Elaborado por: Ana Dias; Bruno Costa; Soraia Pereira.

O que é a arte?
• Criação humana com valores estéticos: o Beleza; o Equilíbrio; o Harmonia; o Revolta; • Sintetiza as suas emoções, a sua história, os seus sentimentos e a sua cultura. • Conjunto de procedimentos utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos os nossos conhecimentos.

plástica

escultura

Arquitectura

música

cinema

teatro

dança

Pode ser compreendida pelo homem de três formas: • Visualizada; • Ouvida; • Mista (audiovisual).

Teoria da arte como imitação

Teoria idealista da arte

Teoria da arte como expressão

Teoria institucional da arte

Teoria formalista

• É uma das mais antigas teorias da arte. Durante muito tempo, foi aceite pelos próprios artistas como inquestionável.

Uma obra é arte se, e só se, é produzida pelo homem e imita algo.

• O facto de muitas pinturas, esculturas e outras obras de arte imitarem algo da natureza: paisagens, pessoas, objectos, acontecimentos, etc.

Joseph Anton Koch

Joseph Anton Koch, Schmadribach

• Critério de classificação: permite-nos distinguir um objecto que é uma obra de arte de outro que o não é.
• Critério de valoração: possibilita-nos distinguir as boas das más obras de arte. Neste sentido, uma obra de arte seria tão boa quanto mais se conseguisse aproximar do objecto imitado.

Exprime-se frequentemente através de frase como «este quadro é tão bonito que mal conseguimos distinguir aquilo que o artista pintou da fonte utilizada».

Esta teoria defende uma condição necessária, para que algo seja arte tem de imitar o real, e isto não acontece com todas as obras de arte.

O Jardim das Delícias, de Jerónimo Bosh

• Critério de classificação: Existem obras que são reconhecidamente arte e, seguindo esta teoria, não são classificadas como tal.

Salvador Dali - A Persistência da Memória

• Critério valorativo: este falha porque muitas obras de arte não podem ser consideradas boas nem más, já que não imitam nada.
• Existem ainda obras que imitam algo sem que nós tenhamos condições de as avaliar, por exemplo obras que imitam algo que já não existe ou não é do conhecimento de quem as aprecia.

Como podemos saber se O Nascimento de Vénus, de Botticelli, é uma boa imitação, se é que está a imitar algo?

O Nascimento de Vénus, de Botticelli

Segundo este critério (valorativo) Picasso seria um artista menor e teríamos de reconhecer que a fotografia é a mais perfeita de todas as artes.

Pablo Picasso - Weeping Woman - 1937

Maya with Doll (Maya a la Poupee); Pablo Picasso

Muitos filósofos e artistas do século XIX, insatisfeitos com a teoria da arte como imitação, propuseram uma definição de arte que ultrapassava das limitações da teoria anterior.
Uma obra é arte se, e só se, exprime sentimentos e emoções do artista.

Muitos artistas testemunham que sem a existência de certas emoções, determinadas obras não teriam certamente existido.

Retrato do Doutor Gachet, Van Gogh

Auto-Retrato com Chapéu de Palha, de Van Gogh

Critério classificativo: permite classificar objectos como obras de arte, com a vantagem de classificar como tal todas as obras que não imitam nada.
Critério valorativo: uma obra é tanto melhor quanto melhor conseguir exprimir os sentimentos do artista que a criou.

Exprime-se frequentemente através de frases como «este é um livro exemplar em que o autor nos transmite o seu desespero perante uma vida sem sentido» .

• Existem obras que não exprimem qualquer emoção ou sentimento.

Vasarely

Composição com Vermelho, Amarelo e Azul, de Piet Mondrian (1872-1944)

• Critério de classificação: uma maior quantidade de objectos podem ser classificados como arte em comparação com a teoria anterior, mas nem todas as obras de arte são classificadas como tal. • Critério de valoração: Como podemos nós saber se uma determinada obra exprime correctamente as emoções do artista que a criou, quando este já morreu há séculos?

• Abreviadamente «teoria formalista». • Considera que não se deve começar por procurar aquilo que define uma obra de arte na própria obra, mas sim no sujeito que a aprecia.
Uma obra é arte se, e só se, provoca nas pessoas emoções estéticas.

A característica de provocar emoções estéticas constitui a condição necessária e suficiente para que um objecto seja uma obra de arte.
Dizer que: “as obras de arte exprimem emoções”  defende a teoria da expressão “provocam emoções nas pessoas”  defende a teoria formalista

Exprime-se através de frase como «este quadro é uma verdadeira obra prima devido à excepcional harmonia das cores e ao equilíbrio da composição».

• Algumas pessoas não sentem qualquer tipo de emoção perante certas obras que são consideradas arte.

• Defendida por George Dickie. • Considera que existe dois aspectos comuns a todas as obras de arte: – Todas elas são artefactos (sofreram uma manipulação por parte de alguém); – Todas elas possuem o estatuto de obras de arte porque este lhes é conferido por pessoas que detêm autoridade suficiente para o fazer.

• Nesta teoria quase tudo se pode transformar numa obra de arte, visto que, basta pessoas avalizadas nessa matéria afirmarem que o é. Esta teoria não permite distinguir a boa da má arte (dizer que algo é arte é apenas classificá-lo como tal). • Trata-se de uma teoria circular uma vez que arte é só aquilo que um grupo restrito decide considerar como tal. Assim, poderíamos ser levados a dizer, por exemplo: Mona Lisa é uma obra de arte porque há pessoas que pensam desse modo…

• Como observa o filósofo Richard Wollheim, ainda que se admita que as pessoas ligadas ao mundo da arte têm o dom de converter qualquer artefacto numa obra de arte, nesse caso deve haver razões para escolherem uns artefactos e não outros. Se há razões, então são essas a fixar o que é arte e o que não o é, tornando-se inútil a teoria institucional.

• A teoria idealista da arte, defende que é na mente do artista que se encontra a verdadeira obra de arte. • Defende que as obras de arte são diferentes dos artefactos, ou seja, nenhuma obra de arte se reduz a um meio destinado a um fim utilitário.

• Caracteriza-se por diferenciar as obras de arte genuínas, da arte recreativa e da arte religiosa.

• É de difícil aceitação a perspectiva segunda a qual as obras de arte são ideias (em vez de serem objectos materiais). • Ao defender que só são obras de arte genuínas aquelas que não têm propósitos específicos, estas (por exemplo: obras de arquitectura) não deixam por isso de ser artisticamente belas.

Teoria da arte como imitação

Teoria da arte como expressão

Teoria formalista

Teoria institucional da arte

Teoria idealista da arte

Imitação da natureza;

Provoca emoções nas pessoas;

Reside na mente do artista;

Transmite sentimentos do artista;

Sofreram manipulação por parte de alguém; Classificaram-nas como tal;