P. 1
Infográfico_apresentacao

Infográfico_apresentacao

|Views: 65|Likes:
Published by valmachadoc

More info:

Published by: valmachadoc on Dec 26, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/05/2012

pdf

text

original

Infográfico: características, autoria e uso educacional

Valéria Costa
doutoranda - UFRGS

Liane Tarouco
Professora CINTED-UFRGS e PGIE-UFRGS

Introdução
• Convergência digital
– Oportunidade e necessidade de novas estratégias no uso combinado de mídias para a criação de material educacional multimídia. – Dentre os formatos possíveis, escolheu-se o infográfico por levar em conta os processos cognitivos do aprendiz ao lidar com conteúdo multimídia.

– uma solução para a autoria de infográficos de forma fácil e rápida utilizando uma combinação do software Mapedit e de Javascript. 2009). esta pesquisa envolve e considera: – o subsídio teórico encontrado na Teoria da Aprendizagem Multimídia desenvolvida por Mayer (2005. – a possibilidades de incluir no infográfico interatividade e multimidialidade tal como vem sendo usado no jornalismo on-line (PALÁCIOS.Introdução • Sendo assim. . 2003).

educativos ou científicos.O Infográfico • Infografia ou infográficos são representações visuais de informação. • Na educação. desenhos e esboços. jornalismo e manuais técnicos. • A infografia torna possível transformar dados sem sentido em informações organizadas de forma que o leitor/aluno possa entendê-las. Esses gráficos são usados onde a informação precisa ser explicada de forma mais dinâmica. . o infográfico é usado nas áreas de Física e Química para representar fenômenos em esquemas. no suporte impresso. como em mapas.

Infográfico sobre sondas no universo .Figura 1.

O infográfico online • No suporte digital. a infografia pode ser considerada como uma ferramenta de exploração e não apenas como uma “simples” apresentação da informação (CAIRO. 2008). • Interatividade .

2004) . • Assim a Teoria da Carga Cognitiva. ou seja. quando o volume de informações oferecidas ao aluno for compatível com a capacidade de compreensão humana.Por que utilizar o infográfico: a teoria da aprendizagem multimídia • A aprendizagem se dá de maneira melhor quando o processo de informação estiver alinhado com o processo cognitivo humano. 1998 e PAAS. (SWELLER. apóia-se na impossibilidade natural do ser humano em processar muitas informações na memória a cada momento.

Teoria da Carga Cognitiva não auxilia na construção e automação de esquemas elementos que favorecem o processo de aprendizagem complexidade inerente ao conteúdo a ser ensinado .

Imagens Modo Visual Adaptado de Mayer. Palavras LIMITADA Integração Conhecimento prévio imagens olhos Sel Imagens imagens Org.Teoria da aprendizagem multimídia Apresentação Multimídia Memória Memória de Sensorial Trabalho Teoria da Codificação Dual ouvidos Sel Palavras Memória de Longo Prazo Modo Verbal palavras sons Org. 2005 .

Teoria da Aprendizagem Multimídia: princípios de Mayer Multimídia INFOGRÁFICO Coerência Proximidade Espacial .

• Uso combinado de ferramentas: – Flash – Mapedit – Gimp .Ferramentas de autoria para criar infográficos • Não existe uma ferramenta única para criar infográficos.

. Em seguida. o professor deve fazer upload da imagem. círculo ou polígono. deve selecionar um dos formatos: retângulo. para criar sua área sensível.Mapedit +Javascript Após baixar e instalar o Mapedit.

Após marcar cada área. surge uma caixa de diálogo. Nela deve-se inserir o texto que vai aparecer quando o aluno passar o cursor sobre aquela área (opção ALT). Também deve ser colocado algum texto nas caixas referentes às opções OnMouseOver e OnMouseOut. .

Salvar o arquivo com extensão .html e abrir com o bloco de notas. . Esta parte deve ser colada no template onde há um comentário indicando o local.

Em seguida.src=imagem1. No caso de abrir uma imagem.src=imagem0.imagem.src" onMouseOut="document.src" . substitua: onMouseOver="Sobre RS" onMouseOut="Fora RS” Por: onMouseOver="document. deve-se substituir os textos entre aspas dos comandos onMouseOver e onMouseOut.imagem.

Essa associação deve ser feita no início do template com os arquivos que serão utilizados pelo professor: imagem0.jpg" .As imagens indicadas são as que devem ser exibidas: imagem1 deve aparecer quando o aluno passar o mouse sobre o estado do Rio Grande do Sul.src="mapariograndedosul3. imagem0 deve aparecer quando o aluno retirar o mouse desta parte da figura.jpg" imagem1.src="blank.

.

" onMouseOut="limpa()." Além disso. . deve digitar o texto a ser exibido na tela entre as aspas do comando txt=" ". logo depois da função insere ().Caso o professor queira associar um texto à área sensível. deve trocar: onMouseOver="Sobre SC" onMouseOut="Fora SC” Por: onMouseOver="insere().

.

com pouco conhecimento de informática e programação. • Neste trabalho foi apresentada uma estratégia para que um professor. possa criar seus próprios infográficos utilizando uma ferramenta online e a linguagem Javascript através de um template. constitui uma forma de possibilitar este uso integrado de texto e imagem tal como preconizado pela Teoria da Aprendizagem Multimídia. além de ser um formato adequado à narrativa digital.Considerações Finais • O infográfico. .

Considerações Finais • A busca de uma estratégia que apóie a autoria de infográficos pelos próprios professores e mesmo pelos alunos. apóia-se também no princípio da aprendizagem ativa ensejando a criação de recursos educacionais digitais com interatividade. • O compartilhamento de tais recursos. através de repositórios de conteúdo educacional aberto permitirá acesso.. uso e adaptação dos infográficos por outros professores mediante o uso de conhecimento relativamente simples tal como explanado neste trabalho. .

MAYER. Acesso em: 2 ago. Alberto. • . COLLE. SWELLER. R. F. Mapedit. Disponível em: <http://www. R. 2010. C. E.com/2010/07/ aprsentacaoalberto-cairo. Estilos o tipos de infográfos. 2010.com/mapedit/. Disponível em: http://infografiaembasededados..pdf.files. Acesso em: 20 set.htm>. 2008.boutell.0: visualizacion interactiva de informacion en prensa. J. R. jul. 2010. (1998) Revista Latina de Comunicación Social. Software Adobe Flash Professional CS5.es/publicaciones/latina/a/02mcolle/texto.wordpress. E-learning and the science of instruction: proven guidelines for consumers and designers of multimedia learning.. n. Espanha: Alamut. Disponível em http://www. CAIRO. 2008.colle.Referências • • • • • • ADOBE. Disponível em: http://www. CLARK. San Francisco: Pfeiffer. dezembro de 1998. 2006. San Francisco: Pfeiffer. R. Acesso em: 6 ago. Infografia 2. NGUYEN. BOUTELL.ull. _____. Efficiency in learning: evidence-based guidelines to manage cognitive load.com/br/products/flash/whatisflash/ . 2010. Acesso em: 20 set. 12. La beleza de la simplicidad: el poder de la infografia en la era de los datos.adobe. 2010. CLARK.

New York: Cambridge University Press. p. C. Acesso em: 21 jan. Multimedia Learning. José Oscar Fontanini de. The magical number seven. 2001. Introduction to Multimedia Learning. 1978. 2010. E. Mateus Pereira. 2. outubro. Disponível em: dgz. D. et al. Interactive Multimodal Learning Environments. Educ Psychol Rev (2007) 19:309–326. n. R. MAYER. _____. A. Mayer.Referências • DIAS. Introdução à Visualização de Informações. S.1-18. TOBIAS. (Ed. FLETCHER.htm. In: MAYER. p. Psychological Review.org.). M. New York: Cambridge University Press. D.inf. The multimedia principle. Disponível em http://www. CARVALHO. out. Porto Alegre. VIII. R. • • • • • • . The Cambridge Handbook of Multimedia Learning.ufrgs. E. 117-134. In: MAYER. Acesso em: 12 maio 2007. v. p. RITA – Revista de Informática Teórica e Aplicada. Instituto de Informática UFRGS. 2003. 2007. 81-97. S.com/user/smalin/miller. Acesso em: 6 ago. 143-158. R. MILLER. (2007) A visualização da informação e sua contribuição para a Ciência da Informação.html. v. R.R. plus or minus two: some limits on our capacity for processing information. 8.well. New York: Cambridge University Press. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação. 2005. 5.. (Ed. RS. The Cambridge Handbook of Multimedia Learning. http://www. 2009. v. E. 2005. G.br/out07/Art_02.). p.pdf. J. n.br/~revista/docs/rita08/ rita_v8_n2_p143a158. MORENO. FREITAS. 63.

2005. Salvador: Edições GJOL. 13-36. B. RIBAS. Cognitive architecture and instructional design. A. Ruptura. TAROUCO. Brasília: MCT. 2004. E. Acesso em: 06 ago. RENKL. et al. T. R.pdf.. 2004.). 10. Sociedade da informação no Brasil: livro verde. 2010. • • .facom.Referências • • • • • PAAS. SWELLER. Modelos de jornalismo digital. Liane. Navarra: EUNSA. Infografia Multimídia: um modelo narrativo para o webjornalismo. Calandra. 1998. Salvador. M. Vol. SALAVERRÍA. M. AVILA. v. TAKAHASHI. Disponível em: http://www. 3. continuidade e potencialização no jornalismo on-line: o lugar da memória. 2000. Cognitive Load Theory: Instructional Implications of the Interaction between Information Structures and Cognitive Architecture. Bárbara Multimídia na alfabetização digital com fluência para a autoria. 5. In: MACHADO. No 2 (2007). PALACIOS. Instructional Science 32: 1–8. In: V Congreso Iberoamericano de Periodismo en Internet. Redaccion periodística en internet. n. Educational Psychology Review. (Orgs. Sweller. 2003. pp. RENOTE. J. F. J.br/jol/pdf/2004_ribas_infografia_multimidia.ufba. (Org.). PALACIOS.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->