You are on page 1of 12

Vis‹o

Miss‹oPROJECTO
INTERNET

EstratŽg
SEGURA

Entidades
êNDICE

Vis‹o
Vis‹o 1
Miss‹o 3
EstratŽgia 4
Entidades no cons—rcio 7

Miss‹o
Links œteis 9

EstratŽ
Entidades
VISÌO

A utiliza‹o das Tecnologias de Informa‹o e Uma das orienta›es estratŽgicas do programa de ac‹o
Comunica‹o (TIC) tem transformado profundamente LigarPortugal, adoptado pelo Governo em Julho de
a maneira como as pessoas vivem Ð como aprendem, 2005, Ž ÒAssegurar a Segurana e a Privacidade no Uso
trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto da InternetÒ, mais especificamente Ògarantir que todos,
nas rela›es pessoais como com as organiza›es. e em particular as fam’lias, disp›em de instrumentos
para protec‹o de riscos que possam ocorrer no uso
A par de todas as possibilidades e benef’cios da utiliza‹o da Internet e tm informa‹o sobre como os utilizarÓ.
das TIC, nomeadamente no acesso ao conhecimento,
na colabora‹o entre pessoas e organiza›es, na inclus‹o O projecto Internet Segura contribui para a con-
social e na cria‹o de riqueza, Ž necess‡rio assegurar, cretiza‹o desta orienta‹o estratŽgica. Este projecto Ž
como para qualquer outro meio de interac‹o, meca- da responsabilidade de um cons—rcio coordenado pela
nismos e estratŽgias apropriados para minimiza‹o de UMIC Ð Agncia para a Sociedade do Conhecimento
eventuais abusos ou ilegalidades que ocorram com a e que tambŽm envolve a DGCI-CRIE, a Funda‹o para
utiliza‹o destas tecnologias. a Computa‹o Cient’fica Nacional Ð FCCN e a Microsoft
Portugal. Ap—s avalia‹o e aprova‹o da candidatura
A Comiss‹o Europeia lanou em 1999 o programa Safer do projecto apresentada ao programa europeu Safer
Internet, a que se seguiu em 2005 o programa Safer Internet Plus, o respectivo contrato entre o cons—rcio e
Internet Plus, com o objectivo de dinamizar projectos a Comiss‹o Europeia foi assinado em Junho de 2007.
dos Estados Membros de promo‹o da utiliza‹o segura
da Internet.

No ‰mbito do programa Safer Internet, a Direc‹o Geral


de Inova‹o e Desenvolvimento Curricular, atravŽs da
Equipa de Miss‹o Computadores, Redes e Internet
(DGIDC-CRIE) do MinistŽrio da Educa‹o, desenvolveu,
em 2004, o projecto Seguranet, para a promo‹o de
uma utiliza‹o esclarecida, cr’tica e segura da Internet
junto dos estudantes do ensino b‡sico e secund‡rio.

1
VISÌO

O Projecto Internet Segura tem os seguintes objectivos estratŽgicos:

1. Combate a conteœdos ilegais;


2. Minimiza‹o dos efeitos de conteœdos ilegais e lesivos nos cidad‹os;
3. Promo‹o de uma utiliza‹o segura da Internet;
4. Consciencializa‹o da sociedade para os riscos associados ˆ utiliza‹o da Internet.

2
MISSÌO

Para cumprir os objectivos estratŽgicos do projecto Internet Segura foram identificados os


seguintes objectivos operacionais:

1.Cria‹o de um Conselho Consultivo, constitu’do por O Insafe Ž uma rede de coopera‹o dos projectos dos
personalidades e entidades relevantes; Estados Membros que promovem a sensibiliza‹o e
consciencializa‹o para uma utiliza‹o mais segura da
2.Cria‹o de um servio on-line para denœncia de Internet pelos cidad‹os. Desde 2004 que Portugal
conteœdos ilegais; integra o Insafe colaborando em eventos internacionais
3. Disponibiliza‹o de informa‹o sobre os perigos e na participa‹o de Portugal nas actividades associadas
associados ˆ utiliza‹o da Internet, tendo em conta ao Dia Europeu da Internet Segura.
diferentes pœblicos-alvo e suportes comunicacionais;
O Inhope Ž uma Associa‹o Internacional de linhas de
4. Disponibiliza‹o de conteœdos informativos, atendimento de denœncias de conteœdos suscept’veis
formativos e interactivos relevantes para a utiliza‹o de serem considerados ilegais. A coopera‹o de todas
segura da Internet; as linhas de denœncia permite uma troca de informa‹o
5.Promo‹o do envolvimento do sector privado em mais eficaz no combate a conteœdos ilegais e il’citos
ac›es que promovam a utiliza‹o da Internet em que se encontrem alojados em pa’ses fora da jurisdi‹o
Segurana. do pa’s onde os mesmos s‹o comunicados. O Inhope
presta ainda aux’lio ˆ instala‹o e desenvolvimento de
O projecto Internet Segura tem tambŽm uma miss‹o novas linhas de denœncia como acontece com o caso
internacional ao cooperar com duas entidades portugus.
internacionais: o Insafe e o Inhope.

3
ESTRATƒGIA

Em 2006, 36% da popula‹o portuguesa entre os 16 4 Operacionaliza‹o de uma linha de atendimento de


e 74 anos utilizou a Internet, com uma taxa de utiliza‹o denœncias de conteœdos ilegais e/ou il’citos por
de cerca de 80% entre as pessoas com o n’vel qualquer pessoa, que, em estreita colabora‹o com
educacional secund‡rio, 87% com o n’vel educacional as foras judiciais e os fornecedores de servios de
superior e uma taxa de 96% de utilizadores entre os Internet, d maior celeridade ˆ avalia‹o dos
estudantes. De 17% de lares com liga›es em banda conteœdos assinalados e ˆ concretiza‹o de medidas
larga em Dezembro de 2004, passou-se para 34% em adequadas.
Dezembro de 2006, o dobro em apenas dois anos.
As ac›es a desenvolver est‹o organizadas em projectos
As actividades desenvolvidas com o recurso ˆ Internet estruturantes, projectos de interven‹o transversal e
pelos cidad‹os s‹o diversificadas, nomeadamente projectos de interven‹o focalizada.
actividades de comunica‹o, de pesquisa de informa‹o
e utiliza‹o de servios on-line, comŽrcio electr—nico
e ac›es de educa‹o e forma‹o. Dado que a utiliza‹o
da Internet tambŽm pode envolver alguns riscos, a
preven‹o e a sensibiliza‹o da popula‹o para uma
navega‹o mais segura e consciente da Internet Ž a
melhor forma de evitar e mitigar potenciais problemas.

ƒ, assim, fundamental adoptar uma estratŽgia positiva


que contribua para a forma‹o de uma sociedade mais
esclarecida e consciente, capaz de se proteger de
eventuais problemas na utiliza‹o da Internet.
O projecto Internet Segura tem quatro linhas de
actua‹o principais:

1 Sensibiliza‹o para a import‰ncia da navega‹o na


Internet em segurana;
2 Informa‹o sobre mecanismos e solu›es para a
navega‹o segura na Internet;
3 Forma‹o de cidad‹os e profissionais na utiliza‹o
segura da Internet;

4
ESTRATƒGIA

Projectos estruturantes 3. Protocolo com ISPs e foras de segurana


Pretende-se com estes protocolos a colabora‹o de
Os projectos estruturantes tm como principal objectivo
prestadores de servios de Internet (ISPs) e das foras
a promo‹o concertada de ac›es da responsabilidade
de segurana para ac›es que venham a ser desen-
das diferentes entidades que comp›em o cons—rcio.
volvidas pelo projecto Internet Segura, nomeadamente
para facilitar o trabalho de coopera‹o necess‡rio ao
1. Conselho Consultivo do projecto Internet Segura funcionamento eficaz da linha de atendimento de
O Conselho Consultivo ser‡ composto por respons‡veis denœncias de conteœdos potencialmente ilegais.
de entidades governamentais e n‹o governamentais e
ter‡ como principal responsabilidade acompanhar e 4. Rede Internet Segura
emitir pareceres sobre as actividades desenvolvidas no
A rede Internet Segura resultar‡ de parcerias formais
‰mbito do projecto Internet Segura. Caber‡ tambŽm a
e/ou informais com entidades do poder central, local,
este Conselho Consultivo promover a visibilidade
sociedade civil e sector privado com vista ˆ promo‹o
pœblica do projecto.
e dissemina‹o de ac›es integradas e articuladas de
sensibiliza‹o para uma utiliza‹o segura e consciente
2. Portal InternetSegura.pt da Internet.
Destinado a todos os pœblicos-alvo, o portal disponi-
bilizar‡ conteœdos informativos, formativos e interactivos
sobre a utiliza‹o segura da Internet. Pretende-se um
portal din‰mico e interligado com outros s’tios da
Internet para actualiza‹o autom‡tica de informa‹o.

5
ESTRATƒGIA

Projectos de interven‹o transversal responsabilidade do projecto Internet Segura, mas


procurar-se-‡ o envolvimento de entidades da sociedade
1.Linha de denœncia de conteœdos Ð civil cujo ‰mbito de interven‹o Ž a actividade de
LinhaAlerta.internetsegura.pt forma‹o em TIC.
No ‰mbito do projecto Internet Segura foi j‡ criada
uma infra-estrutura que receber‡ denœncias de qualquer Projectos de interven‹o focalizada
pessoa relativas a conteœdos na Internet potencialmente
ilegais. Uma equipa tŽcnica analisa as denœncias
1.Seguranet.pt
efectuadas, encaminhando para as foras de investiga‹o
criminal e segurana os conteœdos comunicados, Com enfoque no ensino b‡sico e secund‡rio, est‡ j‡
articulando com as entidades prestadoras de servios dispon’vel o s’tio da Seguranet.pt, com informa›es e
de Internet o bloqueio dos mesmos. guias de utiliza‹o para uma navega‹o segura da
Internet. Para alŽm da informa‹o orientada para alunos
Sempre que os conteœdos comunicados estejam alojados
e professores, o s’tio disponibiliza tambŽm informa‹o
em servidores localizados fora de Portugal a linha de
adequada a encarregados de educa‹o.
denœncia nacional encaminhar‡ a caso reportado para
as entidades relevantes no pa’s em causa, em articula‹o
2.Articula‹o com as entidades europeias
com o Inhope.
Em estreita articula‹o com o Insafe e com o Inhope, o
2.Guias de boas pr‡ticas cons—rcio assegurar‡ a presena do projecto Internet
Segura nas reuni›es internacionais destas duas
ƒ objectivo do projecto Internet Segura disponibilizar
entidades, de forma a articular as iniciativas portuguesas
guias de boas pr‡ticas de utiliza‹o da Internet
com as de ‰mbito europeu. Um exemplo dessa
orientados para a administra‹o pœblica, pequenas e
articula‹o ocorre no Dia Europeu da Internet Segura
mŽdias empresas, escolas, estudantes e para os cidad‹os
com o envolvimento de Portugal desde 2005.
em geral. Estes guias estar‹o acess’veis no portal
InternetSegura.pt e ser‹o de igual forma disponi-
bilizados em papel aos v‡rios pœblicos-alvo em locais
apropriados ˆ sua divulga‹o.

3.Ac›es de forma‹o
Ser‹o desenvolvidas ac›es de forma‹o, presenciais e
n‹o presenciais, destinadas a segmentos diversificados
da popula‹o. Estas ac›es de forma‹o ser‹o da

6
ENTIDADES DO CONSîRCIO

UMIC DGIDC/CRIE do MinistŽrio da Educa‹o


Agncia para a Sociedade do Conhecimento A equipa tem como miss‹o a concep‹o, desenvol-
A UMIC Ð Agncia para a Sociedade do Conhecimento, vimento, concretiza‹o e avalia‹o de iniciativas
IP, Ž o organismo pœblico portugus com a miss‹o de mobilizadoras e integradoras no dom’nio do uso dos
coordenar as pol’ticas para a sociedade da informa‹o computadores, redes e Internet nas escolas e nos
e mobilizar a sociedade da informa‹o atravŽs da processos de ensino-aprendizagem, incluindo, designa-
promo‹o de actividades de divulga‹o, qualifica‹o e damente, as seguintes ‡reas de interven‹o:
investiga‹o.
1.Desenvolvimento do Curr’culo de Tecnologias de
A miss‹o da UMIC tem uma particular relev‰ncia na Informa‹o e Comunica‹o (TIC) nos ensinos b‡sico
actualidade, reforada pelo facto do Programa do XVII e secund‡rio e respectiva Forma‹o de Professores;
Governo Constitucional (2005-2009) definir que Òo
Plano Tecnol—gico Ž a pea central da pol’tica econ—mica
2.Promo‹o e dinamiza‹o do uso dos computadores,
de redes e da Internet nas escolas;
do Governo e consiste num conjunto articulado de
pol’ticas e de medidas transversais, ao servio da vis‹o 3.Apetrechamento e manuten‹o de equipamentos de
de, a mŽdio prazo, transformar Portugal numa moderna TIC nas escolas.
sociedade do conhecimento, com o qual se pretende: A DGIDC/CRIE desenvolve desde 2004 o projecto
Seguranet.
1. Convocar Portugal para a sociedade da informa‹o;
2. Imprimir um novo impulso ˆ inova‹o empresarial;
3. Vencer o atraso cient’fico e tecnol—gico;
4. Qualificar os recursos humanos.
A UMIC Ž a entidade coordenadora do projecto Internet
Segura.

7
ENTIDADES DO CONSîRCIO

FCCN- Microsoft
Funda‹o para a Computa‹o Cient’fica Nacional A Microsoft Ž uma das principais empresas do sector
inform‡tico e tem contribu’do para a promo‹o de uma
A FCCN Ð Funda‹o para a Computa‹o Cient’fica
utiliza‹o segura da Internet, desenvolvendo diversas
Nacional Ž uma associa‹o privada sem fins lucrativos
iniciativas e parcerias com o sector pœblico e privado
de utilidade pœblica cujos associados s‹o entidades
no decorrer dos œltimos anos.
pœblicas. Iniciou a sua actividade em Janeiro de 1987
e tem como miss›es principais assegurar a rede de O MinistŽrio da Educa‹o assinou com a Microsoft um
investiga‹o e educa‹o nacional e a sua liga‹o memorando de entendimento, ao abrigo do qual se
internacional, nomeadamente a Rede Cincia, tm desenvolvido ac›es de forma‹o e sensibiliza‹o
Tecnologia e Sociedade (RCTS), o servio de registo de em TIC nas escolas, envolvendo professores e alunos.
dom’nios .PT (DNS.PT) e a opera‹o do ponto de troca
de tr‡fego Internet em Portugal (GigaPIX). Desde que
foi criada em 1987, a FCCN tem contribu’do para a
expans‹o da Internet em Portugal com o apoio do
Estado, das universidades e de diversas institui›es de
I&D nacionais.
No contexto da segurana de redes e sistemas de
informa‹o, a FCCN assegura, desde 2003, um servio
de resposta a incidentes de segurana inform‡tica
(CERT.PT) acreditado a n’vel internacional.

8
ÊLINKS òTEIS

Vis‹o
www.Internetsegura.pt
http://LinhaAlerta.internetsegura.pt
www.seguranet.pt

Miss‹o
www.microsoft.com/portugal/seguranca
www.inhope.org
www.saferinternet.org

EstratŽg
Entidades
Julho 2007

www.internetsegura.pt