P. 1
chave da teosofia

chave da teosofia

|Views: 27|Likes:
Published by PEDROCIPRIANO

More info:

Published by: PEDROCIPRIANO on Mar 04, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/08/2015

pdf

text

original

P: Diga-me algo sobre a natureza de manas e sua relação com os

skandhas do homem físico.

203

T: Essa natureza misteriosa, mutável, fora de todo alcance, quase

confusa em suas correlações com os demais princípios, é muito difícil de

compreender e mais ainda de explicar. Manas é um "princípio", e, sem dúvida,

é uma "entidade" e individualidade, o Ego. É um "Deus" e, sem dúvida, está

condenado a um interminável ciclo de encarnações, de cada uma das quais é

tido por responsável, e a cada uma das quais tem de sofrer. Tudo isto parece

tão contraditório como enigmático; e, no entanto, existem milhares de pessoas

até mesmo na Europa, que compreendem tudo isto perfeitamente, porque

concebem o Ego não só em sua integridade, com também em seus múltiplos

aspectos. Enfim, para explicar-me de maneira compreensível, devo começar

pelo princípio, tentando dar em poucas linhas a genealogia desse Ego.

Tratemos de imaginar um "espírito", um ser celestial — não importa

que nome se lhe dê — divino em sua natureza essencial, mas não bastante

puro para ser uno com o Todo, necessitando purificar sua natureza para

conseguir alcançar esse objetivo. Só pode alcançá-lo passando individual e

pessoalmente, isto é, espiritual e fisicamente, por toda experiência e sensação

existentes no universo diferenciado. Por conseguinte, depois de haver

adquirido aquela experiência nos reinos inferiores, havendo evoluído mais e

mais na escala do Ser, tem que passar por todas as experiências dos planos

humanos. Em sua própria essência é o Pensamento; portanto, em sua

pluralidade toma o nome de Manasaputra, os "filhos da mente universal". A

este Pensamento individualizado, nós, os teósofos, chamamos o verdadeiro

Ego humano, a entidade pensante prisioneira em uma prisão de carne e osso.

Seguramente é uma entidade espiritual, não-material; e essas entidades são os

204

Egos que se encarnam animando a massa de matéria animal chamada

humanidade, cujo nome é Manasaputra, e são as "mentes". Mas, uma vez

prisioneiros (ou encarnados), sua essência converte-se em dual: isto é, os

raios da Mente divina e eterna, considerados como entidades individuais,

adquirem um duplo atributo: a) seu caráter essencial inerente, a aspiração da

mente ao céu (manas superior), e b) a qualidade humana de pensar, ou

reflexão animal, racionalizada por efeito da superioridade do cérebro humano,

inclinado à Kama, ou manas inferior. Um gravita até Buddhi, o outro tende para

baixo, até o centro das paixões e dos desejos animais. Para estes últimos não

há lugar em Devakhan, nem podem associar-se com a Tríade divina que, como

unidade, ascende à bem-aventurança mental. Sem dúvida o Ego, a entidade

manásica, é responsável por todos os pecados dos atributos inferiores, da

mesma forma que um pai é responsável pelas transgressões de seu fiho

enquanto este é irresponsável.

P: E acaso o "filho" é a "personalidade"?

T: Sim. Por isso, quando se diz que a "personalidade" morre com o

corpo, não se disse tudo. O corpo, que só era o símbolo objetivo do sr. A. ou

da sra. B., extingue-se com todos seus skandhas materiais, que são as

expressões visíveis dele. Mas todo aquele que durante a vida constituiu um

núcleo espiritual de experiências: as aspirações mais nobres, as afeições

imortais e a natureza altruísta do sr. A. ou da sra. B., durante o período

devakhânico aderem-se ao Ego, identificando com a parte espiritual daquela

entidade terrestre que desapareceu de nossa vista. O ator está tão imbuído do

papel que acaba de representar, que sonha com ele durante a noite

205

devakhânica inteira; e essa visão dura até que soa para ele a hora de voltar ao

cenário da vida para desempenhar outro papel.

P: Mas como se explica que esta doutrina, que conforme sua afirmação é

tão antiga quanto o pensamento humano, não tenha penetrado na Teologia cristã?

T: Equívoco seu: penetrou nela, só que a Teologia a desfigurou de tal

modo, que ficou desconhecida, como sucede com muitas outras doutrinas. A

Teologia chama ao Ego o anjo que Deus nos dá no momento de nascer, para

cuidar de nossa alma; e em vez de fazer aquele anjo responsável pelas

transgressões da pobre "alma" desamparada, esta é que - segundo a Teologia

- - recebe castigo por todos os pecados, tanto da carne como da mente. E é a

alma, o Hálito imaterial de Deus e sua pretensa criação, a que, graças a um dos

enganos intelectuais mais extraordinários que se conheceu, está condenada a

arder sem jamais se consumir51

, em um inferno material; enquanto que o

"anjo", depois de dobrar suas brancas asas, que umedece com algumas

lágrimas, escapa ileso. Sim, desta forma são nossos "espíritos defensores", os

enviados "mensageiros de paz", segundo nos disse o bispo Mant:

"... para fazer o

Bem aos herdeiros da Salvação;

Sofrer por nós quando pecamos, e

Regozijar-se quando nos arrependemos".

51

Já que é de uma "natureza como o amianto, ou asbesto", conforme a eloqüente e fogosa
expressão de um moderno Tertuliano inglês.

206

Sem dúvida fica evidente que se pedirmos a todos os bispos do

mundo inteiro, uma definição clara e terminante sobre o que entendem por

alma e suas funções, seriam tão incapazes de fazê-lo, como de demonstrar a

menor sombra de lógica na crença ortodoxa.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->