You are on page 1of 49

MATEMÁTICA FINANCEIRA

Profa. Tatiane Lage
tatiane@etva.com.br
SUMÁRIO
PLANO DE ENSINO............................................................................................ 05
1.1 Ementa............................................................................................................... 05
1.2 Carga Horária Total........................................................................................... 05
1.3 Objetivos........................................................................................................... 05
1.4 Unidades de Ensino......................................................................................... 06
1.5 Metodologia ..................................................................................................... 06
1.6 Critérios de Avaliação...................................................................................... 06
1.7 Referências Bibliográficas Básicas…………………………………………... 06
1.8 Bibliografia Complementar............................................................................... 06
UNIDADE I - JUROS SIMPLES......................................................................... 07
1. Conceitos de Matemática Financeira.................................................................. 07
1.1.Definição de Taxa de Juros …………………………………………….. 07
1.2. O Valor do dinheiro no Tempo................................................................ 08
2. Tipo de Formação de Juros................................................................................. 08
2.1 Juros Simples............................................................................................. 08
2.2. Montante ……………………………………………………………….. 09
2.3 Juro Comercial e Juro Exato ……………………………………………. 10
2.4 Comparação entre os Regimes de Capitalização ……………………...... 10
2.5 Valor Nominal e Valor Atual …………………………………………… 11
3. Taxas Proporcionais…………………………………………………………… 12
3.1. Conceito ………………………………………………………………... 12
3.2. Exemplo Numérico................................................................................... 12
3.3. Fórmulas Relacionando Taxas Proporcionais........................................... 13
3.4. Problemas Resolvidos.............................................................................. 13
Lista 01 de Exercícios ........................................................................................... 16
UNIDADE II – DESCONTO SIMPLES ……………………………………… 18
2.1 Tipos de Títulos................................................................................................. 18
2.2 Nota Promissória............................................................................................... 18
2.3 Duplicata e Letra de Câmbio........................................................................... 18
2.4 Desconto de títulos – Desconto Comercial ou Por Fora …………………….. 18
2.5 Taxa de Desconto X Taxa Efetiva …………………………………………... 19
2.6 Lista 02 de Exercícios ……………………………………………………….. 21
UNIDADE III – JUROS COMPOSTOS ……………………………………… 22
3.1 Fluxo de Caixa de uma Operação..................................................................... 22
3.2 Introdução aos Juros Compostos....................................................................... 22
3.3 Cálculo do Montante........................................................................................ 23
3.4 Quando Usamos Juros Simples e Juros Compostos …………………………. 27
3.5 Taxas Equivalentes........................................................................................... 28
3.6 Taxas Equivalentes pela HP-12C…………………………………………….. 29
3.7 Taxa Efetiva...................................................................................................... 31
3.8 Taxa Nominal................................................................................................... 31
Lista 03 de Exercícios……………………………………………………………. 33
UNIDADE IV- Equivalência de Capitais a Juros Compostos ……………… 35
4.1 Introdução......................................................................................................... 35
4.2 Valor Atual de um Conjunto de Capitais ……………………………………. 36
2
4.3 Análise de Alternativas de Pagamento pelo Valor Atual……………………. 39
4.4 Conjunto de Capitais Equivalentes ………………………………………….. 40
Lista 04 de Exercícios …………………………………………………………… 42
UNIDADE V – SÈRIES PERIÒDICAS UNIFORMES……………………… 44
5.1 Definições........................................................................................................ 44
5.2 Classificação das Séries Uniformes ................................................................. 44
5.2.1 Série Uniforme Postecipada (g) (End)................................................... 44
5.2.2 Série Uniforme Antecipada (g) (Beg)..................................................... 46
5.2.3 Série Uniforme Diferida ………………………………………………. 47
5.3 Lista 05 de Exercícios ...................................................................................... 49
3
Plano de Ensino
1.1 Ementa
Capitalização simples, Composta, Operações de Desconto de um único e de uma serie de títulos de
mesmo valor ou de valores variáveis. Classificação de taxas, Cálculo do valor presente, do valor
futuro, da taxa de juros, do prazo de uma série de pagamentos ou recebimentos (rendas)
postecipados e antecipados. Sistema de amortização, Cálculo do VPL, Cálculo da TIR.
1.2 Carga Horária Total
40 horas/ aula
1.3 Objetivos
• Propiciar aos discentes o entendimento conceitual, técnico e teórico dos conteúdos dispostos
pela Matemática Financeira que agregam valor de decisão em situações de investimento.
• Desenvolver a capacidade de analisar, compreender e manipular estrategicamente operações
comerciais e financeiras ali desenvolvidas familiarizando-os com esta linguagem.
1.4 UNIDADES DE ENSINO
1.4.1 – JUROS SIMPLES
• Juros e montante;
• Descontos.
1.4.2 - JUROS COMPOSTOS
• Juros e montante;
• Equivalência de capitais.
1.4.3 – ANUIDADE E EMPRESTIMOS
• Rendas Certas ou anuidades;
• Modelos Genéricos de anuidades;
• Empréstimos.
1.4.4 – INFLAÇÃO
• Taxa de juros aparente;
• Taxa de juro real e correção monetária.
4
1.5 Metodologia
Fundamentalmente participativa, consistindo principalmente de casos práticos provenientes do
cotidiano das empresas acompanhados de exercícios e exposições para introduzir conceitos
fundamentais.
1.6 - Critérios de Avaliação
O grau total que será atribuído ao aluno obedecerá à seguinte ponderação:
• 20% referentes às atividades/trabalho realizados em sala de aula;
• 80% referentes à avaliações individuais , sob a forma de provas, a serem realizadas após o
término de cada unidade de ensino.
1.7 - Referências Bibliográficas Básicas:
HAZZAN, Samuel & POMPEO, José Nicolau, Matemática Financeira. 4ª ed. São Paulo: Saraiva,
1998.
PUCCINI, Abelardo de Lima. Matemática Financeira : Objetiva e Aplicada. 6ª ed. São Paulo:
Saraiva, 2003.
1.8 - Bibliografia Complementar:
ASSAF NETO, Alexandre. Matemática Financeira e suas Aplicações. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 1998.
FARO, Clovis de. Matemática Financeira. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 1993 .
FRANCISCO, Walter de. Matemática Financeira. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 1994
MATHIAS, Washington Franco. & GOMES, José Maria. Matemática Financeira. 2ª ed. São Paulo:
Atlas, 1996
KUHNEN, Osmar Leonardo. Matemática Financeira Aplicada e Análise de Investimentos. São
Paulo: Atlas. 1997
VIEIRA SOBRINHO, José Dutra. Matemática Financeira. 6ª ed. São Paulo, Atlas,
5
UNIDADE I - JUROS SIMPLES
1. Conceitos de Matemática Financeira
1.1 Definição de Taxa de Juros
Uma taxa de juros, ou taxa de crescimento do capital, é a taxa de lucratividade recebida num
investimento. De uma forma geral, é apresentada em bases anuais, podendo também ser utilizada
em bases semestrais, trimestrais, mensais ou diárias, e representa o percentual de ganho realizado na
aplicação do capital em algum empreendimento.
Por exemplo, uma taxa de juros de 12% ao ano indica que para cada unidade monetária aplicada,
um adicional de R$ 0,12 deve ser retornado após um ano, como remuneração pelo uso daquele
capital. (Thuesen, 1977)
A taxa de juros, simbolicamente representada pela letra i, pode ser também apresentada sob a forma
unitária, ou seja, 0,12, que significa que para cada unidade de capital são pagos doze centésimos de
unidades de juros. Esta é a forma utilizada em todas as expressões de cálculo.
A taxa de juros também pode ser definida como a razão entre os juros, cobráveis ou pagáveis, no
fim de um período de tempo e o dinheiro devido no início do período. Usualmente, utiliza-se o
conceito de taxa de juros quando se paga por um empréstimo, e taxa de retorno quando se recebe
pelo capital emprestado.
Portanto, pode-se definir o juro como o preço pago pela utilização temporária do capital alheio, ou
seja, é o aluguel pago pela obtenção de um dinheiro emprestado ou, mais amplamente, é o retorno
obtido pelo investimento produtivo do capital. Genericamente, todas as formas de remuneração do
capital, sejam elas lucros, dividendos ou quaisquer outras, podem ser consideradas como um juro.
Quando uma instituição financeira decide emprestar dinheiro, existe, obviamente, uma expectativa
de retorno do capital emprestado acrescido de uma parcela de juro. Além disso, deve-se considerar
embutido na taxa de juros os seguintes fatores: (Thuesen, 1977)
* Risco - grau de incerteza de pagamento da dívida, de acordo, por exemplo, com os antecedentes
do cliente e sua saúde financeira;
* Custos Administrativos - custos correspondentes aos levantamentos cadastrais, pessoal,
administração e outros;
* Lucro - parte compensatória pela não aplicação do capital em outras oportunidades do mercado,
podendo, ainda, ser definido como o ganho líquido efetivo;
* Expectativas Inflacionárias - em economias estáveis, com inflação anual baixa, é a parte que atua
como proteção para as possíveis perdas do poder aquisitivo da moeda.
6
1.2 O Valor do Dinheiro no Tempo
O conceito do valor do dinheiro no tempo surge da relação entre juro e tempo, porque o dinheiro
pode ser remunerado por uma certa taxa de juros num investimento, por um período de tempo,
sendo importante o reconhecimento de que uma unidade monetária recebida no futuro não tem o
mesmo valor que uma unidade monetária disponível no presente.
Suponhamos que duas empresas, a empresa “A” e a empresa “B”, tenham a receber R$ 100 cada. A
empresa “A” deve receber seus R$ 100 em 30 dias e a empresa “B”, em 360 dias. Será que os R$
100 da empresa “A” valem o mesmo que os R$ 100 da empresa “B”? Claro que não! Os R$ 100 da
empresa “A” valem mais do que os R$ 100 da empresa “B”. Isso porque o valor do dinheiro varia
no tempo. É o chamado “valor temporal” do dinheiro. A matemática financeira é a ciência que
estuda o valor do dinheiro no tempo.

2. Tipos de Formação de Juros
Os juros são formados através do processo denominado regime de capitalização, que pode ocorrer
de modo simples ou composto, conforme apresentado a seguir:
2.1 Juros Simples
No regime de capitalização a juros simples, somente o capital inicial, também conhecido como
principal P, rende juros. Assim, o total dos juros J resultante da aplicação de um capital por um
determinado período n, a uma taxa de juros dada, será calculado pela fórmula:
Onde:
J= Juros
C= Capital
i= Taxa de juros
n= prazo de aplicação
7
J = C . i . n
30 dias
360 dias
R$ 100,00 R$ 100,00
No presente trabalho será adotada a notação definida abaixo, em todos os diagramas de fluxo de
caixa estudados:
i - taxa de juros para determinado período, expressa em percentagem e utilizada nos cálculos na
forma unitária.
Ex.: rendimento de dez por cento ao ano; i = 0,10 ou 10 % a.a.
n - número de períodos de capitalização.
Ex.: aplicação de um capital por 5 meses; n = 5
C - valor equivalente ao momento presente, denominado de Capital, Principal, Valor Presente ou
Valor Atual.
Ex.: aplicação de R$ 10.000 efetuada hoje; C = 10.000
J - Juros produzidos ou pagos numa operação financeira.
Ex.: um capital de R$ 5.000 rendeu R$ 300 ao final de 1 ano; J = 300
2.2 MONTANTE
Logo, pode-se calcular o total conseguido ao final do período, ou seja, o montante M, através da
soma do capital inicial aplicado com o juro gerado. O montante pode ser expresso, para este caso,
por: M = C + J, originando a fórmula M = C ( l + i . n)
Montante = Capital + Juros
Montante = Capital + (Capital x Taxa de Juros x Número de Períodos).
M - valor situado num momento futuro em relação à C, ou seja, daqui a n períodos, a uma taxa de
juros i, denominado Montante ou Valor Futuro.
Ex.: uma aplicação de R$ 15.000, feita hoje, corresponderá a R$ 19.000 daqui a n períodos, a uma
taxa de juros i; M = 19.000
Observações:
1. Na fórmula dos juros e do montante, é necessário que i e n estejam expressos na mesma
unidade( por exemplo, se i for taxa mensal, n deve ser expresso em meses).
2. Embora a fórmula tenha sido traduzida para n inteiro, ela é estendida para n fracionário.
EXERCÍCIO RESOLVIDO 01
Um capital de R$ 10.000,00 foi aplicado por 3 meses, a juros simples. Calcule o valor a ser
resgatado no final deste período à taxa de 4 % a.m.
* juros acumulados: J = 10.000 x 0,04 x 3 = 1.200
* como M = C + J, o valor resgatado será: M = 1.200 + 10.000 = 11.200
8
M = C. (1 + i . n)
EXERCÍCIO RESOLVIDO 02
Temos uma divida de R$1.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de juros
simples e devemos pagá-la em 2 meses. Os juros que pagarei serão:
J = 1000 x 0.08 x 2 = 160
2.3 Juro Comercial e Juro Exato
A diferença entre juros comercial e juros exatos está no número de dias do ano usado na conversão
da taxa de juro anual para o prazo de operação (mensal, diário, etc.) e vice versa. O cálculo dos
juros comerciais leva em consideração o ano comercial de 360 dias. O cálculo dos juros exatos leva
em consideração o ano civil de 365 dias e de 366 dias para os anos bissextos.
O conceito de juro comercial é largamente utilizado durante séculos pelo sistema financeiro, devido
a sua maior facilidade de cálculo, pois o mesmo possui 24 divisores. Ao contrário do juro exato (7
divisores para o ano civil e 4 para o ano bissexto). Exceto quando for explicitado, os cálculos
financeiros consideram o juro comercial.
2.4 - Comparação entre os Regimes de Capitalização Simples e Composta
A diferença entre um regime e outro pode ser melhor verificada através de um exemplo: Seja um
capital de $1.000,00 aplicado à taxa de 20% a.a, por um período de 4 anos a juros simples e
compostos. Qual o valor a ser resgatado (Montante)?
Juros Simples Juros Compostos
n Juro por
período
J = C x i
Montante
C + J
Juro por período
J = M x i
Montante
C + J
1 1000 x 0,2 = 200 100+200 = 1200 1000 x 0,2 = 200 1.000 + 200 = 1200
2 1000 x 0,2 = 200 1200+200=1400 1200 x 0,2 = 240 1200 + 240 = 1440
3 1000 x 0,2 = 200 1400+200= 1600 1440 x 0,2 = 288 1440 + 288 = 1728
4 1000 x 0,2 = 200 1600+200=1800 1728 x 0,2 = 345,60 1728 + 345,6 = 2073,60
A partir das definições acima, pode-se perceber que os resultados de uma mesma operação sob o
regime de juros simples, que evolui de forma linear, e sob o regime de juros compostos, que segue a
forma exponencial, sempre sofrerão uma defasagem crescente em função do aumento dos períodos
de tempo.
Observações:
Independente do regime de capitalização, o aluno pode reparar que o juro e o montante obtidos ao
final do primeiro mês de capitalização serão sempre os mesmos. Daí se pode concluir que ao
considerarmos um período único de tempo, não há diferença entre os regimes de capitalização, não
havendo sentido em se distinguir, para apenas um período, a capitalização simples da capitalização
composta. Isto se dá por que ao final do primeiro período os juros compostos são calculados sobre o
9
montante do período anterior, que neste momento é o capital inicial, ficando igual ao cálculo do
juro simples. Veja:
J = M.i = C.i (para o primeiro período)
Observe ainda que, no regime de capitalização simples o montante aumenta de acordo com uma
progressão aritmética, onde o montante sofre uma variação linear em relação aos juros (no exemplo,
a razão é 200, ou seja, a cada período o montante sobe de um valor constante e igual a 200). Já no
regime de capitalização composta, o montante varia de acordo com uma progressão geométrica,
onde o montante aumenta segundo uma variação exponencial em relação aos juros (a razão da
progressão geométrica é dada por (1+i) = (1,20)).
2.5 - VALOR NOMINAL E VALOR ATUAL (OU PRESENTE)
Consideremos que uma pessoa tenha uma divida de R$11.000,00 a ser paga daqui a 5 meses. Se ela
puder aplicar seu dinheiro hoje, a juros simples e à taxa de 2% a.m., quanto precisará aplicar para
poder pagar a dívida no seu vencimento?
Em situações como esta, costuma-se chamar o valor da dívida, na data de seu vencimento, de valor
nominal. Ao valor aplicado a juros simples numa data anterior até a data do vencimento e que
proporcione um montante igual ao valor nominal chamamos de valor atual (ou valor presente).
Indicado por N o valor nominal, por V o valor atual, por i a taxa e por n o prazo da aplicação até o
vencimento, teremos esquematicamente:
N
V
0 n
Portanto:
Assim, no exemplo citado, teremos:
N = V(1 + i.n)
11.000 = V(1+ 0,02. 5)
V = 10.000
Dessa forma, esta pessoa deverá aplicar R$10.000,00 hoje, para saldar o compromisso mencionado
daqui a 5 meses.
Logo:
10
N = V (1 + i .n)
) . 1 ( n i
N
V
+
·
Deve ficar claro que o valor atual pode ser calculado em qualquer data focal inferior à do montante,
não precisando ser necessariamente a data zero que utilizamos no exemplo acima. Constata-se que o
cálculo do valor atual é apenas uma operação inversa do cálculo do montante. Nestas condições, o
valor atual, aplicado à taxa de juros simples contratada (i), da data do valor atual até a data do
vencimento, reproduz o valor nominal.
3 - TAXAS PROPORCIONAIS - JUROS SIMPLES
3.1- Conceito
Taxas proporcionais são taxas de juros fornecidas em unidades de tempo diferentes que, ao serem
aplicadas a um mesmo principal durante um mesmo prazo, produzem um mesmo montante
acumulado no final daquele prazo, no regime de juros simples.
O conceito de taxas proporcionais está, portanto, diretamente ligado ao regime de juros simples, e é
esclarecido pelos exemplos numéricos e pelas formulas desenvolvida nos próximos itens.
3.2 - Exemplo Numérico
Determinar os montantes acumulados no final de quatro anos, a partir de um principal de R$100,00,
no regime de juros simples, com as seguintes taxas de juros:
a) 12% ao ano
b) 6% ao semestre
c) 1% ao mês
Solução:
a) i = 12% ao ano
n = 4 anos
M = C (1+ i.n) = 100 (1 + 0,12 x 4) = 148
b) i = 6% ao semestre
n = 4 anos = 8 semestres
M = C (1+ i.n) = 100 (1 + 0,06 x 8) = 148
c) i = 1% ao mês
n = 4 anos = 48 meses
M = C (1+ i.n) = 100 (1 + 0,01 x 48) = 148
Ressaltamos que os cálculos forma realizados no regime de juros simles, e que nos tres casos o
capital e o prazo foram os mesmos.
Como o montante obtido no final de quatro anos foi sempre igual a R$148,00, podemos concluir
que as taxas de 12% ao ano, 6% ao semestre e 1% ao mês são proporcionais, pois produzem o
11
mesmo montante de R$148,00 ao serem aplicadas sobre o mesmo principal de R$100,00, pelo
mesmo prazo de quatro anos, no regime de juros simples.
3.3 - Fórmulas Relacionando Taxas Proporcionais
Relacionando a taxa anual com as taxas proporcionais semestral, trimestral e diária. Se
considerarmos o ano comercial (360 dias), as fórmulas que permitem o cálculo dessas taxas
proporcionais estão a seguir indicadas:
em que:
ia = taxa de juros anual
is = Taxa de juros semestral
it = taxa de juros trimestral
im = taxa de juros mensal
id = taxa de juros diária
3.4 - Problemas Resolvidos
1. Determinar as taxas semestral e mensal proporcional à taxa de 12% ao ano.
Solução:
ia = 12% ao ano
a) taxa semestral
ia = is x 2 ;
06 , 0
2
12 , 0
2
· · ·
ia
is
ou seja,6 % ao semestre.
b) taxa mensal
ia = im x 12 ;
01 , 0
12
12 , 0
12
· · ·
ia
im
ou seja, 1% ao mês.
2. Determinar a taxa semestral, mensal e diária, proporcional à taxa de 24 %ao ano.
Solução:
ia= 24% ao ano
a)taxa semestral
ia = is x 2 ;
12 , 0
2
24 , 0
2
· · ·
ia
is
ou seja, 12 % ao semestre.
b) taxa mensal
ia = im x 12 ;
02 , 0
12
24 , 0
12
· · ·
ia
im
ou seja, 2% ao mês.
12
ia = is x 2 = it x 4 = im x 12 = id x 360
c) taxa diária
ia = id x 360 ;
000667 , 0
360
24 , 0
360
· · ·
ia
id
ou seja , 0,0667% ao dia.
3. Determinar a taxa mensal proporcional à taxa de 7,5% ao semestre.
Solução:
Is = 7,5% ao semestre
im x 12 = is x 2 ;
0125 , 0
6
075 , 0
6
· · ·
is
im
ou seja, 1,25 % ao mês.
4. Determinar a taxa diária proporcional à taxa de 1,5% ao mês.
Solução:
im = 1,5 % ao mês
im x 12 = id x 360 ;
005 , 0
30
015 , 0
30
· · ·
im
id
ou seja 0,05% ao dia.
CONCLUSÃO
13
LISTA 01
Atividade Avaliativa: 2 pontos
- Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais.
- A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual.
- A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros.
14
Juros: remuneração do capital aplicado.
Para o investidor: remuneração da aplicação.
Para o tomador: custo do capital tomado por empréstimo
TAXA DE JUROS
É o número que mede quanto o ganho representa do capital aplicado.
No caso de empréstimo, quanto o custo representa do capital tomado.
A TAXA DE JUROS pode ser:
TAXA PERCENTUAL: 4,2% ao mês
TAXA UNITÁRIA: 0,042 ao mês.
CONVERSÃO DA TAXA:
Taxa percentual Taxa Unitária: divide-se por 100
Taxa Unitária Taxa Percentual: multiplica-se por 100
JUROS SIMPLES
Regime no qual os juros de cada período são calculados sobre o capital inicial.
OBS.: os juros são proporcionais ao tempo de aplicação.
M = C. (1 + i . n)
TAXAS PROPORCIONAIS
Produzem os mesmos juros quando aplicadas no mesmo prazo a juros simples.
Exemplo: 4,5% ao mês
Taxa proporcional para 22 dias: (0,045 / 30) x 22 =3,3% para 22 dias
Ou seja, 4,5 % ao mês é proporcional a 3,3% para 22 dias.
- Exercícios sobre Capitalização Simples-
1) Qual o valor dos juros correspondentes a um empréstimo de $150.000,00 pelo prazo de 12
meses, sabendo-se que a taxa cobrada é de 5% a.m.?
R= R$$90.000,00
2) Um capital de $300.000,00, aplicado durante 15 meses, rende juros de $35.000,00.
Determine a taxa correspondente.
R= 0,77% a.m.
3) Sabendo-se que os juros de $380.000,00 foram obtidos com a aplicação de $900.000,00 a
taxa de 10% a.b. Pede-se determinar o prazo da aplicação.
R= 4 bimestres e 13 dias
4) Calcular o montante da aplicação de um capital de $250.000,00, pelo prazo de 10 meses, a
taxa de 5,5% a.m.
R= R$387.500,00
5) Determinar o valor atual de um título cujo valor nominal é de $700.000,00, sabendo-se que
a taxa de juros é de 9%a.m. e que faltam 2,5 meses para o seu vencimento.
R= R$571.428,57
6) Sabendo-se que certo capital, aplicado durante 6 trimestres, a taxa de 12%a.a. rende
$110.000,00 de juros, determinar o montante.
R= R$721.111,11

7) Em quanto tempo um capital aplicado a 26% a.m. dobra o seu valor?
R= 3 meses e 25 dias
8) A que taxa de juros um capital aplicado durante 5 meses rende juros igual a ½ do seu valor?
R= 10% a.m.
9) Um capital emprestado gerou $225.000,00 de juros. Sabendo-se que o prazo da aplicação foi
de 12 meses e a taxa de juros de 0,5% a.m., calcular o valor do montante.
R=R$ 3.975.000,00
10) Calcular o montante correspondente a uma aplicação de $980.000,00 por 312 dias, a taxa de
8,2%a.m.
R= R$1.815.744,00
11) Dois capitais, um de 5.000,00 e outro de $6.000,00, foram aplicados numa mesma data, a
juros simples, sendo o primeiro à taxa de 12% a.a. e o segundo à taxa de 8%aa. Qual o prazo
para que os montantes se igualem?
R= 8 anos e 4 meses ou 100 meses ou 3000 dias

12) Durante quanto tempo um capital deve ser aplicado a juros simples e à taxa de 48% a.a para
que se quadruplique?
R= 6 anos e 3 meses
15
13) Uma dívida de $50.000,00 vence daqui a 8 meses. Considerando uma taxa de juros simples
de 2% a.m., calcule seu valor atual:
a) Hoje; R=R$43.103,44
b) 3 meses antes do seu vencimento; R=R$47.169,81
c) Daqui a 2 meses. R=R$44.642,86
14) Um título de R$24.000,00 vence daqui a 10 meses.
a) Qual seu valor atual, se a taxa de juros simples para esses títulos hoje for de
2,2% a.m.? R=19.672,13
b) Qual seu valor atual 3 meses antes do vencimento, se neste momento a taxa de juros
simples para estes títulos for de 2,6% a.m.? R=R$22.263,45
c) Qual seu valor atual 65 dias antes do vencimento, se nesta data a taxa de juros
simples para estes títulos for de 2,1% a.m.? R=R$22.955,52
15) João fez uma aplicação de R$50.000,00 a juros simples e à taxa de 2,5% a.m. pelo prazo de
9 meses. No entanto, dois meses antes do vencimento, necessitando de dinheiro, vendeu o
título a Pedro. Determine o valor de venda (valor atual dois meses antes do vencimento),
sabendo-se que, nesta data, a taxa de juros simples para esse título era de 2,8%a.m.
R=R$58.001,89
16) Carlos fez uma aplicação de R$60.000,00 a juros simples, pelo prazo de 9 meses à taxa de
32% aa. No entanto, 4 meses antes do vencimento, necessitando de dinheiro, vendeu o título
a Vera. Determine o valor de venda (Valor atual na data da venda), sabendo-se que no
momento da venda a taxa de juros simples era de 27% a.a.
R=R$68.256,88
UNIDADE II - DESCONTO SIMPLES
Se uma pessoa deve uma quantia em dinheiro numa da data futura, é normal que entregue ao credor
um título de crédito, que é o comprovante desta dívida.
Todo título de crédito tem uma data de vencimento; porém, o devedor pode resgatá-la
antecipadamente, obtendo com isso um abatimento denominado desconto.
16
O desconto é uma das mais comuns aplicações da regra de juro.
2.1 TIPOS DE TÍTULOS
Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são:
• a nota promissória,
• a duplicata e
• a letra de câmbio.
2.2 - NOTA PROMISSÓRIA
É um comprovante da aplicação de um capital com vencimento predeterminado. É um titulo
muito usado entre pessoas físicas ou entre pessoa física e instituição financeira.
2.3 - DUPLICATA
É um título emitido por uma pessoa jurídica contra seu cliente(pessoa física ou
jurídica), para o qual ela vendeu mercadorias a prazo ou prestou serviços a serem pagos no futuro,
segundo um contrato.
2.4 - LETRA DE CÂMBIO
Assim como a nota promissória é um comprovante de uma aplicação de capital com
vencimento predeterminado; porém, é um título ao portador, emitido exclusivamente por uma
instituição financeira.
2.5 DESCONTAR UM TÌTULO
O QUE PODE ACONTECER:
• Que o devedor efetue o pagamento antes do dia predeterminado. Neste caso, ele se beneficia
com um abatimento correspondente ao juro que seria gerado por esse dinheiro durante o
intervalo de tempo que falta para o vencimento;
• Que o credor necessite do seu dinheiro antes da data predeterminada. Neste caso, ele pode
vender o título de crédito a um terceiro e é justo que este último obtenha um lucro,
correspondente ao juro do capital que adianta, no intervalo de tempo que falta para o
devedor liquidar o pagamento; assim, ele paga uma quantia menor que a fixada no título de
crédito.
Em ambos os casos há um beneficio, definido pela diferença entre as duas quantidades. Esse
beneficio, obtido de comum acordo, recebe o nome de desconto. As operações anteriormente
citadas são denominadas operações de desconto, e o ato de efetua-las é chamado descontar um
título.
No regime de juros simples, os descontos de cada período são obtidos pela aplicação da taxa de
desconto (i) sempre o valor nominal ou futuro de um título, fazendo com que os descontos tenham o
mesmo valor em todos os períodos. Assim, temos:
17
onde:
Dc= Desconto Comercial id= Taxa de Desconto do Título
N= Valor Nominal n= prazo de desconto
Já o valor descontado do título, ou seja o seu valor líquido (valor que a empresa irá receber) já
operado o desconto é dado pela expressão:
Vdc = N – N . id .n
Onde:
Vdc = Valor Descontado Comercial (Valor Líquido do Título após o desconto)
Exemplo:
Determinar o Desconto Comercial e o Valor Líquido de um título de valor nominal R$15.000,00,
descontado a uma taxa de 24%a.a., com prazo de antecipação de 8 meses.
Desconto Comercial
Dc = N x id x n
Dc = 15.000 x 0,02 x 8
Dc = 2.400
Valor Líquido do Título
Vdc = N (1 – id x n)
Vdc = 15.000 (1- 0,02 x 8)
Vdc = 15.000 (1- 0,16)
Vdc = 15.000 x 0,84 12.600
2.6 - TAXA DE DESCONTO X TAXA EFETIVA
A Taxa implícita de juros do Desconto Comercial (Por Fora)
O Desconto por fora admite uma taxa de juros superior àquela declarada para a operação. Isto por
que o desconto por fora é apurado sobre o valor nominal do título.
Por exemplo, suponha um título de valor nominal de $ 50.000,00 descontado num banco um mês
antes de seu vencimento à taxa de 5% a.m.
Aplicando-se o método do desconto comercial como é típico destas operações tem-se:
Dc= N x id x n  Dc = 50.000,00 x 0,05 x 1  Dc = 2.500,00
Vdc = N – Dc  Vdc = 47.500,00
Observe que a taxa de juros adotada de 5% ao mês não iguala O Vdc ao N. Ou seja, esta taxa, se
aplicada ao valor descontado de $47.500,00, não produz para o período de 1 mês, o montante de
$50.000,00. Veja.
18
Dc = N . id. n
Vdc = N - Dc
Vdc = N ( 1 – id . n)
47.500,00 + 5% = 49.875,00
Logo, há uma taxa implícita de juros na operação, superior aos declarados 5% a.m., que conduz
Vdc e N a um mesmo resultado no período. Esta taxa implícita pode ser obtida. Considerando que a
taxa que está presente na operação deve levar Vdc a N no mesmo período de tempo do desconto
então teremos a fórmula:
ie =
id
1- id x n
A taxa efetiva em desconto comercial, é a taxa implícita nestas operações. No exemplo anterior, ao
utilizar uma taxa de desconto de 5% a.m., na verdade, a instituição financeira está tendo um ganho
de 5,26% a.m. em cada operação e, logicamente, esta é a taxa que o cliente da instituição está
pagando, ou seja, ao optar por uma operação de desconto de 5% a.m., o cliente está pagando 5,26%
a.m.
A taxa de desconto comercial, também pode ser obtida pela taxa efetiva da instituição financeira.
Para isto, tem-se a fórmula:
id =
ie
1+ ie x n
No exemplo anterior tem-se o cálculo da taxa de desconto que deverá ser usada para uma
rentabilidade (taxa efetiva de 5,26% a.m.).
Fórmula Taxa de Desconto: Fórmula Taxa efetiva:

ie =
id
1- id x n
LISTA 02
Atividade Avaliativa: 2 pontos

- Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais.
id =
ie
1+ ie x n
19
Dada a taxa de desconto do exemplo anterior, calcule a taxa efetiva da operação:
ie =
id
 ie =
0,05
ie =
0,0
5
= 0,052636 (x 100) → 5,26% a.m
1- id x n 1- 0,05 x 1 0,9
5
Dada a taxa efetiva (5,26%) do exemplo anterior, calcule a taxa de desconto da
operação:
id
=
i  id
=
0,0526 
id=
0,052
6 = 0,04997 (x 100) → id=
5,00% am 1+ ie
x n
1+ 0,0526
x 1
1,052
6
- A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual.
- A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros.

- Exercícios sobre Desconto simples -
1) Calcular o Desconto comercial das hipóteses seguintes:
Valor Nominal Taxa Prazo/ Vencimento
a)R$12.500,00 37% a.a. 250 dias R=R$3.211,80
b)R$20.000,00 28% a.a. 8 meses R= R$3.733,33
2) O valor Nominal de um Título é 15 vezes o Desconto Comercial a 30% a.a. Qual será o prazo de
antecipação, se o desconto comercial for de R$640,00? R= 80 dias
3) Se a taxa de desconto for de 30% a.a., qual será o valor descontado comercial se o desconto de
um título no valor de R$18.000,00 ocorrer 90 dias antes de seu vencimento?
R=R$16.650,00
4) Pelo Valor nominal de R$10.000,00 uma pessoa recebeu R$9.556,94 como sendo o valor
descontado comercial. Qual foi o prazo de antecipação, se a taxa de juros adotada foi de 29%a.a.?
R=55 dias
5) Uma Duplicata de Valor nominal de R$8.000,00 foi descontada 90 dias antes de seu vencimento,
a taxa de desconto de 23,5% a.a. Qual o desconto Comercial? Qual a taxa efetiva?
R= Dc=470,00 ie=24,96% ao ano
6) Se uma instituição deseja ganhar 36% a.a. (taxa efetiva), qual a taxa de desconto que deverá ser
aplicada para operações com prazo de:
a) 3 meses R= 33,02 %a.a. b) 6 meses R= 30,50 % a.a.
7) Uma duplicata de R$ 60.000,00 é descontada 2 meses antes do vencimento. Sabendo-se que a
taxa de desconto comercial é de 12% a.m., pede-se:
a) O desconto comercial R=14.400
b) O valor descontado comercial R= 45.600
c) a taxa efetiva de juros da operação R=15,78% a.m.
8) Para uma taxa de desconto comercial de 15% a.m., calcule a taxa efetiva de juros nos seguintes
prazos:
a) 1 mês b) 2 meses c) 3 meses
R=17,64% a.m. R= 21,42% a.m. R= 27,27% a.m.
9) Um banco oferece crédito financeiro cobrando 10% a.m. de taxa de desconto. Se uma empresa
necessita hoje de R$ 3.000,00 para pagar daqui a 2 meses, qual deve ser o valor da nota promissória
a ser descontada? R=R$3.600,00
10) Uma empresa necessita imediatamente de recursos para capital de giro. Das opções de crédito
abaixo, qual é a melhor alternativa à empresa?
a) Contrair empréstimos a uma taxa de 10% a.m. para pagar daqui a 2 meses. R= 8,33% a.m.
b) Descontar duplicatas com dois meses até o vencimento a uma taxa de desconto de 10% a.m.
20
R= 12,5% a.m. A melhor alternativa é a primeira opção, pois tem taxa de desconta e taxa efetiva
com menores valores.
UNIDADE III – JUROS COMPOSTOS
3.1 Fluxo de Caixa de Uma Operação
É uma representação esquemática onde no eixo horizontal é representado o tempo; as setas para
cima indicam entradas de dinheiro e as setas para baixo representam saída de dinheiro.
Exemplo: Uma pessoa aplica R$ 5.000,00 num banco e recebe R$ 1.000,00 de juros após 1 ano
O fluxo de caixa do aplicador é:
6.000,00
0 1
5.000,00
Fluxo de caixa do banco é:
5.000,00
0 1
6.000,00
3.2 Introdução aos Juros compostos
A diferença fundamental entre juros simples e compostos é que no juro simples só o capital inicial é
que rende juros ao longo da vida do investimento, ao passo que nos juros compostos, após cada
período, os juros são incorporados ao capital e passam, por sua vez, a render juros.
É o regime de capitalização em que a taxa de juro incide sobre o montante obtido no período
anterior, para gerar juro no período atual. Portanto, em cada período de aplicação, os juros serão
calculados através do produto do montante anterior pela taxa de juro. (J = M . i)
Exemplo: Um capital de R$1.000,00 colocado a 20% ao ano, durante 4 anos, no final do 1º ano o
juro é de R$200,00, que é capitalizado, isto é, somado ao capital de R$1.000,00 para, assim o
capital de R$1.200,00 produzir juros no 2º ano.
No final do 2º ano, o juro será de R$240,00, ou seja, 20% de R$1.200,00.
No exemplo acima, os juros simples serão de R$200,00 em todos os anos.
Destra forma, o montante a juros simples cresce em progressão aritmética, enquanto os juros
compostos cresce em progressão geométrica.
O quadro abaixo mostra os montantes nos primeiros 4 anos de aplicação.
21
As setas voltadas para cima indicam entradas ( + ).
As setas voltadas para baixo indicam sáidas ( - ).
Juros Simples Juros Compostos
n Juro por
período
J = C x i
Montante
C + J
Juro por período
J = M x i
Montante
C + J
1 1000 x 0,2 = 200 100+200 = 1200 1000 x 0,2 = 200 1.000 + 200 = 1200
2 1000 x 0,2 = 200 1200+200=1400 1200 x 0,2 = 240 1200 + 240 = 1440
3 1000 x 0,2 = 200 1400+200= 1600 1440 x 0,2 = 288 1440 + 288 = 1728
4 1000 x 0,2 = 200 1600+200=1800 1728 x 0,2 = 345,60 1728 + 345,6 = 2073,60
3.3 – CÁLCULO DO MONTANTE COM JUROS COMPOSTOS
1º ano :
M1
= C ( 1 + i .)
2º ano :
M2
= M1 ( 1 + i ) = C ( 1 + i ). ( 1 + i.) = C ( 1 + i . n)
2
3º ano:
M3
= M2 ( 1 + i) = C ( 1 + i)
2
(1 +i) = C (1 +i)
3
4º ano:
M4
= M2 (1+i) = C(1+i)
3
(1 + i) = C ( 1 + i)
4
Observações:
a) O fator (1 + i)
n
é chamado de Fator de Acumulação de Capital para pagamento único.
b) As Calculadoras financeiras permitem calcular diretamente qualquer uma das quatro
variáveis, dados o valores das outras três.
A simbologia usada é a seguinte:
PV (Present Value): Valor Presente – representa o capital C
FV (Future Value): Valor Futuro – representa o montante M
i (interest rate): Representa a taxa de juros
n (number): representa do número de períodos
Pela HP
Na HP-12C, temos as seguintes funções financeiras.
n = Número de Períodos de uma operação
i = Taxa de Juros Por Período de Capitalização
PV = Valor Presente ou Capital (Present Value)
22
M = C (1 + i)
n
PMT =Valor da prestação de uma série uniforme (PayMenT)
FV = Valor Futuro ou Montante (Future Value)
Qualquer problema de matemática financeira pode ser facilmente demonstrado por meio de um
diagrama de fluxo de caixa que é a representação gráfica de entradas e saídas de dinheiro ao longo
do tempo. Observe:
FV
i
n
PV
Onde:
Linha Horizontal representa a linha do tempo,
em que são destacadas as entradas e saídas de
dinheiro.
Assim, utilizando o exemplo anterior, temos:
FV =
i = 20% a.a
0 n= 4 anos
PV= - 1.000,00
Solução:
Pressione Visor Significado
f (CLX) 0,00 Limpa todos os registradores
1000 CHS PV - 1.000,00 Introduz o valor do principal inicial (negativo conforme vimos no diagrama
de fluxo de caixa)
4 (i) 10,00 Indica a taxa de juros anual da operação
4 n 4,00 Indica o prazo anual em que o dinheiro ficou aplicado
FV 2073,60 Calcula o valor do montante formado (valor final)
Exemplo 2:
Uma pessoa toma $ 1.000,00 emprestados a juros de 2% a.m. pelo prazo de 10 meses, com
capitalização composta. Qual o montante a ser devolvido?
FV = PV x (1 + i)
n
Pela HP
FV = 1.000 x (1 + 0,02)
10

FV = 1.000 x 1,02
10
FV = 1.000 x 1,218994
FV = 1.218,99

f (CLX) Limpa todos os registradores
1000 CHS PV Informa o capital
2 (i) Informa a taxa
10 n Informa o prazo
FV Solicita o montante
23
• Houve uma saída de dinheiro na data focal
zero de $1000,00 (PV) Uma pessoa fez um
desembolso para aplicar o dinheiro),
representando uma saída de capital (PV negativo)
• Após 4 meses, o dinheiro foi devolvido com
juros totalizando um montante (FV), que será
 1218,99
Bem, utilizando a fórmula de Valor Futuro, podemos chegar a fórmula de Valor Presente:
FV = PV x (1 + i)
n
 PV =
FV
Ou PV = FV (1 + i)
-n
(1 + i)
n
Exemplo 3:
Uma pessoa emprestou determinada quantia a juros de 2% a.m. após 10 meses recebeu como
pagamento $ 1.218,99. Que quantia ela emprestou?
PV = PV = FV (1 + i)
-n
PV = 1218,99 (1 + 0,02)
-10
PV = 1218,99 (1,02)
-10
PV = 1218,99 x 0,820348
PV= 1.000
Pela HP-12C
f (CLX)
Limpa todos os
registradores
1218,99 CHS
FV
Informa o
montante
2 (i) Informa a taxa
10 n Informa o prazo
PV Solicita o capital
 1.000,00
Exemplo 4
Um capital de $1.000,00 aplicado durante 10 meses produz um montante de $1218,99. Qual a taxa de
juros mensal?
PV x (1 + i)
n

1.218,99 = 1.000 x (1 + i)
10
1.218,99 / 1.000 = (1 + i)
10
1,21899 = (1 + i)
10
10
1,21899 = 1 + i
f (CLX) Limpa todos os registradores
1.000 CHS PV Informa o capital
1.218,99 FV Informa o montante
10 n Informa o prazo mensal
I Solicita a taxa mensal
 2,00 % a.m.
24
1,02 = 1 + i
1,02 – 1 = i
i = 0,02 (x 100)
i = 2% a.m.
Exemplo 5
Durante quantos meses, um capital de $1.000,00 aplicado a 2% a.m. produz um montante de
$1.218,99
FV = PV x (1 + i)
n
1.218,99 = 1.000 x (1 + 0,02)
n

1.218,99 = 1.000 x (1,02)
n

1.218,99 / 1.000 = (1,02)
n

1,21899 = 1,02
n
(log)
log 1,21899 = log 1,02
n
log 1,21899 = n x log 1,02
0,086 = n x 0,008600
0,086 = 0,008600n
0,008600n = 0,086
n = 0,086 / 0,008600
n = 10 meses
f (CLX) Limpa todos os
registradores
1.000 (CHS)
(PV)
Informa o valor do capital
1.218,99 (FV) Informa o montante
2 i Informa a taxa
n Solicita o prazo da operação
→ 10 meses
25
3.4 – Quando usamos juros simples e juros compostos
A maioria das operações envolvendo dinheiro utiliza juros compostos. Estão incluídas: compras a
médio e longo prazo, compras com cartão de crédito, empréstimos bancários, as aplicações
financeiras usuais como caderneta de poupança e aplicações em fundos de renda fixa, etc.
Raramente encontramos uso para o regime de juros simples: é o caso de operações de curtíssimo
prazo, e do processo de desconto simples de duplicatas.
Um exemplo simples de capitalização composta é o da caderneta de poupança, onde você deposta
seu dinheiro em um mês esperando que no final do primeiro mês a mesma já apresente um
montante igual ao capital inicial mais o juro, que foram gerados sobre o capital inicial (este era o
único montante anterior), observe que a partir do primeiro mês, mesmo que você não deposite
nada na caderneta de poupança, o dinheiro lá existente vai rendendo juros sobre o capital inicial e
sobre os juros que já estão na conta, sendo este processo conhecido como juros sobre juros ou
capitalização composta.
A expressão que permite quantificar o total de juros resultante da aplicação de um capital C, a
uma taxa de juros i, durante n períodos, é mostrada a seguir:
EXERCÌCIO RESOLVIDO 01
Calcule os juros pagos numa aplicação de R$5.000,00 por 6 meses, à taxa de 2,5% ao mês, sob o
regime de juros compostos.
• juros em 6 meses: J = 5.000 [(1 + 0,025)
6
- 1] = 798,47
EXERCÍCIO RESOLVIDO 02
Determinar o valor a ser resgatado ao final de 6 meses, considerando-se a aplicação de
R$10.000,00, hoje, a uma taxa de 2,5% ao mês.
• Montante ao final de 6 meses: M = 10.000 ( 1 + 0,025)
6
= 11.596,93
J = C. [(1 + i)
n
- 1]
3.5 – TAXAS EQUIVALENTES
Teremos aqui, que recorrer ao principio de equivalência de taxas, onde: “duas taxas referentes a
períodos distintos de capitalização são equivalentes quando produzem o mesmo montante no
final de determinado tempo, pela aplicação de um mesmo capital inicial no regime de juros
compostos”.
O conceito de taxas equivalentes está, portanto, diretamente ligado ao regime de juros compostos.
Assim, a diferença entre taxas equivalentes e taxas proporcionais se prende exclusivamente ao
regime de juros considerado. As taxas proporcionais se baseiam em juros simples, e as taxas
equivalentes se baseiam em juros compostos.
Do exposto podemos apresentar uma fórmula genérica, que possa ser utilizada para qualquer
caso, ou seja:
Onde: iq = taxa para o período que quero
it = taxa para o período que tenho
q = prazo que quero
t = prazo que tenho
EXERCÌCIO RESOLVIDO 01
Qual a taxa trimestral equivalente à taxa de1, 8%ao mês?
100 1
) 018 , 0 1 (
1
3
× − ·
+
it
it= 5,49%ao trimestre
Observe: tratando-se de Juros Compostos, o que ocorre NÃO é uma simples proporcionalidade.
Você NÃO pode transformar as taxas a partir da regra de três.
3.6 Taxas Equivalentes pela HP-12C –Programação
27
100 1 (
) 1
×
1
]
1

¸

− ·
+it
tenho
quero
iq
Para rodarmos o programa de taxas equivalentes em juros compostos na calculadora, primeiro
temos que entrar no modo programável da HP-12C. Siga os seguintes passos na calculadora:
PASSOS PROGRAMA VISOR DA HP-12C INSTRUÇÕES
- f R/S 00-
acessando o modo
programável
- f R 00-
limpando todos os programas
1 RCL i 01-45 12
linha 1 coluna 2
2 1 02- 1
passo 02
3 0 03- 0
passo 03
4 0 04- 0
passo 04
5
÷
05- 10
passo 05; linha 1 coluna zero
6 1 06- 1
passo 06
7 + 07- 40
passo 07; linha 4 coluna zero
8 RCL 1 08- 45 1
passo 08; linha 4 coluna 5
9 RCL 2 09- 45 2
passo 09; linha 4 coluna 5
10
÷
10- 10
passo 10
11 y
x
11- 21
passo 11; linha 2 coluna 1
12 1 12- 1
passo 12
13 - 13- 30
passo 13; linha 3 coluna zero
14 1 14- 1
passo 14
15 0 15- 0
passo 15
16 0 16- 0
passo 16
17 x 17- 20
passo 17; linha 2 coluna zero
18 F R/S
para sair do modo
programável
Um dos modos de elaborarmos um programa de taxas equivalentes em juros compostos na HP-
12C consiste em registrar os dados do problema na máquina com o auxílio da tecla STO, por
exemplo. Os dados armazenados são chamados para as operações através da tecla RCL.
Nessas condições, pra programarmos a fórmula da taxa equivalente em juros compostos abaixo,
Onde: iq = taxa para o período que quero
it = taxa para o período que tenho
q = prazo que quero
t = prazo que tenho
Passos na calculadora HP-12c:
• a taxa it – taxa dada – na tecla i
28
100 1 (
) 1
×
1
]
1

¸

− ·
+it
tenho
quero
iq
• o período da taxa que eu quero(q) na memória 1; e
• o período da taxa que tenho na memória 2.
Para rodarmos o programa, devemos inserir os dados conforme o caso e acionarmos a tecla R/S
(Run/Stop). Por exemplo:
1) Dada à taxa de 50% ao ano, calcule a taxa equivalente em juros compostos para 30 dias.
50 i
30 STO 1
360 STO 2
R/S ?
Taxa= 3,44% ao mês
2) Qual a taxa anual equivalente à taxa de 3% ao mês?
3 i
12 STO 1
1 STO 2
R/S ?
Taxa= 42,57% ao ano
3) Qual a taxa trimestral equivalente à taxa de 3% ao mês?
3 i
3 STO 1
1 STO 2
R/S ?
Taxa= 9,27% ao trimestre
4) Qual a taxa anual equivalente à taxa de 6% ao trimestre?
6 i
12 STO 1
3 STO 2
R/S ?
Taxa= 26,25% ao ano
5) Qual a taxa mensal equivalente a 4,67% para 59 dias?
4,67 i
30 STO 1
59 STO 2
R/S ?
Taxa= 2,35% ao mês
3.7 – TAXA EFETIVA
29
Taxa efetiva é a taxa de juros que a unidade referencial de seu tempo coincide com a unidade de
tempo dos períodos de capitalização. São exemplos de taxas efetivas:
• 2% ao mês, capitalizado mensalmente.
• 3% ao trimestre, capitalizado trimestralmente.
• 6% ao semestre capitalizado semestralmente
• 10% ao ano, capitalizado anualmente.
3.8 – TAXA NOMINAL
Taxa Nominal é a taxa de juros em que a unidade referencial de seu tempo não coincide com a
unidade de tempo dos períodos de capitalização. A taxa nominal é sempre fornecida em termos
anuais, e os períodos de capitalização podem ser semestrais, trimestrais, mensais ou diários. São
exemplos de taxas nominais:
• 12% ao ano, capitalizado mensalmente.
• 24% ao ano, capitalizado semestralmente.
• 10% ao ano, capitalizado trimestralmente.
• 18% ao ano, capitalizado diariamente.
A taxa nominal, apesar de bastante utilizada no mercado, não representa uma taxa efetiva e, por
isso, não deve ser usada nos cálculos financeiros, no regime de juros compostos.
Toda taxa nominal traz em seu enunciado uma taxa efetiva implícita, que é a taxa de juros a ser
aplicada em cada período de capitalização. Essa taxa efetiva implícita é sempre calculada de
forma proporcional, no regime de juros simples.
Nos exemplos anteriores, as taxas efetivas que estão implícitas nos enunciados das taxas
nominais são as seguintes:
• 12% ao ano, capitalizado mensalmente.
aomês
meses
% 1
12
% 12
·

• 24% ao ano, capitalizado semestralmente.
aosemestre
semestres
% 12
2
% 24
·
• 10% ao ano, capitalizado trimestralmente.
e aotrimestr
trimestres
% 5 , 2
4
% 10
·
30
• 18% ao ano, capitalizado diariamente.
aodia
dias
% 05 , 0
360
% 18
·

Devemos então abandonar os valores das taxas nominais e realizar todos os cálculos financeiros,
no regime de juros compostos, com os valores das taxas efetivas correspondentes, ou seja, 1% ao
mês, 12% ao semestre, 2,5% ao trimestre e 0,05% ao dia.
Conforme podemos observar, a taxa efetiva implícita de uma taxa nominal anual é sempre obtida
no regime de juros simples. A taxa anual equivalente a essa taxa efetiva implícita é sempre maior
que a taxa nominal que lhe deu origem, pois essa equivalência é sempre feita no regime de juros
compostos. Essa taxa anual equivalente será tanto maior quanto maior for o número de períodos
de capitalização da taxa nominal.
EXERCÍCIO RESOLVIDO
Determinar o montante acumulado no final de 2 anos, ao se aplicar R$1.000,00 à taxa de 9% ao
ano, capitalizado mensalmente.
im =
12
% 9
= 0,75% ao mês.

C= 1.000
n = 2 anos= 24 meses
im = 0,75% ao mês.
M = C ( 1 + i )
n
M = 1.000( 1 + 0,0075)
24
M = 1.196,41
LISTA 03
31
Atividade Avaliativa: 2 pontos
- Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais.
- A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual.
- A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros.

- Exercícios sobre capitalização composta-
1) Qual é o montante gerado por um capital de R$1.000,00, aplicados pelos prazos e taxas
abaixo:
a) 1% a.m. – 12 meses M=1.126,82
b) 1.5% a.m. – 3 anos M=1.709,13
c) 3% a.t. – 18 meses M=1.194,05
d) 10% a.a. – 120 meses M=2.593,74
e) 5% a.s. – 5 anos M=1.628,89
2) Que juros receberá uma pessoa que aplique $1.000,00, conforme as hipóteses abaixo:
a) 2% a.m. – 1 ano J=268,24
b) 1.5% a.t. – 2 anos J=126,49
c) 7% a.s. – 36 meses J=500,73
3) Certa pessoa pretende comprar uma casa por R$50.000,00 daqui a 06 anos. Quanto deve
aplicar esta pessoa hoje para que possa compartilhar a casa no valor e prazo estipulado, se
a taxa for:
a) 3% a.t. C=24.596,68
b) 1% a.m. C=24.424,80
c) 50% a.s. C=385,36
4) Para ter R$10.000,00 quanto devo aplicar hoje se as taxas e prazos são os seguintes:
a) 2,5% a.m. – 1 semestre C=8.622,97
b) 15% a.q. – 4 anos C=1.869,07
c) 50% a.d. – 10dias C=173,41
5) Qual a taxa equivalente anual às seguintes taxas:
a) 1% a.m. ia=12,6825%aa.
b) 2% a.b. ia= 12,6162%a.a.
c) 5% a.t. ia=21,5506%aa.
d) 2,5% a.q. ia=7,6890%aa.
e) 8% a.s. ia= 16,64%aa.
6) Que taxas são equivalentes a 25% ao ano se os prazos respectivos forem:
a) 6 meses (semestral) is=11,8033% a.s.
32
b) 4 meses (quadrimestral) iq=7,7217% a.q.
c) 3 meses (trimestral) it=5,7371% a.t.
d) 2 meses (bimestral) ib=3,7890% a.b.
7) Qual será a taxa de juros para 13 meses, nas hipóteses:
A) 27% a.a. i=29,5549% para 13 meses
B) 6% a.s. i=13,4564% para 13 meses
C) 5% a.q. i=17,1831% para 13 meses
D) 10% a.t. i=51,1361% para 13 meses
8) Qual é a taxa efetiva anual nas hipóteses abaixo:
TAXA NOMINAL CAPITALIZAÇÃO
24% a.a. Mensal ia=26,8241% a.a.
28% a.a. Trimestral ia=31,0796% a.a.
21% a.a. Quadrimestral ia=22,5043% a.a.
9) Se o banco deseja ganhar 30%aa. como taxa efetiva, que taxa nominal anual deverá pedir em
cada hipótese de capitalização abaixo:
a) Mensal ia=26,5248% a.a. b) trimestral ia=27,1156% a.a.
10) Um sítio é posto à venda por R$50.000,00 de entrada e R$ 100.000,00 em um ano. Como
opção o vendedor pede R$124.000,00 à vista. Se a taxa de juros de mercado é de 2,5% a.m., qual
a melhor alternativa? R= Melhor alternativa é pagar à vista
11)Um investidor aplicou R$5.000,00 por 30 meses a taxa de 10% a.a..Qual é o montante por ele
recebido? M= R$6.345,26
12) Com finalidade de comprar um carro no valor de R$7.500,00, um rapaz aplica R$6.000,00 à
taxa de 3% a.m. Quanto tempo levou para obter o valor do carro?
n=7 meses e 16 dias
13) Uma aplicação em caderneta de poupança rende R$500,00 sobre um capital de R$8.000,00
em um ano e três meses. Qual é a taxa de rentabilidade anual?
ia=4,9695% ao ano
14) Uma empresa toma R$100.000,00 pelo prazo de 02 anos. Se a taxa do banco for de 28% a.a.,
com capitalização trimestral, qual será o montante devolvido? M=R$171.818,61

33
UNIDADE IV - EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS
COMPOSTOS
4.1 INTRODUÇÃO
Este capítulo se reveste de importância fundamental nas aplicações práticas. O conceito de
equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras
equivalentes e, conseqüentemente, efetuar comparações entre alternativas.
Consideremos o seguinte exemplo: um prédio é vendido por R$5.000.000,00 à vista ou então a
prazo, em 3 parcelas mensais de R$1.700.000,00 cada uma, sem entrada. Qual a melhor
alternativa pra o comprador se ele pode aplicar seu dinheiro a juros compostos e à taxa de 2%
a.m. e tem fundos suficientes para pagar à vista?
Uma forma de resolver esta questão é a seguinte: se ele pagar a prazo, após 1 mês de aplicação
ele terá R$5.000.000,00 + 100.000,00, ou seja R$5.100.000,00. Pagando R$1.700.000,00 de
prestação, sobram-lhe R$3.400.000,00. Aplicando R$3.400.000,00 por mais um mês, ele terá no
final R$3.468.000,00; pagando a segunda prestação sobram-lhe R$1.768.000,00. Aplicando
finalmente R$1.768.000,00 por mais um mês, ele terá ao final R$1.803.360,00, o que dá para
pagar a última prestação e ainda lhe sobram R$103.360,00. Vê-se que é melhor pagar a prazo (se
no instante de pagar a última prestação ainda faltasse dinheiro, seria melhor pagar à vista).
Problemas dessa natureza podem ser resolvidos desta forma. Contudo, imagine uma situação em
que o número de prestações seja 12 ou 24. O trabalho seria enfadonho.
O Princípio de equivalência de capitais é fundamental na resolução dos problemas de decisões de
compra e investimentos. Diz-se que dois capitais com datas de vencimento determinadas são
equivalentes quando, levados a uma mesma data (data focal), à mesma taxa de juros, tiverem
valores iguais. Assim, em juros compostos, dois capitais ou conjunto de capitais que sejam
equivalentes em determinada data também o serão em outra.
Exemplo:
Um bem pode ser pago em 30 dias por R$20.000,00. Qual o valor á vista do bem, se a taxa
for de 25% a.m.?

FV= 20.000
i=25% a.m.
1
) 25 , 0 1 (
000 . 20
+
· PV
= 16.000
0 1
PV=?
Assim, podemos afirmar que R$ 20.000 daqui a 30 dias é
equivalente a R$ 16.000 hoje, a uma taxa de 25% a.m.
Pode-se afirmar também que para determinarmos ao valor à
vista de um bem, basta encontrar o Valor Presente dos
pagamentos futuros.
34
4.2 - VALOR ATUAL DE UM CONJUNTO DE CAPITAIS
Consideremos os capitais
y0
,
y1
,
y2
.......
yn
, nas datas 0,1,2 ..... n, respectivamente. Chamamos
de valor atual na data 0 ( ou simplesmente valor atual) desse conjunto, a uma taxa de juros i , à
soma dos valores equivalentes desses capitais na data 0.
Em outras palavras, o valor atual do conjunto é a soma dos valores atuais de cada capital, à taxa i.
Portanto, o valor atual do conjunto é o valor que, aplicado na data 0 `a taxa i, consegue gerara os
capitais
y0, y1,y2 ...... yn.
y0 y1 y2 yn
0 1 2 n
Chamando de V o valor atual, teremos:
) 1 ( ) 1 ( ) 1 ( ) 1 (
...... ..........
3 2 1
3 2 1
i i i i
n
yn y y y
yo V
+ + + +
+ + + + ·
Exemplo 1:
Uma empresa prevê o pagamento de R$200.000,00 daqui a um mês e R$500.000,00 daqui a três
meses. Quanto deverá aplicar hoje a juros compostos à taxa de 1,5% a.m. para fazer frente a essas
despesas?
200.000 500.000
0 1 2 3
O valor atual que deverá ser aplicado hoje é, por definição, o valor atual desse conjunto, ou seja:
) 015 , 0 1 ( ) 015 , 0 1 (
3 1
00 . 500 000 . 200
+ +
+ · V
35
V= 197.044,33+ 478.158,66
V=675.202,99
Exemplo 2:
Uma loja vende um eletrodoméstico da seguinte forma: Entrada de $6.000, mais duas parcelas
mensais de $12.000,00 cada. Se a loja opera a uma taxa de juros de 3% a.m. Determine seu preço
à vista.
Temos,
6.000 12.000 12.000
0 1 2
PV = 6.000 +
2 1
) 03 , 1 (
000 . 12
) 03 , 1 (
000 . 12
+
→ PV = 28.961,64
Portanto, o preço à vista é de R$ 28.961,64
Pela HP:
Exemplo 3:
Um bem no valor de R$ 28.961,64, pode ser pago com uma entrada de R$ 6.000,00, mais duas
parcelas mensais, vencendo a primeira em 30 dias e a segunda em 60 dias. Considerando que a
segunda parcela é de R$ 12.000,00, a taxa de juros de 3% a.m., determine o valor da primeira
parcela.
Considerando que pela equivalência financeira de capitais, o Valor Presente de um bem é dado
pelo valor atualizado de suas parcelas, temos:
Pressione Significado
OU
Pressione Significado
F (CLX) Limpe todos os registradores F (CLX) Limpe todos os registradores
6.000 (g) (cfo) Indica o fluxo de caixa 0 (Cash Flow 0) 6.000 (g) (cfo) Indica o fluxo de caixa 0 (Cash Flow 0)
12.000 (g) (cfj) Indica o fluxo de caixa seguinte 12.000 (g) (cfj) Indica o fluxo de caixa seguinte
12.000 (g) (cfj) Indica o fluxo de caixa seguinte 2 (g) (nj) O fluxo anterior acontece 2 vezes seguidas
3 (i) Indica a taxa mensal 3 (i) Indica a taxa mensal
(f) (NPV) Solicita o Valor Presente da série (f) (NPV) Solicita o Valor Presente da série
36
Po= 6.000 P1 P2= 12.000
0 1 2 (meses)
PV =
2
2
1
1
) 1 ( ) 1 ( i P i P Po + + + +

28.961,64 =
2 1
1
) 03 , 0 1 ( 000 . 12 ) 03 , 0 1 ( 000 . 6
− −
+ + + +P
28.961,64 = 942596 , 0 000 . 12 0,970874 000 . 6
1
× + + P
28.961,64 = 15 , 311 . 11 0,970874 000 . 6
1
+ + P
28.961,64 = 15 , 311 . 11 03 , 1
1
+ P
28.961,64 - 11.311,15=
1
0,970874 P
17.650,49 = 0,970874P1
P1=
0,970874
11.650,49
P1 = 12.000
OU
4.3- Análise de Alternativas de Pagamento pelo Valor Atual
Dadas várias alternativas de pagamento, o melhor é aquela de menor valor atual. Vejamos,
porquê:
Um bem é vendido por:
a) R$ 1.000,00 a vista
b) R$ 1.050,00 daqui a 1 mês.
Considerando que a taxa de juros de mercado
1
é de 6% a.m. Qual a melhor opção?
PV (a vista) = 1.000,00
PV (a prazo) = Valor atual de 1050,00
Assim,
Isto se significa que, se optar por pagar a prazo, o
comprado poderá aplicar no mercado o valor
correspondente ao bem (1.000,00). No final de 1
mês ele terá 1.060,00 (1.000 + 6%). O suficiente
para pagar o valor a prazo do bem e ainda lhe
1
Taxa de juros de mercado é a taxa de remuneração pela aplicação de recursos no mercado financeiro
Pressione Resultado
OU
Pressione Resultado
F (CLX) F (CLX)
6.000 (g) (cfo) 12.000 (CHS) FV
0 (g) (cfj) 3 (i) (2 (n)
12.000 (g) (cfj) PV 11.311,15
3 (i) 6.000 (+) 17.311.15
(f) (NPV) 17.311,15 28961,64 ( - ) - 11.650,49
28961,64 ( - ) - 11.650,49 PV
CHS PV 3 (i) 1(n)
3 (i) 1 (n) FV 12.000,00
FV 12.000,00
37
PV = 1050 (1 + 0,06)
-1
PV = 990,57
Interessa comprar a prazo, pois o PV é menor
sobrar recursos.
Em resumo, é melhor pagar a prazo, pois a taxa de
juros de mercado é maior que a taxa do
financiamento
Exemplo
Um determinado produto está sendo vendido por R$ 1.800,00 à vista, ou em 3 pagamentos mensais e
iguais de R$ 650,00. Estando atualmente em 3,3% a.m. as taxas de juros de mercado, pede-se avaliar a
melhor alternativa de compra:
a) PV (à vista) = 18.000,00
b) PV (a prazo) = Valor atual das parcelas de R$ 650,00
Assim,
PV = 650 ( 1 + 0,033)
-1
+ 650 ( 1 + 0.033)
-2
+ 650 ( 1 + 0,033)
-3
PV = 1.828,04
A venda a prazo, por apresentar um PV maior que o valor a vista, indica que a taxa de juros do
financiamento é maior que a taxa de juros de mercado. Ou seja, se pagar o bem a prazo, se pagará um
juros maior do que o dinheiro investido. Interessa a compra a vista.
Vamos comprovar:
Pela HP podemos calcular a taxa de juros da operação
1.800 (CHS) G Cfo
650 (G) (CFj)
650 (G) (Cfj)
650 (G) (Cfj)
F (IRR) → 4,11% a.m TAXA DO FINANCIAMENTO
Confirma-se um custo embutido na venda a prazo de 4,11% a.m., maior que os juros de mercado.
Solução: é claro que se você aplica seu dinheiro a uma taxa de 3,3%, é mais interessante pagar a vista
4.4 – CONJUNTO DE CAPITAIS EQUIVALENTES
Consideremos os conjuntos de capitais:
y0, y1 , y2 .......... yn
, nas datas 0 , 1 , 2 ........ n, respectivamente.
x0, x1 , x2
.......... xm , nas datas 0 , 1 , 2 ........ m, respectivamente.
y0 y1 y2 yn

38
0 1 2 n

x0 x1 x2 xm
0 1 2 m
Dizemos que esses conjuntos são equivalentes a uma taxa de juros compostos i , se os seus
valores atuais forem iguais.
Assim, chamando de
V1
e
V2
os valores atuais desses dois conjuntos, devemos ter:
Exemplo:
Uma loja vende uma geladeira nas seguintes condições: entrada de R$1.000,00 mais uma parcela
de R$1.200,00, após um mês.
Um cliente propõe pagar uma entrada de R$600,00, mais duas prestações mensais e iguais,
vencendo a primeira um mês após a compra. Se a loja opera a uma taxa de juros de 3% ao mês,
qual o valor de cada parcela, de modo que as duas formas de pagamento sejam equivalentes?

1.000 1.200
1ª forma
39
V1 = V2
0 1
600 x x
2ª forma
0 1 2
V1 = V2
) 03 , 0 1 ( ) 03 , 0 1 ( ) 03 , 0 1 (
2 1 1
600
200 . 1
000 . 1
+ + +
+ + · +
x x
1.000 + 1.165,05 = 600 + 0,970874 x + 0,942596 x
2.165,05 – 600 = 1,913470 x
1.565,05 = 1,913470 x
x =
913470 , 1
05 , 565 . 1

x = 817,91
LISTA 04
Atividade Avaliativa: 2 pontos
- EXERCÍCIOS SOBRE EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS -
1) Um título no valor nominal de R$8.500,00, com vencimento para 5 meses, é trocado por
outro de R$7.934,84 com vencimento para 3 meses. Sabendo-se que a taxa de juros
corrente de mercado é de 3,5% a.m., pergunta-se se a substituição foi vantajosa.
R. V= R$7.156,77 V=R$7.156,77 A substituição do título não trouxe
vantagens, já que a troca não proporcionou valores diferentes.
2) João irá receber R$6.600,00 dentro de 1 ano, como parte de seus direitos na venda de um
barco. Contudo, necessitando de dinheiro, transfere seus direitos a um amigo que os
40
compra, entregando-lhe uma nota promissória no valor de R$ 6.000,00 com vencimento
para 6 meses. João fez um bom negócio, se a taxa de mercado for de 20% ao ano?
R. V=R$5.477,23 V=R$5.500,00 João não fez um bom negócio.
3) Considerando-se a taxa de juros de 4% ao mês, será que R$8.000,00 hoje é equivalente a
R$10.000,00 em 6 meses?
R. V=R$8.000,00 V=R$7.903,14 Não são equivalentes
4) Uma dona de casa, prevendo suas despesas com as festas de fim de ano, resolve depositar
R$4.000,00 em 30/03/2004 e R$5.000,00 em 30/07/2004, em um banco que paga 8% ao
quadrimestre. Quanto possuirá a dona de casa em 30/11/2004 ?
R. M=R$10.065,60
5) Um terreno é posto a venda por R$100.000,00 à vista ou, caso o comprador opte por
financiamento,as condições são as seguintes: R$50.000,00 no ato da compra mais duas
parcelas semestrais, sendo a primeira de R$34.000,00 e a segunda de R$35.000,00. Qual a
melhor alternativa para o comparador, se considerarmos que a taxa de juros corrente é de
50% ao ano?
R. V=R$101.094,28 A melhor alternativa é comprar à vista
6) Certa pessoa contraiu uma dívida comprometendo-se a saldá-la em dois pagamentos:
o primeiro de R$2.500,00 e segundo, 6 meses após o primeiro, de R$3.500,00. Contudo,
no vencimento da primeira parcela, não dispondo de recursos o devedor propôs adiamento
de sua dívida. O esquema apresentado foi: pagamento de R$4.000,00 daqui a 3 meses
e o saldo restante em 9 meses. Se a taxa de juros considerada foi de 2,5%ao mês. Qual é o
saldo restante?
R. Saldo restante= R$2.252,51
7) Um carro está à venda por R$20.000,00 de entrada e R$20.000,00 após 6 meses. Um
comprador propõe pagar R$25.000,00 como sendo a segunda parcela, o que será feito,
entretanto, após 8 meses. Neste caso, quanto deverá dar de entrada, se a taxa de juros de
mercado for de 2% ao mês?
R. Entrada= 16.422,16
8) Um conjunto de dormitórios é vendido em uma loja por R$5.000,00 à vista ou a prazo
em dois pagamentos trimestrais iguais, não exigindo entrada. Qual é o valor dos
pagamentos, se a taxa de juros considerada for de 8%ao trimestre?
R. Pagamentos= 2.803,84
9) Um sítio é posto a venda em uma imobiliária por R$500.000,00 à vista. Como alternativa,
a imobiliária propõe: entrada de R$100.000,00, uma parcela de R$200.000,00 para 1 ano
e dois pagamentos iguais, vencendo o primeiro em 6meses e o segundo em 1 ano e meio.
Qual é o valor destes pagamentos, se a taxa de juros adotada for de 5% ao mês?
41
R. Pagamentos=248.449,51
10) Na venda de um barco a loja Náutica oferece duas opções a seus clientes. .1º)
R$30.000,00 de entrada mais duas parcelas semestrais, sendo a primeira de R$50.000,00 e
a segunda de R$100.000,00. 2º) sem entrada, sendo o pagamento efetuado em quatro
parcelas trimestrais: R$40.000,00 nas duas primeiras, e R$50.000,00 nas duas últimas.
Qual é a melhor alternativa para o comprador, se considerarmos a taxa de juros de
mercado de 4% ao mês?
R. V1=131.975,43 V2= 133.531,63 A melhor alternativa é a 1ª opção
11) Uma loja vende um vestido por R$1.800,00 podendo este valor ser pago em três
prestações mensais iguais, sendo a primeira paga no ato da compra. Uma cliente propõe o
pagamento o pagamento de R$1.000,00 como terceira parcela. De quanto deve ser as duas
primeiras parcelas se forem iguais e a taxa de juros adotada pela loja for de 8% ao mês?
R. Parcelas= 421,94

12) Um imóvel está à venda por 4 parcelas semestrais de R$50.000,00, vencendo a primeira
em 6 meses. Um cliente propõe a compra deste imóvel, pagando-o em duas parcelas
iguais, uma no ato da compra e outra após 1 ano. Qual é o valor das parcelas, se a taxa de
juros adotada for de 20% ao semestre?
R. Parcelas=76.388,90
UNIDADE V – SÉRIES PERIÓDICAS UNIFORMES
5.1 DEFINIÇÕES
A Matemática Financeira define séries periódicas uniformes como operações financeiras que se
representam por fluxo de caixa (série de pagamentos ou de recebimentos que se estima ocorrer
em determinado período de tempo). Por exemplo, empréstimos e financiamentos de diferentes
tipos costumam envolver uma seqüência de desembolsos (pagamentos) periódicos de caixa.
As séries de pagamentos podem acontecer de diferentes formas:
• Parcelamento em n vezes com o 1º pagamento em 30 dias.
• 1º pagamento à vista e o restante parcelado em n vezes.
• Parcelamento com carência de 6 meses.
Desta forma, as séries de pagamentos são definidas como Antecipadas, Postecipadas e Diferidas.
42
As Séries Postecipadas são aquelas em que o 1º pagamento ocorre no final do 1º período e são
as mais comuns. Ex. Uma geladeira que pode ser paga em 5 parcelas mensais sem entrada.
As Séries Antecipadas são aquelas em que os pagamentos são feitos no início de cada período.
Ex. Geladeira que pode ser paga em 5 parcelas mensais com entrada.
As Séries Diferidas são operações em que há uma carência para o início do pagamento das
parcelas. Ex. Geladeira parcelada em 5 parcelas mensais, sendo o 1º pagamento para daqui a 3
meses.
5.2 CLASSIFICAÇÃO DAS SÉRIES PERIÓDICAS UNIFORMES:
5.2.1)Séries Uniformes Postecipadas (g) (end): pela convenção de final de período os valores
que ocorrem ao longo de cada período devem ser representados no final dos respectivos períodos,
conforme indicado no Diagrama Padrão a seguir:
PMT PMT PMT PMT PMT
0 1 2 3 n-1 n
PV
Onde:
PMT = Valor de Cada Parcela (Pagamento)
n = número de parcelas
Para a calculadora HP-12C obedecer ao Diagrama padrão, é preciso ativar a função azul END,
pressionando a tecla azul g e em seguida a tecla do número 8, que tem a função azul END escrita
na sua face lateral inferior. O visor não indica que essa função END está ativada.
Fórmulas:
1
1
]
1

¸

×

·
+
+
i
PMT PV
i
i
n
n
) 1 (
) 1 (
1



1
1
]
1

¸


·
+
i
PMT FV
i
n
1
) 1 (
43
Exemplo 1:
Qual o valor á vista de uma geladeira que pode ser paga em 5 parcelas de R$ 230,98 a uma taxa de 5%
a.m.?
PMT =
230,97
n= 5 meses
i = 5% a.m
PV=?
1
1
]
1

¸

×

·
+
+
i
PMT PV
i
i
n
n
) 1 (
) 1 (
1
PV = 230,98
1
]
1

¸

+
− +
05 , 0 ) 05 , 0 1 (
1 ) 05 , 0 1 (
5
5
x
PV = 230,98 x [4,329379]
PV = 1.000,00
Pela HP
(f) (CLX)
230,98 CHS PMT
5 (i)
5 (n)
PV → 1.000,00
Exemplo 2: Calcule o valor acumulado ao final de 4 meses a 4 aplicações mensais sucessivas de R$
100,00 cada uma, sabendo-se que a taxa de aplicação é de 2% a.m.
FV = PMT x
(1 + i )
n
- 1
i
FV = 100,00 x
(1 + 0,02 )
4
- 1
0,02
FV = 100,00 x
(1 + 0,02 )
4
- 1
0,02
FV = 100,00 x 4,121608
FV= 412,16
5.2.2) Séries Uniformes Antecipadas (g) (beg): pela convenção de início de período, os valores
que ocorrem ao longo de cada período devem ser representados no início dos respectivos
períodos. Esquematicamente, temos:
PMT1 PMT2 PMT3 PMT4
o 1 2 3
Para a calculadora HP-12C obedecer ao Diagrama padrão, é preciso ativar a função azul BEG,
pressionando a tecla azul g e em seguida a tecla do número 7, que tem a função azul BEGEND
escrita na sua face lateral inferior. Nesse caso o visor mostra a palavra BEGIN, abaixo do
número principal do visor, para informar que essa função BEG está ativada.
Exemplo: Uma geladeira de 1.000,00 é vendida em 5 parcelas iguais mensais, a uma taxa de 5%
a.m. Qual o valor das parcelas, considerando o 1º pagamento à vista?
PMT1 PMT2 PMT3 PMT4
o 1 2 3
44
Calculadora HP 12c
(f) (CLX)
100 CHS
PMT
4 n
2 i
FV
412,16
Limpa os registros
Indica o valor das parcelas
mensais
Indica o nº de parcelas
mensais
Indica a taxa mensal
Solicita o Valor Acumulado
¹
¹
¹
)
¹
¹
¹
¹
'
¹
+ ×
1
1
]
1

¸

×

·
+
+
) 1 (
1
) 1 (
) 1 (
i
i
PMT PV
i
i
n
n
1.000= PMT
¹
¹
¹
)
¹
¹
¹
¹
'
¹
+ ×
1
1
]
1

¸

×

+
+
) 05 , 0 1 (
05 , 0
1
) 05 , 0 1 (
) 05 , 0 1 (
5
5
1.000= PMT (4,329473) x (1,05)
1.000= PMT (4,545946)
PMT=219,97
Fórmulas:
¹
¹
¹
)
¹
¹
¹
¹
'
¹
+ ×
1
1
]
1

¸

×

·
+
+
) 1 (
1
) 1 (
) 1 (
i
i
PMT PV
i
i
n
n

) 1 (
1
) 1 (
i
i
PMT FV
i
n
+ ×
1
1
]
1

¸


·
+
5.2.3) Séries Uniformes Diferidas: As séries diferidas são caracterizadas pela carência
Exemplo: Uma geladeira de R$1.000,00 será paga em 5 prestações mensais iguais a juros
efetivos de 5% a.m. Considerando que foi estipulado um período de carência de dois meses,
calcular o valor das prestações.
PMT PMT PMT PMT PMT
0 1 2 3 4 5 6 7
Carência= 2 meses
45
A Carência indica o número de períodos em que não ocorrerá pagamentos. Neste caso como a
carência é de 2 períodos, o pagamentos será feito no período 3. Se o pagamento ocorrer no
período 4, a carência atinge 3 períodos, e se ocorrer no período 5, a carência atinge 4 períodos, e
assim sucessivamente. Em suma a matemática financeira considera que os pagamentos são feitos
no final de cada período.
Solução:
Neste caso, como as parcelas foram adiadas 2 meses à frente (considerando comparação com
séries postecipadas), nós deveremos aplicar o fator de capitalização à fórmula de recuperação de
capital:
¹
¹
¹
)
¹
¹
¹
¹
'
¹
×
1
1
]
1

¸

×

·
+ +
+
) 1 ( ) 1 (
) 1 ( 1
1
i i
i
c n
n
i
PMT PV
1.000= PMT
) 05 , 0 1 ( ) 05 , 0 1 (
) 05 , 0 1 (
2 5
5
1
05 , 0
1
+ +
+
×
1
1
]
1

¸

×

1.000= PMT (4,329473) x (0,907029)
1.000= PMT(3,926957)
PMT= 254,65
Observa-se que o valor das parcelas na operação diferida (com carência) é maior do que parcelas
Postecipadas e Antecipadas. Embora haja um prazo maior para começar a pagar o bem ou
serviço, as taxas de juros já estão embutidas no valor a ser pago.
46
Onde:
PV = Valor Presente do bem ou
serviço
PMT = Valor das Parcelas iguais e
periódicas
i= Taxa por período
n= Número de parcelas
Calculadora HP-12C
(f) (CLX)
(g) (end)
1000 CHS
PV
5 n
5 i
PMT
230,94
F clx
230,94 CHS
PV
5 (i) 2 (n)
Limpa os registros
Indica Série Postecipada
Indica o valor do Bem
Indica o n. de parcelas mensais
Indica a taxa mensal
Solicita o Valor das Parcelas
Indica o valor das parcelas
postecipadas
Capitaliza pela taxa e período de
carência
A HP-12C não oferece
opção para cálculo de
parcelas diferidas, por
isso, parte-se do
pressuposto que as
parcelas diferidas, são na
verdade as parcelas
postecipadas acrescidas
de juros pelo período da
carência.
Fórmulas:
¹
¹
¹
)
¹
¹
¹
¹
'
¹
×
1
1
]
1

¸

×

·
+ +
+
) 1 ( ) 1 (
) 1 (
1
1
i i
i
c n
n
i
PMT PV
1
1
]
1

¸


·
+
i
PMT FV
i
n
1
) 1 (
LISTA 05
Atividade Avaliativa: 2 pontos
- Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais.
- A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual.
- A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros
-Exercícios sobre Séries Periódicas Uniformes -
1) Qual é o preço à vista de uma mercadoria, cuja prestação mensal é de R$200,00 se as taxas e
prazos abaixo forem consideradas:
a) 2,5% a.m. – 18 meses R=2.870,70
b) 3,0% a.m. – 18 meses R=2.750,75
c) 2,0% a.m. – 24 meses R=3.782,87
d) 4,0% a.m. – 24 meses R=3.049,39
47
2) Um terreno é vendido por R$10.000,00 de entrada e 36 prestações mensais de R$500,00,
sabendo-se que a taxa de juros corrente no mercado é de 2,5% a.m., até que preço vale a pena
comprar o terreno à vista? P=21.778,20
3) Calcular a prestação referente a uma mercadoria, cujo preço à vista é de R$10.000,00, caso
ocorram as seguintes hipóteses sobre as taxas e respectivos prazos:
e) 2,5% a.m. – 12 meses R=974,87
f) 3,0% a.m. – 30 meses R=510,19
4) Um sítio é posto à venda por R$300.000,00 à vista, ou a prazo nas seguintes condições: 10%
de entrada e o restante em 50 meses, juros de 3% a.m. Qual é o valor das prestações?
R= 10.493,66

5)Uma empresa revendedora de automóveis usados oferece o seguinte plano de venda de um
carro:
a) Entrada= R$2.000,00 mais 6 prestações mensais de R$ 800,00 P=6.481,18
b) Entrada= R$1.000,00 mais 12 prestações mensais de R$ 600,00 P=7.345,39
Sendo a taxa de mercado 2% a.m., qual é a melhor alternativa? R= Alternativa a)
6)Na venda a prazo de um produto, cujo preço à vista é de R$320.000,00, uma loja cobra 21%
a.m.de juros. Calcule o valor da prestação a ser fixada, considerando-se as seguintes condições:
a) quatro prestações mensais iguais, sem entrada R=125.962,33
b) idem, sendo a primeira no ato da compra R=104.101,12
c) 50% de entrada e o restante em 3 prestações iguais R=77.147,91
7)Um apartamento é vendido por R$60.000,00 à vista ou por 5 0% de entrada e o restante em
60 meses, a taxa de juros é de 12% a.a. Qual é o valor das prestações?
R= 658,04
8)O preço de uma fazenda é de R$450.000,00 à vista e como opção o proprietário pede 20%
se entrada e o restante em 6 anos, em prestações trimestrais. Os juros são de 12% a.a. Qual é
o valor das prestações trimestrais? R= 20.968,47
9)Que montante obterá uma pessoa que deposita periodicamente R$100,00, conforme taxas e
prazos seguintes:
a) 1% a.m. –24 meses R= 2.697,34
b) 5% a.m. – 60 meses R= 35.358,37
c) 20% a.s. – 20 semestres R= 18.668,80
10)Quanto deverá depositar mensalmente para que, ao fim de 5 anos, não se processando
nenhuma retirada, se tenha R$50.000,00. Considerar que a instituição paga 2,5% a.m. sobre o
saldo credor. R= 367,67
48
11) Se uma pessoa efetuar 60 depósitos mensais de R$200,00 em um banco em que a taxa de
juros é de 2,5% a.m. sobre o saldo credor, quanto poderá retirar em 60 meses? (Considerar 1ª
retirada 1 mês após o último depósito) R= 27.198,32
12) Em um anúncio de uma loja de vendas a crédito informa-se que, pela compra de certo
televisor, o cliente pagará 12 prestações mensais de R$119, 96, vencendo a primeira no fim
do 6º mês. Qual será o preço à vista deste aparelho, se a taxa de juros for de 3% a.m.?
P= 1.030,04
13) De quanto deve ser a prestação mensal de um eletrodoméstico, cujo preço á vista é de
R$5.000,00, se a primeira prestação ocorrer três meses após a compra? Considerar a taxa de
juros de 2% a.m., em total de 22 prestações. R= 294,09
14)Um clube vende título de sócio mediante uma entrada de R$500,00 e 36 prestações
mensais de R$200,00. Para facilitar a venda, permite uma carência de até 4 meses, para o
pagamento da 1ª prestação. Qual é o valor do título, uma vez que a taxa de juros de mercado é
de 2,5% a.m.? P= 4.768,19
15) Na venda de um carro a revendedora propõe os seguintes planos:
a) Entrada de R$10.000,00 mais 24 prestações de R$ 1.500,00 P= 34.087,69
b) Entrada de R$10.000,00 mais 24 prestações de R$ 1.722,00 com carência de 6 meses.
P= 32.495,47
Qual será a melhor opção, se a taxa de juros vigente for de 3,5% a.m.?
(R= A melhor opção é o plano b)
49

Profa. Tatiane Lage tatiane@etva.com.br SUMÁRIO
PLANO DE ENSINO............................................................................................ 1.1 Ementa............................................................................................................... 1.2 Carga Horária Total........................................................................................... 1.3 Objetivos........................................................................................................... 1.4 Unidades de Ensino......................................................................................... 1.5 Metodologia ..................................................................................................... 1.6 Critérios de Avaliação...................................................................................... 1.7 Referências Bibliográficas Básicas…………………………………………... 1.8 Bibliografia Complementar............................................................................... UNIDADE I - JUROS SIMPLES......................................................................... 1. Conceitos de Matemática Financeira.................................................................. 1.1.Definição de Taxa de Juros …………………………………………….. 1.2. O Valor do dinheiro no Tempo................................................................ 2. Tipo de Formação de Juros................................................................................. 2.1 Juros Simples............................................................................................. 2.2. Montante ……………………………………………………………….. 2.3 Juro Comercial e Juro Exato ……………………………………………. 2.4 Comparação entre os Regimes de Capitalização ……………………...... 2.5 Valor Nominal e Valor Atual …………………………………………… 3. Taxas Proporcionais…………………………………………………………… 3.1. Conceito ………………………………………………………………... 3.2. Exemplo Numérico................................................................................... 3.3. Fórmulas Relacionando Taxas Proporcionais........................................... 3.4. Problemas Resolvidos.............................................................................. Lista 01 de Exercícios ........................................................................................... UNIDADE II – DESCONTO SIMPLES ……………………………………… 2.1 Tipos de Títulos................................................................................................. 2.2 Nota Promissória............................................................................................... 2.3 Duplicata e Letra de Câmbio........................................................................... 2.4 Desconto de títulos – Desconto Comercial ou Por Fora …………………….. 2.5 Taxa de Desconto X Taxa Efetiva …………………………………………... 2.6 Lista 02 de Exercícios ……………………………………………………….. UNIDADE III – JUROS COMPOSTOS ……………………………………… 3.1 Fluxo de Caixa de uma Operação..................................................................... 3.2 Introdução aos Juros Compostos....................................................................... 3.3 Cálculo do Montante........................................................................................ 3.4 Quando Usamos Juros Simples e Juros Compostos …………………………. 3.5 Taxas Equivalentes........................................................................................... 3.6 Taxas Equivalentes pela HP-12C…………………………………………….. 3.7 Taxa Efetiva...................................................................................................... 3.8 Taxa Nominal................................................................................................... Lista 03 de Exercícios……………………………………………………………. UNIDADE IV- Equivalência de Capitais a Juros Compostos ……………… 4.1 Introdução......................................................................................................... 4.2 Valor Atual de um Conjunto de Capitais ……………………………………. 05 05 05 05 06 06 06 06 06 07 07 07 08 08 08 09 10 10 11 12 12 12 13 13 16 18 18 18 18 18 19 21 22 22 22 23 27 28 29 31 31 33 35 35 36 2

4.3 Análise de Alternativas de Pagamento pelo Valor Atual……………………. 4.4 Conjunto de Capitais Equivalentes ………………………………………….. Lista 04 de Exercícios …………………………………………………………… UNIDADE V – SÈRIES PERIÒDICAS UNIFORMES……………………… 5.1 Definições........................................................................................................ 5.2 Classificação das Séries Uniformes ................................................................. 5.2.1 Série Uniforme Postecipada (g) (End)................................................... 5.2.2 Série Uniforme Antecipada (g) (Beg)..................................................... 5.2.3 Série Uniforme Diferida ………………………………………………. 5.3 Lista 05 de Exercícios ......................................................................................

39 40 42 44 44 44 44 46 47 49

3

Plano de Ensino
1.1 Ementa
Capitalização simples, Composta, Operações de Desconto de um único e de uma serie de títulos de mesmo valor ou de valores variáveis. Classificação de taxas, Cálculo do valor presente, do valor futuro, da taxa de juros, do prazo de uma série de pagamentos ou recebimentos (rendas) postecipados e antecipados. Sistema de amortização, Cálculo do VPL, Cálculo da TIR.

1.2 Carga Horária Total
40 horas/ aula

1.3 Objetivos
• • Propiciar aos discentes o entendimento conceitual, técnico e teórico dos conteúdos dispostos pela Matemática Financeira que agregam valor de decisão em situações de investimento. Desenvolver a capacidade de analisar, compreender e manipular estrategicamente operações comerciais e financeiras ali desenvolvidas familiarizando-os com esta linguagem.

1.4 UNIDADES DE ENSINO
1.4.1 – JUROS SIMPLES • Juros e montante; • Descontos. 1.4.2 - JUROS COMPOSTOS • Juros e montante; • Equivalência de capitais. 1.4.3 – ANUIDADE E EMPRESTIMOS • • • Rendas Certas ou anuidades; Modelos Genéricos de anuidades; Empréstimos.

1.4.4 – INFLAÇÃO • • Taxa de juros aparente; Taxa de juro real e correção monetária.

4

José Dutra. Atlas.Bibliografia Complementar: ASSAF NETO. São Paulo: Atlas. FARO. 80% referentes à avaliações individuais . 6ª ed. São Paulo: Saraiva. Matemática Financeira e suas Aplicações. 1998. São Paulo: Saraiva. a serem realizadas após o término de cada unidade de ensino.8 . consistindo principalmente de casos práticos provenientes do cotidiano das empresas acompanhados de exercícios e exposições para introduzir conceitos fundamentais. José Nicolau. 1. Matemática Financeira. Matemática Financeira. São Paulo: Atlas. 5 . Walter de. 1993 . 6ª ed. Samuel & POMPEO. Washington Franco. & GOMES. Abelardo de Lima. 1. Matemática Financeira. 9ª ed.5 Metodologia Fundamentalmente participativa. Matemática Financeira : Objetiva e Aplicada.7 . Alexandre. 2003. sob a forma de provas.6 . Matemática Financeira Aplicada e Análise de Investimentos. Osmar Leonardo. Clovis de. 7ª ed. 4ª ed. FRANCISCO. 1997 VIEIRA SOBRINHO.Referências Bibliográficas Básicas: HAZZAN. 4ª ed. 1996 KUHNEN. São Paulo: Atlas. José Maria.Critérios de Avaliação O grau total que será atribuído ao aluno obedecerá à seguinte ponderação: • • 20% referentes às atividades/trabalho realizados em sala de aula. 1994 MATHIAS. 2ª ed. 1. São Paulo. 1998. Matemática Financeira. Matemática Financeira. São Paulo: Atlas.1. PUCCINI. São Paulo: Atlas.

é o aluguel pago pela obtenção de um dinheiro emprestado ou. ou seja. no fim de um período de tempo e o dinheiro devido no início do período. com os antecedentes do cliente e sua saúde financeira.custos correspondentes aos levantamentos cadastrais. administração e outros. mensais ou diárias. Por exemplo. Esta é a forma utilizada em todas as expressões de cálculo. * Lucro . ainda. Portanto. podendo também ser utilizada em bases semestrais. que significa que para cada unidade de capital são pagos doze centésimos de unidades de juros.12 deve ser retornado após um ano. pode ser também apresentada sob a forma unitária. de acordo. com inflação anual baixa. um adicional de R$ 0. é a taxa de lucratividade recebida num investimento. cobráveis ou pagáveis. * Custos Administrativos . todas as formas de remuneração do capital. utiliza-se o conceito de taxa de juros quando se paga por um empréstimo. * Expectativas Inflacionárias . 0. Conceitos de Matemática Financeira 1. 1977) * Risco . é o retorno obtido pelo investimento produtivo do capital. ou taxa de crescimento do capital. ou seja. obviamente.grau de incerteza de pagamento da dívida. De uma forma geral. sejam elas lucros. trimestrais.UNIDADE I . é a parte que atua como proteção para as possíveis perdas do poder aquisitivo da moeda.JUROS SIMPLES 1. existe. dividendos ou quaisquer outras.parte compensatória pela não aplicação do capital em outras oportunidades do mercado. uma taxa de juros de 12% ao ano indica que para cada unidade monetária aplicada.1 Definição de Taxa de Juros Uma taxa de juros. e representa o percentual de ganho realizado na aplicação do capital em algum empreendimento.12. podendo. uma expectativa de retorno do capital emprestado acrescido de uma parcela de juro. 6 . podem ser consideradas como um juro. simbolicamente representada pela letra i. ser definido como o ganho líquido efetivo. é apresentada em bases anuais. deve-se considerar embutido na taxa de juros os seguintes fatores: (Thuesen. A taxa de juros também pode ser definida como a razão entre os juros. (Thuesen. Quando uma instituição financeira decide emprestar dinheiro. pessoal. 1977) A taxa de juros.em economias estáveis. e taxa de retorno quando se recebe pelo capital emprestado. como remuneração pelo uso daquele capital. Além disso. pode-se definir o juro como o preço pago pela utilização temporária do capital alheio. por exemplo. Genericamente. Usualmente. mais amplamente.

somente o capital inicial. será calculado pela fórmula: J=C. sendo importante o reconhecimento de que uma unidade monetária recebida no futuro não tem o mesmo valor que uma unidade monetária disponível no presente.00 R$ 100.2 O Valor do Dinheiro no Tempo O conceito do valor do dinheiro no tempo surge da relação entre juro e tempo. Será que os R$ 100 da empresa “A” valem o mesmo que os R$ 100 da empresa “B”? Claro que não! Os R$ 100 da empresa “A” valem mais do que os R$ 100 da empresa “B”.1. também conhecido como principal P. tenham a receber R$ 100 cada. A empresa “A” deve receber seus R$ 100 em 30 dias e a empresa “B”. Tipos de Formação de Juros Os juros são formados através do processo denominado regime de capitalização. em 360 dias. conforme apresentado a seguir: 2. o total dos juros J resultante da aplicação de um capital por um determinado período n. a uma taxa de juros dada. Assim. que pode ocorrer de modo simples ou composto. R$ 100. rende juros. É o chamado “valor temporal” do dinheiro. Suponhamos que duas empresas. porque o dinheiro pode ser remunerado por uma certa taxa de juros num investimento.n Onde: J= Juros C= Capital i= Taxa de juros n= prazo de aplicação 7 .1 Juros Simples No regime de capitalização a juros simples. a empresa “A” e a empresa “B”. por um período de tempo.i.00 30 dias 360 dias 2. Isso porque o valor do dinheiro varia no tempo. A matemática financeira é a ciência que estuda o valor do dinheiro no tempo.

200 * como M = C + J. Embora a fórmula tenha sido traduzida para n inteiro.número de períodos de capitalização.200 + 10.m. n = 5 C . é necessário que i e n estejam expressos na mesma unidade( por exemplo. Valor Presente ou Valor Atual.000 efetuada hoje. originando a fórmula M = C ( l + i .000 daqui a n períodos. através da soma do capital inicial aplicado com o juro gerado. o valor resgatado será: M = 1. EXERCÍCIO RESOLVIDO 01 Um capital de R$ 10.: aplicação de um capital por 5 meses.No presente trabalho será adotada a notação definida abaixo. n .Juros produzidos ou pagos numa operação financeira. M = 19. se i for taxa mensal. para este caso. Principal.000. pode-se calcular o total conseguido ao final do período.000 Observações: 1. Ex. C = 10. n) M . Ex. Ex.000 rendeu R$ 300 ao final de 1 ano. * juros acumulados: J = 10. ou seja. expressa em percentagem e utilizada nos cálculos na forma unitária. a uma taxa de juros i.: um capital de R$ 5.00 foi aplicado por 3 meses. n) Montante = Capital + Juros Montante = Capital + (Capital x Taxa de Juros x Número de Períodos). daqui a n períodos. ela é estendida para n fracionário. denominado Montante ou Valor Futuro.200 8 . o montante M. corresponderá a R$ 19. feita hoje. a uma taxa de juros i. M = C.: aplicação de R$ 10.04 x 3 = 1. por: M = C + J.000 x 0. (1 + i .valor situado num momento futuro em relação à C.: rendimento de dez por cento ao ano. denominado de Capital.000. a juros simples. n deve ser expresso em meses).10 ou 10 % a. Na fórmula dos juros e do montante.: uma aplicação de R$ 15. i = 0. Ex.taxa de juros para determinado período.a. Calcule o valor a ser resgatado no final deste período à taxa de 4 % a. 2. O montante pode ser expresso. Ex. em todos os diagramas de fluxo de caixa estudados: i .2 MONTANTE Logo.000 J . J = 300 2. ou seja.000 = 11.valor equivalente ao momento presente.

os cálculos financeiros consideram o juro comercial.08 x 2 = 160 2.2 = 200 1200 x 0. Exceto quando for explicitado. a capitalização simples da capitalização composta. Qual o valor a ser resgatado (Montante)? n 1 2 3 4 Juros Simples Juro por Montante período C+J J=Cxi 1000 x 0. Observações: Independente do regime de capitalização. que evolui de forma linear. Os juros que pagarei serão: J = 1000 x 0. 2. O cálculo dos juros comerciais leva em consideração o ano comercial de 360 dias.2 = 200 1000 x 0.2 = 288 1728 x 0. pode-se perceber que os resultados de uma mesma operação sob o regime de juros simples.60 A partir das definições acima. pelo regime de juros simples e devemos pagá-la em 2 meses.) e vice versa.m.000.000. Isto se dá por que ao final do primeiro período os juros compostos são calculados sobre o 9 .2 = 200 1000 x 0.00 que deve ser paga com juros de 8% a.2 = 200 100+200 = 1200 1000 x 0.000 + 200 = 1200 1200 + 240 = 1440 1440 + 288 = 1728 1728 + 345. não havendo sentido em se distinguir. que segue a forma exponencial. e sob o regime de juros compostos.Comparação entre os Regimes de Capitalização Simples e Composta A diferença entre um regime e outro pode ser melhor verificada através de um exemplo: Seja um capital de $1.4 . para apenas um período.EXERCÍCIO RESOLVIDO 02 Temos uma divida de R$1. o aluno pode reparar que o juro e o montante obtidos ao final do primeiro mês de capitalização serão sempre os mesmos. diário.3 Juro Comercial e Juro Exato A diferença entre juros comercial e juros exatos está no número de dias do ano usado na conversão da taxa de juro anual para o prazo de operação (mensal. O cálculo dos juros exatos leva em consideração o ano civil de 365 dias e de 366 dias para os anos bissextos. etc. por um período de 4 anos a juros simples e compostos. Ao contrário do juro exato (7 divisores para o ano civil e 4 para o ano bissexto). Daí se pode concluir que ao considerarmos um período único de tempo.2 = 345.2 = 240 1440 x 0. devido a sua maior facilidade de cálculo.2 = 200 1200+200=1400 1400+200= 1600 1600+200=1800 Juros Compostos Juro por período Montante J=Mxi C+J 1000 x 0. não há diferença entre os regimes de capitalização. sempre sofrerão uma defasagem crescente em função do aumento dos períodos de tempo. O conceito de juro comercial é largamente utilizado durante séculos pelo sistema financeiro.00 aplicado à taxa de 20% a.a. pois o mesmo possui 24 divisores.60 1.6 = 2073.

montante do período anterior. na data de seu vencimento.n) 11.02.000. a cada período o montante sobe de um valor constante e igual a 200). por i a taxa e por n o prazo da aplicação até o vencimento. a razão é 200. teremos: N = V(1 + i.000 Dessa forma. onde o montante sofre uma variação linear em relação aos juros (no exemplo. o montante varia de acordo com uma progressão geométrica. Veja: J = M. onde o montante aumenta segundo uma variação exponencial em relação aos juros (a razão da progressão geométrica é dada por (1+i) = (1. Logo: 10 . 5) V = 10.VALOR NOMINAL E VALOR ATUAL (OU PRESENTE) Consideremos que uma pessoa tenha uma divida de R$11. no exemplo citado. Ao valor aplicado a juros simples numa data anterior até a data do vencimento e que proporcione um montante igual ao valor nominal chamamos de valor atual (ou valor presente).i (para o primeiro período) Observe ainda que.m. Se ela puder aplicar seu dinheiro hoje. que neste momento é o capital inicial. teremos esquematicamente: N V 0 Portanto: N = V (1 + i . por V o valor atual. Já no regime de capitalização composta. ou seja.00 a ser paga daqui a 5 meses. a juros simples e à taxa de 2% a. ficando igual ao cálculo do juro simples.i = C. 2. costuma-se chamar o valor da dívida. quanto precisará aplicar para poder pagar a dívida no seu vencimento? Em situações como esta.00 hoje.n) V = N (1 +i.000 = V(1+ 0. no regime de capitalização simples o montante aumenta de acordo com uma progressão aritmética.. de valor nominal.n) n Assim. esta pessoa deverá aplicar R$10. para saldar o compromisso mencionado daqui a 5 meses.20)). Indicado por N o valor nominal.000.5 .

pois produzem o 11 . 3. aplicado à taxa de juros simples contratada (i).01 x 48) = 148 Ressaltamos que os cálculos forma realizados no regime de juros simles.00.Exemplo Numérico Determinar os montantes acumulados no final de quatro anos.n) = 100 (1 + 0. da data do valor atual até a data do vencimento. a partir de um principal de R$100. o valor atual. não precisando ser necessariamente a data zero que utilizamos no exemplo acima. Como o montante obtido no final de quatro anos foi sempre igual a R$148. produzem um mesmo montante acumulado no final daquele prazo.1. com as seguintes taxas de juros: a) 12% ao ano b) 6% ao semestre c) 1% ao mês Solução: a) i = 12% ao ano n = 4 anos M = C (1+ i. 6% ao semestre e 1% ao mês são proporcionais.TAXAS PROPORCIONAIS .n) = 100 (1 + 0. diretamente ligado ao regime de juros simples. portanto. no regime de juros simples.JUROS SIMPLES 3.12 x 4) = 148 b) i = 6% ao semestre n = 4 anos = 8 semestres M = C (1+ i. Nestas condições.Deve ficar claro que o valor atual pode ser calculado em qualquer data focal inferior à do montante. O conceito de taxas proporcionais está.06 x 8) = 148 c) i = 1% ao mês n = 4 anos = 48 meses M = C (1+ i.2 . Constata-se que o cálculo do valor atual é apenas uma operação inversa do cálculo do montante. reproduz o valor nominal. e é esclarecido pelos exemplos numéricos e pelas formulas desenvolvida nos próximos itens. podemos concluir que as taxas de 12% ao ano.Conceito Taxas proporcionais são taxas de juros fornecidas em unidades de tempo diferentes que.00. no regime de juros simples. e que nos tres casos o capital e o prazo foram os mesmos. 3 .n) = 100 (1 + 0. ao serem aplicadas a um mesmo principal durante um mesmo prazo.

3 . Determinar as taxas semestral e mensal proporcional à taxa de 12% ao ano. is = b) taxa mensal ia = im x 12 .06 ou seja. 2 2 2.12 ou seja.24 = = 0.6 % ao semestre.4 .01 ou seja.12 = = 0. 2% ao mês. Solução: ia = 12% ao ano a) taxa semestral ia = is x 2 .Problemas Resolvidos 1. im = ia 0. mensal e diária.02 ou seja. Se considerarmos o ano comercial (360 dias). Determinar a taxa semestral. 12 % ao semestre. 1% ao mês.Fórmulas Relacionando Taxas Proporcionais Relacionando a taxa anual com as taxas proporcionais semestral. 3. Solução: ia= 24% ao ano a)taxa semestral ia = is x 2 . pelo mesmo prazo de quatro anos. 2 2 12 . as fórmulas que permitem o cálculo dessas taxas proporcionais estão a seguir indicadas: ia = is x 2 = it x 4 = im x 12 = id x 360 em que: ia = taxa de juros anual is = Taxa de juros semestral it = taxa de juros trimestral im = taxa de juros mensal id = taxa de juros diária 3. no regime de juros simples.24 = = 0.mesmo montante de R$148. 12 12 ia 0. is = b) taxa mensal ia = im x 12 . im = ia 0.00 ao serem aplicadas sobre o mesmo principal de R$100. 12 12 ia 0.12 = = 0.00. proporcional à taxa de 24 %ao ano. trimestral e diária.

05% ao dia. id = ia 0. 30 30 im x 12 = id x 360 .000667 ou seja . 0. im = 4.c) taxa diária ia = id x 360 .5% ao semestre is 0. 360 360 3.5% ao semestre.5 % ao mês im 0.0667% ao dia.075 = = 0.015 = = 0.25 % ao mês.24 = = 0. Determinar a taxa diária proporcional à taxa de 1. 1. Solução: Is = 7. Solução: im = 1. Determinar a taxa mensal proporcional à taxa de 7.5% ao mês. 6 6 im x 12 = is x 2 .005 ou seja 0. id = CONCLUSÃO 13 .0125 ou seja.

n) JUROS SIMPLES CONVERSÃO DA TAXA: TAXAS PROPORCIONAIS Produzem os mesmos juros quando aplicadas no mesmo prazo a juros simples. LISTA 01 Atividade Avaliativa: 2 pontos . (1 + i .3% para 22 dias. Exemplo: 4. Para o tomador: custo do capital tomado por empréstimo TAXA DE JUROS É o número que mede quanto o ganho representa do capital aplicado.A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros.045 / 30) x 22 =3. 4. Regime no qual os juros de cada períododivide-se por 100 Taxa percentual Taxa Unitária: são calculados sobre o capital inicial.2% ao mês TAXA UNITÁRIA: 0.5 % ao mês é proporcional a 3. OBS.: os juros são proporcionais ao tempo multiplica-se por 100 Taxa Unitária Taxa Percentual: de aplicação. . 14 . .A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual.042 ao mês.Juros: remuneração do capital aplicado. quanto o custo representa do capital tomado.5% ao mês Taxa proporcional para 22 dias: (0. No caso de empréstimo. A TAXA DE JUROS pode ser: TAXA PERCENTUAL: 4.Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais. Para o investidor: remuneração da aplicação. M = C.3% para 22 dias Ou seja.

00 por 312 dias.00 11) Dois capitais.744. sabendo-se que a taxa de juros é de 9%a.815. a taxa de 5.00.000. R= R$1.a para que se quadruplique? R= 6 anos e 3 meses 15 . a taxa de 8.000.000.975. um de 5.000. a juros simples. Pede-se determinar o prazo da aplicação.b.m.00 de juros. dobra o seu valor? R= 3 meses e 25 dias 8) A que taxa de juros um capital aplicado durante 5 meses rende juros igual a ½ do seu valor? R= 10% a.00 5) Determinar o valor atual de um título cujo valor nominal é de $700. sendo o primeiro à taxa de 12% a. rende juros de $35.00. e o segundo à taxa de 8%aa. pelo prazo de 10 meses.000. rende $110. R= R$387.00 pelo prazo de 12 meses.000.m..Exercícios sobre Capitalização Simples1) Qual o valor dos juros correspondentes a um empréstimo de $150.5 meses para o seu vencimento. aplicado durante 15 meses.111.m. Sabendo-se que o prazo da aplicação foi de 12 meses e a taxa de juros de 0.m.2%a. a taxa de 12%a.00 e outro de $6.11 7) Em quanto tempo um capital aplicado a 26% a. sabendo-se que a taxa cobrada é de 5% a. R= 4 bimestres e 13 dias 4) Calcular o montante da aplicação de um capital de $250. R= 0. 3) Sabendo-se que os juros de $380.000.a.00 de juros. Determine a taxa correspondente.000. 9) Um capital emprestado gerou $225.5% a.? R= R$$90.a.00 2) Um capital de $300.000.00..m.00.000. foram aplicados numa mesma data.m. R= R$721.m.000. e que faltam 2.57 6) Sabendo-se que certo capital. Qual o prazo para que os montantes se igualem? R= 8 anos e 4 meses ou 100 meses ou 3000 dias 12) Durante quanto tempo um capital deve ser aplicado a juros simples e à taxa de 48% a.77% a.000.00. aplicado durante 6 trimestres. determinar o montante.m. R= R$571.00 a taxa de 10% a.000.00 foram obtidos com a aplicação de $900.428. R=R$ 3.00 10) Calcular o montante correspondente a uma aplicação de $980.500.000. calcular o valor do montante.5% a.

263.8%a..955. necessitando de dinheiro. calcule seu valor atual: a) Hoje.45 c) Qual seu valor atual 65 dias antes do vencimento.672. nesta data. R=R$44. a taxa de juros simples para esse título era de 2. vendeu o título a Vera.? R=R$22. a) Qual seu valor atual.81 c) Daqui a 2 meses. R=R$47.m. R=R$43.44 b) 3 meses antes do seu vencimento.89 16) Carlos fez uma aplicação de R$60.DESCONTO SIMPLES Se uma pessoa deve uma quantia em dinheiro numa da data futura.52 15) João fez uma aplicação de R$50.? R=R$22. se nesta data a taxa de juros simples para estes títulos for de 2.00 vence daqui a 10 meses.2% a.88 UNIDADE II . sabendo-se que no momento da venda a taxa de juros simples era de 27% a.000. pelo prazo de 9 meses à taxa de 32% aa. obtendo com isso um abatimento denominado desconto.m. Todo título de crédito tem uma data de vencimento. se neste momento a taxa de juros simples para estes títulos for de 2.5% a. Determine o valor de venda (valor atual dois meses antes do vencimento).000. sabendo-se que.000.? R=19. porém.103. vendeu o título a Pedro. que é o comprovante desta dívida. Determine o valor de venda (Valor atual na data da venda).000. 4 meses antes do vencimento.001. dois meses antes do vencimento. se a taxa de juros simples para esses títulos hoje for de 2.m.m. necessitando de dinheiro.642. R=R$58.00 a juros simples e à taxa de 2.256. No entanto.13 b) Qual seu valor atual 3 meses antes do vencimento.00 vence daqui a 8 meses.m.13) Uma dívida de $50.a.6% a.1% a. é normal que entregue ao credor um título de crédito. 16 .86 14) Um título de R$24.m. No entanto. Considerando uma taxa de juros simples de 2% a.169. R=R$68.00 a juros simples. pelo prazo de 9 meses. o devedor pode resgatá-la antecipadamente.

3 . ele pode vender o título de crédito a um terceiro e é justo que este último obtenha um lucro.4 . As operações anteriormente citadas são denominadas operações de desconto. 2. 2. definido pela diferença entre as duas quantidades. 2. e o ato de efetua-las é chamado descontar um título. para o qual ela vendeu mercadorias a prazo ou prestou serviços a serem pagos no futuro. No regime de juros simples. Esse beneficio.DUPLICATA É um título emitido por uma pessoa jurídica contra seu cliente(pessoa física ou jurídica). 2. temos: 17 . porém. emitido exclusivamente por uma instituição financeira. ele se beneficia com um abatimento correspondente ao juro que seria gerado por esse dinheiro durante o intervalo de tempo que falta para o vencimento.LETRA DE CÂMBIO Assim como a nota promissória é um comprovante de uma aplicação de capital com vencimento predeterminado. fazendo com que os descontos tenham o mesmo valor em todos os períodos.1 TIPOS DE TÍTULOS Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são: • • • a nota promissória. obtido de comum acordo. Neste caso. Neste caso. recebe o nome de desconto. ele paga uma quantia menor que a fixada no título de crédito. Que o credor necessite do seu dinheiro antes da data predeterminada. 2. correspondente ao juro do capital que adianta. É um titulo muito usado entre pessoas físicas ou entre pessoa física e instituição financeira. é um título ao portador. a duplicata e a letra de câmbio.2 . segundo um contrato. assim.NOTA PROMISSÓRIA É um comprovante da aplicação de um capital com vencimento predeterminado. os descontos de cada período são obtidos pela aplicação da taxa de desconto (i) sempre o valor nominal ou futuro de um título.O desconto é uma das mais comuns aplicações da regra de juro. • Em ambos os casos há um beneficio. no intervalo de tempo que falta para o devedor liquidar o pagamento.5 DESCONTAR UM TÌTULO • O QUE PODE ACONTECER: Que o devedor efetue o pagamento antes do dia predeterminado. Assim.

a.0.02 x 8 Dc = 2. Ou seja.000.000 (1.Dc = N . id .000. Por exemplo. id. Aplicando-se o método do desconto comercial como é típico destas operações tem-se: Dc= N x id x n  Dc = 50.00 Vdc = N – Dc  Vdc = 47.00..500. o montante de $50.0.m.00.00.000 x 0. Isto por que o desconto por fora é apurado sobre o valor nominal do título. esta taxa. n onde: Dc= Desconto Comercial N= Valor Nominal id= Taxa de Desconto do Título n= prazo de desconto Já o valor descontado do título.500.05 x 1  Dc = 2.000 x 0. suponha um título de valor nominal de $ 50. Veja.00 descontado num banco um mês antes de seu vencimento à taxa de 5% a.000.600 2.000.400 Valor Líquido do Título Vdc = N (1 – id x n) Vdc = 15.500. n) Onde: Vdc = Valor Descontado Comercial (Valor Líquido do Título após o desconto) Exemplo: Determinar o Desconto Comercial e o Valor Líquido de um título de valor nominal R$15.6 .TAXA DE DESCONTO X TAXA EFETIVA A Taxa implícita de juros do Desconto Comercial (Por Fora) O Desconto por fora admite uma taxa de juros superior àquela declarada para a operação.02 x 8) Vdc = 15.00 Observe que a taxa de juros adotada de 5% ao mês não iguala O Vdc ao N.84  12. não produz para o período de 1 mês. descontado a uma taxa de 24%a.n Vdc = N ( 1 – id .16) Vdc = 15. se aplicada ao valor descontado de $47. 18 .Dc Vdc = N – N . com prazo de antecipação de 8 meses.000 (1.00 x 0. Desconto Comercial Dc = N x id x n Dc = 15. ou seja o seu valor líquido (valor que a empresa irá receber) já operado o desconto é dado pela expressão: Vdc = N .

0. calcule a taxa efetiva da operação: id ie = 1.26% a.05 x 1 ie = 0.052636 (x 100) → 5.id x n LISTA 02 Atividade Avaliativa: 2 pontos . Considerando que a taxa que está presente na operação deve levar Vdc a N no mesmo período de tempo do desconto então teremos a fórmula: ie = id 1.9 5 = 0. na verdade.m. em cada operação e. o cliente está pagando 5.m.26% a.500.04997 (x 100) → id= 5. No exemplo anterior.0526 1+ 0. superior aos declarados 5% a.052 6 = 0.00 Logo. 19 .26% a.00 + 5% = 49.05 1. logicamente.26%) do exemplo anterior.id x n Dada a taxa de desconto do exemplo anterior. Para isto.m.m.26% a.m. calcule a taxa de desconto da operação: id = i 1+ ie xn  id = 0.0 5 0. ou seja.052 6 1. também pode ser obtida pela taxa efetiva da instituição financeira. é a taxa implícita nestas operações.m A taxa efetiva em desconto comercial.875. há uma taxa implícita de juros na operação. ao optar por uma operação de desconto de 5% a. Fórmula Taxa de Desconto: Fórmula Taxa efetiva: id = ie = ie 1+ ie x n id 1.id x n  ie = 0. esta é a taxa que o cliente da instituição está pagando. A taxa de desconto comercial. ao utilizar uma taxa de desconto de 5% a.Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais.. que conduz Vdc e N a um mesmo resultado no período. a instituição financeira está tendo um ganho de 5...m. tem-se a fórmula: id = ie 1+ ie x n Dada a taxa efetiva (5. Esta taxa implícita pode ser obtida.00% am No exemplo anterior tem-se o cálculo da taxa de desconto que deverá ser usada para uma rentabilidade (taxa efetiva de 5.).0526 x1  id= 0.47.

00 10) Uma empresa necessita imediatamente de recursos para capital de giro.00 Taxa 37% a.A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual. para pagar daqui a 2 meses.a. 7) Uma duplicata de R$ 60. calcule a taxa efetiva de juros nos seguintes prazos: a) 1 mês b) 2 meses c) 3 meses R=17.m. R= 27.5% a.m.733.42% a.211.? R=55 dias 5) Uma Duplicata de Valor nominal de R$8. Qual será o prazo de antecipação.Exercícios sobre Desconto simples 1) Calcular o Desconto comercial das hipóteses seguintes: Valor Nominal a)R$12..00 ocorrer 90 dias antes de seu vencimento? R=R$16.00 foi descontada 90 dias antes de seu vencimento.a. Qual foi o prazo de antecipação. Se uma empresa necessita hoje de R$ 3.27% a.50 % a..000.500.a.00 b)R$20. qual será o valor descontado comercial se o desconto de um título no valor de R$18.600. 8) Para uma taxa de desconto comercial de 15% a. Qual o desconto Comercial? Qual a taxa efetiva? R= Dc=470. qual deve ser o valor da nota promissória a ser descontada? R=R$3.000.96% ao ano 6) Se uma instituição deseja ganhar 36% a. R= 8.00 uma pessoa recebeu R$9.a. 9) Um banco oferece crédito financeiro cobrando 10% a.650.m.78% a.33% a.000. Prazo/ Vencimento 250 dias 8 meses R=R$3.556.00 para pagar daqui a 2 meses.m..94 como sendo o valor descontado comercial. Sabendo-se que a taxa de desconto comercial é de 12% a. qual é a melhor alternativa à empresa? a) Contrair empréstimos a uma taxa de 10% a.a. se a taxa de juros adotada foi de 29%a. pede-se: a) O desconto comercial R=14.64% a. b) Descontar duplicatas com dois meses até o vencimento a uma taxa de desconto de 10% a.80 R= R$3.m. 28% a.33 2) O valor Nominal de um Título é 15 vezes o Desconto Comercial a 30% a. b) 6 meses R= 30. a taxa de desconto de 23. qual a taxa de desconto que deverá ser aplicada para operações com prazo de: a) 3 meses R= 33.A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros.000.m. 20 .02 %a.a.m. . (taxa efetiva).m.000.600 c) a taxa efetiva de juros da operação R=15.m.m. de taxa de desconto.00 ie=24.400 b) O valor descontado comercial R= 45.000.a.a.a.00 4) Pelo Valor nominal de R$10. .. R= 21. Das opções de crédito abaixo.00 é descontada 2 meses antes do vencimento. se o desconto comercial for de R$640.00? R= 80 dias 3) Se a taxa de desconto for de 30% a.

00 1 6. 21 . ao passo que nos juros compostos.2 Introdução aos Juros compostos A diferença fundamental entre juros simples e compostos é que no juro simples só o capital inicial é que rende juros ao longo da vida do investimento. os juros simples serão de R$200.00. No exemplo acima. pois tem taxa de desconta e taxa efetiva com menores valores. enquanto os juros compostos cresce em progressão geométrica. após cada período.R= 12.00. em cada período de aplicação. o montante a juros simples cresce em progressão aritmética. Exemplo: Uma pessoa aplica R$ 5. Portanto.). o juro será de R$240.00 de juros após 1 ano O fluxo de caixa do aplicador é: 6. (J = M .00 num banco e recebe R$ 1. A melhor alternativa é a primeira opção. ou seja. 3. a render juros.1 Fluxo de Caixa de Uma Operação É uma representação esquemática onde no eixo horizontal é representado o tempo. 20% de R$1. os juros são incorporados ao capital e passam.5% a.00 colocado a 20% ao ano.000. É o regime de capitalização em que a taxa de juro incide sobre o montante obtido no período anterior. no final do 1º ano o juro é de R$200. As setas voltadas para baixo indicam sáidas ( . as setas para cima indicam entradas de dinheiro e as setas para baixo representam saída de dinheiro. durante 4 anos. O quadro abaixo mostra os montantes nos primeiros 4 anos de aplicação.00. somado ao capital de R$1.00 0 5. UNIDADE III – JUROS COMPOSTOS 3.000. os juros serão calculados através do produto do montante anterior pela taxa de juro.200.00 As setas voltadas para cima indicam entradas ( + ).000. No final do 2º ano.00 1 0 Fluxo de caixa do banco é: 5.000.00 para. por sua vez. Destra forma. i) Exemplo: Um capital de R$1.m.000.00 produzir juros no 2º ano. que é capitalizado.000.000.000.00 em todos os anos.200. para gerar juro no período atual. assim o capital de R$1. isto é.

A simbologia usada é a seguinte: PV (Present Value): Valor Presente – representa o capital C FV (Future Value): Valor Futuro – representa o montante M i (interest rate): Representa a taxa de juros n (number): representa do número de períodos Pela HP Na HP-12C.2 = 200 1200 x 0. n = Número de Períodos de uma operação i = Taxa de Juros Por Período de Capitalização PV = Valor Presente ou Capital (Present Value) 22 .) 2º ano : M2 = M1 ( 1 + i ) = C ( 1 + i ).6 = 2073. b) As Calculadoras financeiras permitem calcular diretamente qualquer uma das quatro variáveis.000 + 200 = 1200 1200 + 240 = 1440 1440 + 288 = 1728 1728 + 345.60 3. n)2 3º ano: M3 = M2 ( 1 + i) = C ( 1 + i)2 (1 +i) = C (1 +i)3 4º ano: M4 = M2 (1+i) = C(1+i)3 (1 + i) = C ( 1 + i)4 M = C (1 + i) n Observações: a) O fator (1 + i)n é chamado de Fator de Acumulação de Capital para pagamento único.2 = 240 1440 x 0. dados o valores das outras três.2 = 288 1728 x 0. ( 1 + i.2 = 200 1000 x 0.60 1. temos as seguintes funções financeiras.2 = 345.2 = 200 1200+200=1400 1400+200= 1600 1600+200=1800 Juros Compostos Juro por período Montante J=Mxi C+J 1000 x 0.n 1 2 3 4 Juros Simples Juro por Montante período C+J J=Cxi 1000 x 0.2 = 200 100+200 = 1200 1000 x 0.2 = 200 1000 x 0.3 – CÁLCULO DO MONTANTE COM JUROS COMPOSTOS 1º ano : M1 = C ( 1 + i .) = C ( 1 + i .

com capitalização composta.00 emprestados a juros de 2% a.000 x (1 + 0.02)10 FV = 1.000. utilizando o exemplo anterior. Observe: FV i n PV Onde: Linha Horizontal representa a linha do tempo. que será Solução: Pressione f (CLX) 1000 CHS PV 4 (i) 4n FV Visor 0.000 x 1. pelo prazo de 10 meses.218.00 (PV) Uma pessoa fez um desembolso para aplicar o dinheiro).218994 FV = 1.00 4.000 x 1.000.000. o dinheiro foi devolvido com juros totalizando um montante (FV).1.a 0 PV= .00 10. representando uma saída de capital (PV negativo) • Após 4 meses.00 .m.0210 FV = 1.00 2073.00 n= 4 anos • Houve uma saída de dinheiro na data focal zero de $1000. Qual o montante a ser devolvido? FV = PV x (1 + i)n FV = 1.99 Pela HP f (CLX) 1000 CHS PV 2 (i) 10 n FV Limpa todos os registradores Informa o capital Informa a taxa Informa o prazo Solicita o montante 23 .1.60 Significado Limpa todos os registradores Introduz o valor do principal inicial (negativo conforme vimos no diagrama de fluxo de caixa) Indica a taxa de juros anual da operação Indica o prazo anual em que o dinheiro ficou aplicado Calcula o valor do montante formado (valor final) Exemplo 2: Uma pessoa toma $ 1. temos: FV = i = 20% a. Assim.PMT =Valor da prestação de uma série uniforme (PayMenT) FV = Valor Futuro ou Montante (Future Value) Qualquer problema de matemática financeira pode ser facilmente demonstrado por meio de um diagrama de fluxo de caixa que é a representação gráfica de entradas e saídas de dinheiro ao longo do tempo. em que são destacadas as entradas e saídas de dinheiro.

00 Limpa todos os registradores Informa o montante Informa a taxa Informa o prazo Solicita o capital Exemplo 4 Um capital de $1.99.99 (1 + 0.99 (1.218.02)-10 PV = 1218.218.m.99 = 1.99. utilizando a fórmula de Valor Futuro.000.02)-10 PV = 1218. 1218.21899 = (1 + i) 10 f (CLX) 1.000 = (1 + i)10 1.99 Bem.99 x 0. Limpa todos os registradores Informa o capital Informa o montante Informa o prazo mensal Solicita a taxa mensal 10 1. podemos chegar a fórmula de Valor Presente: FV = PV x (1 + i)n  PV = FV (1 + i)n Ou PV = FV (1 + i)-n Exemplo 3: Uma pessoa emprestou determinada quantia a juros de 2% a. Qual a taxa de juros mensal? PV x (1 + i)n 1. Que quantia ela emprestou? PV = PV = FV (1 + i)-n PV = 1218.99 FV 10 n I  2. após 10 meses recebeu como pagamento $ 1.00 aplicado durante 10 meses produz um montante de $1218.218.000 x (1 + i)10 1.218.99 CHS FV 2 (i) 10 n PV  1.00 % a.21899 =1+i 24 .000 Pela HP-12C f (CLX) 1218.m.000 CHS PV 1.99 / 1.000.820348 PV= 1.

99 = 1.008600n 0.086 n = 0.086 / 0.02n (log) log 1.000 x (1 + 0.000 x (1.02)n 1.000.218.99 = 1.218.218.02 – 1 = i i = 0.086 = n x 0. um capital de $1.m.02 0.1. Exemplo 5 Durante quantos meses.008600 0.21899 = 1.000 (CHS) (PV) 1.21899 = log 1.008600n = 0.02)n 1.99 / 1.086 = 0.008600 n = 10 meses f (CLX) 1.02n log 1.02 (x 100) i = 2% a.00 aplicado a 2% a.21899 = n x log 1.000 = (1.99 (FV) 2i n → 10 meses Limpa todos os registradores Informa o valor do capital Informa o montante Informa a taxa Solicita o prazo da operação 25 .02 = 1 + i 1.02)n 1.218.m.99 FV = PV x (1 + i)n 1. produz um montante de $1.218.

00 por 6 meses. observe que a partir do primeiro mês. que foram gerados sobre o capital inicial (este era o único montante anterior).025)6 . [(1 + i)n .000.1] EXERCÌCIO RESOLVIDO 01 Calcule os juros pagos numa aplicação de R$5.1] = 798.93 . as aplicações financeiras usuais como caderneta de poupança e aplicações em fundos de renda fixa. o dinheiro lá existente vai rendendo juros sobre o capital inicial e sobre os juros que já estão na conta. Raramente encontramos uso para o regime de juros simples: é o caso de operações de curtíssimo prazo. e do processo de desconto simples de duplicatas. sob o regime de juros compostos.000 ( 1 + 0. • Montante ao final de 6 meses: M = 10. hoje. é mostrada a seguir: J = C.596. onde você deposta seu dinheiro em um mês esperando que no final do primeiro mês a mesma já apresente um montante igual ao capital inicial mais o juro. a uma taxa de juros i. • juros em 6 meses: J = 5. compras com cartão de crédito.5% ao mês. à taxa de 2. A expressão que permite quantificar o total de juros resultante da aplicação de um capital C. considerando-se a aplicação de R$10.5% ao mês.3.00. etc.000 [(1 + 0.000. Um exemplo simples de capitalização composta é o da caderneta de poupança.47 EXERCÍCIO RESOLVIDO 02 Determinar o valor a ser resgatado ao final de 6 meses.4 – Quando usamos juros simples e juros compostos A maioria das operações envolvendo dinheiro utiliza juros compostos. mesmo que você não deposite nada na caderneta de poupança. sendo este processo conhecido como juros sobre juros ou capitalização composta.025)6 = 11. Estão incluídas: compras a médio e longo prazo. empréstimos bancários. a uma taxa de 2. durante n períodos.

As taxas proporcionais se baseiam em juros simples. que possa ser utilizada para qualquer caso. pela aplicação de um mesmo capital inicial no regime de juros compostos”. Assim.3. e as taxas equivalentes se baseiam em juros compostos. a diferença entre taxas equivalentes e taxas proporcionais se prende exclusivamente ao regime de juros considerado. O conceito de taxas equivalentes está. Do exposto podemos apresentar uma fórmula genérica.018 ) 1 −1 ×100 it= 5. Você NÃO pode transformar as taxas a partir da regra de três.49%ao trimestre 3 Observe: tratando-se de Juros Compostos. o que ocorre NÃO é uma simples proporcionalidade.5 – TAXAS EQUIVALENTES Teremos aqui. 3. 8%ao mês? it = (1+0. portanto.6 Taxas Equivalentes pela HP-12C –Programação 27 . que recorrer ao principio de equivalência de taxas. onde: “duas taxas referentes a períodos distintos de capitalização são equivalentes quando produzem o mesmo montante no final de determinado tempo. ou seja: quero   iq = (1+it ) tenho −1 ×100   Onde: iq = taxa para o período que quero it = taxa para o período que tenho q = prazo que quero t = prazo que tenho EXERCÌCIO RESOLVIDO 01 Qual a taxa trimestral equivalente à taxa de1. diretamente ligado ao regime de juros compostos.

Para rodarmos o programa de taxas equivalentes em juros compostos na calculadora. quero   iq = (1+ ) tenho −1×100 it   Onde: iq = taxa para o período que quero it = taxa para o período que tenho q = prazo que quero t = prazo que tenho Passos na calculadora HP-12c: • a taxa it – taxa dada – na tecla i 28 . pra programarmos a fórmula da taxa equivalente em juros compostos abaixo.10 06.40 08.0 04.0 17. linha 2 coluna 1 passo 12 passo 13. linha 4 coluna 5 passo 10 passo 11. Nessas condições.20 INSTRUÇÕES acessando o modo programável limpando todos os programas linha 1 coluna 2 passo 02 passo 03 passo 04 passo 05. Os dados armazenados são chamados para as operações através da tecla RCL.1 15. linha 1 coluna zero passo 06 passo 07.10 11. Siga os seguintes passos na calculadora: PASSOS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 PROGRAMA f R/S f R RCL i 1 0 0 ÷ VISOR DA HP-12C 000001-45 12 02. linha 4 coluna 5 passo 09.0 05.1 13. primeiro temos que entrar no modo programável da HP-12C.30 14.21 12. por exemplo. linha 4 coluna zero passo 08.45 2 10. linha 2 coluna zero para sair programável do modo 1 + RCL 1 RCL 2 ÷ y 1 1 0 0 x F R/S x Um dos modos de elaborarmos um programa de taxas equivalentes em juros compostos na HP12C consiste em registrar os dados do problema na máquina com o auxílio da tecla STO.0 16. linha 3 coluna zero passo 14 passo 15 passo 16 passo 17.1 03.45 1 09.1 07.

44% ao mês 2) Qual a taxa anual equivalente à taxa de 3% ao mês? 3 i 12 STO 1 1 STO 2 R/S ? Taxa= 42.27% ao trimestre 4) Qual a taxa anual equivalente à taxa de 6% ao trimestre? 6 i 12 STO 1 3 STO 2 R/S ? Taxa= 26.57% ao ano 3) Qual a taxa trimestral equivalente à taxa de 3% ao mês? 3 i 3 STO 1 1 STO 2 R/S ? Taxa= 9. Por exemplo: 1) Dada à taxa de 50% ao ano.35% ao mês 3. devemos inserir os dados conforme o caso e acionarmos a tecla R/S (Run/Stop). e • o período da taxa que tenho na memória 2.67% para 59 dias? 4.• o período da taxa que eu quero(q) na memória 1. Para rodarmos o programa. calcule a taxa equivalente em juros compostos para 30 dias.25% ao ano 5) Qual a taxa mensal equivalente a 4. 50 i 30 STO 1 360 STO 2 R/S ? Taxa= 3.67 i 30 STO 1 59 STO 2 R/S ? Taxa= 2.7 – TAXA EFETIVA 29 .

5%aotrimestr e 4trimestres • 10% ao ano. capitalizado trimestralmente. 18% ao ano. 6% ao semestre capitalizado semestralmente 10% ao ano. capitalizado diariamente. por isso. 3. as taxas efetivas que estão implícitas nos enunciados das taxas nominais são as seguintes: • 12% ao ano.8 – TAXA NOMINAL Taxa Nominal é a taxa de juros em que a unidade referencial de seu tempo não coincide com a unidade de tempo dos períodos de capitalização. São exemplos de taxas efetivas: • • • • 2% ao mês. trimestrais. no regime de juros compostos. capitalizado mensalmente. 12 % = 1%aomês 12 meses • 24% ao ano. que é a taxa de juros a ser aplicada em cada período de capitalização. A taxa nominal. capitalizado semestralmente. não representa uma taxa efetiva e. capitalizado trimestralmente. A taxa nominal é sempre fornecida em termos anuais. Nos exemplos anteriores. apesar de bastante utilizada no mercado. e os períodos de capitalização podem ser semestrais. Toda taxa nominal traz em seu enunciado uma taxa efetiva implícita. capitalizado mensalmente. capitalizado mensalmente.Taxa efetiva é a taxa de juros que a unidade referencial de seu tempo coincide com a unidade de tempo dos períodos de capitalização. mensais ou diários. 24 % = 12 %aosemestre 2semestres 10 % = 2. capitalizado trimestralmente. 10% ao ano. capitalizado semestralmente. 30 . São exemplos de taxas nominais: • • • • 12% ao ano. Essa taxa efetiva implícita é sempre calculada de forma proporcional. não deve ser usada nos cálculos financeiros. 24% ao ano. capitalizado anualmente. 3% ao trimestre. no regime de juros simples.

capitalizado mensalmente. Essa taxa anual equivalente será tanto maior quanto maior for o número de períodos de capitalização da taxa nominal.05% ao dia.000.• 18% ao ano. com os valores das taxas efetivas correspondentes.75% ao mês. M = C ( 1 + i )n M = 1. Conforme podemos observar. C= 1. EXERCÍCIO RESOLVIDO Determinar o montante acumulado no final de 2 anos.00 à taxa de 9% ao ano.196. 2. 12% ao semestre.05% aodia 360 dias Devemos então abandonar os valores das taxas nominais e realizar todos os cálculos financeiros. 18% = 0. ou seja. pois essa equivalência é sempre feita no regime de juros compostos.41 LISTA 03 31 . capitalizado diariamente. ao se aplicar R$1.75% ao mês. a taxa efetiva implícita de uma taxa nominal anual é sempre obtida no regime de juros simples. im = 9% 12 = 0. A taxa anual equivalente a essa taxa efetiva implícita é sempre maior que a taxa nominal que lhe deu origem.000 n = 2 anos= 24 meses im = 0.5% ao trimestre e 0. 1% ao mês.0075)24 M = 1. no regime de juros compostos.000( 1 + 0.

m.s. – 10dias C=173.00. conforme as hipóteses abaixo: a) 2% a.000. – 2 anos J=126.5% a.628.00 quanto devo aplicar hoje se as taxas e prazos são os seguintes: a) 2. aplicados pelos prazos e taxas abaixo: a) 1% a. .424.000.13 c) 3% a.Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais.t. b) 2% a.s.a.Exercícios sobre capitalização composta1) Qual é o montante gerado por um capital de R$1.49 c) 7% a.5% a.t. 32 .8033% a.Atividade Avaliativa: 2 pontos .5% a.m.000.82 b) 1.126.a.593. – 1 ano J=268. ia= 12. ia=12.s. – 18 meses M=1.6825%aa.00.000. – 36 meses J=500.74 e) 5% a.5506%aa.80 c) 50% a.s.m. ia=21. .869.73 3) Certa pessoa pretende comprar uma casa por R$50. . ia=7.q.194.q.89 2) Que juros receberá uma pessoa que aplique $1.t.07 c) 50% a.622.d.A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual. – 12 meses M=1.596. e) 8% a. C=385.b.A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros.m. C=24.64%aa.24 b) 1.5% a. – 5 anos M=1. c) 5% a.s.68 b) 1% a. d) 2.m.41 5) Qual a taxa equivalente anual às seguintes taxas: a) 1% a.36 4) Para ter R$10.m. – 1 semestre C=8.00 daqui a 06 anos. Quanto deve aplicar esta pessoa hoje para que possa compartilhar a casa no valor e prazo estipulado.t. – 4 anos C=1.6162%a. 6) Que taxas são equivalentes a 25% ao ano se os prazos respectivos forem: a) 6 meses (semestral) is=11.6890%aa. – 3 anos M=1. C=24.05 d) 10% a.709. se a taxa for: a) 3% a. – 120 meses M=2. ia= 16.97 b) 15% a.

como taxa efetiva.1361% para 13 meses 8) Qual é a taxa efetiva anual nas hipóteses abaixo: TAXA NOMINAL 24% a.1156% a.5549% para 13 meses B) 6% a. 9) Se o banco deseja ganhar 30%aa. CAPITALIZAÇÃO Mensal ia=26. i=51.m. Qual é a taxa de rentabilidade anual? ia=4. it=5. i=17.00. um rapaz aplica R$6.t. Quadrimestral ia=22. 7) Qual será a taxa de juros para 13 meses.a.00 sobre um capital de R$8.00 por 30 meses a taxa de 10% a. Como opção o vendedor pede R$124. i=13.00 pelo prazo de 02 anos.61 33 .a..000.a.a.000.000. nas hipóteses: A) 27% a. 10) Um sítio é posto à venda por R$50. Trimestral ia=31.5248% a. Quanto tempo levou para obter o valor do carro? n=7 meses e 16 dias 13) Uma aplicação em caderneta de poupança rende R$500.t.a.26 12) Com finalidade de comprar um carro no valor de R$7.q.00 em um ano.a.7217% a. i=29.b. com capitalização trimestral.00 de entrada e R$ 100.00 à taxa de 3% a. Se a taxa do banco for de 28% a.5043% a.0796% a.5% a.a. qual será o montante devolvido? M=R$171.q.9695% ao ano 14) Uma empresa toma R$100.818.b) 4 meses (quadrimestral) c) 3 meses (trimestral) d) 2 meses (bimestral) iq=7.000.345.00 em um ano e três meses.1831% para 13 meses D) 10% a.000.500.8241% a.s..000.a. que taxa nominal anual deverá pedir em cada hipótese de capitalização abaixo: a) Mensal ia=26.a. 21% a. Se a taxa de juros de mercado é de 2.7371% a..a.00 à vista.a.000.m. qual a melhor alternativa? R= Melhor alternativa é pagar à vista 11)Um investidor aplicou R$5. ib=3.7890% a.Qual é o montante por ele recebido? M= R$6. 28% a. b) trimestral ia=27.4564% para 13 meses C) 5% a.

00.000.000.000.000 daqui a 30 dias é equivalente a R$ 16.468. em 3 parcelas mensais de R$1.400.00 cada uma. Aplicando R$3.000.000. à mesma taxa de juros. Pagando R$1.00. seria melhor pagar à vista).000. o que dá para pagar a última prestação e ainda lhe sobram R$103.00.400.360.000.m. em juros compostos.768. levados a uma mesma data (data focal).000 = 16.000 (1 + 0.100.m.00. basta encontrar o Valor Presente dos pagamentos futuros.1 INTRODUÇÃO Este capítulo se reveste de importância fundamental nas aplicações práticas.768.00 à vista ou então a prazo.700. Pode-se afirmar também que para determinarmos ao valor à vista de um bem. e tem fundos suficientes para pagar à vista? Uma forma de resolver esta questão é a seguinte: se ele pagar a prazo.00 + 100.m.00.000.00.00 por mais um mês.00.00 de prestação.25 )1 34 .000.000 i=25% a. sem entrada.EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS 4. após 1 mês de aplicação ele terá R$5. Aplicando finalmente R$1. efetuar comparações entre alternativas. Problemas dessa natureza podem ser resolvidos desta forma. O Princípio de equivalência de capitais é fundamental na resolução dos problemas de decisões de compra e investimentos. ou seja R$5. Contudo. Exemplo: Um bem pode ser pago em 30 dias por R$20.000 hoje.000. a uma taxa de 25% a.UNIDADE IV . Assim.00. ele terá no final R$3. imagine uma situação em que o número de prestações seja 12 ou 24. se a taxa for de 25% a. dois capitais ou conjunto de capitais que sejam equivalentes em determinada data também o serão em outra. tiverem valores iguais.000. O trabalho seria enfadonho. Vê-se que é melhor pagar a prazo (se no instante de pagar a última prestação ainda faltasse dinheiro. 1 PV = 20 . Diz-se que dois capitais com datas de vencimento determinadas são equivalentes quando. podemos afirmar que R$ 20. pagando a segunda prestação sobram-lhe R$1.000. ele terá ao final R$1. sobram-lhe R$3.? FV= 20.700. Qual a melhor alternativa pra o comprador se ele pode aplicar seu dinheiro a juros compostos e à taxa de 2% a. conseqüentemente. Consideremos o seguinte exemplo: um prédio é vendido por R$5.803. O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e.000. 0 PV=? Assim.m.000.00 por mais um mês.360. Qual o valor á vista do bem.

...2 .. yn...000 0 1 2 3 O valor atual que deverá ser aplicado hoje é..4..VALOR ATUAL DE UM CONJUNTO DE CAPITAIS Consideremos os capitais y0. y2 .m. à soma dos valores equivalentes desses capitais na data 0.000... o valor atual do conjunto é a soma dos valores atuais de cada capital. respectivamente... teremos: V = yo + y1 (1+i) 1 + y2 (1+i) 2 + y3 (1+i) 3 +. por definição.00 daqui a três meses. yn (1+i) n Exemplo 1: Uma empresa prevê o pagamento de R$200.000 (1+0..5% a.y2 ... nas datas 0.. o valor atual desse conjunto.. para fazer frente a essas despesas? 200.. Quanto deverá aplicar hoje a juros compostos à taxa de 1. Chamamos de valor atual na data 0 ( ou simplesmente valor atual) desse conjunto. Em outras palavras.015 ) 1 + 500 . o valor atual do conjunto é o valor que. aplicado na data 0 `a taxa i. y0 0 y1 1 y2 2 yn n Chamando de V o valor atual.000 500..00 daqui a um mês e R$500. ....2 . consegue gerara os capitais y0.1.. ou seja: V = 200 . a uma taxa de juros i . yn.000.015 ) 3 35 ..... n. y1. Portanto. y1. à taxa i..00 (1+0..

00.000 (g) (cfj) 3 (i) (f) (NPV) Significado Limpe todos os registradores Indica o fluxo de caixa 0 (Cash Flow 0) Indica o fluxo de caixa seguinte Indica o fluxo de caixa seguinte Indica a taxa mensal Solicita o Valor Presente da série Pressione F (CLX) 6. o preço à vista é de R$ 28.000 (g) (cfo) 12.000.158. pode ser pago com uma entrada de R$ 6.64. vencendo a primeira em 30 dias e a segunda em 60 dias.000 12. Temos.00. determine o valor da primeira parcela. mais duas parcelas mensais de $12.000 12 .000.33+ 478.64 12 . o Valor Presente de um bem é dado pelo valor atualizado de suas parcelas.961.000 (g) (cfj) 2 (g) (nj) 3 (i) (f) (NPV) Significado Limpe todos os registradores Indica o fluxo de caixa 0 (Cash Flow 0) Indica o fluxo de caixa seguinte O fluxo anterior acontece 2 vezes seguidas Indica a taxa mensal Solicita o Valor Presente da série OU Exemplo 3: Um bem no valor de R$ 28..202.V= 197.000.961.m.99 Exemplo 2: Uma loja vende um eletrodoméstico da seguinte forma: Entrada de $6.m.044. temos: 36 .64 Pela HP: Pressione F (CLX) 6.00 cada. Considerando que pela equivalência financeira de capitais.66 V=675. Considerando que a segunda parcela é de R$ 12. 6.03 ) 2 Portanto.000 12.000 + (1.000 (g) (cfj) 12.000.961.000 (g) (cfo) 12. a taxa de juros de 3% a.03 )1 (1.000 0 PV = 6. Determine seu preço à vista. Se a loja opera a uma taxa de juros de 3% a. mais duas parcelas mensais.000 + 1 2 → PV = 28.

Qual a melhor opção? PV (a vista) = 1.11.15 . Considerando que a taxa de juros de mercado1 é de 6% a.311.64 = 6.15 .970874 P +11 .000 × 0. O suficiente para pagar o valor a prazo do bem e ainda lhe Taxa de juros de mercado é a taxa de remuneração pela aplicação de recursos no mercado financeiro 37 .970874 P +12 .000.00 Assim.00).961.49 12.64 .) PV 3 (i) 1(n) FV Resultado OU 17.650.000 (g) (cfj) 3 (i) (f) (NPV) 28961.000 + P (1 + 0.64 = 1.11.000 P1 P2= 12.961.00 (1.000 (+) 28961.15= 0.00 11.00 a vista b) R$ 1.000 + 0.311.311 .03 ) −1 +12 .11.000 + 6%).3.49 P1= 0.15 1 28.970874 P 1 17.000.650. Vejamos.311.00 4.Análise de Alternativas de Pagamento pelo Valor Atual Dadas várias alternativas de pagamento.49 = 0.650.000.000.311.000.000 + 0.961.) CHS PV 3 (i) 1 (n) FV Resultado Pressione F (CLX) 12.942596 1 28.03 ) −2 1 28.64 ( . 1 Isto se significa que.15 17.000 (1 + 0.311 .000 0 PV = Po + P (1 + i ) −1 + P2 (1 + i ) 2 1 1 2 (meses) 28.050.64 = 6.00 daqui a 1 mês.m.00 PV (a prazo) = Valor atual de 1050.650. o comprado poderá aplicar no mercado o valor correspondente ao bem (1.060.15 1 28.961. se optar por pagar a prazo.Po= 6.64 = 6.970874 P1 = 12.49 12.970874P1 11.961.03 P +11 .000 (CHS) FV 3 (i) (2 (n) PV 6. No final de 1 mês ele terá 1.000 (g) (cfo) 0 (g) (cfj) 12. porquê: Um bem é vendido por: a) R$ 1.000 OU Pressione F (CLX) 6. o melhor é aquela de menor valor atual.64 ( .

maior que os juros de mercado. ou em 3 pagamentos mensais e iguais de R$ 650.800 (CHS) G Cfo 650 (G) (CFj) 650 (G) (Cfj) 650 (G) (Cfj) F (IRR) → 4..m... nas datas 0 .. Vamos comprovar: Pela HP podemos calcular a taxa de juros da operação 1... Interessa a compra a vista. 2 . PV = 650 ( 1 + 0. y1 ....00.57 Interessa comprar a prazo. respectivamente..000.033)-3 PV = 1.033)-1 + 650 ( 1 + 0.. nas datas 0 . Ou seja.00 à vista. indica que a taxa de juros do financiamento é maior que a taxa de juros de mercado.... é mais interessante pagar a vista 4.00 b) PV (a prazo) = Valor atual das parcelas de R$ 650.PV = 1050 (1 + 0.. n. x1 .. 1 ...00 Assim.800. 2 . Em resumo. pois o PV é menor sobrar recursos. yn x0..11% a.828..m. por apresentar um PV maior que o valor a vista.. y2 . pede-se avaliar a melhor alternativa de compra: a) PV (à vista) = 18.3% a. se pagará um juros maior do que o dinheiro investido...3%... Estando atualmente em 3. m. . Solução: é claro que se você aplica seu dinheiro a uma taxa de 3. xm .4 – CONJUNTO DE CAPITAIS EQUIVALENTES Consideremos os conjuntos de capitais: y0.. x2 . y0 y1 y2 yn 38 . 1 .04 A venda a prazo. pois a taxa de juros de mercado é maior que a taxa do financiamento Exemplo Um determinado produto está sendo vendido por R$ 1.. as taxas de juros de mercado..11% a. é melhor pagar a prazo..06)-1 PV = 990.033)-2 + 650 ( 1 + 0...m TAXA DO FINANCIAMENTO Confirma-se um custo embutido na venda a prazo de 4... respectivamente. se pagar o bem a prazo.

qual o valor de cada parcela.200 1ª forma 39 . Assim. mais duas prestações mensais e iguais. de modo que as duas formas de pagamento sejam equivalentes? 1.00 mais uma parcela de R$1. se os seus valores atuais forem iguais. Se a loja opera a uma taxa de juros de 3% ao mês.00.00.000 1. vencendo a primeira um mês após a compra.200.000. após um mês. Um cliente propõe pagar uma entrada de R$600. devemos ter: Exemplo: V1 = V2 Uma loja vende uma geladeira nas seguintes condições: entrada de R$1. chamando de V1 e V2 os valores atuais desses dois conjuntos.0 1 2 n x0 x1 x2 xm 0 1 2 m Dizemos que esses conjuntos são equivalentes a uma taxa de juros compostos i .

V= R$7. necessitando de dinheiro.165.934. Contudo.03 ) 1 = 600 + x (1+0. transfere seus direitos a um amigo que os 40 .77 V=R$7.565 .156. já que a troca não proporcionou valores diferentes.942596 x 2..91 LISTA 04 Atividade Avaliativa: 2 pontos .913470 x 1.970874 x + 0.03 ) 1 + x (1+0. pergunta-se se a substituição foi vantajosa.m.05 = 600 + 0. 2) João irá receber R$6.913470 x 1.EXERCÍCIOS SOBRE EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS 1) Um título no valor nominal de R$8.565.05 = 1. como parte de seus direitos na venda de um barco. é trocado por outro de R$7.00 dentro de 1 ano.5% a.000 + 1.500. com vencimento para 5 meses.156.77 A substituição do título não trouxe vantagens.913470 x = 817. Sabendo-se que a taxa de juros corrente de mercado é de 3.03 ) 2 1.000 + 1.200 (1+0. R.05 – 600 = 1.0 1 600 x x 2ª forma 0 1 2 V1 = V2 1.00.05 x = 1.600.165.84 com vencimento para 3 meses.

500. entretanto.84 9) Um sítio é posto a venda em uma imobiliária por R$500.00. Um comprador propõe pagar R$25.000. de R$3.16 8) Um conjunto de dormitórios é vendido em uma loja por R$5.00 e a segunda de R$35. uma parcela de R$200. Qual é o valor destes pagamentos.000. se a taxa de mercado for de 20% ao ano? R. será que R$8. se considerarmos que a taxa de juros corrente é de 50% ao ano? R. no vencimento da primeira parcela.5%ao mês.000. se a taxa de juros adotada for de 5% ao mês? 41 . não exigindo entrada.422.23 V=R$5.477.00 à vista ou a prazo em dois pagamentos trimestrais iguais. Contudo. M=R$10. prevendo suas despesas com as festas de fim de ano. Pagamentos= 2.00 com vencimento para 6 meses.000. Entrada= 16.00 hoje é equivalente a R$10.00 à vista ou. resolve depositar R$4.000. O esquema apresentado foi: pagamento de R$4.00 em 30/03/2004 e R$5.000.500. João fez um bom negócio.000.094. V=R$101.00. Qual é o saldo restante? R. 3) Considerando-se a taxa de juros de 4% ao mês.00 como sendo a segunda parcela. V=R$5.000.00 de entrada e R$20. caso o comprador opte por financiamento.14 Não são equivalentes 4) Uma dona de casa.28 A melhor alternativa é comprar à vista 6) Certa pessoa contraiu uma dívida comprometendo-se a saldá-la em dois pagamentos: o primeiro de R$2.000.000. não dispondo de recursos o devedor propôs adiamento de sua dívida.903. Qual é o valor dos pagamentos.000.252.000. se a taxa de juros de mercado for de 2% ao mês? R.000. entregando-lhe uma nota promissória no valor de R$ 6. Quanto possuirá a dona de casa em 30/11/2004 ? R.000.500.803.00 em 6 meses? R. Qual a melhor alternativa para o comparador.00 após 6 meses. vencendo o primeiro em 6meses e o segundo em 1 ano e meio.00.00 à vista. 6 meses após o primeiro.60 5) Um terreno é posto a venda por R$100.00 daqui a 3 meses e o saldo restante em 9 meses. se a taxa de juros considerada for de 8%ao trimestre? R.00 para 1 ano e dois pagamentos iguais.000.00 João não fez um bom negócio. o que será feito.000. Se a taxa de juros considerada foi de 2.000. quanto deverá dar de entrada. Saldo restante= R$2.00 no ato da compra mais duas parcelas semestrais. em um banco que paga 8% ao quadrimestre.00 e segundo. Como alternativa. V=R$8. sendo a primeira de R$34.51 7) Um carro está à venda por R$20. Neste caso. a imobiliária propõe: entrada de R$100.000.065.as condições são as seguintes: R$50. após 8 meses.00 V=R$7.00 em 30/07/2004.compra.

1 DEFINIÇÕES A Matemática Financeira define séries periódicas uniformes como operações financeiras que se representam por fluxo de caixa (série de pagamentos ou de recebimentos que se estima ocorrer em determinado período de tempo). De quanto deve ser as duas primeiras parcelas se forem iguais e a taxa de juros adotada pela loja for de 8% ao mês? R.000. Qual é o valor das parcelas. uma no ato da compra e outra após 1 ano. V1=131.531.00. 1º pagamento à vista e o restante parcelado em n vezes. . Desta forma. 2º) sem entrada.63 A melhor alternativa é a 1ª opção 11) Uma loja vende um vestido por R$1. as séries de pagamentos são definidas como Antecipadas.51 10) Na venda de um barco a loja Náutica oferece duas opções a seus clientes. Parcelas= 421.00 de entrada mais duas parcelas semestrais.90 UNIDADE V – SÉRIES PERIÓDICAS UNIFORMES 5. Pagamentos=248. Por exemplo. As séries de pagamentos podem acontecer de diferentes formas: • • • Parcelamento em n vezes com o 1º pagamento em 30 dias.000.00 e a segunda de R$100.00. se a taxa de juros adotada for de 20% ao semestre? R.1º) R$30.000.449.388. se considerarmos a taxa de juros de mercado de 4% ao mês? R. Parcelamento com carência de 6 meses. pagando-o em duas parcelas iguais. vencendo a primeira em 6 meses.800.000. Qual é a melhor alternativa para o comprador.94 12) Um imóvel está à venda por 4 parcelas semestrais de R$50.975. 42 .00 nas duas últimas. sendo o pagamento efetuado em quatro parcelas trimestrais: R$40.000. Uma cliente propõe o pagamento o pagamento de R$1. Parcelas=76. Postecipadas e Diferidas.000. empréstimos e financiamentos de diferentes tipos costumam envolver uma seqüência de desembolsos (pagamentos) periódicos de caixa. sendo a primeira paga no ato da compra.00 podendo este valor ser pago em três prestações mensais iguais.R.00 como terceira parcela. e R$50.43 V2= 133.00 nas duas primeiras. sendo a primeira de R$50.000. Um cliente propõe a compra deste imóvel.

Fórmulas: n  (1+ i) − 1  PV = PMT  n    (1+ i) × i  n  (1+i) −1  FV = PM  T   i   43 .As Séries Postecipadas são aquelas em que o 1º pagamento ocorre no final do 1º período e são as mais comuns. conforme indicado no Diagrama Padrão a seguir: PMT 0 PV 1 PMT 2 3 PMT PMT n-1 n PMT Onde: PMT = Valor de Cada Parcela (Pagamento) n = número de parcelas Para a calculadora HP-12C obedecer ao Diagrama padrão. Uma geladeira que pode ser paga em 5 parcelas mensais sem entrada. As Séries Antecipadas são aquelas em que os pagamentos são feitos no início de cada período. que tem a função azul END escrita na sua face lateral inferior. O visor não indica que essa função END está ativada. Ex. Geladeira que pode ser paga em 5 parcelas mensais com entrada. Ex. As Séries Diferidas são operações em que há uma carência para o início do pagamento das parcelas.2. 5. pressionando a tecla azul g e em seguida a tecla do número 8. é preciso ativar a função azul END. Ex.1)Séries Uniformes Postecipadas (g) (end): pela convenção de final de período os valores que ocorrem ao longo de cada período devem ser representados no final dos respectivos períodos. sendo o 1º pagamento para daqui a 3 meses. Geladeira parcelada em 5 parcelas mensais.2 CLASSIFICAÇÃO DAS SÉRIES PERIÓDICAS UNIFORMES: 5.

abaixo do número principal do visor.97  230.m. Qual o valor das parcelas. para informar que essa função BEG está ativada.329379] PV = 1.02 (1 + 0.2.1 i (1 + 0.16 Calculadora HP 12c Limpa os registros Indica o valor das parcelas mensais Indica o nº de parcelas mensais Indica a taxa mensal Solicita o Valor Acumulado FV = 100.98 CHS PMT PV = PMT  n n= 5 meses  ×i  5 (i)   i = 5% a.05 ) x 0. Nesse caso o visor mostra a palavra BEGIN.00 x 4. sabendo-se que a taxa de aplicação é de 2% a.02 ) 4 .2) Séries Uniformes Antecipadas (g) (beg): pela convenção de início de período.00 x (1 + i )n .1 0.00 cada uma.? PMT = Pela HP n   (f) (CLX) −1 230.02 ) 4 .05  PV = 230.05 ) 5 −1  PV=? PV = 230.000. considerando o 1º pagamento à vista? PMT1 o PMT2 1 PMT3 PMT4 2 3 44 .m 5 (n)  (1 + 0. temos: PMT1 o PMT2 1 PMT3 2 PMT4 3 Para a calculadora HP-12C obedecer ao Diagrama padrão.00 (1+i) (1+ i)  (1 + 0.1 0.00 é vendida em 5 parcelas iguais mensais.16 5. os valores que ocorrem ao longo de cada período devem ser representados no início dos respectivos períodos.98 a uma taxa de 5% a.000. Esquematicamente.121608 FV= 412. é preciso ativar a função azul BEG. a uma taxa de 5% a.m.00 x FV = 100.98   5 PV → 1.000.00 Exemplo 2: Calcule o valor acumulado ao final de 4 meses a 4 aplicações mensais sucessivas de R$ 100.02 (f) (CLX) 100 CHS PMT 4n 2 i FV 412. Exemplo: Uma geladeira de 1. que tem a função azul BEGEND escrita na sua face lateral inferior. FV = PMT x FV = 100.Exemplo 1: Qual o valor á vista de uma geladeira que pode ser paga em 5 parcelas de R$ 230.98 x [4. pressionando a tecla azul g e em seguida a tecla do número 7.m.

00 será paga em 5 prestações mensais iguais a juros efetivos de 5% a.000= PMT  5   (1+ 0.05      1.m.000= PMT (4.329473) x (1.05) 1.2.n      (1+ i) − 1  PV = PM T × (1 + i) n   (1+ i) × i      5      (1+ 0.000= PMT (4. Considerando que foi estipulado um período de carência de dois meses.05) − 1   × (1 + 0.97 Fórmulas: n      (1+ i) − 1  PV = PM T × (1 + i) n   (1+ i) × i      n  1 i −1×(1 +i) ( + )  FV = PM T   i   5.05) × 0.3) Séries Uniformes Diferidas: As séries diferidas são caracterizadas pela carência Exemplo: Uma geladeira de R$1. calcular o valor das prestações.000.545946) PMT=219. PMT PMT PMT PMT PMT 0 1 2 3 4 5 6 7 Carência= 2 meses 45 .05) 1.

por isso. a carência atinge 4 períodos.000= PMT(3.05) × 0. a carência atinge 3 períodos. Se o pagamento ocorrer no período 4. são na verdade as parcelas postecipadas acrescidas de juros pelo período da carência. Calculadora HP-12C (f) (CLX) (g) (end) 1000 CHS PV 5n 5i PMT 230. Embora haja um prazo maior para começar a pagar o parcelas bem ou serviço. nós deveremos aplicar o fator de capitalização à fórmula de recuperação de capital: n  (1+ i) − 1 × 1     PV = PMT   n c   (1+ i) × i  (1+ i)     5  (1+0. Neste caso como a carência é de 2 períodos.05)   1.000= PMT (4.65 Onde: PV = Valor Presente do bem ou serviço PMT = Valor das Parcelas iguais e periódicas Observa-se que o i= Taxa por períodovalor das parcelas na operação diferida (com carência) é maior do que Postecipadas parcelas n= Número de e Antecipadas.A Carência indica o número de períodos em que não ocorrerá pagamentos.05 ) −1  × 1  1.94 F clx 230. como as parcelas foram adiadas 2 meses à frente (considerando comparação com séries postecipadas).05  (1+0.907029) 1. 46 .000= PMT  5 2  (1+0. e assim sucessivamente. o pagamentos será feito no período 3. Solução: Neste caso.926957) PMT= 254. parte-se do pressuposto que as parcelas diferidas. Em suma a matemática financeira considera que os pagamentos são feitos no final de cada período.94 CHS PV 5 (i) 2 (n) Limpa os registros Indica Série Postecipada Indica o valor do Bem Indica o n. de parcelas mensais Indica a taxa mensal Solicita o Valor das Parcelas Indica o valor das parcelas postecipadas Capitaliza pela taxa e período de carência A HP-12C não oferece opção para cálculo de parcelas diferidas. e se ocorrer no período 5.329473) x (0. as taxas de juros já estão embutidas no valor a ser pago.

m.0% a. – 24 meses R=3.A resposta de taxa deverá ser dada na forma percentual. – 18 meses R=2.75 c) 2.782.Fórmulas: n  (1+ i) − 1 × 1     PV = PMT   n c   (1+ i) × i  (1+ i)     n  (1+i) −1  FV = PM  T   i   LISTA 05 Atividade Avaliativa: 2 pontos .870.0% a. – 24 meses R=3.750.m. .5% a.39 47 .00 se as taxas e prazos abaixo forem consideradas: a) 2.87 d) 4. – 18 meses R=2.0% a.m. .A resposta de tempo deverá ser dada em períodos inteiros -Exercícios sobre Séries Periódicas Uniformes 1) Qual é o preço à vista de uma mercadoria.70 b) 3.Fazer os cálculos com 6 casas decimais e arredondamento final 2 casas decimais.m.049. cuja prestação mensal é de R$200.

em prestações trimestrais.000.00 Sendo a taxa de mercado 2% a.80 10)Quanto deverá depositar mensalmente para que.00 à vista. sobre o saldo credor. – 60 meses c) 20% a. – 20 semestres R= 2.147.s.962.19 4) Um sítio é posto à venda por R$300. qual é a melhor alternativa? P=6.34 R= 35.a.0% a.2) Um terreno é vendido por R$10.697.00.00 à vista e como opção o proprietário pede 20% se entrada e o restante em 6 anos.18 P=7. a taxa de juros é de 12% a.00 mais 12 prestações mensais de R$ 600.00 mais 6 prestações mensais de R$ 800.37 R= 18. se tenha R$50. sabendo-se que a taxa de juros corrente no mercado é de 2.00.m. Qual é o valor das prestações? R= 10.de juros. – 12 meses R=974.668. ao fim de 5 anos. não se processando nenhuma retirada.87 f) 3. –24 meses b) 5% a.5% a.m.358.778.968.12 c) 50% de entrada e o restante em 3 prestações iguais R=77.m.345.481. caso ocorram as seguintes hipóteses sobre as taxas e respectivos prazos: e) 2.33 b) idem.00 à vista ou por 5 0% de entrada e o restante em 60 meses.000.20 3) Calcular a prestação referente a uma mercadoria. Calcule o valor da prestação a ser fixada. cujo preço à vista é de R$10. – 30 meses R=510.39 R= Alternativa a) 6)Na venda a prazo de um produto.00. cujo preço à vista é de R$320. Qual é o valor das prestações trimestrais? R= 20. juros de 3% a.493. conforme taxas e prazos seguintes: a) 1% a.5% a. considerando-se as seguintes condições: a) quatro prestações mensais iguais. Qual é o valor das prestações? R= 658.5% a. Os juros são de 12% a.00 b) Entrada= R$1.000.000. uma loja cobra 21% a.66 5)Uma empresa revendedora de automóveis usados oferece o seguinte plano de venda de um carro: a) Entrada= R$2.a.91 7)Um apartamento é vendido por R$60. Considerar que a instituição paga 2.m.101. sem entrada R=125.00.m. até que preço vale a pena comprar o terreno à vista? P=21.m.000.000.m.m.. R= 367.m.00 de entrada e 36 prestações mensais de R$500.47 9)Que montante obterá uma pessoa que deposita periodicamente R$100.000.000.. ou a prazo nas seguintes condições: 10% de entrada e o restante em 50 meses.04 8)O preço de uma fazenda é de R$450.000. sendo a primeira no ato da compra R=104.67 48 .00.

00 e 36 prestações mensais de R$200. quanto poderá retirar em 60 meses? (Considerar 1ª retirada 1 mês após o último depósito) R= 27..19 15) Na venda de um carro a revendedora propõe os seguintes planos: a) Entrada de R$10. pela compra de certo televisor.000.00 mais 24 prestações de R$ 1.500.11) Se uma pessoa efetuar 60 depósitos mensais de R$200. sobre o saldo credor.m.m. vencendo a primeira no fim do 6º mês.030. R= 294.47 Qual será a melhor opção.00 P= 34.04 13) De quanto deve ser a prestação mensal de um eletrodoméstico.m.m.722.000. se a primeira prestação ocorrer três meses após a compra? Considerar a taxa de juros de 2% a.? P= 1. o cliente pagará 12 prestações mensais de R$119.00 em um banco em que a taxa de juros é de 2.495. Qual será o preço à vista deste aparelho.? P= 4. 96.00 mais 24 prestações de R$ 1. cujo preço á vista é de R$5.768. em total de 22 prestações.087.00 com carência de 6 meses.00.5% a.? (R= A melhor opção é o plano b) 49 . para o pagamento da 1ª prestação. uma vez que a taxa de juros de mercado é de 2.000. se a taxa de juros vigente for de 3.198. se a taxa de juros for de 3% a. P= 32. Qual é o valor do título.69 b) Entrada de R$10. permite uma carência de até 4 meses.32 12) Em um anúncio de uma loja de vendas a crédito informa-se que.09 14)Um clube vende título de sócio mediante uma entrada de R$500.5% a.m.5% a. Para facilitar a venda.00.