.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy GERAM “CASOS DUVIDOSOS”. No campo da textura aberta não se pode decidir com base no Direito positivo. e no caso de conflito prevalece aquele com mais peso no caso . proíbem. Outra é a visão do jusfilósofo alemão em suas teorias da justiça e dos princípios: Deve-se compreender o que Alexy entende por princípios e sua diferença em relação às regras. o jusfilósofo alemão afirma que todo ordenamento jurídico com um grau mínimo de desenvolvimento possui princípios jurídicos (tese da incorporação). PRINCIPIOS: Ordenam algo que será realizado a depender das possibilidades reais e jurídicas.estando autorizado a criar Direito Novo. o método de aplicação é a ponderação. REGRAS: são normas que estabelecem uma conseqüência jurídica definitiva. os quais incorporam conteúdos morais corretos em virtude da formulação da pretensão de correção e justiça do ordenamento (tese da correção).” Nesses momentos. A textura aberta do direito é definida por Alexy como “o caráter vago da linguagem do direito. SÃO MANDAMENTOS DEFINITIVOS. 9 .Formulam direitos e deveres prima facie. e assim o juiz deverá decidir com ajuda de critérios não-jurídicos. podem ser realizados em diversos graus. os positivistas em geral defendem a tese de que o aplicador do direito pode agir de maneira discricionária com base em argumentos fora do direito.

ii) da tese do fenônemo jurídico ser um discurso racional prático especial.e. Porque uma ponderação é necessária justamente quando existem razões opostas que se tomadas individualmente constituem boas razões para uma decisão.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy ORDENAMENTO JURIDICO DESENVOLVIDO JURIDICOS PRINCIPIOS CONTEUDO MORAL pois formulam pretensões de correção e justiça Desse modo. B)” X é um Estado justo” c)” O réu é condenado à prisão perpétua. iii) do argumento da injustiça extrema iii) do argumento dos princípios. que são substancialmente dotados de razões (conteúdos morais) e possuem formalmente característica jurídica . pode-se analisar alguns exemplos criados por Alexy para comprovar a existência da pretensão do correção no direito : A)”X é uma república soberana. federal e injusta”. Alexy afirma que os conteúdos morais corretos são incluídos no ordenamento jurídico necessariamente por meio dos princípios. só não levam a uma decisão definitiva de imediato porque existe outra razão que exige outra decisão. Com a compreensão i) da relação entre pretensão de correção e justiça ou justiça como correção. QUANDO UMA PESSOA PROCEDE A PONDERAÇÃO ELA SE APÓIA NECESSARIAMENTE EM PRINCÍPIOS. o que é incorreto” 10 .

Conforme visto. Nesse novo exemplo hipotético. apesar de o artigo ser inadequado. na maior parte das vezes. Explica-se. em que a minoria domina a maioria. Em verdade. estabelecendo um Estado republicano. É algo que não precisa ser formulado explicitamente pelo sistema jurídico e pelas normas jurídicas. Esse absurdo torna patente que há uma contradição entre a pretensão de correção jurídica que necessariamente deve ser formulada e a pretensão de não-correção formulada explicitamente. em linhas gerais. Há dessa forma uma contradição performativa no enunciado (a) e um defeito jurídico. uma imperfeição moral ou um defeito convencional. tem um defeito jurídico. e não apenas um defeito técnico. se uma norma jurídica não formula a pretensão de correção ela é dotada de um defeito jurídico.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy D) “ O réu é condenado à prisão perpétua em virtude de uma interpretação incorreta do direito vigente” A norma jurídica (a). A contradição entre um enunciado implícito e outro explícito chama-se contradição performativa. mas quer ser sincera e deixar claro que o modelo de Estado adotado é injusto. tem como função a opressão da maioria pela minoria. quando explicitamente ocorre uma não formulação da pretensão de correção. mesmo a monarquia sendo um elemento opressor. Ele propõe outro exemplo. Uma inadequação é o que Alexy define por defeito técnico e. De outro lado. um artigo que busca alterar uma monarquia estabelecida que. 11 . a pretensão de correção é uma formulação que se encontra implícita. essa característica não dá conta da imperfeição existente em seu todo. não formular a pretensão de correção e de justiça. a maioria possui grande carinho pelo monarca e o estabelecimento de um Estado republicano será inadequado. artigo de uma hipotética constituição. observa-se um grande absurdo no sistema ou nas normas individuais. nas normas jurídicas.

que. essa explicação não consegue compreender o todo. o que resta é apenas um defeito conceitual. De outro lado. Manter-se-ia o problema moral. mas na visão de Alexy o enunciado (a) ainda assim possui algo de diferente em relação a esse novo exemplo . a violação de uma prática difundida. Alexy formula o enunciado “(d) O réu é condenado à prisão perpétua em virtude de uma interpretação incorreta do direito vigente ” como uma das possíveis interpretações. Um legislador constitucional incorre numa contradição performativa quando o conteúdo de seu ato constitucional-legislativo nega essa pretensão à correção não obstante ele a formule com sua execução. nesse caso. pois não é da convenção da elaboração da constituição prescrever a justiça do Estado. 12 . pois a pretensão de correção implícita já determina a justiça. Outra análise possível é assinalar a ocorrência de uma imperfeição moral. Desse modo.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy Com essas novas digressões. no exemplo (a). Ao ato de legislação constitucional está necessariamente vinculada uma pretensão à correção. O exemplo (c) encontra-se em uma sentença judicial. em certa medida. Alexy afirma que nos dois exemplos há um defeito técnico. Segundo Alexy. já a clausula republicana não o é . ou seja. não necessitando de uma formulação explícita. o enunciado “(b) X é um Estado justo” teria um defeito convencional. Remover o argumento da injustiça implícito no enunciado (a) e estabelecer um artigo que. retire um conjunto de direitos de alguns cidadãos em virtude da raça. o (b) é uma simples redundância. da redação constitucional. Não é somente um defeito convencional. é sobretudo uma pretensão à justiça. enquanto o defeito (a) é um absurdo. nas palavras de Alexy: Assim. Como esse enunciado é passível de diversas interpretações. Desse modo. Alexy formula um terceiro exemplo. no entanto a inclusão de uma clausula de injustiça é um absurdo.

num caso duvidoso. ela será feita (consideração de princípios). ela necessariamente estará se apoiando em princípios. essa pretensão à correção exige que se proceda a uma ponderação. Ainda. Uma sentença judicial formula necessariamente uma pretensão à correção. O sistema de procedimentos é aquele que considera que o sistema jurídico seja um sistema de ações baseadas em regras por meio das quais as normas são promulgadas. essas atitudes não se tratam de um absurdo. o juiz infringe o direito posto se o interpreta equivocadamente por mais que.Porque uma ponderação é necessária quando existem razões opostas que tomadas individualmente constituem boas razões para uma decisão e que só não levam a uma decisão definitiva de imediato porque existe outra razão que exige outra decisão. e assim sendo. trajar trapos. acredite que sua interpretação é incorreta.e as razões do procedimento de decisão fariam parte do procedimento.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy Desse modo. o sistema jurídico não é apenas um sistema de resultados. Esses motivos não explicam o absurdo da sentença. subjetivamente. quando reconhece que condenou alguém em razão de uma hermenêutica errada (equivocada) do direito vigente). ao exercer as funções da magistratura. e em que seja possível fazer uma ponderação. TESE DA INCORPORAÇÃO: afirma que minimamente desenvolvido contém princípios. (pelo menos em todos os sistemas jurídicos que se possui conhecimento.a uma consideração de princípios. Em todos os sistemas jurídicos nos quais existam casos duvidosos.E. No entanto. 13 . todo sistema jurídico Um critério para averiguar se o juiz se apóia em princípios é saber se ele procede ou não a uma ponderação. ao contrário do enunciado (4). pois é uma violação aos preceitos morais também o juiz. mas um SISTEMA DE PROCEDIMENTOS. Quando uma pessoa procede a uma ponderação. o juiz não viola apenas preceitos sociais e o direito vigente. Para um participante.os princípios são elementos necessários do sistema jurídico.

a tese da correção não apresentará dificuldades porque tais princípios deverão ser realizados. mas apenas representarão uma norma ou decisão defeituosas.A decisão do juiz com pretensão á correção jurídica terá pretensões a correção moral. 14 . A conexão necessária entre o Direito e a Moral correta é estabelecida pelo fato de que a pretensão à correção inclui uma pretensão à correção moral que se estende aos princípios que são tomados como base. porque a pretensão à correção vinculada ao Direito inclui uma pretensão á correção moral.Se um juiz tiver que proferir uma decisão respaldado na injustiça legal. faz-se necessária uma argumentação jurídica ancorada na prática do Direito e não apenas na argumentação moral.Então nos casos duvidosos o juiz não irá decidir de forma extra jurídica.Acarretará imperfeição jurídica. TESE DA CORREÇÃO: O argumento dos princípios leva a uma conexão necessária entre o direito e uma moral qualquer. Quando um princípio do Direito Positivo tiver um conteúdo moralmente exigido. havendo vinculação entre o Direito e a moral.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy TESE DA MORAL: Os princípios tem dupla propriedade pois além de serem componentes necessários do sistema jurídico. pois os princípios morais estariam incorporados ao Direito. Uma violação da moral não fará com que a norma ou a decisão percam seu caráter jurídico. CRITICAS AO CONCEITO NÃO-POSITIVISTA : • ARGUMENTO DA EFETIVIDADE: Diz que o conceito não-positivista não poderia desenvolver efeito algum contra a injustiça legal.Para fazer oposição aos atos de um regime injusto.A tese da correção é aplicada nos limites do argumento dos princípios. mas com base em critérios jurídicos. ele irá preferir fazê-lo através de teses positivistas pois o risco de ser posteriormente processado é menor. integram a moral.

Com isso constituiria uma intervenção do judiciário no âmbito do legislativo.e este valor da segurança jurídica deve ser sopesado com o da justiça material. invertendo a hierarquia somente em casos extremos. • A tese não positivista da vinculação leva a uma perda mínima da segurança jurídica. 15 . Então a inclusão de elementos morais no conceito de Direito significará apenas a possibilidade para o juiz de decidir contra a lei nos casos em que suas preferências subjetivas estiverem envolvidas de modo especialmente intenso. ao recorrer á justiça. • ARGUMENTO DO RELATIVISMO.Mas o conceito de Direito que no caso de injustiça extrema desconsidera o caráter jurídico da norma. baseando-se nas variantes ligadas à forte vinculação. A formula de Radbruch diz respeito a uma ponderação que em principio dá prevalência à segurança jurídica.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy Uma aceitação majoritária de um conceito não positivista de Direito aumenta o risco das pessoas que cometem ou participam de atos de injustiça legalmente respaldados por um Estado injusto. contraponha-se a decisões do legislador . não põe em risco a segurança jurídica. A tese do RELATIVISMO RADICAL afirma que é difícil reconhecer o limite entre a injustiça extrema e não-extrema. seria preciso rejeitar toda e qualquer ligação do legislador com os Direitos fundamentais que seja passível de controle judicial. ARGUMENTO DA SEGURANÇA JURIDICA: sustenta que pó nãopositivismo põe em riso a segurança jurídica. bem como todo julgamento acerca da injustiça de uma fundamentação racional. • ARGUMENTO DA DEMOCRACIA Sustenta que o conceito não-positivista do Direito comporta o risco de que o juiz . que é democraticamente legitimado. Mas para apresentar o argumento da democracia contra a tese fraca da vinculação não-positivista.

Quando uma pretensão não é cumprida.Conceito e Validade do Direito Robert Alexy CONCLUSÃO: AS RAZÕES DA TESE FRACA DE VINCULAÇÃO SÃO MAIS FORTES DO QUE AS OB JEÇÕES. MARTIN KRIELLE TESE DA IRRADIAÇÃO TESE DO COLAPSO TESE DA IRRADIAÇÃO: afirma que a falta de caráter jurídico da normas fundamentais de um sistema jurídico gera a falta de caráter jurídico de TODAS as normas típicas do sistema. porque há casos em que o Legislador permanece inativo. mas diante de uma injustiça legal o juiz deve se manifestar empregando um conceito não-positivista a fim de assegurar os Direitos fundamentais do Cidadão. 16 . Então uma norma individual poderá perder seu caráter jurídico se vier a compartilhar o caráter injusto do sistema global. costumam surgir os problemas práticos significativos.RESPEITO PELOS DIREITOS DOS CIDADÃOS CONCEITO -PRETENSÃO Á CORREÇÃO POSITIVISTA A FAVOR DE UM NÃO- 1-O emprego de um conceito não-positivista é necessário para assegurar os Direitos fundamentais do Cidadão. . Os sistemas normativos existentes formulam pretensões à correção. entrará em cena o ARGUMENTO DA INJUSTIÇA. 2-TODA SENTENÇA JUDICIAL FORMULA UMA PRETENSÃO À CORREÇÃO. Um sistema normativo perderá seu caráter jurídico quando for extremamente injusto em termos GLOBAIS.E se este não-cumprimento das pretensões transpuser o limiar da in justiça extrema.

A tese do colapso está correta ao sustentar que o caráter de um sistema jurídico pode modificar quando muitas normas individuais tiverem seu caráter jurídico contestado. porque com essa característica faz parte de um todo.pois são as que poderão gerar o colapso do sistema. TESE DO COLAPSO: Apoiada na fórmula de Radbruch. De acordo com a fórmula de Radbruch.Poderá haver modificação da identidade do conteúdo do sistema jurídico.e o colapso do antigo sistema. Um elemento individual terá determinada característica que não teria no caso de uma análise isolada. sustenta que uma norma individual só perde seu caráter jurídico quando é extremamente injusta . Alexy diz que a tese da irradiação não é convincente como tese sobre o caráter jurídico. do caráter jurídico in justo de um sistema global só poderão resultar conseqüências nas normas individuais. deve-se contestar apenas o caráter jurídico das normas que se encontram na injustiça extrema. Mas o sistema jurídico conservará seu caráter jurídico se um n° mínimo de normas conservarem tal caráter. 17 .Conceito e Validade do Direito Robert Alexy Essa tese leva ao argumento da totalidade.e que o sistema global entrará em colapso quando muitas normas individuais tiverem seu caráter jurídico contestado.e. por isso.