TOMADA DE POSIÇÃO

Os professores da Escola Secundária de Odivelas, abaixo subscritos, reunidos em Assembleia no dia 5 de Novembro de 2008, propõem ao Conselho Pedagógico e ao Conselho Executivo a suspensão do actual modelo de avaliação do pessoal docente. Os fundamentos são os seguintes: 1. Defendem os presentes a instituição de uma avaliação que promova a qualidade do trabalho de professor, a execução proficiente do processo de ensino-aprendizagem e a defesa da escola pública em geral. 2. O modelo de avaliação instituído pelo Decreto Regulamentar 2/2008 é inaplicável e desadequado aos fins pretendidos de melhoria do trabalho dos docentes e das aprendizagens dos alunos. 3. O referido Decreto assenta num conjunto de critérios de difícil universalização de princípios essenciais e, a ser levado à prática, instituirá situações arbitrárias e de manifesta iniquidade, susceptíveis de degradar, de forma gravosa, o necessário consenso exigido na realização de um verdadeiro Projecto Educativo de Escola. 4. O modelo imposto pelos órgãos da tutela é excessivamente complexo e burocrático e carece de adequada articulação, sendo impraticável nas actuais condições das escolas e do corpo docente, quer por exigir um volume inusitado de trabalho quer pela manifesta falta de meios humanos indispensáveis à sua consecução. 5. Esta situação tem criado uma verdadeira obstrução à normal progressão do corpo docente e não é potenciadora de um ambiente de trabalho de qualidade. Propõem ainda que esta tomada de posição seja dada a conhecer aos órgãos da tutela, com as seguintes exigências: 1. Aplicação de um modelo alternativo de avaliação simplificado no ano lectivo de 2008/09, de modo a acautelar a normal progressão dos docentes e de outros que dela careçam para colocação em listas ordenadas; 2. Adopção, num mais curto espaço de tempo, de um modelo de avaliação que, contando com a colaboração dos professores e dos seus órgãos representativos, consiga fazer gerar um consenso alargado e se proponha, com critérios justos e universais, promover a melhoria das prestações profissionais dos docentes e das aprendizagens dos alunos. 3. Que seja solicitado ao Ministério de Educação a clarificação de um conjunto de questões relativas à avaliação de desempenho, entre outras, o conflito de interesses entre avaliador e avaliado, a delegação de competências dos avaliadores e o facto da avaliação de alunos ser um factor determinante na avaliação dos professores. Os subscritores reservam-se o direito de divulgar esta tomada de posição junto de todas as entidades julgadas convenientes. Odivelas, 5 de Novembro de 2008