FICHA TÉCNICA

Título
“Tópicos de Física – Edição Electrónica”
Copyright © 2008 do autor


Autor
Gustavo Vitorino Monteiro da Silva
Engenheiro Electrotécnico
Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores
e-mail: gustavo.silva@fxs.pt

Foto do autor: Luís Silva, FXS



Capa

FXS, Gestão de Marketing, Lda.
Rua Prof. Mark Athias, 4, 3º Frente
1600-646 LISBOA – PORTUGAL
Tel: 210 185 159 Fax: 217 599 327
www.fxs.pt e-mail: info@fxs.pt


ISBN: 978-972-99862-5-3


Lisboa, 2 de Abril de 2008











ao meu neto Henrique






PREFÁCIO



Este pequeno livro surge na sequência de dar a conhecer o trabalho realizado com a
leccionação da disciplina de Complementos de Física, da antiga licenciatura bi-etápica
em Automação Controlo e Instrumentação (ACI) da Escola Superior de Tecnologia de
Setúbal do Instituto Politécnico de Setúbal.
Das obras já desenvolvidas são de realçar, para além das publicações de carácter
pedagógico, efectuadas no âmbito das disciplinas leccionadas, os livros de Instrumen-
tação Industrial 1ª edição (1999), Processamento Digital de Sinais (2000), Controlo
Não Linear (2003) e Instrumentação Industrial 2ª edição (2004).
Este trabalho não constitui de modo algum um tratado sobre Física, pois não abarca
alguns assuntos fundamentais que uma obra desse tipo deveria conter, como por
exemplo Termodinâmica, Óptica e outros. Constitui sim um pequeno conjunto de tópi-
cos que foram leccionados durante alguns anos numa determinada disciplina que fazia
parte do elenco curricular do curso de ACI.
Em cada capítulo são apresentados alguns problemas de aplicação que pretendem
estimular o aluno, ou o leitor, a repensar na teoria exposta e a consolidar a sua com-
preensão. Os problemas do último capítulo foram resolvidos utilizando o Matlab, que é
de entre os programas de cálculo científico que conheço aquele apresenta uma gran-
de versatilidade e elevado potencial, ao mesmo tempo que é extremamente fácil de
utilizar.


O Autor




i




CONTEÚDO


Pág.
1. MECÂNICA CLÁSSICA ...................................................................................................................... 1
1.1. CINEMÁTICA ...................................................................................................................................... 1
1.2. MOVIMENTO NUM PLANO .................................................................................................................. 4
1.2.1. Coordenadas polares ................................................................................................................ 4
1.2.2. Coordenadas normais ............................................................................................................... 5
1.2.3. Movimento circular ................................................................................................................... 5
1.2.4. Movimento circular uniforme ................................................................................................... 6
1.3. DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA MATERIAL ........................................................................................ 6
1.4. MOVIMENTOS RELATIVOS ................................................................................................................. 7
1.4.1. Posição da partícula ................................................................................................................. 8
1.4.2. Velocidade da partícula ............................................................................................................ 8
1.4.3. Aceleração da partícula ............................................................................................................ 9
1.4.4. A 2ª lei de Newton ................................................................................................................... 10
1.4.5. Relatividade de Galileu ........................................................................................................... 10
1.4.6. Transformação de Galileu ...................................................................................................... 10
1.5. TRABALHO E ENERGIA ..................................................................................................................... 11
1.5.1. Trabalho .................................................................................................................................. 11
1.5.2. Energia cinética ...................................................................................................................... 12
1.5.3. Impulso de uma força .............................................................................................................. 12
1.5.4. Campo gravítico ...................................................................................................................... 12
1.5.5. Potencial e energia potencial ................................................................................................. 13
1.5.6. Conservação da energia ......................................................................................................... 14
1.5.7. Atracção universal .................................................................................................................. 14
1.5.8. Movimentos com atrito............................................................................................................ 15
1.5.9. Momento angular de uma partícula material ......................................................................... 16
1.6. DINÂMICA DOS SISTEMAS ................................................................................................................ 19
1.6.1. Movimento do centro de inércia ............................................................................................. 19
1.6.2. Teorema do momento linear ................................................................................................... 20
1.6.3. Colisões entre partículas e explosões ..................................................................................... 21
1.6.4. Teorema do momento angular ................................................................................................ 22
1.6.5. Energia de rotação ................................................................................................................. 23
1.7. APÊNDICE ........................................................................................................................................ 24
1.8. PROBLEMAS RESOLVIDOS ................................................................................................................ 25
1.8.1. Probl. 1. 1 – Movimento rectilíneo ......................................................................................... 25
1.8.2. Probl. 1. 2 – Movimento circular ............................................................................................ 27
1.8.3. Probl. 1. 3 – Movimentos relativos ......................................................................................... 29
1.8.4. Probl. 1. 4 – Movimentos relativos ......................................................................................... 30
1.8.5. Probl. 1. 5 – Movimento de um projéctil ................................................................................ 31
1.8.6. Probl. 1. 6 - Queda de um grave ............................................................................................. 32
1.8.7. Probl. 1. 7 – Movimento de um projéctil ................................................................................ 34
1.8.8. Probl. 1. 8 - Movimento de um projéctil ................................................................................. 35
1.8.9. Probl. 1. 9 – Energia cinética e potencial .............................................................................. 37
1.8.10. Probl. 1. 10 – Movimento circular uniforme ........................................................................ 38
1.8.11. Probl. 1. 11 – Movimento circular uniforme ........................................................................ 39
1.8.12. Probl. 1. 12 – Movimento circular uniforme ........................................................................ 40
1.8.13. Probl. 1. 13 – Movimentos relativos ..................................................................................... 41
ii
1.8.14. Probl. 1. 14 – Mov. circ. unif. – Satélites GPS ..................................................................... 44
1.8.15. Probl. 1. 15 – Força e trabalho ............................................................................................ 46
1.8.16. Probl. 1. 16 – Força e energia .............................................................................................. 47
1.8.17. Probl. 1. 17 – Atracção universal ......................................................................................... 48
1.8.18. Probl. 1. 18 - Conservação do momento linear .................................................................... 49
1.8.19. Probl. 1. 19 - Conservação da energia ................................................................................. 51
1.8.20. Probl. 1. 20 - Conservação da energia ................................................................................. 53
1.8.21. Probl. 1. 21 – Mov. Circular e energia cinética ................................................................... 54
1.8.22. Probl. 1. 22 – Energia de rotação ......................................................................................... 55
1.8.23. Probl. 1. 23 – Atrito .............................................................................................................. 56
1.8.24. Probl. 1. 24 – Pêndulo balístico............................................................................................ 57
1.8.25. Probl. 1. 25 – Movimento de rotação e translação ............................................................... 58
1.8.26. Probl. 1. 26 – Conservação do momento linear ................................................................... 59
1.8.27. Probl. 1. 27 – Conservação do momento angular ................................................................ 60

2. ELECTROMAGNETISMO ................................................................................................................ 61
2.1. ELECTROSTÁTICA ............................................................................................................................ 61
2.1.1. Carga eléctrica ....................................................................................................................... 61
2.1.2. Lei de Coulomb
()
..................................................................................................................... 62
2.1.3. Campo eléctrico ...................................................................................................................... 62
2.1.4. Densidade de carga ................................................................................................................ 63
2.1.5. Movimento de uma partícula carregada num campo eléctrico ............................................... 64
2.2. FLUXO DO CAMPO ELÉCTRICO ........................................................................................................ 65
2.2.1. Fluxo de um vector .................................................................................................................. 65
2.2.2. Circulação de um vector ......................................................................................................... 65
2.2.3. Teorema de Stokes .................................................................................................................. 66
2.2.4. Fluxo do Campo Eléctrico e lei de Gauss ............................................................................... 66
2.2.5. Condutores em equilíbrio electrostático ................................................................................. 68
2.2.6. Ângulo sólido e lei de Gauss ................................................................................................... 68
2.3. POTENCIAL ELÉCTRICO E CAPACIDADE ........................................................................................... 69
2.3.1. Energia potencial .................................................................................................................... 69
2.3.2. Diferença de potencial ............................................................................................................ 69
2.3.3. Potencial devido a uma carga ................................................................................................ 69
2.3.4. Potencial devido a uma distribuição de cargas ...................................................................... 70
2.3.5. Capacidade e condensadores .................................................................................................. 71
2.4. CONDUTORES E CORRENTE ELÉCTRICA ............................................................................................ 73
2.4.1. Corrente eléctrica ................................................................................................................... 73
2.4.2. Lei de ohm ............................................................................................................................... 74
2.4.3. Energia e potência .................................................................................................................. 75
2.4.4. Leis de Kirchhoff ..................................................................................................................... 76
2.5. CAMPO MAGNÉTICO. ........................................................................................................................ 77
2.5.1. Introdução ............................................................................................................................... 77
2.5.2. Força exercida sobre a carga eléctrica .................................................................................. 77
2.5.3. Força exercida sobre a corrente eléctrica .............................................................................. 78
2.5.4. Movimento de uma partícula num campo magnético ............................................................. 78
2.5.5. O efeito de Hall ....................................................................................................................... 79
2.5.6. A lei de Biot-Savart ................................................................................................................. 79
2.5.7. Força magnética entre dois condutores paralelos .................................................................. 80
2.5.8. Lei de Ampere ......................................................................................................................... 81
2.5.9. Lei de Gauss do campo magnético.......................................................................................... 81
2.5.10. Generalização da lei de Ampere ........................................................................................... 82
2.5.11. O magnetismo na matéria ..................................................................................................... 82
2.6. AS EQUAÇÕES DE MAXWELL ........................................................................................................... 83
2.6.1. A lei da indução, de Faraday .................................................................................................. 83
2.6.2. Lei de Lenz .............................................................................................................................. 83

iii

2.6.3. As equações de Maxwell na forma integral ............................................................................ 83
2.6.4. As equações de Maxwell na forma diferencial ........................................................................ 84
2.6.5. Ondas electromagnéticas ........................................................................................................ 85
2.6.6. O espectro das ondas electromagnéticas ................................................................................ 86
2.7. FENÓMENOS PERIÓDICOS ................................................................................................................. 87
2.7.1. Exemplos de fenómenos periódicos ........................................................................................ 87
2.7.2. Representação analítica e gráfica .......................................................................................... 87
2.7.3. O sinal sinusoidal ................................................................................................................... 88
2.7.4. A série de Fourier ................................................................................................................... 90
2.7.5. O movimento harmónico simples ............................................................................................ 91
2.8. CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA ............................................................................................ 93
2.8.1. Tensão alternada sinusoidal ................................................................................................... 93
2.8.2. Tensão e corrente numa resistência ........................................................................................ 94
2.8.3. Tensão e corrente numa bobina .............................................................................................. 95
2.8.4. Tensão e corrente num condensador ...................................................................................... 97
2.8.5. Circuito RLC série .................................................................................................................. 99
2.8.6. Energia e potência ................................................................................................................ 101
2.8.7. Energia armazenada ............................................................................................................. 102
2.9. TRANSFORMADOR ......................................................................................................................... 103
2.9.1. Descrição .............................................................................................................................. 103
2.9.2. Equações instantâneas .......................................................................................................... 103
2.9.3. Transformador ideal ............................................................................................................. 104
2.10. CIRCUITOS TRIFÁSICOS ................................................................................................................ 106
2.10.1. Sistemas trifásicos ............................................................................................................... 106
2.10.2. Valores instantâneos ........................................................................................................... 106
2.10.3. Diagramas vectoriais .......................................................................................................... 107
2.10.4. Ligações em estrela e triângulo .......................................................................................... 109
2.11. LINHA DE TRANSMISSÃO .............................................................................................................. 110
2.11.1. Descrição e caracterização ................................................................................................ 110
2.11.2. Equações da linha bifilar .................................................................................................... 110
2.11.3. Factor de reflexão ............................................................................................................... 112
2.11.4. Propagação de impulsos numa linha .................................................................................. 113
2.12. PROBLEMAS RESOLVIDOS ............................................................................................................ 115
2.12.1. Problema 2. 1 – Cálculo do número de cargas ................................................................... 115
2.12.2. Problema 2. 2 – Força eléctrica e gravítica ....................................................................... 115
2.12.3. Problema 2. 3 – Forças e medição da carga eléctrica ....................................................... 116
2.12.4. Problema 2. 4 – Dipolo eléctrico ........................................................................................ 118
2.12.5. Problema 2. 5 – Carga sujeita a força eléctrica ................................................................. 119
2.12.6. Problema 2. 6 – Campo eléctrico de uma carga ................................................................. 120
2.12.7. Problema 2. 7 – Potencial de uma carga ............................................................................ 121
2.12.8. Problema 2. 8 – Potencial de uma esfera isolante .............................................................. 122
2.12.9. Problema 2. 9 – Potencial de uma esfera condutora .......................................................... 123
2.12.10. Problema 2. 10 – Potencial de 2 esferas concêntricas ..................................................... 125
2.12.11. Problema 2. 11 – Potencial e diferença de potencial ....................................................... 125
2.12.12. Problema 2. 12 – Campo eléctrico e capacidade entre 2 placas ...................................... 127
2.12.13. Problema 2. 13 – Capacidade de condensadores ............................................................. 128
2.12.14. Problema 2. 14 – Aplicação numérica do problema anterior ........................................... 129
2.12.15. Problema 2. 15 – Efeito do dieléctrico num condensador ................................................ 130
2.12.16. Problema 2. 16 – Condensador com 2 dieléctricos .......................................................... 131
2.12.17. Problema 2. 17 – Resistência de um condutor .................................................................. 132
2.12.18. Problema 2. 18 – Tensões e correntes alternadas ............................................................ 133
2.12.19. Problema 2. 19 - Circuito RLC série ................................................................................ 134
2.13. PROBLEMAS PROPOSTOS .............................................................................................................. 136
2.13.1. Problema 2. 20 – Dipolo ..................................................................................................... 136
2.13.2. Problema 2. 21 – Cargas .................................................................................................... 136
2.13.3. Problema 2. 22 – Descarga de condensador ...................................................................... 136
iv
2.13.4. Problema 2. 23 – Resistência .............................................................................................. 136
2.13.5. Problema 2. 24 – Associação de resistências ..................................................................... 136
2.13.6. Problema 2. 25 – Associação de bobinas ........................................................................... 136
2.13.7. Problema 2. 26 – Associação de condensadores ................................................................ 137
2.13.8. Problema 2. 27 – Força electromagnética sobre carga, 1.................................................. 137
2.13.9. Problema 2. 28 – Força electromagnética sobre carga, 2.................................................. 137
2.13.10. Problema 2. 29 – Força sobre uma espira ........................................................................ 137
2.13.11. Problema 2. 30 – Campo magnético produzido por uma corrente ................................... 137
2.13.12. Problema 2. 31 – Barra em movimento num campo magnético ....................................... 138
2.13.13. Problema 2. 32 – Força de uma corrente sobre condutores ............................................. 138
2.13.14. Problema 2. 33 – Aplicação da lei de Ampere .................................................................. 138
2.13.15. Problema 2. 34 – Aplicação da lei de Gauss do campo magnético .................................. 138
2.13.16. Problema 2. 35 - Transformador ...................................................................................... 138
2.13.17. Problema 2. 36 – F.e.m. numa bobina em movimento em B ............................................. 139
2.13.18. Problema 2. 37 – Linha bifilar, 1 ...................................................................................... 139
2.13.19. Problema 2. 38 – Linha bifilar, 2 ...................................................................................... 140
2.13.20. Problema 2. 39 – Ondas electromagnéticas, 1 ................................................................. 140
2.13.21. Problema 2. 40 – Ondas electromagnéticas, 2 ................................................................. 140

3. FÍSICA RELATIVISTA ................................................................................................................... 141
3.1. INTRODUÇÃO ................................................................................................................................. 141
3.2. TRANSFORMAÇÕES DE GALILEU .................................................................................................... 142
3.3. A VELOCIDADE DA LUZ .................................................................................................................. 143
3.4. OS POSTULADOS DE TEORIA DA RELATIVIDADE RESTRITA ............................................................. 144
3.5. O TEMPO DE UM REFERENCIAL ....................................................................................................... 144
3.5.1. Sincronização de relógios ..................................................................................................... 145
3.5.2. Simultaneidade de acontecimentos ....................................................................................... 145
3.5.3. Dilatação do tempo ............................................................................................................... 146
3.5.4. O paradoxo dos gémeos ........................................................................................................ 148
3.5.5. A contracção do espaço ........................................................................................................ 148
3.5.6. O diagrama espaço-tempo .................................................................................................... 149
3.5.7. O efeito de Döppler ............................................................................................................... 150
3.6. TRANSFORMAÇÕES DE LORENTZ ................................................................................................... 150
3.6.1. Equações de transformação de coordenadas ........................................................................ 151
3.6.2. Equações de transformação de velocidade ........................................................................... 152
3.7. MOMENTO LINEAR E LEIS DE NEWTON .......................................................................................... 153
3.8. ENERGIA ........................................................................................................................................ 155
3.9. ELECTROMAGNETISMO E RELATIVIDADE ....................................................................................... 158
3.10. TEORIA DA RELATIVIDADE GENERALIZADA ................................................................................. 160
3.11. PROBLEMAS RESOLVIDOS ............................................................................................................ 163
3.11.1. Probl. 3.1 – Comprimento próprio ..................................................................................... 163
3.11.2. Probl. 3.2 – Tempo próprio ................................................................................................ 164
3.11.3. Probl. 3.3 – Tempo e comprimento próprios ...................................................................... 165
3.11.4. Probl. 3.4 – Diagrama espaço-tempo, 2D .......................................................................... 166
3.11.5. Probl. 3.5 – Diagrama espaço-tempo, 3D .......................................................................... 167
3.11.6. Probl. 3.6 – Composição de velocidades, 1 ........................................................................ 168
3.11.7. Probl. 3.7 – Composição de velocidades, 2 ........................................................................ 168
3.11.8. Probl. 3.8 – Composição de velocidades, 3 ........................................................................ 170
3.11.9. Probl. 3.9 – Composição de velocidades, 4 ........................................................................ 171
3.11.10. Probl. 3.10 – Simultaneidade ............................................................................................ 172
3.11.11. Probl. 3.11 – Momento linear ........................................................................................... 173
3.11.12. Probl. 3.12 – Ec clássica / Ec relativista .......................................................................... 174
3.11.13. Probl. 3.13 – Desintegração de partículas, 1 ................................................................... 175
3.11.14. Probl. 3.14 – Desintegração de partículas, 2 ................................................................... 176
3.11.15. Probl. 3.15 – Energia de uma partícula ........................................................................... 176

v

3.11.16. Probl. 3.16 – Energia e velocidade de electrões ............................................................... 177
3.11.17. Probl. 3.17 – Conversão massa-energia, 1 ....................................................................... 177
3.11.18. Probl. 3.18 – Conversão massa-energia, 2 ....................................................................... 178
3.11.19. Probl. 3.19 – Energia cinética e tempo próprio ............................................................... 179
3.11.20. Probl. 3.20 – Velocidade e massa-energia ....................................................................... 180
3.11.21. Probl. 3.21 – Conversão massa-energia ........................................................................... 180
3.11.22. Probl. 3.22 – Massa-energia e momento linear ................................................................ 181
3.11.23. Probl. 3.23 – Energia e comprimento ............................................................................... 182
3.11.24. Probl. 3.24 – Força e aceleração ..................................................................................... 183
3.11.25. Probl. 3.25 – Efeito de Döppler, 1 .................................................................................... 185
3.11.26. Probl. 3.26 – Efeito de Döppler, 2 .................................................................................... 186
3.11.27. Probl. 3.27 – Raio gravitacional....................................................................................... 187
3.11.28. Probl. 3.28 – Equivalência entre E e B ............................................................................. 188

4. INTRODUÇÃO À FÍSICA QUÂNTICA ...................................................................................... 189
4.1. RADIAÇÃO DO CORPO NEGRO ....................................................................................................... 189
4.1.1. Corpo negro .......................................................................................................................... 189
4.1.2. Lei de Stefan .......................................................................................................................... 190
4.1.3. Lei Rayleigh-Jeans ................................................................................................................ 191
4.1.4. Lei do deslocamento de Wien ................................................................................................ 191
4.1.5. Lei de radiação de Planck .................................................................................................... 191
4.2. EFEITO FOTOELÉCTRICO ................................................................................................................ 193
4.3. ESPECTROS DOS GASES .................................................................................................................. 195
4.4. EFEITO DE COMPTON ..................................................................................................................... 197
4.5. O ÁTOMO DE HIDROGÉNIO ............................................................................................................. 201
4.6. ONDAS DE MATÉRIA ...................................................................................................................... 206
4.7. PRINCÍPIO DA INCERTEZA .............................................................................................................. 207
4.8. FUNÇÃO DE ONDA .......................................................................................................................... 208
4.9. EQUAÇÃO DE SCHRÖDINGER ......................................................................................................... 211
4.10. PRINCÍPIOS DA MECÂNICA QUÂNTICA ......................................................................................... 215
4.11. PROBLEMAS RESOLVIDOS ............................................................................................................ 217
4.11.1. Probl. 4.1 ............................................................................................................................ 217
4.11.2. Probl. 4.2 ............................................................................................................................ 218
4.11.3. Probl. 4.3 ............................................................................................................................ 218
4.11.4. Probl. 4.4 ............................................................................................................................ 220
4.11.5. Probl. 4.5 ............................................................................................................................ 221
4.11.6. Probl. 4.6 ............................................................................................................................ 222
4.11.7. Probl. 4.7 ............................................................................................................................ 223
4.11.8. Probl. 4.8 ............................................................................................................................ 224
4.11.9. Probl. 4.9 ............................................................................................................................ 224
4.11.10. Probl. 4.10 ........................................................................................................................ 225
4.11.11. Probl. 4.11 ........................................................................................................................ 225
4.11.12. Probl. 4.12 ........................................................................................................................ 226
4.11.13. Probl. 4.13 ........................................................................................................................ 227
4.11.14. Probl. 4.14 ........................................................................................................................ 228
4.11.15. Probl. 4.15 ........................................................................................................................ 228
4.11.16. Probl. 4.16 ........................................................................................................................ 229
4.11.17. Probl. 4.17 ........................................................................................................................ 230
4.11.18. Probl. 4.18 ........................................................................................................................ 230
4.11.19. Probl. 4.19 ........................................................................................................................ 231
4.11.20. Probl. 4.20 ........................................................................................................................ 231
4.11.21. Probl. 4.21 ........................................................................................................................ 232
4.11.22. Probl. 4.22 ........................................................................................................................ 233
4.11.23. Probl. 4.23 ........................................................................................................................ 233
4.11.24. Probl. 4.24 ........................................................................................................................ 234
vi
4.11.25. Probl. 4.25 ........................................................................................................................ 234
4.11.26. Probl. 4.26 ........................................................................................................................ 235
4.11.27. Probl. 4.27 ........................................................................................................................ 236
4.11.28. Probl. 4.28 ........................................................................................................................ 237

5. CONSTANTES, FORMULÁRIOS E TABELAS ......................................................................... 239
5.1. CONSTANTES MATEMÁTICAS ......................................................................................................... 239
5.2. CONSTANTES FUNDAMENTAIS DA FÍSICA ....................................................................................... 239
5.3. FORMULÁRIO DE MATEMÁTICA ..................................................................................................... 240
5.3.1. Álgebra elementar ................................................................................................................. 240
5.3.2. Logaritmos e exponenciais .................................................................................................... 240
5.3.3. Geometria ............................................................................................................................. 240
5.3.4. Limites ................................................................................................................................... 240
5.3.5. Séries ..................................................................................................................................... 241
5.3.6. Trigonometria ....................................................................................................................... 241
5.3.7. Derivadas .............................................................................................................................. 241
5.3.8. Integrais indefinidos ............................................................................................................. 242
5.4. FORMULÁRIO DE FÍSICA ................................................................................................................ 243
5.4.1. Mecânica dos sólidos ............................................................................................................ 243
5.4.2. Mecânica dos fluidos ............................................................................................................ 243
5.4.3. Electrotecnia ......................................................................................................................... 243
5.5. TABELA PERIÓDICA DE ELEMENTOS ............................................................................................... 245
5.6. TABELA DE CONVERSÃO DE UNIDADES .......................................................................................... 246
5.7. CARACTERÍSTICAS DE ALGUNS MATERIAIS .................................................................................... 248
5.8. ESCRITA DOS NÚMEROS E UNIDADES ............................................................................................. 249
5.8.1. Algarismos significativos ...................................................................................................... 249
5.8.2. Notação científica ................................................................................................................. 250
5.8.3. Arredondamentos .................................................................................................................. 250








1. MECÂNICA CLÁSSICA



Dá-se o nome de Mecânica ao ramo da Física onde se estudam os movimentos dos cor-
pos, e as forças a eles associadas. A Mecânica Clássica restringe-se a corpos com velo-
cidades significativamente inferiores à velocidade da luz no vazio e a corpos cujas
dimensões são bastante superiores às dos átomos constituintes da matéria.
É habitual considerar-se a Mecânica Clássica dividida em três áreas: A Cinemática, a
Dinâmica e a Estática.
A Cinemática trata do estudo do movimento, no sentido geométrico, sem atender às
causas que o originaram. Na Dinâmica procura relacionar-se o movimento com as for-
ças que o originaram ou que ele origina. Na Estática estuda-se o equilíbrio de forças de
modo a que não haja movimento.

1.1. Cinemática
Para descrever o movimento de um corpo utiliza-se um referencial. Referencial é um
sistema de eixos coordenados associados a um corpo rígido. O sistema de coordenadas
pode ser qualquer: cartesiano, cilíndrico, polar, etc. Os eixos podem ser ortogonais ou
não, formar um triedro directo ou não.
Ao estudar o movimento de um corpo sólido, por vezes associa-se este a uma partícula
material.
Partícula material é um corpo sólido de dimensões desprezáveis (em relação ao espaço
em que se está a estudar o movimento).
Espaço do referencial é o conjunto de pontos rigidamente ligados ao referencial.

O espaço de um referencial é tridimensional. Em determinadas aplicações poderão usar-
-se apenas espaços a duas e até mesmo uma dimensão.
No estudo dos movimentos é importante conhecer os intervalos de tempo durante os
quais os mesmos decorrem.
Tempo do referencial é a sucessão de instantes, ilimitada, marcados por um cronóme-
tro. Admite-se o tempo do referencial como sendo contínuo, com um determinado iní-
cio ( t
+
∈ℜ ).
Um acontecimento ocorre no espaço e no tempo de um referencial. Uma partícula mate-
rial é localizada num referencial pelas suas coordenadas de espaço e pela coordenada
de tempo.
Na Mecânica Clássica o tempo é o mesmo em todos os referenciais.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 2 Gustavo da Silva
Seja o referencial S associado a um sistema de coordenadas cartesianas; para uma
cula material tem-se a posição da partícula (Fig. 1.1)
( , , , ) P P x y z t = (1.1)
Mas ( ) ( ) P t O t = +r e P O = − r , donde
( ) ( ) ( ) ( ) t x t y t z t = + + r i j k (1.2)










Fig. 1.1 – Referencial e posição de uma partícula material

As equações paramétricas do ponto material em movimento são dadas pelas equações

( )
( )
( )
x x t
y y t
z z t
= ⎧

=


=

(1.3)
A trajectória (Fig. 1.1) obtém-se por eliminação do tempo t nas equações anteriores:
( , , ) 0 F x y z = (1.4)
Um referencial não tem que estar associado a coordenadas cartesianas ortogonais com
um triedro directo, pode estar a muitos outros. Indica-se a seguir um sistema muito usa-
do, o de coordenadas polares.







Fig. 1.2 – Posição de uma partícula em coordenadas polares
x
y
z
O
P
.
i
j
k
r
dr
r+dr
referencial
S trajectória
corpo sólido
do referencial
x
y
z
O
P .
ϕ
θ
r
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 3
Ao localizar um ponto material em coordenadas polares utilizam-se habitualmente as
letras r, ϕ e θ, como se indica na Fig. 1.2. As transformações de coordenadas são

sen cos
sen sen
cos
x r
y r
z r
θ ϕ
θ ϕ
θ
= ⎧

=


=

(1.5)
e suas inversas.
Para localizar um objecto em relação ao nosso planeta é usual usar-se a latitude (0º
Equador, 90º Pólo Norte), a longitude (0º meridiano de Greenwich, ±180º E/W) e a alti-
tude (0 pés significa que um avião está no solo). É um caso particular do sistema de
coordenadas polares, com r = raio da Terra + altitude, ϕ = longitude e θ = 90º- latitude).

Para se saber como é que a posição de uma partícula varia com o decorrer do tempo
introduz-se o conceito de velocidade.
Velocidade da partícula
(1)
é, por definição, a variação temporal da posição da partícula:
( )
dP d
t
dt dt
= =
r
v (1.6)
Logo, num referencial cartesiano,

( ) ( ) ( )
( )
dx t dy t dz t
t
dt dt dt
= + + v i j k (1.7)
( ) ( ) ( ) ( )
x y z
t v t v t v t = + + v i j k (1.8)
Celeridade é o módulo da velocidade. Tem-se
ds
v
dt
= , em que s representa a trajectória.
Trajectória – é o conjunto das sucessivas posições da partícula.

A equação da trajectória muda quando se muda de referencial. A velocidade é, em cada
instante, tangente à trajectória.
Partícula em repouso: P é fixo no referencial (r é constante). A sua velocidade é nula.
A partícula poderá estar em repouso num determinado referencial e não o estar num
outro referencial.
Partícula em movimento – P varia com o decorrer do tempo. Admite-se que a variação
decorre de forma contínua. Para ver como varia a velocidade de uma partícula material
introduz-se o conceito de aceleração.
Aceleração da partícula, é por definição,

2 2
2 2
d d P d
dt dt dt
= = =
v r
a (1.9)
ou
2 2 2
2 2 2
( ) ( ) ( )
( )
d x t d y t d z t
t
dt dt dt
= + + a i j k (1.10)

1
Em inglês chama-se “velocity”, designando-se por “speed” o seu módulo
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 4 Gustavo da Silva
ou ainda
( )
( ) ( )
( )
y
x z
dv t
dv t dv t
t
dt dt dt
= + + a i j k (1.11)
( ) ( ) ( ) ( )
x x x
t a t a t a t = + + a i j k (1.12)
1.2. Movimento num plano

1.2.1. Coordenadas polares
Para a partícula material em movimento é P(t). Posição: coordenadas r e θ. Vectores
unitários:
1 1
, r θ (ambos com as dimensões de um comprimento). (r
1
com a direcção e o
sentido de r, θ
1
perpendicular a r
1
, sentido directo)
1
r = r r (r é o módulo de r).

















Fig. 1.3 – Movimento num plano – coordenadas polares

Velocidade:
1
1
d dr d
r
dt dt dt
= = +
r r
v r
dr
1
é normal a r
1
, com o sentido de θ
1
e grandeza dθ :
1 1
d dθ = r θ
Logo:
1 1
dr d
r
dt dt
θ
= + v r θ (1.13)
Aceleração:
d
dt
=
v
a
2 2
1 1
1 1 1 2 2
d d d r dr dr d d d
r r
dt dt dt dt dt dt dt dt
θ θ θ
= + + + +
r θ
r θ θ
Mas
1 1
d dθ = − θ r . Logo,

2
2 2
1 1 2 2
2
d r d dr d d
r r
dt dt dt dt dt
θ θ θ
⎡ ⎤
⎡ ⎤
⎛ ⎞
= − + +
⎢ ⎥
⎜ ⎟ ⎢ ⎥
⎝ ⎠
⎢ ⎥ ⎣ ⎦
⎣ ⎦
a r θ (1.14)
θ
1
r
1

1
dr
1
r
θ

x
y
P
O
trajectória
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 5
1.2.2. Coordenadas normais
Por vezes interessa exprimir a aceleração segundo as componentes tangencial e normal
à trajectória:
= +
t n
a a a =
t n
a a + t n (1.15)
A componente tangencial da aceleração está relacionada com a variação do módulo da
velocidade, enquanto a componente normal se relaciona com a variação da direcção:

d d ds
v
dt ds dt
= = =
r r
v t (1.16)

2
2
2
d dv d ds dv d
v v
dt dt ds dt dt ds
= = + = +
r t t
a t t (1.17)












Fig. 1.4 –Movimento num plano – coordenadas normais

Considerando a circunferência coincidente com a trajectória, no ponto P (de raio ρ) veri-
fica-se que d dθ = t n e ds d ρ θ = , pelo que
1 d
ds ρ
=
t
n , e portanto

2
dv v
dt ρ
= + a t n (1.18)
Considere-se o caso em que a
n
=0. Neste caso a direcção da velocidade não varia, apenas
o seu módulo muda. Diz-se que se trata de um movimento rectilíneo. Se além disto se
tiver a
t
=0 diz-se que se tem um movimento rectilíneo uniforme.

1.2.3. Movimento circular
Neste tipo de movimento ρ é constante; chame-se-lhe r. (ver secção 1.2.1). Definindo

d
dt
θ
ω = (1.19)
vem, de (1.16) e de ds d ρ θ = ,
1
d
r
dt
θ
= v θ , ou ainda,

1
r ω = v θ (1.20)
Para a aceleração vem, a partir de (1.17)
2
2
1 1 2
d d
r r
dt dt
θ θ
⎛ ⎞
= − +
⎜ ⎟
⎝ ⎠
a r θ , ou ainda
P
t
n
a
t

a
n

a

ρ
r
O
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 6 Gustavo da Silva

2
1 1
d
r
dt
ω
ω = − + a r θ (1.21)
Muitas vezes considera-se um vector ω com a grandeza ω, dirigido segundo a normal à
trajectória, passando pelo seu centro de curvatura e com um sentido tal que um observa-
dor estendido no seu sentido vê o movimento efectuar-se da direita para a esquerda.
Nestas condições é
= × v ω r (1.22)
1.2.4. Movimento circular uniforme
Neste tipo de movimento é ω = constante, resultando pois para a velocidade uma equa-
ção igual a (1.20)

1
r ω = v θ (1.23)
E para a aceleração

2
1
r ω = − a r (1.24)
Em módulo tem-se v r ω = e
2
a r ω = .
1.3. Dinâmica de uma partícula material
Dinâmica – é o estudo do movimento, atendendo às causas que o originaram.
Força – acção mecânica que se exerce sobre uma partícula material ou sobre um siste-
ma de partículas.
A força tem um carácter vectorial e, na mecânica clássica, está associada a um espaço
tridimensional; é-lhe atribuído um sentido (segundo o conceito geométrico) e um módu-
lo.
Sobre um corpo material podem actuar vários tipos de forças: forças gravíticas, forças
electromagnéticas e forças de outro tipo como por exemplo tensões de cabos de ligação,
reacções de apoio, forças de atrito, etc.
Como se verá já a seguir, a aceleração de uma partícula está intimamente relacionada
com as forças que sobre ela se encontram aplicadas.
Considere-se uma partícula material em movimento num determinado referencial (partí-
cula que eventualmente poderá estar em repouso). Os estudos experimentais efectuados
com base no movimento dos corpos celestes, dos projécteis de artilharia e outros, con-
duziram a fundar a mecânica com base em três princípios, também conhecidos por leis
de Newton da Mecânica:

1ª lei de Newton – (princípio da inércia): Uma partícula material não submetida a forças
tem um movimento de aceleração nula, ou seja, rectilíneo e uniforme.

2ª lei de Newton – Uma partícula material sujeita a uma ou mais forças tem, em cada
instante, uma aceleração proporcional à resultante destas forças.

3ª lei de Newton – (princípio da igualdade da acção e reacção): As acções mútuas que
duas partículas materiais P
1
e P
2
exercem uma sobre a outra são
sempre representadas por duas forças iguais e directamente opostas
(acção e reacção), aplicadas respectivamente em P
1
e em P
2
.
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 7
A 2ª lei de Newton é a chamada lei fundamental da dinâmica. O coeficiente de
proporcionalidade entre a resultante das forças e a aceleração é, por definição, a massa
da partícula. É uma constante característica da partícula. A expressão analítica desta lei
é:

2
2
d P
m
dt
= F ou
( ) d m
dt
=
v
F ou ainda m = a F (1.25)
em que: F – resultante (somatório) das forças que actuam sobre a partícula,
m, v, a – massa, velocidade e aceleração da partícula.
Definem-se as seguintes quantidades:
– Momento linear da partícula material:
m = p v
(1.26)
– Quantidade de aceleração da partícula:
ma
(1.27)
– Força de inércia associada à partícula: m − a (1.28)
A 2ª lei de Newton pode assim escrever-se
0 m − = F a (1.29)
Cujo significado é o seguinte:
Para uma partícula material em movimento existe, em cada instante, um equilí-
brio entre a resultante das forças aplicadas à partícula e a sua força de inércia.
1.4. Movimentos Relativos

Nesta secção vai-se procurar exprimir, em termos do referencial S
0
(O
0
, x
0
, y
0
, z
0
), a
velocidade de uma partícula material; a velocidade da partícula é conhecida no referen-
cial S(O, x, y, z), do qual se conhece a lei de movimento em relação a S
0
.

















Fig. 1.5 –Movimentos relativos

x
0

y
0

z
0

O
0

P
i
j
k
x
y
z
O
r
r
0

ρ
.
S
0

S
0
j
0
k
0
i
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 8 Gustavo da Silva
1.4.1. Posição da partícula
r
0
= ρ + r ou r
0
= ρ + x y z + + i j k ou r
0
= ρ +
xyz
x

i (1.30)
1.4.2. Velocidade da partícula

0
v =
0
r` =
xyz xyz
d dx
x
dt dt
+ +
∑ ∑
i
ρ i ` (1.31)



Mas i . i = 1 j . j = 1 k . k = 1 (produto interno dos versores por si próprios); logo,
derivando as relações anteriores pode escrever-se
0
d
dt
⋅ =
i
i 0
d
dt
⋅ =
j
j 0
d
dt
⋅ =
k
k
e portanto
d
dt
i
existe no plano (j, k): Faça-se
z y
d
dt
ω ω = −
i
j k
d
dt
j
existe no plano (k, i): Faça-se
x z
d
dt
ω ω = −
j
k i
d
dt
k
existe no plano (i, j): Faça-se
y x
d
dt
ω ω = −
k
i j
Estas relações simplificam-se se for introduzido o vector
ω = ω
x
i + ω
y
j + ω
z
k, (1.32)
ficando
d
dt
i
= ω × i
d
dt
j
= ω × j
d
dt
k
= ω × k
A expressão da velocidade fica assim

0
v =
xyz
dx
dt
+ × +

ρ ω r i `
Como o último termo representa a velocidade relativa da partícula em S, fica finalmente

0
v =
r
+ × + ρ ω r v ` (1.33)



Fazendo
t
= + × v ρ ω r ` (designada por velocidade de transporte), obtém-se o teorema
da composição das velocidades:

0
v = v
t
+ v
r
(1.34)

No caso particular em que o ponto P = O + r está fixo no referencial S, a sua velocida-
de no referencial S
0
é dada por

0
= + × v ρ ω r ` (1.35)
Translação de S
em relação a S
0

Rotação de S
em relação a S
0
Velocidade de P
no referencial S
Translação de S
em relação a S
0

Rotação de S
em relação a S
0
Velocidade de P
no referencial S
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 9
Considerem-se agora dois pontos P
1
e P
2
em movimento no referencial S. Será
P
1
= O + r
01
= O + ρ + r
1

P
2
= O + r
02
= O + ρ + r
2

Os pontos P
1
e P
2
definem um vector b(t) tal que b = P
2
– P
1
= r
02
- r
01
= r
2
– r
1

A velocidade destes pontos exprime-se por
v
01
= ρ + ω × r
1
+ v
r1

v
02
= ρ + ω × r
2
+ v
r2

donde v
02
- v
01
= ω × (r
2
- r
1
) + v
r2
- v
r1


ou
0
1 2 2 1
2 1
( )
( )
S S
dP dP d
dt dt dt

⎛ ⎞ ⎛ ⎞
− = × − +
⎜ ⎟ ⎜ ⎟
⎝ ⎠ ⎝ ⎠
r r
ω r r ou ainda
0
S S
d d
dt dt
⎛ ⎞ ⎛ ⎞
= × +
⎜ ⎟ ⎜ ⎟
⎝ ⎠ ⎝ ⎠
b b
ω b
A operação de derivação de um vector em S
0
equivale à aplicação do operador

S
d
dt
⎛ ⎞
+ ×
⎜ ⎟
⎝ ⎠
ω (1.36)
1.4.3. Aceleração da partícula

Viu-se, (1.33), que
0
= + × +
r
v ρ ω r v ` . Vai calcular-se a aceleração em S
0
derivando v
0
:
0
0
d
dt
=
v
a = ( )
d d
dt dt
+ × +
r
v
ρ ω r `
Mas ( )
d
dt
+ × ρ ω r ` = + ρ ω×r +ω×r `` ` ` e
r r
r
S
d d
dt dt
⎛ ⎞
= × +
⎜ ⎟
⎝ ⎠
v v
ω v pelo que fica
a
0
= + ρ ω×r +ω×r `` ` ` +
r
r
S
d
dt
⎛ ⎞
× +
⎜ ⎟
⎝ ⎠
v
ω v
a
0
= +
r
ρ ω×r +ω×(ω×r + v ) `` ` +
r
S
d
dt
⎛ ⎞
× +
⎜ ⎟
⎝ ⎠
r
v
ω v
a
0
= ) + ρ ω×r +ω×(ω×r `` ` +2
r
S
d
dt
⎛ ⎞
× +
⎜ ⎟
⎝ ⎠
r
v
ω v (1.37)

A aceleração da partícula material no referencial S
0
consta de 3 componentes principais
(teorema da composição das acelerações):
a
0
= a
t
+ a
c
+ a
r

a
t
= ) + + ρ ω×r ω×(ω×r `` ` aceleração de transporte
a
c
= 2 ω × v
r
aceleração complementar ou aceleração de Coríolis
a
r
=
r
S
d
dt
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
v
aceleração relativa (é o valor da aceleração no referencial S)
.
.
a
t
a
c
a
r

Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 10 Gustavo da Silva

1.4.4. A 2ª lei de Newton
No referencial S
0
: f = m a
0

Pela composição das acelerações vem, substituindo a
0
: f = m (a
t
+ a
r
+ a
c
)
Definindo: f
t
= - m a
t
força de inércia de transporte e
f
c
= - m a
c
força de inércia complementar
vem f = m a
r
- f
t
– f
c
ou seja f + f
t
+ f
c
= m a
r


Definindo f
r
= f + f
t
+ f
c
fica
f
r
= m a
r

A lei de Newton fica com a mesma forma que no referencial S
0
.

1.4.5. Relatividade de Galileu
Quais as condições para que o movimento da partícula em S seja regido por uma equa-
ção análoga à do movimento em S
0
, com o mesmo valor da força?
Observando as equações anteriores conclui-se que f
t
e f
c
deverão ser nulas em qualquer
instante.
f
c
= - m a
c
= - 2m ω × v
r
= 0 ⇒ ω = 0 (o referencial S descreve um movimento de
translação em relação a S
0
)
f
t
= - m a
t
= - m (ρ + ω × r + ω × ω × r ) = 0 ∧ ω = 0 ⇒ ρ = 0
(o referencial S descreve um movimento de translação uniforme em relação a S
0
)
Os referenciais que se encontram em movimento rectilíneo e uniforme uns em relação
aos outros designam-se por referenciais de inércia.
Princípio da relatividade de Galileu:
A equação fundamental da dinâmica conserva a mesma forma,
com o mesmo valor da força, em todos os referenciais de inércia.

1.4.6. Transformação de Galileu
Chama-se transformação de Galileu à expressão que representa a transformação de
coordenadas entre dois referenciais de inércia.
Considerando o caso simplista em que nos dois referenciais de inércia S e S’ os eixos
dos xx são colineares, (um referencial encontra-se em movimento em relação ao outro,
com velocidade constante), como se mostra na Fig. 1.6.
Da figura conclui-se que
′ = − v v u
Logo v v u ′ = −
Ou seja, se as origens dos referenciais coincidirem em t = 0
t ′ = − r r u
.. . ..
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 11











Fig. 1.6 –Transformação de Galileu

e portanto

x x ut
y y
z z
t t
′ = − ⎧

′ =


′ =


′ =

(1.38)

A última equação, t’ = t, não é obtida da figura anterior, mas constitui uma hipótese da
Física Clássica: o tempo é igual em todos os referenciais.
1.5. Trabalho e Energia
1.5.1. Trabalho
Num referencial qualquer considere-se uma força F, variável ou não, constantemente
aplicada a uma partícula material em movimento.








Fig. 1.7 –Definição de trabalho elementar

Designando por dr o deslocamento efectuado pela partícula durante o intervalo de tem-
po infinitesimal dt, define-se trabalho elementar efectuado pela força F, pelo produto
interno
. dW d = F r (1.39)
Designando por F a resultante das forças que actuam sobre a partícula, num determina-
do referencial S
0
, a 2ª lei de Newton permite escrever
dr
F
r
O
P
u x
y
z
O
S
x’

z’

S’
r
r’
P
u.t
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 12 Gustavo da Silva
2
2
d
m
dt
=
r
F
Substituindo na equação anterior vem
2 2
2 2
1
( )
2
d d d d d
dW m d m dt m dt m dt
dt dt dt dt dt
= ⋅ = ⋅ = ⋅ = ⋅
r r r v
r v v v →
2
1
( )
2
d
dW mv dt
dt
=

1.5.2. Energia cinética
Dá-se o nome de energia cinética da partícula, no instante t, ao escalar

2
1
2
c
E mv = (1.40)
Integrando a última equação da secção anterior entre dois instantes t
1
e t
2
obtém-se

2
1
2 2
12 2 1
1 1
2 2
t
t
dW W mv mv = = −

(1.41)
Esta equação exprime o teorema da força viva:

Num referencial S
0
, o trabalho efectuado pela resultante das forças
aplicadas a uma partícula material, durante o intervalo de tempo t
2
-t
1
,
é igual à variação da sua energia cinética.

1.5.3. Impulso de uma força
Considere-se uma força F a actuar sobre um corpo durante um intervalo de tempo ele-
mentar dt. Define-se impulso dessa força, dI, pelo produto da força pelo tempo dt
durante o qual ela actua:
d dt = I F (1.42)
O conceito de impulso assume uma importância particular quando se trata de forças de
grande intensidade a actuar durante um tempo muito curto, durante o qual não se conhe-
ce exactamente a evolução da força com o tempo. É no entanto possível medir o seu
efeito, por exemplo medindo a variação de velocidade que sofre o corpo sujeito a essa
força.

1.5.4. Campo gravítico
Diz-se que numa região do espaço existe um campo de forças sempre que a presença de
uma partícula material permite detectar a existência de uma força a exercer-se sobre ela.
A grandeza ou intensidade do campo é expressa pela força que se exerce sobre uma
partícula de massa unitária.
Num campo de forças será F=F(x,y,z,t).
Considerem-se dois pontos P
1
e P
2
num campo de forças e calcule-se o trabalho realiza-
do pelo campo para transportar uma partícula material desde P
1
até P
2
:


Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 13









Fig. 1.8 – Trabalho realizado de P
1
a P
2

1 2
1 2
PP
W d

= ⋅

F r
De um modo geral o valor deste integral depende da trajectória seguida, pelo que esta
deverá ser tomada em conta.
Acontece porém que em muitos casos de importância prática este trabalho (realizado
pelo campo) é independente da trajectória seguida. Diz-se então que se está em presença
de um campo conservativo (ou que se trata de forças conservativas).

1.5.5. Potencial e energia potencial
No caso de um campo ser conservativo (a força por unidade de massa é aqui representa-
da por F) será
´ ´
A B
s s
d d ⋅ = ⋅
∫ ∫
F r F r
ou ainda
0 d ⋅ =

F r

Mas o teorema de Stokes diz que a circulação de um vector ao longo de um circuito
fechado, com início e fim no mesmo ponto, é igual ao fluxo do seu rotacional através de
qualquer superfície que se apoie nesse contorno. Assim, a relação anterior implica que
rot 0 = F
pelo que se pode considerar
gradV = − F (1.43)
Note-se que rot(grad ) 0 X ≡ , qualquer que seja X. O sinal – é introduzido por conve-
niência, para se obter a equação (1.45) com a forma com que aparece adiante.
À grandeza V=V(x,y,z,t), escalar, dá-se o nome de potencial gravítico ou potencial.
À grandeza

p
E m V = (1.44)
dá-se o nome de energia potencial. Atendendo a (1.43) é costume dizer-se que num
campo conservativo a força deriva de um potencial.
´
A
s
´
B
s
P
1

P
2


F
dr
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 14 Gustavo da Silva
1.5.6. Conservação da energia
Para um campo conservativo o trabalho realizado pelo campo para transportar uma par-
tícula material desde P
1
até P
2
será assim independente da trajectória e dado por
2 2 2 2
1 1 1 1
1 2 1 2
grad
P P P P
P P P P
V V V
W d V d dx dy dz dV V V
x y z

⎛ ⎞ ∂ ∂ ∂
= ⋅ = − ⋅ = − + + = − = −
⎜ ⎟
∂ ∂ ∂
⎝ ⎠
∫ ∫ ∫ ∫
F r r
Considerando as forças a actuar sobre a massa m, e atendendo a (1.41) fica
2 2
1 2 2 1
1 1
2 2
mV mV mv mv − = − Æ
2 2
1 1 2 2
1 1
2 2
mV mv mV mv + = +
ou ainda,

1 1 2 2
p c p c t
E E E E E + = + = (1.45)
À grandeza E
t
, soma da energia potencial da partícula com a sua energia cinética cha-
ma-se energia total da partícula material.
A equação anterior exprime o princípio da conservação da energia mecânica:

Num campo conservativo a energia total mantém-se constante.



1.5.7. Atracção universal
As partículas materiais interactuam entre si: neste momento interessa-nos a chamada
interacção gravitacional. Este fenómeno, observado e estudado de há longa data, é
também conhecido como lei da atracção universal e também como lei da atracção de
Newton. É ele o responsável pelo peso dos corpos, pela estabilidade do sistema solar,
pelo equilíbrio no movimento dos satélites nas órbitas, e por uma imensidão de fenóme-
nos do dia a dia.
Considerando apenas duas partículas materiais, de massas m
1
e m
2
, esta lei afirma o
seguinte:
A matéria atrai matéria na razão directa das massas
e na razão inversa do quadrado das distâncias.

Esta lei representa-se assim pela expressão

1 2
2
mm
F G
r
= (1.46)
em que F representa o módulo da força de atracção entre as partículas, r a distância
entre os seus centros de massas e G é designada constante de atracção universal:
G = 6,673×10
-11
Nm
2
kg
-2
.





Fig. 1.9 – Lei da Atracção Universal
m
1
m
2
F -F
r
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 15
Devido ao princípio da acção e reacção esta força manifesta-se aplicada a cada uma das
partículas e é dirigida para a outra partícula, como se indica na Fig. 1.9.
O campo gravítico originado num ponto P(r) por uma partícula material de massa m,
situada na origem do referencial, será dado por

1 2 m
Gm
r
= − F r (1.47)
em que r
1
é o vector unitário dirigido da origem para a partícula. Note-se que esta equa-
ção se obtém da anterior fazendo m
2
= 1, uma vez que o campo se detecta pela força que
se exerce sobre a partícula de massa unitária.
Ao trabalho realizado pelo campo para transportar uma partícula de massa unitária des-
de o infinito até à posição corrente, à distância r da origem, dá-se o nome de potencial
gravítico associado à partícula m.
Será então
2
.
r
r r
m
Gm Gm
V d dr
r r
∞ ∞

⎡ ⎤
= = − =
⎢ ⎥
⎣ ⎦
∫ ∫
F r , pelo que fica

Gm
V
r
= (1.48)
1.5.8. Movimentos com atrito
Quando sobre um corpo é aplicada uma força F, paralela à superfície de apoio, e este
não se move, conclui-se que sobre ele actua uma força, simétrica de F, que traduz a
reacção tangencial da superfície de apoio sobre o corpo, R
t
, e que se opõe ao movimen-
to deste. A reacção tangencial das superfícies em contacto designa-se por força de atrito, F
a
.







Fig. 1.10 –Força de atrito estático

1.5.8.1. Força de atrito estático
A força mínima, que é necessário aplicar a um corpo para que este fique na iminência
de entrar em movimento tem intensidade igual ao valor máximo da reacção tangencial
da superfície de apoio, R
t
.
Este valor máximo da reacção tangencial designa-se por força de atrito estático, F
ae
.
São as seguintes as características da força de atrito estático:
• A intensidade da força de atrito estático é independente da área das superfícies em
contacto.
• A intensidade da força de atrito estático é directamente proporcional à intensidade da
reacção normal, R
n
, e depende da natureza dos materiais em contacto
F
R
t
P
R
n
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 16 Gustavo da Silva

ae e n
F R μ = (1.49)
onde μ
e
, se designa por coeficiente de atrito estático; este coeficiente depende apenas da
natureza dos materiais em contacto.
1.5.8.2. Força de atrito cinético
Supondo que a intensidade da força vai aumentando progressivamente, de forma contí-
nua, a partir do instante em que o corpo passa do estado de repouso ao estado de movi-
mento, a intensidade da força, F, a que deve estar submetido para que se mova com
velocidade constante, é menor do que a intensidade da força aplicada para o retirar do
repouso. Conclui-se, então, que a intensidade da força de atrito que se manifesta com o
corpo em movimento, e que se designa por força de atrito cinético, F
ac
, é inferior à
intensidade da força de atrito estático.
São as seguintes as características da força de atrito cinético:
• A intensidade da força de atrito cinético é independente da área das superfícies em
contacto.
• A intensidade da força de atrito cinético é, para velocidades moderadas, independen-
te do valor da velocidade do corpo.
• A intensidade da força de atrito cinético é directamente proporcional à reacção nor-
mal.
ac c n
F R μ =
onde μ
c
é chamado coeficiente de atrito cinético; este depende apenas da natureza dos
materiais em contacto.

1.5.9. Momento angular de uma partícula material
1.5.9.1. Definição
Num determinado referencial considere-se um ponto fixo, O, e uma partícula material
de massa m, animada de uma velocidade v. Define-se momento angular dessa partícula
em relação ao ponto O pela expressão
= ∧ l r p (1.50)
em que r é o vector de posição da partícula e p o seu momento linear, p = mv.







Fig. 1.11 – Momento angular de uma partícula material

O
r
,
p
,
,
/
θ
m
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 17
Repare-se que r
,
, p
,
,
,
/ formam um triedro directo. Da definição tira-se
sen r p θ = / (1.51)
A sua norma é dada pelo produto das normas de r e p e do seno do ângulo formado
pelos vectores r e p.
1.5.9.2. Partícula em movimento rectilíneo
No caso em que a partícula material descreve uma trajectória rectilínea com velocidade
constante, que não passa por O, o momento angular é independente da posição da partí-
cula na sua trajectória [ver Fig. 1.12 e expressão (1.51)].







Fig. 1.12 – Momento angular de uma partícula material em movimento rectilíneo

1.5.9.3. Partícula em movimento circular
Neste caso v é perpendicular a r, pelo que fica apenas
mrv = /
Como = × v ω r o vector velocidade angular é perpendicular ao plano de rotação. O
momento angular toma o aspecto
2
mr ω =
,
,
/
O momento angular é pois um vector perpendicular ao plano da trajectória.






Fig. 1.13 – Momento angular de uma partícula material em movimento circular

Definindo a grandeza escalar, designada por momento de inércia da partícula,

2
I mr = (1.52)
pode escrever-se
Iω =
,
,
/ (1.53)
O
r
,
r senθ
θ
r
,

p
,
,
/
r
,
ω
,
v
,
90º
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 18 Gustavo da Silva
Esta equação é formalmente análoga à que representa a 2ª lei de Newton, F ma =
,
,
. O
momento de inércia de uma partícula em movimento de rotação exprime a oposição que
esta apresenta em modificar o seu estado de movimento angular.

1.5.9.4. Variação do momento angular de uma partícula
Considere-se o caso geral, em que uma partícula de massa m descreve uma trajectória
variável, e calcule-se a variação do seu momento de inércia em relação a um ponto fixo
do referencial. Será
( )
d d
r p
dt dt
= ∧
,
/ , ,
=
dr dp
p r
dt dt
∧ + ∧
, ,
, ,

Como
dr
v
dt
=
,
,
tem-se 0
dr
p
dt
∧ =
,
,
, pelo que fica
d dp
r
dt dt
= ∧
,
,
/ ,
. Mas, da 2ª lei de Newton
dp
F
dt
=
,
,
, pelo que se obtém
d
r F
dt
= ∧
,
,
/ ,
. Notando que r F ∧
,
,
representa o momento da
força F em relação ao ponto O, que se representará por N, pode escrever-se

d
N
dt
=
,
,
/
(1.54)
Esta equação traduz a lei da variação do momento angular de uma partícula material:
Em relação a um determinado ponto, o momento da força que actua sobre a
partícula é igual à variação do seu momento angular em ordem ao tempo.
1.5.9.5. Momento de um binário
Dá-se o nome de binário a um sistema constituído por duas forças simétricas com linhas
de acção paralelas.
Como as forças têm direcções paralelas e são simétricas, a soma dos momentos de cada
uma das forças é igual ao momento de uma das forças em relação a um ponto contido na
linha de acção da outra força:
M r F = ∧
, ,
,
(1.55)
Chamando b (braço do binário) à distância entre as linhas de acção das duas forças, vem
M b F = (1.56)










Fig. 1.14 – Momento de um binário
b
r
,
α
F
,
F −
,
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 19
1.6. Dinâmica dos Sistemas
1.6.1. Movimento do centro de inércia
Considere-se um conjunto discreto de N partículas materiais, P
i
. Num determinado refe-
rencial a posição da partícula Pi é definida pelo vector r
i
. As distâncias entre as partícu-
las podem variar com o decorrer do tempo; não se trata necessariamente um sistema
rígido.
Designe-se por m
i
a massa da partícula Pi. A massa é um escalar cujo valor é indepen-
dente do referencial escolhido.








Fig. 1.15 – Sistema de partículas materiais

A todo o instante cada partícula está sujeita a um conjunto de forças. Para a partícula i,
as forças que sobre ela actuam são:
1
N
ij
j=

f – soma das forças devidas às outras partículas. São forças interiores ao sistema. A
força que uma partícula exerce sobre si própria, f
ii
é nula;
e
i
f – resultante das forças exteriores que actuam sobre a partícula i.
De acordo com a 2ª lei de Newton, a equação do movimento da partícula i é dada por
( )
e i
i i j i
j
d d
m
dt dt
= +

r
f f (1.57)
Somando ambos os membros desta equação para todas as partículas do sistema vem

2
2
1 , 1
( )
N N N
e
i i i j i
i i j i
d
m
dt
= =
= +
∑ ∑ ∑
r f f (1.58)
Pela 3ª lei de Newton (princípio da acção e reacção), f
ij
+ f
ji
= 0. Por este motivo, o 1º
termo do 2º membro de (1.58) é nulo. O 2º termo do 2º membro representa a resultante
das forças exteriores ao sistema, que sobre ele actuam; Designe-se esta resultante por F
e
.
Define-se centro de inércia
(2)
do sistema de partículas materiais pela expressão

2
Também designado por centro de massas, centro de gravidade ou baricentro.
i j
k
x
y
z
O
P
i

.
.
.
.
.
.
.
r
i
r
j

R
°
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 20 Gustavo da Silva

1
1
N
i i
i
N
i
i
m
m
=
=
=


r
R (1.59)
O somatório do denominador representa a massa do sistema de partículas:
1
N
i
i
M m
=
=

.
A velocidade do centro de inércia é dada por

1
1
N
i i
i
d
m
dt M
=
= =

R
V v (1.60)
A aceleração do centro de inércia é dada por

2 2
2 2
1 1 1
1 1 1
N N N
i i
i i i i
i i i
d d d d
m m m
dt dt M dt M dt M
= = =
= = = = =
∑ ∑ ∑
r v V R
A a (1.61)
Combinando a equação (1.61) com a equação (1.58) resulta

2
2
e
d
M
dt
=
R
F (1.62)
No caso de se tratar de um corpo sólido contínuo, ao elemento de volume dV, de massa
volúmica ρ, corresponde a massa elementar dm, definindo-se o centro de inércia por

V V V
V V
dm dV dV
M
dm dV
ρ ρ
ρ
= = =
∫ ∫ ∫
∫ ∫
r r r
R (1.63)
A equação (1.62), perfeitamente análoga à que exprime o movimento de uma partícula
material, exprime o teorema do movimento do centro de inércia:

O centro de inércia de um sistema move-se como se fosse uma partícula material
de massa M submetida à acção da resultante das forças exteriores aplicadas.

Repare-se que este resultado é válido quer o sistema de partículas se encontre rigida-
mente ligado ou não, como acontece, neste último caso com as moléculas de um gás.

Sempre que F
e
= 0 (resultante das forças exteriores sobre o sistema nula) a equação
(1.62) fica

te
d
M
dt
=
R
C (1.64)
ou seja, o centro de inércia descreve um movimento rectilíneo e uniforme.

1.6.2. Teorema do momento linear
Considere-se de novo a equação (1.57) e defina-se momento linear da partícula i pela
expressão
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 21

i
i i i i
d
m m
dt
= =
r
p r` (1.65)
Obtém-se assim

e
i i j i
j
= +

p f f ` (1.66)
Somando a equação acima para todas as partículas, introduzindo o vector momento
linear do sistema, definido pela soma dos momentos lineares de cada partícula,

1
N
i
i=
=

P p (para sistemas de partículas) (1.67)
ou
V V V
d dm dV ρ = = =
∫ ∫ ∫
P p r r ` `
(para corpos contínuos) (1.68)
e tecendo para as forças as mesmas considerações que anteriormente, obtém-se o
Teorema do momento linear, ou 1º teorema geral da dinâmica:

e
d
dt
=
P
F (1.69)
A variação no tempo do momento linear de um sistema de partículas materiais
é igual à resultante das forças exteriores aplicadas ao sistema de partículas.

Sempre que F
e
= 0 o momento linear fica constante durante o movimento. É o chamado
Teorema da conservação do momento linear:

O momento linear de um sistema de partículas permanece constante sempre que
a resultante das forças exteriores aplicadas é nula.

1.6.3. Colisões entre partículas e explosões
Uma colisão entre duas partículas é uma interacção breve
(3)
entre elas. Se durante esta
interacção não existirem forças exteriores a actuar sobre as partículas que colidem, o
momento linear mantém-se constante. No entanto a sua energia cinética poderá variar,
consoante o tipo de colisão, que pode ser classificada em colisão elástica ou colisão
inelástica.
1.6.3.1. Colisão elástica
Neste tipo de colisão, além de haver conservação do momento linear, há conservação da
energia cinética do sistema de partículas.
Designando por p
1
e p
2
o momento linear do sistema antes e depois da colisão, e por E
c1

e E
c2
as respectivas energias cinéticas, será

1 2
= p p (1.70)

1 2 c c
E E = (1.71)

3
Comparativamente com o intervalo de tempo durante o qual se efectua a observação.
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 22 Gustavo da Silva
1.6.3.2. Colisão inelástica
Neste tipo de colisão, há conservação do momento linear, mas não há conservação da
energia cinética.

1 2
= p p (1.72)

1 2 c c
E E ≠ (1.73)
Se após a colisão as partículas ficarem juntas, a colisão diz-se perfeitamente inelástica.
1.6.3.3. Explosões
No caso em que um corpo sólido explode, o momento linear do corpo é igual ao
momento linear do sistema constituído pelos fragmentos. Não há conservação da ener-
gia cinética.

1.6.4. Teorema do momento angular
Considere-se a equação (1.66) e faça-se o produto vectorial por
i
r de ambos os mem-
bros da equação:
1
N
e
i i i i j i i
j=
× = × + ×

r p r f r f `
O primeiro membro pode transformar-se, atendendo a que
( )
i i i i i i
d
dt
× = × + × r p r p r p ` `

e que o último termo do 2º membro é nulo. Fica então

1
( )
N
e
i i i i j i i
j
d
dt
=
× = × + ×

r p r f r f (1.74)
O vector
i i
× r p é o momento angular da partícula i em relação ao ponto O.
O vector
e
i i
× r f é o momento da força f
i
em relação ao ponto O.

Somando a equação (1.74) para todas as partículas do sistema obtém-se

1 , 1 1
( )
N N N
e
i i i i j i i
i i j i
d
dt
= = =
× = × + ×
∑ ∑ ∑
r p r f r f (1.75)
Como aconteceu anteriormente, o 1º termo do 2º membro é nulo. Faça-se

1
N
i i
i =
= ×

L r p e
1
( )
N
e e
i i
i =
= ×

N r f (1.76)
O vector L representa o momento angular do sistema de partículas em relação ao ponto O.
O vector N
e
representa o momento das forças exteriores em relação ao ponto O.
(Para corpos contínuos será
V
d = ×

L r p e
e
V
d = ×

e
N r f ). Deste modo pode
escrever-se
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Gustavo da Silva Pág. 23

e
d
dt
=
L
N (1.77)
que exprime o teorema do momento angular, ou 2º teorema geral da dinâmica:
A variação no tempo do momento angular de um sistema de partículas
materiais em relação a um ponto é igual ao momento resultante das forças
exteriores aplicadas ao sistema de partículas, em relação ao mesmo ponto.

Sempre que N
e
= 0 o momento angular fica constante durante o movimento. Obtém-se
assim o
teorema da conservação do momento angular:
O momento angular de um sistema de partículas em relação a um ponto
permanece constante sempre que o momento resultante das forças exterio-
res aplicadas, em relação ao mesmo ponto for nulo.

1.6.5. Energia de rotação
Imagine-se um conjunto discreto de N partículas rigidamente ligadas, em movimento de
rotação. Para simplificar admita-se que a rotação se efectua em torno de um eixo fixo
coincidente com o eixo de coordenadas z, como se indica na figura.









Fig. 1.16 – Rotação de partículas rigidamente ligadas

A energia cinética da partícula i é dada por

2
1
2
i
R i i
E mv = (1.78)
A energia cinética do conjunto de todas as partículas será obtida somando a equação
anterior para todas as partículas, ou seja

2
1 1
1
2
i
N N
R R i i
i i
E E mv
= =
= =
∑ ∑
(1.79)
Como
i i
v r ω = , e a velocidade angular é igual para todas as partículas (uma vez que
estas se encontram rigidamente ligadas), a expressão anterior pode escrever-se

2
1
2
R
E Iω = (1.80)
com I dado por
r
i

v
i

θ
i

x
y
• m
i
Tópicos de Física – Mecânica Clássica
Pág. 24 Gustavo da Silva

2
1
N
i i
i
I mr
=
=

(1.81)
A I dá-se o nome de momento de inércia do conjunto de N partículas em relação ao
eixo Oz,.
No caso de se tratar de um corpo rígido contínuo, a energia cinética da massa elementar
dm será
2
1
2
R
dE v dm = . O momento de inércia tem a expressão
2
V
I r dm =

, ou ainda

2
V
I r dV ρ =

(1.82)
e a energia cinética de rotação continua a ser dada pela expressão (1.80).

1.7. Apêndice
Correspondência entre algumas grandezas associadas aos movimentos de translação
e de rotação.

Movimento de translação Movimento de rotação
x – posição θ – ângulo
v – velocidade linear ω – velocidade angular
a – aceleração linear α – aceleração angular
2
0 0
1
2
x x v t at = + +
2
0 0
1
2
t t θ θ ω α = + +
0
v v at = +
0
t ω ω α = +
2
1
2
c
E mv =
2
1
2
c
E Iω =
p mv =
, ,

L Iω =
,
,

dp
F ma
dt
= =
,
,
,

dL
N I
dt
α = =
,
,
,



Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 25
1.8. Problemas resolvidos

1.8.1. Probl. 1. 1 – Movimento rectilíneo
Considere um objecto pontual que se move segundo uma linha recta com o seguinte grá-
fico de velocidade (referencial S):









a) Faça uma representação gráfica da aceleração do objecto. Indique sobre os gráfi-
cos os valores das acelerações obtidas e quantifique para os seguintes valores de
t
i
em segundos:
t
0
t
1
t
2
t
3
t
4

0 10 40 110 120
b) Obtenha a posição do objecto, x(t), e represente-a graficamente (x = 0 para t = 0).
c) Qual o máximo afastamento que o objecto teve da origem e quando é que se deu?
Resolução:
a) Trata-se do movimento de uma partícula num espaço a 1 dimensão. Designando a
coordenada de espaço por x, será:
velocidade da partícula Æ
dx
dt
= v i , ou v = v i , com
dx
v
dt
=
e a aceleração Æ
2
2
d d x
dt dt
= =
v
a i , ou a = a i , com
2
2
dv d x
a
dt dt
= =
A representação gráfica da aceleração da partícula será a representação gráfica da
derivada da velocidade:










b) Como
dx
v
dt
= , será ( ) ( )
te
x t v t dt C = +

, ou de outro modo,
0
( ) ( )
t
t
x t v d τ τ =

, em que
v(t
0
)=0 é um dado do problema.
t
0
t
1
t
2
t
3
t
4
t /s
v(t)
m/s
30


0
-5
t
0
t
1
t
2
t
3
t
4
t /s
a(t)
/ m/s
2

3.0



0.5
0.0
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 26 Gustavo da Silva
Pode organizar-se a seguinte tabela:

Caso tempo Velocidade
(*)
(m/s) Aceleração (m/s
2
) Posição
(**)
(m)
1
1
0 t t < ≤ ( ) 3 v t t =
a(t) = 3
2
( ) 1, 5 x t t =
2
1 2
t t t < ≤ ( ) 30 v t =
a(t) = 0
( ) 150 30 x t t = − +
3
2 3
t t t < ≤ ( ) 50 0, 5 v t t = −
a(t) = –0,5
2
( ) 550 50 0, 25 x t t t = − + −
4
3 4
t t t < ≤ ( ) 60 0, 5 v t t = − +
a(t) = +0,5
2
( ) 5500 60 0, 25 x t t t = − +

(*) Obtida a partir da figura dada, em que v(t) = at+b.
(**) A posição é obtida por intervalos, para os diferentes casos:
1 –
2 2
0 0
( ) 3 1, 5 1, 5
t t
x t d t τ τ τ ⎡ ⎤ = = =
⎣ ⎦ ∫
. Para t = 10 s será x(10) = 150 m.
2 – [ ]
10
10
( ) 150 30 150 30 150 30( 10) 150 30
t
t
x t d t t τ τ = + = + = + − = − +


Para t = 40 s será x(40) = 1050 m.
3 –
2 2
40 40
( ) 1050 (50 0, 5 ) 1050 50 0, 25 550 50 0, 25
t t
x t d t t τ τ τ τ ⎡ ⎤ = + − = + − = − + −
⎣ ⎦ ∫
.
Para t = 110 s será x(110) = 1925 m.
4 –
2 2
110 110
( ) 1925 ( 60 0, 5 ) 1925 60 0, 25 5500 60 0, 25
t t
x t d t t τ τ τ τ ⎡ ⎤ = + − + = + − + = − +
⎣ ⎦ ∫
.
Para t = 120 s será x(120) = 1900 m.

Graficamente

O máximo afastamento dá-se quando v = 0. Isto passa-se quando
2 3
t t t < < , em que
( ) 50 0, 5 v t t = − . Igualando v(t) a zero, 50 0, 5 0 t − = obtém-se t
m
=100 s. Substituindo
este valor de t na expressão da posição vem (100) 1950m x =

x(t)
/ m
t/ s
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 27
1.8.2. Probl. 1. 2 – Movimento circular
A informação de um CD (disco compacto) é armazenada em sequências de cavas e pla-
nos sobre a sua superfície. A informação é armazenada digitalmente e as alternâncias
entre as cavas e os planos são detectadas por um sistema óptico constituído por um laser
e lentes, e representam os valores binários zero ou um. O comprimento de cada sequên-
cia de zeros ou uns é sempre o mesmo, independentemente de se encontrarem mais ou
menos para o interior do disco e a leitura faz-se com uma velocidade linear constante,
de 1.3 m/s. O disco roda no sentido inverso. A espira mais interior de todas tem um
diâmetro de 46 mm e a mais exterior 116 mm. Nestas condições calcule:
a) A velocidade de leitura em km/h.
b) A velocidade angular do disco quando a cabeça de leitura se encontra na espira
mais interior, em rad/s e em rpm.
c) Idem, para a espira mais exterior.
d) O comprimento lido pela cabeça de leitura num CD de 74 minutos.
e) A distância média entre espiras consecutivas e o seu número.
f) O número de rotações que dá o disco durante os 74 minutos.

Resolução:

a) Não há mais do que converter a informação que é dada em m/s em km/h:
v = 1,3 m/s =1,3×10
-3
×3600 km/h = 4,68 km/h.

b) v r ω = Æ
3
1.3
56, 52rad/s
23 10
v
r
ω

= = =
×

56.52
60rpm 539, 74rpm
2
ω
π
= × =

c) Para a espira mais exterior r = 58 mm Æ
3
1.3
22, 41rad/s 214,00 rpm
58 10
ω

= = =
×


d) Como a velocidade linear é constante pode fazer-se simplesmente
vt = / Æ 1, 3 74 60m 5772m 5, 772km = × × = = /

e) Na realidade a gravação realiza-se segundo uma espiral de Arquimedes, r a b θ = +
Para θ = 0 é
1
r r = , e para θ = 2πn é
2
r r = , logo,
1
b r = e
2 1
2
r r
a
n π

= Æ
2 1
1
2
r r
r r
n
θ
π

= +
O arco percorrido no intervalo de tempo infinitesimal é dado por ds rdθ = , e
2
0
n
ds
π
=

/ , pelo que
2
0
n
ds
π
=

/ Æ
2
0
n
rd
π
θ =

/ Æ
2
2 1
1
0
2
n
r r
r d
n
π
θ θ
π
− ⎛ ⎞
+ =
⎜ ⎟
⎝ ⎠

/ Æ
2
2
2 1
1
0
2 2
n
r r
r
n
π
θ
θ
π
⎡ ⎤ −
+ =
⎢ ⎥
⎣ ⎦
/ , donde se obtém n = 22683 espiras. O valor de d obtém-se
por:
2 1
r r
d
n

= = 1,54 μm.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 28 Gustavo da Silva
Considere-se outra abordagem, em que o arco de espiral descrito em cada rotação é
aproximado por uma circunferência. Faça-se a seguinte tabela:

Nº da rotação Raio da espira Perímetro da espira
1 r
1
2π r
1

2 r
1
+d 2π (r
1
+d)
3 r
1
+2d 2π (r
1
+2d)
... ... ...
n (última) r
1
+(n-1)d 2π (r
1
+(n-1)d)

A soma de todos os perímetros será igual ao comprimento total / = 5772 m:

2π r
1
+ 2π (r
1
+d) + 2π (r
1
+2d) + ... + 2π (r
1
+(n-1)d) = /

n×2π r
1
+ 2πd(1+2+3+...+n-1) = / Æ n×2π r
1
+ 2πd×
1
2
n
n

× =/ .
O perímetro da última espira é conhecido: 2π(r
1
+(n-1)d) = 2π r
2
= 2π×0,058.

Fica-se assim com o sistema de equações
2π(r
1
+(n-1)d) = 2π r
2
= 2π×r
2

n×2π r
1
+ 2πd×
1
2
n
n

× =/
Substituindo valores numéricos
2π× (0,023 +(n-1)d) = 2π×0,058
n×2π×0,023 + 2πd×
1
2
n
n

× = 5772
que resolvido conduz a
n = 22683 espiras
d = 1,543 μm

f) O número de rotações efectuado é igual ao número de espiras obtido acima:
n = 22683 rot.


Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 29
1.8.3. Probl. 1. 3 – Movimentos relativos
Considere os referenciais S
0
e S representados na pág. 7. Seja P um ponto coincidente
de S, ou seja, um ponto rigidamente ligado a S. Prove que entre a velocidade de P
expressa em S
0
, v
0
, e o vector rotação instantânea de S, ω, existe a relação
0
1
rot
2
= ω v
Resolução:
x y z
ω ω ω = + + ω i j k e
0 r
= + × + v ρ ω r v `
Como v
r
= 0 por P ser um ponto fixo em S, fica apenas
0
= + × v ρ ω r ` , ou ainda
0 x y z
x y z
ω ω ω = +
i j k
v ρ` . Será pois
( )
( )
( )
x x y z
y y z x
z z x y
v z y
v x z
v y x
ρ ω ω
ρ ω ω
ρ ω ω
⎧ = + −

= + −


= + −

`
`
`

Calcule-se rot

v
0

0
rot
x y z
x y z
v v v
∂ ∂ ∂
=
∂ ∂ ∂
i j k
v =
y y
z x z x
v v
v v v v
y dz z dx x dy
∂ ∂
⎛ ⎞ ⎛ ⎞ ∂ ∂ ∂ ∂
⎛ ⎞
− + − + −
⎜ ⎟ ⎜ ⎟ ⎜ ⎟
∂ ∂ ∂
⎝ ⎠
⎝ ⎠ ⎝ ⎠
i j k
As derivadas parciais podem ser calculadas pois v
x
, v
y
e v
z
são conhecidas, ficando
assim

0
rot ( ) ( ) ( )
x x y y z z
ω ω ω ω ω ω = + + + + + v i j k , ou finalmente
0
rot 2 = v ω.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 30 Gustavo da Silva
1.8.4. Probl. 1. 4 – Movimentos relativos
Um comboio desloca-se numa linha de caminho de ferro rectilínea, com uma velocidade
uniforme de 140 km/h. Paralela à linha há uma estrada, onde um automóvel A se deslo-
ca no mesmo sentido que o comboio, a 130 km/h, e um automóvel B se desloca em sen-
tido contrário, a 85 km/h. A linha cruza, na perpendicular uma 2ª estrada (por um viadu-
to), onde um automóvel C se desloca a 90 km/h, para a direita. Nestas condições deter-
mine, no referencial do comboio, as velocidades dos automóveis A, B e C.
Para a resolução deste problema deverá escrever a lei de composição de velocidades
(movimentos relativos), identificar todas as suas componentes e indicar quais as que se
anulam.

Resolução:










S
0
– referencial em terra
S – referencial no comboio
u
0
– velocidade do comboio em S0
v
OA
, v
OB
, v
OC
– velocidades dos automóveis A, B e C em S
0
.

Lei da composição de velocidades:
0 r
v = ρ +ω×r + v `
Como ω = 0, porque não há rotação de S em relação a S
0
e =
0
ρ u ` , fica apenas
0 r
v = ρ+ v ` Æ −
r 0 0
v = v u em que v
r
é a velocidade no referencial S.
Particularizando para os valores do problema:
140 (km/h) =
0 0
u i 130 (km/h) =
OA 0
v i 85 (km/h) = −
OB 0
v i 90 (km/h) = −
OC 0
v j
Donde
130 140 (km/h) 10 (km/h) = − = −
rA 0 0 0
v i i i (visto do comboio o automóvel A anda para
trás, muito devagar)
85 140 (km/h) 225 (km/h) = − − = −
rB 0 0 0
v i i i (visto do comboio o automóvel B anda
para trás, a grande velocidade)
90 140 (km/h) 140 90 (km/h) = − − =− −
rC 0 0 0 0
v j i i j (visto do comboio o automóvel
B anda para trás, e para a direita, em diagonal)

S
0

v
0A
S
v
0B
v
0C
u
0

O
0

O
y
x
y
0

x
0

A
B
C
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 31
1.8.5. Probl. 1. 5 – Movimento de um projéctil
Um foguete meteorológico de 6 kg é lançado na vertical, como indicado
na figura. A força de propulsão é constante e igual a 200 N, até se esgo-
tar o combustível, o que acontece ao fim de 5 segundos. Calcule:
a) A que altitude é que se esgota o combustível, supondo que a massa
total do foguete se mantém constante (despreze a resistência do ar).
b) Qual a altura máxima que o foguete atinge.
c) Se a massa do foguete fosse de 2 kg, ao esgotar-se o combustível que
velocidade teria o foguete?

Resolução:
a) As forças que actuam sobre o foguete são o próprio
peso e a força
de propulsão F. Pela 2ª lei de Newton, a aceleração que
o corpo adquire é proporcional à resultante das forças
que sobre ele actuam: m = + a P F. Estas forças têm
apenas componente segundo uma direcção, pelo que
F P
a
m

= =
-2
200 6 9, 80
ms
6
− ×
= 23,53 ms
-2
.
Pela lei do movimento
2
0 0
1
2
y y v t at = + + .
Considerando a cota do ponto de lançamento como zero, e uma vez que o foguete
parte do repouso, fica
2
1/ 2 y at = . Esgotando-se o combustível ao fim de 5 segundos
obtém-se a altura máxima y
1
= 294,1 m.

b) A partir da cota y
1
a força que actua sobre o foguete é apenas resultante do seu peso.
A altura máxima, y
m
, é atingida quando v = 0. A lei de a velocidade diz que
1
v v gt = − . O valor de v
1
pode ser determinado com os valores de a):
1
5s v a = × =
23, 53 5 117, 65m/ s × = . Æ t = 12,00 s.
Cálculo de y
m
:
2
1 1
1
2
y y v t gt = + − . Logo
2
1
294,1 117, 65 12, 00 9,80 12, 00
2
m
y = + × − × m = 1000,3 m.
c) Admita-se que o combustível é consumido de forma proporcional ao tempo. A massa
do foguete seguirá a equação
0
m m t α = − . Para t = 0 m = 6 kg, para t = 5 s m = 2 kg
Æ m
0
= 6 e α = 0,8 ms
-2
. A cada instante, durante a primeira fase, a aceleração não
será constante mas vai aumentando:
-2
200 6 9, 80
ms
6 0, 8
a
t
− ×
=

. Ao esgotar-se o combustível a velocidade do foguete será
5
1
0
( ) v a d τ τ =

= =
5
0
141, 2
6 0,8

τ −

= [ ]
5
0
141, 2
ln(6 0,8 )
0,8
t −

= 160,659 m/s (> 117,65).

y
x
P
F
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 32 Gustavo da Silva
1.8.6. Probl. 1. 6 - Queda de um grave
Um rapaz encontra-se junto ao mar, no topo de uma falésia, a atirar pedras para a água e
a medir o tempo que as mesmas demoram a cair (perigo: não é permitido atirar pedras
do alto das falésias!).
a) Num primeiro lançamento uma pedra foi atirada horizontalmente e demorou t
1

segundos a atingir a água. Qual a altura da falésia (despreze a resistência do ar). Par-
ticularize para t
1
=3,80 s.
b) Num segundo lançamento a pedra foi atirada com uma inclinação de 45º para cima e
demorou t
2
segundos a atingir a água. De quanto é que a pedra se elevou acima da
falésia e a que distância da vertical do rapaz é que caiu? Particularize para t
2
= 4,90 s.
c) Determine os valores da energia cinética, potencial e total da pedra, suposta de 0,25 kg:
1) Imediatamente após o lançamento. 2) No ponto de altura máxima. 3) Ao atingir o mar.
Resolução:
Em primeiro lugar estabelece-se um referencial, com o respectivo sistema de eixos.
Escolheu-se o sistema de eixos (xOy), ortogonal (que não é um sistema directo).
a) A pedra, de massa m, sujeita à força F, adquire uma aceleração a tal que F = ma. No
caso da queda do grave o valor de a é igual a g, aceleração da gravidade.
Decompõe-se o problema bidimensional em dois problemas independentes a uma
dimensão:

Movimento segundo y:
a
y
=g e
y
y
dv
a
dt
=
Velocidade:
0
t
y y
v a dτ =

=
0
t
gdτ


Æ
y
v gt =
Espaço percorrido:
0
t
y
y v dt =

=
0
t
g d τ τ


Æ
2
1
2
y gt =





Altura da falésia:
2
1
9,80 3, 80 m
2
H = × × = 70,76 m
Movimento segundo x:
0
0
t
x v dt =

= v
0
t. Não se pode adiantar mais porque não se conhece v
0
.

x
y
H
v
0

L
F
m
x
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 33

b) A pedra primeiro sobe, passa por uma altura máxima e depois cai ao mar, como se
mostra na figura seguinte:
Movimento na vertical:
Aceleração: g
Velocidade:
0
0
( )
t
y
v t v gdτ = − +


0 y
v gt − +
Posição:
0
( ) ( )
t
y t v d τ τ =

=
0
0
( )
t
y
v g d τ τ − +


2
0
1
( )
2
y
y t v t gt = − +
Mas sabe-se que para t = t
2
é
y(t) =H, logo
2
0 2 2
1
2
y
H v t gt = − +
e portanto
2
2
0
2
0.5
y
g t H
v
t
× × −
= .
Substituindo valores:
2
0
0.5 9, 8 4, 90 70, 76
4, 90
y
v
× × −
= = 9,569 m/s.
A altura máxima ocorre quando a componente vertical de v(t) se anula Æ
0
0
y
v gt − + = Æ t
m
= 0,976 s. Substituindo este valor de t na expressão de y(t)
obtém-se H
m
= –4,66 m. Repare-se no significado do sinal menos.
Como a velocidade inicial, de lançamento, é a 45º, as suas componentes em x e y são
iguais, ou seja,
0 0
9, 569 m/s
x y
v v = = . O espaço percorrido na horizontal é
0
0
( )
t
x
x t v dτ =

=
0x
v t . Para t=t
2
é x(t) = L, donde
0 2 x
L v t = = 9,569×4,9 m = 46,89 m.
c) Vão ser utilizadas as expressões
2
1
2
c
E mv = , Ep mgh = e
t c p
E E E = + . Para obter v
para o caso 3 é preciso v
y
:
0
( )
y y
v t v gt = − + = 9, 569 9, 80 4, 90 − + × m/s = 38,45 m/s.

Caso Æ 1. Após o lançamento 2. Na altura máxima 3. Ao cair no mar
v 2 2
0 0 x y
v v + = 13,53 m/s
0x
v = 9,569 m/s
2 2
x y
v v + = 39,62 m/s
E
c
22,89 J 11,45 J 196,32 J
h 70,76 m 75,42 m 0 m
E
p
173,36 J 184,78 J 0 J
E
t
196,25 J 196,23 J 196,22 J
Observa-se o facto já conhecido da conservação da energia mecânica total.
x
y
H
v
0x

v
0y

v
0

L
Altura máxima
x
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 34 Gustavo da Silva
1.8.7. Probl. 1. 7 – Movimento de um projéctil
1. Um jogador de ténis encontra-se a 12,7 m da rede quando faz o lançamento da bola.
Sabendo que esta é lançada de um ponto a 56 cm do solo, segundo um ângulo de 3,5º
acima da horizontal, pergunta-se
a) Qual a velocidade de lançamento da bola, se, atirando o mais longe possível, não
quiser ultrapassar a marcação do campo adversário. Será que a bola passa sobre a
rede?
b) Qual a energia cinética da bola na posição de altura máxima?
Considere a bola esférica com 4 cm de raio e 70 g de massa.






Resolução:
Escolha do referencial: eixos coordenados indicados na figura.
a) Equações do movimento:
0 ox
x x v t = +

2
0 0
1
2
y
y y v t gt = + −
Com
0
cos
ox
v v α = ,
0
sen
oy
v v α = . Logo,

0 0
cos x x v t α = +

2
0 0
1
sen
2
y y v t gt α = + −
Eliminando t nas equações anteriores obtém-se a equação da trajectória:
2
0
0 0 2 2
0
( )
tan ( )
2 cos
g x x
y y x x
v
α
α

− = − −
Sabe-se que x
0
= 0, y
0
= 0,56 m e α = 3,5º.
Vai determinar-se v
0
obrigando a que y = 0 quando x = 12,7+11,9 m = 24,6 m.
Resolvendo a última equação em ordem a v
0
obtém-se v
0
= 37,959 m/s.
Será que a bola passa sobre a rede?
A condição exigida é que para x = 12,7 m deverá ser y > 0,92+0,04 m = 0.96 m.
Usando a equação da trajectória obtém-se
2
2 2
9,80 12, 7
0, 56 tan3, 5º 12, 7
2 37, 959 cos 3, 5º
y
×
= + × −
× ×
= 0,79 m, que é inferior a 0,96 m.
Logo, com as condições dadas a bola não pode passar por coma da rede.

b) Na altura máxima a velocidade apenas tem componente segundo x: v = v
0
cosα =
37,888 m/s.
A energia cinética da bola é dada por
2
1
2
c
E mv = Æ
2
1
0.70 37,888
2
c
E = × J = 50,24 J

12,7 m
11,9 m 11,9 m
0,92 m
3,5º
v
0

56 cm
x
y
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 35
1.8.8. Probl. 1. 8 - Movimento de um projéctil
Um projéctil é lançado do canhão de um navio de modo a alcançar um outro navio que
se encontra escondido atrás de uma ilha com 90 m de altura.












O canhão encontra-se a 25 m acima do nível do mar, a 820 m da vertical do topo da
ilha, e o alvo é um navio semelhante, que está a 100 m para o lado oposto. Sabendo que
a velocidade de disparo é de 190 m/s, calcule, desprezando a resistência do ar:
a) O melhor ângulo de fogo, em relação à horizontal, necessário para atingir o navio.
b) O tempo que o mesmo levou, até atingir o alvo.
c) A altura, h
M
, que o projéctil atingiu.
d) A distância, na vertical, a que o projéctil passou do cimo da ilha.

Resolução:
Primeiramente escolhe-se um referencial, com o respectivo sistema de eixos. Escolheu-
se o sistema de eixos (xOy), ortogonal, com origem no local do disparo.
a) O projéctil, de massa m, sujeito à força F, adquire uma aceleração a tal que F = ma.
No caso do projéctil o valor de a é igual a -g, aceleração da gravidade e só existe na
direcção vertical. Repare-se no sinal menos, devido à posição relativa do eixo dos yy
e da aceleração g.
Decompõe-se o problema bidimensional em dois problemas independentes a uma
dimensão.

Movimento segundo y:
Aceleração: a
y
= –g Æ
y
y
dv
a
dt
= Æ Velocidade:
y y
v a dt C = +

= – g dt C +

Æ
y
v gt C = − +
O valor da constante obtém-se a partir do conhecimento da condição inicial: para t =
0 é
0 y y
v v = Æ
0 y
C v = . Logo, será
0 y y
v v gt = −
Espaço percorrido na vertical:
y
y v dt C = +

=
0
( )
y
v gt dt C − +

Æ
2
0
1
2
y
y v t gt C = − +
H
=
9
0

m

L
1
=820 m
h
M
L
2
=100 m
v
0
v
0x

v
0y

x
y
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 36 Gustavo da Silva
De novo o valor da constante é obtido sabendo que para t = 0 é y = 0, Æ C = 0,
resultando assim
2
0
1
2
y
y v t gt = − .
Movimento segundo x:
Aceleração: a
x
= 0 Æ
x
x
dv
a
dt
= Æ Velocidade:
x x
v a dt C = +

Æ
0 x x
v C v = =
Espaço percorrido na horizontal:
x
x v dt C = +

=
0x
v dt C +

Æ
0x
x v t C = + Æ
0x
x v t = .
As componentes da velocidade inicial podem escrever-se
0 0
cos
x
v v α = e
0 0
sen
y
v v α = em que v
0
é conhecido (depende do tipo de projéctil e da sua carga).
Tem-se pois
0
2
0
(cos )
1
(sen )
2
x v t
y v t gt
α
α
=



= −



Sabe-se que para x = L
1
+L
2
(920 m) deverá ser y = 0 m (o alvo, sendo um navio
igual, encontra-se 25 m acoma do nível do mar). Substituindo estes valores no siste-
ma de equações anterior e eliminando t vem
2
0 1 2
1
sen cos ( )
2
v g L L α α = + Æ
1 2
2
0
( )
sen(2 )
g L L
v
α
+
= ,
2
9, 8 920
sen(2 )
190
α
×
= Æ 7, 231º α = ou 82, 769º α = .
Vai verificar-se se o ângulo mais pequeno satisfaz. Qualquer dos ângulos deverá ser
maior do que o resultante de uma linha recta dirigida ao topo da ilha, se estivesse a
meia distância. Este critério daria
min
1
25
=arctg( )
0, 5
H
L
α

Æ
min
=8, 79º α .
Portanto o menor ângulo não satisfaz.
b) O tempo que o projéctil demora a atingir o alvo obtém-se a partir da equação do
movimento vertical fazendo y = 0, Æ
2
0
1
(sen ) 0
2
v t gt α − = Æ t = 0 (solução trivial)
ou t = 38.467 s.
c) A altura máxima obtém-se quando v
y
= 0, ou seja
0
sen 0 v gt α − = Æ t = 19,234 s.
Substituindo este valor de t na equação de y(t) e somando 25 m resulta h
M
= 1837,7 m.
d) Calcula-se primeiro o tempo que o projéctil demora a chegar à vertical da ilha (a par-
tir da equação do movimento em x):
1
1
0
cos
L
t
v α
= Æ
1
820
s
190 cos(82, 769)
t =
×
Æ
1
34, 288s t = .
Substitui-se este tempo na equação do movimento em y, resultando h
1
= 702.14 m.
Como em relação ao sistema de eixos a ilha tem só 65 m, conclui-se que o projéctil
passa, na vertical, a 637 m do topo da ilha.
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 37
1.8.9. Probl. 1. 9 – Energia cinética e potencial
Em relação ao problema anterior, calcular a energia cinética e a energia potencial do
projéctil, sabendo que este tem a massa de 1.2 kg:
a) À saída do canhão.
b) Na posição correspondente à altura máxima da trajectória.
c) Na vertical da ilha.
d) Ao atingir o mar (entretanto alvo tinha-se deslocado).

Resolução:
a) No problema anterior torna-se necessário saber v
o
. A partir da alínea c) pode escre-
ver-se
0
/ sen v gt α = =9, 80 19, 234/ sen82, 769 × = 190,0 m/s. A energia cinética é
calculada por
2
1
2
c
E mv = , ou seja,
2
1
1, 2 190
2
c
E = × × J = 21.660 J = 21,66 kJ.
A energia potencial é dada por
p
E mgh = . Substituindo valores: 1, 2 9, 80 25
p
E = × ×
m = 294 J.
b) Na posição correspondente à altura máxima da trajectória é
0
cos v v α = (v
y
= 0) e
portanto 190, 0 cos82, 769 v = × m/s = 23,915 m/s. A energia cinética correspondente
será
2
1
1, 2 23, 915
2
c
E = × × J = 343 J.
A energia potencial tem o valor 1, 2 9, 80 1837, 7
p
E = × × J = 21611 J.
c) É preciso calcular a velocidade na vertical da ilha:
2 2 2
x y
v v v = + . A componente v
x
é
igual à da alínea anterior, pois mantém-se constante durante o movimento. Para v
y

será
0
sen
y
v v gt α = − , em que t é obtido por
1 0
cos L v t α = . Logo
820
190, 0 sen82, 769
190 cos82, 769
y
v g = × − ×
×
Æ v
y
= -147,53 m/s. Tem-se pois
2 2 2
23,915 147, 53 v = + = 22337 m
2
/s
2
(v =149,45 m/s). A energia cinética é de
13.402 J.
A energia potencial pode obter-se a partir da conservação da energia mecânica. Note-
se que nas alíneas a) e b) se tem E
c
+E
p
= 21954 J. Portanto, aqui será E
p
= 21954 –
13402 = 8552 J.
d) Para a resolução desta alínea, vamos usar também a conservação da energia mecâni-
ca. Ao atingir o mar é E
p
= 0 J, pelo que fica E
c
= E
t
- E
p
= 21954 - 0 = 21954 J

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 38 Gustavo da Silva
1.8.10. Probl. 1. 10 – Movimento circular uniforme
Um satélite move-se em torno da Terra, executando uma órbita circular. Determine a
relação entre a sua velocidade linear e a altitude a que se encontra. Determine a que dis-
tância é que a sua órbita é geostacionária.

Resolução:
O satélite encontra-se em equilíbrio na órbita quando a força de atracção da Terra equi-
libra a força centrífuga.
Força de atracção:
2 2
( )
g
Mm Mm
F G G
r R h
= =
+
. m representa a massa do satélite e h a sua
altitude.
Força centrífuga:
2 2
c
v v
F m m
r R h
= =
+
.
Igualando as duas expressões (notar que estas forças têm sentidos opostos. A resultante
anula-se quando os módulos são iguais):
g r
F F = ⇒
2
2
( )
Mm v
G m
R h R h
=
+ +

GM
v
R h
=
+

A órbita será geo-estacionária se
2 2
( ) ( ) ( )
86164
v R h R h R h
T
π π
ω = + = + = +
Combinando com a equação anterior obtém-se
2
2
( )
86164
GM
R h
R h
π
⎡ ⎤
+ =
⎢ ⎥
+
⎣ ⎦

2
3
2
86164
4
GM
h R
π
×
= −
donde
11 24 2
6
3
2
6, 673 10 5, 98 10 86164
6, 37 10
4
h
π

× × × ×
= − × , ou seja h = 35 660 km

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 39
1.8.11. Probl. 1. 11 – Movimento circular uniforme
A curva de uma estrada foi projectada com “relevé”, como indicado na figura.







a) Obtenha a expressão que relaciona o ângulo do “relevé” com o raio de curvatura da
estrada e com a velocidade do automóvel, de modo a que este não seja solicitado
para dentro ou para fora da estrada.
b) Faça uma aplicação numérica para v = 90 km/h e R = 80 m.

Resolução:
a) Considere-se o automóvel como uma partícula material de massa m, à distância R do
centro da circunferência que define o “relevé”. Desprezam-se as forças de atrito.
As forças que actuam sobre o automóvel, para efeitos do problema são
- O peso,
- A reacção normal à superfície.
A resultante das forças que,
em cada instante, actuam
sobre as partículas é
Fr = P + Rn
Como a trajectória é descrita
num plano horizontal vai uti-
lizar-se o referencial com
eixos (x,y) tal como indicado
na figura.
Por outro lado a aceleração
que o corpo adquire é radial
e dada por
2
v
a
R
=
Pela 2ª lei de Newton será então, para as componentes segundo x e y:
2
sen
cos
n
n
v
R m
R
R mg
θ
θ

= ⎪


=


Dividindo a 1ª equação pela 2ª vem
2
arctan
v
gR
θ =
θ
x
y
R
n
R
n
P
R
n
θ
//
R
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 40 Gustavo da Silva
b)
2
(90 1000/ 3600)
arctan
9,8 80
θ
×
=
×
= 38,56º

1.8.12. Probl. 1. 12 – Movimento circular uniforme
Uma estação espacial é constituída por uma roda com 130 m de diâmetro.
a) Qual deverá ser a sua velocidade de rotação para se obter uma gravidade artifi-
cial de 0.33 g?
b) Qual a velocidade linear de um tripulante que se encontre na estação (no refe-
rencial desta)?

Resolução:












a) A força de inércia, resultante do movimento de rotação da nave é dada em módulo
por
2
i
f m R ω =
Quer-se que esta força de inércia provoque uma reacção normal sobre o “chão” da
nave igual a
0, 33
n
R mg =
Igualando as duas equações obtém-se
0, 33
g
R
ω = ×
Valores numéricos:
9,8
0, 33
65
ω = ± × = ± 0,223 rad/seg = 2,13 rpm

b) v R ω = Æ v = 0,223×65 m/s = 14,50 m/s = 52 km/h
f
i

R
n
ω
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 41
1.8.13. Probl. 1. 13 – Movimentos relativos
Um motor eléctrico, de induzido bobinado, com o eixo vertical, roda à velocidade
nominal uniforme de 3000 rpm. As espiras mais exteriores do induzido estão à distância
de 8 cm do eixo, têm o comprimento de 18 cm e são de fio de cobre de 2,5 mm
2
de sec-
ção. Nestas condições,
a) Identifique, a partir das variações no tempo dos versores i, j, k de S, a direcção do
vector ω. Relacione ω com a variação da posição angular θ do rotor, em S
0
.
b) Determine a velocidade linear do ponto médio da espira indicada (módulo e sentido).
c) Determine a aceleração linear do mesmo ponto (módulo e sentido).
d) Calcule a força de inércia associada a meia espira ( = 18 cm, à distância r = 8 cm do
eixo). Qual o seu módulo e sentido? O que é que faz com que a espira não se afaste
ou aproxime do rotor?
e) A força de inércia acima calculada tem o mesmo valor nos referenciais S
0
e S? Justi-
fique.
(Obs. na resolução deste problema, e como aplicação, deverão utilizar-se os teoremas de
composição de velocidades e de acelerações dos movimentos relativos, considerando o
referencial S
0
o do estator e o referencial S o do rotor, com z
0
≡z. Deverá ser feita a reso-
lução algébrica e só a seguir efectuar a aplicação numérica).

Resolução:
A figura representa uma secção recta do motor. A circunferência a traço interrompido
representa o percurso da espira mais exterior.


















S
.
S
0
y
y
0

t
r
1

O
x
x
0

v
i
j
di
dj dv
ω
θ

r
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 42 Gustavo da Silva
Da figura conclui-se que no referencial S
0
(em S os versores i, j, k, não variam) é
0
d d
d d
d
θ
θ
= +


= −


=

i j
j i
k

Pelo que será
d d
dt dt
θ
= +
i
j
d d
dt dt
θ
= −
j
i 0
d
dt
=
k

Da teoria
z y
x z
y x
d
dt
d
dt
d
dt
ω ω
ω ω
ω ω

= −



= −



= −


i
j k
j
k i
k
i j
pelo que, comparando,
e 0
0 e
0 e 0
z y
x z
y x
d
dt
d
dt
θ
ω ω
θ
ω ω
ω ω

= =



= =


= = ⎪



Logo, como
x y z
ω ω ω = + + ω i j k , fica apenas
z
ω ω ω = = = ω k k k .
Como
d
dt
θ
ω = vem
d
dt
θ
= ω k

Aplicação numérica:
3000 2
3000rpm rad/s 314rad/s
60
π
ω
× ×
= = =

b) Teorema da composição das velocidades:
0 r
= + × + v ρ ω r v `
v
r
= 0 porque a espira se encontra fixa no referencial S do rotor,
0 = ρ` porque as origens dos referenciais, O
0
e O, são coincidentes a todo o momento.
Fica apenas
0
= × v ω r
Mas como ω e r são perpendiculares, pode escrever-se
0
r ω = × v t
em que t representa o vector unitário tangente à trajectória, no sentido do movimento
(ver figura anterior)
Em módulo é apenas
0
v r ω = . Estas relações já tinham sido obtidas, ao estudar-se o
movimento circular.
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 43
Aplicação numérica:
0
314 0, 08m/s 25,12m/s v r ω = = × =

c) Teorema da composição das acelerações:
0
( ) 2
r r
= + × + × × + × + a ρ ω r ω ω r ω v v `` ` `
a
t
a
c
a
r

a
r
= 0 porque 0
r
= v` (v
r
é constantemente nula),
a
c
= 0 porque v
r
= 0,
0 = ρ `` porque as origens dos referenciais, O
0
e O, são coincidentes a todo o momento.
Subsiste
0
( ) = × × a ω ω r . Mas
0
× = ω r v , pelo que fica
0 0
= × a ω v .
Como ω⊥v
0
conclui-se, pela regra do produto externo, que a
0
é dirigido segundo r,
para o centro:
2
0 1
r ω = − a r
ou em módulo
2
0
a r ω = .
Aplicação numérica:
( )
2
2 2 2
0
314 0, 08m/s 7887, 68m/s a r ω = = × =

d) Força de inércia associada a meia espira:
2
0 0 1
m r ω = − = f a r , em que m é a massa da
meia espira,
m S ρ = / (ρ é a massa volúmica da espira, o comprimento e S a secção)
Aplicação numérica:
2 6
0
8900 2, 5 10 0,18 7887, 68 N 31,59 N f m r ω

= = × × × × =

e) A força de inércia não é igual nos dois referenciais porque estes não se encontram em
movimento de translação uniforme um em relação ao outro.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 44 Gustavo da Silva
1.8.14. Probl. 1. 14 – Mov. circ. unif. – Satélites GPS
Para a determinação da posição através do sistema GPS utilizam-se 24 satélites
“NAVSTAR” em volta da Terra, à distância de 10 900 milhas náuticas da superfície.
Cada satélite tem a massa de 1900 libras.
a) Calcule a velocidade de rotação de cada satélite.
b) Qual a energia cinética de cada satélite?
c) Qual o número máximo de satélites que se conseguem observar a partir da superfície
da Terra, supondo que se encontram todos na mesma órbita (não é o caso: há 6 órbi-
tas diferentes com 4 satélites em cada uma).

Resolução:
a) Velocidade de rotação
O satélite está sujeito a duas forças:
1. Força de atracção gravítica,
2
T
g
mM
F G
r
=
2. Força de inércia,
2
a
F m r ω =
G – constante de atracção universal,
6,673×10
-11
N m
-2
kg
2
,
m – massa do satélite, 1900 lb,
M
T
– massa da Terra, 5,98×10
24
kg,
r – distância entre os centros de massas,
ω – velocidade angular do satélite.

A órbita mantém-se estável se
a g
F F = . Substituindo os seus valores, dados acima,
vem
2
T
mM
G
r
=
2
m r ω Æ
3
T
GM
r
ω = . Notando que
T
r R h = + , em que R
T
= raio da
Terra = 6.37×10
6
m e h = altura do satélite, fica
3
( )
T
T
GM
R h
ω =
+
.
Substituindo valores numéricos (1 milha náutica internacional =1852 m):
11 24
6 3
6.673 10 5.98 10
(6.37 10 10900 1852)
ω

× × ×
=
× + ×
rad/s Æ ω = 1,4596×10
-4
rad/s = 2,0072 rot./dia.
O período de rotação do satélite é T = 11 H 57 m 36 s.

b) Energia cinética:
2
1
2
c
E mv = . Como v r ω = vem
2 2
1
2
c
E m r ω = e 1 lb = 453.59 g, vem,
4 2 2
1
(1900 0, 45359) (1, 4596 10 ) (6370000 10900 1, 852)
2
c
E

= × × × × × + × J = 6,47 MJ
(Qual a velocidade linear do satélite?)

R
T

h
r
v
F
g

F
a

Terra
m
M
T

satélite
órbita
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 45
c) Satélites observáveis: A distância angular entre satélites, supostos na mesma
órbita, seria
2
24
π
α = rad = 0,262 rad. O campo de visão à superfície da Terra corres-
ponde ao ângulo 2β tal que cos
T
R
r
β = . Substituindo valores numéricos obtém-se
cos 0, 23986 β = Æ β = 1,3286 rad. O ângulo de visão é pois de 2,657 rad, que daria
para ver 10 ou 11 satélites em simultâneo. É no entanto necessário cobrir toda a
superfície esférica em volta da Terra, e não apenas uma circunferência, motivo pelo
qual há 6 órbitas distintas.
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 46 Gustavo da Silva
1.8.15. Probl. 1. 15 – Força e trabalho
Uma sonda interplanetária tem a massa de 72 kg e é atraída (apenas) pelo Sol.
a) Represente a força de atracção do Sol entre as órbitas da Terra e de Marte.
b) Calcule o trabalho necessário para fazer a sonda mudar de posição, desde a órbita
terrestre até à órbita de Marte.

Resolução:
Admite-se que as órbitas são cir-
cunferências. No desenho ao lado
estas estão aproximadamente à
escala. O diâmetro do Sol não se
encontra à escala, uma vez que é
cerca de 200 vezes inferior ao da
órbita da Terra.

a) A força de atracção do Sol
segue a lei da atracção univer-
sal pelo que é dirigida do saté-
lite para o Sol. O seu módulo é
dado por
2
Mm
F G
r
=
b) A energia necessária para
transportar a sonda desde a
órbita terrestre até à órbita de
Marte será dada por
2
1
2
R
R
Mm
E G dr
r
=


Este trabalho é independente da posição em que o satélite será colocado na órbita,
desde que se ignorem as forças de atracção da Terra e de Marte (porquê?).
Resolvendo a expressão anterior vem:
2
1
R
R
Mm
E G
r
⎡ ⎤
= −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
1 2
1 1
GMm
R R
⎛ ⎞

⎜ ⎟
⎝ ⎠

Aplicação numérica:
G = 6,673×10
-11
Nm
-2
kg
-2

R
1
= 1,496×10
11
m
R
2
= 2,28×10
11
m
M = 1,991×10
30
kg
m = 72 kg
-11 30
11 11
1 1
6,673 10 1,991 10 72
1,496 10 2, 28 10
E
⎛ ⎞
= × × × × × −
⎜ ⎟
× ×
⎝ ⎠
J = 220×10
8
J = 22 GJ

R
2

r
F
Terra
m
satélite
Marte
sol
R
1
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 47
1.8.16. Probl. 1. 16 – Força e energia
Uma nave espacial, com a massa de 6400 kg, procura percorrer a distância entre duas
estações espaciais no mínimo de tempo. As estações encontram-se a 8 000 000 km,
fixas uma em relação à outra. A nave, sendo tripulada, não pode exceder a aceleração de
2.5 g. Devido a limitações com o aquecimento dos propulsores, estes só podem estar
ligados à potência nominal durante o máximo de 1 h, devendo a seguir trabalhar a 1/10
da potência (a que corresponde uma aceleração de 0.25 g). Nestas condições calcule:
a) A força desenvolvida pelos propulsores durante a 1ª hora.
b) A energia cinética que a nave adquire ao fim de 1 hora.
c) O tempo mínimo que leva a percorrer a distância entre as estações e a velocidade a
que chega.
d) Se quiser chegar ao destino com velocidade nula e só puder desacelerar com -0,25g,
quando é que deve inverter os propulsores e qual o tempo total da viagem?

Resolução:
Esquematicamente tem-se:





a) F ma = a = 2,5 g Æ 2, 5 F mg = Æ 2, 5 6400 9,8N F = × × = 156 800 N = 16 T
b) É necessário saber-se a velocidade ao fim de uma hora:
0
v v at = + , v
0
= 0, a = 2,5g = 24,5 m/s
2
, t = 1 h = 3600 s Æ v
1
= 88 200 m/s = 317
520 km/h
2
1
2
c
E mv = =
2
0, 5 6400 (88200) × × J =
13
2, 489 10 × J
c) O espaço total é percorrido durante a 1ª hora com aceleração 2,5g (e
1
) e durante o
resto do tempo com aceleração 0,25g (e
2
).
2
1 0 0 1
1
2
e e v t a t = + + , e
0
= 0, v
0
= 0, a
1
= 2,5g = 24,5 m/s
2
, t = 1 h = 3600 s Æ e
1
= 158
760 000 m
2
2 1 1 2
1
2
e e v t a t = + + , e
1
e v
1
calculados acima, a
1
= 0,25g = 2,45 m/s
2
. Como e
2
= L
AB

vem
2
1 2 1
1
2
AB
v t a t L e + = − ,
2
88200 0, 5 2, 45 8000000000 158760000 t t × + × × = − Æ t =
5,173×10
4
s
A este valor é necessário acrescentar 1 h da 1ª parte do percurso, logo t =
15h:22m:10 s.
2 1 2
v v a t = + ,
4
2
88200 0, 245 5,173 10 v = + × × m/s = 100 873 m/s
d) Designando por v
1
e e
1
a velocidade ao fim de uma hora e o respectivo espaço per-
corrido, por v
2
e e
2
a velocidade no local onde de começa a dar a desaceleração e o
estação
A
estação
B
nave
L
1
(1 hora)
L
AB
= 8 000 000 km
L
2
(desacel)
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 48 Gustavo da Silva
espaço percorrido desde e
1
, e por v
3
e e
3
as correspondentes grandezas ao chegar à
estação B, será, para as velocidades:
1 0 1 1
v v a t = +
,
2 1 2 2
v v a t = +
,
3 2 3 3
0 v v a t = + =
(pretende-se v
3
=0). Substituindo a 1ª
eq. na 2ª e a 2ª na 3ª vem, atendendo a que a
1
= 2,5g , a
2
= 0,25g e a
3
= -0,25g, t
3
=
10 t
1
+t
2
.
Para os espaços será:
2
1 0 0 1 1 1
1
2
e e v t a t = + + ,
2
2 1 1 2 2 2
1
2
e e v t a t = + + ,
2
3 2 2 3 3 3
1
2
e e v t a t Lab = + + = , donde se
tira, substituindo t
3
pelo valor anterior,
4
2
1, 745 10 s t = × , e portanto
4
3
5, 345 10 s t = × .
O tempo total percorrido será t
tot
= t
1
+t
2
+t
3
=
4
7, 450 10 s × , ou seja 20h: 41m: 43s.


1.8.17. Probl. 1. 17 – Atracção universal
Tomando como base a lei da atracção universal e a expressão da aceleração centrípeta,
determine o valor da aceleração da gravidade (campo gravítico terrestre) em dois pontos
à superfície da Terra: um no pólo e outro no equador.
Dados: Raio médio da Terra, R = 6,37×10
6
m
Massa da Terra, M = 5,98×10
24
kg
Constante de gravitação, G = 6,673×10
-11
Nm
2
kg
-2
.

Resolução:
Pode em primeira aproximação considerar-se a Terra homogénea. Nestas condições
pode, para efeito da aplicação da lei da atracção universal, pode considerar-se a massa
da Terra toda concentrada no seu centro. Nos pólos apenas se faz sentir a lei da atracção
universal. No equador também se faz sentir a força centrífuga, devido ao facto de a Ter-
ra se encontrar em movimento de rotação. A acção do Sol e dos outros planetas e estre-
las é desprezável (já alguém calculou!).
Força por unidade de massa (aceleração) devido à atracção universal:
11 24
-2
1 2 6 2
6, 673 10 5, 98 10
9, 834ms
(6, 37 10 )
GM
g
R

× × ×
= = =
×

Esta aceleração é dirigida da superfície para o centro da Terra.
Força por unidade de massa (aceleração) devido à rotação da Terra:
-5
2
rad/s = 7,2921 10 rad/s
86164
π
ω = × (Note-se que o período de rotação da Terra não é
24×60×60=86400 s mas um pouco inferior).
2 5 2 6 2 2
2
(7, 2921 10 ) 6, 37 10 m/s 0, 034 m/s g R ω

= = × × × = . Esta força é dirigida do cen-
tro da Terra para a periferia.
Portanto: no pólo será g = g
1
= 9,834 ms
-2
no equador g = g
1
– g
2
= (9,834 – 0,034) ms
-2
= 9,800 ms
-2
.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 49
1.8.18. Probl. 1. 18 - Conservação do momento linear
Num jogo de Snooker uma bola azul é lançada a 2 m/s em direcção a uma bola branca
que se encontra parada. Após a colisão a bola azul segue uma trajectória que faz um
ângulo de 18º com a sua direcção inicial. As bolas têm massas iguais. Nestas condições
determine:
a) O ângulo que, após a colisão, a bola branca faz com a direcção inicial da bola em
movimento.
b) As velocidades das bolas após a colisão.
c) A velocidade do centro de massas do sistema constituído pelas duas bolas, antes e
depois da colisão.

Resolução:
a) Vai representar-se o sistema constituído pelas duas bolas. No mesmo diagrama estão
as bolas antes e depois da colisão.


















a) Vai utilizar-se o teorema da conservação da energia mecânica e o teorema do
momento linear, antes e depois do choque. Pelo teorema da conservação da energia,
uma vez que só há energia cinética em jogo (as bolas estão no mesmo plano horizon-
tal), será:
2 2 2
0 1 2
1 1 1
2 2 2
a a b
m v m v m v = + (1)
Pelo teorema da conservação do momento linear, será:
0 1 2 a a b
m m m = + v v v
Esta equação desdobra-se em duas, uma segundo o eixo dos xx e outra segundo y:
0 1 2
cos cos
a a b
m v m v m v α β = + (2)
1 2
0 sen sen
a b
m v m v α β = − (3)
α
β
antes da colisão depois da colisão
v
0
v
1

v
2
m
a

m
a
m
b
m
b
x
y
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 50 Gustavo da Silva
Tem-se assim um sistema de 3 equações independentes (numeradas) a 3 incógnitas, β,
v
1
, v2. as massas são supostamente conhecidas. No caso deste problema m
a
= m
b
, pelo
que as equações anteriores se simplificam:
2 2 2
0 1 2
v v v = + (4)
0 1 2
cos cos v v v α β = + (5)
1 2
0 sen sen v v α β = − (6)
Antes de substituir α pelo seu valor eleve-se a equação (5) ao quadrado e substitua-se
2
0
v dado por (4). Obtém-se notando que cos
2
x + sen
2
x = 1
2 2 2 2
1 2 1 2
cos cos v sen v sen v v α β α β + = (7)
Elevando (6) ao quadrado vem
2 2 2 2
1 2 1 2
sen sen sen sen v v v v α β α β + = (8)
Combinando (7) e (8) e atendendo à fórmula do cos(x+y) fica
cos( ) 0 α β + = Æ 90º α β + =
As bolas seguem, após a colisão, trajectórias perpendiculares. Tem-se assim 72º β = .
b) Para a determinação de v
1
e de v
2
utilizam-se as equações (5) e (6) que são lineares:
1 2
1 2
0, 951 0, 309 2
0, 309 0, 951 0
v v
v v
+ = ⎧

− =

Æ
1
2
1, 092m/s
0, 618m/s
v
v
= ⎧

= −


Os valores de v
1
e de v
2
confirmam a equação (4). Note-se o sinal – em v
2
.
c) Como depois de iniciado o movimento não há forças externas sobre o sistema das
duas bolas, o centro de massas não modifica a sua velocidade (e consequentemente
não modifica a trajectória) após a colisão.
i i
i
m
m
=


r
R Æ
i i
i
m
m
=


v
V
Para este sistema é
1
0
a
a b
m
m m
+
= =
+
v
V
1
1
2
v = 1 m/s no sentido do eixo dos xx.
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 51
1.8.19. Probl. 1. 19 - Conservação da energia
Um paralelepípedo com a massa de 2.26 kg é largado do ponto mais alto de uma rampa,
sem velocidade inicial, como indicado na figura, descrevendo, da esquerda para a direi-
ta, a trajectória ABCD
¸¸¸¸¸¸¸,
, em que C é o extremo da mola em repouso e D corresponde à
compressão máxima que a mola atinge. Desprezando o atrito,
a) Calcule as energias cinética e potencial do bloco nas posições A, B, C e D. Qual a
diferença de significado entre a energia potencial em A e em D?
b) Determine a constante de elasticidade da mola, supondo que esta é linear ( F k x = )
e com o choque comprime de 10,0 cm.
c) Que trajectória descreve o bloco em sentido inverso?
d) Supondo que no percurso BCD
¸¸¸¸¸,
se perde 2,8 % da energia mecânica total inicial,
onde é que o bloco pára quando faz o percurso contrário?









Dados: x
1
= 3,2 m, x
2
= 1,8 m, x
3
= 0,1 m, z = 2,0 m.

Resolução:
a) A energia mecânica total conserva-se, sendo igual em A, B, C e D, (está-se a despre-
zar o atrito).
No ponto A existe apenas energia potencial, uma vez que o bloco se encontra em
repouso:
Energia potencial gravítica:
p
E mgh = . Em A será
pA
E =2,26×9,8×2.0 = 44,296 J.
No ponto B existe apenas energia cinética, resultante da transformação da energia
potencial de A.
No ponto C a situação é análoga à do ponto B.
No ponto D existe apenas energia potencial, não gravítica mas devido à compressão
da mola.
Pode construir-se a seguinte tabela:

Tipo de energia A B C D
E
c
(cinética) 0 44,296 J 44,296 J 0
E
p
(gravítica) 44,296 J 0 0 0
E
p
(na mola) 0 0 0 44,296 J
E
t
(total) 44,296 J 44,296 J 44,296 J 44,296 J

A
C D
B
x
1
x
3
x
2
z
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 52 Gustavo da Silva
b) A energia potencial elementar na mola é dada por
p
dE Fdx = Æ
3
0
x
p
E kxdx =

=
2
3
1
2
kx
Æ
2
3
2
p
E
k
x
=
Substituindo valores numéricos:
2
2 44, 296
0,1
k
×
= = 8859 N/m.
c) Em sentido contrário o bloco descreve a trajectória DCBA
¸¸¸¸¸¸¸,
e vai parar no ponto de
partida, A. Isto porque não há dissipação de energia.
d) Perdendo 2,8% de BÆD, o bloco chega a D com (1-0,028)×44,296 = 42,976 J. É de
admitir que haja uma dissipação análoga de DÆB, pelo que o bloco, em sentido
inverso, chegará a B com (1-0,028)× 42,976 = 41,695 J. Neste ponto esta energia é
cinética, e irá, ao subir em direcção a A, ser transformada em energia potencial:
41, 695 mgh = Æ h = 1,88 m (< 2,0 m).

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 53
1.8.20. Probl. 1. 20 - Conservação da energia
Numa montanha russa o comboio é lançado horizontalmente a 140 km/h de encontro à
base da montanha (A) e atinge o cimo (B) a 15 km/h, sem lhe ser fornecida energia. A
seguir começa a descer e efectua um “looping” circular, como indicado na figura.
a) Qual a altura da montanha em relação à cota 0? (de A para B as forças de atrito
absorvem 3 % da energia inicial).
b) Supondo que o diâmetro do “looping” é de 50 m, qual a força a que, no ponto (C), a
metade da altura da circunferência, fica sujeita uma carruagem com a massa total de
2500 kg? De B para C não considere o atrito.











Dados: v
0
= 140 km/h, v
1
= 15 km/h

Resolução:
a) A energia total em B é igual a 97% da energia total em A:
0, 97
tB tA
E E = × Æ 0, 97 ( ) ( )
pA cA pB cB
E E E E × + = + Æ
2 2
0 1
1 1
0, 97 0
2 2
mv mgh mv
⎛ ⎞
× + = +
⎜ ⎟
⎝ ⎠

Æ
2 2
0 1
0, 97
2
v v
h
g
× −
= Æ
2 2
0, 97 (140/ 3, 6) (15/ 3, 6)
m
2 9,80
h
× −
=
×
Æ h = 76,3 m
b) A energia total em C é igual à energia total em B, ou seja igual a 97% da energia
total em A:
2 2
0 2
1 1
0, 97
2 2
C
mv mgh mv × = + . Æ
2 2
0 2
0, 97 2
C
v gh v × = + Æ
2 2
2
0, 97 140 2 9, 80 25 v = × − × × = 18522 m
2
/s
2

A força de inércia, em C, é horizontal tendo valor mv
2
/R, ou seja F
i
= 2500×18522/25
N = 189 T
A força aplicada em C é a resultante desta força de inércia e do peso, P = 2,5 T.
Estas forças encontram-se esquematizadas na figura.
° °
v
0

Cota 0
A
B
C
P
F
i
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 54 Gustavo da Silva
1.8.21. Probl. 1. 21 – Mov. Circular e energia cinética
Uma esfera sólida e uniforme é dei-
xada cair da posição 1, sem velocida-
de inicial, para o interior de uma
campânula semi-esférica, como se
indica na figura.
São dados: Raio interior da campânu-
la, R=30

cm; raio da esfera r=1,2

cm,
massa da campânula, M=12,7

kg,
massa da esfera, m = 54,3 g. Conside-
re que a balança é rígida e despreze a
dissipação de energia por atrito.
Nestas condições determine:
c) A energia cinética da esfera quando passa pelo ponto 2, e a sua velocidade linear.
d) A sua velocidade angular e a força que exerce sobre a campânula, ao passar em 2.
e) A expressão analítica da força exercida sobre a campânula, em função de θ, tal
com seria indicada pela balança.
Resolução:
a) Há conservação da energia mecânica: E
t
= C
te
. No ponto 1 uma vez que a esfera se
encontra parada, e tomando como plano de referencia o indicado na figura, apenas
existe energia potencial:
t p
E E mgh = = = 0, 0543 9, 80 (0, 30 0, 012) × × − J = 0,153 J
No ponto 2 a energia cinética da esfera será E
c
= 0,153 J. A velocidade linear da
esfera obtém-se a partir de
2
1
2
c
E mv = Æ
2
c
E
v
m
= Æ v = 2,376 m/s
b)
2, 376
(0, 30 0, 012)
v
r
ω = =

rad/s = 8,25 rad/s. A força exercida pela esfera sobre a cam-
pânula, no ponto 2, é dada pela soma do peso com a força de inércia:
2
2
mv
F mg
r
= + =
2
0, 0543 2, 376
0, 0543 9,80
(0, 30 0, 012)
×
× +

N = 1,597 N
c) A força indicada pela balança consta de 3 componentes:
1. Devida ao peso da própria campânula, F
1
, vertical, de módulo
1
F Mg =
2. Devida ao peso da esfera, F
2
, que se encontra dentro da campânula, também verti-
cal, dada em módulo por
2
cos F mg θ =
3. Devido à componente vertical da força de inércia, F
3
, (a força de inércia é radial).
O módulo da força de inércia é dado por mv
2
/(R-r), sendo a sua componente verti-
cal, dada por mv
2
/(R-r).cosθ. A velocidade pode ser obtida a partir da expres-
são da energia cinética, que por sua vez resulta da transformação da energia
potencial:
te
c p
E E C + = Æ
2
1
( )
2
mv mgh mg R r + = − ; mas ( )(1 cos ) h R r θ = − − Æ
2
2 ( ) cos v g R r θ = − e portanto
2
3
2 cos F mg θ = . A força lida pela balança será
pois,
1 2 3
F F F F = + + , ou seja
2
cos 2 cos F Mg mg mg θ θ = + +
2
1
R
O
r
balança
θ
Plano de
referência P
h
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 55
1.8.22. Probl. 1. 22 – Energia de rotação
Uma esfera maciça é largada do ponto mais alto de uma rampa, sem velocidade inicial,
como indicado na figura, descrevendo, da esquerda para a direita, a trajectória , , A B C
¸¸¸¸¸¸¸,
,
em que C é o fim do percurso. Existe contacto perfeito entre a superfície da esfera e o
plano por onde ela rola.
Calcule as energias cinética, de rotação e potencial da esfera nas posições A, B, e C.








Dados: x
1
= 3,2 m, x
2
= 1,8 m, z = 2,0 m, massa da esfera m = 1,25 kg, raio R = 5 cm.
Momento de inércia de uma esfera maciça:
2
2
5
I mR =
Resolução:
Na posição A a esfera não se encontra a rodar e a sua velocidade é zero. Portanto apenas
possui energia potencial, cujo valor é dado por E
pA
= mgz.
Ao cair de AÆB a esfera vai rolar sobre a rampa, adquirindo energia cinética de rotação
e energia cinética de translação. Para uma rotação elementar dθ o espaço percorrido será
ds Rdθ = .
O comprimento AB é dado por
2 2
1 AB
L z x = + e o número
de rotações que a esfera dá ao descrever este comprimento
será / 2
AB
n L R π = .
A sua energia no ponto B será constituída pela energia cinéti-
ca e pela energia de rotação, sendo a energia potencial nula,
devido à conservação da energia mecânica:
t c r pA
E E E E = + = .
A energia cinética calcula-se pela expressão
2
1/ 2
c
E mv = e a energia de rotação por
2
1/ 2
r
E Iω = em que I é o momento de inércia. Será pois
2 2
1/ 2 1/ 2
t
E mv Iω = + . Aten-
dendo a que a esfera tem contacto perfeito com a superfície por onde rola tem-se
ds Rdθ = , ou seja v R ω = , pelo que
2 2 2
1 1 2
( )
2 2 5
t
E m R mR ω ω = + × =
2 2
0, 7
t
E mR ω = × .
Aplicação numérica:
No ponto A: E
pA
= 1,25×9,80×2,0 J = 24,5 J.
No ponto B:
2 2
0, 7 1, 25 0, 05 24, 5 ω × × × = Æ ω = 105,83 rad/s.
2
1
( )
2
c
E m R ω = = 17,5 J,
2
1
( )
5
r
E m R ω = = 7,0 J.
Na posição C, uma vez que o movimento se faz sem atrito, os valores das energias são
iguais aos valores de B.
A
C B
x
1 x
2
z

ds
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 56 Gustavo da Silva
1.8.23. Probl. 1. 23 – Atrito
Um bloco, com a forma de um paralelepípedo de dimensões a, b, c, encontra-se parado
sobre um plano inclinado, existindo atrito entre a sua superfície de apoio e o plano. Foi-
se aumentando lenta e progressivamente o ângulo da rampa com a horizontal, θ, até que
o bloco começou a deslizar.
a) Determine o coeficiente de atrito estático entre as superfícies em contacto.
b) Supondo que o bloco é de aço (d = 7,5), e que a = b = 5 cm e c = 10 cm, determine a
força de atrito estático quando o bloco se encontra deitado e quando se encontra ao
alto, para 18º θ = .
c) Como procederia para determinar o coeficiente de atrito cinético?

Resolução:
a) As forças intervenientes encon-
tram-se indicadas na figura:
P – peso do corpo
P
n
– componente normal do
peso
P
t
– componente tangencial
R
n
– reacção normal da super-
fície
F
ae
– força de atrito estático

Uma característica da força de atrito é que esta é proporcional à força de reacção nor-
mal:
ae e n
F R μ =
Mas cos
n n
R P mg θ = = e sen
ae t
F P mg θ = = , logo, tan
e
μ θ =
b) A posição do bloco é irrelevante para o cálculo da força de atrito, apenas poderá ter a
ver com a estabilidade mecânica do sistema. Com as dimensões do bloco e com a sua
densidade calcula-se o seu peso, e com ele e com
e
μ calcula-se a força de atrito está-
tico:
P abc g ρ = =0, 05 0, 05 0,10 7500 9, 8 N × × × × = 18,375 N
ae e n
F R μ = =tan cos mg θ θ × = sen mg θ .
Para 18º θ = será 18, 375 sen18º
ae
F = × N = 5,678 N
c) Depois do bloco ter iniciado o movimento ia baixando o ângulo da rampa até obter
uma velocidade constante.
Outro método, mais controlável consiste em introduzir uma força oposta a P
t
, por
meio de uma roldana e de uma massa que se possa deslocar na vertical e procurar o
ângulo que conduz a uma aceleração nula. Deduzindo a expressão que relaciona
a,
c
μ , m
1
, m
2
, e θ pode calcular-se
c
μ .
α
P
P
n

P
t

R
n

F
ae

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 57
1.8.24. Probl. 1. 24 – Pêndulo balístico
Um pêndulo balístico é constituído por um bloco de madeira com a massa de 1,333 kg,
suspenso por 4 fios inextensíveis, que se comporta como um pêndulo gravítico. Dispa-
rou-se sobre ele uma bala de massa 25 g, tendo-se verificado que o bloco (com a bala
incrustada) se elevou de 48 cm.
a) Determine a velocidade da bala no instante em que se dá o impacto com o bloco.
b) Calcule a elevação de temperatura da bala, sabendo que o calor específico do mate-
rial da bala é de 0,109 cal.g
-1
.ºC
-1
. Considere a madeira como isolante térmico.

Resolução:
a) Esta alínea resolve-se em duas fases.
Na primeira (colisão inelástica) há
conservação de momento linear. A
energia mecânica não se conserva,
pois parte é transformada em calor.
Antes do impacto, o momento linear
do sistema constituído pela bala e
pelo bloco, ainda separados, e com o
bloco parado, é dado por mv.
Depois do impacto o momento linear do mesmo sistema, bloco com a bala incrusta-
da, que arranca com velocidade V, é dado por (m+M)V. Tem-se assim
m
V v
m M
=
+

Na 2ª fase, a seguir ao impacto o bloco eleva-se de h. Há conservação de energia
mecânica. A energia cinética do bloco+bala é transformada em energia potencial:
2
1
( ) ( )
2
m M V m M gh + = + .
Substituindo o valor de V obtido acima fica 2
m M
v gh
m
+
=
Aplicação numérica:
0, 024 1, 333
2 9, 80 0, 48 m/s
0, 025
v
+
= × × = 166,6 m/s.

b) A diferença entre as energias cinética da bala e da bala+bloco é transformada em
calor (supõe-se que o aquecimento da bala se dá na 1ª fase):
2 2
1 1
( )
2 2
c
E mv m M V Δ = − + =
2
1
2
mM
v
m M +
=
2
1 0, 025 1, 333
166, 6
2 0, 025 1, 333
×
× ×
+
J = 340,56 J
Mas Q mc T = Δ e portanto, como
c
Q E = Δ , vem
c
mc T E Δ = Δ Æ
c
E
T
mc
Δ
Δ =
Aplicação numérica:
3
340, 56 0, 24
0, 025 0,109 10
T
×
Δ =
× ×
ºC = 30,0 ºC
(Os factores 0,24 e 10
3
destinam-se a converter o calor específico que é dado em
calorias por grama por grau Celsius).
m
v
V
M
h
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 58 Gustavo da Silva
1.8.25. Probl. 1. 25 – Movimento de rotação e translação
Dois corpos sólidos 1 e 2, com as massas m
1
e m
2
, estão ligados por um fio inextensível
de massa desprezável, que passa pela gola de uma roldana. Esta tem raio r e massa m.
Sabendo que o momento de inércia da roldana em relação ao seu eixo de rotação é dado
por
2
1
2
I mr = , determine:
a) O valor da aceleração com que desce o corpo 1.
b) As tensões exercidas pelo fio sobre os corpos 1 e 2.
c) Faça uma aplicação numérica para m
1
= 2 kg e m
2
= 3 kg, r = 16.8 cm e m = 1,62 kg.

Resolução:
Esquematize-se o problema e indiquem-se as forças em
jogo (ver figura).
a) Em relação à roldana aplica-se o teorema da varia-
ção do momento angular:
0
dL
M
dt
=

,
,

Mas L Iω =
,
,
Æ
dL d
I I
dt dt
ω
α = =
,
,
,
. Logo
0
I M α =

,
,
.
Para o sistema de forças aplicadas à roldana será, em
módulo
2 1
( ) I r T T α = −
Como
a
r
α = e
2
1
2
I mr = vem
2 1
1
( )
2
ma T T = − .
Aplique-se agora a 2ª lei de Newton aos corpos 1 e 2:
Corpo 1:
1 1 1
ma T P = − Æ
1 1 1
T ma P = + Corpo 2:
2 2 2
m a P T = − Æ
2 2 2
T P m a = −
Substituindo T
1
e T
2
na expressão obtida para a vem
2 1
1 2
1
2
m m
a g
m m m

=
+ +

b) As tensões obtêm-se substituindo o valor de a nas expressões de T
1
e de T
2
:
2 1
1 1 1
1 2
1
2
m m
T P m g
m m m

= +
+ +
e
2 1
2 2 2
1 2
1
2
m m
T P m g
m m m

= −
+ +

c) Aplicação numérica:
3 2
1
1, 62 2 3
2
a g

=
+ +
= 0,172 g = 1,69 ms
-2
.
1 1 1
T ma m g = + =2 (0,169 9,8) N × + = 22,98 N
2 2 2
T m g m a = − =3 (9, 80 0,169) N × − = 24,33 N
r
T
2

-T
2

T
1
-
α
P
2

P
1

a
a
m
m
1
m
2

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Gustavo da Silva pág. 59
1.8.26. Probl. 1. 26 – Conservação do momento linear
Um corpo em repouso na origem do referencial S explode, partindo-se em 3 fragmentos.
Após a desintegração os fragmentos deslocam-se num plano horizontal, como indicado
na figura.
Dados:
m
A
=0,50 kg
m
B
=0,30 kg
m
C
=0,20 kg





a) Determine, no referencial S, as velocidades dos fragmentos B e C, sabendo que v
A
=
40 m/s.
b) Compare a energia mecânica do sistema antes e depois da explosão. Como interpreta
os valores encontrados?
c) Sem recorrer aos valores determinados nas alíneas anteriores, diga qual a trajectória
do centro de massas do sistema após a explosão.

Resolução:
a) Utiliza-se o teorema da conservação do momento linear: =
a d
p p , em que
a
p = momento linear do sistema de partículas antes da explosão (apenas um corpo em
repouso)
d
p = momento linear do sistema depois da explosão (3 fragmentos afastando-se sobre
um plano)
O problema deverá agora ser separado em 2, um segundo o eixo dos x e outro segundo y:
Segundo x:
1 2
0 cos cos
A A B B C C
m v m v m v θ θ = − + +
Segundo y:
1 2
0 sen sen
B B C C
m v m v θ θ = −
Substituindo valores numéricos
Segundo x: 0, 30 cos55º 0, 20 cos35º 0, 50
B C A
v v v + =
Segundo y: 0, 30 sen55º 0, 20 sen35º 0
B C
v v − =
Resolvendo em ordem a v
B
e v
C
obtém-se v
B
= 38,24 m/s e v
C
= 81,92 m/s
b) A energia mecânica é aqui constituída por energia cinética e energia potencial. Como
tudo se desenrola num plano, podemo-lo considerar como plano de referência (cota
0), sendo sobre ele a energia potencial igual a zero. A energia cinética do sistema
antes da explosão é nula, uma vez que o corpo se encontrava em repouso. Depois da
explosão a energia cinética é dada por
2 2 2
1 1 1
2 2 2
c ci A A B B C C
i
E E m v m v m v = = + +

=
2 2 2
1
(0, 50 40 0, 30 38, 24 0, 20 81, 92
2
× + × + × J
= 12,90 kJ
A
B
C
v
A

v
B
v
C
x
y
O
θ
1
=55º
θ
2
=35º
S
Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas
Pág. 60 Gustavo da Silva
c) A trajectória do centro de massas segue a 2ª lei de Newton:
d
dt
=
e
P
F . Uma vez que
durante a explosão não há forças exteriores a actuar sobre o sistema, tem-se 0
d
dt
=
P

Æ P = 0 Æ V
CM
= 0.
Como antes da explosão a velocidade do centro de massas é nula, V
CM
= 0, também o
será depois, ou seja, o centro de massas do sistema mantém-se no ponto em que se
encontrava antes de se dar a explosão.


1.8.27. Probl. 1. 27 – Conservação do momento angular
Um disco roda em torno do seu eixo vertical com velocidade angular constante. Num
determinado instante cai sobre ele um 2º disco, que tinha o mesmo eixo e se encontrava
em repouso. Depois da queda do 2º disco os dois ficaram em contacto perfeito. O
momento de inércia de um disco maciço e homogéneo, de massa M e raio R, em relação
ao seu eixo é dado por
2
1/ 2 I MR =
a) Determine a velocidade angular dos dois discos.
b) Faça uma aplicação numérica para:
1º disco, m
1
= 4,53 kg; R
1
= 36 cm, ω
1
= 15 rad/s.
2º disco, m
2
= 1,82 kg, R
2
= 32 cm.

Resolução:
Utiliza-se o teorema do momento angular:
a) A variação no tempo do momento angular de um sistema de partículas materiais em
relação a um ponto é igual ao momento resultante das forças exteriores aplicadas ao
sistema de partícula, em relação ao mesmo ponto:
e
d
dt
=
L
N .
Como no intervalo de tempo entre os instantes imediatamente antes e depois da que-
da do disco não há momentos de forças exteriores, L mantém-se constante. Uma vez
que I = L ω, pode escrever-se, igualando os momentos angulares antes e depois,
( ) ( )
1 1 2 2 1 1 2 2
antes depois
I I I I ω ω ω ω + = + Æ
2 2 2
1 1 1 1 1 2 2
1 1 1
0
2 2 2
m R m R m R ω ω
⎛ ⎞
+ = +
⎜ ⎟
⎝ ⎠
Æ
2
1 1
1 2 2
1 1 2 2
m R
m R m R
ω ω =
+

b) Aplicação numérica:
2
2 2
4,53 0,36
15rad/s
4,53 0,36 1,82 0, 32
ω
×
= ×
× + ×
= 11,4 rad/s.






2. ELECTROMAGNETISMO



2.1. Electrostática
2.1.1. Carga eléctrica
A observação experimental levou a concluir que os materiais exibem um comportamen-
to que revela neles a existência de determinadas partículas, de dois tipos distintos, que
interactuam entre si, e a que se deu o nome de cargas eléctricas. A estes dois tipos de
cargas Franklin
(4)
deu o nome de cargas eléctricas positivas e cargas eléctricas negativas.
A observação experimental levou ainda à conclusão que as cargas eléctricas do mesmo
tipo ou sinal se repelem e as cargas de sinal contrário se atraem. Além disso, num siste-
ma fechado, a quantidade total de carga eléctrica mantém-se constante: sempre que há
criação ou desaparecimento de carga eléctrica de um determinado sinal, há também a
produção ou extinção de igual quantidade de carga de sinal contrário.
Millikan
(5)
observou que a carga eléctrica se encontra discretizada, sendo múltipla da
carga elementar, representada por e. O electrão, partícula constituinte da matéria, tem
carga eléctrica negativa de valor –e. Representando por q a quantidade de cargas eléctri-
cas de um corpo, também designada por quantidade de electricidade, é sempre
q ne =
em que n é um inteiro, positivo nulo ou negativo. Também se diz que a quantidade de
electricidade se encontra quantificada.
O comportamento das cargas eléctricas e de determinadas forças associadas constituem
a base da electricidade, sendo o estudo da electricidade feito na electrotecnia.
Em muitas aplicações, em particular no domínio da electrotecnia, o valor de n é muito
elevado, podendo deste modo tratar-se a quantidade de electricidade por carga eléctrica
(e não cargas eléctricas), e associá-la a uma variável contínua.
As cargas eléctricas movimentam-se nos meios materiais de forma muito diversa, de
acordo com o meio e por vezes também em função de condições externas. É utilizada a
variável σ, designada por condutividade do meio material, para exprimir a forma como
as cargas se deslocam num meio material. Os meios materiais em que algumas cargas
eléctricas se movem livremente designam-se por meios condutores da electricidade, ou
simplesmente, condutores; a sua condutividade é infinita. Os meios materiais em que as
cargas eléctricas não se podem mover designam-se por meios isoladores da electricida-
de, ou simplesmente, isoladores; Também se lhes chama dieléctricos. A sua condutivi-
dade é nula. Há meios materiais em que as cargas se movem, mas não livremente. Têm
uma condutividade com um valor intermédio, não próximo de zero ou de infinito: estão

4
Benjamin Franklin, tipógrafo, cientista e político americano, 1706-1790.
5
Robert Millikan, físico americano, 1868-1953, prémio Nobel em 1923.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 62 Gustavo da Silva
aqui incluídos os materiais semicondutores, essenciais para o fabrico de componentes
electrónicos.
A Electrostática estuda os fenómenos relacionados com cargas eléctricas em repouso
(o conceito de repouso depende do referencial utilizado).

2.1.2. Lei de Coulomb
(6)

A experiência mostra que as cargas eléctricas exercem forças de atracção ou repulsão
entre elas. Considerem-se as cargas pontuais (do ponto de vista macroscópico concen-
tradas num ponto), de valor q
1
e q
2
, à distância r uma da outra, e estáticas. A força F
12

exercida pela carga q
1
sobre a carga q
2
é dada pela lei de Coulomb:

1 2
12 12 2 e
q q
k
r
= F r (2.1)
em que k
e
é uma constante que depende do meio material onde estão inseridas as cargas,
designada por constante de Coulomb, e r
12
representa o vector unitário dirigido da car-
ga q
1
para a carga q
2
. De acordo com esta expressão, a carga q
2
é repelida pela carga q
1

se q
1
e q
2
tiverem o mesmo sinal, e é atraída se os sinais de q
1
e q
2
forem opostos.
De acordo com a 3ª lei de Newton, a carga q
2
exercerá sobre a carga q
1
uma força
F
21
=–F
12
. Havendo várias cargas eléctricas a actuar sobre uma determinada carga, a for-
ça resultante deverá ser obtida efectuando a composição vectorial de cada uma das for-
ças individuais.
A constante de Coulomb pode escrever-se sob outra forma:

1
4
e
k
πε
= (2.2)
em que ε se designa por permeabilidade eléctrica do meio.
A unidade de carga eléctrica do SI é designada por coulomb, símbolo C. A carga ele-
mentar tem o valor e = 1,602 19×10
–19
C e portanto a carga de 1 coulomb contém 6,241
46×10
+18
cargas elementares. Para o espaço livre (vácuo) é ε =ε
0
= 8,854 18 817×10
-12

C
2
N
-1
m
-2
. À relação entre a permeabilidade eléctrica de um meio e a permeabilidade
eléctrica do vácuo dá-se o nome de constante dieléctrica desse meio. Atendendo a (2.1)
e a (2.2) a lei de Coulomb pode escrever-se

1 2
12 12 2
1
4
q q
r πε
= F r (2.3)

2.1.3. Campo eléctrico
O campo eléctrico devido a uma carga eléctrica ou a um conjunto de cargas, é a força
originada por estas cargas e que se manifesta sobre uma carga de valor unitário; depen-
de das coordenadas de espaço. Por agora consideram-se as cargas em repouso ou estáti-
cas.


6
Charles Coulomb, físico francês, 1736-1806
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 63
Conceitualmente o campo eléctrico obtém-se medindo a força eléctrica F
e
(por agora
devida a cargas estáticas) que se exerce sobre a carga de prova +q
0
. Representa-se habi-
tualmente por E.

0
e
q
=
F
E (2.4)
O campo eléctrico produzido por uma carga q será, pela lei de Coulomb, dado por

1 2 e
q
k
r
= E r (2.5)
em que r
1
é o vector unitário dirigido de q para +q
0
. Se a carga que origina o campo for
positiva este é dirigido no sentido dela para a carga de prova, se for negativa é dirigido
em sentido contrário.
O campo eléctrico pode exprimir-se, no SI, em NC
-1
(newton/coulomb). No entanto,
como se verá adiante, a unidade oficialmente utilizada é o Vm
-1
(volt/metro).
O campo eléctrico produzido num ponto P do espaço por uma distribuição de N cargas
discretas q
i
será dado por

2
1
N
i
e i
i i
q
k
r
=
=

E r (2.6)
em que r
i
é o vector unitário dirigido do ponto em que se encontra q
i
para P.

2.1.4. Densidade de carga
Muitas vezes, em lugar de se ter uma distribuição de cargas discretas, estas são em
número muito elevado e encontram-se distribuídas por uma determinada região do
espaço, formando, do ponto de vista macroscópico, uma distribuição contínua de car-
gas. Se a carga eléctrica q se encontrar uniformemente distribuída pelo volume V, defi-
ne-se densidade de carga eléctrica, e representa-se por ρ, por meio da expressão
q
V
ρ =
Quando a distribuição de carga não é homogénea, isto é, varia de ponto para ponto, a
densidade de carga no ponto P, ρ(P), é definida por

dq
dV
ρ = (2.7)
em que dq representa a quantidade de carga existente no volume infinitesimal dV (do
ponto de vista macroscópico a carga pode ser encarada como um fluido contínuo).
Muitas vezes a carga distribui-se sobre uma superfície, tendo então interesse definir
densidade superficial de carga, σ(P), por meio da expressão (não confundir com a con-
dutividade eléctrica, que também utiliza o símbolo σ )

dq
dS
σ = (2.8)
em que dq representa a quantidade de carga existente na superfície infinitesimal dS que
contém o ponto P.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 64 Gustavo da Silva
Em alguns casos que interessa definir a densidade linear de carga, λ(P):

dq
d
λ =
/
(2.9)
em que dq representa a quantidade de carga existente na linha de comprimento infinite-
simal d/ que contém P.
Uma das formas de ter a percepção da distribuição espacial do campo eléctrico consiste
em efectuar o traçado das linhas do campo eléctrico. Estas linhas obtêm-se do modo
seguinte:
1. Em cada ponto do espaço a linha do campo eléctrico deverá ser tangente ao
vector campo eléctrico;
2. O número de linhas que se traçam por unidade de volume, através de uma
superfície a elas perpendicular, deve ser proporcional à intensidade do campo
eléctrico nessa região.
As linhas do campo eléctrico produzido apenas por uma carga eléctrica pontual diver-
gem radialmente da carga, até ao infinito, se esta for positiva, e dirigem-se do infinito
para a carga, também radialmente, se esta for negativa.
Sempre que haja mais do que uma carga em jogo e a carga total seja nula, podem fixar-
se as seguintes regras para o traçado das linhas do campo eléctrico:
1. As linhas devem ter início em cargas positivas e terminar em cargas negativas;
2. As linhas do campo não podem cruzar-se;
3. A densidade das linhas aumenta à medida que se aproximam das cargas.
Muitas vezes utilizam-se as simetrias da distribuição de cargas para auxiliar este traçado.
Convém chamar a atenção para o facto da lei de Coulomb não ser válida para valores de
r inferiores aos raios dos núcleos atómicos, onde daria valores do campo de tal modo
elevados que poriam em causa a estabilidade dos núcleos.

2.1.5. Movimento de uma partícula carregada num campo eléctrico
Uma partícula material de massa m, electrizada com a quantidade de electricidade q,
colocada num campo eléctrico E, fica sujeita à força F = qE. Mas pela 2ª lei de Newton,
uma partícula sujeita a uma força adquire um movimento acelerado, de aceleração a, tal
que a = F/m. Combinando estas duas expressões obtém-se

q
m
= a E (2.10)
Se o campo eléctrico for uniforme, isto é, constante em direcção sentido e grandeza, a
aceleração da partícula será constante. Se a partícula tiver carga positiva a aceleração
terá a direcção do campo. Se a sua carga for negativa a aceleração será em sentido con-
trário ao campo.




Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 65
2.2. Fluxo do Campo Eléctrico

2.2.1. Fluxo de um vector
As considerações desta secção são genéricas para qualquer campo (eléctrico, magnético,
gravítico, etc.) e são válidas para vectores variáveis no tempo. Como caso particular são
também válidas para vectores que não dependam da variável tempo.
Considere-se uma região do espaço em que existe um campo de vectores v(P) e nessa
região uma superfície S de duas faces, finita. Seja dσ um elemento da superfície S na
qual se encontra o ponto P e n o vector unitário perpendicular a dσ , orientado da face
negativa para a face positiva. Chama-se fluxo elementar do campo v(P) através do ele-
mento de superfície dσ ao escalar
d d ϕ σ = v.n (2.11)
Chama-se fluxo total do campo através de toda a superfície S à soma integral de todos
os fluxos elementares dϕ :

S
d ϕ σ =

v.n (2.12)
É corrente usar na escrita o elemento de superfície vectorial d dσ = σ n . Nestas condi-
ções a expressão do fluxo elementar será dada por d d ϕ = v. σ e a do fluxo total
S
d ϕ =

v. σ .
Num campo vectorial chamam-se linhas do campo às linhas que em cada ponto são
tangentes, num determinado instante, ao vector do campo. Uma vez que num determi-
nado ponto P(x,y,z) o vector v(P) é único (num instante bem determinado), por cada
ponto do espaço passa uma e só uma linha do campo.
Considere-se um contorno fechado C, na região em que existe o campo. Chama-se tubo
de fluxo à superfície definida pelas linhas do campo que se apoiam no contorno C (pas-
sam pelo contorno). Note-se que o tubo de fluxo é uma superfície, não o volume por ela
delimitado. Nestas condições, o fluxo de um campo através da superfície de um qual-
quer seu tubo de fluxo, ou de parte dele, é nulo. Com efeito para a superfície de um tubo
de fluxo v é sempre perpendicular a n, sendo a função integranda em (2.12) sempre
nula.

2.2.2. Circulação de um vector
Considere-se de novo uma região do espaço em que existe um campo de vectores v(P).
Nessa região considere-se uma curva contínua, sem pontos múltiplos. Seja dλ um ele-
mento da curva C na qual se encontra o ponto P, e seja t o vector unitário tangente a dλ
, orientado num determinado sentido. Chama-se circulação elementar do campo v(P)
ao longo do elemento de curva dλ , ao escalar
d d γ λ = v.t
Chama-se circulação total do campo ao longo de toda a curva C à soma integral de
todas as circulações elementares dλ :

C
d γ λ =

v.t (2.13)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 66 Gustavo da Silva
Faça-se agora a circulação de um campo ao longo de uma curva que liga os pontos A e
B. O valor da circulação depende, no caso geral, do campo v(P), dos pontos A e B e do
caminho entre eles. Há no entanto um caso, importante por aparecer em muitas aplica-
ções, em que a circulação de v não depende do caminho percorrido mas apenas dos pon-
tos A e B. É o caso em que v é o gradiente de um escalar V(P): v = grad(V). Nestas con-
dições v.t é uma diferencial exacta das coordenadas, ficando a expressão (2.13) reduzi-
da apenas a

¯
grad
B
B A
AB A
V d dV V V γ λ = = = −
∫ ∫
.t (2.14)
Diz-se neste caso, que o campo v (vectorial) deriva de um potencial V (escalar), ou que
é um campo conservativo. Mais adiante o potencial será representado pela letra U.

2.2.3. Teorema de Stokes
Considere-se numa região do espaço simplesmente conexa
(7)
um campo vectorial v(P),
uniforme, contínuo e derivável. Seja C uma curva fechada, contínua e sem pontos múl-
tiplos e considere-se uma calote de superfície S, com duas faces, limitada por C. O teo-
rema de Stokes
8
afirma o seguinte:
A circulação do vector v(P) ao longo de C é igual ao fluxo do seu rotacional através de S.

Analiticamente, representando por n o vector unitário normal exterior à superfície e por
t o vector unitário tangente à curva (de acordo com a “regra do saca rolhas”), será:
(rot )
C S
d d λ σ =
∫ ∫
v.t v .n (2.15)
Se o campo for conservativo o 2º membro de (2.15) anula-se, uma vez que rot(grad(V))
é identicamente nulo, qualquer que seja o escalar V. Nestas condições,
Em todo o campo que derive de um potencial
(9)
é nula a sua circulação ao longo de
uma curva contínua fechada e sem pontos múltiplos, C.

Este teorema e de importância fundamental em electrotecnia, como se verá adiante.

2.2.4. Fluxo do Campo Eléctrico e lei de Gauss
Considere-se uma região do espaço em que existe um campo eléctrico E. Este campo
dependerá do ponto P, ou, se forem utilizadas coordenadas cartesianas, de x, y, z. Seja S
uma superfície (de aqui em diante será suposta de duas faces e finita), e seja dσ um
elemento da superfície S. A simbologia, será análoga à das secções anteriores.
Atendendo à definição dada pela expressão (2.12), o fluxo do campo eléctrico E através
da superfície S será dado por:

7
Uma região diz-se simplesmente conexa se dados dois pontos A e B quaisquer e dois caminhos de A
para B, quaisquer, os caminhos se podem reduzir um ao outro por uma deformação contínua de um
deles, sem sair da região. O interior de um elipsóide é simplesmente conexo, o interior de um toro já
não o é.
8
George Gabriel Stokes, matemático e físico irlandês, 1819-1903.
9
Desde que obedeça às condições de validade do teorema de Stokes.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 67

E
S
d ϕ =

E. σ (2.16)
Considere-se agora uma superfície S fechada, finita, com uma forma arbitrária, no inte-
rior da qual existe uma distribuição de cargas eléctricas, contínua ou discreta. Represen-
te-se por Q a carga eléctrica total resultante, interior a S. A lei de Gauss
(10)
afirma o
seguinte:
O fluxo total do campo eléctrico através de uma superfície fechada, é proporcional
à quantidade de carga eléctrica resultante, existente no interior dessa superfície.

Analiticamente esta lei exprime-se do seguinte modo:

1
E
S
d Q ϕ
ε
= =

E. σ

(2.17)
em que ε representa a permeabilidade eléctrica da região onde existe o campo e as car-
gas, suposta homogénea. O sinal de integral é representado com uma circunferência
para indicar que se trata de uma superfície fechada.
A demonstração desta lei pode fazer-se a partir do cálculo do fluxo do campo eléctrico
originado por uma carga pontual q localizada no centro de uma esfera de raio r. O cam-
po eléctrico produzido por esta carga, é, de acordo com a lei de Coulomb, radial e de
módulo
2
1
4
q
r πε
. Substituindo este valor no termo contendo o integral em (2.17), notan-
do que E sendo radial tem o sentido da normal à superfície, e ainda que
2
4 S r π = , vem
2 2 2
1
4 4 4
E
S S
q q q q
d d S
r r r
ϕ σ σ
πε πε πε ε
= = = =
∫ ∫

A generalização deste resultado a uma superfície arbitrária fechada S (designada super-
fície gaussiana) contendo a carga Q pode ser feita de várias formas. Uma delas consiste
em considerar uma superfície esférica qualquer interior a S e uma outra superfície esfé-
rica qualquer exterior a S. O fluxo do campo eléctrico através destas superfícies esféri-
cas é o mesmo, uma vez que é independente do raio da esfera, e portanto também será
igual ao fluxo através de S. A generalização para uma distribuição de cargas interior a S
é, deste modo, imediata.
Como consequência da lei de Gauss, pode afirmar-se que o fluxo do campo eléctrico
através de uma superfície fechada é nulo se no seu interior não existirem cargas eléc-
tricas.
Unidades do fluxo eléctrico no SI:
Como se viu atrás o campo eléctrico exprime-se em Vm
-1
(volt/metro). Atendendo à defi-
nição de fluxo (2.16) conclui-se que este se exprime em Vm (volt.metro). A lei de Gauss
permite concluir que o fluxo eléctrico (forma abreviada de fluxo do campo eléctrico) se
pode exprimir em Nm
2
C
-1
.



10
Karl Friedrich Gauss, Astrónomo e Matemático alemão, 1777-1855.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 68 Gustavo da Silva
2.2.5. Condutores em equilíbrio electrostático
Disse-se atrás que um meio material é condutor se contiver cargas eléctricas que se pos-
sam mover livremente. O condutor diz-se em equilíbrio electrostático se as cargas
livres não se encontrarem em movimento (pelo menos em valor médio). Um condutor
em equilíbrio electrostático goza das seguintes propriedades:
1. O campo eléctrico no seu interior é nulo;
2. A carga eléctrica existente num condutor distribui-se pela sua superfície;
3. O campo eléctrico à superfície de um condutor é, em cada ponto, perpendicular à
superfície desse condutor e tem o valor / σ ε (densidade superficial de carga /
permeabilidade eléctrica);
Estas propriedades podem ser obtidas com relativa facilidade:
1. Se o campo eléctrico no interior não fosse nulo, haveria movimento de cargas, o
que contrariava a hipótese do condutor se encontrar em equilíbrio electrostático.
Logo, o campo tem que ser nulo no interior do condutor em equilíbrio electrostático.
2. Se houvesse cargas no interior do condutor, a aplicação da lei de Gauss indicaria a
presença de um campo eléctrico diferente de zero. Como o campo é nulo, segue-
se, ainda pela lei de Gauss, que a carga também o será.
3. Se o campo eléctrico à superfície do condutor tivesse uma componente tangencial,
esta faria as cargas deslocarem-se sobre a superfície, o que contraria a hipótese do
condutor se encontrar em equilíbrio electrostático. Portanto, o campo eléctrico não
tem componente tangencial à superfície do condutor, sendo normal a esta. Consi-
derando um cilindro de base elementar dA, com o eixo perpendicular à superfície
do condutor, colocado metade fora e metade dentro do condutor, a aplicação da lei
de Gauss a este cilindro conduz a /
i
EdA dq ε = , uma vez que só existe fluxo atra-
vés de dA. Mas as cargas interiores a este cilindro dq
i
, são dadas por
i
dq dA σ = , e
portanto / E σ ε = .

2.2.6. Ângulo sólido e lei de Gauss
Considere-se uma superfície esférica de raio r e sobre ela um elemento de área infinite-
simal dA.
O ângulo sólido associado a dA é, por definição,

2
dA
d
r
Ω = (2.18)
O ângulo sólido é uma grandeza adimensional; exprime-se, no SI, em Sr (esterradianos).
O ângulo sólido correspondente a uma esfera é igual a 4π.
Considere-se uma carga eléctrica pontual q localizada no ponto O e uma superfície arbi-
trária S, fechada, contendo a carga (superfície de Gauss). Vai calcular-se o fluxo do
campo eléctrico através de S. Para o efeito considere-se um ponto P sobre a superfície e
um elemento infinitesimal de área, dS, contendo P. Imagine-se agora uma esfera com
centro na carga eléctrica e raio r = |P-O|. O fluxo elementar do campo eléctrico através
de dS é dado por
E
d dS ϕ = E.n , sendo n o vector unitário normal a dS. Mas como E é
radial, este valor é igual a EdA, em que dA é a projecção de dS sobre a circunferência de
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 69
raio r. O fluxo total de E através da superfície de Gauss S será, atendendo à lei de
lomb, dado por
2 2
1
4 4 4 4
E
S A A A
q q dA q q
dS dA d
r r
ϕ
πε πε πε πε
= = = = Ω = Ω
∫ ∫ ∫ ∫
E.n


em que Ω é o angulo sólido de uma esfera, e portanto de valor 4π. Substituindo o seu
valor na equação acima esta fica
E
q
ϕ
ε
=
Uma vez que a carga se encontra localizada numa posição arbitrária no interior de S,
podem aí colocar-se quaisquer distribuições de cargas, contínuas ou discretas, de valor
global Q, resultando assim a lei de Gauss (2.17).

2.3. Potencial Eléctrico e Capacidade
2.3.1. Energia potencial
Numa região do espaço em que existe um campo eléctrico E, considere-se uma carga de
teste q
0
. Esta fica sujeita a uma força F = q
0
E. Calcule-se o trabalho realizado por esta
força ao transportar a carga de teste de um ponto A para um ponto B. Será dado, por
definição de trabalho, por

0
.
B
AB
A
W q d =

E s (2.19)
Uma vez que este trabalho é realizado pelo campo, ele corresponderá a uma diminuição
da energia potencial do campo, ΔE
P
, ou seja,
¯ ¯
P AB AB
E W Δ = − , pelo que será


O valor deste integral é independente do percurso entre A e B, uma vez que o campo
eléctrico é conservativo.

2.3.2. Diferença de potencial
Chama-se diferença de potencial entre os pontos A e B ao trabalho que uma força exte-
rior tem que realizar para transportar uma carga de prova unitária entre os pontos A e
B, contra as forças do campo. Será assim
¯
0
.
B
P
AB
AB
A
E
U d
q
Δ
= = −

E s
2.3.3. Potencial devido a uma carga


Define-se potencial no ponto P, U
P
, como sendo o trabalho necessário para, no
interior de um campo eléctrico, transportar a carga de prova unitária desde o infi-
nito até a esse ponto.


¯
0
.
B
PAB
A
E q d Δ = −

E s
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 70 Gustavo da Silva
Utilizando a definição anterior vem
.
P
P
U d

= −

E s (2.20)
No Sistema Internacional de unidades a diferença de potencial e o potencial exprimem-
se em V (volt). Entre 2 pontos, num campo eléctrico, existe uma diferença de potencial
de 1 V se for necessário o trabalho de 1 J para deslocar, de um ponto para o outro, uma
carga eléctrica de 1 C. A observação da expressão (2.20) justifica o facto, mencionado
em 2.1.3, de o campo eléctrico se exprimir em volt/metro.
Numa região em que o campo eléctrico seja uniforme, a diferença de potencial entre
dois pontos à distância d um do outro é dada por
cos
AB B A
U U U Ed θ = − = −
em que θ é o ângulo formado pela recta que une os pontos A e B e as linhas do campo.
Se a recta que contém A e B for paralela às linhas do campo será simplesmente
B A
U U Ed − = −
Se a recta anterior for perpendicular às linhas do campo será 0
B A
U U − = . Diz-se que
os pontos A e B se encontram sobre uma equipotencial.
De um modo geral chama-se equipotencial ao conjunto de pontos que se encontram ao
mesmo potencial. Este conjunto de pontos constitui uma superfície que é, em cada pon-
to, perpendicular às linhas do campo eléctrico.
Utilize-se a expressão (2.20) para calcular o potencial devido a uma carga eléctrica q, à
distância R. Substituindo nela o campo dado pela lei de Coulomb, obtém-se, uma vez
que o percurso de integração radial é paralelo às linhas do campo,
2
1
.
R
P R
e e
P e
k q k q
U d dr k q
r r R
∞ ∞

⎡ ⎤
= − = − = =
⎢ ⎥
⎣ ⎦
∫ ∫
E s
Verifica-se que o potencial decresce com o inverso da distância e se anula no infinito.
De um modo geral é também nulo o potencial eléctrico a uma distância infinita de uma
distribuição qualquer de cargas.
Utilizando ainda a expressão (2.20), e a lei de Coulomb, pode concluir-se que a diferen-
ça de potencial devido a uma carga eléctrica q, entre dois pontos às distâncias r
1
e r
2
é
dada por
1 2
1 2
1 1
e
U U k q
r r
⎛ ⎞
− = −
⎜ ⎟
⎝ ⎠

2.3.4. Potencial devido a uma distribuição de cargas
O potencial num ponto P, devido a uma distribuição discreta de N cargas q
i
, será dado
pela soma dos potenciais devidos a cada uma das cargas:

1
N
i
P e
i
i
q
U k
r
=
=

(2.21)

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 71
em que r
i
representa a distância de cada carga ao ponto P. Repare-se que esta soma é
algébrica, uma vez que o potencial é um escalar.
Se em vez de uma distribuição de cargas discreta esta for contínua, representando por
dq a carga eléctrica existente no elemento de volume dV, será

P
V V
dq
U dV
r r
ρ
= =
∫ ∫
(2.22)
em que ρ representa a densidade volumétrica de carga e poderá variar de ponto para
ponto.

2.3.5. Capacidade e condensadores
Considere-se o conjunto formado por dois condutores separados por um isolante. Admi-
ta-se que num dos condutores se encontra distribuída a carga eléctrica +Q, e que no
outro condutor se encontra a carga –Q. Com esta hipótese as linhas do campo eléctrico
têm origem todas no condutor carregado positivamente e terminam todas no condutor
negativo. Estabelece-se assim entre os dois condutores uma diferença de potencial
ΔU ≡ U
12
≡ U.
Ao sistema assim constituído dá-se o nome de condensador eléctrico, e os condutores
que o constituem têm o nome de armaduras ou eléctrodos do condensador.
O problema que se põe agora é determinar a relação existente entre a carga Q e a dife-
rença de potencial U. A experiência mostra que existe uma relação de proporcionalidade
entre a carga existente numa das, designando-se a constante de proporcionalidade por
capacidade do condensador:


Capacidade de um condensador é, por definição, a relação que se estabele-
ce entre o valor absoluto da carga eléctrica numa das suas armaduras e o
valor absoluto da diferença de potencial entre elas.


De acordo com esta definição pode escrever-se

Q
C
U
= (2.23)
A capacidade de um condensador depende da sua geometria e do valor da permeabili-
dade eléctrica do seu dieléctrico. A maior parte dos condensadores usados na prática
podem ser classificados com condensadores planos; estes são constituídos por duas
armaduras planas, de área A cada uma, a uma distância d muito inferior à menor das
dimensões da superfície das armaduras. O espaço entre as armadura é preenchido com
um dieléctrico de permeabilidade eléctrica ε. Nestas condições prova-se, a partir da
expressão (2.23) e com o auxílio da lei de Gauss e da expressão da diferença de poten-
cial entre dois eléctrodos planos (ver Probl. 2.28) que a capacidade do condensador é
dada por

A
C
d
ε = (2.24)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 72 Gustavo da Silva
Citam-se a seguir alguns dos condensadores mais usados na prática e algumas das suas
características principais:

tipo de conden-
sador
dieléctrico armaduras ddp
máxima
(V)
Capacidades
variável ar, vácuo ou gás metálicas, rígidas 10 000
cond. de papel papel encerado filme metálico 400 4,7 nF – 10 μF
cond. de mica mica filme metálico 2 500 1pF – 100 nF
cond. cerâmico vidro ou cerâmica metal ou filme metálico 500 10pF – 100 nF
cond. de tântalo óxidos de tântalo filme metálico 100 4,7 nF – 470 μF
cond. electrolítico óxidos metálicos metal ou filme metálico 100 4,7 nF – 10 mF

Embora muitos dos condensadores apresentados tenham aparentemente a forma cilín-
drica, isto resulta de, para efeitos de compactação, protecção e manuseamento o conjun-
to armaduras + dieléctrico ter sido dobrado e enrolado.
Um outro tipo de condensador muito vulgar é o cabo coaxial. Embora a finalidade do
cabo coaxial seja a de transportar sinais eléctricos, pela sua constituição forma um con-
densador cilíndrico, em que uma das armaduras é constituída pelo condutor interior, a
outra pelo condutor exterior, de protecção, sendo o dieléctrico a substância que separa
estes condutores. Seguindo um raciocínio análogo ao utilizado para o condensador pla-
no prova-se que a sua capacidade é dada por

e
int

ln
xt
C
R
R
ε
=
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
/
(2.25)
em que / representa o comprimento do condensador e R
ext
/R
int
os diâmetros exte-
rior/interior das armaduras.
Um outro condensador importante é a linha bifilar, constituída por dois condutores de
secção recta com raios R
1
e R
2
e centros separados de D, num meio de permeabilidade ε.
Para este condensador a capacidade é dada por

2
1 2

ln
C
D
R R
ε
=
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
/
(2.26)
Finalmente o condensador esférico, constituído por duas esferas concêntricas de raios R
1

e R
2
, com R
2
> R
1
, com um meio de permeabilidade ε entre elas, é dada por

1 2

1 1
C
R R
ε
=

(2.27)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 73
Os condensadores podem ser associados em série ou em paralelo. Supondo que existem
N condensadores, de capacidades C
i
, a capacidade resultante da associação é
Associação em paralelo:
1
N
i
i
C C
=
=

(2.28)
Associação em série:
1
1 1
N
i i
C C
=
=

(2.29)
Um condensador, uma vez que tem carga eléctrica, tem energia acumulada. Para calcu-
lar esta energia admita-se que o condensador tem uma carga q, e se encontra a uma dife-
rença de potencial U. Se agora se fornecer ao condensador uma carga elementar dq, o
trabalho necessário para o fazer será dado por
q
dW V dq dq
C
= = . A energia acumula-
da no condensador será o trabalho necessário para elevar a carga do condensador desde
0 até Q:
2
0 0
1
2
Q Q
q Q
W dq qdq
C C C
= = =
∫ ∫

Esta expressão pode escrever-se dos modos seguintes:

2
2
1 1
2 2 2
Q
W QU CU
C
= = = (2.30)
Para um condensador plano o campo eléctrico no seu dieléctrico é dado por E=U/d.
Substituindo o valor de U em (2.30) e entrando com a expressão da capacidade do con-
densador plano (2.24) obtém-se para a expressão da energia eléctrica por unidade de
volume

2
1
2
E
w E ε = (2.31)
2.4. Condutores e corrente eléctrica
2.4.1. Corrente eléctrica
Num condutor as cargas eléctricas podem movimentar-se com mais ou menos facilida-
de, dependendo esta do material em si e de outros factores, como por exemplo a tempe-
ratura. Num metal as cargas eléctricas livres são negativas, os electrões de valência.
Para descrever a forma como as cargas se movimentam são utilizados os conceitos de
corrente eléctrica e densidade de corrente eléctrica.
Define-se corrente eléctrica instantânea através de uma superfície de área A pela
expressão

( )
( )
dQ t
I t
dt
= (2.32)
A corrente eléctrica é também designada por corrente, intensidade de corrente eléctrica
ou intensidade. A expressão (2.32) mostra que a corrente representa o fluxo de cargas
eléctricas na unidade de tempo, através de A. A corrente positiva representa um fluxo de
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 74 Gustavo da Silva
cargas positivas por unidade de tempo; assim, num metal, a corrente tem o sentido
trário ao do movimento dos electrões.
A unidade de corrente do SI é o ampere
(11)
(A). O ampere representa a passagem, atra-
vés de A, de uma carga de 1 C durante 1 s.
Representando por n o número de portadores de carga por unidade de volume, por q a
carga de cada portador, por v
d
a velocidade média de cada portador (velocidade de deri-
va) e por A a secção recta através da qual passam as cargas, no volume elementar
dV=Adx há a carga elementar dQ = n q dV = n q A dx. As cargas em movimento percor-
rem o espaço dx num intervalo de tempo dt tal que dx = v
d
dt, pelo que se obtém dQ = n
q v
d
A dt, sendo a corrente
( ) ( )
d
dQ
I t nqv t A
dt
= = (2.33)
Note-se que no interior de um condutor as cargas livres se movem aos ziguezagues,
devido às colisões com os átomos do condutor. A corrente é devida ao valor médio da
velocidade das cargas.
Ao definir-se a corrente eléctrica falou-se na área através da qual se movimentam as
cargas. Interessa agora definir a densidade de corrente eléctrica. Será a corrente que
passa por unidade de área, e representa-se por J:
I
J
A
=
Através de uma área infinitesimal dA, em torno de um ponto P, define-se o vector den-
sidade de corrente pela expressão

dI
dA
= J n (2.34)
em que n representa o vector unitário normal à superfície dA, orientado com o sentido
da corrente I.

2.4.2. Lei de ohm
Num condutor as cargas eléctricas movimentam-se por se encontrarem sujeitas a forças.
Num condutor onde exista um campo eléctrico, as forças aplicadas às cargas são devi-
das a este campo, indo pois estabelecer-se uma corrente eléctrica, com a respectiva den-
sidade de corrente associada. A experiência revela que entre o campo eléctrico aplicado,
E, e a densidade de corrente resultante, J, existe uma relação de proporcionalidade dada
pela chamada lei de ohm:
σ = J E (2.35)
O parâmetro σ designa-se por condutividade eléctrica do material e é um escalar: a
densidade de corrente tem a direcção e sentido do campo.
A lei de ohm é válida para os metais e soluções químicas. Há no entanto materiais para
os quais ela não se verifica, por exemplo os materiais semicondutores. Mesmo nos
metais a lei não se aplica a determinadas temperaturas muito baixas.

11
André-Marie Ampère, físico, filósofo, cientista e matemático francês 1775-1836.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 75
Há ainda casos de materiais anisótropos em que a condutividade é uma matriz,
deixando o vector J de ter o sentido do campo eléctrico.
À grandeza inversa da condutividade dá-se o nome de resistividade eléctrica:

1
ρ
σ
= (2.36)
Considere-se agora o caso particular de um condutor de secção recta A e comprimento
/ . Ao ligarem-se os seus extremos a uma fonte de tensão com uma diferença de poten-
cial U, o campo eléctrico que se estabelece no condutor será, em módulo, E=U/ / . Pela
lei de ohm estabelece-se no condutor uma densidade de corrente tal que J = σE = σ U/ /
. Mas como J = I/A, fica
A
I V σ =
/
, ou ainda, entrando com a definição (2.36),
U RI = (2.37)
em que
R
A
ρ =
/
(2.38)
A resistividade dos materiais depende da temperatura. Este facto é largamente utilizado
em instrumentação de medida na construção das termo-resistências.

2.4.3. Energia e potência
Considere-se uma resistência ligada a uma fonte de energia eléctrica que mantenha aos
seus terminais uma diferença de potencial U. Pela lei de ohm a resistência irá ser percor-
rida por uma corrente I. Haverá assim um movimento de cargas eléctricas na resistência.
O trabalho necessário para transportar a carga +q na resistência será dado por (2.19).
Mas como .
B
A
d U =

E s , fica
AB
W qU = . Dividindo ambos os membros desta expressão
pelo tempo, fica-se no primeiro membro com a potência fornecida pela fonte à resistên-
cia, e no segundo com o produto da corrente pela tensão, pelo que a expressão da potên-
cia entregue pela fonte à resistência será dada por
P UI = (2.39)
Entrando com a lei de ohm (2.37), pode ainda escrever-se

2
2
U
P RI
R
= = (2.40)
As resistências podem ser associadas em série ou em paralelo. Supondo que existem N
resistências, de valor R
i
, a resistência resultante da associação é (ver problemas)
Associação em série:
1
N
i
i
R R
=
=

(2.41)
Associação em paralelo:
1
1 1
N
i i
R R
=
=

(2.42)

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 76 Gustavo da Silva
2.4.4. Leis de Kirchhoff
Ao efectuar o estudo de circuitos contendo elementos individualizados, tais como resis-
tências, condensadores ou outros, também designados por circuitos de parâmetros con-
centrados, é fundamental a utilização das leis de Kirchhoff, a lei dos nós e a lei das
malhas. Para o efeito divide-se o circuito em malhas, de modo a haver sempre pelo
menos um ramo diferente em cada malha. Às junções dos ramos dá-se o nome de nós.
Em vez do nó pode considerar-se uma superfície fechada de onde entram ou saem as
correntes.
Para cada nó e para cada malha são válidas as seguintes leis:

2.4.4.1. Lei dos nós
Em qualquer nó de um circuito, a soma algébrica
das correntes eléctricas é nula:

1
0
n
k
k
i
=
=

(2.43)
Para efectuar a aplicação desta lei deverá previa-
mente atribuir-se um sentido às correntes, por
exemplo, a corrente será positiva se for a entrar no
nó e negativa se for a sair.
Numa rede há tantas equações do tipo (2.43) quan-
tos os nós.
No entanto nem todas são distintas. Se houver n
nós apenas n-1 equações são independentes.

2.4.4.2. Lei das malhas
Em qualquer malha de um circuito, a
soma algébrica das tensões eléctricas é
nula.
Como para a lei anterior, para efectuar
a aplicação desta lei deverá previamen-
te atribuir-se um sentido às tensões.

1
0
m
k
k
u
=
=

(2.44)
Há também tantas equações quantas as
malhas que se considerarem. Como
anteriormente, nem todas as malhas são
distintas. Numa rede com n nós e m
ramos, o nº de malhas independentes é
1 m n ν = − +
O número total de equações indepen-
dentes é também igual a este.
u
1

u
2
u
3

u
m

...
Fig. 2.1 – Lei dos nós
Fig. 2.2 – Lei das malhas
i
1

i
3
i
2

i
n
... nó
superfície
fechada
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 77
2.5. Campo magnético.
2.5.1. Introdução
Presume-se que a primeira utilização prática do magnetismo tenha sido num instrumen-
to de medida, a bússola, da qual já há referências ao uso, na China, no século 13 AC.
Bastante mais tarde, cerca de 800 anos A.C., os Gregos fazem referência ao facto de um
mineral, a magnetite, atrair pequenos pedaços de ferro.
Tal como acontece com a agulha magnética da bússola, na magnetite e nos imãs artifi-
ciais, detectam-se duas regiões com características opostas, uma que é atraída pelo pólo
norte da Terra e outra que é atraída pelo pólo sul. A essas regiões dá-se o nome de norte
e sul da agulha (ou da magnetite), respectivamente ou também, pólo + e pólo – .
Um facto que chamou a atenção dos investigadores foi o de não se conseguir separar os
dois pólos de um imã: se um determinado imã for cortado em dois, o resultado são dois
imãs mais pequenos, continuando cada um deles a ter um pólo norte e um pólo sul.
Constatou-se ainda que estando dois imãs em presença, os pólos do mesmo sinal se
repelem e os pólos de sinais contrários se atraem. A Terra comporta-se como um imã
gigante, com o pólo sul magnético ou pólo – localizado próximo do norte geográfico e o
pólo norte magnético ou pólo + localizado próximo do pólo sul geográfico.
Uma vez que um imã produz uma força que pode ser detectada numa determinada
região do espaço, pode falar-se da existência de um campo magnético. Este pode ser
detectado com o auxílio de uma agulha magnética, que se orientará segundo a direcção
do campo. A intensidade poderá ser detectada pelo binário exercido sobre uma agulha
magnética de valor conhecido que se encontre perpendicular às linhas do campo. O
campo magnético é designado por B.
Oersted
(12)
descobriu que uma corrente eléctrica também faz deflectir uma agulha mag-
nética, originando assim um campo magnético. Esta descoberta foi aproveitada quase
logo a seguir por outros cientistas para estabelecer as bases do electromagnetismo.

2.5.2. Força exercida sobre a carga eléctrica
Uma das propriedades importantes do campo magnético é que ele exerce uma força
sobre uma carga eléctrica que se encontre em movimento. Designando por B o vector
campo magnético, se uma carga eléctrica q se encontrar em movimento, no campo, com
uma velocidade v, a experiência mostra que a carga fica sujeita a uma força F
B
tal que:
1º – O módulo da força é proporcional à carga; o seu sentido depende do sinal da carga.
2º – O módulo da força é proporcional ao módulo da velocidade da carga; o seu sen-
tido depende do sentido da velocidade.
3º – O módulo da força é proporcional ao módulo do campo; o seu sentido depende
do sentido do campo.
4º – Se a direcção da velocidade for paralela à direcção do campo, a força é nula; se a
velocidade e o campo formarem um ângulo θ, a força é proporcional a senθ.
5º – A força é perpendicular ao plano formado por v e B, de tal modo que v, B e
F
B
formam um triedro directo.

12
Hans Christian Oersted, Físico dinamarquês, 1777-1851.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 78 Gustavo da Silva
As observações anteriores podem resumir-se à expressão
q = ×
B
F v B (2.45)
em que o sinal x representa o produto externo dos vectores v e B.
No sistema internacional de unidades o campo magnético exprime-se em tesla ( T ).
O tesla corresponde, tomando em consideração a equação (2.45) a
1 N
1 T
1 C.m/s
= , ou ainda,
1 N
1 T
1 A.m
=

2.5.3. Força exercida sobre a corrente eléctrica
Uma vez que a corrente eléctrica é o resultado do movimento das cargas eléctricas, é de
esperar que sobre um condutor que transporte uma corrente eléctrica, se exerça uma for-
ça, se esse condutor se encontrar convenientemente colocado num campo magnético.
Viu-se atrás, que se for n o número de portadores de carga por unidade de volume do
condutor, q a carga de cada portador, v
d
a velocidade de deriva de cada portador e A a
secção recta do condutor através da qual passam as cargas, se tem
d
I nqv A = . A força
exercida pelo campo sobre cada portador é dada por q = ×
d
f v B. A força exercida sobre
todos os portadores contidos no comprimento elementar ds do condutor de secção A
será dada por d nAds q = ×
d
F v B. Considerando o vector ds com o sentido de v
d
e
módulo ds, substituindo nqv
d
A por I a expressão da força exercida pelo campo sobre o
elemento de condutor de secção A e comprimento ds fica
d Id = ×
B
F s B (2.46)
Se o condutor formar um troço
¯
AB , a força total sobre ele exercida será

¯
AB
I d = ×

B
F s B (2.47)

2.5.4. Movimento de uma partícula num campo magnético
Considere-se uma partícula material de massa m e carga eléctrica q em movimento num
campo magnético. De acordo com a 2ª lei de Newton, a partícula adquire uma acelera-
ção igual à resultante das forças exteriores sobre ela aplicadas a dividir pela sua massa.
Aplique-se ao caso simples de uma partícula de carga positiva q, lançada com uma
velocidade v perpendicularmente a um campo B uniforme. A única força exterior a
actuar sobre a partícula é a força magnética, cujo módulo é dado por
B
F qvB = . Pela lei
de Newton será então qvB ma = . O módulo da aceleração é constante, uma vez que B é
uniforme. No entanto a sua direcção vai sempre variando, uma vez que a força F
B
está
sempre apontada para o centro de uma circunferência de raio r. Nestas condições a ace-
leração da partícula é centrípeta, pelo que pode ser expressa por a = v
2
/r. Substituindo o
valor de a na expressão anterior fica
2
mv
qvB
r
= , donde
mv
r
qB
=

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 79
A partícula descreve um movimento circular. A sua frequência angular é dada por
/ v r ω = , ou

qB
m
ω = (2.48)
2.5.5. O efeito de Hall
O efeito de Hall é o resultado da acção de um campo magnético sobre cargas eléctricas
em movimento no interior de um condutor. Seja um condutor, por simplicidade de
exposição de secção rectangular e colocado num campo magnético, como indicado na
figura. O condutor é percorrido por uma corrente eléctrica, imposta do exterior.
Uma vez que as cargas se
encontram sujeitas à força F
B
,
irão deslocar-se para a parte
superior do condutor. No entan-
to, a concentração de cargas
positivas na face superior (e
negativas na inferior), origina
um campo eléctrico E
H
, com a
direcção do eixo dos zz, de sen-
tido contrário a F
B
. A este cam-
po eléctrico corresponderá uma
diferença de potencial U
H
entre
as faces superior e inferior do
condutor, U
H
=E
H
d.
No equilíbrio será qv
d
B = qE, pelo que fica, V
H
=v
d
Bd. Mas viu-se atrás que v
d
=I/nqA,
pelo que se pode escrever, representando por e a espessura do condutor,

H H
IB
V R
e
= , com
1
H
R
nq
= (2.49)
A constante R
H
designa-se por coeficiente de Hall; depende do material condutor.
Este dispositivo utiliza-se em instrumentação de medida para detectar a posição de
peças e para medição de posições angulares.

2.5.6. A lei de Biot-Savart
A lei de Biot-Savart permite calcular, em qualquer ponto do espaço, o campo magnético
originado por uma corrente eléctrica. Esta lei foi consequência dos trabalhos experimen-
tais de dois físicos, J.B. Biot
(13)
e F. Savart
(14)
. Estes físicos, após vários trabalhos expe-
rimentais, concluíram que em espaço livre, a corrente I que circula num troço de condu-
tor de comprimento elementar ds orientado no sentido da corrente, origina num ponto P,
à distância r de ds, um campo magnético dB dado por

0 1
2
4
Id
d
r
μ
π
×
=
s r
B (2.50)

13
Jean Baptiste Biot, físico francês, 1774-1862.
14
Félix Savart, físico francês, 1791-1841.
B
I
v
d
x
y z
+
B
I
F
B
d
A
e
Fig. 2.3 – Efeito de Hall
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 80 Gustavo da Silva
μ
0
é uma constante designada por permeabilidade magnética do espaço livre. O seu va-
lor é
7
0
4 10 T.m/A μ π

= × . r
1
representa o vector unitário dirigido de ds para o ponto P.
O campo originado em P por todo o condutor / obtém-se simplesmente por integração
da equação anterior, resultando

´
0 1
2
4
I d
r
μ
π
×
=

s r
B
/
(2.51)
Note-se que para a aplicação desta lei não é necessária a existência de um suporte mate-
rial para a corrente. Ela pode ser aplicada para calcular o campo magnético produzido
por um feixe de electrões.
Reparem-se nas semelhanças e nas diferenças existentes entre a lei de Coulomb e a lei
de Biot-Savart:
1ª Em qualquer das leis há uma atenuação do campo com o inverso do quadrado da dis-
tância. No entanto, enquanto para originar um campo eléctrico a carga pode estar
estática, para originar um campo magnético a carga tem de estar em movimento.
2ª O campo eléctrico produzido por uma carga ser radial, enquanto que o campo magné-
tico produzido por uma corrente é perpendicular ao plano definido pelo segmento por
onde circula a corrente e pelo segmento representativo da distância de ds ao ponto de
coordenadas P.
3ª Pode ter existência o campo eléctrico produzido por uma carga elementar, mas não
poder existir o campo magnético produzido apenas por uma corrente existente num
caminho elementar ds, uma vez que a corrente tem que ter continuidade, e portanto a
equação (2.50) tem sempre que ser integrada.

2.5.7. Força magnética entre dois condutores paralelos
A determinação desta força é importante, porque entre outros factos constitui a base da
definição da unidade de corrente eléctrica no SI.
Em primeiro lugar vai calcular-se o campo magnético originado por um condutor recti-
líneo de comprimento / , à distância d do seu eixo.
Observe-se a figura e aplique-se a lei de Biot-Savart:
0
2
4
I
dB sen dx
r
μ
θ
π
= .
Exprimindo x e r em função de θ e d e integrando para todo o condutor, a que corres-
pondem os ângulos θ
1
e θ
2
, obtém-se
0
1 2
(cos cos )
4
I
B
d
μ
θ θ
π
= − .







Fig. 2.4 – Força magnética entre condutores paralelos
θ θ
1
θ
2
0
x
d
r
dx
r
1

B(P)
.
x
1
x
2

I

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 81
Se o condutor for de comprimento infinito será
1
cos 1 θ = e
2
cos 1 θ = − , ficando apenas

0
2
I
B
d
μ
π
= (2.52)
Considerem-se dois condutores paralelos, de comprimento infinito, à distância d um do
outro. Os condutores, 1 e 2, transportam as correntes I
1
e I
2
, respectivamente, e com o
mesmo sentido. Um troço do condutor 1, de comprimento / e percorrido pela corrente
I
1
, fica submetido à força
1 1 2
I = × F B / . Mas como / é perpendicular a B
2
, fica
1 1 2
F I B = / . Mas o campo B
2
originado pelo condutor 2 é dado por(2.52), pelo que fica,
para a força por unidade de comprimento

0 1 2
2
F I I
d
μ
π
=
/
(2.53)
A definição de ampere resulta imediatamente da equação acima (repare-se no valor de
0
μ ):
Um ampere é a corrente eléctrica que circulando em dois condutores parale-
los de comprimento infinito, à distância de um metro um do outro, origina, no
vazio, uma força entre eles de
7
2 10 N

× por cada metro de comprimento.

2.5.8. Lei de Ampere
Considere-se um circuito geométrico fechado, / , e uma superfície qualquer que se
apoie nesse circuito. Admita-se que nesta região existe um campo magnético e há cor-
rentes eléctricas. A lei de Ampere afirma o seguinte:
A circulação do campo magnético ao longo de qualquer circuito fechado é
proporcional à resultante das correntes eléctricas que atravessam qualquer
superfície que se apoie no circuito. A constante de proporcionalidade é a
permeabilidade magnética do meio.
Analiticamente,

0
.d I μ =

B s
/

(2.54)

2.5.9. Lei de Gauss do campo magnético
Como se disse atrás, não é possível separar os pólos de um imã. Isto significa que as
linhas do campo magnético são sempre fechadas sobre elas próprias, contrariamente ao
que acontece com as linhas do campo eléctrico, que nascem em cargas positivas (ou
então no infinito) e terminam em cargas negativa ou no infinito. É de esperar pois que
haja diferenças entre as expressões do fluxo do campo eléctrico e do campo magnético.
Considere-se uma região do espaço em que existe um campo magnético e nela uma
superfície fechada qualquer. A lei de Gauss do campo magnético afirma o seguinte:
O fluxo total do campo magnético através de uma superfície fechada é nulo.
Analiticamente,
. 0
S
dA=

B

(2.55)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 82 Gustavo da Silva
2.5.10. Generalização da lei de Ampere
A lei de Ampere atrás apresentada é sempre válida quando a corrente eléctrica não varia
no tempo. Se tal acontecer, poderá haver casos em que a lei não se verifique, a menos
que seja completada com um novo termo, designado por corrente de deslocamento.
Seja o exemplo clássico de um condutor rectilíneo transportando uma corrente I variável
no tempo, e um condensador inserido no circuito. Embora no circuito haja corrente, que
transporta as cargas para ou das armaduras do condensador, entre as armaduras não há
corrente eléctrica. Aplique-se a lei de Ampere, tomando um contorno circular perpendi-
cular ao condutor, e considerem-se as superfícies S
1
e S
2
, a primeira intersectando o
condutor e a 2ª passando entre as armaduras do condensador. Para a 1ª superfície a lei
diz que
0
.d I μ =

B s

e para a 2ª . 0 d =

B s

. Esta discrepância foi resolvida por
Maxwell
(15)
com a introdução de um termo adicional, na lei de Ampere, chamado cor-
rente de deslocamento, definida por

0
E
d
d
I
dt
φ
ε = (2.56)
Nestas condições a lei de Ampere, agora designada por lei de Ampere-Maxwell, escreve-se

0 0 0
.
E
d
d I
dt
φ
μ μ ε = +

B s
/

(2.57)
Pode ver-se qual o significado deste 2º termo do 2º membro, no caso de se ter no circui-
to um condensador plano. Para ele será, sendo A a área das armaduras em presença e E
o campo eléctrico entre elas,
E
EA φ = = Q/
0
ε . (A 2ª igualdade obtém-se pela aplicação
da lei de Gauss do campo eléctrico). Neste caso a corrente de deslocamento será dada
por I
d
= dQ/dt, ou seja, como já se sabia, a corrente é dada pela variação da carga.

2.5.11. O magnetismo na matéria
O campo magnético no interior de um meio material é constituído por dois termos: um
devido ao campo aplicado a partir do exterior do meio, B
0
, e outro devido ao magnetis-
mo existente no próprio meio, B
m
. Este último termo é devido à soma dos momentos
magnéticos orbitais e de spin dos átomos, podendo exprimir-se na forma B
m

0
M.
Introduzindo um novo campo, designado por intensidade magnética, H, dado por
H=B
0

0
, pode escrever-se
0
( ) μ = + B H M
Acontece que para muitas substâncias (as substâncias paramagnéticas e as diamagnéti-
cas) se tem M=χH, ficando então
μ = B H (2.58)
em que
0
(1 ) μ μ χ = + (2.59)
Chamam-se paramagnéticas as substâncias para as quais χ>0; Para estas substâncias é
μ>μ
0
. Dizem-se diamagnéticas os materiais em que χ<0; para eles μ<μ
0
.

15
James Clerk Maxwell, Físico escocês, 1831-1879.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 83
Há um outro tipo de materiais, os materiais ferromagnéticos para os quais a relação
(2.58) é a conhecida curva de histerese, não linear e com memória. Estas substâncias
que exibem um μ/μ
0
muito elevado, muitas vezes superior a 5000, são designadas por
substâncias ferromagnéticas.

2.6. As equações de Maxwell
2.6.1. A lei da indução, de Faraday
Considere-se um circuito condutor fechado, /, e uma superfície, S, qualquer, que se
apoie nesse circuito. É bem conhecido o facto de que se se provocar uma variação de
fluxo magnético através de S, o circuito é percorrido por uma corrente eléctrica. A esta
corrente dá-se o nome de corrente induzida. Ela é devida à força electromotriz induzida
que se gera no circuito. Esta f.e.m. é, fisicamente, uma diferença de potencial. Ela existe
porque a variação do fluxo magnético deu origem a um campo eléctrico na vizinhança
do circuito condutor; a circulação deste campo eléctrico é a f.e.m. Pela lei de ohm,
havendo um campo eléctrico num condutor, este irá ser percorrido por uma corrente.
O que acaba de se expor pode ser expresso pela lei da indução de Faraday:
A força electromotriz induzida num circuito é proporcional à variação no
tempo do fluxo magnético através de uma superfície que nele se apoie.
Analiticamente

B
d
e
dt
φ
= − (2.60)
Note-se que não se faz nenhuma referência ao facto que dá origem à variação do fluxo.
Este poderá variar no tempo porque o circuito se movimenta no campo magnético, em
particular por estar a rodar, como acontece nos alternadores, ou por ser originado por
uma corrente eléctrica variável no tempo, como acontece nos transformadores. De qual
modo, o que é importante na lei de Faraday, é que o fluxo deverá variar no tempo.

2.6.2. Lei de Lenz
A lei de Lenz não é mais do que a interpretação do sinal “–“ existente na lei da indução
de Faraday:
A polaridade da f.e.m. induzida é tal que a corrente correspondente origina
um campo magnético que se vai opor à variação de fluxo que lhe deu origem.

2.6.3. As equações de Maxwell na forma integral
As equações de Maxwell são as leis fundamentais do electromagnetismo. Foram apre-
sentadas neste capítulo, embora não se tenha chamado a atenção para o nome. A primei-
ra equação é a própria lei da indução (2.60), escrita de uma forma ligeiramente diferen-
te, notando que a f.e.m. é a circulação de um campo eléctrico. A 2ª equação é a lei de
Ampère-Maxwell (2.57). As duas restantes são as leis de Gauss do campo eléctrico e do
campo magnético. Podem assim escreve-se as equações de Maxwell do electromagne-
tismo, na forma integral:
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 84 Gustavo da Silva
.
B
d
d
dt
φ
= −

E s
/

(2.61)

0 0 0
.
E
d
d I
dt
φ
μ μ ε = +

B s
/

(2.62)

0
1
S
d Q
ε
=

E. σ

(2.63)
. 0
S
dA=

B

(2.64)
2.6.4. As equações de Maxwell na forma diferencial
As equações na forma diferencial são úteis quando se deseja estudar determinados
aspectos do campo electromagnético, por exemplo o aspecto ondulatório. A passagem
das equações acima, na forma integral, para as equações na forma diferencial, faz-se
com recurso a dois teoremas importantes do cálculo: o teorema de Stokes e o teorema
da divergência.
Comece-se em primeiro lugar por escrever as equações anteriores desenvolvendo as
expressões do fluxo dos campos magnético e eléctrico e notando que a corrente é o flu-
xo de J e a carga é o integral da densidade de carga ρ. As operações de derivação em
ordem ao tempo e de integração no espaço podem comutar. As derivadas totais passam
a derivadas parciais porque os fluxos dependem apenas do tempo, enquanto que os
campos respectivos dependem do tempo e do espaço. Nestas condições será
. .
S
d d
t

= −

∫ ∫∫
B
E s A
/

(2.65)
0 0
. ( ).
S
d d
t
μ ε

= +

∫ ∫∫
E
B s J A
/

(2.66)
0
1
S V
d dV ρ
ε
=
∫ ∫∫∫
E. σ

(2.67)
. 0
S
dA=

B

(2.68)

Utilizando o teorema de Stokes pode modificar-se o primeiro membro das equações
(2.65) e (2.66). Com o auxílio do teorema da divergência modificam-se os dois primei-
ros membros das equações (2.67) e (2.68). Finalmente, notando que
0
μ = B H e
0
ε = D E fica
rot . .
S S
d d
t

= −

∫∫ ∫∫
B
E A A
0
rot . ( ).
S S
d d
t
ε

= +

∫∫ ∫∫
E
H A J A
div
V V
dV dV ρ =
∫∫∫ ∫∫∫
D
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 85
div 0
V
dV =
∫∫∫
B
Finalmente, notando que estas igualdades são válidas quaisquer que sejam as superfícies
S e os volumes V, obtêm-se as equações de Maxwell na forma diferencial:
rot
t

= −

B
E (2.69)
rot
t

= +

D
H J (2.70)
div ρ = D (2.71)
div 0 = B (2.72)


2.6.5. Ondas electromagnéticas
Considerando um meio sem cargas (ρ = 0) e isolante (σ = 0, ⇒ J = 0), e atendendo à
identidade vectorial, válida para qualquer vector X,
rot(rot( )) grad(div( )) lap( ) = − X X X
chega-se às seguintes equações:
2
2
lap
t
εμ

= −

E
E (2.73)
2
2
lap
t
εμ

= −

D
D (2.74)
2
2
lap
t
εμ

= −

B
B (2.75)
2
2
lap
t
εμ

= −

H
H (2.76)
Isto significa que os campos E, D, B e H se propagam sob a forma de ondas esféricas,
com uma velocidade de propagação

1
v
εμ
= (2.77)
Se o meio de propagação for o vácuo tem-se
0
μ μ = e
0
ε ε = , sendo nesse caso v c = ,
pelo que

2
0 0
c ε μ = (2.78)





Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 86 Gustavo da Silva

2.6.6. O espectro das ondas electromagnéticas
É a seguinte a designação que se dá às ondas electromagnéticas consoante a sua fre-
quência de oscilação:

Designação frequência Comprimento de onda
Ondas
de
rádio
Onda longa (LW)
< 300kHz
f < 300 kHz λ > 1000 m
Onda média (MW)
300kHz - 3 MHz
300 kHz< f < 3 MHz 1000 m > λ > 100 m
Onda curta (SW)
3 MHz – 30 MHz
3 MHz< f < 30 MHz 100 m > λ > 10 m
VHF 30 MHz< f < 300 MHz 10 m > λ > 1 m
UHF 300 MHz< f < 3 GHz 1 m > λ > 0.1 m
Microondas 3×10
9
Hz< f < 3×10
12
Hz 0.3 m > λ > 0.1 mm
Infravermelhos 3×10
12
Hz< f < 4×10
14
Hz 1 mm > λ > 0.7 μm
Luz visível 4×10
14
Hz< f < 3×10
15
Hz 0.3 μm > λ > 0.7 μm
Ultravioletas 7.5×10
14
Hz< f < 5×10
17
Hz 0.4 μm > λ > 0.6 nm
Raios X 3×10
16
Hz< f < 3×10
20
Hz 10 nm > λ > 1 pm
Raios γ f > 3×10
18
Hz 100 pm > λ > 0.01 pm

Pode fazer-se uma representação gráfica:













Fig. 2.5 – O espectro das ondas electromagnéticas

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 87
2.7. Fenómenos periódicos
2.7.1. Exemplos de fenómenos periódicos
Mecânica: Movimento da Terra (e dos planetas do Sistema Solar) à volta do Sol,
Movimento da Lua em torno da Terra,
Movimento dos satélites artificiais em volta da Terra,
Ondas do mar, em determinadas situações,
Movimento do pêndulo gravítico e do pêndulo de torção,
Movimento dos êmbolos de um motor de combustão,
Movimento de um alternador e de um motor eléctrico,
...
Electrotecnia: Tensão e corrente eléctricas produzidas por um alternador,
Geradores de sinais eléctricos periódicos,
Radiações electromagnéticas (ondas de rádio, de TV, ...),
...
Óptica: Luz visível (a luz é uma radiação electromagnética),
Luz ultravioleta e infravermelha,
...

2.7.2. Representação analítica e gráfica
Vai representar-se analiticamente um fenómeno por s(t). Um fenómeno manifesta-se
por meio de sinais. Um sinal é algo que transporta informação. Em matemática será
representado por meio de uma função. Um sinal, é periódico, sendo T um seu período,
se e só se, para todo o k inteiro
( ) ( ) s t kT s t + = (2.79)
Na prática considera-se o menor período T positivo como sendo o período do sinal.
Repare-se que apesar de se estar a utilizar a letra t para a variável independente (sugeri-
da pelo facto de muitos fenómenos serem periódicos no tempo, esta variável poderá
representar uma grandeza qualquer, por exemplo um comprimento; há muitas grandezas
que exibem periodicidade espacial, por exemplo a fotografia de uma superfície ondula-
da, uma estrutura cristalina, etc.









Fig. 2.6 – Representação gráfica de um fenómeno periódico no tempo
T
t
s(t)
. . . . . .
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 88 Gustavo da Silva
Um possível sinal representado por (2.79) encontra-se representado graficamente na
Fig. 2.6. Nela pode observar-se o período do sinal. Normalmente representa-se o perío-
do pelo intervalo entre dois zeros pois estes são mais fáceis de identificar.
O período exprime-se nas unidades da variável independente. Ao inverso do período dá-
se o nome de frequência

1
f
T
= (2.80)
A frequência tem o significado do número de períodos contidos na unidade de tempo.
Para uma grandeza periódica no tempo:
Período – exprime-se em “segundo” ou outras unidades (minutos, anos, ...)
Frequência – exprime-se em “hertz”,Hz, (também conhecido por ciclo por segundo) ou
outras unidades (rotações por minuto, ...)
Para uma grandeza periódica no espaço:
Período espacial– exprime-se em “metro” ou seus múltiplos ou submúltiplos (m, nm,
...). Representa-se por L. No caso do fenómeno ser a propagação de uma onda, ao
período espacial dá-se o nome de comprimento de onda, e representa-se por λ.
Frequência espacial– exprime-se em “m
-1
”.
É conveniente, em particular quando os fenómenos periódicos são sinusoidais, mas não
restritos a estes, introduzir uma variável designada por frequência angular

2
2 f
T
π
ω π = = (2.81)
No caso do fenómeno ser a propagação de uma onda introduz-se a variável k, designada
por número de ondas por comprimento, e definida por

2
k
π
λ
= (2.82)
Diz-se que o sinal s
1
(t), não necessariamente periódico, representa s(t) atrasado, se tiver
a mesma evolução e só ocorrer ao fim de algum tempo. Se ocorrer antes o sinal diz-se
avançado. Se dois sinais forem periódicos, o atraso de T
D
um deles é exactamente equi-
valente a um avanço de T-T
D
.

2.7.3. O sinal sinusoidal
O sinal sinusoidal, representado na Fig. 2.7b, é descrito por
( ) ( ) s t Asen t ω ϕ = − (2.83)
em que: A – amplitude, ω – frequência angular, ϕ – desfasagem inicial.
Repare-se que o produto ω

t é adimensional o que satisfaz a condição exigida para uma
expressão homogénea, isto é, válida para qualquer sistema de unidades.
Observando agora a Fig. 2.7a, conclui-se que o sinal sinusoidal pode ser obtido com o
auxílio de uma circunferência, sobre a qual se traça um vector de módulo A, o vector
girante ou fasor, que roda com a velocidade angular ω no sentido inverso (contrário ao
do movimento dos ponteiros de um relógio). O valor do sinal é, em cada instante, igual
à projecção do vector girante sobre o eixo das ordenadas.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 89








a) b)

Fig. 2.7 – Vector girante e sinal sinusoidal

Repare-se que o vector A define a amplitude e a fase do sinal sinusoidal, mas apenas
para uma determinada frequência angular. Estes diagramas são muito úteis em Electro-
tecnia, onde habitualmente se trabalha com apenas uma frequência, a da rede.
Dois sinais sinusoidais estão em quadratura se forem descritos por vectores girantes
perpendiculares. No caso em que 0 ϕ = , tem-se o vector OB a representar o sinal
“seno” e o vector OC a representar o “co-seno”. Note-se que cos( ) t ω está avançado de
π/2 em relação a sen( ) t ω . Por sua vez, o sinal representado pelo vector OD está avan-
çado de π/2 em relação ao sinal representado por OC, ficando em oposição de fase com
o sinal OB.
Estes diagramas oferecem maior potencialidade se em vez de diagramas vectoriais se
pensar em termos de números complexos. Estes têm a vantagem de terem definidas as
operações de multiplicação e divisão entre os seus elementos, o que não acontece com
os vectores. Nestas condições, a partir de um sinal sinusoidal, representado pelo afixo
de um complexo no plano de Argand, obtém-se um sinal avançado de π/2, multiplican-
do-o pela unidade imaginária j. Voltando a multiplicar por j obtém-se um sinal em opo-
sição de fase (com efeito j×j = j
2
= -1).
O número complexo de módulo A, que roda sobre a circunferência de raio A, não é mais
do que a exponencial complexa

j t
Y Ae
ω
= (2.84)
Com efeito pela fórmula de Euler
(16)
tem-se
cos sen
j
e j
θ
θ θ = + (2.85)
pelo que o coeficiente da parte imaginária de Y, que se representa sobre o eixo imaginá-
rio, representa o valor instantâneo do sinal, tal como foi apresentado atrás.





16
Leonhard Euler, matemático suíço, 1707-1783.

y
t

A
ωt-ϕ
y
y(t)
ω
O B
C
D
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 90 Gustavo da Silva
2.7.4. A série de Fourier
O sinal sinusoidal é muito corrente na descrição de fenómenos físicos. É um sinal que é
descrito apenas com o auxílio de 3 parâmetros, a amplitude, a frequência e a fase ini-
cial. É um sinal periódico. Muitos outros sinais periódicos têm formas características: os
sinais rectangular, triangular, em dente de serra, a sequência de impulsos, a sinusóide
rectificada, etc.
O matemático francês Joseph Fourier
(17)
mostrou que qualquer sinal periódico que satis-
faça determinadas condições (normalmente satisfeitas pelos sistemas físicos, indicadas
mais à frente) pode ser representado por uma sobreposição de um certo número de
sinais sinusoidais de frequências iguais a múltiplos da frequência do sinal periódico, e
com amplitudes e fases bem definidas. A esta soma, de um número infinito de sinais
sinusoidais dá-se o nome de série de Fourier associada ao sinal periódico.
No campo da Física é bem conhecido o fenómeno óptico da decomposição da luz bran-
ca por meio de um prisma, obtendo-se deste modo luz colorida. Faz-se assim a decom-
posição da luz nas suas diversas “frequências constituintes”. É também sabido que o
som, (música, voz, etc.) é composto por sinais graves e sinais agudos, ou seja, sinais
com frequências baixas e sinais com frequências altas. As séries de Fourier são uma
forma de analisar a estrutura de sinais periódicos, fazendo a sua decomposição em sinais
elementares sinusoidais.
Todo o sinal contínuo real, não necessariamente periódico, que dentro de um intervalo
(t
a
, t
b
) obedeça às condições de Dirichlet
(18)
, isto é:
• seja limitado,
• tenha um número finito de descontinuidades de 1ª espécie,
• tenha um número finito de máximos e mínimos,
• seja absolutamente integrável, isto é | ( ) |
b
a
t
t
s t dt < ∞

,
pode ser representado por uma série, cujos termos são sinusóides. Fora do intervalo (t
a
,
t
b
) a série replica um sinal periódico constituído por troços iguais ao do sinal que se
encontra dentro do intervalo.
Para o caso de sinais periódicos, de período T, definindo frequência angular ω pela
expressão ω=2π /T , pode representar-se o sinal pela série, designada por série de Fou-
rier associada ao sinal,

0
1 1
( ) cos( ) ( )
k k
k k
s t a a k t b sen k t ω ω
∞ ∞
= =
= + +
∑ ∑
(2.86)
em que os coeficientes a
k
e b
k
são calculados pelas expressões seguintes, obtidas a partir
de (2.86) multiplicando ambos os membros por cos(kωt) ou por sen(kωt) e utilizando a
propriedade das funções sinusoidais serem ortogonais:



17
Jean Baptiste Joseph Fourier, matemático francês, 1768-1830
18
Peter Gustav Dirichlet, matemático alemão, 1805-1859.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 91
s(t)

0
1
( )
2
( ) cos( ) , 1, 2,...
2
( ) ( ) , 1, 2,...
T
k
T
k
T
a s t dt
T
a s t k t dt k
T
b s t sen k t dt k
T
ω
ω

=



= =



= =





(2.87)
O parâmetro a
0
representa o valor médio do sinal s(t), num período. Nos pontos de des-
continuidade do sinal, t
d
, a série de Fourier associada converge para ½ [s(t
d
+0) + s(t
d
-0)]
Na Fig. 2.8 representa-se um período de um sinal analógico em forma de onda
quadrada, e a sua aproximação por meio dos primeiros n = 7 termos da série de Fourier
associada.

k = 1, 3, 5, 7,









Fig. 2.8 – Representação de um sinal periódico.

2.7.5. O movimento harmónico simples
Muitos fenómenos físicos são descritos por meio de uma equação diferencial do tipo

2
2
0
d x
Cx
dt
+ = (2.88)
É o caso do pêndulo gravítico (pequenas oscilações), do sistema massa-mola (sem
amortecimento), do circuito LC (bobina e condensador sem perdas), e outros. Esta
equação diferencial, linear, de coeficientes constantes e homogénea, admite como solu-
ção um sinal sinusoidal. Quando x representa uma posição a 2ª derivada representa uma
aceleração e o movimento resultante é designado por movimento harmónico simples,
que é uma oscilação sinusoidal. O termo “harmónica” é usado para indicar um sinal
sinusoidal de frequência múltipla de uma determinada.
Exemplifique-se para o caso de um sistema constituído por uma massa e uma mola,
como indicado na Fig. 2.9. O corpo pode deslocar-se apenas segundo a direcção x, sem
atrito. Com o sistema em repouso o corpo encontra-se na posição x = 0 e a resultante
das forças que sobre ele actuam é nula. Desloque-se o bloco para a posição x
0
. A força
exterior que sobre ele actua, resultante da deformação da mola, tem o valor
f kx = − (2.89)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 92 Gustavo da Silva
Liberte-se agora o corpo. Este tenderá a voltar para a posição inicial.












Fig. 2.9 – Sistema massa-mola

De acordo com a 2ª lei de Newton a massa ficará sujeita a uma aceleração x `` tal que
mx f = `` (2.90)
Combinando (2.89) com (2.90) obtém-se
0 mx kx + = `` (2.91)
que admite como solução

0 0
( ) cos( ) x t x t ω ϕ = − (2.92)
com

0
k
m
ω = (2.93)
Os valores de x
0
e de ϕ determinam-se a partir das condições iniciais.
O circuito constituído por um condensador em paralelo com uma bobina conduz tam-
bém a uma equação igual a (2.88).

o o
-2 -1 0 1 2
| | | | | | | | | |
0 x
0
x
Mola
Massa
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 93
2.8. Circuitos em corrente alternada
2.8.1. Tensão alternada sinusoidal
A descrição analítica de uma tensão alternada é a seguinte:
( ) sen( )
m
u t U t ω ϕ = − (2.94)
A representação gráfica desta função encontra-se na figura seguinte. Para uma corrente
ou qualquer outra grandeza alternada sinusoidal a descrição é análoga.















Fig. 2.10 – Representação gráfica de uma tensão alternada sinusoidal

U
m
– amplitude (sempre positiva) ω - frequência angular. Tem-se
2
T
π
ω =
T – período (expresso em tempo) ϕ – desfasagem inicial

Em electrotecnia é comum representar um sinal periódico por meio de uma circunferên-
cia, sobre a qual se traça um vector de módulo U
m
, o vector girante ou fasor, que roda
com a velocidade angular ω no sentido inverso (contrário ao do movimento dos pontei-
ros de um relógio). O valor do sinal é, em cada instante, igual à projecção do vector
girante sobre o eixo das ordenadas.
Nestas condições poderá escrever-se
simbolicamente

( )
( ) e
j t
m
u t U
ω ϕ −
= (2.95)
e e e
j j t j t
m
U
ϕ ω ω −
= =
m
U
Com e
j
m
U
ϕ −
=
m
U (2.96)


Fig. 2.11 – Representação complexa de uma grandeza sinusoidal
T <> 2π
. . .
ϕ
0
U
m

0.5U
m
-0.5U
m
-U
m
π/4+ϕ 3π/4+ϕ π/2+ϕ 2π+ϕ
t
u(t)
ω t
. . .
ϕ
ω
O
U
m
real
imag.
plano
complexo
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 94 Gustavo da Silva
2.8.2. Tensão e corrente numa resistência
Considere-se o circuito representado na Fig. 2.12, em que um gerador de tensão
sinusoidal, G, se encontra ligado a uma resistência. Por hipótese é
( ) sen( )
G G
u t U t ω = (2.97)
Mas pela lei de Kirchhoff, das malhas tem-se a cada instante ( ) ( )
R G
u t u t = , o que implica
U
R
=U
G
. A cada instante é válida a lei de Ohm, pelo que ( ) ( )
R R
u t Ri t = .
Logo ( ) sen
R
R
U
i t t
R
ω = = sen
R
I t ω
com
R
R
U
I
R
= (2.98)
Numa resistência a tensão e a corrente estão em fase.





Fig. 2.12 – Gerador sinusoidal liga-
do a uma resistência

A potência transferida do gerador para a resistência é obtida a partir de
( ) ( ) ( )
R R
p t u t i t = (2.99)
Substituindo os valores instantâneos pelos valores sinusoidais vem

2
( ) sen( ) sen( ) sen ( )
R R R R
p t U t I t U I t ω ω ω = = (2.100)
O valor instantâneo desta potência é sempre positivo, o que significa que o gerador está
sempre a enviar energia para a resistência. Repare-se que a potência tem uma frequência
dupla da tensão (ou da corrente).













Fig. 2.13 –Tensão, corrente e potência numa resistência
o
o
~
o
o
u
G
(t) u
R
(t)
R
G
U
m

u(t)
i(t)
p(t)
t
0
I
m

P
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 95
O valor médio da potência transferida durante um período é calculado por

2
0
sen ( )
T
R R R
P U I t dt ω =

=
2
0
sen ( )
T
R R
U I t dt ω

=
1
2
R R
U I (2.101)
A potência, transferida do gerador para a resistência, é dissipada nesta sob a forma de
calor, sendo o fenómeno conhecido com o nome de efeito de Joule.
Definindo valor eficaz de uma grandeza sinusoidal (tensão ou corrente) pelas relações

2
m
ef
U
U =
2
m
ef
I
I = (2.102)
pode escrever-se

e
R
f ef
R R
P U I = (2.103)
O significado de valor eficaz é o seguinte:
O valor eficaz é aquele que em corrente contínua conduz à mesma dissipação
por efeito de Joule que uma corrente alternada sinusoidal com amplitude I
m
.
Com as definições (2.102) a tensão e a corrente alternadas sinusoidais podem escrever-se
( ) 2 sen( )
ef
u t U t ω ϕ = − (2.104)
( ) 2 sen( )
ef
i t I t ω ϕ = − (2.105)

2.8.3. Tensão e corrente numa bobina
Considere-se agora o circuito representado na Fig. 2.14, em que um gerador de tensão
sinusoidal, G, se encontra ligado uma bobina. Por hipótese é ( ) sen( )
G G
v t V t ω = . Mas
pela lei das malhas tem-se a cada instante ( ) ( )
L G
u t u t = , o que implica U
L
=U
G
.
A cada instante é válida a lei da indução, pelo que a variação do fluxo magnético produ-
zido pela corrente na bobina origina uma f.e.m. que contraria ( )
L
u t . Logo, será

( )
( )
L
d t
u t
dt
φ
= (2.106)
Mas o fluxo magnético na bobina é proporcional à corrente que a atravessa (pela lei de
Ampere)
L i φ = ⋅ (2.107)
O coeficiente de proporcionalidade, L, designa-se por coeficiente de auto-indução da
bobina. Substituindo (2.107) em (2.106) obtém-se

( )
( )
L
di t
u t L
dt
= (2.108)
A equação (2.108) pode ser resolvida em ordem a i(t), resultando

0
1
( ) ( )
t
L L
i t u d
L
τ τ =

(2.109)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 96 Gustavo da Silva
Para uma tensão do gerador alternada sinusoidal (tensão aplicada à bobina) dada por
(2.94), em que se utiliza o índice ‘L’ para indicar amplitude da tensão na bobina, obtém-
se, depois de integrar e considerando nula a constante de integração,

1 1
( ) cos( ) sen( )
2
L L L
i t U t U t
L L
π
ω ω
ω ω
= − = − (2.110)
Fazendo
L
L
U
I
L ω
= pode escrever-se
( ) sen( )
2
L L
i t I t
π
ω = − (2.111)
Conclui-se assim que numa bobina a corrente se encontra atrasada de 90º em relação à
tensão aos seus terminais. Chama-se reactância da bobina (ou indutância) à quantidade
( )
L
L
L
U
X L
I
ω = = (2.112)
A reactância tem as dimensões de uma resistência, pelo que se exprime em ohm.








Fig. 2.14 – Gerador sinusoidal ligado a uma bobina

A potência transferida do gerador para a bobina é obtida a partir de (2.99),
( ) ( ) ( )
L L
p t u t i t = . Substituindo os valores instantâneos pelos valores sinusoidais vem
( ) sen( ) sen( / 2)
L L
p t U t I t ω ω π = − (2.113)
O valor instantâneo desta potência tem uma frequência 2ω e valor médio nulo, sendo
pois ora positivo ora negativo, o que significa que o gerador durante ¼ de ciclo da ten-
são está a enviar energia para a bobina e durante o 4º de ciclo seguinte está a receber.
O valor médio da potência transferida durante um período é calculado por

0
sen( ) sen( / 2)
T
L L L
P U t I t dt ω ω π = −

= 0 (2.114)
Na figura seguinte encontra-se a representação temporal da tensão, da corrente e da
potência na bobina, bem como o respectivo fasor.
De um modo geral dá-se o nome de impedância à relação entre os fasores da tensão e
da corrente, num circuito genérico. Tendo em conta a desfasagem de 90º existente entre
a tensão e a corrente, a impedância da bobina (reactância) é dada por

L
j L ω = X (2.115)
o
o
~
o
o
u
G
(t) u
L
(t)
L
G
i
L
(t)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 97










Fig. 2.15 – Fasores da corrente e tensão na bobina

2.8.4. Tensão e corrente num condensador
Seja o circuito representado na Fig. 2.16, em que um gerador de tensão sinusoidal, G, se
encontra ligado um condensador. Como nos casos anteriores será U
L
=U
G
. Pode pois
escrever-se
( ) sen( )
C C
u t U t ω = (2.116)
A corrente no condutor de ligação ao condensador é dada pela variação da carga entre
as suas armaduras:

( )
( )
C
dq t
i t
dt
= (2.117)







Fig. 2.16 – Gerador sinusoidal ligado a um condensador

Mas, por definição de capacidade de um condensador é q C u = ⋅ (a todo o instante),
pelo que

( )
( )
C
C
du t
i t C
dt
= (2.118)
A equação (2.118) pode ser resolvida em ordem a u, resultando

0
1
( ) ( )
t
C C
u t i d
C
τ τ =

(2.119)
Para uma tensão do gerador alternada sinusoidal (tensão aplicada ao condensador), em
que se utiliza o índice ‘C’ para indicar amplitude da tensão no condensador, obtém-se,
depois de derivar,
π/2
ω
O
U
L
real
imag
plano
com-
I
L
p(t)
u(t)
i(t)
t
o
o
~
o
o
u
G
(t) u
C
(t)
C G
i
C
(t)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 98 Gustavo da Silva
( ) cos( )
C C
i t CU t ω ω = (2.120)
Fazendo
C C
I CU ω = pode escrever-se
( ) cos( ) sen( )
2
C C C
i t I t I t
π
ω ω = = + (2.121)
Conclui-se assim que num condensador a corrente se encontra avançada de 90º em
relação à tensão aos seus terminais. Chama-se reactância do condensador (ou capaci-
tância) à quantidade

1
( )
C
C
C
U
X
C I ω
= = (2.122)
A reactância tem as dimensões de uma resistência, pelo que se exprime em ohm.
A potência transferida do gerador para o condensador é obtida a partir de (2.99),
( ) ( ) ( )
C C
p t u t i t = . Substituindo os valores instantâneos pelos valores sinusoidais vem
( ) sen( ) sen( / 2)
C C
p t U t I t ω ω π = + (2.123)
O valor instantâneo desta potência tem uma frequência 2ω e valor médio nulo, sendo
ora positivo ora negativo, o que significa que o gerador durante ¼ de ciclo da tensão
está a enviar energia para a bobina e durante o 4º de ciclo seguinte está a receber.
O valor médio da potência transferida durante um período é calculado por

0
sen( ) sen( / 2)
T
C C C
P U t I t dt ω ω π = +

= 0 (2.124)
Na figura seguinte encontra-se a representação temporal da tensão, da corrente e da
potência na bobina, bem como o respectivo fasor.










Fig. 2.17 – Fasores da corrente e tensão no condensador

Tendo em conta o avanço de 90º da corrente em relação à tensão, a impedância do con-
densador (capacitância) é dada por

1
C
j C ω
= X (2.125)

π/2
ω
O
U
C
real
imag.
plano
complexo
I
C
p(t)
u(t)
i(t)
t
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 99
2.8.5. Circuito RLC série
Considere-se o circuito constituído por uma resistência em série com uma bobina e em
série com um condensador, como representado na Fig. 2.18, em que G é um gerador de
tensão sinusoidal.









Fig. 2.18 – Circuito RLC série

Uma vez que os elementos do circuito se encontram em série, ( ) ( ) ( ) ( )
R L C
i t i t i t i t = = = .
Pela lei das malhas é, a cada instante,
( ) ( ) ( ) ( )
R L C
u t u t u t u t = + + (2.126)

Viu-se atrás que ( ) ( )
R
u t Ri t = ,
( )
( )
L
L
di t
u t L
dt
= e
0
1
( ) ( )
t
c C
u t i d
C
τ τ =

. Substituindo estes
valores em (2.126) obtém-se

0
( ) 1
( ) ( ) ( )
t
di t
u t Ri t L i d
dt C
τ τ = + +

(2.127)
Esta equação admite uma solução também sinusoidal (corrente sinusoidal), com a mes-
ma frequência da tensão u(t). Vai usar-se a notação complexa:
( )
j t
i t e
ω
= I (2.128)
Será então
( )
j t
di t
j e
dt
ω
ω = I e
0
1
( )
t
j t
i t dt e
j
ω
ω
=

I . Substituindo em (2.127) resulta

1
j t j t j t j t
e R e j L e e
j C
ω ω ω ω
ω
ω
= + + U I I I (2.129)
Como esta equação é válida para qualquer t resulta

1
( ) R j L
j C
ω
ω
= + + U I (2.130)
Chamando impedância complexa à quantidade

1
R j L
j C
ω
ω
= + + Z (2.131)
pode escrever-se = U ZI ou =
U
I
Z
(2.132)
que tem o aspecto formal da lei de ohm.
u(t)
~
o
o
u
G
(t)
G
o
o
C
i(t)
L R
• • •
u
R
(t) u
L
(t) u
C
(t)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 100 Gustavo da Silva
A expressão (2.131) pode representar-se sobre o plano complexo do seguinte modo:










Fig. 2.19 – Diagrama de impedâncias do circuito RLC série

Conhecido o valor da tensão pode obter-se a corrente dividindo U por Z. Vectorialmen-
te traça-se o gráfico indicado na Fig. 2.20.








Fig. 2.20 – Tensão, corrente e impedância complexas

Repare-se que a impedância, sendo um número complexo, se pode escrever na forma

j
Ze
ϕ
= Z (2.133)
Podem dar-se os casos seguintes:
→ 0 ϕ = : O circuito diz-se resistivo ou óhmico puro. No circuito RLC série óhmico, o
termo j L ω é cancelado pelo termo
1
j C ω
.
→ 0
2
π
ϕ < < : O circuito diz-se indutivo. A corrente está atrasada em relação à tensão.

2
π
ϕ = : O circuito diz-se indutivo puro. Não há resistência. A corrente encontra-se
em quadratura com a tensão, e atrasada em relação a esta.
→ 0
2
π
ϕ − < < : O circuito diz-se capacitivo. A corrente encontra-se avançada em
relação à tensão.

2
π
ϕ = − : O circuito diz-se capacitivo puro. Não há resistência. A corrente encon-
tra-se em quadratura com a tensão, e avançada em relação a esta.
jωL
O
R real
imag.
plano
complexo
Z
1
j C ω
ϕ
O
U
real
imag.
plano
complexo
Z
ϕ

I
ω
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 101
2.8.6. Energia e potência
Considere-se o circuito constituído por uma fonte de tensão ligada a um circuito de car-
ga, como se mostra na Fig. 2.21.









Fig. 2.21 – Potência instantânea num circuito

Pode mostrar-se que a cada instante é transferida uma determinada potência do gerador
para o circuito, designada por potência instantânea, dada pela expressão
( ) ( ) ( ) p t u t i t = ⋅ (2.134)
Se a tensão for alternada sinusoidal, a corrente também o será. Neste caso a carga será
caracterizada pela sua impedância complexa Z. Pode então escrever-se
( ) sen 2 sen
m ef
u t U t U t ω ω = = (2.135)
( ) sen( ) 2 sen( )
m ef
i t I t I t ω ϕ ω ϕ = − = − (2.136)
pelo que, usando (2.134), ( ) 2 sen sen( )
ef ef
p t U I t t ω ω ϕ = − (2.137)
ou ainda ( ) cos (1 cos 2 ) sen sen 2
ef ef ef ef
p t U I t U I t ϕ ω ϕ ω = − + (2.138)
A expressão (2.138) podem representar-se graficamente do modo indicado na Fig. 2.22.













Fig. 2.22 – Tensão, corrente e potência num circuito RLC

o
o
u(t)
~
o
o
G
p=u.i
p(t)
u(t)
i(t)
t
cosϕ
1+cosϕ
1– cosϕ
0
( )
ef ef
p t
U I

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 102 Gustavo da Silva
Observa-se pela figura que p(t) pode ser positivo ou negativo, estando este último caso
marcado a cinzento. Quando p(t) > 0 o gerador fornece energia ao circuito. No caso
em que p(t) < 0 é o circuito que fornece energia ao gerador.
O valor médio da potência em jogo obtém-se pela expressão

1
( ) cos
ef ef
T
P p t dt U I
T
ϕ = =

(2.139)
Ao valor médio da potência fornecida pelo gerador, dá-se o nome de potência activa.
O gerador deverá ser capaz de fornecer uma tensão com o máximo de amplitude (ou, de
outro ponto de vista, com o valor eficaz nominal), e uma corrente com o valor eficaz
nominal, embora não simultaneamente. Esta simultaneidade só ocorrerá se o gerador for
ligado a um circuito óhmico puro. Por este motivo interessa considerar a grandeza
seguinte, chamada potência aparente:

ef ef
S U I = (2.140)
Uma outra grandeza que interessa considerar, é a potência reactiva. Esta é definida por
sen
ef ef
Q U I ϕ = (2.141)
Note-se que P, Q e S constituem os lados de um triângulo rectângulo:






Fig. 2.23 – Triângulo das potências

2.8.7. Energia armazenada
Considere-se a expressão (2.134) que representa a potência transferida a cada instante
para um circuito. A energia transferida, desde o instante zero até ao instante actual será

0 0
( ) ( ) ( ) ( )
t t
w t p d v i d τ τ τ τ τ = = ⋅
∫ ∫
(2.142)
Considere-se o caso da bobina. Para este dispositivo é, por (2.108),
( )
( )
L
di t
v t L
dt
= .
Substituindo este valor de v(t) em (2.142) e integrando obtém-se (o índice B é de bobina)

2
1
( ) ( )
2
B
w t Li t = (2.143)
Que representa a energia armazenada a cada instante numa bobina de coeficiente de
auto-indução L, quando percorrida pela corrente i(t).
Para o condensador obtém-se uma expressão semelhante: (índice C para condensador)

2
1
( )
2
C
w Cv t = (2.144)
Q
P
S
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 103
2.9. Transformador
2.9.1. Descrição
Na sua forma mais simples o transformador é constituído por duas bobinas ligadas por
um circuito magnético comum, que nos transformadores de potência é constituído por
um núcleo de ferro laminado.
A configuração básica será a indicada na Fig. 2.6, onde um transformador se encontra
ligado a um gerador e a uma carga. A tensão u
1
(t) variável no tempo, proveniente do
gerador ou da rede eléctrica, é aplicada à bobina primária. Esta será percorrida por uma
corrente i
1
(t) que origina um fluxo magnético no núcleo, também variável no tempo,
φ
1
(t). A variação deste fluxo através da bobina secundária origina uma tensão u
2
(t) que
poderá ser aplicada à carga ou a uma rede eléctrica. A corrente i
2
(t) por sua vez origina
um fluxo φ
2
(t) que se irá opor ao fluxo φ
1
(t).
Os sentidos das tensões e correntes representados foram convencionados para represen-
tar a potência a entrar no transformador.











Fig. 2.24 – Desenho de um transformador

A utilização do transformador é muita variada, sendo fundamental em determinadas
aplicações. O transformador só pode ser utilizado com correntes variáveis no tempo,
em particular com correntes alternadas. Nunca pode ser usado com corrente contínua. É
utilizado em produção e distribuição de energia, em fontes de alimentação, em teleco-
municações e electrónica. Consoante a aplicação e a potência assim a constituição e
aspecto do transformador.

2.9.2. Equações instantâneas
O transformador é caracterizado pelos parâmetros das bobinas (primária e secundária) e
pela ligação magnética entre estas bobinas.
Parâmetros da bobina primária:
N
1
– número de espiras
R
1
– resistência das espiras
L
1
– Coeficiente de auto-indução
Parâmetros da bobina secundária:
N
2
– número de espiras
R
2
– resistência das espiras
L
2
– coeficiente de auto-indução
Ligação magnética entre as bobinas primária e secundária:
L
M
– coeficiente de indução mútua.
N
1

N
2

φ
1
(t)
Bobina
primária
Bobina
secundária
i
2
(t)
i
1
(t)
u
2
(t) u
1
(t)
~
Gerador Carga
R
L

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 104 Gustavo da Silva
No caso dos transformadores de potência é importante saber-se a dispersão do fluxo
magnético entre as bobinas, a saturação do ferro do núcleo e as perdas de energia no
ferro do núcleo.
A aplicação das leis do electromagnetismo, nomeadamente a lei de Ohm e a lei da indu-
ção de Faraday às bobinas primária e secundária, conduz às seguintes equações, que
relacionam os valores instantâneos das tensões e correntes no primário e secundário:

1 2
1 1 1 1
( ) ( )
( ) ( )
M
di t di t
u t Ri t L L
dt dt
= + + (2.145)

1 2
2 2 2 2
( ) ( )
( ) ( )
M
di t di t
u t R i t L L
dt dt
= + + (2.146)
Estas equações utilizam os sentidos das tensões e correntes indicados na Fig.19. Na
equação (2.145)
1 1
( ) Ri t representa a queda de tensão óhmica no enrolamento primário e
o termo
1
1
( ) di t
L
dt
representa uma queda de tensão indutiva pura na bobina primária.
Estes dois termos existem mesmo que não haja corrente no secundário, isto é, estando o
transformador em vazio (sem carga). O termo
2
( )
M
di t
L
dt
constitui uma queda de tensão
indutiva devido à existência de ligação magnética entre as bobinas. Para a equação
(2.146) pode dar-se uma interpretação análoga.

Define-se coeficiente de ligação magnética, K, pela expressão

1 2
M
L
K
L L
= (2.147)
Diz-se que um transformador tem ligação magnética perfeita quando

1 2
1 2
2 1
e
M M
N N
L L L L
N N
= = (2.148)
o que conduz, substituindo estes valores de L
1
e de L
2
em (2.147), ao valor K = 1.
Num transformador com ligação magnética perfeita e com R
1
= 0 e R
2
= 0 (sem perdas
no cobre) pode obter-se, a partir de (2.145) e de (2.146), a seguinte relação

1 2
1 2
u u
N N
= (2.149)
2.9.3. Transformador ideal
Um transformador diz-se ideal se além de ter a resistência eléctrica dos enrolamentos
nula e ligação magnética perfeita, tiver
M
L →∞, o que implica
1
L →∞ e
2
L →∞.
Nestas condições prova-se que além de (2.149) se verifica ainda

1 1 2 2
0 N i N i + = (2.150)
É costume representar um transformador pelo esquema indicado na figura Fig. 2.25.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 105
As equações (2.145) e (2.146) não se aplicam ao transformador ideal.








Fig. 2.25 – Representação esquemática de um transformador

Neste esquema indica-se por vezes com dois pontos, um junto de cada bobina, qual o
sentido dos enrolamentos. Os pontos indicam fluxos concordantes com as correntes a
entrar.
Quando interessa indicar que o transformador tem núcleo de ferro representa-se o facto
por meio de duas linhas paralelas entre o desenho das bobinas.
Se o transformador ideal se encontrar com o secundário ligado a uma resistência de car-
ga R
L
, esta é vista do lado do primário com tendo o valor

2
1
1
2
L
N
R R
N
⎛ ⎞
=
⎜ ⎟
⎝ ⎠
(2.151)
Esta expressão obtém-se directamente a partir das equações (2.149) e (2.150). Como
casos particulares pode concluir-se o seguinte:
• Um curto-circuito no secundário (R
L
= 0) é equivalente a um curto-circuito no
primário.
• O secundário em aberto é equivalente ao primário em aberto.


u
1
u
2
i
2

i
1

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 106 Gustavo da Silva
2.10. Circuitos trifásicos

2.10.1. Sistemas trifásicos
Designa-se por sistema trifásico todo aquele que é constituído por:
• Um gerador, que fornece três tensões (ou correntes) alternadas sinusoidais, com a
mesma frequência, desfasadas de 120º.
• Um sistema de transporte dessas tensões e correntes.
• Consumidores de energia, capazes de utilizar uma ou as três fases.
O gerador, também designado por alternador, é na maior parte dos casos uma máquina
eléctrica, com um rotor e um estator. O rotor contém os pólos magnéticos da máquina.
Estes são conseguidos à custa de um enrolamento efectuado sobre um núcleo de ferro
macio e percorrido por corrente contínua. As extremidades deste enrolamento ligam a
dois anéis montados sobre o rotor, onde assentam duas escovas que permitem a ligação
ao exterior. O rotor roda com uma velocidade angular ω que, conjuntamente com o
número de pares de pólos, define a frequência da tensão produzida no alternador.
O estator é constituído por 3 bobinas iguais e colocadas de modo a definirem 3 eixos
magnéticos desfasados entre si de 120º no espaço, designadas por fases: fase 1, fase 2 e
fase 3.
A forma dos pólos e o enrolamento das bobinas é tal que se consegue uma distribuição
praticamente sinusoidal da indução magnética no entreferro. Repare-se que a linha de
retorno é comum às 3 fases, por uma questão de economia de material.













Fig. 2.26 – Representação de um sistema trifásico

2.10.2. Valores instantâneos
As tensões u
1
, u
2
e u
3
, devido à constituição do gerador, tem a seguinte forma:

1
2
3
( ) sen( )
( ) sen( 2 / 3)
( ) sen( 4 / 3)
m
m
m
u t U t
u t U t
u t U t
ω
ω π
ω π
= ⎧

= −


= −

(2.152)
o
o o
u
1
(t)
u
2
(t)
u
3
(t)
i
2
(t)
i
1
(t)
i
3
(t)
i
1
+i
2
+i
3

Ponto neutro
do gerador
1
2
3
Gerador Linha de transporte
ponto neutro dos
consumidores
o
o
o
...
...
...
...

1
2
3
Consumidores
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 107
Admitindo que as cargas são iguais entre si (sistema equilibrado), as correntes nas
linhas serão

1
2
3
( ) sen( )
( ) sen( 2 / 3)
( ) sen( 4 / 3)
m
m
m
i t I t
i t I t
i t I t
ω ϕ
ω ϕ π
ω ϕ π
= − ⎧

= − −


= − −

(2.153)
A representação gráfica destas correntes é a seguinte:












Fig. 2.27 – Correntes num sistema trifásico

O ponto comum onde são ligadas as 3 bobinas geradoras do alternador tem a designação
de ponto neutro do gerador. O ponto comum da carga é denominado ponto neutro da
carga (ou dos consumidores). O condutor de retorno das 3 correntes chama-se condutor
neutro. Neste condutor vai circular uma corrente, i
N
, dada por

1 2 3 N
i i i i = + + (2.154)
A observação da Fig. 2.27, ou então um pequeno cálculo trigonométrico, mostra que a
soma das 3 correntes é nula:
1 2 3
0 i i i + + = . Num sistema equilibrado a corrente no
condutor neutro é zero. Então, e por uma questão de economia de material e de espaço,
não se instala o condutor neutro. Fica-se assim com uma distribuição a 3 fios.
A forma como as bobinas do alternador estão ligadas tem o nome de ligação em estrela.
Na Fig. 2.6 a carga também se encontra ligada em estrela.

2.10.3. Diagramas vectoriais
Tanto as tensões em cada uma das fases como as correntes nas linhas, uma vez que são
grandezas alternadas sinusoidais, podem ser representadas por meio de um diagrama
vectorial, como indicado na Fig. 2.28.







i
1
i
2 i
3

ωt
I
m

-I
m

0
2π/3 2π/3 2π/3
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 108 Gustavo da Silva















Fig. 2.28 – Diagrama vectorial das tensões e correntes

Trace-se o diagrama vectorial das tensões por fase e sobre ele o diagrama das tensões
entre fases (Fig. 2.29). Num sistema trifásico as tensões geradas por fase são iguais em
módulo. Consequentemente as tensões entre fases também são iguais em módulo. No
entanto apresentam também entre si uma desfasagem de 120º, como se observa da figura.

12 23 3 2 31 1 3
= − = − = −
2 1
U U U U U U U U U (2.155)
















Fig. 2.29 – Tensões simples e compostas

Pela lei dos senos é
12 1
sen120º
sen30º
U U = , ou seja,

12 1 1
3 1, 732 U U U = = (2.156)
U
1
U
2
U
3
I
1

I
2

I
3

ϕ
120º
ω
real
imag.
120º
U
1
U
2
U
3
120º
ω
real
imag.
U
12
U
31
U
23
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 109
As tensões U
12
, U
23
e U
31
, são as tensões entre fases. Quando as tensões simples são
referidas a valores eficazes as tensões entre fases são também valores eficazes. Num sis-
tema equilibrado toma o nome de tensão composta, U
Δ.

Assim, para o caso da baixa tensão em que o valor eficaz da tensão simples é de 230 V,
a tensão composta é U
Δ.
= 230×1,732 V = 399.3 V. Na baixa tensão, na Europa, o valor
da tensão composta está normalizado em 400 V.

2.10.4. Ligações em estrela e triângulo
Uma outra forma de efectuar as ligações é em triângulo. A ligação em triângulo pode
ser efectuada tanto no gerador como no consumidor. Na Fig. 2.30 representa-se
esquematicamente um sistema trifásico em que as bobinas do gerador estão ligadas em
triângulo e a carga se encontra ligada em estrela.












Fig. 2.30 – Gerador em triângulo, carga em estrela

A partir de um diagrama vectorial pode concluir-se que as correntes na linha constituem
um sistema trifásico, com uma intensidade de corrente que é 3 vezes maior do que a
corrente nos enrolamentos do alternador.
Uma das aplicações muito vulgarizadas da ligação em estrela e em triângulo consiste no
arranque de motores trifásicos com o chamado arrancador estrela/triângulo: ao ligar-se
o motor à rede os seus enrolamentos são ligados em estrela. Cada enrolamento fica
assim sujeito à tensão simples. Uns segundos após o arranque, quando o motor já
ganhou alguma velocidade e a corrente de arranque diminuiu, o comutador passa a liga-
ção das bobinas do motor a triângulo, ficando assim aplicada a cada bobina a tensão
composta, maior que a tensão simples, recebendo o motor um acréscimo de potência.
Uma das vantagens dos motores trifásicos é terem um binário de arranque elevado e de
valor constante. Uma outra vantagem consiste na facilidade em inverter o sentido de
rotação apenas por troca de duas fases. Cuidado, que esta troca só poderá efectuar-se
depois de garantir a paragem prévia do motor.

Gerador Linha de transporte
...
i
2

i
1

i
3

1
2
3



...
...
o
u
1


Ponto neutro
dos consumidores
1
2
3
Consumidores
o
o
u
2

u
3

Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 110 Gustavo da Silva
2.11. Linha de transmissão

2.11.1. Descrição e caracterização
Uma linha eléctrica de transmissão é constituída por um dois ou mais condutores galva-
nicamente isolados uns dos outros.
A linha de transmissão é largamente utilizada na distribuição de energia eléctrica, em
telecomunicações e em electrónica e computadores, pelo que a compreensão dos fenó-
menos que nela se passam é de grande importância nestes ramos de Engenharia. A linha
constitui um sistema de parâmetros distribuídos.
Considere-se uma linha de transmissão bifilar, representada esquematicamente na Fig.
2.6. A linha é constituída por dois condutores paralelos e é caracterizada pelos seguintes
parâmetros:
R – resistência eléctrica dos condutores, por unidade de comprimento. Inclui a resis-
tência dos condutores 1 e 2: R = R
1
+R
2
.
G – Condutância entre os dois condutores, por unidade de comprimento. Esta é devi-
da ao facto do isolamento galvânico entre os condutores não ser perfeito.
L – Coeficiente de auto-indução, por unidade de comprimento. É devido ao facto de
existir um campo magnético entre os condutores, originado pelas correntes na
linha.
C – Capacidade eléctrica entre os condutores, por unidade de comprimento. É devida
ao facto dos condutores em presença constituírem um condensador.









Fig. 2.31 – Linha de transmissão

2.11.2. Equações da linha bifilar
A aplicação das leis da indução e de ohm ao caminho fechado

abcd , de comprimento
elementar dx, conduz ao seguinte sistema de equações às derivadas parciais:

x x
x
u i
Ri L
x t
∂ ∂
− = +
∂ ∂
(2.157)

x x
x
i u
Gu C
x t
∂ ∂
− = +
∂ ∂
(2.158)
. . .
. . .
o
o
u
2

R
L
(carga)
i
2

condutor 1
condutor 2
x
~
o
o
u
1

G u
x+dx
u
x

i
x+dx
i
x

dx
i
1

b a
c
d
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 111
A equação (2.157) indica que a queda de tensão ao longo da linha é devida ao facto des-
ta possuir uma determinada resistência óhmica e também à existência de auto-indução.
A equação (2.158) diz que a perda de corrente segundo o comprimento da linha é devida
à falta de isolamento entre os condutores (condutância do isolamento) e ao efeito capa-
citivo.
Das equações (2.157) e (2.158) obtém-se a chamada equação dos telegrafistas, uma
para a tensão, outra para a corrente

2 2
2 2
( )
x x x
x
u u u
RGu RC GL LC
x t t
∂ ∂ ∂
= + + +
∂ ∂ ∂
(2.159)

2 2
2 2
( )
x x x
x
i i i
RGi RC GL LC
x t t
∂ ∂ ∂
= + + +
∂ ∂ ∂
(2.160)
Considere-se o caso particular da linha sem perdas ( 0, 0 R G = = ). Este caso constitui
uma boa aproximação de muitos casos reais. Nestas condições as equações (2.159) e
(2.160) transformam-se em

2 2
2 2
x x
u u
LC
x t
∂ ∂
=
∂ ∂
(2.161)

2 2
2 2
x x
i i
LC
x t
∂ ∂
=
∂ ∂
(2.162)
As equações (2.161) e (2.162) representam a equação de Laplace
19
de propagação das
ondas (a uma dimensão). Esta equação admite como solução uma qualquer função de
x-vt e uma outra qualquer função de x+vt, como poderá comprovar-se por substituição
em (2.161), em que v é dado por (2.165):
( ) ( )
x xi xr
u u x vt u x vt = − + + (2.163)
Existe uma equação análoga para a corrente, que devido aos sentidos arbitrados (tensões
do condutor 1 para o condutor 2 e correntes da esquerda para a direita) se escreve
( ) ( )
x xi xr
i i x vt i x vt = − − + (2.164)
A equação (2.163) representa a sobreposição de duas ondas, uma onda incidente u
xi
que
se propaga segundo +x e uma onda reflectida u
xr
que se propaga segundo –x. A veloci-
dade de propagação de cada uma das ondas incidente e reflectida é dada por

1
v
LC
= (2.165)
Pode mostrar-se que em qualquer ponto da linha a relação entre as ondas incidentes da
tensão e da corrente é uma constante que depende dos parâmetros que caracterizam a
linha. A essa constante, Z, dá-se o nome de impedância característica da linha:

19
Pierre Simon Laplace, matemático, astrónomo e físico francês, 1749-1827.
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 112 Gustavo da Silva

xi xr
xi xr
u u L
Z
i i C
= ≡ = (2.166)
Quando não há onda reflectida a impedância característica é igual a
x
x
u
i
, em qualquer
ponto x, pelo que também é igual a u
1
/i
1
. Atendendo a (2.164) e a (2.166) vem

xi xr
x xi xr
u u
i i i
Z Z
= − = − (2.167)
2.11.3. Factor de reflexão
Considerem-se agora os casos seguintes, em que a linha está terminada por diversas
resistências de carga, R
L
.

2.11.3.1. Linha em vazio
Neste caso é
L
R = ∞. Não há corrente no fim da linha, ou seja, i
2
= 0. A partir de
(2.167) obtém-se
2 2 2
0
i r
i i i = − = . A tensão no fim da linha será

2 2 2 2
2
i r i
u u u u = + = (2.168)
Aparece assim uma sobretensão no fim da linha, que é igual ao dobro da tensão incidente.

2.11.3.2. Linha em curto-circuito
Neste caso é 0
L
R = . Não há tensão no fim da linha, ou seja, u
2
= 0, donde
2 2 r i
u u = − . A
corrente no fim da linha é dada por
2 2 2
2
2
i i r
u u u
i
Z Z Z
= − = . Existe uma sobre-corrente no
fim da linha, dupla da corrente incidente.

2.11.3.3. Linha ligada sobre uma resistência
Neste caso é
2 2 L
u R i = . Como
2 2 2 i r
u u u = + vem

2 2 2 L i r
R i u u = + (2.169)
Mas como
2 2
2
i r
u u
i
Z Z
= − vem

2 2 2 i r
i Z u u = − (2.170)
As equações (2.169) e (2.170) conduzem a


2
2
( )
2
L
i
i R Z
u
+
= (2.171)

2
2
( )
2
L
r
i R Z
u

= (2.172)
Tópicos de Física – Electromagnetismo
Gustavo da Silva pág. 113
À relação entre a amplitude onda reflectida e a da onda incidente dá-se o nome de factor
de reflexão no fim da linha, p. Utilizando esta definição e as expressões (2.171) e
(2.172) pode escrever-se

2
2
r L
i L
u R Z
p
u R Z

≡ =
+
(2.173)
Para que não exista reflexão deverá ser 0 p = , o que implica
L
R Z = . Diz-se então que
a linha se encontra adaptada.

Para os casos particulares estudados tem-se para valores de p:
• Linha em vazio.
L
R = ∞ Æ 1 p = .
• Linha em curto-circuito. 0
L
R = Æ 1 p = − .
• Linha adaptada.
L
R Z = Æ 0 p = .

No caso de a linha ter perdas a impedância característica deixa de ser real. Para tensões
alternadas sinusoidais será um número complexo, que depende da frequência:

R j L
Z
G j C
ω
ω
+
=
+
(2.174)
Há ainda um caso, importante na transmissão de sinais analógicos, designado por linha
sem distorção. A condição de não distorção é

R G
L C
δ = ≡ (2.175)
Para este caso, a integração das equações dos telegrafistas conduz a
[ ]
( , ) ( ) ( )
t
xi xr
u x t e u x vt u x vt
δ −
= − + + (2.176)

[ ] ( , ) ( ) ( )
t
xi xr
e
i x t u x vt u x vt
Z
δ −
= − − + (2.177)
com
L
Z
C
= e
1
v
LC
=

2.11.4. Propagação de impulsos numa linha
Considere-se um gerador de impulsos de tensão ligado a uma linha de transmissão bifi-
lar com uma impedância característica Z. O gerador tem impedância de saída igual a Z.
Os impulsos provenientes do gerador G propagam-se ao longo da linha. A linha está
terminada por uma resistência R
L
. Consoante a relação entre a impedância característica
e a resistência de carga, caracterizada pelo factor de reflexão p definido em (2.173),
assim o impulso de tensão reflectido será direito ou invertido ou não haverá reflexão,
como se indica a seguir.


Tópicos de Física – Electromagnetismo
Pág. 114 Gustavo da Silva
1. Linha em vazio.
L
R = ∞ Æ 1 p = .








2.
L
Z R < < ∞ Æ 0 1 p < < .








3. Linha adaptada:
L
R Z = Æ 0 p =








4. 0
L
R Z < < Æ 1 0 p − < < .








5. Linha em curto-circuito. 0
L
R = Æ 1 p = − .








Fig. 2.32 – Propagação de impulsos numa linha de transmissão sem perdas
t Tempo de ida + tempo de volta do sinal
Sinal enviado
sinal reflectido
(invertido)
U/U
m

+1
-1
t Tempo de ida + tempo de volta do sinal
Sinal enviado
sinal reflectido
(invertido)
U/U
m

+1
-1
t Tempo de ida + tempo de volta do sinal
Sinal enviado
não há sinal
reflectido
U/U
m

+1
-1
t Tempo de ida + tempo de volta do sinal
Sinal enviado
sinal reflectido
U/U
m

+1
-1
t Tempo de ida + tempo de volta do sinal
Sinal enviado (tensão)
sinal reflectido
U/U
m

+1
-1
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 115

2.12. Problemas resolvidos
2.12.1. Problema 2. 1 – Cálculo do número de cargas
Considere um alfinete de gravata, de ouro, com a massa de 8 gramas.
a) Calcule o número de electrões livres nele existentes, se estiver electricamente descar-
regado.
b) Carregou-se o alfinete com uma carga eléctrica, de electrões, de 500 μC. Quantos
electrões se juntaram ao alfinete? Qual o seu número por milhão de electrões pre-
viamente existentes?
RESOLUÇÃO:
O problema resolve-se recorrendo ao conhecimento da estrutura molecular do ouro e ao
conceito de molécula-grama. O ouro, Au, é um elemento. Da tabela periódica obtém-se
o seu número atómico, Z = 79, e a sua massa atómica u = 196,967. Assim,
a) Uma mole (molécula-grama) de ouro contém a massa de 196,967 g.
Mas uma molécula-grama, qualquer que ela seja, contém sempre N
A
moléculas (N
A
é
o número de Avogadro, N
A
= 6,022×10
23
mol
-1
).
No alfinete de ouro, com a massa de 8 g, há um número de átomos (por ser um ele-
mento), n
a
:
23
8
6, 022 10
196.967
a
n = × × = 24,46×10
21
átomos
Pela estrutura do átomo de ouro, há apenas um electrão de valência. Considerando
apenas estes electrões, o seu número em 8 g de ouro será n
ev
= 24,46×10
21
electrões
de valência.
b) O número de electrões existentes em 500 μC será
Q
n
e
= , em que e é a carga do elec-
trão. Logo
6
19
500 10
1, 602177 10
n


×
=
×
= 3,1208×10
15
.
Expresso em partes por milhão dos electrões existentes no alfinete de 8 g será
15
6
21
3,1208 10
10
24, 46 10
n
×
= ×
×
ppm = 0,128 ppm.

2.12.2. Problema 2. 2 – Força eléctrica e gravítica
Um núcleo de Hélio é constituído por 2 protões e por dois neutrões (distância entre estas
partículas 3,80 ×10
-10
m).
a) Calcule a força eléctrica de Coulomb que se exerce entre aquelas partículas.
b) Calcule a força gravítica entre elas e compare com os valores obtidos para as forças
eléctricas.
RESOLUÇÃO:
O problema resolve-se recorrendo à lei de Coulomb e à lei da atracção universal. (Note-
se que não são apenas estas forças as existentes a nível atómico).
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 116 Gustavo da Silva
a) Só há força de Coulomb entre os 2 protões:
1 2
2 e e
q q
F k
r
= =
19 2
9
10 2
(1, 602 10 )
8, 9875 10
(3,80 10 )


×
× ×
×
= 1,5977×10
-9
N
b) Há as forças gravíticas seguintes:
- entre os 2 protões, F
pp
; entre os dois neutrões, F
nn
; entre o protão e o neutrão, F
pn
2
p p
pp
m m
F G
r
= =
27 27
11
10 2
1, 672 10 1, 672 10
6, 672 10
(3, 80 10 )
− −


× × ×
× ×
×
= 1,293×10
-45
N
Compare-se a ordem de grandeza deste valor com a ordem de grandeza da força de
Coulomb, obtida na alínea a).
As restantes forças, F
nn
e F
pn
são quase iguais a F
pp
, uma vez que m
n
=1,674×10
-27
kg
é praticamente igual a m
p
.

2.12.3. Problema 2. 3 – Forças e medição da carga eléctrica
Considere um sistema constituído por duas esferas metá-
licas iguais suspensas de um suporte isolante por meio de
um fio condutor, como se mostra na figura ao lado. As
esferas, que inicialmente se encontravam electricamente
neutras, foram carregadas com uma determinada quanti-
dade de electricidade Q (distribuída igualmente pelas
duas esferas). Nestas condições determine
a) O valor de Q que conduz ao afastamento entre as esfe-
ras de 20º, para L = 16 cm e m = 5 g.
b) Para o comprimento L = 25 cm qual deverá ser a mas-
sa de cada esfera de modo que para Q = 1 μC se tenha
α = 8º
c) Nas condições da alínea anterior, e aproximando o
seno e a tangente pelo seu argumento, estabeleça uma
expressão Q(α), com α expresso em graus e Q em
microcoulomb.
d) Este dispositivo pode ser utilizado para medir carga eléctrica. Existe linearidade
entre a variável que se mede e a saída do aparelho?
Dados: Constante de Coulomb, k
e
= 8,987 5 × 10
9
C
-2
Nm
2
(exacto), Aceleração da gra-
vidade, g = 9,802 m/s
2
.
RESOLUÇÃO:
a) As esferas são iguais. Cada uma delas encontra-se sujeita a duas forças: a força eléc-
trica de repulsão, F
e
, igual nas duas esferas mas de sentido contrário, e a força graví-
tica, F
g
, que é igual nas duas esferas porque as suas massas são iguais.
Pela lei de Coulomb a força eléctrica que se exerce entre as esferas é repulsiva (cor-
pos com carga do mesmo sinal) e dada por
1 2 1 2
2 2
0
1

e e
q q q q
F k
r r ε
= =
Mas como q
1
= q
2
= Q/2 e 2 2 sen r L α = = / vem, substituindo na equação anterior
α
L
m
L
m
F
g
F
e
F
g

F
g
F
g
F
e
F
g

F
g
/
q
q
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 117
2
2 2
16 sen
e e
Q
F k
L α
=
A força gravítica em cada esfera pode ser decomposta numa componente na direcção
do fio de suspensão (que não produz movimento) e noutra com a direcção da força
eléctrica
= +
g gt gx
F F F

Pode escrever-se F
gx
= F
g
tanα = mg tanα
As esferas estarão em equilíbrio quando 0 + =
e gx
F F , ou ainda, quando
e gx
F F = .Será
então
2
2 2
tan
16 sen
e
Q
k mg
L
α
α
= (eq. 1) Æ
2 2
2
16 sen tan
e
L mg
Q
k
α α
= (eq.
2)
Substituindo valores numéricos obtém-se Q = 0,109 μC.
b) Usando de novo a eq. 1, mas com os novos valores numéricos e resolvendo em
ordem a m:
2
2 2
16 sen tan
e
Q
m k
L g α α
= Æ m = 0,3369 kg.

c) Para α = 8º tem-se:

α (º) α (rad) tanα tanα - α senα senα - α
8 0,13963 0,14054 0,00091 0,13917 0,00045

Vê-se assim que, a menos das diferenças indicadas, é lícito substituir senα e tanα
por α. Nestas condições a equação 2 escreve-se
2 3
2
16
e
L mg
Q
k
α
= Æ
3
12 2
2 3
10 16 π
180
e
L mg
Q
k
α
× ⎛ ⎞
=
⎜ ⎟
⎝ ⎠
(com Q em μC e α em graus),
ou ainda,
3
12 2
3/ 2
10 16 π
180
c
L mg
Q
k
α
×
⎛ ⎞
=
⎜ ⎟
⎝ ⎠
.
Substituindo valores numéricos vem
3/ 2
0, 04419 Q α = (eq. 3)
que se encontra representado na figura da pág. seguinte.

d) A observação da figura, ou então da equação 3, mostram que não existe linearidade
entre a saída do aparelho (α) e a sua entrada (Q). A sensibilidade deste dispositivo é
tanto maior quanto menor o ângulo (note-se que a sensibilidade é dada pela relação
entre a variação da saída e a variação na entrada).


Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 118 Gustavo da Silva


















2.12.4. Problema 2. 4 – Dipolo eléctrico
Um dipolo eléctrico é constituído por duas cargas com a mesma grandeza mas sinais
contrários, colocadas a distância fixa uma da outra, 2a.
a) Faça uma representação gráfica aproximada do campo eléctrico originado pelo dipo-
lo.
b) Determine analiticamente o campo do dipolo num ponto equidistante das cargas a
uma distância r do seu centro tal que r>>a.
RESOLUÇÃO:
O problema resolve-se utilizando a lei de Coulomb e a simetria aqui existente na distri-
buição do campo eléctrico.

a) Considere-se um plano significativo, um plano contendo as cargas, e definam-se os
eixos coordenados como indicado na figura da esquerda.














0 1 2 3 4 5 6 7 8
0
0.5
1
Q
(μC)
α (º)
y
x
• •
+q -q
×
× ×
1
2
3
a
a
r
P(r)
θ
E
1

E
2

E
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 119
Nesse plano considerem-se, para efeitos de cálculo, apenas os pontos do 1º
quadrante. Os resultados para os outros quadrantes obtêm-se por simetria. Para os
pontos 1, 2, 3 está indicado o campo eléctrico devido à carga +q, devido a -q e a
resultante. Note-se que os módulos são diferentes devido às distâncias não serem
iguais. Efectuando o mesmo para um grande número de pontos e traçando as linhas tangen-
tes ao campo eléctrico, obtém-se a figura apresentada à direita.

b) A posição do ponto P(r), de acordo com o enunciado, é sobre o eixo dos yy. Sobre
este eixo o campo é dirigido da esquerda para a direita, sendo a soma de E
1
(devido à
carga +q) e de E
2
. Em módulo estes dois campos são iguais:
1 2 2 2 2 e e
q q
E E k k
r y a
= = =
+

Mas da figura conclui-se que
1
2 cos E E = θ. Mas
2 2
cos
a a
r
y r
θ = =
+
, pelo que fica
1 2 2
2 2
2 cos 2
e
q a
E E k
y a
y a
θ = =
+
+
=
2 2 3/ 2
2
( )
e
qa
k
y a +

Para distâncias tais que y>>r a expressão anterior resulta em
3
2
e
qa
E k
y


2.12.5. Problema 2. 5 – Carga sujeita a força eléctrica
Uma partícula em repouso, com carga eléctrica +q e massa m, é submetida a um campo
eléctrico E, constante e uniforme, dirigido segundo o eixo dos xx.
a) Determine a sua lei de movimento (aceleração, velocidade e trajectória).
b) Particularize para o movimento do protão e determine a sua velocidade, depois de ter
percorrido uma distância d = 10 cm num campo eléctrico uniforme E = 100 kV/m.
Qual o tempo que o protão demorou a efectuar a trajectória?
c) Calcule a energia cinética do protão, depois de ter sido acelerado durante o tempo
calculado na alínea b). De onde proveio esta energia?
RESOLUÇÃO:
a) Uma partícula de carga q quando colocada num campo eléctrico E fica sujeita à força
q = F E. Pela 2ª lei de Newton, uma partícula de massa m sujeita a forças adquire
uma aceleração a tal que
ext
m
=

F
a , ou seja, como neste caso
ext
q =

F E, vem
q
m
= a E. Como E apenas tem componente segundo o eixo dos xx, o mesmo aconte-
cerá a a, pelo que podemos escrever apenas os módulos:
q
a E
m
= .
A velocidade será dada por
0
t
v a dt =

=
0
t
qE
dt
m

(q, a e E são constantes). Æ
qE
v t
m
= . (a partícula estava inicialmente em repouso).
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 120 Gustavo da Silva
A posição é dada por
0
t
x v dt =

=
0
t
qE
t dt
m

Æ
2
2
qE
x t
m
= . (a partícula partiu de x = 0).
b)
q
a E
m
= =
19
3 2
27
1, 6022 10
100 10 m/s
1, 6726 10


×
× ×
×
= 9,5788×10
12
ms
-2
.
2
2
qE
x t
m
= Æ
2
t x
qE
m
= =
12
2
0.1
9, 5788 10
s ×
×
= 0,1445 μs. Ao fim deste tempo
a velocidade será
qE
v t
m
= = 9,5788×10
12
ms
-2
×0.1445 μs = 1.3841×10
6
m/s.
c) Energia cinética:
2
1
2
c
E mv = =
27 6
1
1, 6726 10 1, 3841 10 J
2

× × × × = 1,6021×10
-15
J
Esta energia provém da fonte de alimentação que assegura a diferença de potencial
entre as armaduras constante, e é transformada em energia cinética.


2.12.6. Problema 2. 6 – Campo eléctrico de uma carga
Uma carga pontual encontra-se envolvida por uma superfície esférica (geométrica) de
raio R.
a) Calcule o campo eléctrico produzido por esta carga, sobre esta esfera.
b) A partir do campo eléctrico obtido em a) determine o seu fluxo através da mesma
superfície.
c) Comprove o valor obtido aplicando a lei de Gauss do campo eléctrico.
d) Faça uma aplicação numérica, calculando o campo eléctrico e o seu fluxo para q = 1 nC
e R = 10 cm.
RESOLUÇÃO:
a) Uma carga eléctrica colocada num ponto O do espaço, sem mais nada em presença,
origina num ponto P, à distância r de O, um campo eléctrico radial, dado pela lei de
Coulomb:
1 2
0
1

q
r ε
= E r
em que r
1
é o vector unitário
dirigido da carga para o pon-
to P. Graficamente será:

Para os pontos sobre a super-
fície da esfera será
1 2
0
1

q
R ε
= E r
O módulo de E é constante e
a sua direcção radial, com
origem em O.


q
r
1
P
r
S
O
R
n
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 121
b) O fluxo é calculado a partir de
E
S
d φ σ = ⋅
∫∫
E n

em que o integral se estende a toda a
superfície da esfera (fechada), n representa a normal à superfície e σ o elemento de
área infinitesimal sobre a superfície. Substituindo o valor de E obtido, e como em
qualquer ponto E é paralelo a n vem
E
S
d φ σ = ⋅
∫∫
E n

=
1 2
0
1

S
q
d
R
σ
ε

∫∫
r n

=
1 2
0
1

S
q
d
R
σ
ε

∫∫
r n

=
2
0
1

S
q
d
R
σ
ε
∫∫

=
2
0
1

q
S
R ε
=
0
q
ε

c) A lei de Gauss

afirma o seguinte:
O fluxo total do campo eléctrico através de uma superfície fechada, é proporcional
à quantidade de carga eléctrica resultante, existente no interior dessa superfície.
Analiticamente esta lei exprime-se do seguinte modo:
1
E
S
d Q φ
ε
= =

E. σ

.
Como Q = q, vem
0
E
q
φ
ε
=
d)
2
0
1

q
E
R ε
= =
2 e
q
k
R
=
9
2
1 10
8, 987 V/m
0,1

×
× = 889 V/m
9
12
1 10
Vm
8, 854 10
E
φ


×
=
×
= 113 Vm

2.12.7. Problema 2. 7 – Potencial de uma carga
Em relação ao problema anterior,
a) Calcule o potencial num ponto P à distância r da origem.
b) Represente graficamente U(r).
RESOLUÇÃO:
a) Utilizando a definição de potencial tem-se
P
P
U

= − ⋅

E ds
Em que
2 e
q
E k
r
=
1
r e dr =
1
ds r . Logo, fica
2
P
P e
q
U k dr
r

= − ⋅

1 1
r r =
2
P
P e
dr
U k q
r

= −


Como o ponto P se encontra referenciado pela distância à origem, r, resulta
2
( )
r
e
dr
U r k q
r

= −

=
e
q
k
r

b) A representação gráfica do potencial decorre da expressão obtida (pág. seguinte).





Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 122 Gustavo da Silva
















2.12.8. Problema 2. 8 – Potencial de uma esfera isolante
Uma determinada carga eléctrica Q encontra-se uniformemente distribuída no interior
de uma esfera isolante de raio a. Com o auxílio da lei de Gauss do campo eléctrico cal-
cule:
a) O campo eléctrico no seu exterior e no seu interior.
b) O potencial eléctrico criado por esta distribuição de cargas.
c) Represente graficamente o módulo de E em função da distância r ao centro da esfera,
para r∈[0,∞]. Represente também U(r).
RESOLUÇÃO:
a) O campo eléctrico obtém-se com o auxílio do teorema de Gauss:
int
0
E
S
Q
d φ σ
ε
= ⋅ =
∫∫
E n

. Devido à simetria na distribuição geométrica das cargas, o
campo eléctrico em qualquer ponto (devido à sobreposição dos campos produzidos
pelas cargas individuais) é radial, dirigido da origem da esfera para o exterior.
O campo eléctrico é de módulo constante sobre qualquer esfera centrada em O. Na
expressão anterior pode então passar-se E para fora do integral, resultando
S
d ES σ ⋅ =
∫∫
E n

, pelo que
int
0
Q
E S
ε
=
Uma vez que
2
4 S r π = , vem
int
2
0
1
4
Q
E
r πε
=
Considerem-se agora dois casos:
1. r > a : Neste caso Q
int
= Q e fica
2
0
1
4
Q
E
r πε
=
2. 0 < r < a : Neste caso Q
int
= ρ V
int
; sendo ρ a densidade de carga em volume. ρ
calcula-se dividindo a carga eléctrica existente na esfera de raio a pelo seu volu-
me, uma vez que a distribuição é uniforme, donde

0 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.2 1.4 1.6 1.8 2
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
r /m
U /V
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 123


















3
int 3
r
Q Q
a
= . Fica pois
3
3
0
Q r
E S
a ε
= ou
3
0
1
4
Q
E r
a πε
= .
b) O potencial eléctrico obtém-se por:
P
P
U

= − ⋅

E ds . Considerem-se os 2 casos ante-
riores:
1. r > a : vem, considerando de novo que P é caracterizado pela distância r,
2
0
1
( )
4
r
Q
U r dr
r πε

= −

=
0
1
4
Q
r πε
.
2. 0 < r < a :
2 3
0 0
1
( )
4 4
a r
a
Q Q r
U r dr dr
r a πε πε

= − −
∫ ∫
=
2
3
0 0
4 4 2
r
a
Q Q r
a a πε πε
⎡ ⎤

⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
2
2
0
3
8
Q r
a a πε
⎛ ⎞

⎜ ⎟
⎝ ⎠

c) A representação gráfica do campo eléctrico e do potencial em função da distância ao
centro da esfera encontra-se sobre a própria figura, respectivamente a vermelho e a
azul.


2.12.9. Problema 2. 9 – Potencial de uma esfera condutora
Uma carga eléctrica Q= 5 nC encontra-se distribuída numa esfera condutora de raio a =
20 cm.
a) Calcule a densidade de carga eléctrica à superfície da esfera.
b) Determine o campo eléctrico no seu exterior e no seu interior.
c) Calcule o potencial eléctrico criado por esta distribuição de cargas.
d) Represente graficamente o módulo de E em função da distância r ao centro da esfera,
para r∈[0,∞]. Represente também U(r).
0 r < a a r
r
V ρ
Q
O
U(r)
E(r)
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 124 Gustavo da Silva


RESOLUÇÃO:
a) Sendo a esfera condutora (perfeita) as cargas distribuem-se à sua superfície. Por
definição a densidade superficial de carga é dada por
dQ
dS
σ = . Como a superfície é
esférica as cargas encontram-se uniformemente distribuídas sobre ela, pelo que se
pode pôr
Q
S
σ = Æ
9
2
5 10
4 0, 2
σ
π

×
=
× ×
C/m
2
= 9,945 μC/m
2

b) O campo eléctrico pode obter-se pelo teorema de Gauss. No exterior da esfera (ver
problema anterior) será, usando k
e
em vez de 1/4πε
0
,
2 e
Q
E k
r
= , (com r = a), Æ
9
9
2
5 10
8, 987 10
0, 2
E

×
= × × V/m = 1123 V/m.
No interior da esfera não há cargas eléctricas, pelo que usando o teorema de Gauss
E = 0.
c) No exterior da esfera (ver problema anterior) será
e
Q
U k
a
= Æ U = 225 V.
No interior, como não há cargas interiores (ver problema anterior b) 2), o 2º integral
constituinte de U(r) é zero pelo que o potencial se mantém constante e igual a U(a) =
225 V.
d) Representação gráfica de E(r) e U(r):
















0 r < a a r
r
V ρ
Q
O
U(r)
E(r)
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 125
2.12.10. Problema 2. 10 – Potencial de 2 esferas concêntricas
Uma carga eléctrica Q encontra-se uniformemente distribuída em volume no interior de
uma esfera isolante de raio a. A envolver esta esfera encontra-se uma esfera condutora,
oca e espessa, de diâmetro interno b e diâmetro externo c.
a) Calcule o campo eléctrico nas regiões 0 ≤r ≤ a, a ≤ r ≤ b, b ≤ r ≤ c e r ≥c.
b) Determine o valor da carga eléctrica induzida nas superfícies interior e exterior da
esfera oca.
RESOLUÇÃO:
a) Escolha-se, para simplificar, como superfície gaussiana esférica, concêntrica com a
esfera de raio a. Seja r o seu raio. O campo eléctrico é perpendicular a esta superfície
gaussiana e tem um módulo constante sobre ela (porquê?).
Densidade de carga no interior da esfera de raio a:
3
4
3
a
Q Q
V
a
ρ
π
= =
Pelo teorema de Gauss:
E
q
φ
ε
=
A partir da definição de fluxo
2
4
E
r E φ π =

a
1
) r < a. Carga no interior da esfera gaussiana:
3
3
3
3
4
4
3
3
r
Q r
q V r Q
a
a
ρ π
π
= = =
2 3
/
4 4
q Q
E r
r a
ε
π πε
= =
a
2
) a < r < b. Carga no interior da esfera gaussiana: q Q = Æ
2 2
/
4 4
Q Q
E
r r
ε
π πε
= =
a
3
) b < r < c. Carga no interior da esfera gaussiana: 0 q = (porquê?) Æ 0 E =
a
4
) r > c. Carga no interior da esfera gaussiana: q Q = Æ
2 2
/
4 4
Q Q
E
r r
ε
π πε
= =
b) As cargas movem-se livremente na esfera condutora. A sua carga eléctrica total é
nula. A carga na superfície interior é –Q e na superfície exterior é +Q.

2.12.11. Problema 2. 11 – Potencial e diferença de potencial
Uma carga pontual origina no espaço um campo eléctrico, E e um potencial U.
a) Calcule o potencial originado pela carga, num ponto P à distância r da carga. Faça
uma aplicação numérica para q = 0,067 μC e r = 30 cm.
b) Calcule a diferença de potencial entre duas superfícies esféricas fictícias, de raios r
1
e
r
2
, centradas na carga. Faça uma aplicação numérica para r
1
= 14 cm e , r
2
= 16 cm e
o mesmo valor de q.
c) Faça uma representação gráfica de U(r). Interprete os valores obtidos para r = 0 e
para r = ∞. Como seria o gráfico se a carga fosse negativa?
0 a b c r
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 126 Gustavo da Silva
RESOLUÇÃO:
a) Uma carga eléctrica colocada num ponto P do espaço, sem mais nada em presença,
origina um campo eléctrico radial, dado pela lei de Coulomb,
1 2
0
1

q
r ε
= E r , em que
r
1
é o vector unitário dirigido da carga para o ponto P. Graficamente será:


















O potencial originado por q é obtido a partir da definição: ( ) .
P
P
U U r d

= = −

E s .
Notando que E e ds são paralelos, que ds = dr, substituindo E pelo seu valor vem
2
0
1
( )

r
q
U r dr
r ε

= −

= =
2
0
1

r
q
dr
r ε



=
0
1

r
q
r ε

⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
Æ
0
1
( )

q
U r
r ε
=
Aplicação numérica:
6
12
0, 067 10 1
volt
4π 8,8542 10 0, 30
U


×
= ×
× ×
= 2 007 V

b) A diferença de potencial obtém-se de modo análogo ao anterior, mas integrando
entre r
1
e r
2
: .
B
AB B A
A
U U U d = − = −

E s =
2
1
2
0
1

r
r
q
dr
r ε


=
2
1
0
1

r
r
q
r ε
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
0 2 1
1 1

q
r r ε
⎛ ⎞

⎜ ⎟
⎝ ⎠
.
Aplicação numérica:
6
12
0, 067 10 1 1
volt
4π 8,8542 10 0,16 0,14
AB
U


× ⎛ ⎞
= × −
⎜ ⎟
× ×
⎝ ⎠
= – 538 V

c) Representação gráfica (pág. seguinte)
Repare-se nos valores muito elevados de U. Isto deve-se ao facto, de que a capa-
cidade da esfera é relativamente baixa, quando comparada com condensadores
correntes.

q
r
1
r
2
P
1
P
2
P
r
A
B
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 127















O potencial é nulo para r = ∞. Resulta da própria definição e do campo eléctrico variar
com o inverso do quadrado da distância.
O potencial é infinito para r = 0. Na prática tal não acontece porque a lei de Coulomb
não se pode aplicar a distâncias inferiores às dimensões dos átomos.


2.12.12. Problema 2. 12 – Campo eléctrico e capacidade entre 2 placas
Duas placas rectangulares com a área de 20×10 cm são fixadas frente a frente, no vácuo,
por meio de um suporte isolante, à distância de 2,0 cm. Às placas é aplicada uma d.d.p.
contínua de 1,5 kV. Nestas condições determine:
a) O valor do campo eléctrico, suposto uniforme, que se estabelece entre as placas.
b) A variação de energia potencial que sofre uma carga eléctrica de 1,0 μC quando ao
ser acelerada por este campo eléctrico se desloca de 1,0 cm.
c) Calcule a capacidade do condensador constituído por estas placas, e a quantidade de
electricidade existente na placa que se encontra carregada positivamente.
d) Calcule a energia armazenada no condensador.
RESOLUÇÃO:
a) Representação gráfica:












0 0.5 1
3
2
1
0
×10
4
U(r)
volt
R metro
d
x
y
E
U
AB
A
B
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 128 Gustavo da Silva
.
B
AB
A
U d Ed = =

E s (E é constante entre as placas) Æ
AB
V
E
d
= =
1500
V/m
0.02
= 75
kV/m.
b)
2
1
1
.
P
p
P
E q d qEd Δ = =

E s = 1×10
-6
×75000 × 0,01 = 0,75 mJ

c)
A
C
d
ε = =
12
0, 20 0,10
8, 854 10 F
0, 02

×
× × = 8,854 pF
Q CU = = 8,854 ×10
-12
× 1500 C = 13,3 nC

d)
1
2
E QU = =
9
1
13, 3 10 1500J
2

× × × = 19,95 μJ


2.12.13. Problema 2. 13 – Capacidade de condensadores
Calcule a capacidade de cada um dos condensadores, em função das características
geométricas e da permeabilidade eléctrica do seu dieléctrico, ε:
a) Condensador plano, com área das armaduras A = a×b e distância entre elas
d << min(a,b).
b) Condensador esférico, com apenas uma armadura de raio R.
c) Condensador esférico, com duas armaduras concêntricas de raios R
1
e R
2
.
d) Condensador cilíndrico, com duas armaduras concêntricas de raios R
1
e R
2
, e com-
primento l.
RESOLUÇÃO:
a) Condensador plano.
Considere-se uma superfície de Gauss envolvendo uma das armaduras. A área em
presença é A e a distância entre armaduras é d.

O campo é uniforme entre as armadura, de
valor E.
Pela lei de Gauss será / EA Q ε = . Pela defini-
ção de potencial é / E U d = . Logo,
Q A
U d
ε =
Mas / Q U é por definição a capacidade C Æ
A
C
d
ε =

b) Esfera de raio R.
2
1
4
Q
E
r πε
= ;
R
U Edr

= −

=
2
1
4
R
Q
dr
r πε



=
4
Q
R πε

Q
C
U
= Æ 4 C R πε =

c) Condensador esférico.
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 129
2
1
4
Q
E
r πε
= ;
1
2
R
R
U Edr = −

=
1
2
2
1
4
R
R
Q
dr
r πε


=
1 2
1 1
( )
4
Q
R R πε
− Æ
Q
C
U
= ,
1 2
4
1 1
( )
C
R R
πε
=



d) Condensador cilíndrico.
Campo radial:
1
2
R
R
U Edr = −


Considere-se uma superfície de Gauss, cilíndrica, de raio r e comprimento l, envol-
vendo a armadura interior. A área deste cilindro é (não contam as bases) 2 A r π = / .
Como o campo é radial só há fluxo através desta superfície lateral, pelo que
2 / E r Q π ε × = / Æ .
1
2
Q
E
r πε
=
/

1
2
R
R
U Edr = −

=
1
2
1
2
R
R
Q
dr
r πε


/
=
1
2
[log ]
2
R
R
Q
r
πε

/
=
2
1
log
2
Q R
R πε/


Q
C
U
= Æ
2
1
2
log
C
R
R
πε
=
/


2.12.14. Problema 2. 14 – Aplicação numérica do problema anterior
Faça uma aplicação numérica dos resultados obtidos no problema anterior, para os valores:
a) Condensador constituído por duas folhas rectangulares de alumínio com 40 cm × 30
cm, separadas por uma folha de papel encerado (ε
r
= 3,7) de 0,5 mm de espessura.
Qual a diferença de potencial máxima que este condensador pode suportar (rigidez
dieléctrica do papel encerado = 16 × 10
6
V/m)?
b) 1- Esfera de 1 m de diâmetro, no ar. 2 – Planeta Terra.
c) Esfera de raio 24 cm envolvida por esfera de raio 26 cm, com ar entre elas. Calcular
a área da esfera e comparar com o resultado obtido para o condensador plano.
d) Cabo coaxial. R
1
= 1 mm, R
2
= 5 mm, 10m = / , dieléctrico teflon (ε
r
= 2.1).
RESOLUÇÃO:
a) Condensador plano.
A
C
d
ε = Æ
12
0.40 0.30
3.7 8.854 10 F
0.0005
C

×
= × × = 7.8625×10
-9
F = 7.86 nF
U Ed = Æ
max max
U E d = × Æ
6
max
16 10 0.0005 V U = × × = 8 kV

b) Esfera de raio R.
4 C R πε = Æ b
1
)
12
4 8.854 10 0.5 F C π

= × × × × = 55.6 pF
b
2
)
12 6
4 8.854 10 6.37 10 F C π

= × × × × × = 709 μF

Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 130 Gustavo da Silva
c) Condensador esférico.
1 2
4
1 1
( )
C
R R
πε
=

Æ
12
4 8.854 10
F
1 1
( )
0.24 0.26
C
π

× × ×
=

= 347.15 pF
Esfera intermédia: R= 25 cm. Área desta esfera
2
4 S R π = =0.7854 m
2
.
Tratando como condensador plano:
A
C
d
ε = Æ
12
0.7854
8.854 10 F
(0.26 0.24)
C

= ×

= 347.7 pF (compare-se com o anterior)

d) Condensador cilíndrico.
2
1
2
log
C
R
R
πε
=
/
Æ
12
2 2.1 8.854 10 10
5
log
1
C
π

× × × × ×
= = 725.9 pF


2.12.15. Problema 2. 15 – Efeito do dieléctrico num condensador
Um condensador plano com a área de 100 cm
2
e distância entre armaduras de 0,5 mm
tem o dieléctrico de cerâmica (ε
r
=6,0). O condensador encontra-se carregado e apresen-
ta aos seus terminais uma d.d.p. de 100 V. Que acontece se o dieléctrico for retirado,
com o condensador carregado e isolado do exterior?
RESOLUÇÃO:
A capacidade de um condensador plano é dada por
A
C
d
ε =
A relação entre a sua carga e a diferença de potencial aos terminais exprime-se por
Q CU = . Antes e depois de retirar o dieléctrico a capacidade do condensador vai variar,
mas a sua carga mantém-se uma vez que é dito encontrar-se isolado do exterior. Logo, é
a diferença de potencial que varia. Quantificando:

Situação inicial:
1 0 r
A
C
d
ε ε = =
4
-12
3
100 10
6 8,8542 10 F
0, 5 10


×
× × ×
×
= 1,0625 nF
Carga eléctrica no condensador:
1 1
Q CU = = 1,0625×10
-9
×100 C = 0,10625 μC

Situação final:
2 0 r
A
C
d
ε ε = =
4
-12
3
100 10
1 8,8542 10 F
0, 5 10


×
× × ×
×
= 0,1771 nF
Diferença de potencial no condensador
2
2
Q
U
C
= =
-6
-9
0,10625 10
V
0,1771 10
×
×
Æ U
2
= 600 V

Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 131
2.12.16. Problema 2. 16 – Condensador com 2 dieléctricos
Um condensador plano tem as armaduras circulares, com 10 cm de diâmetro. O seu die-
léctrico é constituído por uma justaposição de duas rodelas, com o diâmetro dos eléctro-
dos, com 0,5 cm de espessura cada uma, uma de borracha de Neopreno (ε
r
= 6,7) e a
outra de teflon (ε
r
= 2,1). Ao condensador aplica-se uma diferença de potencial de 10 kV.
a) A capacidade deste condensador.
b) Calcule o campo eléctrico no interior de cada um dos dieléctricos.
c) Compare o resultado anterior com o que seria obtido se, para a mesma distância entre
armaduras, apenas tivesse um ou outro dieléctrico.
RESOLUÇÃO:
a) Capacidade
Área em presença A.
2
A r π = Æ
A = 0.0314 m
2
.
Por definição de potencial
1 1 2 2
E d E d U + =
Envolvendo uma das armaduras por uma
superfície de Gauss vem
1 1
/ E A Q ε = .
Envolvendo a outra armadura:
2 2
/ E A Q ε = Substituindo E
1
e E
2
na 1ª expressão
resulta
1 2
1 2
Qd Qd
U
A A ε ε
+ = Como
Q
C
U
= resulta
1 2
1 2
A
C
d d
ε ε
=
+
Æ
12 12
0, 0314
F
0, 005 0, 005
6, 7 8, 854 10 2,1 8, 854 10
C
− −
=
+
× × × ×
C=88,949 pF

b) Campos eléctricos
1
1
Q
E
A ε
= =
1
CU
A ε
=
1 2
1
1 2
( )
U
d d
ε
ε ε
+
Æ
12 3
1 12
88, 949 10 10 10
V/m
6.7 8, 8542 10 0, 0314
E


× × ×
=
× × ×
=
= 477,5 kV/m
2
2
Q
E
A ε
= =
2
CU
A ε
=
1 2
2
1 2
( )
U
d d
ε
ε ε
+
Æ
12 3
1 12
88, 949 10 10 10
V/m
2.1 8, 8542 10 0, 0314
E


× × ×
=
× × ×
= 1,5235 MV/m

b) Campo eléctrico só com um dieléctrico
U
E
d
= =
10000
0, 01
V/m = 1,00 MV/m (notar que é independente do dieléctrico. A intro-
dução de um dos dieléctricos com constante dieléctrica elevada pode conduzir a
campos elevados na região onde está o outro dieléctrico, podendo eventualmente
levar aí à disrupção).
E
1

E
2

d
d
1
d
2
U
Q
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 132 Gustavo da Silva
2.12.17. Problema 2. 17 – Resistência de um condutor
Um condutor é constituído por um fio de secção recta S, comprimento / e condutivida-
de σ. Aos seus terminais aplica-se uma d.d.p U, o que fará o condutor ser percorrido
por uma corrente I. A partir da lei de ohm σ = J E , determine:
a) A expressão da resistência eléctrica deste condutor.
b) A relação entre a corrente e a tensão aplicada. Já conhecia esta relação?
c) Faça uma aplicação numérica para um condutor de cobre (ρ = 1,7×10
-8
Ωm) com
S = 1,5 mm
2
e / = 1 km, ao qual é aplicada uma d.d.p. de 24 V. Determine R e I e J.
RESOLUÇÃO:
a) Representação do condutor:




Campo eléctrico entre os pontos A e B:
U
E =
/
(resulta da definição da tensão)
Lei de ohm: J E σ = Æ
U
J σ =
/

I
J
S
= (por definição de J ) Æ
I U
S
σ =
/
Æ
1 U
I S σ
=
/

Mas
1
ρ
σ
= (por definição de ρ) Æ
U
I S
ρ =
/

À quantidade
S
ρ
/
dá-se o nome de resistência eléctrica do condutor. Depende das
características do material (ρ) e da sua geometria ( / e S). Representa-se por R:
R
S
ρ =
/

Exprime-se em ohm, símbolo Ω

b) Relação entre a tensão e a corrente:
U
R
I
= . É a conhecida lei de Ohm.

c) R
S
ρ =
/
=
7
6
1000
1, 7 10
1, 5 10


× × Ω
×
= 11,33 Ω
U
I
R
= =
24
A
11, 33
= 2,12 A
I
J
S
= =
2
6
2,12
A/m
1, 5 10

×
= 1,41 MA/m
2
= 1,41 A/mm
2




/
U
I
S
ρ
A
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 133
2.12.18. Problema 2. 18 – Tensões e correntes alternadas
Uma tensão alternada, sinusoidal, é descrita pela seguinte expressão:
( ) 230 2 sen(314 π / 6) u t t = −
a) Qual a sua amplitude, frequência angular, frequência, período e desfasagem inicial?
b) Faça uma representação vectorial (fasor) desta tensão e descreva-a analiticamente na
forma de exponencial complexa.
RESOLUÇÃO:
a) Da expressão analítica e das definições obtém-se:
- Amplitude: 230 2 325volt
m
U = =
- Frequência angular: ω = 314 rad/s
- Frequência: ω = 2πf Æ f = 314/(2π) = 50 Hz
- Período:
1
f
T
= Æ T = 1/50 s = 20 ms
- Desfasagem inicial:
0
6
π
ϕ = − rad = – 30º.

b) Fasor:












Representação por exponencial complexa:
(314 π / 6)
( ) 230 2
t
u t e

= =
π/6 314
230 2
t
e e

=
314t
e U
com
π/6
230 2e

= U .









real
imag
π/6
230 2e

= U
30º
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 134 Gustavo da Silva
2.12.19. Problema 2. 19 - Circuito RLC série
Considere um gerador sinusoidal, com impedância de saída
0
2 Z = Ω. A amplitude da
sinusóide, com o gerador em vazio, é de 100 V, e a sua frequência de 50 Hz. O gerador
encontra-se ligado a um circuito RLC série, com 50 R = Ω, 0.20H L = e 150μF C = .
a) Faça o diagrama de impedâncias do circuito.
b) Determine a corrente na linha (amplitude e desfasagem).
c) Determine as tensões aos terminais de R, L e C e à saída do gerador.
d) Para a bobina dada, qual o valor que deverá ser posto em paralelo com C para que a
corrente na linha esteja em fase com a tensão U
0
?
e) Calcule as potências aparente, activa e reactiva transferidas do gerador para o circuito
RLC.
RESOLUÇÃO:
Esquema do circuito







a) Cálculo das impedâncias e traçado do diagrama
ω = 2πf = 314 rad/s
L
Z j L ω = = j×314×0,20 Ω = 62,83j Ω
1
C
Z
j C ω
= =
6
1
314,16 150 10
j

− Ω
× ×
= 21, 22 j − Ω

Fasor:
0 L C Z Z R Z Z = + + +
¸, ¸, ¸, ¸, ¸,
=
=2+50+62,83j-21,22j=52+41,61j
Passando à forma trigonomé-
trica, Z
j
Ze
ϕ
=
¸,

com
2 2
52 41, 61 Z = + Ω =
66,60 Ω
41, 61
tan
52
a ϕ = =
=0,675 rad = 38,67º


real
imag
R
Z
L

Z
C

Z
Z
0

ϕ
U ~
Z
0

G
U
0

ΔU
o
I
o
U
R
U
L
U
C

Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 135
b) Corrente na linha
0
38,67
U 100
I A
66, 60 Z
j
e
= =
¸¸,
,
¸, =
38,67
1, 502 A
j
e

Æ I = 1,502 A, ϕ = –38,67º
c) Tensões na resistência, bobina, condensador e saída
Resistência:
38,67
I 50 1, 502
j
R
R e volt

= = × U
,
=
38,67
75, 07 V
j
e


Bobina:
38,67
U X I 62,83 1, 502 volt
j
L L j e

= = ×
¸, ¸, ,
=
90º 38.67º
62.83 1.502 V
j j
e e

× = =
51,33
94, 34 V
j
e
Condensador:
38,67
U X I 21, 22 1, 502
j
C C j e volt

= = − ×
¸, ¸, ,
=
=
90º 38,67º
21, 22 1, 502 V
j j
e e
− −
× =
128,67
94, 34 V
j
e


(Repare-se que U
R
+ U
L
+ U
C
= 75,05+94,34+31,68 V = 201,07 V >> 100 V)

Tensão de saída:





ΔU =
38,67º
2 1, 502 V
j
e

× =
38,67º
3, 00 V
j
e


α + β =38,67º
0
sen sen141, 33 sen
U U U
β α
Δ
= =
Das 2 últimas equações vem
100 3, 00
sen141, 33 senα
= Æ α = 1,07º.
A seguir vem β = 37,60º, e pela 1ª equação da linha acima
100
sen 37, 60 sen141, 33
U
= ,
donde U = 97.65 V.

d) Corrente em fase com a tensão
Deverá ser
C L
Z Z = , ou seja
1
62, 83
314,16 C
=
×
Æ C = 50,66 μF
e) Potências
Potência aparente: P
a
≡ S = U
ef
I
ef
=
97, 64 1, 502
VA
2 2
× = 73,33 VA
Potência reactiva: P
r
≡ Q = U
ef
I
ef
senϕ = 73,33×sen(38,67º) Var = 45,82 VAr
Potência activa: P = U
ef
I
ef
cosϕ = 73,33×cos(38,67º) W = 57,25 W
U
0
=100 V
ΔU=3,0 V
38,67º
α
β
U=?
141,33º
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 136 Gustavo da Silva
2.13. Problemas propostos

2.13.1. Problema 2. 20 – Dipolo
Considere o dipolo do Problema 2.4. Defina o eixo dos xx coincidente com o segmento
de recta que une as cargas e com origem a meia distância entre elas e o eixo dos yy per-
pendicular a este.
a) Calcule o potencial ao longo do eixo dos xx.
b) Calcule o potencial ao longo do eixo dos yy.

2.13.2. Problema 2. 21 – Cargas
Num tubo de raios catódicos é medida uma corrente de cátodo de 32 μA. Quantos elec-
trões incidem no alvo durante um varrimento completo do feixe (1/25 s)?

2.13.3. Problema 2. 22 – Descarga de condensador
Um condensador, com a capacidade de 10,0 μF, encontra-se carregado, apresentando
aos seus terminais uma d.d.p. de 48 V. Descarrega-se este condensador através de uma
resistência eléctrica de 10,0 kΩ com 1 mm
2
de secção. A descarga faz-se segundo a lei
exponencial
/
0
t
q q e
τ −
= em que q
0
é a carga inicial do condensador e RC τ = a cons-
tante de tempo do circuito constituído pelo condensador e resistência. Nestas condições
determine:
a) A lei de variação da corrente ao longo do tempo, bem como o seu valor para t = 0 e
t = 0,1 s.
b) A densidade de corrente na resistência, no instante t = 0.
d) A energia dissipada na resistência por efeito de Joule.


2.13.4. Problema 2. 23 – Resistência
Que secção deverá ter um fio de platina (ρ = 11,0×10
-8
Ωm) com 10 cm de comprimen-
to, para ter uma resistência de 100 Ω?

2.13.5. Problema 2. 24 – Associação de resistências
Demonstre a fórmula de associação de resistências:
a) em série.
b) em paralelo.

2.13.6. Problema 2. 25 – Associação de bobinas
Demonstre a fórmula de associação de bobinas:
a) em série.
b) em paralelo.



Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 137
2.13.7. Problema 2. 26 – Associação de condensadores
Demonstre a fórmula de associação de condensadores:
a) em série.
b) em paralelo.

2.13.8. Problema 2. 27 – Força electromagnética sobre carga, 1
Um feixe de electrões é lançado com velocidade v
0
segundo o eixo dos xx, numa região
do espaço onde existem um campo eléctrico E dirigido segundo o eixo dos yy e um
campo magnético B dirigido segundo o eixo zz.
Dados numéricos: v
0
= 7500 m/s, E
y
= 1,2 kV/m e B
z
= 0,05 T.
a) Qual a força electromagnética que actua sobre o feixe.
b) Obtenha a sua lei de movimento (aceleração, velocidade e trajectória) no caso em que
B = 0. Esboce a sua trajectória, indicando o valor da velocidade nos pontos notáveis.
c) Qual deverá ser a velocidade dos electrões para o seu movimento for rectilíneo e uni-
forme?

2.13.9. Problema 2. 28 – Força electromagnética sobre carga, 2
Um feixe de partículas carregadas positivamente e com velocidade uniforme, é lançado
segundo o eixo dos xx, numa região do espaço em que existe um campo eléctrico uni-
forme segundo o eixo dos yy e um campo magnético, também uniforme, segundo o eixo
dos zz.
a) Determine a força total a que se encontram sujeitas as partículas do feixe.
b) Supondo que se trata de protões e que o campo magnético tem o valor de 0,1 T, ajus-
ta-se o campo eléctrico de modo a que os protões descrevam uma trajectória rectilí-
nea, obtendo-se E = 1,23 kV/m. Qual a velocidade das partículas do feixe?

2.13.10. Problema 2. 29 – Força sobre uma espira
Uma espira de cobre de secção quadrada × / / , atravessada por uma corrente eléctrica I,
é colocada paralelamente a um campo magnético B.
a) Determine o binário a que fica sujeita.
b) Particularize para l=6cm, I = 10 A e B = 0,8 T.
c) Qual a posição em que ficaria a espira se pudesse rodar livremente em torno do eixo?

2.13.11. Problema 2. 30 – Campo magnético produzido por uma corrente
Tomando como ponto de partida a lei de Biot-Savart:
a) Determine o campo magnético produzido no exterior de um condutor rectilíneo de
comprimento infinito, percorrido por uma corrente eléctrica de intensidade I.
b) Faça uma aplicação numérica calculando o valor do campo a 50 cm de um condutor
rectilíneo percorrido por uma corrente de 6 A.

Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 138 Gustavo da Silva
2.13.12. Problema 2. 31 – Barra em movimento num campo magnético
Imagine uma barra metálica de comprimento , rodando
em torno do seu ponto médio, num campo magnético de
intensidade B, como se mostra na figura.
a) Calcule a diferença de potencial que se estabelece
entre os seus extremos, a e b.
b) Faça uma aplicação numérica: =26 cm, B=0,4 T e ω =3000 rpm.

2.13.13. Problema 2. 32 – Força de uma corrente sobre condutores
Considere dois condutores rectilíneos paralelos, de comprimento infinito, à distância d,
percorridos por correntes I
1
e I
2
.
a) Calcule a força que se exerce sobre os condutores.
b) Reveja a definição da unidade de base eléctrica do SI, “ampere”, e confira os resulta-
dos respectivos.

2.13.14. Problema 2. 33 – Aplicação da lei de Ampere
Utilizando a lei de Ampere do campo magnético:
a) Faça uma verificação do resultado obtido no Probl. 2.13.
b) Estenda o cálculo à determinação do campo magnético no interior do condutor.
c) Faça uma representação gráfica de B(r).

2.13.15. Problema 2. 34 – Aplicação da lei de Gauss do campo magnético
Utilizando a lei de Gauss do magnetismo calcule o fluxo do campo magnético através
da superfície de uma esfera que contenha no seu interior um magneto rectangular.

2.13.16. Problema 2. 35 - Transformador
Um transformador eléctrico é constituído por um núcleo ferromagnético envolvido por
duas bobinas de fio condutor, a bobina primária com N
1
espiras e a bobina secundária
com N
2
espiras, como se esquematiza na figura.









Uma tensão u
1
(t), variável no tempo, aplicada à bobina primária, origina um fluxo mag-
nético no núcleo, também variável no tempo. Por sua vez, um fluxo variável através da
bobina secundária origina uma tensão secundária u
2
(t). Desprezando a resistência dos
enrolamentos, as perdas no núcleo e supondo que todo o fluxo magnético circula atra-
vés dele:

ω
⊗ B
⊗ B
a
b
u
1
(t) u
2
(t)
N
1
N
2
φ(t)
Bobina
primária
Bobina
secund.
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Gustavo da Silva pág. 139
a) Determine u
2
(t) em função de u
1
(t) de N
1
e de N
2
, supondo que não há carga na bobina
secundária.
b) Determine a relação entre a tensão de entrada e a respectiva corrente.
c) Faça uma aplicação para o caso em que u
1
(t) é alternado sinusoidal e calcule a rela-
ção entre as amplitudes e as fases da tensão de saída e de entrada.
d) Faça uma aplicação numérica para um transformador com N
1
=2000 espiras, N
2
=46
espiras e U
1
=10 kV. Determine também o fluxo no núcleo e qual deverá ser a secção
do mesmo de modo a que o valor de B não exceda 0.8 T (para que não haja satura-
ção).

2.13.17. Problema 2. 36 – F.e.m. numa bobina em movimento em B
Uma bobina, constituída por N espiras, com a forma rectangular de área w × / , é obri-
gada a executar um movimento de rotação uniforme, à velocidade ω, como se mostra na
figura.









a) Determine a f.e.m. que se estabelece aos seus terminais.
b) Faça uma aplicação numérica para 20cm, 10cm w = = / , N = 86 espiras, B = 0,6 T e
ω = 314 rad/s (f = 50 Hz).

2.13.18. Problema 2. 37 – Linha bifilar, 1
Uma linha eléctrica bifilar usada na transmissão de sinais é constituída por dois condu-
tores paralelos e iguais, cada um com 1,0 mm
2
de secção. A distância entre condutores é
de 9,0 mm. Considere a linha de cobre nu (ρ = 1,70×10
-8
Ωm), no ar. O coeficiente de
auto-indução da linha é de 1,05 mH/m. Considere a linha sem perdas.
a) Determine a sua impedância característica e a velocidade de transmissão dos sinais.
b) Considere a linha alimentada por um gerador de impulsos com impedância de saída
igual `a impedância característica da linha (Z
0
= Z). A linha encontra-se terminada
com uma resistência de carga R
L
. Faça um esboço dos sinais que observa à entrada da
linha nos seguintes 3 casos:
1. R
L
< Z,
2. R
L
= Z,
3. R
L
> Z.
Em que caso é que se diz que a linha se encontra adaptada?
Fórmula: Capacidade de uma linha bifilar:
1 1 2
ln( )
D
C d πε
=
/
; D - distância entre conduto-
res, d - diâmetro dos condutores (supostos iguais), -comprimento da linha; ε - permea-
bilidade eléctrica
w
ω
B
u(t)
Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas
Pág. 140 Gustavo da Silva
2.13.19. Problema 2. 38 – Linha bifilar, 2
Considere uma linha bifilar, sem perdas, com a impedância característica de 600 Ω e o
comprimento de 300 m. A linha está terminada com uma resistência de 300 Ω. No ins-
tante t=0 liga-se o início da linha a uma bateria de 12 V. Faça uma representação gráfica
do estabelecimento das tensões e correntes na linha.

2.13.20. Problema 2. 39 – Ondas electromagnéticas, 1
Considere a onda electromagnética descrita por
( )
0
0 cos / 0
x y z
E E E t x c E ω = = − = ⎡ ⎤
⎣ ⎦

Com o auxílio das equações de Maxwell:
a) Determine a expressão do campo magnético associado.
b) Que relação deverá existir entre as amplitudes do campo eléctrico e magnético.

2.13.21. Problema 2. 40 – Ondas electromagnéticas, 2
Considere uma onda electromagnética plana que se propaga na direcção do eixo dos xx.
Suponha que se trata de uma onda sinusoidal, com o campo eléctrico polarizado linear-
mente segundo o eixo dos yy. A frequência de oscilação é f = 30 MHz e a amplitude do
campo eléctrico é de 750 V/m. Nestas condições:
a) Determine a polarização do campo magnético, a sua amplitude e a sua desfasagem no
tempo em relação ao campo eléctrico.
b) Determine o comprimento de onda e faça um esboço que mostre os eixos de referên-
cia (x, y, z), a direcção de propagação e a evolução espacial dos campos E e B num
determinado momento.
c) Calcule o vector de Poynting associado a esta onda e calcule o seu fluxo através de
uma superfície de 10 cm
2
perpendicular à direcção de propagação da onda.
d) Calcule a densidade de energia eléctrica e magnética associada a esta onda.
e) Calcule a pressão de radiação exercida pela onda sobre a superfície referida na alínea
c), supondo que a superfície absorve toda a energia que sobre ela incide.
f) Obtenha as equações de propagação dos campos E e B.







3. FÍSICA RELATIVISTA



3.1. Introdução
A observação dos fenómenos correntes, lida com objectos que se movem com velocida-
des muito inferiores à velocidade da luz no vácuo, c. Mesmo que nestas observações se
incluam os movimentos dos planetas no sistema solar (a velocidade linear da Terra é
aproximadamente igual a 3×10
4
m/s no referencial solar), está-se bastante abaixo da
velocidade da luz. Para estes casos podem aplicar-se as equações e conceitos (formalis-
mo) da Mecânica Newtoniana (ou clássica).
Há muitos casos em que os corpos se movem a velocidades que se aproximam de c.
Dão-se como exemplos o movimento das galáxias e o movimento de muitas partículas
atómicas e sub-atómicas. Neste último caso encontra-se o conhecido movimento dos
electrões acelerados por diferenças de potencial elevadas: é possível acelerar electrões
através de uma d.d.p. elevada (da ordem de alguns milhões de volts) de modo a que
estes adquiram velocidades de 0,95c. De acordo com a teoria clássica, se for quadrupli-
cada esta tensão de aceleração, a energia cinética também quadruplica pelo que a velo-
cidade duplicará, ou seja, passará para 2×0,95c = 1.90c. A experiência mostra que, no
entanto, tal não acontece, mostra que a velocidade aumenta apenas para 0,998c, contra-
riando as previsões da Física Clássica. Mais revela a experiência, que não existe
nenhuma partícula que se mova com velocidade igual ou superior à velocidade da luz no
vácuo.
A teoria que explica o comportamento dos corpos a qualquer velocidade, desde v = 0 até
v = c, foi desenvolvida por Einstein
(20)
, que a apresentou em 1905 com o nome de Teo-
ria da Relatividade Restrita.
Conta-se que Einstein ia de eléctrico em Zurique, sentado voltado para trás, e enquanto
via o relógio da torre da Câmara Municipal a afastar-se teve a ideia de que se o carro em
que viajava fosse a uma velocidade superior à da luz, veria os ponteiros do relógio andar
para trás (o que seria contrário ao princípio da causalidade), tendo daí concluído que a
velocidade da luz seria a velocidade máxima possível de um objecto.
Dessa constatação, passar ao estudo dos movimentos relativos e à criação de uma nova
teoria que explicasse as discrepâncias de alguns fenómenos foi o acto desse génio, que
além do mais possuía boa preparação em Física Teórica, uma grande inteligência, e
tempo para meditar.
Como se verá adiante, as equações da Física Relativista degeneram nas equações da
Física Newtoniana sempre que v << c.


20
Albert Einstein, físico americano de origem alemã, 1879-1955.
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 142 Gustavo da Silva
A Teoria da Relatividade Restrita, trata de fenómenos tais como a dilatação do tempo, a
contracção do espaço, a composição velocidades, e fornece novas expressões para o
momento linear e para a energia. Nela também se estabelece a equivalência entre massa
energia, (E = mc
2
) tão importante para o funcionamento das centrais nucleares, mas que
infelizmente foi confirmada experimentalmente à custa do sacrifício de centenas de
milhares de vidas humanas com as explosões das bombas atómicas da segunda Guerra
Mundial.
A Teoria da Relatividade Restrita apenas lida com a fenomenologia que acima se indica
desde que os referenciais sejam de inércia e não haja campos gravíticos em presença;
mais tarde, em 1915, Einstein apresentou a Teoria da Relatividade Generalizada, válida
para quaisquer referenciais mesmo na presença de campos gravíticos, onde são aborda-
dos temas como equivalência entre aceleração e campo gravítico, a curvatura do espaço,
a deflexão e atracção da luz pela matéria e outros que têm enorme importância em
Astronomia e Física Nuclear.
Saliente-se aqui que as equações de Maxwell são relativistas, no sentido em que man-
têm a forma em qualquer referencial de inércia.

3.2. Transformações de Galileu
Designa se por evento qualquer fenómeno físico ou acontecimento que ocorre num refe-
rencial de inércia. Como se sabe da Mecânica Clássica, dá-se o nome de referencial de
inércia a todo aquele que não se encontra submetido a qualquer aceleração; o movimen-
to relativo de dois referenciais de inércia é rectilíneo e uniforme.
Um evento é identificado pelo local em que se deu e pelo instante em que ocorreu, ou
seja, pelas quatro coordenadas (x, y, z, t).
Considerem se dois referenciais de inércia S e S’. Para simplificar a exposição esco-
lhem-se os sistemas de coordenadas cartesianas ortogonais e S’ escolhido com os eixos
(x’, y’, z’) paralelos aos seus eixos homólogos em S, O’ deslocando-se segundo Ox,
com O e O’ coincidentes no instante t = 0. Seja v a velocidade de O’ em relação a S,
constante por se tratar de referenciais de inércia.










Fig. 3.1 – Dois referenciais de inércia

A relação da Mecânica Clássica entre as coordenadas (x’, y’, ‘z’, t’) do evento em S’ e
as coordenadas (x, y, z, t) do evento em S é dada por
*
evento
x
x’
y’
y
O O’
x
x’ vt
S S’
P
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 143

'
'
'
'
x x vt
y y
z z
t t
= − ⎧

=


=


=

(3.1)
Estas equações designam-se por equações de transformação de coordenadas de Galileu.
Repare-se que se fez ' t t = . Na Física Clássica considera-se o tempo igual em todos
referenciais, Esta hipótese, conduz a resultados incorrectos no caso em que v se aproxi-
ma de c.
Admita se agora que o evento P é o movimento uniforme de um objecto na direcção do
eixo dos xx. Durante o intervalo de tempo elementar dt, o objecto, no referencial S, des-
creve o percurso elementar dx. No referencial S’, o deslocamento do mesmo objecto
será dado por ' dx dx vt = − . A velocidade do objecto em S’ será '/ ' dx dt . Atendendo a
que por hipótese ' t t = , e portanto ' dt dt = , vem,
'
'
dx dx
v
dt dt
= − , ou, utilizando outra
notação,
'
x x
u u v = − . As restantes componentes da velocidade são
'
y y
u u = e
'
z z
u u = ,
pelo que fica

'
'
'
x x
y y
z z
u u v
u u
u u
⎧ = −

=


=

(3.2)
As equações (3.2) constituem as equações transformação de velocidade de Galileu.
3.3. A velocidade da luz
Considerem-se as equações de Maxwell, a partir das quais se obtém a equação de pro-
pagação das ondas electromagnéticas em espaço livre e a velocidade propagação das
mesmas,

0 0
1
v c
ε μ
= = (3.3)
Em que referencial é que se verifica esta equação? Ou, posto o problema de outra for-
ma, será que as equações de Maxwell [ver eq. (3.43) a (3.46)] mantêm forma em todos
referenciais? A resposta é sim, as equações mantêm a mesma forma em todos os refe-
renciais (de inércia).
Considere-se agora um outro exemplo: um avião (referencial S’) em movimento rectilí-
neo e uniforme (velocidade v) em relação à terra (referencial S). Num determinado ins-
tante o avião envia um impulso luz com a direcção e sentido do seu movimento. No
referencial do avião este impulso propaga-se com velocidade c. Será que no referencial
terrestre o mesmo impulso de luz se propaga com velocidade c+v? A resposta é não. A
experiência prova que no referencial terrestre a velocidade da luz no vácuo é sempre
rectilínea e uniforme, de valor c, como aliás o é em qualquer referencial de inércia, na
ausência de campos gravíticos intensos.
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 144 Gustavo da Silva
No século XIX surgiu, para explicar a propagação das ondas electromagnéticas, a
necessidade de estabelecer a existência de um meio que preenchesse uniformemente
todo o espaço, através do qual se propagariam as ondas. Esse meio, a que se chamou
éter, estaria associado a um referencial privilegiado, através do qual as ondas electro-
magnéticas se propagariam, com velocidade c. A Terra, no seu movimento através do
espaço, deslocar-se ia através do éter com velocidade v, produzindo-se um "vento de
éter", com sentido oposto ao da sua velocidade.
As tentativas de determinação da velocidade do éter e as tentativas associadas de procu-
rar detectar variações na velocidade da luz na Terra, consoante a mudança de velocidade
desta (em cada seis meses a velocidade da Terra muda de direcção no referencial solar)
foram assuntos que tomaram largas horas a físicos de renome. A famosa experiência de
Michelson-Morley realizada por Michelson
(21)
em 1881 e posteriormente por Morley
(22)

e outros, em várias ocasiões, permitiram concluir que velocidade da luz é constante na
Terra, independentemente da velocidade desta no referencial solar, levando a pôr de
parte a hipótese do éter.

3.4. Os postulados de teoria da relatividade restrita
A Teoria da Relatividade Restrita baseia-se em dois postulados, propostos por Einstein:
P1 – Princípio da relatividade: as leis da Física devem permanecer inalteradas em todos
referenciais de inércia.
P2 – Princípio da constância da velocidade da luz: a velocidade da luz no vácuo é rec-
tilínea e uniforme, com um valor constante, c, qualquer que seja o referencial de
inércia, a velocidade do observador, ou a velocidade da fonte de luz.
O 1º princípio é uma extensão do princípio da relatividade de Galileu, que afirma que as
leis da Mecânica devem ter o mesmo aspecto (permanecer inalteradas) em todos refe-
renciais de inércia. Neste princípio faz-se a generalização das leis da Mecânica a toda a
Física: Electromagnetismo, Termodinâmica, Biologia, etc.
O 2º princípio afirma não ser importante saber-se qual o referencial inércia em que o
observador se encontra quando procede à determinação da velocidade da luz, uma vez
que esta é constante, independentemente do referencial, da direcção ou da velocidade da
fonte.

3.5. O tempo de um referencial
Considere-se o caso já referido, de Einstein (observador em S’) a deslocar-se de carro
eléctrico e a observar o movimento dos ponteiros do relógio da torre da Câmara Muni-
cipal. Um outro observador encontra-se sentado no banco do jardim (observador em S),
também a olhar para o mesmo relógio. Considerem se como eventos a passagem dos
ponteiros pelo minuto certo. Será que os dois observadores em S’ e em S consideram
que existe simultaneidade neste evento? Como se poderá definir simultaneidade?

21
Albert Abraham Michelson, físico americano de origem alemã, 1852-1931.
22
Edward Williams Morley, físico e químico americano, 1838-1923.
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 145
O observador em S nota que o evento se dá a intervalos t Δ regulares, mas para o
observador em S’, uma vez que se vai afastando relógio, este evento ocorre mais lenta-
mente, com regularidade ' t t Δ > Δ . No caso limite do observador em S’ se afastar com
velocidade c, este vê o relógio parado, ' t Δ = ∞, isto é, o tempo não avança.

3.5.1. Sincronização de relógios
Vai procurar aprofundar-se o conceito de tempo de um referencial. O tempo de um
referencial está associado à evolução da indicação dos relógios que se encontram soli-
dários com esse referencial. Os relógios encontram-se onde for necessário saber o valor
do tempo, ou então, se assim se desejar, distribuídos numa grelha de coordenadas (por
exemplo sobre marcas de 10 em 10 km sobre o eixo dos xx, idem sobre os yy e idem
sobre os zz). Se um observador colocado na origem, junto ao relógio que aí se encontra,
que será designado por relógio principal, enviar um impulso luminoso em todas as
direcções no instante t=t
0
do relógio principal, os restantes relógios dizem- -se sincroni-
zados com o relógio principal se marcarem o tempo t= t
0
+r/c, em que r é a distância do
respectivo relógio à origem. Este procedimento de sincronização admite que a velocida-
de da luz tem o mesmo valor em todas as direcções, o que, pelo 2º postulado apresenta-
do atrás, se verifica em qualquer referencial de inércia. Para o sincronismo t
0
é um ins-
tante inicial qualquer.
A sincronização dos relógios por este procedimento faz-se pois num determinado refe-
rencial de inércia. Nesse referencial, um evento estará associado a um conjunto de 4
coordenadas, 3 de espaço e uma de tempo, com um certo valor. Em qualquer outro refe-
rencial de inércia ao mesmo evento estarão associados outros valores para as coordena-
das, mesmo para a coordenada tempo.

3.5.2. Simultaneidade de acontecimentos
Na Física Clássica o tempo é igual em todos os referenciais. Tal deixou de acontecer na
Física Relativista. Para tal vai mostrar-se que dois eventos poderão ser simultâneos num
referencial e não o ser noutro referencial de inércia.
Considere-se a seguinte experiência imaginada por Einstein: Uma carruagem de com-
boio desloca-se com uma velocidade constante, v. Um raio (descarga atmosférica) atin-
ge a carruagem, deixando duas marcas na carruagem (uma em cada extremo) e duas nos
carris nas posições debaixo da carruagem. À carruagem está associado um referencial e
ao solo com os carris outro referencial. Os eventos em causa são:
Evento 1 – marcação do extremo da frente da carruagem e do ponto correspondente nos
carris,
Evento 2 – marcação do extremo de trás da carruagem e do ponto correspondente nos
carris.
A questão está em saber como é que os dois observadores se pronunciam sobre a simul-
taneidade destes eventos (figura seguinte).


Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 146 Gustavo da Silva








Fig. 3.2 – Simultaneidade de acontecimentos

O observador O em terra, colocado a meia distância de A e B recebe os sinais das des-
cargas eléctricas em A e em B no mesmo instante, concluindo assim que os eventos 1 e
2 são simultâneos. Com o observador O’ passa-se algo diferente: este observador recebe
em primeiro lugar a informação da descarga eléctrica em B’, uma vez que se está a des-
locar nessa direcção, e só a seguir é que recebe informação da descarga em A’. O obser-
vador O’ conclui assim que o evento 1 é anterior ao evento 2. Temos aqui o exemplo de
dois eventos que são simultâneos num referencial de inércia e não o são noutro.
Um dispositivo de medida que utiliza um princípio baseado no do movimento do obser-
vador em relação a dois eventos é o giroscópio de fibra óptica: Um impulso de luz é
enviado para uma bobina de fibra óptica, sendo separado em dois, que são obrigados a
percorrer a mesma trajectória mas em sentidos opostos; ao serem detectados existe uma
diferença de tempos entre eles, devido ao facto da bobina se encontrar em rotação. A
detecção dos dois impulsos, simultânea no referencial terrestre, não é simultânea no
referencial do giroscópio.
A experiência anterior permite concluir que a simultaneidade de dois eventos num
determinado referencial de inércia não implica a simultaneidade desses mesmos eventos
noutro referencial de inércia; a simultaneidade não é um conceito absoluto, depende do
estado de movimento do observador.

3.5.3. Dilatação do tempo
Vai a seguir dar-se um exemplo que ilustra o facto do tempo entre dois eventos ser dife-
rente, consoante o referencial em que é medido.
Considere-se um observador O′ no interior de um avião que se desloca com um movi-
mento uniforme, de velocidade v, em relação à base aérea. Este observador dispõe de
um gerador de impulsos luminosos e envia estes impulsos na vertical em direcção a um
espelho que se encontra no topo interior do avião e os reflecte de volta ao observador.
Considerem-se os eventos seguintes:
Evento 1 – Envio de um impulso de luz
Evento 2 – Reflexão do impulso no espelho
Evento 3 – Detecção do impulso reflectido.
. . . .
*
*
*
*
| A’
A
B’
B
O
O’
|
v
. . . .
*
*
*
*
|
A’
A
B’
B
O
O’
|
v
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 147
Considere um segundo observador, O, no referencial da base aérea, que do exterior pode
observar o que se passa, e se encontra numa perpendicular ao plano descrito pelos
impulsos de luz. Como é que os dois observadores descrevem estes eventos?
Para o observador no avião a luz é enviada para cima, na vertical, é reflectida para bai-
xo, também na vertical, descrevendo um caminho inverso do anterior. Designando por d
a distância entre o gerador de impulsos de luz e o espelho, o intervalo de tempo que a
luz leva a ir e voltar, designado por tempo próprio do referencial, é dado por

2
c
p
d
t Δ = (3.4)
Para a medição deste intervalo de tempo, medida efectuada pelo observador O′ no refe-
rencial S′, é apenas necessário o relógio R′.
Para o observador O, no referencial da base aérea, os
acontecimentos passam-se de forma diferente: quando a
luz emitida (1) atinge o espelho (2) este encontra-se noutra
posição, avançado em relação à anterior. O impulso de luz
aparenta ter sido enviado com uma certa inclinação.
Finalmente, quando o impulso de luz reflectida atinge de
volta o gerador de impulsos (3) já este se encontra mais
avançado, com o dobro do avanço anterior. O caminho
percorrido pelo impulso de luz enviado, o caminho do
impulso de luz reflectido e a trajectória do avião formam
um triângulo isósceles, como se representa na figura ao
lado. O observador da base, com o auxílio de um relógio
R, mediu para o tempo de ida e volta o valor Δt.

Pelo teorema de Pitágoras, aplicado ao rectângulo sombreado, vem, considerando para
velocidade da luz o valor c,
2 2
2
c
2 2
t t
v d
Δ Δ ⎛ ⎞ ⎛ ⎞
= +
⎜ ⎟ ⎜ ⎟
⎝ ⎠ ⎝ ⎠

Resolvendo em ordem a Δt e entrando com o valor de d obtido em (3.4) obtém-se a
relação

2
2
1
c
p
p
t
t t
v
γ
Δ
Δ = = Δ

(3.5)
com

2 2 1/ 2
(1 / c ) 1 v γ

= − ≥ (3.6)
A conclusão a que se chegou, baseada no postulado da constância da velocidade da luz
em qualquer referencial e em qualquer direcção, diz que o intervalo de tempo decorrido
no referencial associado a um evento é inferior ao intervalo de tempo medido por um
observador noutro referencial. Visto de outro modo, o intervalo de tempo medido por
um observador em movimento em relação a um determinado relógio é maior do que o
c
2
t Δ

2
t
v
Δ
d
2
3 1
Fig. 3.3 – Composição de
velocidades
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 148 Gustavo da Silva
correspondente intervalo de tempo medido por um observador em repouso em relação a
esse relógio.
Na figura junta mostra-se a evolução de γ em função de v/c. Note-se que para v c < se
tem 1 γ ≈ , o que conduz a
p
t t Δ ≈ Δ , resultado conforme à Mecânica Clássica. Quando v
se aproxima de c, γ → ∞. Deverá ser v c < pois caso contrário γ seria um número ima-
ginário puro e a expressão (3.5) conduziria a um valor imaginário para o tempo.









Fig. 3.4 – Evolução do factor γ com a velocidade

3.5.4. O paradoxo dos gémeos
Este paradoxo envolve dois irmãos gémeos viajando em referenciais distintos a uma
velocidade elevada. Aos 20 anos o irmão Pepe Rápido resolve efectuar uma viagem ao
planeta X20, a 20 anos-luz da Terra, deixando cá o irmão Lesma Lenta. O Pepe viajou à
velocidade de 0,95c. Ao chegar a X20 já ia com saudades e regressou imediatamente.
Quando desembarcou na Terra, Pepe, com 33 anos, ficou chocado ao encontrar o irmão
muito mais velho do que ele. Fizeram as contas, utilizando a velocidade e a expressão
(3.5) e concluíram aquilo que cada um por si já sabia: O Pepe estava com 33 anos e o
Lesma com 62 anos. Mas logo a seguir o Lesma argumentou: não pode ser, os movi-
mentos são relativos e portanto a Terra e toda a Galáxia é que se deslocaram em relação
à tua nave com velocidades simétricas das que levaste e portanto tu Pepe é que tens que
estar mais velho (o que se verificava não estar a acontecer, o Lesma estava mais velho).
Deixa-se ao leitor analisar o problema e dizer que postulado ou que outra condição é
que as considerações de Lesma não estão a respeitar.

3.5.5. A contracção do espaço
O comprimento de um objecto também depende do referencial em que se encontra.
Chama-se comprimento próprio àquele que é medido por um observador em repouso no
referencial em que o objecto se encontra. O comprimento medido por um observador
em movimento em relação ao objecto é inferior ao comprimento próprio.
Considere-se o exemplo de uma nave que se desloca entre duas estrelas fixas a uma
velocidade constante v. No referencial das referidas estrelas a sua distância é L
p
e a nave
γ
0 0.2 0.4 0.6 0.8 1.0 1.2 v/c
10
8
6
4
2
0
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 149
demora o tempo t Δ a ir de uma estrela até à outra. Tem-se /
p
t L v Δ = . No referencial da
nave, o tempo para percorrer a distância entre as estrelas é
p
t Δ e para o observador da
nave a sua distância é L. Será /
p
t L v Δ = . Atendendo a (3.5) é
p
t t γ Δ = Δ , ou seja
/ /
p
L v L v γ = , donde se obtém

2
2
1 /
c
p p
v
L L L γ = − = (3.7)
Esta expressão diz que um objecto de comprimento próprio L
p
, quando em movimento
na direcção do seu comprimento é observado como tendo um comprimento inferior L,
dado por (3.7).

3.5.6. O diagrama espaço-tempo
É costume representar a localização de um evento por um ponto P num diagrama
(O,x,y,z,t) quadridimensional. Como no entanto a nossa geometria é tridimensional,
apenas é possível efectuar esta representação a 3D, como se mostra na figura. Repare-se
que o eixo do tempo está multiplicado por c, para se terem todos os eixos com a mesma
ordem de grandeza, quando se tratar de velocidades próximas de c. À trajectória de P,
ao longo de x, y, z, e ct dá-se o nome de linha do Universo.















Fig. 3.5 – O diagrama espaço-tempo

cone de luz
passado de P(0)
futuro de P(0)
P(x,y,z,t)
y, z
ct
região permitida
região permitida
P(0)
linha do Universo
x
região não permitida
(exterior ao cone)
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 150 Gustavo da Silva
3.5.7. O efeito de Döppler
O efeito de Döppler consiste no desvio de frequência observado numa onda progressiva,
quando existe um movimento relativo entre a fonte e o observador. O caso que aqui
interessa é o de ondas electromagnéticas, que se propagam com velocidade c, indepen-
dentemente do estado de movimento do referencial onde se encontra a fonte. No caso do
observador se deslocar em direcção à fonte, devido à sua velocidade, atinge mais
depressa as ondas do que se estivesse em repouso. A frequência observada, f
0
, parece
maior do que a da fonte, f
s
, que ele observaria se estivesse em repouso. É o chamado
efeito de Döppler longitudinal:

1 / c
1 / c
o s
v
f f
v
+
=

(3.8)
Se o observador se afasta da fonte é f
o
< f
s
. Pode usar-se a expressão (3.8), substituindo
v por –v.
Expressa em termos de comprimento de onda da radiação electromagnética a expressão
anterior transforma-se em, para quando o observador se afasta,
1
c v
c v
λ
λ
Δ −
+ =
+
(3.9)
Se o observador se desloca numa direcção perpendicular à linha que o une à fonte tem-
se o chamado efeito de Döppler transversal:

2
2
1
c
o s
v
f f = − = f
s
/ γ (3.10)
O efeito de Döppler já era conhecido de há muito tempo. Mesmo não utilizando as
expressões relativistas foi este efeito que forneceu a Bradley, em 1727, a primeira prova
do movimento de translação da Terra.
Também já era conhecido dos astrónomos o deslocamento de riscas espectrais de luz
proveniente de galáxias, para o lado dos infravermelhos (cerca de 100 nm). O astróno-
mo Hubble
(23)
efectuou um grande número de observações sobre o desvio destas riscas,
e concluiu, com o auxílio das fórmulas do efeito de Döppler, que as referidas galáxias se
afastavam da Terra a grande velocidade, tanto maior quanto maior a distância a que se
encontram de nós.

3.6. Transformações de Lorentz
As equações de transformação de Lorentz
(24)
permitem a obtenção das coordenadas (x’,
y’, ‘z’, t’) de um evento num referencial de inércia S´ a partir do conhecimento das
coordenadas (x, y, z, t) do mesmo evento noutro referencial de inércia S com velocidade
v em relação a S’. Há também um conjunto de equações para converter as velocidades
de um objecto nos dois referenciais.


23
Edwin Hubble, astrónomo americano, 1889-1953.
24
Hendrik Lorentz, físico holandês, 1853-1928.
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 151
3.6.1. Equações de transformação de coordenadas
Considerem se dois referenciais de inércia S e S’, tal como foi apresentado anteriormen-
te em 3.2. S’ é escolhido com os eixos (x’, y’, z’) paralelos aos seus eixos homólogos
em S, O’ deslocando-se segundo Ox e com O e O’ coincidentes no instante t = 0. Seja v
a velocidade de O’ em relação a S, constante por se tratar de referenciais de inércia. A
relação entre as coordenadas (x’, y’, ‘z’, t’) do evento em S’ e as coordenadas (x, y, z, t)
do evento em S, designada por transformação de coordenadas de Lorentz foi obtida
em 1887 por V. Voigt, em 1900 por J. Larmor, em 1904 por H. Lorentz e em 1905 por
A. Einstein, aqui já no contexto da Teoria da Relatividade restrita, e é dada por

2
' ( )
'
'
' ( )
x x vt
y y
z z
v
t t x
c
γ
γ
= − ⎧

=


= ⎨


= −


(3.11)
Estas equações também são chamadas equações de transformação espaço-tempo de
Lorentz.
A obtenção das equações acima pode ser feita com base nos seguintes passos:
1. Começa-se por considerar o caso geral em que os referenciais de inércia têm uma
orientação qualquer: devido à homogeneidade do espaço as equações de transforma-
ção deverão ser lineares nas coordenadas, isto é

4
0
1
i i ij j
j
x a a x
=
′ = +

(3.12)
em que
1
x x = ,
2
x y = ,
3
x z = ,
4
x t = ,
1
x x ′ ′ = , .. e i = 1, 2, 3, 4. Os 20 coeficientes
a
ij
poderão ser funções de v.
2. Escolhem-se os referenciais de modo que a passagem das origens de S’ e S uma pela
outra corresponda às coordenadas (0, 0, 0, 0) em S’ e (0, 0, 0, 0) em S. Esta escolha
conduz a a
i0
=0, ficando os coeficientes reduzidos a 16.
3. Escolhem-se os eixos como indicado acima: Os referenciais deslocam-se segundo x.
O número de coeficientes fica assim reduzido a 10.
4. Para um observador em S o plano O’ y’ z’ dista do plano O, y, z de vt. Fica-se assim
com apenas
11 22 33 41 42 43 44
' ( ), ' , ' , ' x a x vt y a y z a z t a x a y a z a t = − = = = + + +
5. A transformação inversa deve ser do mesmo tipo. Resolvendo algebricamente o sis-
tema anterior em relação a x, y, z, t, para ter o mesmo aspecto deverá ser a
42
=a
43
=0 e
ainda a
44
=a
11
.
6. Notando que o intervalo ds é um invariante (devido à constância da velocidade da
luz):
2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2
ds dx dy dz c dt dx dy dz c dt ′ ′ ′ ′ = + + − = + + −
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 152 Gustavo da Silva
substituindo nele os valores de , , , x y z t ′ ′ ′ ′ dados acima e igualando os termos
correspondentes obtém-se
a
22
= 1, a
33
= 1,
2 2 2
11 44
1 a a c + =
2 2
11 22 41
0 a a a c − =
2 2 2 2 2
11 41
a v a c c − = −
que resolvido em ordem a a
11
, a
22
, a
41
e a
44
(a
44
= a
11
) dá origem às equações (3.11).
A transformação de Lorentz pode ser apresentada na forma matricial. Para tal é costume
designar-se por β a velocidade relativa dos referenciais em relação à velocidade da luz,
/ v c β = , e efectuar-se a seguinte mudança de variável na coordenada tempo: ct τ = . As
equações (3.11) tomam então o aspecto

2 2
2 2
1
0 0
1 1
0 1 0 0
0 0 1 0
1
0 0
1 1
x x
y y
z z
β
β β
τ β τ
β β
− ⎡ ⎤
⎢ ⎥
′ − −
⎡ ⎤ ⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎢ ⎥

⎢ ⎥ ⎢ ⎥
= ⋅ ⎢ ⎥
′ ⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎢ ⎥
′ −
⎣ ⎦ ⎣ ⎦
⎢ ⎥
⎢ ⎥ − −
⎣ ⎦
(3.13)
3.6.2. Equações de transformação de velocidade
Estas equações permitem a obtenção da velocidade de um objecto num referencial de
inércia S´ a partir do conhecimento da velocidade do mesmo objecto noutro referencial
de inércia S com velocidade v em relação a S’. A velocidade do objecto é designada por
u e u’, respectivamente em S e S’. Utiliza-se a notação u
x
=dx/dt, …
Calcule-se
x
dx
u
dt

′ =

. A partir de (3.11) tem-se ( ) dx dx vdt γ ′ = − e
2
( )
c
v
dt dt dx γ ′ = − ,
pelo que
2 2
( )
( ) 1
c
x
dx
v
dx dx vdt
dt
u
v v dx
dt
dt dx
c dt
γ
γ

′ −
′ = = =

− −

ou, finalmente

'
2
1
c
x
x
x
u v
u
u v

=

(3.14)

'
2
(1 )
c
y
y
x
u
u
u v
γ
=

(3.15)

'
2
(1 )
c
z
z
x
u
u
u v
γ
=

(3.16)
As expressões (3.15) e (3.16) obtêm-se de forma análoga à (3.15).
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 153
3.7. Momento linear e leis de Newton
Na Física Clássica o momento linear de uma partícula (ou de um corpo) de massa m e
velocidade u é definido pela expressão
m = p u (3.17)
O momento linear de um sistema de partículas obtém-se pela soma dos momentos linea-
res de cada uma das partículas. Ainda neste contexto, sempre que ocorre uma colisão
entre partículas, o momento linear do conjunto de partículas mantém-se constante. A
expressão que traduz a relação entre força aplicada a uma partícula e o seu momento
linear, conhecida como 2ª lei de Newton tem a forma

d
dt
=
p
F (3.18)
Esta expressão, da qual a lei da conservação do momento linear durante uma colisão é
apenas um corolário (porque durante a colisão não há forças externas a exercer-se sobre
as partículas), é válida em qualquer referencial de inércia, em que os sistemas de coor-
denadas estão relacionados pela transformação de Galileu. Se os referenciais de inércia
tiverem entre si um movimento relativo com velocidades elevadas da ordem de c, em
que é a transformação de Lorentz a relacionar as coordenadas, há necessidade de alterar
a definição de momento linear, para que se continue a verificar a 2ª lei de Newton. É
preciso também, na nova definição de momento linear, que este se transforme no
momento linear clássico, sempre que u << c. A definição de momento linear que satis-
faz estas condições é seguinte:

2
2
1
m
m
u
c
γ = =

u
p u (3.19)
Com esta definição para o momento linear verificam se as seguintes condições:
• A relação entre a força aplicada a uma partícula e o seu momento linear continua
a ser dada pela expressão (3.18).
• Numa colisão de partículas o momento linear mantém-se constante, independen-
temente do referencial que se utiliza.
• O momento linear tende para infinito quando u Æ c.
• O momento linear relativista, dado por (3.19) transforma-se no momento linear
clássico (3.17) sempre que u << c.

Considere-se agora uma partícula massa m sobre qual se exerce uma força F constante e
determine-se a sua aceleração. Será por definição de aceleração

d
dt
=
u
a (3.20)
Derive-se a expressão (3.19), que define o momento linear:
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 154 Gustavo da Silva

1 2
2
2
(1 )
d d u
m
dt dt c
− ⎡ ⎤
= −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
p
u (3.21)
Após alguma manipulação obtém-se

3 2
2
2
(1 )
d u d
m
dt c dt

= −
p u
(3.22)
Pelo que

3 2
2
2
1
(1 )
d u d
dt m c dt
≡ = −
u p
a (3.23)
Atendendo a (3.18) resulta

3 2
2
2
(1 )
u
c m
= −
F
a (3.24)
Prepara-se nas seguintes conclusões, obtidas a partir de (3.24):
• Sempre que u << c a expressão (3.24) transforma-se nas expressão clássica
F = ma.
• Quando a velocidade u Æ c a aceleração da partícula sujeita a uma força cons-
tante tende para zero. Isto significa que não é possível acelerar uma partícula até
à velocidade c.
Para calcular velocidade de uma partícula cuja aceleração é dada por (3.24) deverá
integrar-se a sua aceleração. De modo análogo se calcula a sua posição.
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 155
3.8. Energia
A expressão da energia de uma partícula obtém-se a partir da definição do trabalho
exercido por uma força e da expressão relativista do momento linear. Mantém-se a defi-
nição clássica de trabalho, dW = F.ds
Para simplificar considere-se o problema a uma dimensão espacial x, e calcule-se o tra-
balho realizado pela força para transportar uma partícula da posição x
1
até à posição x
2
.
Será

2
1
x
x
W Fdx =

(3.25)
Em que F é componente da força segundo x. Atendendo a (3.18) pode escrever-se

2
1
x
x
dp
W dx
dt
=

(3.26)
Atendendo a (3.22), e supondo que a partícula se encontra em x
1
quando t = 0 e em x
2

no instante t, vem,

¸
3 2
2
3 2 2
0 0
2
2
(1 )
(1 )
t u
dx
dp
dt
u du u
W m udt m du
c dt u
c

= − =

∫ ∫
¸¸¸_¸¸¸
(3.27)
onde se supõe que no instante t = 0 a velocidade é zero e no instante t é u. A integração
de (3.27) conduza a

2
2
2
2
(1 )
mc
W mc
u
c
= −

(3.28)
Uma vez que o trabalho efectuado pela força produz uma variação de energia cinética
da partícula, suposta zero em t = 0, pode escrever-se, depois de simplificar

2 2
C
E mc mc γ = − (3.29)
ou ainda,
2
( 1)
c
E mc γ = − (3.30)
Analise-se o que se passa com (3.29) quando u << c. Para esse efeito desenvolva-se γ
em série de potências de u
2
/c
2
:

2
2 2 2
2 2 2
2
2
1
1 3 1
1
u u u
c c c
u
c
γ
⎛ ⎞
= = + + + +
⎜ ⎟
⎝ ⎠

= (3.31)
Substituindo a aproximação de γ com os termos de 1ª ordem do desenvolvimento vem

2
2 2 2
2
1
(1 )
2
C
u
E mc mc mu
c
= + − = (3.32)
que é expressão clássica da energia cinética.
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 156 Gustavo da Silva
Na expressão (3.29) ao 2º termo do 2º membro, que não depende da velocidade da
partícula, dá- -se o nome de energia em repouso da partícula, E
R
:

2
R
E mc = (3.33)
Definindo energia total da partícula, E
T
, pela expressão

2
2
2
2
1
T
mc
E mc
u
c
γ = =

(3.34)
fica a relação

T C R
E E E = + (3.35)
A expressão (3.35), diz que para uma partícula material de massa, a sua energia total é
dada pela soma da energia cinética e da energia em repouso.
A relação (3.34) é famosa relação de Einstein, que estabelece a equivalência entre a
massa de uma partícula e a sua energia total.
Quando a energia cinética da partícula é nula, a sua energia total reduz-se à energia em
repouso.
Da expressão (3.33) conclui-se que existe uma relação entre a massa e a energia de uma
partícula, sendo o factor de conversão a constante c
2
, quadrado da velocidade da luz no
vazio. Isto significa, que a uma pequena quantidade de massa corresponde uma enorme
quantidade de energia.
Muitas vezes não se mede a velocidade de uma partícula mas sim o seu momento linear.
Por este motivo convirá estabelecer a relação entre o momento linear e a energia.
Designado agora a energia total por E, a expressão (3.34) pode escrever-se

2
2
1
E mc
c
u
c
=

(3.36)
Elevando ao quadrado as expressões (3.36) e (3.19) e subtraindo membro a membro
resulta, depois de simplificar

2 2 2 2 2
c ( c ) E p m = + (3.37)
Analise-se expressão anterior. Quando a partícula se encontra em repouso (p = 0) fica
E = mc
2
, como já se tinha visto em (3.33). Para partículas de massa nula (como por
exemplo o fotão), fazendo na equação m = 0 resulta
c E p = (3.38)
Para estes casos a expressão (3.34) daria uma indeterminação, já que o fotão se move à
velocidade u = c.
Note-se que a massa de uma partícula ou de um objecto não depende da sua velocidade;
a massa tem o mesmo valor em qualquer referencial de inércia. Por este motivo se diz
que a massa é um invariante relativista.
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 157
O momento linear e a energia de uma partícula (ou de um sistema de partículas) variam
com a velocidade, não sendo pois invariantes. No entanto a quantidade

2 2 2
c E p − (3.39)
obtida directamente a partir de (3.37) é um invariante relativista.
Não sendo o momento linear e a energia invariantes relativistas, é importante saber
como é que estas grandezas se transformam quando se muda de referencial de inércia.
Represente-se por v a velocidade do referencial S’ em relação ao referencial S, para o
caso da pág.2. É corrente introduzir um vector, designado por quadrivector momento-
energia, com as seguintes componentes:
, , ,
z x y
E
p p p
c
⎡ ⎤
− − −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
(3.40)
Representa como anteriormente por β a velocidade relativa dos referenciais (em relação
à velocidade da luz, / v c β = ), a transformação da energia e do momento linear escreve-
se:

2 2
2 2
1
0 0
1 1
0 1 0 0
0 0 1 0
1
0 0
1 1
x x
y y
z z
p p
p p
p p
E E
c c
β
β β
β
β β
− ⎡ ⎤
′ ⎢ ⎥ − − ⎡ ⎤ ⎡ ⎤
− −
⎢ ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
′ − −
⎢ ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
= ⋅ ⎢ ⎥
′ ⎢ ⎥ ⎢ ⎥ − −
⎢ ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥

⎢ ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥

⎢ ⎥ ⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎣ ⎦ ⎣ ⎦
⎢ ⎥ − −
⎣ ⎦
(3.41)
Isto significa que as componentes do momento linear e a energia se relacionam, em
referenciais de inércia, por meio da transformação de Lorentz.

Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 158 Gustavo da Silva
3.9. Electromagnetismo e relatividade
Sabe-se da teoria do campo electromagnético que a força que se exerce sobre uma partí-
cula electricamente carregada com carga q é dada pela expressão
q q = + F E v×B (3.42)
Em que a primeira parcela q =
E
F E é devida ao campo eléctrico e a segunda é devida ao
campo magnético. Esta última, ao depender da velocidade da partícula irá depender do
referencial que esteja a ser considerado. Exemplifique-se com dois referenciais, um em
que a partícula se move com velocidade v e o outro o referencial associado à própria
partícula, no qual a sua velocidade é nula. Um observador que se encontre neste último
referencial, S´, apenas consegue detectar uma eventual força eléctrica, q ′ ′ =
E
F E . Um
observador que se encontre em S encontrará a actuar sobre a partícula a força
q q = + F E v×B. Uma vez que a força se encontra a actuar sobre a partícula, indepen-
dentemente do referencial em causa, somos assim levados a concluir que a força eléctri-
ca é transformada numa força magnética, ou ainda, que um campo eléctrico é transfor-
mado num campo magnético, apenas por mudança de referencial.
Considere-se agora o exemplo de um condutor eléctrico atravessado por uma corrente
eléctrica contínua, I. Num metal a corrente eléctrica é devida ao movimento dos seus
electrões livres, que se movimentam no sentido oposto ao convencionado para sentido
positivo da corrente, com uma velocidade média v. No referencial do condutor, a cor-
rente eléctrica I origina um campo magnético B, de simetria cilíndrica, cujo sentido
pode ser obtido pela regra do saca-rolhas. O condutor encontra-se electricamente neutro,
isto é, o número de cargas eléctricas positivas é igual ao número de cargas negativas, e
portanto não existe qualquer campo eléctrico no exterior do condutor.
Considere-se agora uma carga eléctrica q exterior ao condutor, movimentando-se para-
lela a ele com uma velocidade v igual à velocidade média dos electrões que originam a
corrente I. Sobre esta carga irá exercer-se uma força magnética dada por q =
B
F v×B,
perpendicular ao condutor e dirigida para fora, como se mostra na figura seguinte, a).
No referencial da carga q, em relação ao qual o condutor se encontra em movimento
com velocidade –v, a situação é diferente da descrita: não existe força magnética, uma
vez que no seu referencial a carga se encontra parada, os electrões também se encon-
tram parados (uma vez que, por hipótese, q se encontra em movimento com a velocida-
de destes); no entanto as cargas positivas, que se encontram fixas em relação ao condu-
tor, movem-se com velocidade –v, pelo que a correspondente densidade de carga (car-
gas positivas) é muito maior do que vista no referencial do condutor. Haverá assim um
campo eléctrico devido a estas cargas, também dirigido do eixo do condutor para o seu
exterior, como se mostra na figura, b). Note-se que devido ao efeito relativista há uma
contracção destas cargas, o que faz aumentar a sua densidade de carga e, consequente-
mente o valor de E.
Tem-se aqui um exemplo de como um campo electromagnético pode ser visto quer
como apenas campo magnético, quer apenas como campo eléctrico.


Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 159












Fig. 3.6 – Um campo magnético visto como campo eléctrico

Na página 2 afirmou-se que as equações de Maxwell do Electromagnetismo são relati-
vistas. Considerem-se as equações de Maxwell na forma diferencial:
rot
t

= −

B
E (3.43)
rot
t

= +

D
H J (3.44)
div ρ = D (3.45)
div 0 = B (3.46)
E procure-se saber como é que os campos E, D, H e B se transformam de um referen-
cial de inércia para outro. Para poder prosseguir com estes cálculos torna-se necessário
escrever estas equações numa outra forma, por exemplo na forma diferencial, para se
poder perceber o modo como os campos dependem das coordenadas de espaço (das suas
derivadas).
No referencial S as coordenadas são (x, y, z, t) e os campos E, D, H e B.
No referencial S’ as coordenadas são (x’, y’, z’, t’) e os campos E’, D’, H’ e B’.
Prova-se, após alguns cálculos elaborados, que para que em ambos os referenciais as
equações se escrevam com o aspecto (3.43) a (3.46) é necessário que as coordenadas de
espaço e tempo estejam ligadas pela transformação de Lorentz (3.13), para o caso em
que x´ se move segundo x. Mais se pode provar que a velocidade de propagação das
ondas electromagnéticas c, que intervém nas equações de propagação de Laplace, é a
mesma em qualquer referencial de inércia. Estas conclusões foram também um factor
que contribuiu para o estabelecimento dos postulados de Teoria da Relatividade Restri-
ta.
+ + + + + +
– – – – – –
v
+
v
q
F
B
I
B
a) referencial S
– – –
I
+ q
F
E
+ + + + + + + + + + + +
E
E
b) referencial S´
-v
Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 160 Gustavo da Silva
3.10. Teoria da relatividade generalizada
Na Mecânica Clássica surgiram duas formas distintas de definir o conceito de massa:
1. Massa gravitacional, m
g
– caracterizada pela força a atracção existente entre corpos,
tal como descrita pela Lei da Atracção Universal.
2. Massa inercial, m
i
– definida a partir da 2ª lei de Newton, caracterizada pela maior
ou menor oposição que um corpo oferece quando uma força lhe procura modificar o
seu estado de movimento.
Estes conceitos, embora distintos, por meio de uma escolha adequada da constante G da
Lei da Atracção Universal conduzem ao mesmo valor numérico para a massa. Tudo se
passa como se os conceitos fossem apenas um, observados de pontos de vista diferentes.
Este problema ocupou o tempo de muitos cientistas, em particular o de Newton, mas só
foi solucionado por Einstein, no seu trabalho sobre a Teoria da Relatividade Generali-
zada, em que se afirma não só existe coincidência entre os valores de m
g
e m
i
, como eles
representam um mesmo e único conceito.
A ideia que serve a base a esta unificação é seguinte: nenhuma experiência, quer seja
mecânica ou de outro tipo, pode distinguir entre estes dois tipos de massas.
Concretize-se esta afirmação com um exemplo. Considere-se um observador no interior
de uma nave, que se encontra parada à superfície da Terra. A nave é fechada e o obser-
vador não tem acesso ao sistema de localização, pelo que não sabe onde se encontra.
Este observador encontra-se sujeita à acção do campo gravítico terrestre, caracterizado
por g. No interior desse veículo qualquer corpo livre de outras forças adquire uma acele-
ração igual a g.
Desloque agora o veículo para uma região (afastada da Terra) onde não se faça sentir o
efeito de gravidade terrestre, e imobilize-se o veículo (em relação ao referencial terres-
tre). O observador no interior do veículo dirá que não está sujeito a nenhuma uma força
gravítica.
Ponha-se agora veículo em movimento e imprima-se-lhe que uma aceleração vertical de
baixo para cima (baixo significa chão da nave), com a mesma grandeza de g. O obser-
vador, volta a detectar uma força vertical de cima para baixo, de valor g, e uma vez que
nada lhe foi dito sobre a origem desta nova força, poderá julgar que se encontra subme-
tido ao campo gravítico terrestre. A conclusão que foi generalizada a partir desta expe-
riência é a seguinte:
Nenhuma experiência realizada localmente num referencial, pode
estabelecer qualquer diferença entre massa gravítica e massa inercial.
Atendendo a esta e outras considerações, a maior parte delas matematicamente algo
complexas, que Einstein estabeleceu a Teoria da Relatividade Generalizada com base
em dois princípios:
P1 – Princípio da relatividade geral – as leis da física devem permanecer inalteradas
em todos referenciais (quer sejam de inércia ou não).
P2 – Princípio da equivalência – Na vizinhança de qualquer ponto, um campo gravita-
cional é equivalente a um referencial acelerado onde não há efeitos gravitacionais.
Tópicos de Física – Relatividade
Gustavo da Silva pág. 161
Como para o caso da Relatividade Restrita o 1º princípio afirma que as leis da Física
devem ter o mesmo aspecto, isto é, permanecer inalteradas em todos referenciais, mes-
mo que não sejam referenciais de inércia. Faz também a generalização para as leis da
Mecânica do Electromagnetismo, da Termodinâmica, da Biologia, etc.
O segundo princípio implica a equivalência total entre os conceitos de massa gravítica
massa inercial: elas não só têm o mesmo valor numérico como são exactamente a
mesma coisa.
Analise-se um caso interessante em que existe interacção entre o campo gravítico e a luz.
Imagine se de novo um observador no interior de uma nave, em movimento acelerado
dirigido no sentido do chão para o tecto da nave. Suponha-se que o observador envia um
raio de luz segundo a horizontal, ou seja, segundo uma direcção perpendicular à acele-
ração. Se a nave se encontrasse parada o raio iria projectar-se na parede lateral, num
determinado ponto. Se o referencial associado à nave fosse um referencial de inércia
(não acelerado) com velocidade constante no sentido ascendente, o raio de luz e iria
incidir num ponto abaixo do ponto anterior, uma vez que este demora um certo tempo
efectuar o percurso entre a fonte e o alvo e durante esse tempo a nave se terá deslocado
para cima. A trajectória do raio luminoso será rectilínea.
Se a nave se encontrar em movimento uniformemente acelerado, de baixo para cima, o
raio de luz anterior irá descrever uma trajectória parabólica. Com efeito, para percursos
iguais da luz (na horizontal), há percursos cada vez maiores da nave, uma vez que o seu
movimento é acelerado.
Se agora se notar que não há possibilidade, de acordo com o segundo princípio, de saber
se a nave se encontra movimento uniformemente acelerado ou se se encontra sujeita a
um campo gravítico, somos levados a concluir que sob a acção do campo gravítico um
feixe de luz será também deflectido, descrevendo uma trajectória curvilínea (parabólica
num campo constante e uniforme). Esta conclusão pode ser observada à superfície da
Terra. Um feixe de luz laser emitido na horizontal sofre uma deflexão de um milímetro
para baixo, depois percorrer 600 quilómetros na horizontal.
A primeira verificação experimental da deflexão da luz por um campo gravítico foi feita
em 1919, quando os astrónomos de uma expedição Britânica à África Central, que aí se
deslocaram para observar um eclipse solar total, detectaram que luz proveniente de uma
determinada estrela era de deflectida de 1,75” (segundos de grau), pelo facto de efectuar
um percurso tangente ao Sol. O anúncio desta observação tornou Einstein famoso, pois
ela serviu como prova experimental da Teoria da Relatividade Generalizada.
Como se pode constatar, a deflexão que a luz sofre ao atravessar um campo gravitacio-
nal parece pequena. Tal é efectivamente o caso, quando se trata do campo gravítico ter-
restre ou até mesmo do campo gravitacional do Sol. Mas no universo há milhões de
corpos com massa muito superior à massa do sol. Há muitos casos em que o campo gra-
vitacional de um corpo é de tal modo intenso que deflecte a luz na direcção desse corpo,
e nem sequer deixa lá sair a própria luz. A estes corpos dá-se o nome de buracos negros.



Tópicos de Física – Relatividade
Pág. 162 Gustavo da Silva









Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 163

3.11. Problemas resolvidos
3.11.1. Probl. 3.1 – Comprimento próprio
Uma nave espacial, com o comprimento próprio de 300 m, demora 0,750 μs a passar
por um observador terrestre.
a) Calcule a sua velocidade, medida por este observador.
b) De acordo com este observador, qual o comprimento da nave?
RESOLUÇÃO:
a) L
p
= 300 m
Δt = 0,750 μs

O observador terrestre vê
a nave com o compri-
mento L, inferior a L
p
, ou
seja, vê a nave mais curta
do que ela é:
1
p
L L γ

=
com
2
2
1
1
c
v
γ =


Para este observador é L v t = Δ , pelo que, igualando as duas expressões de L
2
2
1
c
p
v
L v t − = Δ Æ
2
2 2 2
2
(1 )
c
p
v
L v t − = Δ Æ
2
2 2 2
1 1
c
p
t
L v
Δ
= − Æ
2
2
2 2
1
1
c
p
v
t
L
=
Δ
+
Æ
2
2 2
1
1
c
p
v
t
L
=
Δ
+

Substituindo valores numéricos
2 12
16 2
1
1 0.75 10
9 10 300
v

=
×
+
×
Æ 0,8c v =

b)
1
p
L L γ

= ,
2
2
1
1
c
v
γ =

=
2
1
1 0,8 −
= 1,667 Æ 300 /1.6667 L = × = 180 m
v
L
p
=300 m
observador
Δt
S
0

S
nave
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 164 Gustavo da Silva

3.11.2. Probl. 3.2 – Tempo próprio
Um muão, formado na alta atmosfera terrestre, percorre uma distância de 4,60 km, à
velocidade v = 0,99c, antes de se transformar em electrão+neutrino+antineutrino
( e μ ν ν
− − −
→ + + ).
a) Qual o tempo de vida deste muão no referencial terrestre e no referencial próprio?
b) No referencial do muão, que espaço é que ele percorreu?
RESOLUÇÃO:
a) No referencial terrestre o tempo de vida do muão calcula-se dividindo o espaço per-
corrido pelo muão (desde que se forma até que se desintegra) pela sua velocidade:
8
4600
s 15, 49μs
0, 99 3 10
p
L
t
v
Δ = = =
× ×

No referencial do muão há uma dilatação do intervalo de tempo (o tempo corre mais
devagar), relativamente ao observador terrestre:
p
t t γ Δ = Δ Æ
1
2
2
1
p
t
t t
v
c
γ

Δ
Δ = Δ =

Æ
6
2
15, 49 10
2,18μs
1 (0, 99)
p
t

×
Δ = =



b) No referencial do muão observa-se a superfície terrestre a aproximar-se à velocidade
v. O espaço percorrido pode ser calculado de dois modos:

1.
p
L v t = Δ =
8 6
0, 99 3 10 2,18 10 m

× × × × = 648 m
2.
1
L Lp γ

= × =
2
2
1
p
v
L
c
− =
2
4600 1 0, 99 × − m = 648 m (nota: L
p
é o comprimento
próprio, é medido na Terra).

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 165

3.11.3. Probl. 3.3 – Tempo e comprimento próprios
Um comboio de extra alta velocidade, com o comprimento próprio de 110 m, viaja à
velocidade de 0,95c e atravessa um túnel com o comprimento próprio de 60 m.
a) Visto por um observador em terra, haverá algum intervalo do tempo em que o com-
boio se encontre totalmente dentro do túnel? Em caso afirmativo, quanto tempo?
b) E visto por um observador que se encontre no comboio? Justifique.
RESOLUÇÃO:
a) Representa-se o comboio em 3 fases do seu percurso. Na posição 1 o comboio ainda
não iniciou a sua marcha. O observador em terra vê o seu comprimento igual ao
comprimento próprio, L
pC
.








Nas fases 2 e 3 do percurso o comboio movimenta-se à velocidade de cruzeiro
0, 95
C
v c = . Para o observador em terra, o seu comprimento será,
2
/ 110 1 0, 95
C pC
L L γ = = × − = 34,35 m.
Nestas condições o observador em terra vê o comboio completamente dentro do
túnel. O tempo que, no referencial terrestre o comboio permanece no interior do túnel
é o tempo que o comboio demora a percorrer o comprimento L assinalado na figura,
à velocidade 0, 95
C
v c = :
8
60 34, 35
0, 95 3 10
t

Δ =
× ×
segundo = 90 ns

b) Para um observador que se encontre no comboio este tem um comprimento igual ao
seu comprimento próprio, ou seja 110 m. O túnel terá um comprimento
2
/ 60 1 0, 95
T pT
L L γ = = × − = 18,73 m. (pode imaginar-se “parado” no interior do
comboio e ver a paisagem, e também o túnel, a passarem em sentido contrário. O
valor de γ é o mesmo).

comboio STGV
em repouso
carris
vista de topo
túnel
v
C
=0,95
em movimento
1 2 3
L
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 166 Gustavo da Silva

3.11.4. Probl. 3.4 – Diagrama espaço-tempo, 2D
Um electrão descreve, no eixo dos xx, um movimento oscilatório, sinusoidal no tempo,
com uma amplitude A =12 cm.
a) Qual a frequência máxima, f
M
a que pode oscilar este electrão?
b) Faça um esboço do seu diagrama espaço-tempo e represente no mesmo diagrama o
“cone” de luz, as regiões permitida e não permitida, o passado e o futuro.
c) No diagrama anterior represente o diagrama de um electrão a oscilar à mesma fre-
quência, em oposição de fase e com metade da amplitude.
RESOLUÇÃO:
a) Movimento do electrão: sen( ) x A t ω = . Velocidade do electrão: cos( )
dx
v A t
dt
ω ω = = .
Velocidade na origem (máxima):
M
v Aω = . Esta velocidade não pode exceder c Æ
A c ω < , ou seja
2
c
f
A π
< . Para a amplitude dada será
8
3 10
2 0,12
f
π
×
<
×
Æ f
M
=397 MHz
b) O diagrama espaço-tempo deste electrão encontra-se representado na figura, a traço
azul, cheio. Não é mais do que a representação de x em função de ct (sinusóide).
Note-se que a derivada desta sinusóide, na origem, deverá ser tangente (interior) ao
cone de luz (condição anterior A c ω < ). Repare-se que por se tratar de um problema
a uma dimensão espacial e outra temporal, o cone de luz degenera em duas rectas,
que se cruzam no vértice.



















c) O diagrama encontra-se na figura, a traço vermelho interrompido.

x
ct
região permitida
O
futuro
passado
região interdita região
interdita
região permitida
cone de luz
diagrama espaço-tempo b)
diagrama espaço-tempo c)
derivada em relação a t <
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 167

3.11.5. Probl. 3.5 – Diagrama espaço-tempo, 3D
Um electrão descreve, no plano (x,y), um movimento circular uniforme com um diâme-
tro de D e uma frequência de 125MHz.
a) Faça um esboço aproximado do seu diagrama espaço-tempo.
b) No desenho mostre o cone de luz, as regiões permitida e não permitida, o passado e o
futuro.
c) Qual o máximo valor que pode ter D, de modo a que a trajectória do electrão se
encontre na região permitida do diagrama?
RESOLUÇÃO:
a) As duas figuras seguintes são pontos de vista diferentes dos mesmos diagramas. A
linha em espiral, com início na origem, representa o diagrama espaço-tempo do elec-
trão. Para uma melhor percepção, pode ser comparado, na forma, a uma mola que
esteja parcialmente esticada e presa por dois pontos sobre a mesma geratriz do cilin-
dro que a envolve. Um dos extremos será a origem do diagrama, ponto O, em que
t=0, x=0, y=0.















b) As figuras indicam o que se pede.
c) Em termos da analogia dada com a mola, esta deverá estar suficientemente esticada e
não ter um diâmetro grande, para que se desenvolva sempre dentro do cone.
Em torno da origem pode supor-se, aproximadamente, que x (ou y) são uma função
sinusoidal do tempo: sen( ) x A t ω = . A sua derivada em x=0 deverá ser inferior à
inclinação do cone: cos( )
dx
A t
dt
ω ω = Æ
0 t
dx
A
dt
ω
=
⎛ ⎞
=
⎜ ⎟
⎝ ⎠
Æ A c ω < Æ
c
A
ω
< Æ
8
6
3 10
2 125 10
A
π
×
<
× × ×
m Æ A<38 cm
O diâmetro máximo permitido será 2A.
Poderia chegar-se à mesma conclusão sabendo que para o movimento circular se tem
v R ω = e que v
max
=c, donde se obtém o valor máximo de R.
O
futuro
passado passado
futuro
região interdita
região
interdita
região
interdita
região permitida
região permitida
região permitida
região permitida
cone de luz
diagrama
espaço-
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 168 Gustavo da Silva

3.11.6. Probl. 3.6 – Composição de velocidades, 1
Uma nave espacial desloca-se, no referencial terrestre, à velocidade de 0,78c. A certa
altura a nave dispara um míssil, na direcção e sentido do seu movimento. Qual deverá
ser a velocidade do míssil, em relação à nave, para que possa atingir a velocidade 0,88c
no referencial terrestre?
RESOLUÇÃO:
Trata-se de um problema de composição de velocidades











Velocidade da nave, no referencial terrestre: v (dado)
Velocidade do míssil no referencial terrestre: u
x
(a determinar)
Velocidade do míssil no referencial da nave: u’
x
(dado)
Fórmula de composição de velocidades, para os referenciais nas posições da figura:
2
'
1
x
x
x
u v
u
u v
c

=


Substituindo valores numéricos resulta:
2
0, 88 0, 78
'
0,88 0, 78
1
x
c c
u
c c
c

=
×

Æ ' 0, 3189
x
u c =
Nota: a teoria clássica daria '
x x
u u v = − = 0,88c – 0,78c = 0,10 c)


3.11.7. Probl. 3.7 – Composição de velocidades, 2
O comboio A, de extra alta velocidade, com o comprimento próprio de 120 m, viaja à
velocidade de 0,75c e cruza-se (em sentido contrário) com o comboio B, igual a A, que
circula a 0,60c.
a) Visto por um observador em terra, qual a velocidade relativa dos comboios?
b) E visto por um observador que se encontre no comboio B qual a velocidade de A e
qual o seu comprimento?
c) E para um observador que se encontre no comboio A qual o comprimento e veloci-
dade de B?


referenci
al
terrestre
O
i
y
z
j
k
x
míssil
v=0,78c
ref. da
nave
S’
y’
x’
z’
nave
u’
x
=?
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 169

RESOLUÇÃO:












a) Tal como se apercebe um observador terrestre, a velocidade relativa dos dois com-
boios é, apenas em módulos 0, 75 ( 0, 60 ) 1, 35
r A B
v v v c c c = − = − − = . Este resultado
resulta de se estar a supor, por analogia com a Mecânica Clássica, que a velocidade
relativa dos comboios é igual em qualquer referencial de inércia, o que não acontece
em Física Relativista. Para um observador no referencial terrestre apenas existem as
velocidades dos comboios A e B, não a de A visto de B ou a de B visto de A. A solu-
ção correcta será a calculada a seguir.
b) Considere-se um observador no comboio B, e o respectivo referencial, em movimen-
to em relação ao referencial terrestre. A velocidade do referencial do comboio B em
relação ao referencial terrestre é 0, 60
B
v c = − (o sinal – resulta do movimento ser
oposto ao versor i). A velocidade do comboio A é, no referencial terrestre,
0, 75
A
v c = . Utilizando a lei de composição de velocidades (apenas interessa a com-
ponente em x), tem-se, para velocidade do comboio A em relação ao B
'
2
1
c
x
x
x
u v
u
u v

=

=
2
1
c
A B
A B
v v
v v


=
2
0, 75 0, 60
0, 75 0, 60
1
c
c c
c c
+
×
+
= 0,931c
O comprimento do comboio A, observado de B, obtém-se a partir da expressão da
contracção do espaço:
2
2
2
/ 1 120 1 0, 931
c
p p
v
L L L γ = = − = × − = 43,8 m
c) Para calcular o comprimento do comboio B, visto de A, utiliza-se a fórmula anterior.
O valor de γ é igual, porque na sua expressão a velocidade se encontra elevada ao qua-
drado.
2
/ 60 1 0, 931
B pB
L L γ = = × − = 21,9 m. Para a velocidade, deveremos obter um
valor simétrico:
'
2
1
c
x
x
x
u v
u
u v

=

=
2
1
c
B A
A B
v v
v v


=
2
0, 60 0, 75
0, 75 0, 60
1
c
c c
c c
− −
×
+
= -0,931c
(Matlab: Cap3p07.m)
referenci
al
O
i
Terra
y
z
comboio
v
A
=0,75c
j
k
referenci
al do
x
y’
comboio
v
B
=0,60c
x’
z’
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 170 Gustavo da Silva

3.11.8. Probl. 3.8 – Composição de velocidades, 3
A nave espacial Klingon afasta-se da Terra à velocidade 0,800c. A nave Entreprise per-
segue-a à velocidade de 0,900c, em relação à Terra.
a) Com que velocidade é que os observadores terrestres vêem a Entreprise a ultrapassar
a Klingon?
b) Com que velocidade é que a tripulação da Klingon vê a Entreprise a ultrapassá-la?
c) E se as naves se estivessem a aproximar (a Klingon com sentido oposto)?
RESOLUÇÃO:
a) No referencial terrestre as naves Entreprise e Klingon movem-se com velocidades u
e v respectivamente. Os observadores terrestres julgam ver a nave Entreprise ultra-
passar a nave Klingon com a velocidade relativa v
r
= u – v = 0,900 c i – 0,800 c i =
0,100 c i.
b) Trata-se de um problema de composição de velocidades, relativista.
Comece-se por atribuir um referencial à nave Klingon, e para simplificar, orientem-
se os eixos do referencial terrestre como se mostra na figura. O problema fica reduzi-
do a uma dimensão espacial.
Para calcular a
velocidade com que
os observadores do
referencial da nave
Klingon vêem a
Entreprise ultrapas-
sá-los é necessário
usar as leis de com-
posição de veloci-
dades relativistas:
'
2
1
x
x
x
u v
u
u v
c

=


'
2
(1 )
c
y
y
x
u
u
u v
γ
=


'
2
(1 )
c
z
z
x
u
u
u v
γ
=


Como u
y
e u
x
são nulas, também o serão u’
y
e u’
x
, ficando apenas
'
2
0, 900 0,800
0, 900 0,800
1
x
c c
u
c c
c

=
×

= 0,357 c.
c) Se as naves se aproximarem uma da outra o observador terrestre diria que
v
r
= u + v = 0,900c + 0,800c = 1,700c.
No entanto a velocidade de aproximação de uma das naves, vista por quem está na
outra, será
'
2
0, 900 0,800
0, 900 0,800
1
x
c c
u
c c
c
+
=
×
+
= 0,988c.
referencial
terrestre
referencial
da Klingon
Entreprise
Klingon
u
v
x O
x’
i
Terra
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 171

3.11.9. Probl. 3.9 – Composição de velocidades, 4
Dois jactos de material provenientes do centro de uma galáxia movem-se em direcções
opostas, à velocidade de 0,80c em relação a essa galáxia.
Determine a velocidade de um jacto em relação ao outro.
RESOLUÇÃO:
Faça-se o seguinte esquema:









Em relação ao referencial da galáxia, S, será: u
1x
= -u; : u
2x
= u.
Considere-se um referencial associado ao 2º jacto, S´: v = u.
A expressão de composição de velocidades escreve-se:
'
2
1
x
x
x
u v
u
u v
c

=

ou
1
1
1
2
1
x
x
x
u v
u
u v
c

′ =

=
2
1
u v
uv
c
− −


=
2
2
2
1
v
v
c

+
=
2
1, 6
1 0.8
c −
+
= -0,976c
(Matlab: Cap3p09.m)
Jacto de
material
u
x’
Jacto de
material
S’
x
S
referencial
da galáxia
referencial
do jacto 2
-u
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 172 Gustavo da Silva

3.11.10. Probl. 3.10 – Simultaneidade
No referencial terrestre, S, há duas lâmpadas que emitem um impulso luminoso cada
uma:
Lâmpada 1 – localizada em x
R
= 13,00 m emite um impulso vermelho, no instante t
R
=
1,00×10
-9
s
Lâmpada 2 – localizada em x
B
= 1,00 m emite um impulso azul, no instante t
B
=
9,00×10
-9
s
Num referencial S’, que se move em relação ao ref. S a velocidade constante no sentido
do eixo dos xx (x’ // x e para t = t’ = 0 é O = O’), os impulsos de luz aparentam ocorrer
ao mesmo tempo.
a) Qual a velocidade de S’ em relação a S?
b) Qual a posição das duas lâmpadas no referencial S’?
c) Em que instante é que o impulso vermelho é emitido, em S’?
RESOLUÇÃO:
Trata-se um problema que mostra o conceito de simultaneidade depende do referencial.
Resolve-se usando a transformação de coordenadas de Lorentz:
2
' ( )
'
'
' ( )
x x vt
y y
z z
v
t t x
c
γ
γ
= − ⎧

=


= ⎨


= −



a) A última equação é válida também para diferenças:
2
' ( )
v
t t x
c
γ Δ = Δ − Δ . Vai procu-
rar-se o valor de v que anula ' t Δ . ' t Δ =0 Æ
2
( ) 0
v
t x
c
γ Δ − Δ = Æ
2
t c
v
x
Δ
=
Δ
=
9 9 8 2
(1.00 10 9.00 10 ) (3 10 )
13.00 1.00
− −
× − × × ×

m/s = -0,30×10
8
m/s = -0,10c
b) Utiliza-se a 1ª equação da transformação de Lorentz: ' ( ) x x vt γ = − . É preciso calcu-
lar γ:
2 2
1
1 / v c
γ =

=
2
1
1 0,1 −
= 1,0101
( )
R
x x vt γ ′ = − =
8 9
1, 01101 (13.00 0, 30 10 1.00 10 )

× − × × × m = 13,101 m
( )
B
x x vt γ ′ = − =
8 9
1, 0101 (1.00 0, 30 10 9.00 10 )

× − × × × m = 0,737 m
c)
2
' ( )
v
t t x
c
γ = − Æ
8
9
8 2
0, 3 10
' 1, 0101 (1, 00 10 13, 00)
(3 10 )
R
t

×
= × × − ×
×
s = -3,367×10
-9
s

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 173

3.11.11. Probl. 3.11 – Momento linear
Calcule o momento linear de um electrão que se move com as velocidades de:
a) v = 0,010 c.
b) v = 0,500 c.
c) v = 0,900 c.
Compare os resultados com os que seriam obtidos pela Física Clássica.
RESOLUÇÃO:
O momento linear relativista de uma partícula de massa m e velocidade v é calculado
por
m γ = p v , com
2
2
1
1
c
v
γ =

(na Física Clássica é apenas m = p v ).
O valor de m pode ser obtido da tabela de constantes: m = 9,109×10
-31
kg. Pode cons-
truir-se a seguinte tabela, para a sistematização das respostas às 3 alíneas:

p (clássico) γ p (relativista)
a)
p = 9,109×10
-31
×0,010×3×10
8
Ns
= 2,7327×10
-24
Ns
γ =
2
1
1 0, 01 −
=1,0001 ≈ 1
p = 2,7327×10
-24
×1 Ns
= 2,7327×10
-24
Ns
b)
p = 9,109×10
-31
×0,5×3×10
8
Ns
= 1,366×10
-22
Ns
γ =
2
1
1 0, 5 −
=1,1547
p = 1,366×10
-22
×1,1547 Ns
= 1,5777×10
-22
Ns
c)
p = 9,109×10
-31
×0,9×3×10
8
Ns
= 2,459×10
-22
Ns
γ =
2
1
1 0, 9 −
=2,2942
p = 2,459×10
-22
×2,2942 Ns
= 5,642×10
-22
Ns

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 174 Gustavo da Silva

3.11.12. Probl. 3.12 – Ec clássica / Ec relativista
Qual a velocidade máxima a que se pode deslocar uma partícula material para que as
expressões da energia cinética clássica e relativista difiram de menos de 1%.
(sugestão: parta da expressão da E
C
relativista e desenvolva-a em série de potências de v/c).
RESOLUÇÃO:
Energia cinética relativista:
2 2
2
2
1
( 1) 1
1
cR
E mc mc
v
c
γ
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
= − = −
⎜ ⎟

⎜ ⎟
⎝ ⎠

Energia cinética clássica:
2
1
2
cC
E mv =
O problema diz que deverá ser 0.01
cR cC
cR
E E
E

< (Exp 1)
Uma vez que esta equação é complicada de resolver analiticamente, vai efectuar-se o
desenvolvimento de γ em série de potências. Viu-se na teoria que se obtém a expressão
clássica da energia cinética restringindo o desenvolvimento de γ na expressão relativista
aos 2 primeiros termos. Para a resolução do problema podemos considerar para expres-
são relativista um desenvolvimento com 3 termos:
1
2 3
2
1 3 5
(1 ) 1
2 8 16
x x x x

+ = − + − + em que
2
2
v
x
c
= −
1
2
2
2
1
v
c
γ

⎛ ⎞
= −
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
2 4
2 4
1 3
1
2 8
v v
c c
+ + (3 termos)
Substituindo este valor de γ na Exp 1 vem
2 4
2 2
2 4
2 4
2
2 4
1 3 1
1 1
2 8 2
0.01
1 3
1 1
2 8
v v
mc mv
c c
v v
mc
c c
⎛ ⎞
+ + − −
⎜ ⎟
⎝ ⎠
<
⎛ ⎞
+ + −
⎜ ⎟
⎝ ⎠
Æ
4
4
2 4
2 4
3
8
0.01
1 3
2 8
v
c
v v
c c
<
+
Æ
2
2
2
2
3
8
0.01
1 3
2 8
v
c
v
c
<
+
Æ
2 2
2 2
3 1 3
0.01 0.01
8 2 8
v v
c c
< × + × Æ
2
2
3 1
0, 99 0.01
8 2
v
c
× < × Æ 0,116 v c <
Deixa-se ao cuidado do leitor verificar que, usando a expressão exacta para a E
c
relati-
vista este valor satisfaz o pretendido.

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 175

3.11.13. Probl. 3.13 – Desintegração de partículas, 1
O pião é uma partícula subatómica que se desintegra originando um muão e um anti-
neutrino. A reacção de desintegração escreve-se π μ ν
− −
→ + . Sabendo que as massas
destas partículas são 270
e
m m
π
= , 206
e
m m
μ
= e 0 m
ν
= , em que m
e
= 9,109×10
-31
kg
representa a massa do electrão.
a) Calcule a energia cinética do muão e do anti-neutrino.
b) Calcule a energia libertada durante esta reacção.
(sugestão: utilize a lei da conservação do momento linear).
RESOLUÇÃO:
O momento linear de uma partícula material (com massa) é dado por m γ = p v . O
momento linear de uma partícula sem massa é dado por
E
p
c
= . Antes da desintegração
o momento linear é zero (partícula em repouso). Depois da desintegração o momento
linear do muão é igual em módulo ao do anti-neutrino, e tem o sentido oposto. Deverá
ser então:
Pela conservação do momento linear: Pela conservação da energia total:





2 2
2 2
1 1
m c m v
m c
v v
c c
μ μ μ
π
μ μ
= +
− −

Substituindo as massas pelos seus valores resulta
2 2
2 2
206 ( / )
206
270
1 1
e
e
e
m v c
m
m
v v
c c
μ
μ μ
= +
− −
Æ
2
2
270 1 206 (1 )
v v
c c
μ μ
× − = × + Æ
2
2
1 0, 76296 (1 )
v v
c c
μ μ
− = × + Æ v
μ
=0,264c.
Energia cinética do muão:
2
2
2
1
( 1)
1
c
E m c
v
c
μ
μ
= −

=
31 8 2
2
1
( 1) 206 9,109 10 (3 10 )
1 0, 264

− × × × × ×

J = 1,751×10
-11
J = 1,093×10
8
eV
E.cin. do anti-neutrino:
2
2
1
m v
E
c
v
c
μ μ
ν
μ
=

Æ
31 8 2
2
206 9,109 10 0, 264 (3 10 )
1 0, 264
E
ν

× × × × ×
=

Æ
E
ν
=4,622×10
-12
J = 2,885×10
7
eV
b) Energia libertada durante a reacção:
2
E mc = Δ =
2
(270 206 )
e e
m m c − = 5,246×10
-12
J
2
2
2
2
1
m c
m c E
v
c
μ
π ν
μ
= +


2
2
1
m v
E
c
v
c
μ μ
ν
μ
=


Eliminando E
ν
entre as duas
expressões obtém-se Æ
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 176 Gustavo da Silva

3.11.14. Probl. 3.14 – Desintegração de partículas, 2
Uma partícula instável em repouso decompõe-se em dois fragmentos com as massas de
2,50×10
-28
kg e 1,67×10
-27
kg. Se o fragmento mais leve tiver a velocidade de 0,895c,
Qual a velocidade do outro fragmento?
RESOLUÇÃO:
O problema resolve-se utilizando o teorema do momento linear relativista, que neste
caso particular em que não há forças exteriores aplicadas se reduz à conservação do
momento linear, antes e depois da fragmentação: p
antes
= p
1depois
+ p
2depois

Momento linear: m γ = p v =
2
1 ( / )
m
v c −
v

As massas são invariantes relativistas, Antes da decomposição da partícula será m =
m
1
+m
2
, admitindo que não há variação de energia. No entanto este valor não é necessá-
rio para o cálculo do momento linear antes da decomposição, uma vez que o seu valor é
zero por ser v = 0.
Os dois fragmentos deverão deslocar-se em sentidos opostos, para que a sua soma possa
ser nula. Os seus módulos deverão ser iguais. Logo, será
1 1
2
1
1 ( / )
mv
v c −
=
2 2
2
2
1 ( / )
m v
v c −
Æ
27
1
2
1
1, 67 10
1 ( / )
v
v c

× ×

=
28
2
2, 50 10 0,895
1 (0,895)
c

× ×

Æ v
1
= 0,2877c
(Matlab: Cap3p14.m)

3.11.15. Probl. 3.15 – Energia de uma partícula
Um protão move-se à velocidade 0,950

c. Determine, expressa em joule e em electrão-volt:
a) A sua energia em repouso.
b) A energia total.
c) A energia cinética.
RESOLUÇÃO:
E = E
c
+ E
R
= γ m c
2

energia em repouso:
2
R
E mc =
energia cinética:
2
( 1)
c
E mc γ = −
energia total:
2
E mc γ =

a) De uma tabela de constantes obtém-se a massa do protão: m
p
= 1,672×10
-27
kg
Logo
-27 8 2
1,672×10 (3 10 ) J
R
E = × × = 1,5048×10
-10
J = 939 MeV
b)
R
E E γ = .
2
1
1 0, 95
γ =

=3,2026 Æ
10
3, 2026 1, 5048 10 J E

= × × = 4,819×10
-10
J =
3008 MeV
c) E
c
= E - E
R
= 4,819×10
-10
– 1,5048×10
-10
J = 3,314×10
-10
J = 2069 MeV
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 177

3.11.16. Probl. 3.16 – Energia e velocidade de electrões
No cinescópio (CRT) de um televisor a cor os electrões do feixe são acelerados por
meio de uma diferença de potencial de 25 kV. Calcule:
a) A energia cinética dos electrões, em joule.
b) A velocidade dos electrões ao incidir no ecrã.
c) Compare a velocidade obtida com a que seria obtida pela expressão clássica.
RESOLUÇÃO:
a) E
c
= 25000 eV =
3 19
25 10 1, 602 10 J

× × × = 4,005×10
-15
J
b)
2
( 1)
c
E mc γ = − Æ
2
1 /
c
E mc γ = +
15
-31 8 2
4, 005 10
1
9,109 10 (3 10 )
γ

×
= +
× × ×
= 1,0489
2
1
1 ( / ) v c
γ =

Æ
2
1
1
v
c γ
= − Æ
2
1
1
1.0489
v
c
= − = 0,3016 Æ v = 0,904×10
8

m/s
c) Expressão clássica:
2
1
2
c
E mv = Æ
2
c
E
v
m
= Æ
15
31
2 4, 005 10
9,109 10
v

× ×
=
×
m/s =
0,938×10
8
m/s


3.11.17. Probl. 3.17 – Conversão massa-energia, 1
Combinando 1,00 g de hidrogénio com 8,00 g de oxigénio obtêm-se 9,00 g de água.
Durante esta reacção química é libertada a energia de
5
2.86 10 J × .
a) Que massa dos constituintes iniciais se perdeu?
b) A massa perdida consegue ser detectada por uma balança de precisão?
RESOLUÇÃO:
a) Energia total,
2
E mc γ = . Como os constituintes se encontram em repouso, v = 0 Æ γ
= 1.
(A energia cinética é nula, a energia total é igual à energia em repouso).
2
R
E
m
c
= =
5
8 2
2,86 10
(3 10 )
×
×
kg = 3,177×10
-12
kg
b) Não há balanças, mesmo de precisão, que possam detectar este valor.

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 178 Gustavo da Silva

3.11.18. Probl. 3.18 – Conversão massa-energia, 2
O Sol liberta uma potência de
26
3, 77 10 W × .
a) Que massa é que em cada dia é convertida em energia, e que fracção é da sua massa?
b) Ao fim de quanto tempo, devido a este fenómeno, é que o Sol terá a sua massa redu-
zida a metade da actual?
c) Sabendo que o Sol se encontra a 8,0 minutos luz da Terra, calcule a potência que aqui
é recebida por metro quadrado de superfície, suposta perpendicular à direcção de
radiação.
RESOLUÇÃO:
a) Energia radiada por dia: E Pt = =
26
3, 77 10 × ×24×3600 J = 3,2573×10
31
J
Esta energia é obtida numa reacção nuclear a partir da massa do Sol: E = m c
2

2
E
m
c
= =
31
8 2
3, 2573 10
(3 10 )
×
×
kg = 3,619×10
14
kg = 3,619×10
11
T
Fracção da massa, ε
m
= 3,619×10
11
/1,991×10
30
×100 % = 1,818×10
-17
% por dia.
b) Supondo que a massa cai exponencialmente será
0
t
m m e
α −
= Æ
dm
m
dt
α = − Æ
Æ
14
30
3, 6192 10
1, 991 10
α
×
=
×
dia
-1
Æ α = 1,8178×10
-16
dia
-1
.
A massa fica reduzida a metade ao fim de um tempo tal que
0
0, 5
t
m
e
m
α −
= = Æ
ln(0, 5)
t
α
=


Æ
16
0, 6931
1, 8178 10
t


=
− ×
dias = 3,8131×10
15
dias = 1,0447×10
13
anos = 10,447 biliões
de anos
c) A área de uma esfera com o raio de 8 minutos-luz é dada por
2
4 S R π = =
8 2
4 (8 60 3 10 ) π × × × × × m
2
= 2,6022×10
23
m
2
. A potência radiada por
unidade de área será
26
23
3, 77 10
2, 6022 10
P
×
=
×
W/m
2
= 1,45 kW/m
2
. (em fotometria esta
grandeza designa-se por irradiância e o seu símbolo é a letra E).

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 179

3.11.19. Probl. 3.19 – Energia cinética e tempo próprio
Os raios cósmicos de alta energia são protões com energia cinética aproximadamente de
10
13
MeV.
a) Quanto tempo, no referencial próprio, demora um destes protões a atravessar a via
láctea, sabendo que esta tem o diâmetro aproximado de 10
5
anos-luz?
b) No referencial deste protão qual o diâmetro da via láctea, em quilómetros?
RESOLUÇÃO:
a) Conversão da energia cinética do protão para joule:
13 6 19
10 10 1, 6022 10 J
c
E

= × × × =
1,6022 J
Cálculo de gama a partir da energia cinética:
2
( 1)
c
E mc γ = − Æ
2
1 /( )
c p
E m c γ = +
Æ
27 8 2
1 1, 6022/[1, 673 10 (3 10 ) ] γ

= + × × × = 1,0658×10
10

Determinação da velocidade do protão:
2
1
1 ( / ) v c
γ =

Æ
2
1
1 v c
γ
= × − Æ
8
10 2
1
3 10 1
(1, 0658 10 )
v = × × −
×
= 2,9979×10
8
m/s
Tempo que o protão demora atravessar a galáxia, no referencial desta, em segundos:
t = 1×10
5
×365×24×60×60 s = 3,1536×10
12
s
Tempo para atravessar a galáxia, no referencial do protão:
p
t
t
γ
= =
12
10
3,1536 10
s
1, 0658 10
×
×
=
296 s ≈ 5 min
b) Comprimento da galáxia, em quilómetros:
3
10 km
p
L t c

= × × = 9,4543×10
13
km
Comprimento da galáxia, em quilómetros, visto do referencial do protão:
p
L
L
γ
= =
17
10
9, 4543 10
km
1, 0658 10
×
×
= 8,87×10
7
km (88 milhões de quilómetros)
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 180 Gustavo da Silva

3.11.20. Probl. 3.20 – Velocidade e massa-energia
Uma nave espacial com a massa 1800kg m = é acelerada até à velocidade v = 0,892 c.
a) Qual a energia necessária para levar a nave até àquela velocidade?
b) Que quantidade de matéria seria necessária para produzir aquela energia?
RESOLUÇÃO:
a) A energia cinética relativista é expressa por:
2
( 1)
c
E mc γ = −
2
1
1 ( / ) v c
γ =

=
2
1
1 (0, 892) −
= 2,2122 Æ
8 2
(2, 2122 1) 1800 (3 10 ) J
c
E = − × × ×
=1,9611×10
20
J
b) A quantidade de matéria necessária para produzir esta energia obtém-se pela relação
2
c
E mc = Æ
2
c
e
E
m
c
= =
20
8 2
1, 9611 10
(3 10 )
×
×
= 2182 kg


3.11.21. Probl. 3.21 – Conversão massa-energia
Numa central nuclear as barras de “combustível” são utilizadas durante 3 anos até serem
substituídas. Se uma central com a potência térmica de 1,00 GW funcionar durante
esses 3 anos a 80 % da sua capacidade:
Qual a diminuição de massa das barras de combustível?
RESOLUÇÃO:
O problema resolve-se utilizando a relação massa-energia,
2
E mc = .
Cálculo da energia que a central tem de produzir durante o tempo indicado:
Tempo de utilização (em segundos), t
s
= 1,00×10
9
×365×24×60×60 s = 94608000 s.
E
t
= P×ts×(percentagem de utilização) = 1,00×10
9
×94608000×0,80 J = 7,5686×10
16
J.
Diminuição de massa das barras de combustível:
2
t
E
m
c
= =
16
8 2
7,5686×10
(3 10 ) ×
= 0,842 kg
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 181

3.11.22. Probl. 3.22 – Massa-energia e momento linear
Os raios-γ ao penetrarem em núcleos atómicos pesados podem originar um par de partí-
culas positrão+electrão, de acordo com a equação
+ -
γ e +e → .
a) Determine a energia mínima dos raios-γ necessária para se produzir este fenómeno.
b) Qual o momento linear destes raios-γ (fotões) e qual o comprimento de onda asso-
ciado?
RESOLUÇÃO:
a) Trata-se de um problema de conversão de energia em massa. Este raio-γ (energia), dá
origem a duas partículas materiais (electrão + positrão).
Massa do electrão: m
e-
= 9,1094×10
-31
kg.
Massa do positrão: m
e+
= 9,1094×10
-31
kg (igual à do electrão).
Massa produzida na “colisão”: m= m
e-
+ m
e+
= 18,2188×10
-31
kg.
Energia necessária para produzir esta quantidade de matéria (massa): E = mc
2
Æ
E = 18,2188×10
-31
×(3×10
8
)
2
= 1,6397×10
-13
J =
-13
-19
1.6397×10
1.6022×10
ev = 102,3 Mev
b) O momento linear de um fotão é dado por
E
p
c
= Æ
-13
8
1.6397×10
3 10
p =
×
Ns = 5,47×10
-20
Ns
Uma vez que o fotão possui a quantidade de energia E = hf (física quântica), e que se
tem f c λ = , obtém-se
hc
E
λ
= , ou então,
hc
E
λ = Æ
-34 8
-13
6.6261 10 3 10
1.6397×10
λ
× × ×
= m = 1,212×10
-13
m

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 182 Gustavo da Silva

3.11.23. Probl. 3.23 – Energia e comprimento
No acelerador linear de Stanford um feixe de electrões é acelerado ao longo de um per-
curso de 3,00 km, até atingir uma energia de 20,0 GeV.
a) Que velocidade atingem estes electrões?
b) No referencial dos electrões qual o comprimento do acelerador?
RESOLUÇÃO:
a) Conversão da e. cinética do electrão para joule:
9 19
20 10 1, 6022 10 J
c
E

= × × × =
3,2044×10
-9
J
Cálculo de gama a partir da energia cinética:
2
( 1)
c
E mc γ = − Æ
2
1 /( )
c p
E m c γ = +
Æ
-9 31 8 2
1 3,2044×10 /[9,109 10 (3 10 ) ] γ

= + × × × = 3,914×10
4
.
Determinação da velocidade do electrão:
2
1
1 ( / ) v c
γ =

Æ
2
1
1 v c
γ
= × − Æ
4 2
1
1
(3,914×10 )
v c = − × = 2,999 999 999 673 62 c
b) No referencial dos electrões o comprimento do acelerador é /
p
L L λ = = 3000/
3,914×10
4
m = 7,66 cm

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 183

3.11.24. Probl. 3.24 – Força e aceleração
Uma partícula de massa m, e carga q positiva, inicialmente em repouso, é sujeita à acção
de um campo eléctrico E uniforme e constante, pelo que adquire uma aceleração a.
a) Prove que o valor da aceleração é dado por
3/ 2
2
2
1
du qE u
a
dt m c
⎛ ⎞
= = −
⎜ ⎟
⎝ ⎠

b) Discuta o significado da dependência da aceleração em relação à velocidade.
c) Se no instante t = 0 a partícula se encontrar na posição x = 0, qual a expressão da sua
velocidade ao fim de um tempo t?
d) Trace o diagrama espaço-tempo da partícula, supondo apenas uma dimensão espa-
cial, o eixo dos xx, com o sentido do campo eléctrico.
(sugestão para a alínea a): parta do teorema do momento linear)
RESOLUÇÃO:
a) Teorema do momento linear Æ
d
dt
=
p
F . Momento linear Æ
2
2
1
m
u
c
=

u
p
A força aplicada é dada por q = F E
Tratando-se de um movimento a uma dimensão pode considerar-se só os módulos.
Derive-se p:
1 2
2
2
(1 )
dp d u
m u
dt dt c
− ⎡ ⎤
= −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
3 1 2 2
2 2
2 2 2
1 2
(1 ) ( ) (1 )
2
u u du u du
m u
c c dt c dt
− − ⎡ ⎤
− − − + −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
3 1 2 2 2
2 2
2 2 2
(1 ) ( ) (1 )
u u du u du
m
c c dt c dt
− − ⎡ ⎤
− + −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
3 3 2 2 2 2
2 2
2 2 2 2
(1 ) ( ) (1 ) (1 )
u u du u u du
m
c c dt c c dt
− − ⎡ ⎤
− + − −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
3 2 2 2
2
2 2 2
(1 ) ( 1 )
u u u du
m
c c c dt

− + − =
3 2
2
2
(1 )
u du
m
c dt

− Æ
3 2
2
2
1
(1 )
du u dp
dt m c dt
= − .
Substituindo
dp
dt
por F, que tem o valor qE, e notando que
du
a
dt
= , resulta
3 2
2
2
(1 )
qE u
a
m c
= −
b) Se u c << obtém-se a expressão clássica, em que a aceleração é proporcional à força
aplicada.
Se u c → então 0 a → . Com velocidades da ordem de c o corpo, para uma força
aplicada constante o corpo adquire uma aceleração cada vez mais pequena. No caso
limite em que v c = o corpo não aumenta de velocidade. Tudo se passa como se a
massa do corpo aumentasse com a velocidade.
c) Para determinar a velocidade basta integrar a expressão da aceleração:
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 184 Gustavo da Silva

0
( )
t
u a d τ τ =

=
3 2
2
2
0
(1 )
u
qE u
du
m c


. Para evitar integrais note-se que
1 2
2
2
(1 )
d u qE
u
dt c m
− ⎡ ⎤
− =
⎢ ⎥
⎣ ⎦
, Æ
ou seja,
1
2
2
2
1
u qE
d dt
m
u
c
=
⎛ ⎞

⎜ ⎟
⎝ ⎠
. Integrando entre 0 e t obtém-se
1
2
2
2
1
u qE
t
m
u
c
=
⎛ ⎞

⎜ ⎟
⎝ ⎠
.
Resolvendo em ordem a u obtém-se
2 2 2
2
2 2 2
2
2 2
(1 )
q E t
u
q E t
m
m c
=
+
. Para valores de t pequenos
vem
qE
u t
m
= .
Quando t →∞ u c →

d) Diagrama espaço-tempo:




















x
ct
região
O
futuro
passad
região interdita
região
interdita
região
cone de luz
diagrama espaço-
derivada em relação a t:
derivada em relação a t: c
Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 185

3.11.25. Probl. 3.25 – Efeito de Döppler, 1
O espectro de emissão da luz proveniente de uma galáxia é contínuo, porque estas são
constituídas por milhões de estrelas em movimento (embora cada espectro individual
seja discreto). No entanto os átomos de cálcio ionizados, em repouso no referencial da
galáxia, originam uma forte absorção no comprimento de onda de 394 nm. Para uma
galáxia na constelação da Hidra, a 2 mil milhões de anos-luz da Terra, a referida risca
de absorção localiza-se em 475 nm.
Calcule a velocidade com que a galáxia se afasta da Terra.
RESOLUÇÃO:
O problema resolve-se com o auxílio da expressão do efeito de Döppler:
1
c v
c v
λ
λ
Δ −
+ =
+

Substituindo valores numéricos vem
475 394
1
394
c v
c v
− −
+ =
+
Æ
2
1, 20558
c v
c v

=
+
Æ v = 0,1848 c


Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 186 Gustavo da Silva

3.11.26. Probl. 3.26 – Efeito de Döppler, 2
Efeito de Döppler longitudinal
a) Prove que a variação de comprimento de onda da luz, por efeito de Döppler, é dada
por
1
c v
c v
λ
λ
Δ −
= −
+

em que λ é o comprimento de onda da luz da fonte e v a velocidade de aproxima-
ção entre a fonte e o observador.
b) A que velocidade é que um automobilista deverá conduzir em direcção a um semáforo
para que a luz vermelha lhe pareça verde? (considere 550nm
verde
λ = e
vermelho
λ =650 nm)
RESOLUÇÃO:
a)














Imagine-se a fonte F a emitir periodicamente impulsos luminosos. Estes propagam-se
segundo uma esfera. Se a fonte estiver em repouso (não representado na figura) estas
esferas são concêntricas. Cada esfera corresponde a um impulso de luz emitido pela
fonte. A esfera interior, junto a F, representa o impulso que foi emitido há muito
pouco tempo, a esfera de raio maior representa o impulso emitido há mais tempo.
Admitindo que a fonte emite uma radiação contínua sinusoidal, as esferas representa-
rão, por exemplo, as cristas das ondas. Elas estão espaçadas de um comprimento de
onda λ.
Suponha-se agora que a fonte se move em relação ao observador, com velocidade v
(figura acima). Este recebe de forma mais rápida as ondas que vêm no seu sentido, e
de forma mais lenta as que se afastam. O observador mede um comprimento de onda
λ
1
inferior a λ. Como cT λ = , durante o período T o observador aproxima-se vT, pelo
que
1
cT vT λ = − = ( ) c v T − =
c v
c
λ

.
No entanto, devido à velocidade relativa ser uma fracção apreciável de c, é preciso
entrar com a correcção relativista da contracção do espaço. O comprimento de onda
observador
F
λ
1

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Gustavo da Silva pág. 187

no referencial da galáxia, será
1
λ λ γ ′ = × , pelo que
2
2
/ 1
c v v
c c
λ λ

′ = − Æ
2
2
2
(1 ) / 1
v v
c c
λ λ ′ = − − Æ 1
c v
c v
λ
λ
Δ −
+ =
+

b) Utilizando a expressão anterior fica
650 550
1
550
c v
c v
− −
+ =
+
Æ
2
1,1818
c v
c v

=
+
Æ v = 0,1655c
(Matlab: Cap3p26.m)


3.11.27. Probl. 3.27 – Raio gravitacional
Imagine que o Sol colapsa numa esfera de raio R
g
tal que o trabalho necessário para de
retirar da sua superfície uma partícula material de massa m é igual à sua energia em
repouso
2
R
E mc = . Este valor do raio tem o nome de raio gravitacional.
Calcule o valor de R
g
.
RESOLUÇÃO:
A massa m está sujeita à força gravitacional
1 2
Gm
r
= − F r em que r
1
é o vector unitário
dirigido do centro de R
g
para a partícula. Admita-se que se vai tirar a massa m da super-
fície da esfera de raio R
g
e transportá-la até ao infinito. Para tal é necessário um valor de
energia igual a
2
.
r
S S
Rg
Rg
GM m GM m
W d dr
r r



⎡ ⎤
= − = =
⎢ ⎥
⎣ ⎦
∫ ∫
F r =
S
g
GM m
R

Pelo enunciado esta energia tem o valor W =
2
R
E mc = .
Igualando as duas expressões vem
2 S
g
GM m
mc
R
= Æ
2
S
g
GM
R
c
=
Aplicação numérica:
11 30
8 2
6, 672 10 1,1991 10
m
(3 10 )
g
R

× × ×
=
×
= 1,476×10
3
m (R
S
= 6,96×10
8
m)

Tópicos de Física – Relatividade - Problemas
Pág. 188 Gustavo da Silva

3.11.28. Probl. 3.28 – Equivalência entre E e B
Uma carga eléctrica +q move-se à velocidade v, num referencial S em que existe um
campo eléctrico E e um campo magnético B.
a) Mostre que o campo eléctrico no referencial da carga, E´, se relaciona com os cam-
pos E e B pela expressão E´=E+v⋅B.
b) Supondo que v é perpendicular a B, qual deverá ser a velocidade da carga eléctrica
para que se tenha: E=1 kV/m, E’=99 kV/m e B=0,001 T?
RESOLUÇÃO:
a) A carga em movimento no referencial S fica sujeita a uma força electromagnética
dada por q q = + × F E v B. No referencial da carga, S’, esta fica apenas sujeita à força
q ′ ′ = F E , uma vez que a sua velocidade neste referencial é nula. Para que nos dois
refernciais a carga fique sujeita ao mesmo valor da força deverá ser ′ = E E, pelo que
q q q ′ = + × E E v B, donde ′ = + × E E v B.
b) Neste caso, em que v é perpendicular a B, será E E v B ′ = + ⋅ , donde ( ) / v E E B ′ = −
.
Substituindo valores numéricos vem
3 3
(99 10 10 ) / 0, 001 v = × − = 9,8x10
7
m/s Æ
v = 0,327c.










4. INTRODUÇÃO À FÍSICA QUÂNTICA



Até aos finais do sec. XIX os fenómenos físicos podiam ser explicados pelo ramo do
conhecimento a que hoje chamamos Física Clássica. Os físicos dessa altura estavam
convictos que o edifício da Física se encontrava completamente construído, que já tinha
chegado ao fim. Mas entretanto começaram a aparecer alguns fenómenos cuja explica-
ção não era dada de forma satisfatória pelas leis da Física então conhecidas, como por
exemplo a radiação do corpo negro, o efeito fotoeléctrico, o espectro de riscas dos
gases, etc. Houve assim necessidade de pôr em causa os conceitos clássicos e partir para
novas explicações, que abriram novos horizontes à Física. Muitas delas foram bastante
controversas, e mesmo físicos de renome não estiveram de acordo. A dar força à con-
troversa surgiu também uma nova teoria, a teoria da relatividade, que também punha em
causa as ideias da Física Clássica. E os factos experimentais foram mais fortes do que
todas as discussões e é sobre eles que assenta o ramo da Física, que lida fundamental-
mente com partículas de dimensões inferiores às do átomo: a Física Quântica. Para a sua
construção contribuíram muitos nomes célebres, como Wien, Planck, Einstein, Bohr,
Broglie, Davison, G. Thomson, Heisenberg, Born, Dirac, Schrödinger, Compton, Pauli
e muitos outros.
Far-se-á, neste capítulo, uma breve abordagem sobre alguns dos factos que levaram à
construção da Física Quântica. Como será de esperar este tema é muito vasto e, contra-
riamente ao que se suponha acontecer com a Fica Clássica dos finais do sec. XIX, os
conhecimentos sobre este tema cada vez mais se encontram longe de estar esgotados.

4.1. Radiação do Corpo Negro

4.1.1. Corpo negro
É bem conhecido o facto de que os corpos, quando aquecidos a uma temperatura sufi-
cientemente elevada, se tornam incandescentes, emitindo energia luminosa e infraver-
melha. Mesmo à temperatura ambiente os corpos radiam energia em quantidade apre-
ciável, mas esta não se torna visível porque o seu comprimento de onda cai dentro da
gama dos infravermelhos. Chama-se radiação à energia emitida por um corpo, quer seja
electromagnética ou corpuscular.
Os corpos emitem energia por reflexão e também devido à agitação molecular associada
à sua energia interna, que é tanto maior quanto maior a sua temperatura. Admita-se que
sobre o corpo não está a incidir nenhuma energia. Chama-se poder emissivo de um cor-
po ou emissividade, e, à temperatura T, à quantidade de energia radiante emitida por
esse corpo, por unidade de tempo por unidade de superfície e no intervalo de frequên-
cias (f, f+df).
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 190 Gustavo da Silva

Os corpos também absorvem a energia luminosa e infravermelha que sobre eles incide,
e de um modo geral, a energia electromagnética, reflectindo outra parte.
Chama-se poder absorvente de um corpo, a, à temperatura T, à quantidade de energia
radiante absorvida por esse corpo, por unidade de tempo, por unidade de superfície e no
intervalo de frequências (f, f+df).
Chama-se corpo negro àquele que absorve toda a energia que sobre ele incide, não
reflectindo nenhuma fracção desta. O corpo negro é uma abstracção teórica. Na prática
todos os corpos reflectem alguma da energia que sobre eles incide, podendo no entanto
essa reflexão ser quase nula para determinados corpos.
As afirmações que se acabam de fazer partem do princípio que se trata apenas de emis-
sões de origem térmica.
Uma lei, do ano de 1859, devida a Kirchoff
25
, afirma que a relação entre o poder emis-
sivo e o poder absorvente de qualquer corpo é independente da natureza do corpo,
dependendo apenas da frequência da radiação e da temperatura do corpo. Tem-se assim
( , )
e
I f T
a
= (4.1)
Uma vez que a expressão anterior se aplica a qualquer corpo, também se aplicará ao
corpo negro, para o qual a = 1. Pode então afirmar-se que
A razão entre o poder emissivo e o poder absorvente de qualquer corpo é igual ao
poder emissivo do corpo negro, à mesma temperatura, e para as mesmas frequências.
Este facto mostra a importância do conhecimento da estrutura de I(f,T).
É corrente no estudo da radiação do corpo negro utilizar comprimentos de onda em vez
de frequências, pelo que será considerada a função I(λ,T), em vez de I(f,T).
4.1.2. Lei de Stefan
A primeira lei conhecida sobre a função I, foi estabelecida de forma empírica em 1879,
por Stefan
26
. Nela não é considerada a distribuição espectral em frequência e afirma que

4
( ) I T eAT σ = (4.2)
em que
σ - constante de Stefan, σ = 5,6696x10
-8
Wm
-2
K
-4

e – emissividade da superfície radiante,
A – área da superfície do corpo a radiar,
T – temperatura absoluta da mesma superfície.
O valor de I aqui apresentado é o valor integral de I

(λ,T) para todos os comprimentos de
onda.


25
Gustav Robert Kirchhoff, físico alemão, 1824-1887.
26
Joseph Stefan, físico e matemático austro-esloveno, 1835-1893.

Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 191

4.1.3. Lei Rayleigh-Jeans
Esta lei, baseada na teoria clássica (anterior a 1900), explica a radiação electromagnéti-
ca de um corpo como tendo origem em cargas eléctricas aceleradas, pertencentes aos
átomos, e próximas da superfície. A lei de Rayleigh
27
-Jeans tem como expressão

4
2
( , )
B
ck T
I T
π
λ
λ
= (4.3)
e representa a distribuição espectral de energia por unidade de área de emissão;
( , ) I T d λ λ será assim a energia emitida por unidade de área, no intervalo de compri-
mentos de onda ( , ) d λ λ λ + . Nesta expressão os parâmetros têm o seguinte significado:
λ – comprimento de onda da radiação,
T – temperatura absoluta da superfície do corpo radiante,
c – velocidade de propagação da luz no vazio,
k
B
– constante de Boltzmann.
A expressão (4.3) não começou a não satisfazer, quando se começaram a estudar com-
primentos de onda pequenos. Além de não estar de acordo com os dados experimentais,
conduz a valores de energia muito elevados, a tender para infinito quando λ se aproxima
de zero. É a chamada catástrofe do ultra-violeta.
4.1.4. Lei do deslocamento de Wien
A experiência mostrava que a distribuição de I

(λ,T) tinha o andamento indicado na Fig.
4-1. A justificação teórica foi dada por Planck. Todas as curvas apresentam um máximo.
Existe uma relação bem definida entre o valor do comprimento de onda para o qual
ocorre o máximo e a respectiva temperatura; é a chamada lei do deslocamento de
Wien
28
:

3
max
2, 898 10 mK T λ

= × (4.4)
4.1.5. Lei de radiação de Planck
Para resolver a questão da falta de concordância entre as observações experimentais e a
justificação teórica, em 1900 Planck
(29)
propõe a seguinte expressão para a radiação do
corpo negro

2
5
2
( , )
( 1)
B
hc
k T
hc
I T
e
λ
π
λ
λ
=

(4.5)
Nesta expressão o parâmetro h foi ajustado experimentalmente de modo a adaptar a
fórmula aos resultados experimentais. Verificou-se mais tarde que este parâmetro viria a
coincidir com a famosa constante de Planck! A expressão anterior encontra-se represen-
tada, em escala logarítmica, na Fig. 4-1.

27
John William Strutt, Lord Rayleigh, 1842-1919. Nobel de Física em 1904 pelas pesquisas sobre a
densidade dos gases mais importantes e pela descoberta do árgon.
28
Wilhelm Wien, físico alemão, 1864-1928. Nobel da Física em 1911 por trabalhos sobre a radiação
térmica.
29
Max Planck, físico alemão, 1858-1947.

Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 192 Gustavo da Silva



















Fig. 4-1 – Emissão de energia por um corpo negro

A teoria de Planck baseia-se nas hipóteses seguintes:
1. As moléculas apenas podem ter estados de energia discretos, E
n
, dados por

n
E nhf = (4.6)
n – inteiro positivo, chamado número quântico,
h – constante de Planck,
f – frequência da radiação.
2. As moléculas absorvem ou emitem energia sob a forma de grupos de unidades
discretas (mais tarde designadas por fotões). A energia de um fotão é dada por
E hf = (4.7)

10
-7
10
-6
10
-5
10
-4
10
0
10
2
10
4
10
6
10
8
10
10
10
12
10
14
10
16
50 K
150 K
300 K
500 K
1000 K
2500 K
6800 K
Lei de Wien
Lei de Wien
0,1 1,0 10 100 λ / μm
Potência
espectral
I (λ,T)

W/m
3

v
i
s
í
v
e
l

visível
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 193

4.2. Efeito Fotoeléctrico
O efeito fotoeléctrico é o processo pelo qual os electrões são libertados da superfície de
um metal, por acção da luz ou de outra radiação electromagnética que sobre ela incide.
Considere-se uma superfície metálica constituída por um metal alcalino (cátodo), colo-
cada no vácuo e faça-se incidir sobre ela um feixe de luz visível monocromática, de
pequeno comprimento de onda, na região dos UV (Fig. 4-2). Constata-se que a
superfície fica imediatamente electrizada com cargas positivas. Isto acontece porque o
metal liberta electrões.








Fig. 4-2 – Dispositivo para a emissão de fotoelectrões

Os electrões libertados, designados por fotoelectrões, podem ser recolhidos por meio de
um ânodo, como se indica na figura.
Para diversos valores do fluxo luminoso φ incidente sobre o cátodo, se se variar a ten-
são entre o cátodo e o ânodo a corrente fotoeléctrica I tem o andamento indicado na
Fig. 4-3: para tensões positivas é praticamente independente de U, quando a tensão
desce e é negativa, inferior a um valor Us, a corrente anula-se, independentemente da
intensidade do fluxo luminoso. Uma vez que a energia cinética de um electrão acelerado
pela diferença de potencial U é dada por eU, dos gráficos da figura conclui-se que ape-
nas os electrões com energia cinética superior a eU conseguem alcançar o ânodo.
À tensão Us, necessária para anular o fluxo electrónico (corrente I), dá-se o nome de
potencial de paragem.









Fig. 4-3 – Corrente fotoeléctrica em função da tensão aplicada
I
0
Us U
1
φ
2 1
φ φ >
3 2
φ φ >
μA
V
I
U
ânodo
cátodo
- - -
luz
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 194 Gustavo da Silva


Experimentalmente verifica-se ainda que:
1. Não há emissão de electrões se a frequência da luz for inferior a um determinado
valor f
c
,
2. A energia cinética máxima dos fotoelectrões é proporcional à frequência da luz
incidente,
3. A energia cinética máxima dos fotoelectrões libertados é independente da intensi-
dade de energia incidente,
4. Os fotoelectrões são emitidos quase instantaneamente após a incidência da luz
sobre a superfície (
9
10 t s

< ).
A explicação do efeito fotoeléctrico foi dada por Einstein
30
em 1905 (ano em que publi-
cou a Teoria da Relatividade Restrita). Mais tarde, num seu artigo sobre a radiação elec-
tromagnética, Einstein estende o conceito de energia quantificada, de Planck, às ondas
electromagnéticas. Ele afirma que a luz ou qualquer onda electromagnética é constituída
por uma corrente de fotões. A energia associada a cada fotão é dada por
E hf = (4.8)
em que f é a frequência da onda electromagnética e h a constante de Planck.
O fotão tem a sua energia toda localizada num ponto e ao colidir com um electrão do
metal transfere toda a sua energia para este. Uma vez que o electrão se encontra ligado
ao metal do cátodo, com uma energia de ligação E
L
, a energia cinética máxima dos
electrões libertados será dada por

cm L
E hf E = − (4.9)
O valor de E
L
é dependente do material que constitui a superfície do cátodo e também
tem o nome de energia de saída.
A expressão (4.9) explica porque é que é necessário que a frequência da luz seja supe-
rior a um determinado valor fc para que se possa verificar corrente fotoeléctrica: deverá
ser 0
L
hf E − > ,
ou seja
L
c
E
f f
h
> = (4.10)
Uma vez que f c λ = , pode definir-se comprimento de onda de corte por

c
L
hc
E
λ = (4.11)
Para que se verifique o efeito fotoeléctrico o comprimento de onda da luz incidente
sobre o cátodo deverá ser inferior ao comprimento de onda de corte.
A expressão (4.9) tem a representação gráfica da Fig. 4-4 e justifica todas as
observações experimentais efectuadas que se mencionaram atrás, com excepção do

30
Albert Einstein, físico alemão, 1879–1955. Prémio Nobel da Física em 1921 pela explicação do efeito
fotoeléctrico.
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 195

tempo de emissão dos fotoelectrões, que para a sua medição necessita de equipamento
relativamente elaborado.
Na tabela 4.1 indicam-se os valores de algumas energias de ligação. Estes valores, bem
como muitos outros, já eram conhecidos pelos Químicos no final do sec XIX.










Fig. 4-4 – Energia dos fotoelectrões em função
da frequência da luz incidente


4.3. Espectros dos gases
No final do sec. XIX observou-se que os gases rarefeitos contidos num tubo de vidro,
quando submetidos a uma descarga eléctrica emitiam luz visível. A análise do espectro
desta luz mostrou que ele é constituído por riscas, contrariamente ao que acontece com
o espectro emitido por um sólido incandescente, que é contínuo. Na Fig. 4-5 encontram-
se representados os espectros de emissão de alguns gases, bem como o espectro solar e
um espectro contínuo de luz branca.





Fig. 4-5 – Espectro de emissão de alguns gases

Notas:
1. A descarga num gás rarefeito produz-se submetendo-o a uma diferença de
potencial superior á sua tensão de disrupção.
E
cm

0
f
c
f
Hi dr ogéni o
Hél i o
Lí t i o
Néon
Sódi o
Ár gon
Cobr e
Zi nco
Cr í pt on
Xénon
Bár i o

comprimento
de onda
H
δ
H
γ
H
β
H
α

Tabela 4-1
Algumas energias de ligação
metal E
L
(eV)
alumínio 4,08
cobre 4,70
ferro 4,50
platina 6,35
prata 4,73
sódio 2,46
zinco 4,31
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 196 Gustavo da Silva

2. Quando o elemento é sólido à PTN, está a observar-se a descarga num vapor
desse elemento, a uma temperatura muito superior à ambiente.
3. O aparelho que permite observar as riscas espectrais chama-se espectroscópio.
Um outro tipo de espectro que ocorre com frequência é designado por espectro de
absorção. É produzido por um feixe de luz branca ao atravessar um gás rarefeito. Apre-
senta-se como um espectro contínuo com algumas riscas escuras, que de um modo geral
são as mesmas que a do espectro de emissão do mesmo gás.
Na Fig. 4-6 mostra-se em a) o espectro da luz branca (contínuo) e em b) o espectro da
luz solar. Este último apresenta algumas linhas escuras; correspondem aos elementos
que se encontram nas atmosferas solar e da Terra e produzem a absorção da luz de
espectro contínuo emitida pelo Sol. Em c) mostra-se o espectro do gás mais abundante
na atmosfera solar: Hélio.











Fig. 4-6 – Espectro da luz branca e espectro da luz solar

Os espectros dos gases são todos diferentes uns dos outros. Por esta razão são utilizados
para identificar a sua presença. O espectro do hélio foi observado antes da descoberta
deste gás na Terra, foi a análise espectral que revelou a sua existência na atmosfera
solar. Têm-se efectuado análises espectrais da luz do Sol e de outras estrelas e nunca se
conseguiu encontrar elementos que não existam na Terra.
O espectro mais simples que se conhece é o do átomo de hidrogénio. Por esse motivo
foi estudado exaustivamente desde cedo, desde os anos de 1860. Uma vez que as linhas
do espectro situadas na região do visível eram as mais fáceis de observar, foi por aí que
se começou. Balmer
31
, em 1885 estabeleceu uma expressão empírica que relacionava as
4 linhas visíveis do espectro de hidrogénio, que ele designou por H
α
(vermelha, 653,3
nm), H
β
(verde, 486,1 nm), H
γ
(azul, 434,1 nm) e H
δ
(violeta, 364,5 nm). Estas linhas
estão assinaladas no topo da Fig. 4-5 e referem-se ao espectro que se encontra em 1º
lugar, o do hidrogénio. A expressão obtida foi
(fórmula de Balmer)
2 2
1 1 1
2
H
R
n λ
⎛ ⎞
= −
⎜ ⎟
⎝ ⎠
(4.12)
em que

31
Johann Jakob Balmer, físico e matemático suíço, 1825-1898.
a)


b)


c)
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 197

λ – comprimento de onda da risca,
R
H
– uma nova constante, que designou por constante de Rydberg, R
H
= 1,097x10
7
m
-1
,
n – número inteiro maior que 2: n = 3, 4, 5, ...
Entretanto constatou-se que havia muito mais riscas provenientes do átomo de hidrogé-
nio, mas que caíam fora da região visível, ou seja, nas regiões dos infravermelhos e dos
ultravioletas. Nem todas estas linhas espectrais podiam ser interpretadas pela fórmula de
Balmer. Em 1888, Rydberg
32
apresenta uma fórmula mais genérica,
(fórmula de Rydberg)
2 2
1
1 1 1
H
R
n n λ
⎛ ⎞
= −
⎜ ⎟
⎝ ⎠
(4.13)

onde n
1
é um número inteiro n
1
= 1, 2, 3, 4, 5, ... e as riscas ocorrem para n inteiro, n > n
1
.
Consoante os valores de n
1
assim as séries têm nomes particulares:

n
1
n
2
nome da série converge para região do espectro
1 2 a ∞ s. de Lyman 91 nm ultravioleta
2 3 a ∞ s. de Balmer 365 nm visível
3 4 a ∞ s. de Paschen 821 nm infravermelha
4 5 a ∞ s. de Brackett 1459 nm infravermelha
5 6 a ∞ s. de Pfund 2280 nm infravermelha

A fórmula de Rydberg pode ser usada para outros elementos que não sejam o hidrogé-
nio, tomando o aspecto

2
2 2
1
1 1 1
H
R Z
n n λ
⎛ ⎞
= −
⎜ ⎟
⎝ ⎠
(4.14)
em que Z representa o número atómico do elemento.
A expressão (4.13) apenas pode ser justificada teoricamente com a introdução do átomo
de Bohr, em que aparecem os conceitos de estados de energia discretos, quantum de
energia, transições entre estados de energia, etc., conceitos que estão na base da Física
Quântica.

4.4. Efeito de Compton
O efeito de Compton consiste na difusão de um feixe de raios-X pela matéria.
Compton
33
e a sua equipa estudaram este fenómeno já antes de 1924, tendo concluído o
seguinte:
• O feixe de raios-X é desviado ao colidir com electrões em repouso,
• A frequência dos raios-X desviados é inferior à dos incidentes,
• Para cada ângulo de difusão há apenas raios-X de uma só frequência,

32
Johannes Rydberg, físico sueco, 1854-1919.
33
Arthur Holly Compton, físico Americano, 1892-1962. Nobel da Física em 1927 pelos trabalhos de
difusão de raios-X pela matéria.
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 198 Gustavo da Silva

• Os electrões adquirem velocidade, segundo um ângulo diferente do dos raios-X
incidente.
O fenómeno não conseguia ser explicado pela teoria clássica, considerando os raios-X
como sendo apenas uma radiação do tipo ondulatório. Se assim fosse, os electrões ini-
cialmente em repouso absorveriam energia da onda incidente (raios-X) e iniciariam uma
trajectória rectilínea e acelerada com a direcção e sentido do feixe que sobre eles incidia
e radiando energia devido ao facto de se encontrarem acelerados. Mas tal não acontecia.
Para explicar as observações, Compton admitiu que os raios-X se comportavam não
como ondas, mas como partículas pontuais, cada uma das quais possuía energia, dada
por / E hf hc λ = = , e momento linear / / p E c h λ = = . Admitiu ainda que ao dar-se a
colisão entre cada uma destas partículas e os electrões havia conservação do momento
linear. Admitiu também que a colisão se fazia com conservação de energia. As partícu-
las de luz (e os raios-X) são designadas por fotões.
Compton efectuou os ensaios fazendo incidir um feixe de raios-X monocromático sobre
um alvo de grafite. Para diversos ângulos de difusão dos raios-X mediu a sua distribui-
ção de intensidade I(λ), com o auxílio de um espectrómetro constituído por um cristal de
calcite rotativo e de um detector de gás ionizado em modo de contador proporcional
(corrente de saída proporcional à radiação incidente). Compton fez os ensaios para os
ângulos de difusão de 0º, 45º, 90º e 135º.
Para deduzir a expressão analítica a que Compton chegou [ver expressão (4.26)], consi-
dere-se o fenómeno da difusão dos raios-X, representado pelo gráfico da Fig. 4-7 que
contém as hipóteses de Compton:













Fig. 4-7 – Efeito de Compton, segundo a teoria quântica

Os raios-X incidentes, de frequência f
0
e comprimento de onda λ
0
, são caracterizados
pelo seu momento linear
0
p
,
e pela sua energia E
0
. Depois do choque com os electrões
são difundidos segundo um ângulo θ ; possuem agora frequência f’ e comprimento de
onda λ’ . Os electrões, de massa m
e
, encontram-se em repouso antes da colisão, adqui-
rindo uma velocidade v
e
.
A conservação do momento linear, durante a colisão, permite escrever
ϕ
θ
antes da colisão depois da colisão
λ
0
, f
0

m
e
, p
e

m
e
x
y
electrão deslocado
raios-X difundidos
0
p
,
p′
,
λ’, f’
raios-X incidentes
electrão em
repouso
Energia de um fotão:
hc
E
λ
=
Momento linear
de um fotão:
h
p
λ
=
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 199

componente em x Æ
0
cos cos
e e
h h
m v θ γ ϕ
λ λ
= +

(4.15)
componente em y Æ 0 sen sen
e e
h
m v θ γ ϕ
λ
= − +

(4.16)
A conservação da energia, permite escrever
34


2
0
( 1)
e
hc hc
m c γ
λ λ
= + −

(4.17)
Vai-se procurar eliminar ϕ e v
e
nas equações anteriores (e eliminar também γ, que é
função de v
e
). Para o efeito reescrevam-se as equações (4.15) e (4.16), isolando no 2º
membro os termos em ϕ, e em cada equação resultante elevem-se ambos os membros ao
quadrado. Transforme-se também a equação (4.17). Resulta

( )
2
2
0
cos cos
e e
h h
m v θ γ ϕ
λ λ
⎛ ⎞
− =
⎜ ⎟

⎝ ⎠
(4.18)
e
( )
2
2
sen sen
e e
h
m v θ γ ϕ
λ
⎛ ⎞
=
⎜ ⎟

⎝ ⎠
(4.19)
e ainda ( )
2
2
0
e e
h h
m c m c γ
λ λ
⎛ ⎞
− + =
⎜ ⎟

⎝ ⎠
(4.20)
Somando (4.18) e (4.19), desenvolvendo os parêntesis e simplificando, e desenvolvendo
(4.20) vem

2 2 2
2 2 2
2 2
0 0
2 cos
e e
h h h
m v θ γ
λ λ λ λ
+ − =
′ ′
(4.21)

2 2 2
2 2 2 2 2
2 2
0 0 0
2 2 2
e e e e
h h h h h
m c m c m c m c γ
λ λ λ λ λ λ
+ + − + − =
′ ′ ′
(4.22)
Subtraindo membro a membro (4.21) de (4.22) e substituindo γ pelo seu valor

2 2
2 2 2 2 0
2
0 0
2
2 (1 cos ) 2 ( )
1
e
e e e
e
m h
m c hm c c v
v
c
λ λ
θ
λ λ λ λ
′ −
− − + − = −
′ ′

(4.23)
donde,
0
(1 cos )
e
h
m c
λ λ θ ′ − = − (4.24)
A grandeza /
e
h m c é constante e designa-se por comprimento de onda de Compton:
0, 00243nm
C
e
h
m c
λ = = (4.25)

34
Devido às velocidades elevadas dos electrões deslocados é necessário utilizar a expressão relativista
para a energia cinética,
2
( 1)
c e
E m c γ = − , em que
2 2
1/ (1 / ) v c γ = −
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 200 Gustavo da Silva

e finalmente
0
(1 cos )
C
λ λ λ θ ′ − = − (4.26)
Esta expressão, obtida experimentalmente por Compton, e a sua justificação conside-
rando os raios-X como sendo fotões, constituíram o passo que finalmente convenceu os
últimos resistentes às ideias quânticas.
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 201

4.5. O átomo de hidrogénio
A hipótese da matéria ser constituída por átomos é quase tão antiga quanto a própria
civilização. No entanto, até começar a haver investigação científica, essa hipótese não
passava de uma corrente filosófica. Foi durante o sec. XIX, com o estudo de vários
fenómenos químicos, dos raios catódicos e do movimento browniano que a hipótese
atómica começou a ser consequência das observações experimentais. Começou a ser
claro para os cientistas que a matéria era constituída por átomos e que estes continham
cargas eléctricas positivas e negativas.
O modo como estes átomos eram constituídos é que constituiu um quebra-cabeças, ten-
do evoluído ao longo dos tempos. Um dos modelos que vigorou durante algum tempo, o
modelo de Thomson
35
, considerava as cargas eléctricas positivas com distribuição con-
tínua em todo o átomo e as cargas negativas discretas distribuídas pelo seu interior
(como se o átomo fosse uma melancia, a polpa vermelha as cargas positivas e as pevides
as cargas negativas).
O modelo de Thomson foi posto em causa com a célebre experiência de Rutherford:
bombardeou-se uma folha de ouro muito fina com partículas α e concluiu-se que as par-
tículas eram difundidas segundo ângulos muito diversos, inclusivamente para trás.
Rutherford interpretou os resultados deste modo: as cargas eléctricas positivas existen-
tes no átomo estão distribuídas pontualmente. Com o auxílio da Mecânica Clássica con-
seguiu calcular a probabilidade das partículas α serem difundidas segundo um determi-
nado ângulo. Rutherford estabeleceu ainda que as cargas negativas (electrões) deveriam
orbitar em torno das cargas positivas (a massa associada às cargas negativas era muito
inferior à das positivas) para que não fossem atraídas umas pelas outras.
No modelo de Rutherford subsistia um “pequeno” problema: o electrão ao rodar numa
órbita circular radiaria energia (já se sabia que uma carga eléctrica acelerada radia ener-
gia). Ao perder energia a órbita teria um raio cada vez menor e o electrão acabaria por
colapsar sobre a carga positiva do núcleo em torno da qual orbitava. Foi para resolver
este problema que interveio Bohr
36
, que postulou o seguinte:
1. Os electrões movem-se em torno do núcleo, em órbitas circulares,
2. Apenas algumas órbitas são estáveis; nelas os electrões não radiam energia,
3. As órbitas estáveis são caracterizadas por níveis discretos de energia E
n
, bem
definidos,
4. Sempre que um electrão transita de uma órbita para outra muda o seu nível de
energia havendo emissão de energia se E
i
>E
f
, ou absorção se E
i
<E
f
; (os índices
i e f significam inicial e final). A energia emitida ou absorvida é sempre múltipla
de hf.
5. As órbitas estáveis são aquelas em que momento angular do electrão é múltiplo
de h/2π.
Tomando como válidos estes pressupostos podem calcular-se os raios das órbitas e os
seus estados de energia. Bohr recorreu à Física Clássica (não tinha outra!).

35
Joseph John Thomson, físico britânico, 1856-1940. Nobel da Física pela descoberta do electrão.
36
Niels Henrick David Bohr ,físico dinamarquês, 1885-1962. Nobel da Física em 1922.
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 202 Gustavo da Silva

Para a estabilidade de uma órbita circular é necessário que a força de atracção entre as
cargas (dada pela lei de Coulomb) seja igual em módulo à força de inércia devido à
rotação:

2 2
2
e
e
m v Ze
k
r r
= (4.27)
Nesta expressão a carga eléctrica do núcleo é Ze, em que Z representa o número atómi-
co.
Considere-se o átomo mais simples, o átomo de hidrogénio: para ele Z = 1; é constituí-
do por um núcleo (protão – partícula de massa m
p
e carga eléctrica +e) e por um electrão
(partícula de massa m
e
e carga –e).
A condição 5 de cima, imposta por Bohr, escreve-se

e
r m v n = h, com n
+
∈Z (4.28)
Em que o símbolo h é utilizado para representar a quantidade / 2 h π . Substituindo o
valor de v de (4.28) em (4.27) obtém-se para os raios das órbitas (Z=1 para o hidrogénio)

2
2
2 n
e e
r n
k m e
=
h
(4.29)
Em que se afectou r de um índice n para explicitar o facto de as órbitas serem discretas.
A equação (4.29) pode escrever-se ainda

2
0 n
r a n = n = 1, 2, 3, ... (4.30)
em que
2
0 2
e e
a
k m e
=
h
= 0,0529 nm (4.31)
A grandeza ao é designada por raio de Bohr. Corresponde ao raio da órbita mais peque-
na que é possível obter. Este valor deu uma ideia da ordem de grandeza do tamanho do
átomo mais simples. Compare-se o seu valor com o comprimento de onda da luz (ver-
de): é cerca de 10 000 vezes mais pequeno. Na Fig. 4-8 representam-se a órbita
correspondente ao número quântico n=1 e parte das órbitas referentes aos números
quânticos n=2, n=3 e n=4. A representação está feita aproximadamente à escala. Estão
também indicados os valores dos raios das mesmas órbitas e os valores da energia dos
electrões associados às órbitas (ver cálculo a seguir).









Fig. 4-8 – Diâmetros das 4 primeiras órbitas do átomo de hidrogénio

a
0
4a
0
9a
0
16a
0
Å r
n

1 2 3 4 Å n
protão
-13,61 -3,40 -1,51 -0,85 Å E
n

Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 203

As energias cinética e potencial do electrão são dadas respectivamente por

2
1
2
c e
E m v = e
2
p e
e
E k
r
= − (4.32)
Considerando que a energia total E é igual a E
c
+E
p
, e substituindo em E
c
o valor de v
obtido de (4.28), vem para a energia total do electrão

2
1
2
e
e
E k
r
= − (4.33)
Ou ainda, considerando que
2
0 n
r r a n = = :

2
2
0
1
2
e
n
k e
E
a n
= − (4.34)
Veja-se agora qual a energia emitida por um átomo de hidrogénio quando um electrão
transita de uma órbita de energia E
i
para outra mais interior E
f
(estado de energia final
mais baixo). De acordo com a hipótese 4 de Bohr emitirá um fotão de energia igual a hf
= E
i
-E
f
. Representando por n
i
e n
f
os valores do número quântico inicial e final vem

2 2
2 2
0 0
2 2
i f
e e
f i
E E
k e k e
f
h a hn a hn

= = − (4.35)
A expressão (4.35) pode ser escrita em termos de comprimentos de onda, em vez de
frequência:

2 2
1 1 1
( )
H
f i
R
n n λ
= − (4.36)
com
2
0
2
e
H
k e
R
a hc
= (4.37)
Comparando a expressão (4.36) com a expressão empírica (4.13) conclui-se que Bohr
conseguiu explicar a emissão espectral do átomo de Hidrogénio. A constante de Ryd-
berg passou a ser calculada. O seu valor diferia do valor obtido experimentalmente, a
menos de 1 %, pelo que o trabalho de Bohr constituiu o estabelecimento definitivo da
Física Quântica.
Bohr estendeu imediatamente os seus trabalhos a outros átomos e iões com um só elec-
trão orbitando em torno de um núcleo de número atómico Z, tendo também provado a
relação (4.14).
As séries de riscas emitidas pelo átomo de hidrogénio depois de excitado podem assim
sem interpretadas como transições entre estados de energia no átomo, como se mostra
na Fig. 4-9.
O nível de energia mais baixo corresponde a n=1, e é designado por estado fundamen-
tal, em inglês “ground state”. Tem o valor de -13,606 eV. O nível de energia correspon-
dente a n=∞ tem o valor zero e corresponde a não haver ligação entre o núcleo e o elec-
trão.


Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 204 Gustavo da Silva



















Fig. 4-9 – Espectro de emissão do átomo de hidrogénio

As equações da Teoria da Relatividade degeneram nas leis da Física Clássica quando as
velocidades em causa são substancialmente inferiores à velocidade da luz. Em Física
Quântica existe algo semelhante, não relacionado com velocidades mas sim com núme-
ros quânticos. É o chamado princípio da correspondência de Bohr que afirma o seguin-
te: As leis da Física Quântica estão de acordo com as leis da Física Clássica sempre que
a diferença entre os níveis de energia associadas aos números quânticos tende para zero.
Isto acontece com n elevados.
Uma observação mais detalhada das linhas espectrais de emissão dos gases mostra que
muitas destas são constituídas por várias linhas próximas. O estudo do átomo de hidro-
génio não se poderia pois resumir ao que se acaba de expor, mas ao que resumidamente
se expõe a seguir.
O estudo teórico do átomo de hidrogénio faz-se actualmente obtendo as soluções da
equação de Schrödinger (ver secção 4.8). Assim, além do número quântico n, designado
por número quântico principal, foi introduzido um número quântico orbital ℓ, que
para cada valor de n pode tomar os valores 0, 1, 2, ..., n-1. Este número quântico faz
uma quantificação adicional do módulo do momento angular do electrão, que apenas
pode tomar os valores ( 1) L = + / / h. Foi ainda introduzido um 3º número quântico m
/
,
chamado número quântico orbital magnético, que permite quantificar a componente do
momento angular segundo a direcção do eixo dos zz. Para cada valor de ℓ deverá ser m
/

= - ℓ, - ℓ+1, ..., ℓ-1, ℓ.


série de Lyman
série de
Pashen
série de
Balmer
n





2













1
4
3
...
E
n
(eV)
0




-3,401













-13,606
-0,850
-1,512
...
estado fundamental
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 205

Os estados com o mesmo número quântico têm o nome de camadas e são identificados
pelas letras K, L, M, ..., para os valores de n igual a 1, 2, 3, ..., respectivamente.
Os estados que, para um determinado n, têm o mesmo valor de ℓ são designados por
sub-camadas. São identificados pelas letras s, p, d, f, ..., para os valores de ℓ igual a 0, 1,
2, 3, ..., respectivamente.
Chamam-se orbitais aos estados quânticos de um átomo, caracterizados pelos números
quânticos n, ℓ e m
/
.
Na tabela seguinte faz-se um resumo do que acaba de se dizer.

NÚMEROS QUÂNTICOS DE UM ÁTOMO
letra
usada
nome valores possíveis nº. de valores
n número quântico principal
1, 2, 3, 4, 5, 6, ...
K, L, M, N, O, P, ...
qualquer
(até infinito)
ℓ número quântico orbital
0, 1, 2, 3, 4, 5, n-1.
s, p, d, f, g, h, ..., .
n
m
/
nº. quântico orbital magnético - ℓ, - ℓ+1, ..., 0, ..., ℓ-1, ℓ. 2ℓ+1

O estado fundamental do átomo de hidrogénio é único, tem o valor n=1, a que corres-
ponde ℓ=0 e m
/
=0. É designado por 1s.
Para a camada 2 deste mesmo átomo existem 2 sub-camadas, correspondentes a ℓ=0 e a
ℓ=1. Para a sub-camada ℓ=0 há apenas um valor de m enquanto para acamada ℓ=1 já há
3 valores para m
/
. Então, para o número quântico n=1 há no total 4 estados diferentes.
Posteriormente foi introduzido um 4º estado quântico, a que se chama spin, e é repre-
sentado pela letra m
s
. Este estado apenas pode tomar os valores +½ e – ½. Este número
quântico é devido a propriedades relativistas do electrão. Assim o número de estados
quânticos de um átomo é duplo do que acaba de se apresentar.
Em 1925 Pauli
37
, apresentou o princípio de exclusão. Segundo ele um electrão apenas
poderá haver dois electrões em cada orbital, um com m
s
= +½ e outro com m
s
= –½.
Como consequência deste princípio o número de electrões que cada camada pode ocu-
par é também limitado: a camada K (n=1) apenas pode conter 2 electrões, a camada L 8
electrões, a camada M 18 electrões, etc.


37
Wolfgang Ernst Pauli, físico austro-americano, 1900, 1958. Nobel da Física em 1945 pelo princípio de
exclusão.

Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 206 Gustavo da Silva

4.6. Ondas de matéria
Uma vez que os fotões exibem tanto características de ondas como de partículas, Louis
de Broglie
38
na sua tese de doutoramento apresentada em 1923, supondo que talvez o
mesmo se passasse com a matéria, postula que esta também deverá exibir uma dualida-
de onda / partícula. A onda associada a uma partícula não será uma onda electromagné-
tica, tem propriedades diferentes desta, sendo designada por onda de matéria. Note-se
que contrariamente a outros fenómenos, em que a teoria surgiu como resultado de
observações experimentais, para as ondas de matéria não havia até aquela data qualquer
evidência experimental ou suspeita de que tais ondas pudessem existir. A evidência
experimental surgiu alguns anos depois de a teoria ser apresentada.
Para atribuir um comprimento de onda a uma partícula material, Broglie tirou comparou
com o que se passava com os fotões: se a estes está associada uma energia E = hf = hc/λ,
e um momento linear dado por p = h/ λ, onde intervém o comprimento de onda do fotão,
que pode ser escrito como λ = p/c, será lógico generalizar a expressão anterior para a
matéria e definir comprimento de onda de uma partícula material pela expressão

h h
p mv
λ
γ
= = (4.38)
em que γ indica a utilização do momento linear relativista. Broglie postulou ainda que a
frequência de uma partícula material deve estar relacionada com a sua energia total por
E hf = (4.39)
Esta teoria, tal como proposta por Broglie, foi considerada pura especulação, não tendo
sido imediatamente aceite. Em 1926, três anos depois da publicação da tese de Broglie,
Davison
39
e Germer
40
, dois cientistas que efectuavam experiências com a difusão de
electrões de baixa velocidade (cerca de 50 eV de energia) por um alvo de níquel, no
vazio, observaram durante uma experiência que os electrões produziam figuras de
difracção.
A observação inicial do facto, por Davisson e Germer, aconteceu acidentalmente quan-
do estes estudavam a difusão de electrões por um alvo de níquel; ao aquecerem o alvo,
com intuito de remover uma camada oxidada que se formou após uma deficiência no
sistema de vácuo, acabaram por cristalizá-lo. Por ser este cristal uma rede de átomos
dispostos regularmente, ele foi “visto” pelos electrões como uma rede de difracção,
onde as fendas eram os próprios espaçamentos interatómicos; sendo esse espaçamento
da ordem de grandeza do comprimento de onda de Broglie associado ao electrão, da
ordem de 0,1 nm, formaram-se figuras de difracção. Esta observação fez com que
Davisson e Germer se voltassem para este facto; analisaram as direcções nas quais os
electrões eram detectados; utilizando as relações de Bragg para interferência construtiva
em redes tridimensionais que já eram usadas na difracção de raios-X em cristais, pude-

38
Louis Victor de Broglie, físico francês, 1892–1987. Prémio Nobel da Física em 1929 pela apresentação
da teoria ondulatória da matéria.
39
Clinton Joseph Davisson, físico americano, 1881–1958. Prémio Nobel da Física em 1937 pela
verificação experimental da difracção dos electrões por meio de uma rede cristalina.
40
Lester Halbert Germer, físico americano, 1896–1971.
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 207

ram comprovar as relações de Broglie para os comprimentos de onda associados aos
electrões, ficando assim, provado experimentalmente, que existiam ondas de matéria. O
tema foi imediatamente abordado por outros investigadores, nomeadamente por Thom-
son
41
, que produziu figuras de difracção fazendo passar electrões através de lâminas
delgadas de ouro e de mica.
Posteriormente a difracção de partículas materiais por redes cristalinas foi observada
com núcleos de hélio (partículas α), átomos de hidrogénio, neutrões e muitas outras.
Veja-se uma forma de interpretar o postulado de Bohr 5 da quantificação do momento
angular da órbita do electrão.
Considerando a órbita circular (1), o seu períme-
tro é dado por 2 r π e o momento angular é dado
por p mv = . A estabilidade da órbita (2) equivale
a uma condição de estacionaridade, o que implica
que em todo o seu perímetro haverá um múltiplo
de comprimentos de onda, o seja 2 r n π λ = . Mas,
de acordo com Broglie (4.38) é / h p λ = . Substi-
tuindo o valor de λ na equação do perímetro
resulta 2 / r nh p π = e daqui resulta o postulado 5.


4.7. Princípio da incerteza
Na Física Clássica está implícito o facto de que qualquer grandeza que caracterize o
estado de movimento de uma partícula pode ser medida com exactidão. Pode-se medir
simultaneamente a posição e a velocidade de uma partícula com um grau de incerteza
arbitrariamente pequenas, limitado apenas pela tecnologia dos sistemas de medida. O
mesmo não se verifica em Mecânica Quântica: de acordo com o princípio da incerteza,
apresentado por Heisenberg
42
em 1927, o produto das incertezas na determinação da
posição e do momento linear de uma partícula deverá ser superior a um determinado
valor dado por,

2
x p Δ ⋅ Δ ≥
h
(4.40)
em que / 2 h π = h , e h a constante de Planck. Como afirmou Heisenberg no seu trabalho,
“The more precisely the position is determined, the less precisely
the momentum is known in this instant, and vice versa”.
Embora correntemente este facto seja conhecido como princípio, ele é hoje demonstrado
rigorosamente, recorrendo ao formalismo da Mecânica Quântica. Há no entanto formas
mais simples de estimar a ordem de grandeza do produto x p Δ ⋅ Δ , recorrendo a concei-
tos de Mecânica Estatística ou então e Mecânica Ondulatória. Este último é análogo ao

41
George Paget Thomson, físico britânico, 1892–1975. Prémio Nobel da Física em 1937, pela verificação
experimental da difracção de electrões através de cristais. (Filho de J. J. Thomson).
42
Werner Karl Heisenberg, físico alemão, 1901-1976. Nobel de Física, 1932, trabalhos em Mec. Quântica.

n=6
Fig. 4-10 – Interpretação da quantificação do
momento angular de um electrão
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 208 Gustavo da Silva

facto que conhecemos relativo à análise espectral de um sinal: quando um sinal está
muito localizado no tempo o seu espectro de frequências é largo, e vice-versa.
Considere-se um feixe de electrões, de momento linear p, a atravessar uma fenda de lar-
gura x Δ . De acordo com o que se viu na secção anterior, este feixe, devido ao carácter
ondulatório que lhe está associado, vai produzir uma figura de difracção quando projec-
tado sobre um alvo.











Fig. 4-11 – Difracção de um feixe de electrões, por uma fenda

A largura da fenda, ∆x, está associada à incerteza na posição do electrão (na perpendicu-
lar à direcção do movimento): sabe-se que o electrão passou pela fenda, não se sabe
exactamente por onde. A passagem do electrão pela fenda introduz-lhe um desvio, para
cima ou para baixo, na perpendicular à direcção do movimento. O seu momento angular
passa a ter uma componente de valor ∆p, perpendicular à direcção inicial. (o valor total
de p mantém-se). Tem-se, aproximadamente, sen p p α Δ = ⋅ . Por outro lado a teoria
ondulatória indica-nos que sen x λ α = Δ ⋅ . Combinando estas duas expressões e notando
que o momento linear de um electrão é dado por / p h λ = , resulta finalmente
x p h Δ ⋅ Δ = .
Prova-se ainda que existe uma relação semelhante a (4.40), entre a incerteza na medida
da energia de uma partícula e o intervalo de tempo necessário para a sua determinação:

2
E t Δ ⋅ Δ ≥
h
(4.41)

4.8. Função de onda
Na secção 4.6 associa-se a matéria a uma onda. A uma partícula material com momento
linear p é associado um determinado comprimento de onda, dado pela expressão (4.38).
Analise-se o fenómeno através da experiência da dupla fenda, em que se faz incidir
sobre as fendas (iguais entre si) um feixe de electrões, todos com a mesma energia. A
largura das fendas é bastante inferior à distância entre elas e a distância ao alvo (onde se
observa a projecção dos electrões) é substancialmente superior à distância entre as fen-
das. Ensaiem-se os 3 casos:
1 – apenas se encontra aberta a fenda superior;
2 – apenas se encontra aberta a fenda inferior;
3 – encontram-se abertas as duas fendas.
feixe de electrões
momento linear p
fenda, largura ∆x
α
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 209

No primeiro caso os electrões que atravessam a fenda vão projectar-se sobre o alvo,
sendo a curva de distribuição dos impactos do tipo gaussiano, com o máximo na direc-
ção fonte de electrões fenda (curva 1, a verde). Este resultado não deixa nenhum obser-
vador surpreendido, sendo facilmente interpretável segundo a teoria clássica do electrão,
que o considera como partícula material.
No caso 2, tudo se passa de um modo semelhante ao anterior, a única diferença é que a
distribuição dos impactos se encontra deslocada em relação à anterior, de uma distância
praticamente igual à distância entre os orifícios (curva 2, a azul).
Supondo agora que durante a primeira metade do tempo do ensaio estava aberta apenas
a fenda 1 e na 2ª metade apenas a fenda 2, a distribuição dos impactos será igual à curva
1+2 indicada a vermelho, sobreposição das curvas 1 e 2 mas com metade da amplitude.












Fig. 4-12 – Passagem de um feixe de electrões, por fendas

Considere-se agora o caso 3, em que as duas fendas se encontram abertas ao mesmo
tempo; seria de esperar obter uma distribuição de impactos sobre o alvo que fosse igual
à sobreposição das curvas 1 e 2 (curva 1+2, a vermelho), pois os electrões ao passarem
por uma das fendas não terão informação sobre a abertura da outra fenda. No entanto a
experiência contradiz esta expectativa: verifica-se experimentalmente que a distribuição
dos impactos tem a forma indicada pela curva 3, a azul carregado: nela aparece uma
periodicidade espacial, indicação de que há interferências.
Façam-se passar os electrões um a um. Os resultados são semelhantes aos que se obtêm
com um feixe; a única diferença é que é preciso esperar muito mais tempo para começar
a poder observar as curvas de distribuição, integrando no tempo o efeito dos impactos
sobre o alvo.
A pergunta que agora se faz é esta: como é que um electrão isolado, ao passar por uma
fenda, pode interferir consigo próprio, ou seja, como é que ele “tem conhecimento”, ao
passar por uma das fendas, que a outra fenda se encontra aberta ou fechada? Tudo se
passa como se o electrão passasse pelas duas fendas simultaneamente.
A resposta a esta questão passa por atribuir ao electrão um carácter ondulatório. Como
acontece para a luz, que revela a sua característica de onda em determinadas circunstân-
cias e a sua característica corpuscular noutras, assim acontece com o electrão.
electrões
φ
fenda 1
fenda 2
1
2
3
2
1
3
1+2
2
ψ
2
2
ψ
2
1
ψ
2 2
1 2
ψ ψ +
alvo alvo
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 210 Gustavo da Silva

Em Física Quântica associa-se ao electrão (e às outras partículas) uma função que dá
conta das propriedades ondulatórias da partícula, que é designada por função de onda.
A função de onda é uma entidade complexa (no sentido matemático, com parte real e
imaginária) que contém toda a informação acerca da partícula. Além disso o quadrado
do seu módulo indica a probabilidade que a partícula tem de se encontrar num determi-
nado ponto do espaço, num determinado instante. É habitual representar a função de
onda pela letra grega ψ.
Em relação à experiência da Fig. 4-12, se for atribuída ao electrão do caso 1 (apenas a
fenda superior aberta) a função de onda ψ
1
, ao electrão do caso 2 a função de onda ψ
2
, e
ao electrão do caso 3 a função de onda ψ, diz-se que neste último caso o electrão se
encontra num estado de sobreposição dado por

1 2
ψ ψ ψ = + (4.42)
A probabilidade de encontrar o electrão será, para estes 3 casos,
2
1
ψ ,
2
2
ψ e
2
ψ res-
pectivamente para os casos 1, 2 e 3. Uma vez que existe desfasagem entre estes estados,
que justifica a interferência; podem representar-se as funções de onda como fasores num
plano complexo:








Fig. 4-13 – Adição de duas funções de onda

Do diagrama anterior pode obter-se

2 2 2
1 2 1 2
2 cos ψ ψ ψ ψ ψ ϕ = + + ⋅ ⋅ (4.43)
Que é a representação da distribuição dos electrões no caso 3 (ver Fig. 4-12).

1
ψ
2
ψ ψ
ϕ
θ
real
imag.
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 211

4.9. Equação de Schrödinger
Considere-se agora o movimento de uma partícula material, confinado a uma região.
Para simplificar, considere-se um electrão que apenas se pode movimentar ao longo do
eixo dos xx, entre as coordenadas 0 e L. O espaço x<0 e x>L (por colocação de barreiras
que delimitam a região 0–L). Procure-se determinar a função de onda associada a este
electrão. Sabe-se o seguinte:
1. A probabilidade de encontrar a partícula fora do intervalo 0–L é zero,
2. A probabilidade de encontrar a partícula dentro do intervalo 0–L é um.
Isto significa que a função de onde deverá ser nula para 0 x ≤ e x L ≥ .
Faça-se uma analogia com o que se passa com a vibração de uma corda metálica estica-
da, presa nos extremos (0 e L) e que está sujeita a vibrações. Sabe-se que a corda
vibrante admite, neste caso, como modo de vibração ondas sinusoidais estacionárias,
que podem ter diversos modos, caracterizados por um número n tal que

2
n L
λ
= (4.44)
Considerando que o mesmo se pode passar com a função de onda, escreve-se para esta

0
( ) sen( )
n x
x
L
π
ψ ψ = (4.45)
A densidade de probabilidade de encontrar o electrão no posição x é dada por

2
2 2
0
( ) sen ( )
n x
x
L
π
ψ ψ = (4.46)
e deverá ainda ser
2
0
( ) 1
L
x dx ψ =

. Este integral representa a certeza de encontrar o
electrão dentro do intervalo [0 e L], extremos incluídos. Na Fig. 4-14 representa-se em
a) a função de onda (4.45) e em b) a densidade de probabilidade (4.46) para os 4 pri-
meiros valores de n.
















Fig. 4-14 – Função de onda de uma partícula confinada ao intervalo [0, L]
n=4
n=3
n=2
n=1
( ) x ψ
a)
0 L x
b)
n=4
n=3
n=2
n=1
2
( ) x ψ
0 L x
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 212 Gustavo da Silva


O momento linear da partícula, dado por / p h λ = , uma vez que o comprimento de
onda se encontra restrito a 2 / L n λ = , apenas pode tomar os valores

2
n
nh
p
L
= (4.47)
Quanto à energia da partícula, dada por
2
1/ 2 E mv = , como p mv = e está quantificado,
toma também valores quantificados:

2
2
2
8
n
h
E n
mL
= =
2
1
E n , n=1, 2, 3, ... (4.48)
Repare-se que o valor mínimo que pode tomar a energia da partícula,
1
E , é diferente de
zero, contrariamente ao que acontece em Mecânica Clássica. De acordo com a Mecâni-
ca Quântica uma partícula material nunca se encontra em repouso.

Será agora interessante saber a que equação ou equações obedece a função de onda.
Sabemos que quando se trata de fotões, ou dito de outro modo, de ondas electromagné-
ticas, estas seguem as equações de Maxwell e as equações de propagação de Laplace
associadas. Mas como será com a função de onda de uma partícula?
O caso mais simples é o da partícula limitada a uma dimensão espacial x. Para estes
casos a função de onda é uma função de variáveis separáveis, do tipo
( , ) ( )
i t
x t x e
ω
ψ

Ψ = (4.49)
Em que a componente dependente do tempo obedece à equação de Schrödinger
43
inde-
pendente do tempo

( )
2
2 2
( ) 2
( ) ( )
T
d x m
E U x x
dx
ψ
ψ = − −
h
(4.50)
Nesta equação ET representa a energia total da partícula e U(x) representa a energia
potencial do sistema em que a partícula se encontra. A função ( ) x ψ deverá obedecer às
seguintes condições:
• ser unívoca, isto é, a cada x corresponder apenas uma função ( ) x ψ ,
• ser contínua, e ter 1ª derivada contínua,
• anular-se para x = ±∞,

2
( ) 1 x dx ψ
+∞
−∞
=

, isto é, a partícula deverá encontrar-se no eixo dos xx.
Seja agora o caso da função de onda de uma partícula não relativista, que se pode
movimentar em todo o espaço, ( , ) r t Ψ . Como para o caso das equações de Maxwell,
não é possível estabelecer a equação de Schrödinger de um modo puramente dedutivo.
É necessário fazer algumas hipóteses, feitas com base nas observações experimentais:


43
Erwin Rudolf Josef Alexander Schrödinger, físico austríaco, 1887–1961. Nobel de Física em 1933.

Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 213

• A equação deverá ser linear, para que se possam construir grupos de ondas,
• O conhecimento de
0
( , ) r t Ψ deverá ser suficiente para determinar ( , ) r t Ψ , o
que implica que a equação deve ser de 1ª ordem no tempo,
• Os resultados obtidos deverão coincidir com os da Mecânica Clássica, no
domínio em que esta se aplica,
• Para o caso de uma partícula livre (não sujeita a campos externos), a sua fun-
ção de onda deverá poder escrever-se como uma sobreposição de ondas sinu-
soidais, de frequência / E ω = h e número de ondas / k p = h.
A partir destes pressupostos é possível obter a equação

2
( , ) ( , )
2
r t r t
i t m

− Ψ = − ΔΨ

h h
(4.51)
Esta equação degenera na equação clássica
2
/ 2 E p m = desde que se substituam os ope-
radores
i t



h
por E e
2
2m
− ∇
h
por p.
No caso da partícula não relativista (e sem spin) se encontrar sujeita a um campo de for-
ças, derivado de um potencial U(r,t), a equação de Schrödinger dependente do tempo
toma a forma

2
( , ) ( , ) ( , )
2
r t r t U r t
i t m

− Ψ = − ΔΨ +

h h
(4.52)
A integração da equação (4.52), que nem sempre é fácil, permite a obtenção da função
de onda de uma partícula.

Vão agora analisar-se alguns casos simples, de partículas com movimento a uma dimensão.

4.9.1. Partícula num poço de potencial
Chama-se por poço de potencial a uma distribuição de energia potencial nula no interior
de uma região e constante (finita) no seu exterior. Seja o caso de um sistema a uma
dimensão espacial, designada por x; a energia potencial será nula no intervalo [0, L] e
terá o valor constante U fora deste intervalo. Admita-se que o valor de U é superior ao
valor da energia cinética da partícula. Se assim for, de acordo com a teoria clássica a
partícula terá a sua posição sempre no interior do intervalo [0, L]. Como se verá, o
mesmo não acontece se forem aplicados os conceitos da Física Quântica. Aplique-se a
equação de Schrödinger (4.50) a esta partícula. A equação escreve-se de uma forma
mais simples, fazendo
2 2
2 ( ) / C m U E = − h :

2
2
2
( )
( )
d x
C x
dx
ψ
ψ = (4.53)
A solução desta equação tem a forma
( )
Cx Cx
x Ae Be ψ

= + (4.54)
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 214 Gustavo da Silva

Uma vez que
2
0 C > fora do poço, nas regiões I e III indicadas na figura a solução
deverá ser da forma exponencial; na região II tem-se
2
0 C < , pelo que C é imaginário,
originando soluções sinusoidais. Para que a solução não se torne infinita deverá ser B=0
na região I e A=0 na região II.
















Fig. 4-15 – Partícula num poço de potencial a uma dimensão

A solução na região II é sinusoidal e deverá verificar-se continuidade de ( ) x ψ e da sua
derivada em x=0 e em x=L.

4.9.2. Partícula numa barreira de potencial – efeito de túnel
Chama-se por barreira de potencial a uma distribuição de energia potencial em que esta
algures tem uma descontinuidade finita positiva, durante um comprimento finito. Con-
sidere-se de novo o problema a uma dimensão. Designe-se por L a largura da barreira e
por U a sua altura. Admita-se que U é constante em toda a extensão da barreira e supe-
rior ao máximo valor que possa ter a energia total da partícula.
A aplicação da equação da Schrödinger a esta partícula permite concluir que a função de
onda é sinusoidal nas regiões I e I, e exponencial na região II. Uma partícula enviada da
região I, com energia E, tem a possibilidade de penetrar pela barreira e passar para a
região III. Há pois alguma probabilidade de encontrar a partícula na região III. Este
resultado, confirmado experimentalmente e utilizado nos díodos de efeito de túnel, con-
traria as previsões da Física Clássica, segundo a qual uma partícula de energia E não
tem possibilidade de atravessar uma barreira de energia U>E, pois seria enviada para
trás.





n=3
n=2
n=1
( ) x ψ
a)
0
região I região II região III
U
n=3
n=2
n=1
2
( ) x ψ
b)
0
região I região II região III
Tópicos de Física – Física Quântica
Gustavo da Silva pág. 215













Fig. 4-16 – Partícula sujeita a uma barreira de potencial


4.10. Princípios da Mecânica Quântica
Em Física Quântica, para descrever um sistema físico utiliza-se, como se viu, a função
de onda. Uma das hipóteses fundamentais da Física Quântica é a de que o conhecimento
completo da função de onda representa a informação máxima que é possível obter sobre
esse sistema. Nenhuma experiência poderá fornecer mais informação do que aquela que
é dada pela função de onda.
Viu-se também que o estado de um sistema (caracterizado por exemplo pela posição e
pela velocidade) é apenas determinado a menos de uma determinada incerteza, e que a
medição de uma determinada variável vai interferir no conhecimento que se tem de
outras. Isto significa que não é possível medir a função de onda, mas apenas medir cer-
tas grandezas físicas, tais como o momento linear, o momento angular, a energia, etc.
Dirac
44
designou estas grandezas por observáveis.

Em face do exposto pode compreender-se que a Física Quântica esteja construída a par-
tir de princípios, que se passam a enumerar:

P1 – A todo o sistema físico, com n graus de liberdade, corresponde uma função de
onda ( , ) q t ψ , normada à unidade. Toda a informação possível sobre o sistema
pode ser obtida desta função de onda.
P2 – A toda a observável corresponde um operador linear e hermiteano no espaço de
Hilbert
45
, dotado de uma base ortonormada completa de funções próprias.
P3 – A evolução de um sistema físico no decorrer do tempo é definida pela equação

0
( ) ( , ) t U t t ψ = (4.55)

44
Paul Adrien Maurice Dirac, engenheiro e matemático britânico, 1902 – 1984. Nobel de Física em 1933.
45
David Hilbert, matemático alemão, 1862-1943.

( ) x ψ
0 L x
I II III
U
Tópicos de Física – Física Quântica
Pág. 216 Gustavo da Silva

em que t
0
representa o instante inicial e U(t, t
0
) o operador de impulsão ou de evo-
lução. Tem-se U(t
0
, t
0
) = 1.
Desta equação pode obter-se a equação de Schrödinger (4.52).
P4 – Ao medir uma observável A sobre um sistema S caracterizado por uma função de
onda ψ , e que se encontra num estado diferente do estado próprio
k
ψ
46
, a proba-
bilidade de obter para a observável A um valor α tal que α α α ′ ′′ ≤ ≤ é dada por

^2
( , )
k
k
P C α α ′ ′′ =

(4.56)
onde o somatório se estende apenas aos valores de k para os quais
k
α α α ′ ′′ ≤ ≤ .
P5 – Se a medida da observável A sobre um sistema fornece um valor α tal que
k
α α α ′ ′′ ≤ ≤ , então imediatamente após a medida o estado do sistema será repre-
sentado por uma função de onda ψ′

i i
k
C ψ ψ ′ =

(4.57)
onde o somatório se estende apenas aos valores de i para os quais α α α ′ ′′ ≤ ≤ , e
em que os coeficientes C
i
ficam desconhecidos.

Estes princípios encontram-se aqui expostos apenas para indicar ao leitor que a Física
Quântica começa aqui. Tudo o que se deu nas primeiras secções deste capítulo foi ape-
nas uma introdução justificativa do carácter quântico de certos aspectos da Física.
Devido ao carácter elementar destes apontamentos, e à finalidade a que se destinam, não
se aprofundará este tema.


46
A função de onda ψ , de acordo com o teorema de Fourier generalizado, pode ser representada por uma
combinação linear de funções, designadas estados próprios:
1
k k
k
C ψ ψ

=
=

. Em cada estado próprio
k
ψ o
operador A tem um valor bem definido,
k
α .



4.11. Problemas resolvidos

A resolução dos problemas deste capítulo, com excepção dos que são apenas demons-
trações, foi efectuada em Matlab. O leitor deverá procurar as explicações nos comentá-
rios que se encontram no próprio programa. Os resultados dos problemas foram postos a
seguir a cada programa.
Para poder executar cada programa no próprio Matlab deverá ser efectuado um
“copy”→”paste” do texto (se editável) para a área de trabalho do Matlab.
Cada um dos programas chama as Constantes da Física, pelo que previamente estas
deverão ser introduzidas sob a forma de um ficheiro com o nome “Constantes”, na pasta
“work” do Matlab. (atenção ao C maiúsculo).

Constantes da Física

Constantes

u=1.6605402*1e-27; % Unidade de massa atómica
NA=6.0221367*1e23; % Número de Avogadro
a0=0.529177249*1e-10; % Raio de Bohr
kB=1.380658*1e-23; % Constante de Boltzmann
ke=8.987551787*1e9; % Constante de Coulomb
me=9.1093897*1e-31; % Massa do electrão
eV=1.60217733*1e-19; % Electrão-volt
e=1.60217733*1e-19; % Carga elementar
R=8.314510; % Constante dos gases
G=6.67259*1e-11; % Constante gravitacional
mn=1.6749286*1e-27; % Massa do neutrão
eps0=8.854187817*1e-12; % Permeabilidade eléctrica do vazio
miu0=4*pi*1e-7; % Permeabilidade magnética do vazio
h=6.626075*1e-34; % Constante de Planck
mp=1.672623*1e-27; % Massa do protão
c=2.99792458*1e8; % Velocidade da luz no vazio
sigm=5.6696*1e-8; % Constante de Stefan
Rh=1.0973731568525*1e7; %Constante de Rydberg
Radiação do Corpo Negro
4.11.1. Probl. 4.1
A vista humana tem a sensibilidade máxima à luz para o comprimento de onda de
555 nm. Qual a temperatura do corpo negro que tem o máximo de radiação neste com-
primento de onda?

RESOLUÇÃO
Programa
% Vai usar-se a lei do deslocamento de Wien: lbdmax x T = 2,898e-3 m.K
Constantes; % Constantes da Física
lbdmax=555e-9; % comprimento de onda a que corresponde o máximo
TK=2.898e-3/lbdmax; % Temperatura pedida, em kelvin
TC=TK-273.15; % Temperatura pedida, em graus Celsius
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 218 Gustavo da Silva

fprintf('A temperatura pedida é: T = %6.1f',TK); fprintf(' kelvin \n')
fprintf(' = %6.1f',TC); fprintf(' ºC \n\n')
Resultados
A temperatura pedida é: T = 5221.6 kelvin
= 4948.5 ºC

4.11.2. Probl. 4.2
O Sol tem um raio de 6,96x10
8
m e radia uma potência de 3,77x10
26
W. Supondo que a
sua superfície se pode aproximar de um corpo negro,
a) Calcule a temperatura da sua superfície
b) Calcule o comprimento de onda a que corresponde o máximo de temperatura. Com-
pare o resultado obtido com o máximo de sensibilidade da vista humana

RESOLUÇÃO
Programa
% a) Vai utilizar-se a lei de Stefan: IS=sigm.em.A.T^4
Constantes; % Constantes da Física
em=1; % Poder emissivo do corpo negro
RS=6.96e8; % Raio do Sol
IS=3.77e26; % Potência radiada pelo Sol
AS=4*pi*RS^2;
TS=(IS/sigm/em/AS)^(1/4); %Temperatura da superfície solar, em kelvin
fprintf('a) Temperatura da superfície solar: T = %4.0f',TS);
fprintf(' kelvin \n')

% b) Utiliza-se a lei de Wien: lbdmax.T = 2,898e-3 m.K
lbdmax=2.898e-3/TS; % comprim. de onda a que <> o max. da temperatura
fprintf('b) Comprimento de onda a que ocorre Tmax: lbd =
%3.1f',lbdmax*1e9); fprintf(' nm \n')
Resultados
a) Temperatura da superfície solar: T = 5749 kelvin
b) Comprimento de onda a que ocorre Tmax: lbd = 504.1 nm

4.11.3. Probl. 4.3
Considere um corpo negro com a área de 20 cm
2
, à temperatura de 5000 K.
a) Qual a sua potência radiante?
b) A que comprimento de onda corresponde o máximo de radiação?
c) Calcule a densidade de potência espectral (P/λ) para os seguintes comprimentos de
onda:
c
1
) λ=λ
max

c
2
) λ=5 nm (raios UV, raios X)
c
3
) λ=400 nm (fronteira entre UV e visível)
c
4
) λ=700 nm (fronteira entre o visível e o IR)
c
5
) λ=1 mm (IR, micro-ondas)
d) Que potência de luz visível radia este corpo?
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 219

RESOLUÇÃO
Programa
% a) Utiliza-se a lei de Stefan: IS=sigm.em.A.T^4
Constantes; % Constantes da Física
em=1; % poder emissivo do corpo negro
A=20e-4; % área radiante do corpo
T=5000; % temperatura do corpo radiante
TK=T+273.15; % temperatura absoluta do corpo radiante
IS=sigm*em*A*T^4; % lei de Stefan
fprintf('a) Potência radiante: %5.3f',IS/1000); fprintf(' kW \n')
%
% b) Usa-se a lei do deslocamento de Wien: lbdmax x T = 2,898e-3 m.K
lbdmax=2.898e-3/TK;
lbdtxt='';
fprintf('b) Comprimento de onda correspondente ao máximo de radiação:
%6.1f',lbdmax*1e9); fprintf(' nm \n')
%
% c) Aplica-se a lei de Plank
k1=2*pi*h*c^2; % constante do numerador da expressão de Planck
k2=h*c/kB; % constante no denominador da expressão de Planck
lbd=logspace(-7,-4,200); % cria o vector de compr. de onda, em metros
for k=1:length(lbd),
I(k)=k1/(lbd(k)^5*(exp(k2/TK/lbd(k))-1));
end
% loglog(lbd',I); % representação gráfica
%
% c1) Vai determinar-se o máximo da intensidade de radiação
[Imax,lbdmxc1]=max(I); % calcula o máximo e a sua localização
fprintf('c) máximo de radiação: %3.3e',Imax); fprintf(' W/m3 \n')
% comparar a proximidade de lbdmxc1 e de lbdmax
% c2)a c5) na lei de Plank substituir lbd(k) pelos valores desejados:
lbd2=5e-9; % comprimento de onda para o cálculo
lbd3=400e-9; % comprimento de onda
lbd4=700e-9; % comprimento de onda
lbd5=1e-3; % comprimento de onda
Ic2=k1/(lbd2^5*(exp(k2/TK/lbd2)-1)); % d. de potência para lbd=5 nm
Ic3=k1/(lbd3^5*(exp(k2/TK/lbd3)-1)); % d. de potência para lbd=400 nm
Ic4=k1/(lbd4^5*(exp(k2/TK/lbd4)-1)); % . de potência para lbd=700 nm
Ic5=k1/(lbd5^5*(exp(k2/TK/lbd5)-1)); % . de potência para lbd=1 mm
disp(' as densidades de potencia são:');
fprintf(' %3.3e',Ic2); fprintf(' %3.3e',Ic3);
fprintf(' %3.3e',Ic4); fprintf(' %3.3e',Ic5); fprintf(' W/m3 \n');

% d) Integra-se a lei de Plank entre 380 e 760 nm, a que corresp. os
% limites de visib. médios da vista humana, e multiplica-se pela área
% radiante do corpo
lbdaux=380:760; % vector de comprimentos de onda, no visível
lbdvis=lbdaux*1e-9;
for k=1:length(lbdvis),
Ivis(k)=k1/(lbdvis(k)^5*(exp(k2/TK/lbdvis(k))-1));
end
% plot(lbdvis',Ivis); % representação gráfica
IVs=trapz(lbdvis,Ivis)*A;
fprintf('d) Potência radiada no visível: %5.3f',IVs/1000); fprintf('
kW \n')
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 220 Gustavo da Silva

Resultados
a) Potência radiante: 70.870 kW
b) Comprimento de onda correspondente ao máximo de radiação: 549.6 nm
c) máximo de radiação: 5.246e+013 W/m3
as densidades de potencia são:
1.217e-211 3.989e+013 4.610e+013 1.370e+002 W/m3
d) Potência radiada no visível: 36.383 kW

4.11.4. Probl. 4.4
Supondo que o filamento de tungsténio de uma lâmpada de incandescência, que se
encontra à temperatura de 2750 ºC, se comporta com um corpo negro,
a) Determine o comprimento de onda a que corresponde o máximo de energia radiada?
b) Qual a energia total radiada por mm
2
de área?
c) Da energia radiada a maior percentagem encontra-se na região UV ou IV? Justifique.

RESOLUÇÃO
Programa
% a) Vai utilizar-se a lei de Wien: lbdmax x T = 2,898e-3 m.K
TK=2750+273.15; % temperatura do filamento em K
Constantes; % carrega o ficheiro com as constantes da Física
lbdmax=2.898e-3/TK; % Comprimento de onda pedido
fprintf('a) Comprimento de onda = %5.1f',lbdmax*1e9); fprintf('
nm\n\n')

% b) Utiliza-se a lei de Stefan: IS=sigm.em.A.T^4
A=1e-6; % Área de emissão
em=1; % Poder emissivo do corpo negro
IS=sigm*em*A*TK^4; % Energia radiada por mm^2
fprintf('b) Energia total radiada = %5.2f',IS); fprintf(' W\n\n')

% c) Utiliza-se a lei de Plank
k1=2*pi*h*c^2; % constante do numerador da expressão de Planck
k2=h*c/kB; % constante no denominador da expressão de Planck

% região UV:
lbdaux=10:10:380;
lbduv=lbdaux*1e-9;
% cria o vector de comprim. de onda UV
% Integra-se a lei de Plank entre 10 e 380 nm, a que corresponde a
% região ultravioleta
for k=1:length(lbduv),
Iuv(k)=k1/(lbduv(k)^5*(exp(k2/TK/lbduv(k))-1));
end
figure(1);
plot(lbduv',Iuv); % representação gráfica
IUV=trapz(lbduv,Iuv)*A

% região V (Visível)
lbdaux=380:10:760;
lbdv=lbdaux*1e-9;
% cria o vector de comprim. de onda visível
% Integra-se a lei de Plank entre 380 e 760 nm, a que corresponde
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 221

% a região visível
for k=1:length(lbdv),
Iv(k)=k1/(lbdv(k)^5*(exp(k2/TK/lbdv(k))-1));
end
figure(2);
plot(lbdv',Iv); % representação gráfica
IV=trapz(lbdv,Iv)*A;

% região IV:
lbdaux=780:10:10000;
lbdiv=lbdaux*1e-9;
% cria o vector de comprim. de onda IV
% Integra-se a lei de Plank entre 760 nm, e 10000 nm a que corresponde
% a região infravermelha
for k=1:length(lbdiv),
Iiv(k)=k1/(lbdiv(k)^5*(exp(k2/TK/lbdiv(k))-1));
end
figure(3);
plot(lbdiv',Iiv); % representação gráfica
IIV=trapz(lbdiv,Iiv)*A

fprintf('c) Energia UV = %5.2f',IUV); fprintf(' W \n')
fprintf(' Energia Vis = %5.2f',IV); fprintf(' W \n')
fprintf(' Energia IV = %5.2f',IIV); fprintf(' W \n\n')
Resultados
a) Comprimento de onda = 958.6 nm
b) Energia total radiada = 4.74 W
c) Energia UV = 0.01 W
Energia Vis = 0.56 W
Energia IV = 4.09 W
Efeito Fotoeléctrico

4.11.5. Probl. 4.5
A partir da dispersão da luz solar, Thomson calculou o raio clássico do electrão, deter-
minando o valor de 2,82×10
-15
m. Admita que a luz solar, com intensidade de 500 W/m
2

incide sobre um disco com este diâmetro.
a) Qual o tempo necessário para acumular a energia de 1 eV?
b) Que conclui do resultado, sabendo que as observações indicam que os fotoelectrões
são emitidos num tempo inferior a 10
-9
s, após a incidência da luz?

RESOLUÇÃO
Programa
% Calcula-se a superfície do electrão exposta a radiação solar, a
% seguir a potência que sobre ela incide e finalmente o tempo
% necessário para acumular 1 eV.
Constantes; % Constantes da Física
re=2.82e-15; % raio clássico do electrão
PS=450; % potência por metro quadrado que atinge o electrão
we=e; % energia de 1 eV, expressa no SI
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 222 Gustavo da Silva

A=pi*re^2; % superfície exposta é a correspond. à secção transversal
pe=PS*A; % potência que incide sobre o electrão
tp=we/pe; %tempo que demorará a acumular 1 eV
fprintf('Tempo para acumular 1 eV: tempo = %3.2f',tp); fprintf('
segundos \n');

% conversão em horas,minutos, ...
aux=floor(tp)/60;
tps=(aux-floor(aux))*60; % nº de segundos na conversão
aux2=floor(aux)/60;
tpm=(aux2-floor(aux2))*60; % nº de minutos
aux3=floor(aux2)/24;
tph=(aux3-floor(aux3))*24; % nº de horas
aux4=floor(aux3)/30;
tpd=(aux4-floor(aux4))*30;
aux5=floor(aux4)/12;
tpm=(aux5-floor(aux5))*12;
tpa=aux5;
fprintf(' =%3.0f',tpa); fprintf('A');
fprintf(' %1.0f',tpm); fprintf('M'); fprintf(' %1.0f',tpd);
fprintf('D');
fprintf(' %1.0f',tph); fprintf('h'); fprintf(' %1.0f',tpm);
fprintf('m');
fprintf(' %1.0f',tps); fprintf('s \n');
Resultados
Tempo para acumular 1 eV: tempo = 14251152.23 segundos
= 0A 5M 14D 22h 5m 12s

4.11.6. Probl. 4.6
O Lítio o Berílio e o Mercúrio têm energias de saída de 2,3 eV, 3,9 eV e 4,5 eV, respec-
tivamente. Se sobre cada um destes metais incidir um feixe de luz com o comprimento
de onda 380 nm,
a) Quais deles é que manifestam o efeito fotoeléctrico.
b) Para cada um dos que o exibem, qual a velocidade máxima de saída dos electrões?

RESOLUÇÃO
Programa
% Calcula-se a energia do fotão. Haverá emissão de electrões se esta
% for superior a energia de saída do metal indicado.
Constantes; % Constantes da Física
lbd=380e-9; % comprimento de onda do fotão
Ef=h*c/lbd; % E=hf=hc/lbd é a energia de um fotão
EfeV=Ef/e; % conversão em EV
fiLi=2.3; % energia de saída do Lítio, em eV
fiBe=3.9; % energia de saída do Berílio, em eV
fiHg=4.5; % energia de saída do Mercúrio, em eV

fprintf('Energia do fotão: Ef = %3.2f',EfeV); fprintf(' eV \n');
% Energia cinética de uma partícula em movimento: Ec=(gama-1)*m*c^2
% donde, resolvendo em ordem a v: ve=c*sqrt(1-1/(Ec/m/c^2+1)^2)
if EfeV>fiLi
disp('a) O Lítio exibe efeito fotoeléctrico');
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 223

EcLi=EfeV-fiLi;
ve=c*sqrt(1-1/(EcLi*e/me/c^2+1)^2);
fprintf('b) A veloc. máx. dos electrões emitidos é %9.0f',ve);
fprintf(' m/s \n');
end
if EfeV>fiBe
disp('a) O Berílio exibe efeito fotoeléctrico');
EcBe=EfeV-fiBe;
ve=c*sqrt(1-1/(EcBe*e/me/c^2+1)^2);
fprintf('b) A veloc. máx. dos electrões emitidos é %3.3f',EcBe);
fprintf(' eV \n');
end
if EfeV>fiHg
disp('a) O Mercúrio exibe efeito fotoeléctrico');
EcHg=EfeV-fiHg;
ve=c*sqrt(1-1/(EcHg*e/me/c^2+1)^2);
fprintf('b) A veloc. máx. dos electrões emitidos é %3.3f',EcHg);
fprintf(' eV \n');
end
Resultados
Energia do fotão: Ef = 3.26 eV
a) O Lítio exibe efeito fotoeléctrico
b) A veloc. máx. dos electrões emitidos é 581943 m/s

4.11.7. Probl. 4.7
A energia de ligação do Molibdénio é 4,20 eV. Determine:
a) O comprimento de onda de corte e a frequência de corte dos seus fotoelectrões.
b) O potencial de paragem, para uma luz incidente com o comprimento de onda de 180
nm.
RESOLUÇÃO
Programa
% a) A frequência de corte é tal que a energia cinética máx de saída é
% nula: hf-fi=0 --> fc=fi/h
Constantes; % Constantes da Física
fi=4.2; % energia de saída em eV
fc=fi*e/h; % converte-se fi a joule antes de calcular a freq. corte
lbdc=c/fc; % comprim. de onda de corte
fprintf('a) Comprimento de onda de corte: lbdc = %3.1f',lbdc*1e9);
fprintf(' nm \n');
fprintf(' frequência de corte: fc = %3.3f',fc*1e-15);
fprintf(' PHz \n');
% O potencial de paragem é tal que Ecmax=e*Us
f=c/180e-9; % frequência da luz incidente
Ecmax=h*f-fi*e; % energia cinética máxima dos electrões de saída
Us=Ecmax/e; % potencial de paragem
fprintf('b) Potencial de paragem: Us = %3.1f',Us); fprintf(' V \n');
Resultados
a) Comprimento de onda de corte: lbdc = 295.2 nm
frequência de corte: fc = 1.016 PHz
b) Potencial de paragem: Us = 2.7 V
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 224 Gustavo da Silva

Espectros dos gases

4.11.8. Probl. 4.8
Calcule o valor de n associado à risca com o comprimento de onda de 94,96 nm da série
de Lyman do hidrogénio.
Poderá este comprimento de onda estar associado às séries da Pashen ou Brackett?

RESOLUÇÃO
Programa
% Vai utilizar-se a expressão da série de Lyman: 1/lbd=Rh(1-1/n^2)
% calculado em ordem a n: n=1/sqrt(1-1/lbd/Rh)
Constantes; % Constantes da Física
lbd=94.6e-9; % comprimento de onda da risca
nq=1/sqrt(1-1/lbd/Rh);
fprintf('O nº quântico associado é: nq =%2.0f',nq); fprintf(' \n')
disp('Não. As outras séries convergem para lbds mais altos, quando n->
inf.');
Resultados
O nº quântico associado é: nq = 5
Não. As outras séries convergem para lbds mais altos, quando n-> inf.

4.11.9. Probl. 4.9
Indique se todas as riscas da série de Balmer se encontram na região de comprimentos
de onda visíveis.
Em caso negativo, onde se encontram?

RESOLUÇÃO
Programa
% Utiliza-se a expressão da s. de Balmer: 1/lbd=Rh(1/2^2-1/n^2), n>2
% calculado em ordem a n: n=sqrt(1/(0.25-1/lbd/Rh))
Constantes; % Constantes da Física
% Esta série converge para lbd=364.5nm quando n->inf.:
lbdc=4/Rh;
% Há pois possibilidade de haver riscas fora da região visível, uma
% vez que esta vai de 380 a 760 nm.
% As riscas estarão na faixa ultravioleta:
lbd= 380e-9; n=ceil(sqrt(1/(0.25-1/lbd/Rh)));
disp('Nesta série nem todas as riscas estão na região visível;');
fprintf('para n >= %2.0f',n);
disp(' as riscas estão na região ultravioleta.'); fprintf(' \n')
Resultados
Nesta série nem todas as riscas estão na região visível;
para n >= 10 as riscas estão na região ultravioleta.



Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 225

Efeito de Compton

4.11.10. Probl. 4.10
Um feixe de raios X com a energia de 300 keV é dispersado por um alvo, seguindo o
efeito de Compton. Sabendo que os raios se dispersam com um ângulo de 37º em rela-
ção ao feixe incidente, determine:
a) O desvio de comprimento de onda sofrido pelo feixe.
b) A energia do feixe de raios X difundido.
c) A energia dos electrões libertados.

RESOLUÇÃO
Programa
% a) Vai utilizar-se a expressão do desvio de Compton,
% dlbd=lbd-lbd0=lbdC(1-cos(teta)).
Constantes; % carrega o ficheiro com as constantes da Física
lbdC=h/me/c; % comprimento de onda de Compton
Ex0=300e3*e; % energia do feixe de raios-X, em joule
teta=37; % desvio dos raios-X
dlbd=lbdC*(1-cos(teta*pi/180)); % desvio no comprimento de onda
fprintf('a) Desvio no comprimento de onda: dlbd = %5.3f',dlbd*1e12);
fprintf(' nm \n')
% b) Calcula-se a energia do feixe difundido a partir do seu
% comprimento de onda
lbd0=h*c/(Ex0); %comprimento de onda dos raios-X incidentes
lbd=lbd0+dlbd; % comprimento de onda dos raios-X difundidos
Ex=h*c/lbd; % energia dos raios-X difundidos
fprintf('b) Energia dos raios difundidos: Ex = %5.3e',Ex);
fprintf(' J'); fprintf(' = %5.1f',Ex/e/1000); fprintf(' keV \n');
% c) Usa-se a conservação da energia
Ee=Ex0-Ex; % por se tratar de um choque elástico a energia conserva-se
fprintf('c) Energia dos electrões libertados: Ee = %5.3e',Ee);
fprintf(' J'); fprintf(' = %5.1f',Ee/e/1000); fprintf(' keV \n');
Resultados
a) Desvio no comprimento de onda: dlbd = 0.489 nm
b) Energia dos raios difundidos: Ex = 4.298e-014 J = 268.3 keV
c) Energia dos electrões libertados: Ee = 5.081e-015 J = 31.7 keV

4.11.11. Probl. 4.11
Um fotão com o comprimento de onda de 0,00160 nm é difundido por um electrão. Para
que ângulo de difusão do fotão é que este tem uma energia igual à do electrão emitido?

RESOLUÇÃO
Programa
% a) Em primeiro lugar calcula-se a energia do fotão incidente,
% E0=hc/lbd0:
Constantes; % Constantes da Física
lbd0=0.0016e-9; % comprimento de onda do fotão incidente
E0=h*c/lbd0; % energia deste fotão
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 226 Gustavo da Silva

% Uma vez que a energia do fotão difundido e a do electrão recolhido
% são iguais entre si, qualquer delas será metade de E0:
Ef=0.5*E0; % energia do fotão difundido
Ee=0.5*E0; % energia do electrão recolhido
% a partir daqui podem calcular-se o comprimento de onda do fotão
% difundido, o desvio de comprimento de onda e o ângulo de difusão,
% usando a expressão do desvio de Compton:
lbd=h*c/Ef; % comprimento de onda do fotão difundido
% lbd-lbd0=lbdC(1-cos(teta)) --> teta=arccos((lbd-lbd0)/lbdC)*180/pi
lbdC=h/me/c; % comprimento de onda de Compton
teta=acos(1-(lbd-lbd0)/lbdC)*180/pi;
fprintf('Ângulo para o qual as energias são iguais: teta =
%4.1f',teta);
fprintf(' º \n')
Resultados
Ângulo para o qual as energias são iguais: teta = 70.1 º

4.11.12. Probl. 4.12
Um feixe de raios X monocromático com o comprimento de onda de 0,800 nm incide
sobre um electrão livre, que adquire a velocidade de 1,40×10
6
m/s.
a) Determine o desvio de Compton no seu comprimento de onda.
b) Com que ângulo é que o fotão foi difundido?

RESOLUÇÃO
Programa
% a) Calcula-se a energia do fotão incidente a partir do seu
% comprimento de onda, e a do electrão recolhido a partir da sua
% velocidade.
Constantes; % Constantes da Física
lbd0=0.800e-9; % comprimento de onda do fotão incidente
E0=h*c/lbd0; % energia deste fotão
ve=1.40e6; % velocidade do electrão recolhido
gama=1/sqrt(1-(ve/c)^2); % factor gama do electrão
Ee=(gama-1)*me*c^2; % energia do electrão recolhido
% Uma vez que o choque é elástico, conserva-se a energia, pelo que
Ex=E0-Ee; % energia dos R-X difundidos
lbd=h*c/Ex; % energia destes R-X
% lbd-lbd0=lbdC(1-cos(teta)) --> teta=arccos((lbd-lbd0)/lbdC)*180/pi
lbdC=h/me/c; % comprimento de onda de Compton
dlbd=lbd-lbd0; % desvio de Compton
teta=acos(1-(lbd-lbd0)/lbdC)*180/pi;
fprintf('a) Desvio de Compton dos R-X: dlbd = %4.3e',dlbd); fprintf('
nm \n')
fprintf('b) Ângulo de difusão do fotão: teta = %4.1f',teta); fprintf('
º \n')
Resultados
a) Desvio de Compton dos R-X: dlbd = 2.887e-012 nm
b) Ângulo de difusão do fotão: teta = 100.9 º

Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 227

4.11.13. Probl. 4.13
Um fotão com a energia 0,900 MeV é difundido por um electrão em repouso, de tal
modo que os ângulos de difusão do fotão (teta) e do electrão (fi) são iguais.
a) Determine teta e fi.
b) Calcule a energia e o momento do fotão difundido.
c) Calcule a energia e o momento do electrão difundido.

RESOLUÇÃO
Programa
Constantes; % carrega o ficheiro com as constantes da Física
% Faz-se teta=fi nas expressões do momento linear antes e depois
% da colisão:
% 1) hc/lbd1=hc/lbd2+Ec --> conservação da energia
% 2) h/lbd1=(h/lbd2)cos(teta)+gama.me.ve.cos(fi) -> cons. m. lin em x
% 3) 0=(h/lbd2)sen(teta)-gama.me.ve.sen(fi) -> cons. mom. linear em y
% 4) teta=fi -> dado do problema

% Substituindo (4) em (3) resulta
% 5) h/lbd2=gama.me.ve
% Notando que a energia cinética do electrão é dada por
% Ec=(gama-1).me.c^2,
% substituindo (5) e Ec em (1), e ainda Ef=hc/lbd1 (dado), resulta
% Ef=gama.me.ve.c+(gama-1).me.c^2, ou ainda
% 6) gama.me.ve.c-gama.me.c^2-me.c^2=Ef
% Em (6), resolvendo em ordem a ve vem ve=c.(aux+1)/(aux-1), com
% aux=((Ef+me.c^2)/me.c^2)
Ef=0.900e6*e; % energia do fotão incidente (raios-X), em joule
p1=Ef/c; % momento linear do fotão incidente
lbd1=h*c/Ef; % comprimento de onda dos raios-X incidentes
aux=((Ef+me*c^2)/(me*c^2))^2;
ve=c*(aux-1)/(aux+1); % velocidade do electrão recolhido
gama=1/sqrt(1-(ve/c)^2); % factor gama do electrão
pe=gama*me*ve; % momento linear do electrão
Ec=(gama-1)*me*c^2; % energia cinética do electrão
% A partir da equação (5) obtém-se
p2=gama*me*ve; % momento linear do fotão difundido
% (igual à do electrão)
E2=p2*c; % energia do fotão difundido
% A partir de (2) resulta p1=p2.cos(fi)+pe.cos(fi), donde
fi=acos(p1/(p2+pe))*180/pi; % ângulo de difusão do electrão, em graus
teta=fi; % ângulo de difusão do fotão
fprintf('a) O ângulo de difusão do fotão é: fi = %4.1f',fi);
fprintf(' graus \n')
fprintf(' O ângulo de difusão do electrão é: teta = %4.1f',fi);
fprintf(' graus \n\n')
fprintf('b) A energia do fotão difundido é: E2 = %4.1f',E2/e/1000);
fprintf(' keV \n')
fprintf(' O seu momento linear é: p2 = %4.1e',p2);
fprintf(' kg.m/s \n\n')
fprintf('c) A energia cinética do electrão recolhido é: Ec =
%4.1f',Ec/e/1000);
fprintf(' keV \n')
fprintf(' O seu momento linear é: pe = %4.1e',pe);
fprintf(' kg.m/s \n')
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 228 Gustavo da Silva

Resultados
a) O ângulo de difusão do fotão é: fi = 42.8 graus
O ângulo de difusão do electrão é: teta = 42.8 graus

b) A energia do fotão difundido é: E2 = 613.0 keV
O seu momento linear é: p2 = 3.3e-022 kg.m/s

c) A energia cinética do electrão recolhido é: Ec = 287.0 keV
O seu momento linear é: pe = 3.3e-022 kg.m/s
O átomo de hidrogénio

4.11.14. Probl. 4.14
Um átomo de hidrogénio transita do estado de energia n=«6» para o estado n=2 (modelo
de Bohr).
a) Haverá emissão ou absorção de um fotão?
b) Calcule a energia, o comprimento de onda e a frequência do referido fotão.

RESOLUÇÃO
Programa
% Vai utilizar-se a expressão da energia total do átomo de hidrogénio
% num determinado estado quântico n: En=-ke*e^2/(2*a0)*(1/n^2),
Constantes; % Constantes da Física
n=input('Qual Qual o estado de energia inicial, ni= ? ');
% Uma vez que ni>nf (inicial e final), será Ei>Ef
% Note-se que a energia é negativa, logo há emissão de um fotão.
disp('a) há emissão de um fotão, porque Ei>Ef');
Ef=-ke*e^2/(2*a0)*((1/n^2)-(1/2^2)); % energia do fotão igual a Ei>Ef
lbda=h*c/Ef; % comprimento de onda do fotão emitido
f=c/lbda; % frequência do mesmo fotão
fprintf('b) Energia do fotão emitido: Ef = %4.3f',Ef/e);
fprintf(' eV \n')
fprintf(' Comprimento de onda: lbda = %4.3f',lbda*1e9);
fprintf(' nm \n')
fprintf(' Frequência do fotão: f = %4.3f',f*1e-12);
fprintf(' THz \n')
Resultados
a) há emissão de um fotão, porque Ei>Ef
b) Energia do fotão emitido: Ef = 3.023 eV
Comprimento de onda: lbda = 410.070 nm
Frequência do fotão: f = 731.076 THz

4.11.15. Probl. 4.15
Um átomo de hidrogénio encontra-se no seu primeiro estado excitado (n=2). Utilizando
o modelo do átomo de Bohr determine:
a) O raio da órbita.
b) Os momentos, linear e angular, do electrão.
c) As suas energias, cinética, potencial e total.
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 229


RESOLUÇÃO
Programa
% Vão ser usadas as expressões do átomo de hidrogénio para o raio,
% momento linear e angular e energia cinética potencial e total
Constantes; % Constantes da Física
% a)
n=2; % número quântico do átomo
rn=a0*n^2; % raio da órbita correspondente a n=2
% b)
pn=h/(2*pi*rn)*n; % momento linear do electrão
ln=pn*rn; % momento angular
%c)
Ec=pn^2/(2*me); % energia cinética
Ep=-ke*e^2/(rn); % energia potencial
Et=Ec+Ep; % energia total

fprintf('a) Raio da órbita correspondente a n=2: rn = %4.e',rn);
fprintf(' m \n')
fprintf('b) Momento linear do electrão pn = %4.3e',pn);
fprintf(' J.s \n')
fprintf(' Momento angular ln = %4.3e',ln); fprintf(' N.m.s \n')
fprintf('c) Energia cinética do electrão: Ec = %4.3f',Ec/e);
fprintf(' eV \n')
fprintf(' Energia potencial: Ep = %4.3f',Ep/e);
fprintf(' eV \n')
fprintf(' Energia total: Et = %4.3f',Et/e);
fprintf(' eV \n')
Resultados
a) Raio da órbita correspondente a n=2: rn = 2e-010 m
b) Momento linear do electrão pn = 9.964e-025 J.s
Momento angular ln = 2.109e-034 N.m.s
c) Energia cinética do electrão: Ec = 3.401 eV
Energia potencial: Ep = -6.803 eV
Energia total: Et = -3.401 eV

4.11.16. Probl. 4.16
Mostre que a velocidade de um electrão no átomo de hidrogénio, na órbita de ordem n
(modelo de Bohr) é dada por
2
e
n
k e
v
n
=

RESOLUÇÃO
Este problema resolve-se sem o auxílio do Matlab.
Uma das condições para a estabilidade da órbita, suposta circular, é que a força de
atracção de Coulomb deve ser igual em módulo à força de inércia:
2 2
2
e
e
m v e
k
r r
=
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 230 Gustavo da Silva

Uma vez que a quantificação do momento angular, postulada por Bohr, impõe
e
r m v n = h, com n inteiro, substituindo o valor de v que dela se obtém na primeira
expressão, resulta imediatamente a equação pretendida.

4.11.17. Probl. 4.17
Uma partícula de carga q e massa m move-se, com uma velocidade v perpendicular a
um campo magnético B. A trajectória é circular. Se o momento angular da partícula em
relação ao centro estiver quantificado por mvr n = , mostre que os valores dos raios
das trajectórias permitidos são dados por
1, 2, 3,
n
n
r n
q B
= =

RESOLUÇÃO
Este problema também se resolve sem o auxílio do Matlab.
A força magnética que se exerce sobre uma carga em movimento é dada por
B
q = × F v B. Uma vez que v e B são perpendiculares fica
B
F qv B = . Sendo a órbita
circular a força de inércia associada é dada por
2
/
e
m v r . Esta força equilibra F
B
, a todo
o momento, pelo que
2
/
e
m v r q Bv = Æ
e
qBr m v = . Como a quantificação do momento
angular impõe /
e
m v n r = h , comparando as duas expressões resulta / qBr n r = h .
Resolvendo em ordem a r obtém-se a expressão pretendida.

Ondas de matéria

4.11.18. Probl. 4.18
Calcule o comprimento de onda de Broglie associado a um protão que se move com a
velocidade de 1,00×10
6
m/s.

RESOLUÇÃO
Programa
% Utiliza-se a expressão de Broglie que associa um comprimento de onda
% à matéria: lbd=h/p
Constantes; % Constantes da Física
vp=1.00e6; % velocidade do protão
gama=1/sqrt(1-(vp/c)^2); % factor gama do protão
% (uma vez que vp se encontra 2 ordens de grandeza abaixo de c poderia
% usar-se a expressão clássica do momento linear)
pp=gama*mp*vp; % momento linear do protão
lbd=h/pp; % comprim. de onda de Broglie do protão a esta velocidade.
fprintf('Comprimento de onda de Broglie do protão: lbd =
%4.1f',lbd*1e15);
fprintf(' fm \n')
Resultados
Comprimento de onda de Broglie do protão: lbd = 396.1 fm
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 231

4.11.19. Probl. 4.19
Considere uma partícula livre em movimento.
a) Mostre que a frequência f, e o comprimento de onda λ de estão relacionados pela
expressão
2
2 2
1 1
, com
C
C
f h
c mc
λ
λ λ
⎛ ⎞
⎟ ⎜
= + =


⎟⎟ ⎜
⎝ ⎠

b) Será possível, que uma partícula com massa diferente de zero tenha o mesmo com-
primento de onda e a mesma frequência que um fotão? Porquê?

RESOLUÇÃO
a) Da teoria da relatividade sabe-se que a energia e o momento linear de uma partícula
(mesmo sem massa) estão ligados por
2 2 2 2 2
( ) E p c mc = + . Desta expressão, obtém-
se E pc = para partículas de massa nula (caso do fotão), ou
2
E mc = para partículas
sem velocidade.
Foi postulado por Broglie que
h
p
λ = (comprimento de onda da partícula) e que
E
f
h
= (frequência da partícula). Tem-se então / p h λ = e E h f = , que substituídos
na 1ª equação dão
2
2 2 2 2 2
2
( )
h
h f c mc
λ
= + . Dividindo ambos os membros por
2 2
h c e atendendo a que
C
h
mc
λ = , resulta a equação que se pretende obter.
b) Num fotão
1 f
c λ
= , que substituído na equação dada implicaria
C
λ = ∞. Mas
C
λ é
uma constante da Física, pelo que não é possível uma partícula de massa diferente de
zero ter o mesmo comprimento de onda e a mesma frequência que um fotão.

4.11.20. Probl. 4.20
Um feixe de neutrões, com a velocidade de 0,400 m/s, incide sobre uma dupla fenda
com 1,00 mm de separação. O “array” de detectores de neutrões está colocado a 10,0 m
das fendas.
a) Qual o comprimento de onda de “de Broglie” destes neutrões?
b) A que distância do eixo se encontra o 1º mínimo no “aray” de detectores?
c) Quando um neutrão atinge o detector, pode saber-se através de que fenda é que pas-
sou?

RESOLUÇÃO
Programa
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 232 Gustavo da Silva

% a) Utiliza-se a expressão de Broglie que associa um comprimento
% de onda à matéria: lbd=h/p
Constantes; % Constantes da Física
vn=0.400; % velocidade do feixe de neutrões
pn=mn*vn; % momento linear de um neutrão do feixe
lbd=h/pn; % compr. de onda de Broglie de um neutrão a esta velocidade.
fprintf('a) Comprimento de onda do neutrão: lbd = %4.1f',lbd*1e9);
fprintf(' nm \n');
% b) Usa-se a expressão das interferências pela dupla fenda:
% ym=(m+1/2).lbd.D/d (localização dos mínimos)
D=9.0; % distância do "array" de detectores às fendas
d=0.80e-3; % distância entre as fendas
m=0; % porque se pede a localização do 1º mínimo
ym=(m+1/2)*lbd*D/d; % localização do 1º mínimo das interferências
fprintf('b) O 1º mínimo encontra-se a ym = %4.3f',ym*1000);
fprintf(' mm \n');
disp('c) Não se pode dizer que um determinado neutrão passa por uma
fenda ou por outra,')
disp(' uma vez que aqui o neutrão se está a comportar como uma
onda,')
disp(' passando simultâneamente pelas duas fendas.');
Resultados
a) Comprimento de onda do neutrão: lbd = 989.0 nm
b) o 1º mínimo encontra-se a ym = 5.563 mm
c) Não se pode dizer que um determinado neutrão passa por uma fenda ou
por outra,
uma vez que aqui o neutrão se está a comportar como uma onda,
passando simultaneamente pelas duas fendas.

4.11.21. Probl. 4.21
O poder resolvente de um microscópio depende do comprimento de onda utilizado. Para
poder “observar” um átomo será necessária uma resolução melhor que 0,99x10
-11
m.
a) Utilizando electrões (microscópio electrónico), qual a sua energia cinética mínima?
b) Se forem utilizados fotões, qual deverá ser a sua energia mínima e o respectivo com-
primento de onda? Em que zona do espectro electromagnético estará esta radiação?

RESOLUÇÃO
Programa
Constantes; % carrega o ficheiro com as constantes da Física
% a) Utiliza-se a expressão de Broglie, que relaciona o comprimento de
% onda de uma partícula com o seu momento linear: lbd=h/p
lbd=0.99e-11;
pe=h/lbd; % momento linear do electrão
% A partir da definição do momento linear calcula-se v e depois gama
% pe=gama*me*ve --> gama*ve=pe/me; pondo beta=v/c -->
% beta/sqrt(1-beta^2)=pe/(me*c) -->
% beta=sqrt((pe/me/c)^2/(1+(pe/me/c)^2))
beta=sqrt((pe/me/c)^2/(1+(pe/me/c)^2));
ve=beta*c;
gama=1/sqrt(1-beta^2);
Ec=(gama-1)*me*c^2;
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 233

fprintf('a) Energia cinética mínima de cada electrão Ec =
%4.3f',Ec/e/1000);
fprintf(' keV \n');
% b) Utilizam-se am expressões do momento linear e da energia do fotão
pfot=h/lbd;
Ecfot=pfot*c;
fprintf('b) Energia de cada fotão Ecfot = %4.3f',Ecfot/e/1000);
fprintf(' keV \n');
disp(' Trata-se de raios-X')
Resultados
a) Energia cinética mínima de cada electrão Ec = 15.123 keV
b) Energia de cada fotão Ecfot = 125.237 keV
Trata-se de raios-X
Princípio da incerteza

4.11.22. Probl. 4.22
Um electrão e uma pequena esfera com a massa de 20 g têm a mesma velocidade de 500
m/s, com uma exactidão de 0,010 %. Com que tolerância é que se pode determinar a
posição de cada um destes objectos?

RESOLUÇÃO
Programa
% Vai usar-se a expressão do princípio da incerteza, de Heisenberg.
Constantes; % carrega o ficheiro com as constantes da Física
m1=20e-3; % massa da pequena esfera
v=500; % velocidade comum ao electrão e à pequena esfera
dv=0.010/100*500; % incerteza na velocidade acima
dx1=h/(4*pi*m1*dv); % incerteza na determinação da posição da esfera
dxe=h/(4*pi*me*dv); % incerteza na determinação da posição do electrão
disp('As incertezas teóricas na determinação das posições são:')
fprintf(' Pequena esfera: dx1 = %4.3e',dx1); fprintf(' m \n');
fprintf(' Electrão: dxe = %4.3e',dxe); fprintf(' m \n');
Resultados
As incertezas teóricas na determinação das posições são:
Pequena esfera: dx1 = 5.273e-032 m
Electrão: dxe = 1.158e-003 m

4.11.23. Probl. 4.23
Mostre que se um electrão estiver confinado ao interior de um núcleo atómico, de diâ-
metro igual a 2x10
-15
m, a sua velocidade deverá ser expressa por uma expressão relati-
vista, enquanto que um protão confinado ao mesmo núcleo se pode movimentar de for-
ma não relativista.

RESOLUÇÃO
Programa
% Utiliza-se o princípio da incerteza, de Heisenberg: dp.dx>h/(4.pi)
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 234 Gustavo da Silva

% O valor de dx será igual ao diâmetro do núcleo
Constantes; % Constantes da Física
dx=2e-15; % incerteza na posição do electrão
dp=h/(4*pi*dx);
% mas p=gama*m*v --> (v/c)^2=(p/mc)^2/(1+(p/mc)^2)
% para o electrão:
dve=dp/me/sqrt(1+(dp/(me*c))^2);
% para o protão:
dvp=dp/mp/sqrt(1+(dp/(mp*c))^2);
fprintf('- A incerteza para a velocidade deste electrão é
%4.3f',dve/c);
fprintf('c, \n');
disp(' pelo que devem ser usadas expressões relativistas.')
fprintf('- A incerteza para a velocidade deste protão é %4.3f',dvp/c);
fprintf('c, \n');
disp(' pelo que não é preciso usar expressões relativistas.')
Resultados
- A incerteza para a velocidade deste electrão é 1.000c,
pelo que devem ser usadas expressões relativistas.
- A incerteza para a velocidade deste protão é 0.053c,
pelo que não é preciso usar expressões relativistas.

4.11.24. Probl. 4.24
O frango “fuzzy” vive num mundo em que a constante de Planck tem o valor 2.pi.pi Js.
Sabendo que está confinado a uma capoeira de base circular com o raio de 1,0 m, qual a
incerteza na sua velocidade? Massa do frango=1,2 kg

RESOLUÇÃO
Programa
% Utiliza-se o princípio da incerteza, de Hisenberg: dp.dx>h/4pi
Constantes; % carrega o ficheiro com as constantes da Física
% O valor de dx será igual ao diâmetro da capoeira
mf=1.2; % massa do frango;
dx=2; % incerteza na sua posição (igual ao diâmetro da base)
h1=2*pi*pi; % constante de Planck no mundo em que vive o frango
dp=h1/(4*pi*dx); % cálculo da incerteza do momento linear
dv=dp/mf; % incerteza na velocidade do frango
fprintf('- A incerteza para a velocidade do frango é de %4.3f',dv);
fprintf(' m/s. \n');
Resultados
- A incerteza para a velocidade do frango é de 0.654 m/s.

4.11.25. Probl. 4.25
Segundo o modelo de Bohr, o núcleo de um átomo tem o diâmetro da ordem de 10
-14
m.
Para um electrão confinado ao núcleo, o seu comprimento de onda de Broglie será da
mesma ordem de grandeza ou inferior.
a) Qual será a energia cinética de um electrão confinado ao núcleo?
b) Com base no resultado anterior será de esperar encontrar um electrão no interior do
núcleo? Justifique.
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 235


RESOLUÇÃO
Programa
% Resolução:
% a) passos para a resolução:
% 1. Com o comprimento de onda calcula-se o momento linear: lbd=h/p
Constantes; % Constantes da Física
lbd=1e-14; % comprimento de onda do electrão
pe=h/lbd; % momento linear do electrão
% 2. A partir da definição do momento linear calcula-se v e depois
gama
% pe=gama*me*ve --> gama*ve=pe/me; pondo beta=v/c -->
% beta/sqrt(1-beta^2)=pe/(me*c) -->
% beta=sqrt((pe/me/c)^2/(1+(pe/me/c)^2))
beta=sqrt((pe/me/c)^2/(1+(pe/me/c)^2));
ve=beta*c;
gama=1/sqrt(1-beta^2);
% 3. Calcula-se a energia cinética: Ec=(gama-1)*m*c^2
Ec=(gama-1)*me*c^2;
fprintf('a) Momento linear = %3.6e',pe); fprintf(' kg.m/s \n')
fprintf(' velocidade = %3.6e',ve); fprintf(' m/s \n');
fprintf(' v/c = %1.9f',beta); fprintf('\n')
fprintf(' energia cinética = %3.6e',Ec); fprintf(' J \n')
fprintf(' Ec em eV = %3.3e',Ec/(e*1e6)); fprintf(' MeV \n\n')
%
% b) Vai usar-se o princípio da incerteza: dp.dx>h/(4*pi)
dxe=1e-14; % porque o electrão estaria confinado ao nícleo
dpe=h/(4*pi*dxe); % incerteza resultante pat o momento linear
dve=dpe/(gama*me);
fprintf('b) incerteza na velocidade = %3.3e',dve); fprintf(' m/s \n')
fprintf(' nada se conclui sobre a possibilidade do electrão \n')
fprintf(' ser encontrado no interior do núcleo. \n\n')
Resultados
a) Momento linear = 6.626075e-020 kg.m/s
velocidade = 2.997899e+008 m/s
v/c = 0.999991507
energia cinética = 1.978277e-011 J
Ec em eV = 1.235e+002 MeV

b) incerteza na velocidade = 2.386e+007 m/s
nada se conclui sobre a possibilidade do electrão
ser encontrado no interior do núcleo.

Função de onda

4.11.26. Probl. 4.26
Um electrão livre tem como função de onda
10
( ) (5, 00 10 ) x Asen x ψ = × , com x expresso
em metros.
a) Qual o seu comprimento de onda de “de Broglie”?
b) Qual o seu momento linear?
c) Qual a sua energia, em eV?
Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 236 Gustavo da Silva


RESOLUÇÃO
Programa
Constantes; % Constantes da Física
% a) Obtém-se lbd directamente a partir de psi: A função de onda
% descreve um ciclo completo quando x varia desde x1=0 até
% 5.00e10*x2=2*pi, donde lbd=x2-x1=2*pi/(5.00e10)
lbd=2*pi/(5.00e10); % comprimento de onda (de Broglie) deste electrão
% b)Usa-se a relação de Broglie entre lbd e momento linear: lbd=h/p:
pe=h/lbd; % momento linear do electrão
% c) utiliza-se a expressão da energia cinética
ve=pe/me; % uma vez que ve << c pode usar-se a expressão clássica
Ec=0.5*me*ve^2; % energia cinética do electrão
fprintf('a) Comprimento de onda do electrão lbd = %4.3f',lbd*1e9);
fprintf(' nm \n');
fprintf('b) Momento linear do electrão pe = %4.3e',pe);
fprintf(' kg.m/s \n');
fprintf('c) Energia cinética do electrão Ec = %4.3f',Ec/e);
fprintf(' eV \n');
Resultados
a) Comprimento de onda do electrão lbd = 0.126 nm
b) Momento linear do electrão pe = 5.273e-024 kg.m/s
c) Energia cinética do electrão Ec = 95.250 eV

4.11.27. Probl. 4.27
Uma partícula é descrita pela seguinte função de onda:
2 2
( )
( )
a
x
x a
ψ
π
=
+

em que a > 0 e -∞ < x < +∞.
Qual a probabilidade da partícula se encontrar na região – a < x < +a ?

RESOLUÇÃO
O problema resolve-se analiticamente.
A densidade de probabilidade de encontrar o electrão no posição x é dada por
2
( ) x ψ
A probabilidade de encontrar o electrão no intervalo dx é dada por
2
( ) ( ) p dx x dx ψ = ⋅ .
A probabilidade de encontrar o electrão no intervalo (-a, a) é dada por
2
( , ) ( )
a
a
p a a x dx ψ

− = ⋅

. Substituindo ( ) x ψ pelo seu valor, correspondente à descri-
ção da partícula, resulta
2 2
( , ) ( )
( )
a
a
a
p a a x dx
x a π

− = ⋅
+

=
1
arctan( )
a
a
a x
a a π

⎡ ⎤

⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
1
( )
4 4
π π
π
⎡ ⎤
− −
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
1
2



Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Gustavo da Silva pág. 237

Equação de Schrödinger

4.11.28. Probl. 4.28
Um electrão encontra-se confinado ao interior de uma região unidimensional com o
comprimento de 0,1 nm. Para os seus 4 primeiros estado de energia determine:
a) Os comprimentos de onda de Broglie do electrão.
b) Os valores dos momentos lineares e energias, estas em eV.
c) A energia do fotão libertado na transição do electrão dos estados n = 4, 3, 2 para o
estado n=1.

RESOLUÇÃO
Programa
% A função de onda de um electrão contido numa "caixa" unidimensional
% de comprimento L é dado por psi(x)=psi0*sen(n*pi*x/L) (da teoria)
% Da expressão de psi conclui-se que lbd=2*L/n.
% O mom. linear será dado, para cada estado n, por pn=h/lbd=n/h/(2*L).
% A energia (toda cinética) será En=1/2*me*(pn/me)^2
Constantes; % Constantes da Física
L=0.1e-9; % comprimento da região
lbd=zeros(1,4); p=zeros(1,4); Ec=zeros(1,4); % inicialização valores
for n=1:4,
lbd(n)=2*L/n;
p(n)=h./lbd(n);
Ec(n)=0.5*me*(p(n)/me).^2;
end
% O comprimento de onda dos fotões libertados nas transições entre um
% electrtrão do estado 4, 3 ou 2, para o estado 1 calcula-se por
% f=(Ei-Ef)/h e os comprimentos de onda por lbd=c/f:
f41=(Ec(4)-Ec(1))/h; f31=(Ec(3)-Ec(1))/h; f21=(Ec(2)-Ec(1))/h; % frqs
lbdfot=c./[f41, f31, f21]; % % comprimentos de onda
disp('a) Comprimentos de ondas do electrão para n = 1, 2, 3, 4:')
fprintf(' lbd = %4.3f',lbd*1e9); fprintf(' nm \n');
disp('b) - Momentos lineares do electrão:')
fprintf(' p = %3.3e',p); fprintf(' kg.m/s \n');
disp(' - Energias do electrão:')
fprintf(' Ec = %4.3f',Ec/e); fprintf(' eV \n');
disp('c) Compr. de onda dos fotões libertados nas transições n->1:')
fprintf(' lbdfot = %4.3f',lbdfot*1e9); fprintf(' nm. \n');
Resultados
a) Compr. de ondas do electrão para n = 1, 2, 3, 4:
lbd = 0.200 lbd = 0.100 lbd = 0.067 lbd = 0.050 nm
b) - Momentos lineares do electrão:
p = 3.313e-024 p = 6.626e-024 p = 9.939e-024 p = 1.325e-023 kg.m/s
- Energias do electrão:
Ec = 37.603 Ec = 150.412 Ec = 338.427 Ec = 601.648 eV
c) Comprimentos de onda dos fotões libertados nas transições n->1:
lbdfot = 2.198 lbdfot = 4.121 lbdfot = 10.991 nm.




Tópicos de Física – Física Quântica – Problemas
Pág. 238 Gustavo da Silva








Pág. 239 Gustavo da Silva




5. CONSTANTES, FORMULÁRIOS E TABELAS


5.1. Constantes matemáticas

e = 2.7182 81828 45904 52353 60287
π = 3.1415 92653 58979 32384 62643
2 = 1.4142 13562 37309 50488
3 = 1.7320 50807 56887 72935
10 = 3.1622 77660 16837 93320


5.2. Constantes fundamentais da Física

Nome da constante Símbolo Valor + (incerteza) + unidades
Carga eléctrica elementar e 1,602 177 33 (4 9) × 10
-19
C
Comprimento de onda de Compton λ
C
2,426 310 58 (2 2) × 10
-12
m
Constante de Boltzmann k
B
1,380 658 (12) × 10
-23
J.K
-1

Constante de Coulomb ke 8,987 551 787 × 10
-9
Nm
2
C
-2
(exacto)
Constante de Faraday F 9,648 670 (54) × 10
4
C.mol
-1

Constante de Josephson K
J
4,835 976 7 (14) × 10
4
Hz.V
-1

Constante de Planck h 6,626 075 (40) × 10
-34
J.s (exacto)
Constante de Stefan σ 5,670 400 × 10
-8
W.m
-2.
K
-4

Constante dos gases R 8,314 510 (70) J.K
-1
.mol
Constante gravitacional G 6,672 59(8 5) × 10
-11
N.m
2
.kg
-2

Electrão-volt (unidade de energia) eV 1,602 177 33(4 9) × 10
-19
J
Massa do electrão me 9,109 389 7(54) × 10
-31
kg
Massa do neutrão mn 1,674 928 6(10) × 10
-27
kg
Massa do protão mp 1,672 623(10) × 10
-27
kg
Momento magnético de Bohr μ
B
9,274 015 4(31) × 10
-24
J.T
-1

Número de Avogadro NA 6,022 136 7(36) × 10
23
partículas/mole
Permeabilidade eléctrica do vazio ε
0
8,854 187 817 × 10
-12
C
2
.N
-1
.m
-2
(exacto)
Permeabilidade magnética do vazio μ
0
4π× 10
-7
T.m.A
-1
(exacto)
Raio de Bohr a
0
0,529 177 249(24) × 10
-10
m
Unidade de massa atómica u 1,660 540 2(10) × 10
-27
kg
Velocidade da luz no vazio c 2,997 924 58 × 10
8
m.s
-1
(exacto)


Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas
Pág. 240 Gustavo da Silva
5.3. Formulário de Matemática
5.3.1. Álgebra elementar
Fracções
soma
a c ad bc
b d bd
±
± =
multiplicação
a c ac
b d bd
× =
divisão
a c ad
b d bc
÷ =
Potências

m n m n
x x x
+
=
m
m n
n
x
x
x

=
( )
m n m n
x x
×
=
1/ n n
x x =
Factorização
quadrado perfeito:
2 2 2
( ) 2 a b a ab b + = + +
diferença de quadrados:
2 2
( )( ) a b a b a b + − = −
Equações
1º grau: 0 ax b + = Æ
b
x
a
= −
2º grau:
2
0 ax bx c + + = Æ
2
4
2
b b ac
x
a
± −
= −
5.3.2. Logaritmos e exponenciais
log
y
a
a x y x = ⇔ =

log ( ) log log
a a a
xy x y = +

log ( ) log log
a a a
x
x y
y
= −
log ( ) log
p
a a
x p x =

log
log
log
b
a
b
x
x
a
=
10
log log x x ≡

ln log
e
x x ≡

ln 2.302585 log x x = ×

ln 1 e =

ln1 0 =





5.3.3. Geometria
Rectângulo de lados a e b
Perímetro: 2( ) P a b = +
Área: A a b = ×

Triângulo de base b e altura h
Área:
1
2
A b h = ×

Circunferência /círculo de raio r
Diâmetro: 2 d r =
Perímetro: 2 P r π =
Área:
2
A r π =

Paralelipípedo de lados a, b e c
Área da base: A ab =
Volume: V abc =

Esfera de raio r
Área:
2
4 A r π =
Volume:
3
4
3
V r π =
Cilindro com base de raio r e altura h
Área da base:
2
b
A r π =
Área lateral: 2 A r π =
/
/
Volume:
2
V r π = /

Ângulo sólido:
2
/ d dA r Ω =

5.3.4. Limites
0
0
( ) 0
( ) 0
f x
g x
= ⎧

=


0 0
( ) ( )
lim lim
( ) ( )
x x x x
f x f x
g x g x
→ →

=


1
lim(1 )
n
n
e
n
→∞
+ =
lim(1 )
n k
n
k
e
n
→∞
+ =
0
1
lim 1
x
x
e
x


=
lim
x
p
x
e
x
→∞
= ∞
a
b
.
r
b
h
.
r
a
b
c
r
h
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Gustavo da Silva Pág. 241
0
log( 1)
lim 1
x
x
x

+
=
log
lim 0
x
x
x
→∞
=
0
sen
lim 1
x
x
x

=
0
tan
lim 1
x
x
x

=

5.3.5. Séries
2
0
0 0 0 0
( )
( ) ( ) ( ) ( ) ( )
2!
x x
f x f x x x f x f x

′ ′′ = + − + +
1 2 2
( 1)
( )
1! 2!
n n n n
n n n
a b a a b a b
− −

+ = + + +
2
( 1)
(1 ) 1
2!
n
n n
x nx x

+ = + + +
1 2 3 4 5
2
5 7
(1 ) 1
2 8 16 128 256
x x x x x
x + = + − + − + −
1 2 3 4 5
2
3 5 35 63
(1 ) 1
2 8 16 128 256
x x x x x
x

+ = − + − + − +
2 3
1
2! 3!
x
x x
e x = + + + +
2 3
1 1
ln(1 )
2 3
x x x x ± = ± − ± −
3 5
sen
3! 5!
x x
x x = − + − (x em radianos)
2 4
cos 1
2! 4!
x x
x = − + − (x em radianos)
3 5
2
tan
3 15
x x
x x = − + + (x rad, | | / 2 x π <


5.3.6. Trigonometria



Teorema de Pitágoras:
2 2 2
b c R + =

sen cos tan
b c b
R R c
α α α = = =
1 1 1
cot csc sec
tan sen cos
α α α
α α α
= = =
sen sen sen
a b c
α β γ
= =
2 2
sen cos 1 α α + =
2 2
1 tan sec α α + =
2 2
1 cot csc α α + =
sen( ) sen cos cos sen α β α β α β ± = ±

cos( ) cos cos sen sen α β α β α β ± = ∓

1 1
sen sen 2sen[ ( )]cos[ ( )]
2 2
a b a b a b ± = ± ∓
1 1
cos cos 2cos[ ( )]cos[ ( )]
2 2
a b a b a b + = + −
1 1
cos cos 2sen[ ( )]sen[ ( )]
2 2
a b a b b a − = + −
tan tan
tan( )
1 tan tan
α β
α β
α β
±
± =


sen2 2sen cos α α α =
2 2
cos2 cos sen α α α = −
2
2tan
tan2
1 tan
α
α
α
=



5.3.7. Derivadas
1 n n
d
x nx
dx

=
2
du dv
v u
d u
dx dx
dx v v

⎛ ⎞
=
⎜ ⎟
⎝ ⎠

x x
d
e e
dx
=
log
x x
d
a a a
dx
=
( )
1
log
v v v
d du dv
u vu u u
dx dx dx

= +
( )
( ) ( 1)
n
n n
n
d
uv u nu v
dx

′ = + +

( ) ( ) ( ) n n r r n
r
C u v uv

+ + +

1
log
d
x
dx x
=
1
log
log
a
d
x
dx x a
=
R
b
c α
a
b
c
α β
γ
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas
Pág. 242 Gustavo da Silva
sen cos
d
x x
dx
=
cos sen
d
x x
dx
= −
2
tan sec
d
x x
dx
=
2
cot csc
d
x x
dx
= −
2
1
sen
1
d
arc x
dx
x
=


2
1
arccos
1
d
x
dx
x

=


2
1
arctan
1
d
x
dx x
=
+

2
1
arccot
1
d
x
dx x

=
+

2
1
arcsec
1
d
x
dx
x x
=


2
1
arccos
1
d
x
dx
x x

=



5.3.8. Integrais indefinidos
vdu vu udv = −
∫ ∫

1
1
n
n
x
x dx C
n
+
= +
+


x x
e dx e C = +


1
ax ax
e dx e C
a
= +


2
( 1)
ax
ax
e
xe dx ax C
a
= − +


1
ln dx x C
x
= +


ln ( ln ) ax dx x ax x C = − +


1
ax ax
e dx e C
a
= +


1
ln( )
dx
ax b C
ax b a
= + +
+


2
ln( )
xdx x b
ax b C
ax b a a
= − + +
+


1
ln
( )
dx x a
C
x x a a x
+
= − +
+


2
1
( ) ( )
dx
ax b a ax b
= −
+ +


1
2 2
1
tan
dx x
a x a a

=
+


2 2
1
ln
2
dx a x
a x a a x
+
=
− −

(a
2
-x
2
>0)
1
2 2
sen
dx x
a
a x

=


(a
2
-x
2
>0)
1
sen cos axdx ax C
a
= − +


1
cos sen ax dx ax C
a
= +


1
tan ln(cos ) ax dx ax C
a
= +


1
cot ln(sen ) ax dx ax C
a
= +


1
sec ln(sec tan ) ax dx ax ax C
a
= + +


1
csc ln(csc cot ) ax dx ax ax C
a
= − +


2
sen2
sen
2 4
x ax
ax dx C
a
= − +


Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Gustavo da Silva Pág. 243
5.4. Formulário de Física

5.4.1. Mecânica dos sólidos

r
,
vector de posição da partícula
v
,
velocidade linear da partícula

dr
v
dt
=
,
,

a
,
aceleração da partícula

2
2
dv d r
a
dt dt
= =
, ,
,

Movimento circular:
ω
,
velocidade angular da partícula
v r ω = ×
, , ,


2
a r ω =
2ª lei de Newton

dv
F ma m
dt
= =
,
,
,

Momento linear p mv =
, ,

Teorema do momento linear (lei de Newton)

dp
F
dt
=
,
,

Momento angular r mv = ×
,
, ,
/
I momento de inércia
Momento de inércia de uma partícula de mas-
sa m que descrever um movimento circular
uniforme de raio R:

2
I mR =

Momento angular de um corpo rígido que
roda com velocidade angular ω
,
em relação
ao seu eixo de simetria:

Iω =
,
,
/

Momento de uma força em relação a um pon-
to: M r F = ×
, ,
,

Teorema do momento angular

d
M
dt
=
,
,
/

Energia cinética:
2
1
2
c
E mv =
Energia potencial:
p
E mgh =
Trabalho exercido por uma força: . W F r =
,
,

Lei da atracção universal:
1 2
2
m m
F G
r
=
Lei de Hooke: Y σ ε =
(σ tensão mecânica, ε deformação relativa,
Y módulo de elasticidade de Young)

5.4.2. Mecânica dos fluidos
Pressão exercida num ponto:
F
p
S
=
Lei fundamental da hidrostática:
p g h ρ Δ = Δ
Teorema de Arquimedes
f i
I gV ρ =
(I impulsão,
f
ρ massa volúmica do fluido, V
i

volume imerso do corpo)
Caudal: q VS = (V velocidade, S área)
Número de Reynolds: /
e
R VDγ μ =
(V velocidade, D diâmetro da tubagem, γ
peso volúmico, μ viscosidade do fluido)
Equação de Bernouilli para fluidos ideais
2
2
te
V p
z C
g γ
+ + =
(V velocidade, g aceleração da gravidade, p
pressão, γ peso volúmico, z cota geométrica)

5.4.3. Electrotecnia
Lei de Coulomb:
1 2
2 e
q q
F k
r
=
Campo eléctrico:
0
/ E F q =
, ,
(volt/metro)
Densidade volumétrica de carga eléctrica:
/ q V ρ = (carga por unidade de volume)
Densidade superficial de carga eléctrica:
/ q S σ = (carga por unidade de área)
Potencial num ponto: .
P
P
U E ds

= −

,
,

Diferença de potencial entre A e B:
.
B
AB
A
U E ds = −

,
,

Se o campo for uniforme na direcção de s

AB AB
V Ed =
Capacidade (definição):
q
C
U
=

Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Pág. 244 Gustavo da Silva


Capacidade de um condensador plano:

A
C
d
ε =
Corrente eléctrica:
( )
( )
dQ t
I t
dt
=
Densidade de corrente:
I
J
A
=
Lei de ohm: J E σ = Æ U = R I
Resistência eléctrica de um condutor
R
S
ρ =
/

Potência dissipada numa resistência (lei de
Joule)
2 2
/ P RI U R = =
Associação de resistências
em série:
1
N
i
i
R R
=
=

em paralelo:
1
1 1
N
i i
R R
=
=


Associação de bobinas
em série:
1
N
i
i
L L
=
=

em paralelo:
1
1 1
N
i i
L L
=
=


Associação de condensadores
em série:
1
1 1
N
i i
C C
=
=

em paralelo:
1
N
i
i
C C
=
=


Leis de Kirchoff
nós:
1
0
n
k
k
i
=
=

malhas:
1
0
m
k
k
u
=
=


Força magnética sobre carga em movimento:

B
F qv B = ×
, ,
,

Força magnética entre condutores paralelos:

0 1 2
2
F I I
d
μ
π
=
/

(F força, / comprimento,
0
μ permeabilidade
magnética do meio, I
1
e I
2
correntes nos con-
dutores 1 e 2, d distância entre condutores)
Força electromotriz induzida por variação de
fluxo:
d
e
dt
φ
= −
Reactância de uma bobina:
L
X L ω =
(ω=2πf frequência angular, f frequência,
L coeficiente de auto-indução)
Reactância de um condensador:
1
C
X
C ω
=
(C capacidade do condensador)
Impedância do circuito RLC série:

1
Z R j L
j C
ω
ω
= + +
,

Potência aparente:
ef ef
Q V I =
Potência activa: cos
ef ef
P V I ϕ =
Potência reactiva: sen
ef ef
S V I ϕ =
(ϕ desfasagem entre a tensão e a corrente)
Transformador ideal (ligação magnética per-
feita e semperdas):
1 2
1 2
u u
N N
=
1 1 2 2
0 N i N i + =
(u tensão, i corrente, N nº de espiras,
1 primário, 2 secundário)
Linha de transmissão sem perdas (L coefici-
ente de auto-indução/m, C capacidade/m,
R
L
resistência de carga no final da linha)
Impedância característica:
L
Z
C
=
Factor de reflexão:
L
L
R Z
p
R Z

=
+

Velocidade de propagação:
1
v
LC
= Circui-
tos trifásicos
Tensão composta:
12 1 1
3 1, 732 U U U = =
(U
1
tensão simples, ou por fase)
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas


Gustavo da Silva Pág. 245
5.5. Tabela periódica de elementos
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18
1
H
1.0079
2
He
4.0026
3
Li
6.941
4
Be
9.012


26
Fe
55.845

5
B
10.811
6
C
12.0107
7
N
14.0067
8
O
15.9994
9
F
18.9984
10
Ne
20.1797
11
Na
22.9898
12
Mg
24.3050
13
Al
26.9815
14
Si
28.0855
15
P
30.9738
16
S
32.065
17
Cl
35.453
18
Ar
39.948
19
K
39.0983
20
Ca
40.078
21
Sc
44.9559
22
Ti
47.867
23
V
50.9415
24
Cr
51.9961
25
Mn
54.9380
26
Fe
55.845
27
Co
58.9332
28
Ni
58.6934
29
Cu
63.546
30
Zn
65.409
31
Ga
69.723
32
Ge
72.64
33
As
74.9216
34
Se
78.96
35
Br
79.904
36
Kr
83.798
37
Rb
85.4678
38
Sr
87.62
39
Y
88.9059
40
Zr
91.224
41
Nb
92.9064
42
Mo
95.94
43
Tc
(98)
44
Ru
101.07
45
Rh
102.906
46
Pd
106.42
47
Ag
107.868
48
Cd
112.411
49
In
114.818
50
Sn
118.710
51
Sb
121.760
52
Te
127.60
53
I
126.904
54
Xe
131.293
55
Cs
132.905
56
Ba
137.327
56-70
Lanta-
nídeos
71
Lu
174.967
72
Hf
178.49
73
Ta
180.948
74
W
183.84
75
Re
186.207
76
Os
190.23
77
Ir
192.217
78
Pt
195.078
79
Au
196.967
80
Hg
200.59
81
Tl
204.384
82
Pb
207.2
83
Bi
208.980
84
Po
(209)
85
At
(210)
86
Rn
(222)
87
Fr
(223)
88
Ra
(226)
89-102
Acti-
nídeos
103
Lr
(257)
104
Rf
(261)
105
Db
(262)
106
Sg
(266)
107
Bh
(264)
108
Hs
(269)
109
Mt
(268)
110
Uun
(271)
111
Uuu
(272)
112
Uub
(285)
114
Uuq
(289)


Para mais detalhes procurar na Internet: “periodic table”
Exemplo:
símbolo
n.º atómico
massa atómica
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Pág. 246 Gustavo da Silva
5.6. Tabela de conversão de unidades

unidade não SI símbolo equivalência no SI grandeza
acre acre = 4046,856 m
2
área, superfície
ångström Å = 10
-10
m comprimento
ano a = 31 556 952 s tempo
ano-luz a.l. = 9,460 528 × 10
15
m comprimento
are a = 100 m
2
área, superfície
atmosfera atm = 101 325 Pa pressão
atmosfera-litro atm-l = 101,325 J energia
bar bar = 10
5
Pa pressão
barn B = 10
-28
m
2
área, superfície
barril (US) US-bl = 158,987 dm
3
volume
bohr A
0
= 5,291 77 ×10
-11
m comprimento
British Thermal Unit BTU = 1055,06 J energia
caloria a 15
o
C calT = 4,1855 J energia
caloria internacional calIT = 4,1868 J energia
caloria termoquímica calth = 4,184 J energia
cavalo hp =745,7 W potência
centipoise cP = mPa.s viscosidade dinâm.
dalton (= u. massa atómica) Da, u.m.a. = 1,660 540 × 10
-27
kg massa
dia D = 86 400 s (por convenção) tempo
dine dina = 10
-5
N força
electrão-volt eV = 1,602 18 × 10
-19
J energia
erg erg = 10
-7
J energia
galão (UK) B-gal = 4,546 09 dm
3
volume
galão (US) US-gal = 3,78541 dm
3
volume
galileu Gal = 10
-2
m.s
-2
aceleração
gamma Γ = 1 dalton massa
grão gr = 64,798 91 mg massa
grau angular º = 0,017 453 292 radiano ângulo plano
grau Celsius
o
C = T (K) - 273.15 temperatura
grau Fahrenheit
o
F = 1.8 T (
o
C) + 32 temperatura
grau Rankine
o
R = (5/9) K temperatura
hartee E
h
= 4,359 75 × 10
-18
J energia
hectare ha = 10
4
m
2
área, superfície
hora h = 3 600 s tempo
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Gustavo da Silva Pág. 247
jarda jd = 3 pés = 0.9144 m comprimento
lambda Λ = μl = 10
-6
dm
3
volume
libra Lb = 0,453 592 37 kg massa
libra por polegada quadrada psi = 6,894 757 × 10
3
Pa pressão
litro l, L = dm
3
= 10
-3
m
3
volume
mês h = 30 dias (por convenção) tempo
metro cúbico m
3
= 1 m
3
volume
mícron μ = μm = 10
-6
m comprimento
milha mi = 1760 jd = 1609,344 m comprimento
milha náutica m.n. = 6076,1 pés = 1852 m comprimento
milha terrestre m.g. = 6087,15 pés = 1855 m comprimento
milímetro de mercúrio mmHg = 1 torr pressão
minuto min = 60 s tempo
minuto angular ' = 1/60 grau angular ângulo
onça (avoirdupois) oz = 28,3495 g massa
onça (troy) oz = 31,1035 g massa
parsec pc = 3,085 68 × 10
16
m comprimento
pé pé(') = 12 pol = 0,3048 m comprimento
poise P = 10
-1
Pa.s viscosidade dinâm.
polegada (US) pol(") = 2,54 × 10
-2
m comprimento
quilograma kg = 1 kg massa
quilograma-força kgf = 9,806 65 N força
rydberg Ry = 2,179 87 × 10
-18
J energia
segundo angular '' = 1/3600 grau angular ângulo
segundo-luz s.l. = 299 792 458 m comprimento
semana h = 7 dias tempo
stokes St = 10
-4
m
2
.s
-1
viscosidade cinem.
svedberg Sv = 10
-13
s tempo
tonelada métrica t = 10
3
kg massa
torricceli Torr = 133,322 Pa pressão
u. a. de força u.a.f. = 8,238 73 × 10
-8
N força
u. a. de tempo u.a.t. = 2,418 88 × 10
-17
s tempo
u. padrão para queda livre g
n
= 9,806 65 m.s
-2
aceleração
unidade astronómica UA = 1,496 00 × 10
11
m comprimento
unidade x X = 1,002 × 10
-13
m comprimento

Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Pág. 248 Gustavo da Silva
5.7. Características de alguns materiais

Material Ponto de
Fusão
Ponto de
Ebulição
Condutiv-
térmica
Calor espe-
cífico
Coeficiente
Dilat. linear
Módulo de
elasticidade
Densidade Resistividade
(a 20 ºC)
Coef. temp.
resistividade
(ºC) (ºC) cal.g
-1
.ºC
-1
×10
6
ºC
-1
×10
10
N.m
-2
×10
8
Ω.m ×10
3
ºC
-1

Alumínio 660,323 2450 0,057 0,219 23,5 7,06 2,70 2,69 4,2
Antimónio 630,5 1440 0,042 0,050 8 a 11 6,48 42 5,1
Cádmio 320,9 765 0,022 0,0557 31 8,64 7,4 4,3
Chumbo 327,4 1740 0,082 0,0310 29,0 11,68 20,6 3,36
Crómio 1875 2682,7 0,165 0,110 6,5 27,90 7,1 12,9 2,14
Cobalto 1492 2900 0,164 0,102 12,5 8,9 6,24 6,04
Cobre 1084,62 2590 0,94 0,0922 17 12,98 8,96 1,673 4,3
Estanho 231,928 2450 0,155 0,054 11,2 4,99 7,30 12,8 4,2
Ferro 1537 3070 0,17 0,109 12,1 21,14 7,87 9,71 6,51
Gálio 29,7646 2250 0,090 18,3 5,91 8,1 a 54,3
(47

Germânio 937 2830 0,14 0,074 5,75 5,32 46×10
6

(48)

Índio 156,5985 2075 0,196 0,058 24,9 7,3 9,0 4,7
Mercúrio -38,8344 357 0,022 0,033 61 13,546 95,8 0,9
Níquel 1453 2730 0,21 0,108 13,3 21,92 8,9 6,844 6,81
Ouro 1064,18 2950 0,70 0,031 14,1 19,3 2,3 3,9
Platina 1769 4240 0,17 0,0321 9,0 21,45 10,6 3,92
Prata 961,78 2210 1,00 0,054 19,1 8,27 10,5 1,6 4,1
Ródio 1960 4500 0,2 0,060 8,5 12,4 4,7 4,57
Silício 1412 2600 0,2 0,174 7,6 2,34 23×10
10

(2)

Tântalo 2980 5430 0,130 0,034 6,5 18,75 16,6 13,5 3,8
Titânio 1670 3260 0,041 0,126 12,02 4,5 55 4,1
Tungsténio 3380 5900 0,394 0,033 8,9 41,10 19,3 5,5 4,6
Vanádio 1860 3350 0,07 0,119 12,76 6,1 26 3,4
Zinco 419,527 907 0,265 0,094 8,3 10,45 7,14 5,92 4,2

47
Consoamte o eixo cristalográfico.
48
Cristal intrínseco (sem impurezas).
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Gustavo da Silva Pág. 249

5.8. Escrita dos números e Unidades
5.8.1. Algarismos significativos
Ao escreverem-se números, quer estes sejam provenientes de medidas ou sejam resultados de
cálculos, utilizam-se algarismos. Um dos pontos importantes nesta escrita é a de se saber com
quantos algarismos é que se deve escrever um determinado número. A resposta a esta questão é
simples: o número de algarismos depende da exactidão com que se quer representar a grandeza
que o número indica. Assim, ao representar o nível de um tanque por 5,73 m está a indicar-se
que a precisão da medida é melhor que 0,01 m, ou seja, o nível estará compreendido entre 5,725
m e 5,735 m. Se se indicar o mesmo nível pelo número 5,7 m está-se a representá-lo com menor
precisão, um valor compreendido entre 5,65 m e 5,75m. Quando se pretender indicar que este
nível é apresentado com uma precisão de 0,001 m deve escrever-se 5,730 m. É aqui que aparece
o conceito de algarismo significativo, que não deve ser confundido com o de casa decimal.
A tabela seguinte é suficiente para esclarecer o que acaba de se expor.


Exemplo

Número para o
exemplo
nº de algarismos
significativos
nº de casas
decimais
exactidão
1 3,68 3 2 0,01 (±0,005)
2 129,7 4 1 0,1 (±0,05)
3 0,237 3 3 0,001 (±0,0005)
4 0,0237 3 4 0,0001 (±0,000 05)
5 0,023700 5 6 0,000 001 (±0,000 000 5)
6 78300 3, 4 ou 5 0 100, 10 ou 1 (±50, ±5 ou ±0,5)

No caso do nº do exemplo 6, se for relevante para a aplicação em causa, deverá indicar-se qual o
número de algarismos significativos. Note-se que de uma forma geral os zeros à esquerda de
outros algarismos não são significativos. Os zeros à direita de outros algarismos são significati-
vos se estiverem incluídos nas casas decimais, podendo sê-lo ou não noutros casos, como no do
exemplo 6.
Convém aqui alertar para um facto que pode originar erros muito grandes: aquele em que se
efectua o quociente de um número pela diferença de dois números da mesma ordem de grandeza
e com o mesmo número de algarismos significativos. Seja o exemplo em que se subtrai 4,384 de
4,391. Qualquer dos números tem 4 algarismos significativos. No entanto a sua diferença, que é
0,007 , tem apenas 1 algarismo significativo. Se se tivesse arredondado qualquer dos números
para 3 algarismos significativos (4,384Æ4,38 e 4,391Æ4,39) a diferença seria 0,01. Se dividir
por exemplo 1 por 0,007 obtém-se 142,9 , enquanto que se se dividir o mesmo número 1 por
0,01 obtém-se 100,0. Valores substancialmente diferentes!
Em face do exposto recomenda-se que ao efectuar cálculos se utilizem os números com o maior
número possível (e prático) de algarismos significativos, deixando para a apresentação dos
resultados o número de algarismos significativos adequado.
Os números provenientes de contagens de objectos (números naturais ou inteiros positivos) têm
uma precisão muito grande, ou melhor, infinita. O número de algarismos significativos a utilizar
dependerá da situação em que se está. Por exemplo, o número natural 27 poderá escrever-se
com 3, 9, … algarismos significativos, consoante a aplicação em que será inserido.
Ao efectuar multiplicações e divisões de números em que cada um deles tem um determinado
número de algarismos significativos, o resultado não pode ter mais algarismos significativos do
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Pág. 250 Gustavo da Silva
que o que tem o menor número. Ao efectuar adições e subtracções de números o resultado não
pode ter mais algarismos significativos depois da vírgula decimal do que o que tem o menor
número de algarismos significativos.
Muitos países utilizam o ponto para indicar a posição da casa decimal de um número pelo que
há que ter este facto em atenção.
Na escrita dos números, e para facilitar a leitura, os algarismos podem agrupar-se em conjuntos
de 3, separados por um espaço. Exceptuam-se os casos em que há apenas 4 casas decimais.
Exemplos:
1000 Æ1 000; 87532Æ87 532; 1538,45117Æ1 538,451 17; 0,1234Æ0,1234 (e não 0,123 4)
5.8.2. Notação científica
A notação científica é uma forma prática de escrever números que contém muitos zeros, à
esquerda ou à direita da vírgula. Para o efeito o número escreve-se sob a forma de um produto
de um número compreendido entre 1 e 10, multiplicado por uma potência de 10. Convém aqui
recordar que 10
2
=10×10=100; 10
3
=1 000; 10
6
=1 000 000 … e que 10
1
=10; 10
0
=1; 10
-1
=0,1;
10
-2
=0,01; 10
-6
=0,000 001; … A tabela seguinte mostra alguns números escritos na forma cientí-
fica

Exemplo nº Número para o
exemplo
Número na forma científica Número de algarismos signifi-
cativos
1 368
3,68×10
2

3
2 129 700 1,297×10
5
1,2970×10
5
1,29700×10
5

4
5
6
3 0,237
2,37×10
-1

3
4 0,023700
2,37×10
-2

3
5 1 789 376 125
1,789 376 125×10
9

10
6 0,000 000 078 3
7,83×10
-8

3

Num número escrito em notação científica o número de algarismos significativos é igual ao
número de algarismos do número que multiplica pela potência de 10.
A notação científica é útil quando se multiplicam ou dividem números. Utilizam-se no cálculo
as regras seguintes:
10 10 10
n m n m +
× = 10 10 10
n m n m −
÷ = (10 ) 10
n m n m ×
=

Assim, por exemplo, (3,68×10
2
)×( 7,83×10
-8
) = 3,68×7,83×10
2-8
= 28,81×10
-6
= 2,881×10
-5

(3,68×10
2
)÷( 7,83×10
-8
) = 3,68÷7,83×10
2-(-8)
= 0,470×10
10
= 4,70×10
9

(3,68×10
2
)
3
= (3,68)
3
×(10
2
)
3
= 49,84×10
6
= 4,984×10
7
.
5.8.3. Arredondamentos
Muitas vezes tem interesse apresentar um número com menos casas decimais do que aquelas
que ele tem. Diz-se então que se faz um arredondamento. Assim, por exemplo, o número
Tópicos de Física – Constantes, Formulários, Tabelas

Gustavo da Silva Pág. 251

315,72 ao ser arredondado para as décimas escreve-se 315,7. O mesmo número se arredondado
para as unidade ficaria em 316. O arredondamento para a casa decimal imediatamente acima
obedece às seguintes regras: Se o algarismo da casa decimal a arredondar for inferior a 5 o
número é truncado; se for superior a 5 a casa anterior sobe uma unidade; se for igual a 5, a casa
anterior arredonda para o número par mais próximo. Dão se a seguir alguns exemplos.

Exemplo nº Número para o exemplo
Arredondamento
de uma casa decimal
Arredondamento
de duas casas decimais
1 18,644 18,64 18,6
2 18,646 18,65 18,6
3 23,75 23,8 24
4 23,85 23,8 24
5 0,0237 0,024 0,02
6 237 128 237 130 237 100


O arredondamento para duas casas decimais acima obedece às seguintes regras: Se os
algarismos das casas decimais a arredondar formarem um número inferior a 50 o número é
truncado, isto é, faz-se por defeito; se for superior a 50 o arredondamento faz-se por excesso; se
for igual a 50, o número é arredondado para o número par mais próximo.
Exemplos (para além dos anteriores): 18,6450 Æ 18,64; 18,6750 Æ 18,68.
De modo semelhante se fazem os arredondamentos de mais do que duas casas decimais.





Gustavo da Silva Pág. 252




BIBLIOGRAFIA



[1] Physics for Scientists and Engineers, with Modern Physics, 5th edition
Raymond A. Serway, Robert J.
Beichner / Saunders College Publishing – 2000

[2] Physics For Scientists and Engineers, with Modern Physics
Douglas C. Giancoli
Prentice Hall – 2000

[3] Physics, with Modern Physics
R. Wolfan, J. M. Sasachaf
Adison Wesley – 1999

[4] Introdução à Física
Jorge Dias de Deus e
Mc Graw Hill – 2000

[5] Fundamentos de Física – Ótica e Fisica Moderna
Halliday, Resnick, Walker
Livros Técnicos e Científicos – 1993

[6] O Princípio da Relatividade
H. A. Lorenz, A. Einstein, H. Minkowsky
(Tradução do original alemão pelo Prof. Manuel dos Reis)
Fundação Calouste Gulbenkian – 1971

[7] Introdução à Teoria da Relatividade Restrita
João M. Resina
IST Press – 1998

FICHA TÉCNICA

Título “Tópicos de Física – Edição Electrónica” Copyright © 2008 do autor

Autor Gustavo Vitorino Monteiro da Silva Engenheiro Electrotécnico Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores e-mail: gustavo.silva@fxs.pt Foto do autor: Luís Silva, FXS

Capa FXS, Gestão de Marketing, Lda. Rua Prof. Mark Athias, 4, 3º Frente 1600-646 LISBOA – PORTUGAL Tel: 210 185 159 Fax: 217 599 327 www.fxs.pt e-mail: info@fxs.pt

ISBN: 978-972-99862-5-3 Lisboa, 2 de Abril de 2008

ao meu neto Henrique

PREFÁCIO
Este pequeno livro surge na sequência de dar a conhecer o trabalho realizado com a leccionação da disciplina de Complementos de Física, da antiga licenciatura bi-etápica em Automação Controlo e Instrumentação (ACI) da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal do Instituto Politécnico de Setúbal. Das obras já desenvolvidas são de realçar, para além das publicações de carácter pedagógico, efectuadas no âmbito das disciplinas leccionadas, os livros de Instrumentação Industrial 1ª edição (1999), Processamento Digital de Sinais (2000), Controlo Não Linear (2003) e Instrumentação Industrial 2ª edição (2004). Este trabalho não constitui de modo algum um tratado sobre Física, pois não abarca alguns assuntos fundamentais que uma obra desse tipo deveria conter, como por exemplo Termodinâmica, Óptica e outros. Constitui sim um pequeno conjunto de tópicos que foram leccionados durante alguns anos numa determinada disciplina que fazia parte do elenco curricular do curso de ACI. Em cada capítulo são apresentados alguns problemas de aplicação que pretendem estimular o aluno, ou o leitor, a repensar na teoria exposta e a consolidar a sua compreensão. Os problemas do último capítulo foram resolvidos utilizando o Matlab, que é de entre os programas de cálculo científico que conheço aquele apresenta uma grande versatilidade e elevado potencial, ao mesmo tempo que é extremamente fácil de utilizar.

O Autor

CONTEÚDO
Pág.
1. MECÂNICA CLÁSSICA ...................................................................................................................... 1 1.1. CINEMÁTICA ...................................................................................................................................... 1 1.2. MOVIMENTO NUM PLANO .................................................................................................................. 4 1.2.1. Coordenadas polares ................................................................................................................ 4 1.2.2. Coordenadas normais ............................................................................................................... 5 1.2.3. Movimento circular ................................................................................................................... 5 1.2.4. Movimento circular uniforme ................................................................................................... 6 1.3. DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA MATERIAL ........................................................................................ 6 1.4. MOVIMENTOS RELATIVOS ................................................................................................................. 7 1.4.1. Posição da partícula ................................................................................................................. 8 1.4.2. Velocidade da partícula ............................................................................................................ 8 1.4.3. Aceleração da partícula ............................................................................................................ 9 1.4.4. A 2ª lei de Newton ................................................................................................................... 10 1.4.5. Relatividade de Galileu ........................................................................................................... 10 1.4.6. Transformação de Galileu ...................................................................................................... 10 1.5. TRABALHO E ENERGIA..................................................................................................................... 11 1.5.1. Trabalho.................................................................................................................................. 11 1.5.2. Energia cinética ...................................................................................................................... 12 1.5.3. Impulso de uma força.............................................................................................................. 12 1.5.4. Campo gravítico...................................................................................................................... 12 1.5.5. Potencial e energia potencial ................................................................................................. 13 1.5.6. Conservação da energia ......................................................................................................... 14 1.5.7. Atracção universal .................................................................................................................. 14 1.5.8. Movimentos com atrito............................................................................................................ 15 1.5.9. Momento angular de uma partícula material ......................................................................... 16 1.6. DINÂMICA DOS SISTEMAS ................................................................................................................ 19 1.6.1. Movimento do centro de inércia ............................................................................................. 19 1.6.2. Teorema do momento linear ................................................................................................... 20 1.6.3. Colisões entre partículas e explosões ..................................................................................... 21 1.6.4. Teorema do momento angular ................................................................................................ 22 1.6.5. Energia de rotação ................................................................................................................. 23 1.7. APÊNDICE ........................................................................................................................................ 24 1.8. PROBLEMAS RESOLVIDOS ................................................................................................................ 25 1.8.1. Probl. 1. 1 – Movimento rectilíneo ......................................................................................... 25 1.8.2. Probl. 1. 2 – Movimento circular ............................................................................................ 27 1.8.3. Probl. 1. 3 – Movimentos relativos ......................................................................................... 29 1.8.4. Probl. 1. 4 – Movimentos relativos ......................................................................................... 30 1.8.5. Probl. 1. 5 – Movimento de um projéctil ................................................................................ 31 1.8.6. Probl. 1. 6 - Queda de um grave ............................................................................................. 32 1.8.7. Probl. 1. 7 – Movimento de um projéctil ................................................................................ 34 1.8.8. Probl. 1. 8 - Movimento de um projéctil ................................................................................. 35 1.8.9. Probl. 1. 9 – Energia cinética e potencial .............................................................................. 37 1.8.10. Probl. 1. 10 – Movimento circular uniforme ........................................................................ 38 1.8.11. Probl. 1. 11 – Movimento circular uniforme ........................................................................ 39 1.8.12. Probl. 1. 12 – Movimento circular uniforme ........................................................................ 40 1.8.13. Probl. 1. 13 – Movimentos relativos ..................................................................................... 41

i

...................................................................... AS EQUAÇÕES DE MAXWELL ............ 1.17............................................... 76 2..................................................5.... 48 1..... 77 2............................ Carga eléctrica ...................2.5.....6... 55 1........................ 1.............8.................. 70 2.................................................. Energia potencial .. Densidade de carga ................. 83 2...........6.......................................... Circulação de um vector ...18.............................. A lei de Biot-Savart ................. 51 1............. 61 2........................... 60 2...................................1.......................... 68 2........................................ 69 2.... 27 – Conservação do momento angular .20.....5.................................. 79 2....... 65 2..4....................... 18 . Probl.............................4. Probl.................3......................................... Força magnética entre dois condutores paralelos ........................................ CONDUTORES E CORRENTE ELÉCTRICA ..................8........................................ O efeito de Hall ................... 14 – Mov..........3...Conservação da energia ... Potencial devido a uma carga ....8.....................................4.................................................................. 1.................. 83 2.. 16 – Força e energia ................5................8..................8............ 82 2.................................................. FLUXO DO CAMPO ELÉCTRICO ...... 69 2.......................................16........................3........... 73 2........... Movimento de uma partícula carregada num campo eléctrico............... Generalização da lei de Ampere .............. Probl................................ 81 2......................... Movimento de uma partícula num campo magnético ..................................................3........................................11. 47 1................... Diferença de potencial . 61 2.......................5..............................................................8..............3.................... Corrente eléctrica ........... 19 .............. 1...................22............... 64 2.......4.1................ Probl.....5...................4........... Circular e energia cinética ...15.......... 78 2.1............................................................................ 1......................... Probl................................... 1............5................................14............5...................... 77 2.....25.............. Probl........... 21 – Mov............... 79 2..........9................3..................2. 56 1................1...........................3.............2... Força exercida sobre a corrente eléctrica ...... 71 2...8......................................................................... 58 1...............8.......................................... 23 – Atrito ......... 73 2..................... 1.................................. Ângulo sólido e lei de Gauss ..........1...............................10.... 80 2.................................. Fluxo do Campo Eléctrico e lei de Gauss ............... 68 2............................................ Probl...2.......................8..................................................................4............................................................................................5.................................... Probl.. Probl............................21... 65 2..........3.........1............................. O magnetismo na matéria ................................................... POTENCIAL ELÉCTRICO E CAPACIDADE .............................5.................. Capacidade e condensadores........ 81 2....... Energia e potência ...............5......3.............. 74 2.... 62 2....... 83 ii ................................................................ 22 – Energia de rotação. 1............. Lei de Ampere ........ 61 2...... A lei da indução.................... ELECTROMAGNETISMO ............................................................................. 77 2... 20 ....................8.......1..7....4..............................8................8. Campo eléctrico .. 78 2.................................. 82 2....................... 1....................1............................................5..... 26 – Conservação do momento linear ...6............ Probl...............................23...... unif.....8............................. 63 2............Conservação do momento linear ...........................6............. Probl.................................................3........2.......... Potencial devido a uma distribuição de cargas ........................24.................... Teorema de Stokes ............................................ 65 2........................ 59 1............... Lei de Gauss do campo magnético...8....................................... 53 1......4....................... Força exercida sobre a carga eléctrica .............................................................................4...................... 1..........................................................................................................................................................................................................2.................................................... 15 – Força e trabalho ...................8............... Lei de Lenz .................1........................ 66 2.......... – Satélites GPS ........................5............ 62 2................................................... 1......................... ELECTROSTÁTICA .....2........................................ CAMPO MAGNÉTICO............................1...... Lei de ohm .................................. de Faraday ................................... Fluxo de um vector. Condutores em equilíbrio electrostático ................................1......... 1.....................2.............................................................................................................. 1..................1... 75 2..................................26........19...............................................5... Leis de Kirchhoff ......4............. 49 1..................... 66 2................1........................................ Probl..................................5... 44 1......................2......2...3........... 54 1..2................................................................................................ Lei de Coulomb() ....2......... 46 1................................................ 69 2....... 24 – Pêndulo balístico...........6.... 17 – Atracção universal ......................... 25 – Movimento de rotação e translação ..... Probl...... 57 1......................... 1.............................................................27....... circ........................................2................................................................................................................................... Probl.................5............... 69 2.....................Conservação da energia .................. Introdução ........................................

........................ As equações de Maxwell na forma integral .............................................. Equações instantâneas ....... Problema 2..... 110 2.......... 88 2............... Descrição e caracterização ............................. 107 2...............................................................................Circuito RLC série . Energia armazenada ..............................................................3.. 85 2....... 83 2......... 18 – Tensões e correntes alternadas .............13.............................. Problema 2................................................... 125 2....... 104 2. 6 – Campo eléctrico de uma carga................................................ 101 2.... 11 – Potencial e diferença de potencial .......1....14................................. 19 ..................................... 9 – Potencial de uma esfera condutora ....................................................... 119 2..10.......... 121 2..................... Circuito RLC série .18..................................... 93 2............................... O sinal sinusoidal .......................................................5...2......10.............................................................11......................... 86 2.... 118 2.....................................................................................9........................................ 115 2...........2................................................................................... Problema 2...10......... 122 2... 115 2............ 123 2..................... 131 2........................ Representação analítica e gráfica .. Problema 2........13.......................16. Problema 2.11.. 127 2.................. 110 2........................................... TRANSFORMADOR ..... 109 2.................3.12......4...............12........................................... 132 2...................................................................1..... 13 – Capacidade de condensadores .............................. 97 2.........1............................................. 16 – Condensador com 2 dieléctricos ..........................10....................................... Problema 2.... 130 2.... Problema 2........................... 103 2..................... 136 2.............................................11..................12....................12............................................8.....19.................................... 7 – Potencial de uma carga ........ FENÓMENOS PERIÓDICOS ..........3................ Equações da linha bifilar ..............8................. Diagramas vectoriais ..... 94 2.............. 5 – Carga sujeita a força eléctrica ...............................................................12..........................................12.......................4...................................................1.. Problema 2..... A série de Fourier .... 113 2..................... 110 2........................... Ligações em estrela e triângulo ...............................10............. Exemplos de fenómenos periódicos ................................7...............................8....6.................................. 15 – Efeito do dieléctrico num condensador ..........................................2.............................. 87 2................. 99 2.............7.......7.6....8..... LINHA DE TRANSMISSÃO .12.............6............. 91 2...........................12.................6.. 84 2.................... 90 2................................ O espectro das ondas electromagnéticas .......................3.... 103 2....................... 103 2...................................1................ 106 2.............................. Problema 2........2.........8........ Problema 2.......12. 1 – Cálculo do número de cargas.........9................... 95 2....5.......................... 3 – Forças e medição da carga eléctrica .............................. PROBLEMAS RESOLVIDOS ..12..... Problema 2..........3....................... 133 2...........9......................................................... 120 2..................... 125 2...................................... 106 2..12..................................2...................................................... 102 2.....................................2............. 2 – Força eléctrica e gravítica .......................................... Tensão e corrente numa resistência ......... CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA ...... 136 iii ..8....2....7........................3....................................................... 8 – Potencial de uma esfera isolante .7................................. Transformador ideal .12.................. Problema 2...... Tensão alternada sinusoidal ................11...............................5........ Factor de reflexão ...15...................... CIRCUITOS TRIFÁSICOS ....................................3........ 14 – Aplicação numérica do problema anterior................................................12....4.......................................................................................1....... 20 – Dipolo ..........................................................................1..5....... Problema 2.........................................................13......12................................... PROBLEMAS PROPOSTOS ................................... Problema 2....................................................... 128 2............. 22 – Descarga de condensador ........................................... 10 – Potencial de 2 esferas concêntricas .....................12.................... 17 – Resistência de um condutor ................... Propagação de impulsos numa linha ................12...10..............................13..................... 134 2.......12........ Problema 2.......... Problema 2... Sistemas trifásicos ...... 136 2.........12. Ondas electromagnéticas ........................... 93 2..................... 87 2......... As equações de Maxwell na forma diferencial............................................................. Problema 2.........13.......................6.. 87 2........................................12...7..........................11.................. Problema 2...... 136 2............... 116 2....12...........................................................................2...................................................................................... Tensão e corrente numa bobina ..............................................3.......8...............................................6................ Problema 2..................... 21 – Cargas .............8................................................. Valores instantâneos . Energia e potência .........4..6..........9....................7....8.12................ Descrição ......... 129 2.................................... 106 2............................4... 112 2...11.. 12 – Campo eléctrico e capacidade entre 2 placas .......................................... Problema 2.................................9.... Tensão e corrente num condensador ... Problema 2.............. O movimento harmónico simples ......7.................................................17................. 4 – Dipolo eléctrico ...................... Problema 2............................................ 115 2...................................................4.......

............ 170 3..................... Problema 2...7 – Composição de velocidades..8.... 176 iv .....10....................................................13... Problema 2............................ 2.....5....................11............................... Simultaneidade de acontecimentos ............................... 3......... Probl. 141 3............................................... 139 2.............3.............21............................................5... Probl............................................14............13........11.........................13...... 3....................5...... 3...... 3......................4............7. 141 3..2......... MOMENTO LINEAR E LEIS DE NEWTON ...............................6 – Composição de velocidades.......................... 35 . Probl........13..........................................................4 – Diagrama espaço-tempo.. 140 2..................11... 136 2............ Problema 2...13...............................2....................... 1 ....... 138 2...... 24 – Associação de resistências ...........13....................................... 138 2..............................11............. 34 – Aplicação da lei de Gauss do campo magnético ................................... 152 3.12..... Problema 2................................................... 137 2................... Dilatação do tempo .. FÍSICA RELATIVISTA ...6.......................................... 148 3..........9. 155 3..........13................ 1...................... Probl.............................6................................................................... 167 3.......................13...........1 – Comprimento próprio ....... 3D .......11............................... Probl.........4.....7.................................................... 39 – Ondas electromagnéticas...........13.... 145 3......... 2 ................... Probl............................. 4 .............................................................8 – Composição de velocidades..............5.. 174 3...............................................m................................ 136 2................. 166 3..13............. Problema 2...........11....4...5............... Probl.... 29 – Força sobre uma espira.......6........................13...........................................17.. 40 – Ondas electromagnéticas...................... 37 – Linha bifilar.......13 – Desintegração de partículas....................13......11....................................................9 – Composição de velocidades.......................11................................................. 163 3................... 36 – F......11 – Momento linear ... numa bobina em movimento em B ........... 145 3........... 140 3................14... ENERGIA ...6............... 165 3.......................11.....................11. INTRODUÇÃO ..............10..11.........................11....... Problema 2........11............................................. Probl..........5....11...... 2 ..........................................8.. 138 2................................................11.................5.......... 2 ..11...........5......... 3.5...5 – Diagrama espaço-tempo... PROBLEMAS RESOLVIDOS ....... Problema 2......................9.............................. 3............. 3............ 38 – Linha bifilar..... Equações de transformação de coordenadas....2 – Tempo próprio ................ 3...............7................................................ 3..........11...........13.........e..... Equações de transformação de velocidade ............................................................... TRANSFORMAÇÕES DE GALILEU ...........11.....1.............10. 23 – Resistência ....... 1 ...........12........................... Problema 2..... 25 – Associação de bobinas ............... 27 – Força electromagnética sobre carga..2....... O TEMPO DE UM REFERENCIAL........13............ 30 – Campo magnético produzido por uma corrente ...................................15..............1....................... 138 2.......................................... 3.......... Probl. 143 3.... 144 3......... 1 ....8................... Problema 2............................... 2D ................. 151 3........... 137 2...........15....... 175 3....................4...................... 160 3............................................ A contracção do espaço .... 173 3...........13. 26 – Associação de condensadores ....... 150 3.. 149 3................ 142 3....................3.. A VELOCIDADE DA LUZ ................... 153 3................ 171 3...........................................................................2..............3 – Tempo e comprimento próprios ................. Problema 2...19....................................... 3............................................................... 32 – Força de uma corrente sobre condutores ....15 – Energia de uma partícula . 144 3.................. TEORIA DA RELATIVIDADE GENERALIZADA ............................................................... 33 – Aplicação da lei de Ampere .16...................... TRANSFORMAÇÕES DE LORENTZ ............. 158 3.................... 3........13......... 31 – Barra em movimento num campo magnético ....14 – Desintegração de partículas..... 138 2....... 176 3.........................................................7............... Problema 2........................... 150 3............. 168 3...... Probl...........6...... Sincronização de relógios ........................................13.. 163 3........ 136 2. 3.... Probl........................ 137 2.................... 3 ...........Transformador ........20............................ 28 – Força electromagnética sobre carga............................ Problema 2...... 140 2......3.............................5.........................13........ Probl...........................5..................................................................................... 172 3................ Probl..............13...... Problema 2................................................ ELECTROMAGNETISMO E RELATIVIDADE .. Problema 2............ Problema 2..............9............................ Problema 2........................................................................................ 3................................2.................13... OS POSTULADOS DE TEORIA DA RELATIVIDADE RESTRITA ... Problema 2.............12 – Ec clássica / Ec relativista .............. 139 2....................18.............. 3...10 – Simultaneidade . 168 3............. O efeito de Döppler ........ Problema 2.............................................. 1 . 164 3.............. 137 2.... Probl......................... 137 2................................................ 2 .................................1.......... 148 3. 146 3.............6......... O paradoxo dos gémeos ................. Probl... O diagrama espaço-tempo ..1......................................

. 191 4.............................11..28......................................11....... 4.. 183 3................... 187 3........................................1..................................................11.... 233 4................. 226 4..........14 ................................... 215 4.............20............................................... 3.......11........................................................................................................................11.. Probl..... 220 4...1...................2..11................................8....................................... 217 4....25..... ESPECTROS DOS GASES ... Probl..............24 – Força e aceleração .............17 – Conversão massa-energia..... 201 4.....................11...............7.....................1................................................2 ................. 4........ 4......................... 221 4............. 230 4.. 218 4.........6....................11.......23...............8........ 224 4............................... RADIAÇÃO DO CORPO NEGRO ............13.......................... 4..................20...... Probl............11... 207 4.................. Probl......................13 ........................... Probl...........11.....11. 190 4........................11........................................16......................................... Corpo negro ....22 – Massa-energia e momento linear ................10 ..................... 208 4. 4........... 4.................. EQUAÇÃO DE SCHRÖDINGER ..... 4..............18............... Probl....11..........................................................7........... 178 3......1..5.. 234 v ... 233 4.................................... 4.......................26.............. FUNÇÃO DE ONDA ........................9.............. Probl..................11......... Probl...................................17...............16 – Energia e velocidade de electrões................................11...................................................................11.................................... 3.............15 ............................................................. 188 4. 4...............10....... Probl..................................................... PRINCÍPIOS DA MECÂNICA QUÂNTICA ............................................................. 231 4................... Probl.............. 195 4................. 206 4.....................6 ..11............. 3........ 3....12 ............................. Probl........................ Probl......1... 222 4.....................................................................3......... 191 4.........3. Probl........17 ....................11...............11......... EFEITO FOTOELÉCTRICO ........ 180 3.................. 4........................... Probl............ 4................... 197 4......................18 ......................23 ...................20 – Velocidade e massa-energia ...................................................................................................................................................................................... Probl..............20 ..... 177 3. 179 3....5 .........................11..15.........11. PROBLEMAS RESOLVIDOS ...........27............................28 – Equivalência entre E e B ............................... Probl.........................25 – Efeito de Döppler.................................................19 – Energia cinética e tempo próprio .....................2.. Probl................................................................................................................ Probl....1........................................................................ 4... Probl............. Probl.......21 ............... 189 4......... 3.. PRINCÍPIO DA INCERTEZA ... INTRODUÇÃO À FÍSICA QUÂNTICA .....................................11.................................................................................11.......................... 4.........7 ........ Probl......... 3....................................................................................11............. 1 ...............24............................10.. 211 4...............................................11.............1.... Probl......... Probl...........................................................................14. 193 4.......26 – Efeito de Döppler..21............................................... 177 3......................... 4......9 ....................................... Probl.......................2..............................................................................23........ 182 3.....................11..................1........................... 2 ...11 .......... 4............. 3........ 3.. 231 4..........................16 ....5................................................ 1 ................. Lei do deslocamento de Wien...3..........................11.............................................22 ..............................11..........................................11................ 4....17......19..... 3..... Probl.23 – Energia e comprimento .......................................................................................... 227 4.........11..............................................................................................11.............................27 – Raio gravitacional.......................................19..... Probl.................................. 225 4...........12........ Lei de radiação de Planck .11..19 ......24................... Probl............. 189 4................................11........ 3................. 228 4................................................... 4............................. 180 3.......8 ...... 229 4..................... 186 3................... 225 4. Probl..... Probl................................... Probl..................................4.............................. 4.................................... ONDAS DE MATÉRIA ......................11....... EFEITO DE COMPTON .............................................3....18 – Conversão massa-energia....................... 217 4......... 224 4....................................... 4.................................. 232 4......................................... Lei de Stefan.... Probl........................................................ 181 3.................................................21 – Conversão massa-energia ........................... 4.............. O ÁTOMO DE HIDROGÉNIO ....................4.24 ..................................................................................3 .......16.............. 223 4...............................11............................ 4.................... 3.............................. 4.................22.......... 3.....................9..............11....... 230 4.......... 2 ..... 4.......6..................22....................5... Probl................................ Lei Rayleigh-Jeans ........... 185 3.... 218 4............................................. 228 4......21...........11................18........................ Probl.................... Probl.......................11............... Probl............................................................................... 191 4................... Probl.......................................................... 3.....4......... 189 4.....................1 ............................ 4............4 .......................................................... Probl......11....................

................................ 243 5........................................ 240 5........................ Probl......................................... 241 5........................3..........................................6................... 240 5.......................................................................1.............................25 ........1. Mecânica dos sólidos ....................... Logaritmos e exponenciais.... 249 5........... TABELA DE CONVERSÃO DE UNIDADES ............................ 243 5...................... 245 5............................................ Algarismos significativos . 249 5...... CONSTANTES FUNDAMENTAIS DA FÍSICA.................................................... Álgebra elementar ....................................................26 ........3.......................................................................................4............ 234 4. 237 5.....7............................... 241 5................................................. ESCRITA DOS NÚMEROS E UNIDADES ........................................................................................................ 235 4.............................................................................3.................................... 240 5................................2...8........ Electrotecnia .................... CONSTANTES MATEMÁTICAS ................4.....8.................4.................................2...................................... FORMULÁRIOS E TABELAS.........................................................................6..7........... 4........ FORMULÁRIO DE MATEMÁTICA ............... Notação científica . 239 5.... 236 4..................................................................................3................. 250 5..... Geometria .............................................. Derivadas . Probl..........3........................................ 4..........................3.........................................................................................................11................. Mecânica dos fluidos .. 4.......11..................................................................28 ...... Integrais indefinidos ....... CARACTERÍSTICAS DE ALGUNS MATERIAIS ........................................................................ 239 5................. 239 5.............. 240 5........5..........8... 243 5....... 4......................27............................................2............................. Probl.......28................................................8............................3............3........................................................................... 250 vi .... 241 5.......................................................................................... Arredondamentos . Trigonometria ............................. TABELA PERIÓDICA DE ELEMENTOS ..................26........11............... FORMULÁRIO DE FÍSICA ................................................................................................................... 248 5..............................4.......... 246 5...........................................................2.........................................................1....................................... 243 5................ 240 5. CONSTANTES...............................................1.............8....................................3........... Probl.....................................11.....5..4.............................................................25.......27 .... Limites................................................. 242 5......................3..................................4........................................3.............. Séries................3..............................

O sistema de coordenadas pode ser qualquer: cartesiano. formar um triedro directo ou não. A Mecânica Clássica restringe-se a corpos com velocidades significativamente inferiores à velocidade da luz no vazio e a corpos cujas dimensões são bastante superiores às dos átomos constituintes da matéria. polar. a Dinâmica e a Estática. A Cinemática trata do estudo do movimento. O espaço de um referencial é tridimensional. cilíndrico. Na Mecânica Clássica o tempo é o mesmo em todos os referenciais. etc. Referencial é um sistema de eixos coordenados associados a um corpo rígido. Cinemática Para descrever o movimento de um corpo utiliza-se um referencial. ilimitada. Em determinadas aplicações poderão usar-se apenas espaços a duas e até mesmo uma dimensão. Um acontecimento ocorre no espaço e no tempo de um referencial. Ao estudar o movimento de um corpo sólido. com um determinado início ( t ∈ℜ+ ).1. e as forças a eles associadas.1. marcados por um cronómetro. MECÂNICA CLÁSSICA Dá-se o nome de Mecânica ao ramo da Física onde se estudam os movimentos dos corpos. . Uma partícula material é localizada num referencial pelas suas coordenadas de espaço e pela coordenada de tempo. por vezes associa-se este a uma partícula material. Tempo do referencial é a sucessão de instantes. no sentido geométrico. Partícula material é um corpo sólido de dimensões desprezáveis (em relação ao espaço em que se está a estudar o movimento). Na Dinâmica procura relacionar-se o movimento com as forças que o originaram ou que ele origina. No estudo dos movimentos é importante conhecer os intervalos de tempo durante os quais os mesmos decorrem. Os eixos podem ser ortogonais ou não. É habitual considerar-se a Mecânica Clássica dividida em três áreas: A Cinemática. Na Estática estuda-se o equilíbrio de forças de modo a que não haja movimento. Espaço do referencial é o conjunto de pontos rigidamente ligados ao referencial. 1. Admite-se o tempo do referencial como sendo contínuo. sem atender às causas que o originaram.

Indica-se a seguir um sistema muito usado. y . 1. 1. 1.2) r ( t ) = x (t )i + y ( t ) j + z ( t ) k z referencial P dr r r+dr trajectória . 1.1) (1.1) obtém-se por eliminação do tempo t nas equações anteriores: F ( x. z r . pode estar a muitos outros.2 – Posição de uma partícula em coordenadas polares Pág.4) Um referencial não tem que estar associado a coordenadas cartesianas ortogonais com um triedro directo. para uma cula material tem-se a posição da partícula (Fig. t ) Mas P(t ) = O + r (t ) e r = P − O .3) A trajectória (Fig.Tópicos de Física – Mecânica Clássica Seja o referencial S associado a um sistema de coordenadas cartesianas. S k i O j y corpo sólido do referencial x Fig. 2 Gustavo da Silva . o de coordenadas polares.1) P = P( x. donde (1.1 – Referencial e posição de uma partícula material As equações paramétricas do ponto material em movimento são dadas pelas equações ⎧ x = x(t ) ⎪ ⎨ y = y (t ) ⎪ z = z (t ) ⎩ (1. z.P θ O x ϕ y Fig. y . z ) = 0 (1.

8) v (t ) = v x (t ) i + v y (t ) j + v z (t )k ds .Tópicos de Física – Mecânica Clássica Ao localizar um ponto material em coordenadas polares utilizam-se habitualmente as letras r. Velocidade da partícula (1) é. dt Trajectória – é o conjunto das sucessivas posições da partícula. 1.2. Tem-se v = A equação da trajectória muda quando se muda de referencial. A sua velocidade é nula. A velocidade é. As transformações de coordenadas são ⎧ x = r sen θ cos ϕ ⎪ ⎨ y = r sen θ sen ϕ ⎪ z = r cos θ ⎩ (1. a= dv d 2 P d 2 r = 2 = 2 dt dt dt (1. Partícula em repouso: P é fixo no referencial (r é constante). ϕ e θ. por definição. num referencial cartesiano. como se indica na Fig.10) ou a( t ) = d 2 x (t ) d 2 y (t ) d 2 z (t ) j+ k i+ dt 2 dt 2 dt 2 1 Em inglês chama-se “velocity”. tangente à trajectória. ±180º E/W) e a altitude (0 pés significa que um avião está no solo). com r = raio da Terra + altitude. é por definição. ϕ = longitude e θ = 90º. Partícula em movimento – P varia com o decorrer do tempo. Celeridade é o módulo da velocidade. Admite-se que a variação decorre de forma contínua.latitude). 90º Pólo Norte). 3 Gustavo da Silva .5) e suas inversas. Aceleração da partícula.6) dx (t ) dy (t ) dz (t ) j+ k i+ dt dt dt (1. em que s representa a trajectória. A partícula poderá estar em repouso num determinado referencial e não o estar num outro referencial. Para ver como varia a velocidade de uma partícula material introduz-se o conceito de aceleração. a longitude (0º meridiano de Greenwich.7) (1. em cada instante.9) (1. a variação temporal da posição da partícula: v(t ) = Logo. v (t ) = dP dr = dt dt (1. Para localizar um objecto em relação ao nosso planeta é usual usar-se a latitude (0º Equador. É um caso particular do sistema de coordenadas polares. Para se saber como é que a posição de uma partícula varia com o decorrer do tempo introduz-se o conceito de velocidade. designando-se por “speed” o seu módulo Pág.

1. com o sentido de θ1 e grandeza dθ : dr1 = dθ θ1 Logo: v= (1.14) Pág. θ1 perpendicular a r1. Movimento num plano 1. 1. θ1 (ambos com as dimensões de um comprimento). y dθ1 dr1 θ1 r1 P trajectória x r dθ θ O Fig.11) (1. Vectores unitários: r1 . 4 Gustavo da Silva .3 – Movimento num plano – coordenadas polares Velocidade: v = dr dr dr = r1 + r 1 dt dt dt dr dθ r1 + r θ1 dt dt dr1 é normal a r1.13) dv d 2 r dr dr1 dr dθ d 2θ dθ dθ1 Aceleração: a = = 2 r1 + + θ1 + r 2 θ1 + r dt dt dt dt dt dt dt dt dt Mas dθ1 = −dθ r1 .12) a(t ) = ax (t )i + ax (t ) j + ax (t )k 1. sentido directo) r = r r1 (r é o módulo de r). Logo.2. Posição: coordenadas r e θ.2. (r1 com a direcção e o sentido de r. Coordenadas polares Para a partícula material em movimento é P(t).Tópicos de Física – Mecânica Clássica ou ainda a (t ) = dv y (t ) dvx (t ) dv (t ) i+ j+ z k dt dt dt (1. 2 ⎡ d 2r ⎡ dr dθ d 2θ ⎤ ⎛ dθ ⎞ ⎤ a = ⎢ 2 − r⎜ + r 2 ⎥ θ1 ⎟ ⎥ r1 + ⎢ 2 dt ⎦ ⎝ dt ⎠ ⎥ ⎢ dt ⎣ dt dt ⎣ ⎦ (1.

e portanto ds ρ dv v2 a= t+ n (1.2.20) dθ ⎛ dθ ⎞ Para a aceleração vem. 1.17) a = − r ⎜ ⎟ r1 + r 2 θ1 .2.16) e de ds = ρ dθ .1). v = r dt v = ω r θ1 (1. vem.16) dt ds dt a= d 2r dv dt ds dv dt = t+v = t + v2 2 dt dt ds dt dt ds (1. Neste caso a direcção da velocidade não varia. Definindo dθ ω= (1. pelo que = n . no ponto P (de raio ρ) veridt 1 fica-se que dt = dθ n e ds = ρ dθ . chame-se-lhe r.19) dt dθ θ1 . Diz-se que se trata de um movimento rectilíneo. a partir de (1. ou ainda dt ⎝ dt ⎠ 2 2 Gustavo da Silva Pág.18) ρ dt Considere-se o caso em que an=0.2.Tópicos de Física – Mecânica Clássica 1. ou ainda. enquanto a componente normal se relaciona com a variação da direcção: dr dr ds = = vt v= (1.3.17) n an ρ P t • a r at Fig. 1.2. de (1. (ver secção 1.4 –Movimento num plano – coordenadas normais O Considerando a circunferência coincidente com a trajectória. Movimento circular Neste tipo de movimento ρ é constante. Se além disto se tiver at=0 diz-se que se tem um movimento rectilíneo uniforme. 5 . apenas o seu módulo muda.15) A componente tangencial da aceleração está relacionada com a variação do módulo da velocidade. Coordenadas normais Por vezes interessa exprimir a aceleração segundo as componentes tangencial e normal à trajectória: a = at + an = at t + ann (1.

Pág. Considere-se uma partícula material em movimento num determinado referencial (partícula que eventualmente poderá estar em repouso). aplicadas respectivamente em P1 e em P2. rectilíneo e uniforme. Os estudos experimentais efectuados com base no movimento dos corpos celestes.23) E para a aceleração a = −ω 2 r r1 (1. em cada instante. Movimento circular uniforme Neste tipo de movimento é ω = constante. passando pelo seu centro de curvatura e com um sentido tal que um observador estendido no seu sentido vê o movimento efectuar-se da direita para a esquerda. é-lhe atribuído um sentido (segundo o conceito geométrico) e um módulo. Sobre um corpo material podem actuar vários tipos de forças: forças gravíticas. Dinâmica de uma partícula material Dinâmica – é o estudo do movimento. reacções de apoio. ou seja.2.24) Em módulo tem-se v = ω r e a = ω2 r . também conhecidos por leis de Newton da Mecânica: 1ª lei de Newton – (princípio da inércia): Uma partícula material não submetida a forças tem um movimento de aceleração nula.22) v = ω×r a = −ω 2 r r1 + 1. 6 Gustavo da Silva . A força tem um carácter vectorial e. etc. 2ª lei de Newton – Uma partícula material sujeita a uma ou mais forças tem. forças electromagnéticas e forças de outro tipo como por exemplo tensões de cabos de ligação. 3ª lei de Newton – (princípio da igualdade da acção e reacção): As acções mútuas que duas partículas materiais P1 e P2 exercem uma sobre a outra são sempre representadas por duas forças iguais e directamente opostas (acção e reacção). Como se verá já a seguir.Tópicos de Física – Mecânica Clássica dω θ1 (1. está associada a um espaço tridimensional. a aceleração de uma partícula está intimamente relacionada com as forças que sobre ela se encontram aplicadas. Nestas condições é (1. conduziram a fundar a mecânica com base em três princípios. forças de atrito. uma aceleração proporcional à resultante destas forças.4. resultando pois para a velocidade uma equação igual a (1. na mecânica clássica.20) v = ω r θ1 (1.3. dirigido segundo a normal à trajectória. dos projécteis de artilharia e outros.21) dt Muitas vezes considera-se um vector ω com a grandeza ω. Força – acção mecânica que se exerce sobre uma partícula material ou sobre um sistema de partículas. 1. atendendo às causas que o originaram.

y0. 1. x.27) (1. velocidade e aceleração da partícula. um equilíbrio entre a resultante das forças aplicadas à partícula e a sua força de inércia. x0. z). a velocidade de uma partícula material. z0).Tópicos de Física – Mecânica Clássica A 2ª lei de Newton é a chamada lei fundamental da dinâmica. por definição.29) Cujo significado é o seguinte: Para uma partícula material em movimento existe. Definem-se as seguintes quantidades: – Momento linear da partícula material: – Quantidade de aceleração da partícula: – Força de inércia associada à partícula: A 2ª lei de Newton pode assim escrever-se F − ma = 0 p = mv ma − ma (1. em termos do referencial S0(O0. Movimentos Relativos Nesta secção vai-se procurar exprimir.P r z0 S0 y r0 k j i ρ O O0 k0 j0 x Fig. em cada instante.26) (1. 1. É uma constante característica da partícula. v.25) ou ainda m 2 =F dt dt em que: F – resultante (somatório) das forças que actuam sobre a partícula. z S .28) (1. y. O coeficiente de proporcionalidade entre a resultante das forças e a aceleração é. do qual se conhece a lei de movimento em relação a S0. A expressão analítica desta lei é: d ( mv ) d 2P =F ou ma = F (1.4. a massa da partícula. a velocidade da partícula é conhecida no referencial S(O. m. a – massa. 7 .5 –Movimentos relativos i0 x0 y0 Gustavo da Silva Pág.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica 1. logo. j): Faça-se dt dt di =0 dt dj =0 dt dk =0 dt j⋅ k⋅ Estas relações simplificam-se se for introduzido o vector ω = ωx i + ωy j + ωz k. i): Faça-se dt dt dk dk = ω yi − ω x j existe no plano (i.30) 1. (1.1.4. obtém-se o teorema da composição das velocidades: v 0 = vt + vr (1. k): Faça-se dt dt dj dj = ω xk − ω zi existe no plano (k. j = 1 k .35) Pág.32) dk =ω×k dt ficando di =ω×i dt dj =ω×j dt A expressão da velocidade fica assim dx i xyz dt Como o último termo representa a velocidade relativa da partícula em S. fica finalmente v0 = ρ + ω × r + ∑ v0 = ρ + ω × r + v r Translação de S em relação a S0 Rotação de S em relação a S0 Velocidade de P no referencial S (1. i = 1 j . 8 Gustavo da Silva .4. derivando as relações anteriores pode escrever-se i⋅ e portanto di di = ωz j − ω yk existe no plano (j. Posição da partícula r0 = ρ + r ou r0 = ρ + xi + yj + zk ou r0 = ρ + ∑ xi xyz (1.31) Velocidade de P no referencial S Rotação de S em relação a S0 Mas i . Velocidade da partícula v 0 = r0 = ρ + Translação de S em relação a S0 ∑ x dt xyz di + ∑ dt i xyz dx (1. a sua velocidade no referencial S0 é dada por v0 = ρ + ω × r (1.34) No caso particular em que o ponto P = O + r está fixo no referencial S. k = 1 (produto interno dos versores por si próprios).2.33) Fazendo v t = ρ + ω × r (designada por velocidade de transporte).

36) Viu-se. Aceleração da partícula (1.r1) + vr2 .33). v02 = ρ + ω × r2 + vr2 donde v02 . (1. 9 . que v 0 = ρ + ω × r + vr . Será P1 = O + r01 = O + ρ + r1 P2 = O + r02 = O + ρ + r2 Os pontos P1 e P2 definem um vector b(t) tal que b = P2 – P1 = r02 .37) A aceleração da partícula material no referencial S0 consta de 3 componentes principais (teorema da composição das acelerações): a0 = at + ac + ar at = ρ + ω ×r + ω ×(ω ×r ) aceleração de transporte ac = 2 ω × vr aceleração complementar ou aceleração de Coríolis ⎛ dv ⎞ ar = ⎜ r ⎟ aceleração relativa (é o valor da aceleração no referencial S) ⎝ dt ⎠ S Gustavo da Silva Pág.vr1 ⎛ dP dP ⎞ ⎛ d (r2 − r1 ) ⎞ ⎛ db ⎞ ⎛ db ⎞ ou ainda ⎜ ⎟ = ω × b + ⎜ ⎟ ou ⎜ 1 − 2 ⎟ = ω × (r2 − r1 ) + ⎜ ⎟ dt ⎠ S0 dt ⎝ dt ⎝ ⎠S ⎝ dt ⎠ S0 ⎝ dt ⎠ S A operação de derivação de um vector em S0 equivale à aplicação do operador ⎛d⎞ ⎜ ⎟ + ω× ⎝ dt ⎠ S 1.r01 = r2 – r1 A velocidade destes pontos exprime-se por .v01 = ω × (r2 .Tópicos de Física – Mecânica Clássica Considerem-se agora dois pontos P1 e P2 em movimento no referencial S.3. v01 = ρ + ω × r1 + vr1 . Vai calcular-se a aceleração em S0 derivando v0: a0 = dv 0 d dv = (ρ + ω × r ) + r dt dt dt e Mas d (ρ + ω × r ) = ρ + ω ×r + ω ×r dt dv r ⎛ dv ⎞ = ω × v r + ⎜ r ⎟ pelo que fica dt ⎝ dt ⎠ S ⎛ dv ⎞ a0 = ρ + ω ×r + ω ×r + ω × v r + ⎜ r ⎟ ⎝ dt ⎠ S ⎛ dv ⎞ a0 = ρ + ω×r + ω ×(ω ×r + vr ) + ω × vr + ⎜ r ⎟ ⎝ dt ⎠S ⎛ dv ⎞ a0 = ρ + ω ×r + ω ×(ω ×r ) + 2ω × vr + ⎜ r ⎟ ⎝ dt ⎠ S at ac ar (1.4.

4. .m (ρ + ω × r + ω × ω × r ) = 0 ∧ ω = 0 ⇒ ρ = 0 (o referencial S descreve um movimento de translação uniforme em relação a S0) Os referenciais que se encontram em movimento rectilíneo e uniforme uns em relação aos outros designam-se por referenciais de inércia. Princípio da relatividade de Galileu: A equação fundamental da dinâmica conserva a mesma forma. em todos os referenciais de inércia. Considerando o caso simplista em que nos dois referenciais de inércia S e S’ os eixos dos xx são colineares. A 2ª lei de Newton No referencial S0: f = m a0 Pela composição das acelerações vem.4.4.6. Transformação de Galileu Chama-se transformação de Galileu à expressão que representa a transformação de coordenadas entre dois referenciais de inércia. com o mesmo valor da força? Observando as equações anteriores conclui-se que ft e fc deverão ser nulas em qualquer instante.5. substituindo a0: f = m (at + ar + ac) Definindo: ft = . 1. como se mostra na Fig. . 1. Relatividade de Galileu Quais as condições para que o movimento da partícula em S seja regido por uma equação análoga à do movimento em S0.m at = .4. se as origens dos referenciais coincidirem em t = 0 .6.m at fc = . 10 Gustavo da Silva Ou seja. com velocidade constante).m ac = . 1.2m ω × vr = 0 ⇒ ω = 0 (o referencial S descreve um movimento de translação em relação a S0) . Da figura conclui-se que v′ = v − u Logo v′ = v − u r ′ = r − ut Pág. com o mesmo valor da força.Tópicos de Física – Mecânica Clássica 1. ft = ... fc = .m ac vem f = m ar .ft – fc força de inércia de transporte e força de inércia complementar ou seja fr = m ar f + ft + fc = m ar Definindo fr = f + ft + fc fica A lei de Newton fica com a mesma forma que no referencial S0. (um referencial encontra-se em movimento em relação ao outro.

39) Designando por F a resultante das forças que actuam sobre a partícula. mas constitui uma hipótese da Física Clássica: o tempo é igual em todos os referenciais.7 –Definição de trabalho elementar Designando por dr o deslocamento efectuado pela partícula durante o intervalo de tempo infinitesimal dt. define-se trabalho elementar efectuado pela força F.5. pelo produto interno dW = F. Trabalho Num referencial qualquer considere-se uma força F. constantemente aplicada a uma partícula material em movimento.5. Trabalho e Energia 1.38) A última equação.Tópicos de Física – Mecânica Clássica y y´ S P S’ r r’ O z u.dr (1. 11 . t’ = t. F P r O dr Fig.6 –Transformação de Galileu e portanto ⎧ x′ = x − ut ⎪ y′ = y ⎪ ⎨ ⎪ z′ = z ⎪t ′ = t ⎩ (1. 1. a 2ª lei de Newton permite escrever Gustavo da Silva Pág.t z’ O´ u x x’ Fig. num determinado referencial S0. não é obtida da figura anterior.1. variável ou não. 1. 1.

t).42) O conceito de impulso assume uma importância particular quando se trata de forças de grande intensidade a actuar durante um tempo muito curto. dI.3. Energia cinética Dá-se o nome de energia cinética da partícula.5. durante o intervalo de tempo t2-t1. é igual à variação da sua energia cinética.5. Num campo de forças será F=F(x. Define-se impulso dessa força. A grandeza ou intensidade do campo é expressa pela força que se exerce sobre uma partícula de massa unitária. Impulso de uma força Considere-se uma força F a actuar sobre um corpo durante um intervalo de tempo elementar dt. o trabalho efectuado pela resultante das forças aplicadas a uma partícula material. Considerem-se dois pontos P1 e P2 num campo de forças e calcule-se o trabalho realizado pelo campo para transportar uma partícula material desde P1 até P2: Pág.4.5. 1.2. no instante t. Campo gravítico Diz-se que numa região do espaço existe um campo de forças sempre que a presença de uma partícula material permite detectar a existência de uma força a exercer-se sobre ela. ao escalar Ec = 1 2 mv 2 1 2 1 2 mv2 − mv1 2 2 (1. 12 Gustavo da Silva . 1.40) Integrando a última equação da secção anterior entre dois instantes t1 e t2 obtém-se ∫ t2 t1 dW = W12 = (1. durante o qual não se conhece exactamente a evolução da força com o tempo.z.y. É no entanto possível medir o seu efeito. por exemplo medindo a variação de velocidade que sofre o corpo sujeito a essa força. pelo produto da força pelo tempo dt durante o qual ela actua: dI = Fdt (1.41) Esta equação exprime o teorema da força viva: Num referencial S0.Tópicos de Física – Mecânica Clássica F=m d 2r dt 2 Substituindo na equação anterior vem dW = m d 1 d 2r d 2r dr dv d 1 ⋅ dr = m 2 ⋅ dt = m ⋅ vdt = ( mv ⋅ v )dt → dW = ( mv 2 )dt 2 dt 2 dt dt dt dt dt 2 1.

1.45) com a forma com que aparece adiante. O sinal – é introduzido por conveniência. é igual ao fluxo do seu rotacional através de qualquer superfície que se apoie nesse contorno. Acontece porém que em muitos casos de importância prática este trabalho (realizado pelo campo) é independente da trajectória seguida. dá-se o nome de potencial gravítico ou potencial.y.5.8 – Trabalho realizado de P1 a P2 W1→ 2 = ∫ P P2 1 F ⋅ dr De um modo geral o valor deste integral depende da trajectória seguida. Potencial e energia potencial No caso de um campo ser conservativo (a força por unidade de massa é aqui representada por F) será ∫ F ⋅ dr = ∫ F ⋅ dr sA sB ou ainda ∫ F ⋅ dr = 0 Mas o teorema de Stokes diz que a circulação de um vector ao longo de um circuito fechado. À grandeza V=V(x.z.44) Ep = m V dá-se o nome de energia potencial.43) Note-se que rot(grad X ) ≡ 0 . escalar. Diz-se então que se está em presença de um campo conservativo (ou que se trata de forças conservativas). Assim. com início e fim no mesmo ponto.5. 1. 13 .43) é costume dizer-se que num campo conservativo a força deriva de um potencial. qualquer que seja X. À grandeza (1.Tópicos de Física – Mecânica Clássica • P2 sA sB F dr P1 Fig. Atendendo a (1.t). a relação anterior implica que rot F = 0 pelo que se pode considerar F = − gradV (1. pelo que esta deverá ser tomada em conta. para se obter a equação (1. Gustavo da Silva Pág.

r a distância entre os seus centros de massas e G é designada constante de atracção universal: G = 6.6. pela estabilidade do sistema solar. 1. Considerando apenas duas partículas materiais.7. e por uma imensidão de fenómenos do dia a dia. Conservação da energia Para um campo conservativo o trabalho realizado pelo campo para transportar uma partícula material desde P1 até P2 será assim independente da trajectória e dado por P2 P2 P2 ⎛ ∂V P2 ∂V ∂V ⎞ W1→2 = ∫ F ⋅ dr = − ∫ grad V ⋅ dr = − ∫ ⎜ dx + dy + dz ⎟ = − ∫ dV = V1 − V2 P P P P 1 1 1 1 ∂y ∂z ⎠ ⎝ ∂x Considerando as forças a actuar sobre a massa m.5. 14 Gustavo da Silva -F m2 .5. observado e estudado de há longa data. é também conhecido como lei da atracção universal e também como lei da atracção de Newton.41) fica 1 2 1 1 1 2 mV1 − mV2 = mv2 − mv12 mV1 + mv12 = mV2 + mv2 2 2 2 2 ou ainda.46) em que F representa o módulo da força de atracção entre as partículas. A equação anterior exprime o princípio da conservação da energia mecânica: Num campo conservativo a energia total mantém-se constante. pelo equilíbrio no movimento dos satélites nas órbitas. 1. E p1 + E c1 = E p2 + E c2 = Et (1.673×10-11 Nm2kg-2.Tópicos de Física – Mecânica Clássica 1.9 – Lei da Atracção Universal Pág. esta lei afirma o seguinte: A matéria atrai matéria na razão directa das massas e na razão inversa do quadrado das distâncias. e atendendo a (1. de massas m1 e m2. Esta lei representa-se assim pela expressão F =G m1m2 r2 (1. Atracção universal As partículas materiais interactuam entre si: neste momento interessa-nos a chamada interacção gravitacional. Este fenómeno. soma da energia potencial da partícula com a sua energia cinética chama-se energia total da partícula material. É ele o responsável pelo peso dos corpos. m1 F r Fig.45) À grandeza Et.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica Devido ao princípio da acção e reacção esta força manifesta-se aplicada a cada uma das partículas e é dirigida para a outra partícula. dá-se o nome de potencial gravítico associado à partícula m. Fa. 15 .10 –Força de atrito estático 1. situada na origem do referencial. Rn. que traduz a reacção tangencial da superfície de apoio sobre o corpo. Movimentos com atrito Gm r (1.5. e este não se move. à distância r da origem. que é necessário aplicar a um corpo para que este fique na iminência de entrar em movimento tem intensidade igual ao valor máximo da reacção tangencial da superfície de apoio.1. Rt. • A intensidade da força de atrito estático é directamente proporcional à intensidade da reacção normal. conclui-se que sobre ele actua uma força. O campo gravítico originado num ponto P(r) por uma partícula material de massa m. Este valor máximo da reacção tangencial designa-se por força de atrito estático. r r r Gm ⎡ Gm ⎤ Será então V = ∫ Fm .48) Quando sobre um corpo é aplicada uma força F.dr = ∫ − 2 dr = ⎢ . simétrica de F.8. será dado por Fm = − Gm r1 r2 (1. 1. pelo que fica ∞ ∞ r ⎣ r ⎥∞ ⎦ V= 1. A reacção tangencial das superfícies em contacto designa-se por força de atrito. Ao trabalho realizado pelo campo para transportar uma partícula de massa unitária desde o infinito até à posição corrente. uma vez que o campo se detecta pela força que se exerce sobre a partícula de massa unitária. Note-se que esta equação se obtém da anterior fazendo m2 = 1. Rt. Força de atrito estático A força mínima. como se indica na Fig. paralela à superfície de apoio. F Rt P Rn Fig.9.8. Fae. 1.47) em que r1 é o vector unitário dirigido da origem para a partícula. e que se opõe ao movimento deste. São as seguintes as características da força de atrito estático: • A intensidade da força de atrito estático é independente da área das superfícies em contacto.5. e depende da natureza dos materiais em contacto Gustavo da Silva Pág.

para velocidades moderadas.5. a partir do instante em que o corpo passa do estado de repouso ao estado de movimento. este coeficiente depende apenas da natureza dos materiais em contacto. é menor do que a intensidade da força aplicada para o retirar do repouso. p = mv. O r m p θ Fig. 1.8. • A intensidade da força de atrito cinético é directamente proporcional à reacção normal. a intensidade da força.11 – Momento angular de uma partícula material Pág. Força de atrito cinético Supondo que a intensidade da força vai aumentando progressivamente. São as seguintes as características da força de atrito cinético: • A intensidade da força de atrito cinético é independente da área das superfícies em contacto. • A intensidade da força de atrito cinético é. Conclui-se. animada de uma velocidade v.50) em que r é o vector de posição da partícula e p o seu momento linear. a que deve estar submetido para que se mova com velocidade constante. e uma partícula material de massa m.2. que a intensidade da força de atrito que se manifesta com o corpo em movimento. de forma contínua. este depende apenas da natureza dos materiais em contacto.9. Define-se momento angular dessa partícula em relação ao ponto O pela expressão l = r ∧p (1.1. é inferior à intensidade da força de atrito estático. e que se designa por força de atrito cinético. Fac = μc Rn onde μc é chamado coeficiente de atrito cinético.5. 16 Gustavo da Silva . 1. se designa por coeficiente de atrito estático.5. Definição Num determinado referencial considere-se um ponto fixo. Fac. O.Tópicos de Física – Mecânica Clássica Fae = μe Rn (1. Momento angular de uma partícula material 1.49) onde μe. então. 1.9. independente do valor da velocidade do corpo. F.

17 . v ω r 90º Fig.9.51) A sua norma é dada pelo produto das normas de r e p e do seno do ângulo formado pelos vectores r e p.12 – Momento angular de uma partícula material em movimento rectilíneo 1. que não passa por O. 1.53) = Iω Gustavo da Silva Pág. p . o momento angular é independente da posição da partícula na sua trajectória [ver Fig. pelo que fica apenas = mrv Como v = ω × r o vector velocidade angular é perpendicular ao plano de rotação. Partícula em movimento rectilíneo No caso em que a partícula material descreve uma trajectória rectilínea com velocidade constante. I = mr 2 pode escrever-se (1. Da definição tira-se = r p sen θ (1.52) (1.12 e expressão (1. O momento angular toma o aspecto = mr 2ω O momento angular é pois um vector perpendicular ao plano da trajectória.Tópicos de Física – Mecânica Clássica Repare-se que r . designada por momento de inércia da partícula. formam um triedro directo. 1.2.3.5. O r r senθ p θ r Fig.5. Partícula em movimento circular Neste caso v é perpendicular a r. 1.51)].13 – Momento angular de uma partícula material em movimento circular Definindo a grandeza escalar. 1.9.

14 – Momento de um binário Pág. Como as forças têm direcções paralelas e são simétricas.5. O momento de inércia de uma partícula em movimento de rotação exprime a oposição que esta apresenta em modificar o seu estado de movimento angular. pelo que fica Como . que se representará por N. e calcule-se a variação do seu momento de inércia em relação a um ponto fixo do referencial. Variação do momento angular de uma partícula Considere-se o caso geral. Será dr dp d d = (r ∧ p) = ∧ p + r ∧ dt dt dt dt dr dr d dp = v tem-se ∧ p = 0 . em que uma partícula de massa m descreve uma trajectória variável. Momento de um binário Dá-se o nome de binário a um sistema constituído por duas forças simétricas com linhas de acção paralelas. 1. pode escrever-se d =N dt (1.9.54) Esta equação traduz a lei da variação do momento angular de uma partícula material: Em relação a um determinado ponto.Tópicos de Física – Mecânica Clássica Esta equação é formalmente análoga à que representa a 2ª lei de Newton.5. 1. a soma dos momentos de cada uma das forças é igual ao momento de uma das forças em relação a um ponto contido na linha de acção da outra força: M =r ∧F (1. 1.9. o momento da força que actua sobre a partícula é igual à variação do seu momento angular em ordem ao tempo. Mas.55) Chamando b (braço do binário) à distância entre as linhas de acção das duas forças.56) α b −F Fig. da 2ª lei de Newton =r∧ dt dt dt dt dp d F= . Notando que r ∧ F representa o momento da dt dt força F em relação ao ponto O. pelo que se obtém = r ∧ F .5. 18 Gustavo da Silva .4. vem M =bF F r (1. F = ma .

. fii é nula.58) é nulo. São forças interiores ao sistema. Designe-se esta resultante por Fe. Pi.57) ( mi i ) = ∑ fi j + fie dt dt j Somando ambos os membros desta equação para todas as partículas do sistema vem N N d2 N (∑ mi ri ) = ∑ fi j + ∑ fie dt 2 i =1 i. j i =1 (1. Movimento do centro de inércia Considere-se um conjunto discreto de N partículas materiais. A massa é um escalar cujo valor é independente do referencial escolhido.1. 1. . 19 Gustavo da Silva . Pi z . não se trata necessariamente um sistema rígido. A força que uma partícula exerce sobre si própria. centro de gravidade ou baricentro. Pág. fij + fji = 0. o 1º termo do 2º membro de (1. y i k O j x Fig. ri . . As distâncias entre as partículas podem variar com o decorrer do tempo.58) Pela 3ª lei de Newton (princípio da acção e reacção). Define-se centro de inércia (2) do sistema de partículas materiais pela expressão 2 Também designado por centro de massas. Num determinado referencial a posição da partícula Pi é definida pelo vector ri. . Para a partícula i. Dinâmica dos Sistemas 1.Tópicos de Física – Mecânica Clássica 1.6. fie – resultante das forças exteriores que actuam sobre a partícula i. a equação do movimento da partícula i é dada por d dr (1. as forças que sobre ela actuam são: ∑f j=1 N ij – soma das forças devidas às outras partículas. Designe-se por mi a massa da partícula Pi. De acordo com a 2ª lei de Newton.15 – Sistema de partículas materiais A todo o instante cada partícula está sujeita a um conjunto de forças. Por este motivo. O 2º termo do 2º membro representa a resultante das forças exteriores ao sistema. que sobre ele actuam.6. rj R ° .

perfeitamente análoga à que exprime o movimento de uma partícula material.57) e defina-se momento linear da partícula i pela expressão Pág. de massa volúmica ρ.2.60) A aceleração do centro de inércia é dada por A= dV d 2 R 1 = 2 = dt dt M ∑ mi i =1 N d 2ri 1 = dt 2 M d 2R = Fe 2 dt ∑ mi i =1 N dvi 1 = dt M ∑ma i =1 N i i (1. neste último caso com as moléculas de um gás. Repare-se que este resultado é válido quer o sistema de partículas se encontre rigidamente ligado ou não. exprime o teorema do movimento do centro de inércia: O centro de inércia de um sistema move-se como se fosse uma partícula material de massa M submetida à acção da resultante das forças exteriores aplicadas. como acontece. Sempre que Fe = 0 (resultante das forças exteriores sobre o sistema nula) a equação (1.62).63) A equação (1.62) No caso de se tratar de um corpo sólido contínuo. 20 Gustavo da Silva . o centro de inércia descreve um movimento rectilíneo e uniforme. corresponde a massa elementar dm. 1.61) com a equação (1. definindo-se o centro de inércia por R= ∫ rdm = ∫ rρ dV = ∫ ∫ dm ∫ ρ dV V V V V V rρ dV M (1.62) fica dR M = Cte (1.58) resulta M (1.61) Combinando a equação (1. Teorema do momento linear Considere-se de novo a equação (1.6. i =1 A velocidade do centro de inércia é dada por V= dR 1 = dt M ∑m v i =1 i N i (1.Tópicos de Física – Mecânica Clássica N R= ∑mr i =1 N i i ∑m i =1 (1. ao elemento de volume dV.64) dt ou seja.59) N i O somatório do denominador representa a massa do sistema de partículas: M = ∑ mi .

Se durante esta interacção não existirem forças exteriores a actuar sobre as partículas que colidem. É o chamado Teorema da conservação do momento linear: O momento linear de um sistema de partículas permanece constante sempre que a resultante das forças exteriores aplicadas é nula. Designando por p1 e p2 o momento linear do sistema antes e depois da colisão. consoante o tipo de colisão. que pode ser classificada em colisão elástica ou colisão inelástica.1.66) Obtém-se assim pi = ∑ fi j + fie j Somando a equação acima para todas as partículas. 1.70) Ec1 = Ec 2 3 (1. será p1 = p 2 (1. No entanto a sua energia cinética poderá variar. P = ∑ pi i =1 N (para sistemas de partículas) (para corpos contínuos) (1. há conservação da energia cinética do sistema de partículas. 21 Gustavo da Silva .6.69) A variação no tempo do momento linear de um sistema de partículas materiais é igual à resultante das forças exteriores aplicadas ao sistema de partículas.6. obtém-se o Teorema do momento linear. definido pela soma dos momentos lineares de cada partícula.Tópicos de Física – Mecânica Clássica pi = mi dri = miri dt (1. Colisão elástica Neste tipo de colisão. além de haver conservação do momento linear. o momento linear mantém-se constante. Colisões entre partículas e explosões Uma colisão entre duas partículas é uma interacção breve(3) entre elas.67) (1.3. e por Ec1 e Ec2 as respectivas energias cinéticas. Pág. introduzindo o vector momento linear do sistema. Sempre que Fe = 0 o momento linear fica constante durante o movimento.3.65) (1.71) Comparativamente com o intervalo de tempo durante o qual se efectua a observação. ou 1º teorema geral da dinâmica: dP = Fe dt (1. 1.68) ou P = ∫ dp = ∫ rdm = ∫ ρrdV V V V e tecendo para as forças as mesmas considerações que anteriormente.

há conservação do momento linear.3. Colisão inelástica Neste tipo de colisão. Somando a equação (1.74) para todas as partículas do sistema obtém-se N N d N ∑ (ri × pi ) = i∑1 ri × fi j + ∑ ri × fie dt i =1 . 22 Gustavo da Silva . a colisão diz-se perfeitamente inelástica.3.6. p1 = p 2 (1. o 1º termo do 2º membro é nulo. 1. Deste modo pode V escrever-se Pág.4.72) Ec1 ≠ Ec 2 (1. atendendo a que d (ri × pi ) = ri × pi + ri × pi dt e que o último termo do 2º membro é nulo. Fica então N d (ri × p i ) = ∑ ri × fi j + ri × fie dt j =1 (1.66) e faça-se o produto vectorial por ri de ambos os membros da equação: ri × p i = ∑ ri × fi j + ri × fie j=1 N O primeiro membro pode transformar-se. Faça-se L = ∑ ri × p i i=1 N e N e = ∑ (ri × fie ) i=1 N (1.3. Explosões No caso em que um corpo sólido explode.6. Teorema do momento angular Considere-se a equação (1. mas não há conservação da energia cinética. Não há conservação da energia cinética.Tópicos de Física – Mecânica Clássica 1. O vector ri × fie é o momento da força fi em relação ao ponto O.76) O vector L representa o momento angular do sistema de partículas em relação ao ponto O. o momento linear do corpo é igual ao momento linear do sistema constituído pelos fragmentos.6.75) Como aconteceu anteriormente. j= i =1 (1.2. 1. (Para corpos contínuos será L = ∫ r × dp V e Ne = ∫ r × dfe ).73) Se após a colisão as partículas ficarem juntas.74) O vector ri × pi é o momento angular da partícula i em relação ao ponto O. O vector Ne representa o momento das forças exteriores em relação ao ponto O.

78) 2 A energia cinética do conjunto de todas as partículas será obtida somando a equação anterior para todas as partículas.16 – Rotação de partículas rigidamente ligadas A energia cinética da partícula i é dada por 1 mi vi2 (1.77) que exprime o teorema do momento angular.80) . ou 2º teorema geral da dinâmica: A variação no tempo do momento angular de um sistema de partículas materiais em relação a um ponto é igual ao momento resultante das forças exteriores aplicadas ao sistema de partículas. em relação ao mesmo ponto. Sempre que Ne = 0 o momento angular fica constante durante o movimento.79) ER = ∑ ERi = ∑ mi vi2 i =1 i =1 2 ERi = Como vi = ω ri .Tópicos de Física – Mecânica Clássica dL = Ne dt (1.6. em relação ao mesmo ponto for nulo.5. e a velocidade angular é igual para todas as partículas (uma vez que estas se encontram rigidamente ligadas). ou seja N N 1 (1. a expressão anterior pode escrever-se ER = com I dado por Gustavo da Silva Pág. Para simplificar admita-se que a rotação se efectua em torno de um eixo fixo coincidente com o eixo de coordenadas z. como se indica na figura. Obtém-se assim o teorema da conservação do momento angular: O momento angular de um sistema de partículas em relação a um ponto permanece constante sempre que o momento resultante das forças exteriores aplicadas. y ri θi vi • mi x Fig. 1. Energia de rotação Imagine-se um conjunto discreto de N partículas rigidamente ligadas. 23 1 2 Iω 2 (1. 1. em movimento de rotação.

7.Tópicos de Física – Mecânica Clássica N I = ∑ mi ri 2 i =1 (1.. Movimento de translação Movimento de rotação x – posição v – velocidade linear a – aceleração linear 1 x = x0 + v0t + at 2 2 θ – ângulo ω – velocidade angular α – aceleração angular θ = θ 0 + ω0 t + α t 2 1 2 v = v0 + at Ec = 1 2 mv 2 ω = ω0 + α t Ec = 1 2 Iω 2 p = mv F= dp = ma dt L = Iω N= dL = Iα dt Pág. ou ainda V 2 2 I = ∫ ρ r dV (1.82) V e a energia cinética de rotação continua a ser dada pela expressão (1. a energia cinética da massa elementar 1 dm será dER = v 2dm .80). 1. No caso de se tratar de um corpo rígido contínuo. Apêndice Correspondência entre algumas grandezas associadas aos movimentos de translação e de rotação.81) A I dá-se o nome de momento de inércia do conjunto de N partículas em relação ao eixo Oz. 24 Gustavo da Silva . O momento de inércia tem a expressão I = ∫ r 2 dm .

0 t0 t1 t2 t3 t4 t /s b) Como v = t dx .0 0. Indique sobre os gráficos os valores das acelerações obtidas e quantifique para os seguintes valores de ti em segundos: t0 t1 t2 t3 t4 0 10 40 110 120 b) Obtenha a posição do objecto.Problemas 1. será x(t ) = ∫ v(t )dt + C te . Gustavo da Silva pág. c) Qual o máximo afastamento que o objecto teve da origem e quando é que se deu? 0 -5 Resolução: a) Trata-se do movimento de uma partícula num espaço a 1 dimensão. x (t ) = ∫ v (τ )dτ . ou de outro modo. com v = dt dt 2 dv d x dv d 2 x a= = 2 i . Probl. e represente-a graficamente (x = 0 para t = 0).Tópicos de Física – Mecânica Clássica . em que t0 dt v(t0)=0 é um dado do problema. 1. Designando a coordenada de espaço por x. 1 – Movimento rectilíneo Considere um objecto pontual que se move segundo uma linha recta com o seguinte gráfico de velocidade (referencial S): v(t) m/s 30 t0 t1 t2 t3 t4 t /s a) Faça uma representação gráfica da aceleração do objecto.5 0. com a = = dt dt dt dt 2 v= A representação gráfica da aceleração da partícula será a representação gráfica da derivada da velocidade: a(t) / m/s2 3.1. x(t). 25 . ou v = vi . ou a = ai . será: velocidade da partícula e a aceleração dx dx i .8. Problemas resolvidos 1.8.

5 a(t) = +0.5τ )dτ = 1925 + ⎡ −60τ + 0.5 ⎡τ 2 ⎤ = 1. 25τ 2 ⎤ ⎣ ⎦ 110 t t 110 = 5500 − 60t + 0. Substituindo este valor de t na expressão da posição vem x (100) = 1950 m Pág.5 x(t ) = −550 + 50t − 0. para os diferentes casos: 1 – x(t ) = ∫ 3τ dτ = 1. 26 Gustavo da Silva .5 t 2 . Graficamente x(t) /m t/ s O máximo afastamento dá-se quando v = 0. 4 – x(t ) = 1925 + ∫ (−60 + 0. 25t 2 x(t ) = 5500 − 60t + 0. Para t = 120 s será x(120) = 1900 m.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .5t a(t) = 0 a(t) = –0. 25t 2 . (**) A posição é obtida por intervalos. Igualando v(t) a zero. 3 – x(t ) = 1050 + ∫ (50 − 0.Problemas Pode organizar-se a seguinte tabela: Caso 1 2 3 4 tempo 0 < t ≤ t1 Velocidade(*) (m/s) v (t ) = 3t Aceleração (m/s2) a(t) = 3 Posição(**) (m) x(t ) = 1. 50 − 0.5τ )dτ = 1050 + ⎡50τ − 0.5t . 25t 2 (*) Obtida a partir da figura dada.5t 2 x(t ) = −150 + 30t t1 < t ≤ t2 t2 < t ≤ t3 t3 < t ≤ t4 v (t ) = 30 v(t ) = 50 − 0. ⎣ ⎦ 40 40 t t Para t = 110 s será x(110) = 1925 m. ⎣ ⎦ 0 0 t t 2 – x (t ) = 150 + ∫ 30dτ = 150 + 30 [τ ]10 = 150 + 30(t − 10) = −150 + 30t t t 10 Para t = 40 s será x(40) = 1050 m. em que v(t) = at+b.5t = 0 obtém-se tm =100 s. Para t = 10 s será x(10) = 150 m. 25τ 2 ⎤ = −550 + 50t − 0.5t v(t ) = −60 + 0. 25t 2 . Isto passa-se quando t2 < t < t3 . em que v(t ) = 50 − 0.

8. c) Idem. 772 km = vt e) Na realidade a gravação realiza-se segundo uma espiral de Arquimedes. 74 rpm 2π c) Para a espira mais exterior r = 58 mm 1. independentemente de se encontrarem mais ou menos para o interior do disco e a leitura faz-se com uma velocidade linear constante. pelo que ∫ ds = rdθ = ∫0 ∫0 ∫0 ⎜ 2π n1 θ + r1 ⎟dθ = 0 ⎝ ⎠ ⎡ r2 − r1 θ 2 ⎤ ⎢ 2π n 2 + r1θ ⎥ = . donde se obtém n = 22683 espiras. logo.2. 2 – Movimento circular A informação de um CD (disco compacto) é armazenada em sequências de cavas e planos sobre a sua superfície. O valor de d obtém-se ⎣ ⎦0 r −r por: d = 2 1 = 1.3 m/s =1. r = aθ + b r −r Para θ = 0 é r = r1 .3×10-3×3600 km/h = 4. 41rad/s = 214.3 m/s.52 × 60 rpm = 539.3 × 74 × 60 m = 5772 m = 5. 1.Problemas 1.54 μm. b = r1 e a = 2 1 2π n r2 − r1 θ + r1 r= 2π n O arco percorrido no intervalo de tempo infinitesimal é dado por ds = rdθ .3 = 22. b) A velocidade angular do disco quando a cabeça de leitura se encontra na espira mais interior. O disco roda no sentido inverso. Nestas condições calcule: a) A velocidade de leitura em km/h.00 rpm 58 ×10−3 d) Como a velocidade linear é constante pode fazer-se simplesmente = 1. e para θ = 2πn é r = r2 .3 = 56. n 2π n Gustavo da Silva pág. A espira mais interior de todas tem um diâmetro de 46 mm e a mais exterior 116 mm. Probl.52 rad/s 23 ×10−3 ω= ω= 56. A informação é armazenada digitalmente e as alternâncias entre as cavas e os planos são detectadas por um sistema óptico constituído por um laser e lentes.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .68 km/h. d) O comprimento lido pela cabeça de leitura num CD de 74 minutos. em rad/s e em rpm. b) v = ω r ω= = v r 1. para a espira mais exterior. e) A distância média entre espiras consecutivas e o seu número. e 2π n 2π n 2π n 2π n ⎛ r − r ⎞ 2 ds = . O comprimento de cada sequência de zeros ou uns é sempre o mesmo. f) O número de rotações que dá o disco durante os 74 minutos. e representam os valores binários zero ou um. de 1. Resolução: a) Não há mais do que converter a informação que é dada em m/s em km/h: v = 1. 27 .

n×2π r1 + 2πd(1+2+3+. 2 O perímetro da última espira é conhecido: 2π(r1+(n-1)d) = 2π r2 = 2π×0..543 μm f) O número de rotações efectuado é igual ao número de espiras obtido acima: n = 22683 rot...Problemas Considere-se outra abordagem. 2π (r1+(n-1)d) = 5772 m: r1 r1+d r1+2d . n (última) r1+(n-1)d A soma de todos os perímetros será igual ao comprimento total 2π r1 + 2π (r1+d) + 2π (r1+2d) + ..058.023 + 2πd× n × = 5772 2 que resolvido conduz a n = 22683 espiras d = 1. em que o arco de espiral descrito em cada rotação é aproximado por uma circunferência... Faça-se a seguinte tabela: Nº da rotação Raio da espira 1 2 3 .Tópicos de Física – Mecânica Clássica . Perímetro da espira 2π r1 2π (r1+d) 2π (r1+2d) ..058 n −1 n×2π×0.023 +(n-1)d) = 2π×0. + 2π (r1+(n-1)d) = n −1 = .. 28 Gustavo da Silva . Pág..+n-1) = n×2π r1 + 2πd× n × Fica-se assim com o sistema de equações 2π(r1+(n-1)d) = 2π r2 = 2π×r2 n −1 n×2π r1 + 2πd× n × = 2 Substituindo valores numéricos 2π× (0..

ou seja. v0. um ponto rigidamente ligado a S. 29 . ou finalmente rot v 0 = 2ω . e o vector rotação instantânea de S. 3 – Movimentos relativos Considere os referenciais S0 e S representados na pág.3. x y z ⎧v x = ρ x + (ω y z − ω z y ) ⎪ Será pois ⎨v y = ρ y + (ω z x − ω x z ) ⎪v = ρ + (ω y − ω x ) z x y ⎩ z i j ∂ ∂y vy k ∂ ⎛ ∂vz ∂v y ⎞ ⎛ ∂vx ∂vz ⎞ ⎛ ∂v y ∂v x ⎞ − i+⎜ − − k = ⎟j+ ∂z ⎜ ∂y dz ⎟ ⎝ ∂z dx ⎠ ⎜ ∂x dy ⎟ ⎝ ⎠ ⎝ ⎠ vz ∂ ∂x vx Calcule-se rot v0: rot v 0 = As derivadas parciais podem ser calculadas pois vx. ω. Seja P um ponto coincidente de S. ficando assim rot v 0 = (ω x + ω x ) i + (ω y + ω y ) j + (ω z + ω z ) k . Probl. ou ainda i j k v0 = ρ + ω x ω y ωz .Tópicos de Física – Mecânica Clássica . Gustavo da Silva pág. 1. vy e vz são conhecidas. 7. existe a relação 1 ω = rot v 0 2 Resolução: ω = ω xi + ω y j + ω z k e v0 = ρ + ω × r + v r Como vr = 0 por P ser um ponto fixo em S.8. fica apenas v 0 = ρ + ω × r .Problemas 1. Prove que entre a velocidade de P expressa em S0.

vOC – velocidades dos automóveis A. onde um automóvel C se desloca a 90 km/h.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . no referencial do comboio. Nestas condições determine. para a direita. v OC = −90 j0 (km/h) Particularizando para os valores do problema: u 0 = 140i 0 (km/h) vOA = 130i 0 (km/h) v OB = −85i 0 (km/h) Donde vrA = 130i 0 − 140i 0 (km/h) = − 10i 0 (km/h) v rB = −85i 0 − 140i 0 (km/h) = − 225i 0 (km/h) (visto do comboio o automóvel A anda para trás. Lei da composição de velocidades: v 0 = ρ + ω ×r + v r Como ω = 0. Para a resolução deste problema deverá escrever a lei de composição de velocidades (movimentos relativos). 1. vOB. a grande velocidade) v rC = −90 j0 − 140i 0 (km/h) = − 140i 0 − 90 j0 (km/h) (visto do comboio o automóvel B anda para trás. B e C. na perpendicular uma 2ª estrada (por um viaduto). as velocidades dos automóveis A. porque não há rotação de S em relação a S0 e ρ = u 0 . Probl. com uma velocidade uniforme de 140 km/h. fica apenas v 0 = ρ + vr vr = v 0 − u 0 em que vr é a velocidade no referencial S. e para a direita.8. A linha cruza. onde um automóvel A se desloca no mesmo sentido que o comboio. a 130 km/h. Paralela à linha há uma estrada. identificar todas as suas componentes e indicar quais as que se anulam. Resolução: y0 O0 C S0 y O S u0 v0B B x x0 v0A v0C A S0 – referencial em terra S – referencial no comboio u0 – velocidade do comboio em S0 vOA. em diagonal) Pág. a 85 km/h. e um automóvel B se desloca em sentido contrário.4.Problemas 1. 4 – Movimentos relativos Um comboio desloca-se numa linha de caminho de ferro rectilínea. muito devagar) (visto do comboio o automóvel B anda para trás. B e C em S0. 30 Gustavo da Silva .

o que acontece ao fim de 5 segundos. Pela 2ª lei de Newton.53 × 5 = 117.65 × 12. 2 2 c) Admita-se que o combustível é consumido de forma proporcional ao tempo.80 × 12. 31 . como indicado na figura.00 − 9. A força de propulsão é constante e igual a 200 N.659 m/s (> 117.3 m. até se esgotar o combustível.8.80 -2 x P a= ms = 23. A altura máxima. 2 141. t = 12. a aceleração que o corpo adquire é proporcional à resultante das forças que sobre ele actuam: ma = P + F .1 m. pelo que F − P 200 − 6 × 9.5. c) Se a massa do foguete fosse de 2 kg. Ao esgotar-se o combustível a velocidade do foguete será 6 − 0. é atingida quando v = 0.8 Gustavo da Silva pág. Logo ym = 294. b) A partir da cota y1 a força que actua sobre o foguete é apenas resultante do seu peso. 2 Considerando a cota do ponto de lançamento como zero. 65 m / s .8t )]0 = 160. Calcule: a) A que altitude é que se esgota o combustível. Esgotando-se o combustível ao fim de 5 segundos obtém-se a altura máxima y1 = 294.65). 1. Para t = 0 m = 6 kg.1 + 117.00 s. 2 5 dτ = [ln(6 − 0. ym. e uma vez que o foguete parte do repouso. a aceleração não será constante mas vai aumentando: 200 − 6 × 9. A massa do foguete seguirá a equação m = m0 − α t .Problemas 1. A lei de a velocidade diz que v = v1 − gt . fica y = 1/ 2 a t 2 . ao esgotar-se o combustível que velocidade teria o foguete? Resolução: a) As forças que actuam sobre o foguete são o próprio peso e a força y de propulsão F.80 -2 a= ms . 5 – Movimento de um projéctil Um foguete meteorológico de 6 kg é lançado na vertical.002 m = 1000. Probl.8τ −0. O valor de v1 pode ser determinado com os valores de a): v1 = a × 5s = 23. supondo que a massa total do foguete se mantém constante (despreze a resistência do ar). Estas forças têm F apenas componente segundo uma direcção. b) Qual a altura máxima que o foguete atinge. para t = 5 s m = 2 kg m0 = 6 e α = 0. = m 6 1 Pela lei do movimento y = y0 + v0t + at 2 .8 t v1 = ∫ a (τ ) dτ = = ∫ 0 5 5 0 141. durante a primeira fase. 6 − 0. A cada instante. Cálculo de ym: 1 1 y = y1 + v1t − gt 2 .53 ms-2.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .8 ms-2.

32 Gustavo da Silva . de massa m. sujeita à força F.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .76 m 2 Movimento segundo x: x x = ∫ v0dt = v0 t.80 × 3. a) A pedra.25 kg: 1) Imediatamente após o lançamento. Decompõe-se o problema bidimensional em dois problemas independentes a uma dimensão: v0 x m y F Movimento segundo y: dv ay=g e a y = y dt Velocidade: v y = ∫ a y dτ = ∫ gdτ 0 0 t t v y = gt H Espaço percorrido: y = ∫ v y dt = ∫ gτ dτ 0 0 t t y= 1 2 gt 2 L 1 Altura da falésia: H = × 9.Problemas 1.90 s. c) Determine os valores da energia cinética. suposta de 0.6. Resolução: Em primeiro lugar estabelece-se um referencial. Não se pode adiantar mais porque não se conhece v0. a atirar pedras para a água e a medir o tempo que as mesmas demoram a cair (perigo: não é permitido atirar pedras do alto das falésias!). Escolheu-se o sistema de eixos (xOy). 3) Ao atingir o mar. 6 . Qual a altura da falésia (despreze a resistência do ar). a) Num primeiro lançamento uma pedra foi atirada horizontalmente e demorou t1 segundos a atingir a água. 1.8. No caso da queda do grave o valor de a é igual a g. 2) No ponto de altura máxima. b) Num segundo lançamento a pedra foi atirada com uma inclinação de 45º para cima e demorou t2 segundos a atingir a água. no topo de uma falésia. Probl. com o respectivo sistema de eixos. De quanto é que a pedra se elevou acima da falésia e a que distância da vertical do rapaz é que caiu? Particularize para t2 = 4. Particularize para t1=3. potencial e total da pedra. ortogonal (que não é um sistema directo). adquire uma aceleração a tal que F = ma. 0 t Pág.80 s.Queda de um grave Um rapaz encontra-se junto ao mar.802 m = 70. aceleração da gravidade.

569 + 9. é a 45º.569×4.5 × 9. Para t=t2 é x(t) = L.5 × g × t2 − H v0 y = . ou seja.45 m/s. v0 x = v0 y = 9.902 − 70. Na altura máxima v0 x = 9. 0 t c) Vão ser utilizadas as expressões Ec = 1 2 mv . passa por uma altura máxima e depois cai ao mar. Ao cair no mar 2 vx + v 2 = 39.976 s. Substituindo este valor de t na expressão de y(t) obtém-se Hm = –4.80 × 4.22 J Observa-se o facto já conhecido da conservação da energia mecânica total. O espaço percorrido na horizontal é x (t ) = ∫ v0 x dτ = v0 x t . logo H = −v0 y t2 + gt2 2 y (t ) = − v0 y t + L x e portanto 2 0.66 m. 569 m/s .36 J 196.Problemas b) A pedra primeiro sobe. t2 0. de lançamento.45 J 75.89 m. como se mostra na figura seguinte: Movimento na vertical: v0y v0 v0x x Altura máxima Aceleração: g Velocidade: v (t ) = − v0 y + ∫ gdτ − v0 y + gt 0 t y Posição: y (t ) = ∫ v (τ )dτ = ∫ ( −v0 y + gτ ) dτ 0 0 t t H 1 2 gt 2 Mas sabe-se que para t = t2 é 1 2 y(t) =H.53 m/s 2.569 m/s. Ep = mgh e Et = E c + E p .569 m/s 11.25 J 196.8 × 4.42 m 184.32 J 0m 0J 196. Após o lançamento 2 2 v0 x + v0 y = 13.76 m 173. Gustavo da Silva pág.90 m/s = 38. Para obter v 2 para o caso 3 é preciso vy: v y ( t ) = − v0 y + gt = −9.90 A altura máxima ocorre quando a componente vertical de v(t) se anula Substituindo valores: v0 y = − v0 y + gt = 0 tm = 0. Caso v Ec h Ep Et 1. Repare-se no significado do sinal menos. Como a velocidade inicial.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . as suas componentes em x e y são iguais. 4.23 J 3.78 J 196. 76 = 9.89 J 70. donde L = v0 x t2 = 9.9 m = 46.62 m/s y 22. 33 .

9592 × cos 2 3.Problemas 1. não quiser ultrapassar a marcação do campo adversário.7 m da rede quando faz o lançamento da bola. pergunta-se a) Qual a velocidade de lançamento da bola.8882 J = 50. 7 2 y = 0. Logo.959 m/s.92+0.92 m 11.80 ×12. b) Na altura máxima a velocidade apenas tem componente segundo x: v = v0 cosα = 37.888 m/s.6 m.5º. y0 = 0.7+11. atirando o mais longe possível.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . se. segundo um ângulo de 3.56 m e α = 3. x = x0 + v0 cos α t 1 y = y0 + v0 sen α t − gt 2 2 Eliminando t nas equações anteriores obtém-se a equação da trajectória: g ( x − x0 ) 2 y − y0 = tan α ( x − x0 ) − 2 2v0 cos 2 α Sabe-se que x0 = 0.5º Logo.5º ×12. 7 – Movimento de um projéctil 1.24 J A energia cinética da bola é dada por Ec = mv 2 2 2 Pág. Será que a bola passa sobre a rede? A condição exigida é que para x = 12.7.04 m = 0.7 m deverá ser y > 0. Um jogador de ténis encontra-se a 12. com as condições dadas a bola não pode passar por coma da rede.5º 0. Vai determinar-se v0 obrigando a que y = 0 quando x = 12. 1 1 Ec = 0. Resolvendo a última equação em ordem a v0 obtém-se v0 = 37. Sabendo que esta é lançada de um ponto a 56 cm do solo.9 m x Resolução: Escolha do referencial: eixos coordenados indicados na figura.79 m.70 × 37.96 m.96 m. y 56 cm v0 3.56 + tan 3.9 m 12. 34 Gustavo da Silva .7 m 11.5º acima da horizontal. a) Equações do movimento: x = x0 + vox t 1 y = y0 + v0 y t − gt 2 2 Com vox = v0 cos α . que é inferior a 0. voy = v0 sen α . 7 − = 0.8. 2 × 37. Usando a equação da trajectória obtém-se 9. 1. Probl.9 m = 24. Será que a bola passa sobre a rede? b) Qual a energia cinética da bola na posição de altura máxima? Considere a bola esférica com 4 cm de raio e 70 g de massa.

calcule.Movimento de um projéctil Um projéctil é lançado do canhão de um navio de modo a alcançar um outro navio que se encontra escondido atrás de uma ilha com 90 m de altura.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . e o alvo é um navio semelhante. a) O projéctil. b) O tempo que o mesmo levou. ortogonal. Sabendo que a velocidade de disparo é de 190 m/s. Movimento segundo y: Aceleração: ay= –g v y = − gt + C ay = dv y dt Velocidade: v y = ∫ a y dt + C = – ∫ g dt + C O valor da constante obtém-se a partir do conhecimento da condição inicial: para t = 0 é v y = v0 y C = v0 y . a 820 m da vertical do topo da ilha. d) A distância. c) A altura. 1. de massa m. 8 . que está a 100 m para o lado oposto. será v y = v0 y − gt Espaço y = v0 y t − percorrido 1 2 gt + C 2 pág. Logo. y hM v0y v0 v0x x H=90 m L1=820 m L2=100 m O canhão encontra-se a 25 m acima do nível do mar. em relação à horizontal. Escolheuse o sistema de eixos (xOy). a que o projéctil passou do cimo da ilha.8. Probl. sujeito à força F. aceleração da gravidade e só existe na direcção vertical. com origem no local do disparo.Problemas 1. com o respectivo sistema de eixos. até atingir o alvo. Repare-se no sinal menos. 35 na vertical: y = ∫ v y dt + C = ∫ (v0 y − gt )dt + C Gustavo da Silva . que o projéctil atingiu.8. No caso do projéctil o valor de a é igual a -g. na vertical. necessário para atingir o navio. desprezando a resistência do ar: a) O melhor ângulo de fogo. Decompõe-se o problema bidimensional em dois problemas independentes a uma dimensão. Resolução: Primeiramente escolhe-se um referencial. devido à posição relativa do eixo dos yy e da aceleração g. hM. adquire uma aceleração a tal que F = ma.

Como em relação ao sistema de eixos a ilha tem só 65 m. As componentes da velocidade inicial podem escrever-se v0 x = v0 cos α e v0 y = v0 sen α em que v0 é conhecido (depende do tipo de projéctil e da sua carga). .467 s. 769) t1 = 34. Pág. b) O tempo que o projéctil demora a atingir o alvo obtém-se a partir da equação do 1 v0 (sen α ) t − gt 2 = 0 movimento vertical fazendo y = 0. 79º . 36 Gustavo da Silva . c) A altura máxima obtém-se quando vy = 0. 5 L1 Portanto o menor ângulo não satisfaz. resultando h1 = 702.8 × 920 g ( L1 + L2 ) α = 7. a 637 m do topo da ilha.234 s. Tem-se pois ⎧ x = v0 (cos α ) t ⎪ ⎨ 1 2 ⎪ y = v0 (sen α ) t − 2 gt ⎩ Sabe-se que para x = L1+L2 (920 m) deverá ser y = 0 m (o alvo. conclui-se que o projéctil passa. meia distância.14 m.7 m. 231º ou α = 82. ou seja v0 sen α − gt = 0 Substituindo este valor de t na equação de y(t) e somando 25 m resulta hM = 1837. 1 2 resultando assim y = v0 y t − gt . Qualquer dos ângulos deverá ser maior do que o resultante de uma linha recta dirigida ao topo da ilha. Substituindo estes valores no siste1 2 ma de equações anterior e eliminando t vem v0 sen α cos α = g ( L1 + L2 ) 2 9. na vertical. C = 0. t = 19. encontra-se 25 m acoma do nível do mar). 769º . Este critério daria α min = arctg( ) 0. se estivesse a H − 25 α min =8.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . sendo um navio igual.Problemas De novo o valor da constante é obtido sabendo que para t = 0 é y = 0. sen(2α ) = sen(2α ) = 2 1902 v0 Vai verificar-se se o ângulo mais pequeno satisfaz. t = 0 (solução trivial) 2 ou t = 38. Substitui-se este tempo na equação do movimento em y. 2 Movimento segundo x: dv v x = C = v0 x ax = x Velocidade: vx = ∫ ax dt + C Aceleração: ax= 0 dt Espaço percorrido na horizontal: x = ∫ vx dt + C = ∫ v0 x dt + C x = v0 x t + C x = v0 x t . 288s . d) Calcula-se primeiro o tempo que o projéctil demora a chegar à vertical da ilha (a par820 L1 tir da equação do movimento em x): t1 = t1 = s v0 cos α 190 × cos(82.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica . A partir da alínea c) pode escrever-se v0 = gt / sen α = 9.80 × 25 m = 294 J. A energia cinética é 1 1 calculada por Ec = mv 2 .915 m/s. Probl. sabendo que este tem a massa de 1. d) Para a resolução desta alínea.660 J = 21. 0 × sen 82. A energia potencial pode obter-se a partir da conservação da energia mecânica. Portanto. Notese que nas alíneas a) e b) se tem Ec+Ep = 21954 J. 2 × 9.Problemas 1.0 = 21954 J Gustavo da Silva pág. 234 / sen 82.9152 + 147. Tem-se pois v y = 190. ou seja. 769 = 190.9152 J = 343 J. Ec = ×1.80 ×19. calcular a energia cinética e a energia potencial do projéctil.2 kg: a) b) c) d) À saída do canhão. Logo 820 vy = -147. 1. em que t é obtido por L1 = v0 cos α t .9. 2 2 A energia potencial é dada por E p = mgh . A energia cinética correspondente 1 será Ec = ×1. A energia cinética é de 13.Ep = 21954 . aqui será Ep = 21954 – 13402 = 8552 J. Resolução: a) No problema anterior torna-se necessário saber vo. b) Na posição correspondente à altura máxima da trajectória é v = v0 cos α (vy = 0) e portanto v = 190. A componente vx é igual à da alínea anterior. 2 × 23.532 = 22337 m2/s2 (v =149.8.402 J. Ao atingir o mar é Ep = 0 J. 769 m/s = 23. 2 A energia potencial tem o valor E p = 1. c) É preciso calcular a velocidade na vertical da ilha: v 2 = vx 2 + vy 2 . Para vy será v y = v0 sen α − gt . Na vertical da ilha. pelo que fica Ec = Et . 0 × cos82. 37 . Na posição correspondente à altura máxima da trajectória. vamos usar também a conservação da energia mecânica.66 kJ. 7 J = 21611 J.53 m/s.45 m/s). Ao atingir o mar (entretanto alvo tinha-se deslocado). pois mantém-se constante durante o movimento. Substituindo valores: E p = 1. 2 × 9. 769 v 2 = 23.80 × 1837.0 m/s. 769 − g × 190 × cos 82. 2 ×1902 J = 21. 9 – Energia cinética e potencial Em relação ao problema anterior.

Mm Mm . executando uma órbita circular. 673 ×10−11 × 5. 10 – Movimento circular uniforme Um satélite move-se em torno da Terra.8.Problemas 1.37 ×106 .98 ×1024 × 861642 − 6. v2 v2 . A resultante anula-se quando os módulos são iguais): Mm v2 GM =m ⇒ v= Fg = Fr ⇒ G 2 R+h R+h ( R + h) 2π 2π ( R + h) = ( R + h) A órbita será geo-estacionária se v = ω ( R + h ) = T 86164 Combinando com a equação anterior obtém-se GM GM × 861642 ⎡ 2π ⎤ ( R + h)⎥ = −R ⇒ h= 3 ⎢ 86164 R+h 4π 2 ⎣ ⎦ donde h = 3 2 6. m representa a massa do satélite e h a sua Força de atracção: Fg = G 2 = G r ( R + h)2 altitude. Força centrífuga: Fc = m = m r R+h Igualando as duas expressões (notar que estas forças têm sentidos opostos. ou seja h = 35 660 km 2 4π Pág. Probl. Determine a que distância é que a sua órbita é geostacionária. 38 Gustavo da Silva .10. Determine a relação entre a sua velocidade linear e a altitude a que se encontra. 1.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . Resolução: O satélite encontra-se em equilíbrio na órbita quando a força de atracção da Terra equilibra a força centrífuga.

Por outro lado a aceleração que o corpo adquire é radial e dada por v2 a= R Pela 2ª lei de Newton será então.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . Desprezam-se as forças de atrito. .11. 1. A resultante das forças que.8. θ a) Obtenha a expressão que relaciona o ângulo do “relevé” com o raio de curvatura da estrada e com a velocidade do automóvel. 39 . actuam y sobre as partículas é Rn Rn Rn P x θ // R Fr = P + Rn Como a trajectória é descrita num plano horizontal vai utilizar-se o referencial com eixos (x. Resolução: a) Considere-se o automóvel como uma partícula material de massa m. em cada instante. b) Faça uma aplicação numérica para v = 90 km/h e R = 80 m.O peso. As forças que actuam sobre o automóvel. à distância R do centro da circunferência que define o “relevé”. 11 – Movimento circular uniforme A curva de uma estrada foi projectada com “relevé”.A reacção normal à superfície. Probl. como indicado na figura.y) tal como indicado na figura. de modo a que este não seja solicitado para dentro ou para fora da estrada. para as componentes segundo x e y: ⎧ v2 ⎪ Rn sen θ = m R ⎨ ⎪ R cos θ = mg ⎩ n Dividindo a 1ª equação pela 2ª vem v2 θ = arctan gR Gustavo da Silva pág.Problemas 1. para efeitos do problema são .

50 m/s = 52 km/h Pág. resultante do movimento de rotação da nave é dada em módulo por f i = mω 2 R Quer-se que esta força de inércia provoque uma reacção normal sobre o “chão” da nave igual a Rn = 0.33 × R Valores numéricos: ω = ± 0.Problemas (90 ×1000 / 3600)2 = 38.33mg Igualando as duas equações obtém-se g ω = 0.33 × b) v = ω R 9.12.33 g? b) Qual a velocidade linear de um tripulante que se encontre na estação (no referencial desta)? Resolução: ω Rn fi a) A força de inércia. Probl.56º b) θ = arctan 9.223×65 m/s = 14. a) Qual deverá ser a sua velocidade de rotação para se obter uma gravidade artificial de 0. 40 Gustavo da Silva .223 rad/seg = 2.8 × 80 1.8 = ± 0.8.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . 1.13 rpm 65 v = 0. 12 – Movimento circular uniforme Uma estação espacial é constituída por uma roda com 130 m de diâmetro.

b) Determine a velocidade linear do ponto médio da espira indicada (módulo e sentido). Deverá ser feita a resolução algébrica e só a seguir efectuar a aplicação numérica). e como aplicação. a partir das variações no tempo dos versores i.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . têm o comprimento de 18 cm e são de fio de cobre de 2. d) Calcule a força de inércia associada a meia espira ( = 18 cm. As espiras mais exteriores do induzido estão à distância de 8 cm do eixo. Resolução: A figura representa uma secção recta do motor. 41 . a) Identifique. c) Determine a aceleração linear do mesmo ponto (módulo e sentido). Qual o seu módulo e sentido? O que é que faz com que a espira não se afaste ou aproxime do rotor? e) A força de inércia acima calculada tem o mesmo valor nos referenciais S0 e S? Justifique. de induzido bobinado.ω dθ θ i r x0 Gustavo da Silva pág.13. roda à velocidade nominal uniforme de 3000 rpm.8. Relacione ω com a variação da posição angular θ do rotor. com o eixo vertical.Problemas 1. Nestas condições. 1. com z0≡z. k de S.5 mm2 de secção. Probl. j. (Obs. A circunferência a traço interrompido representa o percurso da espira mais exterior. deverão utilizar-se os teoremas de composição de velocidades e de acelerações dos movimentos relativos. a direcção do vector ω. na resolução deste problema. considerando o referencial S0 o do estator e o referencial S o do rotor. à distância r = 8 cm do eixo). 13 – Movimentos relativos Um motor eléctrico. y y0 S dj j di S0 t v r1 x dv O . em S0.

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas

Da figura conclui-se que no referencial S0 (em S os versores i, j, k, não variam) é
⎧ di = + d θ j ⎪ ⎨ dj = − d θ i ⎪ dk = 0 ⎩

Pelo que será

di dθ =+ j dt dt

dj dθ =− i dt dt

dk =0 dt

⎧ di ⎪ dt = ω z j − ω y k ⎪ ⎪ dj pelo que, comparando, Da teoria ⎨ = ω x k − ω z i ⎪ dt ⎪ dk ⎪ dt = ω y i − ω x j ⎩ dθ ⎧ e ωy = 0 ⎪ω z = dt ⎪ dθ ⎪ ωz = e ⎨ω x = 0 dt ⎪ ωx = 0 e ⎪ω y = 0 ⎪ ⎩ Logo, como ω = ω x i + ω y j + ω z k , fica apenas ω = ω z k = ω k = ω k .

Como ω =

dθ vem dt ω=

dθ k dt

Aplicação numérica: ω = 3000 rpm =

3000 × 2 × π rad/s = 314 rad/s 60

b) Teorema da composição das velocidades: v0 = ρ + ω × r + v r vr = 0 porque a espira se encontra fixa no referencial S do rotor, ρ = 0 porque as origens dos referenciais, O0 e O, são coincidentes a todo o momento. Fica apenas v0 = ω × r Mas como ω e r são perpendiculares, pode escrever-se v0 = ω × r t em que t representa o vector unitário tangente à trajectória, no sentido do movimento (ver figura anterior) Em módulo é apenas v0 = ω r . Estas relações já tinham sido obtidas, ao estudar-se o movimento circular.
Pág. 42 Gustavo da Silva

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas

Aplicação numérica: v0 = ω r = 314 × 0, 08 m/s = 25,12 m/s c) Teorema da composição das acelerações: a0 = ρ + ω × r + ω × (ω × r ) + 2ω × v r + v r at ac ar ar = 0 porque v r = 0 (vr é constantemente nula), ac = 0 porque vr = 0, ρ = 0 porque as origens dos referenciais, O0 e O, são coincidentes a todo o momento. Subsiste a0 = ω × (ω × r ) . Mas ω × r = v 0 , pelo que fica a0 = ω × v 0 . Como ω⊥v0 conclui-se, pela regra do produto externo, que a0 é dirigido segundo r, para o centro: a 0 = −ω 2 r r1 ou em módulo a0 = ω 2 r . Aplicação numérica: a0 = ω 2 r = ( 314 ) × 0, 08 m/s 2 = 7887, 68 m/s 2
2

d) Força de inércia associada a meia espira: f0 = − m a 0 = ω 2 r r1 , em que m é a massa da meia espira, m = ρ S (ρ é a massa volúmica da espira, o comprimento e S a secção) Aplicação numérica: f 0 = mω 2 r = 8900 × 2, 5 × 10 −6 × 0,18 × 7887, 68 N = 31,59 N e) A força de inércia não é igual nos dois referenciais porque estes não se encontram em movimento de translação uniforme um em relação ao outro.

Gustavo da Silva

pág. 43

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas

1.8.14. Probl. 1. 14 – Mov. circ. unif. – Satélites GPS

Para a determinação da posição através do sistema GPS utilizam-se 24 satélites “NAVSTAR” em volta da Terra, à distância de 10 900 milhas náuticas da superfície. Cada satélite tem a massa de 1900 libras. a) Calcule a velocidade de rotação de cada satélite. b) Qual a energia cinética de cada satélite? c) Qual o número máximo de satélites que se conseguem observar a partir da superfície da Terra, supondo que se encontram todos na mesma órbita (não é o caso: há 6 órbitas diferentes com 4 satélites em cada uma). Resolução: a) Velocidade de rotação O satélite está sujeito a duas forças: 1. Força de atracção gravítica, Fg = G mM T r2
Terra RT MT h
r Fg

órbita

2. Força de inércia, Fa = mω 2 r G – constante de atracção universal, 6,673×10-11 N m-2 kg2, m – massa do satélite, 1900 lb, MT – massa da Terra, 5,98×1024 kg, r – distância entre os centros de massas, ω – velocidade angular do satélite.

satélite

v

m

Fa

A órbita mantém-se estável se Fa = Fg . Substituindo os seus valores, dados acima, vem G mM T = mω 2 r 2 r

ω=

GM T . Notando que r = RT + h , em que RT = raio da r3

GM T . ( RT + h )3 Substituindo valores numéricos (1 milha náutica internacional =1852 m):
Terra = 6.37×106 m e h = altura do satélite, fica ω =

ω=

6.673 × 10−11 × 5.98 × 1024 rad/s (6.37 × 106 + 10900 × 1852)3

ω = 1,4596×10-4 rad/s = 2,0072 rot./dia.

O período de rotação do satélite é T = 11 H 57 m 36 s. b) Energia cinética: Ec = 1 2 1 mv . Como v = ω r vem Ec = mω 2 r 2 e 1 lb = 453.59 g, vem, 2 2

1 Ec = × (1900 × 0, 45359) × (1, 4596 ×10−4 ) 2 × (6370000 + 10900 ×1,852) 2 J = 6,47 MJ 2 (Qual a velocidade linear do satélite?)

Pág. 44

Gustavo da Silva

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas

Satélites observáveis: A distância angular entre satélites, supostos na mesma 2π rad = 0,262 rad. O campo de visão à superfície da Terra corresórbita, seria α = 24 R ponde ao ângulo 2β tal que cos β = T . Substituindo valores numéricos obtém-se r cos β = 0, 23986 β = 1,3286 rad. O ângulo de visão é pois de 2,657 rad, que daria para ver 10 ou 11 satélites em simultâneo. É no entanto necessário cobrir toda a superfície esférica em volta da Terra, e não apenas uma circunferência, motivo pelo qual há 6 órbitas distintas.

c)

Gustavo da Silva

pág. 45

Tópicos de Física – Mecânica Clássica - Problemas

1.8.15. Probl. 1. 15 – Força e trabalho

Uma sonda interplanetária tem a massa de 72 kg e é atraída (apenas) pelo Sol. a) Represente a força de atracção do Sol entre as órbitas da Terra e de Marte. b) Calcule o trabalho necessário para fazer a sonda mudar de posição, desde a órbita terrestre até à órbita de Marte. Resolução: Admite-se que as órbitas são circunferências. No desenho ao lado estas estão aproximadamente à escala. O diâmetro do Sol não se encontra à escala, uma vez que é cerca de 200 vezes inferior ao da órbita da Terra. a) A força de atracção do Sol segue a lei da atracção universal pelo que é dirigida do satélite para o Sol. O seu módulo é Mm dado por F = G 2 r b) A energia necessária para transportar a sonda desde a órbita terrestre até à órbita de Marte será dada por E=∫ G
R1 R2

Terra Marte
R1 R2

r

satélite m F

sol

Mm dr r2

Este trabalho é independente da posição em que o satélite será colocado na órbita, desde que se ignorem as forças de atracção da Terra e de Marte (porquê?).
R2 ⎛1 1 ⎞ ⎡ Mm ⎤ = GMm ⎜ − ⎟ Resolvendo a expressão anterior vem: E = − ⎢G r ⎥ R1 ⎣ ⎦ ⎝ R1 R2 ⎠

Aplicação numérica: G = 6,673×10-11 Nm-2kg-2 R1 = 1,496×1011 m R2 = 2,28×1011 m M = 1,991×1030 kg m = 72 kg

1 1 ⎛ ⎞ E = 6,673 ×10-11 ×1,991×1030 × 72 × ⎜ − J = 220×108 J = 22 GJ 11 11 ⎟ 1,496 ×10 2, 28 ×10 ⎠ ⎝

Pág. 46

Gustavo da Silva

As estações encontram-se a 8 000 000 km.5 × 2. 47 .5 × 6400 × 9. Probl. a1 = 2.45 m/s2. A nave. fixas uma em relação à outra.8.16.5 × 6400 × (88200)2 J = 2. 1 e1 = e0 + v0t + a1t 2 .5 g.25g (e2). devendo a seguir trabalhar a 1/10 da potência (a que corresponde uma aceleração de 0.5g = 24.173×104s A este valor é necessário acrescentar 1 h da 1ª parte do percurso. e0 = 0. v2 = 88200 + 0. Devido a limitações com o aquecimento dos propulsores. Como e2 = LAB 2 vem 1 v1t + a2t 2 = LAB − e1 . a = 2. procura percorrer a distância entre duas estações espaciais no mínimo de tempo. d) Se quiser chegar ao destino com velocidade nula e só puder desacelerar com -0. por v2 e e2 a velocidade no local onde de começa a dar a desaceleração e o Gustavo da Silva pág. quando é que deve inverter os propulsores e qual o tempo total da viagem? Resolução: Esquematicamente tem-se: LAB = 8 000 000 km estação A (1 hora) L1 nave (desacel) L2 estação B a) F = ma a = 2.8 N = 156 800 N = 16 T b) É necessário saber-se a velocidade ao fim de uma hora: v = v0 + at .25 g). t = 1 h = 3600 s v1 = 88 200 m/s = 317 520 km/h 1 Ec = mv 2 = 0. a1 = 0. t = 1 h = 3600 s e1 = 158 2 760 000 m 1 e2 = e1 + v1t + a2t 2 . b) A energia cinética que a nave adquire ao fim de 1 hora.25g.Problemas 1. 88200 × t + 0. 45 × t 2 = 8000000000 − 158760000 t= 2 5.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .25g = 2. 489 ×1013 J 2 c) O espaço total é percorrido durante a 1ª hora com aceleração 2.5mg F = 2. sendo tripulada. Nestas condições calcule: a) A força desenvolvida pelos propulsores durante a 1ª hora.5 m/s2.5g (e1) e durante o resto do tempo com aceleração 0. c) O tempo mínimo que leva a percorrer a distância entre as estações e a velocidade a que chega.5 m/s2. não pode exceder a aceleração de 2. v0 = 0. v0 = 0.5 g F = 2.173 × 10 4 m/s = 100 873 m/s d) Designando por v1 e e1 a velocidade ao fim de uma hora e o respectivo espaço percorrido.5g = 24. 1. e1 e v1 calculados acima. estes só podem estar ligados à potência nominal durante o máximo de 1 h. v2 = v1 + a2t . com a massa de 6400 kg. logo t = 15h:22m:10 s. 245 × 5. 16 – Força e energia Uma nave espacial.

Nestas condições pode. Portanto: no pólo será g = g1 = 9. M = 5. na 2ª e a 2ª na 3ª vem. e2 = e1 + v1t2 + a2t2 .8. ou seja 20h: 41m: 43s. g 2 = ω 2 R = (7. 034 m/s 2 .673×10-11 Nm2kg-2. G = 6.834 ms-2 R2 (6. Para os espaços será: 1 1 2 1 e1 = e0 + v0t1 + a1t12 . Nos pólos apenas se faz sentir a lei da atracção universal.98 ×1024 = = 9.37×106 m Massa da Terra.5g . No equador também se faz sentir a força centrífuga. Dados: Raio médio da Terra. 37 × 10 6 m/s 2 = 0. Resolução: Pode em primeira aproximação considerar-se a Terra homogénea.37 ×106 ) 2 Esta aceleração é dirigida da superfície para o centro da Terra.Problemas espaço percorrido desde e1. e portanto t3 = 5. será.98×1024 kg Constante de gravitação. R = 6. Substituindo a 1ª 3 eq. 1. 17 – Atracção universal Tomando como base a lei da atracção universal e a expressão da aceleração centrípeta. Força por unidade de massa (aceleração) devido à atracção universal: g1 = GM 6. v3 = v2 + a3t3 = 0 (pretende-se v =0). 2921 × 10 −5 ) 2 × 6. substituindo t3 pelo valor anterior. donde se 2 2 2 4 tira. 673 ×10−11 × 5. t3 = 10 t1 +t2. determine o valor da aceleração da gravidade (campo gravítico terrestre) em dois pontos à superfície da Terra: um no pólo e outro no equador. Pág. O tempo total percorrido será ttot = t1+t2+t3 = 7. para as velocidades: v1 = v0 + a1t1 .25g. v2 = v1 + a2t2 . t2 = 1. 450 ×104 s .2921×10-5 rad/s (Note-se que o período de rotação da Terra não é 86164 24×60×60=86400 s mas um pouco inferior). devido ao facto de a Terra se encontrar em movimento de rotação. a2 = 0.034) ms-2 = 9. Esta força é dirigida do centro da Terra para a periferia.25g e a3 = -0. Força por unidade de massa (aceleração) devido à rotação da Terra: 2π ω= rad/s = 7. e3 = e2 + v2t3 + a3t32 = Lab . pode considerar-se a massa da Terra toda concentrada no seu centro. 1.834 ms-2 no equador g = g1 – g2 = (9. 745 × 10 s .800 ms-2. 345 × 10 4 s . atendendo a que a1 = 2.834 – 0. A acção do Sol e dos outros planetas e estrelas é desprezável (já alguém calculou!). 48 Gustavo da Silva . para efeito da aplicação da lei da atracção universal.17. Probl. e por v3 e e3 as correspondentes grandezas ao chegar à estação B.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .

As bolas têm massas iguais. b) As velocidades das bolas após a colisão. será: ma v 0 = ma v1 + mb v 2 Esta equação desdobra-se em duas. antes e depois da colisão. Nestas condições determine: a) O ângulo que. será: 1 1 1 2 2 ma v0 = ma v12 + mbv2 (1) 2 2 2 Pelo teorema da conservação do momento linear. a bola branca faz com a direcção inicial da bola em movimento. Após a colisão a bola azul segue uma trajectória que faz um ângulo de 18º com a sua direcção inicial. Pelo teorema da conservação da energia. uma segundo o eixo dos xx e outra segundo y: ma v0 = ma v1 cos α + mbv2 cos β 0 = ma v1senα − mbv2senβ Gustavo da Silva (3) (2) pág. Probl.Problemas 1. 49 . No mesmo diagrama estão as bolas antes e depois da colisão. c) A velocidade do centro de massas do sistema constituído pelas duas bolas. Resolução: a) Vai representar-se o sistema constituído pelas duas bolas.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . uma vez que só há energia cinética em jogo (as bolas estão no mesmo plano horizontal). 18 . após a colisão.8.18. antes e depois do choque.Conservação do momento linear Num jogo de Snooker uma bola azul é lançada a 2 m/s em direcção a uma bola branca que se encontra parada. ma v1 y v0 ma mb α β x mb v2 antes da colisão depois da colisão a) Vai utilizar-se o teorema da conservação da energia mecânica e o teorema do momento linear. 1.

092 m/s ⎨ ⎩v2 = −0.951v1 + 0. v2. Tem-se assim β = 72º . após a colisão. o centro de massas não modifica a sua velocidade (e consequentemente não modifica a trajectória) após a colisão. b) Para a determinação de v1 e de v2 utilizam-se as equações (5) e (6) que são lineares: ⎧0.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . 2 ma + mb Pág. Obtém-se notando que cos2x + sen2x = 1 2 v12 sen 2α + v2 sen 2 β = v1v2 cos α cos β (7) Elevando (6) ao quadrado vem 2 v12 sen 2 α + v2 sen 2 β = v1v2 sen α sen β (8) Combinando (7) e (8) e atendendo à fórmula do cos(x+y) fica cos(α + β ) = 0 α + β = 90º As bolas seguem.951v2 = 0 ⎧v1 = 1. v1. pelo que as equações anteriores se simplificam: 2 2 v0 = v12 + v2 (4) v0 = v1 cos α + v2 cos β (5) 0 = v1senα − v2senβ (6) Antes de substituir α pelo seu valor eleve-se a equação (5) ao quadrado e substitua-se 2 v0 dado por (4).Problemas Tem-se assim um sistema de 3 equações independentes (numeradas) a 3 incógnitas. Note-se o sinal – em v2.309v1 − 0. c) Como depois de iniciado o movimento não há forças externas sobre o sistema das duas bolas. R= Para este sistema é V = ∑m r ∑m i i i V= ∑m v ∑m i i i ma v1 + 0 1 = v1 = 1 m/s no sentido do eixo dos xx. 50 Gustavo da Silva . β. 618m/s Os valores de v1 e de v2 confirmam a equação (4). No caso deste problema ma = mb. trajectórias perpendiculares.309v2 = 2 ⎨ ⎩0. as massas são supostamente conhecidas.

Pode construir-se a seguinte tabela: Tipo de energia Ec (cinética) Ep (gravítica) Ep (na mola) Et (total) Gustavo da Silva A 0 44. 1.1 m. 51 44. No ponto D existe apenas energia potencial. resultante da transformação da energia potencial de A. No ponto B existe apenas energia cinética. x3 = 0. z = 2. uma vez que o bloco se encontra em repouso: Energia potencial gravítica: E p = mgh .296 J 0 0 D 44.296 J 0 0 C 44.296 J pág. onde é que o bloco pára quando faz o percurso contrário? A z x1 B x2 x3 C D Dados: x1 = 3.0 = 44.2 m. (está-se a desprezar o atrito). em que C é o extremo da mola em repouso e D corresponde à compressão máxima que a mola atinge. sendo igual em A. 19 .26×9. Desprezando o atrito. C e D.8 m.19. B.296 J.0 m. Probl.26 kg é largado do ponto mais alto de uma rampa. Resolução: a) A energia mecânica total conserva-se. não gravítica mas devido à compressão da mola. a) Calcule as energias cinética e potencial do bloco nas posições A.296 J 0 0 B 44.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . No ponto A existe apenas energia potencial.8.296 J 0 44. supondo que esta é linear ( F = k x ) e com o choque comprime de 10. x2 = 1. sem velocidade inicial.296 J 44.Problemas 1. da esquerda para a direita. Qual a diferença de significado entre a energia potencial em A e em D? b) Determine a constante de elasticidade da mola. c) Que trajectória descreve o bloco em sentido inverso? d) Supondo que no percurso BCD se perde 2. B. No ponto C a situação é análoga à do ponto B.0 cm.8 % da energia mecânica total inicial. Em A será E pA =2. a trajectória ABCD . C e D.8×2. como indicado na figura.296 J 44. descrevendo.Conservação da energia Um paralelepípedo com a massa de 2.296 J .

ser transformada em energia potencial: mgh = 41.695 J.12 c) Em sentido contrário o bloco descreve a trajectória DCBA e vai parar no ponto de partida. e irá.8% de B D.976 J. ao subir em direcção a A. d) Perdendo 2. pelo que o bloco.88 m (< 2. chegará a B com (1-0. 296 = 8859 N/m. É de admitir que haja uma dissipação análoga de D B. 695 h = 1.028)×44. 0.028)× 42.Problemas x3 1 2 E p = ∫ kxdx = kx3 0 2 b) A energia potencial elementar na mola é dada por dE p = Fdx k= 2E p 2 x3 Substituindo valores numéricos: k = 2 × 44.296 = 42.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . 52 Gustavo da Silva . o bloco chega a D com (1-0. em sentido inverso.976 = 41.0 m). Isto porque não há dissipação de energia. Pág. Neste ponto esta energia é cinética. A.

A seguir começa a descer e efectua um “looping” circular. Probl. fica sujeita uma carruagem com a massa total de 2500 kg? De B para C não considere o atrito. 0. é horizontal tendo valor mv2/R.97 × (140 / 3. 97 × v0 = 2 ghC + v2 2 2 2 v2 = 0.5 T.3 m 2 × 9. 6) 2 h= m h= h = 76. 97 × ( E pA + EcA ) = ( E pB + EcB ) 1 2⎞ 1 ⎛ 0. P = 2. ou seja igual a 97% da energia total em A: 1 2 1 2 2 2 0. ou seja Fi = 2500×18522/25 N = 189 T A força aplicada em C é a resultante desta força de inércia e do peso. 20 .Tópicos de Física – Mecânica Clássica .Problemas 1. 1.80 × 25 = 18522 m2/s2 A força de inércia. qual a força a que. 6)2 − (15 / 3. Estas forças encontram-se esquematizadas na figura.80 2g b) A energia total em C é igual à energia total em B. v1 = 15 km/h Resolução: a) A energia total em B é igual a 97% da energia total em A: EtB = 0.Conservação da energia Numa montanha russa o comboio é lançado horizontalmente a 140 km/h de encontro à base da montanha (A) e atinge o cimo (B) a 15 km/h. como indicado na figura.97 × mv0 = mghC + mv2 . 97 × 140 2 − 2 × 9. 97 × ⎜ 0 + mv0 ⎟ = mgh + mv12 2 2 ⎝ ⎠ 2 2 0.8. 53 . Gustavo da Silva pág.97 × EtA 0. a metade da altura da circunferência. b) Supondo que o diâmetro do “looping” é de 50 m. em C. B C Fi Cota 0 v0 ° ° A P Dados: v0 = 140 km/h.97 × v0 − v1 0. a) Qual a altura da montanha em relação à cota 0? (de A para B as forças de atrito absorvem 3 % da energia inicial). sem lhe ser fornecida energia.20. no ponto (C).

ou seja F = Mg + mg cos θ + 2mg cos 2 θ Pág. R=30 cm. Considere que a balança é rígida e despreze a dissipação de energia por atrito. Circular e energia cinética Uma esfera sólida e uniforme é deixada cair da posição 1. também vertical.153 J No ponto 2 a energia cinética da esfera será Ec = 0. 0543 × 9. sem velocidade inicial. no ponto 2. e a sua velocidade linear. que se encontra dentro da campânula. Devido à componente vertical da força de inércia. é dada pela soma do peso com a força de inércia: 0. 376 b) ω = = rad/s = 8. e tomando como plano de referencia o indicado na figura. de módulo F1 = Mg 2. F = F1 + F2 + F3 . d) A sua velocidade angular e a força que exerce sobre a campânula. 54 Gustavo da Silva .80 + N = 1. Resolução: a) Há conservação da energia mecânica: Et = Cte. em função de θ. massa da esfera. 0543 × 2. vertical. A força exercida pela esfera sobre a camr (0. Probl. F2. apenas existe energia potencial: Et = E p = mgh = 0. massa da campânula.80 × (0.7 kg. 012) J = 0. sendo a sua componente vertical.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .376 m/s m 2 v 2. A força lida pela balança será pois. O módulo da força de inércia é dado por mv2/(R-r). m = 54. tal com seria indicada pela balança. M=12. A velocidade pode ser obtida a partir da expressão da energia cinética. 012) pânula.597 N F2 = mg + (0. 0543 × 9. dada por mv2/(R-r). mas h = ( R − r )(1 − cos θ ) 2 v 2 = 2 g ( R − r ) cos θ e portanto F3 = 2mg cos 2 θ .3 g. Devida ao peso da própria campânula. F3. A velocidade linear da 2 Ec 1 v= esfera obtém-se a partir de Ec = mv 2 v = 2. raio da esfera r=1. 012) r c) A força indicada pela balança consta de 3 componentes: 1. Devida ao peso da esfera.Problemas 1. 30 − 0. No ponto 1 uma vez que a esfera se encontra parada.2 cm. Nestas condições determine: O θ R 1 r 2 P balança h Plano de referência c) A energia cinética da esfera quando passa pelo ponto 2. São dados: Raio interior da campânula. para o interior de uma campânula semi-esférica. como se indica na figura. F1. que por sua vez resulta da transformação da energia potencial: 1 2 Ec + E p = C te mv + mgh = mg ( R − r ) .30 − 0. 21 – Mov. dada em módulo por F2 = mg cos θ 3.30 − 0. (a força de inércia é radial). ao passar em 2. 1.8. e) A expressão analítica da força exercida sobre a campânula.cosθ.3762 mv 2 = 0.153 J.21.25 rad/s.

devido à conservação da energia mecânica: Et = Ec + Er = E pA . os valores das energias são iguais aos valores de B.Problemas 1. B. Probl.5 ω = 105. sem velocidade inicial. 55 . em que C é o fim do percurso. cujo valor é dado por EpA = mgz. da esquerda para a direita. Er = m(ω R) 2 = 7. e C.0 m. sendo a energia potencial nula. de rotação e potencial da esfera nas posições A. Para uma rotação elementar dθ o espaço percorrido será ds = Rdθ . Atendendo a que a esfera tem contacto perfeito com a superfície por onde rola tem-se 1 1 2 ds = Rdθ . 25 × 0.25 kg.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . C . dθ ds A energia cinética calcula-se pela expressão Ec = 1/ 2 mv 2 e a energia de rotação por Er = 1/ 2 I ω 2 em que I é o momento de inércia.5 J. 7 ×1. como indicado na figura. 1. Calcule as energias cinética. Portanto apenas possui energia potencial. a trajectória A. 1 1 Ec = m(ω R ) 2 = 17.5 J. A sua energia no ponto B será constituída pela energia cinética e pela energia de rotação. 22 – Energia de rotação Uma esfera maciça é largada do ponto mais alto de uma rampa. ou seja v = ω R . uma vez que o movimento se faz sem atrito. Será pois Et = 1/ 2 mv 2 + 1/ 2 I ω 2 .22.0 J = 24. x2 = 1. Existe contacto perfeito entre a superfície da esfera e o plano por onde ela rola. B. massa da esfera m = 1. 7 × mR 2ω 2 . O comprimento AB é dado por LAB = z 2 + x12 e o número de rotações que a esfera dá ao descrever este comprimento será n = LAB / 2π R .25×9.8 m.8. Ao cair de A B a esfera vai rolar sobre a rampa. 2 Momento de inércia de uma esfera maciça: I = mR 2 5 Resolução: Na posição A a esfera não se encontra a rodar e a sua velocidade é zero. Gustavo da Silva pág. adquirindo energia cinética de rotação e energia cinética de translação. z = 2. 2 2 5 Aplicação numérica: No ponto A: EpA = 1.0 J.80×2.2 m. 2 5 Na posição C. pelo que Et = m(ω R ) 2 + × mR 2ω 2 = Et = 0. descrevendo. 052 × ω 2 = 24. No ponto B: 0.83 rad/s. A z x1 B x2 C Dados: x1 = 3. raio R = 5 cm.

b.678 N c) Depois do bloco ter iniciado o movimento ia baixando o ângulo da rampa até obter uma velocidade constante. mais controlável consiste em introduzir uma força oposta a Pt. 05 × 0. e que a = b = 5 cm e c = 10 cm.23.8 N = 18. μe = tan θ b) A posição do bloco é irrelevante para o cálculo da força de atrito.375 N Fae = μe Rn = tan θ × mg cos θ = mg sen θ . apenas poderá ter a ver com a estabilidade mecânica do sistema.8. m2. para θ = 18º . a) Determine o coeficiente de atrito estático entre as superfícies em contacto.10 × 7500 × 9. μc . Probl. por meio de uma roldana e de uma massa que se possa deslocar na vertical e procurar o ângulo que conduz a uma aceleração nula. logo. e θ pode calcular-se μc . Deduzindo a expressão que relaciona a. com a forma de um paralelepípedo de dimensões a. Foise aumentando lenta e progressivamente o ângulo da rampa com a horizontal. θ. encontra-se parado sobre um plano inclinado. 05 × 0.Problemas 1.5). Pág. Para θ = 18º será Fae = 18. c) Como procederia para determinar o coeficiente de atrito cinético? Resolução: Rn Pt Pn P α a) As forças intervenientes encontram-se indicadas na figura: P – peso do corpo Pn – componente normal do peso Pt – componente tangencial Rn – reacção normal da superfície Fae – força de atrito estático Fae Uma característica da força de atrito é que esta é proporcional à força de reacção normal: Fae = μe Rn Mas Rn = Pn = mg cos θ e Fae = Pt = mg sen θ .Tópicos de Física – Mecânica Clássica . existindo atrito entre a sua superfície de apoio e o plano. b) Supondo que o bloco é de aço (d = 7. 56 Gustavo da Silva . 1. Com as dimensões do bloco e com a sua densidade calcula-se o seu peso. 23 – Atrito Um bloco.375 × sen18º N = 5. Outro método. determine a força de atrito estático quando o bloco se encontra deitado e quando se encontra ao alto. e com ele e com μe calcula-se a força de atrito estático: P = abc ρ g = 0. até que o bloco começou a deslizar. m1. c.

bloco com a bala incrustam v da. 6 2 J = 340. é dado por mv. a seguir ao impacto o bloco eleva-se de h.ºC-1. 025 + 1. 1.24 e 103 destinam-se a converter o calor específico que é dado em calorias por grama por grau Celsius). o momento linear m v do sistema constituído pela bala e M h V pelo bloco. 333 ΔE ΔT = c Mas Q = mcΔT e portanto.8. Na primeira (colisão inelástica) há conservação de momento linear. pois parte é transformada em calor. 024 + 1. é dado por (m+M)V. vem mcΔT = ΔEc mc Aplicação numérica: 340. 2 m+M 2 gh Substituindo o valor de V obtido acima fica v = m Aplicação numérica: v= 0. sabendo que o calor específico do material da bala é de 0.109 × 103 (Os factores 0. Há conservação de energia mecânica. que arranca com velocidade V.0 ºC 0. suspenso por 4 fios inextensíveis. 333 2 × 9. a) Determine a velocidade da bala no instante em que se dá o impacto com o bloco. 025 × 1. b) Calcule a elevação de temperatura da bala.333 kg.g-1. 24 – Pêndulo balístico Um pêndulo balístico é constituído por um bloco de madeira com a massa de 1. Antes do impacto. 57 . 025 b) A diferença entre as energias cinética da bala e da bala+bloco é transformada em calor (supõe-se que o aquecimento da bala se dá na 1ª fase): 1 1 1 mM 2 1 0. A energia mecânica não se conserva.Problemas 1. e com o bloco parado. 56 × 0. 0. A energia cinética do bloco+bala é transformada em energia potencial: 1 (m + M )V 2 = (m + M ) gh .109 cal. ΔT = Gustavo da Silva pág.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . Resolução: a) Esta alínea resolve-se em duas fases.6 m/s. 48 m/s = 166. 333 ΔEc = mv 2 − (m + M )V 2 = v = × × 166. Tem-se assim V = m+M Na 2ª fase. ainda separados. Considere a madeira como isolante térmico.24. 24 ºC = 30.80 × 0. Disparou-se sobre ele uma bala de massa 25 g. Probl.56 J 2 2 2 m+M 2 0. Depois do impacto o momento linear do mesmo sistema. 025 × 0. que se comporta como um pêndulo gravítico. tendo-se verificado que o bloco (com a bala incrustada) se elevou de 48 cm. como Q = ΔEc .

Sabendo que o momento de inércia da roldana em relação ao seu eixo de rotação é dado 1 por I = mr 2 . c) Faça uma aplicação numérica para m1 = 2 kg e m2 = 3 kg.80 − 0.8. r = 16. a) Em relação à roldana aplica-se o teorema da variação do momento angular: dL = ∑ M0 dt m r -T2 α T2 dL dω Mas L = I ω m2 =I = I α . Esta tem raio r e massa m. determine: 2 a) O valor da aceleração com que desce o corpo 1. Probl.33 N Pág.169 + 9. estão ligados por um fio inextensível de massa desprezável. que passa pela gola de uma roldana.169) N = 24.25.8) N = 22.62 kg. em a módulo P2 Iα = r (T2 − T1 ) P1 a 1 1 Como α = e I = mr 2 vem ma = (T2 − T1 ) .8 cm e m = 1.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . 1. 58 Gustavo da Silva . 25 – Movimento de rotação e translação Dois corpos sólidos 1 e 2.98 N a= 3− 2 T2 = m2 g − m2 a = 3 × (9. com as massas m1 e m2. 62 + 2 + 3 2 T1 = m1a + m1 g = 2 × (0.69 ms-2.Problemas 1. b) As tensões exercidas pelo fio sobre os corpos 1 e 2. 2 r 2 Aplique-se agora a 2ª lei de Newton aos corpos 1 e 2: T1 = m1a + P Corpo 2: m2 a = P2 − T2 T2 = P2 − m2 a Corpo 1: m1a = T1 − P 1 1 Substituindo T1 e T2 na expressão obtida para a vem m2 − m1 a= g 1 m + m1 + m2 2 b) As tensões obtêm-se substituindo o valor de a nas expressões de T1 e de T2: m2 − m1 m2 − m1 T1 = P + m1 g e T2 = P2 − m2 g 1 1 1 m + m1 + m2 m + m1 + m2 2 2 c) Aplicação numérica: g = 0.172 g = 1. 1 1. Logo Iα = ∑ M 0 . T1 dt dt a m1 Para o sistema de forças aplicadas à roldana será. Resolução: Esquematize-se o problema e indiquem-se as forças em jogo (ver figura).

Problemas 1. sabendo que vA = 40 m/s. uma vez que o corpo se encontrava em repouso. sendo sobre ele a energia potencial igual a zero.30vB sen 55º −0. b) Compare a energia mecânica do sistema antes e depois da explosão. 242 + 0.50vA 0.30 × 38. Após a desintegração os fragmentos deslocam-se num plano horizontal.24 m/s e vC = 81. Como tudo se desenrola num plano.26. Como interpreta os valores encontrados? c) Sem recorrer aos valores determinados nas alíneas anteriores.8.30vB cos 55º +0. em que pa = momento linear do sistema de partículas antes da explosão (apenas um corpo em repouso) pd = momento linear do sistema depois da explosão (3 fragmentos afastando-se sobre um plano) O problema deverá agora ser separado em 2. um segundo o eixo dos x e outro segundo y: Segundo x: Segundo y: 0 = −mAvA + mB vB cos θ1 + mC vC cos θ 2 0 = mB vB sen θ1 − mC vC sen θ 2 0. Depois da explosão a energia cinética é dada por 1 1 1 1 2 2 2 Ec = ∑ Eci = m A v A + mB vB + mC vC = (0. no referencial S. 20vC sen 35º = 0 Substituindo valores numéricos Segundo x: Segundo y: Resolvendo em ordem a vB e vC obtém-se vB = 38. Probl. 1. 59 . como indicado na figura.50 kg B mB=0.90 kJ Gustavo da Silva pág.Tópicos de Física – Mecânica Clássica . 26 – Conservação do momento linear Um corpo em repouso na origem do referencial S explode.50 × 402 + 0. Dados: S y vB mA=0.92 m/s b) A energia mecânica é aqui constituída por energia cinética e energia potencial. podemo-lo considerar como plano de referência (cota 0). diga qual a trajectória do centro de massas do sistema após a explosão. 20vC cos 35º = 0. partindo-se em 3 fragmentos.20 kg A vA θ1=55º O θ2=35º x vC C a) Determine. 20 × 81. Resolução: a) Utiliza-se o teorema da conservação do momento linear: p a = p d . as velocidades dos fragmentos B e C.922 J 2 2 2 2 i = 12. A energia cinética do sistema antes da explosão é nula.30 kg mC=0.

Como antes da explosão a velocidade do centro de massas é nula. de massa M e raio R. ( I1ω1 + I 2ω2 )antes = ( I1ω1 + I 2ω2 )depois 1 1 ⎛1 2⎞ m1 R12ω1 + 0 = ⎜ m1 R12 + m2 R2 ⎟ ω 2 2 ⎝2 ⎠ 2 m1 R1 ω= ω1 2 m1 R12 + m2 R2 b) Aplicação numérica: ω= 4. 1.27. m2 = 1. Resolução: Utiliza-se o teorema do momento angular: a) A variação no tempo do momento angular de um sistema de partículas materiais em relação a um ponto é igual ao momento resultante das forças exteriores aplicadas ao dL = Ne . Uma vez que L = Iω . O momento de inércia de um disco maciço e homogéneo. R1 = 36 cm. L mantém-se constante. 27 – Conservação do momento angular Um disco roda em torno do seu eixo vertical com velocidade angular constante. Probl.53 × 0.Tópicos de Física – Mecânica Clássica .322 Pág. sistema de partícula.362 × 15rad/s = 11. Depois da queda do 2º disco os dois ficaram em contacto perfeito. 2º disco.362 + 1. R2 = 32 cm. tem-se =0 dt P = 0 VCM = 0.82 × 0. VCM = 0. 4.82 kg. 60 Gustavo da Silva .8. em relação ao mesmo ponto: dt Como no intervalo de tempo entre os instantes imediatamente antes e depois da queda do disco não há momentos de forças exteriores. igualando os momentos angulares antes e depois. Num determinado instante cai sobre ele um 2º disco.4 rad/s. m1 = 4. também o será depois. Uma vez que dt dP durante a explosão não há forças exteriores a actuar sobre o sistema. que tinha o mesmo eixo e se encontrava em repouso. ω1 = 15 rad/s. b) Faça uma aplicação numérica para: 1º disco. ou seja.53 kg. em relação ao seu eixo é dado por I = 1/ 2MR 2 a) Determine a velocidade angular dos dois discos.Problemas c) A trajectória do centro de massas segue a 2ª lei de Newton: dP = F e . 1.53 × 0. o centro de massas do sistema mantém-se no ponto em que se encontrava antes de se dar a explosão. pode escrever-se.

A sua condutividade é nula. ELECTROMAGNETISMO 2. representada por e. . sendo o estudo da electricidade feito na electrotecnia. o valor de n é muito elevado. Há meios materiais em que as cargas se movem. Electrostática 2. em particular no domínio da electrotecnia. mas não livremente. tem carga eléctrica negativa de valor –e. e associá-la a uma variável contínua. Também se diz que a quantidade de electricidade se encontra quantificada. de acordo com o meio e por vezes também em função de condições externas. podendo deste modo tratar-se a quantidade de electricidade por carga eléctrica (e não cargas eléctricas). sendo múltipla da carga elementar. é sempre q = ne em que n é um inteiro. a sua condutividade é infinita.1. Representando por q a quantidade de cargas eléctricas de um corpo. O comportamento das cargas eléctricas e de determinadas forças associadas constituem a base da electricidade. não próximo de zero ou de infinito: estão 4 5 Benjamin Franklin. condutores. O electrão. há também a produção ou extinção de igual quantidade de carga de sinal contrário. Também se lhes chama dieléctricos. A observação experimental levou ainda à conclusão que as cargas eléctricas do mesmo tipo ou sinal se repelem e as cargas de sinal contrário se atraem. cientista e político americano. ou simplesmente. 1706-1790. designada por condutividade do meio material. positivo nulo ou negativo.1. Em muitas aplicações. É utilizada a variável σ. As cargas eléctricas movimentam-se nos meios materiais de forma muito diversa. para exprimir a forma como as cargas se deslocam num meio material. tipógrafo. também designada por quantidade de electricidade. num sistema fechado. que interactuam entre si.2. Millikan(5) observou que a carga eléctrica se encontra discretizada. Os meios materiais em que algumas cargas eléctricas se movem livremente designam-se por meios condutores da electricidade. Têm uma condutividade com um valor intermédio. de dois tipos distintos. isoladores. Robert Millikan. Os meios materiais em que as cargas eléctricas não se podem mover designam-se por meios isoladores da electricidade. e a que se deu o nome de cargas eléctricas. prémio Nobel em 1923.1. físico americano. Além disso. ou simplesmente. a quantidade total de carga eléctrica mantém-se constante: sempre que há criação ou desaparecimento de carga eléctrica de um determinado sinal. A estes dois tipos de cargas Franklin(4) deu o nome de cargas eléctricas positivas e cargas eléctricas negativas. partícula constituinte da matéria. 1868-1953. Carga eléctrica A observação experimental levou a concluir que os materiais exibem um comportamento que revela neles a existência de determinadas partículas.

1) e a (2. Havendo várias cargas eléctricas a actuar sobre uma determinada carga. Por agora consideram-se as cargas em repouso ou estáticas. 1736-1806 Gustavo da Silva Pág. 6 Charles Coulomb. Considerem-se as cargas pontuais (do ponto de vista macroscópico concentradas num ponto).602 19×10–19 C e portanto a carga de 1 coulomb contém 6. à distância r uma da outra.2) 1 q1q2 r12 4πε r 2 (2. À relação entre a permeabilidade eléctrica de um meio e a permeabilidade eléctrica do vácuo dá-se o nome de constante dieléctrica desse meio. A constante de Coulomb pode escrever-se sob outra forma: 1 ke = 4πε em que ε se designa por permeabilidade eléctrica do meio. e estáticas. De acordo com esta expressão. 2. e r12 representa o vector unitário dirigido da carga q1 para a carga q2. Para o espaço livre (vácuo) é ε =ε0 = 8. físico francês. de valor q1 e q2. A Electrostática estuda os fenómenos relacionados com cargas eléctricas em repouso (o conceito de repouso depende do referencial utilizado).2) a lei de Coulomb pode escrever-se F12 = 2.1. Atendendo a (2. A carga elementar tem o valor e = 1. designada por constante de Coulomb.3) O campo eléctrico devido a uma carga eléctrica ou a um conjunto de cargas. Lei de Coulomb(6) A experiência mostra que as cargas eléctricas exercem forças de atracção ou repulsão entre elas. a força resultante deverá ser obtida efectuando a composição vectorial de cada uma das forças individuais. a carga q2 exercerá sobre a carga q1 uma força F21=–F12. A força F12 exercida pela carga q1 sobre a carga q2 é dada pela lei de Coulomb: F12 = ke q1q2 r12 r2 (2. A unidade de carga eléctrica do SI é designada por coulomb. a carga q2 é repelida pela carga q1 se q1 e q2 tiverem o mesmo sinal.2.854 18 817×10-12 C2N-1m-2. depende das coordenadas de espaço.1) em que ke é uma constante que depende do meio material onde estão inseridas as cargas. é a força originada por estas cargas e que se manifesta sobre uma carga de valor unitário. essenciais para o fabrico de componentes electrónicos.3. e é atraída se os sinais de q1 e q2 forem opostos.Tópicos de Física – Electromagnetismo aqui incluídos os materiais semicondutores. De acordo com a 3ª lei de Newton. 62 . Campo eléctrico (2.241 46×10+18 cargas elementares. símbolo C.1.

Se a carga que origina o campo for positiva este é dirigido no sentido dela para a carga de prova. no SI. Se a carga eléctrica q se encontrar uniformemente distribuída pelo volume V. por meio da expressão (não confundir com a condutividade eléctrica. O campo eléctrico produzido num ponto P do espaço por uma distribuição de N cargas discretas qi será dado por N qi E = ke ∑ 2 ri (2. 63 . a densidade de carga no ponto P. dado por q E = ke 2 r1 (2. se for negativa é dirigido em sentido contrário. pela lei de Coulomb.4) E= e q0 O campo eléctrico produzido por uma carga q será. que também utiliza o símbolo σ ) σ = dq dS (2. σ(P). O campo eléctrico pode exprimir-se. define-se densidade de carga eléctrica. em lugar de se ter uma distribuição de cargas discretas. varia de ponto para ponto. é definida por dq (2. No entanto. formando. do ponto de vista macroscópico. Representa-se habitualmente por E. ρ(P). como se verá adiante. Densidade de carga Muitas vezes.6) i =1 r i em que ri é o vector unitário dirigido do ponto em que se encontra qi para P.5) r em que r1 é o vector unitário dirigido de q para +q0. a unidade oficialmente utilizada é o Vm-1 (volt/metro).7) dV em que dq representa a quantidade de carga existente no volume infinitesimal dV (do ponto de vista macroscópico a carga pode ser encarada como um fluido contínuo). isto é. tendo então interesse definir densidade superficial de carga. Gustavo da Silva pág. ρ= Muitas vezes a carga distribui-se sobre uma superfície. F (2.8) em que dq representa a quantidade de carga existente na superfície infinitesimal dS que contém o ponto P.1. por meio da expressão q ρ= V Quando a distribuição de carga não é homogénea.4. em NC-1 (newton/coulomb).Tópicos de Física – Electromagnetismo Conceitualmente o campo eléctrico obtém-se medindo a força eléctrica Fe (por agora devida a cargas estáticas) que se exerce sobre a carga de prova +q0. e representa-se por ρ. estas são em número muito elevado e encontram-se distribuídas por uma determinada região do espaço. uma distribuição contínua de cargas. 2.

2. até ao infinito.10) Se o campo eléctrico for uniforme. As linhas devem ter início em cargas positivas e terminar em cargas negativas. Muitas vezes utilizam-se as simetrias da distribuição de cargas para auxiliar este traçado.9) d em que dq representa a quantidade de carga existente na linha de comprimento infinitesimal d que contém P. onde daria valores do campo de tal modo elevados que poriam em causa a estabilidade dos núcleos. 64 Gustavo da Silva .5. deve ser proporcional à intensidade do campo eléctrico nessa região. 3. Convém chamar a atenção para o facto da lei de Coulomb não ser válida para valores de r inferiores aos raios dos núcleos atómicos. também radialmente. de aceleração a. Estas linhas obtêm-se do modo seguinte: 1. Movimento de uma partícula carregada num campo eléctrico Uma partícula material de massa m. Uma das formas de ter a percepção da distribuição espacial do campo eléctrico consiste em efectuar o traçado das linhas do campo eléctrico. através de uma superfície a elas perpendicular. 2. podem fixarse as seguintes regras para o traçado das linhas do campo eléctrico: 1. se esta for positiva. isto é. Pág. A densidade das linhas aumenta à medida que se aproximam das cargas. Se a partícula tiver carga positiva a aceleração terá a direcção do campo. constante em direcção sentido e grandeza. λ(P): dq λ= (2. O número de linhas que se traçam por unidade de volume. Combinando estas duas expressões obtém-se a= q E m (2. colocada num campo eléctrico E. a aceleração da partícula será constante. e dirigem-se do infinito para a carga. As linhas do campo não podem cruzar-se. uma partícula sujeita a uma força adquire um movimento acelerado. Sempre que haja mais do que uma carga em jogo e a carga total seja nula. As linhas do campo eléctrico produzido apenas por uma carga eléctrica pontual divergem radialmente da carga.Tópicos de Física – Electromagnetismo Em alguns casos que interessa definir a densidade linear de carga. Em cada ponto do espaço a linha do campo eléctrico deverá ser tangente ao vector campo eléctrico.1. Mas pela 2ª lei de Newton. Se a sua carga for negativa a aceleração será em sentido contrário ao campo. electrizada com a quantidade de electricidade q. se esta for negativa. 2. tal que a = F/m. fica sujeita à força F = qE.

ao escalar d γ = v. ao vector do campo. num determinado instante. sem pontos múltiplos. Seja d λ um elemento da curva C na qual se encontra o ponto P.dσ . Como caso particular são também válidas para vectores que não dependam da variável tempo. Seja dσ um elemento da superfície S na qual se encontra o ponto P e n o vector unitário perpendicular a dσ . orientado da face negativa para a face positiva.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. Considere-se uma região do espaço em que existe um campo de vectores v(P) e nessa região uma superfície S de duas faces.1.2. Circulação de um vector Considere-se de novo uma região do espaço em que existe um campo de vectores v(P).z) o vector v(P) é único (num instante bem determinado). é nulo.13) pág. Nestas condições. finita. ou de parte dele. etc.2.12) É corrente usar na escrita o elemento de superfície vectorial dσ = n dσ .dσ e a do fluxo total ϕ = ∫ v. Considere-se um contorno fechado C. Fluxo do Campo Eléctrico 2. por cada ponto do espaço passa uma e só uma linha do campo. o fluxo de um campo através da superfície de um qualquer seu tubo de fluxo. magnético. Nessa região considere-se uma curva contínua. Com efeito para a superfície de um tubo de fluxo v é sempre perpendicular a n. Chama-se tubo de fluxo à superfície definida pelas linhas do campo que se apoiam no contorno C (passam pelo contorno). sendo a função integranda em (2. e seja t o vector unitário tangente a d λ . 65 Gustavo da Silva . Nestas condições a expressão do fluxo elementar será dada por dϕ = v. Chama-se fluxo elementar do campo v(P) através do elemento de superfície dσ ao escalar dϕ = v. Fluxo de um vector As considerações desta secção são genéricas para qualquer campo (eléctrico.12) sempre nula. gravítico. Note-se que o tubo de fluxo é uma superfície.n dσ S (2.2. não o volume por ela delimitado. Chama-se circulação elementar do campo v(P) ao longo do elemento de curva d λ . Uma vez que num determinado ponto P(x.t d λ C (2.2.y.t d λ Chama-se circulação total do campo ao longo de toda a curva C à soma integral de todas as circulações elementares d λ : γ = ∫ v. 2. na região em que existe o campo.) e são válidas para vectores variáveis no tempo. orientado num determinado sentido.n dσ (2. S Num campo vectorial chamam-se linhas do campo às linhas que em cada ponto são tangentes.11) Chama-se fluxo total do campo através de toda a superfície S à soma integral de todos os fluxos elementares dϕ : ϕ = ∫ v.

será análoga à das secções anteriores.2. Este campo dependerá do ponto P. Seja C uma curva fechada. com duas faces. Analiticamente.t d λ = ∫ dV = VB − VA AB A B (2. O interior de um elipsóide é simplesmente conexo. se forem utilizadas coordenadas cartesianas. C. dos pontos A e B e do caminho entre eles.n dσ S (2. em que a circulação de v não depende do caminho percorrido mas apenas dos pontos A e B. como se verá adiante. do campo v(P). Nestas condições.13) reduzida apenas a γ = ∫ grad V . importante por aparecer em muitas aplicações. será: ∫ C v. quaisquer. 2. O valor da circulação depende. uma vez que rot(grad(V)) é identicamente nulo. limitada por C. os caminhos se podem reduzir um ao outro por uma deformação contínua de um deles. uniforme.3. Seja S uma superfície (de aqui em diante será suposta de duas faces e finita). contínua e sem pontos múltiplos e considere-se uma calote de superfície S. z. A simbologia. o fluxo do campo eléctrico E através da superfície S será dado por: 7 Uma região diz-se simplesmente conexa se dados dois pontos A e B quaisquer e dois caminhos de A para B. É o caso em que v é o gradiente de um escalar V(P): v = grad(V).12).15) Se o campo for conservativo o 2º membro de (2. y. sem sair da região. ficando a expressão (2. e seja dσ um elemento da superfície S. no caso geral. matemático e físico irlandês. Em todo o campo que derive de um potencial(9) é nula a sua circulação ao longo de uma curva contínua fechada e sem pontos múltiplos.t d λ = ∫ (rot v). ou que é um campo conservativo.14) Diz-se neste caso. Este teorema e de importância fundamental em electrotecnia. qualquer que seja o escalar V.2. Fluxo do Campo Eléctrico e lei de Gauss Considere-se uma região do espaço em que existe um campo eléctrico E.Tópicos de Física – Electromagnetismo Faça-se agora a circulação de um campo ao longo de uma curva que liga os pontos A e B. Teorema de Stokes Considere-se numa região do espaço simplesmente conexa(7) um campo vectorial v(P). representando por n o vector unitário normal exterior à superfície e por t o vector unitário tangente à curva (de acordo com a “regra do saca rolhas”). 66 Gustavo da Silva . 9 Desde que obedeça às condições de validade do teorema de Stokes. ou. Pág. de x. 2. 1819-1903.t é uma diferencial exacta das coordenadas. Nestas condições v. O teorema de Stokes8 afirma o seguinte: A circulação do vector v(P) ao longo de C é igual ao fluxo do seu rotacional através de S. 8 George Gabriel Stokes. que o campo v (vectorial) deriva de um potencial V (escalar).15) anula-se. Há no entanto um caso. o interior de um toro já não o é.4. contínuo e derivável. Mais adiante o potencial será representado pela letra U. Atendendo à definição dada pela expressão (2.

A lei de Gauss permite concluir que o fluxo eléctrico (forma abreviada de fluxo do campo eléctrico) se pode exprimir em Nm2C-1. é. com uma forma arbitrária. Substituindo este valor no termo contendo o integral em (2. imediata.17).17) em que ε representa a permeabilidade eléctrica da região onde existe o campo e as cargas. notan4πε r 2 do que E sendo radial tem o sentido da normal à superfície. O campo eléctrico produzido por esta carga. 10 Karl Friedrich Gauss. pode afirmar-se que o fluxo do campo eléctrico através de uma superfície fechada é nulo se no seu interior não existirem cargas eléctricas. Atendendo à definição de fluxo (2.16) Considere-se agora uma superfície S fechada. e portanto também será igual ao fluxo através de S. 67 Gustavo da Silva . interior a S. Uma delas consiste em considerar uma superfície esférica qualquer interior a S e uma outra superfície esférica qualquer exterior a S. 1777-1855. A demonstração desta lei pode fazer-se a partir do cálculo do fluxo do campo eléctrico originado por uma carga pontual q localizada no centro de uma esfera de raio r. dσ S (2. finita. no interior da qual existe uma distribuição de cargas eléctricas. pág. e ainda que S = 4π r 2 . dσ = 1 ε Q (2. O fluxo do campo eléctrico através destas superfícies esféricas é o mesmo. Astrónomo e Matemático alemão. vem ϕE = ∫ 1 q q dσ = 2 S 4πε r 4πε r 2 ∫ S dσ = q 4πε r 2 S= q ε A generalização deste resultado a uma superfície arbitrária fechada S (designada superfície gaussiana) contendo a carga Q pode ser feita de várias formas. O sinal de integral é representado com uma circunferência para indicar que se trata de uma superfície fechada. é proporcional à quantidade de carga eléctrica resultante. radial e de 1 q módulo . uma vez que é independente do raio da esfera.metro). Como consequência da lei de Gauss.Tópicos de Física – Electromagnetismo ϕE = ∫ E. A lei de Gauss(10) afirma o seguinte: O fluxo total do campo eléctrico através de uma superfície fechada. contínua ou discreta.16) conclui-se que este se exprime em Vm (volt. de acordo com a lei de Coulomb. Unidades do fluxo eléctrico no SI: Como se viu atrás o campo eléctrico exprime-se em Vm-1 (volt/metro). existente no interior dessa superfície. Analiticamente esta lei exprime-se do seguinte modo: ϕE = ∫ S E. A generalização para uma distribuição de cargas interior a S é. Represente-se por Q a carga eléctrica total resultante. deste modo. suposta homogénea.

Mas as cargas interiores a este cilindro dqi. O campo eléctrico no seu interior é nulo.6. dA dΩ = 2 (2. sendo normal a esta. o que contrariava a hipótese do condutor se encontrar em equilíbrio electrostático. Considerando um cilindro de base elementar dA. colocado metade fora e metade dentro do condutor. exprime-se. Considere-se uma carga eléctrica pontual q localizada no ponto O e uma superfície arbitrária S. Se houvesse cargas no interior do condutor. O fluxo elementar do campo eléctrico através de dS é dado por dϕ E = E. contendo a carga (superfície de Gauss). Como o campo é nulo. o campo eléctrico não tem componente tangencial à superfície do condutor. Vai calcular-se o fluxo do campo eléctrico através de S. Condutores em equilíbrio electrostático Disse-se atrás que um meio material é condutor se contiver cargas eléctricas que se possam mover livremente. Imagine-se agora uma esfera com centro na carga eléctrica e raio r = |P-O|. esta faria as cargas deslocarem-se sobre a superfície. o campo tem que ser nulo no interior do condutor em equilíbrio electrostático. 2. este valor é igual a EdA. dS.2. O condutor diz-se em equilíbrio electrostático se as cargas livres não se encontrarem em movimento (pelo menos em valor médio). Estas propriedades podem ser obtidas com relativa facilidade: 1. com o eixo perpendicular à superfície do condutor. O ângulo sólido associado a dA é. são dadas por dqi = σ dA . haveria movimento de cargas. Se o campo eléctrico à superfície do condutor tivesse uma componente tangencial. e portanto E = σ / ε . a aplicação da lei de Gauss a este cilindro conduz a EdA = dqi / ε . perpendicular à superfície desse condutor e tem o valor σ / ε (densidade superficial de carga / permeabilidade eléctrica). sendo n o vector unitário normal a dS. contendo P. o que contraria a hipótese do condutor se encontrar em equilíbrio electrostático. Portanto.5. que a carga também o será. Ângulo sólido e lei de Gauss Considere-se uma superfície esférica de raio r e sobre ela um elemento de área infinitesimal dA. fechada. A carga eléctrica existente num condutor distribui-se pela sua superfície. O ângulo sólido correspondente a uma esfera é igual a 4π. Mas como E é radial. a aplicação da lei de Gauss indicaria a presença de um campo eléctrico diferente de zero. 3.n dS .18) r O ângulo sólido é uma grandeza adimensional. 3. Para o efeito considere-se um ponto P sobre a superfície e um elemento infinitesimal de área. por definição. O campo eléctrico à superfície de um condutor é. em cada ponto. ainda pela lei de Gauss. 2. em que dA é a projecção de dS sobre a circunferência de Pág. no SI. seguese. 2. Se o campo eléctrico no interior não fosse nulo. em Sr (esterradianos). Logo. Um condutor em equilíbrio electrostático goza das seguintes propriedades: 1.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2.2. 68 Gustavo da Silva . uma vez que só existe fluxo através de dA.

O fluxo total de E através da superfície de Gauss S será. uma vez que o campo eléctrico é conservativo.3. de valor global Q. Potencial Eléctrico e Capacidade 2. UP. Energia potencial Numa região do espaço em que existe um campo eléctrico E. Será assim U AB = 2. 2.3. podem aí colocar-se quaisquer distribuições de cargas. como sendo o trabalho necessário para.ds A B O valor deste integral é independente do percurso entre A e B. 69 . ΔEP AB = −WAB . Gustavo da Silva pág. considere-se uma carga de teste q0.19) Uma vez que este trabalho é realizado pelo campo. Potencial devido a uma carga ΔEP AB q0 = − ∫ E.3. no interior de um campo eléctrico. ele corresponderá a uma diminuição da energia potencial do campo.n dS = ∫ A 1 q q dA = 2 4πε r 4πε ∫ A dA q = 2 4πε r ∫ A dΩ = q 4πε Ω em que Ω é o angulo sólido de uma esfera.3. Será dado. ΔEP. ou seja. contínuas ou discretas. atendendo à lei de lomb. dado por ϕE = ∫ S E. Diferença de potencial Chama-se diferença de potencial entre os pontos A e B ao trabalho que uma força exterior tem que realizar para transportar uma carga de prova unitária entre os pontos A e B. pelo que será ΔE P AB = − q0 ∫ E.ds A B Define-se potencial no ponto P. contra as forças do campo. resultando assim a lei de Gauss (2.ds A B (2. Esta fica sujeita a uma força F = q0E. 2. e portanto de valor 4π. transportar a carga de prova unitária desde o infinito até a esse ponto. Calcule-se o trabalho realizado por esta força ao transportar a carga de teste de um ponto A para um ponto B.3. Substituindo o seu valor na equação acima esta fica q ϕE = ε Uma vez que a carga se encontra localizada numa posição arbitrária no interior de S. por definição de trabalho.2.1.17). por WAB = q0 ∫ E.Tópicos de Física – Electromagnetismo raio r.

3. Substituindo nela o campo dado pela lei de Coulomb.21) Pág.20) justifica o facto. devido a uma distribuição discreta de N cargas qi. mencionado em 2. de o campo eléctrico se exprimir em volt/metro. existe uma diferença de potencial de 1 V se for necessário o trabalho de 1 J para deslocar. uma vez que o percurso de integração radial é paralelo às linhas do campo.20) No Sistema Internacional de unidades a diferença de potencial e o potencial exprimemse em V (volt). Diz-se que os pontos A e B se encontram sobre uma equipotencial.20) para calcular o potencial devido a uma carga eléctrica q. uma carga eléctrica de 1 C. será dado pela soma dos potenciais devidos a cada uma das cargas: U P = ke ∑ i =1 N qi ri (2.20).4. U P = − ∫ E. de um ponto para o outro.ds ∞ P (2. De um modo geral chama-se equipotencial ao conjunto de pontos que se encontram ao mesmo potencial. e a lei de Coulomb. Utilizando ainda a expressão (2. perpendicular às linhas do campo eléctrico. pode concluir-se que a diferença de potencial devido a uma carga eléctrica q. num campo eléctrico. Se a recta que contém A e B for paralela às linhas do campo será simplesmente U B − U A = −E d Se a recta anterior for perpendicular às linhas do campo será U B − U A = 0 .3. em cada ponto. 70 Gustavo da Silva . Este conjunto de pontos constitui uma superfície que é. De um modo geral é também nulo o potencial eléctrico a uma distância infinita de uma distribuição qualquer de cargas. Potencial devido a uma distribuição de cargas O potencial num ponto P. Numa região em que o campo eléctrico seja uniforme. entre dois pontos às distâncias r1 e r2 é dada por ⎛1 1⎞ U1 − U 2 = ke q ⎜ − ⎟ ⎝ r1 r2 ⎠ 2. obtém-se.1. a diferença de potencial entre dois pontos à distância d um do outro é dada por U AB = U B − U A = − E d cos θ em que θ é o ângulo formado pela recta que une os pontos A e B e as linhas do campo. à distância R.ds = − ∫ ∞ P R ∞ ke q kq ⎡1 ⎤ dr = ke q ⎢ ⎥ = e 2 r R ⎣ r ⎦∞ R Verifica-se que o potencial decresce com o inverso da distância e se anula no infinito.Tópicos de Física – Electromagnetismo Utilizando a definição anterior vem U P = − ∫ E. Utilize-se a expressão (2. A observação da expressão (2. Entre 2 pontos.

de área A cada uma.3. por definição.23) e com o auxílio da lei de Gauss e da expressão da diferença de potencial entre dois eléctrodos planos (ver Probl. será UP = ∫ V dq ρ = ∫ dV V r r (2. A experiência mostra que existe uma relação de proporcionalidade entre a carga existente numa das.Tópicos de Física – Electromagnetismo em que ri representa a distância de cada carga ao ponto P. estes são constituídos por duas armaduras planas. a relação que se estabelece entre o valor absoluto da carga eléctrica numa das suas armaduras e o valor absoluto da diferença de potencial entre elas. Com esta hipótese as linhas do campo eléctrico têm origem todas no condutor carregado positivamente e terminam todas no condutor negativo. Ao sistema assim constituído dá-se o nome de condensador eléctrico. A maior parte dos condensadores usados na prática podem ser classificados com condensadores planos. e os condutores que o constituem têm o nome de armaduras ou eléctrodos do condensador. Estabelece-se assim entre os dois condutores uma diferença de potencial ΔU ≡ U12 ≡ U.5. 71 .23) A capacidade de um condensador depende da sua geometria e do valor da permeabilidade eléctrica do seu dieléctrico. Admita-se que num dos condutores se encontra distribuída a carga eléctrica +Q. Repare-se que esta soma é algébrica. representando por dq a carga eléctrica existente no elemento de volume dV. e que no outro condutor se encontra a carga –Q. uma vez que o potencial é um escalar. 2. Capacidade e condensadores Considere-se o conjunto formado por dois condutores separados por um isolante.24) d Gustavo da Silva pág. Se em vez de uma distribuição de cargas discreta esta for contínua.28) que a capacidade do condensador é dada por A C =ε (2. a uma distância d muito inferior à menor das dimensões da superfície das armaduras. 2. De acordo com esta definição pode escrever-se C= Q U (2. O problema que se põe agora é determinar a relação existente entre a carga Q e a diferença de potencial U.22) em que ρ representa a densidade volumétrica de carga e poderá variar de ponto para ponto. Nestas condições prova-se. a partir da expressão (2. O espaço entre as armadura é preenchido com um dieléctrico de permeabilidade eléctrica ε. designando-se a constante de proporcionalidade por capacidade do condensador: Capacidade de um condensador é.

em que uma das armaduras é constituída pelo condutor interior. de tântalo cond. Seguindo um raciocínio análogo ao utilizado para o condensador plano prova-se que a sua capacidade é dada por C= 2πε ⎛R ⎞ ln ⎜ e xt ⎟ ⎝ Rint ⎠ (2. isto resulta de. 72 Gustavo da Silva . é dada por C= 4πε 1 1 − R1 R2 (2. rígidas filme metálico filme metálico metal ou filme metálico filme metálico metal ou filme metálico 4. sendo o dieléctrico a substância que separa estes condutores. de papel cond. Um outro tipo de condensador muito vulgar é o cabo coaxial. electrolítico dieléctrico armaduras ddp máxima (V) 10 000 400 2 500 500 100 100 Capacidades ar. cerâmico cond. vácuo ou gás papel encerado mica vidro ou cerâmica óxidos de tântalo óxidos metálicos metálicas. constituído por duas esferas concêntricas de raios R1 e R2. constituída por dois condutores de secção recta com raios R1 e R2 e centros separados de D. num meio de permeabilidade ε. Um outro condensador importante é a linha bifilar. para efeitos de compactação.25) representa o comprimento do condensador e Rext/Rint os diâmetros exteem que rior/interior das armaduras. de mica cond. a outra pelo condutor exterior. com um meio de permeabilidade ε entre elas. de protecção.7 nF – 470 μF 4.7 nF – 10 mF Embora muitos dos condensadores apresentados tenham aparentemente a forma cilíndrica.7 nF – 10 μF 1pF – 100 nF 10pF – 100 nF 4. pela sua constituição forma um condensador cilíndrico.27) Pág. com R2 > R1. Embora a finalidade do cabo coaxial seja a de transportar sinais eléctricos.26) Finalmente o condensador esférico. protecção e manuseamento o conjunto armaduras + dieléctrico ter sido dobrado e enrolado. Para este condensador a capacidade é dada por C= 2πε ⎛ D2 ⎞ ln ⎜ ⎟ ⎝ R1R2 ⎠ (2.Tópicos de Física – Electromagnetismo Citam-se a seguir alguns dos condensadores mais usados na prática e algumas das suas características principais: tipo de condensador variável cond.

32) mostra que a corrente representa o fluxo de cargas eléctricas na unidade de tempo.4. uma vez que tem carga eléctrica. Se agora se fornecer ao condensador uma carga elementar dq.30) Para um condensador plano o campo eléctrico no seu dieléctrico é dado por E=U/d. Para descrever a forma como as cargas se movimentam são utilizados os conceitos de corrente eléctrica e densidade de corrente eléctrica. os electrões de valência. 73 .30) e entrando com a expressão da capacidade do condensador plano (2. Substituindo o valor de U em (2. A expressão (2.4. como por exemplo a temperatura. Num metal as cargas eléctricas livres são negativas. A energia acumulaC da no condensador será o trabalho necessário para elevar a carga do condensador desde 0 até Q: Q q 1 Q Q2 W = ∫ dq = ∫ qdq = 0 C 2C C 0 Esta expressão pode escrever-se dos modos seguintes: W= 1 1 Q2 QU = CU 2 = 2 2 2C (2. através de A.29) Um condensador.32) dt A corrente eléctrica é também designada por corrente. o trabalho necessário para o fazer será dado por dW = V dq = q dq .24) obtém-se para a expressão da energia eléctrica por unidade de volume 1 wE = ε E 2 (2. A corrente positiva representa um fluxo de I (t ) = Gustavo da Silva pág. Define-se corrente eléctrica instantânea através de uma superfície de área A pela expressão dQ (t ) (2. de capacidades Ci. Corrente eléctrica Num condutor as cargas eléctricas podem movimentar-se com mais ou menos facilidade.31) 2 2. tem energia acumulada.Tópicos de Física – Electromagnetismo Os condensadores podem ser associados em série ou em paralelo. intensidade de corrente eléctrica ou intensidade.1. Para calcular esta energia admita-se que o condensador tem uma carga q. dependendo esta do material em si e de outros factores. e se encontra a uma diferença de potencial U.28) Associação em série: N 1 1 =∑ C i =1 Ci (2. a capacidade resultante da associação é Associação em paralelo: C = ∑ Ci i =1 N (2. Condutores e corrente eléctrica 2. Supondo que existem N condensadores.

4. filósofo.34) dA em que n representa o vector unitário normal à superfície dA. com a respectiva densidade de corrente associada. Ao definir-se a corrente eléctrica falou-se na área através da qual se movimentam as cargas. J. sendo a corrente dQ I (t ) = = nqvd (t ) A (2. Representando por n o número de portadores de carga por unidade de volume. E. as forças aplicadas às cargas são devidas a este campo. cientista e matemático francês 1775-1836. no volume elementar dV=Adx há a carga elementar dQ = n q dV = n q A dx. A unidade de corrente do SI é o ampere(11) (A). As cargas em movimento percorrem o espaço dx num intervalo de tempo dt tal que dx = vd dt. Gustavo da Silva Pág. existe uma relação de proporcionalidade dada pela chamada lei de ohm: J =σE (2. físico. Num condutor onde exista um campo eléctrico. 2. através de A. por vd a velocidade média de cada portador (velocidade de deriva) e por A a secção recta através da qual passam as cargas. indo pois estabelecer-se uma corrente eléctrica. e a densidade de corrente resultante. 11 André-Marie Ampère. assim. num metal.Tópicos de Física – Electromagnetismo cargas positivas por unidade de tempo. de uma carga de 1 C durante 1 s. Lei de ohm Num condutor as cargas eléctricas movimentam-se por se encontrarem sujeitas a forças.2. 74 .35) O parâmetro σ designa-se por condutividade eléctrica do material e é um escalar: a densidade de corrente tem a direcção e sentido do campo. devido às colisões com os átomos do condutor. pelo que se obtém dQ = n q vd A dt. O ampere representa a passagem.33) dt Note-se que no interior de um condutor as cargas livres se movem aos ziguezagues. Mesmo nos metais a lei não se aplica a determinadas temperaturas muito baixas. A corrente é devida ao valor médio da velocidade das cargas. orientado com o sentido da corrente I. por q a carga de cada portador. Interessa agora definir a densidade de corrente eléctrica. Será a corrente que passa por unidade de área. em torno de um ponto P. define-se o vector densidade de corrente pela expressão dI J= n (2. Há no entanto materiais para os quais ela não se verifica. a corrente tem o sentido trário ao do movimento dos electrões. por exemplo os materiais semicondutores. A experiência revela que entre o campo eléctrico aplicado. e representa-se por J: J= I A Através de uma área infinitesimal dA. A lei de ohm é válida para os metais e soluções químicas.

Tópicos de Física – Electromagnetismo

Há ainda casos de materiais anisótropos em que a condutividade é uma matriz, deixando o vector J de ter o sentido do campo eléctrico. À grandeza inversa da condutividade dá-se o nome de resistividade eléctrica:

ρ=

1

σ

(2.36)

Considere-se agora o caso particular de um condutor de secção recta A e comprimento . Ao ligarem-se os seus extremos a uma fonte de tensão com uma diferença de potencial U, o campo eléctrico que se estabelece no condutor será, em módulo, E=U/ . Pela lei de ohm estabelece-se no condutor uma densidade de corrente tal que J = σE = σ U/ A . Mas como J = I/A, fica I = σ V , ou ainda, entrando com a definição (2.36),
U = RI

(2.37) (2.38)

em que
R=ρ A

A resistividade dos materiais depende da temperatura. Este facto é largamente utilizado em instrumentação de medida na construção das termo-resistências.
2.4.3. Energia e potência

Considere-se uma resistência ligada a uma fonte de energia eléctrica que mantenha aos seus terminais uma diferença de potencial U. Pela lei de ohm a resistência irá ser percorrida por uma corrente I. Haverá assim um movimento de cargas eléctricas na resistência. O trabalho necessário para transportar a carga +q na resistência será dado por (2.19). Mas como

B A

E.ds = U , fica WAB = qU . Dividindo ambos os membros desta expressão

pelo tempo, fica-se no primeiro membro com a potência fornecida pela fonte à resistência, e no segundo com o produto da corrente pela tensão, pelo que a expressão da potência entregue pela fonte à resistência será dada por
P = UI

(2.39)
U2 R

Entrando com a lei de ohm (2.37), pode ainda escrever-se
P = RI 2 =

(2.40)

As resistências podem ser associadas em série ou em paralelo. Supondo que existem N resistências, de valor Ri, a resistência resultante da associação é (ver problemas) Associação em série: Associação em paralelo:
R = ∑ Ri
i =1 N

(2.41) (2.42)

N 1 1 =∑ R i =1 Ri

Gustavo da Silva

pág. 75

Tópicos de Física – Electromagnetismo

2.4.4. Leis de Kirchhoff

Ao efectuar o estudo de circuitos contendo elementos individualizados, tais como resistências, condensadores ou outros, também designados por circuitos de parâmetros concentrados, é fundamental a utilização das leis de Kirchhoff, a lei dos nós e a lei das malhas. Para o efeito divide-se o circuito em malhas, de modo a haver sempre pelo menos um ramo diferente em cada malha. Às junções dos ramos dá-se o nome de nós. Em vez do nó pode considerar-se uma superfície fechada de onde entram ou saem as correntes. Para cada nó e para cada malha são válidas as seguintes leis:
2.4.4.1. Lei dos nós

Em qualquer nó de um circuito, a soma algébrica das correntes eléctricas é nula:

∑i
k =1

n

k

=0

(2.43)

in
...

i1
superfície fechada

Para efectuar a aplicação desta lei deverá previamente atribuir-se um sentido às correntes, por exemplo, a corrente será positiva se for a entrar no nó e negativa se for a sair. Numa rede há tantas equações do tipo (2.43) quantos os nós. No entanto nem todas são distintas. Se houver n nós apenas n-1 equações são independentes.
2.4.4.2. Lei das malhas

i3

i2

Fig. 2.1 – Lei dos nós

Em qualquer malha de um circuito, a soma algébrica das tensões eléctricas é nula.
um u1

Como para a lei anterior, para efectuar a aplicação desta lei deverá previamente atribuir-se um sentido às tensões.

∑u
k =1

m

k

=0

(2.44)

...

u2

Há também tantas equações quantas as malhas que se considerarem. Como anteriormente, nem todas as malhas são distintas. Numa rede com n nós e m ramos, o nº de malhas independentes é

u3
Fig. 2.2 – Lei das malhas
Pág. 76

ν = m − n +1
O número total de equações independentes é também igual a este.
Gustavo da Silva

Tópicos de Física – Electromagnetismo

2.5. Campo magnético.
2.5.1. Introdução

Presume-se que a primeira utilização prática do magnetismo tenha sido num instrumento de medida, a bússola, da qual já há referências ao uso, na China, no século 13 AC. Bastante mais tarde, cerca de 800 anos A.C., os Gregos fazem referência ao facto de um mineral, a magnetite, atrair pequenos pedaços de ferro. Tal como acontece com a agulha magnética da bússola, na magnetite e nos imãs artificiais, detectam-se duas regiões com características opostas, uma que é atraída pelo pólo norte da Terra e outra que é atraída pelo pólo sul. A essas regiões dá-se o nome de norte e sul da agulha (ou da magnetite), respectivamente ou também, pólo + e pólo – . Um facto que chamou a atenção dos investigadores foi o de não se conseguir separar os dois pólos de um imã: se um determinado imã for cortado em dois, o resultado são dois imãs mais pequenos, continuando cada um deles a ter um pólo norte e um pólo sul. Constatou-se ainda que estando dois imãs em presença, os pólos do mesmo sinal se repelem e os pólos de sinais contrários se atraem. A Terra comporta-se como um imã gigante, com o pólo sul magnético ou pólo – localizado próximo do norte geográfico e o pólo norte magnético ou pólo + localizado próximo do pólo sul geográfico. Uma vez que um imã produz uma força que pode ser detectada numa determinada região do espaço, pode falar-se da existência de um campo magnético. Este pode ser detectado com o auxílio de uma agulha magnética, que se orientará segundo a direcção do campo. A intensidade poderá ser detectada pelo binário exercido sobre uma agulha magnética de valor conhecido que se encontre perpendicular às linhas do campo. O campo magnético é designado por B. Oersted(12) descobriu que uma corrente eléctrica também faz deflectir uma agulha magnética, originando assim um campo magnético. Esta descoberta foi aproveitada quase logo a seguir por outros cientistas para estabelecer as bases do electromagnetismo.
2.5.2. Força exercida sobre a carga eléctrica

Uma das propriedades importantes do campo magnético é que ele exerce uma força sobre uma carga eléctrica que se encontre em movimento. Designando por B o vector campo magnético, se uma carga eléctrica q se encontrar em movimento, no campo, com uma velocidade v, a experiência mostra que a carga fica sujeita a uma força FB tal que: 1º – O módulo da força é proporcional à carga; o seu sentido depende do sinal da carga. 2º – O módulo da força é proporcional ao módulo da velocidade da carga; o seu sentido depende do sentido da velocidade. 3º – O módulo da força é proporcional ao módulo do campo; o seu sentido depende do sentido do campo. 4º – Se a direcção da velocidade for paralela à direcção do campo, a força é nula; se a velocidade e o campo formarem um ângulo θ, a força é proporcional a senθ. 5º – A força é perpendicular ao plano formado por v e B, de tal modo que v, B e FB formam um triedro directo.
12

Hans Christian Oersted, Físico dinamarquês, 1777-1851. pág. 77

Gustavo da Silva

Tópicos de Física – Electromagnetismo

As observações anteriores podem resumir-se à expressão

FB = qv × B
em que o sinal x representa o produto externo dos vectores v e B.

(2.45)

No sistema internacional de unidades o campo magnético exprime-se em tesla ( T ). O tesla corresponde, tomando em consideração a equação (2.45) a
1T= 1N 1N , ou ainda, 1 T = 1 C.m/s 1 A.m

2.5.3. Força exercida sobre a corrente eléctrica

Uma vez que a corrente eléctrica é o resultado do movimento das cargas eléctricas, é de esperar que sobre um condutor que transporte uma corrente eléctrica, se exerça uma força, se esse condutor se encontrar convenientemente colocado num campo magnético. Viu-se atrás, que se for n o número de portadores de carga por unidade de volume do condutor, q a carga de cada portador, vd a velocidade de deriva de cada portador e A a secção recta do condutor através da qual passam as cargas, se tem I = nqvd A . A força exercida pelo campo sobre cada portador é dada por f = qv d × B . A força exercida sobre todos os portadores contidos no comprimento elementar ds do condutor de secção A será dada por dF = nAds qv d × B . Considerando o vector ds com o sentido de vd e módulo ds, substituindo nqvdA por I a expressão da força exercida pelo campo sobre o elemento de condutor de secção A e comprimento ds fica

dFB = Ids × B
Se o condutor formar um troço AB , a força total sobre ele exercida será

(2.46)

FB = I ∫ ds × B
AB

(2.47)

2.5.4. Movimento de uma partícula num campo magnético

Considere-se uma partícula material de massa m e carga eléctrica q em movimento num campo magnético. De acordo com a 2ª lei de Newton, a partícula adquire uma aceleração igual à resultante das forças exteriores sobre ela aplicadas a dividir pela sua massa. Aplique-se ao caso simples de uma partícula de carga positiva q, lançada com uma velocidade v perpendicularmente a um campo B uniforme. A única força exterior a actuar sobre a partícula é a força magnética, cujo módulo é dado por FB = qvB . Pela lei de Newton será então qvB = ma . O módulo da aceleração é constante, uma vez que B é uniforme. No entanto a sua direcção vai sempre variando, uma vez que a força FB está sempre apontada para o centro de uma circunferência de raio r. Nestas condições a aceleração da partícula é centrípeta, pelo que pode ser expressa por a = v2/r. Substituindo o valor de a na expressão anterior fica mv 2 mv , donde r = qvB = r qB

Pág. 78

Gustavo da Silva

Tópicos de Física – Electromagnetismo

A partícula descreve um movimento circular. A sua frequência angular é dada por ω = v / r , ou qB ω= (2.48) m
2.5.5. O efeito de Hall

O efeito de Hall é o resultado da acção de um campo magnético sobre cargas eléctricas em movimento no interior de um condutor. Seja um condutor, por simplicidade de exposição de secção rectangular e colocado num campo magnético, como indicado na figura. O condutor é percorrido por uma corrente eléctrica, imposta do exterior. Uma vez que as cargas se encontram sujeitas à força FB, irão deslocar-se para a parte y z superior do condutor. No entanto, a concentração de cargas FB B e positivas na face superior (e vd A I x I d negativas na inferior), origina + um campo eléctrico EH, com a direcção do eixo dos zz, de sentido contrário a FB. A este camB po eléctrico corresponderá uma diferença de potencial UH entre Fig. 2.3 – Efeito de Hall as faces superior e inferior do condutor, UH=EH d. No equilíbrio será qvdB = qE, pelo que fica, VH=vdBd. Mas viu-se atrás que vd=I/nqA, pelo que se pode escrever, representando por e a espessura do condutor,
VH = RH IB 1 , com RH = e nq

(2.49)

A constante RH designa-se por coeficiente de Hall; depende do material condutor. Este dispositivo utiliza-se em instrumentação de medida para detectar a posição de peças e para medição de posições angulares.
2.5.6. A lei de Biot-Savart

A lei de Biot-Savart permite calcular, em qualquer ponto do espaço, o campo magnético originado por uma corrente eléctrica. Esta lei foi consequência dos trabalhos experimentais de dois físicos, J.B. Biot(13) e F. Savart(14). Estes físicos, após vários trabalhos experimentais, concluíram que em espaço livre, a corrente I que circula num troço de condutor de comprimento elementar ds orientado no sentido da corrente, origina num ponto P, à distância r de ds, um campo magnético dB dado por
dB =

μ0 Ids × r1 4π r 2

(2.50)

13 14

Jean Baptiste Biot, físico francês, 1774-1862. Félix Savart, físico francês, 1791-1841. pág. 79

Gustavo da Silva

e portanto a equação (2. enquanto para originar um campo eléctrico a carga pode estar estática.m/A . 4π d . resultando μ I ds × r1 (2. Em primeiro lugar vai calcular-se o campo magnético originado por um condutor rectilíneo de comprimento . 2. Ela pode ser aplicada para calcular o campo magnético produzido por um feixe de electrões. obtém-se B = 0 (cosθ1 − cosθ 2 ) .51) B= 0 ∫ r2 4π Note-se que para a aplicação desta lei não é necessária a existência de um suporte material para a corrente. 2ª O campo eléctrico produzido por uma carga ser radial. enquanto que o campo magnético produzido por uma corrente é perpendicular ao plano definido pelo segmento por onde circula a corrente e pelo segmento representativo da distância de ds ao ponto de coordenadas P. O seu valor é μ 0 = 4π × 10 −7 T.4 – Força magnética entre condutores paralelos Pág.50) tem sempre que ser integrada. Força magnética entre dois condutores paralelos A determinação desta força é importante. uma vez que a corrente tem que ter continuidade. a que corresμI pondem os ângulos θ1 e θ2. 3ª Pode ter existência o campo eléctrico produzido por uma carga elementar.5. à distância d do seu eixo. mas não poder existir o campo magnético produzido apenas por uma corrente existente num caminho elementar ds. 80 Gustavo da Silva . O campo originado em P por todo o condutor obtém-se simplesmente por integração da equação anterior.7. para originar um campo magnético a carga tem de estar em movimento. No entanto. Reparem-se nas semelhanças e nas diferenças existentes entre a lei de Coulomb e a lei de Biot-Savart: 1ª Em qualquer das leis há uma atenuação do campo com o inverso do quadrado da distância. r θ1 r1 θ B(P) d 0 I → θ2 x1 dx x x2 Fig. 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo μ0 é uma constante designada por permeabilidade magnética do espaço livre. μI Observe-se a figura e aplique-se a lei de Biot-Savart: dB = 0 2 senθ dx . porque entre outros factos constitui a base da definição da unidade de corrente eléctrica no SI. 4π r Exprimindo x e r em função de θ e d e integrando para todo o condutor. r1 representa o vector unitário dirigido de ds para o ponto P.

Um troço do condutor 1. origina.5. 2. para a força por unidade de comprimento F = μ0 I1 I 2 2π d (2. não é possível separar os pólos de um imã. Lei de Ampere Considere-se um circuito geométrico fechado. fica submetido à força F1 = I1 × B2 . A lei de Gauss do campo magnético afirma o seguinte: O fluxo total do campo magnético através de uma superfície fechada é nulo. ∫ B. Mas o campo B2 originado pelo condutor 2 é dado por(2.54) 2. 81 . Os condutores.53) A definição de ampere resulta imediatamente da equação acima (repare-se no valor de μ0 ): Um ampere é a corrente eléctrica que circulando em dois condutores paralelos de comprimento infinito. .55) pág. transportam as correntes I1 e I2. e com o mesmo sentido. fica F1 = I1 B2 .ds = μ I 0 (2.52) 2π d Considerem-se dois condutores paralelos. ∫ Gustavo da Silva S B. A constante de proporcionalidade é a permeabilidade magnética do meio. e uma superfície qualquer que se apoie nesse circuito. de comprimento e percorrido pela corrente I1.dA = 0 (2. ficando apenas μI B= 0 (2.5. Isto significa que as linhas do campo magnético são sempre fechadas sobre elas próprias. que nascem em cargas positivas (ou então no infinito) e terminam em cargas negativa ou no infinito. Analiticamente. Mas como é perpendicular a B2. à distância d um do outro. de comprimento infinito. à distância de um metro um do outro. respectivamente. É de esperar pois que haja diferenças entre as expressões do fluxo do campo eléctrico e do campo magnético. uma força entre eles de 2 ×10−7 N por cada metro de comprimento. A lei de Ampere afirma o seguinte: A circulação do campo magnético ao longo de qualquer circuito fechado é proporcional à resultante das correntes eléctricas que atravessam qualquer superfície que se apoie no circuito. Lei de Gauss do campo magnético Como se disse atrás.52). 1 e 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo Se o condutor for de comprimento infinito será cosθ1 = 1 e cosθ 2 = −1 .8. contrariamente ao que acontece com as linhas do campo eléctrico.9. Admita-se que nesta região existe um campo magnético e há correntes eléctricas. Analiticamente. Considere-se uma região do espaço em que existe um campo magnético e nela uma superfície fechada qualquer. pelo que fica. no vazio.

Tópicos de Física – Electromagnetismo

2.5.10. Generalização da lei de Ampere

A lei de Ampere atrás apresentada é sempre válida quando a corrente eléctrica não varia no tempo. Se tal acontecer, poderá haver casos em que a lei não se verifique, a menos que seja completada com um novo termo, designado por corrente de deslocamento. Seja o exemplo clássico de um condutor rectilíneo transportando uma corrente I variável no tempo, e um condensador inserido no circuito. Embora no circuito haja corrente, que transporta as cargas para ou das armaduras do condensador, entre as armaduras não há corrente eléctrica. Aplique-se a lei de Ampere, tomando um contorno circular perpendicular ao condutor, e considerem-se as superfícies S1 e S2, a primeira intersectando o condutor e a 2ª passando entre as armaduras do condensador. Para a 1ª superfície a lei diz que Maxwell(15) com a introdução de um termo adicional, na lei de Ampere, chamado corrente de deslocamento, definida por dφ Id = ε0 E (2.56) dt Nestas condições a lei de Ampere, agora designada por lei de Ampere-Maxwell, escreve-se
dφ E (2.57) dt Pode ver-se qual o significado deste 2º termo do 2º membro, no caso de se ter no circuito um condensador plano. Para ele será, sendo A a área das armaduras em presença e E o campo eléctrico entre elas, φE = EA = Q/ ε 0 . (A 2ª igualdade obtém-se pela aplicação da lei de Gauss do campo eléctrico). Neste caso a corrente de deslocamento será dada por Id= dQ/dt, ou seja, como já se sabia, a corrente é dada pela variação da carga.

∫ B.ds = μ I
0

e para a 2ª

∫ B.ds = 0 .

Esta discrepância foi resolvida por

∫ B.ds = μ I + μ ε
0

0 0

2.5.11. O magnetismo na matéria

O campo magnético no interior de um meio material é constituído por dois termos: um devido ao campo aplicado a partir do exterior do meio, B0, e outro devido ao magnetismo existente no próprio meio, Bm. Este último termo é devido à soma dos momentos magnéticos orbitais e de spin dos átomos, podendo exprimir-se na forma Bm=μ0M. Introduzindo um novo campo, designado por intensidade magnética, H, dado por H=B0/μ0, pode escrever-se

B = μ0 ( H + M )
Acontece que para muitas substâncias (as substâncias paramagnéticas e as diamagnéticas) se tem M=χH, ficando então B = μH (2.58) em que

μ = μ0 (1 + χ )

(2.59)

Chamam-se paramagnéticas as substâncias para as quais χ>0; Para estas substâncias é μ>μ0. Dizem-se diamagnéticas os materiais em que χ<0; para eles μ<μ0.

15

James Clerk Maxwell, Físico escocês, 1831-1879. Gustavo da Silva

Pág. 82

Tópicos de Física – Electromagnetismo

Há um outro tipo de materiais, os materiais ferromagnéticos para os quais a relação (2.58) é a conhecida curva de histerese, não linear e com memória. Estas substâncias que exibem um μ/μ0 muito elevado, muitas vezes superior a 5000, são designadas por substâncias ferromagnéticas.

2.6. As equações de Maxwell
2.6.1. A lei da indução, de Faraday

Considere-se um circuito condutor fechado, , e uma superfície, S, qualquer, que se apoie nesse circuito. É bem conhecido o facto de que se se provocar uma variação de fluxo magnético através de S, o circuito é percorrido por uma corrente eléctrica. A esta corrente dá-se o nome de corrente induzida. Ela é devida à força electromotriz induzida que se gera no circuito. Esta f.e.m. é, fisicamente, uma diferença de potencial. Ela existe porque a variação do fluxo magnético deu origem a um campo eléctrico na vizinhança do circuito condutor; a circulação deste campo eléctrico é a f.e.m. Pela lei de ohm, havendo um campo eléctrico num condutor, este irá ser percorrido por uma corrente. O que acaba de se expor pode ser expresso pela lei da indução de Faraday:
A força electromotriz induzida num circuito é proporcional à variação no tempo do fluxo magnético através de uma superfície que nele se apoie.

Analiticamente
e=−

dφ B dt

(2.60)

Note-se que não se faz nenhuma referência ao facto que dá origem à variação do fluxo. Este poderá variar no tempo porque o circuito se movimenta no campo magnético, em particular por estar a rodar, como acontece nos alternadores, ou por ser originado por uma corrente eléctrica variável no tempo, como acontece nos transformadores. De qual modo, o que é importante na lei de Faraday, é que o fluxo deverá variar no tempo.
2.6.2. Lei de Lenz

A lei de Lenz não é mais do que a interpretação do sinal “–“ existente na lei da indução de Faraday:
A polaridade da f.e.m. induzida é tal que a corrente correspondente origina um campo magnético que se vai opor à variação de fluxo que lhe deu origem.
2.6.3. As equações de Maxwell na forma integral

As equações de Maxwell são as leis fundamentais do electromagnetismo. Foram apresentadas neste capítulo, embora não se tenha chamado a atenção para o nome. A primeira equação é a própria lei da indução (2.60), escrita de uma forma ligeiramente diferente, notando que a f.e.m. é a circulação de um campo eléctrico. A 2ª equação é a lei de Ampère-Maxwell (2.57). As duas restantes são as leis de Gauss do campo eléctrico e do campo magnético. Podem assim escreve-se as equações de Maxwell do electromagnetismo, na forma integral:
Gustavo da Silva pág. 83

Tópicos de Física – Electromagnetismo


E.ds = −

dφ B dt
0 0 0

(2.61)
dφ E dt

∫ B.ds = μ I + μ ε
S

(2.62) (2.63) (2.64)

E. dσ =

1

ε0

Q

S

B.dA = 0

2.6.4. As equações de Maxwell na forma diferencial

As equações na forma diferencial são úteis quando se deseja estudar determinados aspectos do campo electromagnético, por exemplo o aspecto ondulatório. A passagem das equações acima, na forma integral, para as equações na forma diferencial, faz-se com recurso a dois teoremas importantes do cálculo: o teorema de Stokes e o teorema da divergência. Comece-se em primeiro lugar por escrever as equações anteriores desenvolvendo as expressões do fluxo dos campos magnético e eléctrico e notando que a corrente é o fluxo de J e a carga é o integral da densidade de carga ρ. As operações de derivação em ordem ao tempo e de integração no espaço podem comutar. As derivadas totais passam a derivadas parciais porque os fluxos dependem apenas do tempo, enquanto que os campos respectivos dependem do tempo e do espaço. Nestas condições será

∫ ∫

S

E.ds = − ∫∫

∂B .dA S ∂t
S

(2.65)
∂E ).dA ∂t

B.ds = μ0 ∫∫ ( J + ε 0
E. dσ = 1

(2.66) (2.67) (2.68)

ε0

∫∫∫

V

ρ dV

S

B.dA = 0

Utilizando o teorema de Stokes pode modificar-se o primeiro membro das equações (2.65) e (2.66). Com o auxílio do teorema da divergência modificam-se os dois primeiros membros das equações (2.67) e (2.68). Finalmente, notando que B = μ0H e

D = ε 0E fica

∫∫

S

rot E.dA = − ∫∫
S

∂B .dA S ∂t ∂E ).dA ∂t

∫∫

S

rot H.dA = ∫∫ ( J + ε 0
V

∫∫∫
Pág. 84

div DdV = ∫∫∫ ρdV
V

Gustavo da Silva

Tópicos de Física – Electromagnetismo

∫∫∫ div BdV = 0
V

Finalmente, notando que estas igualdades são válidas quaisquer que sejam as superfícies S e os volumes V, obtêm-se as equações de Maxwell na forma diferencial:
∂B ∂t ∂D rot H = J + ∂t div D = ρ

rot E = −

(2.69) (2.70) (2.71) (2.72)

div B = 0

2.6.5. Ondas electromagnéticas

Considerando um meio sem cargas (ρ = 0) e isolante (σ = 0, ⇒ J = 0), e atendendo à identidade vectorial, válida para qualquer vector X,

rot(rot( X )) = grad(div( X )) − lap( X )
chega-se às seguintes equações:
∂ 2E ∂t 2 ∂ 2D lap D = −εμ 2 ∂t ∂ 2B lap B = −εμ 2 ∂t ∂ 2H lap H = −εμ 2 ∂t lap E = −εμ

(2.73) (2.74) (2.75) (2.76)

Isto significa que os campos E, D, B e H se propagam sob a forma de ondas esféricas, com uma velocidade de propagação 1 v= (2.77)

εμ

Se o meio de propagação for o vácuo tem-se μ = μ0 e ε = ε 0 , sendo nesse caso v = c , pelo que (2.78) ε 0 μ0 = c 2

Gustavo da Silva

pág. 85

Tópicos de Física – Electromagnetismo

2.6.6. O espectro das ondas electromagnéticas

É a seguinte a designação que se dá às ondas electromagnéticas consoante a sua frequência de oscilação:
Designação Onda longa (LW) < 300kHz Ondas de rádio Onda média (MW) 300kHz - 3 MHz Onda curta (SW) 3 MHz – 30 MHz VHF UHF Microondas Infravermelhos Luz visível Ultravioletas Raios X Raios γ frequência f < 300 kHz 300 kHz< f < 3 MHz 3 MHz< f < 30 MHz 30 MHz< f < 300 MHz 300 MHz< f < 3 GHz 3×109 Hz< f < 3×1012 Hz 3×1012 Hz< f < 4×1014 Hz 4×1014 Hz< f < 3×1015 Hz 7.5×1014 Hz< f < 5×1017 Hz 3×1016 Hz< f < 3×1020 Hz f > 3×1018 Hz Comprimento de onda λ > 1000 m 1000 m > λ > 100 m 100 m > λ > 10 m 10 m > λ > 1 m 1 m > λ > 0.1 m 0.3 m > λ > 0.1 mm 1 mm > λ > 0.7 μm 0.3 μm > λ > 0.7 μm 0.4 μm > λ > 0.6 nm 10 nm > λ > 1 pm 100 pm > λ > 0.01 pm

Pode fazer-se uma representação gráfica:

Fig. 2.5 – O espectro das ondas electromagnéticas

Pág. 86

Gustavo da Silva

Movimento da Lua em torno da Terra.7. s(t) .. 87 . sendo T um seu período...2.7. em determinadas situações. Representação analítica e gráfica Mecânica: Vai representar-se analiticamente um fenómeno por s(t). por exemplo a fotografia de uma superfície ondulada.1.. por exemplo um comprimento.. uma estrutura cristalina.. Óptica: Luz visível (a luz é uma radiação electromagnética). 2.. para todo o k inteiro s(t + kT ) = s(t ) (2.7. 2. Geradores de sinais eléctricos periódicos. T Fig. Repare-se que apesar de se estar a utilizar a letra t para a variável independente (sugerida pelo facto de muitos fenómenos serem periódicos no tempo. esta variável poderá representar uma grandeza qualquer. Um sinal.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2... Fenómenos periódicos 2.). . Movimento dos êmbolos de um motor de combustão.. . Exemplos de fenómenos periódicos Movimento da Terra (e dos planetas do Sistema Solar) à volta do Sol. Luz ultravioleta e infravermelha. . de TV. se e só se.. Movimento do pêndulo gravítico e do pêndulo de torção.6 – Representação gráfica de um fenómeno periódico no tempo Gustavo da Silva pág. é periódico. Electrotecnia: Tensão e corrente eléctricas produzidas por um alternador. Movimento dos satélites artificiais em volta da Terra. Um sinal é algo que transporta informação.79) Na prática considera-se o menor período T positivo como sendo o período do sinal. há muitas grandezas que exibem periodicidade espacial. t . Em matemática será representado por meio de uma função. etc. Movimento de um alternador e de um motor eléctrico. Um fenómeno manifesta-se por meio de sinais.. Radiações electromagnéticas (ondas de rádio. . Ondas do mar.

No caso do fenómeno ser a propagação de uma onda. não necessariamente periódico.). 2. mas não restritos a estes. 2.) Frequência – exprime-se em “hertz”. Observando agora a Fig.) Para uma grandeza periódica no espaço: Período espacial– exprime-se em “metro” ou seus múltiplos ou submúltiplos (m. Para uma grandeza periódica no tempo: Período – exprime-se em “segundo” ou outras unidades (minutos. o vector girante ou fasor.. Ao inverso do período dáse o nome de frequência 1 f = (2.. 2. Se ocorrer antes o sinal diz-se avançado. que roda com a velocidade angular ω no sentido inverso (contrário ao do movimento dos ponteiros de um relógio). .81) T No caso do fenómeno ser a propagação de uma onda introduz-se a variável k.3. o atraso de TD um deles é exactamente equivalente a um avanço de T-TD. Pág. e representa-se por λ. designada por número de ondas por comprimento.7b. isto é. 88 Gustavo da Silva .. sobre a qual se traça um vector de módulo A. é descrito por s (t ) = A sen(ω t − ϕ ) em que: A – amplitude. Frequência espacial– exprime-se em “m-1”.Hz.. e definida por 2π k= (2. O sinal sinusoidal O sinal sinusoidal. Se dois sinais forem periódicos. em particular quando os fenómenos periódicos são sinusoidais. ϕ – desfasagem inicial.80) T A frequência tem o significado do número de períodos contidos na unidade de tempo. 2.7. ω – frequência angular.. introduzir uma variável designada por frequência angular 2π ω = 2π f = (2.Tópicos de Física – Electromagnetismo Um possível sinal representado por (2. anos. válida para qualquer sistema de unidades. (também conhecido por ciclo por segundo) ou outras unidades (rotações por minuto. em cada instante. O período exprime-se nas unidades da variável independente. Normalmente representa-se o período pelo intervalo entre dois zeros pois estes são mais fáceis de identificar. É conveniente. (2.6. Nela pode observar-se o período do sinal. nm. conclui-se que o sinal sinusoidal pode ser obtido com o auxílio de uma circunferência.7a. Representa-se por L. . representa s(t) atrasado.79) encontra-se representado graficamente na Fig. O valor do sinal é.82) λ Diz-se que o sinal s1(t). .83) Repare-se que o produto ω t é adimensional o que satisfaz a condição exigida para uma expressão homogénea.. se tiver a mesma evolução e só ocorrer ao fim de algum tempo. ao período espacial dá-se o nome de comprimento de onda. igual à projecção do vector girante sobre o eixo das ordenadas. representado na Fig.

2. que se representa sobre o eixo imaginário. Por sua vez. pág.85) e jθ = cosθ + j sen θ pelo que o coeficiente da parte imaginária de Y. 89 Gustavo da Silva . 1707-1783. tem-se o vector OB a representar o sinal “seno” e o vector OC a representar o “co-seno”.7 – Vector girante e sinal sinusoidal Repare-se que o vector A define a amplitude e a fase do sinal sinusoidal. matemático suíço. a partir de um sinal sinusoidal. representado pelo afixo de um complexo no plano de Argand. mas apenas para uma determinada frequência angular. Estes diagramas são muito úteis em Electrotecnia. multiplicando-o pela unidade imaginária j. obtém-se um sinal avançado de π/2. não é mais do que a exponencial complexa Y = Ae jωt Com efeito pela fórmula de Euler(16) tem-se (2. que roda sobre a circunferência de raio A.84) (2. Note-se que cos(ω t ) está avançado de π/2 em relação a sen(ω t ) . Nestas condições. ficando em oposição de fase com o sinal OB. Dois sinais sinusoidais estão em quadratura se forem descritos por vectores girantes perpendiculares. 16 Leonhard Euler. Estes têm a vantagem de terem definidas as operações de multiplicação e divisão entre os seus elementos. a da rede. O número complexo de módulo A. o que não acontece com os vectores. Voltando a multiplicar por j obtém-se um sinal em oposição de fase (com efeito j×j = j2 = -1). onde habitualmente se trabalha com apenas uma frequência. o sinal representado pelo vector OD está avançado de π/2 em relação ao sinal representado por OC. No caso em que ϕ = 0 . Estes diagramas oferecem maior potencialidade se em vez de diagramas vectoriais se pensar em termos de números complexos.Tópicos de Física – Electromagnetismo C A ω • ωt-ϕ B y(t) D y O • y t a) b) Fig. tal como foi apresentado atrás. representa o valor instantâneo do sinal.

Fora do intervalo (ta. voz. a sinusóide rectificada. sinais com frequências baixas e sinais com frequências altas. 90 . matemático alemão. É um sinal periódico. obtendo-se deste modo luz colorida. (música.4. pode representar-se o sinal pela série. não necessariamente periódico. definindo frequência angular ω pela expressão ω=2π /T .86) em que os coeficientes ak e bk são calculados pelas expressões seguintes. isto é ∫ tb ta | s (t ) | dt < ∞ . cujos termos são sinusóides. • tenha um número finito de máximos e mínimos. e com amplitudes e fases bem definidas. As séries de Fourier são uma forma de analisar a estrutura de sinais periódicos. Gustavo da Silva Pág. designada por série de Fourier associada ao sinal. pode ser representado por uma série. matemático francês. A série de Fourier O sinal sinusoidal é muito corrente na descrição de fenómenos físicos. etc. isto é: • seja limitado. Muitos outros sinais periódicos têm formas características: os sinais rectangular. etc. A esta soma. s (t ) = a0 + ∑ ak cos( kω t ) + ∑ bk sen ( kω t ) k =1 k =1 ∞ ∞ (2. Para o caso de sinais periódicos. a amplitude. em dente de serra. No campo da Física é bem conhecido o fenómeno óptico da decomposição da luz branca por meio de um prisma. de um número infinito de sinais sinusoidais dá-se o nome de série de Fourier associada ao sinal periódico. indicadas mais à frente) pode ser representado por uma sobreposição de um certo número de sinais sinusoidais de frequências iguais a múltiplos da frequência do sinal periódico. fazendo a sua decomposição em sinais elementares sinusoidais.86) multiplicando ambos os membros por cos(kωt) ou por sen(kωt) e utilizando a propriedade das funções sinusoidais serem ortogonais: 17 18 Jean Baptiste Joseph Fourier.) é composto por sinais graves e sinais agudos. 1805-1859. obtidas a partir de (2. É um sinal que é descrito apenas com o auxílio de 3 parâmetros. a frequência e a fase inicial. É também sabido que o som.7. • seja absolutamente integrável. tb) obedeça às condições de Dirichlet (18). de período T. • tenha um número finito de descontinuidades de 1ª espécie. tb) a série replica um sinal periódico constituído por troços iguais ao do sinal que se encontra dentro do intervalo. 1768-1830 Peter Gustav Dirichlet. triangular. ou seja. Todo o sinal contínuo real. a sequência de impulsos. que dentro de um intervalo (ta. Faz-se assim a decomposição da luz nas suas diversas “frequências constituintes”. O matemático francês Joseph Fourier(17) mostrou que qualquer sinal periódico que satisfaça determinadas condições (normalmente satisfeitas pelos sistemas físicos.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2.

. 2. k = 1.5. O corpo pode deslocar-se apenas segundo a direcção x. 2.9.. 2. (2.89) pág. num período. O movimento harmónico simples Muitos fenómenos físicos são descritos por meio de uma equação diferencial do tipo d 2x + Cx = 0 dt 2 (2. 3. como indicado na Fig. e outros. ⎩ k = 1. Quando x representa uma posição a 2ª derivada representa uma aceleração e o movimento resultante é designado por movimento harmónico simples.8 – Representação de um sinal periódico.Tópicos de Física – Electromagnetismo 1 ⎧ a0 = ∫ s(t ) dt ⎪ T T ⎪ 2 ⎪ ⎨ ak = ∫T s(t ) cos( kω t ) dt . a série de Fourier associada converge para ½ [s(td+0) + s(td-0)] Na Fig.88) É o caso do pêndulo gravítico (pequenas oscilações). admite como solução um sinal sinusoidal. s(t) Fig. O termo “harmónica” é usado para indicar um sinal sinusoidal de frequência múltipla de uma determinada. resultante da deformação da mola. sem atrito. td. 91 . k = 1. T ⎪ 2 ⎪ ⎪ bk = T ∫T s (t ) sen( kω t ) dt . 7. de coeficientes constantes e homogénea. 2. que é uma oscilação sinusoidal. linear. Nos pontos de descontinuidade do sinal..7. do circuito LC (bobina e condensador sem perdas). 5. tem o valor f = −kx Gustavo da Silva (2. Desloque-se o bloco para a posição x0. e a sua aproximação por meio dos primeiros n = 7 termos da série de Fourier associada. Esta equação diferencial.. Com o sistema em repouso o corpo encontra-se na posição x = 0 e a resultante das forças que sobre ele actuam é nula. Exemplifique-se para o caso de um sistema constituído por uma massa e uma mola.. 2.. 2.87) O parâmetro a0 representa o valor médio do sinal s(t). A força exterior que sobre ele actua. do sistema massa-mola (sem amortecimento).8 representa-se um período de um sinal analógico em forma de onda quadrada.

91) (2. Este tenderá a voltar para a posição inicial.Tópicos de Física – Electromagnetismo Liberte-se agora o corpo. 92 Gustavo da Silva .9 – Sistema massa-mola De acordo com a 2ª lei de Newton a massa ficará sujeita a uma aceleração x tal que mx = f Combinando (2. 2.90) (2.89) com (2. O circuito constituído por um condensador em paralelo com uma bobina conduz também a uma equação igual a (2.93) que admite como solução x(t ) = x0 cos(ω0t − ϕ ) com ω0 = k m Os valores de x0 e de ϕ determinam-se a partir das condições iniciais.88). 0 Mola Massa o x0 x o | | | | | | | | | | -2 -1 0 1 2 Fig.90) obtém-se mx + kx = 0 (2. Pág.92) (2.

. Para uma corrente ou qualquer outra grandeza alternada sinusoidal a descrição é análoga.8. 0 -0. 2. simbolicamente ω u ( t ) = U m e j ( ω t −ϕ ) = U m e − jϕ e jω t = U m e jω t (2. O valor do sinal é. 93 .Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. Tem-se ω = ϕ – desfasagem inicial 2π T Em electrotecnia é comum representar um sinal periódico por meio de uma circunferência..95) plano complexo O ϕ Um real Com U m = U m e − jϕ (2.94) A representação gráfica desta função encontra-se na figura seguinte.1.frequência angular. Tensão alternada sinusoidal A descrição analítica de uma tensão alternada é a seguinte: u (t ) = U m sen(ωt − ϕ ) (2.96) Fig. o vector girante ou fasor. em cada instante. Nestas condições poderá escrever-se imag.5Um -Um . sobre a qual se traça um vector de módulo Um.. igual à projecção do vector girante sobre o eixo das ordenadas.8.5Um . T <> 2π u(t) U m 0.10 – Representação gráfica de uma tensão alternada sinusoidal Um – amplitude (sempre positiva) T – período (expresso em tempo) ω .11 – Representação complexa de uma grandeza sinusoidal Gustavo da Silva pág. que roda com a velocidade angular ω no sentido inverso (contrário ao do movimento dos ponteiros de um relógio). Circuitos em corrente alternada 2.. 2. t ϕ π/4+ϕ π/2+ϕ 3π/4+ϕ 2π+ϕ ωt Fig.

12. em que um gerador de tensão sinusoidal. Repare-se que a potência tem uma frequência dupla da tensão (ou da corrente). pelo que uR (t ) = R iR (t ) . o que implica (2. das malhas tem-se a cada instante uR (t ) = uG (t ) .98) Numa resistência a tensão e a corrente estão em fase.99) (2. 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. 94 Gustavo da Silva . A cada instante é válida a lei de Ohm. Tensão e corrente numa resistência Considere-se o circuito representado na Fig. Por hipótese é uG (t ) = U G sen(ωt ) UR =UG. 2. o o G ~ o uG(t) uR(t) o R Fig. U Logo iR (t ) = R sen ωt = I R sen ω t R U IR = R com R (2. Um u(t) i(t) Im P p(t) 0 t Fig. corrente e potência numa resistência Pág.13 –Tensão.97) Mas pela lei de Kirchhoff. se encontra ligado a uma resistência.12 – Gerador sinusoidal ligado a uma resistência A potência transferida do gerador para a resistência é obtida a partir de p(t ) = uR (t )iR (t ) Substituindo os valores instantâneos pelos valores sinusoidais vem p (t ) = U R sen(ω t ) I R sen(ω t ) = U R I R sen 2 (ω t ) (2.2. 2.8. o que significa que o gerador está sempre a enviar energia para a resistência.100) O valor instantâneo desta potência é sempre positivo. G.

108) pode ser resolvida em ordem a i(t).m.Tópicos de Física – Electromagnetismo O valor médio da potência transferida durante um período é calculado por T T 1 (2. A cada instante é válida a lei da indução. Tensão e corrente numa bobina (2. resultando iL (t ) = 1 t u L (τ )dτ L ∫0 (2. será uL (t ) = dφ (t ) dt (2.108) dt A equação (2.105) Considere-se agora o circuito representado na Fig.107) em (2.e.106) obtém-se di (t ) uL (t ) = L (2. se encontra ligado uma bobina. transferida do gerador para a resistência. em que um gerador de tensão sinusoidal. Por hipótese é vG (t ) = VG sen(ω t ) .106) Mas o fluxo magnético na bobina é proporcional à corrente que a atravessa (pela lei de Ampere) φ = L ⋅i (2. o que implica UL =UG. sendo o fenómeno conhecido com o nome de efeito de Joule. Mas pela lei das malhas tem-se a cada instante uL (t ) = uG (t ) . que contraria uL (t ) . designa-se por coeficiente de auto-indução da bobina.8. Definindo valor eficaz de uma grandeza sinusoidal (tensão ou corrente) pelas relações U ef = Um 2 I ef = Im 2 (2. Logo. 95 . 2. pelo que a variação do fluxo magnético produzido pela corrente na bobina origina uma f. Substituindo (2.3.102) (2.14.109) Gustavo da Silva pág.101) PR = ∫ U R I R sen 2 (ωt ) dt = U R I R ∫ sen 2 (ωt ) dt = U R I R 0 0 2 A potência. Com as definições (2.104) (2. é dissipada nesta sob a forma de calor. G.103) pode escrever-se PR = U R e f I Ref O significado de valor eficaz é o seguinte: O valor eficaz é aquele que em corrente contínua conduz à mesma dissipação por efeito de Joule que uma corrente alternada sinusoidal com amplitude Im.102) a tensão e a corrente alternadas sinusoidais podem escrever-se u (t ) = 2 U ef sen(ωt − ϕ ) i(t ) = 2 I ef sen(ωt − ϕ ) 2. L.107) O coeficiente de proporcionalidade.

da corrente e da potência na bobina.110) Fazendo I L = UL pode escrever-se ωL iL (t ) = I L sen(ω t − ) 2 π (2.14 – Gerador sinusoidal ligado a uma bobina A potência transferida do gerador para a bobina é obtida a partir de (2. pelo que se exprime em ohm. 2. bem como o respectivo fasor.94). a impedância da bobina (reactância) é dada por X L = jω L Pág. p(t ) = uL (t )iL (t ) . Tendo em conta a desfasagem de 90º existente entre a tensão e a corrente.112) ) IL A reactância tem as dimensões de uma resistência. o que significa que o gerador durante ¼ de ciclo da tensão está a enviar energia para a bobina e durante o 4º de ciclo seguinte está a receber. O valor médio da potência transferida durante um período é calculado por PL = ∫ U L sen(ωt ) I L sen(ωt − π / 2) dt = 0 0 T (2.113) O valor instantâneo desta potência tem uma frequência 2ω e valor médio nulo. X L = ωL (= o o iL(t) G ~ o uG(t) uL(t) o L Fig. Chama-se reactância da bobina (ou indutância) à quantidade UL (2.115) Gustavo da Silva . obtémse.Tópicos de Física – Electromagnetismo Para uma tensão do gerador alternada sinusoidal (tensão aplicada à bobina) dada por (2. iL (t ) = − 1 1 π U L cos(ωt ) = U L sen(ωt − ) 2 ωL ωL (2. Substituindo os valores instantâneos pelos valores sinusoidais vem p(t ) = U L sen(ωt ) I L sen(ωt − π / 2) (2. sendo pois ora positivo ora negativo. em que se utiliza o índice ‘L’ para indicar amplitude da tensão na bobina.114) Na figura seguinte encontra-se a representação temporal da tensão.111) Conclui-se assim que numa bobina a corrente se encontra atrasada de 90º em relação à tensão aos seus terminais. De um modo geral dá-se o nome de impedância à relação entre os fasores da tensão e da corrente. 96 (2.99). num circuito genérico. depois de integrar e considerando nula a constante de integração.

16.118) pode ser resolvida em ordem a u. Tensão e corrente num condensador Seja o circuito representado na Fig. depois de derivar. obtém-se. Pode pois escrever-se uC (t ) = U C sen(ωt ) (2. G.16 – Gerador sinusoidal ligado a um condensador Mas. Gustavo da Silva pág.117) dt o o iC(t) G ~ o uG(t) uC(t) o C Fig. 2.8. Como nos casos anteriores será UL =UG.116) A corrente no condutor de ligação ao condensador é dada pela variação da carga entre as suas armaduras: dq (t ) iC (t ) = (2. pelo que du (t ) iC (t ) = C C (2. se encontra ligado um condensador. 2.118) dt A equação (2.Tópicos de Física – Electromagnetismo imag ω UL O π/2 plano comIL real u(t) i(t) p(t) t Fig. 97 . em que se utiliza o índice ‘C’ para indicar amplitude da tensão no condensador. em que um gerador de tensão sinusoidal. resultando uC (t ) = 1 t iC (τ )dτ C ∫0 (2. 2. por definição de capacidade de um condensador é q = C ⋅ u (a todo o instante).15 – Fasores da corrente e tensão na bobina 2.4.119) Para uma tensão do gerador alternada sinusoidal (tensão aplicada ao condensador).

A potência transferida do gerador para o condensador é obtida a partir de (2. 2. O valor médio da potência transferida durante um período é calculado por PC = ∫ U C sen(ωt ) I C sen(ωt + π / 2) dt = 0 0 T (2. da corrente e da potência na bobina. sendo ora positivo ora negativo.17 – Fasores da corrente e tensão no condensador Tendo em conta o avanço de 90º da corrente em relação à tensão.99). pelo que se exprime em ohm.123) O valor instantâneo desta potência tem uma frequência 2ω e valor médio nulo. 98 Gustavo da Silva . Substituindo os valores instantâneos pelos valores sinusoidais vem p(t ) = U C sen(ωt ) I C sen(ωt + π / 2) (2. p(t ) = uC (t )iC (t ) .Tópicos de Física – Electromagnetismo iC (t ) = ω CU C cos(ωt ) Fazendo I C = ω CU C pode escrever-se iC (t ) = I C cos(ω t ) = I C sen(ω t + ) 2 (2. o que significa que o gerador durante ¼ de ciclo da tensão está a enviar energia para a bobina e durante o 4º de ciclo seguinte está a receber. a impedância do condensador (capacitância) é dada por 1 (2. Chama-se reactância do condensador (ou capacitância) à quantidade U 1 (2.121) Conclui-se assim que num condensador a corrente se encontra avançada de 90º em relação à tensão aos seus terminais. bem como o respectivo fasor.122) XC = (= C ) IC ωC A reactância tem as dimensões de uma resistência. imag. ω IC O π/2 UC real u(t) p(t) t i(t) plano complexo Fig.124) Na figura seguinte encontra-se a representação temporal da tensão.125) XC = jω C Pág.120) π (2.

a cada instante. i(t) o o R uR(t) • L uL(t) • C uC(t) • G ~ o uG(t) u(t) o Fig. Substituindo estes C 0 dt (2.130) )I U = ( R + jω L + jωC Chamando impedância complexa à quantidade 1 (2.131) Z = R + jω L + jω C ∫ i(t )dt = 0 t pode escrever-se U = Z I ou I= U Z (2.127) Esta equação admite uma solução também sinusoidal (corrente sinusoidal).5. Gustavo da Silva pág.129) Ue jωt = RIe jωt + jω LIe jωt + Ie jωt jω C Como esta equação é válida para qualquer t resulta 1 (2. Substituindo em (2. Vai usar-se a notação complexa: i (t ) = Ie jω t Será então di (t ) = jω Ie jω t e dt (2. Pela lei das malhas é.132) que tem o aspecto formal da lei de ohm.18.127) resulta jω 1 (2. 2.126) diL (t ) 1 t e uc (t ) = ∫ iC (τ )dτ .128) 1 Ie jω t . uL (t ) = L valores em (2.8. 2. em que G é um gerador de tensão sinusoidal.18 – Circuito RLC série Uma vez que os elementos do circuito se encontram em série. Circuito RLC série Considere-se o circuito constituído por uma resistência em série com uma bobina e em série com um condensador.126) obtém-se u (t ) = Ri (t ) + L di (t ) 1 t + ∫ i (τ )dτ dt C 0 (2. como representado na Fig.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. com a mesma frequência da tensão u(t). 99 . iR (t ) = iL (t ) = iC (t ) = i (t ) . u (t ) = uR (t ) + uL (t ) + uC (t ) Viu-se atrás que uR (t ) = Ri(t ) .

2.133) → ϕ = 0 : O circuito diz-se resistivo ou óhmico puro. A corrente encontra-se 2 em quadratura com a tensão. A corrente encon2 tra-se em quadratura com a tensão. 2. jω C → 0<ϕ < → ϕ= → − π 2 : O circuito diz-se indutivo. ω ϕ Z U O plano complexo -ϕ I real Fig. Não há resistência.19 – Diagrama de impedâncias do circuito RLC série Conhecido o valor da tensão pode obter-se a corrente dividindo U por Z. < ϕ < 0 : O circuito diz-se capacitivo. No circuito RLC série óhmico. se pode escrever na forma Z = Ze jϕ Podem dar-se os casos seguintes: (2.Tópicos de Física – Electromagnetismo A expressão (2. Vectorialmente traça-se o gráfico indicado na Fig. π π → ϕ =− : O circuito diz-se capacitivo puro. A corrente está atrasada em relação à tensão. e atrasada em relação a esta. 2.20. 1 jω C jωL ϕ O plano complexo Z R real Fig.131) pode representar-se sobre o plano complexo do seguinte modo: imag.20 – Tensão. sendo um número complexo. Gustavo da Silva π Pág. corrente e impedância complexas Repare-se que a impedância. e avançada em relação a esta. 100 . : O circuito diz-se indutivo puro. imag. o 1 termo jω L é cancelado pelo termo . A corrente encontra-se avançada em 2 relação à tensão. Não há resistência.

a corrente também o será. como se mostra na Fig.8.134).138) podem representar-se graficamente do modo indicado na Fig.136) (2. 2.22. usando (2. 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. o o G ~ o u(t) o p=u. Energia e potência Considere-se o circuito constituído por uma fonte de tensão ligada a um circuito de carga.134) Se a tensão for alternada sinusoidal.138) p (t ) = U ef I ef cos ϕ (1 − cos 2ω t ) + U ef I ef sen ϕ sen 2ω t A expressão (2.21.135) (2.21 – Potência instantânea num circuito Pode mostrar-se que a cada instante é transferida uma determinada potência do gerador para o circuito. p(t ) U ef I ef 1+cosϕ u(t) p(t) cosϕ 0 1– cosϕ i(t) Fig. dada pela expressão p (t ) = u (t ) ⋅ i (t ) (2. 101 . Pode então escrever-se u (t ) = U m sen ωt = 2 U ef sen ωt i(t ) = I m sen(ωt − ϕ ) = 2 I ef sen(ωt − ϕ ) pelo que.137) (2.i Fig. 2. designada por potência instantânea. Neste caso a carga será caracterizada pela sua impedância complexa Z. 2.22 – Tensão. ou ainda p (t ) = 2U ef I ef sen ω t sen(ω t − ϕ ) (2. corrente e potência num circuito RLC t Gustavo da Silva pág.6.

Tópicos de Física – Electromagnetismo Observa-se pela figura que p(t) pode ser positivo ou negativo.142) e integrando obtém-se (o índice B é de bobina) Considere-se o caso da bobina. é a potência reactiva. vL (t ) = L 1 2 Li (t ) 2 wB (t ) = (2. No caso em que p(t) < 0 é o circuito que fornece energia ao gerador.139) Ao valor médio da potência fornecida pelo gerador.7.142) di (t ) .144) Gustavo da Silva . Para o condensador obtém-se uma expressão semelhante: (índice C para condensador) 1 wC = Cv 2 (t ) 2 Pág. dt Substituindo este valor de v(t) em (2. dá-se o nome de potência activa. Esta simultaneidade só ocorrerá se o gerador for ligado a um circuito óhmico puro. Esta é definida por Q = U ef I ef sen ϕ (2. chamada potência aparente: (2.143) Que representa a energia armazenada a cada instante numa bobina de coeficiente de auto-indução L.23 – Triângulo das potências 2.134) que representa a potência transferida a cada instante para um circuito.140) S = U ef I ef Uma outra grandeza que interessa considerar. 2. Quando p(t) > 0 o gerador fornece energia ao circuito. Q e S constituem os lados de um triângulo rectângulo: S P Q Fig. de outro ponto de vista. Para este dispositivo é. A energia transferida. Por este motivo interessa considerar a grandeza seguinte. desde o instante zero até ao instante actual será w(t ) = ∫ p (τ )dτ = ∫ v(τ ) ⋅ i (τ ) dτ 0 0 t t (2. O valor médio da potência em jogo obtém-se pela expressão P= 1 p(t )dt = U ef I ef cos ϕ T ∫T (2.108). quando percorrida pela corrente i(t). com o valor eficaz nominal). estando este último caso marcado a cinzento. embora não simultaneamente.141) Note-se que P. Energia armazenada Considere-se a expressão (2. O gerador deverá ser capaz de fornecer uma tensão com o máximo de amplitude (ou. e uma corrente com o valor eficaz nominal.8. por (2. 102 (2.

1. é aplicada à bobina primária.24 – Desenho de um transformador A utilização do transformador é muita variada. Transformador 2. proveniente do gerador ou da rede eléctrica. O transformador só pode ser utilizado com correntes variáveis no tempo.6. φ1(t).9.9. sendo fundamental em determinadas aplicações. Esta será percorrida por uma corrente i1(t) que origina um fluxo magnético no núcleo. Nunca pode ser usado com corrente contínua. em particular com correntes alternadas. Os sentidos das tensões e correntes representados foram convencionados para representar a potência a entrar no transformador.2. em telecomunicações e electrónica. 2. É utilizado em produção e distribuição de energia. A corrente i2(t) por sua vez origina um fluxo φ2(t) que se irá opor ao fluxo φ1(t).Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. A tensão u1(t) variável no tempo. A variação deste fluxo através da bobina secundária origina uma tensão u2(t) que poderá ser aplicada à carga ou a uma rede eléctrica. 103 . A configuração básica será a indicada na Fig. 2. em fontes de alimentação.9. Descrição Na sua forma mais simples o transformador é constituído por duas bobinas ligadas por um circuito magnético comum. Parâmetros da bobina primária: N1 – número de espiras R1 – resistência das espiras L1 – Coeficiente de auto-indução Parâmetros da bobina secundária: N2 – número de espiras R2 – resistência das espiras L2 – coeficiente de auto-indução Ligação magnética entre as bobinas primária e secundária: LM – coeficiente de indução mútua. onde um transformador se encontra ligado a um gerador e a uma carga. também variável no tempo. Gustavo da Silva pág. que nos transformadores de potência é constituído por um núcleo de ferro laminado. 2. Equações instantâneas O transformador é caracterizado pelos parâmetros das bobinas (primária e secundária) e pela ligação magnética entre estas bobinas. Consoante a aplicação e a potência assim a constituição e aspecto do transformador. Gerador Carga i1(t) φ1(t) i2(t) Bobina secundária ~ u1(t) Bobina primária u2(t) N1 N2 RL Fig.

Num transformador com ligação magnética perfeita e com R1 = 0 e R2 = 0 (sem perdas no cobre) pode obter-se.9. a seguinte relação u1 u = 2 N1 N 2 2. tiver LM → ∞ . K. Pág. Na equação (2.145) R1i1 (t ) representa a queda de tensão óhmica no enrolamento primário e di (t ) o termo L1 1 representa uma queda de tensão indutiva pura na bobina primária. isto é. estando o di (t ) transformador em vazio (sem carga). substituindo estes valores de L1 e de L2 em (2.147). O termo LM 2 constitui uma queda de tensão dt indutiva devido à existência de ligação magnética entre as bobinas. 2.146) u2 (t ) = R2i2 (t ) + LM Estas equações utilizam os sentidos das tensões e correntes indicados na Fig.19. nomeadamente a lei de Ohm e a lei da indução de Faraday às bobinas primária e secundária.3. que relacionam os valores instantâneos das tensões e correntes no primário e secundário: u1 (t ) = R1i1 (t ) + L1 di1 (t ) di (t ) + LM 2 dt dt di1 (t ) di (t ) + L2 2 dt dt (2.147) (2. a partir de (2.148) o que conduz.Tópicos de Física – Electromagnetismo No caso dos transformadores de potência é importante saber-se a dispersão do fluxo magnético entre as bobinas.146). dt Estes dois termos existem mesmo que não haja corrente no secundário. conduz às seguintes equações.145) (2. a saturação do ferro do núcleo e as perdas de energia no ferro do núcleo.146) pode dar-se uma interpretação análoga. Para a equação (2. o que implica L1 → ∞ e L2 → ∞ .25.149) se verifica ainda N1 i1 + N 2 i2 = 0 (2. pela expressão L K= M L1L2 Diz-se que um transformador tem ligação magnética perfeita quando L1 = N1 LM N2 e L2 = N2 LM N1 (2. A aplicação das leis do electromagnetismo. 104 Gustavo da Silva .145) e de (2.150) É costume representar um transformador pelo esquema indicado na figura Fig. Nestas condições prova-se que além de (2. ao valor K = 1. Transformador ideal (2. Define-se coeficiente de ligação magnética.149) Um transformador diz-se ideal se além de ter a resistência eléctrica dos enrolamentos nula e ligação magnética perfeita.

151) Esta expressão obtém-se directamente a partir das equações (2.Tópicos de Física – Electromagnetismo As equações (2. • O secundário em aberto é equivalente ao primário em aberto. um junto de cada bobina. 2. Como casos particulares pode concluir-se o seguinte: • Um curto-circuito no secundário (RL = 0) é equivalente a um curto-circuito no primário. esta é vista do lado do primário com tendo o valor ⎛N ⎞ R1 = ⎜ 1 ⎟ RL ⎝ N2 ⎠ 2 (2. 105 . Os pontos indicam fluxos concordantes com as correntes a entrar.145) e (2. Gustavo da Silva pág.25 – Representação esquemática de um transformador Neste esquema indica-se por vezes com dois pontos. Se o transformador ideal se encontrar com o secundário ligado a uma resistência de carga RL.146) não se aplicam ao transformador ideal.150). qual o sentido dos enrolamentos. i1 u1 i2 u2 Fig. Quando interessa indicar que o transformador tem núcleo de ferro representa-se o facto por meio de duas linhas paralelas entre o desenho das bobinas.149) e (2.

que fornece três tensões (ou correntes) alternadas sinusoidais... 3 o • o 2 3 o o i2(t) 2 i3(t) .. O rotor roda com uma velocidade angular ω que.10. As extremidades deste enrolamento ligam a dois anéis montados sobre o rotor. O gerador.10..2.152) Gustavo da Silva . • Consumidores de energia. Valores instantâneos As tensões u1.. i1+i2+i3 u1(t) • u2(t) u3(t) .. Fig. com um rotor e um estator. define a frequência da tensão produzida no alternador. fase 2 e fase 3. Sistemas trifásicos Designa-se por sistema trifásico todo aquele que é constituído por: • Um gerador. desfasadas de 120º. designadas por fases: fase 1. por uma questão de economia de material.10. onde assentam duas escovas que permitem a ligação ao exterior.1. 106 (2. com a mesma frequência.26 – Representação de um sistema trifásico 2. A forma dos pólos e o enrolamento das bobinas é tal que se consegue uma distribuição praticamente sinusoidal da indução magnética no entreferro.. conjuntamente com o número de pares de pólos.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. O estator é constituído por 3 bobinas iguais e colocadas de modo a definirem 3 eixos magnéticos desfasados entre si de 120º no espaço. u2 e u3. Circuitos trifásicos 2. Gerador Linha de transporte Consumidores o 1 ponto neutro dos consumidores 1o Ponto neutro do gerador i1(t) . 2.. capazes de utilizar uma ou as três fases. é na maior parte dos casos uma máquina eléctrica. Repare-se que a linha de retorno é comum às 3 fases. devido à constituição do gerador. O rotor contém os pólos magnéticos da máquina. . Estes são conseguidos à custa de um enrolamento efectuado sobre um núcleo de ferro macio e percorrido por corrente contínua. • Um sistema de transporte dessas tensões e correntes. tem a seguinte forma: ⎧u1 (t ) = U m sen(ωt ) ⎪ ⎨u2 (t ) = U m sen(ωt − 2π / 3) ⎪u (t ) = U sen(ωt − 4π / 3) m ⎩ 3 Pág. também designado por alternador.

Fica-se assim com uma distribuição a 3 fios. O condutor de retorno das 3 correntes chama-se condutor neutro. Então. uma vez que são grandezas alternadas sinusoidais. O ponto comum da carga é denominado ponto neutro da carga (ou dos consumidores). como indicado na Fig. Num sistema equilibrado a corrente no condutor neutro é zero.3.154) A observação da Fig.6 a carga também se encontra ligada em estrela. 2. podem ser representadas por meio de um diagrama vectorial.28. 2. Na Fig. 2. Gustavo da Silva pág. Diagramas vectoriais Tanto as tensões em cada uma das fases como as correntes nas linhas. e por uma questão de economia de material e de espaço. as correntes nas linhas serão ⎧i1 (t ) = I m sen(ω t − ϕ ) ⎪ (2. ou então um pequeno cálculo trigonométrico.Tópicos de Física – Electromagnetismo Admitindo que as cargas são iguais entre si (sistema equilibrado).27 – Correntes num sistema trifásico O ponto comum onde são ligadas as 3 bobinas geradoras do alternador tem a designação de ponto neutro do gerador. dada por iN = i1 + i2 + i3 (2. não se instala o condutor neutro.10.153) ⎨i2 (t ) = I m sen(ω t − ϕ − 2π / 3) ⎪i (t ) = I sen(ω t − ϕ − 4π / 3) m ⎩3 A representação gráfica destas correntes é a seguinte: Im i1 i2 i3 0 ωt 2π/3 2π/3 2π/3 -Im Fig. mostra que a soma das 3 correntes é nula: i1 + i2 + i3 = 0 . iN. 107 . A forma como as bobinas do alternador estão ligadas tem o nome de ligação em estrela. 2. Neste condutor vai circular uma corrente. 2.27.

sen 30º U12 = 3 U1 = 1.29 – Tensões simples e compostas Pela lei dos senos é U12 = sen120º U1 . 2.156) Gustavo da Silva Pág. U31 = U1 − U3 (2. Consequentemente as tensões entre fases também são iguais em módulo. No entanto apresentam também entre si uma desfasagem de 120º. 732U1 (2.155) ω U3 U23 120º U31 U1 real U2 U12 Fig. U12 = U 2 − U1 U 23 = U3 − U 2 imag.28 – Diagrama vectorial das tensões e correntes Trace-se o diagrama vectorial das tensões por fase e sobre ele o diagrama das tensões entre fases (Fig. 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo imag. como se observa da figura. 108 .29). ω U3 I3 120º 120º U1 ϕ I1 real I2 U2 Fig. Num sistema trifásico as tensões geradas por fase são iguais em módulo. ou seja. 2.

Num sistema equilibrado toma o nome de tensão composta. que esta troca só poderá efectuar-se depois de garantir a paragem prévia do motor.732 V = 399. o valor da tensão composta está normalizado em 400 V. 109 . Gustavo da Silva pág. . Uma das aplicações muito vulgarizadas da ligação em estrela e em triângulo consiste no arranque de motores trifásicos com o chamado arrancador estrela/triângulo: ao ligar-se o motor à rede os seus enrolamentos são ligados em estrela. UΔ. A ligação em triângulo pode ser efectuada tanto no gerador como no consumidor. Cuidado. para o caso da baixa tensão em que o valor eficaz da tensão simples é de 230 V.30 representa-se esquematicamente um sistema trifásico em que as bobinas do gerador estão ligadas em triângulo e a carga se encontra ligada em estrela.. Consumidores u1 1 o i2 o 2 u2 u3 • Ponto neutro dos consumidores i3 o 3 Fig. 2.4. Cada enrolamento fica assim sujeito à tensão simples.. Na baixa tensão.. Ligações em estrela e triângulo Uma outra forma de efectuar as ligações é em triângulo. com uma intensidade de corrente que é 3 vezes maior do que a corrente nos enrolamentos do alternador.30 – Gerador em triângulo. U23 e U31. recebendo o motor um acréscimo de potência. . Assim. Na Fig.3 V. Uns segundos após o arranque.. quando o motor já ganhou alguma velocidade e a corrente de arranque diminuiu. são as tensões entre fases. o comutador passa a ligação das bobinas do motor a triângulo.. na Europa. carga em estrela A partir de um diagrama vectorial pode concluir-se que as correntes na linha constituem um sistema trifásico. 2.= 230×1. a tensão composta é UΔ. 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo As tensões U12. maior que a tensão simples. ficando assim aplicada a cada bobina a tensão composta. Quando as tensões simples são referidas a valores eficazes as tensões entre fases são também valores eficazes. Uma outra vantagem consiste na facilidade em inverter o sentido de rotação apenas por troca de duas fases. Gerador Linha de transporte i1 1• 2 • 3• . Uma das vantagens dos motores trifásicos é terem um binário de arranque elevado e de valor constante..10.

. por unidade de comprimento.1.Tópicos de Física – Electromagnetismo 2. É devida ao facto dos condutores em presença constituírem um condensador. 2. Considere-se uma linha de transmissão bifilar. conduz ao seguinte sistema de equações às derivadas parciais: − − Pág. Esta é devida ao facto do isolamento galvânico entre os condutores não ser perfeito.11. L – Coeficiente de auto-indução. Linha de transmissão 2. por unidade de comprimento. em telecomunicações e em electrónica e computadores. de comprimento elementar dx. condutor 1 o i2 RL (carga) G ~ o ux ux+dx u2 d dx c . G – Condutância entre os dois condutores.11. i1 o a ix u1 b ix+dx . C – Capacidade eléctrica entre os condutores.2. 2. É devido ao facto de existir um campo magnético entre os condutores. A linha de transmissão é largamente utilizada na distribuição de energia eléctrica. 110 ∂ux ∂i = Rix + L x ∂x ∂t (2.6.. A linha constitui um sistema de parâmetros distribuídos. originado pelas correntes na linha. pelo que a compreensão dos fenómenos que nela se passam é de grande importância nestes ramos de Engenharia. Descrição e caracterização Uma linha eléctrica de transmissão é constituída por um dois ou mais condutores galvanicamente isolados uns dos outros..11. Inclui a resistência dos condutores 1 e 2: R = R1+R2. por unidade de comprimento.. A linha é constituída por dois condutores paralelos e é caracterizada pelos seguintes parâmetros: R – resistência eléctrica dos condutores.157) (2.158) Gustavo da Silva ∂ix ∂u = Gu x + C x ∂x ∂t . por unidade de comprimento. condutor 2 o x Fig.31 – Linha de transmissão 2. representada esquematicamente na Fig. Equações da linha bifilar A aplicação das leis da indução e de ohm ao caminho fechado abcd .

A essa constante. outra para a corrente ∂ 2u x ∂u ∂ 2u = RG u x + ( RC + GL ) x + LC 2x ∂x 2 ∂t ∂t ∂ 2 ix ∂i ∂ 2i ( RC + GL ) x + LC 2x = RG ix + ∂x 2 ∂t ∂t (2.161).161) e (2. Nestas condições as equações (2.162) As equações (2. matemático. pág.158) diz que a perda de corrente segundo o comprimento da linha é devida à falta de isolamento entre os condutores (condutância do isolamento) e ao efeito capacitivo. que devido aos sentidos arbitrados (tensões do condutor 1 para o condutor 2 e correntes da esquerda para a direita) se escreve ix = ixi ( x − vt ) − ixr ( x + vt ) (2. 1749-1827. Z.Tópicos de Física – Electromagnetismo A equação (2.160) Considere-se o caso particular da linha sem perdas ( R = 0.163) Existe uma equação análoga para a corrente. dá-se o nome de impedância característica da linha: 19 Pierre Simon Laplace.165): u x = u xi ( x − vt ) + uxr ( x + vt ) (2.158) obtém-se a chamada equação dos telegrafistas.165) Pode mostrar-se que em qualquer ponto da linha a relação entre as ondas incidentes da tensão e da corrente é uma constante que depende dos parâmetros que caracterizam a linha. como poderá comprovar-se por substituição em (2. Esta equação admite como solução uma qualquer função de x-vt e uma outra qualquer função de x+vt. em que v é dado por (2. A velocidade de propagação de cada uma das ondas incidente e reflectida é dada por v= 1 LC (2.161) = LC 2x ∂x 2 ∂t ∂ 2 ix ∂ 2 ix = LC 2 ∂x 2 ∂t (2. Este caso constitui uma boa aproximação de muitos casos reais. astrónomo e físico francês.157) e (2.160) transformam-se em ∂ 2u x ∂ 2u (2. A equação (2. G = 0 ). Das equações (2.159) (2. uma onda incidente uxi que se propaga segundo +x e uma onda reflectida uxr que se propaga segundo –x.164) A equação (2. uma para a tensão.157) indica que a queda de tensão ao longo da linha é devida ao facto desta possuir uma determinada resistência óhmica e também à existência de auto-indução.163) representa a sobreposição de duas ondas.162) representam a equação de Laplace19 de propagação das ondas (a uma dimensão). 111 Gustavo da Silva .159) e (2.

Como u2 = u2i + u2 r vem RL i2 = u2i + u2 r Mas como i2 = u2 i u2 r − vem Z Z (2. Atendendo a (2.170) conduzem a u2 i = u2 r = i2 ( RL + Z ) 2 i2 ( RL − Z ) 2 (2. Não há tensão no fim da linha. A partir de (2.2. 2.11. ou seja.3.169) e (2.1. ou seja. donde u2 r = −u2i . Existe uma sobre-corrente no Z Z Z fim da linha. 2.11. A tensão no fim da linha será u2 = u2i + u2 r = 2u2i (2.11. Linha ligada sobre uma resistência Neste caso é u2 = RLi2 . Factor de reflexão uxi u xr − Z Z (2.3.171) (2. que é igual ao dobro da tensão incidente. Não há corrente no fim da linha. pelo que também é igual a u1/i1.11.169) i2 Z = u2i − u2 r As equações (2.164) e a (2.167) Considerem-se agora os casos seguintes.3. em qualquer ix ponto x. Linha em vazio Neste caso é RL = ∞ . u2 = 0.Tópicos de Física – Electromagnetismo u xi u xr L = ≡Z = ixi ixr C (2.3. 112 Gustavo da Silva . em que a linha está terminada por diversas resistências de carga.170) (2. Linha em curto-circuito Neste caso é RL = 0 . dupla da corrente incidente. A u u u corrente no fim da linha é dada por i2 = 2i − 2 r = 2 2i . 2.168) Aparece assim uma sobretensão no fim da linha.166) vem Quando não há onda reflectida a impedância característica é igual a ix = ixi − ixr = 2.3.166) ux . RL. i2 = 0.167) obtém-se i2 = i2i − i2 r = 0 .172) Pág.

Os impulsos provenientes do gerador G propagam-se ao longo da linha. Propagação de impulsos numa linha Considere-se um gerador de impulsos de tensão ligado a uma linha de transmissão bifilar com uma impedância característica Z. Para tensões alternadas sinusoidais será um número complexo.174) Há ainda um caso.171) e (2. como se indica a seguir.173). • Linha adaptada. O gerador tem impedância de saída igual a Z. o que implica RL = Z .Tópicos de Física – Electromagnetismo À relação entre a amplitude onda reflectida e a da onda incidente dá-se o nome de factor de reflexão no fim da linha. RL = 0 p =0. importante na transmissão de sinais analógicos.11. que depende da frequência: Z= R + jω L G + jω C (2.173) ≡ p= L u2 i RL + Z Para que não exista reflexão deverá ser p = 0 . assim o impulso de tensão reflectido será direito ou invertido ou não haverá reflexão. p. • Linha em curto-circuito. designado por linha sem distorção. t ) = e−δ t [uxi ( x − vt ) + uxr ( x + vt )] e −δ t i ( x.172) pode escrever-se u2 r R −Z (2. caracterizada pelo factor de reflexão p definido em (2. Consoante a relação entre a impedância característica e a resistência de carga. A linha está terminada por uma resistência RL. Para os casos particulares estudados tem-se para valores de p: p = 1. A condição de não distorção é R G = ≡δ L C (2. Diz-se então que a linha se encontra adaptada.177) com Z = L e v= C 1 LC 2. Utilizando esta definição e as expressões (2. t ) = [u xi ( x − vt ) − u xr ( x + vt )] Z (2. RL = Z No caso de a linha ter perdas a impedância característica deixa de ser real. RL = ∞ p = −1 .175) Para este caso. Gustavo da Silva pág. • Linha em vazio.176) (2. 113 . a integração das equações dos telegrafistas conduz a u ( x.4.

Linha em vazio.32 – Propagação de impulsos numa linha de transmissão sem perdas Pág.Tópicos de Física – Electromagnetismo 1. 0 < RL < Z U/Um +1 Sinal enviado −1 < p < 0 . 114 Gustavo da Silva . RL = 0 U/Um +1 Tempo de ida + tempo de volta do sinal -1 Sinal enviado p = −1 . sinal reflectido Tempo de ida + tempo de volta do sinal -1 t 3. Z < RL < ∞ U/Um +1 Sinal enviado 0 < p < 1. sinal reflectido (invertido) t Fig. 2. Linha em curto-circuito. Linha adaptada: RL = Z U/Um +1 Sinal enviado p=0 não há sinal reflectido Tempo de ida + tempo de volta do sinal -1 t 4. sinal reflectido Tempo de ida + tempo de volta do sinal -1 t 2. RL = ∞ U/Um +1 Sinal enviado (tensão) p = 1. sinal reflectido (invertido) Tempo de ida + tempo de volta do sinal t -1 5.

contém sempre NA moléculas (NA é o número de Avogadro. Z = 79. qualquer que ela seja. de ouro. 602177 ×10 Expresso em partes por milhão dos electrões existentes no alfinete de 8 g será n= 3.80 ×10-10 m). 022 ×1023 = 24. a) Uma mole (molécula-grama) de ouro contém a massa de 196.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2. Problema 2. Logo n = Q . Au. na: 8 na = × 6.2.12. b) O número de electrões existentes em 500 μC será n = trão. (Notese que não são apenas estas forças as existentes a nível atómico). b) Calcule a força gravítica entre elas e compare com os valores obtidos para as forças eléctricas. 46 ×10 2. −19 1.1208×1015.967 g. Considerando apenas estes electrões. O ouro.46×1021 átomos 196. Problema 2. Gustavo da Silva pág. de 500 μC. b) Carregou-se o alfinete com uma carga eléctrica.12. de electrões.022×1023 mol-1). Problemas resolvidos 2. Quantos electrões se juntaram ao alfinete? Qual o seu número por milhão de electrões previamente existentes? RESOLUÇÃO: O problema resolve-se recorrendo ao conhecimento da estrutura molecular do ouro e ao conceito de molécula-grama. com a massa de 8 gramas. 21 24.12. com a massa de 8 g. No alfinete de ouro. há um número de átomos (por ser um elemento). se estiver electricamente descarregado.128 ppm.46×1021 electrões de valência. Assim.967 Pela estrutura do átomo de ouro. RESOLUÇÃO: O problema resolve-se recorrendo à lei de Coulomb e à lei da atracção universal. o seu número em 8 g de ouro será nev = 24. há apenas um electrão de valência. em que e é a carga do elece 500 ×10−6 = 3. 1 – Cálculo do número de cargas Considere um alfinete de gravata.1208 ×1015 ×106 ppm = 0. NA = 6. Mas uma molécula-grama. é um elemento.967. 2 – Força eléctrica e gravítica Um núcleo de Hélio é constituído por 2 protões e por dois neutrões (distância entre estas partículas 3. Da tabela periódica obtém-se o seu número atómico. a) Calcule o número de electrões livres nele existentes. e a sua massa atómica u = 196.1. 115 . a) Calcule a força eléctrica de Coulomb que se exerce entre aquelas partículas.

672 ×10−27 Fpp = G p 2 p = 6. Problema 2. obtida na alínea a).3.12.80 ×10−10 )2 b) Há as forças gravíticas seguintes: . Fe b) Para o comprimento L = 25 cm qual deverá ser a massa de cada esfera de modo que para Q = 1 μC se tenha α = 8º Fg c) Nas condições da alínea anterior. igual nas duas esferas mas de sentido contrário. como se mostra na figura ao lado. entre a variável que se mede e a saída do aparelho? α L L m q Fg Fe q m Fg Fg Fg Existe linearidade Dados: Constante de Coulomb. com α expresso em graus e Q em Fg microcoulomb. Cada uma delas encontra-se sujeita a duas forças: a força eléctrica de repulsão. g = 9. Fpn mm 1. estabeleça uma expressão Q(α). foram carregadas com uma determinada quantidade de electricidade Q (distribuída igualmente pelas duas esferas). uma vez que mn=1. Fe. d) Este dispositivo pode ser utilizado para medir carga eléctrica. RESOLUÇÃO: a) As esferas são iguais.293×10-45 N −10 2 (3. Nestas condições determine a) O valor de Q que conduz ao afastamento entre as esferas de 20º.674×10-27 kg é praticamente igual a mp. Pela lei de Coulomb a força eléctrica que se exerce entre as esferas é repulsiva (corpos com carga do mesmo sinal) e dada por qq 1 q1q2 Fe = = ke 1 2 2 2 r 4πε 0 r Mas como q1= q2= Q/2 e r = 2 = 2 L sen α vem. 672 ×10−11 × = 1. e a força gravítica. Aceleração da gravidade.9875 ×109 × = 1.5977×10-9 N r (3. 3 – Forças e medição da carga eléctrica Considere um sistema constituído por duas esferas metálicas iguais suspensas de um suporte isolante por meio de um fio condutor.802 m/s2.entre os 2 protões. que inicialmente se encontravam electricamente neutras. 602 ×10−19 ) 2 qq Fe = ke 1 2 2 = 8. ke = 8. Fnn e Fpn são quase iguais a Fpp. 672 ×10−27 ×1. 116 Gustavo da Silva . Fnn . para L = 16 cm e m = 5 g. que é igual nas duas esferas porque as suas massas são iguais. entre o protão e o neutrão. entre os dois neutrões. 2. Fg. substituindo na equação anterior Pág. Fpp .80 ×10 ) r Compare-se a ordem de grandeza deste valor com a ordem de grandeza da força de Coulomb. As esferas. e aproximando o seno e a tangente pelo seu argumento.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas a) Só há força de Coulomb entre os 2 protões: (1.987 5 × 109 C-2Nm2 (exacto). As restantes forças.

3369 kg. ou ainda. mostram que não existe linearidade entre a saída do aparelho (α) e a sua entrada (Q).14054 tanα .Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas Fe = ke Q2 16 L2 sen 2 α A força gravítica em cada esfera pode ser decomposta numa componente na direcção do fio de suspensão (que não produz movimento) e noutra com a direcção da força eléctrica Fg = Fgt + Fgx Pode escrever-se Fgx = Fg tanα = mg tanα As esferas estarão em equilíbrio quando Fe + Fgx = 0 . a menos das diferenças indicadas.α 0.α 0.Será então 16 L2 mg sen 2 α tan α Q2 Q2 = (eq.13963 tanα 0.13917 senα . 1) ke 16 L2 sen 2 α 2) Substituindo valores numéricos obtém-se Q = 0.00091 senα 0.00045 Vê-se assim que.109 μC. 3) que se encontra representado na figura da pág. kc ⎝ 180 ⎠ Substituindo valores numéricos vem Q = 0. seguinte. A sensibilidade deste dispositivo é tanto maior quanto menor o ângulo (note-se que a sensibilidade é dada pela relação entre a variação da saída e a variação na entrada). 04419 α 3/ 2 (eq. b) Usando de novo a eq. ou então da equação 3. Nestas condições a equação 2 escreve-se 16 L2 mgα 3 ke ou ainda. d) A observação da figura. Q2 = Q2 = 3 1012 ×16 L2 mg ⎛ π ⎞ 3 ⎜ ⎟ α (com Q em μC e α em graus). 117 . 16 L2 g sen 2 α tan α c) Para α = 8º tem-se: α (º) 8 α (rad) 0. 1. quando Fe = Fgx . ke ⎝ 180 ⎠ 3 1012 × 16 L2 mg ⎛ π ⎞ 3/ 2 Q= ⎜ ⎟ α . mas com os novos valores numéricos e resolvendo em ordem a m: Q2 m = ke m = 0. é lícito substituir senα e tanα por α. Gustavo da Silva pág. ke = mg tan α (eq.

5 0 0 1 2 3 4 5 6 7 α (º) 8 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 1 Q (μC) 0. colocadas a distância fixa uma da outra.12. 4 – Dipolo eléctrico Um dipolo eléctrico é constituído por duas cargas com a mesma grandeza mas sinais contrários. 118 Gustavo da Silva . RESOLUÇÃO: O problema resolve-se utilizando a lei de Coulomb e a simetria aqui existente na distribuição do campo eléctrico. a) Faça uma representação gráfica aproximada do campo eléctrico originado pelo dipolo. 2a. y E1 E E2 r 2 •θ +q a × × 3 × • a P(r) 1 -q x Pág. Problema 2. b) Determine analiticamente o campo do dipolo num ponto equidistante das cargas a uma distância r do seu centro tal que r>>a. a) Considere-se um plano significativo.4. um plano contendo as cargas. e definam-se os eixos coordenados como indicado na figura da esquerda.

Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas Nesse plano considerem-se. apenas os pontos do 1º quadrante. obtém-se a figura apresentada à direita. m Gustavo da Silva pág. sendo a soma de E1 (devido à carga +q) e de E2. a) Determine a sua lei de movimento (aceleração. 3 está indicado o campo eléctrico devido à carga +q. ou seja. velocidade e trajectória). Em módulo estes dois campos são iguais: q q E1 = E2 = ke 2 = ke 2 r y + a2 a a Mas da figura conclui-se que E = 2 E1 cos θ . constante e uniforme. Qual o tempo que o protão demorou a efectuar a trajectória? c) Calcule a energia cinética do protão. Pela 2ª lei de Newton. 119 . 2.12. A velocidade será dada por v = ∫ a dt = 0 m ∫0 qE v= t. depois de ter sido acelerado durante o tempo calculado na alínea b). de acordo com o enunciado. Para os pontos 1. Mas cos θ = = . (a partícula estava inicialmente em repouso). devido a -q e a resultante.5. é sobre o eixo dos yy. como neste caso ∑ Fext = qE . b) Particularize para o movimento do protão e determine a sua velocidade. m t qE t dt (q. pelo que podemos escrever apenas os módulos: a = E . vem m q a = E . pelo que fica 2 r y + r2 E = 2 E1 cos θ = 2ke q y + a2 2 a y +a 2 2 = ke 2 qa ( y + a 2 )3/ 2 2 Para distâncias tais que y>>r a expressão anterior resulta em E ≈ ke 2. o mesmo acontem q cerá a a. Problema 2. 5 – Carga sujeita a força eléctrica 2qa y3 Uma partícula em repouso. depois de ter percorrido uma distância d = 10 cm num campo eléctrico uniforme E = 100 kV/m. Como E apenas tem componente segundo o eixo dos xx. a e E são constantes). Sobre este eixo o campo é dirigido da esquerda para a direita. De onde proveio esta energia? RESOLUÇÃO: a) Uma partícula de carga q quando colocada num campo eléctrico E fica sujeita à força F = qE . b) A posição do ponto P(r). é submetida a um campo eléctrico E. para efeitos de cálculo. dirigido segundo o eixo dos xx. com carga eléctrica +q e massa m. Note-se que os módulos são diferentes devido às distâncias não serem Efectuando o mesmo para um grande número de pontos e traçando as linhas tangeniguais. uma partícula de massa m sujeita a forças adquire F ext uma aceleração a tal que a = ∑ . tes ao campo eléctrico. Os resultados para os outros quadrantes obtêm-se por simetria.

6726 ×10 m qE 2 t 2m t= −19 2 2 × 0. 6726 ×10−27 ×1. c) Comprove o valor obtido aplicando a lei de Gauss do campo eléctrico.3841×106 J = 1. b) A partir do campo eléctrico obtido em a) determine o seu fluxo através da mesma superfície.6. 6022 ×10 q ×100 ×103 m/s 2 = 9. Problema 2.12. dado pela lei de Coulomb: 1 q E= r1 4πε 0 r 2 em que r1 é o vector unitário dirigido da carga para o ponS to P. um campo eléctrico radial. d) Faça uma aplicação numérica. (a partícula partiu de x = 0). E= −27 1.1 s = 0.5788×1012 ms-2. 2m b) a = x= 1. Graficamente será: P r1 n Para os pontos sobre a superr fície da esfera será O • 1 q q E= r1 R 4πε 0 R 2 O módulo de E é constante e a sua direcção radial. Ao fim deste tempo x = qE 9. Pág.6021×10-15 J 2 2 Esta energia provém da fonte de alimentação que assegura a diferença de potencial entre as armaduras constante. 120 Gustavo da Silva . e é transformada em energia cinética. à distância r de O. origina num ponto P. sem mais nada em presença.5788 × 1012 m qE t = 9. com origem em O.3841×106 m/s. sobre esta esfera. a velocidade será v = m 1 1 c) Energia cinética: Ec = mv 2 = ×1. calculando o campo eléctrico e o seu fluxo para q = 1 nC e R = 10 cm. RESOLUÇÃO: a) Uma carga eléctrica colocada num ponto O do espaço. a) Calcule o campo eléctrico produzido por esta carga. 2.5788×1012 ms-2×0.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas A posição é dada por x = ∫ v dt = 0 t qE t t dt m ∫0 x= qE 2 t .1445 μs = 1. 6 – Campo eléctrico de uma carga Uma carga pontual encontra-se envolvida por uma superfície esférica (geométrica) de raio R.1445 μs.

a) Calcule o potencial num ponto P à distância r da origem. Substituindo o valor de E obtido. r. é proporcional à quantidade de carga eléctrica resultante.987 × 0.854 ×10−12 φE = 2. Problema 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas b) O fluxo é calculado a partir de φE = ∫∫ S E ⋅ n dσ em que o integral se estende a toda a superfície da esfera (fechada). 1 Analiticamente esta lei exprime-se do seguinte modo: φE = ∫ E. seguinte). S ε Como Q = q.7. resulta r dr q U ( r ) = − ke q ∫ 2 = k e ∞ r r b) A representação gráfica do potencial decorre da expressão obtida (pág.12. RESOLUÇÃO: a) Utilizando a definição de potencial tem-se U P = − ∫ E ⋅ ds ∞ P Em que E = ke P P dr q q r e ds = dr r1 . Logo. n representa a normal à superfície e σ o elemento de área infinitesimal sobre a superfície. b) Represente graficamente U(r). existente no interior dessa superfície. 121 . fica U P = − ∫ ke 2 r1 ⋅ dr r1 = U P = −ke q ∫ 2 2 1 ∞ ∞ r r r Como o ponto P se encontra referenciado pela distância à origem.12 R 4πε 0 R 2 1×10−9 Vm = 113 Vm 8. e como em qualquer ponto E é paralelo a n vem φE = = ∫∫ S E ⋅ n dσ = ∫∫ S 1 q 1 q r ⋅ n dσ = 2 1 4πε 0 R 4πε 0 R 2 ∫∫ S r1 ⋅ n dσ = 1 q 4πε 0 R 2 ∫∫ S dσ 1 q q S= 2 4πε 0 R ε0 c) A lei de Gauss afirma o seguinte: O fluxo total do campo eléctrico através de uma superfície fechada. dσ = Q . vem φE = d) E = q ε0 1×10−9 q 1 q V/m = 889 V/m = ke 2 = 8. Gustavo da Silva pág. 7 – Potencial de uma carga Em relação ao problema anterior.

sendo ρ a densidade de carga em volume.12.2 1. resultando Q ∫∫ S E ⋅ n dσ = E S .8 2 r /m 2. o S ε0 campo eléctrico em qualquer ponto (devido à sobreposição dos campos produzidos pelas cargas individuais) é radial.2 0. O campo eléctrico é de módulo constante sobre qualquer esfera centrada em O. pelo que E S = εint 0 1 Qint Uma vez que S = 4π r 2 . 0 < r < a : Neste caso Qint = ρ Vint.∞].Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas U /V 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 0 0. 122 Gustavo da Silva 1 .8 1 1. Problema 2. Com o auxílio da lei de Gauss do campo eléctrico calcule: a) O campo eléctrico no seu exterior e no seu interior.4 0. 8 – Potencial de uma esfera isolante Uma determinada carga eléctrica Q encontra-se uniformemente distribuída no interior de uma esfera isolante de raio a. r > a : Neste caso Qint = Q e fica Q 4πε 0 r 2 2. para r∈[0.4 1.6 0. ρ calcula-se dividindo a carga eléctrica existente na esfera de raio a pelo seu volume. dirigido da origem da esfera para o exterior. donde E= Pág. Na expressão anterior pode então passar-se E para fora do integral. b) O potencial eléctrico criado por esta distribuição de cargas. uma vez que a distribuição é uniforme. vem E = 4πε 0 r 2 Considerem-se agora dois casos: 1. c) Represente graficamente o módulo de E em função da distância r ao centro da esfera. RESOLUÇÃO: a) O campo eléctrico obtém-se com o auxílio do teorema de Gauss: Q φE = ∫∫ E ⋅ n dσ = int .8. Devido à simetria na distribuição geométrica das cargas.6 1. Represente também U(r).

Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas Q U(r) O V ρ E(r) r 0 r<a a r Q r3 r3 1 Q ou E = Qint = Q 3 .∞]. 123 . Problema 2.9. 2.12. b) Determine o campo eléctrico no seu exterior e no seu interior. Gustavo da Silva pág. 9 – Potencial de uma esfera condutora Uma carga eléctrica Q= 5 nC encontra-se distribuída numa esfera condutora de raio a = 20 cm. d) Represente graficamente o módulo de E em função da distância r ao centro da esfera. a) Calcule a densidade de carga eléctrica à superfície da esfera. U (r ) = − ∫ dr = ∞ 4πε r 2 4πε 0 r 0 r Q Q Q ⎡ r2 ⎤ Q r = 2. para r∈[0. 0 < r < a : U ( r ) = − ∫ − dr − ∫ dr = ∞ 4πε r 2 a 4πε a 3 4πε 0 a 4πε 0 a 3 ⎢ 2 ⎥ a ⎣ ⎦ 0 0 a 1 r Q ⎛ r2 ⎞ ⎜3− 2 ⎟ 8πε 0 a ⎝ a ⎠ c) A representação gráfica do campo eléctrico e do potencial em função da distância ao centro da esfera encontra-se sobre a própria figura. Fica pois E S = r. Considerem-se os 2 casos ante∞ P riores: 1. r 1 Q Q 1 . r > a : vem. Represente também U(r). c) Calcule o potencial eléctrico criado por esta distribuição de cargas. 3 ε0 a a 4πε 0 a 3 b) O potencial eléctrico obtém-se por: U P = − ∫ E ⋅ ds . considerando de novo que P é caracterizado pela distância r. respectivamente a vermelho e a azul.

E = ke 2 . usando ke em vez de 1/4πε0. Como a superfície é dS esférica as cargas encontram-se uniformemente distribuídas sobre ela. 22 b) O campo eléctrico pode obter-se pelo teorema de Gauss. No exterior da esfera (ver Q problema anterior) será.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas RESOLUÇÃO: a) Sendo a esfera condutora (perfeita) as cargas distribuem-se à sua superfície.987 ×109 × V/m = 1123 V/m. 0. a No interior. 22 No interior da esfera não há cargas eléctricas. como não há cargas interiores (ver problema anterior b) 2). d) Representação gráfica de E(r) e U(r): Q U(r) O V ρ E(r) r 0 r<a a r Pág. Q c) No exterior da esfera (ver problema anterior) será U = ke U = 225 V. 124 Gustavo da Silva . r −9 5 ×10 E = 8. (com r = a). o 2º integral constituinte de U(r) é zero pelo que o potencial se mantém constante e igual a U(a) = 225 V.945 μC/m2 4 × π × 0. pelo que se pode pôr σ= Q S σ= 5 ×10−9 C/m2 = 9. pelo que usando o teorema de Gauss E = 0. Por dQ definição a densidade superficial de carga é dada por σ = .

Problema 2. a) Calcule o campo eléctrico nas regiões 0 ≤r ≤ a. de raios r1 e r2. como superfície gaussiana esférica. RESOLUÇÃO: a) Escolha-se. Carga no interior da esfera gaussiana: q = Q 2 4π r 4πε r 2 b) As cargas movem-se livremente na esfera condutora. Carga no interior da esfera gaussiana: q /ε Q Q 4 3 r3 = r πr = Q 3 E = q = ρVr = 2 4 33 4π r 4πε a 3 a πa 3 0 a E= b c r a2) a < r < b. oca e espessa. r2 = 16 cm e o mesmo valor de q. A carga na superfície interior é –Q e na superfície exterior é +Q. centradas na carga. 10 – Potencial de 2 esferas concêntricas Uma carga eléctrica Q encontra-se uniformemente distribuída em volume no interior de uma esfera isolante de raio a. Como seria o gráfico se a carga fosse negativa? Gustavo da Silva pág. para simplificar. b) Determine o valor da carga eléctrica induzida nas superfícies interior e exterior da esfera oca. Carga no interior da esfera gaussiana: q = Q 2. Interprete os valores obtidos para r = 0 e para r = ∞.12. 11 – Potencial e diferença de potencial Uma carga pontual origina no espaço um campo eléctrico. concêntrica com a esfera de raio a. Faça uma aplicação numérica para q = 0. b) Calcule a diferença de potencial entre duas superfícies esféricas fictícias. a1) r < a.11.10. Carga no interior da esfera gaussiana: q = 0 (porquê?) Q/ε Q E= = a4) r > c. num ponto P à distância r da carga. c) Faça uma representação gráfica de U(r). A envolver esta esfera encontra-se uma esfera condutora.12.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2. Densidade de carga no interior da esfera de raio a: ρ= Q Q = Va 4 π a 3 3 q Pelo teorema de Gauss: φ E = ε A partir da definição de fluxo φE = 4π r 2 E Q/ε Q = 2 4π r 4πε r 2 E=0 a3) b < r < c. Faça uma aplicação numérica para r1 = 14 cm e . Problema 2. a) Calcule o potencial originado pela carga. a ≤ r ≤ b. Seja r o seu raio. A sua carga eléctrica total é nula. b ≤ r ≤ c e r ≥c. E e um potencial U. O campo eléctrico é perpendicular a esta superfície gaussiana e tem um módulo constante sobre ela (porquê?).067 μC e r = 30 cm. 125 . de diâmetro interno b e diâmetro externo c.

30 b) A diferença de potencial obtém-se de modo análogo ao anterior. mas integrando r B r2 q ⎡1⎤ 2 1 q = entre r1 e r2: U AB = U B − U A = − ∫ E. 067 ×10−6 1 ⎞ ⎛ 1 ×⎜ − ⎟ volt = – 538 V −12 4π × 8.8542 ×10 ⎝ 0. em que 4πε 0 r 2 r1 é o vector unitário dirigido da carga para o ponto P. 126 Gustavo da Silva . que ds = dr. seguinte) Repare-se nos valores muito elevados de U.ds . Graficamente será: A • q r1 B P1 r2 P2 r P O potencial originado por q é obtido a partir da definição: U P = U (r ) = − ∫ E.14 ⎠ c) Representação gráfica (pág. substituindo E pelo seu valor vem r r 1 r q ⎡1⎤ 1 q q 1 q U (r ) = − ∫ dr = = − ∫∞ r 2 dr = 4πε 0 ⎢ r ⎥ ∞ U (r ) = 4πε 0 r ∞ 4πε r 2 4πε 0 ⎣ ⎦ 0 0.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas RESOLUÇÃO: a) Uma carga eléctrica colocada num ponto P do espaço. 1 q origina um campo eléctrico radial.8542 ×10 0.16 0. ∞ P Notando que E e ds são paralelos.ds = − ∫ dr = A r1 4πε r 2 4πε 0 ⎢ r ⎥ r1 ⎣ ⎦ 0 q ⎛1 1⎞ ⎜ − ⎟. quando comparada com condensadores correntes. Pág. dado pela lei de Coulomb. sem mais nada em presença. E = r1 . 067 ×10−6 1 × volt = 2 007 V Aplicação numérica: U = −12 4π × 8. Isto deve-se ao facto. de que a capacidade da esfera é relativamente baixa. 4πε 0 ⎝ r2 r1 ⎠ Aplicação numérica: U AB = 0.

0 μC quando ao ser acelerada por este campo eléctrico se desloca de 1. d) Calcule a energia armazenada no condensador. Na prática tal não acontece porque a lei de Coulomb não se pode aplicar a distâncias inferiores às dimensões dos átomos. Às placas é aplicada uma d.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas U(r) volt 3 ×10 4 2 1 0 0 0. contínua de 1. por meio de um suporte isolante. Nestas condições determine: a) O valor do campo eléctrico. 2.12. e a quantidade de electricidade existente na placa que se encontra carregada positivamente. 127 . que se estabelece entre as placas. suposto uniforme.5 kV. Problema 2. RESOLUÇÃO: a) Representação gráfica: A x d UAB E y B Gustavo da Silva pág.d.p.0 cm. à distância de 2. 12 – Campo eléctrico e capacidade entre 2 placas Duas placas rectangulares com a área de 20×10 cm são fixadas frente a frente.12. Resulta da própria definição e do campo eléctrico variar com o inverso do quadrado da distância. b) A variação de energia potencial que sofre uma carga eléctrica de 1.0 cm. no vácuo.5 R metro 1 O potencial é nulo para r = ∞. O potencial é infinito para r = 0. c) Calcule a capacidade do condensador constituído por estas placas.

Pág. RESOLUÇÃO: a) Condensador plano.13. Problema 2.854 ×10-12× 1500 C = 13. em função das características geométricas e da permeabilidade eléctrica do seu dieléctrico.854 × 10 −12 × F = 8. ε: a) Condensador plano. Logo. R 1 Q R 1 Q Q E= dr = .12. c) Condensador esférico. com duas armaduras concêntricas de raios R1 e R2.b). A área em presença é A e a distância entre armaduras é d. U = − ∫ Edr = − ∫ 2 2 ∞ ∞ 4πε r 4πε r 4πε R c) Condensador esférico. Pela definiQ A ção de potencial é E = U / d . b) ΔE p = q ∫ E.3 ×10−9 ×1500 J = 19. 13 – Capacidade de condensadores Calcule a capacidade de cada um dos condensadores. e comprimento l.3 nC c) C = ε 1 1 d) E = QU = ×13. 20 × 0. com apenas uma armadura de raio R. d) Condensador cilíndrico. =ε U d Mas Q / U é por definição a capacidade C C =ε A d b) Esfera de raio R. Pela lei de Gauss será EA = Q / ε . de valor E.75 mJ P 1 P2 A 0. b) Condensador esférico. 128 C= Q U C = 4πε R Gustavo da Silva . Considere-se uma superfície de Gauss envolvendo uma das armaduras. O campo é uniforme entre as armadura.ds = Ed (E é constante entre as placas) A B E= VAB 1500 V/m = 75 = 0. com duas armaduras concêntricas de raios R1 e R2. 02 Q = CU = 8.01 = 0. com área das armaduras A = a×b e distância entre elas d << min(a.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas U AB = ∫ E.ds = qEd1 = 1×10-6×75000 × 0.854 pF d 0.10 = 8.02 d kV/m.95 μJ 2 2 2.

854 × 10−12 d 0. Qual a diferença de potencial máxima que este condensador pode suportar (rigidez dieléctrica do papel encerado = 16 × 106 V/m)? b) 1. pelo que Q 1 E × 2π r = Q / ε . C = 4πε R b1) C = 4 × π × 8.37 × 106 F = 709 μF Gustavo da Silva pág.854 × 10−12 × 0.30 F = 7. dieléctrico teflon (εr = 2. de raio r e comprimento l. no ar. Campo radial: U = − ∫ Edr R2 R1 Considere-se uma superfície de Gauss.12. R1 = 1 mm. para os valores: a) Condensador constituído por duas folhas rectangulares de alumínio com 40 cm × 30 cm. separadas por uma folha de papel encerado (εr = 3.0005 U = Ed U max = Emax × d U max = 16 × 10 6 × 0. A 0. c) Esfera de raio 24 cm envolvida por esfera de raio 26 cm.7) de 0.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas R1 1 Q R1 1 Q Q 1 1 dr = . E= 2πε r R1 Q R1 1 Q Q R [log r ]R12 = dr = − U = − ∫ Edr = − ∫ log 2 R R2 R2 2πε r 2πε R1 2πε C= Q U C= 2πε R log 2 R1 2. cilíndrica.8625×10-9 F = 7. U = − ∫ Edr = − ∫ ( − ) 2 2 R2 R2 4πε r 4πε r 4πε R1 R2 Q 4πε C= . 129 . Calcular a área da esfera e comparar com o resultado obtido para o condensador plano. Problema 2.Esfera de 1 m de diâmetro.5 F = 55. 14 – Aplicação numérica do problema anterior Faça uma aplicação numérica dos resultados obtidos no problema anterior.40 × 0.6 pF b2) C = 4 × π × 8.1). envolvendo a armadura interior. = 10m .5 mm de espessura. C= 1 1 U ( − ) R1 R2 E= d) Condensador cilíndrico. A área deste cilindro é (não contam as bases) A = 2π r . R2 = 5 mm. Como o campo é radial só há fluxo através desta superfície lateral. 2 – Planeta Terra.86 nF C =ε C = 3. d) Cabo coaxial.0005 V = 8 kV b) Esfera de raio R.7 × 8. com ar entre elas.14. RESOLUÇÃO: a) Condensador plano.854 × 10−12 × 6.

854 × 10−12 × 10 2πε C= = 725. O condensador encontra-se carregado e apresenta aos seus terminais uma d.8542 ×10 × 0. Logo. de 100 V.d. com o condensador carregado e isolado do exterior? RESOLUÇÃO: A d A relação entre a sua carga e a diferença de potencial aos terminais exprime-se por Q = CU .5 ×10−3 d Diferença de potencial no condensador -6 Q 0. A Tratando como condensador plano: C = ε d 0.p.0).1771×10-9 Pág. 4πε 4 × π × 8.10625 μC Situação final: 100 ×10−4 A F = 0.1771 nF C2 = ε rε 0 = 1× 8.854 × 10−12 C= F = 347.24 0.7854 C = 8.26 − 0. mas a sua carga mantém-se uma vez que é dito encontrar-se isolado do exterior.0625×10-9×100 C = 0.7 pF (compare-se com o anterior) (0.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas c) Condensador esférico. é a diferença de potencial que varia. 2 × π × 2.9 pF C= 5 R2 log log 1 R1 2.1 × 8.8542 ×10-12 × 0.854 × 10 −12 F = 347. Área desta esfera S = 4π R 2 =0.24) d) Condensador cilíndrico.5 ×10−3 d Carga eléctrica no condensador: Q = C1U1 = 1.15 pF C= 1 1 1 1 ( − ) − ( ) R1 R2 0. 15 – Efeito do dieléctrico num condensador Um condensador plano com a área de 100 cm2 e distância entre armaduras de 0.15.5 mm tem o dieléctrico de cerâmica (εr=6. Que acontece se o dieléctrico for retirado.26 Esfera intermédia: R= 25 cm.10625 ×10 V = U2= 600 V U2 = C2 0.12.7854 m2. Quantificando: A capacidade de um condensador plano é dada por C = ε Situação inicial: −4 A -12 100 × 10 F = 1. Antes e depois de retirar o dieléctrico a capacidade do condensador vai variar. Problema 2.0625 nF C1 = ε rε 0 = 6 × 8. 130 Gustavo da Silva .

01 dução de um dos dieléctricos com constante dieléctrica elevada pode conduzir a campos elevados na região onde está o outro dieléctrico.854 × 10−12 b) Campos eléctricos 88.949 ×10−12 ×10 ×103 U Q CU E1 = V/m = 1. 0314 ε 1 A ε 1 A ε ( d1 + d 2 ) 1 ε1 ε 2 = 477.12.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2. RESOLUÇÃO: a) Capacidade Área em presença A. para a mesma distância entre armaduras. b) Calcule o campo eléctrico no interior de cada um dos dieléctricos.5 cm de espessura cada uma. Envolvendo a outra armadura: E2 A = Q / ε 2 Substituindo E1 e E2 na 1ª expressão Q Qd1 Qd 2 A resulta resulta C = + = U Como C = d1 d 2 U ε1 A ε 2 A + ε1 ε 2 0. 7 × 8. A introE= = d 0.00 MV/m (notar que é independente do dieléctrico. podendo eventualmente levar aí à disrupção). 005 0. apenas tivesse um ou outro dieléctrico. O seu dieléctrico é constituído por uma justaposição de duas rodelas. uma de borracha de Neopreno (εr = 6.1× 8. a) A capacidade deste condensador.7 × 8.5 kV/m 88. com 0.8542 ×10−12 × 0.949 pF 0. 0314 C= F C=88. A = π r 2 A = 0. 0314 ε 2 A ε 2 A ε ( d1 + d 2 ) 2 ε1 ε 2 b) Campo eléctrico só com um dieléctrico U 10000 V/m = 1. Q U d Por definição de potencial E1d1 + E2 d 2 = U E1 E2 d1 d2 Envolvendo uma das armaduras por uma superfície de Gauss vem E1 A = Q / ε1 . com o diâmetro dos eléctrodos. com 10 cm de diâmetro. Problema 2. 005 + 6. Gustavo da Silva pág. c) Compare o resultado anterior com o que seria obtido se.0314 m2.7) e a outra de teflon (εr = 2.949 ×10−12 ×10 ×103 CU U Q E1 = V/m = = = E1 = 6. 131 .16.1).854 × 10 −12 2. Ao condensador aplica-se uma diferença de potencial de 10 kV.1× 8. 16 – Condensador com 2 dieléctricos Um condensador plano tem as armaduras circulares.8542 ×10−12 × 0.5235 MV/m = = E2 = 2.

17.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2. b) A relação entre a corrente e a tensão aplicada. o que fará o condutor ser percorrido por uma corrente I. 7 × 10 −7 × 1000 Ω = 11.d.41 A/mm2 −6 S 1.5 mm2 e = 1 km. RESOLUÇÃO: a) Representação do condutor: A S I U ρ U Campo eléctrico entre os pontos A e B: E = Lei de ohm: J = σ E J= J =σ U (resulta da definição da tensão) I U U 1 I =σ = (por definição de J ) S I σ S S U 1 =ρ Mas ρ = (por definição de ρ) σ I S dá-se o nome de resistência eléctrica do condutor.41 MA/m2 = 1. de 24 V. Representa-se por R: R=ρ S À quantidade ρ Exprime-se em ohm.7×10-8 Ωm) com S = 1. É a conhecida lei de Ohm. A partir da lei de ohm J = σ E . Já conhecia esta relação? c) Faça uma aplicação numérica para um condutor de cobre (ρ = 1. ao qual é aplicada uma d.12 A R 11. 132 Gustavo da Silva . comprimento e condutividade σ. Determine R e I e J.12 J= = A/m 2 = 1.p. Problema 2.d. Depende das S características do material (ρ) e da sua geometria ( e S). I S = 1. 5 × 10 Pág. determine: a) A expressão da resistência eléctrica deste condutor. 17 – Resistência de um condutor Um condutor é constituído por um fio de secção recta S. Aos seus terminais aplica-se uma d.33 I 2.p U. símbolo Ω b) Relação entre a tensão e a corrente: c) R = ρ I= U = R .12. 5 × 10 −6 U 24 = A = 2.33 Ω 1.

período e desfasagem inicial? b) Faça uma representação vectorial (fasor) desta tensão e descreva-a analiticamente na forma de exponencial complexa. RESOLUÇÃO: a) Da expressão analítica e das definições obtém-se: . frequência. Gustavo da Silva pág. imag 30º U = 230 2e − π/6 real Representação por exponencial complexa: u (t ) = 230 2 e (314 t − π / 6) = 230 2 e − π/6 e 314 t = U e314t com U = 230 2e− π/6 . Problema 2. sinusoidal.Frequência angular: ω = 314 rad/s . é descrita pela seguinte expressão: u (t ) = 230 2 sen(314t − π / 6) a) Qual a sua amplitude.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2. frequência angular. 133 .18. 18 – Tensões e correntes alternadas Uma tensão alternada.Período: f = T = 1/50 s = 20 ms T .Amplitude: U m = 230 2 = 325 volt .Desfasagem inicial: ϕ 0 = − b) Fasor: π 6 rad = – 30º.Frequência: ω = 2πf f = 314/(2π) = 50 Hz 1 .12.

d) Para a bobina dada. e a sua frequência de 50 Hz. é de 100 V.16 × 150 × 10 −6 Fasor: ZC Z = Z0 + R + Z L + ZC = =2+50+62.60 Ω ϕ = a tan = 52 =0.675 rad = 38.19. Problema 2. 61 66. b) Determine a corrente na linha (amplitude e desfasagem). 134 Gustavo da Silva . O gerador encontra-se ligado a um circuito RLC série.83j-21. a) Faça o diagrama de impedâncias do circuito. Z = Ze jϕ com Z = 522 + 41.22j=52+41.12. 22 j Ω jω C 314. com R = 50 Ω .20 Ω = 62. L e C e à saída do gerador. L = 0. RESOLUÇÃO: Esquema do circuito Z0 o I UR UL UC ΔU G ~ U0 U o a) Cálculo das impedâncias e traçado do diagrama ω = 2πf = 314 rad/s Z L = jω L = j×314×0.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2.67º imag Z ZL ϕ R real Z0 Pág. activa e reactiva transferidas do gerador para o circuito RLC. com o gerador em vazio.61j Passando à forma trigonométrica. qual o valor que deverá ser posto em paralelo com C para que a corrente na linha esteja em fase com a tensão U0? e) Calcule as potências aparente. 612 Ω = 41.20 H e C = 150μF . c) Determine as tensões aos terminais de R. 19 .83j Ω 1 1 =− j ZC = Ω = −21. com impedância de saída Z 0 = 2Ω .Circuito RLC série Considere um gerador sinusoidal. A amplitude da sinusóide.

U 100 .502e− j 38. 135 .67º β ΔU=3. = sen 37.502e− j 38.33×cos(38.67 Z 66. 00 Das 2 últimas equações vem = sen141. ou seja e) Potências Potência aparente: Pa ≡ S = Uef Ief = 1 = 62.67 volt = = 21. 502e − j 38. 33 A seguir vem β = 37. ϕ = –38.34+31.83 j ×1.502e− j 38.0 V ΔU = 2 ×1.68 V = 201.33×sen(38. 60 sen141. bobina. 64 1.25 W Gustavo da Silva pág. condensador e saída Resistência: U R = R I = 50 × 1. 00e− j 38.67 V (Repare-se que UR + UL + UC = 75. e pela 1ª equação da linha acima donde U = 97.83 314.33 VA 2 2 Potência reactiva: Pr ≡ Q = Uef Ief senϕ = 73.67º V = 3.67º V = = 94.82 VAr Potência activa: P = Uef Ief cosϕ = 73.33 sen α α = 1.60º.07e− j 38.502e − j 38.67 A j 38.502e− j 38. d) Corrente em fase com a tensão Deverá ser Z C = Z L . 22 j ×1. 502 × VA = 73.66 μF 97.65 V. 22e− j 90º ×1.16 × C C = 50.67º) W = 57.67 volt = 62.05+94.33 V Condensador: UC = XC I = −21. 33 sen α 100 3.502 A.07 V >> 100 V) Tensão de saída: α U=? U0=100 V 141.34e j 51.67º V α + β =38.67 volt = 75.67º) Var = 45.33º 38.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas b) Corrente na linha U 100 I= 0 = A = 1.67 V Bobina: U L = X L I = 62.83e j 90º × 1. 60e I = 1.502e− j 38.07º.67º U0 ΔU U = = sen β sen141.67º c) Tensões na resistência.34 e− j128.67º V = 94.

d) A energia dissipada na resistência por efeito de Joule.2. Problema 2. Defina o eixo dos xx coincidente com o segmento de recta que une as cargas e com origem a meia distância entre elas e o eixo dos yy perpendicular a este.13. b) Calcule o potencial ao longo do eixo dos yy.1 s. b) em paralelo.5.13. 24 – Associação de resistências Demonstre a fórmula de associação de resistências: a) em série.4. com a capacidade de 10. Problema 2. Nestas condições determine: a) A lei de variação da corrente ao longo do tempo. 2.d. bem como o seu valor para t = 0 e t = 0. Problema 2. apresentando aos seus terminais uma d.0×10-8 Ωm) com 10 cm de comprimento. 25 – Associação de bobinas Demonstre a fórmula de associação de bobinas: a) em série. 22 – Descarga de condensador Um condensador.1. Problema 2.3. Quantos electrões incidem no alvo durante um varrimento completo do feixe (1/25 s)? 2. Descarrega-se este condensador através de uma resistência eléctrica de 10. para ter uma resistência de 100 Ω? 2. no instante t = 0. Pág. de 48 V. b) em paralelo. 2. 21 – Cargas Num tubo de raios catódicos é medida uma corrente de cátodo de 32 μA. 20 – Dipolo Considere o dipolo do Problema 2.p. Problemas propostos 2. 2. A descarga faz-se segundo a lei exponencial q = q0 e − t / τ em que q0 é a carga inicial do condensador e τ = RC a constante de tempo do circuito constituído pelo condensador e resistência. Problema 2.6.0 μF.0 kΩ com 1 mm2 de secção. 136 Gustavo da Silva . a) Calcule o potencial ao longo do eixo dos xx.13.13. b) A densidade de corrente na resistência. 23 – Resistência Que secção deverá ter um fio de platina (ρ = 11. Problema 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2.13.4.13. encontra-se carregado.13.

13.13.13. é colocada paralelamente a um campo magnético B. b) Faça uma aplicação numérica calculando o valor do campo a 50 cm de um condutor rectilíneo percorrido por uma corrente de 6 A. também uniforme. a) Determine a força total a que se encontram sujeitas as partículas do feixe. c) Qual deverá ser a velocidade dos electrões para o seu movimento for rectilíneo e uniforme? 2. b) Supondo que se trata de protões e que o campo magnético tem o valor de 0. percorrido por uma corrente eléctrica de intensidade I. Problema 2. Problema 2.8. 2 Um feixe de partículas carregadas positivamente e com velocidade uniforme. atravessada por uma corrente eléctrica I. Problema 2. 137 . b) em paralelo. 28 – Força electromagnética sobre carga. c) Qual a posição em que ficaria a espira se pudesse rodar livremente em torno do eixo? 2. numa região do espaço onde existem um campo eléctrico E dirigido segundo o eixo dos yy e um campo magnético B dirigido segundo o eixo zz.05 T. 26 – Associação de condensadores Demonstre a fórmula de associação de condensadores: a) em série. a) Determine o binário a que fica sujeita.10. ajusta-se o campo eléctrico de modo a que os protões descrevam uma trajectória rectilínea. indicando o valor da velocidade nos pontos notáveis. b) Particularize para l=6cm.9.23 kV/m.7.1 T. numa região do espaço em que existe um campo eléctrico uniforme segundo o eixo dos yy e um campo magnético. Problema 2. velocidade e trajectória) no caso em que B = 0. b) Obtenha a sua lei de movimento (aceleração.2 kV/m e Bz = 0.13. a) Qual a força electromagnética que actua sobre o feixe. Gustavo da Silva pág.8 T. 2. obtendo-se E = 1. 29 – Força sobre uma espira Uma espira de cobre de secção quadrada × . 1 Um feixe de electrões é lançado com velocidade v0 segundo o eixo dos xx. 30 – Campo magnético produzido por uma corrente Tomando como ponto de partida a lei de Biot-Savart: a) Determine o campo magnético produzido no exterior de um condutor rectilíneo de comprimento infinito. I = 10 A e B = 0.13. Dados numéricos: v0 = 7500 m/s. Problema 2.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2. Esboce a sua trajectória. Qual a velocidade das partículas do feixe? 2. é lançado segundo o eixo dos xx. Ey = 1. segundo o eixo dos zz. 27 – Força electromagnética sobre carga.11.

138 Gustavo da Silva . Problema 2.15. origina um fluxo magnético no núcleo.13. variável no tempo. b) Faça uma aplicação numérica: =26 cm. 2. b) Reveja a definição da unidade de base eléctrica do SI. 2.16. φ(t) u1(t) Bobina primária Bobina u (t) secund.13.4 T e ω =3000 rpm. a e b. como se esquematiza na figura. 34 – Aplicação da lei de Gauss do campo magnético Utilizando a lei de Gauss do magnetismo calcule o fluxo do campo magnético através da superfície de uma esfera que contenha no seu interior um magneto rectangular. as perdas no núcleo e supondo que todo o fluxo magnético circula através dele: Pág. 2. Por sua vez. 2. 35 .13. de comprimento infinito. Problema 2. como se mostra na figura. 33 – Aplicação da lei de Ampere Utilizando a lei de Ampere do campo magnético: a) Faça uma verificação do resultado obtido no Probl. rodando em torno do seu ponto médio. B=0. c) Faça uma representação gráfica de B(r). Desprezando a resistência dos enrolamentos.14. b) Estenda o cálculo à determinação do campo magnético no interior do condutor. a) Calcule a força que se exerce sobre os condutores.13.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2.13. num campo magnético de intensidade B.Transformador Um transformador eléctrico é constituído por um núcleo ferromagnético envolvido por duas bobinas de fio condutor. à distância d. aplicada à bobina primária. um fluxo variável através da bobina secundária origina uma tensão secundária u2(t). Problema 2. Problema 2. também variável no tempo. Problema 2. “ampere”. e confira os resultados respectivos. 2 N1 N2 Uma tensão u1(t). 2. 32 – Força de uma corrente sobre condutores ⊗B Considere dois condutores rectilíneos paralelos.13. 31 – Barra em movimento num campo magnético Imagine uma barra metálica de comprimento . a bobina primária com N1 espiras e a bobina secundária com N2 espiras.13.12. b ⊗B ω a) Calcule a diferença de potencial que se estabelece a entre os seus extremos. percorridos por correntes I1 e I2.

RL > Z. Problema 2. cada um com 1. Considere a linha de cobre nu (ρ = 1. à velocidade ω. RL < Z.permeabilidade eléctrica Gustavo da Silva pág. 1 Uma linha eléctrica bifilar usada na transmissão de sinais é constituída por dois condutores paralelos e iguais.e. b) Faça uma aplicação numérica para = 20cm.m.18. d . 36 – F.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas a) Determine u2(t) em função de u1(t) de N1 e de N2. 37 – Linha bifilar. supondo que não há carga na bobina secundária. numa bobina em movimento em B Uma bobina. A distância entre condutores é de 9.17. d) Faça uma aplicação numérica para um transformador com N1=2000 espiras. O coeficiente de auto-indução da linha é de 1. w ω B u(t) a) Determine a f.05 mH/m.6 T e ω = 314 rad/s (f = 50 Hz). no ar.e. b) Considere a linha alimentada por um gerador de impulsos com impedância de saída igual `a impedância característica da linha (Z0 = Z).0 mm2 de secção. Faça um esboço dos sinais que observa à entrada da linha nos seguintes 3 casos: 1. 3.distância entre conduto- res. N = 86 espiras. que se estabelece aos seus terminais. -comprimento da linha. Em que caso é que se diz que a linha se encontra adaptada? Fórmula: Capacidade de uma linha bifilar: 1 1 2D ln( ) . c) Faça uma aplicação para o caso em que u1(t) é alternado sinusoidal e calcule a relação entre as amplitudes e as fases da tensão de saída e de entrada. ε . Determine também o fluxo no núcleo e qual deverá ser a secção do mesmo de modo a que o valor de B não exceda 0.70×10-8 Ωm).13. Considere a linha sem perdas. Problema 2. como se mostra na figura.0 mm. com a forma rectangular de área × w . 2. 2. A linha encontra-se terminada com uma resistência de carga RL. RL = Z. w = 10cm .13. B = 0.m. D = C πε d . N2=46 espiras e U1=10 kV. 139 . é obrigada a executar um movimento de rotação uniforme. a) Determine a sua impedância característica e a velocidade de transmissão dos sinais. constituída por N espiras.diâmetro dos condutores (supostos iguais). 2.8 T (para que não haja saturação). b) Determine a relação entre a tensão de entrada e a respectiva corrente.

2.13. 2 Considere uma linha bifilar. supondo que a superfície absorve toda a energia que sobre ela incide. e) Calcule a pressão de radiação exercida pela onda sobre a superfície referida na alínea c). Pág. b) Determine o comprimento de onda e faça um esboço que mostre os eixos de referência (x.Tópicos de Física – Electromagnetismo – Problemas 2.20. No instante t=0 liga-se o início da linha a uma bateria de 12 V. 1 Considere a onda electromagnética descrita por E x = 0 E y = E0 cos ⎡ω ( t − x / c ) ⎤ E z = 0 ⎣ ⎦ Com o auxílio das equações de Maxwell: a) Determine a expressão do campo magnético associado. A linha está terminada com uma resistência de 300 Ω. a sua amplitude e a sua desfasagem no tempo em relação ao campo eléctrico. d) Calcule a densidade de energia eléctrica e magnética associada a esta onda. 40 – Ondas electromagnéticas. z). Nestas condições: a) Determine a polarização do campo magnético.13. Problema 2. 2 Considere uma onda electromagnética plana que se propaga na direcção do eixo dos xx. Problema 2. b) Que relação deverá existir entre as amplitudes do campo eléctrico e magnético. f) Obtenha as equações de propagação dos campos E e B. Problema 2.13. 140 Gustavo da Silva .19. com a impedância característica de 600 Ω e o comprimento de 300 m. y. 2. Faça uma representação gráfica do estabelecimento das tensões e correntes na linha. Suponha que se trata de uma onda sinusoidal. A frequência de oscilação é f = 30 MHz e a amplitude do campo eléctrico é de 750 V/m. 39 – Ondas electromagnéticas.21. c) Calcule o vector de Poynting associado a esta onda e calcule o seu fluxo através de uma superfície de 10 cm2 perpendicular à direcção de propagação da onda. a direcção de propagação e a evolução espacial dos campos E e B num determinado momento. 38 – Linha bifilar. com o campo eléctrico polarizado linearmente segundo o eixo dos yy. sem perdas.

p. sentado voltado para trás. Neste último caso encontra-se o conhecido movimento dos electrões acelerados por diferenças de potencial elevadas: é possível acelerar electrões através de uma d. mostra que a velocidade aumenta apenas para 0. veria os ponteiros do relógio andar para trás (o que seria contrário ao princípio da causalidade). tendo daí concluído que a velocidade da luz seria a velocidade máxima possível de um objecto. c. Como se verá adiante. ou seja. A experiência mostra que. FÍSICA RELATIVISTA 3. as equações da Física Relativista degeneram nas equações da Física Newtoniana sempre que v << c. 20 Albert Einstein. Mesmo que nestas observações se incluam os movimentos dos planetas no sistema solar (a velocidade linear da Terra é aproximadamente igual a 3×104 m/s no referencial solar). contrariando as previsões da Física Clássica. passará para 2×0. a energia cinética também quadruplica pelo que a velocidade duplicará. e enquanto via o relógio da torre da Câmara Municipal a afastar-se teve a ideia de que se o carro em que viajava fosse a uma velocidade superior à da luz. Há muitos casos em que os corpos se movem a velocidades que se aproximam de c. Conta-se que Einstein ia de eléctrico em Zurique. desde v = 0 até v = c. passar ao estudo dos movimentos relativos e à criação de uma nova teoria que explicasse as discrepâncias de alguns fenómenos foi o acto desse génio.998c. A teoria que explica o comportamento dos corpos a qualquer velocidade. Dessa constatação. foi desenvolvida por Einstein(20). Mais revela a experiência. se for quadruplicada esta tensão de aceleração. elevada (da ordem de alguns milhões de volts) de modo a que estes adquiram velocidades de 0.95c. lida com objectos que se movem com velocidades muito inferiores à velocidade da luz no vácuo.95c = 1.3. no entanto. Para estes casos podem aplicar-se as equações e conceitos (formalismo) da Mecânica Newtoniana (ou clássica). que não existe nenhuma partícula que se mova com velocidade igual ou superior à velocidade da luz no vácuo. que a apresentou em 1905 com o nome de Teoria da Relatividade Restrita. De acordo com a teoria clássica.90c. que além do mais possuía boa preparação em Física Teórica.1. 1879-1955. uma grande inteligência. Introdução A observação dos fenómenos correntes. tal não acontece. .d. Dão-se como exemplos o movimento das galáxias e o movimento de muitas partículas atómicas e sub-atómicas. físico americano de origem alemã. está-se bastante abaixo da velocidade da luz. e tempo para meditar.

3. onde são abordados temas como equivalência entre aceleração e campo gravítico. a deflexão e atracção da luz pela matéria e outros que têm enorme importância em Astronomia e Física Nuclear. Saliente-se aqui que as equações de Maxwell são relativistas.Tópicos de Física – Relatividade A Teoria da Relatividade Restrita. A Teoria da Relatividade Restrita apenas lida com a fenomenologia que acima se indica desde que os referenciais sejam de inércia e não haja campos gravíticos em presença. e fornece novas expressões para o momento linear e para a energia. t’) do evento em S’ e as coordenadas (x.1 – Dois referenciais de inércia A relação da Mecânica Clássica entre as coordenadas (x’. t). em 1915. 142 Gustavo da Silva . y. ou seja. Seja v a velocidade de O’ em relação a S. O’ deslocando-se segundo Ox. constante por se tratar de referenciais de inércia. a curvatura do espaço. a contracção do espaço. z’) paralelos aos seus eixos homólogos em S. Considerem se dois referenciais de inércia S e S’. y’. z. válida para quaisquer referenciais mesmo na presença de campos gravíticos. Para simplificar a exposição escolhem-se os sistemas de coordenadas cartesianas ortogonais e S’ escolhido com os eixos (x’. z. t) do evento em S é dada por Pág. com O e O’ coincidentes no instante t = 0. mas que infelizmente foi confirmada experimentalmente à custa do sacrifício de centenas de milhares de vidas humanas com as explosões das bombas atómicas da segunda Guerra Mundial. Como se sabe da Mecânica Clássica.2. Um evento é identificado pelo local em que se deu e pelo instante em que ocorreu. (E = mc2) tão importante para o funcionamento das centrais nucleares. y’. Transformações de Galileu Designa se por evento qualquer fenómeno físico ou acontecimento que ocorre num referencial de inércia. mais tarde. y y’ evento x’ vt x S S’ *P O x O’ x’ Fig. pelas quatro coordenadas (x. trata de fenómenos tais como a dilatação do tempo. o movimento relativo de dois referenciais de inércia é rectilíneo e uniforme. dá-se o nome de referencial de inércia a todo aquele que não se encontra submetido a qualquer aceleração. Nela também se estabelece a equivalência entre massa energia. no sentido em que mantêm a forma em qualquer referencial de inércia. 3. ‘z’. y. Einstein apresentou a Teoria da Relatividade Generalizada. a composição velocidades.

Gustavo da Silva pág. Esta hipótese. Considere-se agora um outro exemplo: um avião (referencial S’) em movimento rectilíneo e uniforme (velocidade v) em relação à terra (referencial S). pelo que fica ' ⎧u x = u x − v ⎪ ' (3.2) constituem as equações transformação de velocidade de Galileu. A experiência prova que no referencial terrestre a velocidade da luz no vácuo é sempre rectilínea e uniforme. a partir das quais se obtém a equação de propagação das ondas electromagnéticas em espaço livre e a velocidade propagação das mesmas. ou. A velocidade do objecto em S’ será dx '/ dt ' . No referencial S’. as equações mantêm a mesma forma em todos os referenciais (de inércia).46)] mantêm forma em todos referenciais? A resposta é sim. de valor c. (3. na ausência de campos gravíticos intensos. como aliás o é em qualquer referencial de inércia. dt ' dt ' ' notação. será que as equações de Maxwell [ver eq.3. 1 v=c= (3. descreve o percurso elementar dx.1) Estas equações designam-se por equações de transformação de coordenadas de Galileu.Tópicos de Física – Relatividade ⎧ x ' = x − vt ⎪y' = y ⎪ ⎨ ⎪z ' = z ⎪t ' = t ⎩ (3. posto o problema de outra forma. As restantes componentes da velocidade são u'y = u y e uz = uz . Num determinado instante o avião envia um impulso luz com a direcção e sentido do seu movimento. No referencial do avião este impulso propaga-se com velocidade c. u x = u x − v .3) ε 0 μ0 Em que referencial é que se verifica esta equação? Ou. o deslocamento do mesmo objecto será dado por dx ' = dx − vt . e portanto dt ' = dt . Repare-se que se fez t ' = t . no referencial S. Na Física Clássica considera-se o tempo igual em todos referenciais. Será que no referencial terrestre o mesmo impulso de luz se propaga com velocidade c+v? A resposta é não. Durante o intervalo de tempo elementar dt.2) ⎨u y = u y ⎪ ' ⎩uz = uz As equações (3. Atendendo a dx ' dx = − v . Admita se agora que o evento P é o movimento uniforme de um objecto na direcção do eixo dos xx. conduz a resultados incorrectos no caso em que v se aproxima de c. vem. 143 . o objecto. 3. utilizando outra que por hipótese t ' = t .43) a (3. A velocidade da luz Considerem-se as equações de Maxwell.

etc. Neste princípio faz-se a generalização das leis da Mecânica a toda a Física: Electromagnetismo. com um valor constante. no seu movimento através do espaço. para explicar a propagação das ondas electromagnéticas. A Terra. O 2º princípio afirma não ser importante saber-se qual o referencial inércia em que o observador se encontra quando procede à determinação da velocidade da luz. O 1º princípio é uma extensão do princípio da relatividade de Galileu. físico e químico americano. permitiram concluir que velocidade da luz é constante na Terra. deslocar-se ia através do éter com velocidade v. com velocidade c. produzindo-se um "vento de éter". qualquer que seja o referencial de inércia. a velocidade do observador. da direcção ou da velocidade da fonte. consoante a mudança de velocidade desta (em cada seis meses a velocidade da Terra muda de direcção no referencial solar) foram assuntos que tomaram largas horas a físicos de renome. Considerem se como eventos a passagem dos ponteiros pelo minuto certo. Um outro observador encontra-se sentado no banco do jardim (observador em S). através do qual se propagariam as ondas. c. Termodinâmica. de Einstein (observador em S’) a deslocar-se de carro eléctrico e a observar o movimento dos ponteiros do relógio da torre da Câmara Municipal. também a olhar para o mesmo relógio. através do qual as ondas electromagnéticas se propagariam.Tópicos de Física – Relatividade No século XIX surgiu. a necessidade de estabelecer a existência de um meio que preenchesse uniformemente todo o espaço. independentemente da velocidade desta no referencial solar. Gustavo da Silva Pág. uma vez que esta é constante. Biologia. com sentido oposto ao da sua velocidade. a que se chamou éter. 3. 3. ou a velocidade da fonte de luz. físico americano de origem alemã. 144 .4. Os postulados de teoria da relatividade restrita A Teoria da Relatividade Restrita baseia-se em dois postulados. 1838-1923. O tempo de um referencial Considere-se o caso já referido. P2 – Princípio da constância da velocidade da luz: a velocidade da luz no vácuo é rectilínea e uniforme. As tentativas de determinação da velocidade do éter e as tentativas associadas de procurar detectar variações na velocidade da luz na Terra. Edward Williams Morley. que afirma que as leis da Mecânica devem ter o mesmo aspecto (permanecer inalteradas) em todos referenciais de inércia. estaria associado a um referencial privilegiado. independentemente do referencial. em várias ocasiões.5. Será que os dois observadores em S’ e em S consideram que existe simultaneidade neste evento? Como se poderá definir simultaneidade? 21 22 Albert Abraham Michelson. Esse meio. levando a pôr de parte a hipótese do éter. propostos por Einstein: P1 – Princípio da relatividade: as leis da Física devem permanecer inalteradas em todos referenciais de inércia. 1852-1931. A famosa experiência de Michelson-Morley realizada por Michelson(21) em 1881 e posteriormente por Morley(22) e outros.

um evento estará associado a um conjunto de 4 coordenadas. distribuídos numa grelha de coordenadas (por exemplo sobre marcas de 10 em 10 km sobre o eixo dos xx. com um certo valor. Para o sincronismo t0 é um instante inicial qualquer. 145 . Para tal vai mostrar-se que dois eventos poderão ser simultâneos num referencial e não o ser noutro referencial de inércia. A sincronização dos relógios por este procedimento faz-se pois num determinado referencial de inércia. o tempo não avança. ou então. se verifica em qualquer referencial de inércia. À carruagem está associado um referencial e ao solo com os carris outro referencial. 3. que será designado por relógio principal. Evento 2 – marcação do extremo de trás da carruagem e do ponto correspondente nos carris. isto é.-se sincronizados com o relógio principal se marcarem o tempo t= t0+r/c. uma vez que se vai afastando relógio. Sincronização de relógios Vai procurar aprofundar-se o conceito de tempo de um referencial. junto ao relógio que aí se encontra.5. Este procedimento de sincronização admite que a velocidade da luz tem o mesmo valor em todas as direcções. Os eventos em causa são: Evento 1 – marcação do extremo da frente da carruagem e do ponto correspondente nos carris. Em qualquer outro referencial de inércia ao mesmo evento estarão associados outros valores para as coordenadas. este evento ocorre mais lentamente.Tópicos de Física – Relatividade O observador em S nota que o evento se dá a intervalos Δt regulares. mesmo para a coordenada tempo. Se um observador colocado na origem. 3 de espaço e uma de tempo.5. este vê o relógio parado. enviar um impulso luminoso em todas as direcções no instante t=t0 do relógio principal.2. Considere-se a seguinte experiência imaginada por Einstein: Uma carruagem de comboio desloca-se com uma velocidade constante. Um raio (descarga atmosférica) atinge a carruagem. No caso limite do observador em S’ se afastar com velocidade c. em que r é a distância do respectivo relógio à origem. 3.1. Os relógios encontram-se onde for necessário saber o valor do tempo. idem sobre os yy e idem sobre os zz). se assim se desejar. mas para o observador em S’. Δt ' = ∞ . O tempo de um referencial está associado à evolução da indicação dos relógios que se encontram solidários com esse referencial. com regularidade Δt ' > Δt . Nesse referencial. Tal deixou de acontecer na Física Relativista. v. deixando duas marcas na carruagem (uma em cada extremo) e duas nos carris nas posições debaixo da carruagem. Gustavo da Silva pág. os restantes relógios dizem. A questão está em saber como é que os dois observadores se pronunciam sobre a simultaneidade destes eventos (figura seguinte). o que. pelo 2º postulado apresentado atrás. Simultaneidade de acontecimentos Na Física Clássica o tempo é igual em todos os referenciais.

sendo separado em dois. Este observador dispõe de um gerador de impulsos luminosos e envia estes impulsos na vertical em direcção a um espelho que se encontra no topo interior do avião e os reflecte de volta ao observador. uma vez que se está a deslocar nessa direcção. de velocidade v. não é simultânea no referencial do giroscópio. Temos aqui o exemplo de dois eventos que são simultâneos num referencial de inércia e não o são noutro. 3. Dilatação do tempo Vai a seguir dar-se um exemplo que ilustra o facto do tempo entre dois eventos ser diferente. concluindo assim que os eventos 1 e 2 são simultâneos.3. ao serem detectados existe uma diferença de tempos entre eles.5.Tópicos de Física – Relatividade v * A’ * A . Um dispositivo de medida que utiliza um princípio baseado no do movimento do observador em relação a dois eventos é o giroscópio de fibra óptica: Um impulso de luz é enviado para uma bobina de fibra óptica. O’ | | O . B’ * * B * A’ . . devido ao facto da bobina se encontrar em rotação. depende do estado de movimento do observador. colocado a meia distância de A e B recebe os sinais das descargas eléctricas em A e em B no mesmo instante.2 – Simultaneidade de acontecimentos O observador O em terra. Considerem-se os eventos seguintes: Evento 1 – Envio de um impulso de luz Evento 2 – Reflexão do impulso no espelho Evento 3 – Detecção do impulso reflectido. . A detecção dos dois impulsos. B’ * Fig. . e só a seguir é que recebe informação da descarga em A’. simultânea no referencial terrestre. a simultaneidade não é um conceito absoluto. A experiência anterior permite concluir que a simultaneidade de dois eventos num determinado referencial de inércia não implica a simultaneidade desses mesmos eventos noutro referencial de inércia. Com o observador O’ passa-se algo diferente: este observador recebe em primeiro lugar a informação da descarga eléctrica em B’. em relação à base aérea. 146 Gustavo da Silva . consoante o referencial em que é medido. O observador O’ conclui assim que o evento 1 é anterior ao evento 2. . Considere-se um observador O′ no interior de um avião que se desloca com um movimento uniforme. Pág. que são obrigados a percorrer a mesma trajectória mas em sentidos opostos. * A O’ | | O * B v . 3.

3. ⎛ Δt ⎞ ⎛ Δt ⎞ 2 ⎜c ⎟ = ⎜v ⎟ + d ⎝ 2⎠ ⎝ 2⎠ 2 2 Resolvendo em ordem a Δt e entrando com o valor de d obtido em (3. aplicado ao rectângulo sombreado. quando o impulso de luz reflectida atinge de volta o gerador de impulsos (3) já este se encontra mais avançado. o intervalo de tempo que a luz leva a ir e voltar. O caminho percorrido pelo impulso de luz enviado. Finalmente. os acontecimentos passam-se de forma diferente: quando a luz emitida (1) atinge o espelho (2) este encontra-se noutra posição.Tópicos de Física – Relatividade Considere um segundo observador. é dado por Δt p = 2d c (3. com o auxílio de um relógio R.6) A conclusão a que se chegou. vem.4) obtém-se a relação Δt = Δt p v2 1− 2 c = γ Δt p (3. Como é que os dois observadores descrevem estes eventos? Para o observador no avião a luz é enviada para cima.5) com γ = (1 − v 2 / c2 )−1/ 2 ≥ 1 (3. como se representa na figura ao lado. o caminho do impulso de luz reflectido e a trajectória do avião formam um triângulo isósceles. o intervalo de tempo medido por um observador em movimento em relação a um determinado relógio é maior do que o Gustavo da Silva pág. descrevendo um caminho inverso do anterior. considerando para velocidade da luz o valor c. O observador da base. avançado em relação à anterior.3 – Composição de velocidades Pelo teorema de Pitágoras. 2 c Δt 2 d 1 v Δt 2 3 Fig. mediu para o tempo de ida e volta o valor Δt. é apenas necessário o relógio R′. no referencial da base aérea. na vertical. baseada no postulado da constância da velocidade da luz em qualquer referencial e em qualquer direcção. diz que o intervalo de tempo decorrido no referencial associado a um evento é inferior ao intervalo de tempo medido por um observador noutro referencial. 147 .4) Para a medição deste intervalo de tempo. com o dobro do avanço anterior. é reflectida para baixo. e se encontra numa perpendicular ao plano descrito pelos impulsos de luz. Designando por d a distância entre o gerador de impulsos de luz e o espelho. medida efectuada pelo observador O′ no referencial S′. O impulso de luz aparenta ter sido enviado com uma certa inclinação. designado por tempo próprio do referencial. Para o observador O. também na vertical. O. no referencial da base aérea. Visto de outro modo. que do exterior pode observar o que se passa.

5. Pepe. com 33 anos. deixando cá o irmão Lesma Lenta. o Lesma estava mais velho). O comprimento medido por um observador em movimento em relação ao objecto é inferior ao comprimento próprio. o que conduz a Δt ≈ Δt p . a 20 anos-luz da Terra. resultado conforme à Mecânica Clássica. 3. Quando v se aproxima de c. Note-se que para v c se tem γ ≈ 1 .5.2 v/c Fig. Chama-se comprimento próprio àquele que é medido por um observador em repouso no referencial em que o objecto se encontra. Fizeram as contas. ficou chocado ao encontrar o irmão muito mais velho do que ele. Deixa-se ao leitor analisar o problema e dizer que postulado ou que outra condição é que as considerações de Lesma não estão a respeitar.5) e concluíram aquilo que cada um por si já sabia: O Pepe estava com 33 anos e o Lesma com 62 anos. No referencial das referidas estrelas a sua distância é Lp e a nave Pág. os movimentos são relativos e portanto a Terra e toda a Galáxia é que se deslocaram em relação à tua nave com velocidades simétricas das que levaste e portanto tu Pepe é que tens que estar mais velho (o que se verificava não estar a acontecer.4. Na figura junta mostra-se a evolução de γ em função de v/c. Mas logo a seguir o Lesma argumentou: não pode ser.4 – Evolução do factor γ com a velocidade 3.Tópicos de Física – Relatividade correspondente intervalo de tempo medido por um observador em repouso em relação a esse relógio. γ 10 8 6 4 2 0 0 0.4 0. Aos 20 anos o irmão Pepe Rápido resolve efectuar uma viagem ao planeta X20. utilizando a velocidade e a expressão (3. O Pepe viajou à velocidade de 0. 3.95c. Deverá ser v < c pois caso contrário γ seria um número imaginário puro e a expressão (3.5) conduziria a um valor imaginário para o tempo.5.8 1.6 0. O paradoxo dos gémeos Este paradoxo envolve dois irmãos gémeos viajando em referenciais distintos a uma velocidade elevada. Ao chegar a X20 já ia com saudades e regressou imediatamente.0 1. γ → ∞ . 148 Gustavo da Silva . Quando desembarcou na Terra.2 0. A contracção do espaço O comprimento de um objecto também depende do referencial em que se encontra. Considere-se o exemplo de uma nave que se desloca entre duas estrelas fixas a uma velocidade constante v.

ou seja L p / v = γ L / v . o tempo para percorrer a distância entre as estrelas é Δt p e para o observador da nave a sua distância é L. ct P(x. 3. À trajectória de P.5) é Δt = γ Δt p .7) Esta expressão diz que um objecto de comprimento próprio Lp. donde se obtém L = Lp 1 − v2 =Lp / γ c2 (3. No referencial da nave. Repare-se que o eixo do tempo está multiplicado por c. e ct dá-se o nome de linha do Universo. Atendendo a (3.z.7).t) linha do Universo futuro de P(0) região permitida cone de luz P(0) x região não permitida (exterior ao cone) região permitida y. z passado de P(0) Fig.y.Tópicos de Física – Relatividade demora o tempo Δt a ir de uma estrela até à outra.z. O diagrama espaço-tempo É costume representar a localização de um evento por um ponto P num diagrama (O.6. para se terem todos os eixos com a mesma ordem de grandeza.t) quadridimensional. apenas é possível efectuar esta representação a 3D. z. y.x. quando se tratar de velocidades próximas de c. quando em movimento na direcção do seu comprimento é observado como tendo um comprimento inferior L. ao longo de x. como se mostra na figura. 3.y. 149 .5 – O diagrama espaço-tempo Gustavo da Silva pág. dado por (3. Será Δt p = L / v .5. Tem-se Δt = L p / v . Como no entanto a nossa geometria é tridimensional.

físico holandês. No caso do observador se deslocar em direcção à fonte. Transformações de Lorentz As equações de transformação de Lorentz(24) permitem a obtenção das coordenadas (x’. tanto maior quanto maior a distância a que se encontram de nós. t’) de um evento num referencial de inércia S´ a partir do conhecimento das coordenadas (x. z. Expressa em termos de comprimento de onda da radiação electromagnética a expressão anterior transforma-se em.10) O efeito de Döppler já era conhecido de há muito tempo.8) Se o observador se afasta da fonte é fo < fs. 1889-1953. Gustavo da Silva Pág. O caso que aqui interessa é o de ondas electromagnéticas. f0. para o lado dos infravermelhos (cerca de 100 nm). independentemente do estado de movimento do referencial onde se encontra a fonte. devido à sua velocidade. t) do mesmo evento noutro referencial de inércia S com velocidade v em relação a S’. que ele observaria se estivesse em repouso. substituindo v por –v.7. em 1727.Tópicos de Física – Relatividade 3. que se propagam com velocidade c. e concluiu. O astrónomo Hubble(23) efectuou um grande número de observações sobre o desvio destas riscas. para quando o observador se afasta. É o chamado efeito de Döppler longitudinal: fo = 1+ v / c fs 1− v / c (3. Δλ λ +1 = c−v c+v (3. Também já era conhecido dos astrónomos o deslocamento de riscas espectrais de luz proveniente de galáxias. O efeito de Döppler O efeito de Döppler consiste no desvio de frequência observado numa onda progressiva. 150 . atinge mais depressa as ondas do que se estivesse em repouso. y’. Pode usar-se a expressão (3. fs.6. A frequência observada. a primeira prova do movimento de translação da Terra. com o auxílio das fórmulas do efeito de Döppler. astrónomo americano.8). 3. ‘z’.5.9) Se o observador se desloca numa direcção perpendicular à linha que o une à fonte temse o chamado efeito de Döppler transversal: fo = 1 − v2 f s = fs / γ c2 (3. quando existe um movimento relativo entre a fonte e o observador. y. Hendrik Lorentz. que as referidas galáxias se afastavam da Terra a grande velocidade. parece maior do que a da fonte. Há também um conjunto de equações para converter as velocidades de um objecto nos dois referenciais. Mesmo não utilizando as expressões relativistas foi este efeito que forneceu a Bradley. 1853-1928. 23 24 Edwin Hubble.

Escolhem-se os referenciais de modo que a passagem das origens de S’ e S uma pela outra corresponda às coordenadas (0. 0. isto é xi′ = ai 0 + ∑ aij x j j =1 4 (3. y. z’) paralelos aos seus eixos homólogos em S. x3 = z . z de vt. Seja v a velocidade de O’ em relação a S. 0. em 1904 por H. e i = 1.Tópicos de Física – Relatividade 3.11) Estas equações também são chamadas equações de transformação espaço-tempo de Lorentz.1.12) ′ em que x1 = x . y. Resolvendo algebricamente o sistema anterior em relação a x. A transformação inversa deve ser do mesmo tipo. y’. 0. 0) em S. Larmor. O número de coeficientes fica assim reduzido a 10. ‘z’. A obtenção das equações acima pode ser feita com base nos seguintes passos: 1. Lorentz e em 1905 por A. z. Notando que o intervalo ds é um invariante (devido à constância da velocidade da luz): ds 2 = dx 2 + dy 2 + dz 2 − c 2 dt 2 = dx′2 + dy′2 + dz′2 − c 2 dt ′2 Gustavo da Silva pág. t ' = a41 x + a42 y + a43 z + a44t 5. t. 0. Fica-se assim com apenas x ' = a11 ( x − vt ). z. Esta escolha conduz a ai0=0. x1 = x′ ..2. O’ deslocando-se segundo Ox e com O e O’ coincidentes no instante t = 0. 3. em 1900 por J. Einstein. Equações de transformação de coordenadas Considerem se dois referenciais de inércia S e S’. y’. x4 = t . Começa-se por considerar o caso geral em que os referenciais de inércia têm uma orientação qualquer: devido à homogeneidade do espaço as equações de transformação deverão ser lineares nas coordenadas. 4. . t’) do evento em S’ e as coordenadas (x. 6. designada por transformação de coordenadas de Lorentz foi obtida em 1887 por V.6. 0) em S’ e (0. e é dada por ⎧ x ' = γ ( x − vt ) ⎪y' = y ⎪ ⎪ ⎨z ' = z ⎪ ⎪t ' = γ (t − v x) ⎪ c2 ⎩ (3. S’ é escolhido com os eixos (x’. para ter o mesmo aspecto deverá ser a42=a43=0 e ainda a44=a11. Para um observador em S o plano O’ y’ z’ dista do plano O. 2. Escolhem-se os eixos como indicado acima: Os referenciais deslocam-se segundo x. 3. tal como foi apresentado anteriormente em 3. constante por se tratar de referenciais de inércia. z ' = a33 z. aqui já no contexto da Teoria da Relatividade restrita. 151 . 4. Os 20 coeficientes aij poderão ser funções de v. Voigt. ficando os coeficientes reduzidos a 16. y. 2. x2 = y . A relação entre as coordenadas (x’. y ' = a22 y. t) do evento em S.

13) 3. A partir de (3. t ′ dados acima e igualando os termos correspondentes obtém-se 2 2 2 2 2 a22 = 1. … Calcule-se u′ = x pelo que dx −v dx′ γ ( dx − vdt ) = = dt u′ = x dt ′ γ ( dt − v dx ) 1 − v dx c2 c 2 dt ou.16) obtêm-se de forma análoga à (3.14) (3.2. 152 Gustavo da Silva .Tópicos de Física – Relatividade substituindo nele os valores de x′. finalmente ux − v uv 1 − x2 c uy u 'y = uv γ (1 − x2 ) c uz ' uz = uv γ (1 − x2 ) c ' ux = dx′ v . a22. β = v / c .6. Utiliza-se a notação ux=dx/dt. z′. a11 + a44c 2 = 1 a11 − a22 a41c 2 = 0 a11v 2 − a41c 2 = − c 2 que resolvido em ordem a a11. A transformação de Lorentz pode ser apresentada na forma matricial. A velocidade do objecto é designada por u e u’. a33 = 1. Para tal é costume designar-se por β a velocidade relativa dos referenciais em relação à velocidade da luz. respectivamente em S e S’.11) tem-se dx′ = γ ( dx − vdt ) e dt ′ = γ (dt − 2 dx ) .16) As expressões (3.11). c dt ′ (3.15).11) tomam então o aspecto ⎡ 1 ⎢ 2 ⎡ x′ ⎤ ⎢ 1 − β ⎢ ′⎥ ⎢ ⎢y ⎥ = ⎢ 0 ⎢ z′ ⎥ ⎢ 0 ⎢ ⎥ ⎢ ⎣τ ′ ⎦ ⎢ − β ⎢ 1− β 2 ⎣ 0 0 1 0 0 1 0 0 ⎤ ⎥ 1− β 2 ⎥ ⎡ x⎤ ⎢ ⎥ 0 ⎥ ⎢ y⎥ ⎥⋅ 0 ⎥ ⎢z⎥ ⎢ ⎥ 1 ⎥ ⎣τ ⎦ ⎥ 1− β 2 ⎥ ⎦ −β (3. Pág. e efectuar-se a seguinte mudança de variável na coordenada tempo: τ = ct . Equações de transformação de velocidade Estas equações permitem a obtenção da velocidade de um objecto num referencial de inércia S´ a partir do conhecimento da velocidade do mesmo objecto noutro referencial de inércia S com velocidade v em relação a S’. y′.15) (3.15) e (3. As equações (3. a41 e a44 (a44 = a11) dá origem às equações (3.

18) Esta expressão. sempre que u << c. na nova definição de momento linear. Se os referenciais de inércia tiverem entre si um movimento relativo com velocidades elevadas da ordem de c.18).17) O momento linear de um sistema de partículas obtém-se pela soma dos momentos lineares de cada uma das partículas. 153 . Considere-se agora uma partícula massa m sobre qual se exerce uma força F constante e determine-se a sua aceleração. A expressão que traduz a relação entre força aplicada a uma partícula e o seu momento linear. da qual a lei da conservação do momento linear durante uma colisão é apenas um corolário (porque durante a colisão não há forças externas a exercer-se sobre as partículas). Será por definição de aceleração a= du dt (3. • O momento linear tende para infinito quando u c.19).Tópicos de Física – Relatividade 3. para que se continue a verificar a 2ª lei de Newton. dado por (3. que este se transforme no momento linear clássico.19) transforma-se no momento linear clássico (3. • Numa colisão de partículas o momento linear mantém-se constante. Ainda neste contexto. Momento linear e leis de Newton Na Física Clássica o momento linear de uma partícula (ou de u