P. 1
Bigio & Secco 2010 Uma nova espécie de Pera (Peraceae) endêmica Rodriguesia 61(1) 77-81

Bigio & Secco 2010 Uma nova espécie de Pera (Peraceae) endêmica Rodriguesia 61(1) 77-81

|Views: 19|Likes:
Published by Narcísio Bigio

More info:

Published by: Narcísio Bigio on Feb 13, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/13/2012

pdf

text

original

Rodriguésia 61(1): 077-081. 2010 http://rodriguesia.jbrj.gov.

br

Uma nova espécie de Pera (Peraceae) endêmica de Manaus, Amazonas, Brasil
A new species of Pera (Peraceae) endemic to Manaus, Amazonas, Brazil

Narcísio Costa Bigio1 & Ricardo de S. Secco2
Resumo
Pera manausensis Bigio & Secco, uma nova espécie de Euphorbiaceae endêmica de Manaus, Amazonas, é descrita e ilustrada. Esta espécie é afim de P. decipiens Muell. Arg., P. bicolor (Klotzsch) Muell. Arg. e P. tomentosa (Benth.) Muell. Arg., mas separa-se destas por ser a única a apresentar face abaxial da folha com tricomas lepidoto-estrelados, emaranhados, flores estaminadas com cálice 3-lobado e pistilódio filiforme, e flores pistiladas com ovário tomentoso, estigma 3-lobado, lobos bipartidos e estaminódios sepalóides, filiformes. Discussões sobre as afinidades do novo táxon, bem como uma chave para separação das espécies mais próximas, são apresentadas. Palavras-chave: Amazônia brasileira, Euphorbiaceae, espécie nova.

Abstract
Pera manausensis Bigio & Secco, a new species of Euphorbiaceae endemic to Manaus, Amazonas, is described and illustrated. This species is closely related to P. decipiens Muell. Arg., P. bicolor (Klotzsch) Muell. Arg. and P. tomentosa (Benth.) Muell. Arg., but can be recognized by the following: leaf abaxial surface with entangled, lepidote-stellate trichomes; staminate flowers with calyx 3-lobed and pistillodium filiform; pistillate flowers with tomentose ovary, stigma 3-lobed, lobes bifid, and staminodia sepaloid, filiform. The affinities of the new taxon are discussed and a key to separate closely related species is presented. Key words: Brazilian Amazon, Euphorbiaceae, new species.

Introdução
Pera Mutis é um gênero endêmico dos Neotrópicos (Gordillo & Morrone 2005) com aproximadamente 30 espécies (Webster 1994; Gillespie & Armbruster 1997), ocorrendo desde Cuba e América Central até sul do Brasil. Sua maior concentração encontra-se na Amazônia (Webster 1994), sendo que 13 especies ocorrem na Amazônia brasileira (Bigio 2009). As espécies de Pera são árvores e arbustos dióicos, raramente monóicos (em P. distichophylla (Mart.) Baill. e P. androgyna Rizzini), com uma característica morfológica peculiar das Peraceae, os pseudantos axilares, que consistem de flores pequenas envolvidas por uma bráctea involucral vistosa (de cores amarela, creme, branca ou, às vezes, avermelhada), perfumada e mais ou menos globosa; na base do invólucro há uma ou duas bractéolas. Duas espécies têm usos populares: P. glabrata (Schott) Baill. é utilizada no Brasil para a produção

de tamancos (Lorenzi 1992), e P. benensis Rusby no tratamento da Leishmaniose cutânea, pelos índios Chimane, da Bolívia (Fournet et al. 1992). O trabalho mais completo sobre Pera é de Pax & Hoffmann (1919), porém muitas outras espécies foram posteriormente publicadas, e também muitos sinônimos foram estabelecidos (Bigio 2009). Os trabalhos mais recentes são os de Gillespie & Ambruster (1997), tratando cinco espécies da Flora da Guiana; Gillespie (1999), que trata sucintamente seis espécies da Guiana venezuelana, e Bigio (2009), que revisou as espécies da Amazônia brasileira. A circunscrição de Euphorbiaceae vem passando por alterações nos último anos e, consequentemente, o posicionamento de Pera tem sido alterado. Webster (1994) considerou esse gênero em Euphorbiaceae, subfamília Acalyphoideae. Esse conceito foi corroborado pelo estudo da anatomia da madeira (Hayden & Hayden 2000). Já os estudos de pólen (Nowicke et al. 1998; Nowicke & Takahashi

1 2

Universidade Federal de Rondônia, Depto. Biologia, Campus José Ribeiro Filho, BR 364, km 9,5, 76800-000, Porto Velho, RO, Brasil. narcisio@gmail.com – Professor/Curador. Museu Paraense Emílio Goeldi, Depto. Botânica. C.P. 399, 66040-170, Belém, PA, Brasil. rsecco@museu-goeldi.br – Pesquisador/Curador, Bolsista CNPq.

NY e P. Flores estaminadas 3. INPA. (2005). peninérveas. ovário 4–5 mm diâm. N. campanulato trichomatibus simplicibus sparsis. Ramos com indumento de tricomas estrelado-lepidotos. G. nervuras proeminentes.5–6.6– 1.2 mm. entrada do alojamento-torre km 35. mesocarpo liso. disformes.. 1058 (holótipo MG!.R. margens laceradas. Inflorescentiae involucro per anthesin longitudinaliter aperiuntur. estigma 3-lobado. orbiculares. piloso. 1–2 × 0. bipartito. 5–6 mm diâm. aclamídeas. UB e UFMT e fotografias dos tipos procedentes das coleções de F. K. com indumento esparso de tricomas simples.. bractéolas ca.2 mm compr. trichomatibus simplicibus obtecto. pétalas ausentes. De acordo com APG III (2009). pedúnculo 0. pedúnculo com tricomas lepidotoestrelados.5 mm compr. encontrou-se três espécimes procedentes de Manaus. com indumento tomentoso.5–2. e tendo como base as exsicatas (incluindo alguns tipos) depositadas nos herbários IAN. pistilloidio 1 filiformi. Flores pistillati ovario globoso tomentoso. Fig. Pogonophora Miers ex Bentham e Trigonopleura Hook. que posicionou Pera na subfamília Peroideae. 2005).f.5–1..5 mm compr.2 × 1–1. 25 m alt. não reconheceram Peraceae como família. staminodio sepaloideo centrali 1 vel 2. concrescidos na base. isótipos INPA!. juntamente com Chaetocarpus Thwaites.A. filetes 0.5–1 mm. face superior glabra. em uma possível nova subfamília de Euphorbiaceae não designada pelos autores.. 8–12. L. entretanto.3 mm compr. globoso. com denso indumento de tricomas lepidotoestrelados. Vicentini et al. MG. (2005). campanulado.. estado do Amazonas. RB.2 mm compr. Tipo: BRASIL. papilosa. sp.. fl. × 30 cm diâm. que se diferenciavam das espécies até então conhecidas. a seguir.. Sementes imaturas. Amazonas. face adaxial com tricomas estrelados apenas na nervura principal. Frutifica em dezembro... face inferior tomentosa. Clutia L. que formariam um grupo polifilético. Resultados e Discussão Pera manausensis Bigio & Secco. R. tricomas simples.S.5–1 cm compr. Endêmica da Amazônia Central.5 × 4. filiforme.. margens inteiras. 2002) e dos óvulos (Tokuoka & Tobe 2003) sugeriram outro posicionamento. rimosas. pedicelo 0. esparsos. Folhas alternas. apicifixas. stigmate 3lobato.. concordaram que Pera pertença à Peraceae. invólucro das flores estaminadas 3–5 mm diâm. 1 a-m Arbor.5 cm. 1 mm diâm. estilete séssil a subséssil. Material e Métodos Como parte da revisão das espécies de Pera ocorrentes na Amazônia brasileira. No estudo das coleções amazônicas de Pera. Inflorescências pistiladas em pseudantos fasciculados. o que levou à proposição de um novo táxon.1995. nov. glabros. lóbulos 0. IAN. AMAZONAS: Manaus... lobos bipartidos. baseados no sistema APG II (2003) e nas atualizações de Stevens (2001). canaliculado. 2010 . óvulo 1 por lóculo. lacerados.78 Bigio..2 mm compr. com tricomas simples. bractéolas 2–3 mm diâm. Flores pistiladas 4. bractéolas 2 na base do invólucro. com tricomas lepidotos. 22. base cuneada. globosos. com tricomas simples. estaminódio filiforme 1. tricomas simples. e sim com os demais quatro gêneros considerados por Wurdack et al. ilustrado e comentado.5 cm compr. deformi et staminodio 1 extus filiformi. ápice obtuso a arredondado. UB!). ca.2–5 mm compr. com denso indumento de tricomas lepidoto-estrelados. estames 3 ou 4 por flor. anteras 1–1. Manaus. pecíolo 1–1. o reconhecimento de Peraceae Klotzsch (1859) seria necessário para manter Euphorbiaceae como um grupo monofilético.. pistilódio presente ca..2 cm. mas não isoladamente. cálice 3lobado. mericarpos 3. emaranhados. pedicelo 5–7 mm compr. com 1– 1. nervis prominentibus. opostas.3–1. Frutos 1–1. Stevens (2001) e Souza & Lorenzi (2008).. F.IV. obtecta.. 1. sésseis. elíptico-oblongas. Floresce de junho a novembro. coriáceas. 3–4 mm compr. esparsos. Estrada Manaus-Itacoatiara km 26.C. invólucro das flores pistiladas abrindo-se na antese através de uma fenda longitudinal até a metade. 1 mm compr. Folia in pagina abaxiali denso indumento trichomatum lepidoto-stellatorum Rodriguésia 61(1): 077-081. devido à necessidade de estudos adicionais. glândulas ausentes. Reserva Ducke. de acordo com o que foi decidido pela equipe responsável pela família Euphorbiaceae no projeto da Lista de Espécies da Flora do Brasil. & Secco. estaminódios sepalóides 1 ou 2. Isto seria justificado pelo fato de características moleculares indicarem que Raflesiaceae estaria incluída entre as Peroideae e as demais Euphorbiaceae (senso Wurdack et al. centrais. Isto foi comprovado nos estudos filogenéticos de Wurdack et al. que é descrito. Neste trabalho manteve-se Pera em Peraceae. tomentoso. 0. face abaxial com denso indumento de tricomas lepidoto-estrelados. SP. pedúnculo 1. Brasil. SP!. Flores staminati calyce 3-lobato. Árvore dióica ca.

245. h. h. detail of dense indument of lepidote-stellate trichomes on the lower surface. detail of the sepaloid staminodium. pistillate inflorescence with a longitudinal opening at anthesis. m Costa et al. com indumento de tricomas simples no cálice. central sepaloid staminodium and the external filiform staminodium. e. c. Rodriguésia 61(1): 077-081. two pistillate flowers. j. g. com invólucro removido e com um pistilódio externo (seta). estaminódio sepalóide central e o estaminódio filiforme externo. ramo com inflorescências. detalhe do pistilódio filiforme. f. Figure 1 – Pera manausensis Bigio & Secco – a. 1058. três flores estaminadas. m Costa et al. c. three staminate flowers without the involucral bract and one external pistilodium (arrow). d.g-l Vicentini et al.g-l Vicentini et al. k. 433). branch with pistillate inflorescence. m. detail of staminate flower with indument of simple trichomes on the calyx. four pistillate flowers without the involucral bract. detalhe do denso indumento de tricomas lepidoto-estrelados na face abaxial da folha. detalhe do estaminódio sepalóide. d. 1058. pistillate flower with 3lobed stigma with bifid lobes. com uma fenda longitudinal na antese. inflorescência estaminada abrindo-se por uma fenda longitudinal na antese. l. frutos. staminate inflorescence opening by a longitudinal opening at anthesis. b. inflorescência pistilada em pseudanto. 433). detalhe da flor estaminada. i. l. duas flores pistiladas. (a-b. j. 245. flor pistilada com estigma 3-lobado e lobos bipartidos. c-f Oliveira et al. i. com invólucro removido. e. detail of the filiform pistillodium. c-f Oliveira et al. m. f. opposite bracteolea at the base. b. quatro flores pistiladas. 2010 . (a-b. k. brácteas opostas na base. detail of the filiform staminodium. detalhe do estaminódio filiforme externo. fruits. g.Nova espécie de Pera endêmica 79 b 1 mm g c 1 mm h 1 mm k 2 cm 1 mm 1 mm d 1 mm 1 mm i 1 mm e j a 1 mm 1 mm 1 cm f l m Figura 1 – Pera manausensis Bigio & Secco – a.

... tomentosa a face abaxial das folhas possui denso indumento de tricomas estrelados. com denso indumento de tricomas lepidotos .... Laurent Gautier.. laciniado . M.. além da presença de estaminódios... flores estaminadas com cálice regular...... Arg..S.. 3.. Por ter o invólucro da inflorescência abrindose através de uma fenda longitudinal na antese... aos curadores dos herbários consultados..... manausensis possui folhas com tricomas lepidoto-estrelados na face abaxial.. Flores pistiladas com 3 estaminódios sepalóides. flores pistiladas sésseis..... estigma com lobos inteiros.. 1'.. tomentosa....... Agradecimentos especiais ao Dr. Folhas com denso indumento de tricomas lepidoto-estrelados. Alain Chautems e Dr...... decipiens 3'. 1058 e Costa et al.. da Universidade Federal do Paraná. foram coletados da mesma árvore. Arg. ao Dr. 2.. Folhas com indumento tomentoso de tricomas estrelados.. Caroline Loup. N..... Em P.. projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais.. flores pistiladas pediceladas....... manausensis 2'.. Neopera Griseb.. William Rodrigues... 433 (MG)..... Estrada Manaus-Itacoatiara km 26..... flores estaminadas com cálice irregular... bicolor (Kloztsch) Müll..... ovário globoso. Costa et al. decipiens o ovário é piriforme. decipiens Müll.. P.. as fotografias de tipos disponibilizadas.. estrada alojamento-torre km 35.. decipiens... com tricomas lepidotoestrelados... schomburgkiana. devendo ser por isso a identificação equivocada como P. A flor pistilada da nova espécie assemelha-se muito a de Pera bicolor. 2010 .XII........ Rodriguésia 61(1): 077-081. A.. a primeira é Pera pulchrifolia Ducke.. ao desenhista Carlos Alvarez.... tomentosa Agradecimentos Os autores agradecem ao CNPq as bolsas de mestrado e de produtividade concedidas ao autor e coautor...) Müll.. a espetacular ilustração.80 Bigio...... flores pistiladas com estigma 3-lobado. Desta forma...... P. são conhecidos somente dois indivíduos contendo flores..... fr. respectivamente.... bicolor Folhas com denso indumento de tricomas lepidoto-estrelados ou estrelados emaranhados...... enquanto em P... A presença de ovário tomentoso também aproxima Pera manausensis de P. Mas desta se separa facilmente pela face abaxial das folhas com indumento de tricomas lepidotoestrelados.. disforme e ausência de pistilódio... e à Mme.... nunca emaranhados..A.... que foram essenciais para a definição do novo táxon... Esta espécie um é sinônimo de P... com indumento tomentoso de tricomas estrelados . 5... cálice das flores estaminadas 3-lobado. que está marcada com o número 3304–11 e apresentava-se identificada como Pera schomburgkiana (Benth.. que pode ser facilmente reconhecida pelas folhas opostas.XI.R..... ..... do Herbário G... Material examinado: BRASIL..... pois P...... lobos bipartidos... AMAZONAS: Manaus. Oliveira et al....... Pera manausensis deve ser posicionada em Pera sect.. 3-lobado.... provenientes da Reserva Ducke.A.. cálice das flores estaminadas lacerado......... 21. Pera manausensis é a segunda espécie endêmica conhecida para a região de Manaus..... Os dois espécimes (Vicentini et al.. com estigma 3-lobado......... a tradução da diagnose para o latim...... de tricomas simples.........1995........ já que em ambas o ovário é tomentoso.. Reserva Ducke..... já P....S. flores estaminadas com pistilódio e flores pistiladas com estaminódios.. & Secco...... Flores pistiladas com 1 ou 2 estaminódios sepalóides... lobos inteiros e ausência de pistilódio.. bicolor tem a face abaxial das folhas com tricomas estrelados...C.... P. Chave para identificação das espécies próximas de Pera manausensis 1. 245 (INPA)....... já que ambas possuem tricomas lepidotosestrelados.... campanulado e pistilódio filiforme. 59°43’40”W.......... Folhas com esparso indumento de tricomas estrelados.. além disso. 90 km NNE de Manaus...... 433).1991 (m).. flores pistiladas com estigma 3-lobado... Distrito Agropecuário................ Mas P........ do Herbário P. manausensis tem ovário com indumento tomentoso. ovário piriforme. Reserva 1501 km 41.... lobos bipartidos e flores estaminadas com pistilódio filiforme.... a nova espécie tem nervuras mais proeminentes que em P... 2°24’26”S... Arg. Mas separam-se prontamente. um com flor pistilada (da Reserva Ducke) e outro com flor estaminada (do Distrito Agropecuário de Manaus).... O indumento da face abaxial das folhas de Pera manausensis é similar ao de P.. estigma com lobos bipartidos ... P...

A. Eriocaulaceae-Lentibulariaceae.). Berry. Amyrea. Tokuoka. Linne’s natürliche Pflanzenklasse Tricoccae des Berliner Herbarium’s im Allgemeinen und die natürlich Ordnung Euphorbiaceae insbesondere. P. Wurdack. L. Panda) and Ampereae (Amperea. Liepzig.A. F. Neotrewia. 1919. 1859.. Plukenetia and Tragia (Euphorbiaceae) with notes on subfamily Acalyphoideae. Rodriguésia 61(1): 077-081. Megistostigma. Acidoton. 68: 1-14. B. Aceito para publicação em 01/03/2010. Neoscortecchinia). Hocquemiller.J. A. J. Rockinghamia. Deuteromallotus. Takahashi. Instituto Plantarum.M.A.. Nova Odessa. Euphorbiaceae – Pereae. S. P. Vol. M. Patrones de endemismo y disyunción de los géneros de Euphorbiaceae sensu lato: una análisis Panbiogeográfico.mobot. 2010 . Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira. 2009. exine structure and systematics of Acalyphoideae (Euphorbiaceae) Part. Belém. Homonoia). Esser. & Morrone. & Heald.. Erismantheae pro parte (Erismanthus.org/MOBOT/research/APweb/>. P. Version 9. Berry. & Cave. Gordillo. Pp. Journal of Ethnopharmacology 37: 159-164. Webster. Tragia. P. 2008. W. M. Nowicke.. & Lorenzi. & Holst.. G. Souza. Haematostemon..W. Pera. Synopsis of the genera and suprageneric taxa of Euphorbiaceae. 2003. Acalypha. Sphaerostylis.J. Boletín de la Sociedad Botánica de México 77: 21-33. Microdesmis. Gillespie. 704p. Smithsonian Contributions to Botany 86: 1-48. Octospermum. & Chase. Trewia. G. Chaetocarpeae (Chaetocarpus. 117p. & Hoffmann. Dicoelieae (Dicoelia).E. Plantarum.K. Plukenetia. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II.E.S. M. (ed. Mareya.J. Roblot. H. Plukenetieae (Haematostemon. 2005. 2009. K. A. Das Pflanzenreich. Stevens. and discussion and summary of the complete subfamily. Molecular phylogenetic analysis of uniovulate Euphorbiaceae (Euphorbiaceae sensu stricto) using plastid rbcL and trnL-F DNA sequences. J. Journal of Plant Research 116: 355-380. Angiosperm phylogeny website. Part 41 Tribes Acalypheae pro parte (Erythrococca.M.. Eleutherostigma. Trigonopleura). In: Engler.C. 1992.V. Pogonophoreae (Pogonophora). N. 1 Tribes Clutieae (Clutia). Pax. Pollen morpholgy. Tragiella. A. Dissertação de Mestrado. R. Euphorbiaceae..W. Louis. Artigo recebido em 05/08/2009.. Nowicke. Astrococcus. Mareyopsis. Claoxylopsis. Platygyna. Claoxylon. Micrococca. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas e nativas do Brasil. St.. L.A. Cnesmone. J. Flora of the Venezuelan Guayana. Botanical Journal of the Linnean Society 141: 399-436. Lorenzi.. Engelmann.). Pachystylidium. Lobanilia. Munoz. Gillespie. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of floweringplants: APG III. Hoffmann.. Monotaxis). 2002. a Bolivian plant used in folk medicine as a treatment of cutaneous leishmaniosis. Klotzsch. Vol. M. Omphalea. American Journal of Botany 92: 1397-1420. As espécies de Pera Mutis (Euphorbiaceae) na Amazônia Brasileira. Acesso em 15 outubro 2008. exine structure and systematics of Acalyphoideae (Euphorbiaceae).J. Cococceras. Review of Paleobotany and Palynology 102: 115-152. In: Steyermark. S. R. Fournet.W. V. Universidade Federal Rural da Amazônia. Secco. Review of Paleobotany and Palynology 121: 231-336. & Takahashi. Pollen morphology. Königlich Preussische Akademie der Wissenschaften zu Berlin. A Contribution to the Guianan flora: Dalechampia. Omphaleae (Omphalea). Romanoa. Armbruster. baseado em APG II. 1994. 1. F.F. 2000. 2005. 1992. H. Disponível em <http:/ /www. Dalechampia).L. Missouri Botanical Gardens Press.L. Nova Odessa. 236-254. J. Discoclaoxylon. Vol. 1997. Levin. (ed. Vigia..S. Webster. 2ª ed. Pera.F.J. Hayden. Galearieae (Galearia. G.Nova espécie de Pera endêmica 81 Referências APG II.J. Pp. 5. Annals of the Missouri Botanical Garden 81: 33-144. Bigio.L. 1999. 2003. 1998. H. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121. K. 109p. Cordemoya.. Mallotus.C. June 2008. Hayden. Biological and chemical studies of Pera benensis. 186-191. Spathiostemon. & Hayden. J. V.S. Pereae (Pera). Gillespie. Wood anatomy of Acalyphoideae (Euphorbiaceae).. & Armbruster. H. W. Cheiloseae (Cheilosa. T. IAWA 21: 213-235. In: Webster. Lasiococca. Ovules and seeds in Acalyphoideae (Euphorbiaceae): structure and systematic implications. G. & Tobe.J. Angelo. Angostyles. J. (2001 onwards). APG III. W. Moultonianthus). L.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->